MAS QUEM CRIOU OS CRIADORES? 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAS QUEM CRIOU OS CRIADORES? 1"

Transcrição

1 MAS QUEM CRIOU OS CRIADORES? 1 Pierre Bourdieu A sociologia e a arte não fazem um bom par. Isto vale para a arte e para os artistas que não suportam tudo aquilo que ameaça a idéia que eles têm de si mesmos: o universo da arte é um universo de crença, crença no dom, na unicidade do criador incriado, e a irrupção do sociólogo que quer compreender, explicar, tornar compreensível, causa escândalo. Desencantamento, reducionismo, numa só palavra, grosseria ou, o que dá no mesmo, sacrilégio: o sociólogo é aquele que da mesma maneira como Voltaire expulsou os reis da história, quer expulsar os artistas da história da arte. Mas isto também vale para os sociólogos que se esforçam para confirmar as idéias estabelecidas sobre a sociologia e, particularmente, sobre a sociologia da arte e da literatura. Primeira idéia estabelecida: a sociologia pode dar conta do consumo cultural, mas não da produção. A maioria das colocações gerais sobre a sociologia das obras culturais aceitam esta distinção que é puramente social: na verdade, ela tende a reservar para a obra de arte e para o "criador" incriado um espaço separado, sagrado, e um tratamento privilegiado, deixando para a sociologia apenas os consumidores, isto é; o aspecto inferior e até reprimido (particularmente em sua dimensão econômica) da vida intelectual e artística. E as pesquisas que pretendem determinar os fatores sociais das práticas culturais (freqüência a museus, teatros ou concertos, etc.) aparentemente confirmam esta distinção que não tem a base em nenhum fundamento teórico: na verdade, como tentarei mostrar, não se pode compreender a própria produção naquilo que ela tem de mais específico, isto é, enquanto produção de valor (e de crença), a não ser que se leve em conta, simultaneamente, o espaço dos produtores e o espaço dos consumidores. Segunda idéia estabelecida: a sociologia e seu instrumento predileto, a estatística minora e esmaga, nivela e reduz a criação artística; ela coloca no mesmo plano os grandes e os pequenos, deixando em todo caso escapar aquilo 1 Comunicação na Escola Superior de Artes Decorativas, em abril de

2 que faz o gênio dos maiores. Ainda aqui, e sem dúvida mais claramente, os sociólogos deram razão a seus críticos. Não vou insistir na estatística literária que, tanto pelas insuficiências de seus métodos quanto pela pobreza de seus resultados, confirma, e de maneira dramática, as visões mais pessimistas dos guardiões do templo literário. Evocarei rapidamente a tradição de Luckacs e de Goldmann que se esforçam em relacionar o conteúdo da obra literária e as características sociais da classe ou da fração de classe considerada como seu principal destinatário. Esta abordagem que em suas formas mais caricaturais subordina o escritor ou o artista às coerções de um meio ou às demandas diretas de uma clientela, sucumbe a um finalismo ou a um funcionalismo ingênuo, deduzindo a obra diretamente da função que lhe será socialmente atribuída. Por uma espécie de curto-circuito, ela faz desaparecer a lógica própria do espaço da produção artística. De fato, ainda sobre este ponto, os "crentes" têm inteira razão contra a sociologia redutora quando lembram a autonomia do artista e, em particular, a autonomia que decorre da história específica da arte. É verdade que, como diz Malraux, "a arte imita a arte" e que não se pode compreender as obras a partir apenas da demanda, isto é, das expectativas estéticas e éticas das diferentes frações da clientela. O que não significa que tenhamos que nos remeter a história interna da arte, único complemento autorizado da leitura interna da obra de arte. Na verdade, a sociologia da arte e da literatura em sua forma comum esquece o essencial, isto é, este universo social, dotado de suas próprias tradições, de suas próprias leis de funcionamento e de recrutamento, portanto de sua própria história, que é o universo da produção artística. A autonomia da arte e do artista, que a tradição hagiográfica aceita como óbvia, em nome da ideologia da obra de arte como "criação" e do artista como criador incriado, não é outra coisa senão a autonomia (relativa) deste espaço de jogo que chamo um campo, autonomia que se institui pouco a pouco e, sob certas condições, no curso da história. O objeto próprio da sociologia das obras culturais não é nem o artista singular (tal ou qual conjunto puramente estatístico de artistas singulares), nem a relação entre o artista (ou, o que dá no mesmo, a escola artística) e tal ou qual grupo social concebido seja como causa eficiente e princípio determinante dos conteúdos e das formas de expressões, seja como causa final da produção artística, isto é, como demanda, a história dos conteúdos e das formas estando ligadas diretamente à história dos grupos dominantes e de suas lutas pela 2

3 dominação. Para mim, a sociologia das obras culturais deve tomar como objeto o conjunto das relações (objetivas e também efetuadas sob a forma de interações) entre o artista e os outros artistas e, além disso, o conjunto dos agentes engajados na produção da obra ou pelo menos do valor social da obra (críticos, diretores de galerias, mecenas, etc.). Ela se opõe a uma descrição positivista das características sociais dos produtores (educação familiar, escolar, etc.) e a uma sociologia da recepção que, como Antal fez para a arte italiana dos séculos XIV e XV, relacionaria diretamente as obras com a concepção de vida das diferentes frações do público dos mecenas, isto é, com a sociedade considerada em sua capacidade de recepção em relação à arte". De fato, na maior parte do tempo, estas duas perspectivas se confundem como se houvesse a suposição que os artistas estio predispostos, devido a sua origem social, a pressentir e a satisfazer uma certa demanda social (é notável que, nesta lógica, a análise do conteúdo das obras tem o primado isto é verdade mesmo em Antal sobre a análise da forma, ou seja, o que propriamente pertence ao produtor). Pela beleza da coisa, eu gostaria de indicar que o efeito de curto-circuito não é encontrado apenas nos mais acirrados defensores da estética pura, como o pobre Hauser, ou mesmo num marxista tão preocupado com a distinção como Adorno (quando fala de Heidegger), mas também num dos que mais se preocupam em denunciar o "sociologismo vulgar" e o "materialismo determinista", Umberto Eco. Com efeito, na Obra Aberta, ele relaciona diretamente (sem dúvida em nome da idéia de que existe uma unidade entre todas as obras culturais de uma época) as propriedades que atribui à "obra aberta", como a plurivocidade reivindicada, a imprevisibilidade desejada, etc., às propriedades do mundo tal como apresentadas pela ciência, e isto às custas de analogias selvagens, cujo fundamento é ignorado. Rompendo com estas diferentes maneiras de ignorar a própria produção, a sociologia das obras tal como eu a concebo, toma como objeto o campo de produção cultural e, inseparavelmente, a relação entre o campo de produção e o campo dos consumidores. Os determinismos sociais que deixam sua marca na obra de arte se exercem, por um lado, através do habitus do produtor, remetendo assim às condições sociais de sua produção enquanto sujeito social (família, etc.) e enquanto produtor (escola, contatos profissionais, etc.) e, por outro lado, através das demandas e das coerções sociais inscritas na posição que ele ocupa num certo campo (mais ou menos autônomo) de produção. O que se chama "criação" 3

4 é o encontro entre um habitus socialmente constituído e uma certa posição já instituída ou possível na divisão do trabalho de produção cultural (e, além disso, em segundo lugar, na divisão do trabalho de dominação); o trabalho através do qual o artista faz sua obra e, inseparavelmente, se faz como artista (e, quando isto faz parte da demanda do campo, como artista original, singular), pode ser descrito como a relação dialética entre sua função que, freqüentemente, pré-existe e sobrevive a ele (com as obrigações, por exemplo, a "vida de artista", os atributos, as tradições, os modos de expressão, etc.) e seu habitus que o predispõe de forma mais ou menos completa para ocupar esta função ou o que pode ser um dos pré-requisitos inscritos na função para transformá-lo mais ou menos profundamente. Em suma, o habitus do produtor jamais é o produto da função (salvo, talvez, em certas condições artesanais onde a formação familiar, portanto condicionamentos sociais originários da classe, e formação profissional se confundem totalmente. E inversamente, não se pode nunca passar das características sociais do produtor origem social às características de seu produto: as disposições ligadas a uma origem social determinada plebéia ou burguesa podem se exprimir sob formas muito diferentes em diferentes campos, mas mantendo uma certa similaridade. Basta comparar por exemplo, os dois pares paralelos do plebeu e do patrício, Rousseau-Voltaire e Dostoievski-Tolstoi. Se a função faz o habitus (menos ou mais completamente), o habitus que existe anteriormente (menos ou mais completamente) faz a função (devido aos mecanismos que determinam a vocação e a cooptação) e faz pela função, contribui para fazer a função. E sem dúvida isso acontece tanto mais quanto maior for a distância entre suas condições sociais de produção e as exigências sociais inscritas na função e também quanto maior for a margem de liberdade e de renovação implícita ou explicitamente inscrita na função. Há aqueles que são feitos para se apoderarem de posições feitas e aqueles que são feitos para fazerem novas posições. Justificar isto exigiria uma análise por demais longa e eu gostaria apenas de indicar que é principalmente quando se trata de compreender as revoluções intelectuais ou artísticas que é preciso ter em mente que a autonomia do campo de produção é uma autonomia parcial que não exclui a dependência: as revoluções específicas, que perturbam as relações de força no interior de um campo, só são possíveis na medida em que aqueles que importam as novas disposições e querem impor as novas posições encontram, por exemplo, um apoio fora do campo, em públicos novos cujas demandas são ao mesmo 4

5 tempo expressas e produzidas por eles. Assim, o sujeito da obra de arte não é nem um artista singular, causa aparente, nem um grupo social (a grande burguesia bancária e comercial que, na Florença do Quattrocento, chega ao poder, em Antal, ou a noblesse de robe, em Goldmann), mas o campo da produção artística em seu conjunto (que mantém uma relação de autonomia relativa, maior ou menor dependendo das épocas e das sociedades, com os grupos onde se recrutam os consumidores de seus produtos, isto é, as diferentes frações da classe dirigente). A sociologia ou a história social não podem compreender nada da obra de arte e principalmente aquilo que faz a sua singularidade, quando toma como objeto um autor e uma obra em estado isolado. De fato, todos os trabalhos consagrados a um autor isolado, que querem ultrapassar a hagiografia e o anedótico, são levados a considerar o campo de produção em seu conjunto, mas por não considerarem esta construção como seu projeto explícito, eles o fazem geralmente de maneira muito imperfeita e parcial. E contrariamente àquilo que se poderia crer, a análise estatística não faz melhor porque, reagrupando os autores em função de grandes classes pré-construídas (escolas, gerações, gêneros, etc.), destrói todas as diferenças pertinentes pela falta de uma análise prévia da estrutura do campo que lhe faria perceber que certas posições (em particular as posições dominantes, como a que Sartre ocupou no campo intelectual francês entre 1945 e 1960) podem estar num só lugar e que as classes correspondentes podem conter apenas uma pessoa, desafiando assim a estatística. O sujeito da obra é, portanto, um habitus em relação a uma função, isto é, a um campo. Para mostrá-lo e, creio, demonstrá-lo, seria preciso retomar aqui as análises que dediquei a Flaubert e onde tentei mostrar como a verdade do projeto flaubertiano que Sartre busca desesperadamente (e interminavelmente) na biografia singular de Flaubert, está inscrita, fora do indivíduo Flaubert, na relação objetiva entre, por um lado, um habitus formado em certas condições sociais (definidas pela posição '''neutra'' das profissões liberais, das "capacidades", na classe dominan'te e também pela posição que o menino Gustave ocupa na família em função de sua categoria de nascimento e de sua relação com o sistema escolar) e, por outro lado, uma posição determinada no campo da produção literária, situado numa determinada posição no interior do campo da classe dominante. Vou precisar um pouco mais: Flaubert, enquanto defensor da arte pela arte, 5

6 ocupa uma posição neutra no campo da produção literária, posição que é definida por uma dupla relação negativa (vivida como uma dupla recusa) à "arte social" por um lado e à "arte burguesa" por outro. Este campo que está ele próprio globalmente situado numa posição dominada no interior do campo da classe dominante (dar as denúncias do "burguês" e o sonho recorrente do "mandarinato" sobre o que os artistas do tempo em geral concordam), se organiza assim segundo uma estrutura homóloga àquela da classe dominante em seu conjunto (esta homologia sendo o princípio, como veremos, de um ajustamento automático, e não cinicamente procurado, dos produtos aos diferentes consumidores). Seria preciso prolongar. Mas vê-se imediatamente que, a partir de uma tal análise, pode-se compreender a lógica de algumas das propriedades mais fundamentais do estilo de Flaubert: penso, por exemplo, no discurso indireto livre, interpretado por Bakthine como o sinal de uma relação ambivalente com os grupos que ele comenta, de uma espécie de hesitação entre a tentação de se identificar com eles e a preocupação de manter distância: penso também na estrutura quiasmática, que se encontra obsessionalmente nos romances e, mais claramente ainda, nos projetos, e onde Flaubert exprime sob uma forma transformada e negada, a dupla relação de dupla negação que, enquanto "artista", o opõe, ao mesmo tempo, ao "burguês" e ao "povo" e, enquanto artista "puro", faz com que ele se levante contra a "arte burguesa" e a "arte social". Tendo assim construído a função, isto é, a posição de Flaubert na divido do trabalho literário (e, ao mesmo tempo, na divisão do trabalho de dominação), podemos então nos voltar para as condições sociais da produção do habitus e perguntar o que Flaubert deveria ser para ocupar e produzir (inseparavelmente) a função "arte pela arte" e criar a posição Flaubert. Podemos tentar determinar quais são os traços pertinentes das condições sociais da produção de Gustave (por exemplo, a posição de idiota da família, bem analisada por Sartre) que permitem compreender como ele pode agüentar e produzir a função de Flaubert. Contra o que a representação funcionalista nos faz crer, o ajustamento da produção ao consumo resulta essencialmente da homologia estrutural entre o espaço da produção (o campo artístico) e o campo dos consumidores (isto é, o campo da classe dominante): as divisões internas do campo da produção se reproduzem numa oferta automaticamente (e em parte, também conscientemente) diferenciada que vai ao encontro das demandas automaticamente (e também conscientemente) diferenciadas das diferentes categorias de consumidores. 6

7 Assim, além de qualquer busca de ajustamento e de qualquer subordinação direta a uma demanda expressamente formulada (na lógica da encomenda ou do mecenato) cada classe de clientes pode encontrar produtos a seu gosto e cada uma das classes de produtores tem chances de encontrar, pelo menos a termo (isto é, às vezes postumamente), consumidores para seus produtos. De fato, a maior parte dos atos de produção funciona segundo a lógica do golpe duplo: quando um produtor, por exemplo, o crítico teatral do Figaro, produz produtos ajustados ao gosto de seu público (o que quase sempre é o caso, ele mesmo o diz), não é porque e podemos acreditar quando ele afirma isso ele sempre procure agradar o gosto de seus leitores ou obedeça às determinações estéticas ou políticas, às recomendações da parte de seu diretor, de seus leitores ou do governo (e todas, as coisas que fórmulas como "lacaio do capitalismo", "porta-voz da burguesia" pressupõem e das quais as teorias vulgares são formas mais ou menos sabiamente eufemizadas). De fato, tendo escolhido o Figaro porque aí se sentia bem, o Figaro também o escolheu porque o achava adequado, ele só tinha que se deixar levar, como se diz, pelo seu próprio gosto (que, em matéria de teatro, tem implicações políticas evidentes), ou melhor, pelos seus desgostos o gosto sendo quase sempre o desgosto do gosto dos outros, pelo horror que ele tem pelas peças que seu colega-concorrente, o critico do Nouvel Observateur, não deixará de gostar e, ele o sabe, encontrar, como milagre, o gosto de seus leitores (que estão para os leitores do Nouvel Observateur assim como ele próprio está para o critico deste jornal). E ainda por cima, ele lhes dará uma coisa que compete ao profissional, isto é, uma resposta de um intelectual a um outro intelectual, urna crítica, confortante para os "burgueses", com argumentos altamente sofisticados através dos quais os intelectuais justificam seu gosto de vanguarda. O acordo que se estabelece objetivamente entre o produtor (artista, crítico, jornalista, filósofo, etc.) e seu público não é, evidentemente, o produto de uma procura consciente de ajustamento, de transações conscientes e interessadas e concessões calculadas às demandas do público. É impossível compreender qualquer coisa a respeito de uma obra de arte, quer se trate de seu conteúdo informativo, seus temas, suas teses, daquilo que numa palavra vaga chamamos sua "ideologia", se a relacionamos diretamente a um grupo. De fato, esta relação só ocorre com um algo mais e como por casualidade, através da relação que, em função de sua posição no espaço de posições constitutivas do campo da 7

8 produção, um produtor mantém com os espaços das tomadas de posição estéticas e éticas que, dada a história relativamente autônoma do campo artístico, tornam-se efetivamente possíveis a um dado momento do tempo. Este espaço de tomadas de posição, produto de uma acumulação histórica, é o sistema de referências comum em relação ao qual se encontram definidos, objetivamente, todos os que entram no campo. O que faz a unidade de uma época é menos uma cultura comum que a problemática comum que não é outra coisa do que o conjunto das tomadas de posição ligadas ao conjunto das posições marcadas no campo. Não há outro critério da existência de um intelectual, de um artista ou de uma escola que sua capacidade de se fazer reconhecer como alguém que sustenta uma posição no campo, posição em relação à qual os outros devem se situar, se definir, e a problemática do tempo não é outra coisa que o conjunto destas relações de posição e, inseparavelmente, de tomada de posição à tomada de posição. Concretamente, isto significa que o aparecimento de um artista, de uma escola, de um partido ou de um movimento a título de posição constitutiva de um campo (artístico, político ou outro) é marcada pelo fato de que sua existência "coloca, como se diz, problemas" aos ocupantes das outras posições; que as teses que ele afirma se tornam um objeto de lutas, que constituem um dos termos das grandes oposições em torno das quais se organiza a luta e que servem para pensar esta luta (por exemplo, direita/esquerda, claro/escuro, cientificismo/anticientificismo, etc.). É dizer que o objeto próprio de uma ciência da arte, da Literatura ou da Filosofia não é mais do que o conjunto de dois espaços inseparáveis, o espaço dos produtos e o espaço dos produtores (artistas ou escritores, mas também críticos, editores, etc.), que são como uma duas traduções da mesma frase. Isto contra a autonomização das obras, que é tão injustificável na teoria quanto na prática. Fazer por exemplo a análise sócio-lógica de um discurso atendendo-se à obra em si mesma, é se interditar o movimento que, num vai e vem incessante, leva os traços temáticos ou estilísticos da obra que traem a posição social do produtor (seus interesses, seus fantasmas sociais, etc.), até as características de sua posição social onde se anunciam seus "partidos" estilísticos, e vice-versa. Em suma, é sob a condição de superar a oposição entre a análise interna (lingüística ou outra) e a análise externa, que se poderá compreender completamente as propriedades mais propriamente "internas" da obra. Mas é preciso também superar a alternativa escolástica entre estrutura e 8

9 história. A problemática que está instituída, no campo, sob a forma de autores e obras-chave, espécie de ponto de referência para todos os outros é, de ponta a ponta, história. A reação contra o passado, que faz a história, também é o que faz a historicidade do presente, definido negativamente por aquilo que nega. Ou seja, a recusa, que está na origem da mudança, supõe e coloca em evidência, chamando assim o presente, aquilo contra o qual ela se opõe ao se opor ao presente: a reação contra o romantismo anti-científico e individualista, que leva os parnasianos a valorizarem a ciência e a integrar suas aquisições em suas obras, faz com que encontrem no Génie de religions de Quinet (ou na obra de Burnouf, restaurador das epopéias míticas da Índia), a antítese e o antídoto do Génie du Christianisme pois faz com que se inclinem ao culto da Grécia, antítese da Idade Média, e símbolo da forma perfeita através da qual, a seus olhos, a poesia se parece com a ciência. Neste ponto, sinto-me tentado a fazer um parênteses. Para chamar à realidade os historiadores das idéias que pensam que o que circula no campo intelectual, e em particular entre os intelectuais e os artistas, são idéias, lembrarei apenas que os parnasianos relacionavam à Grécia não apenas a idéia da forma perfeita, exaltada por Gautier, mas também a idéia da harmonia, que está inteiramente de acordo com o clima da época. Com efeito, esta idéia pode ser reencontrada nas teorias dos reformadores sociais, como Fourier. O que circula num campo, e particularmente entre especialistas das diferentes artes, são estereótipos mais ou menos polêmicos e redutores (com os quais os produtores devem contar), títulos de obras sobre as quais todo mundo fala por exemplo Romances sans paroles, título de Verlaine tomado emprestado de Mendelssohn, palavras da moda e idéias mal definidas que elas veiculam como a palavra "saturnien"" ou o tema das Fêtes Galantes,lançado pelo Goncourt. Em suma, poderíamos nos perguntar se o que é comum a todos os produtores de bens culturais de uma época, não é esta espécie de vulgata distinta, este conjunto de lugares comuns chiques que a corte dos ensaistas, críticos, jornalistas semiintelectuais produz e vende pelas ruas, e que é inseparável de um estilo e de um humor. Esta vulgata, que evidentemente é aquilo que está "mais em moda", e é, portanto, o mais datado, o mais perecível na produção de uma época, é também, sem dúvida o que há de mais comum ao conjunto dos produtores culturais. Volto ao exemplo de Quinet, que mostra uma das propriedades mais importantes de todo campo da produção, a saber, a presença constante do 9

10 passado do campo, incessantemente relembrada através das próprias rupturas que o remetem ao passado e que, assim como as evocações diretas, referências, alusões, etc., são também piscadelas de olhos dirigidas aos outros produtores e aos consumidores que se definem como consumidores legítimos, pois mostram se capazes de apreendê-las. O Génie des religions, coloca-se colocando-se em oposição ao Génie du christianisme. A distinção, que remete o passado ao passado, o supõe e o perpetua, no próprio distanciamento em relação a ele. Uma das propriedades mais fundamentais dos campos de produção cultural reside precisamente no fato de que os atos que aí se realizam e os produtos que aí se produzem trazem a referência prática (às vezes explícita) à história do campo. Por exemplo, o que separa os escritos de Jünger ou Spengler sobre a técnica, o tempo ou a história, daquilo que Heidegger escreve sobre os mesmos temas, é o fato de que, situando-se na problemática filosófica, isto é, no campo filosófico, Heidegger reintroduz a totalidade da história da filosofia da qual esta problemática é o resultado. Da mesma forma, Luc Boltansky mostrou que a construção de um campo de desenho animado é acompanhada do desenvolvimento de um corpo de historiógrafos e, simultaneamente, do aparecimento de obras que trazem uma referência "erudita" à própria história do gênero. Seria possível fazer a mesma demonstração a respeito da história do cinema. É verdade que "a arte imita a arte" ou, mais exatamente, que a arte nasce da arte, isto é, o mais freqüentemente, da arte à qual ela se opõe. E a autonomia do artista encontra seu fundamento não no milagre de seu gênio criador, mas no produto social da história social de um campo relativamente autônomo, métodos, técnicas, linguagens, etc. É a história que, ao definir os meios e os limites do pensável, faz com que aquilo que se passa no campo jamais seja o reflexo direto das coerções ou demandas externas, mas uma expressão simbólica, refratada pela lógica total própria do campo. A história que existe depositada na própria estrutura do campo e também nos habitus dos agentes é o prisma que se interpõe entre o mundo exterior ao campo e a obra de arte, fazendo com que todos os acontecimentos exteriores, crise econômica, reação política, revolução científica, sofram uma verdadeira refração. Para terminar, eu gostaria de fechar o círculo voltando ao ponto de partida, isto é, à antinomia entre arte e sociologia, levando a sério não a denúncia do sacrilégio científico, mas sim o que se enuncia nesta denúncia, ou seja, o caráter sagrado da arte e do artista. Com efeito, acho que a sociologia da arte deve se 10

11 dar como objeto não apenas as condições sociais da produção dos produtores (isto é, os determinantes sociais da formação ou da seleção dos artistas), mas também as condições sociais da produção do campo da produção como lugar onde se realiza o trabalho tendendo (e não visando) a produzir o artista como produtor de objetos sagrados, de fetiches ou, o que dá no mesmo, a obra de arte como objeto de crença, de amor e de prazer estético. Para ser mais claro, evocarei a alta costura, que dá uma imagem aumentada do que ocorre no universo da pintura. Sabemos que a magia da griffe pode multiplicar extraordinariamente o valor de qualquer objeto onde é aplicada, um perfume, sapatos, até mesmo, e é um exemplo real, um bidê. Trata-se, neste caso, de um ato mágico, alquímico, pois a natureza e o valor social do objeto são modificados sem que nada tenha alterado sua natureza física ou química (estou pensando nos perfumes) dos objetos em questão. A história de pintura a partir de Duchamp deu inumeráveis exemplos, que todos vocês conhecem, de atos mágicos que, como os do costureiro, devem de forma tão evidente o seu valor ao valor social de quem os produz, que nos sentimos obrigados a perguntar, não o que faz o artista, mas quem faz o artista, isto é, o poder de transmutação que o artista exerce. Reencontramos a mesma questão que Mauss colocava quando, desesperado e após ter procurado todos os fundamentos possíveis do poder do feiticeiro, ele termina por perguntar quem faz o feiticeiro. Objetar-me-ão talvez que o urinol e a roda de bicicleta de Duchamp (e fez-se muito mais depois) são apenas casos excepcionais. Mas bastaria analisar as relações entre o original (o "autêntico") e o falso, a réplica ou a cópia, ou ainda os efeitos da atribuição (objeto principal, senão exclusivo, da história da arte tradicional, que perpetua a tradição do conhecedor e do expert) sobre o valor econômico e social da obra, para ver que o que faz o valor da obra não é a raridade (unicidade) do produto, mas sim a raridade do produtor, manifestada pela assinatura, equivalente da griffe isto é, a crença coletiva no valor do produtor e de seu produto. Podemos pensar em Wahrol que, forçando ao máximo o que Jasper Jones havia feito ao fabricar uma lata de cerveja Ballantine em bronze, assina latas de conserva, latas de sopa Campbell, revendendo-as por seis dólares a lata, ao invés de quinze cents. Seria preciso nuançar e refinar a análise. Mas me contentarei em indicar aqui que uma das tarefas principais da história da arte seria descrever a gênese de um campo de produção artística capaz de produzir o artista enquanto tal (em oposição ao artesão). Não se trata de se perguntar, como o fez até agora de 11

12 maneira obsessiva, a história social da arte, quando e como o artista se separou do estatuto de artesão. Mas sim de descrever as condições econômicas e sociais da constituição de um campo artístico capaz de fundar a crença nos poderes quase divinos que se reconhecem no artista moderno. Ou seja, não se trata apenas de destruir aquilo que Benjamin chamava de "fetiche do nome do mestre". (Este é um dos sacrilégios fáceis nos quais freqüentemente a sociologia se deixou pegar: como a magia negra, a inversão sacrílega traz em si uma forma de reconhecimento do sagrado. E as satisfações dadas pela dessacralização impedem de levar a sério o fato de existir a sacralização e o sagrado e, portanto, impedem a sua compreensão). Trata-se de se tornar ciente do fato de que o nome do mestre é um fetiche e de descrever as condições sociais da possibilidade do personagem do artista enquanto mestre, isto é, enquanto produtor deste fetiche que é a obra de arte. Em suma, trata-se de mostrar como se constituiu historicamente o campo da produção artística que, enquanto tal, produz a crença no valor da arte e no poder criador de valor do artista. E assim seria possível fundamentar o que colocamos inicialmente, como um postulado metodológico, a saber, que o "sujeito" da produção artística e de seu produto não é o artista, mas o conjunto de agentes que têm uma ligação com a arte, que se interessam pela arte, que vivem da arte e para a arte, produtores de obras consideradas como artísticas (grandes ou pequenas, célebres, isto é, celebradas, ou desconhecidas), críticos, colecionadores, intermediários, conservadores, historiadores da arte, etc. É isto. O círculo se fechou; e nós ficamos presos dentro dele. 2 In: BOURDIEU, Pierre Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero. p Desenvolvimentos complementares sobre este tema poderão ser encontrados em: P. Bourdieu, "Critique du discours lettré", Actes de Ia recherche en sciences sociales, 5-6 de novembro de 1975; "La production de Ia croyance: contribution à une économie des biens symboloques", Actes de Ia recherche en science sociales, 13, 1977; "Lettre à Paolo Fossati à propos de Storia dell'arte italiana", Actes de Ia recherche en sciences sociales, 31, 1980; "Champs du povoir, champs intelectuel et habitus de classe", Seolies, 1, 1971; "L'ontologie politique de Martin Heidegger", Actes de Ia recherche en sciences sociales, 5-6, novembro de 1975; "L'invention de Ia vie d'artiste", Actes de Ia recherche en sciences sociales, 2, março de

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof.

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof. Ciências Sociais Prof. Paulo Barrera Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber Objetivos a) Discutir conceitos básicos da sociologia weberiana, tais como ação social, racionalização, tipos

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

A Criança e os Mimos. "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..."

A Criança e os Mimos. Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível... A Criança e os Mimos "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..." Autora: Anne M. Lucille[1] "Respeito é quando ensinamos, não quando corrigimos..."

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE VER COMO A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO Ana Lúcia Monteiro Ramalho Poltronieri Martins (UERJ) anapoltronieri@hotmail.com Darcilia Marindir Pinto Simões (UERJ) darciliasimoes@gmail.com 1- Da noção

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

Pesquisadores: Jason Gomes Rodrigues Santos e Natally Ribeiro Orientadora: Profa. Dra. Maria Lucia Hage Masini

Pesquisadores: Jason Gomes Rodrigues Santos e Natally Ribeiro Orientadora: Profa. Dra. Maria Lucia Hage Masini Rede de ações sociais e o impacto no índice de letramento em duas comunidades da zona sul de São Paulo: estudo para ações fonoaudiológicas prospectivas Pesquisadores: Jason Gomes Rodrigues Santos e Natally

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Um ótimo serviço pode se tornar ruim se os funcionários não confiam em si mesmos. Uma endoentrevista sobre endomarketing. Troquemos de lugar! O título é, sem dúvida,

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

De ratos a Super-Homens : Nietzsche e o romance de Dyonélio Machado

De ratos a Super-Homens : Nietzsche e o romance de Dyonélio Machado FLORINDO PEIXOTO NETO De ratos a Super-Homens : Nietzsche e o romance de Dyonélio Machado Trabalho temático sobre o livro Os Ratos, de Dyonelio Machado, objetivando a conclusão do segundo semestre do curso

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre.

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre. PLANO DE AULA ÁREA: Ética TEMA: Existencialismo HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Contemporânea INTERDISCIPLINARIDADE: Psicologia DURAÇÃO: 4 aulas de 50 cada AUTORIA: Angélica Silva Costa OBJETIVOS: Refletir sobre

Leia mais

TRANSCRIÇÃO PROF. MIRACY

TRANSCRIÇÃO PROF. MIRACY TRANSCRIÇÃO PROF. MIRACY Somos um programa da faculdade de direito da UFMG. minha fala talvez, vai ser por isso um pouco diferenciada das demais abordarei não direito do trabalho em si e ou as suas transformações

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro RESUMO: A autora problematiza a questão da imagem teatral, vista além do pictórico que se inscreve no tempo

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

Introdução à participação infantil

Introdução à participação infantil Seção 1 Introdução à participação 1.1 Uma visão bíblica da criança Em muitas culturas, as crianças são subestimadas. No entanto, Deus valoriza as crianças tanto quanto os adultos. Todos os seres humanos

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Escrito por Administrator Qua, 21 de Outubro de 2009 00:29 - Última atualização Qua, 05 de Maio de 2010 01:17

Escrito por Administrator Qua, 21 de Outubro de 2009 00:29 - Última atualização Qua, 05 de Maio de 2010 01:17 O filme O Diabo Veste Prada, dirigido por David Frankel e baseado no livro de Lauren Weisberger, mostra a história de uma jovem jornalista Andrea. Recém formada em uma das melhores universidades dos Estados

Leia mais

Exercícios Classe Social x Estratificação Social

Exercícios Classe Social x Estratificação Social Exercícios Classe Social x Estratificação Social 1. Para Karl Marx o conceito de Classes Sociais se desenvolve com a formação da sociedade capitalista. Dessa forma, é correto afirmar que : a) As classes

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos Cursos humanizados - A Educar e Transformar se dedica ao sonho de gerar cursos para lideranças profissionais de recursos humanos, com mentalidade de humanização na administração, cursos para líderes, motivação,

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

Aula 4 Lugares de argumentação

Aula 4 Lugares de argumentação Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Design Disciplina Seminário de desenvolvimento de tese Aula 4 Lugares de argumentação Profa. Dra. Jackeline Lima Farbiarz

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Émile Durkheim 1858-1917

Émile Durkheim 1858-1917 Émile Durkheim 1858-1917 Epistemologia Antes de criar propriamente o seu método sociológico, Durkheim tinha que defrontar-se com duas questões: 1. Como ele concebia a relação entre indivíduo e sociedade

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos Unidade 1 A sociedade dos indivíduos Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em sociedade porque necessitamos uns dos outros. Thinkstock/Getty Images Akg-images/Latin Stock Akg-images/Latin Stock Album/akg

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE

MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBBILIDDE Quando estudamos algum fenômeno através do método estatístico, na maior parte das vezes é preciso estabelecer uma distinção entre o modelo matemático que construímos para

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2. Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com.

PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2. Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 1 Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. 2 Professor Tutor do PET EEEC /UFG; gdeusjr@gmail.com. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário:

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário: A primeira frase do emissor do texto denota inicialmente sua intenção de se pôr em uma situação simétrica, e não submissa ou inferior, aos não índios. O código de vocês, adotado como contato e respeitado

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA:

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA: DISCIPLINA: SOCIOLOGIA PROFESSORA: Ana Carolina Maciel NOME COMPLETO: I N S T R U Ç Õ E S DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA: 1. Este trabalho

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar

EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar Acho que criatividade não é uma qualidade exclusiva dos artistas. Viver é um exercício de criatividade. Por Marialba

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Este livro explica como você pode usar sua realidade para obter autoconhecimento. Boa leitura!

Leia mais

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico Meu objetivo aqui é estabelecer um ponto de convergência entre a apropriação da linguagem escrita, o fracasso escolar e os conceitos

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido NOTAS ACERCA DO VIRTUAL Celso Candido A fim de tornar mais claro o conceito de virtual, pressuposto neste trabalho, vai-se abordar este problema a partir de uma leitura de Pierre Lévy e Gilles Deleuze.

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 Apresentação do livro de Nuno Baptista-Afonso Nuno Baptista-Afonso nasceu em Mirandela, em 1979, mas é um Alfandeguense, pois aqui foi

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais