POLÍTICA DE SEGURANÇA DE TI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE SEGURANÇA DE TI"

Transcrição

1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DE TI 1

2 ÍNDICE 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS PROPÓSITO ABRANGÊNCIA DISPOSIÇÕES GERAIS DAS DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS DOS COMPROMISSOS DOS SOFTWARES E LICENÇAS DA ADIÇÃO E REMOÇÃO DE RECURSOS DO ADMINISTRADOR DA REDE DA AUDITORIA DO USO DE SENHA DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DE TI 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Apresentamos este CÓDIGO DE CONDUTA DE TI visando proteger a PMS INFORMÁTICA E COMÉRCIO LTDA., assim como seus funcionários, clientes e parceiros, de práticas consideradas ilegais ou danosas que podem vir a ser praticadas por qualquer pessoa, seja de forma proposital ou mesmo por descuido. A segurança em matéria de informática constitui trabalho de equipe que deve envolver a participação e a colaboração de todos os funcionários, parceiros e colaboradores que tenham acesso a sistemas de informação. Por essa razão, é de fundamental importância que cada usuário seja responsável pela adoção das regras constantes do presente Código de Conduta de TI, a fim de conduzir suas atividades visando à proteção dos dados da PMS e de seus parceiros e/ou afiliados, evitando-se, assim, possíveis problemas de quebra de dados e suas implicações legais. 2. PROPÓSITO O propósito deste CÓDIGO DE CONDUTA DE TI é estabelecer a utilização dos equipamentos de informática e de telefonia da PMS INFORMÁTICA E COMÉRCIO LTDA., ora designada como EMPRESA, em conformidade com padrões aceitáveis. As regras aqui estabelecidas objetivam proteger os funcionários e a EMPRESA. Constitui fato notório que o uso inapropriado dos equipamentos de informática e de telefonia acarreta a vulnerabilidade dos mesmos, que ficam sujeitos à invasão de hackers, contaminação por vírus e outros danos que comprometem os sistemas e serviços de rede. 3. ABRANGÊNCIA Assim é que o presente CÓDIGO DE CONDUTA DE TI se aplica aos funcionários, inclusive temporários, prestadores de serviços e demais colaboradores que estejam a serviço da PMS INFORMÁTICA E COMÉRCIO LTDA., abrangendo toda a mão-de-obra terceirizada ou disponibilizada mediante convênios, parcerias ou quaisquer outras formas de atuação conjunta com outras empresas, que ora denominamos simplesmente como usuários, abrangendo, ainda todos os sistemas e equipamentos de propriedade da PMS INFORMÁTICA E COMÉRCIO LTDA., bem como aqueles de propriedade de terceiros que lhe sejam confiados a qualquer título, ou cedidos pela mesma a terceiros. 3

4 4. DISPOSIÇÕES GERAIS 4.1. Os usuários abrangidos por este Código de Conduta de TI devem atentar para: a) Fazer bom uso dos equipamentos; b) Zelar por toda e qualquer informação da empresa contra alteração, destruição, divulgação, cópia e acesso não autorizado; c) Manter em caráter confidencial e intransferível a senha de acesso aos recursos computacionais da organização; d) Utilizar o Hardware e Software exclusivamente para fins corporativos, somente podendo ter finalidade diversa se houver autorização expressa e por escrito da direção da empresa; e) Não usar, copiar ou armazenar programas de computador ou qualquer outro material que viole a lei de diretos autorais (copyright); f) Não efetuar qualquer tipo de acesso ou alteração de dados não autorizados; g) Não utilizar os recursos disponíveis para constranger, assediar, prejudicar ou ameaçar qualquer pessoa; h) Não utilizar ferramentas lógicas ou físicas, desenvolvidas para quebrar a segurança dos sistemas de informática Dos Recursos Computacionais e do Monitoramento e Auditoria a) Cabe ao departamento de TI a decisão de distribuição de hardware, conforme a necessidade de cada setor devidamente acordada com o supervisor da área. b) Todas as ferramentas (software e Hardware) relacionadas à área de TI poderão ser auditadas e monitoradas sem aviso prévio. c) Computadores e notebooks poderão sofrer auditoria sem aviso prévio. Caso haja alguma discrepância, a empresa poderá adotar as providências necessárias para apuração dos fatos e dos responsáveis. d) Os monitoramentos são confidenciais e relatados apenas às pessoas responsáveis pelo departamento de TI, a quem caberá relatar as ocorrências à direção da empresa, para a tomada das providências cabíveis ao caso concreto Das Estações de Trabalho 4

5 a) Todas as estações de trabalho são de propriedade da empresa, que pode alterar os seus layouts ou localização, conforme a necessidade. b) As estações de trabalho estão sendo criadas com observância a rigorosos padrões de segurança, cuja atualização será feita pela empresa, conforme lhe convier. c) Por fim, os usuários têm direitos restritos em suas máquinas, devendo observar as regras estabelecidas neste Código Do uso de Notebook a) Os notebooks estão sendo criados com padrões de utilização diferenciados para cada segmento, conforme necessidade do suporte prestado. b) Todos os notebooks são de propriedade da empresa, que pode alterar sua designação, conforme sua conveniência. 4.5 Do uso de Internet a) A internet conta com filtros de bloqueio a sites que não são pertinentes ao trabalho realizado pela empresa, os filtros serão atualizados constantemente. b) Toda informação trafegada dentro da empresa poderá ser monitorada e vir ser utilizada para fins de controle Do uso de a) Todos os s criados pela empresa são de propriedade da mesma, podendo ser monitorados e auditados conforme a necessidade, sem aviso prévio ao usuário, inclusive anexos Do uso de Mensageiro Instantâneo a) Todas as mensagens trocadas por quaisquer softwares de mensagem instantânea poderão ser monitoradas e auditadas conforme a necessidade, sem aviso prévio ao usuário Dos Arquivos Magnéticos a) Todos os arquivos armazenados em equipamentos da empresa são de domínio da mesma, podendo ser auditados a qualquer tempo, independentemente de aviso prévio ao usuário. 5

6 4.9. Do Uso de Software a) Somente será permitida a instalação de softwares autorizados expressamente e por escrito pela empresa, não cabendo ao usuário tal decisão Da Impressão a) Todas as impressões e cópias são monitoradas, sendo de que a auditoria será feita com base em relatórios gerados pelos respectivos equipamentos e/ou máquinas. 5. DAS DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1. Aos usuários abrangidos por este Código são assegurados os seguintes direitos: a) Fazer uso legal dos recursos computacionais colocados à sua disposição, respeitadas as normas de utilização estabelecidas pela Empresa; b) Ter conta de acesso à rede corporativa, respeitadas as normas de utilização estabelecidas pela Empresa; c) Ter conta de correio eletrônico com a extensão do domínio da Empresa, vedado o acesso a s pessoais; d) Acessar a Intranet e a Internet, respeitando a política da Empresa aqui estabelecida; e) Acessar as informações que forem franqueadas, relativas às áreas de armazenamento privado e compartilhado, respeitadas as normas de utilização e confidencialidade estabelecidas pela Empresa; f) Solicitar suporte técnico sempre que verificado o mau funcionamento dos equipamentos ou do sistema de rede corporativa Os usuários dos sistemas e equipamentos de informática e telefonia abrangidos por este Código devem observar o quanto segue: a) Responder pelo uso exclusivo de sua conta pessoal de acesso à rede corporativa; b) Identificar, classificar e enquadrar as informações da rede corporativa relacionadas às atividades por si desempenhadas; c) Guardar sigilo das informações confidenciais, mantendo-as em caráter restrito; 6

7 d) Manter, em caráter confidencial e intransferível, a senha de acesso aos recursos computacionais e de informação da Empresa, revelando essa senha formalmente apenas ao Administrador da Rede expressamente designado pela Empresa. e) Informar imediatamente à direção da Empresa, através do departamento de recursos humanos, sobre quaisquer falhas ou desvios das regras estabelecidas neste documento, bem como sobre a ocorrência de qualquer violação às mesmas, praticada em atividades relacionadas ao trabalho, dentro ou fora das dependências da Empresa. f) Fazer uso dos recursos computacionais para trabalhos de interesse exclusivo da organização; g) Estar ciente de que, em caso de danos causados em decorrência da não observância das regras de proteção da informação e dos recursos computacionais da rede corporativa aqui previstas, poderá o usuário ficar sujeito a sofrer sanções de ordem cível e/ou criminal cabíveis ao caso concreto Aos usuários ficam vedadas as seguintes condutas relacionadas ao uso dos equipamentos e/ou sistemas de informática e/ou telefonia: a) Acessar, copiar ou armazenar programas de computador ou qualquer outro material (músicas, fotos e vídeos) que violem a lei de direitos autorais (copyright), bem como aqueles de conteúdo ilegal, incluindo-se, mas não se limitando, a materiais pornográficos, discriminatórios, homo fóbico, de conteúdo racista ou que faça apologia ao crime ou ao uso de drogas e/ou entorpecentes, dentre outros. b) Fazer uso dos recursos computacionais ou de quaisquer outros de propriedade da Empresa, colocados à disposição do colaborador em razão do exercício de sua função, para constranger, assediar, prejudicar ou ameaçar a mesma ou terceiros, sejam eles indivíduos ou organizações; c) Passar-se o usuário por outra pessoa ou esconder, por qualquer meio, a própria identidade quando utilizar os recursos computacionais ou quaisquer outros de propriedade da Empresa, colocados à disposição do colaborador em razão do exercício de sua função; d) Alterar os sistemas padrões da Empresa, sem autorização expressa do departamento de TI e/ou da direção; e) Divulgar quaisquer informações confidenciais para concorrentes e/ou qualquer pessoa estranha ao assunto tratado e/ou qualquer pessoa não ligada às atividades da Empresa, principalmente lista de clientes, fornecedores e contatos. f) Efetuar qualquer tipo de acesso ou alteração não autorizada a dados dos recursos computacionais pertencentes à Empresa; 7

8 g) Violar os sistemas de segurança dos recursos computacionais, no que tange à identificação de usuários, senhas de acesso, fechaduras automáticas, sistemas de alarme e demais mecanismos de segurança e restrição de acesso; h) Utilizar acesso discado através de modem, ou qualquer outra forma de conexão não autorizada, quando conectado às redes instaladas nas dependências da Empresa; i) Acessar pessoal; j) Fazer uso do telefone da Empresa para discussão de assuntos pessoais; l) Utilizar quaisquer recursos ou equipamentos da Empresa para fins diversos daqueles necessários ao desempenho da função contratada; m) Criar blogs e comunidades na Internet, ou qualquer ambiente virtual semelhante, utilizando-se, sem autorização expressa, da logomarca da Empresa. n) Comer e/ou derrubar líquidos de qualquer natureza em cima dos equipamentos. 6. DOS COMPROMISSOS 6.1. Os usuários da rede comprometem-se a: a) Respeitar áreas de acesso restrito, não executando tentativas de acesso às mesmas, ou utilizando máquinas alheias às permissões de acesso delimitadas a cada categoria de colaboradores; b) Não desenvolver, fomentar ou promover ações que incentivem o racismo ou qualquer tipo de discriminação que viole quaisquer outros direitos constitucionais do cidadão; c) Não fazer uso da rede para molestar, ameaçar ou ofender seus usuários ou terceiros, por quaisquer meios, sejam textos, imagens, vídeos ou correios eletrônicos, dentre outros; d) Não fazer uso da rede para circulação de propaganda política ou correntes; e) Não tomar atitude ou ação que possa, direta ou indiretamente, provocar a indisponibilidade de recursos da rede corporativa; 8

9 f) Não executar programas que tenham como finalidade a decodificação de senhas, o monitoramento da rede, a leitura de dados de terceiros, a propagação de vírus de computador, a destruição parcial ou total de arquivos ou a indisponibilidade de serviços; g) Não executar programas, instalar equipamentos, armazenar arquivos ou promover ações que possam facilitar o acesso de usuários não autorizados à rede corporativa da Empresa; h) Não utilizar nenhum programa de bate-papo ou de mensagem instantânea, tais como Skype, MSN e Google Talk, entre outros, sem prévia e expressa autorização. i) Não enviar informações confidenciais (autorizadas) para s externos sem proteção. No mínimo, o arquivo deve contar com a proteção de uma senha robusta ; j) Responsabilizar-se perante a Empresa e terceiros por quaisquer prejuízos advindos da violação dos compromissos, deveres e proibições estabelecidos nesse documento; k) Utilizar-se, de forma ética e em conformidade com as normas de conduta e segurança estabelecidas pela Empresa, de todos os recursos, equipamentos e informações que lhe sejam confiados em razão do desempenho de sua atividade profissional. 7. DOS SOFTWARES E LICENÇAS a) Todo software executado nos equipamentos da rede corporativa da PMS deverá ser licenciado, sendo vetada a utilização de qualquer software sem licença; b) A utilização de softwares livres ou temporários deverá ser solicitada ao responsável pela administração da rede, por escrito e, em caso de aprovação, a instalação e remoção deverão ser realizadas pelo mesmo; c) A utilização de softwares não licenciados é considerada uma Não-Conformidade Gravíssima, sujeitando o usuário às sanções cabíveis. 8. DA ADIÇÃO E REMOÇÃO DE RECURSOS a) É vedado aos usuários da rede de computadores da organização a adição e remoção de quaisquer recursos, sejam eles microcomputadores, impressoras, pen-drives, mp3 players ou outros equipamentos e dispositivos. A adição e remoção desses deverão ser solicitadas ao setor responsável, para aprovação e, em caso positivo, tais procedimentos deverão ser realizados pelo mesmo. 9

10 9. DO ADMINISTRADOR DA REDE a) O uso das senhas e informações dos usuários, pelo Administrador da Rede, deverá ser realizado com fins operacionais e preventivos, cabendo ao Administrador manter a confidencialidade das informações adquiridas, sob pena de punição; b) O controle das senhas dos usuários da PMS deve ser feito pelo Administrador da Rede, e reportado formalmente para a Direção da Empresa com as devidas atualizações; c) Todos os equipamentos deverão ter senha de administrador, que será gerada pela área de TI e só poderá ser alterada pela mesma. 10. DA AUDITORIA a) Todos os usuários que utilizam a rede corporativa (informática e telefonia) serão submetidos à auditoria, realizada por um profissional da administração da rede PMS ou empresa especializada, com o objetivo de verificar o cumprimento das normas estabelecidas; b) A auditoria ocorrerá semanalmente em microcomputadores ou notebooks escolhidos aleatoriamente e, caso verificado alguma não-conformidade, será instaurada uma apuração interna voltada à verificação de responsabilidades e classificação da gravidade da violação das normas de utilização dos equipamentos; c) Após a classificação da gravidade (alta, média ou baixa), a não-conformidade será comunicada à Direção da Empresa para adoção das providências cabíveis. 11. DO USO DE SENHA a) Cada usuário da rede corporativa da PMS deverá informar formalmente ao Administrador da Rede suas senhas de acesso à máquina e ao servidor. Quando o Administrador da Rede solicitar a alteração das senhas, o usuário deverá fazê-lo e proceder à nova comunicação ao mesmo; b) A responsabilidade pela manutenção do sigilo das senhas é exclusiva do colaborador, ao qual é proibido divulgar as senhas pessoais de acesso à rede corporativa a terceiros, exceto na hipótese descrita no item 9. 10

11 12. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS O usuário abaixo nominado declara, para os devidos fins e efeitos de Direito, livre de qualquer impedimento, que todos os equipamentos, sistemas, acessos à rede corporativa e s corporativos, bem como os terminais de telefonia fixa ou móvel, por serem de propriedade da empresa, somente poderão ser utilizados para o desempenho das funções profissionais, no interesse da PMS, e nos seus limites, conforme a legislação vigente e em atenção às normas aqui estabelecidas. Assim sendo, o usuário infra-assinado reconhece a legitimidade da PMS para monitorar suas atividades laborativas, com a finalidade de manutenção da ordem e segurança pessoal de seus colaboradores, bem como da integridade da rede corporativa (informática e telefonia) e dos equipamentos e sistemas de sua propriedade, além do necessário sigilo das informações. Pelos mesmos motivos, o usuário declara ter recebido lido e concordado com todas as normas estabelecidas neste documento, autorizando, por este ato, a empresa, a monitorar qualquer atividade computacional e de telefonia realizada, em especial os s e as ligações telefônicas geradas ou recebidas através dos terminais telefônicos da empresa, além de inventariar periodicamente o histórico de s, ligações efetuadas, recebidas e outros itens correlacionados. Eu,, declaro estar ciente dos termos das políticas de segurança de tecnologia da informação e autorizo o monitoramento de minhas atividades computacionais e de telefonia pela PMS, estando ciente dos meus direitos, obrigações e deveres para com esta empresa, integrando o presente o contrato de trabalho firmado entre as partes., de de Assinatura: RG OU CTPS: 11

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador Política de TI A Política de segurança da informação da OPERARIO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO aplica-se a todos os colaboradores e prestadores de serviços, incluindo trabalhos executados externamente ou por

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Ibirubá Conselho de Câmpus REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO

Leia mais

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações T TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações Versão 1.2 24/08/2015 1 1. Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a FSB Comunicações, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Faculdade de Tecnologia Política de Segurança da Informação Alunos: Anderson Mota, André Luiz Misael Bezerra Rodrigo Damasceno. GTI 5 Noturno Segurança da Informação Prof. Dinailton Junho 2015 Goiânia

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

FACULDADE CARLOS GOMES

FACULDADE CARLOS GOMES FACULDADE CARLOS GOMES MANTIDA PELA ARTE E MÚSICA LTDA. POLÍTICA DE USO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FACULDADE CARLOS GOMES POLÍTICA DE USO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E DA REDE Artigo 1º. Artigo 2º.

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA 1 REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX Empresa XX LTDA A EMPRESA XX LTDA, através de seu Comitê de Tecnologia da Informação, órgão responsável pela normatização e padronização

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet)

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet) REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet) A Universidade Federal de Pelotas (UFPel), através de seu Comitê de Tecnologia da Informação (PORTARIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE Capítulo I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins desta Norma,

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA O Campus Passo Fundo do Instituto Federal Sul-rio-grandense, através do Centro de Informática,

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos profissionais e usuários de informática da FECAP na utilização dos recursos computacionais,

Leia mais

FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1 O Laboratório de Informática destina-se aos acadêmicos e professores com prioridade de utilização aos acadêmicos. Art. 2 As atividades desempenhadas

Leia mais

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS...

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... PÁGINA: 1 SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... 02 IV. CONCEITO... 02 1. Recursos computacionais... 02 2. Usuário... 03 V. ATRIBUIÇÕES... 03 VI. POLÍTICA

Leia mais

ARTEC FACULDADE DE IMPERATRIZ

ARTEC FACULDADE DE IMPERATRIZ POLÍTICA DE USO DE EQUIPAMENTO DE INFORMATICA Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos técnicos administrativos, alunos e professores da FACIMP na utilização dos recursos computacionais,

Leia mais

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições,

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, flas RESOLUÇÃO 01 05 NORMAS DE USO ACEITÁVEL DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO INPE IMEDIATA O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, RESOLVE Estabelecer

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA GADE SOLUTION Tatiana Lúcia Santana GADE SOLUTION 1. Conceituação: A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação de qualidade é capaz

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015 A DIRETORA-GERAL PRO TEMPORE, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais conferidas

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Página 1 de 5 Código de Conduta e Ética 2012 Resumo A SAVEWAY acredita que seu sucesso está pautado na prática diária de elevados valores éticos e morais, bem como respeito às pessoas, em toda sua cadeia

Leia mais

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida.

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida. Segurança da Informação é a proteção das informações contra os vários tipos de ameaças as quais estão expostas, para garantir a continuidade do negócio, minimizar o risco ao negócio, maximizar o retorno

Leia mais

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores

Leia mais

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR GETAD/TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1-OBJETIVO Esta norma estabelece os critérios e procedimentos relacionados à utilização da REDE SETUR por todos os servidores, estagiários

Leia mais

ÁLAMO ENGENHARIA POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMÁTICA

ÁLAMO ENGENHARIA POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMÁTICA ELABORAÇÃO / REVISÃO APROVAÇÃO Marcelo Costa 16/05/2013 Fernando Matias 16/05/2013 NOME DATA NOME DATA Introdução: A segurança é um dos assuntos mais importantes dentre as preocupações de nossa empresa.

Leia mais

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós!

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós! Prezado Colaborador, O conteúdo desta cartilha tem como objetivo compartilhar alguns conceitos relacionados ao tema Segurança da Informação. Além de dicas de como tratar os recursos e as informações corporativas

Leia mais

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP Portaria UNESP - 385, de 25-06-2012 Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP O Vice-Reitor no Exercício da Reitoria da Universidade

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA Dos Laboratórios Art 1º O objetivo dos laboratórios de informática é suprir necessidades laboratoriais, de informática, nas áreas de ensino, pesquisa, extensão,

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PO - PSI 1ª 1/9 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. CONCEITOS/CRITÉRIOS GERAIS... 2 5. DIRETRIZES... 3 6. RESPONSABILIDADES... 3 6.1 Todos

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR 1. INTRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR Este documento pretende descrever como deverá ser o uso apropriado dos recursos de computação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA. Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INDICE DE REVISÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA. Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INDICE DE REVISÕES Título: Data: Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 de 6 INDICE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES E/OU PÁGINAS ALTERADAS 0 Primeira Edição da Instrução de Trabalho. 1 Nova nomenclatura

Leia mais

TÍTULO I CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO

TÍTULO I CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 01, Amparo, 09 abril de 2013. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE INFORMÁTICA E REDES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE AMPARO, VISANDO ESTABELECER UMA POLÍTICA DE

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA Sumário 1. Objetivo 2. Campo de aplicação 3. Documentos de Referência 4. Definições 5. Condições gerais 6. Condições de Acesso aos Recursos 7. Autenticação de Usuários 8. Recursos de Hardware e Software

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na FK EQUIPAMENTOS, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 O Diretor Presidente da Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos CPRH, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo Decreto nº. 30.462 de 25 de

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS, QUE PODERÃO

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/7 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Estabelecer as normas de uso e segurança de recursos de Tecnologia da Informação; 1.2) Orientar os usuários para a melhor utilização dos recursos computacionais; 1.3) Definir

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar:

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar: A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ,

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO PORTARIA Nº 018/DIAT/ASTEC/SEMAD Porto Velho, 17 de dezembro de 2007. Normatiza os procedimentos e critérios para uso e segurança dos equipamentos de informática e banco de dados da Prefeitura de Porto

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES NORMA OPERACIONAL/DTI/ Nº 01, DE 1 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a governança e

Leia mais

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Introdução A PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL-CHILE, através de seu setor de Tecnologia da Informação, tem como objetivo o provimento de um serviço de qualidade,

Leia mais

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO Departamento de Tecnologia da Informação Públicado em julho de 2014 Cachoeiro de Itapemirim ES Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão

Leia mais

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente,

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente, PORTARIA Nº 7876 Dispõe sobre a Norma PSI/N.0001 - Utilização da Estação de Trabalho, nos termos dos arts. 20 e 24, da Resolução nº 041/2010-SPDE. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que

Leia mais

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Capítulo I Do regimento e seus objetivos O presente regimento, elaborado pela Central de Processamento de dados da UFV- CRP, visa disciplinar

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre critérios de uso e segurança dos recursos de Tecnologia da Informação do Conselho Nacional

Leia mais

CÂMARA DE VEREADORES DE ITAQUI - RS PALÁCIO RINCÃO DA CRUZ

CÂMARA DE VEREADORES DE ITAQUI - RS PALÁCIO RINCÃO DA CRUZ ORDEM DE SERVIÇO Nº 01-2012 O Presidente,Vereador LAURO LUIZ HENDGES, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 35, inciso V do Regimento Interno, Considerando a necessidade de regulamentar a utilização

Leia mais

POLÍTICA DO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Sumário POLÍTICA DE SEGURANÇA DE ACESSO A BENS DE INFORMAÇÃO.... 2 1 Política de segurança... 2 2 Dispositivos gerais... 3 2.1 Usuário de acesso e senha...

Leia mais

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais,

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais, DECRETO Nº 012, de 05 de agosto de 2009. DISPÕE SOBRE O USO DOS SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET AOS ÓRGÃOS E DEPARTAMENTOS QUE INTEGRAM A ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE PICUÍ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE. Versão 1.0

POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE. Versão 1.0 POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE Versão 1.0 Versão 1.0 Pág. 1 Considerações Gerais 1 - A Tecnologia da Informação fica definida como a responsável pela gestão dos Sistemas de Informação e dos Recursos de

Leia mais

TERMO DE CONDIÇÕES DE USO. Jornal Cruzeiro do Sul Digital

TERMO DE CONDIÇÕES DE USO. Jornal Cruzeiro do Sul Digital TERMO DE CONDIÇÕES DE USO Jornal Cruzeiro do Sul Digital O presente instrumento representa um Termo de Condições de Uso para acesso ao Sistema e assinatura do Jornal Cruzeiro do Sul Digital, mantido pela

Leia mais

RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002 Define políticas, normas e procedimentos que disciplinam a utilização de equipamentos, recursos e serviços de informática do Unilasalle. O Reitor

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Publicada no Boletim de Serviço Nº 4, em 7/4/2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Disciplina o uso dos recursos de tecnologia da informação do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências.

Leia mais

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O centro de processamento de dados (CPD), ao qual o laboratório de Informática e Laboratório de Gestão

Leia mais

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Revisado em agosto de 2010

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Revisado em agosto de 2010 FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Revisado em agosto de 2010 A. Propósito O propósito desta Política de Uso da Tecnologia da Informação ("Política") é oferecer diretrizes

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Índice 1 Introdução... 3 2 Política de cadastro e senhas... 5 3 Política de Utilização da Internet... 7 4 Política de Utilização de

Leia mais

Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS RESOLUÇÃO TC Nº 17, DE 22 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre a Política de Uso Aceitável dos Recursos de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O DO ESTADO DE PERNAMBUCO,

Leia mais

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602.

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 4/2008 O Conselho de Administração, com base no disposto no Art. 17 do Estatuto da CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência, em reunião do dia 19 de fevereiro de

Leia mais

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação DIRETRIZES GERAIS PARA USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 6 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. DIRETRIZES GERAIS

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo )

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) A Política de segurança da informação, na A EMPRESA, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e serviços, incluindo trabalhos executados

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE

TERMO DE RESPONSABILIDADE TERMO DE RESPONSABILIDADE Pelo presente instrumento particular, declaro assumir a total responsabilidade pela utilização do CARTÃO FUNCIONAL e SENHA ELETRÔNICA, doravante chamados de IDENTIDADE DIGITAL

Leia mais

Programa Normativo Instrução Normativa e Procedimentos de Segurança da Informação

Programa Normativo Instrução Normativa e Procedimentos de Segurança da Informação Código: PN.GITI.001 Data: 20/09/2010 Versão: 1 Página: 1 de 7 1. Conceituação A Unimed João Pessoa considera a informação como um dos principais ativos da organização, devendo por isso, ser protegida de

Leia mais

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ [Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ Coordenadoria de Tecnologia da Informação 2013 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

Normas para o Administrador do serviço de e-mail

Normas para o Administrador do serviço de e-mail Normas para o Administrador do serviço de e-mail Os serviços de e-mails oferecidos pela USP - Universidade de São Paulo - impõem responsabilidades e obrigações a seus Administradores, com o objetivo de

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 105/2013

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 105/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 105/2013 Assunto: Estabelece normas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007 Normatiza a utilização dos recursos de tecnologia da informação e comunicação da Fundação Universidade Regional de Blumenau FURB, na forma do Anexo. O PRESIDENTE

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DATA: 25/01/2016 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2 25/01/2016 ÁLVARO BARBOSA SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 3 II. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES... 4 II.1 - COMITÊ EXECUTIVO... 4 II.2 - CONTROLES

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 078, DE 20 DE MAIO DE 2014. Institui a sala de pesquisa em dados

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014 Página 1 de 9 Portaria nº 05/2014 Estabelece e Regulamenta a Política de Uso dos Computadores, Laboratórios de Informática e Equipamentos Eletrônicos da Faculdade de Tecnologia de Barueri. O Diretor da

Leia mais

Leia com cuidado e procure respeitá-la!

Leia com cuidado e procure respeitá-la! Páginas: 1 de 5 Leia com cuidado e procure respeitá-la! Introdução: A Tecnologia da Informação, TI, está cada dia mais presente nas empresas, mudando radicalmente os hábitos e a maneira de comunicação,

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET

REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET 1 REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET Ricardo Machado Torres Ricardo Ariel Correa Rabelo Renata Azevedo Santos Carvalho José Albérico Gonçalves Ferreira Fábio Severo da Silva ARACAJU

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDES

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDES NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDES Sumário Sumário 1. DO OBJETIVO.................................... 3 2. DO PRINCÍPIO BÁSICO............................... 3 3. DAS DEFINIÇÕES..................................

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 004/DINFO/2013 05/11/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 004/DINFO/2013 05/11/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede de Dados

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUPERMERCADO COMPRE BEM

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUPERMERCADO COMPRE BEM POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUPERMERCADO COMPRE BEM 1. Abrangência A política de segurança se aplica aos ativos do Supermercado Compre Bem e está relacionada aos colaboradores da empresa que prestam

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL USO DA REDE DE COMPUTADORES E INTERNET NA UFTM

NORMA PROCEDIMENTAL USO DA REDE DE COMPUTADORES E INTERNET NA UFTM 70.01.002 1/07 1. FINALIDADE Regulamentar o uso apropriado da rede de computadores da Internet na Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os setores da Instituição

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 32/2014 Institui a política de segurança da informação da UFPB, normatiza procedimentos com esta finalidade e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA INSTRUÇÃO DO USO DA REDE DE COMPUTADORES DO CEFET-BA O Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia (CEFET-BA) possui uma rede

Leia mais

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda.

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda. Código de Ética SPL Consultoria e Informática Ltda. Introdução Segundo o dicionário Aurélio ética é o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA Objetivos A política de utilização da rede wireless tem como objetivo estabelecer regras e normas de utilização e ao mesmo tempo desenvolver

Leia mais

versão 1.0 26/02/2010

versão 1.0 26/02/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Espírito Santo POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO versão 1.0 26/02/2010 Pró-Reitoria

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E DE REDES DE COMPUTADORES

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E DE REDES DE COMPUTADORES REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E DE REDES DE COMPUTADORES Cursos: Superior de Tecnologia/Sistemas de Informação Título I Dos Laboratórios de Informática e Redes de Computadores Capítulo I

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1. O uso e o funcionamento do Laboratório de Informática da Faculdade de Direito do Vale do Rio Doce (FADIVALE) obedecerá às normas constantes deste regulamento.

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Presidente do Conselho Curador da FESP, no uso de suas atribuições, faz regulamentar o uso da rede de computadores

Leia mais

WEBMAIL Política de Uso Aceitável

WEBMAIL Política de Uso Aceitável WEBMAIL Política de Uso Aceitável Bem-vindo ao Correio Eletrônico da UFJF. O Correio Eletrônico da UFJF (Correio-UFJF) foi criado para ajudá-lo em suas comunicações internas e/ou externas à Universidade.

Leia mais

ANEXO I Solicitação de acesso à rede corporativa (S.A.R.C) Poder Executivo do (RS) Cadastramento Bloqueio Desbloqueio Exclusão Justificativa Nome: Setor: Função: CPF: Identidade: Matricula: Ramal: Nome

Leia mais

Políticas de Segurança a da Informação e Aspectos Legais. Qual é o impacto para a sua empresa? Paulo Roberto Runge Filho

Políticas de Segurança a da Informação e Aspectos Legais. Qual é o impacto para a sua empresa? Paulo Roberto Runge Filho Políticas de Segurança a da Informação e Aspectos Legais Qual é o impacto para a sua empresa? Paulo Roberto Runge Filho Qual é o patrimônio mais importante dentro da sua empresa? A informação representa

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe Universidade Federal de Sergipe Centro de Processamento de Dados Coordenação de Redes Regras de Acesso à Rede Sem Fio da UFS 1. DESCRIÇÃO A rede sem fio do projeto Wi-Fi UFS foi concebida para complementar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP Política de Informática CCRP Índice 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 2. ESPECIFICAÇÃO E AQUISIÇÃO DE NOVOS EQUIPAMENTOS... 2 3. INSTALAÇÃO DE SOFTWARES... 2 4. DESENVOLVIMENTO, MANUTENÇÃO E BACKUP DE SISTEMAS

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS)

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) 1. A aceitação a esta Política de Privacidade se dará com o clique no botão Eu aceito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARUJA ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARUJA ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARUJA INSTRUÇÃO NORMATIVA N' 001. - DE 26 DE FEVEREIRO DE 2008. 1 Estabelece as Normas de Uso Aceitável dos Recursos Computacionais da Prefeitura Municipal de Arujá e todos os estabelecimentos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Nº de Páginas: 1 / 5 1. OBJETIVOS Os objetivos desta Política de Segurança da Informação são estabelecer orientações gerais de segurança da informação no âmbito da Braslight, fornecendo o apoio conceitual

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE SEGURANÇA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE SEGURANÇA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE SEGURANÇA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE CABECEIRAS DE BASTO INTRODUÇÃO O presente Regulamento tem como objetivo estabelecer diretrizes e regular a utilização dos

Leia mais