CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS SISTEMAS ORGANIZACIONAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS SISTEMAS ORGANIZACIONAIS"

Transcrição

1 SISTEMAS ORGANIZACIONAIS

2 APRESENTAÇÃO O conhecimento não deve ser colocado de forma muito restrita, de modo que o Aluno não acredite que o assunto está encerrado e que a pesquisa não deve ser feita. Apostilas possuem a missão de auxiliar um assunto de forma resumida, condensada, de forma que sirva como ponto de partida para se ir mais a fundo na busca de mais informações. Assim, o leitor deve ter um primeiro contato com o assunto mas, sabendo de sua natureza dinâmica, lembrar que deve ser, permanentemente, relido, pesquisado, ilustrado e sabido. Não há forma de retenção de conteúdo pelo ser humano que não seja pelo estudo. Isto deve ser permanentemente guardado. Esta apostila foi construída a partir do material utilizado em sala a partir das referências contidas em cada capítulo. Está sendo atualizado a cada semestre. Aproveite a oportunidade. Ninguém pode lhe roubar o conhecimento que você adquire. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 2

3 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 3

4 - Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. - Definir responsabilidades e autoridade e suas implicações especialização, hierarquia, amplitude de controle e centralização e descentralização. - Descrever um organograma e seus componentes. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 4

5 INTRODUÇÃO CONCEITOS DIVISÃO DO TRABALHO DEFINIÇÃO DE RESPONSABILIDADES AUTORIDADE CENTRALIZAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DE AUTORIDADE ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E ORGANOGRAMA CONCLUSÃO ESTUDO DE CASO PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO - PERGUNTAS RESPOSTA AO ESTUDO DE CASO PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO - RESPOSTAS SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 5

6 INTRODUÇÃO Compreender a estrutura é fundamental para que se entendam as relações entre as pessoas dentro das organizações. CONCEITOS Consiste em dividir o trabalho e atribuir responsabilidades e autoridades a pessoas. As principais etapas (ou decisões) no processo de organizar são: 1. Analisar os objetivos e o trabalho a serem realizados; 2. Dividir o trabalho de acordo com os critérios mais apropriados para a realização dos objetivos; 3. Definir as responsabilidades pela realização do trabalho; 4. Definir os níveis de autoridade; e 5. Desenhar a estrutura organizacional. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 6

7 DIVISÃO DO TRABALHO É o processo por meio do qual uma tarefa é dividida em partes, cada uma das quais é atribuída a uma pessoa ou grupo de pessoas. Identificação das unidades de trabalho Definidos os objetivos o trabalho a ser realizado é dividido em unidades ou blocos. Cada unidade ou bloco engloba as tarefas necessárias para realizar um ou mais objetivos. Denominação das unidades de trabalho Departamentos, setores, divisões, gerências, diretorias, seções ou áreas. A escolha é arbitrária e está a cargo das organizações. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 7

8 DEFINIÇÃO DE RESPONSABILIDADES Responsabilidades são as obrigações ou deveres das pessoas pela realização de tarefas ou atividades. O conjunto das tarefas pelas quais uma pessoa é responsável chama-se cargo. Um cargo é a menor unidade de trabalho de uma organização. Os cargos têm títulos que identificam a tarefa principal (ou profissão) do seu ocupante. Exemplo: Classificação Brasileira de Ocupações (Catálogo Brasileiro de Ocupações). Fonte: B904 AUTORIDADE Além de dividir o trabalho o processo de organizar envolve atribuir autoridade a pessoas ou a unidades de trabalho. Autoridade (a rigor autoridade formal) é o direito legal que os chefes ou gerentes têm de dirigir ou comandar os integrantes de sua equipe. A autoridade envolve também o poder de utilizar ou comprometer os recursos organizacionais. A autoridade pode ser atribuída a pessoas, unidades de trabalho de uma organização ou a organizações, como o departamento de auditoria das empresas, uma comissão de sindicância, a polícia ou o poder judiciário. A autoridade é a contrapartida da responsabilidade. Como os gerentes têm responsabilidades pelo desempenho de outras pessoas as organizações dão-lhes autoridade sobre essas mesmas pessoas. A atribuição de autoridade implica dois conceitos fundamentais do processo de organização: hierarquia e amplitude de controle. Hierarquia (ou cadeia de comando) é a disposição da autoridade em níveis. A quantidade de níveis chama-se número de escalões hierárquicos. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 8

9 SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 9

10 SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 10

11 SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 11

12 Na maioria das organizações os gerentes agrupam-se em três níveis hierárquicos principais: 1. Executivos 2. Gerentes intermediários 3. Supervisores ou equipes autogeridas 1. Alta administração: presidente. No alto da hierarquia, no primeiro escalão. Cargos de diretor, superintendente e 2. Gerentes intermediários: no segundo nível, abaixo dos executivos. São responsáveis pela coordenação das unidades de trabalho (departamentos, divisões ou gerências). Transformam os grandes objetivos da alta administração em objetivos específicos, definem e mobilizam recursos e controlam a realização das atividades. Cuidam de partes especializadas ou funções da organização: produção, finanças, marketing, recursos humanos. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 12

13 3. Supervisores e equipes autogeridas por líderes: na base da hierarquia. Líder e supervisor são designações normalmente utilizadas para os que chefiam grupos formados por funcionários operacionais, responsáveis pela realização de tarefas que fornecem produtos e serviços aos clientes. Amplitude de Controle 1. Estrutura achatada: Grande número de subordinados por chefe e um pequeno número de chefes. Grande amplitude e pequeno número de escalões. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 13

14 2. Estrutura aguda: Com grande número de chefes e pequeno número de subordinados por chefe. Pequena amplitude e grande número de escalões. CENTRALIZAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DE AUTORIDADE Organização centralizada A autoridade está concentrada em uma ou poucas pessoas. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 14

15 Organização descentralizada O poder da decisão está distribuído. Os ocupantes de determinados cargos transferem ou delegam parte de suas atribuições e sua autoridade para os ocupantes de outros cargos. Delegação entre pessoas Transferência de poder de decisão para a execução de tarefas específicas. Permite que um administrador supervisione mais pessoas. Descentralização Altera a divisão do trabalho entre os cargos e os departamentos. Por causa disso é mais duradoura e tem mais alcance que a delegação entre pessoas. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E ORGANOGRAMA A estrutura organizacional é o resultado das decisões sobre a divisão do trabalho e sobre a atribuição de autoridade e de responsabilidades a pessoas e unidades de trabalho. É também o mecanismo de coordenação das pessoas e unidades de trabalho. É representada pelo gráfico chamado organograma. Desenho do organograma: divisão do trabalho e definição de responsabilidades Os retângulos indicam como foi feita a divisão do trabalho. Cada retângulo representa um bloco ou unidade de trabalho e, ao mesmo tempo, as responsabilidades de cada pessoa ou grupo de pessoas pela execução da atividade. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 15

16 Desenho do organograma Autoridade e hierarquia O número dos níveis em que os retângulos estão distribuídos mostra como a autoridade está graduada, do gerente que tem mais autoridade (topo da hierarquia) até o de menor autoridade (base da hierarquia). Comunicação e coordenação As linhas que ligam os retângulos mostram sua interdependência. O sistema de comunicações de uma estrutura organizacional permite a ação coordenada dos blocos de trabalho. Linha e assessoria Organização em linha: não há nenhuma interferência entre cada nível hierárquico e o nível hierárquico inferior. Organização em linha e assessoria: há unidades de trabalho situadas ao lado da linha. Essas unidades de assessoria prestam serviços às unidades de linha, em particular ao nível hierárquico imediatamente superior. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 16

17 Exemplo: ANATEL Exemplo: Corregedoria-Geral Eleitoral do Tribunal Superior Eleitoral SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 17

18 CONCLUSÃO Ao final da aula os Alunos devem atingir os seguintes objetivos: - Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. - Definir responsabilidades e autoridade e suas implicações especialização, hierarquia, amplitude de controle e centralização e descentralização. - Descrever um organograma e seus componentes. REFERÊNCIA MAXIMINIANO, Antônio C. A. Introdução à Administração, 6ª Ed. São Paulo. Atlas SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 18

19 Para que serve um RH global Especialista em liderança global, o conferencista americano Stephen H. Rhinesmith fala sobre os processos de internacionalização, as características de empresas globais e os paradoxos que envolvem o tema. por Luis Pereira No início de agosto, o americano Stephen H. Rhinesmith esteve na África do Sul para ser o principal orador em uma conferência sobre liderança global, um evento que reuniu 300 líderes mundiais da Sanlam, um forte grupo sul-africano em serviços financeiros. Uma semana antes, Rhinesmith esteve na Cidade do México auxiliando líderes a aumentar a perspectiva global de seus trabalhos. E, antes disso, esteve em Dubai, onde aplicou um programa para 18 jovens líderes árabes. Tem sido assim a vida de Rhinesmith entre viagens a trabalho pelo mundo e sua residência nos Estados Unidos. Consultor, conferencista, escritor, palestrante e PhD em administração pública e relações exteriores, Rhinesmith é autor, entre outros, do livro Guia Gerencial para Globalização, que aborda os fatores-chave para o sucesso num mundo globalizado. De sua casa em Stowe, no estado de Vermont, nos Estados Unidos, Rhinesmith falou a VOCÊ RH sobre o processo de internacionalização de empresas, o papel e as características dos recursos humanos nas companhias globais e os paradoxos que envolvem o tema. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 19

20 O senhor costuma dizer que paradoxos não podem ser resolvidos, podem apenas ser administrados. Por quê? Porque paradoxos sempre envolvem duas necessidades contraditórias, e você não pode satisfazer completamente uma em detrimento da outra. O que acontece em qualquer paradoxo é que você precisa prestar atenção nos dois lados, mesmo sendo eles significativamente contraditórios. O exemplo mais fácil de compreender isso é por meio do paradoxo trabalho família. Se você decidir que vai apenas prestar atenção no seu trabalho, você perde sua família. E, se você decidir que só vai cuidar de sua família, você perde seu trabalho. Paradoxos, portanto, não podem ser resolvidos. Podem apenas ser balanceados. Como é possível construir um bom relacionamento local-global em prol de uma administração eficiente? Acredito que o mais importante é que as pessoas nos países das subsidiárias se sintam seguras de que os executivos da matriz entendem suas necessidades locais, seus valores, suas restrições, ou seja, a cultura local. É uma coisa difícil de acontecer porque requer que os executivos globais sejam treinados na administração de paradoxos. É preciso consolidar as funções globais sem perder a sensibilidade em relação às diferentes e específicas funções locais. É importante tornar possível esse balanceamento. Quais são as mentalidades necessárias para uma empresa global? Trabalho em equipe, confiança e administração de conflito. É impossível ter uma organização matricial global sem um trabalho em equipe efetivo. A boa vontade de falar algo para alguém que você sabe que não vai estar de acordo com você é uma das principais características de uma empresa global de sucesso. Mas, para isso, é preciso ter confiança de que os interesses daquela pessoa são os melhores possíveis para o negócio da empresa e que ela também o compreende e se põe à disposição para atingir objetivos comuns, mesmo que tenham diferentes níveis de responsabilidades. Isso é, portanto, trabalho em equipe, que depende de confiança e, no limite, da habilidade de administrar conflitos e diferenças, garantindo que sejam mantidas as políticas e as melhores práticas da empresa. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 20

21 É possível ter programas globais para treinamento dos líderes das diversas unidades regionais da companhia? Sim. Existem três razões pelas quais as organizações podem e devem fazer esses programas. Primeiramente, se realmente quer ter uma companhia global, em vez de uma multinacional em que todas as unidades operem diferentemente, você precisa informar seus executivos e ajudá-los a entender quais são as estratégias, os valores, as normas e os comportamentos de uma empresa global. E a melhor forma de fazer isso é desenvolvendo programas unificados nas diferentes unidades espalhadas pelo mundo, destinados a promover encontros de executivos. Em outras palavras, você pode promover um encontro em São Paulo e trazer executivos da Europa, da Ásia, da América do Norte, da África e do Oriente Médio. E, numa outra oportunidade, promover esse encontro em Hong Kong, levando executivos de São Paulo e das outras partes do mundo. A segunda razão pela qual esses programas são fundamentais é que eles permitem que executivos de diferentes partes do mundo se conheçam. Para uma companhia global operar eficientemente, é fundamental o bom relacionamento entre seus funcionários espalhados pelo mundo, muito mais do que seus sistemas, suas políticas e seus procedimentos. Esses seminários globais e treinamentos de líderes proporcionam uma oportunidade para os executivos se conhecerem e se tornarem capazes de trocar ideias e construírem uma relação baseada na confiança, possibilitando, assim, mais eficiência na solução de questões globais. E a terceira razão é que o RH global possa conhecer os executivos seniores de diferentes países, suas diferentes funções, e avaliar e desenvolver seus potenciais. Em resumo, esses programas globais servem a muitos propósitos, como identificar talentos, desenvolver e alinhar os líderes em torno de prioridades globais. Quais novas competências os líderes nas organizações globais precisam ter? Os líderes precisam basicamente de três competências. A primeira é usar a cabeça. Em outras palavras, precisam conhecer seu negócio numa base global. Eles precisam compreender social, econômica e politicamente as transações globais e de que forma isso pode afetar o negócio da companhia no futuro. A segunda é usar o coração. Ou seja, eles precisam de empatia para compreender os consumidores em diferentes mercados. É preciso também ter empatia com os diferentes stakeholders, que demandam SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 21

22 sustentabilidade global e as demais necessidades sociais. A terceira competência é ter coragem, a visão clara de valores para tomar decisões difíceis em momentos de incerteza, quando, às vezes, é quase impossível saber o que fazer somente com base em análises técnicas. Como conciliar diferenças culturais dos países para estabelecer políticas globais de RH? Políticas globais de RH devem ser estabelecidas e os países devem interpretar e implementar essas políticas dentro de um contexto local. Ao mesmo tempo, a empresa deve estabelecer padrões éticos minimamente necessários em todos os países para que a companhia seja, como um todo, eticamente globalizada. Como os processos de RH devem ser liderados, levando- se em conta a cultura local? Primeiramente, é preciso decidir o que deve ser integrado em um nível global. Depois, o que precisa ser coordenado entre as regiões. E, por fim, o que necessita ser distinguido como cultura local. Sobre o que deve ser comum entre regiões, podemos citar certos valores que a corporação considera fundamentais. Como, por exemplo, trabalho em equipe, franca comunicação, certos padrões éticos e mais umas quatro ou cinco atitudes que devem ser disseminadas globalmente. Cada país, no entanto, deve ter seus programas aplicados às necessidades específicas. Pode ter, por exemplo, métodos próprios para contratação e desenvolvimento de talentos locais. As políticas de recrutamento no Japão podem ser completamente diferentes das políticas de recrutamento no Brasil. Qual é o papel e o perfil de um RH global? Acredito que um RH global, em primeiro lugar, precisa ter uma liderança com ampla perspectiva. É preciso construir um RH moderno e mais preocupado com o alinhamento estratégico dos valores globais. Além disso, é fundamental que os executivos de RH tenham experiências em termos de viagem, compreensão de outras culturas e a sensibilidade e a habilidade de trabalhar com as diferenças que existem no mundo. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 22

23 Como o senhor analisa a prática da diversidade dentro da companhia? É interessante como, de modo crescente, as organizações não estão somente visando a gênero, idade ou classificação étnica, mas também a padrões de pensamento e estilos. Por exemplo, as empresas estão usando avaliações de personalidade para entender quais habilidades e pontos fracos os executivos podem ter em estilos de liderança. Portanto, de forma progressiva, o que acontece é que as companhias estão cada vez mais utilizando amplas maneiras de planejar a diversidade. Aproximadamente 30 ou 40 anos atrás, particularmente nos Estados Unidos, o objetivo dos programas de diversidade era superar o preconceito. Esse não é mais o propósito principal. A suposição hoje, na maioria das empresas, é aceitar o fato de que as pessoas têm muitas diferenças e, se uma companhia souber utilizar essas diferenças, ela poderá ser muito mais forte. Fonte: SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 23

24 O processo de organização consiste em dividir o trabalho e atribuir responsabilidades e autoridades a pessoas. As principais etapas (ou decisões) no processo de organizar são: 1. Analisar os objetivos e o trabalho a serem realizados 2. Dividir o trabalho de acordo com os critérios mais apropriados para a realização dos objetivos. 3. Definir as responsabilidades pela realização do trabalho 4. Definir os níveis de autoridade 5. Desenhar a estrutura organizacional. Abaixo são mostrados trechos do texto que associam as ideias de uma organização genérica com uma organização global. Assinale a única correspondência que não liga uma empresa genérica a uma empresa global. 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 1. Analisar os objetivos e o trabalho a serem realizados. Texto: A empresa global deve atender a matriz, mas deve, também, entender a cultura local (bom relacionamento local-global). 2. Dividir o trabalho de acordo com os critérios mais apropriados para a realização dos objetivos. Texto: Quais novas competências os líderes nas organizações globais precisam ter? Os líderes precisam basicamente de três competências. 3. Definir as responsabilidades pela realização do trabalho. Texto: Mentalidades necessárias para uma empresa global? Trabalho em equipe, confiança e administração de conflito. 4. Definir os níveis de autoridade. Texto: É possível ter programas globais para treinamento dos líderes das diversas unidades regionais da companhia? Sim. Existem três razões pelas quais as organizações podem e devem fazer esses programas. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 24

25 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO - PERGUNTAS O processo de organização Consiste em dividir o trabalho e atribuir responsabilidades e autoridades a pessoas. Com relação aos conceitos contidos no que foi apresentado, escolha a única alternativa correta. Nr 5.1 ALTERNATIVA Uma estrutura que possua uma Assessoria de Comunicação Social, além dos Departamentos Financeiro, de Marketing e de Produção, pode ser considerada uma Organização de Linha. 5.2 A estrutura hierárquica da Sociedade do Açúcar é um exemplo típico de uma organização descentralizada. 5.3 Quanto mais níveis a organização possui, mais rápido a informação flui pela estrutura da mesma. 5.4 A delegação implica em repasse de responsabilidades e de poder de decisão. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 25

26 A divisão do trabalho é o processo por meio do qual uma tarefa é dividida em partes, cada uma das quais é atribuída a uma pessoa ou a um grupo de pessoas. Com relação ao conceito que foi apresentado, escolha entre as afirmativas abaixo a única alternativa correta. Nr 5.1 ALTERNATIVA No preparo de uma capacitação em educação corporativa para colaboradores recém-contratados em um grande escritório de advocacia, de modo a saberem quais as normas e procedimentos da organização, uma das tarefas pode ser VISITA ÀS REPARTIÇÕES DA EMPRESA. 5.2 Em um evento de uma empresa fabricante de softwares para videogames, visando comemorar os aniversariantes do mês, uma das tarefas pode ser DECORAÇÃO DO LOCAL DA FESTA. 5.3 Em um seminário organizado por uma empresa de propaganda para mostrar lições aprendidas na composição de campanhas publicitárias, uma tarefa pode ser a RECEPÇÃO DOS PARTICIPANTES. 5.4 Todas as respostas acima estão corretas. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 26

27 O processo de organização Consiste em dividir o trabalho e atribuir responsabilidades e autoridades a pessoas. Com relação aos conceitos contidos no que foi apresentado, escolha a única alternativa correta. Nr 5.1 ALTERNATIVA Separar a equipe de treinamento e colocar um líder para cada uma. 5.2 Definir uma equipe de gestão dos testes de avaliação de desempenho e deixar as conclusões para o software que a empresa adquiriu. 5.3 Definir as comissões da festa de fim de ano fazendo toso responsáveis pelas tarefas da equipe. 5.4 Deixar que a festa de fim de ano da empresa seja conduzida por todos de modo que cada um assuma a responsabilidade por todas as etapas de preparação. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 27

28 1 ( ) 2 ( ) 3 ( X ) 4 ( ) 1. Analisar os objetivos e o trabalho a serem realizados. Texto: A empresa global deve atender a matriz, mas deve, também, entender a cultura local (bom relacionamento local-global). 2. Dividir o trabalho de acordo com os critérios mais apropriados para a realização dos objetivos. Texto: Quais novas competências os líderes nas organizações globais precisam ter? Os líderes precisam basicamente de três competências. 3. Definir as responsabilidades pela realização do trabalho. Texto: Mentalidades necessárias para uma empresa global? Trabalho em equipe, confiança e administração de conflito. 4. Definir os níveis de autoridade. Texto: É possível ter programas globais para treinamento dos líderes das diversas unidades regionais da companhia? Sim. Existem três razões pelas quais as organizações podem e devem fazer esses programas. O trecho extraído do texto não mostra a quem são atribuídas as responsabilidades, ou quais são atribuídas a quem. Apenas mostra o que se deve fazer, não quem deve fazer. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 28

29 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO - RESPOSTAS Nr 5.1 ALTERNATIVA Uma estrutura que possua uma Assessoria de Comunicação Social, além dos Departamentos Financeiro, de Marketing e de Produção, pode ser considerada uma Organização de Linha. 5.2 A estrutura hierárquica da Sociedade do Açúcar é um exemplo típico de uma organização descentralizada. 5.3 Quanto mais níveis a organização possui, mais rápido a informação flui pela estrutura da mesma. 5.4 A delegação implica em repasse de responsabilidades e de poder de decisão. Nr 5.1 ALTERNATIVA No preparo de uma capacitação em educação corporativa para colaboradores recém-contratados em um grande escritório de advocacia, de modo a saberem quais as normas e procedimentos da organização, uma das tarefas pode ser VISITA ÀS REPARTIÇÕES DA EMPRESA. 5.2 Em um evento de uma empresa fabricante de softwares para videogames, visando comemorar os aniversariantes do mês, uma das tarefas pode ser DECORAÇÃO DO LOCAL DA FESTA. 5.3 Em um seminário organizado por uma empresa de propaganda para mostrar lições aprendidas na composição de campanhas publicitárias, uma tarefa pode ser a RECEPÇÃO DOS PARTICIPANTES. 5.4 Todas as respostas acima estão corretas. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 29

30 Nr ALTERNATIVA 5.1 Separar a equipe de treinamento e colocar um líder para cada uma. 5.2 Definir uma equipe de gestão dos testes de avaliação de desempenho e deixar as conclusões para o software que a empresa adquiriu. 5.3 Definir as comissões da festa de fim de ano fazendo toso responsáveis pelas tarefas da equipe. Deixar que a festa de fim de ano da empresa seja conduzida por todos de modo 5.4 que cada um assuma a responsabilidade por todas as etapas de preparação. SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Página 30

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 12 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS: Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. Definir responsabilidade e autoridade e suas implicações especialização,

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organização, Processo e Estruturas 1 Organização Processo de estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis tendo em vista os objectivos que a empresa como um todo se propõe atingir. 2

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa - Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa A teoria clássica

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado coletivo

Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado coletivo Aula 03 1 2 Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado coletivo Exemplos: Empresas; Associações; Órgãos governamentais,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS VISÃO GERAL DE CAPACIDADES SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS AT-RISK International oferece Análise de Riscos, Proteção, Consultoria, Investigações e Treinamento em Segurança, nas Américas,

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais Módulo 4.Estruturas Organizacionais Como vimos anteriormente, a Abordagem Contingencial afirma que a forma de atuar da organização deve levar em conta o ambiente onde está inserida. Sua estrutura, igualmente,

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock Gestão de pessoas PRINCIPAIS TÓPICOS 1. Cultura organizacional e outros desafios de projetos; 2. O papel do gerente de projetos; 3. O relacionamento

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M. Setembro/2013

PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M. Setembro/2013 PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M Setembro/2013 Apresentação Newton Leandro Gonçalves Braga Especialista em Manutenção Industrial e Engenheiro Civil Pós graduando em Gestão de Projetos

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES Empreendedorismo Curso de Moda e Estilismo Graduação em Administração de Empresas Especialização em Marketing Empreendedorismo COMPETÊNCIAS Conhecer o processo de empreender utilizando as estruturas, as

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Just to remember... Interação entre os processos segundo PMBOK... Cada processo

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial Conexão Gerencial é um programa modular de Desenvolvimento Gerencial cujos principais objetivos são: Promover um choque de cultura e competência gerencial e tornar mais efetivo o papel dos Gestores. Alinhar

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Fayol e a Escola do Processo de Administração

Fayol e a Escola do Processo de Administração CAPÍTULO 4 Fayol e a Escola do Processo de Administração Empresa Função de Administração Função Comercial Função Financeira Função de Segurança Função de Contabilidade Função Técnica Planejamento Organização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Estrutura Organizacional É o sistema de organização de tarefas onde se estabelecem

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

O PAPEL DO LÍDER. Vejamos no quadro abaixo algumas diferenças básicas entre um líder e um chefe: SITUAÇÃO CHEFE LÍDER

O PAPEL DO LÍDER. Vejamos no quadro abaixo algumas diferenças básicas entre um líder e um chefe: SITUAÇÃO CHEFE LÍDER O PAPEL DO LÍDER O Que é Um Líder? Atualmente, e cada vez mais, as empresas investem nos funcionários, pois acreditam que essa é a melhor forma para a obtenção de bons resultados. Equipes são treinadas,

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Tipos de Organização. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Tipos de Organização. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Tipos de Organização Professor: Roberto César CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA ORGANIZAÇÃO FORMAL A organização consiste em um conjunto de posições funcionais e hierárquicas orientado

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Organização em Enfermagem

Organização em Enfermagem Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I Organização em Enfermagem Prof. Thiago C. Nascimento Objetivos: Discorrer

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto I Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição de Projeto, Operação, Programa e Portfólio. Stakeholders. O que é Gerenciamento de

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Business Partners Consulting, atendendo seu cliente, União dos Escoteiros do Brasil, seleciona: GERENTE GERAL

Business Partners Consulting, atendendo seu cliente, União dos Escoteiros do Brasil, seleciona: GERENTE GERAL Business Partners Consulting, atendendo seu cliente, União dos Escoteiros do Brasil, seleciona: GERENTE GERAL Local de trabalho Curitiba Paraná Atividades Desenvolver e implantar novas estratégias de atuação

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Melhores práticas no planejamento de recursos humanos

Melhores práticas no planejamento de recursos humanos Melhores práticas no planejamento de recursos humanos Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Preparando a força de trabalho para o futuro Planejamento de recursos humanos

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Introdução. Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO

Introdução. Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS 1 Introdução Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO Este processo é uma tentativa de alinhar metas pessoais

Leia mais

Organograma Linear. O organograma linear de responsabilidade revela:

Organograma Linear. O organograma linear de responsabilidade revela: 1 Organograma Linear O organograma linear de responsabilidade revela: 1. A atividade ou decisão relacionada com uma posição ou cargo organizacional, mostrando quem participa e em que grau, quando uma atividade

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Profa. Me. Giuliana Elisa dos Santos INTRODUÇÃO. CAPÍTULO 1 PLT 692 A natureza de um Projeto (Keeling, Ralph) Parte I

GESTÃO DE PROJETOS. Profa. Me. Giuliana Elisa dos Santos INTRODUÇÃO. CAPÍTULO 1 PLT 692 A natureza de um Projeto (Keeling, Ralph) Parte I GESTÃO DE PROJETOS INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 PLT 692 A natureza de um Projeto (Keeling, Ralph) Parte I Profa. Me. Giuliana Elisa dos Santos Antes de começar... Defina projeto em uma imagem... Defina projeto

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais