PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FILIPI ASSUNÇÃO CURCIO IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, COM O AUXÍLIO DAS NORMAS DA NBR-ISO 14000, A PARTIR DO MODELO PDCA: Um estudo de caso em um posto de combustíveis da região metropolitana de Curitiba. SÃO JOSÉ SC 2011

2 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FILIPI ASSUNÇÃO CURCIO IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, COM O AUXÍLIO DAS NORMAS DA NBR-ISO 14000, A PARTIR DO MODELO PDCA: Um estudo de caso em um posto de combustíveis da região metropolitana de Curitiba. Trabalho de conclusão de curso elaborado como requisito final para a aprovação no Curso de Administração no Centro Universitário Municipal de São José USJ. Prof. Dr. Edson Telê Campos SÃO JOSÉ SC 2011

3 2 FILIPI ASSUNÇÃO CURCIO IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, COM O AUXÍLIO DAS NORMAS DA NBR-ISO 14000, A PARTIR DO MODELO PDCA: Um estudo de caso em um posto de combustíveis da região metropolitana de Curitiba. Trabalho de Conclusão de Curso elaborado como requisito parcial para obtenção do grau de bacharel em Administração do Centro Universitário Municipal de São José USJ avaliado pela seguinte banca examinadora: Orientador: Prof. Dr. Edson Telê Campos Prof. Dr. Alissane Lia Tasca da Silveira Membro examinador Prof. Msc. Paulo Sérgio de Moura Bastos Membro examinador São José, 20 de Junho de 2011

4 3 Dedico este trabalho aos meus pais e meu irmão, que me educaram, com os melhores valores, e me ensinaram, com os melhores sentimentos. Dedicolhes principalmente, porque só com o apoio e incentivo deles foi possível à realização deste trabalho.

5 4 AGRADECIMENTOS Inicialmente, agradeço ao Centro Universitário Municipal de São José, em especial ao corpo docente, que com muita competência transmitiu seu conhecimento. Ao Profº Dr. Edson Telê Campos, pela amizade, orientação, ajuda e atenção despendida durante todo o processo realização deste trabalho. A minha família, em nome de Mª Bernadete, minha mãe, Braz, meu pai e Wagner meu irmão, que com apoio e incentivo tornaram possível a finalização deste trabalho. Muito obrigado, devo minha vida a vocês! Aos meus amigos, primos, tios e vós, que tornam a minha vida mais rica, e consequentemente tornaram esta caminhada mais prazerosa. Aos meus colegas de classe, em especial ao Alex, Carlos Henrique, Paulo e Rene, com certeza a maior herança que obtive ao longo de minha vida acadêmica, representada em uma amizade sincera e honesta. Ao Auto Posto Represa Ltda. e aos seus funcionários, que permitiu a realização deste estudo. Ao Leverson e Araceli, grandes amigos, que com paciência transmitiu todo o conhecimento e informações necessárias para a obtenção de dados que transmitissem a realidade da empresa, possibilitando adequar o trabalho proposto em um cenário real.

6 5 Há o suficiente no mundo para todas as necessidades humanas; não há o suficiente para a cobiça humana. Mahatma Gahndi

7 6 RESUMO Nesta pesquisa buscou-se identificar os meios necessários para a implantação da Gestão Ambiental no Auto Posto Represa Ltda. a partir de ferramentas dos Sistemas de Gestão Ambiental, seguindo a NBR-ISO aplicada ao modelo PDCA para obter-se a melhoria contínua do processo. Para isto realizou-se um estudo de caso quantitativo e qualitativo, além do uso de apoio bibliográfico para a confecção de um questionário, formulação de entrevistas com visitas ao local de estudo, trançando-se um perfil da empresa e sua relação com a temática ambiental. Na análise dos dados obtidos se identificou as potencialidades que a implantação de um Sistema de Gestão Ambiental no Auto Posto Represa Ltda. apoiado pela NBR-ISO 1400 pode conceder. Com isto demonstrou-se o efeito positivo, tanto interno quanto externo da empresa, que investimentos na área ambiental trazem às empresas, principalmente quanto à imagem e como isto poderá agregar valor aos produtos e aos serviços comercializados. Por fim serão colocados alguns pontos em que a empresa é deficitária e com eles denotada, foram indicadas sugestões para a implantação, a partir do modelo fundamentado. Palavras-Chave: Sistemas de Gestão Ambiental, Posto de Combustível, NBR-ISO

8 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Evolução da preocupação ambiental: um breve histórico...19 Quadro 2 Princípios da Carta da Terra...22 Quadro 3 Principais acidentes ambientais...24 Quadro 4 Pressões para o desenvolvimento ambiental...32 Quadro 5 Especificações das subdivisões...38 Quadro 6 Benefícios da Gestão Ambiental...38 Quadro 7 Lista de Normas da série ISO Quadro 8 A ISO aplicada no modelo PDCA...50 Quadro 9 Reflexos econômicos dos objetivos e metas ambientais...52 Quadro 10 Orientações da NBR-ISO LISTA DE FIGURAS Figura 1 Especificações para o uso da ISO Figura 2 Sistema de Gestão Ambiental Contínuo...47 Figura 3 PDCA na Gestão Ambiental...48 Figura 4 Fluxograma de modelo de caracterização e classificação de resíduos...59 Figura 5 Mostra as atividades da prestação de serviço relacionando-as com a geração de resíduos...60 Figura 6 Funcionograma do Auto Posto Represa Ltda...62 Figura 7 Fluxograma de um modelo de aplicação de SGA...77 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Dimensões da Gestão Ambiental...35 Gráfico 2 - Como a questão ambiental é vista...71

9 Gráfico 3 - A importância da questão ambiental na empresa...71 Gráfico 4 - Realização de pesquisa sobre a imagem ambiental passada pela empresa...72 Gráfico 5 - A empresa acreditar transparecer uma boa imagem ambiental aos seus consumidores e/ou sua comunidade?...,...72 Gráfico 6 Perfil da empresa perante as questões ambientais...73 LISTA DE FÓRMULAS Fórmula 1 Equilíbrio Ambiental...26 LISTA DE SIGLAS 3R s... Reduzir, Reutilizar, Reciclar ABES... Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABNT... Associação Brasileira de Normas e Técnicas ACV... Avaliação do Ciclo de Vida CMMAD... Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento CNUMAD... Conferência das Nações Unidas Sobre o Meio Ambiente CONAMA... Conselho Nacional do Meio Ambiente GA... Gestão Ambiental IAP... Instituto Ambiental do Paraná ISO... International Organization for Standardization 1 MDL... Mecanismo de Desenvolvimento Limpo NBR... Associação Brasileira de Normas e Técnicas ONG... Organização Não Governamental 1 Organização Internacional para Padronização

10 PDCA... Plan, Do, Check, Action 2 P+L... Produção mais Limpa SEMA... Secretaria de Estado Meio Ambiente e Recursos Hídricos SGA... Sistemas de Gestão Ambiental SIGMA... Sistemas Intranet de Gestão de Meio Ambiente 2 Planejamento, Execução, Verificação, Ação

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE Surgimento e preocupação ambiental Fatos relevantes para a formação da consciência ambiental DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RESPONSABILIDADE E EQUILIBRIO AMBIENTAL Requisitos Legais GESTÃO AMBIENTAL Importância da Gestão Ambiental Definição da Gestão Ambiental Benefícios da Gestão Ambiental SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) Breve histórico Certificação de qualidade NBR-ISO Objetivos e finalidades do SGA Implementação dos SGA a partir da NBR - ISO Sistemas de Gestão Ambiental em Postos de Combustíveis IMPACTOS GERADOS PELOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Instalações do Posto Relação Ambiental do Auto Posto Represa Ltda

12 4 METODOLOGIA QUANTO A ORIENTAÇÃO METODOLÓGICA QUANTO À ABORDAGEM DO PROBLEMA QUANTO AOS OBJETIVOS QUANTO AOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS QUANTO AS TÉCNICAS DE COLETAS DE DADOS DELIMITAÇÃO DO UNIVERSO PESQUISADO QUANTO A ANÁLISE DE DADOS RESULTADOS E DISCUSSÕES CONCLUSÕES SUGESTÕES DE MELHORIAS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS...82 APÊNDICE...86 ANEXO...90

13 12 1 INTRODUÇÃO Após justa conceituação da gestão ambiental, transpassando seu surgimento a devido à preocupação ambiental, vendo suas especificações e determinações de acordo com vários autores, encontra-se os SGA, e sua urgente necessidade e importância para as organizações e com o propósito de criar-se uma maneira concisa e objetiva para a manipulação da Gestão Ambiental, os SGA surgem como uma ferramenta para se alcançar tais objetivos. Além da busca da sistematização da gestão ambiental, irão se demonstrar os diversos benefícios que a gestão ambiental proporciona. Neste sentido, apresenta-se a NBR-ISO 14000, com a responsabilidade de normalizar os SGA, condicionando há um melhor aproveitamento de todas as técnicas desenvolvidas, com isto definirem com precisão os objetivos e finalidades da Norma, além de se obter as maneiras mais coerentes e positivas para a implantação da mesma em uma empresa do setor de combustíveis da grande Curitiba. Para o apoio da implementação e manutenção do SGA surgem às ferramentas de gestão ambiental, que neste trabalho será demonstrado pela a avaliação de ciclo de vida do produto, possibilitando um controle de toda a história do produto, o direcionamento ideal na sua destinação final, e alterando formas de armazenamento e comercialização. Com o interesse de se obter uma melhoria contínua do Sistema de Gestão Ambiental, procurou-se usar o modelo PDCA. 1.1 JUSTIFICATIVA Conscientes da necessidade de mitigação na geração de impactos ao meio ambiente, e por serem os grandes responsáveis pelos efeitos degradadores ao planeta, os governos, os habitantes, as ONGs (Organizações não Governamentais) e as empresas privadas formulam ações, executam planos e investem cada vez mais em pesquisas, com o objetivo de alcançar formas alternativas e ecologicamente corretas buscando o desenvolvimento sustentável, além de incentivarem a educação, ponto chave para se alcançar uma consciência sustentável de maneira mais ampla. Estas ações geram um retorno economicamente positivo, pois a gestão ecologicamente correta adota-se o preceito de diminuírem-se os impactos maximizando o uso da matéria prima e minimizando os desperdícios com a redução, a reutilização e a reciclagem, além de agregar valor ao produto e evitar multas referentes às ações

14 13 degradadoras. Nesse aspecto a Gestão Ambiental (GA) tem um lugar de destaque, já que segundo Barbieri (2004) GA são as diretrizes e as atividades administrativas e operacionais, tais como planejamento, direção, controle, alocação de recursos e outras realizadas com o objetivo de obter efeitos positivos sobre o meio ambiente, reduzindo ou eliminando os impactos, contribuindo para o sucesso do desenvolvimento sustentável nas organizações. A GA contém instrumentos que facilitam sua implantação, execução e manutenção, a exemplo disto têm-se os SGA, que são definidos por medidas e ações planejadas, realizadas pelas empresas para administrar ou gerir suas atividades com o meio ambiente, extremamente necessárias para dimensionar os aspectos econômicos, produtivos e de eficiência ecológica. Identificada a falta da GA no Auto Posto Represa Ltda., empresa do setor de comércio de combustíveis na região da Grande Curitiba, surgiu o interesse em se realizar estudos, para permitir meios de a empresa adotar a GA, objetivando alcançar os benefícios que ela condiciona, já que a responsabilidade ambiental é tratada como um diferencial, podendo ser um grande contribuinte para que a empresa alcance a liderança no setor, ou até mesmo a sobrevivência dela no mercado. Por isto, estudar as ferramentas SGA é de extremo interesse, e se faz justificável, pela busca de uma forma economicamente lucrativa de gerar menos impactos, principalmente pelo retorno que ela pode proporcionar para as organizações e sociedade. Com base nisto a NBR - ISO servirá como ferramenta para auxiliar em todas as etapas da implementação, já que ela contém uma série de normas, que irão sistematizar todo o processo. Concomitantemente à IS , será usado o modelo PDCA garantindo um padrão de gestão, além de proporcionar uma busca pela melhoria contínua do processo. 1.2 TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA Devido à necessidade de se ter sistemas, políticas e culturas cada vez mais voltadas para a busca do desenvolvimento sustentável, a sociedade, e as organizações que fazem parte dela investem em maneiras de minimizar os impactos ao meio ambiente, e assim obter os benefícios que as políticas ambientais proporcionam. Neste cenário surgiu a oportunidade de contribuir para a implantação da GA no Posto Represa, já que esta possui políticas ambientais pouco abrangentes e claras.

15 14 Demonstra-se desafiador implantar a GA, já que a empresa é constituída a mais de 30 anos e possui políticas e métodos já constituídos, que devem ser revistos para um melhor desempenho ecológico. Visando proporcionar todas as vantagens da GA, irá estudar-se com mais especificidade os SGA que objetivam facilitar e agilizar os processos de implantação da GA, além de propiciar a normalização dos mesmos, e para isto irá se seguir o modelo elaborado pela série NBR ISO como padrão para a garantia de qualidade ambiental nos serviços e produtos comercializados pela empresa, e se terá no modelo PDCA, uma ferramenta administrativa que visa à melhoria continua do processo. Nos SGA atribui-se ferramentas que conciliadas facilitam, e servem de grande apoio para a implantação e a manutenção, como os 3rs (Reduzir, Reutilizar, Reciclar), a ACV (Avaliação do Ciclo de Vida), a P+L (Produção mais Limpa), a SIGMA (Sistemas Intranet de Gestão de Meio Ambiente), e MDL (Mecanismos de Desenvolvimento Limpo). Seguindo neste caminho, buscou-se responder o questionamento sobre qual o Sistema de Gerenciamento Ambiental adequado ao Auto Posto Represa Ltda.? 1.3 OBJETIVOS Objetivo geral Realizar um estudo de caso no posto de combustível, sobre a implementação de um modelo de SGA adequado Objetivos específicos Os objetivos específicos são destacados nos tópicos abaixo. Demonstrar os benefícios da implantação da Gestão Ambiental; Descrever as potencialidades que o SGA regulado pela NBR - ISO 1400 têm para auxiliar na implantação e manutenção; Propor estudo de caso no posto de combustível, sobre a implementação de um modelo de SGA, baseado no modelo PDCA.

16 15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Este capítulo tem por finalidade dar embasamento teórico sobre os temas necessários para a realização da pesquisa. 2.1 ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE De acordo com Barbieri, etimologicamente meio ambiente tem sua origem do latim e significa tudo o que envolve os seres vivos, com ambi significando ao redor de algo e ambio, ambire verbo latino que significa andar em volta ou em torno de alguma coisa (BARBIERI, 2004). Já ecologia Schenini (2005, 89) descreve sua etimologia como sendo derivada do grego oikos, casa ou lugar de habitação, com o sufixo logos, estudos, Schenini ainda comenta que a palavra foi empregada pela primeira vez pelo biólogo alemão Ernst Haeckel, na obra de 1866, Morfologia Geral dos organismos, propondo uma relação do animal com o ambiente orgânico e inorgânico, ele ainda relata que a Ecologia ganhou um campo de estudo separado da ecologia apenas em 1930 (SCHENINI, 2005). A ecologia é definida por Souza apud Schenini (2005, p. 89) como: A ciência que estuda as relações entre o sistema social, o produtivo e o de valores que lhes serve de legitimação, característicos da sociedade industrial de massa, bem como o elenco de conseqüências que este sistema gera para se manter, usando o estoque de recursos naturais finitos, dele se valendo para lograr seus objetivos econômicos. A ecologia de uma forma geral se preocupa em possibilitar meios e ações que colaborem para o conhecimento dos impactos gerados pelo homem, e mensurando a real capacidade do ambiente, Torloni (1972, p.214) conceitua sucintamente ecologia como o estudo da relação das formas vivas com seu ambiente. O meio ambiente como o próprio nome descreve é o ambiente em que se está inserido, portanto preservá-lo é a melhor forma de garantir qualidade e continuidade da vida. A Lei 6938/1981 de 31 de agosto de 1981, em seu Art 3º - Inciso I apud Melaré (2006) trata a definição de meio ambiente como o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas. Idéia que é compactuada internacionalmente, manifestada pela ISO apud Melaré (2006) da seguinte maneira:

17 16 Circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo ar, água, solo, recursos naturais, fauna, flora, seres humanos e suas inter-relações; Local onde se desenvolve a vida dos homens, animais, das plantas ou dos microrganismos, em estreita relação com o conjunto de circunstâncias externas, que se caracterizam não só pelas propriedades físicas, químicas e biológicas desse local, mas também por outros fatores que regem a vida, como os relacionados às associações dos seres vivos em geral e particularmente dos seres humanos, tais como os aspectos de ordem cultural, legal e outro. O mesmo que meio e ambiente. Outra definição sobre meio ambiente a remete como o espaço onde possibilita a existência da vida, sendo este um ambiente natural ou artificial, ou seja, com ou sem modificações do homem (BARBIERI, 2004). Com isto, pode-se interpretar que a sociedade e a natureza, fazem parte do meio ambiente, atuando para a modelação histórica tanto da sociedade quanto da natureza, e esta relação contribui para a formação da cultura local, políticas, enfim todos os aspectos da sociedade, e nesta linha Waldman (2006, p. 218) afirma que o conceito de meio ambiente pressupõe dimensões históricas e culturais que contribuem diretamente para defini-lo enquanto espaço de vida dos humanos, e, por essa exata razão, constituindo-se enquanto dado dinâmico, e não estático da vida social.. E nesta relação às empresas tem grande responsabilidade em buscarem um equilíbrio na produção, e a este assunto Backer apud Melaré (2006) comenta que a atividade industrial do homem não deve se opor à natureza, pois dela é parte integrante; ela a molda desde o começo e desde o começo é moldada por ela. Tratar a natureza como parte integrante de suas ações, possibilita que a empresa consiga resultados melhores, principalmente ao adotar a GA, até porque como ficou entendido a natureza a sociedade e suas ações são intimamente ligadas e o desempenho de um depende do melhor tratamento com o outro. E é isto que ocorre atualmente segundo Melaré (2006): Embora recente, a temática ambiental tem influenciado sobremaneira a relação empresa e meio ambiente, a ponto de ser possível observar, gradativamente, uma mudança significativa de paradigma representada, nos dias atuais, por uma necessidade urgente de se desenvolver e ou praticar a gestão ambiental empresarial. Apesar de tardia, esta mudança é de extrema importância para que alcancemos todos os objetivos estipulados em congressos, tratados, encontros, etc..

18 Surgimento e preocupação ambiental A preocupação ambiental ainda é recente, apesar do uso maciço dos recursos naturais, segundo Lavorato (2004) Durante o período da chamada Revolução industrial não havia preocupação com a questão ambiental. Os recursos naturais eram abundantes, e a poluição não era foco da atenção da sociedade industrial e intelectual da época., a procura começa a tornar-se importante na década de sessenta, com os primeiros debates sobre o assunto e a identificação dos impactos ambientais e seus reflexos na sociedade, principalmente por conta da identificação de pontos críticos que Lavorato (2004) disserta como sendo: A partir da escassez dos recursos naturais, somado ao crescimento desordenado da população mundial e intensidade dos impactos ambientais, surge o conflito da sustentabilidade dos sistemas econômico e natural, e faz do meio ambiente um tema literalmente estratégico e urgente. O homem começa a entender a impossibilidade de transformar as regras da natureza e a importância da reformulação de suas práticas ambientais. A história ambiental é definida por Leff (2001, p. 386) como um campo de estudo dos impactos de diferentes modos de produção e formações sociais sobre as transformações de sua base natural, incluindo a superexploração dos recursos naturais e a degradação ambiental. Leff (2001) ainda comenta que estes estudos demonstram o uso dos recursos naturais pelo homem, a fim de permitir fazer um paralelo econômico, político e cultural, possibilitando estabelecer as condições de sustentabilidade de um determinado território, além disto, a história ambiental nos permite realizar uma releitura do passado, condicionando a se ter uma nova visão, que privilegie um futuro sustentável. A esta preocupação ambiental nomeou-se de ambientalismo que segundo Layrargues (2000, p.81) foi um movimento originado a partir do recente reconhecimento dos assustadores efeitos negativos da intervenção antrópica na biosfera, que reprovou os paradigmas norteadores da sociedade industrializada de consumo, já Donaire (1995) comenta que o movimento ocorreu nas empresas, no momento no qual se notou que a idéia de mercados e recursos ilimitados era equivocada, e já não era mais permitido as empresas, e a toda sociedade, continuar o seu desenvolvimento subsidiadas por métodos que esgotem os recursos naturais da terra, a partir deste momento começou a se difundir a idéia de se buscar um desenvolvimento sustentável. No cenário governamental Soares et al (2006) descreve que:

19 18 Foram mais de quarenta anos, transcorridos, desde a década de 60 do século passado, para que o organograma administrativo dos governos ocidentais adotasse, sistematicamente, ministérios e secretarias dedicados às questões de controle e fiscalização de ecossistemas e mananciais hídricos. Esta preocupação com o meio ambiente tardia começou a partir do esgotamento de matérias primas, como a madeira, as constantes preocupações com a falta de energia, efeitos colaterais do aquecimento global, além das projeções do esgotamento do petróleo, o que fez a sociedade buscar novas fontes de energias renováveis e menos poluentes, como por exemplo, o biodiesel haja em visto os efeitos decorrentes dos combustíveis fósseis. Atualmente os assuntos ambientais são mais difundidos, por meio de eventos, educação, com a criação de cursos superiores para a área, políticas públicas, leis e pesquisas, estas ações contribuem para que hoje o trinômio econômico-social-ambiental sejam as bases para o desenvolvimento sustentável, e para que as decisões tomadas pelas as empresas respeitem o meio ambiente, colocando a GA em um nível estratégico dentro da organização (Fiocruz, 1998; Ferreira, 2000; apud Soares et al, 2006). De acordo com Coral (apud Campos, 2003, p. 2): As bases teóricas sobre estratégia ambiental são relativamente recentes, tendo surgido no final da década de 80 e, principalmente, na década de 90 com o advento do desenvolvimento sustentável e com o aumento da necessidade de incorporar os seus princípios nos modelos de gestão corporativa. E neste âmbito Chambers et al (2008) relata que muitas empresas já aceitam suas responsabilidades ambientais, muito por conta das pressões legisladoras e dos stakeholders Fatos relevantes para a formação da consciência ambiental A temática meio ambiente passou a ser vista como relevante a partir da década de 60, porem há registros de encontros visando algum aspecto ambiental, desde 1900 com a convenção de Londres para a proteção da Fauna na África. No quadro a seguir irão ser destacados os principais tratados e conferencias ao longo da história ambiental:

20 19 ÉPOCA FATO HISTÓRICO RESULTADOS 1962 (Estados Unidos) Publicação de "Silent Spring" de Rachel Carson Pressão para que os políticos agissem e profunda mudança na atitude do povo americano com o surgimento de normas ambientais federais. Década de 60 (Estados Unidos) Criação da Agência de Proteção Ambiental (EPA). Aprovação das leis: Clean Air Act, Clean Water Act, Toxic Substance Control Act, entre outros Reunião do Clube de Roma. Documento "Limites do Crescimento", que analisou os efeitos catastróficos decorrentes do atual ritmo de crescimento econômico e demográfico no mundo (Estocolmo) Primeira Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente. Colocou a questão ambiental nas agendas oficiais e organizações internacionais. Também teve como resultados: a incorporação da questão ambiental em programas das organizações intergovernamentais; surgimento de grande número de ambientalistas e de organizações não governamentais em todo o mundo. Década de 70. Crise do petróleo e do modelo energético vigente Despertar legislativo e incentivo à procura de novas fontes de energia e de uma utilização mais racional destas. Décadas de 70 e 80 Desastres ambientais como o de Seveso, Bhopal, Chernobyl, etc. Dramático crescimento da conscientização ambiental. Década de 80 (Estados Unidos) Surgimento de grupos ambientalistas como o Earth First. Início do ativismo ambiental. Pressão sobre as empresas para mudanças em suas políticas A Câmara Internacional de Comércio (ICC) estabeleceu diretrizes ambientais para a indústria mundial. Grande impulso à adoção de práticas de prevenção da poluição por parte das indústrias Lançamento do manifesto "Nosso Futuro Comum" (Relatório Brundtland) pelo Conselho Mundial de Desenvolvimento e Meio Ambiente da ONU (WCED World Council of Environment and Development). Auxiliou na integração dos conceitos: meio ambiente e desenvolvimento. Sua principal função foi alertar as autoridades governamentais para tomarem medidas efetivas no sentido de coibir e controlar os efeitos desastrosos da contaminação ambiental, com o intuito de alcançar o desenvolvimento sustentável Publicação da "Carta Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável", pela ICC. E lançamento do documento "Mudando o Incremento da filosofia preservacionista no mundo, contabilizando adesões e iniciativas das mais diversas origens.

21 20 Rumo: Uma Perspectiva Empresarial Global sobre Desenvolvimento e Meio Ambiente" pelo BCDS (Business Council on Sustainable Development) A ISO (International Organization for Stardadization) constitui o Grupo Estratégico Consultivo sobre o meio ambiente (SAGE). Elaboração das normas internacionais de proteção ambiental ISO (Brasil) Realização da conferência do Rio de Janeiro ECO-92 The Earth Summit. Resultaram dois importantes documentos: a Carta da Terra (Declaração do Rio) e a Agenda A norma ISO passa a ser NBR, ou seja, é aprovada e publicada como norma internacional. Empresas já podem ser certificadas pela ISO atestando que possuem um Sistema de Gestão Ambiental estruturado e funcionando. Países ou mesmo empresas isoladas podem exigir de seus fornecedores a certificação ISO como garantia de produção com preocupação ambiental Cúpula de Mudança de Clima Global de Kioto. Constitui-se no protocolo de um tratado internacional com compromissos mais rígidos para a redução da emissão dos gases que agravam o efeito estufa, considerados, de acordo com a maioria das investigações científicas, como causa antropogênicas do aquecimento global (Johanesburgo) Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+10) Inicia a discussão sobre o estabelecimento de metas de uso de fontes renováveis na matriz energética dos países 2003(Moscou) Conferencia Mundial sobre Mudanças Climáticas. Teve como objetivo a ratificação do Protocolo de Kyoto pela Rússia, no qual o então presidente Vladimir Putin diante da insegurança econômica de seu país adiou a decisão para o segundo semestre de (Montreal) Entra em vigor o Protocolo de Kioto. A COP11 foi marcada por um pacto estabelecido entre União Europeia, Canadá e países em desenvolvimento, e concentra-se na adoção de oficinas de trabalho para definir passos contra o efeito estufa e as mudanças climáticas (Copenhague) Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas Os países apresentaram compromissos de limitar suas emissões de gases do efeito estufa até Quadro1 Evolução da preocupação ambiental: um breve resumo histórico Fonte: Adaptado de Bogo (1998)

22 21 O quadro demonstra as várias fases da preocupação ambiental, e o comprometimento crescente de toda a sociedade neste assunto, o Clube de Roma, por exemplo, no inicio da década de 60, foi uma reunião de cientistas que por meio da lógica matemática alertava sobre o crescimento desenfreado por meio de recursos naturais esgotáveis, que deu origem ao relatório divulgado em 1972 o Limits to Growth (Limites ao Crescimento), que segundo Bursztyn et. al. (apud CAGNIN, 2000, p.9) teve o papel de despertar as nações para a relação entre o crescimento econômico, perdas ambientais e desenvolvimento cientifico e tecnológico. Em Estocolmo 1972 houve a primeira Conferencia das Nações Unidas sobre o ambiente humano, que além de gerar uma política ambiental que foi adotada por todos os países, foi gerado um importante a documento a partir da comissão elaborada na conferencia, o Relatório de Brundland que fora divulgada em 1987 pela Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento presidida por Gra Harlem Brundland, Primeira-Ministra da Noruega, que tinha como propostas relacionar o meio ambiente com o desenvolvimento, e tinha por objetivo demonstrar o estudo mais completo até então, sobre a situação ambiental no mundo (Capriles, 2008). Houve muitos outros encontros, tratados e manifestações referentes à preocupação com o meio ambiente e a necessidade de se mudar o paradigma do desenvolvimento global até chegarmos em 1992, ano que é considerado o grande marco para o avanço da conscientização ambiental e o desenvolvimento sustentável, pela realização da ECO 92 Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CNUMAD), no Rio de Janeiro, onde se reuniram 179 países 3, para formular propostas objetivando a promoção do desenvolvimento sustentável, umas das propostas que se destacaram foi à criação da Agenda 21, que propõe um planejamento participativo de todos os grupos em todos os aspectos social e político, e a Carta da Terra (Declaração do Rio) que em um de seus trechos, retratados a seguir, proclama sobre a situação global: Os padrões dominantes de produção e consumo estão causando devastação ambiental, esgotamento dos recursos e uma massiva extinção de espécies. Comunidades estão sendo arruinadas. Os benefícios do desenvolvimento não estão sendo divididos eqüitativamente e a diferença entre ricos e pobres está 3 Fonte: Revista da Agenda 21 catarinense.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Meio ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60 Um pouco da História da Educação Ambiental Década de 60 1962 Livro Primavera Silenciosa de Rachel Carson - alertava sobre os efeitos danosos de inúmeras ações humanas sobre o ambiente, como por exemplo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. PROBLEMÁTICA: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INTENSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTRÓPICAS LINHA DO TEMPO:

Leia mais

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental Ivo Neves Gerente de Consultoria For the benefit of business and people UNICAMP, Outubro 2005 1 Módulo I MÓDULO I VISÃO GERAL DE TEMAS AMBIENTAIS 2 1 Módulo I Conceitos

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Contabilidade Ambiental e a Sustentabilidade nas Empresas Luis Fernando de Freitas Penteado luisfernando@freitaspenteado.com.br www.freitaspenteado.com.br PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Dificuldade de definição

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

Declaração do Capital Natural

Declaração do Capital Natural Declaração do Capital Natural Uma declaração do setor financeiro demonstrando nosso compromisso durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável [Rio +20 Earth Summit] em trabalhar

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20 Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável CONFERÊNCIA RIO+20 20 e 22 de junho de 2012 20º aniversário da Conferência das Nações

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 1. Conceituar a Contabilidade Ambiental; 2. Definir Meio Ambiente 3. Citar as finalidades da Contabilidade Ambiental; 4. Conhecer a evolução histórica; 3

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. CONCEITOS COMPLEMENTARES DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland Nosso Futuro Comum (1987)

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável. Professor: Amison de Santana Silva

Desenvolvimento Sustentável. Professor: Amison de Santana Silva Desenvolvimento Sustentável Professor: Amison de Santana Silva Desenvolvimento Sustentável Ou Ecodesenvolvimento O que é? Consiste na possível e desejável conciliação entre e o crescimento econômico, a

Leia mais

Carta da Terra. www.oxisdaquestao.com.br PREÂMBULO

Carta da Terra. www.oxisdaquestao.com.br PREÂMBULO 1 www.oxisdaquestao.com.br Carta da Terra PREÂMBULO Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

I. Respeitar e Cuidar da Comunidade de Vida. II. Integridade Ecológica PRINCÍPIOS

I. Respeitar e Cuidar da Comunidade de Vida. II. Integridade Ecológica PRINCÍPIOS CA T A DA TE A PINCÍPIOS I. espeitar e Cuidar da Comunidade de Vida 1. espeitar a Terra e a vida em toda sua diversidade. a. econhecer que todos os seres são interligados e cada forma de vida tem valor,

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP RESUMO Carneiro Junior, J. L. 1 ; Freitas, R. C. M. 2 ; Rosa, A. C.

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Utilização sustentável dos recursos naturais

Utilização sustentável dos recursos naturais Utilização sustentável dos recursos naturais O conceito de desenvolvimento sustentável, segundo a declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente e desenvolvimento do Rio de Janeiro, em 1992, diz

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

A CARTA DA TERRA PREÂMBULO

A CARTA DA TERRA PREÂMBULO A CARTA DA TERRA PREÂMBULO Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada vez mais interdependente

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA.

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. 7. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇAO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. SCHWEIGERT, Romacir

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Relatos de Sustentabilidade

Relatos de Sustentabilidade Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Relatos de Sustentabilidade Descreva até 3 projetos/programas/iniciativas/práticas relacionadas a sustentabilidade Instruções 2015 Esse espaço é reservado

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável Mundo Insustentável x Desenvolvimento Sustentável Resumo da Insustentabilidade no Mundo Contemporâneo 50% dos 6,1 bilhões de habitantes do planeta vivem com menos de US$2 por dia e um terço está abaixo

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais