UTILIZANDO O SEIS SIGMA PARA MELHORAR O DESEMPENHO NA GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UTILIZANDO O SEIS SIGMA PARA MELHORAR O DESEMPENHO NA GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA"

Transcrição

1 UTILIZANDO O SEIS SIGMA PARA MELHORAR O DESEMPENHO NA GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA Autor Rodrigo Buosi Pim Co-Autor Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas, D.Sc. Aluno do curso de Mestrado em Sistema Integrado de Gestão da escola SENAC. São Paulo, 09 de Agosto de 2005

2 SUMÁRIO Resumo Considerações Iniciais Situação - Problema Objetivo e Justificativa Metodologia de Pesquisa Estudo de Caso: Uma empresa do ramo de autopeças fabricante de sistema de freio A Empresa Estudada e seu Contexto A Metodologia de Aplicação do Seis Sigma à Gestão de Segurança Dados Obtidos Discussão dos Resultados Conclusão e Sugestão de Novas Pesquisas Referências LISTA DE TABELAS E FIGURAS Tabela 1.1: Tradução do nível de qualidade para partes defeituosas por milhão... 4 Figura 3.1: Kit com equipamentos para bloqueio... 7 Figura 3.2: Exemplo de bloqueio para chave geral de painel eletrônico... 8 Figura 3.3: Exemplo de bloqueio em válvulas de abertura de ar comprimido... 8 Figura 3.4: Equipamentos utilizados nos trabalhos de altura... 8 Figura 3.5: Exemplo de aplicação do trava quedas em manutenção aérea... 8 Figura 3.6: Trabalho de retirada de lona de caminhões no recebimento de materiais... 8 Figura 3.7: Arrumação de sucata com equipamentos de segurança... 8 Figura 3.8: Implementação de prateleiras especiais... 9 Figura 3.9: Equipamentos de segurança para movimentação de materiais... 9 Figura 3.10: Uso de martelo em set-up de torno... 9 Figura 3.11: Eliminação de martelo em set-up com introdução de apertadeira pneumática... 9 Figura 3.12: Quadro de comunicação no refeitório Figura 3.13: Placas de sinalização de segurança implementadas na fábrica Figura 3.14: Folheto Guia de Visitantes com informações de segurança Figura 3.15: Quadros de gestão utilizados para conscientização dos colaboradores Figura 3.16: Exemplo de introdução de proteções, cortina de lazer, botões de comando bi-manual e de emergência em prensa Figura 3.17: Gráfico do índice de TCIR

3 Resumo Impulsionadas a enfrentar o desafio da sobrevivência no mundo globalizado atual, empresas buscam novas metodologias e técnicas de gestão visando aumentar seu desempenho e eficiência de seus processos para assim tornam-se competitivas. Dentre elas, Seis Sigma destaca-se como uma das mais procuradas pelas empresas. O Seis Sigma nasceu na Motorola (EUA), em 1987, com o objetivo de tornar a empresa capaz de enfrentar os concorrentes estrangeiros, que obtinham baixo custo na fabricação de produtos. Atualmente a empresa é reconhecida como líder de qualidade e lucros, o segredo de seu sucesso tornou-se conhecido após ganhar o Premio Nacional da Qualidade Malcolm Baldrige, em 1988, que abriu caminho para a revolução do Seis Sigma. O propósito deste artigo é apresentar a aplicação desta metodologia na Gestão de Segurança da Ideal Standard WABCO TRANE Indústria e Comércio Limitada, fabricante de sistema de freio pneumático para veículos pesados, demonstrando as ferramentas utilizadas nas etapas desta metodologia e os projetos aplicados na empresa. Foram realizados cinco projetos de seis sigma que, através de equipes de trabalho acompanhadas pela alta direção da empresa, utilizaram planos de ações para melhorar e/ou aplicar os dados provenientes de auditorias na manufatura, benchmarking, normas regulamentadoras e indicadores na obtenção dos resultados. Em relação aos resultados, os projetos foram finalizados no tempo previsto com o desempenho esperado e através destes, foi possível tornar-se aplicável o uso desta metodologia na gestão de saúde e segurança. Em destaque temos o aumento de conhecimento e comprometimento da equipe durante a aplicação e acompanhamento dos projetos. Também se atribuí ao sucesso dos projetos o envolvimento estratégico e apoio na disponibilização dos recursos necessários pela alta administração da empresa. 1. Considerações Iniciais. O impacto na vida sócio-econômica das nações e o cenário de alta competitividade criado pela globalização, na década de 90, transformaram as características das empresas fazendo-as constantemente buscarem a melhoria contínua de seus processos e a redução de seus custos. Para GODINHO FILHO (2004, pág. 6), no mundo administrativo atual, as pressões são imensas: fortíssima concorrência global, cliente exigindo cada vez mais, recursos naturais cada vez mais escassos, grandes saltos tecnológicos, altíssima mobilidade de capital e de tecnologia, dentre outras pressões. Dentro de grandes corporações, a popularidade da metodologia Seis Sigma de melhoria contínua, como meio de reduzir a variabilidade de processos e custos, continua a crescer. O Seis Sigma oferece um método estruturado para melhorar o desempenho através de técnicas de controle estatístico do processo, análise de dados e no treinamento sistemático de todo o pessoal envolvido na atividade ou no processo estabelecido pelo programa. Trata-se de uma metodologia comandada por dados para a eliminação de defeitos, desperdícios ou problemas da qualidade na manufatura, no serviço de entrega, no gerenciamento, na redução de incidentes de segurança e em outras atividades do negócio. O Seis Sigma pode ser utilizado sob diversos focos em uma empresa como, por exemplo, um benchmarking, uma meta de qualidade, uma filosofia, uma estatística, uma estratégia ou uma visão (Harry, 1998; Pande, 2001; Eckes, 2001). O símbolo matemático que representa uma medida de variação é apresentado pela letra grega Sigma (σ), mais conhecido como desvio padrão, que conceitualmente é o desvio médio dos dados em relação a sua média. Se uma organização reduzir a média de desvios de seus produtos, uma menor quantidade deles terá defeitos e haverá uma economia de custo, por exemplo, de refugos e retrabalhos. Em outras palavras, isso é o conhecido custo da qualidade ou, mais precisamente, o custo da 3

4 má qualidade. Empresas que operam em Seis Sigma geralmente gastam menos em suas receitas para consertar problemas. Na tabela 1.1, são demonstrados os benefícios, na linguagem de partes por milhão (ppm), quando se obtém o padrão Seis Sigma. Nível de Qualidade Defeitos por Milhão (PPM) Dois Sigma Três Sigma Quatro Sigma Cinco Sigma 233 Seis Sigma 3,4 Tabela 1.1 Tradução do nível de qualidade para partes defeituosas por milhão Fonte: WERKEMA, C.: Criando a Cultura Seis Sigma, O Seis Sigma nasceu na Motorola (EUA), em 15 de janeiro de 1987, com o objetivo de tornar a empresa capaz de enfrentar os concorrentes estrangeiros, que estavam fabricando produtos de melhor qualidade a um custo mais baixo. De maneira ideal, o Seis Sigma deve ser baseado no conhecimento do cliente, tanto externo como interno, e nos principais indicadores de desempenho do processo que preencham esses requisitos. Esse conhecimento é adquirido através de investigação rígida e estruturada das variáveis que influenciam os custos da qualidade, do tempo de ciclo e da aplicação das estatísticas conhecidas, assim as equipes de Black Belts (denominados os consultores dos projetos), procuram resolver problemas. Segundo NAVE (2002, pág. 10), a suposição é de que o resultado de todo o processo será melhorado reduzindo-se a variação. Entender o que o cliente determina como crítico para qualidade é o caminho para o sucesso de qualquer iniciativa desta metodologia. Para WERKEMA (2002, pág. 21), os principais elementos responsáveis do sucesso do Seis Sigma são classificados em: $ - mensuração direta dos benefícios do programa pelo aumento da lucratividade da empresa; DMAIC método estruturado para alcance de metas utilizadas no Seis Sigma; CEO elevado comprometimento de alta administração da empresa O DMAIC, um dos elementos citados acima, é uma abordagem Seis Sigma que incorpora cinco processos críticos: definir, medir, analisar, melhorar e controlar. Uma organização identifica uma área de problema, mede-a, identifica sua causa-raiz e, então, corrigi-a e a controla. Definir (Define) Nessa primeira etapa ocorre a definição das metas e limites do projeto e a identificação de questões que podem ser tratadas para alcançar um nível sigma aprimorado. Medir (Measure) Durante essa etapa, as informações sobre a situação atual são reunidas para obter os dados-base do desempenho atual do processo e identificar as áreas de problema. Analisar (Analyze) Essa etapa tem o foco na identificação das causas-raiz dos problemas da qualidade e na confirmação dessas causas com as ferramentas de análise de dados apropriadas. Melhorar (Improve) Durante essa etapa, são implementadas as soluções para tratar as causas-raiz dos problemas identificados ao longo da fase anterior. Controlar (Control) Onde a fase de melhoria anterior é avaliada e controlada através de mecanismos ou procedimentos. A Ideal Standard WABCO TRANE Indústria e Comércio Limitada iniciou os projetos de Seis Sigma em 2001, com o primeiro treinamento de Green Belts aliada a empresa de consultoria Setec, desde então vários treinamentos e projetos foram desenvolvidos, principalmente com foco aos indicadores de desempenho dos processos envolvidos na organização. 4

5 2. Situação Problema. Em junho de 2003, a empresa vivenciou um período de alto índice de acidentes, assim após análises da alta administração e do pessoal envolvido, foram identificados alguns problemas no sistema de gestão de segurança e saúde ocupacional, são eles: equipamentos permitiam potencial de ocorrência de acidentes decorrente de contato com energias perigosas; - 16 pontos foram identificados com potencial de fatalidade decorrente de trabalho em altura superior a 1,20 metros; - Áreas de estoque mal dimensionadas e sem a correta utilização de equipamentos de segurança para manuseio de materiais; utilizações de martelos na manufatura que podem causar acidentes em mãos; - Falta de comunicação e sinalização de segurança em toda a fábrica; equipamentos, entre prensas e similares, com potenciais de ocorrências de acidentes devido falta de proteções e sistemas de prevenção. 3. Objetivo e Justificativa O objetivo geral deste estudo é apresentar e analisar o desempenho da aplicação da metodologia Seis Sigma introduzida à Gestão de Segurança da empresa Ideal Standard WABCO TRANE Indústria e Comércio Limitada à partir do segundo semestre de 2003, com o objetivo específico e estratégico de melhorar o desempenho de acidentes na ordem de 20% até dezembro de Além disso, este artigo pretende apresentar exemplos de aplicação de melhorias, baseada na metodologia Seis Sigma, que possam ser aplicadas em outros processos e empresas, que buscam propiciar ambientes saudáveis de trabalho para seus colaboradores, na busca da competitividade no mercado que estão inseridas. Também se pretende compartilhar as experiências positivas e negativas da aplicação desta sistemática em grupos de trabalho. 4. Metodologia de Pesquisa. A metodologia de pesquisa constitui-se em estratégia de pesquisa exploratória: os autores têm acesso aos dados relativos à implementação do projeto de aplicação dos conceitos de seis sigma à gestão da segurança e, a partir da revisão da literatura, de acesso à internet, realizam uma sistematização e observação dos dados. 5. Estudo de Caso: Uma empresa do ramo de autopeças fabricante de sistema de freio. 5.1 A Empresa Estudada e seu Contexto. A Ideal Standard WABCO TRANE Industria e Comercio Limitada atua no seguimento automotivo como fabricante de sistema de freio pneumático destinados à veículos pesados (ônibus e caminhões), tendo como principais clientes todas as montadoras, entre elas, a DaimlerChrysler, a Volvo, a Scania, a Ford e a Volkswagen. Sua participação no mercado é muito significativa, sendo que 30% de sua produção é destinada aos mercados americano e europeu, assim as exigências são enormes, tanto de requisitos específicos de cada cliente, quanto da competitividade de mercado. À fim de manter a competitividade, a empresa possui a certificação da especificação técnica ISO/TS 16949:2002 ; a NBR ISO 14001:1996 e um sistema de gestão corporativo de Saúde e Segurança Ocupacional. 5.2 A Metodologia de Aplicação do Seis Sigma à Gestão da Segurança. A metodologia consiste na aplicação de cinco projetos Seis Sigma no sistema de gestão de segurança da organização. Seguem abaixo os projetos selecionados pela alta administração: 5

6 LOTO (Lock out / Tag out) Energia Zero; Prevenção de Quedas e Armazenamento; Eliminação de Martelos; Comunicação Interna e Sinalização de Segurança; PPRPS - Programa de Prevenção de Riscos em Prensas e Similares. Assim foi realizada a seleção dos participantes para cada projeto, estruturação de um cronograma inicial de atividades baseado na abordagem DMAIC e monitoramentos através de reuniões sistemáticas com a equipe para disponibilização de recursos técnicos e financeiros necessários para atingir a meta estipulada. Os projetos envolveram as cinco fases do DMAIC, na primeira fase (definir) dos projetos de Seis Sigma de Segurança, os grupos obtiveram a atenção voltada na definição de como os processos operam, dos desempenhos significantes de segurança, seus clientes, suas necessidades e nas metas esperadas. A ferramenta denominada Mapeamento de Processo foi a mais utilizada nesta etapa. Ela fornece estrutura para a identificação das entradas e saídas dos processos, seus clientes e seus stakeholders. A segunda fase (medir) no Seis Sigma de Segurança teve o objetivo de auditar o desempenho de segurança em que se encontrava cada processo relacionado aos projetos. Todos os grupos utilizaram o desempenho de acidentes e a coleta de dados através de resultados de auditorias, investigação de acidentes, ações corretivas, reuniões de segurança, CIPA e atendimentos de emergência. As ferramentas mais utilizadas nesta fase foram os Gráficos de Indicadores, Auditorias e o Gráfico de Pareto em seu primeiro nível, onde foram identificados os acidentes relacionados aos temas das equipes por departamento da empresa. Na terceira fase (analisar), as equipes tiveram como principal objetivo determinar quais dos problemas de segurança identificados devem ser resolvidos e como devem ser estruturadas as prioridades para realizar as melhorias necessárias. Assim foram realizados os segundo níveis dos gráficos de pareto, mapeando todas as atividades relacionadas a cada tipo de acidente dos departamentos da empresa. Esses dados serviram de entrada para a realização da ferramenta denominada Diagrama de Causa e Efeito ou o conhecido Gráfico de Ishikawa, assim para cada atividade foram identificadas as possíveis causas-raiz dos problemas de segurança. E finalmente, as equipes identificaram e priorizaram os problemas de segurança existentes nos processos da empresa inserindo os dados da Matriz de Causa e Efeito no FMEA (Failure Mode And Effects Analysis) de Segurança. Esta examina as falhas individuais que podem ocorrer nas etapas das atividades de cada processo e determina um nível de risco de acordo com sua severidade, freqüência de ocorrência e controles atuais. Os trabalhos de melhoria foram priorizados nas atividades que obtiveram maior nível de risco do FMEA. Já na quarta fase (melhorar), o objetivo foi identificar, priorizar e implementar as melhores soluções para os problemas detectados, duas categorias de ações de contenção foram utilizadas: as preventivas e as específicas. As preventivas com foco nas causas-raiz, como a implementação de poka-yokes (dispositivos à prova de erros), e as específicas o efeito imediato, como por exemplo, a introdução de equipamentos de proteção individual. As principais ferramentas utilizadas foram o Brainstorming (troca de idéias buscando ações de melhoria entre envolvidos no processo), o Benchmarking (visitas às empresas que têm soluções implementadas) e o Plano de Ações, denominando o responsável e o prazo para implementação de cada ação proposta. Sustentar e realçar as melhorias de desempenho dos processos de segurança foi o objetivo da quinta fase (controlar) dos projetos, assim a criação de novos procedimentos, a realização de treinamentos e uma medição dos ganhos para cada melhoria implementada foram realizados a fim de comprovar suas efetividades, e onde não foram garantidas tais efetividades, novas soluções foram redefinidas pelas equipes. Através da implementação de controles e monitoramentos, as equipes garantem a não reocorrência dos problemas de segurança do passado, assim a utilização de ferramentas como 6

7 o Painter Charter, Procedimentos, FMEA e Auditorias de Segurança estão sendo fundamentais para as equipes manterem os excelentes níveis de acidentes na empresa. 5.3 Dados obtidos. Através da realização de auditorias em todas as áreas da manufatura, os grupos dos projetos obtiveram os seguintes dados: - Grupo LOTO (Lock out / Tag out): identificou 286 máquinas que necessitavam de melhorias relacionadas à possibilidade de contato dos operadores com energias perigosas (mecânicas, elétricas, hidráulicas e pneumáticas). - Grupo de Prevenção de Quedas e Armazenamento: identificou 16 pontos fixos de trabalho em altura superior de 1,20 metros, 25 escadas móveis desadequadas ao uso e áreas de armazenamento com problemas de espaço, disposição de materiais e equipamentos de segurança; - Grupo de Eliminação de Martelos: 183 utilizações de martelo nos processos de fabricação dos produtos; - Grupo de Comunicação Interna e Sinalização de Segurança: baseado na Norma Regulamentadora NR-16, o grupo identificou a inexistência de sinalização de riscos e de comunicações de segurança aos funcionários; - Grupo do Programa de Prevenção de Riscos em Prensas e Similares: identificou 163 equipamentos que necessitavam de prevenção de riscos conforme requisitos estabelecidos pela Norma Técnica DSST N o 37/ Discussão dos resultados. Através de realização de Benchmarking nas empresas 3M e Honda, da introdução das Instruções de Bloqueio para cada máquina, da realização de Treinamento, e da disponibilização de Kits de Bloqueio e Quadros de Lock Out / Tag Out com a realização de Auditoria de LOTO anual, as máquinas e equipamentos relacionados na auditoria foram prevenidas contra potencial de fatalidade decorrente da liberação ou contato com energias perigosas (vapor, pneumática, mecânica, gases, líquidos, hidráulica, armazenada e química) através de sistemas de bloqueio (cadeados) e etiquetas. A figura 3.1 demonstra alguns tipos de bloqueio utilizados pela equipe. Figura 3.1: Kit com equipamentos para bloqueio. As figuras 3.2 e 3.3 exibem exemplos de kits de bloqueio e quadros do projeto. 7

8 Figura Exemplo de bloqueio para chave geral de painel eletrônico. Fonte: Célula C da WABCO Figura Exemplo de bloqueio em válvulas de abertura de ar comprimido. Fonte: Célula L da WABCO No projeto de Prevenção de Quedas e Armazenamentos foram introduzidos equipamentos de segurança como trava quedas, utilização de corda, cabo de aço e trilhos em pontos de ancoragem, cintos e capacetes decorrentes da execução de Brainstorms e Planos de Ações nas áreas e pontos relacionados através da auditoria. As figuras 3.4, 3.5, 3.6 e 3.7 representam exemplos de aplicação dos equipamentos citados. Trava quedas Figura 3.4: Equipamentos utilizados nos trabalhos em altura. Figura 3.5: Exemplo de aplicação do trava quedas em manutenção aérea. Figura 3.6: Trabalho de retirada de lona de caminhões no recebimento de materiais. Figura 3.7: Arrumação de sucata com equipamentos de segurança. Também como resultados de melhorias, o grupo obteve uma redução de 793m 2 para 441m 2 de área de armazenamento com equipamentos adequados de segurança em várias células de manufatura com destaque na área de armazenagem de recebimento representada pela figuras 3.8 e

9 Figuras 3.8: implementação de prateleiras especiais. Figura 3.9: equipamentos de segurança para movimentação de materiais. Os principais controles utilizados neste projeto foram introduções de Fichas para Permissão de Trabalhos Especiais e de Altura e Auditorias Mensais de Segurança. Já no projeto de Eliminação de Martelos, através da utilização de Mapeaamentos de Processo, Gráficos de Paretos, Brainstorms e de Planos de Ações, foram eliminadas 144 utilizações de martelo das levantadas pela auditoria até o momento. As figuras 3.10 e 3.11 demonstram um exemplo de eliminação de martelo. Figura 3.10: uso de martelo em set-up de Figura 3.11: eliminação do martelo em setut com introdução de apertadeira. torno. Atualmente, o grupo ainda trabalha na quarta fase (melhorar) do DMAIC. No projeto de Comunicação Interna e Sinalização de Segurança, a realização de Brainstorms, Benchmarking nas empresas Dupont, Bosch Freios e Tetra Park, aliados ao desenvolvimento de um Plano de Ação, foram fundamentais para que a falta de sinalização de riscos e de comunicações de segurança fossem resolvidas. Assim, foram introduzidas áreas de comunicação interna no ambulatório e em locais específicos da manufatura, folhetos de guia para visitantes, quadros padronizados de sinalização de segurança ao longo de todos os processos de fabricação da empresa, restrição de acesso em determinadas áreas, identificação de produtos químicos e de áreas de emergência, que podem ser evidenciados através das figuras 3.12, 3.13, 3.14 e

10 Figura 3.12: Quadro de comunicação no refeitório. Figura 3.13: Placas de sinalização de segurança implementadas na fábrica. Figura 3.14: Folheto Guia do Visitante Figura 3.15: Quadros de gestão utilizados com informações de segurança. para conscientização dos colaboradores. Com os objetivos de prevenir acidentes com potencial de gravidade em dedos e mãos e de cumprir requisito legal, foi criado o último projeto denominado Programa de Prevenção de Riscos em Prensas e Similares. Até o momento, a equipe executou melhorias em 65 dos 163 equipamentos mapeados pela auditoria, assim o projeto ainda encontra-se em andamento por tratar-se de ações que requerem um longo prazo e altos investimentos. Na figura 3.16 são demonstradas as principais melhorias adotadas através da realização de Benchmarking na filial da empresa na Alemanha, Brainstorm e Planos de Ações. Figura 3.16: exemplo de introdução de proteções, cortina de lazer, botões de comando bi-manuais e de emergência em prensa. 10

11 Decorrente da criação, suporte e acompanhamento das ações dos projetos Seis Sigma adotados, a empresa alcançou uma melhoria de 26,47% no desempenho de acidentes desde o seu início em junho de 2003, que pode ser demonstrada através do Gráfico do Índice TCIR (casos totais de segurança em função das horas trabalhadas) da figura ,5 2 1,5 1 0,5 0 Índice TCIR 2,38 1,19 0, YTD Figura 3.17: gráfico do índice de TCIR. 6. Conclusão e Sugestão de Novas Pesquisas. A aplicação dos conceitos de Seis Sigma na gestão de segurança permitiu a constatação de que a primeira metodologia fornece estrutura para a mensuração direta dos benefícios alcançados em relação às metas estipuladas. Igualmente proporciona elevada visibilidade e valorização dos resultados, além de prover aumento no comprometimento e demonstrar a participação da alta direção em todas as etapas dos projetos. Embora muitas dificuldades encontradas pelos grupos, como por exemplo, administração de tempo pessoal e divergência de disponibilidade de horário entre os participantes, imprescindível foi a colaboração desta metodologia estimulando, através de suas ferramentas, a busca de idéias para introdução de melhorias e no enfoque no trabalho em grupo, conseqüentemente aumentando o potencial profissional dos participantes. Sugerimos que novas pesquisas sejam realizadas envolvendo estudos de casos com a intenção de analisar como a metodologia Seis Sigma pode auxiliar as instituições a buscarem melhorias no desempenho de acidentes da Gestão de Segurança. Neste estudo de caso, não foram quantificados os benefícios em relação aos custos de insalubridades provenientes da ocorrência de acidentes, mas com a demonstração da melhoria do indicador de TCIR, torna-se uma conseqüência natural essa redução e o retorno financeiro. Os projetos ajudaram a empresa focar os problemas da gestão de segurança em uma forma efetiva, baseada na utilização de ferramentas corretas no exato momento em que os grupos necessitavam. Também é importante ressaltar a eficácia dos treinamentos realizados com os participantes, principal base de conhecimento para a aplicação de qualquer projeto Seis Sigma, provocando as mudanças culturais, que foi a principal responsável em levá-los a trabalharem em seus projetos de uma forma intelectual e alinhada com a estratégia da empresa. Outra grande dificuldade no início do desenvolvimento dos projetos foi o surgimento de paradigmas na empresa, pois muitos colaboradores nunca imaginavam que o Seis Sigma poderia ser aplicado na Gestão de Segurança, assim muitas críticas e reclamações contrárias aos desenvolvimentos e envolvimentos nos projetos foram encontradas pelas equipes. Mas a metodologia Seis Sigma demonstrou para os colaboradores, através de sua estrutura DMAIC, que a aplicação pode ser realizada em qualquer gestão com sucesso. Porém, ficou claro através destes projetos, que o sucesso está relacionado ao envolvimento estratégico e apoio na disponibilização dos recursos necessários pela alta administração da empresa. 11

12 7. Referências ECKES, G.: A Revolução Seis Sigma. Rio de Janeiro, Ed. Campos, GODINHO FILHO, M.: Paradigmas Estratégicos de Gestão de Manufatura: Análises, propostas de metodologias, relações com o Planejamento e o Controle de Produção e estudos de caso na indústria de calçados. Tese de doutorado, UFSC, São Carlos, HARRY, M.J.: Six Sigma: A breakthrought Strategy for Profitability. Quality Progress, p.60-64, May KÖCHE, J. C. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciencia e prática de pesquisa. 15. ed. Petrópolis: Vozes, NAVE, D.: Como Comparar o Seis Sigma, Lean e a Teoria das Restrições. Revista Qualidade, ed. N o 124, setembro, PANDE, P. S., NEUMAN R. P., CAVANAGH R.: Estratégia Seis Sigma. Como a GE, a Motorola e outras grandes empresas estão aguçando seu desempenho. Rio de Janeiro, Ed. Qualitymark, PAULA GARRIDO, A.: Seis Sigma: uma metodologia em constante evolução. Revista Falando de Qualidade, ed. N o 156, maio, POPPER, K. R. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, PORTER, Michael E. Vantagem Competitiva. Rio de Janeiro: Campus, SALOMON, D. V. Como fazer uma monografía. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, SEVERINO, ªJ. Metodologia do trabalho científico. 22. ed. São Paulo: Cortez Editora, SPANYI, A. & WURTZEL M.: Seis Sigma para todos nós. Revista Falando de Qualidade, ed. N o 144, maio, WERKEMA, C.: Criando a Cultura Seis Sigma. Rio de Janeiro, Ed. Qualitymark, WOMACK, J. & JONES, D.T.: A Mentalidade Enxuta nas Empresas. Rio de Janeiro, Ed. Campus,

Como Selecionar Projetos Seis Sigma

Como Selecionar Projetos Seis Sigma Como Selecionar Projetos Seis Sigma Cristina Werkema Etapas do processo de seleção A definição dos projetos a serem desenvolvidos pelos Black Belts e Green Belts é uma das atividades mais importantes do

Leia mais

4.6 6 Sigma. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.6 6 Sigma. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.6 6 Sigma 4.6 6 Sigma O início dos estudos a respeito de 6-Sigma remontam a 1979 por ação de um dos diretores da Motorola naquele momento, Art Sundy. Tudo começa quando ele se dá conta da quantidade

Leia mais

RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY

RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY 1. Qualidade Tipos de treinamento 1.1 Interpretação das normas ISO 9000 - Requisitos Específicos da Norma ISO 9001 24 1.2 Interpretação da especificação técnica ISO/TS

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 SISTEMAS DA QUALIDADE SEIS SIGMA 1. INTRODUÇÃO 2. SEIS SIGMA 2 O QUE É O SEIS

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS

PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS PROGRAMA SEIS SIGMA Aluno: Msc. EDER PADUAN ALVES Msc. LUCAS BENEDITO DOS REIS SOUSA Professor: Dr. Leonel Perondi OUTUBRO / 2011 PROGRAMA LEAN 6 SIGMA

Leia mais

Otimização de. Processos I

Otimização de. Processos I Seis Sigma Otimização de Gestão de Negócios Processos I Alberto Pezeiro Sócio Diretor Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br (11) 8110-0026 www.setadg.com.br 1 Introdução Otimização de A

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

Estratégia Seis Sigma. Prof. Dr. Messias Borges Silva

Estratégia Seis Sigma. Prof. Dr. Messias Borges Silva Estratégia Seis Sigma Livre Docente em Engenharia da Qualidade (UNESP) Engenheiro Industrial Químico (FAENQUIL- EEL/USP) Certified Quality Engineer (American Society for Quality-ASQ-USA) Pós-graduado em

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000

COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000 COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000 The Informed Outlook Quando se trata de satisfazer os requisitos da ISO 9001:2000, Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos, o Seis Sigma tem potencial para

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

"Seis Sigma" no gerenciamento dos processos e negócios das empresas

Seis Sigma no gerenciamento dos processos e negócios das empresas "Seis Sigma" no gerenciamento dos processos e negócios das empresas Introdução: Como resultado do trabalho pioneiro na Motorola - reforçado pelo esforço de empresas do porte da ABB, Alied Signal, General

Leia mais

Lean Six Sigma Uma estratégia de sucesso para enfrentar crises, falta de competitividade e aumentar a lucratividade das empresas e organizações.

Lean Six Sigma Uma estratégia de sucesso para enfrentar crises, falta de competitividade e aumentar a lucratividade das empresas e organizações. Lean Six Sigma Uma estratégia de sucesso para enfrentar crises, falta de competitividade e aumentar a lucratividade das empresas e organizações. O atual cenário econômico no Brasil não é dos melhores e

Leia mais

PCEP (Programa de Controle de Energias Perigosas) Norma OSHA 1910.147

PCEP (Programa de Controle de Energias Perigosas) Norma OSHA 1910.147 Norma OSHA 1910.147 Criada nos Estados Unidos em 1990 (Controle de Energias Perigosa), objetivo evitar a ocorrência de aproximadamente 100 mortes e 60.000 lesões anuais decorrentes de acidentes em serviços

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Curso FMEA Análise dos Modos e Efeitos das Falhas

Curso FMEA Análise dos Modos e Efeitos das Falhas Curso FMEA Análise dos Modos e Efeitos das Falhas Importante instrumento da Estratégia Six Sigma *1 FMEA FAILURE MODE and EFFECTS ANALYSIS *2 A necessidade da montagem de um sistema preventivo e não corretivo,

Leia mais

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Carta do Leitor Por: David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Engenheiro de produção pela Escola Politécnica da USP e especialista em PNL pela SBPNL. Gerente da área de Lean

Leia mais

FMEA, PDCA, TQM, PPAP

FMEA, PDCA, TQM, PPAP Ementários Fundamentos do Pensamento Lean e Toyota Production System TPS 20 horas Introdução ao Pensamento Lean six Sigma e ao TPS Histórico Evolutivo do TPS Pilares do TPS Princípios Lean Fundamentos

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE 1 ESTRUTURA DO SGI Módulo SGI-1.0 - Introdução (04 horas) Apresentação da metodologia do Programa de Formação Manual do Aluno Critérios de aprovação e reposição de módulos Uso da plataforma do Ambiente

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

MODELO SEIS SIGMA. Histórico e Perspecitiva Estratégica da Qualidade. TQM / Seis Sigma / ISO 9000. Ferramentas da Qualidade.

MODELO SEIS SIGMA. Histórico e Perspecitiva Estratégica da Qualidade. TQM / Seis Sigma / ISO 9000. Ferramentas da Qualidade. Operacional Tático Estratégico Sustentabilidade Serviços MODELO SEIS SIGMA Histórico e Perspecitiva Estratégica da Qualidade PRINCÍPIOS Gerenciamento das Diretrizes TQM / Seis Sigma / ISO 9000 Gestão por

Leia mais

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma Sumário 03. Nossa Empresa 05. Seis Sigma 06. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma 07. Conteúdo Programático 12. Certificados 13. Principais Instrutores

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Portfólio CETCB & CFO. Treinamentos. Consultoria

Portfólio CETCB & CFO. Treinamentos. Consultoria Portfólio CETCB & CFO Consultoria e Treinamentos Consultoria e treinamento Prestadora de serviço - Fundada em 2008; Soma aproximadamente 05 anos de experiência em seu corpo de Consultores; Atua nos mais

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

COMO FALHAR COM SEIS SIGMA

COMO FALHAR COM SEIS SIGMA COMO FALHAR COM SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ Quem somos de atuação. Foco em métodos quantitativos para qualidade, produtividade

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Copyright Alberto W. Ramos 1. Breve Histórico do 6 Sigma

Copyright Alberto W. Ramos 1. Breve Histórico do 6 Sigma Copyright Alberto W. Ramos 1 Breve Histórico do 6 Sigma Criado pela Motorola na década de 80; Adotado mundialmente por diversas empresas: Allied Signal, General Electric, Polaroid, Asea Brown Boveri, Kodak,

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu São Paulo, 01 de Outubro de 2010 Nomes: Cícero Marcelino RA: 200509458 Daniele Teixeira RA: 200605045 Edson Pereira RA: 200607727 Matheus Monteiro RA: 200709765 Rodrigo Pavin

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke

Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke Seis Sigma Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke O Poka-Yoke é uma importante ferramenta na etapa Control do método DMAIC do Lean Seis Sigma. Por Cristina Werkema O Poka-Yoke termo japonês que significa

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Modelos de Gestão Ferramentas de Gestão

Modelos de Gestão Ferramentas de Gestão Modelos de Gestão Ferramentas de Gestão Um pouco sobre qualidade na administração Onde estamos? Onde chegar? Quando chegar? Qual direção tomar? 2 2 2 É uma metodologia estruturada para fornecimento de

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Otimização. Processos I

Otimização. Processos I Saiba Como o Six Sigma Convive com Outras Metodologias de Gestão e Como Otimização Alinhadas Podem Promover de a Otimização de Processos e Resultados Expressivos Processos I Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

IMPLEMENTANDO O LEAN SIX SIGMA

IMPLEMENTANDO O LEAN SIX SIGMA IMPLEMENTANDO O LEAN SIX SIGMA LEAN MANUFACTURING SIX SIGMA Portifólio Marcelo Rivas Fernandes, instrutor para os cursos: Champions, Black, Green e Yellow Belts em Lean Six Sigma Portifólio Palestras e

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA IMPORTADORA DE MEDICAMENTOS

IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA IMPORTADORA DE MEDICAMENTOS ISSN 1984-9354 IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA IMPORTADORA DE MEDICAMENTOS Rafael Salles de Carvalho (LATEC/UFF) Resumo A melhoria contínua da qualidade faz parte

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Especial - Lean Seis Sigma. A lamentável banalização do. Lean Seis Sigma

Especial - Lean Seis Sigma. A lamentável banalização do. Lean Seis Sigma A lamentável banalização do Lean Seis Sigma Cuidado para não comprar gato por lebre no que diz respeito à utilização do Lean Seis Sigma. Por Cristina Werkema Nos últimos anos o Lean Seis Sigma vem passando

Leia mais

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ 15 anos 15 anos 1 Quem somos 15 anos de atuação. Foco em

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

Six Sigma: projeto piloto na área do Serviço de Atendimento ao Cliente e Consumidor

Six Sigma: projeto piloto na área do Serviço de Atendimento ao Cliente e Consumidor Six Sigma: projeto piloto na área do Serviço de Atendimento ao Cliente e Consumidor Jean Martins de Souto Luiz Carlos da Silva Flores Solange Rodrigues de Souza Faculdade Senac de Tecnologia - FATEC SENAC

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 6 σ LEAN UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 UPGRADE BLACK BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na General

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL - GESTÃO ORGANIZACIONAL TREINAMENTOS QUALIDADE - MEIO AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE

RESPONSABILIDADE SOCIAL - GESTÃO ORGANIZACIONAL TREINAMENTOS QUALIDADE - MEIO AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE CURSOS IN-COMPANY RESPONSABILIDADE SOCIAL - GESTÃO ORGANIZACIONAL TREINAMENTOS QUALIDADE - MEIO AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE Suporte Assessoria Empresarial Belo Horizonte - São Paulo ÍNDICE Processo de

Leia mais

Estratégia Seis Sigma

Estratégia Seis Sigma Estratégia Seis Sigma Transformando oportunidades em resultados para os negócios M. I. Domenech Seis Sigma - Treinamentos Seis Sigma Crescimento Melhoria de Processos - Treinamentos M. I. Domenech Carlos

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Sumário 1. A Empresa i. Nossas Crenças O Grupo Voitto i Método de Trabalho iv. Nossos Diferenciais v. Nossos Clientes vi. Equipe Societária 2. Mercado de Consultoria no Brasil

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Seis Sigma para Desenvolvimento de Fornecedores Case em um Operador Logístico

Seis Sigma para Desenvolvimento de Fornecedores Case em um Operador Logístico 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Seis Sigma para Desenvolvimento de Fornecedores Case em um Operador Logístico Eng. Fabiane Ely Rio Grande Energia - RGE fely@rge-rs.com.br Eng. Filipe Müller

Leia mais

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes 25 de junho Mogi das Cruzes - Gestão Fabril: - Implantação de Melhorias e Sistemas de Gestão; - Estruturação e Desenvolvimento de Equipes; - Mentoring de Gestores para a Produtividade e Qualidade. - Otimização

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 Retorno sobre o investimento de iniciativas de Melhoria Contínua como o Lean Six Sigma Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026 www.setadg.com.br

Leia mais

UBQ União Brasileira para Qualidade

UBQ União Brasileira para Qualidade UBQ União Brasileira para Qualidade Quem somos A UBQ é uma entidade civil, para fins não econômicos, que trabalha para difundir os conceitos e as práticas da Qualidade com o objetivo de ajudar as organizações

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais