A DIMENSÃO ESTRATÉGICA DA GESTÃO AMBIENTAL NO SETOR DE SANEAMENTO BÁSICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DIMENSÃO ESTRATÉGICA DA GESTÃO AMBIENTAL NO SETOR DE SANEAMENTO BÁSICO"

Transcrição

1 1 Universidade Estadual do Ceará - UECE Rosana Maria Costa Fernandes A DIMENSÃO ESTRATÉGICA DA GESTÃO AMBIENTAL NO SETOR DE SANEAMENTO BÁSICO Fortaleza - Ceará 2004

2 2 Universidade Estadual do Ceará - UECE Rosana Maria Costa Fernandes A DIMENSÃO ESTRATÉGICA DA GESTÃO AMBIENTAL NO SETOR DE SANEAMENTO BÁSICO Dissertação submetida ao Programa de Pós- Graduação do Curso de Mestrado Profissional em Administração de Empresas do Centro de Estudos Sociais Aplicados, da Universidade Estadual do Ceará UECE, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Administração. Área de Concentração: Estratégia e Competitividade Empresarial. Orientadora: Mônica Cavalcanti Sá de Abreu Fortaleza 2004

3 3 Universidade Estadual do Ceará - UECE Curso de Mestrado Profissional em Administração de Empresas Título do Trabalho: A Dimensão Estratégica da Gestão Ambiental no Setor de Saneamento Básico Autora: Rosana Maria Costa Fernandes Defesa em: / / Conceito obtido: Nota obtida: Banca Examinadora Mônica Cavalcanti Sá de Abreu Prof a. Drª. Orientadora Paulo César de Sousa Batista, Prof. Ph.D. Coordenador do Curso Antonio Jeovah de Andrade Meireles, Prof. Dr.

4 A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos. (Declaração Universal dos Direitos da Água, art. 10, ONU, 1992). 4

5 5 Agradecimentos A realização deste trabalho só foi possível graças à colaboração direta ou indireta de várias pessoas. Manifesto minha gratidão de forma particular: À Professora e incentivadora Mônica Cavalcanti Sá de Abreu, que acreditou nesse trabalho desde o primeiro momento, por sua brilhante orientação, carinho e amizade. Aos professores, em especial ao coordenador, Prof. Paulo César, e aos alunos do Mestrado, pela diversidade de informações, amizade e incentivo para a conclusão do curso. A minha amiga de muitas lutas e orientadora da especialização em meio ambiente, Profa. Raquel Rigotto, que sempre me incentivou e me fez compreender com seriedade e bom humor a importância do trabalho acadêmico. Aos meus pais e irmãos Maurício e Márcio por me possibilitarem descobrir o que existe de mais precioso na vida: o amor, a alegria, a liberdade e a vontade de querer lutar por dias melhores. Às minhas irmãs Rozina, Regina, Rosa e Fátima que surpreendem todos por sua coragem e alegria, dando-me forças para finalizar este e muitos outros trabalhos. À minha amiga querida Inácia Girão, pelo incentivo e paciência, especialmente, nos momentos críticos da realização deste trabalho. Agradeço, especialmente, a atenção das companheiras de trabalho, Maria Amélia e Solange Bezerra, que me possibilitaram o acesso a valiosas informações entre ricas discussões sobre o presente estudo. Aos colegas da CAGECE, principalmente, Mozart Brandão e Antonio Girão, que ajudaram enormemente na obtenção de dados importantes para minha pesquisa e nos contatos com as companhias de saneamento de todo o país. Aos meus amigos de sempre, George, Débora, Teca, Charles e Sandra Nascimento, pelos momentos de atenção e amizade no período de realização desta pesquisa, e em especial à amiga Jeane Silva, por seu carinho e sua contribuição poética e científica sobre os mitos que cercam a água. Aos representantes das Companhias Estaduais de Saneamento do país, que colaboraram com suas valiosas informações, viabilizando a realização desta pesquisa. Aos colegas da CAGECE, especialmente, Isaac, Lúcia Quezado, Ângela Márcia, Bruno Celedonio, Niedja, Edênia, Régis e Beatriz (Bia) pela amizade, e, sobretudo, pelo prazer do trabalho coletivo que nos unem na busca de uma sociedade mais justa, alegre e ambientalmente responsável.

6 6 SUMÁRIO Lista de Siglas e Abreviaturas...8 Lista de Figuras...10 Lista de Tabelas...11 Lista de Quadros e Gráficos...12 Capítulo 1 Introdução Considerações Iniciais Justificativa do Trabalho Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Metodologia Utilizada no Estudo Estrutura do Trabalho...28 Capítulo 2 A água no Contexto Mundial A Água Conduzindo a Civilização Os Acidentes Ambientais que Fizeram História A Busca de Soluções para a Crise da Água Considerações Gerais...47 Capítulo 3 Cenário Estratégico do Setor de Saneamento O Saneamento Básico e a Saúde Pública na Busca de Caminhos Sustentáveis A Estratégia Ambiental no Gerenciamento Hídrico e no Saneamento Considerações Gerais...62 Capítulo 4 A Dimensão Ambiental da Estratégia Empresarial A Estratégia Empresarial com Enfoque na Qualidade Ambiental A ISO e os Modelos Estratégicos de Gestão Ambiental Triple Bottom Line Sistema de Gestão e Avaliação de Desempenho Ambiental - SGADA O Modelo de Avaliação da Estratégia Tripla ECP-Triplo O Modelo de Avaliação da Estratégia Ambiental ECP- Ambiental O Instrumento de Coleta de Dados Dados Sobre a Empresa Informações sobre a Estrutura de Mercado A Conduta Ambiental das Empresas A Performance Ambiental das Empresas Perfis de Conduta Ambiental...94

7 A Matriz de Correlação entre a Pressão da Estrutura da Indústria e a Conduta Ambiental Considerações Gerais Capítulo 5 Metodologia Delineamento da Pesquisa A Natureza e a Caracterização da Pesquisa A Trajetória da Pesquisa A Definição e os Critérios para Seleção da Amostra Considerações Gerais Capítulo 6 Resultados da Pesquisa Estrutura da Indústria - O Setor de Saneamento Básico A Conduta Ambiental A Performance Ambiental Avaliação dos Perfis de Conduta Ambiental As Pressões Ambientais da Estrutura da Indústria Impactos Ambientais Legislação Ambiental Partes Interessadas Matriz de Correlação entre a Pressão da Estrutura da Indústria e a Conduta Ambiental Considerações Gerais Capítulo 7 O Estudo das Vantagens Competitivas no Setor de Saneamento Básico A Variável Ambiental como Estratégia Competitiva no Setor de Saneamento A Cagece no Contexto das Vantagens Competitivas Dados sobre a CAGECE As Pressões Ambientais na CAGECE A Conduta Ambiental da CAGECE A Performance Ambiental da CAGECE Capítulo 8 Conclusões Considerações Finais e Recomendações Referências Bibliográficas Anexos Anexo I - Instrumento de Coleta de Dados Pesquisa para Avaliação das Estratégias Ambientais no Setor de Saneamento...197

8 8 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas AINDA - Associação Internacional de Direito de Águas ANA - Agência Nacional de Águas ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Social BNH - Banco Nacional de Habitação BSC - Balanced Scorecard CAGECE - Companhia de Água e Esgoto do Ceará CBH - Comitê de Bacias Hidrográficas CENTEC - Instituto Centro de Ensino Tecnológico CMDS - Cúpula Mundial do Desenvolvimento Sustentável CNI - Confederação Nacional da Indústria COGERH - Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos CONASEMS - Conselho Nacional dos Secretários Municipais de Saúde COSAMA - Companhia de Saneamento do Amazonas DTD - Diretoria de Tecnologia e Desenvolvimento DPC - Diretoria de Planejamento e Controle ECP - Estrutura-Conduta-Performance ECP - Triplo - Modelo de Avaliação da Estratégia Tripla ECP-Ambiental - Modelo de Avaliação da Estratégia Ambiental ETAs - Estações de Tratamento de Água ETEs - Estações de Tratamento de Esgotos ETO - Estação de Tratamento de Odores FEEMA - Fundação Estadual de Engenharia e Meio Ambiente FCS - Fatores Críticos de Sucesso FUNASA - Fundação Nacional de Saúde GEO-3 - Relatório Panorama Ambiental Global GMARH - Gerência de Meio Ambiente e Recursos Hídricos GEMAM - Gerência de Meio Ambiente IEC - Instituto Evandro Chagas

9 9 IBAMA IBGE ISO OECD OMS ONG ONU PLANASA PMSS PNUD PNUMA PRODETUR PSR SANEMAT SANEPAR SEBRAE SEMACE SGA SGADA SNIS SUS TBL UECE UFC UMA UNESCO - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - International Organization For Standardization - Organisation for Economic Co-Operation and Development - Organização Mundial de Saúde - Organização Não-Governamental - Organização das Nações Unidas - Plano Nacional de Saneamento - Programa de Modernização do Setor de Saneamento - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente - Programa de Ação para o Desenvolvimento do Turismo do Nordeste - Pressão-Estado-Resposta - Companhia de Saneamento de Mato Grosso - Companhia de Saneamento do Paraná - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Superintendência Estadual do Meio Ambiente do Estado do Ceará - Sistema de Gestão Ambiental - Sistema de Gestão e Avaliação de Desempenho Ambiental - Sistema Nacional de Informações em Saneamento - Sistema Único de Saúde - Triple Bottom Line - Universidade Estadual do Ceará - Universidade Federal do Ceará - Universidade Livre da Mata Atlântica - Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura

10 10 LISTA DE FIGURAS Figura nº 1 - Esquema das interações entre fatores ligados ao desenvolvimento...59 Figura nº 2 - SGA: Avaliação da organização, produtos e processos...71 Figura nº 3 - Modelo de SGA NBR ISO Figura nº 4 - Triple Bottom Line As sete revoluções fundamentais no mundo dos negócios (Adaptado de Elkington, 1998)...73 Figura nº 5 - As quatro perspectivas do BSC. (KAPLAN & NORTON, 1997, p:72)...77 Figura nº 6 - As perspectivas do SGADA. (Campos, 2001, p:144)...82 Figura nº 7 - Fluxograma de Fases e Etapas do Modelo SGADA...83 Figura nº 8 - Modelo Proposto de Avaliação da Estratégia Tripla ECP-Triplo...85 Figura nº 9 - Modelo Proposto de Avaliação da Estratégia Ambiental - ECP Ambiental (Abreu, 2001: 80) Figura nº 10 - Matriz de correlação entre a pressão da estrutura da indústria e a conduta ambiental (Abreu, 2001)...103

11 11 LISTA DE TABELAS Tabela nº 1 - Evolução da Cobertura dos Serviços de Água e Esgotos no Brasil (%)...51 Tabela nº 2 - Distribuição Regional dos Déficits em Saneamento Básico...54 Tabela nº 3 - Percentual de questionários respondidos em função dos solicitados Tabela Análise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Administração Geral Tabela Análise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Administração Geral Tabela Análise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Administração Jurídica.129 Tabela Análise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Administrativa Financeira Tabela 6.5 Análise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Produção e Manutenção Tabela Analise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Administração de Recursos Humanos Tabela Análise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Pesquisa Desenvolvimento Tabela Análise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Pesquisa e Desenvolvimento Tabela Análise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Marketing e Vendas Tabela Análise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Marketing e Vendas Tabela Análise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Distribuição Tabela Distribuição de Freqüência para a Definição de Indicadores de Performance Ambiental Tabela Distribuição de Freqüência dos Indicadores de Performance Ambiental Tabela Analise da Conduta Ambiental na Função Gerencial Compras Tabela Distribuição de Freqüência Relativa aos Impactos Ambientais Tabela Sanções Administrativas Ambientais Impostas às Empresas Pesquisadas..158 Tabela Distribuição de Freqüência sobre a Atuação dos Órgãos Ambientais Tabela Partes Interessadas que Influenciam na Estratégia Ambiental da Empresa.162 Tabela Distribuição de Freqüência para as Vantagens Competitivas Identificadas pelas Empresas Tabela Distribuição de Freqüência Favorável a Implantação de um Sistema de Gestão Ambiental e Dificuldades na sua Implantação Tabela 6.21 Distribuição de Freqüência Contrária a Adoção de um Sistema de Gestão Ambiental...174

12 12 LISTA DE QUADROS E GRÁFICOS Quadro nº 1 - Principais fóruns mundiais sobre a proteção e gestão dos recursos hídricos...40 Quadro nº 2 - Coeficiente de Internações Hospitalares de Crianças Decorrentes de Doenças Infecto-parasitárias, por hab., na Rede do SUS Brasil...50 Quadro nº 3 - Acesso aos Serviços de Saneamento pelos 40% da População Mais Pobre e 10% da População Mais Rica do Brasil...52 Quadro nº 4 - Definições aplicáveis à Norma ISO Quadro nº 5 - Princípios da NBR ISO Quadro nº 6 - Elementos do framework do modelo ECP-Ambiental (Abreu, 2001:68)...87 Quadro nº 7 - Matriz de características de Conduta Ambiental das Empresas (Abreu,2001:170) Quadro nº 8 - Pressões ambientais da estrutura da indústria (Fonte: Abreu, 2001) Quadro nº 9 - Relação das Empresas de Saneamento de Abrangência Regional/Estadual - Fonte: SNIS, Quadro nº 10 - Relação das Empresas de Saneamento Pesquisadas/Amostra Quadro nº 11 Matriz de correlação gerada pelo ECP-Ambiental Gráfico nº 1 Distribuição da Conduta Ambiental por Região...155

13 13 RESUMO FERNANDES, Rosana Maria Costa. A Dimensão Estratégica da Gestão Ambiental no Setor de Saneamento Básico. Fortaleza, p. Dissertação de Mestrado Profissional em Administração de Empresas, Centro de Estudos Sociais Aplicados, UECE, Este trabalho apresenta uma avaliação da dimensão estratégica da gestão ambiental em quinze empresas de saneamento básico no Brasil de abrangência regional, no qual utiliza-se como referência o modelo ECP-Ambiental (Estrutura-Conduta-Peformance). Este modelo tem como princípio básico que a performance ambiental de uma empresa é o reflexo dos seus padrões de conduta ambiental, que por sua vez, dependem da estrutura de mercado em que está inserida. O trabalho relaciona os indicadores de pressão, conduta e de performance do modelo ECP-Ambiental, com aqueles praticados no setor estudado. O estudo revela como as empresas, inclusive a CAGECE (empresa de saneamento básico do Estado do Ceará), percebem as vantagens competitivas decorrentes da inserção da variável ambiental. Os resultados demonstraram a ocorrência de comportamentos semelhantes que foram agrupados em perfis de conduta ambiental para cada função gerencial denominados de conduta fraca, intermediária e forte. Constata-se, que nas regiões Norte concentram-se a maioria das empresas que adotam uma conduta ambiental fraca e na região Centro-Oeste a conduta variando entre fraca e intermediária. No Nordeste existe uma gama de empresas com condutas fracas, intermediárias e fortes. Nas regiões Sul e Sudeste concentram-se empresas de saneamento com uma conduta ambiental forte e intermediária. Os resultados também foram agrupados em uma matriz de posicionamento ambiental que relaciona a conduta ambiental com as pressões da estrutura da indústria. A conclusão deste estudo indica que a maioria das empresas de saneamento adota um posicionamento indiferente, o que significa que as pressões ambientais são baixas e a conduta adotada é fraca. Este trabalho sugere que as empresas estaduais de saneamento do País necessitam implementar e fortalecer seus programas de gestão ambiental, com reflexos positivos sobre o meio ambiente e à saúde da população, e comprova a utilização do modelo ECP- Ambiental como uma ferramenta consistente e prática para desenvolver e integrar estratégias empresariais em um ambiente de mercado globalizado e competitivo. Palavras-chave: gestão ambiental, performance ambiental, indicadores ambientais, estratégia, saneamento básico

14 14 ABSTRACT FERNANDES, Rosana Maria Costa. A Dimensão Estratégica da Gestão Ambiental no Setor de Saneamento Básico. Fortaleza, p. Dissertação de Mestrado Profissional em Administração de Empresas, Centro de Estudos Sociais Aplicados, UECE, The work presents an strategic environmental management evaluation of fifteen Brazilian regional sewer companies using Environmental SCP (Structure-Conduct- Performance) Model. This model begins with the assumption that the environmental performance of a company is the result of its competitive practice or environmental conduct standards, depending on the structure of the market. This work relates structure, conduct and performance environmental SCP model indicators with the ones practiced by sewer industry. The results show how companies, including CAGECE (sewer company of Ceara- Brazil), realize environmental strategic competitive advantages. The sewer companies analysed in the document are arranged in a environemntal matrix that relates management functions with a set of environmental conduct indictors, developed to reflect the quality of th environmental management of a company, along with its business sytem. In the matrix, environamental conduct is classified as weak, medium or strong. In the North of the country are concentrated most of weak environmental conduct companies. At the Central region there are companies posioned weak and medium environmental conduct. At the Northeast there are all sort of companies with weak, médium and strong conduct. Most of strong and medium environmental conduct companies are concentrated at South and Southeast. The results are also arranged in an environmental position matrix that relates a set of environmental conduct indicators with the environmental industry structure pressures. The conclusion of this study showed that many companies behave indiferent and this happens because there is a low level pressure structure on them and their environemntal conduct is weak. This work suggest that sewer companies in order to improve the environmental aspects and health conditions of the population must reinforce their environmental management system and the use of Environmental SCP model is a consistent and pratice tool to develop and evaluate integrated business strategies in an ever-demanding global competitive market place. Key words: Environmental Management, Environmental Indicators and Environmental Performance, Strategy, Sewer

15 15 Capítulo 1 Introdução 1.1 Considerações Iniciais O tema meio ambiente gera interesse, em si mesmo, por sua relação direta com todos os seres vivos do planeta, seja numa dimensão local ou global. A ampliação da consciência ambiental, ou a compreensão dos fenômenos contemporâneos associados às questões do meio ambiente têm sido apontados como referência fundamental de um novo paradigma, ainda que emergente, orientador de uma nova visão de mundo. Por outro lado, a consideração dessa dimensão nas ações dos governos, das sociedades, das empresas ou dos indivíduos tem trazido uma série de elementos, processos e práticas carregados de contradições. Segundo Bacelar (1997), a degradação ambiental, em âmbito mundial, tem produzido nos debates a necessidade urgente de mudanças no modelo de desenvolvimento vigente que gira em torno de uma racionalidade econômica desigual, sob uma falsa noção de progresso, que não respeita a vida e geram riscos cada vez maiores ao planeta. As tendências observadas no processo de globalização e de reestruturação produtiva a nível mundial apontam para um aprofundamento da divisão internacional dos riscos, deixando aos países em desenvolvimento as atividades mais consumidoras de recursos naturais, mais poluentes, mais perigosas e insalubres. Países de economias mais desenvolvidas, com elevados níveis de consumo e desperdício, adotam estratégias de mercado ligadas à maximização do capital investido e do lucro esperado, em detrimento de qualquer outro aspecto, gerando impactos negativos crescentes sobre o meio ambiente. Os desafios giram em torno da busca de novos valores, de uma nova ética que aponte para uma nova racionalidade para se produzir e consumir, sem desrespeitar as condições e limites impostos pela natureza e sem gerar riscos ecológicos. Segundo a Organização das Nações Unidas ONU, a alternativa de futuro possível privilegia o consenso, o

16 16 entendimento entre as nações na construção conjunta de políticas de sustentabilidade econômica e ambiental. Diante deste quadro onde são gerados impactos negativos, sobretudo, nos países em desenvolvimento, é reconhecida a gravidade, a extensão e a urgência assumidas hoje pelos problemas sócio-ambientais, e particularmente, de degradação crescente dos recursos hídricos. O crescimento intenso e desordenado nas áreas urbanas, com seus problemas de saneamento básico, coleta e tratamento do lixo, poluição, exclusão social, entre outros, que comprometem a qualidade de vida em diferentes contextos e segmentos sociais. O grande desafio que hoje se coloca é como construir um novo modelo de desenvolvimento que seja socialmente justo e ecologicamente responsável. De acordo com o sociólogo Henrique Rattner (1995), o conceito de Desenvolvimento Sustentável possui as mais variadas interpretações, de forma a ser necessária uma qualificação contextualizada acerca de suas diferentes implicações: sócioeconômicas, geográficas, históricas, políticas, culturais e ambientais. De fato, a questão ambiental coloca-se como uma área que requer cada vez mais ações de atenção em suas diferentes dimensões: físicas, biológicas, demográficas, econômicas, culturais e políticas. O autor considera ainda, que os problemas relacionados ao meio ambiente exigem uma abordagem interdisciplinar, ao mesmo tempo em que requerem o esforço e a participação de todos os atores sociais envolvidos. Pelo exposto, pode-se deduzir que o modelo atual não garante em longo prazo a manutenção do patamar de desenvolvimento dos países já industrializados. O caminho a ser percorrido é a busca do desenvolvimento sustentável, que passa necessariamente pela implementação de diversas ações propostas na Agenda 21 (2000). Contudo, a mudança de paradigma envolve novas estratégias e enfoques sócio-econômicos que deverão ser elaborados de forma adequada, onde o desafio agora é o de passar do conceito ao operacional, isto é, traduzir o desenvolvimento sustentável em ação. A nova questão passa a ser como gerenciar a questão ambiental no contexto do desenvolvimento sustentável?

17 17 O Brasil, com uma economia de base agrária transformou-se em quatro décadas, em uma sociedade altamente industrializada e urbanizada. Esse processo produziu efeitos diversos sobre o meio ambiente natural com impactos sobre os ecossistemas com a exploração dos recursos naturais para a industrialização e a implantação de infra-estrutura para atender a intensa migração de populações e a nova dinâmica das atividades econômicas produzindo graves pressões sobre o meio ambiente. De acordo com o relatório - GEO Brasil, 2002 referente às áreas urbanas e industriais, as cidades brasileiras apontam para um conjunto de problemas ambientais urbanos comuns, que pressionam a base dos recursos naturais. Entre as principais questões citadas que afetam o desenvolvimento sustentável das cidades brasileiras destacam-se as relacionadas ao acesso a terra, ao uso e ocupação do solo, ao saneamento ambiental e ao transporte urbano que prejudicam seriamente o desenvolvimento das atividades econômicas em nosso País. Esse modelo de industrialização adotado pelo Brasil até o final dos anos 70, mostrou-se desequilibrado espacial e socialmente e apesar de ter incorporado padrões tecnológicos avançados para a base nacional, não se fez acompanhar de uma política de proteção ambiental baseada em princípios de sustentabilidade. Somado a isso, o país sofreu grandes transformações na sua estrutura produtiva com os impactos gerados pela transnacionalização da produção mundial e a abertura de mercados nos anos 90. A privatização das empresas de saneamento foi uma ameaça constante nesse período de mudanças. Assim, à luz de várias motivações, as organizações empresariais no âmbito dos países ou globalmente, estão passando a adotar novas formas de gestão, considerando a variável ambiental. Pesquisa realizada pelo BNDES, CNI, SEBRAE (1998), nos mostra algumas modificações no comportamento das empresas do setor industrial no Brasil quanto à gestão ambiental na década de 90. Segundo os resultados desta pesquisa (BNDES, CNI, SEBRAE, 1998), as empresas no final dos anos 90, passam a incorporar práticas de gestão ambiental não apenas

18 18 como atividades de controle ambiental motivadas por ações regulatórias do Estado, e sim, como atividades de gestão e que estão ligadas à estratégia da empresa. As empresas, na busca de sua própria sustentabilidade no mercado, passam a adotar novas estratégias, reciclando materiais e usando tecnologias limpas, melhorando a utilização dos recursos e a eficiência no processo de produção, que atendem melhor aos critérios de desenvolvimento sustentável. Percebe-se dessa maneira que o tratamento da gestão ambiental transformou-se na década de 90, indicando que existe uma outra forma das empresas do setor industrial, de conduzir a questão ambiental, que se traduz em uma oportunidade estratégica, geralmente ligada às áreas de marketing, da economia de recursos e da competitividade, como nas observações colocadas por Porter e Van der Linde (1995). Neste contexto, as prestadoras de serviços de água e esgoto no País, apesar de ainda permanecerem desarticuladas, buscam novas formas de gestão ambiental, que atendam não só às pressões dos usuários, da sociedade civil organizada, dos órgãos governamentais e das instituições financeiras, mas, começam a direcionar rapidamente suas ações e investimentos para a área ambiental como uma oportunidade estratégica. As ações dessas prestadoras vem sendo pautadas, principalmente, através da melhoria da qualidade da água e dos efluentes tratados, do desenvolvimento de políticas ambientais e programas de educação ambiental e da adoção de certificação ambiental em suas unidades de tratamento. Quanto aos investimentos, observa-se que embora ainda limitados, vem sendo desenvolvidos nessas empresas vários projetos de reuso de águas residuárias e de controle de perdas de água, programas de eficiência energética e aplicação de novas tecnologias de tratamento que, juntos, promovem a melhoria ambiental, gerando novas oportunidades competitivas e econômicas para as empresas de saneamento do país.

19 Justificativa do Trabalho Segundo Capra (1999:387): O restabelecimento do equilíbrio e da flexibilidade em nossas economias, tecnologias e instituições sociais só será possível se for acompanhado por uma profunda mudança de valores. Portanto, a interferência do homem no processo ambiental, se estabelecida de forma equilibrada em sua relação, permite o crescimento da consciência ecológica da sociedade e impõe a busca de resultados que privilegiem uma competitividade responsável e um modelo alternativo de sustentabilidade solidária, sem causar grandes impactos aos nossos recursos naturais, ao meio ambiente e à sociedade. A crescente escassez da água em diversas regiões do planeta a transformou num produto estratégico e alvo da cobiça de poderosas nações e grandes conglomerados transnacionais. O PNUMA - Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente está prevendo que dois terços da população mundial poderá estar vivendo em condições de escassez de água até o ano de 2025 e hoje, cerca de 40% da produção mundial de alimentos dependem de irrigação. O Brasil, dono da maior reserva de água doce do planeta, cerca de 12%, possui uma posição estratégica no cenário mundial e vem na última década sofrendo fortes pressões de grupos internacionais que ameaçam apropriar-se dos serviços públicos de água e esgotamento sanitário. (Fonte: Revista eletrônica Ambiente Brasil: < [05/03/2003]. A crise no setor vem desde a falência do Plano Nacional de Saneamento Básico PLANASA e da extinção do Banco Nacional de Habitação BNH, em meados dos anos 80, quando o saneamento passou por um processo de profundo vazio institucional. O setor vive atualmente, desde o final do PLANASA, uma crise na sua estrutura de financiamento, que tem dificultado enormemente o acesso dos operadores, sobretudo públicos, a recursos para expansão e aprimoramento dos serviços.

20 20 Os serviços de água e esgoto são os mais essenciais dos serviços públicos, pelo absoluto condicionamento da saúde pública onde a maioria das internações hospitalares infantis são evitáveis por ações de saneamento, assim como do bem-estar social, preservação ambiental e desenvolvimento econômico. Esses serviços envolvem também o controle das fontes de água potável, assumindo dessa forma uma importância estratégica no cenário global. As companhias estaduais e municipais que prestam serviços de água e esgoto são entidades da administração indireta pertencentes, na maioria das vezes, à esfera de governo que detém a titularidade dos serviços ou pelo menos parte desta. O saneamento básico, considerado monopólio natural, pelo seu caráter social e essencial e por suas interfaces com a saúde, habitação, desenvolvimento urbano, meio ambiente e recursos hídricos, é público por natureza, portanto, a entrega ao capital privado do setor fere a finalidade do Estado e pode representar um obstáculo à universalização do atendimento às populações carentes. Segundo Ray (1999), no novo paradigma, a função da empresa não fica mais limitada à satisfação dos acionistas através de uma gestão de políticas fechadas. Ela apresenta uma abordagem externa que leva em conta todos os depositários (empregados, consumidores, fornecedores, comunidade e meio ambiente, como também, é claro, os próprios acionistas). Ainda o mesmo autor salienta que o novo paradigma empresarial promove o desenvolvimento pessoal dos envolvidos e proporciona serviços correspondentes à comunidade através da responsabilidade social e ambiental da empresa. Historicamente, o setor industrial, de maneira geral, tem sido o maior consumidor e poluidor dos recursos naturais. Para Maimon (1994:73):... o impacto do setor industrial na deterioração ambiental é significativo, ainda que tenha sido reduzido nos últimos 20 anos. Na visão de Abreu (2001:2):

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli)

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) 1 REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo sugerindo à Agência Nacional de Águas que determine às empresas concessionárias deste serviço a divulgação em suas

Leia mais

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA CONSCIENTIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL Contagem-MG 2013 2 FETREMIS - FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão 4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão Painel 2 - Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica 01 de Outubro de 2015 Agenda Desafios no Setor de

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços.

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços. 191 Volume produzido; Volume Micromedido e Estimado; Extravasamentos; Vazamentos; Consumos Operacionais Excessivos; Consumos Especiais; e Consumos Clandestinos. A partir do conhecimento dos fatores elencados

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável Julho 2010 O que é ISO 26000? A ISO 26000 é uma norma internacional de Responsabilidade Social, um guia de diretrizes que contribui

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ Governador do Estado do Piauí: Dr. Francisco de Assis de Moraes Souza Vice- Governador do Estado do Piauí: Dr. Osmar Ribeiro de Almeida Júnior Secretário

Leia mais

GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA Rachel Cavalcanti Stefanuto O CONTEXTO DA SUSTENTABILIDADE A preocupação crescente com a sustentabilidade associa-se ao reconhecimento

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

A CRISE HÍDRICA E AS AÇÕES TOMADAS PELO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A CRISE HÍDRICA E AS AÇÕES TOMADAS PELO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A CRISE HÍDRICA E AS AÇÕES TOMADAS PELO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Jacqueline Kássia Menezes Inocente Caselli 1 História Pontifícia Universidade Católica de Campinas.Técnico em Meio Ambiente Colégio

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

Mikaelly Nayara Santos (*), Alessandra Ribeiro de Moraes * Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), mikaellynayara@hotmail.

Mikaelly Nayara Santos (*), Alessandra Ribeiro de Moraes * Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), mikaellynayara@hotmail. ANÁLISE DOS TRABALHOS APRESENTADOS NAS EDIÇÕES DO CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL SOBRE OS TEMAS GESTÃO AMBIENTAL EM SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS. Mikaelly Nayara Santos (*), Alessandra Ribeiro

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL

O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL Luiz Henrique Lima, D.Sc. Conselheiro Substituto TCE MT XIV SINAOP - Cuiabá, MT - novembro / 2011 O Brasil detém a maior diversidade biológica do planeta, 40%

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia ALINE LINHARES LOUREIRO PATRÍCIA CAMPOS BORJA LUIZ ROBERTO

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil Módulo 3 Gestão ambiental no Brasil 1. Introdução No encontro Rio +10, o Brasil, saiu fortalecido globalmente, assumindo definitivamente um papel de liderança regional dentro da ONU. No plano nacional,

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável Diretoria de Geociências CREN/CGEO/Assessoria Indicadores de Desenvolvimento Sustentável Denise Kronemberger Seminário Contas Econômicas Ambientais da Água Rio de Janeiro, Nov./14 Contexto Histórico 7912

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini GESTÃO AMBIENTAL EM SUBESTAÇÕES AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL COM VISTAS A PRESERVAR A IMAGEM DA CIA E GARANTIR A SUSTENTABILIDADE DE SEUS NEGÓCIOS José Mario Dionizio

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES Alessandra Aparecida da Silva, Unisalesiano de Lins e-mail: alessandrasilvamig@yahoo.com.br Renata Angélica Freitas, Unisalesiano de Lins

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais

O degrau de uma escada não serve simplesmente para que alguém permaneça em cima dele, destina-se a sustentar o pé de um homem pelo tempo suficiente

O degrau de uma escada não serve simplesmente para que alguém permaneça em cima dele, destina-se a sustentar o pé de um homem pelo tempo suficiente O degrau de uma escada não serve simplesmente para que alguém permaneça em cima dele, destina-se a sustentar o pé de um homem pelo tempo suficiente para que ele coloque o outro um pouco mais alto. (Thomas

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas,

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Utilização sustentável dos recursos naturais

Utilização sustentável dos recursos naturais Utilização sustentável dos recursos naturais O conceito de desenvolvimento sustentável, segundo a declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente e desenvolvimento do Rio de Janeiro, em 1992, diz

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. 1. Busca e Análise Ambiental. 1.1 Ambiente Interno

PLANO DE NEGÓCIO. 1. Busca e Análise Ambiental. 1.1 Ambiente Interno PLANO DE NEGÓCIO A Grael Consultoria e Assessoria é a denominação de uma empresa que se dedica à prestação de serviços em Sistemas de Gestão Empresarial, voltada à empresas, órgão públicos e entidades

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011 CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011 1 ÍNDICE 1. RESUMO EXECUTIVO...3 2. O PROGRAMA... 4 2.1 Objetivos...

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES

DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES 1. Nós, representantes dos governos nacionais e locais, grupos comunitários, comunidade científica, instituições profissionais, empresas,

Leia mais

Construção Civil e Sustentabilidade

Construção Civil e Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 07 maio de 2014 Organização:

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

A Rede internacional dos organismos de bacia (Riob) foi criada em abril de mil novecentos e noventa e quatro (1994).

A Rede internacional dos organismos de bacia (Riob) foi criada em abril de mil novecentos e noventa e quatro (1994). RESEAU INTERNATIONAL DES ORGANISMES DE BASSIN INTERNATIONAL NETWORK OF BASIN ORGANIZATIONS RED INTERNACIONAL DE ORGANISMOS DE CUENCA REDE INTERNACIONAL DE ORGANISMOS DE BACIA Excelentissimos Governador

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Câmara dos Deputados 14 de Julho de 2015 Comissão Especial da Crise Hídrica O porque do colapso dos sistemas A Pergunta é: Precisávamos

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra desafios e oportunidades

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS

TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS Maria de Fátima de Lima Graduada em Química Industrial e pós-graduada em Engenharia Sanitária e Ambiental - CESAN A questão ambiental tem sido muito discutida,

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 29/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Válida para os acadêmicos ingressantes a partir

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais