GPR_027 - INTEGRAÇÃO DO PROGRAMA SEIS SIGMA EM SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GPR_027 - INTEGRAÇÃO DO PROGRAMA SEIS SIGMA EM SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL"

Transcrição

1 Created by Neevia docuprinter trial version GPR_027 - INTEGRAÇÃO DO PROGRAMA SEIS SIGMA EM SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Paulo Roberto Ramalho Gomes, Eng. Mecânico Faculdade de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Av. João Naves de Ávila, 2160 Campus Santa Mônica Bloco 1M Uberlândia MG Brasil Renan Billa, Prof. Dr. Faculdade de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Av. João Naves de Ávila, 2160 Campus Santa Mônica Bloco 1M Uberlândia MG Brasil Bruno Silva Castro, bolsista IC PETMEC Faculdade de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Av. João Naves de Ávila, 2160 Campus Santa Mônica Bloco 1M Uberlândia MG Brasil Resumo Este trabalho estuda a possibilidade de integração de um Programa Seis Sigma numa empresa que vivencia uma gestão integrada que engloba sistemas de gestão da qualidade, meio ambiente, segurança e saúde ocupacional.o trabalho adota dois tipos de pesquisa: a exploratória, fundamentada na técnica de revisão de literatura do Programa Seis Sigma e dos sistemas de gestão da qualidade, meio ambiente, segurança e saúde ocupacional e na técnica de levantamento numa empresa de manufatura de Uberlândia MG, que recebeu indicação de certificação de Gestão Integrada da Qualidade pelas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996 e OSHAS 18001:1999. A Motorola Inc. concebeu o Programa Seis Sigma em 1986 como uma forma de atingir seus objetivos de multiplicar por cem os níveis de qualidade em um período de cinco anos. O Programa Seis Sigma proporcionou uma medida de qualidade que poderia ser adotada por toda a corporação desde a produção até as funções de suporte. O objetivo deste trabalho é mostrar como se complementam os requisitos das normas com o Programa Seis Sigma. Palavras-chave: qualidade, meio ambiente, segurança, saúde, Seis Sigma 1.INTRODUÇÃO

2 O mundo contemporâneo passa por uma fase de mudanças extremamente rápidas que impactam fortemente o posicionamento estratégico das instituições em seu contexto de atuação. A gestão empresarial está impreterivelmente direcionada ao consistente gerenciamento dos riscos e oportunidades, avaliando corretamente os efeitos da nova capacitação estratégica empresarial, num mercado cada vez mais competitivo. A atividade empresarial atenta ao mercado globalizado busca nova postura, combinando mais efetivamente os recursos disponíveis, de maneira a aumentar proativamente o volume de negócios, por meio da satisfação dos clientes, em que percebam o valor agregado nos produtos adquiridos. Segundo Juran (1990, p.9), este aumento da importância da qualidade para o público foi resultado da convergência de múltiplas tendências, citadas a seguir: preocupação crescente sobre os danos ao meio ambiente; ações judiciais impondo responsabilidades precisas; receio de grandes desastres e de quase desastres; pressão por parte de organizações de consumidores por melhor qualidade e reparação mais responsiva; público mais consciente do papel da qualidade na competição internacional. São crescentes as exigências da sociedade para que as empresas deixem de ser instituições meramente econômicas, mas que também apresentem um bom desempenho nas questões públicas e sociais. Os novos papéis exigidos pela sociedade promovem como necessidade premente das empresas uma reflexão com relação a seus princípios éticos, práticas de gestão e aplicação de tecnologias. Dentre os vários aspectos inerentes a esta transformação cultural, e que vem influenciando profundamente o comportamento das empresas, estão as questões de qualidade, segurança, meio ambiente e saúde. Elas vêm se transformando gradativamente em questões estratégicas, na medida em que podem ter um impacto significativo sobre a habilidade das empresas em atingirem seus objetivos. Portanto, não são questões a serem tratadas isoladamente, mas de forma integrada e incorporada à gestão global das empresas. Paralelamente a este fenômeno, no mundo todo suscitam adeptos do Programa Seis Sigma, criado pela Motorola em 1986 e que alcança notoriedade por ter sido implementando por Jack Welch, o Chief Executive Officer da General Eletric Inc., de forma que, devido aos resultados apresentados, foi outorgado ao Dr. John Francis Welch Júnior a alcunha de Executivo do Século. Hoje em dia, o Seis Sigma é amplamente utilizado por várias das principais organizações globais, com a finalidade de impulsionar as iniciativas de aumento contínuo da satisfação do cliente e redução de custos. 2.SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Marques (2000) comenta que existem 04 premissas verdadeiras detectadas em estudos em empresas mundiais com relação à implantação, desenvolvimento e manutenção de um Sistema de Gestão da Qualidade: Geração de altos níveis de excelência empresarial; Um Sistema de Gestão da Qualidade visa como foco ilimitado a satisfação dos clientes; Fatores que afetam a implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade: esforço contínuo; comprometimento de todos os colaboradores; valorizar o desejo do cliente e delegação de competência e habilidades; Todo trabalho colabora no geral e obedece a um processo de melhoria contínua organizacional. 3.SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

3 Segundo o site da Fundação de Desenvolvimento Gerencial, a empresa que não buscar adequar suas atividades ao conceito de desenvolvimento sustentável está fadada a perder competitividade em curto ou médio prazo. Investir numa empresa que polui é temerário para qualquer acionista com um mínimo de visão estratégica. Quanto mais poluidora a atividade, maiores são os desperdícios, os passivos ambientais, os riscos de multas, ações judiciais e reivindicações da comunidade. Tecnologias mais modernas levam em conta, invariavelmente, a redução dos níveis de poluição. Isto implica mudança de cultura e até mesmo mudança estrutural. A questão deixa de ser assunto exclusivo de um departamento e se torna parte integrante da atividade de cada membro da empresa, desde a Alta Administração até o chão de fábrica. Para que toda essa revolução cultural aconteça, a implantação de um Sistema de Gestão Ambiental é imprescindível e os resultados já relatados por diversas empresas, como os exemplos abaixo, podem ser responsáveis pelo crescente interesse do empresariado. Prevenção de riscos e prejuízos (acidentes ambientais, passivos ambientais, multas e outras penalidades, ações judiciais, etc); Redução de custos de seguro; Observância dos requisitos legais pertinentes; Redução de desperdícios, através da otimização do uso de recursos (matérias-primas, insumos, energia, água) e aproveitamento de rejeitos; Melhor relacionamento com a comunidade; Maior agilidade nos processos de licenciamento; Maior competitividade junto a mercados que valorizam a preservação ambiental (Ecomarketing); Acesso a financiamentos com taxas reduzidas; Melhoria da imagem institucional (conceito de empresa cidadã). A empresa moderna está atenta a essas questões e considera a gestão ambiental parte integrante do seu negócio. A implantação de um Sistema de Gestão Ambiental deve ser uma das prioridades estratégicas de qualquer organização que queira garantir sua competitividade e sobrevivência no mundo globalizado. Segundo Maffei (2001), na implementação do Sistema de Gestão Ambiental numa organização é possível observar alguns pontos importantes: Seguir fases previamente definidas para a implantação e desenvolvimento do Sistema de Gestão Ambiental: Valorização da empresa frente os clientes, acionistas e comunidade em geral, melhorando a imagem pública da organização, principalmente perante a sociedade, meios de comunicação, mercados consumidores nacionais e internacionais; Divulgação das informações ambientais para as partes interessadas (empregados, comunidade, imprensa e órgãos governamentais) de forma clara e objetiva; Redução de gastos com consumos de recursos naturais; Melhoria contínua do desempenho ambiental da organização. 4.SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL A APAU - ACCIDENT PREVENTION ADVISORY UNIT (1992) destaca alguns fatores pelos quais uma empresa precisa ter um sistema de gestão da segurança e saúde ocupacional: Redução dos acidentes de trabalho; Redução de doenças profissionais; Redução de custos com acidentes e doenças profissionais; Maior intensidade no cumprimento da legislação de segurança e saúde;

4 Melhoria das condições nos ambientes de trabalho; Redução das exigências dos empregados; Melhoria da qualidade e produtividade; Melhoria da imagem pública da empresa. Segundo Maffei, os acidentes de Chernobyl na Ucrânia (antiga União Soviética) em 1986 e Bhopal na Índia em 1984 demonstram a preocupação da comunidade em geral em estabelecer junto às organizações princípios de responsabilidade civil e social, sendo, por exemplo: Programa de atendimento e resposta a emergências internas e externas às instalações industriais; Comunicação aos trabalhadores e às partes interessadas sobre os riscos e perigos; Divulgação em jornais, tv e Internet, dados públicos de segurança e saúde da empresa; Transparência das atividades fabris e procedimentos de prevenção adotados pelas organizações; Melhorar a imagem pública institucional das organizações. Na implantação do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional numa organização é possível destacar alguns aspectos importantes: Identificação e o gerenciamento adequado dos riscos de segurança e saúde ocupacional; Geração de uma maior qualidade e produtividade dos empregados e dos processos fabris dentro da organização; Melhoria da imagem pública da organização com a redução ou eliminação de acidentes do trabalho. 5.SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Segundo a Souza Cruz S.A., as vantagens primárias da certificação do QuEnSH (Sistema de Gestão Integrada de Qualidade, Meio Ambiente, Segurança e Saúde Ocupacional) são: O pioneirismo de ser a primeira e até o momento a única empresa no mundo com certificação multi-site integrada nas 3 normas (ISO 9001:2000, ISO 14001:1996 e OSHAS 18001:1999), tanto nos Departamentos de Fumo quanto nos Departamentos de Produção; Atende as exigências de dois dos nossos principais clientes; Estabelece uma vantagem competitiva em relação aos nossos principais concorrentes, que possuem certificação mono-site somente pela ISO 9001:1994; Aumenta a previsibilidade e cria base de sustentação para o melhoramento contínuo dos resultados gerenciais; 5.1.Filosofia de Implantação Uma única Política Partindo-se da premissa de que o sistema é integrado, elabora-se uma única política contemplando as três dimensões. Preferencialmente, a prática de qualquer empregado, subcontratado ou não, explanar ao supervisor da área a Política, bem como os aspectos e impactos que a atividade a ser desenvolvida possa causar, deve ser encorajada Um único manual de gestão Considerando-se que os requisitos das três normas são filosoficamente bastante similares, compartilhando-se princípios comuns de sistemas de gestão da qualidade, constrói-se um manual que contemple todos os requisitos de qualidade, meio ambiente, segurança e saúde ocupacional. Devem ser identificadas as ligações e as correspondências técnicas gerais entre as três normas, para se garantir a compatibilidade entre as mesmas.

5 5.1.3.Aproveitamento dos documentos e sistemas já existentes Todas as iniciativas, hábitos positivamente enraizados pela própria cultura da empresa e sistemas existentes por ocasião do início do processo de implantação, referentes à qualidade, meio ambiente, segurança e saúde ocupacional devem ser analisadas, formatadas e incorporadas ao novo sistema Constância de propósitos e comunicação Conforme Deming (1992), a constância de propósitos da Alta Administração deve ser positiva e inspirar confiança, a fim de se eliminar o medo da mudança. A comunicação a respeito da implantação do novo sistema deve ser solidamente difundida, bem como utilizando-se todos os meios de comunicação possíveis, desde correio eletrônico, reuniões, palestras, cartazes, folders, treinamentos, etc. A Souza Cruz S.A. aproveita todas as oportunidades e recursos de comunicação e as repassa às visitas institucionais, o que, de certa forma, consolida o chamado marketing boca-a-boca. 5.2.Benefícios do Sistema Integrado A Souza Cruz S.A. enxerga os seguintes benefícios do Sistema Integrado de Gestão: Abordagem Econômica Reduz acidentes e doenças ocupacionais que impõem custos financeiros aos indivíduos, empregadores e sociedade em geral; Reduz os custos não-segurados decorrentes de perdas por acidentes que em média situam-se entre 8 e 36 vezes maiores do que os custos dos prêmios de seguro (média nacional); Elimina o risco potencial de ter que arcar com custos decorrentes da aplicação de multas por agressão ao Meio Ambiente, que muitas vezes são maiores que o lucro do período. Abordagem Gerencial Reduz os custos de implantação e manutenção do Sistema de Gestão; Induz a tomada de decisões com visão sistêmica; Reduz a dispersão de esforços em trabalho paralelos Otimiza o fluxo de informação reduzindo deste modo a ocorrência de erros (toda informação concentrada num único documento); Demonstra que a Souza Cruz é uma empregadora que quer e proporciona um ambiente de trabalho seguro, o que é muito importante para consolidar parcerias com os atuais e futuros empregados. Abordagem da Imagem Corporativa Fortalece a imagem corporativa perante a sociedade; Mostra o compromisso da Souza Cruz em oferecer produtos consistentes e de alta qualidade para todos os consumidores que diariamente compram seus produtos; Demonstra que a Souza Cruz objetiva proteger o meio - ambiente enquanto conduz seu negócio, tendo um processo e um comprometimento para tal; Facilita a formação de parcerias externas com Notáveis formadores de opinião; Alinha a empresa com a tendência das maiores organizações mundiais; Abordagem Jurídica Fortalece a defesa da empresa perante a ANVISA e outras entidades afins; Fortalece a defesa da empresa perante novos "issues" legais; Fortalece a defesa da empresa perante acusações de problemas ambientais e de saúde pública; Prepara a empresa para enfrentar uma Legislação cada vez mais restritiva às suas atividades; Robustece a posição da empresa perante a Justiça do Trabalho; Demonstra para os órgãos públicos que a Souza Cruz é uma empresa séria, responsável e comprometida com a sociedade;

6 Abordagem da Responsabilidade Social Reconhecimento da comunidade, da sociedade e dos funcionários como partes interessadas. Cumprimento e superação das obrigações legais. Consciência moral e cívica decorrente do entendimento do papel da empresa no desenvolvimento da sociedade. Educação e assistência comunitária, proteção de ecossistemas, adoção de políticas nãodiscriminatórias, participação no desenvolvimento nacional. Basicamente, a filosofia de inovação e busca da melhoria contínua foi empregada, conforme se nota na Figura 1: Administração Científica PNQ C O M P L E X I D A D E Inspeção 100 % CE Q CE P IQ CQ GQ CCQ TQC TQM ISO 9000:2000 IS OHSA O S18000 IS 9000:1994 O QuEnSH Negócio Sistema Processo Produto Tempo Estilos de Gestão REATIVO CORRETIVO PREVENTIVO PREDITIVO Figura 1 Evolução da Gestão nas Empresas 6.PROGRAMA SEIS SIGMA Segundo Rosa (2000), há pelo menos vinte anos vem ocorrendo uma verdadeira revolução na forma das empresas conduzirem seu negócio ao redor do mundo. É a revolução da Qualidade. Todos aprendemos a conviver no dia-a-dia com termos como: Total Quality Management (TQM); Melhoria Contínua; Zero Defeitos; Just in Time (JIT); Kaisen e tantos outros que fazem parte de muitas empresas. Seis Sigma tem muito em comum com estas formas de conduzir um negócio, mas, ao mesmo tempo, possui uma forma particular, uma metodologia própria de tornar uma empresa extremamente boa naquilo que faz, atingindo níveis excelentes de qualidade. E de uma forma bastante simples utilizando ferramentas da qualidade conhecidas de grande parte do público e técnicas estatísticas

7 simples. Além disso, a iniciativa Seis Sigma gera ganhos muitas vezes maiores do que os investimentos necessários para implementá-la (Wilson, 2000). O Seis Sigma é uma das mais poderosas ferramentas de gestão que visa aumentar a participação de mercado, reduzir custos e melhorar processos e a lucratividade de empresas de qualquer tamanho e setor de atividade. É um processo de negócio que permite às organizações incrementar seus lucros através da otimização de operações, melhoria da qualidade e eliminação de defeitos, falhas e erros (Wilson, 2000). 6.1.Definição A aplicação da metodologia Seis Sigma utilizada pela GE pode ser dividida em cinco fases: Definição, Medição, Análise, Melhoria e Controle (D-M-A-I-C). A primeira, Definição (D), é a fase de identificação de qual processo (Y) do negócio será melhorado para atender a uma Característica Crítica para o cliente (CTQ) visando o aumento de sua satisfação. Uma vez identificado o processo a ser melhorado, diz-se que está identificado um Projeto Seis Sigma. Parte-se então para a verificação da viabilidade econômica do projeto e previsão dos benefícios (financeiros inclusive) que podem ser alcançados. Esta fase costuma ser simples de se aplicar na manufatura, onde os processos que geram produtos defeituosos e que, portanto, devem ser melhorados estão bastante claros. Como exemplo, diminuir erros de montagem de uma peça, diminuir reparos e retrabalhos, diminuir o ciclo de tempo para executar uma tarefa, etc. Já no caso das áreas de apoio (comerciais e Recursos Humanos, por exemplo), muitas vezes não é fácil identificar quais processos têm impacto sobre a satisfação do cliente, principalmente porque as pessoas não têm o costume de enxergar suas atividades como um processo. Exemplos de processos que geram impacto sobre a satisfação do cliente em áreas comerciais são: diminuir número de erros na emissão de ordens de compras ou na emissão de notas fiscais, diminuir o tempo para importar um produto, diminuir o tempo para atender a uma chamada de um cliente, diminuir o tempo para entregar um item solicitado por um cliente, etc. A fase de Definição é caracterizada por quatro etapas. A primeira consiste em clarificar as necessidades dos clientes também chamada de compreender a voz do cliente. A etapa seguinte busca definir as necessidades, traduzindo a voz do cliente em características críticas para a qualidade. Estas duas etapas determinam o que se entende como foco voltado ao cliente da fase de Definição. As próximas etapas são a definição do processo a ser melhorado e as propostas de projeto, fechando a chamada seleção de projetos da fase de Definição. 6.2.Foco voltado ao cliente. As ferramentas mais utilizadas nesta primeira parte da fase de Definição são: matriz de seleção de clientes estratégicos, benchmarking de desempenho, Desdobramento da Função Qualidade (QFD), técnicas de pesquisa com clientes, gerenciamento de relações e dashboards. 6.3.Seleção de projetos. As etapas que compõe a chamada seleção de projetos da Fase de Definição são a definição do processo a ser melhorado e as propostas de projeto. As ferramentas normalmente utilizadas na etapa de definição do processo são Fluxograma do Processo e mapeamento do processo através da descrição dos fornecedores, insumos, processo, resultados e clientes. O processo pode ser descrito simplesmente (Equação 1) como: Y = F(X1, X2, X3, X4, X5,...etc) onde: (1)

8 Y = resultado ou um projeto selecionado X = Contribuições múltiplas (ex: impacto ao cliente, impacto à empresa, risco, oportunidades, etc.).tais contribuições (X) são os fatores que determinam se o projeto deve ou não ser priorizado. 6.4.Processo de seleção de projetos A seleção de projetos normalmente segue um processo definido. Este processo é caracterizado pelas seguintes fases: 1. Identificar as lacunas de desempenho: As lacunas no desempenho são detectadas a partir das medições do desempenho do processo frente aos CTQ s identificados. Se existe alguma necessidade do cliente que não está sendo atendida, está identificada uma lacuna. 2. Associar ao processo: Identificada a lacuna no desempenho, esta deve ser relacionada ao processo para que seja possível encontrar a causa raiz do problema. 3. Analisar a causa de origem: Esta fase consiste na análise da causa raiz, identificando o processo defeituoso e verificando a necessidade/viabilidade ou não de um Projeto Seis Sigma. 4. Determinar a amplitude: Consiste em determinar a dimensão e o defeito do projeto. 5. Avaliar e priorizar: Nem todos os projetos identificados devem ser executados. Deve-se evitar o comprometimento em projetos com o cliente sem antes avaliar e priorizar o projeto. 6. Projetos selecionados: Fim do processo de seleção de projetos; projetos selecionados e supridos. Avaliando-se os projetos e considerando-se vários fatores, faz-se a priorização, ressaltando aquele que demonstra ser o mais adequado. Neste momento, o que se considera são aspectos como impacto ao cliente, impacto à empresa, alinhamento com a estratégia empresarial e recursos disponíveis para o seu desenvolvimento. Cabe ressaltar que benefícios financeiros para a empresa ou para os clientes é um fator de extrema importância. A Figura 2 ilustra o fluxograma do processo de seleção de projetos. Figura 2 - Fluxograma do processo de seleção de projetos (GE América Latina, 2000) 6.5.Definição do processo Selecionado o projeto e identificado o processo crítico, inicia-se a etapa de definição e mapeamento do processo.

9 Existem algumas ferramentas de definição e mapeamento do processo. As mais comuns são o fluxograma método mais tradicional e o SIPOC. O Fluxograma do processo consiste na representação das etapas do processo seguindo o seu fluxo de atividades. Força uma compreensão mais detalhada do processo, inclusive da fábrica escondida. O SIPOC (Supplies, Inputs, Process, Outputs and Clients), semelhante à Descrição de Negócio do Gerenciamento da Rotina e do Trabalho do Dia-a- Dia de Falconi (1994), preocupa-se em delimitar o processo identificando os fornecedores, insumos, processo em si, resultados e clientes, ressaltando onde o processo inicia e onde termina. Proporciona o foco nos inputs (insumos) e variáveis que possam afetar o output (resultado) do processo. 6.6.Propostas de Projeto A proposta de projeto consiste em uma declaração em nível macro sobre o problema assim como descrito pelo cliente, incluindo quaisquer dados atualmente disponíveis. Deve apresentar uma descrição do defeito e da oportunidade e quantificação primária dos benefícios financeiros. Os componentes de uma proposta de projeto incluem: a)uma declaração descrevendo o problema em termos mensuráveis, concisos e claros; b) as definições do defeito e da oportunidade; c) os benefícios de realizar o projeto; d) a definição da dimensão do projeto, metas e marcos; e) os membros da equipe; f) papéis e responsabilidades individuais. A proposta de projeto torna-se um projeto Seis Sigma somente após a aprovação da linha de base do processo e da análise custo / benefício preliminar. 7.APLICAÇÃO DE PROJETOS SEIS SIGMA EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO A própria certificação multi-site integrada da Souza Cruz S.A., em seus Departamentos de Fumo e Produção, por si só, já a credencia como empresa de vanguarda. A ênfase em qualidade e produtividade, gerência estratégica de custos, seu treinamento em controle estatístico de processos bem estruturado e embasado, incluindo on job training, seu programa de manutenção preventiva autônoma, MAUTO, bem como sua obsessão por saúde e segurança ocupacional, aliada à postura aberta a discussões de seu polêmico produto corrobora para que a disseminação de Projetos Seis Sigma encontre um solo bastante fértil neste sentido. Foram encontradas oportunidades, na Souza Cruz S.A. (Fábrica Uberlândia), de aplicação de ferramentas Seis Sigma como FMEA, Cp, Cpk, DOE e QFD, seja nos setores primários, seja nos setores produtivos, aplicável tanto à ela com a seus fornecedores. Isto se deve às várias fontes de variabilidades encontradas tanto nos insumos fumo e filtro, que acabam interferindo no desempenho dos equipamentos já existentes, com índices de qualidade / produtividade em torno de 85%, em média. Segundo Falconi (2002), onde existe uma média, sempre há uma oportunidade de ganho. 8.CONCLUSÕES Atingir níveis de Escala 6σ (3,4 PPM) em seus Departamentos de Fumo e Produção ainda é um sonho distante para a Souza Cruz S.A., porém, a filosofia constante de busca de inovação, de técnicas de gestão modernas e de tecnologias ainda podem ser empregadas em seus departamentos de serviços que não agregam valor, reduzindo custos e revertendo as perdas associadas ao ambiente externo, tais como legislação cada vez mais restritiva e contrabando em massa. 9.AGRADECIMENTOS Agradeço ao Gerente de Produção da Souza Cruz S.A.(Fábrica Uberlândia) Adroaldo Rossi Jr., ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica da Faculdade de Engenharia Mecânica da

10 Universidade Federal de Uberlândia e ao Prof. Dr. Renan Billa pela atenção e apoios dispensados durante o Estudo Dirigido que resultou neste trabalho. 10.REFERÊNCIAS Rosa, Érica Zucareli,, EFEI / IEM, 2000, Study of the Definition Phase of the Six Sigma Methodology Used by General Electric GE, Itajubá, Brazil. Wilson, Mario Perez, 2000, Six Sigma: understanding the concepts, implications and challenges, Qualitymark Editora Ltda., Rio de Janeiro, Brazil. Juran, Joseph. M., Total Quality Control Handbook, Makron Books, 1991, São Paulo, Brazil. Marques, Ricardo André. The quality of the Accreditation Close to Brazilian Net of Rehearsals to the National Prize of Quality In: BRAZILIAN CONGRESS OF THE QUALITY AND PRODUCTIVITY, 10., 2000, Gramado., Novo Hamburgo, Brazil Deming, William Edwards, The New Economics, 1997, Qualitymark Editora Ltda., Rio de Janeiro, Brazil APAU, Administration of the safety and of the health. Lisboa: Gradiva, p., Portugal Maffei, José Carlos, Study of potentiality of the integration of systems of management of the quality, environment, safety and occupational health, 2001, Florianópolis, Brazil. Campos, Vicente Falconi, Total Quality Control in Japanese Way, 1994, Fundação Christiano Ottoni, UFMG, Belo Horizonte, Brazil. INTEGRATION OF THE PROGRAM SIX SIGMA IN SYSTEMS OF ADMINISTRATION OF THE QUALITY, ENVIRONMENT, SAFETY AND OCCUPATIONAL HEALTH Abstract This work studies the possibility of integration of a Program Six Sigma in a company that lives an administration integrated that it includes systems of administration of the quality, environment, safety and health occupational. O work adopts two research types: the exploratory, based in the technique of revision of literature of the Program Six Sigma and of the systems of administration of the quality, environment, safety and occupational health and in the rising technique in a company of manufacture of Uberlândia - MG, that received indication of certification of Integrated Administration of the Quality for the norms ISO 9001:2000, ISO 14001:1996 and OSHAS 18001:1999. Motorola Inc. conceived the Program Six Sigma in 1986 as a form of reaching their objectives of multiplying for a hundred the quality levels in a period of five years. The Program Six Sigma provided a quality measure that could be adopted by the whole corporation - from the production to the support functions. The objective of this work is to show as the requirements of the norms are complemented with the Program Six Sigma. keywords: quality, environment, safety, health, Six Sigma

O GERENCIAMENTO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS E PRODUTIVOS PELA GESTÃO INTEGRADA

O GERENCIAMENTO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS E PRODUTIVOS PELA GESTÃO INTEGRADA 13 o POSMEC - Simpósio do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica O GERENCIAMENTO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS E PRODUTIVOS

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL OLIVEIRA,Ana Paula de¹ OLIVEIRA,Dirce Benedita de¹ NERY,Miriã Barbosa¹ SILVA, Thiago² Ferreira da² RESUMO O texto fala sobre o controle da qualidade total, como ela iniciou

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS PARA MANTER A COMPETITIVIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS PARA MANTER A COMPETITIVIDADE DAS ORGANIZAÇÕES A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS PARA MANTER A COMPETITIVIDADE DAS ORGANIZAÇÕES ROMUALDO DA SILVA, Paulo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça/ACEG E-mail: paulo_romualdo@itelefonica.com.br

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

Dificuldades da implantação do programa Seis Sigma

Dificuldades da implantação do programa Seis Sigma Dificuldades da implantação do programa Seis Sigma Diego Paulo Penczkoski (Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR - Campus Ponta Grossa) E-mail: diegopaulop_msn@hotmail.com Bruno Pedroso (Universidade

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA. Tem como propósito contribuir na melhoria da competitividade e sustentabilidade das organizações.

NOSSA HISTÓRIA. Tem como propósito contribuir na melhoria da competitividade e sustentabilidade das organizações. INSTITUCIONAL NOSSA HISTÓRIA Desde 1988, ano de sua fundação, a Qualtec desenvolve as melhores soluções para seus clientes na implantação, auditoria e treinamentos de sistema de gestão e estratégia corporativa

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

OS INDICADORES DE GERENCIAMENTO DE PROCESSO ESTUDO DE CASO FURNAS

OS INDICADORES DE GERENCIAMENTO DE PROCESSO ESTUDO DE CASO FURNAS OS INDICADORES DE GERENCIAMENTO DE PROCESSO ESTUDO DE CASO FURNAS Almenara Gobe (1); Flávia Costa Tenório (2); Tatiana Gondim do Amaral (3) e Claudio Luiz de Carvalho (4) (1) Escola de Engenharia Civil

Leia mais

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Curso de Especialização em Gestão da Produção Prof. Dr. Jorge Muniz Jr. Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann UNESP Universidade Estadual Paulista FEG Faculdade

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Otimização de. Processos I

Otimização de. Processos I Seis Sigma Otimização de Gestão de Negócios Processos I Alberto Pezeiro Sócio Diretor Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br (11) 8110-0026 www.setadg.com.br 1 Introdução Otimização de A

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5.1 INTRODUÇÃO Todas as pessoas convivem sob a sombra da palavra qualidade. Não é para menos, a qualidade tornou-se alicerce fundamental para as organizações, onde ganhou destaque

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

SEIS SIGMA: O ESTADO DA ARTE NA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS LEVANDO À REDUÇÃO DE ÍNDICES DE PERDAS.

SEIS SIGMA: O ESTADO DA ARTE NA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS LEVANDO À REDUÇÃO DE ÍNDICES DE PERDAS. 1 SEIS SIGMA: O ESTADO DA ARTE NA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS LEVANDO À REDUÇÃO DE ÍNDICES DE PERDAS. Tema VII Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento: Recursos Humanos, Políticas Públicas e Educação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ 15 anos 15 anos 1 Quem somos 15 anos de atuação. Foco em

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO

19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO Autor(es) THIAGO GUIMARAES AOQUI Orientador(es) IRIS BENTO

Leia mais

1. Conceitos e princípios da qualidade: nichos da qualidade; erros da qualidade.

1. Conceitos e princípios da qualidade: nichos da qualidade; erros da qualidade. 1/6 1. Conceitos e princípios da qualidade: nichos da qualidade; erros da qualidade. Nichos da Qualidade É a partir destas avaliações que, por exemplo, duas empresas do mesmo ramo podem atuar em nichos

Leia mais

Como Selecionar Projetos Seis Sigma

Como Selecionar Projetos Seis Sigma Como Selecionar Projetos Seis Sigma Cristina Werkema Etapas do processo de seleção A definição dos projetos a serem desenvolvidos pelos Black Belts e Green Belts é uma das atividades mais importantes do

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria PPGE3M/UFRGS DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria Profa. Dra. Rejane Tubino rejane.tubino@ufrgs.br SATC 2013 Fone: 3308-9966 Programa da Disciplina Apresentação da disciplina Conceitos preliminares.

Leia mais

Congresso Internacional Six Sigma

Congresso Internacional Six Sigma Reestruturando o Mercado Corporativo Conceito Seis Sigma Projeto (PMBok) O Seis Sigma é uma estratégia gerencial disciplinada e altamente quantitativa, que tem como objetivo aumentar expressivamente a

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE GESTÃO AUTOMOTIVA SEMINÁRIO APQP / PPAP Propiciar aos participantes uma visão crítica do APQP e do PPAP, seus benefícios

Leia mais

Uma Discussão sobre a Implantação de Modelos de Custos de Má Qualidade (CMQ) em Empresas de Seguros

Uma Discussão sobre a Implantação de Modelos de Custos de Má Qualidade (CMQ) em Empresas de Seguros Uma Discussão sobre a Implantação de Modelos de Custos de Má Qualidade (CMQ) em Empresas de Seguros Francisco Galiza 1 Rosangela Catunda 2 Agosto/2004 1 Sócio da Rating das Seguradoras Consultoria Empresarial,

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história.

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XIX - RESUMO Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. Posteriormente, ocorreu a Revolução Industrial, em que a subsistência

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL QUALIDADE TOTAL Fabiana Neves Jussara Rodrigues Menezes Faculdade Paulo Setúbal Prof. Engo. Helder Boccaletti Faculdade Paulo Setúbal, Tatuí-SP/ Fatec Itapetininga Revista Perspectiva em Educação, Gestão

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA fundada em 1986 É precursora na implementação de serviços especializados em mapeamentos de competências humanas. Empresa de pesquisa aplicada especializada

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Março e Abril de 2014 Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Planejamento Estratégico

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

"Seis Sigma" no gerenciamento dos processos e negócios das empresas

Seis Sigma no gerenciamento dos processos e negócios das empresas "Seis Sigma" no gerenciamento dos processos e negócios das empresas Introdução: Como resultado do trabalho pioneiro na Motorola - reforçado pelo esforço de empresas do porte da ABB, Alied Signal, General

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Perspetivas de Evolução da Qualidade

Perspetivas de Evolução da Qualidade Perspetivas de Evolução da Qualidade Luis Fonseca luismiguelcfonseca@gmail.com lmf@isep.ipp.pt 1 1. Evolução da Qualidade Artesão: abordagem histórica desde a antiguidade e que ainda prevalece em certas

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados APRESENTAÇÃO PROPÓSITO Fazer a DIFERENÇA no DESENVOLVIMENTO saudável e sustentável das PESSOAS e das ORGANIZAÇÕES. VISÃO VISÃO DA EMPRESA TERMOS NOTÓRIO RECONHECIMENTO DA NOSSA COMPETÊNCIA NA GESTÃO DAS

Leia mais

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto)

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

ivirtua Solutions 4 ITIL

ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions ITIL WHITEPAPER ITIL INTRODUÇÃO O ITIL é o modelo de referência para endereçar estruturas de processos e procedimentos à gestão de TI, organizado em disciplinas

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE RESUMO. 1. Introdução

CUSTOS DA QUALIDADE RESUMO. 1. Introdução CUSTOS DA QUALIDADE Rodrigo Barbosa Campo 1. RESUMO Este artigo analisa bibliografias relativas aos custos da qualidade, levantando a importância deste assunto para a competitividade e rentabilidade atual.

Leia mais

Sistemas de Indicadores de Desempenho

Sistemas de Indicadores de Desempenho Sistemas de Indicadores de Desempenho Aula 11 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Indicadores Indicadores são formas de representação quantificáveis das características de produtos

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

A revolução da excelência

A revolução da excelência A revolução da excelência ciclo 2005 PNQ Foto: Acervo CPFL CPFL Paulista, Petroquímica União, Serasa e Suzano Petroquímica venceram o Prêmio Nacional da Qualidade 2005. A Albras, do Pará, foi finalista.

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 21/11/28 Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 21/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R SO / VC RESPONSÁVEL PELA DISTRIBUIÇÃO : (ÁREA)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009 A GESTÃO DO NEGÓCIO ATRAVÉS DA METODOLOGIA E A BUSCA PELA EXCELÊNCIA OPERACIONAL 1 ALBERTO PEZEIRO SÓCIO - DIRETOR pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais