CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ESTUDO SOBRE AS QUESTÕES AMBIENTAIS EM UMA EMPRESA CALÇADISTA Ederson Macedo Paterlini Orientador Prof. M.Sc. Tadeu Tomio Sudo RIBEIRÃO PRETO 2011

2 2 EDERSON MACEDO PATERLINI ESTUDO SOBRE AS QUESTÕES AMBIENTAIS EM UMA EMPRESA CALÇADISTA Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário UNISEB de Ribeirão Preto, como parte dos requisitos para obtenção do grau de Bacharel em Engenharia de Produção. RIBEIRÃO PRETO 2011

3 3 FICHA CATALOGRÁFICA UniSEB - Biblioteca Virtual Nome completo do Autor(s).: Ederson Macedo Paterlini Nome do autor(s). (sem o sobrenome): Ederson Sobrenome do autor(s).: Paterlini Titulo do Trabalho: ESTUDO SOBRE AS QUESTÕES AMBIENTAIS EM UMA EMPRESA CALÇADISTA Subtitulo do Trabalho: - Numero de paginas: 72 Ilustrado: Sim Local / Cidade: Ribeirão Preto Ano: 2011 Nome da Faculdade: Centro Universitário UniSEB Unidade: 1 Nome completo do orientador precedido da titulacao: Prof. MSc. Tadeu Tomio Sudo Sobrenome do orientador: Tomio Nome do orientador (sem o sobrenome): Tadeu Nome do curso: Engenharia de Produção Assunto: Estudo sobre as questões ambientais em uma empresa calçadista Palavra-chave: gestão ambiental; sistema de gerenciamento ambiental; taxonomia ambiental; empresa calçadista. do autor: Resumo: Novos conceitos baseados em desenvolvimento sustentável tem posto em pauta as questões ambientais e dessa forma, atualmente, procura-se a conscientização das pessoas para que as futuras gerações possam usufruir de um planeta menos poluído, com qualidade de vida e mantendo o meio ambiente preservado. A gestão ambiental pode se transformar em uma excelente oportunidade para minimizar custos, seja através da venda ou da reciclagem dos resíduos (logística reversa), seja por meio de tecnologias menos poluentes. Este trabalho tem o objetivo analisar, através de um estudo de caso, a gestão de resíduos industriais em uma indústria calçadista da cidade de Franca no interior do Estado de São Paulo, diagnosticando como a empresa trata a questão ambiental e qual o estágio taxonômico em que se encontra. A pesquisa apresentada nesse trabalho é um estudo de caso descritivo, de abordagem qualitativa e com dados obtidos por meio de documentação, questionário e observação. Nesse trabalho através da utilização dos métodos préestabelecidos, atingiu-se o objetivo proposto, que visava diagnosticar como a indústria de calçados analisada tratava as questões ambientais e classificá-la de acordo com a taxonomia para a gestão ambiental sugerida, a qual pôde ser classificada como utilizadora de técnicas de controle.

4 4 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Aluno: Ederson Macedo Paterlini Código: 7193 Curso: Engenharia de Produção Semestre/Ano: 10º/2011 Tema: Estudo sobre as questões ambientais em uma empresa calçadista Objetivos pretendidos: Verificar como a questão ambiental é tratada em uma empresa do ramo calçadista. / / Tadeu Tomio Sudo Professor Orientador / / Ederson Macedo Paterlini Aluno / / Alexandre Castro Moura Duarte Coordenador do curso / / Prof. Reginaldo Arthus Vice-Reitor

5 5 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FATCC Tema do trabalho: Estudo sobre as questões ambientais em uma empresa calçadista Data da apresentação: / / Horário: Local: Comissão Julgadora: 1) Professor Orientador: 2) Professor da Área: 3) Professor Convidado:

6 6 Fatores de Avaliação Pontuação (0,0 a 2,0) 1. Atualidade e relevância do tema proposto. 2. Linguagem técnica utilizada em relação ao tema e aos objetivos, e competência lingüística. 3. Aspectos metodológicos e formais da editoração do trabalho escrito - seqüência lógica e coerência interna. 4. Revisão Bibliográfica realizada em relação ao tema pesquisado. 5. Apresentação oral segurança e coerência em relação ao trabalho escrito. Média: ( ) Assinaturas dos membros da Comissão Julgadora: 1) / / 2) / / 3) / /

7 7 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus pais e minha irmã que me apoiaram desde o começo.

8 8 AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer a todos que participaram de minha graduação nas Faculdades COC, principalmente aos meus amigos e Professores Alexandre Castro Moura Duarte e Tadeu Tomio Sudo.

9 9 Se A é o sucesso, então A é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada. Albert Einstein

10 10 RESUMO PATERLINI, Ederson Macedo. Estudo sobre as questões ambientais em uma empresa calçadista f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia de Produção) Centro Universitário UniSEB, Ribeirão Preto. Novos conceitos baseados em desenvolvimento sustentável tem posto em pauta as questões ambientais e dessa forma, atualmente, procura-se a conscientização das pessoas para que as futuras gerações possam usufruir de um planeta menos poluído, com qualidade de vida e mantendo o meio ambiente preservado. A gestão ambiental pode se transformar em uma excelente oportunidade para minimizar custos, seja através da venda ou da reciclagem dos resíduos (logística reversa), seja por meio de tecnologias menos poluentes. Este trabalho tem o objetivo analisar, através de um estudo de caso, a gestão de resíduos industriais em uma indústria calçadista da cidade de Franca no interior do Estado de São Paulo, diagnosticando como a empresa trata a questão ambiental e qual o estágio taxonômico em que se encontra. A pesquisa apresentada nesse trabalho é um estudo de caso descritivo, de abordagem qualitativa e com dados obtidos por meio de documentação, questionário e observação. Nesse trabalho através da utilização dos métodos pré-estabelecidos, atingiu-se o objetivo proposto, que visava diagnosticar como a indústria de calçados analisada tratava as questões ambientais e classificá-la de acordo com a taxonomia para a gestão ambiental sugerida, a qual pôde ser classificada como utilizadora de técnicas de controle. Palavras-chave: gestão ambiental; sistema de gerenciamento ambiental; taxonomia ambiental; empresa calçadista.

11 11 ABSTRACT PATERLINI, Ederson Macedo. Diagnóstico do tratamento das questões ambientais em uma empresa de calçados e seu enquadramento no estágio taxonômico f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia de Produção) Centro Universitário UniSEB, Ribeirão Preto. New concepts based on sustainable development has put environmental issues on the agenda and thus, currently seeks to educate people so that future generations can enjoy a cleaner planet, with quality of life and keeping the environment preserved. Environmental management can become an excellent opportunity to minimize costs, either through sale or recycling of waste, whether through cleaner technologies. This paper aims to analyze through a case study, management of industrial wastes in a shoe industry in Franca, diagnosing how the company treats environmental issues and what stage you are in taxonomy. The research presented in this paper is a descriptive case study of qualitative approach and data obtained through documentation, questionnaires and observation. This work through the use of pre-established methods, it has achieved the goal proposed, which aimed to diagnose the shoe industry was studied environmental issues and classify it according to the taxonomy suggested for environmental management, which could be classified as a user control techniques. Keywords: environmental management, environmental management systems, taxonomy, environmental, footwear company.

12 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO OBJETIVO JUSTIFICATIVA GESTÃO AMBIENTAL INTRODUÇÃO RAZÕES PARA SE INTEGRAR NA CAUSA AMBIENTAL IMPACTO NO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO IMPORTÂNCIA E PARTICIPAÇÃO DAS UNIDADES ADMINISTRATIVAS GESTÃO DE RESÍDUOS SISTEMAS DE GERENCIAMENTO AMBIENTAL CUSTOS DA QUALIDADE CUSTOS DA QUALIDADE AMBIENTAL SISTEMA DE CUSTOS DA QUALIDADE AMBIENTAL TAXONOMIAS DA GESTÃO AMBIENTAL METODOLOGIA DA PESQUISA REVISÃO SOBRE O MÉTODO CIENTÍFICO ESCOLHA DO MÉTODO E PLANEJAMENTO DA PESQUISA ESTUDO DE CASO CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA DISCUSSÃO DOS DADOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 72

13 13 INTRODUÇÃO Novos conceitos baseados em sustentabilidade têm colocado em pauta as questões ambientais nos dias atuais e, dessa forma, procura-se conscientizar a população desde trabalhos nas escolas, até estratégias de marketing adotadas por empresas e governos para que as futuras gerações possam usufruir de um planeta menos poluído, com qualidade de vida e mantendo o meio ambiente preservado (DONAIRE, 1999). Desenvolvimento sustentável, segundo Torresi (2010), é o desenvolvimento que busca satisfazer as necessidades atuais sem comprometer a capacidade das gerações futuras satisfazerem suas próprias necessidades. O desenvolvimento sustentável é um conjunto de modelos que visa atender as necessidades humanas e que se torna realmente sustentável quando se atingem aspectos ambientais, sociais e econômicos (figura 1). Figura 1 Integração das dimensões da sustentabilidade Ainda de acordo com Torresi (2010), é importante que a conservação do meio ambiente esteja inserida no contexto político abordado pelo governo, enfatizando que a população também tem sua responsabilidade, estando sempre em alerta para os perigos de ações relacionadas ao meio ambiente. Além disso, para Kraemer (2011), o

14 14 desenvolvimento sustentável introduz uma dimensão ética e política que considera o desenvolvimento como um processo de mudança social. Atualmente uma das questões mais abordadas no âmbito da gestão empresarial, é a gestão ambiental que vem se tornando cada vez mais significativa e presente nas estratégias apresentadas pelas empresas. Através dela, é possível a mobilização das organizações para se adequar à promoção de um meio ambiente ecologicamente equilibrado. Seu objetivo é a busca de melhoria constante dos produtos, serviços e ambiente de trabalho, em toda organização, levando-se em conta o fator ambiental. Apesar de se mostrar necessária, a implantação de uma gestão ambiental acarretará um acréscimo dos custos e despesas. Além do que, os resultados não aparecem tão rapidamente, sendo um conceito que deve ser aplicado em longo prazo (DONAIRE, 1999). As organizações estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho ambiental correto, controlando o impacto de suas atividades, produtos ou serviços no meio-ambiente, levando em consideração sua política e seus objetivos ambientais. Esse comportamento se insere no contexto de uma legislação cada vez mais exigente, do desenvolvimento de políticas econômicas, de outras medidas destinadas a estimular a proteção ao meio ambiente e de uma crescente preocupação das partes interessadas em relação às questões ambientais e ao desenvolvimento sustentável. Para auxiliar as empresas a alcançar seus objetivos ambientais, sociais e econômicos foram estabelecidas normas, a ISO 14000, que têm por objetivo prover às organizações os elementos de um sistema de gestão ambiental eficaz, passível de integração com outros requisitos de gestão. E com a grande exigência do atual mercado, ficam evidenciadas cada vez mais as dificuldades encontradas pelas empresas que não contam com essa certificação (MOURA, 2000). De acordo com Donaire (1999), existem passos que devem ser seguidos para se alcançar a excelência ambiental, os quais devem começar pelo desenvolvimento e aplicação de uma política ambiental. Após esse passo, é necessário estabelecer metas e definir responsabilidades de cada área e do pessoal administrativo.

15 15 A política, os objetivos e metas e as responsabilidades devem ser divulgadas interna e externamente. Também se deve obter os recursos necessários e treinar os funcionários, acompanhando a situação e a evolução apresentadas através de relatórios e auditorias. Em um próximo passo, o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e a participação em programas ambientais perante a comunidade devem ser observados, além da tentativa de atender a todos os interesses da organização, tanto fatores internos como externos. Donaire (1999) afirma que ao invés de apenas gerar despesas, a questão ambiental pode se transformar em uma excelente oportunidade de minimizar custos, seja através da venda ou da reciclagem dos resíduos, seja por meio de tecnologias menos poluentes, e tudo isso se dá somente agora, com a percepção das empresas. Este trabalho, dentro da área gestão ambiental, será focado no tema sobre resíduos e, especificamente em resíduos industriais. Segundo Mota (2003), uma forma simples e prática de separação dos resíduos é classificá-los como lixo seco ou lixo úmido. Lixo seco é caracterizado como sendo os resíduos que podem ser reciclados, enquanto que o lixo úmido é o composto por materiais orgânicos. De acordo com Braga et al. (2002), ainda se pode classificar os resíduos em resíduos classe I ou perigosos, que são resíduos tóxicos, inflamáveis, corrosivos, radioativos ou patogênicos; resíduos classe III ou inertes, que não apresentam riscos à saúde ou ao meio ambiente; e resíduos classe II, que são aqueles que não se encaixam em nenhum dos resíduos anteriores. No interior das empresas, o tema resíduo tem apresentado grande relevância, pois cada vez mais, elas têm sido cobradas com relação a isso. Os resíduos industriais podem ser encontrados na forma sólida ou de materiais pastosos oriundos dos processos, sendo necessária alguma forma de se desfazer desses resíduos. Para se alcançar esses objetivos, existem projetos, que variam de acordo com a estratégia de cada empresa, para reutilização, incineração, deposição em aterros, reciclagem e venda dos resíduos.

16 16 OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo analisar, através de um estudo de caso, a gestão de resíduos industriais em uma indústria calçadista de Franca, no interior do Estado de São Paulo, diagnosticando como a empresa trata a questão ambiental e qual o estágio taxonômico em que se encontra de acordo com as propostas de classificação encontradas na literatura por importantes autores da área. JUSTIFICATIVA Devido à crescente preocupação com o meio ambiente, a gestão ambiental é considerada um processo chave, tornando-se uma área onde as empresas procuram se aprofundar atualmente. Porém, essa é uma área ainda pouco explorada devido à recente descoberta. De que as medidas adotadas para a proteção ambiental até os dias atuais, não impedem o desenvolvimento econômico. O desenvolvimento com grandes custos ambientais exige uma nova concepção através da incorporação da variável ambiental em suas políticas, o que faz com que cresça o número de projetos econômicos que ofereçam um custo/benefício ambiental favorável à implantação, respeitando as regulamentações e leis governamentais que gerem a política (DONAIRE, 1999).

17 17 1 GESTÃO AMBIENTAL 1. 1 INTRODUÇÃO Atualmente, a gestão ambiental vem ocupando um espaço cada vez maior e significativo, sendo constantemente utilizada nas estratégias empresariais. A degradação do meio ambiente tem atraído cada vez mais a atenção da população e de entidades responsáveis pela área, para que medidas sejam providenciadas o mais rápido possível (DONAIRE, 1999). De acordo com Donaire (1999), gestão ambiental pode ser definida como parte do sistema de gestão da empresa, que abrange a estrutura organizacional, atividades de planejamento, procedimentos, processos e recursos para desenvolver, implementar, atingir, analisar e manter a Política Ambiental da empresa. Através da gestão ambiental, as organizações buscam adequar seus processos, visando um meio ambiente ecologicamente equilibrado. Objetivo este, que está previsto na Constituição Federal, por meio do artigo 225: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações (BRASIL, 2010). Apesar de mostrar-se necessária, a implantação de uma gestão ambiental acarretará um acréscimo dos custos e despesas. Além do que, os resultados não aparecem tão rapidamente, sendo um conceito que deve ser aplicado em longo prazo. De acordo com Donaire (1999), existem passos que devem ser seguidos para se alcançar a excelência ambiental, os quais devem começar pelo desenvolvimento e aplicação de uma política ambiental. Após esse passo, é necessário estabelecer metas e definir responsabilidades de cada área e do pessoal administrativo. A política, os objetivos e metas e as responsabilidades devem ser divulgadas interna e externamente. Também se deve obter os recursos necessários e treinar os funcionários, acompanhando a situação e a evolução apresentadas através de relatórios e auditorias. Em um próximo passo, o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e

18 18 a participação em programas ambientais perante a comunidade devem ser observados, além da tentativa de atender a todos os interesses da organização, tanto fatores internos como externos. 2.2 RAZÕES PARA SE INTEGRAR NA CAUSA AMBIENTAL Com o tempo, a concorrência entre as empresas cada vez mais tem aumentado, principalmente por causa da globalização. Por isso, os gestores da organização devem apresentar estratégias inovadoras e competitivas, para que a empresa se mantenha no mercado. E atualmente, uma das melhores maneiras de se tornar competitivo é através da questão ambiental. North apud Donaire (1999) afirma que ao invés de apenas gerar despesas, a questão ambiental pode se transformar em uma excelente oportunidade para proporcionar benefícios à empresa, tais como aqueles nos âmbitos econômico e estratégico. Como econômico, podem ser classificados em economia de custos ou incremento de receitas, sendo que o primeiro pode ser devido à redução do consumo de insumos da empresa, redução de multas por danos ambientais ou economia devido à reciclagem, venda ou qualquer outro tipo de aproveitamento dos insumos de processo. Já o incremento de receitas pode ser observado através do aumento das vendas dos produtos ecologicamente corretos, já que estes apresentam um valor de mercado mais elevado em relação a produtos comuns, inovação, incluindo a entrada em novos mercados. Com relação a benefícios estratégicos, são relacionados os seguintes pontos: Melhoria de imagem institucional; Renovação do portfólio de produtos; Aumento da produtividade; Alto comprometimento do pessoal; Melhoria nas relações de trabalho; Melhoria e criatividade para novos desafios; Melhoria das relações com os órgãos governamentais, comunidade e grupos ambientalistas; Acesso assegurado ao mercado externo; Melhor adequação aos padrões ambientais. (DONAIRE, 1999)

19 19 Com a preocupação em preservar o meio ambiente, foram desenvolvidos vários sistemas administrativos. Dentre estes sistemas, o mais bem-sucedido foi o Sistema Integrado de Gestão Ambiental, desenvolvido por Georg Winter, em Segundo Winter apud Donaire (1999, p.18), são seis princípios a serem aplicados pela empresa e, sem esses princípios, é improvável o sucesso da gestão ambiental: Somente com empresas voltadas para a preservação do meio ambiente a humanidade poderá apresentar um mínimo de qualidade; As empresas, mesmo engajadas no processo de preservação, têm que contar com o apoio da população, ou seja, dos consumidores; Com a gestão ambiental implantada, a empresa buscará um crescimento mais rápido no mercado, diminuindo o risco de receber multas ou ser responsabilizada por danos ambientais e garantindo a permanência dos postos de trabalho dependentes da organização; Com a implantação da gestão ambiental na empresa, os funcionários apresentarão uma maior segurança relacionada ao trabalho, sabendo que têm uma menor probabilidade de cometerem erros que causem danos ambientais, o que comprometeria seus empregos; Sem gestão ambiental, a empresa perderá grandes oportunidades de reduzir custos; Tamanha a influência da questão ambiental nos dias atuais, os profissionais da empresa podem entrar em conflito com a própria consciência, perdendo a identificação com a profissão. (DONAIRE, 1999) 2.3 IMPACTO NO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Para que a empresa possa sobreviver no mercado, é necessário que atenda, superando as necessidades e expectativas de seus clientes, buscando ganhar cada vez mais a confiabilidade deles, e assim gerando lucro à empresa. Antigamente as necessidades dos clientes eram representadas por três aspectos: satisfação, preço e confiabilidade de entrega. Nos dias atuais, uma quarta variável tem se tornado importante para que o cliente adquira um produto, o meio ambiente. Os clientes, assim como ONGs e comunidade internacional, têm, junto ao governo, apoiado a criação de leis e medidas para que não lhe sejam impostos além das mercadorias desejadas,

20 20 outros produtos como poluentes, resíduos, odor, ruídos, que além de incomodar os consumidores, ainda podem prejudicar sua qualidade de vida. A estratégia das empresas em melhorar seus processos em virtude do meio ambiente está inserida na sua função social, pois assim, satisfazem seus clientes, órgãos ambientais, ONGs e a população de uma maneira geral. Para se manter uma vantagem competitiva, não é necessário somente seguir os padrões mínimos descritos na legislação, principalmente quando se fala de exportação, visto que a comunidade mundial já apresenta uma elevada preocupação quanto ao assunto. Para que se tenha um controle e uma padronização foram criadas pela ISO (International Organization for Standardization), normas a serem seguidas para o meio ambiente, criando a ISO 14000, assim como feito anteriormente com a qualidade. As normas da série ISO colaboram com as empresas, fornecendo orientações para que sejam tomadas atitudes gerenciais que protejam o meio ambiente. 2.4 IMPORTÂNCIA E PARTICIPAÇÃO DAS UNIDADES ADMINISTRATIVAS Com a grande importância da questão ambiental nas empresas, essa variável começa a ser incorporada em todas as unidades da organização, não importando se exerce uma grande influência como na área de produção, na área de pesquisa e desenvolvimento, ou uma pequena influência, como na área de contabilidade. No entanto, para que a organização atinja seus objetivos, é necessário que se procure aperfeiçoar a atuação da área de meio ambiente perante as outras áreas da empresa. O setor de produção é o local onde estão localizados os equipamentos e instalações da empresa, usados para a transformação e processamento, sendo a principal área da empresa a ser analisada e envolvida na questão ambiental, pois na maioria das vezes, lá estão ocorrendo os maiores problemas com emissões de substâncias, resíduos e perdas resultante dos processos. Uma importante medida a ser tomada no setor de produção é a realização de manutenção corretiva, preventiva e preditiva dos equipamentos e instalações, para que

21 21 haja um aumento na eficiência dos equipamentos e operações, redução de falhas do processo e redução do consumo de matéria-prima. Se houver treinamento adequado e mudança da cultura organizacional, pode-se aplicar técnicas de manutenção TPM (Total Productive Maintenance), onde o funcionário cuida do seu posto de trabalho como se fosse seu segundo lar, com isto, a possibilidade de ocorrer falhas é menor, também utilizando adequadamente os insumos. É importante também a existência de um sistema de monitoramento ambiental, através de sensores (automação), pois assim se diminui os riscos de grandes problemas e acidentes ambientais, contribuindo ainda para a redução da poluição do ar e das águas, economia de energia, menor produção de resíduos e de geração de substâncias tóxicas. A importância de proporcionar um sistema de monitoramento da empresa, atualizando-se com inovações que procurem melhorar seu processo produtivo de maneira significativa, assim como oferecer um local de trabalho ergonômico com condições adequadas como iluminação, ventilação, ruído, vibração, poeira, temperatura, odores etc., manifesta que esta se apresenta engajada na causa ambiental, fazendo com que a comunidade e os funcionários acreditem nos objetivos traçados pela empresa e se mantenham empenhados. Também devem ser estabelecidas normas e cronogramas com datas de paradas para a manutenção preventiva e auditoria das atividades (DONAIRE, 1999). A área de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) é responsável por adaptar os bens e serviços oferecidos pela empresa às necessidades dos clientes. O setor responsável pelo meio ambiente deve incentivar, acompanhar e apoiar os estudos feitos pela área de P&D que buscam melhorias de desempenho ambiental. Dentre as atividades que devem ser acompanhadas juntamente pelas duas áreas da empresa, estão identificar os produtos a serem melhorados, buscando que os produtos sejam o mais ambientalmente responsável possível; fazer análises dos ciclos de vida dos produtos desde sua concepção até seu descarte, observando os impactos em cada fase da vida do bem. Além disso, proporcionar aos consumidores, suporte para manutenção e garantia da durabilidade do produto (DONAIRE, 1999).

22 22 Os novos produtos e processos desenvolvidos devem levar em consideração a saúde e o bem-estar dos consumidores e funcionários e a conservação dos ecossistemas. De acordo com Donaire (1999), o objetivo da área de suprimentos é fazer a distribuição dos recursos dentro da empresa da melhor maneira possível, de forma a minimizar os custos de distribuição. Também tem a função de auxiliar o desenvolvimento de novas tecnologias e produtos. A área de meio ambiente deve analisar a situação atual e coletar, juntamente com a área de suprimentos, as informações referentes aos insumos utilizados na empresa, priorizando aqueles que apresentam um dano menor ao meio ambiente e planejando a substituição dos demais. A área de suprimentos deve acompanhar e desenvolver junto aos fornecedores, práticas para uma melhoria ambiental constante dos insumos, além de implantar as estratégias e práticas adequadas do ponto de vista ambiental, como reaproveitamento de resíduos no processo ou reciclagem dos materiais. Segundo Donaire (1999), a área de marketing é responsável por criar alternativas para atrair consumidores, para que a empresa assim torne-se competitiva no mercado. Nos dias atuais, uma forma eficiente de angariar novos clientes é associar a imagem da empresa a produtos ecologicamente corretos, visto que se trata de uma exigência por parte dos consumidores, desde os produtos até as embalagens utilizadas. O chamado mercado verde é um mercado a ser estudado, pois se mostra bastante promissor, uma vez que em alguns países já existem selos ambientais para produtos ecológicos, informando consumidores sobre os tais. Outro ponto a ser observado pela área de marketing é proporcionar ao cliente sistemas eficientes de transporte e reciclagem dos produtos, levando em consideração fatores econômicos e ambientais, além de assegurar a facilidade à assistência técnica do produto. A área de relações públicas tem como finalidade criar um clima de confiança do cliente para com a empresa. A área ambiental se liga a de relações públicas com o intuito de auxiliar como utilizar a variável ecológica, de modo a reforçar a imagem da organização, tanto para a comunidade quanto para os funcionários. A fim de melhorar a imagem ambiental da

23 23 empresa, a área de relações públicas deve adotar medidas para a preservação e desenvolvimento de atividades como visitas às fábricas, estabelecer ligações com órgãos de controle, imprensa e grupos ambientalistas, e divulgar as políticas da empresa para a comunidade (DONAIRE, 1999). A área de recursos humanos, segundo Donaire (1999), precisa ter a visão de que depende dos funcionários (cultura organizacional) para que a implantação da gestão ambiental funcione, pois a organização depende deles para alcançar os resultados esperados. Deste modo, deve haver um programa de conscientização eficiente, a fim de que os funcionários acreditem e se sintam motivados e comprometidos a desenvolver as metas estabelecidas pela empresa. Esse programa de conscientização deve procurar melhorar a qualidade ambiental através de esquemas de incentivo, inclusive bonificação por ideias a serem aproveitadas e comprometimento dos trabalhadores. Outras maneiras de estimular a colaboração do pessoal é manter dentro da empresa áreas arborizadas, alimentação adequada, entretenimentos durante os períodos de descanso, incentivar o uso de transporte público, etc. Além disso, um aspecto fundamental para o desenvolvimento ambiental da empresa refere-se ao treinamento dos funcionários, para que estes desenvolvam habilidades para lidar com situações da questão ambiental. Com a ambição de desenvolver a gestão ambiental, Donaire (1999) cita que a empresa deve adotar uma política ambiental e estabelecer estratégias para atingir seus objetivos, sejam eles de curto, médio ou longo prazo. A área de planejamento é responsável por esquematizar as mudanças, adaptações que serão realizadas em relação à situação atual da empresa. A alta administração é um ponto importante a ser observado, pois somente com o seu apoio serão concedidos os recursos necessários à implementação e disseminação do planejamento em todos os níveis hierárquicos da organização. A questão financeira é extremamente importante quando o assunto é relacionado ao meio ambiente, pois além dos recursos necessários para a implantação, são imprescindíveis recursos para o monitoramento e controle, visto que os resultados referentes às questões ambientais são alcançados em médio ou longo prazo. Na área de finanças, devem ser desenvolvidas formas de avaliação através de indicadores

24 24 financeiros ambientais para que sejam comparados os processos antes e depois da aplicação da política ambiental na organização (DONAIRE, 1999).

25 25 3 GESTÃO DE RESÍDUOS Nos dias atuais, as empresas que desejam crescer e prosperar cada vez mais devem buscar novas oportunidades no mercado. Uma grande oportunidade que, apenas em épocas mais recentes vem sendo explorada, é a contribuição, a preocupação que a empresa apresenta com o meio ambiente. Em vários países, já existem os chamados selos verdes, os quais têm a função de promover o uso de métodos menos danosos ao meio ambiente e que, nos próximos anos devem estar presente na maioria dos produtos vendidos. Isso demonstra a importância da variável ambiental que passa a incorporar a qualidade do produto (MOTA, 2003). Resíduo pode ser definido como qualquer material, seja ele sólido, líquido ou gasoso, resultante de um processo de produção ou transformação de produtos e serviços e que não apresentam utilidade para o proprietário. Resíduos são produtos resultados de processos de diversas atividades da comunidade de origem, como industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e ainda da varrição pública. O resíduo industrial é um dos maiores responsáveis pelas agressões fatais ao ambiente. Nele, estão incluídos produtos químicos (cianureto, pesticidas, solventes), metais (mercúrio, cádmio, chumbo) e solventes químicos que ameaçam os ciclos naturais onde são despejados. Os resíduos sólidos são amontoados e enterrados, enquanto que os líquidos são despejados em rios e mares e os gases são lançados no ar. Assim, a saúde do ambiente, e conseqüentemente dos seres que nele vivem, tornase ameaçada, podendo levar a grandes tragédias (MOTA, 2003). Como todo processo produtivo gera resíduo, se faz necessário que as empresas deem um destino a eles, apresentando projetos economicamente viáveis e ecologicamente corretos, acionistas conscientes da responsabilidade ambiental preferem investir em empresas lucrativas, mas ambientalmente responsáveis. A demanda por produtos cultivados ou fabricados de forma que não agrida o meio

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL MELO, Fabrício Pires CARDOSO, Mauricio QUEIROS, Silmara Mirian PEDRO, Lincoln MULLER, Edi RESUMO Este trabalho busca mostrar quais os benefícios, custos e métodos para se

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS Profa. Songeli Menezes Freire Salvador 2009 RESÍDUO Qualquer material,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES Alessandra Aparecida da Silva, Unisalesiano de Lins e-mail: alessandrasilvamig@yahoo.com.br Renata Angélica Freitas, Unisalesiano de Lins

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA RESUMO No mundo dos negócios, inovar significa: desenvolvimento e introdução de novidade. A empresa deve inovar em tecnologia para se tornar competitiva e aumentar seu lucro. As inovações

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA CONSCIENTIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL Contagem-MG 2013 2 FETREMIS - FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Leia mais

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5 2 Para acessar cada item do Sumário, clique nele. Para retornar ao sumário, clique na logo do ecolega em qualquer página. Sumário 1. Visão Geral do EcoLega 3 2. Alinhamento Estratégico 3 3. Orientações

Leia mais

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2);

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2); A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, BASEADO NA NBR ISO 14001:2004 - UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DO POLÓ CLOROQUIMICO DE ALAGOAS José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade Prof. Rogerio Valle Logística Reversa e Sustentabilidade LOGÍSTICA REVERSA, PROCESSO A PROCESSO (ED. ATLAS) Visão sistêmica dos fluxos de recursos e de produtos Evolução na problemática da sustentabilidade

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental Ferramentas de Análise: abordagens iniciais Gestão Ambiental Gestão Ambiental: por onde começar? NORTH (1992) recomenda as seguintes abordagens: Verificar o Posicionamento da empresa em relação ao desafio

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

RESÍDUOS PERIGOSOS. Autor: Nicolau Bello Email:- nicobelo@hotmail.com 1

RESÍDUOS PERIGOSOS. Autor: Nicolau Bello Email:- nicobelo@hotmail.com 1 RESÍDUOS PERIGOSOS Email:- nicobelo@hotmail.com 1 Autor:- Nicobelo@hotmail.com Resíduos Perigosos Resíduos Industriais Normas Ambientais Como Identificar Resíduos Perigosos? Tratamento de Resíduos Perigosos.

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 1 A evolução do pensamento ambiental Crescimento é o que importa (que venha a poluição...) Conscientização (década

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN PUBLICAÇÃO CDTN 931 Sistema de Gestão Ambiental SGA de acordo com as Normas NBR ISO 14001 e 14004, da

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Responsável pelo Projeto: Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas. 2015 CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

REQUISITOS DA NORMA ISO 14001 QUE POSSAM AUXILIAR NO PROCESSO DE RECICLAGEM DE LIXO PARA O CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR DE SANTA CATARINA

REQUISITOS DA NORMA ISO 14001 QUE POSSAM AUXILIAR NO PROCESSO DE RECICLAGEM DE LIXO PARA O CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR DE SANTA CATARINA REQUISITOS DA NORMA ISO 14001 QUE POSSAM AUXILIAR NO PROCESSO DE RECICLAGEM DE LIXO PARA O CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR DE SANTA CATARINA Alison dos SANTOS Silva 1 RESUMO O presente artigo tem como

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Caro, candidato(a) à prefeito(a), após mais de 20 anos de tramitação

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO Tainara Bruna Montagna 1 RESUMO A Educação Ambiental é definida como um importante instrumento de gestão ambiental, principalmente

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO [23] TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO Considerando que: 1. Os recursos naturais da Terra são limitados e devem ser utilizados de forma responsável, socialmente justa e ambientalmente sustentável. 2. A

Leia mais