SUGESTÕES PARA UMA PROPOSTA DO USO DE NOVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUGESTÕES PARA UMA PROPOSTA DO USO DE NOVAS"

Transcrição

1 SUGESTÕES PARA UMA PROPOSTA DO USO DE NOVAS FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS DE INFORMAÇÃO PARA UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ISO PROPOSAL OF THE USE OF NEW INFORMATION TECHNOLOGICAL TOOLS FOR AN ENVIRONMENTAL MANAGEMENT SYSTEM - ISO MÁRCIA DE ANDRADE PEREIRA Engenheira Civil formada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa Paraná, Mestre em Transportes pela Escola de Engenharia de São Carlos USP e doutoranda em Transportes pela Escola de Engenharia de São Carlos USP. CLÁUDIA SCOTON ANTÔNIO MARQUES Doutoranda em Transportes pela Escola de Engenharia de São Carlos USP EDSON MARTINS DE AGUIAR Prof. Doutor do Departamento de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos USP Recebido: 14/08/02 Aceito: 0/12/02 RESUMO Nos últimos 40 anos, a preocupação, pelo homem, com o meio ambiente vem aumentando; entretanto, a Gestão Ambiental requer um comprometimento da alta direção de uma organização com a participação consciente de todos os integrantes das organizações. Esta nova cultura ambiental faz com que as organizações levem as Normas ISO série em conta. Diante deste contexto, o objetivo deste trabalho é apresentar uma sugestão do uso de novas ferramentas tecnológicas no processo de treinamento de um Sistema de Gestão Ambiental. Com a utilização dessas novas tecnologias de informação no processo de treinamento, os integrantes sentem-se mais motivados e familiarizam-se mais rapidamente com as novas questões ambientais que lhes são impostas. Além disso, estimula e motiva a participação na apresentação de soluções, propostas de ações e reavaliações contínuas do processo de SGA. PALAVRAS-CHAVE: Sistema de Gestão Ambiental, Treinamento, NBR ISO 14000, Novas tecnologias de informação. ABSTRACT In the last 40 years the concern for the man with the environment is increasing; however, the Environmental Management requests a compromising of the discharge direction of an organization with the participation conscious of all the members of the organizations. This new environmental culture does with that the organizations take the Norms ISO series into account. With this context, the objective of this work is to present a suggestion of the use of new technological tools in the process of training of a System of Environmental Management. With the use of new technologies of information in the training process, the members feel more motivated and they familiarize more quickly with the new environmental subjects that are imposed them. Besides, it stimulates and it motivates the participation in the presentation of solutions, proposed of actions and continuous reavaliações of the process of System of Environmental Management. KEYWORDS: System of environmental management, training, ISO standards 14000, new technologies of information. INTRODUÇÃO Atualmente, a preocupação com a conservação dos recursos naturais e com a degradação da biosfera pelo homem tem aumentado muito. A preocupação com o meio ambiente, segundo Dobereiner (2002) não é moda ou oportunismo; é uma questão de sobrevivência para as organizações. Essas vivem num ambiente altamente competitivo e estão preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho ambiental correto, controlando os impactos ambientais de suas atividades, produtos ou serviços. Em 1992, entram em vigor as normas britânicas BS Specification for Environmental Management Systems (Especificação para Sistemas de Gestão Ambiental) que serviram de base para elaboração de um sistema de normas internacionais de gestão ambiental, denominadas de série IS Esta série de normas é composta pela ISO (a única norma que permite a certificação) e um conjunto de normas complementa- engenharia sanitária e ambiental 49

2 Pereira, M.A; Marques, C. S. A. & Aguiar, E.M res. A ISO é uma norma de gerenciamento das atividades de uma organização que tenha impacto ambiental e não uma norma de produto ou desempenho. A Gestão Ambiental requer um comprometimento da alta direção da organização com o estabelecimento de uma clara Política Ambiental. Esta política deverá expressar seu compromisso ambiental, assumido perante a sociedade, e definindo suas intenções e princípios com relação a seu desempenho ambiental. Sendo assim, todos os membros das organizações devem participar conscientes com a proteção ambiental. Contudo, a adoção da série de normas ISO não garantirá, por si só, resultados ambientais ótimos, dependem também do processo de treinamento voltado para a mudança cultural exigida em face às novas legislações ambientais. Para tanto, é necessário que a organização estabeleça, mantenha e defina as necessidades dos procedimentos de treinamentos apropriados, fazendo com que seus integrantes de cada nível operacional e funcional estejam conscientes desta necessidade para sua própria capacitação. A conscientização do público, clientes e outros integrantes envolvidos nesta nova cultura ambiental, faz com que as organizações levem as Normas ISO série em conta, ou seja, estas percebem que terão uma vantagem competitiva em relação às demais organizações. JUSTIFICATIVA As rápidas mudanças na natureza dos negócios, causadas pelo processo de globalização, constantemente redefinem o perfil e as tarefas de uma organização e redimensionam sua atuação e responsabilidade perante a sociedade. Estas mudanças passam principalmente por mudanças de postura e cultura, que podem construir, dessa forma, uma imagem positiva e de credibilidade, indispensáveis para um bom relacionamento com a sociedade, integrantes e vital para todos os clientes. Embora o ensino em treinamento tradicional venha cumprindo bem o seu papel, é pouco provável que forme integrantes de organizações aptos a responder a todos os desafios do novo cenário mundial. Um novo paradigma para o ensino-treinamento é necessário e nele é importante reconhecer o papel do computador e das ferramentas a ele associadas no processo de treinamento. OBJETIVOS Apresentar uma sugestão do uso de novas ferramentas tecnológicas de informação no treinamento de um Sistema de Gestão Ambiental. Neste caso, o treinamento deve ter o objetivo de fazer com que o integrante participe ativamente das exposições e não passivamente como ocorre ainda em diversos processos, tornando-o pouco eficaz. ISO As questões ambientais assumiram, a partir da última década uma importância crescente, fazendo com que as organizações sofressem significativas alterações. Na busca de atender as novas exigências da sociedade como um todo (principalmente no que se refere a um meio ambiente saudável), e representar a consolidação deste fato é que foi lançada, em setembro de 1996, a série de normas internacional ISO Desde então, se tornou reconhecida como um fundamento básico para um Sistema de Gestão Ambiental (SGA). A meta chave de todo processo ISO é criar uma linguagem comum para a Gestão Ambiental. Estas normas foram redigidas de forma a aplicar-se a todos os tipos e portes de organizações e para adequar-se a diferentes condições geográficas, culturais e sociais. Sendo assim, podem ser utilizadas por qualquer tipo de organização industrial ou de serviço de qualquer porte, de qualquer ramo de atividade. Deste modo, pode-se perceber que um Sistema de Gestão Ambiental é essencial para a habilidade de qualquer organização para que ela possa prever e satisfazer as expectativas de desempenho ambiental e assegurar a conformidade com as exigências nacionais e internacionais. De uma forma mais simples, as normas ISO série descrevem os elementos básicos de um SGA. Seus elementos incluem, de acordo com a Norma ISO (1996), a criação de uma política ambiental, o estabelecimento de objetivos e alvos, a implementação de um programa para alcançar esses objetivos, a monitoração e medição de sua eficácia, a correção de problemas e análise e revisão do sistema para aperfeiçoá-lo e melhorar o desempenho ambiental geral. A série ISO provocou maior incentivo à iniciação de atividades de prevenção da poluição. A chave para essa prevenção é a integração bem sucedida das questões ambientais, das operações, da estratégia do negócio e da participação de todos os integrantes da organização, pois estes participam de maneira ativa nas exposições e não passivamente como ocorre ainda em diversos processos, tornando-os pouco eficaz. Esta série de normas é composta pela ISO e um conjunto de normas complementares. A NBR ISO é pró-ativa, ou seja, seu foco é na ação e no pensamento pró-ativo, em lugar de reação e comandos e políticas de controle do passado. Ela também é uma norma de sistema, ou seja, reforça o melhoramento de proteção ambiental pelo uso de um único Sistema de Gerenciamento permeando todas as funções da organização. A ISO também é conhecida como a ISO verde. Ela baseia-se no ideal de aperfeiçoamento constante, exigindo que as organizações avaliem constantemente e reduzam o dano provocado potencialmente ao meio ambiente pelas suas atividades. Estas Normas podem ser classificadas de acordo com seu foco e podem ser divididas em duas categorias: Normas que tratam das organizações e normas que tratam dos produtos. Por que usar ISO 14000? As normas internacionais de Gestão Ambiental têm por objetivo prover às organizações os elementos necessários para um SGA eficaz, sendo assim, ela pode ajudar uma organização a gerenciar, medir e melhorar os aspectos ambientais de suas operações. Permite a uma organização demonstrar que tem preocupação com o meio ambiente. A sua implantação também proporcionará economias, através da redução de desperdícios e do uso de recursos naturais. Ela dá ênfase ao melhoramento contínuo, o que poderá proporcionar economias crescentes à medida que o sistema está em funcionamento. Para atingir os objetivos ambientais, convém que o sistema de engenharia sanitária e ambiental 50

3 Ferramentas tecnológicas de informação para um sistema de gestão ambiental Tabela 1 - Requisitos do Sistema de Gestão Ambiental (ISO 14001, 1996) Requisitos do Sistema de Gestão Ambiental Política ambiental Planejamento(identificar os processos que estão agredindo o meio ambiente; elaborar, implementar e operar o SGA) Ações Definição da Política ambiental da organização Aspectos ambientais; Requisitos legais e outros requisitos; Objetivos e metas; Programa de gestão ambiental Implementação e operação(ações para reduzir os impactos ambientais negativos) Verificação e ação corretiva Análise crítica pela administração Estrutura e responsabilidade Treinamento, conscientização e competência; Comunicação interna e externa; Documentação do sistema de gestão ambiental; Controle de documentos; Controle operacional; Preparação e atendimentos a emergências. Monitoramento e medição; Não-conformidade e ações corretiva e preventiva; Registros; Auditoria do sistema de gestão ambiental. A alta administração deve rever periodicamente a política e avaliar os ajustes na política ambiental. gestão ambiental estimule as organizações a considerarem a implementação da melhor tecnologia disponível, quando apropriado e economicamente exeqüível. Além disso, é recomendado que a relação custo/benefício de tal tecnologia seja integralmente levada em consideração (NBR ISO 14001). A organização deve estabelecer e manter um sistema de gestão ambiental, de acordo com os requisitos apresentados na tabela 1. Percebe-se, pela Tabela 1, que para se implementar e operar um SGA é necessário o treinamento e a conscientização de todos os integrantes de uma organização. Tanto a comunicação interna como a externa se fazem necessárias para que estas ações possam ser executadas. A ISO apresenta ainda outra questão importante com relação ao treinamento: todos na organização, até certo ponto devem tornar-se ambientalistas. Segundo Tibor & Feldman (1996), esta série foi baseada em um exemplo de operação industrial holístico orientado por sistemas. Essa abordagem faz com que as pessoas de diferentes partes da organização (projeto, produção, qualidade, saúde, segurança ambiental, etc.) trabalhem juntas. Isso requer trabalho de equipe, cooperação, boa comunicação e um treinamento extensivo para tornar os integrantes conhecedores dos aspectos ambientais de seu trabalho. A mudança cultural também demanda tempo e esforço. O objetivo é que todos os integrantes se apropriem das questões ambientais de seu trabalho. Dessa forma, as questões ambientais se tornam ligadas às decisões básicas de negócios por toda a organização. A implementação de um Sistema de Gestão Ambiental, atendendo corretamente as necessidades de treinamento, pode promover a redução dos custos internos das organizações, aumentar a competitividade e facilitar o acesso aos mercados consumidores, em consonância com os princípios e objetivos do desenvolvimento sustentável. O benefício mais claro da ISO é a padronização para ações relativas ao meio ambiente. Ela promoverá a melhoria ambiental através do atendimento a regulamentos e da demonstração do comprometimento com o gerenciamento ambiental. O que se pôde verificar é que as normas ISO são uma valiosa ferramenta gerencial, pois contribuem para reduzir custos e aumentar a conscientização ambiental de seus clientes, colaboradores, integrantes e todas as comunidades envolvidas, fornecendo os recursos necessários para controlar e reduzir os impactos ambientais resultantes das atividades das organizações, através dos diversos recursos computacionais hoje existentes. EDUCAÇÃO AMBIENTAL A educação ambiental nas organizações tem um papel muito importante, porque desperta cada integrante para a ação e a busca de soluções concretas para os problemas ambientais que ocorrem principalmente no dia-a-dia, no local de trabalho, na execução de sua tarefa, portanto onde ele tem poder de atuação para a melhoria da qualidade ambiental dele e dos colegas. Esse tipo de educação extrapola a simples aquisição de conhecimento; é muito mais do que isso; ele faz com que o integrante vá a busca da sua própria capacitação; é fundamental que ele reconheça na Educação Ambiental um novo fator de progresso. Conceder mais autonomia aos empregados em suas funções tem provado ser uma das soluções mais inteligentes para alcançar o sucesso. Sendo assim, a Educação Ambiental deverá eliminar as idéias errôneas de que as soluções de problemas dependem somente às chefias ou aos setores de segurança e higiene. Ninguém melhor do que o próprio integrante responsável por uma tarefa para dizer de que forma ela deva ser executada, e como ajudar a resolver os problemas por ela apresentada. Um dos objetivos da Educação Ambiental no âmbito de toda a organização deve ser a de estimular a participação de todos os seus integrantes na apresentação de sugestões e propostas de engenharia sanitária e ambiental 51

4 Pereira, M.A; Marques, C. S. A. & Aguiar, E.M ações e deve, ainda, permitir a reavaliação contínua dos resultados alcançados, através de campanhas de incentivo, seminários internos, treinamentos, conscientização, utilizando os recursos computacionais hoje existentes (hipermídia, multimídia, internet, hipertexto), alusivos à proteção e à melhoria do meio ambiente. Alguns fatores que contribuem para a aceitação dessas mudanças culturais são: investimento em treinamento; estímulo a um alto volume de sugestões e idéias dos integrantes; reconhecimento e recompensa dos integrantes por sua participação ativa na melhoria da organização; sistemas de acompanhamento e monitoramento de desempenho e resultados; estruturas organizacionais baseadas em equipe; consciência do papel de cada um para os resultados organizacionais, dentre outros. Para que uma organização obtenha uma certificação ambiental, e também tenha condições para mantê-la, se faz necessária a participação consciente de todos os seus integrantes, tanto internos como externos à organização. A Educação Ambiental através do processo de ensino-treinamento, pode ajudar a acelerar a conscientização ambiental. Como dito anteriormente, as mudanças na natureza dos negócios redefinem o perfil de uma organização. O novo perfil a ser adotado por uma organização deverá passar por um processo de educação e conscientização ambiental por todos os seus integrantes. Para que esse processo ocorra com eficiência, e traga para a organização uma imagem positiva e de credibilidade é essencial um eficaz processo de ensino-treinamento. O grande catalisador de tantas mudanças, segundo Lima (1996), é o computador. Nesse novo contexto, o treinamento através do computador assume uma importância cada vez mais relevante, na medida em que possibilita, entre outras coisas, o emprego de uma abordagem audiovisual de treinamento, garantindo uma maior absorção e fixação de conhecimento. Afinal, para que um ambiente de aprendizagem tenha motivação e estímulos, é necessária a troca de idéias por meio de conferências, videoconferências, internet, reuniões e projetos em equipe utilizando os recursos da multimídia, hipermídia e hipertexto. Esses recursos serão melhor abordados no próximo ítem. Segundo Antonio (2002), a educação, assim como a sociedade, vive um momento de transição e de mudança, em grande parte impulsionada pelo momento em que a tecnologia, por meio das mídias educacionais, entra em evidência. A tecnologia por si só não traz mudanças à educação, porém, quando integrada à novas formas de conduta e de comportamento, é capaz de produzir uma transformação significativa. Uma vez estabelecida a decisão de mudança cultural dentro da organização almejando melhores resultados ambientais, essa decisão deve ser transparente e todos da organização devem tomar conhecimento dessa mudança. Sendo assim, apresentam-se, neste trabalho, diversos recursos computacionais auxiliares no processo de treinamento, enfatizando, entretanto, o uso da internet como tecnologia para os integrantes de uma organização. RECURSOS TECNOLÓGICOS AUXILIARES NO PROCESSO DE ENSINO- TREINAMENTO Segundo Maas & Lima Jr. (1999), com as mudanças na importância e no modo de tratamento da informação no mundo de hoje, o uso de novas tecnologias para a educação passa a ter um papel de extrema importância na preparação dos integrantes. Por esta razão, alguns recursos de tecnologias que permitiram transformar o computador em um novo meio de acesso à informação e ao conhecimento são apresentados na seqüência. Hipertexto Guerra (2000) cita que, com o aparecimento da escrita, o homem passou a utilizar o texto como o principal meio de representação do conhecimento. No texto tradicional, seja na forma impressa ou em arquivos de computador, a informação, os conceitos e idéias são apresentadas ao leitor em uma forma seqüencial. O hipertexto veio para quebrar essa limitação. Segundo Belhot (1997), o hipertexto é uma solução tecnológica para organizar o acesso à informação. O hipertexto organiza o armazenamento das informações de um documento, permitindo a realização de pesquisas não seqüenciais. Multimídia Multimídia é a combinação das diversas formas de comunicação. O desenvolvimento dos computadores atuais, consubstanciado por novos equipamentos de hardware e software, possibilitou a introdução da multimídia no mundo da informática, permitindo transformar o computador em uma máquina com uma comunicação muito mais próxima do mundo real. De acordo com Boaretto Jr. (1996), a multimídia está sendo considerada uma das maiores transformações tecnológicas na computação dos últimos tempos. A multimídia apresenta como vantagens a interatividade (capacidade que o programa tem de responder a estímulos e ações do usuário) e a capacidade de atuar em harmonia com o hipertexto, possibilitando que informações com diferentes formatos sejam acessadas de forma não linear (a multimídia passa a se chamar hipermídia). Hipermídia O termo hipermídia representa uma extensão do conceito de hipertexto: refere-se à associação do hipertexto com a multimídia. Segundo Freire (1998), a utilização da hipermídia em ambientes de ensino oferece uma maior flexibilidade de uso e uma melhor apresentação das informações aos usuários. Além disso, devido aos recursos audiovisuais normalmente disponíveis, ela também estimula os alunos a aprender. O sistema hipermídia mais conhecido e utilizado atualmente, segundo Guerra (2000), é a própria Internet. Internet Define-se a Internet como uma rede de computadores interligados e independentes. Hoje, ela possui um grande número de serviços, permitindo, por exemplo, a realização de negócios comerciais; viabiliza a comunicação entre comunidades; é formadora de opinião e elaboração de conceitos; viabiliza a conexão e o envio de mensagens entre milhares de pessoas, ao engenharia sanitária e ambiental 52

5 Ferramentas tecnológicas de informação para um sistema de gestão ambiental mesmo tempo. Assim como, tem a capacidade de mudar a forma da sociedade se estruturar: trabalhadores autônomos podem desenvolver seus projetos mesmo que distante de suas organizações; as pessoas podem comercializar produtos, sem sair de suas casas; novos produtos são desenvolvidos por meio de pesquisas colaborativas envolvendo grandes organizações multinacionais, espalhadas no mundo, exigindo, cada vez mais, uma conectividade de alta qualidade e segurança. A comunicação em tempo real que é proporcionada pela Internet, é útil para o desenvolvimento das aulas nesta nova realidade de ensino-treinamento, ou seja, pelo computador, integrantes de uma organização podem comunicar-se com integrantes de organizações distantes, fazer uma entrevista com um ator de qualquer lugar do nosso País, sem sair do lugar. Segundo Antonio (2002), as paredes das escolas caem e a aprendizagem sobre o mundo torna-se real, pessoal e imediata. Desse modo, a Internet pode ser vista como uma soberba ferramenta de conferência. Por meio da captura de vídeo, conferências de qualquer parte do mundo podem ser assistidas pelas escolas, mudando, desta forma, os paradigmas existentes sobre a existência e o relacionamento com pessoas. Por exemplo, a videoconferência, que consiste em uma discussão em grupo ou pessoa-à-pessoa, na qual os participantes estão em locais diferentes, mas podem ver e ouvir uns aos outros como se estivessem em um mesmo local (Carneiro & Schnack, 1999). A videoconferência tem a capacidade de suportar comunicação via áudio e vídeo, em ambos os sentidos, em tempo real, tornando o treinamento muito mais interativo, econômico, com qualidade, descentralizado e muito mais motivador para os integrantes. Diante disto, pode-se afirmar que o desenvolvimento da tecnologia trouxe muitas inovações em todos os níveis, interferindo na maneira de ser e agir dos indivíduos. Hoje, é notória e irrefutável a premissa quanto à necessidade de estarmos antenados e conectados com os acontecimentos, uma vez que vive numa época caracterizada por ser a sociedade da informação. CONSIDERAÇÕES FINAIS A obtenção da certificação ambiental por uma organização e as condições para sua manutenção dependerá inequivocamente da participação de todos os integrantes. Isto pode ser obtido através do processo de treinamento exposto, o qual acelera tanto a conscientização dos integrantes quanto à almejada certificação ambiental. A incorporação dos conceitos de um Sistema de Gestão Ambiental no dia-a-dia de uma organização requer uma mudança de cultura em todos os níveis funcionais. A inserção desses novos conceitos na cultura da organização exige um sistema de treinamento eficiente entre seus vários níveis hierárquicos através do estabelecimento de um programa de educação ambiental que mobilize todos os seus integrantes. (Valle, 1996). O que se pôde constatar, também, é que, com a utilização das novas tecnologias de informação no processo de treinamento, os integrantes sentem-se mais motivados e familiarizamse mais rapidamente com as novas questões ambientais que lhes são impostas pela organização. Além disso, estimula a participação na apresentação de soluções, propostas de ações e reavaliações contínuas do processo de sistema de gerenciamento ambiental e aumenta a motivação dos integrantes neste novo processo. O processo de treinamento convencional (palestras, conferências e exposições) utilizado torna-se pouco interessante para o integrante, pois sua participação será menor nas tomadas de decisões. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANTONIO, L.Q. Desenvolvimento de uma Metodologia Visando Preparação de Material Didático na Web: Estudo de um Caso. Dissertação (Mestrado), Universidade de Campinas, UNICAMP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NOR- MAS TÉCNICAS - ABNT. NBR ISO 14001: Sistema de Gestão Ambiental - Especificação e Diretrizes para Uso BELHOT, R.V. Estratégias de Ensino e de Aprendizagem, in COBENGE 97 Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia, Escola Politécnica da UFBA 12 a 15 de outubro de 1997, vol.4, Salvador. BOARETTO Jr., H. Ensino apoiado por computador aplicado a ferramentas gráficas gerenciais. São Carlos. 159p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo CARNEIRO, M.F.L. & SCHNACK, W.R. Videoconferência: ambiente para apoio à educação à distância, in CONGRESSO BRA- SILEIRO DE ENSINO DE ENGENHA- RIA, 27. Natal, Anais eletrônicos. Natal, ABENGE, p DOBEREINER, C. Gerenciamento Ambiental. meioambiente/ab htm, maio, FREIRE, M.E.P. O Sistema Tutor de um ambiente inteligente para treinamento e ensino. São Carlos. 79p. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Ciências Matemáticas de São Carlos, Universidade de São Paulo GUERRA, J.H.L, (2000) Utilização do computador no processo de ensino-aprendizagem: uma aplicação em planejamento e controle da produção. Dissertação (Mestrado). Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo. HEMENWAY, C.G.; GILDESLEEVE, J.P. ISO O Que é? São Paulo, IMAM LIMA, R.V. A Utilização de Sistemas Multimídia na Educação e Treinamento: Uma aplicação MRPII. Dissertação (Mestrado), Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo MAAS, C.A. & LIMA Jr., O.F. O uso de Ferramentas de Simulação no Ensino de Logística e Transportes, In: CONGRESSO DE ENSINO E PESQUISA EM TRANSPOR- TES, XIII ANPET Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes, São Carlos VALLE, C. E. Como se adaptar para as normas ISO Ed. Pioneira Administração de negócios, São Paulo. 137p Endereço para correspondência: Márcia de Andrade Pereira Av. Trabalhador São Carlense, 400 São Carlos São Paulo CEP: São Carlos - SP Tel: (16) Fax: (16) engenharia sanitária e ambiental 53

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-057 - IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO SGI (MEIO AMBIENTE E SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO)

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF Sistema de Gestão Ambiental na Estação Antártica Comandante Ferraz SGA/EACF

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 São Paulo, 17 de junho de 2010 1 Retrospectiva Dezembro de 2003 - Criado o ABNT/GTRS para discutir posição brasileira em relação ao desenvolvimento de uma norma

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA A saúde e a segurança dos nossos funcionários fazem

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. CENÁRIO PROFISSIONAL 3. CONCEPÇÃO DA APRENDIZAGEM E METODOLOGIA 4. ESTRATÉGIAS

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA fundada em 1986 É precursora na implementação de serviços especializados em mapeamentos de competências humanas. Empresa de pesquisa aplicada especializada

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ

Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ Antonio José C. Pithon (CEFET-RJ) pithon@cefet-rj.br Marina Rodrigues Brochado (CEFET-RJ) marina@cefet-rj.br Resumo Atualmente

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 1 A evolução do pensamento ambiental Crescimento é o que importa (que venha a poluição...) Conscientização (década

Leia mais