SUGESTÕES PARA UMA PROPOSTA DO USO DE NOVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUGESTÕES PARA UMA PROPOSTA DO USO DE NOVAS"

Transcrição

1 SUGESTÕES PARA UMA PROPOSTA DO USO DE NOVAS FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS DE INFORMAÇÃO PARA UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ISO PROPOSAL OF THE USE OF NEW INFORMATION TECHNOLOGICAL TOOLS FOR AN ENVIRONMENTAL MANAGEMENT SYSTEM - ISO MÁRCIA DE ANDRADE PEREIRA Engenheira Civil formada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa Paraná, Mestre em Transportes pela Escola de Engenharia de São Carlos USP e doutoranda em Transportes pela Escola de Engenharia de São Carlos USP. CLÁUDIA SCOTON ANTÔNIO MARQUES Doutoranda em Transportes pela Escola de Engenharia de São Carlos USP EDSON MARTINS DE AGUIAR Prof. Doutor do Departamento de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos USP Recebido: 14/08/02 Aceito: 0/12/02 RESUMO Nos últimos 40 anos, a preocupação, pelo homem, com o meio ambiente vem aumentando; entretanto, a Gestão Ambiental requer um comprometimento da alta direção de uma organização com a participação consciente de todos os integrantes das organizações. Esta nova cultura ambiental faz com que as organizações levem as Normas ISO série em conta. Diante deste contexto, o objetivo deste trabalho é apresentar uma sugestão do uso de novas ferramentas tecnológicas no processo de treinamento de um Sistema de Gestão Ambiental. Com a utilização dessas novas tecnologias de informação no processo de treinamento, os integrantes sentem-se mais motivados e familiarizam-se mais rapidamente com as novas questões ambientais que lhes são impostas. Além disso, estimula e motiva a participação na apresentação de soluções, propostas de ações e reavaliações contínuas do processo de SGA. PALAVRAS-CHAVE: Sistema de Gestão Ambiental, Treinamento, NBR ISO 14000, Novas tecnologias de informação. ABSTRACT In the last 40 years the concern for the man with the environment is increasing; however, the Environmental Management requests a compromising of the discharge direction of an organization with the participation conscious of all the members of the organizations. This new environmental culture does with that the organizations take the Norms ISO series into account. With this context, the objective of this work is to present a suggestion of the use of new technological tools in the process of training of a System of Environmental Management. With the use of new technologies of information in the training process, the members feel more motivated and they familiarize more quickly with the new environmental subjects that are imposed them. Besides, it stimulates and it motivates the participation in the presentation of solutions, proposed of actions and continuous reavaliações of the process of System of Environmental Management. KEYWORDS: System of environmental management, training, ISO standards 14000, new technologies of information. INTRODUÇÃO Atualmente, a preocupação com a conservação dos recursos naturais e com a degradação da biosfera pelo homem tem aumentado muito. A preocupação com o meio ambiente, segundo Dobereiner (2002) não é moda ou oportunismo; é uma questão de sobrevivência para as organizações. Essas vivem num ambiente altamente competitivo e estão preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho ambiental correto, controlando os impactos ambientais de suas atividades, produtos ou serviços. Em 1992, entram em vigor as normas britânicas BS Specification for Environmental Management Systems (Especificação para Sistemas de Gestão Ambiental) que serviram de base para elaboração de um sistema de normas internacionais de gestão ambiental, denominadas de série IS Esta série de normas é composta pela ISO (a única norma que permite a certificação) e um conjunto de normas complementa- engenharia sanitária e ambiental 49

2 Pereira, M.A; Marques, C. S. A. & Aguiar, E.M res. A ISO é uma norma de gerenciamento das atividades de uma organização que tenha impacto ambiental e não uma norma de produto ou desempenho. A Gestão Ambiental requer um comprometimento da alta direção da organização com o estabelecimento de uma clara Política Ambiental. Esta política deverá expressar seu compromisso ambiental, assumido perante a sociedade, e definindo suas intenções e princípios com relação a seu desempenho ambiental. Sendo assim, todos os membros das organizações devem participar conscientes com a proteção ambiental. Contudo, a adoção da série de normas ISO não garantirá, por si só, resultados ambientais ótimos, dependem também do processo de treinamento voltado para a mudança cultural exigida em face às novas legislações ambientais. Para tanto, é necessário que a organização estabeleça, mantenha e defina as necessidades dos procedimentos de treinamentos apropriados, fazendo com que seus integrantes de cada nível operacional e funcional estejam conscientes desta necessidade para sua própria capacitação. A conscientização do público, clientes e outros integrantes envolvidos nesta nova cultura ambiental, faz com que as organizações levem as Normas ISO série em conta, ou seja, estas percebem que terão uma vantagem competitiva em relação às demais organizações. JUSTIFICATIVA As rápidas mudanças na natureza dos negócios, causadas pelo processo de globalização, constantemente redefinem o perfil e as tarefas de uma organização e redimensionam sua atuação e responsabilidade perante a sociedade. Estas mudanças passam principalmente por mudanças de postura e cultura, que podem construir, dessa forma, uma imagem positiva e de credibilidade, indispensáveis para um bom relacionamento com a sociedade, integrantes e vital para todos os clientes. Embora o ensino em treinamento tradicional venha cumprindo bem o seu papel, é pouco provável que forme integrantes de organizações aptos a responder a todos os desafios do novo cenário mundial. Um novo paradigma para o ensino-treinamento é necessário e nele é importante reconhecer o papel do computador e das ferramentas a ele associadas no processo de treinamento. OBJETIVOS Apresentar uma sugestão do uso de novas ferramentas tecnológicas de informação no treinamento de um Sistema de Gestão Ambiental. Neste caso, o treinamento deve ter o objetivo de fazer com que o integrante participe ativamente das exposições e não passivamente como ocorre ainda em diversos processos, tornando-o pouco eficaz. ISO As questões ambientais assumiram, a partir da última década uma importância crescente, fazendo com que as organizações sofressem significativas alterações. Na busca de atender as novas exigências da sociedade como um todo (principalmente no que se refere a um meio ambiente saudável), e representar a consolidação deste fato é que foi lançada, em setembro de 1996, a série de normas internacional ISO Desde então, se tornou reconhecida como um fundamento básico para um Sistema de Gestão Ambiental (SGA). A meta chave de todo processo ISO é criar uma linguagem comum para a Gestão Ambiental. Estas normas foram redigidas de forma a aplicar-se a todos os tipos e portes de organizações e para adequar-se a diferentes condições geográficas, culturais e sociais. Sendo assim, podem ser utilizadas por qualquer tipo de organização industrial ou de serviço de qualquer porte, de qualquer ramo de atividade. Deste modo, pode-se perceber que um Sistema de Gestão Ambiental é essencial para a habilidade de qualquer organização para que ela possa prever e satisfazer as expectativas de desempenho ambiental e assegurar a conformidade com as exigências nacionais e internacionais. De uma forma mais simples, as normas ISO série descrevem os elementos básicos de um SGA. Seus elementos incluem, de acordo com a Norma ISO (1996), a criação de uma política ambiental, o estabelecimento de objetivos e alvos, a implementação de um programa para alcançar esses objetivos, a monitoração e medição de sua eficácia, a correção de problemas e análise e revisão do sistema para aperfeiçoá-lo e melhorar o desempenho ambiental geral. A série ISO provocou maior incentivo à iniciação de atividades de prevenção da poluição. A chave para essa prevenção é a integração bem sucedida das questões ambientais, das operações, da estratégia do negócio e da participação de todos os integrantes da organização, pois estes participam de maneira ativa nas exposições e não passivamente como ocorre ainda em diversos processos, tornando-os pouco eficaz. Esta série de normas é composta pela ISO e um conjunto de normas complementares. A NBR ISO é pró-ativa, ou seja, seu foco é na ação e no pensamento pró-ativo, em lugar de reação e comandos e políticas de controle do passado. Ela também é uma norma de sistema, ou seja, reforça o melhoramento de proteção ambiental pelo uso de um único Sistema de Gerenciamento permeando todas as funções da organização. A ISO também é conhecida como a ISO verde. Ela baseia-se no ideal de aperfeiçoamento constante, exigindo que as organizações avaliem constantemente e reduzam o dano provocado potencialmente ao meio ambiente pelas suas atividades. Estas Normas podem ser classificadas de acordo com seu foco e podem ser divididas em duas categorias: Normas que tratam das organizações e normas que tratam dos produtos. Por que usar ISO 14000? As normas internacionais de Gestão Ambiental têm por objetivo prover às organizações os elementos necessários para um SGA eficaz, sendo assim, ela pode ajudar uma organização a gerenciar, medir e melhorar os aspectos ambientais de suas operações. Permite a uma organização demonstrar que tem preocupação com o meio ambiente. A sua implantação também proporcionará economias, através da redução de desperdícios e do uso de recursos naturais. Ela dá ênfase ao melhoramento contínuo, o que poderá proporcionar economias crescentes à medida que o sistema está em funcionamento. Para atingir os objetivos ambientais, convém que o sistema de engenharia sanitária e ambiental 50

3 Ferramentas tecnológicas de informação para um sistema de gestão ambiental Tabela 1 - Requisitos do Sistema de Gestão Ambiental (ISO 14001, 1996) Requisitos do Sistema de Gestão Ambiental Política ambiental Planejamento(identificar os processos que estão agredindo o meio ambiente; elaborar, implementar e operar o SGA) Ações Definição da Política ambiental da organização Aspectos ambientais; Requisitos legais e outros requisitos; Objetivos e metas; Programa de gestão ambiental Implementação e operação(ações para reduzir os impactos ambientais negativos) Verificação e ação corretiva Análise crítica pela administração Estrutura e responsabilidade Treinamento, conscientização e competência; Comunicação interna e externa; Documentação do sistema de gestão ambiental; Controle de documentos; Controle operacional; Preparação e atendimentos a emergências. Monitoramento e medição; Não-conformidade e ações corretiva e preventiva; Registros; Auditoria do sistema de gestão ambiental. A alta administração deve rever periodicamente a política e avaliar os ajustes na política ambiental. gestão ambiental estimule as organizações a considerarem a implementação da melhor tecnologia disponível, quando apropriado e economicamente exeqüível. Além disso, é recomendado que a relação custo/benefício de tal tecnologia seja integralmente levada em consideração (NBR ISO 14001). A organização deve estabelecer e manter um sistema de gestão ambiental, de acordo com os requisitos apresentados na tabela 1. Percebe-se, pela Tabela 1, que para se implementar e operar um SGA é necessário o treinamento e a conscientização de todos os integrantes de uma organização. Tanto a comunicação interna como a externa se fazem necessárias para que estas ações possam ser executadas. A ISO apresenta ainda outra questão importante com relação ao treinamento: todos na organização, até certo ponto devem tornar-se ambientalistas. Segundo Tibor & Feldman (1996), esta série foi baseada em um exemplo de operação industrial holístico orientado por sistemas. Essa abordagem faz com que as pessoas de diferentes partes da organização (projeto, produção, qualidade, saúde, segurança ambiental, etc.) trabalhem juntas. Isso requer trabalho de equipe, cooperação, boa comunicação e um treinamento extensivo para tornar os integrantes conhecedores dos aspectos ambientais de seu trabalho. A mudança cultural também demanda tempo e esforço. O objetivo é que todos os integrantes se apropriem das questões ambientais de seu trabalho. Dessa forma, as questões ambientais se tornam ligadas às decisões básicas de negócios por toda a organização. A implementação de um Sistema de Gestão Ambiental, atendendo corretamente as necessidades de treinamento, pode promover a redução dos custos internos das organizações, aumentar a competitividade e facilitar o acesso aos mercados consumidores, em consonância com os princípios e objetivos do desenvolvimento sustentável. O benefício mais claro da ISO é a padronização para ações relativas ao meio ambiente. Ela promoverá a melhoria ambiental através do atendimento a regulamentos e da demonstração do comprometimento com o gerenciamento ambiental. O que se pôde verificar é que as normas ISO são uma valiosa ferramenta gerencial, pois contribuem para reduzir custos e aumentar a conscientização ambiental de seus clientes, colaboradores, integrantes e todas as comunidades envolvidas, fornecendo os recursos necessários para controlar e reduzir os impactos ambientais resultantes das atividades das organizações, através dos diversos recursos computacionais hoje existentes. EDUCAÇÃO AMBIENTAL A educação ambiental nas organizações tem um papel muito importante, porque desperta cada integrante para a ação e a busca de soluções concretas para os problemas ambientais que ocorrem principalmente no dia-a-dia, no local de trabalho, na execução de sua tarefa, portanto onde ele tem poder de atuação para a melhoria da qualidade ambiental dele e dos colegas. Esse tipo de educação extrapola a simples aquisição de conhecimento; é muito mais do que isso; ele faz com que o integrante vá a busca da sua própria capacitação; é fundamental que ele reconheça na Educação Ambiental um novo fator de progresso. Conceder mais autonomia aos empregados em suas funções tem provado ser uma das soluções mais inteligentes para alcançar o sucesso. Sendo assim, a Educação Ambiental deverá eliminar as idéias errôneas de que as soluções de problemas dependem somente às chefias ou aos setores de segurança e higiene. Ninguém melhor do que o próprio integrante responsável por uma tarefa para dizer de que forma ela deva ser executada, e como ajudar a resolver os problemas por ela apresentada. Um dos objetivos da Educação Ambiental no âmbito de toda a organização deve ser a de estimular a participação de todos os seus integrantes na apresentação de sugestões e propostas de engenharia sanitária e ambiental 51

4 Pereira, M.A; Marques, C. S. A. & Aguiar, E.M ações e deve, ainda, permitir a reavaliação contínua dos resultados alcançados, através de campanhas de incentivo, seminários internos, treinamentos, conscientização, utilizando os recursos computacionais hoje existentes (hipermídia, multimídia, internet, hipertexto), alusivos à proteção e à melhoria do meio ambiente. Alguns fatores que contribuem para a aceitação dessas mudanças culturais são: investimento em treinamento; estímulo a um alto volume de sugestões e idéias dos integrantes; reconhecimento e recompensa dos integrantes por sua participação ativa na melhoria da organização; sistemas de acompanhamento e monitoramento de desempenho e resultados; estruturas organizacionais baseadas em equipe; consciência do papel de cada um para os resultados organizacionais, dentre outros. Para que uma organização obtenha uma certificação ambiental, e também tenha condições para mantê-la, se faz necessária a participação consciente de todos os seus integrantes, tanto internos como externos à organização. A Educação Ambiental através do processo de ensino-treinamento, pode ajudar a acelerar a conscientização ambiental. Como dito anteriormente, as mudanças na natureza dos negócios redefinem o perfil de uma organização. O novo perfil a ser adotado por uma organização deverá passar por um processo de educação e conscientização ambiental por todos os seus integrantes. Para que esse processo ocorra com eficiência, e traga para a organização uma imagem positiva e de credibilidade é essencial um eficaz processo de ensino-treinamento. O grande catalisador de tantas mudanças, segundo Lima (1996), é o computador. Nesse novo contexto, o treinamento através do computador assume uma importância cada vez mais relevante, na medida em que possibilita, entre outras coisas, o emprego de uma abordagem audiovisual de treinamento, garantindo uma maior absorção e fixação de conhecimento. Afinal, para que um ambiente de aprendizagem tenha motivação e estímulos, é necessária a troca de idéias por meio de conferências, videoconferências, internet, reuniões e projetos em equipe utilizando os recursos da multimídia, hipermídia e hipertexto. Esses recursos serão melhor abordados no próximo ítem. Segundo Antonio (2002), a educação, assim como a sociedade, vive um momento de transição e de mudança, em grande parte impulsionada pelo momento em que a tecnologia, por meio das mídias educacionais, entra em evidência. A tecnologia por si só não traz mudanças à educação, porém, quando integrada à novas formas de conduta e de comportamento, é capaz de produzir uma transformação significativa. Uma vez estabelecida a decisão de mudança cultural dentro da organização almejando melhores resultados ambientais, essa decisão deve ser transparente e todos da organização devem tomar conhecimento dessa mudança. Sendo assim, apresentam-se, neste trabalho, diversos recursos computacionais auxiliares no processo de treinamento, enfatizando, entretanto, o uso da internet como tecnologia para os integrantes de uma organização. RECURSOS TECNOLÓGICOS AUXILIARES NO PROCESSO DE ENSINO- TREINAMENTO Segundo Maas & Lima Jr. (1999), com as mudanças na importância e no modo de tratamento da informação no mundo de hoje, o uso de novas tecnologias para a educação passa a ter um papel de extrema importância na preparação dos integrantes. Por esta razão, alguns recursos de tecnologias que permitiram transformar o computador em um novo meio de acesso à informação e ao conhecimento são apresentados na seqüência. Hipertexto Guerra (2000) cita que, com o aparecimento da escrita, o homem passou a utilizar o texto como o principal meio de representação do conhecimento. No texto tradicional, seja na forma impressa ou em arquivos de computador, a informação, os conceitos e idéias são apresentadas ao leitor em uma forma seqüencial. O hipertexto veio para quebrar essa limitação. Segundo Belhot (1997), o hipertexto é uma solução tecnológica para organizar o acesso à informação. O hipertexto organiza o armazenamento das informações de um documento, permitindo a realização de pesquisas não seqüenciais. Multimídia Multimídia é a combinação das diversas formas de comunicação. O desenvolvimento dos computadores atuais, consubstanciado por novos equipamentos de hardware e software, possibilitou a introdução da multimídia no mundo da informática, permitindo transformar o computador em uma máquina com uma comunicação muito mais próxima do mundo real. De acordo com Boaretto Jr. (1996), a multimídia está sendo considerada uma das maiores transformações tecnológicas na computação dos últimos tempos. A multimídia apresenta como vantagens a interatividade (capacidade que o programa tem de responder a estímulos e ações do usuário) e a capacidade de atuar em harmonia com o hipertexto, possibilitando que informações com diferentes formatos sejam acessadas de forma não linear (a multimídia passa a se chamar hipermídia). Hipermídia O termo hipermídia representa uma extensão do conceito de hipertexto: refere-se à associação do hipertexto com a multimídia. Segundo Freire (1998), a utilização da hipermídia em ambientes de ensino oferece uma maior flexibilidade de uso e uma melhor apresentação das informações aos usuários. Além disso, devido aos recursos audiovisuais normalmente disponíveis, ela também estimula os alunos a aprender. O sistema hipermídia mais conhecido e utilizado atualmente, segundo Guerra (2000), é a própria Internet. Internet Define-se a Internet como uma rede de computadores interligados e independentes. Hoje, ela possui um grande número de serviços, permitindo, por exemplo, a realização de negócios comerciais; viabiliza a comunicação entre comunidades; é formadora de opinião e elaboração de conceitos; viabiliza a conexão e o envio de mensagens entre milhares de pessoas, ao engenharia sanitária e ambiental 52

5 Ferramentas tecnológicas de informação para um sistema de gestão ambiental mesmo tempo. Assim como, tem a capacidade de mudar a forma da sociedade se estruturar: trabalhadores autônomos podem desenvolver seus projetos mesmo que distante de suas organizações; as pessoas podem comercializar produtos, sem sair de suas casas; novos produtos são desenvolvidos por meio de pesquisas colaborativas envolvendo grandes organizações multinacionais, espalhadas no mundo, exigindo, cada vez mais, uma conectividade de alta qualidade e segurança. A comunicação em tempo real que é proporcionada pela Internet, é útil para o desenvolvimento das aulas nesta nova realidade de ensino-treinamento, ou seja, pelo computador, integrantes de uma organização podem comunicar-se com integrantes de organizações distantes, fazer uma entrevista com um ator de qualquer lugar do nosso País, sem sair do lugar. Segundo Antonio (2002), as paredes das escolas caem e a aprendizagem sobre o mundo torna-se real, pessoal e imediata. Desse modo, a Internet pode ser vista como uma soberba ferramenta de conferência. Por meio da captura de vídeo, conferências de qualquer parte do mundo podem ser assistidas pelas escolas, mudando, desta forma, os paradigmas existentes sobre a existência e o relacionamento com pessoas. Por exemplo, a videoconferência, que consiste em uma discussão em grupo ou pessoa-à-pessoa, na qual os participantes estão em locais diferentes, mas podem ver e ouvir uns aos outros como se estivessem em um mesmo local (Carneiro & Schnack, 1999). A videoconferência tem a capacidade de suportar comunicação via áudio e vídeo, em ambos os sentidos, em tempo real, tornando o treinamento muito mais interativo, econômico, com qualidade, descentralizado e muito mais motivador para os integrantes. Diante disto, pode-se afirmar que o desenvolvimento da tecnologia trouxe muitas inovações em todos os níveis, interferindo na maneira de ser e agir dos indivíduos. Hoje, é notória e irrefutável a premissa quanto à necessidade de estarmos antenados e conectados com os acontecimentos, uma vez que vive numa época caracterizada por ser a sociedade da informação. CONSIDERAÇÕES FINAIS A obtenção da certificação ambiental por uma organização e as condições para sua manutenção dependerá inequivocamente da participação de todos os integrantes. Isto pode ser obtido através do processo de treinamento exposto, o qual acelera tanto a conscientização dos integrantes quanto à almejada certificação ambiental. A incorporação dos conceitos de um Sistema de Gestão Ambiental no dia-a-dia de uma organização requer uma mudança de cultura em todos os níveis funcionais. A inserção desses novos conceitos na cultura da organização exige um sistema de treinamento eficiente entre seus vários níveis hierárquicos através do estabelecimento de um programa de educação ambiental que mobilize todos os seus integrantes. (Valle, 1996). O que se pôde constatar, também, é que, com a utilização das novas tecnologias de informação no processo de treinamento, os integrantes sentem-se mais motivados e familiarizamse mais rapidamente com as novas questões ambientais que lhes são impostas pela organização. Além disso, estimula a participação na apresentação de soluções, propostas de ações e reavaliações contínuas do processo de sistema de gerenciamento ambiental e aumenta a motivação dos integrantes neste novo processo. O processo de treinamento convencional (palestras, conferências e exposições) utilizado torna-se pouco interessante para o integrante, pois sua participação será menor nas tomadas de decisões. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANTONIO, L.Q. Desenvolvimento de uma Metodologia Visando Preparação de Material Didático na Web: Estudo de um Caso. Dissertação (Mestrado), Universidade de Campinas, UNICAMP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NOR- MAS TÉCNICAS - ABNT. NBR ISO 14001: Sistema de Gestão Ambiental - Especificação e Diretrizes para Uso BELHOT, R.V. Estratégias de Ensino e de Aprendizagem, in COBENGE 97 Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia, Escola Politécnica da UFBA 12 a 15 de outubro de 1997, vol.4, Salvador. BOARETTO Jr., H. Ensino apoiado por computador aplicado a ferramentas gráficas gerenciais. São Carlos. 159p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo CARNEIRO, M.F.L. & SCHNACK, W.R. Videoconferência: ambiente para apoio à educação à distância, in CONGRESSO BRA- SILEIRO DE ENSINO DE ENGENHA- RIA, 27. Natal, Anais eletrônicos. Natal, ABENGE, p DOBEREINER, C. Gerenciamento Ambiental. meioambiente/ab htm, maio, FREIRE, M.E.P. O Sistema Tutor de um ambiente inteligente para treinamento e ensino. São Carlos. 79p. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Ciências Matemáticas de São Carlos, Universidade de São Paulo GUERRA, J.H.L, (2000) Utilização do computador no processo de ensino-aprendizagem: uma aplicação em planejamento e controle da produção. Dissertação (Mestrado). Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo. HEMENWAY, C.G.; GILDESLEEVE, J.P. ISO O Que é? São Paulo, IMAM LIMA, R.V. A Utilização de Sistemas Multimídia na Educação e Treinamento: Uma aplicação MRPII. Dissertação (Mestrado), Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo MAAS, C.A. & LIMA Jr., O.F. O uso de Ferramentas de Simulação no Ensino de Logística e Transportes, In: CONGRESSO DE ENSINO E PESQUISA EM TRANSPOR- TES, XIII ANPET Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes, São Carlos VALLE, C. E. Como se adaptar para as normas ISO Ed. Pioneira Administração de negócios, São Paulo. 137p Endereço para correspondência: Márcia de Andrade Pereira Av. Trabalhador São Carlense, 400 São Carlos São Paulo CEP: São Carlos - SP Tel: (16) Fax: (16) engenharia sanitária e ambiental 53

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Lúcia Helena de Magalhães 1 Neuza Maria de Oliveira Marsicano 2 O papel das tecnologias da informação na atual sociedade da informação vem sendo

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library

ITIL. Information Technology Infrastructure Library Information Technology Infrastructure Library 34929 - Daniel Aquere de Oliveira 34771 - Daniel Tornieri 34490 - Edson Gonçalves Rodrigues 34831 - Fernando Túlio 34908 - Luiz Gustavo de Mendonça Janjacomo

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA Daniel Gonzaga dos Santos 1 Faculdade Cidade de João Pinheiro Resumo: Este artigo aborda as etapas para

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho DEZ 2000 NBR ISO 9004 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: RiodeJaneiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!!

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! Revisão 06 de 08/02/2011 CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ A Cartilha do Sistema de Gestão da

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 ISO/IEC 20000:2005 Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 André Jacobucci andre.jacobucci@ilumna.com +55 11 5087 8829 www.ilumna.com Objetivos desta Apresentação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme Gestão de Qualidade Alunos: Bruna Bastos Bruno Avelar Giacomini

Leia mais

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética A implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma NBR ISO/IEC 17025 no Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética da Universidade Federal de Santa Catarina. Eduardo

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO SISTEMA DE SELEÇÃO USINICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA ISO 14000

Leia mais

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF Sistema de Gestão Ambiental na Estação Antártica Comandante Ferraz SGA/EACF

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho OUT/2000 PROJETO NBR ISO 9004:2000 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

CERTIFICAÇAO AMBIENTAL

CERTIFICAÇAO AMBIENTAL ISO 14000 - A NOVA NORMA GERENCIAMENTO E -- CERTIFICAÇAO AMBIENTAL DE AMBIENTAL *Francesco De Cicco A futura norma internacional para o meio ambiente - a série ISO 14000 - e a importância para as empresas

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA DE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ENFOQUE NA ISO-14001

PROPOSTA METODOLÓGICA DE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ENFOQUE NA ISO-14001 PROPOSTA METODOLÓGICA DE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ENFOQUE NA ISO-14001 Maria Auxiliadora de Abreu Macêdo (l) Bacharel em Química, curso de especialização em Gestão Ambiental no Canadá. Atua como

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente;

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente; ISO 9000 A série ISO 9000 é uma concentração de normas que formam um modelo de gestão da Qualidade para organizações que podem, se desejarem, certificar seus sistemas de gestão através de organismos de

Leia mais

Security Officer Foundation

Security Officer Foundation Security Officer Foundation As comunicações e os meios de armazenamento das informações evoluíram mais nestes últimos anos do que em outro tempo na história conhecida. A internet comercial foi consolidada

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Campo Grande MS abril de 2011 Ari Gonçalves Silva Universidade Anhanguera Uniderp laquicho13@yahoo.com.br

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS

TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS Ariane Mileidi Pazinato; Neuza Terezinha Oro; Eliamar Ceresoli Rizzon; Maria Elene Mallmann; Josiane Muller; Adriano Canabarro Teixeira; Jaqueline

Leia mais

Papel da SBIS na Educação

Papel da SBIS na Educação I Ciclo de Seminários de Tecnologias de Informação em Saúde Educação Continuada, Certificação Profissional e Título de Especialista: o Projeto da SBIS Prof. Renato M.E. Sabbatini Diretor de Educação e

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados APRESENTAÇÃO PROPÓSITO Fazer a DIFERENÇA no DESENVOLVIMENTO saudável e sustentável das PESSOAS e das ORGANIZAÇÕES. VISÃO VISÃO DA EMPRESA TERMOS NOTÓRIO RECONHECIMENTO DA NOSSA COMPETÊNCIA NA GESTÃO DAS

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA Maria Inês Franco Motti Sonia Maria José Bombardi Fundacentro Fundação Jorge Duprat de Segurança e Medicina do Trabalho O mundo

Leia mais

Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços.

Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços. NORMA BRASILEIRA NBR ISO 10019 Primeira edição 20.08.2007 Válida a partir de 20.09.2007 Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços. Guidelines for

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

A conquista do sucesso depende do bom atendimento!

A conquista do sucesso depende do bom atendimento! Um excelente atendimento faz toda a diferença numa empresa porque é um dos fatores fundamentais para se destacar em qualquer tipo de negocio. Por isto os profissionais de Atendimento e de Vendas precisam

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2);

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2); A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, BASEADO NA NBR ISO 14001:2004 - UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DO POLÓ CLOROQUIMICO DE ALAGOAS José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-057 - IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO SGI (MEIO AMBIENTE E SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO)

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Aula 01

Fundamentos de Sistemas de Informação Aula 01 Fundamentos de Sistemas de Informação Aula 01 Prof. Msc. Ubirajara Júnior biraifba@gmail.com www.ucljunior.com Objetivos dos Sistemas de informação Fornecer exemplos de componentes de sistemas de informação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR 1º SEMESTRE P101 Desenvolvimento Web 80 CE05 CE06 P102 Língua Portuguesa 40 CG08 CG13 P103 Algoritmos e Lógica de Programação 80

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 1 GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO RESUMO DO ARTIGO Este artigo se propõe a apresentar uma panorâmica do uso da Segurança da Informação e sua importância como diferencial competitivo

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Normas Série ISO 9000

Normas Série ISO 9000 Normas Série ISO 9000 Ana Lucia S. Barbosa/UFRRJ Adaptado de Tony Tanaka Conteúdo Conceitos principais A série ISO9000:2000 ISO9000:2000 Sumário Princípios de Gestão da Qualidade ISO9001 - Requisitos Modelo

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres Nas últimas décadas, o mundo tem testemunhado o desenvolvimento da consciência ambiental em diferentes setores da sociedade,

Leia mais

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Missão da FLD Apoiar e acompanhar programas e projetos de grupos organizados da sociedade civil que fortaleçam o protagonismo das pessoas e suas comunidades,

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais