Autoeuropa. Relatório Ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoeuropa. Relatório Ambiental"

Transcrição

1 Autoeuropa Relatório Ambiental 2007

2 Autoeuropa Relatório Ambiental 2007 Volkswagen Autoeuropa

3 Índice P ESTRATÉGIA AMBIENTAL Compromisso da gestão Política Ambiental P O QUE É A VOLKSWAGEN AUTOEUROPA Localização Produtos Processo P CERTIFICAÇÃO E LICENÇA AMBIENTAL Evolução do Sistema de Gestão Ambiental O Controlo Ambiental e a Equipa ISO14001 Auditorias internas Resposta a emergências Formação e sensibilização ambiental Organização e limpeza 2

4 Relatório Ambiental ASPECTOS AMBIENTAIS E SEU CONTROLO P 22 Aspectos ambientais Resíduos Águas residuais Emissões atmosféricas Ruído Consumo de água Consumo de gás natural Consumo de energia eléctrica Protecção do solo Aprovação de materiais Transportes Influência sobre fornecedores 5. OBJECTIVOS E RESULTADOS AMBIENTAIS P 32 Objectivos e resultados 2007 Alguns exemplos de programas implementados Objectivos INDICADORES AMBIENTAIS P 42 Produção de veículos Consumos de recursos naturais e energia Emissões atmosféricas Produção de resíduos Efluentes líquidos Ruído ambiental 7. CUSTOS E INVESTIMENTOS AMBIENTAIS P 52 Custos ambientais correntes Investimentos ambientais 3

5 766,03 0,72 342

6 222,4 (Kg/h) 42, Estratégia ambiental

7 Compromisso da gestão Actualmente, o ambiente e a gestão eficiente de recursos naturais e energia, em conjunção com factores sociais e económicos, são os pilares de base dos países modernos e desenvolvidos, bem como as directrizes das companhias mais sólidas. De forma a atingir um crescimento sustentado, a Volkswagen Autoeuropa promove estes valores fundamentais e reafirma o seu compromisso com os seus objectivos de responsabilidade ambiental. Desenhamos os nossos processos tendo em vista o uso eficiente de recursos, minimizando o consumo energético, a produção de emissões e de resíduos, visando um baixo impacto ambiental. Além disso, orientamos e influenciamos os nossos fornecedores para actuarem em linha com a nossa Política Ambiental. No dia-a-dia, reforçamos o esforço de cumprir com a Política Ambiental, promovendo o necessário treino e a sensibilização dos nossos colaboradores, atribuindo-lhes responsabilidades claras nestas matérias, com a missão de desenvolver a sua consciência ambiental. Suportaremos alterações a actuais processos e o uso de energias alternativas, pois temos consciência que os recursos não são ilimitados e que é urgente fomentar o respectivo uso e exploração racionais. Usaremos a re-engenharia aplicada a novos métodos e lutaremos pela preservação de uma herança comum e sua transmissão às gerações vindouras. O objectivo do presente Relatório é o de tornarmos público o resultado do nosso desempenho ambiental em Andreas Hinrichs Director-Geral da Volkswagen Autoeuropa 6

8 Relatório Ambiental 2007 Estratégia ambiental Em 2007, conseguimos renovar pela terceira vez a nossa Certificação Ambiental. Sendo eu o representante da Direcção desta fábrica para as questões ambientais, este facto é, para mim e para a minha equipa, motivo de grande satisfação. Nos tempos actuais, não é possível a uma grande empresa, como a Volkswagen Autoeuropa, manter um negócio com visão de longo prazo sem incorporar as questões ambientais na sua gestão estratégica. Ao adoptarmos a via da sustentabilidade, garantimos não só um esforço contínuo para reduzirmos os potenciais impactos ambientais da nossa actividade, mas também as condições necessárias ao nosso crescimento económico e ao reconhecimento social do trabalho que temos desenvolvido. Ao envolvermos os nossos principais fornecedores neste processo, partilhamos com eles o desafio ambiental que nós assumimos, e criamos sinergias que levam a resultados globais muito superiores aos que isoladamente conseguiríamos. Ano após ano, é cada vez mais difícil definir novos objectivos e novas oportunidades de melhoria, tal como é também cada vez mais difícil dar resposta às exigentes pressões da evolução legislativa. No entanto, tenho confiança que a Autoeuropa continuará a dar o seu melhor nesta área, e que vamos continuar a ser reconhecidos como líderes na protecção do ambiente. No quadro actual das alterações climáticas e da urgente racionalização de recursos naturais e energéticos, a indústria tem uma responsabilidade crescente no sentido de implementar uma actuação responsável e sustentável. Apenas pela via da ecoeficiência pode a indústria continuar a criar riqueza, mantendo o compromisso de preservar o ambiente para as gerações futuras. No dia-a-dia, é importante estarmos conscientes do impacto dos nossos gestos, e do que está ao alcance das nossas mãos: a poupança de água e recursos energéticos, a segregação dos resíduos com vista à sua adequada valorização (sempre que possível), e o controlo eficaz de actividades e instalações. Mas não basta estarmos conscientes, temos de ser actuantes. Temos de ser agentes de mudança, quer a nível interno, quer em parceria com os nossos fornecedores. É uma visão pela qual vale a pena lutar. Dar o nosso melhor por uma harmonia com o ambiente que nos rodeia não é uma opção, é uma missão... E esta missão é a base do Sistema de Gestão Ambiental da Autoeuropa, do qual me orgulho enquanto gestor e enquanto cidadão. E quando me deparo com os comentários extremamente positivos que recebemos ano após ano da nossa entidade certificadora, sei que estamos no bom caminho, e sinto motivação para impulsionar novos e mais ambiciosos objectivos ambientais. Bruno Torres Director do Planeamento, Ambiente e Infra-estruturas Pedro Lourenço Chefe de Divisão de Infra-estruturas e Ambiente 7

9 8

10 Relatório Ambiental 2007 Estratégia ambiental Política Ambiental É política global e estratégia da Volkswagen Autoeuropa ser reconhecida como líder na protecção do ambiente. Esta Política Ambiental abrange todas as actividades da fábrica de Palmela, directa ou indirectamente ligadas à fabricação dos nossos produtos. É também política da Volkswagen Autoeuropa procurar a melhoria contínua do seu desempenho ambiental e, onde possível, controlar os aspectos ambientais na origem. Em particular pretendemos: Cumprir ou ir para além dos requisitos legais e outros. Manter procedimentos e meios para lidar rápida e eficientemente com emergências ambientais. Estabelecer objectivos e programas para reduzir impactos ambientais de actividades nossas. Assegurar que são analisados os aspectos ambientais de novos processos, trabalhos, ou actividades relacionadas. Procurar aumentar a valorização dos resíduos. Assegurar uma clara definição dos objectivos ambientais e das responsabilidades. Influenciar os nossos empreiteiros e fornecedores no sentido de cumprirem os requisitos ambientais da Volkswagen Autoeuropa. Criar ou manter espaços verdes no interior ou na periferia da Volkswagen Autoeuropa. 9

11 H ,33

12 766,03 (ml/m 3 ) O que é a Volkswagen Autoeuropa

13 Localização A Volkswagen Autoeuropa localiza-se na Península de Setúbal, mais concretamente no Concelho de Palmela. A área total do terreno da fábrica é de m 2, e a área coberta é de m 2. Foi construída num local sem ocupação industrial prévia, a norte da auto-estrada Lisboa / Algarve, e a sul do caminho-de-ferro Lisboa / Setúbal, junto à estação de Penalva. A fábrica da Volkswagen Autoeuropa foi construída entre 1991 e 1994, tendo a produção em série começado em Possui uma capacidade instalada de veículos/ ano, se operar a 3 turnos. Resultou de um investimento de 1970 milhões de euros, e constitui uma das mais modernas unidades industriais em território português. Desde a sua construção inicial, foi já alvo de um conjunto de ampliações e modernizações, com vista a albergar a produção de novos modelos. Foi feito, contudo, um esforço no sentido de optimizar a área construída e reduzir ao mínimo o acréscimo de novas áreas. A8 A1 Reserva do Estuário do Tejo Ponte Vasco da Gama Porto Alto Estação de Combóio de Penalva Cascais A5 Ponte 25 de Abril LISBOA Rio Tejo Barreiro Montijo Moita IC32 A12 A2 Visitantes Parque Industrial A2 Autoeuropa Parque Industrial Oceano Atlântico Parque Natural da Arrábida Palmela SETÚBAL Reserva do Estuário do Sado Tróia Makro A2 Península de Setúbal Parque Industrial da Autoeuropa 12

14 Relatório Ambiental 2007 O que é a Volkswagen Autoeuropa Produtos O ano de 2007 foi marcado pelos preparativos da fábrica para a produção do Volkswagen Scirocco, um modelo novo inspirado no mítico produto dos anos 70, e que será comercializado a partir do primeiro semestre de O novo Scirocco, inicialmente apresentado ao público em Agosto de 2006 ainda como um concept-car, viria em 2007 a ver o seu design aprovado pela Administração da Volkswagen e a adquirir o seu aspecto final. Na fábrica, a principal mudança para acomodar este novo modelo foi a construção de uma linha de Carroçarias completamente nova, onde foram incorporadas tecnologias inovadoras, como a brasagem por laser e a soldadura por pontos indirecta (usada pela primeira vez no Grupo Volkswagen). Nas restantes áreas do processo produtivo não ocorreram alterações nem de equipamento nem de tecnologia, visto que o Scirocco irá ser montado na mesma linha do actual Volkswagen Eos. Em 2007, foram produzidos veículos, tendo o Volkswagen Eos contribuído com cerca de 60% do volume total. Ainda no segmento dos multipurpose vehicles (MPV s), segmento este que esteve na génese da Volkswagen Autoeuropa, foram produzidas unidades. O Volkswagen Sharan e o SEAT Alhambra corresponderam a cerca de 25 e 15%, respectivamente, do volume total produzido em Ainda em 2007, o Volkswagen Eos permitiu à marca Volkswagen ser galardoada como o primeiro construtor a nível mundial a antecipar o cumprimento das metas de reciclabilidade de veículos em fim de vida. 13

15 14

16 Relatório Ambiental 2007 O que é a Volkswagen Autoeuropa Processo O processo de fabrico de um veículo na Volkswagen Autoeuropa é sequencial, iniciando-se com o corte dos painéis na área de prensas, a partir de bobinas de chapa. Uma única área de prensas produz painéis para todos os modelos fabricados na Volkswagen Autoeuropa, se bem que algumas peças são provenientes de fornecedores externos. O passo seguinte do processo é o da construção da carroçaria, onde por recurso a diversas tecnologias de soldadura e colagem, é produzida a estrutura do veículo. 6 7 O processo de fabrico é concluído nas duas linhas de montagem, independentes. Numa das linhas, dedicada e mais antiga, são montados unicamente os MPV s Sharan e Alhambra. Na outra linha, de concepção mais recente e mais flexível, é produzido o actual Eos e futuramente o novo Scirocco. No final da montagem, existem zonas de testes e ensaios comuns a todos os modelos (que incluem um teste de estanquicidade e uma pista de testes), e uma zona de expedição, também comum a todos os modelos. 1 4 Na Volkswagen Autoeuropa, as linhas de soldadura do MPV, do Eos e do futuro Scirocco são independentes, juntando-se numa zona de acabamento de superfície comum, antes da entrega do carro à pintura O passo seguinte consiste na pintura da carroçaria acabada, existindo na fábrica uma única linha por onde passam todos os modelos

17 766,03 (ml/m 3 ) 2,02 332

18 66,01 3. Certificação e Licença Ambiental

19 18

20 Relatório Ambiental 2007 Certificação e Licença Ambiental Evolução do Sistema de Gestão Ambiental Em 1998, a Volkswagen Autoeuropa estabeleceu um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) de acordo com os requisitos da norma ISO 14001:1996. O sistema foi certificado pela VCA (Vehicle Certification Agency) em Dezembro de 1998, tendo aquela certificação sido já renovada três vezes (em 2001, 2004 e 2007). Semestralmente, são feitas auditorias de acompanhamento pela VCA, e de 3 em 3 anos, há uma renovação da Certificação. Durante o ano de 2005, foi efectuada com sucesso a transição do SGA para a norma ISO 14001:2004, tendo sido obtido o respectivo certificado em Dezembro de A Volkswagen Autoeuropa é ainda detentora da Licença Ambiental nº 01/2004, emitida pelo Instituto do Ambiente em Fevereiro de 2004, tendo desta forma antecipado o cumprimento desta importante obrigação legal mais de 3 anos em relação ao prazo dado pela Comissão Europeia. O Controlo Ambiental e a Equipa ISO A Volkswagen Autoeuropa dispõe de uma secção designada por Controlo Ambiental, inserida na Divisão de Infra-estruturas e Ambiente. O Controlo Ambiental consiste numa equipa de 2 engenheiros dedicados às acções de gestão ambiental e à coordenação e manutenção do SGA. O SGA, por sua vez, gere e controla todos os aspectos ambientais da instalação, e inclui ainda os programas necessários à melhoria contínua do desempenho ambiental. Inclui ainda as ferramentas de verificação desse mesmo desempenho, do cumprimento da legislação e dos requisitos da norma ISO 14001: O Controlo Ambiental é apoiado por um conjunto de representantes de cada área da fábrica, que no seu conjunto, formam a Equipa ISO Esta equipa efectua reuniões quinzenais, sendo abordado, entre outros, o funcionamento do SGA e as medidas de melhoria do mesmo. Algumas das funções mais importantes da Equipa ISO são assegurar em cada área a manutenção do SGA e fornecer toda a informação e indicadores necessários à avaliação de desempenho ambiental da fábrica. Auditorias internas As principais ferramentas utilizadas para avaliar a eficácia do SGA são as auditorias internas e as Revisões pela Gestão. No programa anual de auditorias internas, que são cerca de vinte, estão contempladas todas as áreas, e têm por base todos os requisitos da norma ISO e os requisitos legais. Estas auditorias são realizadas por um grupo de auditores internos. Os resultados são reportados semanalmente aos directores das áreas. Os resultados das auditorias internas, dos objectivos ambientais, e de todo um conjunto de indicadores de desempenho são analisados pela Gestão duas vezes por ano. Das Revisões pela Gestão saem novos objectivos ambientais e recomendações de melhoria. 19

21 20

22 Relatório Ambiental 2007 Certificação e Licença Ambiental Resposta a emergências Uma das regras fundamentais de um SGA é estar preparado para reagir a situações de emergência, que possam causar impactos ambientais. A Volkswagen Autoeuropa dispõe de um corpo privativo de bombeiros que tem ao seu dispor diversos meios de combate a incêndios e outras situações de risco. O serviço do corpo de bombeiros é assegurado durante 24 horas, todos os dias do ano, por elementos com formação nas áreas de intervenção e prevenção. Estes bombeiros estão aptos a executar operações de salvamento e resgate, a prestar primeiros socorros e a transportar feridos e doentes, podendo actuar com uma ambulância, um autotanque pesado, um pronto-socorro ligeiro e um veículo de intervenção química para eventuais acidentes envolvendo substâncias perigosas. Em determinados cenários de emergência, há o risco de poderem entrar na rede pluvial substâncias perigosas (ex.: acidente com cisterna, águas contaminadas de combate a incêndio, ruptura de tubagem, etc.). A fábrica dispõe de uma válvula de corte na saída da rede pluvial, que permite a retenção de eventuais substâncias perigosas e águas contaminadas, até um volume de m 3. Desta forma, o meio hídrico está protegido. Formação e sensibilização ambiental A formação e sensibilização dos trabalhadores e fornecedores na temática ambiental são outra das preocupações da fábrica. Todas as pessoas que exercem actividades dentro da empresa, incluindo prestadores de serviços, recebem formação sobre ambiente e resposta a emergências, dada internamente através de sessões de sensibilização. Tal como os empregados da Volkswagen Autoeuropa, também os fornecedores internos devem conhecer e respeitar a Política Ambiental, bem como as regras básicas sobre ambiente e segurança, transmitidas nas sessões de sensibilização ou distribuidas através de folhetos específicos. A formação ambiental existente engloba, além da Organização e limpeza O processo das auditorias de organização e limpeza tem por objectivo assegurar, de forma padronizada, a existência de boas condições de laboração, assentes numa filosofia de organização dos postos de trabalho nas áreas de produção, não produção e sociais. Orientado para este objectivo, as auditorias focam- -se nos aspectos da implementação e manutenção de um conjunto de princípios fundamentados na ergonomia, funcionalidade, prevenção de acidentes referida sensibilização obrigatória, cursos específicos dirigidos a determinados grupos-alvo, nomeadamente: Manuseamento e Transporte de Materiais Perigosos Legislação Ambiental Gestão Ambiental Auditores ISO (internos) A formação e sensibilização ambiental dadas a todos os indivíduos que trabalham dentro da Volkswagen Autoeuropa, ajuda a elevar o grau de consciência e de responsabilidade internos em relação ao ambiente. e de desperdícios de ordem vária. Indirectamente, esta ferramenta dá algum apoio à manutenção do SGA, ao avaliar temas como a correcta segregação de resíduos, a adequada identificação e conservação dos contentores, a existência de bacias de retenção onde aplicável, ou a adequada etiquetagem e manipulação de substâncias e preparações perigosas. 21

23 32,03 (km/s) 9,82

24 Aspectos ambientais e seu controlo

25 24

26 Relatório Ambiental 2007 Aspectos ambientais e seu controlo Aspectos ambientais Entendem-se por aspectos ambientais todas as possíveis formas de a empresa interagir com o ambiente, ou seja, todos os consumos de recursos naturais e/ou energia, bem como a produção de efluentes líquidos e gasosos, de resíduos, ou a emissão de ruído para o exterior da instalação. Se não forem devidamente controlados, estes aspectos poderão causar impactos ambientais. O objectivo da gestão ambiental, através do seu SGA e da actuação do Controlo Ambiental, é garantir através de uma adequada gestão dos aspectos ambientais a prevenção da ocorrência de impactos ambientais significativos. A melhor forma de uma organização reduzir o seu impacto ambiental é, cumulativamente, minimizando os seus consumos de recursos (água, gás natural, matérias-primas), e minimizando a produção de resíduos, a descarga de efluentes (líquidos e gasosos) e as emissões de ruído para o exterior. São estes os princípios da eco-eficiência. Apresentamos neste capítulo um resumo da abordagem da Volkswagen Autoeuropa no que toca ao controlo dos seus aspectos ambientais. Água Energia Matérias Primas Efluentes líquidos Emissões Atmosféricas Resíduos Ruído Resíduos Na Volkswagen Autoeuropa são produzidos vários tipos de resíduos, que se dividem em dois grandes grupos: os perigosos e não perigosos. Estes resíduos são agrupados pela sua natureza, geridos separadamente, armazenados e expedidos para destinos finais licenciados, sendo dada preferência a destinos de valorização sempre que técnica e economicamente viável. A Volkswagen Autoeuropa celebrou um contrato de gestão global de resíduos com um operador devidamente licenciado, que assegura todas as operações de recolha interna, acondicionamento e rotulagem. O mesmo operador coordena ainda toda a logística de expedição para os destinos de valorização ou eliminação, e organiza ainda a documentação exigida pela legislação nacional e europeia aplicável. Tem sido política da empresa trabalhar no sentido de reduzir o volume dos resíduos produzidos e aumentar o índice de valorização dos mesmos. 25

27 Para uma adequada gestão dos resíduos produzidos, a Volkswagen Autoeuropa dispõe de quatro instalações dedicadas a este efeito: Uma Central de Triagem de Resíduos Não Perigosos, onde se procede à separação e compactação de embalagens de papel e cartão (incluído papel de escritório), filme plástico e resíduos industriais banais, bem como à separação de resíduos de madeira. Um Parque de Resíduos Perigosos, devidamente coberto, impermeabilizado e com ligação à ETARI, onde são classificados, acondicionados, rotulados e preparados para transporte todos os resíduos perigosos produzidos na instalação (é o caso das lamas de tinta, de fosfatação, da ETARI, dos óleos usados e outros resíduos de hidrocarbonetos, das baterias, dos resíduos de colas e vedantes, solventes usados, pilhas e lâmpadas fluorescentes, e embalagens contaminadas, entre outros). Um Centro de Valorização de Sucatas, onde são segregados e, nalguns casos, compactados, resíduos como sejam componentes e partes danificados do veículo (metálicas e não metálicas), vidro, cobre, alumínio, equipamento eléctrico e electrónico em fim de vida, outros equipamentos obsoletos provenientes da fábrica, e determinados resíduos de obras e alterações na fábrica. Uma Unidade de Compactação de Aparas de Aço, que são as sobras do corte dos vários painéis que constituem a carroçaria do veículo. Nesta instalação, os restos de chapa são automaticamente compactados e descarregados em vagões de comboio. Além destas áreas dedicadas, existem em toda a fábrica inúmeros locais de recolha diferenciada de resíduos (ecopontos), quer dentro das instalações, quer junto ao Parque de Empreiteiros. A gestão global de resíduos é uma peça muito importante do SGA, tendo sido criado um conjunto de procedimentos, instruções e ajudas visuais de apoio ao processo, para que todas as operações associadas aos resíduos se efectuem de uma forma integrada. Existe um código de cores para os diversos contentores de resíduos, e foram criados cartazes sinópticos, com a ilustração dos tipos de contentores e sua função. 26

28 Relatório Ambiental 2007 Aspectos ambientais e seu controlo Águas residuais A Volkswagen Autoeuropa dispõe de redes independentes para águas pluviais, efluentes domésticos e industriais, que estão identificadas, respectivamente, com as cores azul, castanho e lilás. A qualidade das águas pluviais é assegurada através da existência de separadores de óleos nos parques de estacionamento e em diversos locais da fábrica, e ainda pela existência da válvula de corte na saída da rede pluvial, já atrás referida. Desta forma, evita-se a descarga de substâncias poluentes para o meio hídrico natural, através da rede pluvial. As águas pluviais que saem da fábrica são conduzidas a um afluente da bacia hidrográfica do Tejo (Vala das Sete Fontes). O efluente doméstico (proveniente de instalações sanitárias, balneários e cozinhas) é totalmente tratado na ETAR Municipal de Palmela, sendo depois introduzido no meio hídrico na mesma linha de água atrás referida. Por fim, a rede de efluentes industriais serve, além dos principais edifícios fabris, áreas como o parque de empreiteiros, os parques de resíduos, as estações de água de refrigeração e compressores, as zonas onde há armazenamento de produtos químicos, entre outras. Os efluentes industriais são integralmente tratados na ETARI físico-química da fábrica, através de tecnologias que incluem, entre outras, a ultra filtração e a floculação / decantação. Em 2007 foi iniciado um estudo com vista à implementação de um processo complementar de tratamento à base de carvão activado, que se prevê seja implementado em Após o tratamento na ETARI da Volkswagen Autoeuropa, os efluentes industriais são enviados para a ETAR Municipal de Palmela (para novo tratamento, desta vez biológico). O efluente é conduzido por colector desde a ETARI da fábrica até à ETAR Municipal, não havendo contacto entre o efluente industrial e o meio natural. A qualidade dos efluentes é controlada diariamente pelos operadores da ETARI, e quinzenalmente por um laboratório externo. Os resultados são enviados semestralmente à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR). A água que é utilizada nas cabinas da pintura é tratada através de um processo físico-químico específico, e continuamente reutilizada. Este processo permite, no fundo, a recirculação de água em circuito fechado (após remoção da tinta que se perde no processo de pintura) e, como tal, assegura à Volkswagen Autoeuropa um consumo de água relativamente reduzido, quando comparado com a maioria das fábricas de automóveis. 27

29 Emissões atmosféricas O processo de pintura utilizado na Volkswagen Autoeuropa é essencialmente de base aquosa (excepto o verniz final). Isto permite uma das taxas de emissão mais baixas da indústria automóvel. A média de emissão do processo de pintura dos últimos anos foi de 33g de compostos orgânicos voláteis (COV s) por m 2 de chapa pintada, sendo o limite legal de 60 g/m 2. Ainda assim, a fábrica tem equipamento para controlar e reduzir ao mínimo as suas emissões, sobretudo de compostos orgânicos voláteis (solventes). Associados às estufas de secagem do carro (após aplicação de cada camada do tratamento de superfície), existem incineradores que operam a 750ºC para destruírem por completo os vapores de solvente residuais. Actualmente, são utilizados 3 incineradores. Além dos COV s, outros poluentes resultantes do processo de produção automóvel são: partículas, monóxido de carbono e óxidos de azoto. Estes resultam essencialmente de processos térmicos (caldeiras). As medições efectuadas revelam que todos são emitidos em quantidades anuais bastante reduzidas, tendo por isso sido autorizado que para um conjunto significativo de fontes de emissão a monitorização seja feita apenas uma vez cada três anos. A monitorização dos principais poluentes (provenientes dos incineradores, caldeiras e exaustões) é efectuada por uma entidade externa e os resultados obtidos são comunicados à CCDR. Embora a Volkswagen Autoeuropa não esteja abrangida pela legislação das licenças de emissão de gases de efeito de estufa, tem vindo a desenvolver medidas internas de poupança de energia, que contribuem para uma redução das emissões de CO 2. Ruído A Volkswagen Autoeuropa está localizada numa área industrial. De forma a avaliar e controlar a significância das emissões de ruído ambiental, foram efectuadas medições de 2 em 2 anos, e não existem queixas do exterior. Os níveis de emissão não são elevados para o tipo de zona, e a presença de potenciais receptores de incomodidade é relativamente distante. Devido à entrada em vigor de um novo regime legal de ruído em 2007, foi feita uma nova campanha de monitorização, que revelou uma vez mais a conformidade legal dos níveis de emissão de ruído ambiental. Consumo de água A Volkswagen Autoeuropa é abastecida pela rede pública (da Câmara Municipal de Palmela) e por 5 furos de captação existentes na empresa. Os 5 furos estão licenciados, sendo 2 deles utilizados para rega de espaços verdes e os restantes para fins industriais. Em 2007, foi implementada uma nova programação horária do regime de rega, que permitiu reduzir o volume de água usada para esse efeito. Existem na fábrica 2 redes de distribuição independentes: uma delas para uso industrial e rede de incêndio, e outra para consumo humano. 28

30 Relatório Ambiental 2007 Aspectos ambientais e seu controlo Consumo de gás natural O gás natural é transportado por tubagem até à Volkswagen Autoeuropa, evitando-se as emissões e os riscos do transporte por estrada e de trasfega, que estavam presentes enquanto a fábrica foi abastecida por propano liquefeito. O processo de extracção e transporte do gás natural gera emissões muito baixas, ao contrário do que se passa com os gases de petróleo liquefeitos. É o mais limpo combustível fóssil (essencialmente metano), não emite óxidos de enxofre ou azoto, e não origina cinzas ou emissões de partículas. A fábrica foi concebida logo na fase de projecto para utilizar este tipo de combustível, mas só começou a usar o gás natural quando o mesmo ficou disponível em Portugal (foi o primeiro grande consumidor a nível nacional desta fonte de energia). Este combustível tem também vantagens a nível económico. Consumo de energia eléctrica A Volkswagen Autoeuropa recebe a energia eléctrica em muito alta tensão (150 kv), sendo depois distribuída em média tensão (20 kv) pela fábrica, existindo uma subestação eléctrica interna. Os grandes consumidores de energia eléctrica são o processo produtivo, a climatização e ventilação das naves industriais, e a respectiva iluminação. A fábrica dispõe de um sistema informático de gestão de energia, que permite gerir e monitorizar consumos e emitir alertas em caso de consumos instantâneos elevados, podendo ainda actuar em situação de emergência, impedindo que se ultrapasse o valor de potência contratada. Protecção do solo As tubagens que transportam fluidos susceptíveis de causarem danos ambientais foram colocadas, sempre que possível, acima do solo. Os tanques de armazenagem existentes à superfície possuem bacias de retenção. Os subterrâneos são de parede dupla, com sistema de detecção de fugas. Na zona de descarga dos fluidos utilizados nos carros (gasóleo, gasolina, óleos e líquidos de limpeza dos vidros e de refrigeração do motor), a rede pluvial está protegida com uma válvula de corte que fecha automaticamente no início de cada operação de abastecimento, logo que a cisterna é acoplada ao bocal do tanque de armazenagem. Aprovação de materiais Os materiais utilizados na Volkswagen Autoeuropa passam previamente por um processo de aprovação interna. Referimo-nos essencialmente a produtos que possam ser perigosos para a saúde das pessoas ou para o ambiente, como sejam óleos, tintas, vernizes, ceras, vedantes, produtos de limpeza e de manutenção industrial, reagentes de laboratório e outros produtos químicos. O objectivo desta aprovação é o de prevenir que entrem na fábrica substâncias ou preparações com riscos elevados. Para se proceder à aprovação interna de um novo material, a ficha de segurança é analisada por uma As áreas de armazenagem de resíduos, ou de manuseamento de produtos perigosos, são impermeabilizadas. Como equipamento de apoio, existem ainda: kits de absorvente em toda a fábrica, para utilizar em caso de derrames; um veículo de intervenção química, para combate a derrames e limpeza de locais de acidente envolvendo substâncias perigosas (disponível no corpo de bombeiros, como já atrás referido). equipa multidisciplinar, em que participam a higiene industrial, a medicina do trabalho, a segurança industrial, a prevenção de incêndios, o controlo ambiental e as áreas utilizadoras. Quando se detectam materiais com riscos elevados, os mesmos são rejeitados para utilização interna na empresa. Em 2007, foi aprovado um projecto para a implementação de um sistema informático de apoio a esta função, que em 2008 irá melhorar a rapidez do processo de aprovação e a conservação da informação relativa aos materiais usados. 29

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

Volkswagen Autoeuropa. Relatório. ambiental

Volkswagen Autoeuropa. Relatório. ambiental Volkswagen Autoeuropa 2009 Relatório ambiental Volkswagen Autoeuropa 2009 Relatório ambiental Volkswagen Autoeuropa Índice 1. ESTRATÉGIA AMBIENTAL O compromisso da Direcção Política Ambiental 4. ASPECTOS

Leia mais

Estratégia Introdução Emílio Sáenz, Director Geral da VW Autoeuropa Um dos pilares da nossa Visão Estratégica é o reconhecimento da importância do Ambiente em todos os aspectos da nossa actividade, assegurando

Leia mais

Relatório Ambiental Relatório Ambiental 2005 2005

Relatório Ambiental Relatório Ambiental 2005 2005 Relatório Ambiental Índice ESTRATÉGIA AMBIENTAL Compromisso da gestão Política Ambiental O QUE É A VOLKSWAGEN AUTOEUROPA Localização Produtos Processo CERTIFICAÇÃO E LICENÇA AMBIENTAL Evolução do Sistema

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA A Sociedade Ponto Verde é uma entidade privada sem fins lucrativos que tem por missão organizar e gerir a retoma e valorização de resíduos de embalagens

Leia mais

Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23. Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar

Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23. Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23 Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar (ex. Salvador Caetano Indústrias Metalúrgicas e Veículos de Transporte,

Leia mais

VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA

VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA Agenda Volkswagen Autoeuropa em Portugal Produtos e produção Recursos Humanos Boas práticas preventivas 2/32 Volkswagen Autoeuropa em Portugal 3/32

Leia mais

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda.

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda. 5.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL nº 1/2004 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 5.º Aditamento à Licença Ambiental do operador Volkswagen

Leia mais

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. "Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009 INFRAQUINTA Afirmação de uma Cultura Ambiental "Modelos de Gestão no Sector do Turismo Albufeira, 22 Abril 2009 AGENDA 1. A INFRAQUINTA Génese Estrutura Accionista Organograma Missão Competências 2. O

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM 1 VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM POLÍTICA DOS 3 R S: consiste na aplicação dos seguintes princípios, por ordem de prioridade: REDUÇÃO da quantidade de resíduos produzidos e

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE PELO QUE S. MIGUEL TEM DE MELHOR. Na altura em que se completam dez anos sobre o início da actividade da AMISM, é oportuno fazer um balanço

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO TEJO ENERGIA Produção e Distribuição de Energia Eléctrica, S. A. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DA CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO ADITAMENTO Nº DO TRABALHO: MF 2457 Nº DO DOCUMENTO: 01.RP.I

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos -

A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos - A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos - Raquel N. FIGUEIREDO Eng.ª Ambiente, Águas do Cávado, SA, Lugar

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 LISTA DE OPERADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS LICENCIADOS EM SÃO JORGE ATUALIZADA A 31.07.2012 Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 - Armazenagem dos seguintes resíduos: LER Alvará n.º 5/DRA/2012 (validade:

Leia mais

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente.

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. OBJECTIVOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. A Gestão da Segurança foca o indivíduo, o colaborador; Tem como objectivo a sua protecção

Leia mais

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL Que resíduos produz? Segundo o Decreto-Lei nº178/2006, de 5 de Setembro, entende-se por resíduos quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem a intenção

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Exemplo de Requerimento Zona Franca Industrial Documento disponível em: www.ibc-madeira.com EXEMPLO DE REQUERIMENTO PARA AUTORIZAÇÃO DE INSTALAÇÃO

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

GUIA DO CONSUMO SUSTENTÁVEL SEMINÁRIO CONSUMO SUSTENTÁVEL: A RESPOSTA DA DISTRIBUIÇÃO MODERNA

GUIA DO CONSUMO SUSTENTÁVEL SEMINÁRIO CONSUMO SUSTENTÁVEL: A RESPOSTA DA DISTRIBUIÇÃO MODERNA GUIA DO CONSUMO SUSTENTÁVEL SEMINÁRIO CONSUMO SUSTENTÁVEL: A RESPOSTA DA DISTRIBUIÇÃO MODERNA Susana Abreu 30 de Setembro de 2011 LIPOR Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL Índice 1. Politíca de Qualidade e Ambiente 2 2. Aspectos Gerais 3 3. Introdução 4 4. Apresentação da Empresa

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

Pretendemos por este meio dar a conhecer as áreas de intervenção da nossa empresa, na expectativa do vosso interesse.

Pretendemos por este meio dar a conhecer as áreas de intervenção da nossa empresa, na expectativa do vosso interesse. Energia sem limites Lic. n.º 38549 Amorlux Projectos e Instalações Eléctricas, Lda. Amorlux, Projectos e Instalações Eléctricas, Lda, fundada em 1994, é uma empresa Portuguesa com ampla e reconhecida experiência

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Nota Técnica sobre Instalação PCIP

Nota Técnica sobre Instalação PCIP Nota Técnica sobre Instalação PCIP De acordo com o previsto no art 2º do Decreto-Lei 173/2008 de 26 de Agosto que estabelece o regime jurídico relativo à prevenção e controlo integrados de poluição (Diploma

Leia mais

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente 2008 1 A Região Autónoma da Madeira Área 42,5 km 2 População residente

Leia mais

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE Gestão de Resíduos no Território Isabel Vasconcelos Fevereiro de 2006 Produção de Resíduos Resíduos - Quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor

Leia mais

A Rockwell Automation está empenhada em aplicar. É nossa política irmos além do mero cumprimento. dos regulamentos e agirmos no interesse das

A Rockwell Automation está empenhada em aplicar. É nossa política irmos além do mero cumprimento. dos regulamentos e agirmos no interesse das ISO 14001 A4PT.QXD 8/31/99 4:52 PM Page 1 POLÍTICA AMBIENTAL A Rockwell Automation está empenhada em aplicar os mais altos padrões de gestão ambiental mundial. É nossa política irmos além do mero cumprimento

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Município de Torres Vedras 12 de Novembro 2013 Seminário: Sustentabilidade Energética nas Compras Públicas OesteCIM Supported by: Coordination: Partners: Resumo 1 - Território

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

DE OLHOS NO FUTURO CRE8TIVE. A nossa vocação visa a reciclagem e conservação do meio ambiente.

DE OLHOS NO FUTURO CRE8TIVE. A nossa vocação visa a reciclagem e conservação do meio ambiente. DE OLHOS NO FUTURO 4U CRE8TIVE A nossa vocação visa a reciclagem e conservação do meio ambiente. A BELSERVICE Belservice é uma empresa de direito angolano, vocacionada na reciclagem e tratamento de todo

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve

Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve Organização dos Serviços de Saúde Região do Algarve Nacional Ministério da Saúde Regional ARS Algarve ARS Alentejo ARS Lisboa e Vale do Tejo ARS

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS Passado, Presente e Futuro da Gestão de Resíduos Hospitalares em Portugal Missão Técnica a Portugal Logística Reversa 20 a 24 de Outubro de 2014 1 AGENDA 1 2 3

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS PARA A PRESERVAÇÃO DA ELEVADA QUALIDADE DA ÁGUA MINERAL NATURAL E DA ÁGUA DE NASCENTE ENGARRAFADA. comparticipado pelo

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS PARA A PRESERVAÇÃO DA ELEVADA QUALIDADE DA ÁGUA MINERAL NATURAL E DA ÁGUA DE NASCENTE ENGARRAFADA. comparticipado pelo CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS PARA A PRESERVAÇÃO DA ELEVADA QUALIDADE DA ÁGUA MINERAL NATURAL E DA ÁGUA DE NASCENTE ENGARRAFADA comparticipado pelo 1. INTRODUÇÃO Considerando que as águas minerais naturais e

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

Guia. Boas Práticas Ambientais. Espalhe a Mensagem Ecológica.

Guia. Boas Práticas Ambientais. Espalhe a Mensagem Ecológica. Guia Espalhe a Mensagem Ecológica. INTRODUÇÃO 02 POLÍTICA DO AMBIENTE 04 DECLARAÇÃO DE COMPROMISSO 05 PRINCIPAIS ACÇÕES IMPLEMENTADAS 06 OBJECTIVOS A ATINGIR 07 BOAS PRÁTICAS A SEGUIR 08 SIMBOLOGIA ÚTIL

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

Grupo EGEO Responsabilidade Civil Ambiental. APLICAÇÃO DO REGIME DA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL AOS OPERADORES DE RESÍDUOS Case Study

Grupo EGEO Responsabilidade Civil Ambiental. APLICAÇÃO DO REGIME DA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL AOS OPERADORES DE RESÍDUOS Case Study Grupo EGEO Responsabilidade Civil Ambiental APLICAÇÃO DO REGIME DA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL AOS OPERADORES DE RESÍDUOS Case Study 11 de Outubro de 2011 GRUPO EGEO Empresas EGEO Tecnologia e Ambiente

Leia mais

RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA DE GESTÃO DE SAÚDE NORTE DE MÁLAGA (ASNM).

RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA DE GESTÃO DE SAÚDE NORTE DE MÁLAGA (ASNM). XXV Congreso de la Asociación Latina para el Análisis de los Sistemas de Salud 4, 5 y 6 de septiembre 2014 - Granada RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.045.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 Avaliação de Desempenho Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 A série de normas NBR ISO 14000 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DESEMPENHO AMBIENTAL 14001:2004 e 14004:2005 14031:2004 (Versão corrigida

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo 8 de Março de 2010 Regulamentação técnica para a aprovação de veículos eléctricos 1 ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 7 HOMOLOGAÇÃO DE VEÍCULOS ELÉCTRICOS - ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso O ruído tem vindo a assumir um lugar de destaque no conjunto de preocupações dos cidadãos em matéria ambiental. De acordo com informação

Leia mais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais 1 Os edifícios da Sede e Museu foram inaugurados em 1969, 7 anos depois do início da construção, sendo o projecto dos arquitectos Alberto Pessoa, Pedro Cid e Ruy d Athouguia; Os jardins são projecto dos

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 850. Protecção do Ambiente Itinerário de Formação 85001. Operação de Sistemas Ambientais Saída Profissional Designação:

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Autoeuropa. Indicadores Ambientais 2008

Autoeuropa. Indicadores Ambientais 2008 Autoeuropa Indicadores Ambientais Índice P 03 1. ESTRATÉGIA AMBIENTAL P 04 2. PRODUTOS P 05 3. OBJECTIVOS E RESULTADOS P 06 4. OBJECTIVOS 2009 P 07 5. INDICADORES AMBIENTAIS P 15 6. CUSTOS E INVESTIMENTOS

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

ABRUNHEIRA. é uma realidade! CDR Premium. Biogás gera electricidade. Plano Director de Trajouce

ABRUNHEIRA. é uma realidade! CDR Premium. Biogás gera electricidade. Plano Director de Trajouce CDR Premium Iniciámos a produção de um novo produto Tratolixo Biogás gera electricidade A recuperação do biogás do aterro de Trajouce permitirá a produção anual de aproximadamente 5,7GW Plano Director

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2014

TABELA DE PREÇOS 2014 TABELA DE PREÇOS 2014 ECODEPUR - Tecnologias de Protecção Ambiental, Lda Urbanização da Chã Av. 21 de Junho, n.º 103 Apartado 8 2435-087 Caxarias PORTUGAL T. +351 249 571 500 F. +351 249 571 501 geral@ecodepur.pt

Leia mais

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Seminários 2015 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Francisco Valente OBJETIVOS Informação sobre as obrigações legais dos

Leia mais

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento A Empresa Sediada na Trofa há mais de 25 anos, somos uma empresa dinâmica que oferece uma gama de soluções que

Leia mais