Proposta de um Sistema de gestão de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas Campus I seguindo a série de Normas ISO 14000:2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de um Sistema de gestão de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas Campus I seguindo a série de Normas ISO 14000:2004"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP Fone: (35) Fax: (35) Proposta de um Sistema de gestão de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas Campus I seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Docente: PROF. DR. Rogério Grasseto Teixeira da Cunha Discentes: Alexandre Casadei Ferreira Jefferson F. dos Santos Mariana das Dores Samuel Pipano Alfenas 2013

2 Sumário Introdução... 4 Normas da série ISO 14001: I. Política Ambiental II. Aspectos ambientais III. Objetivos, metas e programa(s) IV. Recursos, funções, responsabilidade e autoridade V. Comunicação VI. Documentação VII. Controle de documentos VIII. Controle Operacional IX. Preparação e resposta à emergência X. Monitoramento e Medição XI. Não- conformidade, ação corretiva e ação preventiva XII. Controle de registros XIII. Auditoria interna XIV. Análise pela administração XV. Melhoria Contínua Objetivos...15 Materiais e Métodos...16 Resultados e Discussões Política Ambiental 2. Aspectos ambientais 3. Objetivos, metas e programa(s) 4. Recursos, funções, responsabilidade e autoridade 5. Comunicação 6. Documentação 7. Controle de documentos 8. Controle Operacional 9. Preparação e resposta à emergência 10. Monitoramento e Medição 2

3 11. Não- conformidade, ação corretiva e ação preventiva 12. Controle de registros 13. Auditoria interna 14. Análise pela administração 15. Melhoria Contínua Conclusão...22 Bibliografia...23 Anexo A- Figuras e tabelas...24 Anexo B Liminar que sustenta a sentença contra a COPASA

4 Introdução Um dos maiores desafios atuais é conservar e manter nossas reservas de água, assim a gestão racional desse recurso torna-se imprescindível para todo planeta. A água é um recurso de grande disponibilidade em nosso país, porém sua distribuição é desigual, sendo que 80% do total está localizado na região Amazônica e apenas 20% se encontra distribuída pelo território nacional. Neste quadro se insere a população brasileira que se encontra em grande parte concentrada no litoral do país e necessita desse recurso (Setti et al., 2000). Contudo, este é exatamente o ponto dos problemas de escassez hídrica no Brasil, a combinação entre o crescimento exagerado das demandas localizadas e a degradação da qualidade das águas. Segundo Setti, esse quadro se dá em decorrência dos processos desordenados de urbanização, industrialização e expansão agrícola. Assim, o problema exige uma solução prática e somente com um sistema de gestão efetiva é possível assegurar um nível de proteção ambiental e saúde pública para toda uma comunidade (Otis,2002).A melhor delas é a criação de um sistema de gestão de efluentes líquidos, cuja atenção se volta para as entradas e saídas do sistema, possibilitando o controle e a auto-regulação do sistema que a adotá-la. Desta forma a norma proposta pela ISO que foi adotada por todos os países torna-se um exemplo a ser seguido por empresas ou instituições preocupadas com o meio ambiente. Esta norma visa a criação de um sistema de gestão ambiental preocupado tanto com o meio ambiente quanto com o funcionamento do empreendimento. Assim, a ISO estabelece alguns requisitos para as empresas gerenciarem seus empreendimentos e seus produtos, evitando a poluição do meio ambiente e os impactos gerados por suas atividades. Além disso, as empresas que adotam-na podem obter o certificado ISO 14001, fato extremamente atrativo num mercado tão competitivo como o de atualmente. Deste modo, pensando na melhoria da instituição e do ambiente universitário o estudo a seguir é uma proposta de sistema de gestão ambiental de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas- MG. Este tem como base as normas NBR ISO 14001:

5 Normas da série ISO 14001:2004 A normas da série ISO se divide em dois grupo de normas, são eles: Avaliação da organização e avaliação do produto (Boog & Bizzo,1999). Este estudo se focará na avaliação da organização. são: A norma traz alguns quesitos fundamentais para a implantação de um SGA que Política Ambiental Política ambiental é definida como a declaração da organização, expondo suas intenções e princípios em relação ao seu desempenho ambiental global, que provê uma estrutura para ação e definição de seus objetivos e metas ambientais (ABNT NBR ISO 14001:1996). I. Aspectos ambientais Os aspectos ambientais são os elementos das atividades ambientais, produtos ou serviços de uma organização que pode interagir com o meio ambiente (ABNT NBR ISO 14001:1996). II. Objetivos, metas e programa(s) A organização deve estabelecer, implementar e manter objetivos e metas ambientais documentados, nas funções e níveis relevantes na organização. Os objetivos e metas devem ser mensuráveis, quando exequível, e coerentes com a política ambiental, incluindo-se os comprometimentos com a prevenção de poluição, com o atendimento aos requisitos legais e outros requisitos subscritos pela organização e com a melhoria contínua. Ao estabelecer e analisar seus objetivos e metas, uma organização deve considerar os requisitos legais e outros requisitos por ela subscritos, e seus aspectos ambientais significativos. Deve também considerar suas opções tecnológicas, seus requisitos financeiros, operacionais, comerciais e a visão das partes interessadas. A organização deve estabelecer, implementar e manter programa(s) para atingir seus objetivos e metas. O(s) programa(s) deve(m) incluir: 5

6 a) atribuição de responsabilidade para atingir os objetivos e metas em cada função e nível pertinente da organização, e b) os meios e o prazo no qual eles devem ser atingidos. III. Recursos, funções, responsabilidade e autoridade Os recursos incluem recursos humanos e habilidades especializadas, infraestruturar organizacional, tecnologia e recursos financeiros. Funções, responsabilidades e autoridades devem ser definidas, documentadas e comunicadas visando facilitar uma gestão ambiental eficaz. A alta administração da organização deve indicar representante(s) específico(s) da administração, o(s) qual(is), independentemente de outras responsabilidades, deve(m) ter função, responsabilidade e autoridade definidas para: a) assegurar que um sistema da gestão ambiental seja estabelecido, implementado e mantido em conformidade com os requisitos desta Norma, b) relatar à alta administração sobre o desempenho do sistema da gestão ambiental para análise, incluindo recomendações para melhoria. IV. Comunicação Com relação aos seus aspectos ambientais e ao sistema da gestão ambiental, a organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para: a) comunicação interna entre os vários níveis e funções da organização, b) recebimento, documentação e resposta a comunicações pertinentes oriundas de partes interessadas externas. A organização deve decidir se realizará comunicação externa sobre seus aspectos ambientais significativos, devendo documentar sua decisão. Se a decisão for 6

7 comunicar, a organização deve estabelecer e implementar método(s) para esta comunicação externa. V. Documentação A documentação do sistema da gestão ambiental deve incluir: a) política, objetivos e metas ambientais, b) descrição do escopo do sistema da gestão ambiental, c) descrição dos principais elementos do sistema da gestão ambiental e sua interação e referência aos documentos associados, d) documentos, incluindo registros, requeridos por esta Norma, e e) documentos, incluindo registros, determinados pela organização como sendo necessários para assegurar o planejamento, operação e controle eficazes dos processos que estejam associados com seus aspectos ambientais significativos. VI. Controle de documentos Registros são um tipo especial de documento e devem ser controlados. A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para: a) aprovar documentos quanto à sua adequação antes de seu uso, b) analisar e atualizar, conforme necessário, e re-aprovar documentos, c) assegurar que as alterações e a situação atual da revisão de documentos sejam identificadas, d) assegurar que as versões relevantes de documentos aplicáveis estejam disponíveis em seu ponto de uso; e) assegurar que os documentos permaneçam legíveis e prontamente identificáveis, f) assegurar que os documentos de origem externa determinados pela organização como sendo necessários ao planejamento e operação do sistema da gestão ambiental sejam identificados e que sua distribuição seja controlada, e g) prevenir a utilização não intencional de documentos obsoletos e utilizar identificação adequada nestes, se forem retidos para quaisquer fins. 7

8 VII. Controle Operacional Recomenda-se que uma organização avalie quais de suas operações estão associadas com seus aspectos ambientais significativos identificados e assegure que elas sejam conduzidas de modo a controlar ou reduzir os impactos ambientais adversos associados, para atender aos requisitos de sua política ambiental e atingir seus objetivos e metas. Recomenda-se que sejam consideradas todas as partes de suas operações, incluindo as atividades de manutenção. Como esta parte do sistema da gestão ambiental fornece orientação de como levar os requisitos do sistema para as operações do dia-a-dia a) requer o uso de procedimento(s) documentado(s) para controlar situações onde sua ausência possa levar a desvios em relação à política ambiental, aos objetivos e às metas. VIII. Preparação e resposta à emergência A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para identificar potenciais situações de emergência e potenciais acidentes que possam ter impacto(s) sobre o meio ambiente, e como a organização responderá a estes. A organização deve responder às situações reais de emergência e aos acidentes, e prevenir ou mitigar os impactos ambientais adversos associados. A organização deve periodicamente analisar e, quando necessário, revisar seus procedimentos de preparação e resposta à emergência, em particular, após a ocorrência de acidentes ou situações emergenciais. A organização deve também periodicamente testar tais procedimentos, quando exequível. 8

9 IX. Monitoramento e Medição A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para monitorar e medir regularmente as características principais de suas operações que possam ter um impacto ambiental significativo. O(s) procedimento(s) deve(m) incluir a documentação de informações para monitorar o desempenho, os controles operacionais pertinentes e a conformidade com os objetivos e metas ambientais da organização. A organização deve assegurar que equipamentos de monitoramento e medição calibrados ou verificados sejam utilizados e mantidos, devendo-se reter os registros associados. X. Não- conformidade, ação corretiva e ação preventiva Dependendo da natureza da não-conformidade, ao se estabelecerem procedimentos para lidar com esses requisitos, as organizações podem elaborá-los com um mínimo de planejamento formal ou por meio de uma atividade mais complexa e de longo prazo. É recomendado que a documentação associada seja apropriada ao nível da ação. XI. Controle de registros A organização deve estabelecer e manter registros, conforme necessário, para demonstrar conformidade com os requisitos de seu sistema da gestão ambiental e desta Norma, bem como os resultados obtidos. A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para a identificação,armazenamento, proteção, recuperação, retenção e descarte de registros. Os registros devem ser e permanecer legíveis, identificáveis e rastreáveis. XII. Auditoria interna Processo sistemático, independente e documentado para obter evidência e avaliá-la objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria do sistema da gestão ambiental estabelecidos pela organização (3.16) são atendidos 9

10 A organização deve assegurar que as auditorias internas do sistema da gestão ambiental sejam conduzidas sem intervalos planejados para: a) determinar se o sistema da gestão ambiental: 1) está em conformidade com os arranjos planejados para a gestão ambiental, incluindo-se os requisitos desta Norma, e 2) foi adequadamente implementado e é mantido, e b) fornecer informações à administração sobre os resultados das auditorias. Programa(s) de auditoria deve(m) ser planejado(s), estabelecido(s), implementado(s) e mantido(s) pela organização, levando-se em consideração a importância ambiental da(s) operação(ões) pertinente(s) e os resultados das auditorias anteriores. Procedimento(s) de auditoria deve(m) ser estabelecido(s), implementado(s) e mantido(s) para tratar: Das responsabilidades e requisitos para se planejar e conduzir as auditorias, para relatar os resultados e manter registros associados, Da determinação dos critérios de auditoria, escopo, frequência e métodos. A seleção de auditores XIII. Análise pela administração A alta administração da organização deve analisar o sistema da gestão ambiental, em intervalos planejados, para assegurar sua continuada adequação, pertinência e eficácia. Análises devem incluir a avaliação de oportunidades de melhoria e a necessidade de alterações no sistema da gestão ambiental, inclusive da política ambiental e dos objetivos e metas ambientais. Os registros das análises pela administração devem ser mantidos As entradas para análise pela administração devem incluir: a) resultados das auditorias internas e das avaliações do atendimento aos requisitos legais e outros subscritos pela organização, 10

11 b) comunicação(ões) proveniente(s) de partes interessadas externas, incluindo reclamações, c) o desempenho ambiental da organização, d) extensão na qual foram atendidos os objetivos e metas, e) situação das ações corretivas e preventivas, f) ações de acompanhamento das análises anteriores, g) mudança de circunstâncias, incluindo desenvolvimentos em requisitos legais e outros relacionados aos aspectos ambientais, e h) recomendações para melhoria. As saídas da análise pela administração devem incluir quaisquer decisões e ações relacionadas a possíveis mudanças na política ambiental, nos objetivos, metas e em outros elementos do sistema da gestão ambiental, consistentes com o comprometimento com a melhoria contínua. XIV. Melhoria Contínua Processo recorrente de se avançar com o sistema da gestão ambiental com o propósito de atingir o aprimoramento do desempenho ambiental geral, coerente com a política ambiental da organização. Estes requisitos nada mais são do que parte de um sistema de gestão global que inclui uma estrutura organizacional, atividades de planejamento, responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos para desenvolver, implementar, analisar criticamente e manter uma política ambiental (Piva, 2007). Vale ressaltar que nada disso é possível sem que a alta administração se comprometa firmemente com a política ambiental, e consequentemente com o sistema de gestão proposto :2004 Aplicação de SGA para efluentes líquido seguindo a normal ISO 11

12 Objetivos Identificar os processos utilizados de gestão de efluentes existentes; Estabelecer propostas para boas práticas ambientais na instituição quanto aos efluentes líquidos; Propor um modelo de sistema de gestão de efluentes líquidos; Material e Métodos Os materiais utilizados foram contas de água desde 2010 até 2012 para averiguação dos gastos de água e esgoto, ainda utilizou-se a planta do campus para contagem de torneiras e privadas. Além disso, verificou-se o número de bebedouros e destiladores nos laboratórios, visto que estes últimos são equipamentos de maior consumo e desperdício de água. Realizaram-se ainda observações das práticas do uso d água na instituição. Todos os documentos utilizados foram obtidos no departamento de serviços gerais da instituição. Resultados e Discussões O primeiro passo para um sistema de gestão de efluentes líquidos está na caracterização e estimativa das vias de desperdício (Otis, 2002). Deste modo, através das plantas concedidas pela universidade foi possível averiguar o número de pias, vasos sanitários, mictórios e chuveiros instalados na instituição; além disso, outros itens foram verificados de modo direto. Na tabela 1 vemos que a instituição possui um total de 54 bebedouros, 17 destiladores, 8 tanques para limpeza de cadáveres, 166 vasos sanitários, 34 mictórios, 415 pias e 10 chuveiros. Dentre os itens citados impressiona o consumo de água de cada destilador, sendo que são necessário 17L/L de água destilada, logo toda a água limpa é desperdiçada ao invés de ser reaproveitada na instituição. Muito embora, estudos demonstrem que escolas com cafeteria, quadra e chuveiros em apenas um dia um indivíduo gasta aproximadamente de 57 a 110 litros de água, com média de 95 litros (Otis, 2002). 12

13 Na instituição não poderia ser diferente, o gasto com água beira os 200 mil reais por ano, com o desperdício de 20 mil metros cúbicos de água por ano; este fato gera grande consternação, pois a instituição encontra-se em pleno crescimento (ver figura 2), contando com pessoas, incluindo funcionários tercerizados, docentes e alunos de graduação e pós-graduação (ver tabela 3). Entretanto, os dados de esgoto obtidos não são representativos, pois a COPASA não realiza qualquer tipo de medição ou controle sobre o esgoto da região de Minas Gerais. Assim pelas tabelas 2 (a, b,c) vemos que é cobrado um valor é aleatório pois nenhuma medição é realizada, havendo apenas uma estimação. A Lei federal /07 que define como esgotamento sanitário a coleta, o transporte, o tratamento e a disposição final adequada dos detritos possui uma interpretação confusa, sendo que a empresa vê-se no direito de cobrar pelo tratamento do esgoto, caso faça apenas um destes itens previstos em lei. Logo, como realiza apenas a coleta a empresa acaba cobrando o esgoto. Porém, em 2008 diante de uma ação civil pública movida contra a empresa, esta perdeu e o juiz do caso determinou a devolução do pagamento indevido em dobro, como versa o código de defesa do consumidor. A empresa seguiu com o processo pedindo suspensão de liminar e de sentença (Anexo B) que lhe foi negada, prevalecendo a sentença anterior de devolução do montante cobrado do consumidor indevidamente. Entretanto, atualmente a empresa continua cobrando um serviço que não realiza. Assim, cabe a instituição pedir ressarcimento do valor cobrado e exigir que a empresa forneça o que lhe obrigado por lei. Portanto, caso a instituição entre com processo e seja ressarcido valor ultrapassa os 452 mil reais, visto que este é o valor de apenas três anos (2010,2011 e 2012) pagos e pelo artigo 42 do código de defesa do consumidor Lei 8078/90: Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça. Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável. Cabe lembrar que o ressarcimento é apenas um dos modos para reaver o dinheiro cobrado indevidamente, como versa a lei nº 8.112/90 em seu artigo

14 Dessa forma, percebe-se que não há na instituição qualquer controle sobre as saídas de seus resíduos líquidos. Consequentemente, às substâncias perigosas, como é o caso do brometo de etídio, ficam à mercê dos técnicos descartarem concentrações previstas em legislação, porém não há controle dessa ação. Outras substâncias são levadas para tratamento fora das instalações da universidade, havendo apenas controle no envio destas substâncias, sem o acompanhamento da instituição no tratamento desses resíduos. Por conseguinte, baseado nos resultados acima seguem-se as propostas do sistema de gestão de efluentes líquidos. 1. Política Ambiental Dado o escopo do estudo não cabe aqui fazer uma política ambiental completa para que a instituição siga. Assim, pode-se fazer certas propostas que implementem-na e se preocupem com a gestão dos efluentes líquidos. Logo, podemos citar: a-) Comprometimento com o meio ambiente e a saúde dos servidores, funcionários e estudantes da instituição; b-) Comprometimento com a prevenção da poluição; c-) Comprometimento na gestão e com o uso racional de recursos pela instituição; d-) Cumprimento das exigências legais e normativas; e-) Cumprimento na capacitação dos funcionários. 2. Aspectos ambientais Os aspectos ambientais encontrados foram: O uso de água na instituição, sem sua reutilização; A falta de estrutura na aferência dos efluentes líquidos; Falta de capacitação dos funcionários; Falta de tratamento do esgoto; 14

15 de graduação; Falta de encadeamento dos experimentos realizados para alunos 3. Objetivos, metas e programa(s) a-) Objetivos Os objetivos do sistema de gestão de efluentes líquidos são: Utilizar os conceitos dos 3R s (Reduzir, Reciclar e Reutilizar) para gerir melhor a água e outros efluentes na instituição; Implantar o controle dos efluentes líquidos; Capacitar funcionários para lidar com as diferentes situações relacionadas aos efluentes líquidos; Acabar com o desperdício de água gerada pelos destiladores. b-) Metas Implantação de registro de água e de esgoto em todos os prédios até 2015 Implantação de um sistema para água de reuso direto (reciclagem) de água até 2017; Implementação de um novo sistema de aulas práticas e práticas laboratoriais até 2014; Capacitar funcionários para reduzir o consumo de água até final de 2014; Instalação de um sistema de troca iônica para destilação de água até 2015; Analisar amostras de esgoto periodicamente até Redução das perdas de água pela irrigação com treinamento dos jardineiros até final de

16 c-) Programas Para um maior controle sobre os efluentes líquidos é necessário a instalação de registro de água e esgoto em cada um dos prédios, visto que cada prédio possui uma característica de funcionamento diferente dentro do campus, consequentemente cada um possui um gasto específico. A implementação das práticas com cadeia de experimento em aulas de graduação, de modo que os reagentes usados em uma aula tornem-se produtos para serem utilizados em aulas seguintes. Desta forma há redução tanto dos reagentes utilizados como dos resíduos líquidos evitando o desperdício (Tavares, G. A.; Bendassolli, 2005); A instalação do sistema de reuso de água deve ser instalado em pias presentes nos banheiros para que essa água seja reutilizada nas privadas. Isso deve seguir o modelo Joubert, Deve-se também instalar um sistema interno de tratamento de água, desse modo ela poderá ser reutilizada na limpeza dos prédios, lavagem dos transportes e ate irrigação dos jardins (ver figura 3). A análise de esgoto é fundamental para a compreensão dos efluentes que são despejados e para a melhoria contínua do sistema; A capacitação dos funcionários para utilizar menos água durante a limpeza das instalações da universidade deve ser realizada por meio de reuniões ou palestras promovida pelos alunos que incluam esses funcionários; Quanto aos destiladores deve-se substituí-los pela técnica de desionização em colunas contendo resinas de troca iônica com dimensões de 1800 mm de comprimento e 183, 153 e 100 mm de diâmetro. Esse sistema segundo Tavares, 2005 é capaz de fornecer 5 m³ de água destilada por dia, esta quantidade é mais do que suficiente para abastecer a instituição por quase 6 semanas, estimando-se que a instituição que gaste uma média de 0,85 m³ de água por semana. Ou seja, cada um dos 17 destiladores gerem 50 L de água. Aliado a esse sistema está a economia de energia elétrica. É importante citar que a implementação dessa técnica por Tavares, G. A. e Bendassolli, 2005, economizou 84 mil reais em água e energia. Verificação da correta irrigagem dos jardins, mantendo horários corretos e quantidade de água suficiente em relação a período do ano. Deve-se 16

17 também levar em consideração os horários do dia para essa irrigação, sendo melhores durante o período da manhã, visto que assim haverá menor evaporação da água consequentemente melhor infiltração no solo, com essa media teremos menor perca de água e melhor proveito pelas plantas. 4. Recursos, funções, responsabilidade e autoridade A pro - reitoria de planejamento deve dispor dos recursos necessários para as obras, treinamentos e documentações necessárias para o desenvolvimento do SGA. A comissão organizadora do SGA deve ser responsável pela aplicação e pela manutenção do sistema de gestão, alem de ser responsável pelas auditorias internas, organização dos treinamentos, organização das palestras, mobilização de alunos e professores, confecção dos documentos necessários, alises para melhorias entre os outros tópicos referentes do SGA. Os funcionários da instituição devem ser responsáveis pela aplicação dos programas adotados, posteriormente ao seu treinamento e conscientização. A administração do Campus deve se responsabilizar em auxiliar a comissão organizadora em disponibilizar os documentos necessários para o SGA, disponibilizar pessoal qualificado para os treinamentos, permitir a atuação da comissão dentro do Campus, mediar as negociações e estimular a melhoria continua do sistema de gestão. 5. Comunicação A instituição deve manter comunicação interna entre as partes envolvidas no projeto (administração, planejamento, funcionários entre outros) para que estes estejam cientes do desenvolvimento do projeto. A comunicação pode ser feita por meio de: Memorandos disponibilizados nos locais onde todos possuam acesso a essa informação; Notas disponibilizados nos corredores na reitoria, nos prédios de serviços gerais e PRACE Palestras usadas para o esclarecimento dos funcionários, podendo ser realizadas para cada setor separadamente para que o assunto possa ser abordado de forma mais direta 17

18 Também manter comunicação com os alunos para que sejam conscientizados sobre o SGA e para que possam tomar iniciativas para atuar no seu desenvolvimento. Para esta comunicação poderá ser utilizado: Notas as mesmas utilizadas anteriormente Palestras antes da aplicação poderiam ser utilizadas palestrar sobre o tema em eventos da instituição tais como Jornadas Cientificas, e após suas auditorias para demonstrar os ganhos com a aplicação do SGA Noticias disponibilizar noticia no site da Unifal para que atinja mais alunos e outras pessoas interessadas no assunto. Aqui vale lembrar que redes sociais poderiam ser utilizadas para divulgar esse SGA, já que grande parte dos estudantes permanece nessas redes por muito tempo 6. Documentação e controle de documentos Para a documentação seguir as exigências presentes no item VI e VII. Os registros e documentos devem ser revisados com frequência para que estes não se tornem ultrapassados e para que possam ser reaproveitados. Deve estar localizados em locais com fácil acesso para a administração e planejamento, e também para os auditores quando esses forem requisitados. 7. Controle Operacional Deve-se manter o controle do SGA focando: Controle dos sistemas de encanamento constantemente para que não ocorram vazamentos, Controle de resíduos gerados nas aulas pratica para que estes sejam encaminhados para empresas especificas para tratamento já que a cidade de Alfenas não possui esse tipo de tratamento Verificação constante da atuação dos funcionários por um responsável, para que estes continuem o trabalho proposto Evitar fugas de água durante sua utilização seja para limpeza ou em banheiros e laboratórios 18

19 Manter documentação sobre os procedimentos adotados e os resultados do controle dos procedimentos 8. Preparação e resposta à emergência Treinamento de funcionários para sua atuação em casos de emergias como: Vazamentos Despejo de substancias tóxico em pias, já que estes não são tratados Manutenção de sistemas de controle e pontos de verificação em caso de emergências Palestras para alunos para que estejam cientes de como agir durante situações como estas de emergências. Informar professores e manter a cobrança destes para que enfoquem as medidas de segurança com resíduos líquido durante as praticas principalmente nas matérias de Química, Bromatologia, Biologia Molecular e afins. 9. Monitoramento e Medição Esta etapa é fundamental para o sistema de gestão de efluentes líquidos, para tanto é necessário a utilização de equipamentos para fazer as medições desses efluentes já que não é possível ter seu controle apenas através de contas de água. Assim é importante a instalação de relógios de água em pontos de saídas de efluentes líquidos e de encontro de esgoto nos prédios, esses relógios devem estar localizados em locais de fácil acesso e serem calibrados e terem manutenção para manter seu funcionamento. Com esses relógios seria possível medir de forma efetiva a quantidade de água que esta sendo gasta, e posteriormente à implementação do reuso da água seria possível ver o quanto de água esta sendo realmente desperdiçadas e mandadas para recolhimento da cidade. Deve-se também manter registros dos dados obtidos pelos monitoramentos e esses dados estarem disponíveis para analise e observações do avanço do SGA 10. Não- conformidade, ação corretiva e ação preventiva 19

20 Através do monitoramento é possível verificar as não-conformidades presentes no SGA e assim tomar as ações corretivas que podem estar envolvidas com as ações tomadas para emergências. As ações corretivas devem ser tomadas o mais antes possível, dentro delas podem estar incluídas: Reparos no sistema de encanamento Reparos em laboratórios Reparos o sistema de reutilização da água (ação futura) Troca do material utilizado nos encanamentos para matérias de melhor qualidade, como ação corretiva Dentre as ações preventivas a conscientização pode ser utilizada como a melhor ferramenta, treinando os funcionários em como agir durante as não-conformidades e como eles podem atuar para que as ações corretivas sejam tomadas de forma eficiente. A analise da situação atual do sistema de esgoto e afins da instituição pode ser utilizado para prevenir futuras não conformidades quando forem instalados os equipamentos de re-uso e pré-tratamento da água. 11. Controle de registros Para o controle de registro deve-se seguir o item XII. São praticas gerais que devem ser tomadas para que os registros possam ser descartados e re-utilizados de acordo com suas necessidades. 12. Auditoria interna As auditorias devem seguir os padrões XIII. Essas auditorias podem ser feitas por pessoas treinadas dentro da própria instituição, caso a instituição não possua pessoas qualificadas pode ser exigido que profissionais deste tipo sejam contratos ou treinados. Se nenhuma das opções anteriores puder ser atendida, pode ser feito a utilização de empresas especializadas. 20

21 13. Análise pela administração A administração deve estar analisando constantemente o desenvolvimento do SGA através das entradas de um sistema de gestação como as auditorias internas e dos resultados dos monitoramentos. É extremamente importante que a administração se empenhe e demonstre interesse, já que é a principal responsável para que o SGA ocorra. Dessa forma haverão as principais saídas da analise que visara a melhoria continua e o julgamento do desenvolvimento do sistema de gestão, é importante que esses resultados sejam divulgados através dos meios de comunicação citados no item 6, para que todos os envolvidos estejam a parte do decorrer do processo. 14. Melhoria Contínua Para um melhor sistema de gestão cada técnico de laboratório poderia participar verificando a cada mês quais os aspectos a serem alterados no laboratório, informando a sua solução para ser analisadas pela direção. As outras melhorias irão depender dos resultados do SGA, pela observação posterior dos pontos que podem ser melhorados e aprimorados, pela otimização dos processos internos que geram efluentes líquidos, através da qualificação continua de funcionários e palestras informativas para alunos que ingressam a cada ano na universidade. É importante que todos os processos presentes nessa proposta continuem sendo aplicados e não deixem de ser revisados, independente de tudo estar conforme se espera é necessário a continua aplicação de todos os itens anteriores. Conclusão O estado atual da universidade quanto à gestão de efluentes líquidos é muito precário, faltando muita informação sobre a entrada e a saída destes. Por exemplo, o fato de não haver qualquer controle sobre o despejo de substâncias perigosas que sejam ao esgoto coloca em risco a saúde de toda a população, visto que entre essas substâncias encontram-se produtos mutagênico sem a devida medição de seus níveis. Além disso, 21

22 faltam informações sobre os tratamentos dado fora da universidade às substâncias como chumbo e mercúrio. A Universidade deve se preocupar com as medidas tomadas pelas empresas que tratam os efluentes tóxicos gerados nos seus laboratórios, sendo assim, ela torna-se parte também responsável por esse tratamento. As implementações de um sistema de reuso e de tratamento interno seriam de grande valia para a instituição, uma vez que haveria economia de gastos com a utilização de água, alem de mostrar a preocupação com o ambiente já que na cidade de Alfenas não existe tratamento de esgoto principalmente os gerados com substancias tóxicas provenientes de aulas praticas ou pesquisa. A conscientização de alunos e técnicos é um passo fundamental e que já teria grandes efeitos na geração desse tipo de efluente na faculdade, porém, não parte apenas dos professores essa conscientização, e sim dos Institutos e Faculdades presentes dentro da instituição que necessitam usar o seu poder como responsável pela atuação de professores e técnicos dentro da universidade. É preciso estar ciente também de que para implantação de um SGA desse tipo, há grandes gastos por parte da instituição, porém os retornos são de grande importância, além de em longo prazo propiciarem grandes economias com os gastos de água. 22

23 Bibliografia Berleze, Raquel. Gerenciamento do tratamento de efluentes líquidos Boog, Emilio Gruneberg, and Waldir Antonio Bizzo. Perspectivas de Melhorias Ambientais das Normas da Série ISO º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Cunha, Ananda Helena Nunes, et al. O REÚSO DE ÁGUA NO BRASIL: A IMPORTÂNCIA DA REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA NO PAÍS Joubert, L., P. Flinker, G. Loomis, D. Dow, A. Gold, D. Brennan, and J. Jobin Creative Community Design and Wastewater Management. Project No. WU-HT Prepared for the National Decentralized Water Resources Capacity Development Project, Washington University, St. Louis, MO, by University of Rhode Island Cooperative Extension, Kingston, RI. Disponível em: <http://www.ndwrcdp.org/publications.cfm>. Último acesso em: 08/04/2013. Otis, Richard J., et al. Design Manual; Onsite Wastewater Treatment and Disposal Systems. Environmental Protection Agency Report EPA-625/ , October p, 86 Fig, 82 Tab, 204 Ref. 1 Append. (1980). Piva, Carla Dal, et al. Sistema de Gestão Ambiental implementado aos moldes da ISO 14001: 2004 em um frigorífico de abate de aves, no Município de Sidrolândia Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional 3.3 (2007). Tavares, G. A.; Bendassolli, J. A.; DE GERENCIAMENTO, IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA, and E. ÁGUAS DE RESÍDUOS QUÍMICOS. "Assuntos Gerais." Quim. Nova 28.4 (2005): Cunha, Ananda Helena Nunes, et al. O REÚSO DE ÁGUA NO BRASIL: A IMPORTÂNCIA DA REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA NO PAÍS

24 Anexo A Figuras e Tabelas Tabela 1- Número de itens de grande desperdício na instituição Prédios V H S R PCA G F I K E Q B C D L Z O U T M Total Bebedouros Destiladores Tanques de cadáveres Vasos sanitários Pias Chuveiros Mictório Figura 1- Planta demonstrando a localização de cada prédio 24

25 Volume faturado Água (m³) Volume faturado - esgoto (m³) Valor Medido - esgoto (m³) Mês Valor Total (R$) Valor da água (R$) Valor Esgoto (R$) Valor medido água (m³) Valores Diversos (-) JAN 6.235, , , ,69 FEV 7.097, , , ,69 MAR * , ,73 3,572, ,89 ABR , ,09 4,456, ,79 MAI , ,12 4,934, ,74 JUN , ,34 5,260, ,29 JUL , ,33 5,201, ,98 AGO , ,46 4,281, ,46 SET , ,09 5,565, ,29 OUT , ,17 10,357, ,66 NOV , ,25 9,099, ,20 DEZ , ,07 8,608, ,27 TOTAL , ,85 65,797, ,95 Tabela 2- Demonstrativos de consumo de água dos anos de 2010,2011 e 2012 a-) Demonstrativo de Consumo de água do Campus I Mat. Copasa b-) Demonstrativo de Consumo de Água do Campus I e II 2011 Volume faturado Água (m³) Volume faturado - esgoto (m³) Valor medido água (m³) Valor Medido - esgoto (m³) Mês Valor Total (R$) Valor da água (R$) Valor Esgoto (R$) Valores Diversos (-) JAN 8.648, , , ,58 FEV 8.571, , , ,57 MAR , , , ,07 ABR , , , ,36 MAI , , , ,25 JUN , , , ,87 JUL , , , ,02 AGO , , , ,34 SET , , , ,21 OUT , , , ,29 NOV , , , ,23 25

26 DEZ , , , ,78 TOTAL , , , ,57 c-) Demonstrativo de Consumo de Água do Campus I e II 2012 Mês JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL Valor Total (R$) 8,361,66 12,293,78 24,365,53 24,885,26 24,238,99 21,977,47 18,973,33 21,698,65 24,088,28 31,909,15 30,035,87 28,625,31 271,444,28 Valor da água (R$) Valor Esgoto (R$) Volume faturado Água (m³) Volume faturado - esgoto (m³) Valor medido água (m³) Valor Medido - esgoto(m³) Valores Diversos (-) 5,560,12 3,674, ,65 8,370,13 5,206, ,283,00 18,336,58 8,561, ,541,90 17,001,23 8,652, ,153,21 16,227,87 9,891, ,880,22 14,102,73 10,157, ,282,72 R$ 12,326,84 8,595, ,976,38 15,236,25 12,685, ,187,69 16,228,62 10,373, ,513,91 20,810,65 14,428, ,330,12 20,895,78 13,256, ,156,98 20,078,49 11,535, ,988,30 185,175,29 117,018, ,167,08 26

27 Indivíduos Figura 2- Demonstrando o crescimento do contingente de indivíduos desenvolvendo alguma atividade no campus I 6,000 5,000 4,000 3,000 2,000 1, Ano Tabela 3- Indivíduos vinculados à instituição presencialmente Classificação/Categoria Terceirizados TAES* Docentes -Efetivos Docentes - Substitutos e Temporários Docentes - Total Alunos Graduação Presencial Alunos Pós-Graduação Stricto Sensu Alunos - Total Total *Técnicos Administrativos em Educação 27

28 Figura 3- Demonstrando o sistema de reuso proposto, nesse caso o sistema está irrigando campos, no entanto pode ser utilizado de várias formas na reutilização da água (Joubert,2004). 28

29 Anexo B Liminar que sustenta a sentença contra a COPASA 29

30 30

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Alexandre Ferreira Jefferson dos Santos Mariana Oliveira Samuel Rodrigues Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Introdução

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: CONSUMO DE ÁGUA

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: CONSUMO DE ÁGUA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. Unifal-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 Curso: Ciências Biológicas Bacharelado

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

CÓPIA PARA TREINAMENTO

CÓPIA PARA TREINAMENTO CÓPIA PARA TREINAMENTO NBR ISO 14001:2004 Sumário Página Prefácio IV - 2 Introdução V- 2 1 Objetivo e campo de aplicação 5 2 Referências normativas 5 3 Termos e definições 5 4 Requisitos do Sistema de

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ABNT NBR ISO 14001 NORMA BRASILEIRA. Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso

ABNT NBR ISO 14001 NORMA BRASILEIRA. Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 14001 Segunda edição 31.12.2004 Válida a partir de 31.01.2005 Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso Environmental management systems - Requirements

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional.

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS foi elaborada de acordo com as regras estabelecidas nas Diretrizes ISO/IEC,

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Módulo 3. NBR ISO 14001:2004 Interpretação dos requisitos

Módulo 3. NBR ISO 14001:2004 Interpretação dos requisitos Módulo 3 NBR ISO 14001:2004 Interpretação dos requisitos 2. Referências Normativas Não há referências normativas indicadas na norma, mas é importante entender que: As norma ISO 14001 e ISO 14004 são um

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO Sumário NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO 1 Objetivos e campo de aplicação 2 Referências normativas 3 Definições 4 Requisitos do sistema de gestão ambiental

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Vice-Presidência de Gestão de Pessoas Manual de SST e Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Vice-Presidência de Gestão de Pessoas Manual de SST e Meio Ambiente VicePresidência de Gestão de Pessoas ÍNDICE 1. APRESENTAÇÕES 2. OBJETIVO 3. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 4. ESCOPO DO SISTEMA DE GESTÃO SGASST 5. REQUISITOS DO SISTEMA DE GESTÃO SGASST 6. POLÍTICA AMBIENTAL

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso

Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 14001 Segunda edição 31.12.2004 Válida a partir de 31.01.2005 Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso Environmental management systems - Requirements

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso Página 1 NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) INTRODUÇÃO 1 ESCOPO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 4.0. Generalidades

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

ABNT NBR 16001 NORMA BRASILEIRA. Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos. Social responsibility Management system Requirements

ABNT NBR 16001 NORMA BRASILEIRA. Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos. Social responsibility Management system Requirements NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16001 Primeira edição 30.11.2004 Válida a partir de 30.12.2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos Social responsibility Management system Requirements Palavras-chave:

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA

LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA Edson José de Castro Júnior (1) Acadêmico do Curso Superior

Leia mais

NBR ISO 14001 Sistemas de gestão ambiental - Especificação e diretrizes para uso

NBR ISO 14001 Sistemas de gestão ambiental - Especificação e diretrizes para uso ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT 1996 NBR ISO 14001 Sistemas de gestão ambiental - Especificação e diretrizes para uso Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15331 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos Adventure tourism Safety management system Requirements

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D3 PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE II

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D3 PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D3 PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE II GUIA DE ESTUDO PARTE II INTRODUÇÃO À GESTÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA, QUALIDADE E MEIO AMBIENTE AULA 35 PROFESSOR

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 214 ISSN 2318-763 21 Eixo Temático ET-1-1 - Gestão Ambiental IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014.

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. Estabelece os critérios e as diretrizes que deverão ser considerados para execução das auditorias ambientais, no Estado do Rio Grande do Sul. O DIRETOR PRESIDENTE da FUNDAÇÃO

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 1 A evolução do pensamento ambiental Crescimento é o que importa (que venha a poluição...) Conscientização (década

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Comissão de Sustentabilidade Campus Verde Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG - CEP 37.130-000 Fone (35) 3299-1062 http://www.unifal-mg.edu.br/sustentabilidade

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27001

ABNT NBR ISO/IEC 27001 ABNT NBR ISO/IEC 27001 Para Dataprev e Senado 1/63 As Normas NBR ISO/IEC 27001 - Requisitos para implantar um SGSI NBR ISO/IEC 27002 - Práticas para a gestão de SI NBR ISO/IEC 27005 - Gestão de riscos

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Saada Chequer Fernandez

Saada Chequer Fernandez Saada Chequer Fernandez Analista de Gestão em Saúde Coordenação da Qualidade CIQ/Direh/FIOCRUZ Gerenciamento da Qualidade em Laboratório de Anatomia Patológica VI Congresso Regional de Histotecnologia

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Manual da Gestão Integrada - M.G.I

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 001 / Outubro de 2009 CBC - Consultoria e Planejamento Ambiental Ltda. Rua Felicíssimo Antonio Pereira, 21-37, CEP 17045-015 Bauru SP Fone: (14) 3313 6332 www.cbcambiental.com.br

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais