grupo Portucel Soporcel A GLOBALIZAÇÃO DO MERCADO DO PAPEL Setúbal, 27 Novembro 2007 João Vinagre (Engº)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "grupo Portucel Soporcel A GLOBALIZAÇÃO DO MERCADO DO PAPEL Setúbal, 27 Novembro 2007 João Vinagre (Engº)"

Transcrição

1 grupo Portucel Soporcel A GLOBALIZAÇÃO DO MERCADO DO PAPEL Setúbal, 27 Novembro 2007 João Vinagre (Engº)

2 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL LOGÍSTICA do gps (2006) EVOLUÇÃO DA LGÍSTICA POR MEIO DE TRANSPORTE

3 Apresentação Institucional

4 Estrutura accionista Free Float 73,9% 26,1%

5 Missão, Visão e Valores Missão Produzir e comercializar papel de alta qualidade a partir da fibra de eucalipto, obtida de uma floresta cuidada e sustentável, e transformada num parque industrial tecnologicamente avançado, maximizando o valor para os clientes e para os accionistas. Visão Ser um fornecedor global dos mercados mundiais em papéis finos não revestidos e líder nos segmentos de papéis de escritório (office) e de papéis para a indústria gráfica (offset). Valores Orientação para o Cliente: Satisfação, confiança, compromisso, focalização nas necessidades, valor acrescentado. Inovação: Criatividade, iniciativa, evolução tecnológica, flexibilidade, antecipação, excelência. Liderança: Responsabilização, espírito de equipa, partilha de conhecimentos, determinação. Geração de Valor: Valor para o accionista, crescimento sustentado, rentabilidade, eficiência, sinergias. Orientação para as Pessoas: Desenvolvimento de competências, respeito pela diferença, motivação, coesão. Responsabilidade Social e Ambiental: Transparência, coerência, ética, cidadania, respeito pelo meio ambiente, sustentabilidade.

6 Estrutura orgânica SEMAPA, SGPS grupo Portucel Soporcel Agro-Florestal Produção de Papel e Pasta Energia Comercialização de Papel e Pasta Investigação e Desenvolvimento Aliança Florestal Portucel Florestal Portucel Soporcel SPCG Enerpulp Soporcel North America Soporcel 2000 RAIZ Enerforest About the future* Soporcel France Soporcel España Soporcel Deutschland Soporcel United Kingdom Soporcel International Soporcel Austria Soporcel Italia * Empresa constituída para o projecto da nova fábrica de papel Portucel International Trading

7 Ranking dos produtores europeus de UWF 2006: Ranking dos produtores mundiais de BEKP 2006 StoraEnso M-Real MondiBP UPM IP grupo Portucel Soporcel Arjo Wiggins Aracruz Votorantim grupo Portucel Soporcel Grupo Suzano ENCE Cenibra ton Pasta Integrada 000ton Fonte: EMGE Paper Industry Consultants (Set 2006) Fonte: Hawkins Wright (Dez. 2006) e websites das empresas

8 Perfil Crescimento e Integração em Papel Como resultado de uma estratégia de desenvolvimento assente na integração no negócio de papel, o grupo Portucel Soporcel posiciona-se, actualmente, entre os grandes produtores europeus de papéis finos não revestidos (UWF Uncoated Woodfree Papers) Capacidade produtiva 1,02 milhões de toneladas de papel 1,32 milhões de toneladas de pasta Nº Colaboradores do Grupo 2000 Volume anual de negócios superior a 1000 milhões de euros Exporta mais de 900 milhões de euros para mais de 70 países valor superior a 92% das vendas totais Responsabilidade pela gestão de mais de 125 mil hectares de floresta 74% de eucalipto

9 Indicadores económico-financeiros (em milhares de toneladas) º Semestre 2007 Produção Pasta branca de eucalipto (BEKP) ,8 Papéis finos não revestidos (UWF) ,4 (em milhões de euros) Vendas Totais 1 080,7 566,4 EBITDA 312,5 174,7 EBITDA/Vendas (em %) 28,9% 30,8% Resultados Líquidos 124,7 76,9 Cash-Flow 227,9 129,4

10 Pasta (BEKP) do Grupo e produtos a que se destina Marcas Socel - ECFE Fábrica de Setúbal Cacia - ECFE Fábrica de Cacia Tissue 8% Papéis Especiais 30% Papéis de Impressão e Escrita 11% Tissue 7% Utilização Papéis de Impressão e Escrita 62% Papéis Especiais 28% Papéis Decor 54%

11 BEKP- Quota de mercado (2006) Mundo Europa grupo Portucel Soporcel 5,4% grupo Portucel Soporcel 12,4% Procura de BEKP = 10,4 M ton Procura de BEKP = 4,5 M ton Fonte: grupo Portucel Soporcel e Hawkins Wright

12 Produtos e marcas- UWF Focalização nos papéis finos não revestidos Marcas e quotas de mercado na Europa ocidental (2006): Papéis para a indústria gráfica» 14% (Offset papers Papel A3 e bobinas) Soporset, Inaset Papéis para escritório» 12% (Office papers Papel A4) Navigator, Explorer Premium Recycled,Pioneer

13 Papéis para escritório

14 Produtos com Certificação FSC Navigator FSC 80g/m² Navigator Eco-Logical FSC 75g/m² 75g/m² Pioneer FSC 80g/m² A4/A3

15 Papéis para indústria gráfica

16 Estrutura produtiva industrial O Grupo possui 3 unidades fabris de dimensão internacional e tecnologia sofisticada Cacia Figueira Pasta t / Papel t Pasta t Setúbal Pasta t / Papel t

17 UWF Quota de mercado, 2006 O grupo tem hoje uma quota média de mercado na Europa de cerca de 10%. Quota média de mercado: UWF = 10% Cutsize = 12% Fólio = 14% Habitantes por Km Source: Portucel Soporcel group / Cepifine Europa: EU27 + Noruega + Irlanda + Suiça + Balcans

18 Inovação Investigação e Desenvolvimento RAIZ Instituto de Investigação da Floresta e Papel onde o Grupo detém uma participação de 94% Melhoramento genético do eucalipto Investigação dirigida à optimização das características técnicas dos produtos (pasta e papel) Melhoria das práticas de gestão florestal Inovação Geração de valor pela criação de marcas próprias com posicionamento premium pela elevada qualidade resultante da aposta permanente na Inovação e I&D Fonte: grupo Portucel Soporcel

19 Fábricas de papel do Grupo uma referência de qualidade no contexto europeu grupo Portucel Soporcel face à concorrência Média ponderada Capacidade da MP, 000 ton Média ponderada Idade técnica 15 anos Portucel Média ponderada capacidade ton Fonte: Jaakko Pöyry Consulting Idade técnica, em anos - A melhor qualidade em activos de papel na Europa

20 Ambiente a meta da eco-eficiência Certificação Ambiental em todas as unidades fabris Processo de Certificação Florestal pelos programas internacionais FSC e PEFC em curso 2006 Figueira Foz Cacia Setúbal Parques Madeira Qualidade ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Ambiente ISO 14001:1996 ISO 14001:1996 ISO 14001:1996 Certificações Segurança OHSAS OHSAS OHSAS Cadeia Custódia FSC-STD Acreditação Laboratório ISO/IEC ISO/IEC ISO/IEC Maior produtor nacional de energias renováveis a partir de biomassa (biomassa florestal e matéria orgânica vegetal constituinte da madeira e integrada nos licores resultantes do processo produtivo) Produz quase 70% da energia eléctrica a partir de biomassa

21 Gestão florestal sustentável e biodiversidade Processo de certificação florestal pelo programa FSC- Forest Stewardship Council em fase de conclusão Apoiante oficial da Iniciativa Nacional FSC promovida pela WWF, com diversos quadros do Grupo envolvidos na equipa de coordenação (Dez 06) Parceria com o WWF (World Wide Fund for Nature) no âmbito da gestão da biodiversidade: 48% da área florestal do Grupo processo de certificação reune atributos para classificação como área de alto valor de conservação (AAVC)à escala da paisagem (Jun 07) Colaboração com o Centro de Estudos da Avifauna (CEAI) no projecto LIFE-Natureza para a conservação da Águia de Bonelli no sul de Portugal: compatibilização entre as operações de gestão florestal do Grupo e a preservação da Águia de Bonelli Projectos anteriores: preservação dos golfinhos do Estuário do Sado (Setúbal) e conservação da Abetarda na Herdade do Gavião (Alentejo) Foto de Joaquim Pedro Ferreira Fonte: grupo Portucel Soporcel

22 Responsabilidade social metas de longo alcance No grupo Portucel Soporcel acreditamos que a responsabilidade social é, cada vez mais, um elemento relevante da nossa cultura empresarial e uma prioridade para o desenvolvimento do Grupo. O Grupo assume um papel activo na responsabilidade social através do envolvimento em projectos de âmbito social e educacional desenvolvidos nas regiões onde se situam as suas unidades fabris e áreas florestais.

23 Responsabilidade social e ambiental 1995: Membro do World Business Council for Sustainable Development - criado após a conferência do Rio de Janeiro em 1992 com o objectivo de divulgar as práticas de desenvolvimento sustentável 2001: Membro fundador do BCSD Portugal - Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável 2002: Sócio fundador da RSE Portugal - Associação Portuguesa para a Responsabilidade Social das Empresas 2004: Integra o Global Compact das Nações Unidas 2005: Adere aos Objectivos do Milénio - carta de compromisso no âmbito da promoção de boas práticas de responsabilidade social 2007: Processo de adesão ao Countdown 2010: Global Action for Biodiversity

24 Fábrica de Papel em Setúbal No início de 2006, a Administração decidiu aprovar a construção de uma nova fábrica de papel que irá reforçar significativamente a competitividade do Grupo no mercado de papel. Investimento Total: 550 milhões Capacidade de produção: tons / ano Previsão de entrada em funcionamento : Segundo semestre de 2009 Localização: A Fábrica de Setúbal passará a ser uma unidade totalmente integrada em papel (actualmente a Empresa transforma em papel 54% da sua produção de pasta; com a nova máquina apenas 20% de produção de pasta da fábrica de Cacia será para mercado); Com este investimento, o Grupo tornar-se-á líder no mercado europeu de papéis finos não revestidos

25 A importância da carga contentorizada aumentará com a estratégia de integração vertical do grupo. O desenvolvimento do grupo tem sido feito no segmento papel com a integração a jusante da sua produção de base pasta Vendas anuais de papel GPS, k ton A nova fábrica de papel em Setúbal (500 K tons) dará ao gps a liderança (em volume) do mercado europeu de papel UWF 1500 Portucel Soporcel NOVA PM %!!! Stora Enso Mondi BP %!!! M-real International Paper UPM Arctic paper Zicuñaga Clairefontaine - Capacidade t/a Futuro

26 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL LOGÍSTICA do gps (2006)

27 ENTRADAS - KTons CACIA SETÚBAL FIGUEIRA TOTAL % MADEIRA % PASTA % P.Q.+FUEL % TOTAL % ANO: 2006

28 EMBARQUES POR MODO DE TRANSPORTE PASTA CIF 380 KT 69% FOB 52 KT 9% CONTENTOR 15 KT 3% COMBOIOS 15 KT 3% CAMIÕES 91 KT 16% TOTAL: 553 K TONS ANO: 2006

29 FOB 52 KT 5 % EMBARQUES POR MODO DE TRANSPORTE PASTA CIF 380 KT 38 % CONTENTOR 15 KT 1 % COMBOIOS 15 KT 1 % CAMIÕES 538 KT 55 % TOTAL: 999 K TONS (INCLUI O TRANSPORTE DAS FÁBRICAS AO CAIS) ANO: 2006

30 Embarques por modo de transporte PAPEL - Ktons gps Método Transporte Figueira Setubal Total % Rodoviário % Marítimo % Combóio 1 1 0% Multimodal % Total transporte primário % Transporte Secundário % ANO: 2006

31 EMBARQUES POR MODO DE TRANSPORTE PAPEL MARITIMO 384 KT 37,8 % RODOVIARIO 619 KT 60,9 % MULTIMODAL 12 KT 1,2 % COMBOIO 1 KT 0,1 % TOTAL: K TONS ANO: 2006

32 EMBARQUES POR MODO DE TRANSPORTE PAPEL RODOVIARIO MARITIMO 384 KT 28,7 % 943 KT 70,4 % MULTIMODAL 12 KT 0,8 % COMBOIO 1 KT 0,1 % TOTAL: K TONS (INCLUINDO O TRANSPORTE SECUNDÁRIO) ANO: 2006

33 Kton RODOVIARIO MARITIMO COMBOIO MULTIMODAL TOTAL % PASTA PAPEL TOTAL RODOVIÁRIO 710 KT 45% EMBARQUES POR MEIO DE TRANSPORTE PASTA + PAPEL MARITIMO 830 KT 53% MULTIMODAL 12 KT 1% COMBOIO 16 KT 1%

34 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL LOGÍSTICA do gps (2006) EVOLUÇÃO DA LOGISTICA POR MEIO DE TRANSPORTE

35 Disponibilidade de contentores vazios. A importância do transporte entre a fábrica e os portos e o peso do seu custo na cadeia logística. A estratégia logística para os próximos 2 anos é de passar carga da rodovia para o marítimo. Nova linha regular com escala quinzenal em Setúbal desde Junho 2007.

36 Embarques por região / K ton Overseas USA Europe Europe USA Overseas

37 Rodoviàrio Vs Marìtimo (%) (ANO) RODOVIARIO MARITIMO

38 Desenvolvimentos com a linha regular no porto da Figueira da Foz Este ano passou-se de 4 para 6 escalas mensais. Novos destinos para além do Norte Europa. Transporte de vazios para o porto da Figueira da Foz. A previsão de carga até final de 2007 é de Teus, ultrapassando pela primeira vez o porto de Lisboa.

39 Queremos, que nos seja reconhecido o papel âncora para o desenvolvimento dos portos naturais da Figueira e Setúbal no que respeita à carga contentorizada. A falta de transparência na cadeia de custos, não permite aos carregadores gerirem de forma mais eficiente os seus custos. Política de concessões/concentração da operação portuária. As metas dos contratos de gestão para as AP s que coloca mais pressão sobre preços e tarifas.

40 Obrigado pelo vosso tempo

Responsabilidade Social é tema de debate

Responsabilidade Social é tema de debate Responsabilidade Social é tema de debate O Grupo Portucel Soporcel participou na conferência Comunicação de Responsabilidade Social promovida pelo Montepio Geral em parceria com a APCE Associação Portuguesa

Leia mais

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA.

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. Mensagem da Administração Bem-vindos ao Complexo Industrial da Figueira da Foz do grupo Portucel Soporcel. É com muita satisfação que Vos

Leia mais

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA PORTUCEL SOPORCEL INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel é uma

Leia mais

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Informação 8 de Fevereiro de 2011 Campanha institucional do grupo Portucel Soporcel arranca hoje O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Arranca hoje a nova campanha institucional

Leia mais

Case study PORTUCEL SOPORCEL. Estratégia Sustentável Eco-Eficiência, Inovação e Eco-Design EMPRESA

Case study PORTUCEL SOPORCEL. Estratégia Sustentável Eco-Eficiência, Inovação e Eco-Design EMPRESA Case study 2007 PORTUCEL SOPORCEL Estratégia Sustentável Eco-Eficiência, Inovação e Eco-Design EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel

Leia mais

Grupo Portucel Soporcel apoia a criação de um novo núcleo da exposição permanente do Museu do Papel

Grupo Portucel Soporcel apoia a criação de um novo núcleo da exposição permanente do Museu do Papel Informação à imprensa 18 de Setembro 2013 Com abertura prevista para 2014 Grupo Portucel Soporcel apoia a criação de um novo núcleo da exposição permanente do Museu do Papel O novo grande núcleo Da Floresta

Leia mais

Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, SA

Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, SA Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, SA Sociedade Aberta Matriculada sob o nº 503 025 798 na Conservatória do Registo Comercial de Setúbal Capital Social: 767 500 000 euros N.I.P.C. 503 025 798

Leia mais

a sustentabilidade do nosso PAPEL

a sustentabilidade do nosso PAPEL a sustentabilidade do nosso PAPEL Grupo Portucel Soporcel Mitrena Apartado 55 2901-861 Setúbal Portugal www.portucelsoporcel.com Desenvolvimento e Coordenação Comissão de Sustentabilidade Assessoria do

Leia mais

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas Luís Costa Leal Director-Geral CELPA, Associação da Indústria Papeleira CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Nesta

Leia mais

Click to edit Master title style

Click to edit Master title style Ferrovia, Logística e Competitividade no Cenário pós TGV Ordem dos Engenheiros, Lisboa 15 de Maio 2012 1 Exportações das indústrias florestais nacionais, 2011 As indústrias florestais são responsáveis

Leia mais

Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A. Sociedade Aberta

Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A. Sociedade Aberta Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A. Sociedade Aberta Matriculada sob o nº. 05888/20001204 na Conservatória do Registo Comercial de Setúbal Capital Social: 767 500 000 N.I.P.C. 503 025 798

Leia mais

EnergyLive Expo RECURSOS, ENERGIA E ECONOMIA. Painel: Valorização do Potencial Energético Recursos Endógenos. A Energia e a Floresta

EnergyLive Expo RECURSOS, ENERGIA E ECONOMIA. Painel: Valorização do Potencial Energético Recursos Endógenos. A Energia e a Floresta EnergyLive Expo RECURSOS, ENERGIA E ECONOMIA Painel: Valorização do Potencial Energético Recursos Endógenos A Energia e a Floresta 1102JS0001P Centro Congressos de Lisboa, 23/Mar/2012 J. Ricardo Rodrigues

Leia mais

Síntese dos Principais Indicadores IFRS (informação não auditada)

Síntese dos Principais Indicadores IFRS (informação não auditada) 1/15 Destaques do Ano de 2012 (vs 2011): Exportações de 1,249 mil milhões, representando 95% das vendas de pasta e papel EBITDA de 385,4 milhões Resultado líquido cresce 7,6% para 211,2 milhões Aumento

Leia mais

IBEROL SOCIEDADE IBÉRICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E OLEAGINOSAS, SA

IBEROL SOCIEDADE IBÉRICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E OLEAGINOSAS, SA IBEROL SOCIEDADE IBÉRICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E OLEAGINOSAS, SA APRESENTAÇÃO A IBEROL foi constituída em 1967, na altura com a denominação social de IBEROL Sociedade Ibérica de Oleaginosas, SARL. Tinha por

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS. EXERCÍCIO de 2008

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS. EXERCÍCIO de 2008 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS EXERCÍCIO de 2008 Semapa Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, SA. Sociedade Aberta Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º

Leia mais

Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, SA

Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, SA Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, SA Sociedade Aberta Matriculada sob o nº 503 025 798 na Conservatória do Registo Comercial de Setúbal Capital Social: 767 500 000 euros N.I.P.C. 503 025 798

Leia mais

Sustentabilidade. Certificações Ambientais

Sustentabilidade. Certificações Ambientais Certificações Ambientais Introdução Cada vez mais, a sociedade exige que as empresas sejam ambientalmente responsáveis. A preocupação por uma correcta conservação do meio ambiente faz com que o mercado

Leia mais

A integração da Ferrovia na cadeia logística

A integração da Ferrovia na cadeia logística A integração da Ferrovia na cadeia logística AGENDA AGENDA O Grupo Altri e o mercado A aposta na ferrovia O aumento de capcidade da Celbi Ligação ferroviária ao Porto da Figueira da Foz O Grupo Altri e

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro. Orador: Carla Pinto

Certificar para Ganhar o Futuro. Orador: Carla Pinto Certificar para Ganhar o Futuro Agenda APCER Quem Somos? Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região da Beira Baixa como Mercado com Potencial Acções Previstas Quem Somos Início de actividade em 1996;

Leia mais

Click to edit Master title style

Click to edit Master title style Complementaridade Ferroviária Um MAR de Oportunidades Sessão : Transporte Internacional de Mercadorias ADFERSIT Lisboa 11 de Dezembro de 2012 1 Peso do grupo nas exportações nacionais (2011) A Portucel

Leia mais

sustentabilidade GRUPO PORTUCEL

sustentabilidade GRUPO PORTUCEL sustentabilidade GRUPO PORTUCEL o papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina relatório de sustentabilidade índice Atividade Sustentável do Grupo Portucel 6 Mensagens dos Presidentes 8

Leia mais

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal Francisco Goes Aveiro, 20 de Março de 2014 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Índice 1. A CELPA 2. O eucaliptal nacional 3.

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Auxílio estatal N 564/2006 Portugal EMS 2002 - Auxílio individual à About the Future

COMISSÃO EUROPEIA. Auxílio estatal N 564/2006 Portugal EMS 2002 - Auxílio individual à About the Future COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 04-IV-2007 C(2007) 1416 final Assunto: Auxílio estatal N 564/2006 Portugal EMS 2002 - Auxílio individual à About the Future Excelência, 1. PROCEDIMENTO (1) Por notificação electrónica

Leia mais

Grupo divulga importância da Certificação Florestal a convite da SEDRF

Grupo divulga importância da Certificação Florestal a convite da SEDRF Grupo divulga importância da Certificação Florestal a convite da SEDRF A convite da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e das Florestas, o Grupo Portucel Soporcel participou numa série de Sessões

Leia mais

GRUPO PORTUCEL RELATÓRIO E CONTAS

GRUPO PORTUCEL RELATÓRIO E CONTAS GRUPO PORTUCEL RELATÓRIO E CONTAS GRUPO PORTUCEL O ANO EM REVISTA MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA O GRUPO PORTUCEL EM 2012 Áreas de Actividade

Leia mais

negócios mais. suplemento

negócios mais. suplemento negócios mais. suplemento Este suplemento é da responsabilidade editorial do departamento comercial da Cofina Media, é parte integrante do Jornal de Negócios nº 2505, de 22 de maio de 2013, e não pode

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 12 13 GRUPO PORTUCEL

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 12 13 GRUPO PORTUCEL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 12 13 GRUPO PORTUCEL 2 A floresta tem sido, historicamente em Portugal, uma fonte de riqueza colectiva. Existem em Portugal cerca de 400 000 proprietários florestais que contribuem

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 1ª Frequência

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 1ª Frequência CONTABILIDADE FINANCEIRA II Data: 31 de Março de 2008 Duração: 2 horas e 30 minutos 1ª Frequência Responda a cada grupo em folhas separadas Grupo I (35 minutos - 4,5 valores) Na sociedade Turismo & Aventura,

Leia mais

PAPÉIS DE IMPRIMIR E ESCREVER REVESTIDOS

PAPÉIS DE IMPRIMIR E ESCREVER REVESTIDOS PAPÉIS DE IMPRIMIR E ESCREVER REVESTIDOS 1 - Produção e Consumo Mundiais de Papel, de Papéis de Imprimir e Escrever e de Papéis de Imprimir e Escrever Revestidos 1.1 - Produção e Consumo Mundiais de Papel

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 31 de Dezembro de 2011 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 2011 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ENQUADRAMENTO ECONÓMICO... 5 EVOLUÇÃO

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL 29 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO DOIS DA ORDEM DE TRABALHOS. O Conselho de Administração da Portucel, S.A.

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL 29 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO DOIS DA ORDEM DE TRABALHOS. O Conselho de Administração da Portucel, S.A. PORTUCEL, S.A. Sociedade aberta Capital - 767.500.000,00 Pessoa colectiva nº 503025798 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Setúbal Sede - Península da Mitrena, freguesia do Sado - Setúbal

Leia mais

APIMEC SP. 19 Agosto de 2008

APIMEC SP. 19 Agosto de 2008 APIMEC SP 19 Agosto de 2008 Disclaimer Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. Tais afirmações estão sujeitas a riscos conhecidos e desconhecidos

Leia mais

GRUPO PORTUCEL RELATÓRIO E CONTAS 2013

GRUPO PORTUCEL RELATÓRIO E CONTAS 2013 GRUPO PORTUCEL RELATÓRIO E CONTAS 2013 Grupo Portucel Relatório e Contas 2013 No Grupo Portucel assumimos cada vez mais um papel de relevo no desenvolvimento do nosso País, reforçando ao mesmo tempo,

Leia mais

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 A Indústria de Papel no Brasil BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 1 Produção mundial de papel por região - 2001- Em % A produção mundial está distribuída uniformemente em 3 áreas

Leia mais

Inovação no Planeamento Operacional Florestal

Inovação no Planeamento Operacional Florestal MEIO: WWW.NATURLINK.PT CORES P&B TIRAGEM: ONLINE PÁGINA 01 À 08 R. Castilho 5, 1º andar, Sals 17, 1250-066 LISBOA T. +351 21 153 64 51 PERIODICIDADE: DIÁRIA Nº EDIÇÃO: ONLINE RUBRICA: DESTAQUES DATA: JUNHO

Leia mais

Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA

Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA Geral Executiva Nome da Suzano Papel e Celulose Indústria Papel e celulose Produtos e Serviços Celulose de eucalipto,

Leia mais

CAPACIDADE. Mercado Interno. Mercados Interno e Externo. Mercado Interno. 2,5 milhões t Madeira. 243 mil ha. 700 mil t Cartões. 145 mil t.

CAPACIDADE. Mercado Interno. Mercados Interno e Externo. Mercado Interno. 2,5 milhões t Madeira. 243 mil ha. 700 mil t Cartões. 145 mil t. DISCLAIMER As declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras e perspectivas de crescimento da Klabin SA são apenas projeções e, como

Leia mais

A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014

A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014 PROMOTOR: SPONSOR: A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014 Marta Souto Barreiros, CELPA Os Associados da CELPA 2 Os Associados da CELPA (2013) Gerem

Leia mais

Manhã Técnica. Mercados Florestais

Manhã Técnica. Mercados Florestais Manhã Técnica Mercados Florestais APFC Associação de Produtores Florestais de Coruche 27. 03. 2015 2 Enquadramento Tx Câmbio EURO/USD 3 Tendência de diminuição desde o 2.ª T 2014 que favorece as nossas

Leia mais

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010 Apresentação de Resultados 2009 10 Março 2010 Principais acontecimentos de 2009 Conclusão da integração das empresas adquiridas no final de 2008, Tecnidata e Roff Abertura de Centros de Serviços dedicados

Leia mais

Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level. A Importância da Certificação da Qualidade

Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level. A Importância da Certificação da Qualidade A Importância da Certificação da Qualidade Seminário "Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Marco de Canaveses, 17 de Fevereiro de 2011 1 Programa Apresentação do Grupo SGS Qualidade e

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Setúbal, 15 de Março de 2015

Setúbal, 15 de Março de 2015 Setúbal, 15 de Março de 2015 Península de Setúbal 1 421 Km2 9 concelhos 782 044 pessoas Peso na população nacional População ativa (igual à média nacional) 7% 49% Alcochete Almada Barreiro Moita Montijo

Leia mais

Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades. AEP Março.2012

Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades. AEP Março.2012 Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades AEP Março.2012 1/ Perfil Em busca da Excelência Missão Inovar com qualidade 1/ Perfil Trabalhamos diariamente no desenvolvimento de soluções

Leia mais

segurança/saúde e acessibilidade);. Todas as empresas envolvidas apresentam iniciativas que abrangem pelo menos dois dos pilares: social e ambiental. Isto demonstra que as iniciativas a nível ambiental

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 1 2 3 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 4 5 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO O COMÉRCIO INDUZ A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE Cabe ao Transporte Marítimo

Leia mais

Produtos florestais certificados pela SCA

Produtos florestais certificados pela SCA Produtos florestais certificados pela SCA PE FC /05-33-132 Promoting Sustainable Forest Management www.pefc.org PORQUE QUE É QUE ME INTERESSA? A certificação florestal estabelece uma verdadeira ligação

Leia mais

A CORTICEIRA AMORIM e as suas subsidiárias

A CORTICEIRA AMORIM e as suas subsidiárias Há poucos ecossistemas no Mundo que são verdadeiramente sustentáveis, que permitem uma actividade económica, mantendo esse ecossistema e favorecendo a biodiversidade, a natureza e a floresta. Humberto

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

Sustentabilidade do Setor Florestal

Sustentabilidade do Setor Florestal Sustentabilidade do Setor Florestal Quem somos o Somos o resultado da União de duas empresas brasileiras com forte presença no mercado global de produtos florestais renováveis. o Uma nova empresa com

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

22 de Fevereiro de 2013. Formação a Técnicos Autárquicos

22 de Fevereiro de 2013. Formação a Técnicos Autárquicos 22 de Fevereiro de 2013 Formação a Técnicos Autárquicos Certificações Internacionais Certificação AA1000 (Accountability 1000) É uma norma que define as melhores práticas para prestação de contas para

Leia mais

Bem-vindos à Volkswagen Autoeuropa Encontro com a Imprensa 20 de março de 2013. Volkswagen Autoeuropa

Bem-vindos à Volkswagen Autoeuropa Encontro com a Imprensa 20 de março de 2013. Volkswagen Autoeuropa Bem-vindos à Encontro com a Imprensa 20 de março de 2013 Intervenção do eng.º António de Melo Pires Diretor-Geral Agenda Resultados do Grupo Volkswagen Resultados da Recursos Humanos A estratégia do Grupo

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 31 de Dezembro de 2013 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 2013 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ENQUADRAMENTO ECONÓMICO... 5 EVOLUÇÃO

Leia mais

plantadas e investidores financeiros.

plantadas e investidores financeiros. A Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) é a associação responsável pela representação institucional da cadeia produtiva de árvores plantadas, do campo à indústria, junto a seus principais públicos de interesses.

Leia mais

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? O uso de biomassa florestal

Leia mais

20090521_TMO_DFCI09 Avila, Espanha 24 de Setembro 2009 (V congresso forestal Espanhol)

20090521_TMO_DFCI09 Avila, Espanha 24 de Setembro 2009 (V congresso forestal Espanhol) A Defesa da Floresta Contra Incêndios Portugal Tiago Oliveira Protecção florestal Avila, Espanha 24 de Setembro 2009 (V congresso forestal Espanhol) Agenda 1. O sector florestal em Portugal - overview

Leia mais

Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima de tudo, Perfeição.

Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima de tudo, Perfeição. COMMUNICATION ON PROGRESS MARCH 2014 MARCH 2015 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Os desafios de competitividade dos portos portugueses J. Augusto Felício. Florianópolis Brasil

Os desafios de competitividade dos portos portugueses J. Augusto Felício. Florianópolis Brasil Os desafios de competitividade dos portos portugueses J. Augusto Felício Florianópolis Brasil Florianópolis Brasil 2 a 4 de Dezembro de 2015 Os desafios de competitividade dos portos portugueses Os desafios

Leia mais

Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado

Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado Maximo Pacheco Presidente International Paper do Brasil 34º ANAVE São Paulo, 29 de Setembro de 2009 A indústria de papel de I&E do Brasil

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

Trucks 4 Terminals: A LEANER OPERATION. Copyright: LS - Luís Simões Dalila Tavares Junho 2015

Trucks 4 Terminals: A LEANER OPERATION. Copyright: LS - Luís Simões Dalila Tavares Junho 2015 Trucks 4 Terminals: A LEANER OPERATION Copyright: LS - Luís Simões Dalila Tavares Junho 2015 Quem somos? Perfil Empresa Grupo familiar fundado em 1948 Capital 100% propriedade da família Luís Simões Capital

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

COMPANY NOTE 7 DE MARÇO DE 2016

COMPANY NOTE 7 DE MARÇO DE 2016 VISÃO Comprar Price Target: 4,00 EUR Nota: Valores de fecho de 04/03/2016 ; Equipa Research 0 P reço e P erfo rmance (valo res em EUR ) Preço 3,11 M áx de 52 semanas 4,33 M ín de 52 semanas 2,67 YTD (%)

Leia mais

ANTONIO SERGIO ALFANO

ANTONIO SERGIO ALFANO DEZEMBRO DE 2013 ANTONIO SERGIO ALFANO DE 2008 A 2013 REDUÇÃO DE CUSTOS E MUDANÇA DAS PRÁTICAS COMERCIAIS INVESTIMENTOS DE ALTO RETORNO AMPLIAÇÃO DA CONVERSÃO MONTE ALEGRE, PR OTACÍLIO COSTA, SC CORREIA

Leia mais

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico -

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - APE Energia e Ambiente metas e políticas Maio 2004 António Neves de Carvalho EDP Electricidade de Portugal, S.A. Gabinete de Ambiente

Leia mais

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações O Futuro é hoje: visões e atitudes para um Portugal sustentável Introdução 1.Sustentabilidade e Responsabilidade Social; 2. O Desenvolvimento Sustentável;

Leia mais

Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia

Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia Revisto por: Luís Neves Silva, WWF Mediterranean Portugal Félix Romero, WWF Spain Nora Berrahmouni, WWF Mediterranean O panda que simboliza

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Desafios de Valor numa Economia Inteligente

Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente As Novas Redes Colaborativas Os Novos Processos de Intermediação A Gestão

Leia mais

Relatório sobre o Governo da Sociedade ( Regulamento da C.M.V.M. nº 7/2001 )

Relatório sobre o Governo da Sociedade ( Regulamento da C.M.V.M. nº 7/2001 ) Relatório sobre o Governo da Sociedade ( Regulamento da C.M.V.M. nº 7/2001 ) Capítulo I Divulgação de Informação Organigrama da Sociedade PORTUCEL Jorge Armindo Luis Deslandes Artur Soutinho Manuel. Gil

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

1. Identifica e avalia os riscos do seu actual modelo de consumo de produtos florestais.

1. Identifica e avalia os riscos do seu actual modelo de consumo de produtos florestais. 1. O que é a Rede Ibérica de Comércio Florestal? A Rede Ibérica de Comércio Florestal é o projecto da WWF que apoia as empresas, estabelecidas em Portugal e Espanha, na adopção de politicas, esclarecidas

Leia mais

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL 3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL João de Sá Nogueira Administrador / Director Executivo Fundação Infantil Ronald McDonald joao.sanogueira@pt.mcd.com

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Fundação André Maggi Originação Processamento Exportação Soja Milho Geração

Leia mais

Transporte Marítimo e Portos

Transporte Marítimo e Portos Transporte Marítimo e Portos Disposição de Terminais num Porto - 1 Disposição geral do porto de Leixões. 1 Disposição de Terminais num Porto - 2 Porto de Rotterdam (Holanda), o maior porto europeu. Disposição

Leia mais

Gestão Empresarial para a Sustentabilidade. Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social

Gestão Empresarial para a Sustentabilidade. Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social Gestão Empresarial para a Sustentabilidade Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social Klabin: Uma empresa líder 107 anos de tradição, inovação, liderança e sustentabilidade 17

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisboa, Portugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Associação da Indústria Papeleira Para: CC: De: Estatuto:

Leia mais

Estados Unidos da América

Estados Unidos da América FICHA DE MERCADO Estados Unidos da América I BREVE CARACTERIZAÇÃO Os EUA são um dos maiores países do mundo, ocupando a terceira posição tanto em termos de área, com uma superfície de quase 10 milhões

Leia mais

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ.

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ. 1 Versão: 04A APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro

Certificar para Ganhar o Futuro Certificar para Ganhar o Futuro Loulé, 9 de Novembro 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região do Algarve como Mercado Estratégico

Leia mais

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais Exposição de motivos Os portos comerciais do sistema portuário nacional têm

Leia mais

A VISÃO, MISSÃO, VALORES E OBJECTIVOS ORGANIZACIONAIS

A VISÃO, MISSÃO, VALORES E OBJECTIVOS ORGANIZACIONAIS A VISÃO, MISSÃO, VALORES E OBJECTIVOS ORGANIZACIONAIS VISÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO Há duas regras básicas da economia que não se aprende nos manuais: a primeira diz-nos que os ajustamentos ocorrem sempre;

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001)

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001) 1 INFO012 REV 05 APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 1 BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Celulose de Mercado Ao longo de 1999 e parte do ano 2000 os preços da celulose foram crescentes, num cenário de demanda aquecida

Leia mais

Seminário sobre Sustentabilidade Corporativa. 28 de agosto de 2007 São Paulo - SP

Seminário sobre Sustentabilidade Corporativa. 28 de agosto de 2007 São Paulo - SP Seminário sobre Sustentabilidade Corporativa 28 de agosto de 2007 São Paulo - SP Sustentabilidade Corporativa Marcos Kisil Desafios do século XXI Crescimento populacional Urbanização Inovações tecnológicas

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

Volume de negócios cresce 6,4% para 795 milhões, com evolução favorável do preço da pasta e do papel

Volume de negócios cresce 6,4% para 795 milhões, com evolução favorável do preço da pasta e do papel 1 Destaques: 1º Semestre (vs. 1º Semestre 2014) Volume de negócios cresce 6,4% para 795 milhões, com evolução favorável do preço da pasta e do papel EBITDA aumenta 16,6% para 184,5 milhões, com melhoria

Leia mais

PEFC O QUE PRECISA SABER SOBRE A CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC/13-01-01 PROGRAMA PARA O RECONHECIMENTO DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL

PEFC O QUE PRECISA SABER SOBRE A CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC/13-01-01 PROGRAMA PARA O RECONHECIMENTO DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC TUDO O QUE PRECISA SABER SOBRE A CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC/13-01-01 PROGRAMA PARA O RECONHECIMENTO DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PORQUE É IMPORTANTE CUIDAR DA FLORESTA? As florestas desempenham um papel

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 1º SEMESTRE DE 2014 ÍNDICE

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 1º SEMESTRE DE 2014 ÍNDICE RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 1º SEMESTRE DE 2014 ÍNDICE 0. SÍNTESE DOS PRINCIPAIS INDICADORES 2 1. ANÁLISE DE RESULTADOS 4 2. ANÁLISE DE MERCADO 7 a) ACTIVIDADE DE PASTA 7 b) ACTIVIDADE DE PAPEL

Leia mais