A R TIGOS ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A R TIGOS ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL"

Transcrição

1 A R TIGOS ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE INDIVÍDUOS DE 18 A 50 ANOS Body composition and body mass index in individuals from 18 to 50 years old Adriana Lopes Martins 1, Márcia Moreira Mamedes 1, Marcus Paulo P. de Oliveira 1, José Ney Ferraz Guimarães 2, Fátima Palha de Oliveira 3 RESUMO Com o objetivo de avaliar a composição corporal (CC) e o índice da massa corporal (IMC) de indivíduos de 18 a 50 anos de ambos os sexos, foram estudados 489 voluntários, sendo 190 do sexo feminino (média=27 ±7,5 anos) e 399 do sexo masculino (média=25 ±7anos). A amostra foi dividida em 3 grupos: grupo I: de 18 a 24 anos; grupo II: de 25 a 30 anos e grupo III: de 30 anos em diante, e a análise foi feita considerando o sexo. As medidas de dobras cutâneas (DC) foram feitas com compasso (Cescorf, precisão de 0,1 mm) e o protocolo adotado para os cálculos foi o proposto por Jackson & Pollock (1985). A ANOVA one way foi usada para comparar os resultados (p 0,05) dos grupos, em associação com o teste de Tukey HSD. As diferenças para as variáveis consideradas no estudo foram mais evidentes entre o grupo I e o III. Apesar dos resultados médios obtidos para IMC corresponderem à classificação normal (18,5 a 24,9), o que retrata um risco mínimo (< 25) para doenças associadas a este índice, foi verificado, em ambos os sexos, a tendência de maior prevalência (%) de indivíduos com sobrepeso e obesidade I entre indivíduos com mais idade. PALAVRAS-CHAVE Composição corporal, percentual de gordura, massa corporal magra, IMC ABSTRACT With the propose to evaluate body composition (BC) and body mass index (BMI), 489 voluntary individuals between 18 and 50 years old were studied, being 299 male (25 ±7years) and 190 female (mean=25 ±7years). They were divided into three groups: group I (18 to 24 years), group II (25 to 30 years) and group III (beyond 30 years). The skinfold caliper Cescorf (precision of 0,1 mm) was used to measure subcutaneous fat, and Jackson & Pollock (1985) protocol was adopted to obtain BC. The ANOVA one way was adopted to compare the results (p 0,05) of the groups with the Tukey HSD test. The differences among the studied variables are more evident between groups I 1 Professor(a) de Educação Física graduado(a) pela UFRJ 2 Professor de Fisiologia do Exercício e Avaliação Física da Escola de Educação Física e Desportos da UFRJ Mestre em Bases Fisiológicas da Ed. Física pela UFRJ 3 Professora de Fisiologia do Exercício e Avaliação Física da Escola de Educação Física e Desportos da UFRJ-DSc pela COPPE UFRJ C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): ,

2 ADRIANA L. MARTINS, MÁRCIA M. MAMEDES, MARCUS P. P. DE OLIVEIRA, JOSÉ NEY F. G UIMARÃES, FÁTIMA P. DE OLIVEIRA and III. In spite of the BMI mean results correspond to the normal range (18,5 to 24,9), it was observed a larger incidence of overweighed and obese individuals among the older. KEY WORDS Body composition, body fat, lean body mass, body mass index 1. INTRODUÇÃO O desenvolvimento do estudo da composição corporal veio trazer valiosas informações para diversas áreas de conhecimento. O grande interesse pelos aspectos quantitativos e qualitativos da composição corporal estimulou o desenvolvimento de técnicas acessíveis para sua mensuração. Entre outras técnicas dispõem-se da medida de dobras cutâneas com o adipômetro, que é um aparelho de baixo custo, fácil manuseio e que apresenta uma precisão aceitável nos resultados de estimativa de densidade corporal e gordura corporal, que facilitou a identificação seletiva de grande número de pessoas com sobrepeso e obesidade. A marcante preocupação em identificar e quantificar pessoas com excesso de peso observada atualmente deve-se ao fato da obesidade ser considerada um problema de saúde pública dos mais graves, pois está associada a uma série de doenças crônicas degenerativas. Segundo a Organização Mundial da Saúde, estima-se que o número de obesos adultos gire em torno de 300 milhões em todo o mundo. Só no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, 32,9% da população está acima do peso considerado saudável, sendo que 4,8% dos homens e 11,7% das mulheres são obesos. A constatação da prevalência de indivíduos com sobrepeso e obesidade fornece dados que respaldam a importância de programas de educação para a saúde que integrem a prática orientada de atividade física e a instalação de hábitos alimentares saudáveis, como medidas preventivas. O presente estudo foi desenvolvido com o propósito de quantificar e analisar a composição corporal (CC) de homens e mulheres entre 18 e 50 anos, residentes no bairro de São Gonçalo no município de Niterói, de modo a verificar a prevalência de pessoas com sobrepeso e obesidade nesse grupo. 98 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): , 2001

3 A NÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE INDIVÍDUOS DE 18 A 50 ANOS 2. MATERIAIS E MÉTODOS A amostra do presente estudo (n=489) foi retirada do banco de dados de avaliação física de uma academia de ginástica de São Gonçalo-Niterói. Esse banco de dados tinha, na época do estudo (2001), o total de 1000 pessoas que foram avaliadas por cinco avaliadores da academia, nos anos de 1999 e Considerando que a habilidade do avaliador pode ser uma fonte de erro nas medidas antropométricas (Pollock & Jackson, 1984), antes de iniciar o presente estudo foi feita uma análise da concordância entre os 5 avaliadores da academia, segundo o método proposto por Pederson & Gore (2000). A partir dos resultados dessa análise interavaliadores decidiu-se por considerar no estudo apenas as medidas antropométricas armazenadas no banco de dados que foram computadas pelos avaliadores que apresentaram resultados semelhantes. Dessa forma, retirou-se do banco de dados apenas os resultados de 489 adultos, sendo 190 do sexo feminino (idade média = 27 ±7,5 anos) e 299 do sexo masculino (idade média = 25 ±7 anos) que foram analisados separadamente, devido ao padrão de distribuição de gordura ser diferenciado pelo gênero (McArdle et al., 2000). Com relação à idade, dividiu-se a amostra em 03 grupos: grupo I (de 18 a 24 anos), grupo II (de 25 a 29 anos) e grupo III (acima de 30 anos). Essa estratificação foi feita considerando que entre 18 e 25 anos o indivíduo atinge o pico de massa muscular, período que é seguido por uma fase de manutenção dessa massa muscular desenvolvida e, após os 30 anos, observa-se um declínio nas medidas fisiológicas que, naturalmente, vai variar com o estilo de vida da pessoa (McArdle et al., 2000). Na amostra masculina o grupo I foi composto por 196 voluntários, o grupo II por 50 e o grupo III por 53. Na amostra feminina o grupo I foi composto por 86 voluntárias, o grupo II por 45 e o grupo III por 59. As medidas de dobras cutâneas (DC) foram feitas com um adipômetro de marca Cescorf (Mitutoyo) com escala de 0,1 mm e pressão mandibular de 10 g/mm 2. Foi usado o lápis dermográfico para demarcar os pontos medidos. Todas as medidas foram realizadas no lado direito do corpo, por três vezes não consecutivas, sendo a média dos valores próximos computada para efeito de cálculo. As dobras cutâneas do grupo masculino foram feitas nos pontos: Tríceps (Tr), Subescapular (Se) e Tórax; e do C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): ,

4 ADRIANA L. MARTINS, MÁRCIA M. MAMEDES, MARCUS P. P. DE OLIVEIRA, JOSÉ NEY F. G UIMARÃES, FÁTIMA P. DE OLIVEIRA grupo feminino nos pontos: Tríceps (Tr), Suprailíaca (Si) e Abdome (Ab), segundo descrição de De Rose (1984). A massa corporal total foi medida na balança Filizola e a estatura foi obtida com o altímetro a esta acoplado. Foram analisadas as seguintes variáveis: Idade (anos); Estatura (cm) e Massa Corporal Total (MCT). A partir dos dados obtidos foram calculados os seguintes parâmetros: somatório das três DC ( DC) masculina e feminina (mm); o percentual de gordura corporal (%G) que foi estimado segundo o método proposto por Jackson & Pollock (1985) considerando a faixa etária. Foram estimados os valores esperados para %G nas faixas etárias consideradas no estudo, adotando-se o método proposto por Pollock & Wilmore (1993) e procedeu-se a comparação entre a quantidade de gordura medida e a esperada. A massa corporal gorda (MCG) foi estimada a partir do %G e da MCT, [MCG = %G. MCT/ 100]. A massa corporal magra (MCM) foi estimada à partir da subtração da MCG da MCT. O índice de massa corporal (IMC= MCT/estatura 2, Kg/m 2 ), desenvolvido por Quetelet (1870), foi adotado na presente amostra para estimar a prevalência de indivíduos com sobrepeso e obesidade. Esse índice expressa a distribuição da massa corporal em relação à estatura e tem sido recomendado para estudos populacionais por sua facilidade de execução (Anjos, 1992). Sua avaliação não é recomendada para indivíduos atletas, mulheres grávidas, crianças ou idosos sedentários por apresentarem alterações peculiares na massa corporal (McArdle et al., 2000). Na análise do IMC, foi adotado como limite de corte para sobrepeso o valor de IMC=25, como sugerido pela World Health Organization (1990) e para graus de obesidade adotou-se a classificação proposta por Garrow & Webster (1983) (obesidade grau 1: IMC entre 25 e 29,9; grau 2: IMC entre 30 e 39,9 e grau 3: IMC superior a 40). Foi classificado como baixo peso IMC menor que 20 (McArdle et al., 2000). Para a análise do risco de doenças degenerativas pelo IMC foi adotada no presente estudo a proposta de Calle et al., (1999) (IMC<25 risco muito baixo; 25<IMC<27 risco baixo; 27<IMC<30 risco moderado; 30<IMC<35 risco alto; 35<IMC<40 risco muito alto; IMC>40 risco extremamente alto). 100 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): , 2001

5 A NÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE INDIVÍDUOS DE 18 A 50 ANOS O tratamento estatístico e o cálculo dos parâmetros estudados foram realizados com o programa Estatística (versão 4.2 / 1993, para Windows). Obteve-se a estatística descritiva das variáveis e, para a comparação entre os grupos, foi usada a Análise de Variância (ANOVA one way) e o teste de comparação múltipla de Tukey HSD. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO SEXO FEMININO: A MCT do grupo III encontra-se significativamente (p=0,0005) mais elevada que a dos demais grupos (Tabela 1). Observa-se na literatura que o aumento da idade é acompanhado por um aumento na MCT (McArdle et al., 2000) que é determinado, em geral, por uma diminuição do metabolismo basal e em decorrência da natural perda de massa muscular devido ao maior grau de sedentarismo em faixas etárias mais avançadas. Com relação às DC medidas e o DC, pode ser observado na Tabela 1 que o grupo III apresentou os valores médios mais elevados para estas variáveis. A ANOVA e o teste de Tukey (Tabela 1) permitiram a constatação que o grupo III apresenta acúmulo de gordura subcutânea significativamente (p< 0,05) maior na região triciptal e abdominal e no DC, do que os demais grupos. Esse resultado corresponde ao esperado, visto que a gordura corporal apresenta uma tendência natural de aumentar ao longo da vida (Parizková et al., 1965). Essa tendência ao maior acúmulo de gordura ocorre sem que as diferenças sexuais deixem de existir, ou seja, em todas as faixas etárias, as mulheres apresentam valores mais elevados para espessura de dobras cutâneas que os homens, fato também observado na amostra analisada (Figura 1). O %G do grupo III apresentou-se estatisticamente superior (p=0,002) ao dos grupos I e II (Tabela 1), e pode ser observado um aumento dos valores médios desta variável com o aumento da idade (Figura 1). O cálculo dos valores esperados para %G nas faixas etárias do presente estudo foi feito segundo Pollock & Wilmore (1993) e revelou que as médias de todos os três grupos femininos encontram-se acima do esperado para a faixa etária e sexo (Figura 2 e Tabela 1). Segundo McArdle et al. (1998), um %G acima de 30% para mulheres jovens corresponde à obesidade. Este não é um bom prognóstico para a amostra analisada no presente estudo, visto que o grupo feminino de 18 a 24 anos (grupo I) C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): ,

6 ADRIANA L. MARTINS, MÁRCIA M. MAMEDES, MARCUS P. P. DE OLIVEIRA, JOSÉ NEY F. G UIMARÃES, FÁTIMA P. DE OLIVEIRA apresentou valor médio de 32%, indicando uma prevalência de casos com resultados acima deste índice no grupo. Para mulheres de mais idade a obesidade seria caracterizada por um %G acima de 37%, segundo o autor. Desta forma conclui-se que o grupo III, apesar de apresentar valores absolutos mais elevados para as variáveis relativas à gordura subcutânea (DC, DC, %G e MCG), na análise relativa à idade apresenta melhor prognóstico que o grupo I para a obesidade. É importante ressaltar que apesar do %G tender a aumentar com a idade, é uma atitude saudável manter o %G abaixo de 30% (McArdle et al., 1998). A MCM das mulheres apresentou pequena variação (DP) dentro dos grupos e o valor mais elevado foi encontrado no grupo III. Não foi observada diferença significativa (p=0,32) para MCM comparada entre os grupos (Tabela 1). Este resultado permite a constatação que a diferença na MCT, observada entre os grupos, deve-se sobretudo à presença de maior quantidade de gordura armazenada, visto que os grupos apresentaram MCM semelhantes. Na amostra analisada foi observado que, no sexo feminino, a DC abdominal, em todas as faixas etárias consideradas, apresentou maiores valores absolutos do que as DC tríceps e suprailíaca (Tabela 1). Este fato pode representar um prognóstico não favorável, pois estudos (Dulcimietre et al., 1986; Higgins et al., 1988) têm apontado que o padrão de distribuição de gordura corporal é um fator de risco mais importante para as condições de morbidade e mortalidade do que a própria obesidade. Tem sido observada na literatura disponível uma estreita associação entre algumas complicações metabólicas e o maior acúmulo de gordura na região abdominal (padrão centrípeto), independente da idade e quantidade total de gordura. A quantidade excessiva da distribuição centrípeta da gordura corporal pode aumentar a suscetibilidade da diabetes, contribuir para o aparecimento das hiperlipidemias, comprometer o metabolismo das lipoproteínas no plasma e dificultar a manutenção da pressão arterial em níveis satisfatórios (Guedes & Guedes, 1998). Baseado nesta constatação, ressalta-se a necessidade de um programa nacional de educação para a saúde, em que se estimule a atitude preventiva que vise a manutenção de baixos %G, estimulando-se a prática da atividade física e adoção de hábitos alimentares saudáveis. 102 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): , 2001

7 A NÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE INDIVÍDUOS DE 18 A 50 ANOS O IMC médio dos grupos femininos apresentou resultado classificado como normal no critério de obesidade adotado, e baixo risco de doenças associados ao IMC, segundo as primeiras diretrizes federais do National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Disease, (McArdle et al., 2000). Contudo, na análise da prevalência de casos classificados como baixo peso, sobrepeso e obesidade nos grupos, foi verificado que o percentual de indivíduos classificados como apresentando baixo peso diminuiu no grupo de indivíduos com idade mais elevada, ao mesmo tempo em que se observou um aumento do percentual dos classificados como portadores de sobrepeso nesse grupo. No grupo I (18 a 24 anos) constatou-se a presença de 15% de indivíduos com sobrepeso e 2% com obesidade de grau I (Tabela 2). No grupo III (30 anos em diante) 8% dos casos apresentou obesidade de grau I e 2,5% obesidade de grau II. Os resultados encontrados nessa amostra retratam a realidade brasileira apontada pelo Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição - INAN (1991), que mostra ser de 38% a prevalência de excesso de peso na população feminina brasileira. Como foi verificado que a diferença de MCT entre os grupos femininos é explicada pela maior presença de gordura corporal, e que, para estatura, não houve diferença entre os grupos na amostra analisada, podese inferir que valores mais elevados de IMC refletem uma maior quantidade de gordura corporal. SEXO MASCULINO: O grupo III masculino apresentou valor para MCT significativamente mais alto (p= 0,0005) que o grupo I (Tabela 1). Observa-se, também para o sexo masculino, um aumento com a idade da MCT. Tal como no grupo feminino, foi observada entre os homens a presença de indivíduos com valores de MCT bem mais elevados que a média dos grupos a que pertencem, indicando a presença de casos de excesso de peso nos três grupos (Tabela 1). Observa-se também no grupo masculino uma tendência a apresentar valores mais elevados na espessura de dobras cutâneas nos grupos de idade mais avançada. O grupo III apresentou maior espessura na DC na região triciptal e subescapular do que o grupo I (p 0,05). Para dobra C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): ,

8 ADRIANA L. MARTINS, MÁRCIA M. MAMEDES, MARCUS P. P. DE OLIVEIRA, JOSÉ NEY F. G UIMARÃES, FÁTIMA P. DE OLIVEIRA cutânea de tórax a diferença é significativa entre os três grupos. A dispersão nesta variável é alta, havendo valores máximos bastante elevados (Tabela 1). É na região subescapular que os homens apresentaram maiores valores absolutos para dobras cutâneas. O DC foi mais alto no grupo III e o %G apresentou diferenças estatísticas (p= 8,35 e -11 ) entre os três grupos e as duas variáveis apresentaram, também, a tendência de valores mais elevados nos grupos de indivíduos com mais idade. Os grupos masculinos apresentaram valores médios de %G acima do esperado para a idade segundo Pollock & Wilmore (1993), estando, contudo, mais próximos dos valores esperados do que os grupos femininos (Figuras 2 e 3). Para os critérios de McArdle et al. (1998), que estabelece 20% de gordura como padrão esperado para homens saudáveis, apenas o grupo III apresentou resultados acima desse limite. Também no grupo masculino não foi obtida diferença significativa entre os grupos para a variável MCM (p=0,62). Pode-se então, inferir que é uma quantidade maior de massa de gordura que determina a diferença para a MCT entre os grupos I e III (Tabela 1). Nos grupos masculinos observou-se maiores valores na espessura da DC subescapular em relação às DC tríceps e tórax, o que aponta para uma maior concentração de gordura na região do tronco (centrípeta). Como a medida de DC abdominal não foi computada nesse estudo para o sexo masculino, deve-se ter precaução nessa afirmativa. Em relação ao IMC verificou-se que o grupo I tem classificação normal para o seu valor médio, enquanto os grupos II e III são classificados como apresentando sobrepeso. Quando se analisa os resultados médios dos grupos, o risco para doenças associadas ao IMC é mínimo para os indivíduos mais jovens (grupo I) e baixo para os grupos II e III (Tabela 1). A verificação da prevalência de casos de obesidade no grupo masculino apresentou prognóstico pior do que os grupos femininos. Foi constatado que existe um maior percentual de casos de indivíduos com sobrepeso e com obesidade de grau I e II nas três faixas etárias em relação aos grupos correspondentes femininos (Tabela 2). Verifica-se, ainda, no grupo masculino, uma maior prevalência de pessoas com sobrepeso e obesidade em indivíduos de idade mais avançada (grupo III que tem idade 104 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): , 2001

9 A NÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE INDIVÍDUOS DE 18 A 50 ANOS mínima 30 e máxima 48 anos) quando mais da metade dos componentes do grupo (53%) é classificada como apresentando sobrepeso pelo IMC. Como também o %G encontra-se acima do esperado para a faixa etária, acreditase que o IMC elevado retrata a maior quantidade de gordura subcutânea, que é a responsável pelo aumentado IMC de alguns indivíduos. Foi verificado que mesmo nos grupos I e II, que são compostos por indivíduos jovens, existe a presença de alguns casos com risco moderado (9%), alto (2%) e muito alto (0,5%) para doenças associadas ao IMC elevado. No grupo III, 31% dos componentes do grupo apresentam risco moderado e 9% risco alto para doenças associadas a elevado IMC, evidenciando a necessidade de intervenção preventiva através de priorização de atividades aeróbias e orientação nutricional. 4. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Composição Corporal: Constatou-se um maior acúmulo de gordura corporal absoluta no grupo III, que explica a diferença de massa corporal total entre os grupos, visto que não foi encontrada diferença para a variável MCM. Todos os grupos de ambos os sexos apresentaram %G acima do esperado para a faixa etária, evidenciando a necessidade da intensificação do trabalho aeróbio visando alcançar valores menores de %G, MCG, DC, para os indivíduos classificados com sobrepeso e obesidade. Índice de Massa Corporal: O IMC médio do grupo feminino analisado obteve classificação normal em todas as faixas etárias, o que corresponde a um risco mínimo de doenças associadas a esta variável. O grupo masculino de maior faixa etária (grupo III) apresentou classificação de sobrepeso e os demais estão dentro de valores normais. Foi observado um aumento progressivo do total de pessoas classificadas como portadoras de sobrepeso e obesidade I com o aumento da idade. Distribuição de Gordura Corporal: A análise da espessura das dobras cutâneas medidas evidenciou uma tendência de acúmulo de gordura centrípeta (gordura da região central do corpo) em ambos os sexos. Os resultados ressaltam a necessidade de se alertar aos componentes da amostra para medidas preventivas de doenças associadas a esta tendência. C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): ,

10 ADRIANA L. MARTINS, MÁRCIA M. MAMEDES, MARCUS P. P. DE OLIVEIRA, JOSÉ NEY F. G UIMARÃES, FÁTIMA P. DE OLIVEIRA Tabela 1 Resultados da comparação entre os grupos VARIÁVEIS MASCULINO FEMININO Grupos I (18-24 anos) II (25-29 anos) III (> 30 anos) ANOVA / Tukey I (18-24 anos) II (25-29 anos) III (> 30 anos) ANOVA / Tukey MCT (kg) 72 ± ± ± 13 I III 59 ± ± ± 12 I e II III Estatura 1,76± 0 1,73± 0 1,74 ± 0 I II 1,62 ± 0 1,61 ± 0 1,61 ± 0 ns DC a 14 ± 6 16 ± 8 17 ± 6 I III 23 ± 8 23 ± 6 28 ± 8 I e II III b 18 ± ± ± 10 I III 29 ± ± ± 11 ns c 13 ± 7 15 ± 8 21 ± 9 I e II III 39 ± ± ± 15 I III Somatório DC (mm) 45 ± ± ± 22 I III 92 ± ± ± 31 I e II III %G medido 16 ± 7 19 ± 7 24 ± 6 I II e III 32 ± 7 32 ± 6 36 ± 6 I e II III II III %G esperado ns ns MCM (kg) 59 ± 7 58 ± 7 60 ± 6 ns 39 ± 6 38 ± 4 40 ± 5 ns MCG (kg) 12 ± 7 15 ± 8 19 ± 7 I III 19 ± 7 19 ± 6 23 ± 8 I e II III IMC kg.(m 2 ) ±4 25 ±4 26 ±4 I III 22 ±4 22 ±3 24 ±4 I e II III MCT= Massa Corporal Total; DC= Dobras Cutâneas; %G= Percentual de Gordura; MCG= Massa Corporal de Gordura; MCM= Massa Corporal Magra; IMC= Índice de Massa Corporal; Dp= Desvio padrão; Tr= Triciptal; Si= Suprailíaca; Ab= AbdominalDC a= tríceps; b= subescápula masculino e suprailíaca feminino; c= tórax masculino e abdominal feminino. ANOVA - diferença significativa para p 0,05; e o teste de comparação múltipla de Tukey aponta quais os grupos diferem entre si; ns= diferença não significativa entre os grupos. 106 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): , 2001

11 A NÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE INDIVÍDUOS DE 18 A 50 ANOS Tabela 2 Percentual de casos classificados quanto ao grau de obesidade e risco de doenças associadas ao IMC VARIÁVEIS MASCULINO FEMININO Grupos I II III I II III Classificação do IMC para obesidade (%) Baixo peso Normal ,5 Sobrepeso 23, ,5 24 Obesidade grau I 1, Obesidade grau II 0, ,5 Obesidade grau III Classificação do IMC para risco de doença (%) Mínimo Baixo , Moderado Alto Muito Alto Extremamente Alto , C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): ,

12 ADRIANA L. MARTINS, MÁRCIA M. MAMEDES, MARCUS P. P. DE OLIVEIRA, JOSÉ NEY F. G UIMARÃES, FÁTIMA P. DE OLIVEIRA Figura 1 Gordura percentual (%) nos três grupos avaliados Figura 2 Comparação entre % medido e % esperado para o sexo feminino 108 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): , 2001

13 A NÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE INDIVÍDUOS DE 18 A 50 ANOS Figura 3 Comparação entre % medido e % esperado para o sexo masculino R EFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANJOS, L. A. Índice de Massa Corporal (massa corporal. estatura 2 ) como indicador do estado nutricional de adultos: revisão da literatura. Revista de Saúde Pública de São Paulo, 26: CALLE, E.E. et al.. Body mass index and mortality in a prospective coho of U.S. Adults. New England Journal of Medicine, 341: DE ROSE, E. H.; PIAGATTO, E.; DE ROSE, R. C. Cineantropometria, Educação Física e Treinamento Desportivo. Rio de Janeiro: SEED/MER, DULCIMIETRE, P.; RICHARD, J.; CAMBIEN, F.. The pattern of subcutaneous fat distribution in middle-age men and the risk of coronary heart disease: The Paris prospective study. International Journal of Nutrition, 10: GARROW, J. S.; WEBSTER, J. Quetelet s index (W/H2): as a measure of fatness. International Journal of Obesity, 9: C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): ,

14 ADRIANA L. MARTINS, MÁRCIA M. MAMEDES, MARCUS P. P. DE OLIVEIRA, JOSÉ NEY F. G UIMARÃES, FÁTIMA P. DE OLIVEIRA GUEDES, D. P. & GUEDES, J. E. R. P. Controle do Peso Corporal: Composição Corporal, Atividade Física e Nutrição. Londrina Paraná: Midiograf, HIGGINS, M. et al.. Hazards of obesity The Framingham experience. Acta Medical Scandinavia, Supplement, 73: INAN. Condições nutricionais da população Brasileira: Adultos e idosos. Pesquisa Nacional sobre saúde e nutrição. Brasília, Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição: Ministério da Saúde, JACKSON, A. S.; POLLOCK, M.L. Assessment of body composition. Physiology Sports Medicine. 13: MCARDLE, W. D.; KATCH, F. I.; KATCH, V. L. Fisiologia do Exercício: Energia, Nutrição e Desempenho Humano. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., MCARDLE, W. D.; KATCH, F. I.; KATCH, V. L. Essentials of Exercise Physiology. Second Edition. (p. 537). Philadelphia: Lippincott Williams e Wilkins, PEDERSON, D.; GORE, C. Error en la medicion antropométrica. In: KEVIN NORTON & TIM OLDS (editors). Antropométrica, p. 71. POLLOCK, M. L.; WILMORE, J. M. Exercício na Saúde e na Doença. Avaliação e Prescrição para Prevenção e Reabilitação. 2ª ed. Rio de Janeiro: Medsi, POLLOCK, M. L.; JACKSON, A. S. Research progress in validation of clinical methods of assessing body composition. Medicine and Science in Sports and Exercise. 16, QUETELET, A. Antropométrie ou mesure dês différentes facultes de l homme. Bruxelles: C. Muquardt, WORLD HEALTH ORGANIZATION. Diet nutrition and the prevention of chronic disease. Genevre, CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 9 (2): , 2001

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo a análise da distribuição de gordura em homens

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade.

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade. 10mo Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias. Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Departamento de Educación Física, La Plata, 2013. Avaliação

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES 1 FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL (04 COMPONENTES) GORDURA CORPORAL MASSA ÓSSEA MASSA MUSCULAR RESÍDUOS FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DAS CRIANÇAS DE 07 A 10 ANOS DE IDADE QUE FREQUENTAM O PROJETO, APRIMORAMENTO DAS AÇÕES MOTORAS ATRAVÉS DA GINÁSTICA ARTÍSTICA NO MEPROVI PEQUENINOS. França, Bruna S.* Silva, Janaina

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN Resumo: A obesidade é reconhecida como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, sabe-se que na população com SD

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada.

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada. I Comparação de Composição Corporal Entre Alunos de Escolas Públicas e Privadas Por: André Shigueo F. Vieira Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Resumo: O objetivo do presente estudo foi analisar

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Perimetria Medida da circunferência de determinados segmentos corporais, podendo ser realizados estando o corpo relaxado ou contraído. 2. Fita Métrica Equipamentos

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO.

ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO. ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO. Roberto Fernandes da Costa (Prof. Curso de Ed. Física da USP)

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS Flávia Regina Moleiro 1, Rose Mari Bennemann² RESUMO: O aumento da expectativa

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG.

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG. DANILO RAIMUNDO GONZAGA JOÃO BOSCO DA SILVA ALEXANDRE PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de

Leia mais

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP.

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. Alessandra Santana Valadares Cleverson Alves dos Santos Cristiano Rovella Alecsandro Rosa da Silva

Leia mais

A importância da anamn m ese s......

A importância da anamn m ese s...... Importância da Anamnese Dobras Cutâneas BIOTIPOS COMPOSIÇÃO CORPORAL PERIMETRIA A importância da anamnese... Conceito A anamnese (do grego anamnesis significa recordação) consiste na história clínica do

Leia mais

O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ADOLESCENTES DE AMBOS OS SEXOS

O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ADOLESCENTES DE AMBOS OS SEXOS O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ADOLESCENTES DE AMBOS OS SEXOS The body mass index (BMI) of boys and girls Leonardo Antônio dos Santos Galdino 1 RESUMO Com base no índice de massa corporal (IMC) de crianças

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS

MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA F E DESPORTOS LABORATÓRIO RIO DE BIOMECÂNICA RELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS Revista Brasileira de Cineantropometria

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA Analisando o estilo de vida de algumas pessoas, constatou-se

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95%

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95% Atividade física Resultados De acordo com o nível de atividade física verificada no total da amostra, o percentual de indivíduos classificados como insuficientemente ativos foi maior em João Pessoa (55,1%)

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEFPLIC02 CORRELAÇÃO ENTRE OBESIDADE ABDOMINAL IMC E RISCO CARDIOVASCULAR Lizianny Leite Damascena (1), Nelson Pereira Neto (2), Valter Azevedo Pereira (3) Centro de Ciências da Saúde/ Departamento

Leia mais

Keywords: Body composition; Childhood obesity; Perimetry; Skin fold.

Keywords: Body composition; Childhood obesity; Perimetry; Skin fold. COMPARAÇÃO DA PORCENTAGEM DE GORDURA EM ESCOLARES DE 6 A 8 ANOS PELOS MÉTODOS DE PERIMETRIA E DOBRAS CUTÂNEAS Viviane de Fátima Almodóvar Paula Lima Professora Efetiva da Rede Estadual de Ensino - SP Especialista

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 Valéria Baccarin Ianiski 2, Lígia Beatriz Bento Franz 3, Eliane Roseli Winkelmann 4, Juliana Schneider 5. 1 Atividade relacionada ao Projeto de Iniciação

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Antropometria O objetivo desta seção é apresentar a mediana das medidas de peso e altura aferidas no contexto da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009, e analisá-las

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Área Temática: Saúde ¹Jussara Gazzola (Coordenador da Ação

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 %MASSA GORDA SAUDÁVEL Homens 20 anos %MGsaudável = 10% (a partir dos 20 anos acresce-se 1% por cada 3 anos de idade, até ao limite de 25% ou até 50 anos de idade). Ou usando

Leia mais

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal?

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Roberto Fernandes da Costa Mestrando em Educação Física da Escola de Educação Física e Esporte da USP E-mail: costa2001@fitmail.com.br Esta é

Leia mais

Autor: Francisco das Chagas Cavalcante da Rocha Orientador: prof. MSc. David Marcos Emérito de Araújo

Autor: Francisco das Chagas Cavalcante da Rocha Orientador: prof. MSc. David Marcos Emérito de Araújo 1 Análise da Relação Cintura/Quadril e Índice de Massa Corporal em professores praticantes de futebol da Associação de Docentes da Universidade Federal do Piauí - ADUFPI como meio de predição para o risco

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM IDOSAS ATENDIDAS NOS PROJETOS DA UESB

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM IDOSAS ATENDIDAS NOS PROJETOS DA UESB Artigo Original PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM IDOSAS ATENDIDAS NOS PROJETOS DA UESB PREVALENCE OF OVERWEIGHT AND OBESITY IN ELDERLY ATTENDED IN PROJECTS OF UESB Resumo Ciro Oliveira Queiroz¹

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA Bruno Guilherme Morais Pagan 1 ; Luzia Jaeger Hintze 2 ; Alexandre dos

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

SDH/PR apresenta dados sobre alimentação adequada de crianças e adolescentes no Brasil

SDH/PR apresenta dados sobre alimentação adequada de crianças e adolescentes no Brasil PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SDH/PR apresenta dados sobre alimentação adequada de crianças e adolescentes no Brasil A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Leia mais

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Blood Pressure and Obesity in the adult population who goes to the municipal market in Portalegre Andreia Costa António

Leia mais

2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais

2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais 2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais Musculação na academia De acordo com Chiesa (2002), a musculação, classicamente

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

6. Sobrepeso e obesidade Introdução

6. Sobrepeso e obesidade Introdução 6. Sobrepeso e obesidade Introdução A prevalência de sobrepeso e obesidade vem aumentando rapidamente no mundo, sendo considerada um importante problema de saúde pública tanto para países desenvolvidos

Leia mais

Additional details >>> HERE <<<

Additional details >>> HERE <<< Additional details >>> HERE

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga.

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. ANÁLISE DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS E MOTIVOS DA DESISTÊNCIA EM PRATICANTES

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP Rafael Ribeiro Beatriz Vital Aline Souza Perla Silva Vitor Carloti Lucas Moreno Frantisek Oplustil

Leia mais

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relatório do projeto de pesquisa Promoção de modos saudáveis de vida em adultos e idosos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

Full version is >>> HERE <<<

Full version is >>> HERE <<< Full version is >>> HERE http://urlzz.org/brazilabs/pdx/cc1148/

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ Débora de Moura¹; Débora Augusto Sampaio²; Geziane Deldoto 2 ; Sonia Maria Marques

Leia mais

ESTIMULANDO A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E BONS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE ESCOLAS PÚBLICAS

ESTIMULANDO A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E BONS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE ESCOLAS PÚBLICAS ESTIMULANDO A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E BONS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE ESCOLAS PÚBLICAS SILVA 1,Sabrina RadamesFerreira MASSA 2, Joquebéde Barbosa OLIVEIRA 2, Anderson Juliano

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira COMPARAÇÃ ÇÃO O DA RECUPERAÇÃ ÇÃO O ATIVA EM INDIVIDUOS TREINADOS E NÃO N O TREINADOS EM MEIOS AQUÁTICO E TERRESTRE Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira Orientador: Prof.Ms.

Leia mais

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net)

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net) CORRELAÇÃO ENTRE O ÍNDICE DE ADIPOSIDADE CORPORAL, ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E ESTIMATIVA DE ADIPOSIDADE CORPORAL POR MEIO DE DE DOBRAS CUTÂNEAS EM DIFERENTES FAIXAS ETÁRIAS RAFAEL MACEDO SULINO HENRIQUE

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas

Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas Profa. Dra. Cláudia Soar ANTROPOMETRIA ÍNDICE DE MASSA CORPORAL (IMC) Excesso de peso PERÍMETRO DA CINTURA (PC)

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO LATO- SENSU EM ATIVIDADES MOTORAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA.

PÓS GRADUAÇÃO LATO- SENSU EM ATIVIDADES MOTORAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE CARATINGA-FUNEC ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE CARATINGA-EFISC PÓS GRADUAÇÃO LATO- SENSU EM ATIVIDADES MOTORAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA. AUTOR: ANDRÉ SALUSTIANO

Leia mais