NORMAS ISO14000: UM ESTUDO SOBRE A INSERÇÃO DA QUESTÃO AMBIENTAL NO CAMPO DA GESTÃO EMPRESARIAL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMAS ISO14000: UM ESTUDO SOBRE A INSERÇÃO DA QUESTÃO AMBIENTAL NO CAMPO DA GESTÃO EMPRESARIAL."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTONIO CARLOS UNIPAC FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS GEOGRAFIA E MEIO AMBIENTE VEREDIANA CAMILA RIBEIRO NORMAS ISO14000: UM ESTUDO SOBRE A INSERÇÃO DA QUESTÃO AMBIENTAL NO CAMPO DA GESTÃO EMPRESARIAL. BARBACENA 2011

2 VEREDIANA CAMILA RIBEIRO NORMAS ISO14000: UM ESTUDO SOBRE A INSERÇÃO DA QUESTÃO AMBIENTAL NO CAMPO DA GESTÃO EMPRESARIAL. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Bacharel em Geografia e Meio Ambiente da Universidade Presidente Antonio Carlos - UNIPAC, como requisito parcial do titulo de Bacharel em Geografia. Orientador: Professora Vânia Pereira Quintão BARBACENA 2011

3 VEREDIANA CAMILA RIBEIRO NORMAS ISO14000: UM ESTUDO SOBRE A INSERÇÃO DA QUESTÃO AMBIENTAL NO CAMPO DA GESTÃO EMPRESARIAL. Monografia apresentada à Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Geografia e meio Ambiente. BANCA EXAMINADORA Profª. Vânia Pereira Quintão Universidade Presidente Antonio Carlos - UNIPAC Prof. Bernardino Neves Junior Universidade Presidente Antonio Carlos - UNIPAC Prof. Renato Kneipp Duarte Universidade Presidente Antonio Carlos - UNIPAC Aprovada em: / /

4 Aos meus pais, Ivan e Nina meus ídolos, pela orientação e amor incondicional, em todas as fases da minha vida, e pelo esforço incansável para garantir meu sucesso profissional e como ser humano. A meu noivo Martinelli pelo companheirismo e apoio em todos os momentos. E a cada pessoa que, a sua maneira, contribuiu com este trabalho.

5 RESUMO A existência de qualidade ambiental tem sido uma preocupação das empresas mesmo que não haja interesse em certificação por normas. Assim como a adesão aos princípios da qualidade total pelas empresas de forma voluntária, tudo indica que o mesmo processo pode vir a se aplicar a questão ambiental. As empresas que se adaptarem aos novos tempos terão vantagens, já que a preocupação ecológica atualmente é vista como um fator estratégico de competitividade. Demonstrar qualidade ambiental é um item considerado importante pelos clientes, que estão cada vez mais bem informados e motivados com os temas ambientais. O modelo ISO é o modelo mais recente, mais utilizado mundialmente e o melhor modelo existente atualmente para o SGA. Por utilizar ferramentas gerenciais efetivas tornou a gestão ambiental mais integrada com as decisões de negócios, podendo-se então afirmar que a Norma ISO agregou valor a gestão empresarial. Palavras-chave: ISO Certificação. Qualidade Ambiental. Sistema de Gestão Ambiental

6 ABSTRACT The existence of environmental quality has been a concern of the companies even though there is interest in standards for certification. Just as adherence to the principles of total quality companies on a voluntary basis, it seems that the same process might apply to environmental issues. Companies that adapt to the changing times have advantages, since the ecological concern is now seen as a strategic factor of competitiveness. Demonstrate environmental quality is an important item considered by customers who are increasingly well informed and motivated by environmental issues. The ISO model is the latest model, the most used worldwide and the best model available today for the EMS. By using effective management tools become more integrated environmental management with business decisions, and we can therefore say that the ISO added value to business management. Keywords: Certification. Environmental Quality. Environmental Management System

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Ciclo do PDCA Figura 2: Modelos de selos Quadro 1: Requisitos do SGA conforme a norma NBR ISO 14001: Quadro 2: principais avanços do SGA segundo a Norma 14001:1996 e Quadro3: Numero de Certificações ISO no mundo e no Brasil Quadro 4: Etapas e Impactos Ambientais que devem ser avaliados... 28

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas ACV Avaliação do Ciclo de Vida BNDES - Banco Nacional do Desenvolvimento BSI - British Standards Institution BVQI Bureau Veritas Quality International CNI Confederação Nacional das Indústrias EMAS Eco-Management and Auditing Scheme GATT General Agreement on Tariffs and Trade ISO - International Organization for Standardization MMA/SPDS - Ministerio do Meio Ambiente. Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável ONGs Organizações Não Governamentais P+L Produção Mais Limpa PDCA Planejamento, Execução, Verificação e Ação PROCON Procuradoria de Proteção e Defesa do Consumidor SAGE - Strategic Advisory Group on the Environment SC Subcomitês SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas SETAC Society of Environmental Toxicology and Chemistry SGA Sistema de Gestão Ambiental TC Comitê Técnico TQEM - Gestão da Qualidade Ambiental Total WG Grupos de Trabalho

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEORICO A SITUAÇÃO DAS EMPRESAS FRENTE À QUESTÃO AMBIENTAL A ISO E SUAS CARACTERISTICA E ASPECTOS ROTULAGEM E AVALIAÇÃO DO PRODUTO EXEMPLOS POSITIVOS DE SGA EM EMPRESAS SITUADAS NO BRASIL CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 33

10 9 1 - INTRODUÇÃO A expansão dos diversos setores de produção, prestação de serviços, o crescimento econômico e o desenvolvimento tecnológico ocorridos nas últimas décadas proporcionaram muitos benefícios à sociedade como um todo. Porém, unidos ao rápido crescimento populacional e ao comportamento inadequado de consumo, resultaram em consequências indesejadas. A poluição ambiental associada a estes fatos gerou um difícil problema a ser resolvido. A grande quantidade de resíduos que foi e continua sendo depositada no meio ambiente alertou de vez o mundo para o risco iminente que corremos e às incertezas futuras. Empresas investiram e têm investido em procedimentos e processo para a gestão ambiental, especialmente em práticas de planejamento e controle se sistemas de gestão ambiental. Atualmente existem inúmeros modelos, instrumentos e ferramentas de gestão ambiental, há uma concordância de que não existe um modelo ou padrão único que sirva a todas as empresas porque seu comportamento socioambiental difere de organização para organização. Diante do estágio de maturidade e resposta de cada organização diversas classificações surgiram apara avaliar a gestão ambiental empregada, desde a reativa até as mais pró-ativas. A Norma ISO é uma norma de cunho voluntário considerado o mais consagrado na atualidade, baseado em uma série de boas práticas e ferramentas ambientais e tem como premissas básicas o cumprimento da legislação aplicável e a melhoria contínua. Ela oferece para as organizações o atendimento à crescente demanda da sociedade e do mercado com os aspectos relacionados à poluição e ao uso de recursos naturais. A implantação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) traz para a empresa, além da certificação perante a norma ISO 14001, a melhoria da imagem junto aos diversos setores sociais e a garantia de um programa contínuo de aprimoramento do desempenho ambiental e organizacional, com conseqüente racionalização dos custos, agregando valores aos negócios da empresa. Este trabalho é baseado em revisões bibliográficas, realizada através de consulta às normas internacionais da série ISO e suas inter-relações, e às diversas fontes acadêmicas, como livros, monografias e acessos à interne, que contemplam a implantação de um SGA baseado na Norma ISO 14000, seus conceitos e fundamentos específicos. Quanto à estrutura deste trabalho, ele está dividido em quatro capítulos que inclui um breve histórico da situação das empresas frente à questão ambiental, a ISO e suas características e aspectos, rotulagem e avaliação do produto e por fim exemplos positivos de SGA em empresas.

11 REFERÊNCIAL TEÓRICO 2.1 A SITUAÇÃO DAS EMPRESAS FRENTE À QUESTÃO AMBIENTAL Sem dúvida alguma a Revolução Industrial foi o marco para o início das ações de combate a poluição, o nível de poluentes despejados no ar, nas águas e no solo tornou-se inaceitável. Catástrofes ambientais de grande proporção como Minamata no Japão, Seveso na Itália, Chernobyl na então União Soviética, Bopal na Índia, Exxon Valdez no Alasca, dentre outros contribuíram para que a preocupação com o meio ambiente atingisse todos os níveis da população mundial. A percepção, de que a degradação ambiental já estava passando a causar graves problemas de saúde ficou evidenciado por um evento ocorrido na Inglaterra, região de Londres, entre 4 e 13 de dezembro de Nessa época grande parte das indústrias, sobretudo as de geração de energia elétrica, e residências, usavam carvão para produção de energia que, em sua queima, sem posterior tratamento dos gases, emitia grande quantidade de enxofre e material particulado na atmosfera, ocasionando um fenômeno denominado smog - contração das palavras smoke e fog. [...] Cerca de pessoas faleceram como conseqüência direta do smog. [...] Foi a primeira constatação cientifica relacionada a um determinado tipo de poluição a perdas de vidas humanas [...] (MOURA, 2008, p. 2-3) A preocupação com o meio ambiente pode ser observada ao longo dos tempos através de ações ou manifestações que visavam sua proteção frente às ações humanas. Entretanto somente nas última três décadas do século XX é que ela tornou-se efetiva no campo governamental e em vários segmentos da sociedade civil em diversos países. A maioria destas manifestações a princípio foi estimulada pela escassez dos recursos naturais, o que para Acot (1990) trata-se de um fenômeno denominado como proteção dos gerentes visto que não resultou da preocupação com a preservação da natureza e sim da preservação dos recursos para sua utilização. Mesmo com a existência de empresas que sempre buscaram práticas ambientalmente saudáveis, essa preocupação no setor empresarial ainda é recente. Não se transformou em prática administrativa operacional ativa, visto que se isso já estivesse ocorrendo certamente a intensidade dos problemas ambientais atuais não seria a mesma. Para caracterizar o processo de amadurecimento do mundo empresarial frente às questões ambientais podemos dividí-lo em três fases. A primeira delas seria a fase negra onde a degradação ambiental era considerada uma etapa necessária para garantir o conforto do homem, e o pensamento ecológico era visto como radical ou exibicionista restrito a grupos seletos da sociedade. A segunda a fase reativa buscava a redução dos impactos ambientais e adequação à legislação para evitar ou reduzir as penalidades afins, pensamento que ainda

12 11 persiste em muitas organizações. E por fim a fase pró-ativa ainda muito mais recente, que posiciona o meio ambiente como estratégia do negócio e fator de sucesso na gestão empresarial. Conforme Vilela Júnior e Demajorovic (2006) as empresas pró-ativas, por sua vez, enxergam na crescente preocupação da sociedade com o meio ambiente uma nova oportunidade de negócio e vão além das leis e reagindo incorporando o marketing verde, como forma de preservar sua imagem conquistando a simpatia de seus consumidores diante de denúncias e ataques de grupos de pressão, movimentos e ONGs ambientalistas. Essa declaração é confirmada quando também cita em sua obra uma pesquisa realizada pelo BNDES, CNI e SEBRAE com empresas de vários segmentos e tamanhos onde ficou clara que as principais razões para a adoção de práticas de gestão ambiental é para estar em conformidade com a política social da empresa relacionada á preocupação com a imagem. Atualmente não existe uma área que não seja contemplada pela preocupação com a preservação da natureza, com isso é necessária para uma gestão ambiental eficaz a abertura à inúmeras influências e propostas para se chegar as soluções que melhor se aplicam a cada caso. Como se verá, os problemas ambientais, por mais variados que sejam, decorrem do uso do meio ambiente como fonte de recursos para a produção da subsistência humana e como recipiente de resíduos da produção e consumo, problemas que são agravados pelo modo como os humanos concebem a sua relação com a natureza. Qualquer solução efetiva para os problemas ambientais terá necessariamente que envolver as empresas, pois são elas que produzem e comercializam a maioria dos bens e serviços colocados a disposição da sociedade em praticamente todos os cantos do Planeta. (BARBIERI, 2007, p. 2) O papel das empresas na promoção de um desenvolvimento que respeite o meio ambiente não está restrito apenas a necessidade de resolver os problemas ambientais provocados por elas e acumulados ao longo dos anos em decorrência das suas atividades. Mas também na intensificação da sua influência em todas as esferas da atividade humana. Daí a emergência de uma nova compreensão da responsabilidade social empresarial que rejeita a velha fórmula que se satisfazia em produzir bens e serviços dentro da lei. Qualquer proposta de gestão ambiental além de incluir as dimensões ambientais, espaciais e institucionais apresenta principalmente a dimensão filosófica que retrata diversos posicionamentos quanto a relação entre o homem e a natureza, sendo ela a responsável pela formação do perfil da política ambiental da empresa. Entre os posicionamentos mais extremistas, representados em uma ponta pelos que consideram que o importante é satisfazer as necessidades humanas se restringindo apenas em seguir as legislações e na outra ponta representados pelo que defendem a equidade biológica levando em conta que a Terra é finita e

13 que assim o crescimento econômico também deve ser finito, encontram-se as abordagens socioambientais que reconhecem o valor intrínseco da natureza, mas admitem que ela deva ser usada para atender às necessidades humanas presentes e futuras e, por isso, buscam sistemas de produção e consumo sustentáveis, entendidos como aqueles que procuram atender as necessidades humanas respeitando as limitações do meio ambiente, que não são estáticas e que o ser humano pode e deve ampliar para atender a todos. Para Barbieri (2007) os modelos de gestão ambiental e seus instrumentos devem ser vistos como meios para alcançar o desenvolvimento sustentável. Assim onde se lê gestão ambiental, entende-se gestão socioambiental, onde os objetivos dessas práticas é melhorar a qualidade de vida para todos, tanto para os atuais quanto para os futuros habitantes do Planeta. Donaire (1999) acrescenta que a questão ambiental dentro das organizações e o crescimento de sua importância ocorrem a partir do momento em que a empresa se da conta de que essa atividade, ao invés de só lhe propiciar despesas, pode-se transformar em uma excelente oportunidade de redução de custos. Algumas empresas têm demonstrado que é possível ganhar dinheiro e proteger o meio ambiente mesmo não sendo uma organização que atua no mercado verde, desde que as empresas possuam certa dose de criatividade e condições internas que possam transformar as restrições e ameaças ambientais em oportunidades de melhoria. Levando em consideração os posicionamentos citados anteriormente e as fases pelas quais o mundo empresarial vem passando é possível compreender quando MOURA (2008) classifica as empresas em quatro categorias distintas. A primeira apresenta as empresas que nada fazem com relação à proteção ao meio ambiente, visto que suas atividades geram poucos impactos. A segunda apresenta as que se limitam a cumprir os padrões mínimos exigidos por lei. A terceira é representada pelas empresas que procuram uma atuação cada vez mais significativa com setores dedicados a questões ambientais. E por fim a quarta que possuem um excelente desempenho ambiental e busca a certificação de acordo com normas ambientais. Segundo Vilela Júnior e Demajorovic (2006) depois de décadas de uma adaptação resistente, na qual as empresas adotaram medidas para mitigação de danos impulsionados por uma legislação mais rigorosa em conjunto com a pressão social, foram abertas inúmeras possibilidades para a concretização de novas estratégias e ferramentas de gestão ambiental. As empresas se tornaram responsáveis tanto por acordos multilaterais entre os países a fim de resolver os problemas ambientais globais como, por exemplo, o aquecimento global, a destruição da camada de ozônio e a proteção da biodiversidade como por decisões corriqueiras do dia a dia de milhões de pessoas em todas as partes do mundo.

14 13 Verificam-se atualmente, novas relações comerciais entre as nações, com grandes mudanças na economia global. A partir de uma situação em que os países agiam isoladamente ou procuravam ao máximo sua autonomia, vive-se hoje um clima de integração, com a atuação de blocos. (MOURA, 2008, p. 28) A partir dos anos 60 é que se começou a mudar a situação de descaso às emissões de poluentes, influenciados pela poluição do meio ambiente em muitos países industrializados, sendo considerada como a década da conscientização. Mas somente a partir da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano realizada em Estolcomo em 1972, é que a legislação ambiental começa a crescer vertiginosamente onde a maior contribuição foi vincular as questões ambientais às do desenvolvimento. Sem dúvida alguma a nova postura empresarial depende da condução de políticas publicas ambientais apropriadas. Nesse período também surgiram nas corporações transnacionais os modelos mais estruturados de gestão ambiental, em busca de melhores desempenhos ambientais, assim a década de 70 ficou conhecida como a década da regulamentação e do controle ambiental. O crescimento dos movimentos ambientalistas tomou força com a conscientização de uma parcela cada vez maior da população quanto às questões ambientais devido aos elevados graus de degradação observados em varias partes do Planeta, somados a evolução dos meios de comunicação. Um fator importante observado por Moura (2008) é à força dos movimentos ambientalistas compostos por mais de 50 milhões de pessoas, onde a maioria oriunda de países ricos que por terem suas outras necessidades básicas atendidas colocam a preservação ambiental como uma questão prioritária e com isso pressionam as empresas e governos para que realizem investimentos que resultem em melhorias ambientais. Em contra partida durante a Conferência das Nações Unidas em 1972, as exigências dos países ricos de padrões mais rígidos para a redução de poluentes foi visto como um freio ao desenvolvimento dos países pobres, ou melhor, em desenvolvimento, gerando divergências quanto à visão dos problemas ambientais, inclusive pelo Brasil que demonstrou não se preocupar com a degradação ambiental para manter seu crescimento. Barbieri (2007) cita o crescente envolvimento das ONGs que garantem que as resoluções e recomendações de acordos ambientais não acabem esquecidas pelos governantes, além de desenvolverem modelos de gestão ambiental e auxiliando sua implantação em diversas empresas. Moura (2008, p.36) ainda acrescenta que: Os movimentos ecológicos tem tido atuação ativa, obrigando as empresas a adequar seus processos aos novos requisitos, eventualmente levando as empresas a situações de difícil resposta.

15 14 Os desafios encontrados na implantação de um SGA estão sendo transformados em oportunidades na medida em que essas novas ferramentas possibilitam não apenas a redução de riscos socioambientais associados à ação empresarial, mas também em alavancar ganhos de imagem, de produtividade, de mercado que em última instância, se traduzem em ganhos de sustentabilidade empresarial. A existência de qualidade ambiental tem sido uma preocupação das empresas mesmo que não haja interesse em certificação por normas. [...] Por outro lado, as empresas que se adaptarem aos novos tempos terão vantagens competitivas, já que a preocupação ecológica é hoje vista como um fator estratégico de competitividade. (MOURA, 2008, p.32) Segundo Barbieri (2007) se não houvesse pressões da sociedade e medidas governamentais, não se observaria o crescente envolvimento das empresas em matéria ambiental. Ou seja, as principais forças indutoras para a prática da Gestão Ambiental são as pressões políticas influenciadas fortemente pela sociedade civil através de denuncias; as pressões do mercado, onde as questões ambientais passam a ter importância na competitividade entre os países e suas empresas; sem falar da pressão vinda dos investidores preocupados com os riscos de seus investimentos; e do setor de seguros preocupados com sinistros ambientais que podem atingir proporções vultosas; e principalmente dos consumidores em busca de produtos cada vez mais ambientalmente saudáveis. De modo análogo à evolução da gestão da qualidade, a fase inicial da gestão ambiental empresarial também é de caráter corretivo, por estar focada nos efeitos e não nas causas. No segundo momento as soluções para os problemas ambientais eram vistas como meios para aumentar a produtividade com revisão dos processos e dos produtos. Por fim na etapa mais avançada a empresa passa a considerar as questões ambientais como estratégicas, seja minimizando problemas que poderiam comprometer a competitividade da empresa, seja capturando oportunidades mercadológicas. Porém o tipo de abordagem e modelo de gestão ambiental está relacionado em muitos aspectos com as posturas adotadas pelas empresas diante dos problemas ambientais gerados por elas, com a legislação à qual estão sujeitas e com suas respostas com respeito a essas iniciativas. Os tipos de abordagens citados abaixo também podem ser vistos como fases de um processo de implementação gradual de praticas ambientais em uma empresa. Para o Controle da Poluição deve se preocupar em cumprir a legislação e responder as pressões da sociedade. Com um envolvimento esporádico da alta administração e ações confinadas nas áreas geradoras da poluição apresenta uma postura reativa, com ações

16 15 corretivas frente aos problemas causados fazendo uso de tecnologias de remediação e de controle no final do processo o que gera um custo adicional a empresa. A Prevenção da Poluição já apresenta uma redução do custo e aumento da produtividade, visto que busca uma atuação reativa e pro-ativa com o uso eficiente dos insumos, com conservação ou chegando até mesmo a sua substituição. Fazendo uso de tecnologias limpas e integração de vários setores da empresa. E por fim a Estratégica onde a preocupação básica está na competitividade. O permanente e sistemático envolvimento da alta direção faz com que seja disseminada e ampliadas as atividades ambientais para toda a cadeia produtiva, através de tecnologias limpas, ações corretivas, preventivas e antecipatórias, capturando oportunidades de melhoria a médio e longo prazo. Já os modelos de gestão ambiental vão implementar a abordagem orientando uma empresa em como ela deve realizar sua atividades administrativas e operacionais para alcançar objetivos definidos. A adoção de um modelo é fundamental ao passo que as atividades serão desenvolvidas por diferentes pessoas, em diversos momentos e locais e sob diferentes modos de ver as mesmas questões. A Gestão da Qualidade Ambiental Total (TQEM) que propõem a extensão dos princípios e praticas da gestão da qualidade total mobilizando a organização, seus clientes e parceiros quanto às questões ambientais. Esse modelo depende de um esforço contínuo para manter a motivação inicial. A Produção Mais Limpa (P+L) que baseia-se na estratégia ambiental preventiva aplicada de acordo com uma seqüência de prioridades cuja a primeira é a redução de resíduos e emissões na fonte. Com a atenção concentrada sobre a eficiência operacional possibilita a substituição de materiais perigosos e a minimização de resíduos. Porém depende de desenvolvimento tecnológico e de investimentos para a continuidade do programa em longo prazo. A Ecoeficiência que faz com que os recursos ecológicos sejam usados para atender às necessidades humanas de forma eficiente. Reduz a intensidade de materiais e energia em produtos e serviços utilizando recursos renováveis e alongando a vida útil dos produtos. Como ressalta Barbieri (2007) os modelos de gestão ambiental são considerados uma espécie de acordos voluntários estabelecidos entre as empresas e a sociedade, pois eles trazem componentes pró-ativos no tratamento das questões ambientais pertinentes e vai além do que a legislação exige, onde cada um busca atingir sues objetivos sob diferentes abordagens.

17 16 Acordos internacionais, boicotes às importações, certificações de produtos e processos, e os chamados selos verdes são algumas das exigências e barreiras, que o cenário atual impõe para a sobrevivência empresarial. Vilela Júnior e Demajarovic (2006) acreditam que visando desenvolver e consolidar um conjunto de padrões e indicadores aceitáveis e auditáveis no que se refere aos aspectos ambientais e sociais foram desenvolvidas ferramentas de gestão e criados normas e padrões internacionais, por órgãos e instituições específicas, principalmente organizações não governamentais e organismos multilaterais. Dentre essas se destacam a Norma ISO que certifica empresas por sua capacidade gerencial e pelo respeito ao meio ambiente, ajudando as organizações a diferenciar os seus negócios de forma ambientalmente responsável e a melhorar sua imagem junto aos diversos setores sociais garantindo um programa contínuo de aprimoramento do desempenho ambiental e organizacional, com conseqüente racionalização dos custos, agregando valores aos negócios da empresa. 2.2 A ISO E SUAS CARACTERISTICA E ASPECTOS A International Organization for Standardization (ISO) é a principal instituição de normalização formada por vários órgãos internacionais, criada em 1947 com sede em Genebra na Suíça, com o objetivo de desenvolver a normatização e atividades relacionadas para facilitar as trocas de bens e serviços no mercado internacional e a cooperação entre os países nas esferas cientificas, tecnológicas e produtivas. No Brasil a ISO é representada pela ABNT que é o único organismo normalizador do país, uma exigência para fazer parte da ISO, e um dos sócios fundadores com assento garantido no seu Conselho Superior. Dentre as iniciativas de auto-regulamentação estão as normas voluntarias sobre SGA que começaram a ser elaboradas de modo mais intenso a partir de meados da década de O surgimento dessas normas se deve aos seguintes fatores: crescimento da influencias das ONGs que atuam nas áreas do meio ambiente e correlatas; aumento do contingente de consumidores responsáveis, ou consumidores verdes, que procuram cada vez mais utilizar produtos ambientalmente saudáveis; intensificação dos processos de abertura comercial, expondo produtores com diferenças pronunciadas de custos ambientais e sociais a uma competição mais acirrada e internacional; e restrições à criação de barreiras técnicas para proteger mercados dentro da lógica da globalização. Essas restrições foram ampliadas com a aprovação do tratado de Marrakech de 1994, que encerrou a Rodada Uruguai de negociações comerciais multilaterais no âmbito do Gatt e criou a Organização Mundial do Comercio. (BARBIERI, 2007, p. 158) Segundo Cajazeira (1998) o desenvolvimento de SGA, de maneira normatizada devese, sobretudo a uma resposta com relação às crescentes dúvidas sobre a proteção do meio

18 17 ambiente. Assim as indústrias do mundo inteiro foram buscar uma resposta que tanto pudesse ser útil aos negócios quanto contribuísse para a melhoria do desempenho ambiental. Um fator decisivo na escolha de uma norma é a credibilidade. Pesquisas indicam que as pessoas não acreditam nos empresários, assim surge à idéia de sintetizar as boas práticas de gestão em uma norma para que essa organização possa ser auditada por uma terceira parte e assim certificada. A primeira norma sobre SGA foi a BS 7750 criada em 1992 pelo British Standards Institution (BSI) e adotada como base para o modelo europeu de SGA, porém ela foi cancelada em 1997 após a publicação das normas internacionais da ISO Embora não mais publicada é de importância inquestionável por ter sido a primeira norma sobre o assunto. Conforme Barbieri (2007) com a proliferação de normas ambientais criadas por órgão de normalização de alguns países após a criação da norma BS 7750, em 1992, como, por exemplo, o EMAS da União Européia em 1993, a norma CSA Z750 de 1994 no Canadá e a UNE na Espanha, nesse mesmo ano, a ISO criou em 1991 um grupo de estudos de assessoria denominado Strategic Advisory Group on the Environment (Sage) para estudar os impactos dessas normas ambientais sobre o comercio internacional, antecipando os problemas decorrentes da criação de várias normas sobre SGA, que ao invés de contribuir poderiam funcionar como obstáculos ao comércio internacional. Assim ao final de 1992 foi recomendada pelo Sage a criação de um comitê específico para preparação de normas sobre gestão ambiental, o Comitê Técnico 207 (TC 207) para a elaboração de uma série de normas sobre gestão ambiental e suas ferramentas para as empresas. Ele ainda explica que o TC 207 é composto por subcomitês (SC), que são independentes e administrados por uma entidade nacional de normalização membro da ISO, e por grupos de trabalhos (WG) com suas respectivas áreas temáticas. Para o desenvolvimento de suas atividades eles interagem com outros comitês técnicos da ISO que estão desenvolvendo trabalhos de normalização em áreas como da qualidade total, poluição do ar, da água, do solo entre outros. A elaboração das normas internacionais ISO passam por diversos estágios que vão desde um trabalho preliminar, ou seja, projeto, até sua publicação. Elas não representam barreiras técnicas ao comercio por serem normas construídas com elevado consenso internacional. Vilela Júnior e Demajorovic (2006) destacam que o modelo de SGA definido pela Norma ISO é considerado o mais consagrado na atualidade. Trata adicionalmente de assuntos específicos ligados ao meio ambiente como a identificação dos aspectos ambientais, a criação de objetivos e metas e a exigência de firmar um compromisso em cumprir as legislações aplicáveis. Prevê a implementação de dezoito elementos para uma gestão eficaz

19 18 baseado em uma série de boas práticas e ferramentas ambientais, da qualidade e empresariais. Esse modelo pode ser aplicado em qualquer organização. Sua premissa básica está, além do comprometimento com o cumprimento da legislação aplicável, principalmente associada com a melhoria contínua do desempenho ambiental. E pontuam como os objetivos do SGA declarados pela Norma ISO 14000: (1) assegurar conformidade com a política ambiental, incluindo o compromisso com a melhoria contínua e a prevenção de poluição; (2) demonstrar essa conformidade a partes interessadas; (3) buscar certificação e reconhecimento. As normas ISO 9000 e ISO provocaram uma verdadeira revolução na forma de atuação dos sistemas da qualidade, em todo o mundo, padronizando formas de trabalho mais eficazes, além de permitirem a mobilidade de profissionais entre as áreas industriais e de serviços completamente diferentes, colaborando significativamente para a obtenção de melhorias de desempenho nas áreas de qualidade e ambiental das organizações. (MOURA, 2008, p.67) Para Valle (1995) com a entrada em vigor da série ISO 14000, as normas ambientais transcenderam as fronteiras nacionais e colocaram a questão ambiental no mesmo plano já alcançado pela gestão da qualidade. Felizmente diversas empresas vêem a qualidade ambiental como um fator de sucesso para se posicionar no mercado, e tem nas Normas ISO a oportunidade de se valorizarem internacionalmente por obedecerem a um mesmo roteiro-padrão de exigências baseadas na implantação de um SGA, o cumprimento da legislação ambiental local e a adoção de um compromisso com a melhoria contínua de seu desempenho ambiental. Moura (2008) acrescenta que para a sobrevivência de uma empresa, esta deve manter ativos os três pilares da sustentabilidade: o resultado econômico, a qualidade ambiental e a responsabilidade social. São eles que asseguram a própria existência da empresa. A implementação de práticas ambientais corretas reflete uma postura interessante e necessária que traz inúmeros benefícios. A implantação e operação de um SGA consistem, na realidade, na aplicação de conceitos e técnicas de administração, particularizados para os assuntos do meio ambiente. Assim como a BS 7750 a norma ISO baseia-se no ciclo PDCA, uma ferramenta de controle de processo tradicionalmente utilizada na administração. A ferramenta gerencial que consideramos a mais importante, e que poderá resumir toda a implantação do processo do Sistema de Gestão Ambiental (SGA) é o ciclo PDCA, também conhecido como Ciclo de Deming, composto por quatro grandes passos: Plan (Planejar); Do (Realizar); Check (Verificar); e Action (atuar para corrigir) e recomeçar um novo ciclo. Este ciclo deve ser precedido por uma atividade de Estabelecimento da Política Ambiental da empresa. (MOURA, 2008, p.77)

20 19 Figura 1 - Ciclo do PDCA Fontes: Ishikawa (1993, p.60) e Campos (1992, p.30) Segundo a ABNT (NBR ISO 14001:2004) o PDCA pode ser brevemente descrito da seguinte forma: Planejar estabelecendo objetivos e processos necessários para atingir os resultados em concordância com a política ambiental da organização; Executar implementando os processos; Verificar monitorando e medindo os processos em conformidades com a política ambiental, objetivos, metas, requisitos legais e outros, e relatar os resultados; Agir para dar continuidade na melhoria do desempenho do sistema da gestão ambiental. O ponto de partida é o comprometimento da alta Direção e a formulação da Política Ambiental onde é definida a linha de conduta para toda a empresa, a fim de atingir seus objetivos. Um SGA deve incluir a estrutura organizacional, atividades de planejamento, responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos. Para a ABNT (NBR ISO 14001:2004) as normas de gestão ambiental têm por objetivo prover as organizações de elementos de um SGA eficaz que possam ser integrados a outros requisitos da gestão, e auxiliá-las a alcançar seus objetivos ambientais e econômicos. Não se pretende que estas normas sejam utilizadas para criar barreiras comerciais não - tarifárias, nem ampliar ou alterar as obrigações legais de uma organização.

21 20 QUADRO 1 Requisitos do SGA conforme a norma NBR ISO 14001: Requisitos gerais Política Ambiental Planejamento aspectos Ambientais Requisitos legais e outros Objetivos, metas e programa(s) Implementação e operação Recursos, funções, responsabilidades e autoridades Competência, treinamento e conscientização Comunicação Documentação Controle de Documentos Controle Operacional Preparação e respostas a emergências Verificação Monitoramento e medição Avaliação da atendimento a requisitos legais e outros Não conformidades, ação corretiva e ação preventiva Controle de Registros Auditoria interna Análise pela Administração Fonte: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS (ABNT). NBR ISO 14001:2004 Sistemas de gestão ambiental: requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro, dez Barbieri (2007) relata que o fato da norma assumir como premissa que a organização irá analisar e avaliar periodicamente o seu SGA para identificar oportunidades de melhoria e que irá implementá-las segundo a velocidade, extensão e tempo determinado por elas e conforme suas circunstâncias econômicas, muitas vezes é mal interpretado e visto como uma autorização para a organização continuar do mesmo jeito. Mas a intenção da norma é aprimorar o desempenho ambiental da organização. Em concordância com a política ambiental, trata da melhoria do desempenho ambiental ano a ano, como resultado de um esforço continuado. Ou seja, houve uma postura de não se aceitar que a organização dê um salto de melhoria e se acomode. [...] assumir um compromisso com a melhoria continua não pode ser uma declaração vaga, sem conseqüências. Caberá a empresa, durante às auditorias, apresentar ao auditor algumas evidencias objetivas de que a melhoria contínua está incorporada às ações empresariais [...] (MOURA, 2008, p.81-82) A NBR ISO 14001:2004 descreve a Política Ambiental de uma organização como a declaração das intenções e princípios gerais de uma organização em relação ao seu desempenho ambiental conforme formalmente expresso pela Alta Administração. Dentro do requisito Planejamento encontramos o item aspecto ambiental que é definido pela NBR ISO 14001:2004 como elemento derivado do processo de produção e consumo dos produtos ou serviço e que interage com o meio ambiente, ou seja, a causa do impacto ambiental. Para sua identificação a organização deve verificar todos os seus processos de entradas e saídas, incluindo atividades de manutenções ou de emergências para

22 21 estabelecer e implantar procedimentos dentro do escopo de seu SGA que possa controlá-los ou influenciá-los. Somente após relacionar seus aspectos ambientais é que a organização poderá identificar e analisar a legislação aplicável diante das atividades que desenvolve neste momento e se está atendendo aos requisitos legais. Quanto ao item objetivos, metas e programas Barbieri (2007) relata que a norma define objetivo ambiental como o propósito ambiental geral decorrente da política ambiental. Quanto à meta seria um requisito detalhado oriundo dos objetivos ambientais que deve ser estabelecida para que os objetivos sejam alcançados. Os demais requisitos tratam do comprometimento de todos da organização ou que atuem em nome dela e da definição das funções e responsabilidades dentro do SGA; dos treinamentos para conscientização e estímulo ao conhecimento para desempenhar as atividades que a empresa realiza para elaboração de seus produtos ou serviços, além de identificar as habilidades de seus empregados; da comunicação interna eficaz para repasse de dados, informações, resultados e outros; da descrição dos principais elementos do SGA; do controle das atividades relacionadas aos aspectos ambientais; do controle de seus produtos não-conforme; da verificação dos processos através de monitoramento e medição com estabelecimento de indicadores de desempenho ambiental; da elaboração de planos de ação corretiva ou preventiva frente a não conformidades ou fontes potenciais de nãoconformidades; do controle de todos os registros dos itens anteriores incluindo manifestações de clientes (reclamações); e por fim da auditoria interna e da análise crítica pela administração baseada em um escopo do SGA. Vilela Júnior e Demajorovic (2006) apresentam o quadro abaixo que descreve os principais avanços do SGA segundo a Norma 14001:1996 e Tema Comprometimento dos gestores Avanço QUADRO 2 Definição de uma política que contemple a busca da prevenção da poluição, melhoria continua e conformidade aos requisitos legais e outros assumidos, ganhando o comprometimento da alta administração também pela avaliação critica dos resultados do SGA e a tomada de ações. Avaliação de impactos ambientais Identificação e avaliação da conformidade legal Sistematização da avaliação previa dos aspectos e impactos ambientais decorrentes de suas atividades, produtos e serviços, contemplando as situações acidentais e emergenciais, além da avaliação quando de mudanças e de passivos ambientais Identificação, acesso, interpretação e avaliação sistemática da conformidade aos requisitos legais e outros pertinentes as atividades, produtos e serviços da empresa, essencial para a redução de risco de

23 22 vulnerabilidades, multas e penalidades junto aos órgãos reguladores Melhoria do desempenho Treinamento, conscientização e competência Comunicação Requisitos aos fornecedores Emergências ambientais Tratamento de não conformidades Auditorias Ambientais Definição de objetivos e programa visando a melhoria contínua, a prevenção da poluição e a implementação da política ambiental definida. Tal requisito é um avanço diante da gestão ambiental vigente anteriormente, que se esgotava na conformidade legal dos projetos de curto prazo, em muitos casos. A partir do SGA a empresa deve buscar melhorar sempre seu desempenho ambiental, procurando alinhar as metas da gestão ambiental com a meta da gestão estratégica empresarial. Definição de mecanismo para identificação e provisão de treinamentos e competências ambientais. Ela inova também ao exigir procedimentos para garantir a conscientização contínua de todo pessoal próprio e daqueles que atuam em seu nome. Definição de procedimentos formais sistemáticos para a comunicação interna e externa que usualmente era feita de maneira informal. O SGA agrega valor a gestão solicitando a identificação, comunicação e avaliação de requisitos ambientais aos fornecedores e prestadores de serviços. Implementação e simulação de planos para reposta a emergências ambientais, pratica relativamente recente em conseqüência de muitos acidentes ocorridos mundialmente. Um dos pontos quer melhor caracteriza um sistema de gestão no modelo PDCA é o tratamento das não-conformidades reais ou potenciais. Tal sistemática introduzida no SGA é de grande valor para sua manutenção e melhoria. Definição de procedimentos e programas para auditorias de SGAs visando prover informações à alta administração para tomada de decisões. A norma inova ao adotar uma auditoria de sistema de gestão, diferentemente da tradicionais auditorias técnicas ambientais executadas por especialistas ambientais externos, normalmente da matriz da empresa, que não eram assimiladas pela gestão das subsidiarias. Fonte: VILELA JÚNIOR, Alcir; DEMAJOROVIC, Jacques (Org.). Modelos e ferramentas de gestão ambiental: desafios e perspectivas para as organizações. São Paulo: SENAC, Dentre os benefícios encontrados na implantação de um SGA com base na Norma ISO em uma organização estão: o atendimento a critérios de certificação para venda; satisfação dos critérios impostos pelos investidores para aumentar o acesso ao capital; melhora na organização interna e gestão global; redução da poluição, conservação de materiais e energia; redução de custos; aumento da conscientização do pessoal; melhora do clima e comunicação interna e aumento do desempenho ambiental de seus fornecedores. O papel da certificação não é o de definir os padrões mínimos (legais), pois se fosse, estaria fadado ao fracasso, mas sim trabalhar com os padrões existentes. Com relação ao desempenho Máximo, adotou-se a administração por objetivos como plataforma para se buscar a melhoria continua, porém sem predefinição de requisitos de excelência ambiental. (VILELA JÚNIOR, DEMAJOROVIC, 2006, p.125)

24 23 Data QUADRO 3 Numero de Certificações ISO no mundo e no Brasil N. de certificações mundiais % de crescimento mundial anual N. de países/economias N. de certificações no Brasil % de crescimento anual (Brasil) Dez/ , ,0 Dez/ , ,1 Dez/ , ,1 Dez/ , ,0 Dez/ , ,5 Dez/ , ,7 Dez/ , ,0 Dez/ , ,0 Dez/ Fonte: VILELA JÚNIOR, Alcir; DEMAJOROVIC, Jacques (Org.). Modelos e ferramentas de gestão ambiental: desafios e perspectivas para as organizações. São Paulo: SENAC, Em meio à críticas que o SGA conforme a Norma ISO está a particularidade a tornou aceita mundialmente pelos mais diversos segmentos produtivos: a carta de crédito concedida as empresas que demonstram durante as auditorias de manutenção que estão no caminho da melhoria contínua e prevenção da poluição, porém sem prazo estabelecido para alcançarem os processo e produtos limpos. Para atingir esse benefício de processo e produtos limpos Vilela Júnior e Demajorovic (2006) pontuam que ferramentas mais avançadas como o ecodesing e/ou analise do ciclo de vida e marketing ambiental poderiam ser introduzidos, mas somente em empresas que apresentassem um diferencial competitivo frente aos processos ambientalmente responsáveis ou com uma cultura sólida de responsabilidade social. Outra crítica relacionada à norma estaria na publicidade fruto da obtenção da certificação que leva ao mau entendimento quanto à abrangência, nível de desempenho e qualificação do produto ou seu processo de fabricação. Moura (2008) e Vilela Junior e Demajorovic (2006) concordam que diante dos avanços e benefícios oferecidos por esse modelo de SGA fica claro que suas falhas são provenientes do baixo envolvimento dos órgãos reguladores e legisladores quanto a definição dos padrões ambientais, visto que um dos seus requisitos está no atendimento a legislação vigente e da instituição que a publicou e dos órgãos governamentais que regulam o sistema de certificação dos SGAs.

25 ROTULAGEM E AVALIAÇÃO DO PRODUTO Para Moura (2008) o rótulo é provavelmente a forma mais direta de comunicação da empresa com o consumidor daquele seu produto, e é nesse espaço reduzido que ele procura cativar o consumidor a adquirir seu produto em lugar do produto semelhante do concorrente. A sociedade está mudando e o consumidor está mais bem informado, conhece seus direitos, valoriza o seu dinheiro e sabe que é ele quem decide o destino das empresas neste mercado competitivo. Procura não só qualidade e passa a pensar em como aquele produto se relaciona com o meio ambiente, entendendo quais são os impactos ambientais causados. Segundo Vilela Júnior e Demajorovic (2006) existem dois tipos de rotulagem ambiental a primeira do tipo eu sou bom, onde a própria empresa declara que seu produto dispõe de um ou mais aspectos positivos; e a segunda ele é bom na qual uma ONG, instituto ou organização atesta que determinado produto possui boas qualidades ambientais. O primeiro deles nasceu na década de 1970 principalmente nos países anglo-saxônicos e o segundo na Europa. Essa característica é atribuída à diferença na postura do público em confiar nessas declarações e no sistema jurídico desses países. A rotulagem ambiental surge como uma das facetas do processo pelo qual a proteção ao meio ambiente se converte num valor social. De fato, o aumento da consciência ambiental a que se assiste, nos últimos anos, tem sido acompanhado por efeitos nos mercados consumidores de produtos e serviços. Estes efeitos, como são notórios, tem com freqüência se apresentado na direção de uma crescente demanda por informação, da parte dos consumidores, sobre os aspectos ambientais envolvidos na produção, fator que cada vez mais tem influenciado sua decisão de compra. (MMA/SPDS, 2002, p.11) Dando continuidade as considerações de Vilela Júnior e Demajorovic (2006) a rotulagem ambiental assim como representa uma das ferramentas mais benéficas para a mudança dos hábitos dos seres humanos é uma das armas mais perigosas para enganar o consumidor sobre o real impacto do produto que ele esta prestes a usar. Existem vários tipos de rotulagem ambiental ou de modalidades para fazer uma declaração ambiental, e cada uma delas tem suas vantagens e desvantagens, e o lado obscuro de cada uma nem sempre fica evidente para o consumidor. Com mesmo intuito citado anteriormente a respeito da proliferação das normas de gestão ambientais, a ISO criou uma série de normas internacionais a fim de tentar organizar e regular esse mercado. Juntas, as normas 14020, e 14024, formam no contexto brasileiro, uma espécie de PROCON Ambiental, que proporciona meios técnicos para contestar uma declaração ambiental enganosa. Sendo a norma a

26 25 norma chefe da rotulagem ambiental, onde estão estabelecidos nove princípios para qualquer tipo de rotulagem ambiental já existente ou que irão surgir futuramente. Inicialmente, e principalmente nos países desenvolvidos, à medida que as empresas perceberam que as preocupações ambientais podiam se converter em vantagens mercadológicas para alguns produtos, inúmeras declarações surgiram no mercado. Essa proliferação, se de um lado resultou em resposta positiva por parte dos consumidores, por outro implicou na geração de certa confusão que demandou a definição de normas e diretrizes para rotulagem ambiental (MMA/SPDS, 2002, p.14) Segundo Barbieri (2007) as Normas ISO classificam os rótulos em três tipos diferentes. Rótulos tipo I são aqueles criados por entidades independentes ou de terceira parte aplicáveis aos produtos que apresentem certos padrões ambientais desejáveis na sua categoria, estabelecidos pela norma ISO 14024, o que chamamos de Selos Verdes. Neste caso podemos citar como exemplo o rótulo Anjo Azul. Rótulos tipo II referente a reivindicação de autodeclaração, sem certificação independente ou com uma certificação feita por produtores, comerciante, distribuidores ou por quem se beneficie de tal reivindicação para informar aos consumidores as qualidades ambientais de seus produtos ou serviços. As autodeclarações mais comuns são os símbolos de reciclagem estampados em produtos e embalagens. Essas autodeclarações tornam-se objeto da ISO por não garantir que essas informações são verdadeiras ou se realmente tem a ver com o produto em si, assim ela estabelece que essas autodeclarações devem ser verificáveis e referir-se as aspectos relevante do produto ou serviço para que não gerem interpretações equivocadas por parte dos consumidores. E por fim o Rótulo tipo III, que trazem informações sobre dados ambientais de produtos, quantificados de acordo com um conjunto de parâmetros previamente selecionados e baseados na avaliação do ciclo de vida. São rótulos concedidos e licenciados por entidades de terceira parte, estabelecidos pela norma ISO Podemos citar como exemplos o selo norte-americano Energy Star e o brasileiro Procel. Anjo Azul Tipo I Reciclagem Tipo II Energy Star Tipo III Procel Tipo III Figura 2 - Modelos de selos Fonte: VILELA JÚNIOR, Alcir; DEMAJOROVIC, Jacques (Org.). Modelos e ferramentas de gestão ambiental: desafios e perspectivas para as organizações. São Paulo: SENAC, Quanto aos rótulos Tipo II são ressaltados como pontos principais da Norma 14021: exige que a empresa coloque á disposição do publico as informações necessárias para checar a veracidade da declaração, ou seja, a empresa ano pode fazer um anuncio e quando perguntado o embasamento cientifico, alegar que os

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008.

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Sumário As Normas ISO 14000 4 A Rotulagem Ambiental 5 Rotulagem Tipo I NBR ISO 14024 5

Leia mais

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 São Paulo, 17 de junho de 2010 1 Retrospectiva Dezembro de 2003 - Criado o ABNT/GTRS para discutir posição brasileira em relação ao desenvolvimento de uma norma

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental Ivo Neves Gerente de Consultoria For the benefit of business and people UNICAMP, Outubro 2005 1 Módulo I MÓDULO I VISÃO GERAL DE TEMAS AMBIENTAIS 2 1 Módulo I Conceitos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Empresas se veem numa nova lógica de mercado...

Empresas se veem numa nova lógica de mercado... Empresas se veem numa nova lógica de mercado... 20/04/2010 Acidente com uma plataforma de petróleo que causou o vazamento de 2,2 milhões de barris no mar. - 53,79% ... mas também enxergam novas oportunidades.

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Série ISO 14000 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A questão ambiental empresarial encontrase em fases distintas nos diversos países do mundo: De

Leia mais

ISO 9001:2008 Roteiro prático para implantação

ISO 9001:2008 Roteiro prático para implantação ISO 9001:2008 Roteiro prático para implantação Marcel Menezes Fortes 1- Introdução: Em 28 de dezembro de 2008, a ABNT NBR ISO-9001:2008 entrou em vigor em substituição à Norma ABNT NBR ISO-9001:2000. Pretendemos

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ISO 14001 - Sistemas de gestão ambiental Requisitos com orientações para uso 06 /10/ 2015 www.abnt.org.br Tópicos Processo de Normalização Histórico da

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental.

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. O SGA depende da auditoria para poder evoluir na perspectiva de melhoria contínua. Ao se implementar um

Leia mais

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a Definição Processo de articulação das ações a dos diferentes agentes sociais que interagem em um dado espaço, visando garantir a adequação dos meios de exploração dos recursos ambientais às especificidades

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 04) O que é uma Norma Aquilo que se estabelece como base ou medida para a realização

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004. de acordo com ISO 19011:2002

AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004. de acordo com ISO 19011:2002 AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 de acordo com ISO 19011:2002 Antes de começar Este curso está suportado: Nas Normas Internacionais ISO 14001:2004 e ISO 19011:2002 2 Objectivos No final da

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Criada pela International Organization for Standardization (ISO), a ISO 9001 é uma série de normas sobre gestão da qualidade

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

Relatos de Sustentabilidade

Relatos de Sustentabilidade Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Relatos de Sustentabilidade Descreva até 3 projetos/programas/iniciativas/práticas relacionadas a sustentabilidade Instruções 2015 Esse espaço é reservado

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Sociedade & Natureza Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados e atribuídos

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais