UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO E DA REGIÃO DO PANTANAL PROGRAMA DE MESTRADO EM MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO REGIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO E DA REGIÃO DO PANTANAL PROGRAMA DE MESTRADO EM MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO REGIONAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO E DA REGIÃO DO PANTANAL PROGRAMA DE MESTRADO EM MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO REGIONAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL IMPLEMENTADO AOS MOLDES DA ISO 14001:2004 EM UM FRIGORÍFICO DE ABATE DE AVES, NO MUNICÍPIO DE SIDROLÂNDIA MATO GROSSO DO SUL CARLA DAL PIVA Campo Grande MS 2007

2 CARLA DAL PIVA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL IMPLEMENTADO AOS MOLDES DA ISO 14001:2004 EM UM FRIGORÍFICO DE ABATE DE AVES, NO MUNICÍPIO DE SIDROLÂNDIA MATO GROSSO DO SUL Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em nível de Mestrado Acadêmico em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. Orientação: Professora Drª. Vera Lúcia Ramos Bononi Professora Drª.Regina Sueiro de Figueiredo Professor Drº. Celso Correia de Souza Campo Grande - MS 2007

3 FOLHA DE APROVAÇÃO Candidata: Carla Dal Piva Dissertação defendida e aprovada em 29 de agosto de 2007 pela Banca Examinadora: Profa. Doutora Vera Lúcia Ramos Bononi (orientadora) Doutora em Biologia Prof. Doutor Dácio Roberto Matheus (CETESB) Doutora em Microbiologia e gestão ambiental Profa. Doutora Mercedes Abid Mercante (UNIDERP) Doutor em Geografia Física Profa. Doutora Mercedes Abid Mercante Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional Prof. Doutor Raysildo Barbosa Lôbo Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da UNIDERP

4 A todas as pessoas e organizações, que se preocupam em construir um mundo melhor, mais limpo e mais justo, para que nossos filhos e netos possam viver com mais qualidade de vida. iii

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que contribuíram direta ou indiretamente com o desenvolvimento deste trabalho, em especial: Primeiramente a Deus, pelo dom do saber; À minha família, essencial na minha vida; À família Portella que me acolheu de braços abertos; À minha orientadora, Professora Vera Lucia Ramos Bononi, por toda sua dedicação, disponibilidade e competência que levaram à concretização deste trabalho; À professora Regina Sueiro de Figueiredo pela co-orientação, dedicação, estando presente em todos os momentos solicitados. A minha irmã Tanea Dal Piva, pelo incentivo no curso de mestrado; Aos meus colegas de trabalho que me deram apoio profissional que foi de suma importância para o meu crescimento pessoal; À Seara Alimentos que, mais do que uma empresa, é uma família; Finalmente a você leitor, motivo maior da minha dedicação neste trabalho. iv

6 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...VIII LISTA DE TABELAS...X LISTA DE QUADROS...XI RESUMO...XII ABSTRACT...XIII 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA NORMAS DA SÉRIE ISO Primeiro Grupo Normas voltadas para a avaliação o produto Segundo Grupo Normas voltadas para a avaliação da organização IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) SEGUNDO A NORMA NBR ISO Importância Estratégica da Gestão Ambiental para as Empresas SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E CUSTOS AMBIENTAIS EDUCAÇÃO E PERCEPCAO AMBIENTAL IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL COM OS REQUISITOS DA NBR ISO Planejamento Política ambiental Aspectos ambientais Determinação de impactos ambientais significativos Requisitos legais e outros Objetivos, metas e programa (s) Implementação e operação Recursos, funções, responsabilidades e autoridades Competência, treinamento e conscientização Comunicação Documentação e controle de documentos Controle operacional v

7 Preparação e respostas à emergência Verificação Monitoramento e medição Avaliação do atendimento a requisitos legais e outros Não Conformidade, ação Corretiva e ação preventiva Controle de registros Auditorias internas Análise pela administração MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO HISTÓRICO DA EMPRESA SEARA ALIMENTOS S. A HISTÓRICO DA UNIDADE DE SIDROLÂNDIA MS Resíduos da linha verde Resíduos da linha vermelha LEVANTAMNETO DAS FASES DE IMPLEMENTAÇÃO DO SGA NA EMPRESA, CONFORME REQUISITOS DA NBR ISO : Política ambiental Requisito Aspectos ambientais Requisito Requisitos legais e outros Requisito Objetivos, metas e programas Requisito Recursos, funções, responsabilidade e autoridade Requisito Comunicação Requisito Documentação e controle de documentos Requisitos e Controle operacional Requisito Preparação e respostas à emergência Requisito Monitoramento e medição Requisito Não Conformidade, ação corretiva e ação preventiva Requisito Controle de registros Requisitos Auditorias internas Requisito Análise pela administração Requisito MELHORIAS AMBIENTAIS ANTES E APÓS A IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA Melhoria contínua vi

8 4.5 PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS FUNCIONÁRIOS Questões relacionadas ao Contexto Questões relacionadas à Cultura Organizacional Questões relacionadas ao Sistema de Gestão Ambiental Mudanças com a ISO Aspecto crítico Aspectos críticos e a escolaridade dos funcionários Com referencia ao saber e percepção da educação ambiental Percepção ambiental dos funcionários quanto aos resíduos sólidos domésticos Água Atendimento aos clientes CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE - A Questionário intitulado SEARA/ISO Para entender o Meio Ambiente da Seara..., que foi destinado aos funcionários em geral (perguntas fechadas) APÊNDICE B Questionário composto de cinco perguntas abertas, destinado aos gerentes e supervisores vii

9 LISTA DE FIGURA Figura 1 Organização do comitê ISO/TC Figura 2 Estrutura do gerenciamento ambiental (TC- 2007)... 7 Figura 3 Ciclo PDCA para o Sistema de Gestão Ambiental Figura 4 Pressões exercidas pelas Indústrias Figura 5 Ligação da área de Meio Ambiente com as demais áreas funcionais da Organização Figura 6 Nível de abrangência entre os subsistemas da ISO Figura 7 Planejamento elementos a serem considerados e suas interações Figura 8 Essência do subsistema de controle operacional e seu inter relacionamento com auditorias do SGA Figura 9 Fluxograma de geração de resíduos sólidos do abatedouro de aves Figura 10 Planilha de levantamento de aspectos / impactos ambientais Figura 11 Planilha de levantamento de legislação Figura 12 Organograma de responsabilidade a autoridade pelo SGA da unidade de Sidrolândia MS Figura 13 Imagens de atividades internas da empresa Figura 14 Organograma de estrutura da documentação da empresa Figura 15 Placa de controle operacional Figura 16 Comunique seara Figura 17 Coletores de resíduos sólidos Figura 18 Placas de controle de resíduos Figura 19 Origem e tratamento de efluentes do abatedouro de aves Figura 20 Geração de resíduos orgânicos na sala de cortes Figura 21 Flotador Tratamento primários de efluentes Figura 22 Lagoa 06 Última lagoa de tratamento de efluentes Figura 23 Escala de Ringelmann Figura 24 Operador de caldeira realizando o monitoramento de fumaça preta pela chaminé Figura 25 Controle operacional em caso de emergência ambiental Figura 26 Instalação de rede de hidrantes para minimizar / eliminar incêndios Figura 27 Material absorvente (areia / pó de serra) para ser utilizado na absorção viii

10 de produtos químicos em casos de vazamento e/ou derramamentos Figura 28 Ilustração de melhorias ambientais antes e após SGA Figura 29 - Ilustração de melhorias ambientais antes e após SGA Figura 30 - Ilustração de melhorias ambientais antes e após SGA Figura 31 - Ilustração de melhorias ambientais antes e após SGA Figura 32 Construção de um biofiltro para tratamento de gases oriundos dos digestores da fábrica de farinha e óleo Figura 33 Aquisição de novos aeradores para a lagoa aerada pertencente ao tratamento biológico do abatedouro de aves Figura 34 Projeto de reutilização de água do destilador do laboratório para lavagens de pisos da área do administrativo Figura 35 Reutilização da água de lavagem de filtros da estação de tratamento de água para o próprio tratamento Figura 36 Construção de lagoa emergencial para casos de transbordamento de efluentes no tanque de equalização ix

11 LISTA DE TABELA Tabela 1 Número de aviários e de avicultores integrados Tabela 2 Resíduos orgânicos no processo de abate de aves por dia Tabela 3 A média de Idade dos funcionários Tabela 4 Distribuição dos funcionários em faixas etárias Tabela 5 A escolaridade dos funcionários Tabela 6 A escolaridade e a média de idade dos funcionários Tabela 7 Funcionários por tempo de serviço Tabela 8 O Status ambiental da seara na percepção de seus funcionários Tabela 9 Mudanças relacionadas à conscientização ambiental da organização com a implementação da NBR ISO Tabela 10 Aspectos considerados críticos pelos funcionários da Seara Tabela 11 O nível de escolaridade dos que consideram a capacitação das pessoas como um aspecto a ser melhorado Tabela 12 Questões relacionadas ao meio de conhecimento oral sobre meio ambiente Tabela 13 As perspectivas para as futuras gerações Tabela 14 O destino do lixo doméstico Tabela 15 O consumo domiciliar de água x

12 LISTA DOS QUADROS Quadro 1 Processo de emissão das Normas ISO... 4 Quadro 2 Normas da família ISO 1400 normas para produtos... 9 Quadro 3 Normas da família ISO normas para organização Quadro 4 Seção 4 da norma NBR ISO 14001: Quadro 5 Objetivos e metas ambientais Quadro 6 Padrão de cores conforme CONAMA 275 (2001) xi

13 RESUMO Uma análise crítica da implementação de um Sistema de Gestão Ambiental - SGA aos moldes da ISO 14001:2004, foi realizada em uma empresa do ramo de frigorífico de aves em Sidrolândia Mato Grosso do Sul, no período de , ao buscar evidenciar os ganhos de cunho ambiental e de diferencial no atual mercado competitivo. A pesquisa de campo, do tipo estudo de caso, realizada nas dependências do frigorífico de aves, possibilitou levantar por meio de registros documentais e fotográficos dados históricos antes e após implementação do SGA, onde se constatou melhorias ambientais principalmente referentes aos aspectos de gerenciamento de resíduos sólidos, gerenciamento e tratamento de efluentes, conservação dos recursos hídricos e atendimento as legislações ambientais pertinentes, bem como um maior controle sobre seus aspectos significativos, alcançados por meio de monitoramento e ações preventivas e corretivas e uma maior segurança no que se refere aos possíveis impactos ambientais. A percepção ambiental dos funcionários da organização foi verificada por meio de palestras interativas e da aplicação de questionários, em que foi possível identificar aspectos culturais, de educação ambiental e de sistema de gestão ambiental que corroboram com o princípio de que a implementação de um sistema de gestão ambiental na organização influencia positivamente esses aspectos, na busca de mudanças de comportamento. A necessidade de intensificar a educação ambiental foi notada como um obstáculo a ser vencido na capacitação de recursos humanos. Os dados levantados também possibilitaram verificar que a Unidade de Sidrolândia exporta a maioria de seus produtos e um de seus clientes mais importantes, o Japão, exige controles ambientais e desafia a Unidade para o contínuo processo de melhoria no desempenho ambiental. Os desafios são possíveis e atingíveis desde que a organização incorpore o Sistema de Gestão Ambiental nas atividades do seu dia-adia. Palavras-chave: Educação ambiental, competitividade, mudança de comportamento, percepção ambiental. xii

14 ABSTRACT A critical analysis of an Environment Management System (EMS) based on the ISO 14001:2004 standards was conducted at a poultry slaughterhouse located at Sidrolândia, State of Mato Grosso do Sul, during the period of It aimed to evidence environmental and competitive advantage gains among companies established on the current market. The field research, a case study kind, developed at the poultry slaughterhouse facilities, was able to retrieve historic data from before and after the implementation of the EMS. Several improvements were found, especially ones related to solid residues management, hydric resources conservation, effluent management and treatment and compliance with environmental laws, as well as a better control over significant elements, achieved through monitoring, set up of preventive and corrective actions and safer measures related to potential environmental impacts. Employee s perception was assessed through questionnaires that identified cultural factors, level of environmental awareness and knowledge of the EMS, which reaffirmed the principle that by implementing an EMS a company can positively influence those attributes seeking behavioural changes. Based on the data retrieved it was also possible to verify that the plant exports the majority of their products and one of their most important customers, Japan, requires environmental controls, is impressed by management of significant factors and defies the company to maintain an environmental performance continuous improvement process. The challenges are possibly achievable as long as the company incorporates the EMS to its every day activities. Key words: Environmental education, competitiveness, behavioural changes, environmental perception. xiii

15 1 1 INTRODUÇÃO A notável expansão das capacidades técnico-produtivas e o acelerado crescimento demográfico mundial têm evidenciado, especialmente ao longo da segunda metade do século XX, que os recursos naturais e os serviços derivados deles não são ilimitados, e que sua escassez ou esgotamento constituem uma séria ameaça ao bem-estar presente e ao futuro da humanidade. A importância dos recursos naturais é fundamental para a sobrevivência humana, principalmente ao considerar que, apesar de todo o desenvolvimento tecnológico até aqui alcançado, ainda não existem condições que possibilitem a substituição dos elementos fornecidos pela natureza. Após a década de 70, o homem passou a tomar consciência do fato de que as raízes dos problemas ambientais deveriam ser buscadas nas modalidades de desenvolvimento econômico e tecnológico e de que não seria possível confrontá-los sem uma reflexão sobre o padrão de desenvolvimento adotado. Isso levou a humanidade a repensar a sua forma de desenvolvimento, essencialmente calcada na degradação ambiental, e fez surgir uma abordagem de desenvolvimento sob uma nova ótica, conciliatória com a preservação ambiental. Assim, surge o desenvolvimento sustentável (FIORILLO, 2006; SEIFFERT, 2006). Weber (1999) esclarece que um dos últimos grupos a integrar esta luta, e talvez o que traga resultados mais diretos em menos tempo, é o setor empresarial. Movidos pela exigência de seus consumidores, inicialmente os europeus, as empresa começam a perceber que seus clientes estavam dispostos a pagar mais por produtos ambientalmente corretos, e mais, deixar de comprar aqueles que contribuíam para degradação do Planeta. Além disto, esta pressão popular atingiu também governos, que passaram a estabelecer legislações ambientais cada vez mais rígidas, ao fazer com que empresas tenham que adequar seus processos industriais, com o uso de tecnologias mais limpas. Esta mudança na percepção de pessoas em questão ambiental obrigou o setor industrial a desenvolver e implementar sistemas de gestão em seus processos de maneira que atendesse a demanda vinda de seus clientes e cumprissem com a legislação ambiental vigente. A estes sistemas denominaram de Sistema de Gestão Ambiental - SGA. Com estes sistemas, os empresários começam a verificar que uma postura ambientalmente correta na gestão dos seus processos poderá refletir

16 2 diretamente em produtividade, qualidade e conseqüentemente melhores resultados econômico-financeiros. As empresas existentes no mercado competitivo têm buscado uma certificação na área ambiental, mais especificamente cumprir os quesitos das normas de qualidade ambiental brasileira NBR ISO A norma brasileira é idêntica à norma proposta pela ISO adotada em todos os países, e tem um efeito sistêmico interessante: ao enfocar a necessidade de adotar fornecedores certificados, cria-se um enlace de reforço positivo. Quanto mais empresas estiverem certificadas, mais empresas se verão obrigadas a se certificar, pois a exigência se replica a montante na rede de valor (GAVRONSKI, 2003). Andrade et al. (2000) esclarecem que o crescimento da atividade industrial, com a conseqüente geração de maior quantidade de resíduos e poluentes e o crescimento da demanda por produtos e serviços, tem forçado ao desenvolvimento de novas tecnologias para os processos produtivos, simultaneamente à necessidade de novas técnicas administrativas voltadas ao gerenciamento dessas atividades, com preocupação ambiental. Ao mesmo tempo em que a maioria dos governos mundiais passou a se dedicar à busca de soluções para problemas ambientais, por meio de organismos reguladores específicos e a tentativa de implantação de acordos resultantes de conferências internacionais, organismos normalizadores que passaram a trabalhar em normas técnicas de orientação às empresas, visando ao desenvolvimento de uma mentalidade de melhoria contínua. É fundamental lembrar que uma vez implantado este Sistema, o compromisso passa a ser permanente, pois exige uma mudança definitiva da antiga cultura e das velhas práticas. Para tanto, é imprescindível a busca da melhoria contínua, princípio fundamental de um SGA. Contudo, o gerenciamento de um processo, por meio das ferramentas de um SGA possibilita ganhos de produtividade e qualidade, além da satisfação das pessoas envolvidas diretamente no processo, pois estes aprendem que sempre é possível fazer melhor e percebem a evolução da qualidade de seus serviços. Atuar de maneira ambientalmente responsável é ainda, hoje, um diferencial entre empresas, que as destacam no competitivo mercado. Quanto antes às empresas perceberem esta nova realidade maior será a chance de se manterem (ANDRADE et al., 2000).

17 3 A partir desse entendimento, o trabalho teve como objetivo principal examinar criticamente o Sistema de Gestão Ambiental implementado aos moldes da ISO 14001:2004 em um frigorífico de abate de aves como processo que traz um diferencial entre as empresas do mesmo ramo que estão no atual mercado competitivo. Contribuíram com este propósito, os seguintes objetivos auxiliares: Descrever as fases do processo de implementação do SGA na Empresa correlacionando-as com a NBR ISO 14001:2004. Identificar melhorias de cunho ambiental obtidas com a implementação do SGA. Registrar a percepção de mudanças no comportamento de gestores, de supervisores e de demais funcionários quanto aos quesitos de conhecimentos, hábitos, valores e procedimentos administrativos e sociais em questão ambiental como um dos aspectos agregados a cultura da organização após o processo de implementação do SGA, na empresa. Identificar cliente(s) que exigem controle ambiental da organização para a contínua aquisição de seus produtos.

18 4 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 NORMAS DA SÉRIE ISO 14001:2004 Segundo Cavalcanti (1996 apud BOOG; BIZZO, 1999) No início do ano de 1991, a ISO por meio de seu Conselho Estratégico de Meio Ambiente (SAGE - Strategic Advisory Group on Environment), estimulou a formação de um grupo para estudar a questão ambiental. Em março de 1993, foi criado o Comitê Técnico n o. 207 (ISO/TC 207), responsável pela formulação de uma série de normas voltadas à gestão ambiental, que são as atuais normas da série ISO. De acordo com Moreira (2001), a ISO realiza seu trabalho por intermédio de comitês técnicos (TC), compostos por especialistas representantes dos diversos países membros, cada qual com responsabilidades específicas no âmbito de determinado tema a ser padronizado. A rotina de funcionamento da ISO prevê os seguintes estágios de emissão de normas, conforme Quadro 1 a seguir: Quadro 1 - Processo de emissão das Normas ISO Estágio Sigla Significado Prelimenary Work Item WI Estágio preliminar; análises do tema. New Work Item Proposal NP O tema é proposto e voltado quanto à sua aceitação para ser objeto de uma norma internacional. Working Draft WD Primeira minuta de trabalho a ser submetida à votação do comitê responsável pelo tema. Committee Draft CD Minuta que obteve a aprovação do comitê responsável. Draft of international Standard DIS Minuta que já pode ser considerada um projeto de norma internacional. Final Draft of International Standard FDIS Minuta final, aprovada pelo comitê responsável, sujeita a pequena alterações. Internacional Standart IS Versão final, aprovada e publicada pela ISO Fonte: Moreira, 2001, p. 39. Como conseqüência da Rio 92, a Conferencia das Nações Unidas de Meio Ambiente e Desenvolvimento realizada no Rio de Janeiro, em 1992, foi proposta a

19 5 criação de um grupo especial na ISO para elaborar normas relacionadas com o tema meio ambiente. Em março de 1993, instalou-se o Comitê Técnico ISO/TC207 Gestão Ambiental, com a participação de cerca de 56 países, responsável por elaborar a série de normas ISO 14000, inter-relacionando-se com o ISO/TC176, comitê que elaborou as normas de Gestão da Qualidade (série ISO 9000). Desde sua origem, portanto, a Série de Normas Ambientais buscou afinidades com a Série da Qualidade, deixando clara a integração necessária entre os conceitos de Qualidade e Meio ambiente (MOREIRA, 2001). Boog e Bizzo (1999) relatam que o Comitê Técnico 207 dividiu suas atividades em seis sub-comitês técnicos (SC s), atribuindo-lhes a responsabilidade pelas seguintes áreas : Sistema de Gestão (SC 1); Auditoria Ambiental (SC 2); Certificação Ambiental (SC 3); Avaliação e Desempenho Ambiental (SC 4); Análise do Ciclo de Vida (SC 5); e Termos e Definições (SC 6). Além desses subcomitês, foi criado um Grupo de Trabalho para tratar de Aspectos Ambientais de Produtos, além de um Comitê Especial de Integração das normas da série ISO com as demais normas da instituição. A Figura 1 demonstra claramente como o comitê ISO se organizou em termos de estrutura.

20 6 International Organization for Standardization Suíça TC 176 Gestão de Qualidade Série Iso 9000 Canadá TC 207 Gestão Ambiental Canadá SC 01 Sistema de Gestão Ambiental Reino Unido SC 02 Auditoria Ambiental Holanda SC 03 Selo Ambiental ( Selo Verde ) Austrália SC 04 Avaliação de Des. Ambiental. EUA SC 05 Análise do Ciclo de Vida do Produto França SC 06 Termos e Definições Noruega WG 01 Aspectos Amb. Em Normas de Produtos Alemanha Fonte: Moreira, 2001, p. 40. Figura 1 Organização do comitê ISO / TC 207. A Série ISO se divide em dois grupos de normas, em função do seu objetivo, conforme Figura 2. Os dois grupos são: Avaliação da Organização e Avaliação do Produto. Primeiramente tem-se o relatado sobre o grupo de Avaliação do Produto conforme levantamento de Moreira (2001) e Seiffert (2006) e após é dissertado o grupo Avaliação da Organização, no qual esse trabalho se baseia.

21 7 Fonte: Moreira, 2001, p. 40. Figura 2 Estrutura do Gerenciamento Ambiental (TC 2007) caracterizando a divisão dos dois grupos de normas, sendo eles, a avaliação da organização e avaliação do produto Primeiro Grupo Normas voltadas para a avaliação do produto Esse primeiro grupo dentro do gerenciamento ambiental, trata da Avaliação do Produto (foco nos produtos e serviços) e se caracteriza por: Rotulagem ambiental, Análise de ciclo de vida do produto e Aspectos ambientais nos produtos padrões. Moreira (2001) descreve que, a adoção de uma norma de produto pode ser feita de maneira independente das normas de gestão, ou seja, nenhuma é prérequerida da outra e todas são voluntárias. Seiffert (2006) explica que as normas (ISO 14020, ISO 14021, ISO e ISO/TR 14025) estabelecem diferentes escopos para a concessão de selos ambientais; diferentemente da ISO 14001, não certificam processos e sim linhas de produtos que devam apresentar características específicas, tomando como base critérios estruturais tecnicamente válidos.

22 8 O primeiro selo ecológico foi lançado em 1972, pela Holanda, com pouca repercussão. Em a Alemanha instituiu o selo denominado Blauer Engel (Anjo Azul), que despertou maior interesse e outros países também lançaram mão desse recurso. Assim sendo, julgou-se conveniente estabelecer critérios de âmbito internacional para a aplicação do selo ecológico, por intermédio das normas ISO, as quais se acham ainda em fase de elaboração. Moreira (2001) afirma que a aplicação do conceito de ciclo de vida do produto é algo bem mais sofisticado, que pressupõe uma contabilização dos impactos positivos ou negativos ao meio ambiente e são decorrentes das etapas de produção, desde a extração da matéria-prima até a disposição final dos recursos, visando à adoção de práticas ambientalmente corretas em todo o ciclo de vida do produto ( do berço ao túmulo ). Seiffert (2006) considera que a avaliação de ciclo de vida abrange as seguintes normas; (ISO 14040, 14041, 14042, 14043, ISO/CD 14048, ISO/TR 14049). Estabelece a sistemática para a realização da avaliação de ciclo de vida de produto. Essa avaliação é realizada ao considerar a abordagem do berço ao túmulo, como foi citado por Moreira (2001), ou seja, tudo o que entra no processo produtivo, desde energia, água, matéria prima, insumos, entre outras etapas até a fase de descarte do produto e suas implicações ambientais. Quanto aos aspectos ambientais em normas de produtos, abrange a norma (ISO/CD 14060), a qual visa orientar os elaboradores de normas de produtos buscando a especificação de critérios que reduzam os efeitos ambientais advindos dos componentes. Conforme Barbieri (2004), o Quadro 2 mostra as normas para produto.

23 9 Quadro 2 Normas da família ISO normas para produtos ÁREA TEMÁTICA Rotulagem Ambiental Avaliação do Ciclo de Vida Aspectos Ambientais em Normas de Produtos. Termos definições e NÚMERO: ano da publicação ISO :2000 ISO :1999 ISO :1999 ISO :2000 TÍTULO DA NORMA Rótulo e declarações ambientais princípios gerais. Rótulos e declarações ambientais reivindicações de autodeclarações ambientais rotulagem ambiental tipo II. Rótulos e declarações ambientais reivindicações de autodeclarações ambientais rotulagem ambiental tipo I princípios e procedimentos. Rótulos e declarações ambientais - Declarações ambientais tipo III ISO :1997 Gestão ambiental: avaliação do ciclo de vida princípios estruturas. ISO :1998 Gestão ambiental: avaliação do ciclo de vida objetivos e escopo, definições e análise de inventários. ISO :2000 Gestão ambiental: avaliação do ciclo de vida avaliação de impacto do ciclo de vida. ISO :2000 Gestão ambiental: avaliação do ciclo de vida interpretação. ISO Guia 64:1997 Guia para a inclusão de aspectos ambientais em normas de produtos. ISO :2002 Integração dos aspectos ambientais no desenvolvimento de produtos. ISO :2002 Gestão ambiental vocabulário Fonte: Barbieri,2004, p Segundo Grupo Normas voltadas para a avaliação da organização. O segundo grupo dentro do gerenciamento ambiental trata da Avaliação da Organização (foco nas organizações empresariais) e se caracteriza por: Sistema de Gestão Ambiental, Desempenho Ambiental e Auditoria Ambiental. Moreira (2001) esclarece da mesma forma que a Série ISO 9000 Gestão da Qualidade teve como base uma norma inglesa (BS-5750), a ISO Sistema de Gestão Ambiental, baseou-se em um padrão britânico, a BS que, por sua 1 A BS 7750 foi elaborada para estabelecer a melhor prática gerencial em sistemas de gerenciamento ambiental, permitindo verificação de terceira parte. Também visava cumprir as exigências de padronização do sistema gerencial da Regulamentação, com exceção da exigência da

24 10 vez, foi influenciada pela regulação ambiental da Comunidade Européia, a EMAS Eco Management and Audit Scheme (Gerenciamento Ecológico e Plano de Auditoria) 2. A ISO 14001, a única norma que possibilita a concessão de certificado à organização, foi emitida experimentalmente em 1992 e reeditada em 02 de janeiro de 1994 (no Brasil, em outubro de 1996), tendo como conseqüência a desativação da BS 7750, em 1º de janeiro de Conforme Prado (2004), no decorrer do ano 2004, a NBR ISO 14001:1996 sofreu modificações não significativas, para fins de compatibilizar a norma com os padrões da série ISO 9000:2000, ao assegurar que os padrões possam ser compreendidos e utilizados por qualquer tipo de empresa ao redor do mundo, e por tornar mais claros textos publicados primeiramente na edição de As normas relacionadas com auditoria já se transformaram em Norma Brasileira Registrada (NBR-ISO), porém muitas outras se encontram em diferentes estágios de elaboração, conforme Quadro 3. declaração pública, e ser compatível com a ISO 9000, formando um conhecimento extensivo da aplicação dos sistemas de gerenciamento da qualidade (GILBERT, 1995, p. VI). 2 O EMAS Sistema Comunitário de Eco-Gestão e Auditoria ou Eco-Management and Audit Scheme é um instrumento voluntário dirigido às empresas que pretendam avaliar e melhorar os seus comportamentos ambientais e informar o público e outras partes interessadas a respeito do seu desempenho e intenções ao nível do ambiente, não se limitando ao cumprimento da legislação ambiental nacional e comunitária existente (GILBERT, 1995, p. VII).

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Planejamento e gestão ambiental. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

Planejamento e gestão ambiental. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Planejamento e gestão ambiental Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 7 SérieISO 14000: definição, breve histórico, escopo, terminologia,

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Resumo. Carla Dal Piva 1 Vera Lúcia Ramos Bononi 2 Regina Sueiro de Figueiredo 3 Celso Correia de Souza 4

Resumo. Carla Dal Piva 1 Vera Lúcia Ramos Bononi 2 Regina Sueiro de Figueiredo 3 Celso Correia de Souza 4 Sistema de Gestão Ambiental implementado aos moldes da ISO 14001:2004 em um frigorífico de abate de aves, no Município de Sidrolândia Mato Grosso do Sul Carla Dal Piva 1 Vera Lúcia Ramos Bononi 2 Regina

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO SISTEMA DE SELEÇÃO USINICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA ISO 14000

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a Definição Processo de articulação das ações a dos diferentes agentes sociais que interagem em um dado espaço, visando garantir a adequação dos meios de exploração dos recursos ambientais às especificidades

Leia mais

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente do ISO/TC 207 Presidente, Conselho Técnico T da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

ISO 14000. O que é uma Norma? A ISO 14000. Pedro G. Fernandes da Silva

ISO 14000. O que é uma Norma? A ISO 14000. Pedro G. Fernandes da Silva ISO 14000 Pedro G. Fernandes da Silva A ISO 14000 é uma forma abrangente e holística de administrar o meio ambiente que inclui regulamentos, prevenção de poluição, conservação de recursos e proteção ambiental,

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015 Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso Página 1 NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) INTRODUÇÃO 1 ESCOPO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 4.0. Generalidades

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ISO 14001 - Sistemas de gestão ambiental Requisitos com orientações para uso 06 /10/ 2015 www.abnt.org.br Tópicos Processo de Normalização Histórico da

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL JOSÉ, Clodoaldo SILVA, Gabriel de Oliveira da PROENÇA, Leandro Gomes JUNIOR, Luiz Antonio Martins RESUMO ISO 14000 é uma norma desenvolvida pela ISO e que estabelece diretrizes

Leia mais

CERTIFICAÇAO AMBIENTAL

CERTIFICAÇAO AMBIENTAL ISO 14000 - A NOVA NORMA GERENCIAMENTO E -- CERTIFICAÇAO AMBIENTAL DE AMBIENTAL *Francesco De Cicco A futura norma internacional para o meio ambiente - a série ISO 14000 - e a importância para as empresas

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Pré-Fabricação: O Contexto Habitacional e a Sustentabilidade A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 27 de agosto de 2009 ISO = International

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO São Paulo/2013 Fernando Sandri Fernando Sandri Graduado em Engenharia Química pela EM- Universidade Estadual de Maringá. Pós graduado em MBA Marketing

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES BAIOTTO, Alexandre 1 ; COSTA, Augusto Cesar da 1 ; SCHMIDT, Alberto 2 Palavras-Chave: Gestão ambiental. Empresa. Produção sustentável. Introdução Agregados

Leia mais

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Série ISO 14000 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A questão ambiental empresarial encontrase em fases distintas nos diversos países do mundo: De

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL

NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL 1 NORMAS TÉCNICAS NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL Uma norma técnica é um documento definido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece, para uso comum e repetitivo, regras,

Leia mais

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 São Paulo, 17 de junho de 2010 1 Retrospectiva Dezembro de 2003 - Criado o ABNT/GTRS para discutir posição brasileira em relação ao desenvolvimento de uma norma

Leia mais

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS SEMANA AMBIENTAL NA BRASIMET 2006 CIDADANIA E EDUCAÇÃO PARA UM PLANETA MELHOR A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS A atual conjuntura econômica e os novos cenários sócio-ambientais nacionais e internacionais

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Normas Série ISO 9000

Normas Série ISO 9000 Normas Série ISO 9000 Ana Lucia S. Barbosa/UFRRJ Adaptado de Tony Tanaka Conteúdo Conceitos principais A série ISO9000:2000 ISO9000:2000 Sumário Princípios de Gestão da Qualidade ISO9001 - Requisitos Modelo

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Andreia Martins Gestora de Cliente andreia.martins@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 1 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A auditoria ambiental consiste em processo sistemático de inspeção, análise e avaliação das condições

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Ana Francisco Gestora de Cliente Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade

Leia mais

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS TÍTULO WD CD DIS FDIS /CB-38 SÉRIE 14000 Análise Página 1/6 SUBCOMITÊ SC-001 Sistemas de Gestão Ambiental 14001 Sistemas de gestão ambiental Especificação e diretrizes para uso. 09/96 14001 10/96 14001

Leia mais

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a.

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. Contextualização A preocupação por parte das organizações com seus impactos ambientais tornou-se uma componente constante

Leia mais

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Pela Sustentabilidade dos Setores Público e Privado CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Dr. Alexandre Martins Fernandes UNESP Bauru Limeira Outubro 2014 Redução de custos; Atendimento aos requisitos de qualidade dos

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF Sistema de Gestão Ambiental na Estação Antártica Comandante Ferraz SGA/EACF

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER ISO 9001:2015 Rui Oliveira APCER Agenda Enquadramento do Processo de Revisão Principais Mudanças Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade Próximos Passos Cronograma para

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Curso e-learning ISO/IEC 20000 Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Este é um curso independente desenvolvido pelo TI.exames em parceria com a CONÊXITO CONSULTORIA que tem grande

Leia mais

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA).

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental HOJE EM DIA as empresas estão VIVNCIANDO um ambiente de incertezas e sofrem pressões constantes

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais