O que esperamos do próximo presidente a a g r o p e c u á r i a b r a s i l e i r a p e d e p a s s a g e m

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que esperamos do próximo presidente 2011-2014. a a g r o p e c u á r i a b r a s i l e i r a p e d e p a s s a g e m"

Transcrição

1 O que esperamos do próximo presidente a a g r o p e c u á r i a b r a s i l e i r a p e d e p a s s a g e m

2 O que esperamos do próximo presidente a a g r o p e c u á r i a b r a s i l e i r a p e d e p a s s a g e m 1

3 Triênio Diretoria Executiva Senadora Kátia Regina de Abreu (TO) Presidente Ágide Meneguette (PR) 1º Vice-Presidente Pio Guerra Junior (PE) Vice-Presidente de Secretaria Ademar Silva Junior (MS) Vice-Presidente de Finanças Fábio de Salles Meirelles Filho (MG) Vice-Presidente Executivo Assuero Doca Veronez (AC) Vice-Presidente Diretor Carlos Rivaci Sperotto (RS) - licenciado Vice-Presidente Diretor Homero Alves Pereira (MT) - licenciado Vice-Presidente Diretor José Ramos Torres de Melo Filho (CE) Vice-Presidente Diretor Julio da Silva Rocha Junior (ES) Vice-Presidente Diretor vice-presidentes Almir Moraes Sá (RR) - licenciado Álvaro Arthur Lopes de Almeida (AL) Ângelo Crema Marzola Junior (TO) licenciado Carlos Augusto Melo Carneiro da Cunha (PI) Carlos Fernandes Xavier (PA) Eduardo Correa Riedel (MS) Eduardo Silveira Sobral (SE) Fábio de Salles Meirelles (SP) Francisco Ferreira Cabral (RO) João Martins da Silva Júnior (BA) José Álvares Vieira (RN) José Hilton Coelho de Sousa (MA) José Mário Schreiner (GO) José Zeferino Pedrozo (SC) Luiz Iraçu Guimarães Colares (AP) Mário Antônio Pereira Borba (PB) Muni Lourenço Silva Júnior(AM) Renato Simplício Lopes (DF) Roberto Simões (MG) Rodolfo Tavares (RJ) Rui Carlos Ottoni Prado (MT) 2

4 O que esperamos do próximo presidente a a g r o p e c u á r i a b r a s i l e i r a p e d e p a s s a g e m brasília

5 Confederação da agricultura e pecuária do brasil CNA SGAN Quadra 601, Módulo K Brasília-DF CEP Fone: +55 (61) Fax: +55 (61) O que esperamos do próximo presidente : a agropecuária brasileira pede passagem. / Sistema CNA. Brasília : Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, p. 1. Agricultura Brasil 2. Política agrícola Brasil. 3. Tributação Brasil. 4. Infraestrutura e meio ambiente na agricultura Brasil. I. Sistema CNA. II. Título. CDU 631 4

6 5

7 6 Sumário

8 1 Carta aberta aos candidatos à Presidência da República 9 2 Apresentação 15 3 Vocação para crescer 19 4 Insegurança Jurídica 29 5 Política Agrícola 47 6 Meio Ambiente 59 7 Relações do Trabalho 71 8 Tributação 79 9 Infra-estrutura Inovação Tecnológica Negociações Internacionais Educação Pobreza Rural 133 7

9 8

10 Carta Aberta aos Candidatos à 1 Presidência da República 9

11 A CNA busca com este documento demonstrar que são falsos os conflitos de interesse no campo, explorados com anacrônicos e irrealistas fins políticos revolucionários, simulando uma luta de classes e escondendo a questão essencial: o desafio representado pelo abandono das populações do interior do Brasil por décadas. Senadora Kátia Abreu (DEM/TO), presidente da CNA 10

12 1 Carta Aberta aos Candidatos à Presidência da República Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA Antes que se conheça o escolhido pelo voto popular e enquanto os candidatos, seus partidos e aliados definem programas e projetos que defenderão nas suas campanhas, a agropecuária brasileira cumpre o primeiro mandamento da democracia em tempos eleitorais: apresenta idéias, aflições e reivindicações do setor na expectativa de vê-los considerados no 29º período de Governo Republicano do Brasil, a ser cumprido no quadriênio Confiando na permanência e estabilidade das instituições; na superação dos impasses; na redução dos antagonismos por meio do infalível denominador do bom senso político; na certeza de que o povo é sábio e oportuno nas suas opções eleitorais, a CNA Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil promoveu cinco grandes seminários abertos, livres, sem pautas definidas e, principalmente, sem temas proibidos que levantaram a mais completa e instigante agenda do setor. Este material é agora posto à disposição de todos os candidatos à Presidência da República. O documento básico, sumário dos seminários e livre de quaisquer laivos partidários ou ideológicos, é oferecido, ao mesmo tempo e com a mesma redação aos candidatos. Retratam a confiança de que prevaleçam, quaisquer que sejam os resultados eleitorais, o binômio democracia e desenvolvimento, de que são corolários as garantias individuais, a legalidade, a sensata gestão financeira, o combate à corrupção, a racionalidade administrativa e, principalmente, o espírito republicano. A agropecuária não é uma entidade etérea ou abstrata, mas uma atividade exercida por cidadãos que não dispensam os insumos institucionais. Principalmente porque conhecem muito bem o papel dos insumos essenciais ao cultivo da terra e à criação de animais. Partindo do princípio de que a agropecuária é uma só sejam os produtores pequenos, médios ou grandes, independente das culturas a que se apliquem, dos ganhos do processamento da produção de que sejam capazes e da própria dimensão das propriedades e recursos a CNA busca com este documento demonstrar que são falsos os conflitos de interesse no campo, explorados com anacrônicos e irrealistas fins políticos revolucionários, simulando uma luta de classes e escondendo a questão essencial: o desafio representado pelo abandono das populações do interior do Brasil. A população rural brasileira sofre desproteção total, privada dos serviços essenciais de saúde, educação, cultura, habitação, assistência técnica, incentivo ao empreendedorismo, crédito popular. Nem mesmo as mais marginalizadas áreas urbanas do País padecem de tal desprezo. C o n f e d e r a ç ã o d a a g r i c u l t u r a e p e c u á r i a d o b r a s i l C N A 11

13 É por aí, portanto, precedendo aos graves questionamentos macroeconômicos, de legislação, ciência e tecnologia, meio ambiente, tão prementes para a paz e o desenvolvimento do setor, que a agropecuária pede e espera um novo olhar do futuro Governo da República. Todos os grandes gargalos do desenvolvimento rural brasileiro como, por exemplo, a questão da infraestrutura de transportes que chega a inviabilizar a competitividade da produção da agropecuária derivam da resistência do Estado brasileiro a se voltar para o ambiente geográfico, humano e social que se tornou o principal gerador da riqueza nacional e contribuinte número um do PIB brasileiro. A real questão agrária social, política e econômica está no abandono das populações rurais pelo Estado brasileiro. Eis a melhor síntese desta mensagem ao futuro Presidente do Brasil, seja ele quem for o escolhido pelo povo. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA 12

14 2 Apresentação 13

15 A ação destes novos empreendedores transformou a produção rural brasileira, tornando-a em poucas décadas a segunda maior do mundo em escala e diversidade de produção e a primeira e única grande agricultura em área tropical. Ademar Silva Júnior, vice-presidente de Finanças da CNA

16 2 Apresentação O Brasil orgulha-se hoje de ser uma economia estável e forte, que consegue crescer de modo sustentável a taxas elevadas e ao mesmo tempo distribuir renda, incorporando largos contingentes de população ao mercado de consumo e a padrões mais civilizados de bem-estar material. Olhando para trás, para tantas décadas de instabilidade, de surtos breves e logo frustrados de crescimento, de crises de toda a ordem, temos que reconhecer que vivemos uma grande transformação. O que, de fato, tornou possível essa transformação? Tivemos vários momentos de crescimento, só que não duravam muito. Após poucos anos, o crescimento provocava inflação, pois a oferta interna, especialmente de alimentos e outros produtos da agricultura, não era capaz de acompanhar o aumento da demanda induzida pelo crescimento da renda. Mais grave era o outro problema, o cambial. Com a expansão da renda e da demanda, o País elevava suas importações de bens de consumo e de capital, sem que a capacidade de importar se ampliasse no mesmo ritmo. A indústria nacional não era competitiva para buscar os mercados externos e a produção rural não era suficiente sequer para atender ao abastecimento doméstico. Assim, as exportações não podiam crescer. Diante da inflação que acelerava e do desequilíbrio cambial, a única política possível era conter o processo de crescimento, para aliviar as pressões sobre os preços e sobre o déficit externo. E voltávamos ao crescimento baixo, embora a população continuasse aumentando e a imensa maioria vivesse na pobreza. Essa trajetória se repetia sempre, com pequenas variações. Para crescer sem interrupções seria necessário superar o limite de nossa capacidade para importar. Financiar indefinidamente o déficit cambial com financiamento externo não seria sustentável. Por termos tentado este caminho, incorremos em várias crises de endividamento e, finalmente, chegamos à moratória. Era preciso encontrar um meio realista de elevar a receita cambial, senão um crescimento duradouro não era possível. Como sabemos hoje, e não sabíamos então, no Brasil só a agricultura e a pecuária podiam realizar esta tarefa. Mas ninguém pensava nisso seriamente. Afinal, a produção rural brasileira crescia pouco e não éramos, até 1970, sequer capazes de atender ao abastecimento interno e tantas vezes fomos obrigados a importar alimentos. Além do mais, a sabedoria convencional de então ditava que o desenvolvimento econômico significava o aumento da produção industrial e o encolhimento relativo da produção rural. Desenvolver- se com base na agricultura seria a mesma coisa que aceitar o atraso e a pobreza como destino. O Brasil desenvolvido do futuro tinha que ser industrial e não agropecuário. C o n f e d e r a ç ã o d a a g r i c u l t u r a e p e c u á r i a d o b r a s i l C N A 15

17 Apesar disso, a partir dos anos 70, teve início uma silenciosa revolução no campo brasileiro. Novas gerações de produtores rurais começaram a emergir, muitos deles deixando seus locais de origem e movimentando-se por todo o País, abrindo novas fronteiras agrícolas em vastas áreas, então longínquas e desabitadas, ou transformando os modos de produzir nas fronteiras já estabelecidas. Esses novos agricultores romperam com as formas tradicionais de produção, apropriaram-se do conhecimento acumulado nas universidades rurais e na nova EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e, principalmente trouxeram para a produção rural o espírito de capitalismo, a disposição de assumir riscos e a compulsão do crescimento. A ação destes novos empreendedores transformou a produção rural brasileira, tornando-a em poucas décadas a segunda maior do mundo em escala e diversidade de produção e a primeira e única grande agricultura em área tropical. Os números dessa revolução são impressionantes e constituem a maior façanha da sociedade brasileira dos últimos tempos. Em 1965, antes do início desse processo, a produção brasileira de grãos era de 20 milhões de toneladas, para uma população de 80 milhões de habitantes, uma produção, portanto, de 250 quilos de grãos por habitante. Em 2008, a produção de grãos chegou 144 milhões de toneladas, para uma população de cerca de 190 milhões de habitantes, uma produção per capita de 758 kg, A produção total cresceu sete vezes, mas a área de plantio, que era de 21 milhões de hectares em 1965, passou para apenas 48 milhões de hectares em 2008, apenas 2,5 vezes mais. A produção de carnes, em 1965, era de 2,1 milhões de toneladas, o equivalente a 25 quilos por habitante por ano. Em 2006, a produção alcançou 20 milhões de toneladas, o equivalente a algo como 100 quilos por habitante ano. A produção total aumentou 10 vezes, mas as áreas de pastagens cresceram apenas 15%. Esses gigantescos aumentos de produção e de produtividade geraram dois efeitos que mudaram a história da economia brasileira. Esta agricultura altamente produtiva e de grande escala, integrada em modernas cadeias produtivas, conquistou os mercados externos e passou a gerar grandes superávits no balanço de pagamentos, dada sua pequena dependência de importações. Entre 1994 e 2009 o agronegócio acumulou um saldo comercial com o exterior de US$ 453 bilhões. No mesmo período, o saldo comercial total do Brasil foi de US$ 255 bilhões, o que significa dizer que, sem a contribuição das exportações do agronegócio, o Brasil teria incorrido em um déficit comercial de US$ 198 bilhões, praticamente o valor das reservas cambiais do País no final do ano passado. Não fora a contribuição do agronegócio, parece claro que o País estaria vivendo gravíssima crise cambial e a história do nosso crescimento recente teria sido muito diferente. O segundo efeito dessa revolução no campo foi a grande e persistente queda no custo da alimentação no mercado interno. Os professores José Roberto Mendonça de Barros e Juarez Rizzieri mostraram, em pesquisa, que o custo no varejo de uma ampla cesta de alimentos, na cidade de São Paulo, caiu pouco mais de 5% ao ano, em termos reais, entre 1975 e Uma queda desta dimensão e por tanto tempo só foi possível pelos aumentos impressionantes da produção e da produtividade no campo. Em decorrência, as classes de renda média e baixa não apenas puderam consumir mais e melhores alimentos, como passaram a ter grande elevação de seu poder de compra de produtos industriais, ampliando o mercado interno e realimentando o processo de crescimento. O efeito da queda dos preços agrícolas, que prossegue até hoje, é mais importante que as transferências de renda para explicar a melhoria do padrão de vida das populações mais pobres. Em suma, o Brasil que se desenvolve hoje e que se projeta no mundo como uma economia dinâmica e moderna é um país construído a partir da agricultura e da pecuária. E assim continuará sendo no futuro, sem estar por isso condenado ao atraso e à pobreza como vaticinavam no passado. 16

18 Mas, para isso, é necessário que o País valorize o agricultor e o pecuarista que foram os agentes dessas transformações, dando-lhes o realce merecido e poupando-os dos preconceitos que sobrevivem às evidências da realidade. As propostas reunidas neste documento mobilizaram sindicatos rurais e federações estaduais de agricultura de todo o País, empenhados em dar efetiva contribuição ao debate político e econômico, sobretudo neste momento em que a sociedade brasileira é chamada, mais uma vez, a renovar suas instituições, em eleições livres e diretas para a Presidência da República, Governos estaduais, Assembléias Legislativas e Congresso Nacional. Que o debate se faça, é o propósito do setor agropecuário. 17

19 18

20 Vocação 3 para Crescer 19

21 No horizonte dos últimos 20 anos, o crescimento da agricultura foi 50% superior que a média dos demais setores da economia. Então, ela é o patinho bonito. Reinhold Stephanes, ex-ministro da Agricultura 20

22 3 Vocação para Crescer Em 2014, o Brasil deverá ser a quinta economia mundial. E o setor agropecuário deverá contribuir significativamente para que esse patamar seja atingido. Historicamente, a agropecuária vem desempenhando papel primordial no crescimento do Brasil. As séries históricas de produção, importação e exportação de produtos agropecuários revelam o potencial e a força do agronegócio brasileiro. Responsável por 42% das exportações, 24% do Produto Interno Bruto (PIB) e por um terço dos empregos, o desempenho do agronegócio nem faz lembrar o período em que já fomos importadores de alimentos. O desenvolvimento de tecnologia e terras férteis possibilitaram que o Brasil se tornasse a segunda potência agrícola mundial, líder nas exportações do complexo soja, café, carnes, fumo e laranja. 3.1 Participação do PIB do agronegócio brasileiro Figura 1 Participação do PIB do agronegócio brasileiro Fonte: CEPEA, CNA, IBGE. PIB Brasil, 2009 US$ 1,577 Trilhão PIB Demais setores (76,6%) US$ 1,208 Trilhão PIB Agronegócio 2009 US$ 368,98 Bilhões (23,40%) Agronegócio Agricultura US$ 257,64 Bilhões (70,5%) Agronegócio Pecuária US$ 111,33 Bilhões (29,5%) C o n f e d e r a ç ã o d a a g r i c u l t u r a e p e c u á r i a d o b r a s i l C N A 21

23 3.2 Ranking do Brasil no comércio internacional de alimentos Tabela 1 Ranking do Brasil no comércio internacional de alimentos Principais Produtos Produção Brasil - Ranking Mundial Exportação Part. no Comércio Mundial Açúcar 1º 1º 62% Café 1º 1º 28% Suco de Laranja 1º 1º 68% Álcool 2º 1º 68% Complexo Soja 2º 2º 30% Carne Bovina 2º 1º 33% Carne de Frango 3º 1º 38% Milho 3º 3º 12% Carne Suína 4º 4º 12,4% Fonte: FAO 3.3. Contribuição do Agronegócio para a Balança Comercial Gráfico 1 Contribuição do agronegócio para a balança comercial Agronegócio Outros setores Total -40 Entre 1994 e 2009, o agronegócio acumulou um saldo comercial com o exterior de US$ 453 bilhões, garantindo ao Brasil um superávit de US$ 255 bilhões. Fonte: MAPA, Agrostat. 3.4 Comparativo das exportações brasileiras Tabela 2 Comparativo das exportações brasileiras 1969 (US$, bilhões) 2009 (US$, bilhões) Exportações do agronegócio 1,5 64,7 Exportações do Brasil 2,7 152,2 Fonte: MDIC e MAPA 22

24 3.5 Participação dos produtos exportados Tabela 3 Participação dos produtos exportados 1969 (%) 2009 (%) Café 34,3 6,6 Algodão 5,6 1,9 Carne Bovina 2,3 6,4 Cacau 2,9 0,5 Açúcar 4,8 12,9 Soja em grãos 1,0 17,6 Fonte: MDIC e MAPA Os resultados do agronegócio não foram positivos somente no comércio internacional. No mercado interno, o aumento da produção trouxe não só a segurança alimentar, mas a redução dos preços da alimentação. Não somente pelo aumento do salário mínimo vigente no Brasil, a queda dos preços dos alimentos comprovou a melhoria do poder de compra da cesta básica. 3.6 Quantidade de cestas básicas adquiridas com um salário mínimo Gráfico 2 Quantidade de cestas básicas adquiridas com um salário mínimo 2,5 2,0 1,5 1,95 1,0 0,67 0,5 0,0 jul-94 jan-95 jul-95 jan-96 jul-96 jan-97 jul-97 jan-98 jul-98 jan-99 jul-99 jan-00 jul-00 jan-01 jul-01 jan-02 jul-02 jan-03 jul-03 jan-04 jul-04 jan-05 jul-05 jan-06 jul-06 jan-07 jul-07 jan-08 jul-08 jan-09 jul-09 jan-10 Fonte: Dieese. 23

25 24

26

27 3.7 Abundância de produção: queda de preços pagos aos agricultores Gráfico 3 Abundância de produção: queda de preços pagos aos agricultores jun-70 jun-73 jun-76 jun-79 jun-82 jun-85 jun-88 jun-91 jun-94 jun-97 jun-00 jun-03 jun-06 jun-10 Fonte: FGV. Carne Grãos 3.8 Onde podemos chegar Mesmo em um período de crise, o setor agropecuário brasileiro produziu a maior safra de grãos da história: 147 milhões de toneladas em 2009/2010. Também avançou no mercado do complexo carnes e se consolidou como o maior produtor e o maior exportador. No próximo governo, com uma expectativa de mercado favorável, a produção do setor agropecuário também deverá aumentar, principalmente pelo uso de tecnologia. Ressalvados os problemas climáticos, chegaremos a 2014 com a produção de 151,69 milhões de toneladas de grãos. Em 2014, seremos 200 milhões de brasileiros em processo de expansão de renda, o que resulta em aumento do mercado consumidor de alimentos. Este será um grande impulso para o agronegócio brasileiro. No cenário internacional, o processo de urbanização de países como China e Índia sinaliza que as exportações do agronegócio continuarão a crescer. O mundo terá uma população de 7,3 bilhões de habitantes, 60% vivendo nas cidades. O Brasil tende a avançar sobre novos mercados e as exportações do agronegócio atingirão US$ 80 bilhões. 26

28 Gráfico 4 Estimativa da produção de grãos, safras 2010/2011 a 2013/2014 Milhões de toneladas ,10 149,29 150,48 151, / / / /14 Fonte: CNA Elaborado a partir de séries históricas da CONAB e IBGE 3.9 qual a imagem que queremos? 1. Empresários formais com alta capacidade de gestão. 2. Modelo mundial de produção e preservação ambiental. 3. Líder na produção de alimentos seguros. 27

29 28

30 Insegurança 4 Jurídica 29

31 30 O maior problema do homem do campo é a falta de segurança jurídica. Delfim Netto, economista, ex-ministro da Agricultura

32 4 Insegurança Jurídica Em todos os países, o desenvolvimento econômico e os níveis de investimentos produtivos estão diretamente relacionados com o grau de segurança jurídica que é oferecido. Antes de aplicar seus recursos em um determinado projeto, os investidores sempre avaliam, de forma prioritária, a real aplicação das leis vigentes e o respeito à legislação, bem como a solidez do ordenamento jurídico e a estabilidade que suas normas proporcionam às relações sociais e econômicas. No Brasil, esta questão ganha especial destaque no cenário da agropecuária. Não bastassem os tradicionais riscos inerentes à atividade rural, tais como as condições de mercado, o clima e os problemas fitossanitários, o setor enfrenta, ainda, diversos focos de insegurança jurídica, numa explícita ameaça ao direito de propriedade, que é pressuposto básico para desenvolvimento da atividade agrícola e pecuária. O crescimento do setor está vinculado às garantias jurídicas relativas ao domínio da terra. Quanto maior a insegurança jurídica em relação à propriedade, menor será o investimento no agronegócio. A incerteza quanto à titularidade da terra e as deficiências na efetiva proteção do imóvel rural por parte do Estado caracterizam desestímulo aos investimentos no setor. Esse quadro se reflete, por exemplo, na incapacidade do Poder Público em combater efetivamente as invasões de terras no Brasil. É necessário exigir a punição dos responsáveis por esses crimes e de forma ágil. Mas é necessário ir além, aperfeiçoando o modelo processual vigente, com o incremento da agilidade no cumprimento das ordens judiciais a respeito da reintegração e manutenção de posse das propriedades rurais. É imprescindível acabar com a rotina de medidas protelatórias que agem contra o direito de propriedade, como as intervenções indevidas de autoridades governamentais, como fazem alguns órgãos do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Outro motivo de preocupação no meio rural é a instabilidade do marco regulatório. A definição dos índices de produtividade da terra, critério utilizado para fins da reforma agrária, não pode ser uma ação única e exclusiva de autoridades administrativas do Poder Executivo, como ocorre atualmente. A legislação vigente restringe a matéria à portaria interministerial. Discussões sobre mudanças dos índices de produtividade precisam ser submetidas ao Congresso Nacional, que é a instância adequada para que o assunto seja discutido em um debate amplo, democrático e representativo. C o n f e d e r a ç ã o d a a g r i c u l t u r a e p e c u á r i a d o b r a s i l C N A 31

33 4.1 Invasões de propriedades rurais No setor agropecuário, o maior foco de insegurança jurídica está no no tratamento dado aos casos de invasão de propriedades rurais, num crescente processo de criação de instabilidade nas relações sociais e econômicas no campo. Isso ocorre porque a invasão de terras não só inviabiliza o desenvolvimento das atividades produtivas, mas igualmente compromete os mais elementares laços sociais do homem do campo, que na maioria dos casos mora em sua propriedade, estabelecendo suas relações humanas em torno desta propriedade rural. Sob essa perspectiva, as invasões configuram não só um crime já que o esbulho possessório é conduta tipificada na legislação penal brasileira, mas são também um fator de desagregação de toda uma camada da sociedade brasileira, cujos costumes, tradições e cultura devem ser preservados. Uma simples invasão tem a potencialidade de violar diversos direitos fundamentais constitucionalmente consagrados, tais como: o direito de propriedade (art. 5º, XXII); a função social da propriedade (art. 5º, XXIII), que deixa de ser observada com a queda abrupta na produção causada pelas invasões; o direito de não ter seus bens confiscados sem o devido processo legal (art. 5º, LIV), já que o produtor se vê afastado de sua propriedade por ato arbitrário e ilegal; o direito ao livre exercício do trabalho, uma vez que sua atividade produtiva é impedida pelos invasores; a inviolabilidade da casa (art. 5º, XI), posto as invasões não raro impedirem a permanência do produtor rural na sua residência, localizada na área invadida; o direito social ao trabalho (art. 6º, caput); e o direito social à segurança (art. 6º, caput), entre outros. O homem do campo, que atua no setor produtivo agropecuário, gerando as riquezas que impulsionam o desenvolvimento econômico do País, está constantemente exposto a essas violações. Entretanto, apesar de serem explícitas as situações de insegurança a que está submetido o setor em decorrência das invasões, há diversas deficiências na atuação do Estado em resposta a esses atos ilícitos. Inicialmente, em alguns Estados brasileiros, há uma resistência evidente do Poder Executivo em fazer cumprir as decisões judiciais que prontamente determinam reintegrações de posse a produtores vítimas de invasões de terra. Diversos são os casos em que o juiz defere medidas cautelares em favor de produtores, mas a execução dessas medidas é inviabilizada pela recusa do governo local em fornecer a força policial necessária, em omissão que despreza a força institucional das decisões do Poder Judiciário. Tais casos são tão comuns que já provocam reações das instituições competentes. No Estado do Pará, o Tribunal de Justiça estadual, em resposta à representação da CNA, requereu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a intervenção no Estado para que se fizesse cumprir centenas de mandados judiciais de reintegração de posse há muito deferidos. O cumprimento desses mandados é dificultado, também, pela atuação ilegal de um importante órgão do Ministério do Desenvolvimento Agrário: a Ouvidoria Agrária Nacional. Criada para ser uma instituição voltada à pacificação dos conflitos agrários, por meio de gestões administrativas, a Ouvidora assumiu um papel de constante defesa dos invasores, alterando sua atuação do campo administrativo para o judicial, ao requerer em inúmeros processos a suspensão de medidas de reintegração de posse deferidas em favor dos proprietários. 32

34 Assim, a Ouvidoria tem representado a União em juízo, atuação que é constitucionalmente reservada à Advocacia-Geral da União. E, de modo inconstitucional, portanto, tem requerido que as reintegrações somente sejam deferidas ou executadas após a avaliação, por parte do INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), do interesse da propriedade para fins de reforma agrária. Essa orientação consta, ainda, do Manual de Diretrizes Nacionais para Execução de Mandados Judiciais de Manutenção e Reintegração de Posse Coletiva, elaborado pela Ouvidoria Agrária Nacional, cujas regras promovem evidente relativização da força das decisões do Poder Judiciário, condicionando o cumprimento de suas ordens a exigências ilegais, o que fere a autoridade dos juízes e macula, mais uma vez, o direito de propriedade constitucionalmente garantido. A constatação de que as ingerências da Ouvidoria Agrária nos processos de reintegração de posse buscam viabilizar a avaliação do INCRA acerca do interesse de utilização das áreas invadidas para fins de reforma agrária evidenciam, lamentavelmente, a desconsideração de um dos mais importantes instrumentos de combate às invasões e de manutenção da segurança jurídica no campo editado pelo Estado brasileiro. Trata-se da Medida Provisória nº , de 2001, a chamada MP anti-invasão. Este ato normativo incluiu um novo parágrafo no art. 2º da Lei nº 8.629/93, que regula a desapropriação para fins de reforma agrária, com o seguinte teor: 6º. O imóvel rural de domínio público ou particular objeto de esbulho possessório ou invasão motivada por conflito agrário ou fundiário de caráter coletivo não será vistoriado, avaliado ou desapropriado nos dois anos seguintes à sua desocupação, ou no dobro desse prazo, em caso de reincidência; e deverá ser apurada a responsabilidade civil e administrativa de quem concorra com qualquer ato omissivo ou comissivo que propicie o descumprimento dessas vedações. Assim, a pretensão veiculada nas manifestações da Ouvidoria Agrária Nacional de fazer preceder uma avaliação do INCRA sobre as áreas invadidas à reintegração de posse é medida plenamente contrária à expressa determinação legal. Uma das poucas seguranças do produtor rural a de que sua propriedade não seria objeto de desapropriação para fins de reforma agrária caso fosse invadida atualmente está sendo posta em xeque por essas recomendações ilegais de um órgão do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Essas possíveis irregularidades depreendidas da atuação da Ouvidoria se transformam em certeza de violação da lei quando se analisa a representação formalizada pelo Ministério Público de Contas ao Tribunal de Contas da União (TCU), apontando o descumprimento das normas da Lei nº 8.629/93. No Processo nº TC /2010-2, pelo menos seis casos são narrados em que o INCRA procedeu à vistoria e recomendou a desapropriação de área invadida por movimentos sociais de sem-terra, sem observar os prazos fixados no mencionado 6º da Lei nº 8.629/93. Indica, ainda, o Ministério Público de Contas outros 19 casos em que, imediatamente após a vistoria, as propriedades foram invadidas, sem que o processo administrativo de desapropriação fosse paralisado, como determina a lei. Nesse quadro, é possível concluir que, apesar de a legislação demandar aperfeiçoamentos, há no ordenamento jurídico brasileiro instrumentos suficientemente idôneos para garantir a proteção ao direito de propriedade e a manutenção da segurança jurídica no campo; restando em aberto, porém, a aplicação objetiva e firme desses instrumentos, o que passa na maioria das vezes por decisões políticas dos titulares do Poder Executivo, mas também pelo julgamento do Poder Judiciário e pela vigilância dos órgãos de controle. 33

35 34

36 35

37 Gráfico1 Invasões a propriedades rurais: 1995 a 2010 Anos Fonte: MDA - Ouvidoria Agrária Nacional Dados até Fev/ Índices de produtividade Como já destacado, a estabilidade do marco regulatório é outra demanda que decorre da necessidade de segurança jurídica. Nesse sentido, cumpre impedir que a propriedade rural fique sujeita a limitações e restrições impostas por autoridade administrativa, dispensando a democrática participação do Congresso Nacional. Enquadra-se, nesse caso, a questão da definição dos índices de produtividade, que, segundo a legislação vigente, é matéria confiada à portaria interministerial. Subordinar matéria de tal gravidade apenas à esfera da administração federal enseja perigosa instabilidade ao produtor rural, na medida em que pode acabar privando-o de seu patrimônio. Além disso, o regime instituído pela Lei nº 8.629/93 acarreta gravames inaceitáveis para os produtores rurais, uma vez que subverte a lógica constitucional inscrita no Capítulo III do Título VII da Constituição Federal. Por tal razão, a CNA ajuizou no Supremo Tribunal Federal a Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 3.865, de relatoria do Ministro Ricardo Lewandowski, que atualmente aguarda seu julgamento pelo Plenário da Corte. O questionamento apontado pela CNA decorre do fato de que o texto constitucional é claro ao determinar que a propriedade cumpridora do grau de eficiência em sua exploração não será alvo de expropriação/ sanção, não se contestando, em relação a ela, a observância do determinado no art. 186 da Constituição. Desse modo, é possível afirmar que o artigo 6º da Lei 8.629/93 o qual exige, para aferição da produtividade da terra, o cumprimento simultâneo dos graus de Utilização da Terra (GUT) e de Eficiência na Exploração (GEE) contraria o disposto no inciso II do art. 185 da Carta Constitucional. A Constituição exige, apenas, na definição da propriedade produtiva, a aferição do grau de eficiência na exploração, não impondo a observância do grau de utilização da terra. O artigo 9º, 1º, da Lei nº 8.629/93 viola o artigo 186, inciso I, da Constituição. Isso porque este dispositivo constitucional estabelece que a função social da propriedade é cumprida com o aproveitamento racional e adequado da propriedade. Tudo isso é medido por meio do grau de utilização da terra no índice fixado em lei, o que desde logo torna dispensável a inclusão, para tais fins, do critério da eficiência na exploração. Os dispositivos impugnados na mencionada Ação Direta de Inconstitucionalidade levam à situações verdadeiramente absurdas, como a descrita no quadro a seguir: 36

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil ENTREVISTA COLETIVA Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA 10 de julho de 2013 Compromisso com o Brasil 1 Uso do Solo no Brasil Cidades e Infraestrutura 0,2% Terras Devolutas do Incra 17,6% Outros Usos:

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas!

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Os povos indígenas Kaingang, Guarani, Xokleng, comunidades Quilombolas do Rio Grande

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL

Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL confederação da agricultura E PEcuÁRia do BRaSil cna Diretoria Executiva Triênio 2011-2014 Presidente Senadora Kátia Abreu (TO) 1º VicePresidente João Martins

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP Legislação Os normativos do enquadramento dos agricultores

Leia mais

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil SEGURANÇA ALIMENTAR - O DUPLO DESAFIO ERRADICAR A FOME DO PRESENTE; ALIMENTAR A POPULAÇÃO DO FUTURO E NÃO TER

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Da Sra. Flávia Morais) Altera o art. 20 da Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993 Lei Orgânica da Assistência Social, e o art. 34 da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Reforma Agrária Marceloednilson Marins* CONCEITO Considera-se Reforma Agrária o conjunto de medidas que visem a promover, melhor distribuição da terra, mediante modificações do regime

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR.

NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR. NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 Brasília, 4 de abril de 2013. ÁREA: TÍTULO: Finanças/tributação VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR. REFERÊNCIA: Convênio de 100% do

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N. 1.022, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Institui o Sistema Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e o Conselho Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e dá outras providências." O GOVERNADOR

Leia mais

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva.

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva. Goiânia e Heidelberg, 02 de setembro de 2015 Senhora Dilma Rousseff Presidenta da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto, Praça dos Três Poderes, Brasília DF Ref.: Ataque à comunidade Guarani

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 283/2003 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO MÁRIO HERINGER PDT

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 283/2003 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO MÁRIO HERINGER PDT COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 283/2003 Dispõe sobre caso de concessão de visto permanente a estrangeiro residente no Brasil. Autor: Deputada Laura Carneiro Relator: Deputado

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus. Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho

ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus. Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho Guerra Fiscal : Definição Práticas competitivas entre entes de uma mesma federação em busca de investimentos privados.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar Lei da Agricultura Familiar LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006. Art. 3 Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Belém, Setembro de 2015 Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Agenda global: o desafio do nosso tempo Agenda regional:

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 278, DE 2009 (Do Poder Executivo) Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo entre os Governos da República Federativa

Leia mais

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL PAULO DE SENA MARTINS Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia MAIO/2008 Paulo de Sena Martins 2 2008

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as Tabelas de Custas e a Tabela de Porte de Remessa e Retorno dos Autos e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Apresentar o instituto da desapropriação e discutir seus principais pontos polêmicos

Apresentar o instituto da desapropriação e discutir seus principais pontos polêmicos AULA 21: DESAPROPRIAÇÃO OBJETIVO Apresentar o instituto da desapropriação e discutir seus principais pontos polêmicos INTRODUÇÃO A desapropriação constitui a perda da propriedade privada de um bem em favor

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Ações Estratégicas do Agronegócio Soja Responsabilidade Ambiental do Setor

Ações Estratégicas do Agronegócio Soja Responsabilidade Ambiental do Setor Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Ações Estratégicas do Agronegócio Soja Responsabilidade Ambiental do Setor Carlo Lovatelli Presidente da São Paulo - SP 8 de novembro de 2011 1 A

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações:

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações: AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE 27 DISTRITO FEDERAL RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO REQTE.(S) :ASSOCIACAO NACIONAL DAS FRANQUIAS ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) POSTAIS DO BRASIL :MARCELO

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 22/12/2015 ATENÇÃO 1 Declaração de Imunidade Tributária Municipal deve ser enviada até 31.12.2015 Nos termos da Instrução Normativa nº 07/2015 da Secretaria

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

PROVA DISCURSIVA P 2

PROVA DISCURSIVA P 2 PROVA DISCURSIVA P 2 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnico n.º 08/07 Relações das obras com indícios de irregularidades graves constantes nos anexos às leis orçamentárias para os exercícios de 2002

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 STF00094362 SUMÁRIO NOTA DO AUTOR... 15 AGRADECIMENTOS... 17 LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 19 INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 CAPÍTULO 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 EMENTA: ALTERA A LEI Nº 5981/2011, QUE DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DAS ONG S, OSCIP S E DEMAIS ENTIDADES QUE RECEBAM RECURSOS PÚBLICOS NO ESTADO DO RIO

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE ÉO CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

Modelos de Desenvolvimento Agropecuário do Cerrado Brasileiro. Paulo César Nogueira Assessor da Secretaria de Relações Internacionais Embrapa

Modelos de Desenvolvimento Agropecuário do Cerrado Brasileiro. Paulo César Nogueira Assessor da Secretaria de Relações Internacionais Embrapa Modelos de Desenvolvimento Agropecuário do Cerrado Brasileiro Paulo César Nogueira Assessor da Secretaria de Relações Internacionais Embrapa BRASIL SAFRA--------------CRESCIMENTO DE 50% NOS ÚLTIMOS 10

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros Sumário Executivo Maio de 2015 Este sumário executivo apresenta um panorama nacional

Leia mais

COMUNICADO AOS CLIENTES Lei De olho no Imposto

COMUNICADO AOS CLIENTES Lei De olho no Imposto São Paulo, 23 de Maio de 2013. COMUNICADO AOS CLIENTES Lei De olho no Imposto Conforme é de conhecimento de V. Sas., a Presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei nº 12.741/12, publicada no DOU em 10/12/2012,

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR Arguição de descumprimento de preceito fundamental 292/DF Relator: Ministro Luiz Fux Requerente: Procuradoria-Geral da República Interessado: Ministério da Educação Arguição

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005. Atualização Relacionada à Reestruturação do Pará Rural em 2013

EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005. Atualização Relacionada à Reestruturação do Pará Rural em 2013 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PROGRAMA DE REDUÇÃO DA POBREZA E GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS DO ESTADO DO PARÁ PARÁ RURAL EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO TRIBUTÁRIO

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO TRIBUTÁRIO DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL Trata-se de ação de consignação em pagamento, com previsão no art. 164, I, do CTN, tendo em vista que a Fazenda Municipal se recusa a receber a prestação tributária

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA.

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DEPARTAMENTO DE OUVIDORIA AGRÁRIA E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS - DOAMC MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a autorização de uso de espaços físicos de corpos d água de domínio da União para fins de aquicultura, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE GABINETE DA MINISTRA PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 419, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta a atuação dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal envolvidos no licenciamento

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE OS ROYALTIES DA RR1

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE OS ROYALTIES DA RR1 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE OS ROYALTIES DA RR1 1) De que se trata a ação das entidades de Mato Grosso contra a Monsanto? A Famato - Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso - em parceria

Leia mais

Propostas do Governo para o ICMS

Propostas do Governo para o ICMS Propostas do Governo para o ICMS Audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 11 de março de 2013 Avaliação geral Proposta do Governo vai na direção correta em termos

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 ** 1 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 Acrescenta parágrafo ao art. 6º da Medida Provisória nº 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, para tornar a carne suína obrigatória nos cardápios

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua MECANISMOS LEGAIS E INSTITUCIONAIS QUANTO A GÊNERO GENERO Programa Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM) Central de Atendimento à

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO DOMÍNIO PÚBLICO SOBRE A ORLA MARÍTIMA

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO DOMÍNIO PÚBLICO SOBRE A ORLA MARÍTIMA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DOMÍNIO PÚBLICO SOBRE A ORLA MARÍTIMA TERRENOS DE MARINHA TERRENOS ALODIAIS TERRENOS DE MARINHA ACRESCIDOS DE MARINHA PRAIA LLTM LPM TERRENOS DE MARINHA DL

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais