Anvisa prorroga prazo para adequação de estabelecimentos de saúde. Hospitais só devem se inscrever no CRM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anvisa prorroga prazo para adequação de estabelecimentos de saúde. Hospitais só devem se inscrever no CRM"

Transcrição

1 Anvisa prorroga prazo para adequação de estabelecimentos de saúde O prazo para os estabelecimentos de serviços de saúde se adequarem à Resolução - RDC nº 33 e implantarem seus Planos de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde foi prorrogado até dezembro. Esse prazo vencia em 15 de julho. A prorrogação foi definida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária que quer harmonizar suas medidas com as do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) para definir um padrão seguro a ser seguido pelos geradores de resíduos. Página 3 Hospitais só devem se inscrever no CRM A justiça do Paraná proibiu o Conselho Regional de Enfermagem (Coren) do Estado de exigir a inscrição dos hospitais representados Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado (Sindipar). A juíza substituta federal da 6ª Vara Cível do Paraná entendeu que os hospitais devem ser inscritos no Conselho Regional de Medicina (CRM). Página 2. Leia ainda nesta edição... Assembléias...Página 4 CIER: avanço...página 5 Escala de revezamento...página 6 Artigo: O ativo social do SUS...Página 9

2 16 a 31/07/04 Saúde em Foco 2 CURTAS CFM: novos conselheiros Com 58,38% dos votos e vitória em todas as urnas da capital e do interior, Lívia Barros Garção e Lueiz Amorim Canedo foram eleitos pelos médicos goianos para representar a categoria no Conselho Federal de Medicina (CFM). A eleição aconteceu no dia 21 de julho e a posse dos novos conselheiros no CFM entidade da qual Lívia é 1ª vice-presidente será em outubro. A dupla recebeu votos contra os dados à chapa concorrente formada por Argeu Clóvis e Altamiro Campos CRP: extrapolando funções (1) - A Casa dos Hospitais condena a fiscalização realizada no dia 22 de julho em três clínicas psiquiátricas de Goiânia e Anápolis pelo Conselho Regional de Psicologia (CRP). As entidades que integram a Casa dos Hospitais entendem que o CRP não tem competência nem amparo legal para fiscalizar unidades hospitalares, cuja fiscalização é uma atribuição do Conselho Regional de Medicina (CRM). Para a Casa dos Hospitais, o CRP extrapolou suas funções e provocou transtornos ao funcionamento das unidades vistoriadas e, principalmente, constrangimento aos pacientes ao chegar às clínicas acompanhado, por exemplo, de órgãos de imprensa. CRP: extrapolando funções (2) - Sobre as supostas falhas apontadas pela fiscalização encabeçada pelo CRP, a Casa dos Hospitais entende que cabe ao CRM e aos órgãos de Vigilância Sanitária vistoriar as unidades hospitalares e cobrar a solução de problemas que forem detectados. Coren: exigência vetada - A juíza substituta federal da 6ª Vara Cível do Paraná, acatando solicitação do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado (Sindipar), proibiu o Conselho Regional de Enfermagem (Coren) de exigir a inscrição, em seus quadros, de estabelecimentos hospitalares que já possuem certificado de regularidade técnica junto ao Conselho Regional de Medicina. De acordo com a juíza, o registro de estabelecimentos deve ser feito exclusivamente em entidades competentes para regulamentar e fiscalizar suas atividades básicas, o que no caso dos hospitais, cabe ao CRM. Saúde em Foco Ano 3 Nº a 31/07/04 Publicação da Casa dos Hospitais (AHEG, SINDHOESG, FEHOESG e IFL) Presidentes: Mauro Pereira Machado/AHEG Salomão Rodrigues Filho/ FEHOESG-IFL Paulo Rassi/SINDHOESG Jornalista Responsável: Rosane Rodrigues da Cunha MTb 764/JP Fone: (62) Fax (62)

3 16 a 31/07/04 Saúde em Foco 3 Hospitais têm mais seis meses para aplicação do Plano de Gerenciamento dos Resíduos Os estabelecimentos de saúde têm até o dia 15 de dezembro de 2004 para se adequarem à Resolução - RDC nº 33, de 25 de fevereiro de 2003, que prevê a aplicação do Plano de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde. O prazo para a aplicação desse plano, que foi tema de palestra realizada na Casa dos Hospitais em maio, vencia em 15 de julho de 2004 e foi prorrogado pela Resolução - RDC nº 175, de 13 de julho de Ao prorrogar o prazo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) busca harmonizar as medidas com o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) de maneira a estabelecer um padrão seguro a ser seguido pelos geradores de resíduos. O Plano de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde tem como finalidade minimizar a produção e encaminhar, de forma segura e eficiente, os resíduos gerados, para proteger os trabalhadores, preservar a saúde pública, os recursos naturais e o meio ambiente. Todo gerador de resíduos de serviços deverá elaborar um Plano onde estejam discriminadas as a- ções relativas ao manejo dos resíduos sólidos, contemplando os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final para a proteção da saúde pública de saúde. A Resolução trata das etapas de manejo interno para o gerenciamento dos resíduos. As etapas externas devem estar de acordo com as orientações dos órgãos de limpeza urbana e, especificamente, para a etapa de disposição final, que dependerá sempre do licenciamento ambiental da instalação de destino (Fonte: Anvisa). Para obter cópia da RDC nº 33 e da RDC 175, de 13 de julho de 2004, acesse o site Reajuste limitado - A justiça goiana fixou o teto máximo de reajustes de mensalidades de contratos firmados até janeiro de 1999 com três seguradoras e dois planos de saúde em 11,75% - índice determinado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Goiás é o sexto Estado brasileiro a ter uma liminar favorável aos usuários. As empresas que descumprirem a medida poderão ser multadas em R$ 10 mil por dia.

4 16 a 31/07/04 Saúde em Foco 4 TOME NOTA... 2 de Agosto Horário: 17h30 Local: Casa dos Hospitais ASSEMBLÉIA GERAL SINDHOESG - O Presidente do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Estado de Goiás, Paulo Rassi, no uso de suas atribuições legais, convoca todos os filiados deste Sindicato para AS- SEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA a realizar-se no dia 2 de agosto de 2004, às 17h30 em primeira convocação, e às 18h em segunda e última convocação, a se reunirem na sua sede, na Alameda do Botafogo, nº 101 Centro, com os seguintes assuntos: Autorizar a negociar e firmar convenção coletiva de trabalho; Autorizar a propor dissídio coletivo com os seguintes sindicatos: Sindicato dos Trabalhadores em Serviços de Saúde da Rede privada do Município de Goiânia, e Cidades Circunvizinhas Sindicato dos Trabalhadores da Saúde; Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Estado de Goiás; Sindicato dos Enfermeiros de Goiás; Sindicato dos Farmacêuticos no Estado de Goiás; Sindicato de Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Anápolis com Extensão de Base; Sindicato dos Trabalhadores na Área dos Hospitais, Postos de Saúde, Clínicas Particulares de Rio Verde; Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Itumbiara e Região; Sindicato dos Nutricionistas no Estado de Goiás; Sindicato dos Técnico de Segurança no Trabalho do Estado de Goiás. Outros assuntos de interesse da categoria. 2 de Agosto Horário: 19 horas Local: Associação Médica de Goiás ASSEMBLÉIA GERAL DOS MÉDICOS - Os médicos goianos realizam uma nova assembléia geral, no próximo dia 2 de agosto, às 19 horas, na sede da Associação Médica de Goiás Avenida Mutirão, número 2653, Setor Oeste para avaliar a implantação da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) no Estado. As entidades representativas dos médicos conclamam os profissionais a participarem da assembléia e do movimento em defesa da CBHPM.

5 16 a 31/07/04 Saúde em Foco 5 Goiás: avanço nas negociações Um dos resultados dos três anos de trabalho do CIER-Saúde em defesa da melhoria da remuneração dos prestadores de serviços de saúde goianos pode ser constatado através da comparação entre as conquistas obtidas pela categoria em alguns Estados e os avanços alcançados em Goiás. No Rio de Janeiro, por exemplo, a União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (Unidas) propôs ao Cremerj que o valor das consultas médicas fosse aumentado para R$ 31,50, a partir desse mês de julho, R$ 32,50 em outubro e R$ 33,60 em janeiro de Em Minas Gerais, a Unidas, que representa 38 entidades associadas, adotou, desde o início de 2004, o valor de R$30,00 para consultas médicas e o Coeficiente de Honorários de R$ 0,27, abrangendo atos médicos como cirurgias. Em comunicado oficial, a Unidas- MG explica que num grande esforço das suas entidades associadas, vem negociando com a Associação Médica de Minas Gerais a adoção da CBHPM a partir de janeiro de 2005, com banda de menos 20% e valores expressos em reais. Consta ainda da negociação, segundo a nota, um período de transição, a partir de julho/2004, em que as consultas serão aumentadas para R$ 32,00 e os atos médicos, como cirurgias, terão um referencial de R$ 0,30 e os exames, reajustes na faixa de 8 a 12% sobre os valores atuais. Em Goiás, graças à união dos prestadores de serviços através do CI- ER-Saúde, criado em junho de 2001, já vigora o valor de R$ 33,00 para a consulta e CH de R$ 0,30 inclusive para a área de diagnóstico. O coordenador do CIER-Saúde, Salomão Rodrigues Filho, ressalta que esse é o resultado do trabalho em grupo e de uma unidade que precisa ser preservada. CBHPM: vitória judicial - O juiz plantonista Jandyr Alyrio Guttemberg da Costa, da 23ª Vara Cível da Comarca de Salvador, concedeu liminar obrigando as seguradoras Bradesco e Sul América a remunerarem os urologistas da Bahia de acordo com a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM). Em caso de descumprimento da decisão, as empresas terão de arcar com multa diária de R$ 40 mil. A liminar, inédita no País, é resultado de uma ação da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), seção Bahia.

6 16 a 31/07/04 Saúde em Foco 6 SERVIÇOS CASA DOS HOSPITAIS O QUE DIZ A LEI: Escala de Revezamento Estando autorizada a trabalhar permanentemente aos domingos e feriados, a empresa deve elaborar uma escala de revezamento, previamente organizada e constante do quadro sujeito à fiscalização. A referida escala deverá ser elaborada observando-se que a folga deve coincidir com o domingo, no mínimo, a cada período de: 7 em 7 semanas para o empregado do sexo masculino 15 em 15 dias para empregados do sexo feminino 4 semanas para empregados que trabalhem no comércio varejista Existe entendimento de que a empregada do sexo feminino está sujeita ao mesmo período de folga que o empregado do sexo masculino, utilizando-se como fundamento o preceito constitucional de que todos são iguais perante a lei. Para saber mais sobe esse assunto e outros da área trabalhista, o associado deve entrar em contato com a Assessoria Jurídica da Casa dos Hospitais na Alameda Botafogo, 101, Centro, Goiânia, ou pelo telefone AGENDA DA DIRETORIA 19/07 - Reunião CIER-Saúde 19/07 - Reunião com o prefeito de Goiânia, Pedro Wilson Guimarães 21/07 Eleição CFM 26/07 - Reunião da FEHOESG 29/07 - Reunião CIER-Saúde e Fusex 29/07 - Reunião CIER-Saúde e Ipasgo

7 16 a 31/07/04 Saúde em Foco 7 Artigo Mardônio Quintas Descaso vergonhoso: Aparelhos obsoletos põem em perigo vida de pacientes. É preciso conscientização A crise que afeta a área de saúde no Brasil, assunto que sou obrigado a abordar com freqüência, volta ao noticiário com a revelação de que os a- parelhos de tomografia usados no país são obsoletos, ultrapassados, o que prejudica, ou mesmo inviabiliza, bons diagnósticos por imagem. Não somente os hospitais e clínicas não conseguem acompanhar a evolução técnica adquirindo aparelhos atualizados, como também não estão conseguindo nem fazer a manutenção dos que já possuem. Trata-se de equipamentos na maioria importados que, com a desvalorização do real em 1999, ficaram fora do alcance, tanto do setor público de saúde, como do setor privado. Ambos os setores são vítimas da política (ou não-política) oficial de descaso com o social, inclusive com a saúde, que vem sendo praticada desde os anos 80 do século passado. A queda drástica da inflação e a estabilização da moeda brasileira, quase em paridade com o dólar, conseguidas nos quatro primeiros anos do Plano Real deram algum alento ao setor privado, mais dinâmico, embora o Governo continuasse negligenciando a rede pública de saúde em processo de sucateamento. Processo que agora começa a se estender à rede privada, que já não consegue continuar oferecendo serviços com a mesma qualidade de antes, face àquela política anti-social do Governo, que reembolsa ridiculamente os hospitais privados que têm convênio com o SUS; e com atraso. Segundo o médico Aldemir Humberto Soares, presidente do Colégio Brasileiro de Radiologia, há cinco anos os gastos com a importação de aparelhos e equipamentos de tomografia era de cerca de US$300 milhões, caindo para US$70 milhões no ano passado. Problema que, segundo ele, afeta principalmente as unidades públicas de saúde, embora as unidades de iniciativa privada também sofram suas conseqüências. No Instituto Nacional de Câncer (Inca), uma unidade conceituada da rede pública, o médico Carlos de Andrade, chefe do Serviço de Oncologia Clínica, reconhece a defasagem das máquinas, mas observa que ainda mais prejudicial é a falta de sua manutenção. Continua na página 8

8 16 a 31/07/04 Saúde em Foco 8 Continuação... Num caso de câncer, um bom e rápido diagnóstico pode ser a salvação do paciente. Mas os valores que o SUS paga pelos exames não possibilitam a reposição e manutenção dos aparelhos. O referido médico do Inca lembra que, nos Estados Unidos, uma ressonância magnética custa cerca de US$700. Aqui não passa de US$200. Nos casos de câncer de mama, os mamógrafos das redes pública e privada, sem controle de qualidade, podem estar produzindo exames com imprecisão de imagens. Tudo isso é muito lamentável, no mínimo. Podemos afirmar até que é vergonhoso, irrresponsável. E, evidentementem, a irresponsabilidade não é dos médicos e diretores de hospitais públicos ou privados. A responsabilidade pela crise que atravessamos cabe ao Governo, que só se preocupa com superávit primário e não investe naquilo que é de sua obrigação investir. Para a crise contribui, além da ação (ou falta de ação) de autoridades e políticos, o tumultuado relacionamento da rede privada de saúde com operadores e demais tomadores de serviços. É bom lembrar que a área de saúde no Brasil responde por 6% do PIB (cerca de R$70 bilhões), gera 2 milhões de empregos diretos e 5 milhões de postos indiretos, sem nenhum incentivo do Governo, ao contrário do que ocorre com setores como transporte, indústria automobilística e outros, socorridos logo que surgem dificuldades; como lembrava recentemente o médico José Carlos Abrahão, presidente da Confederação Nacional de Saúde. Cerca de 35 milhões de brasileiros dependem da rede suplementar de saúde, apesar da evasão de usuários motivada pela crise que atinge os bolsos dos trabalhadores. A esperança do brasileiro é que, como as conseqüências do descaso oficial com a saúde estão quase diariamente nas páginas dos jornais, isso contribua para a conscientização da opinião pública gerando mais pressão sobre quem decide. Como presidente do Sindicato dos Hospitais, faço um apelo para que nós do setor privado de saúde demos todo o apoio a nossas entidades de classe. O mesmo devem fazer diretores e outros responsáveis pelo setor público, médicos e paramédicos. Só assim sairemos um dia da crise da área de saúde. * Mardônio Quintas é médico e presidente do Sindicato dos Hospitais de Per

9 16 a 31/07/04 Saúde em Foco 9 Artigo Luís Nassif O ativo social do SUS A nova visão de país que se pretende, cuja construção se iniciará nos próximos anos para vigorar pelo próximo século, pressupõe o exercício permanente da solidariedade. Há consenso, à direita e à esquerda, de que a inclusão social permite não apenas criar uma sociedade mais justa como incrementar o capital social, com efeito dinamizador sobre outros setores da sociedade. E, aí, o grande ativo de que o país dispõe é o SUS (Sistema Único de Saúde), autêntica obra coletiva, que surgiu dos estudos de sanitaristas nos anos 60. Desde 1990 o SUS vem sendo socialmente construído em um movimento incremental lento. Primeiro, começaram-se a transferir recursos para Estados e municípios. Depois, se criaram as condições para uma gestão tripartite, de municípios, Estados e União. Com o fim do Inamps, consolidou-se o federalismo, por meio da instituição da "gestão plena", dando aos municípios habilitados a condição de gerir suas verbas, sob supervisão do Ministério da Saúde. No entanto, a crise fiscal do Estado acabou gerando dois SUS, como lembra o médico mineiro Eugênio Villaça Mendes, principal especialista do setor. O constitucional propõe a universalização do sistema. O real subdividiu o sistema em três: o público, destinado a 140 milhões de brasileiros; o Sistema de Atenção Médica Suplementar, de planos de saúde, destinado a 38 milhões de brasileiros; e o Sistema de Desembolso Direto, ao qual recorrem os brasileiros, ricos e pobres, para a compra direta de serviços. Ao segregar os pobres no SUS, colocou-se o modelo em xeque. Com a desorganização social e a baixa vocalização política de seus usuários, o sistema público tende, sempre, a ser subfinanciado e a ofertar serviços de menor qualidade. O gasto sanitário total per capita do Brasil, em 2001, foi de US$ 222, contra US$ 603 do Uruguai e US$ 679 da Argentina. Em 2001, o gasto sanitário público do Brasil em relação ao gasto sanitário total foi de 41,6%. As evidências internacionais mostram que, nos sistemas públicos universais, essa relação deve ser superior a 70%, diz Villaça. É pouco dinheiro e mal gasto. Se bem gasto, continuaria pouco. Em vez de se defender dinheiro bem gasto e suficiente, propõe-se a eficiência como subterfúgio para reduzir recursos. Três movimentos conspiram para destruir o SUS. O primeiro foi ter jogado nas costas das seguradoras atender até a população de baixa renda. Continua na página 10

10 16 a 31/07/04 Saúde em Foco 10 Continuação... Segregou-se o cliente do SUS, desviou-se o foco das críticas e jogou-se o modelo da universalização no limbo. Há uma (justa) chiadeira nacional contra reajustes de seguradoras, mas quase nenhuma reação em relação ao desmonte do SUS. Agora, cria-se a Farmácia Popular, que rompe com um dos principais paradigmas do SUS - a oferta de remédio gratuito à população atendida. Finalmente, há as tentativas de desvinculação orçamentária, que terminariam por destruir o modelo de rede social, dentro do subterfúgio da "focalização". O SUS é fundamental para o desenho do novo país. Mas sua manutenção passa pelo modelo monetário e fiscal. E aí se começa a entrar no fulcro da questão, tema das próximas colunas. (Luís Nassif / Folha de S. Paulo). PORTARIAS Portaria MS/GM Nº 1258 de 28 de Junho de 2004.!IInstitui o Comitê Nacional de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal, e dá outras providências. Portaria Conjunta MS/GM Nº 1422 de 13 de Julho de Institui o Prêmio em Economia da Saúde, e dá outras providências. Portaria Conjunta MS/GM Nº 1433 de 14 de Julho de Redefine critérios de avaliação para habilitação de municípios em Gestão Plena da Atenção Básica Ampliada - GPAB-A e em Gestão Plena do Sistema Municipal, e dá outras providências. Portaria Interministerial MS/GM Nº 1426 de 14 de Julho de Aprova as diretrizes para a implantação e implementação da atenção à saúde dos adolescentes em conflito com a lei, em regime de internação e internação provisória, e dá outras providências. Consulta Publica MS/SEC.INS.ESTRAT. Nº 5 de 13 de Julho de Submete à Consulta Pública o Protocolo Clínico e as Diretrizes Terapêuticas - TRATAMENTO DA SÍNDROME DE TURNER - somatotropina, constante no Anexo deste Ato e o Termo de Consentimento Informado dele integrante. Consulta Pública MS/SEC.INS.ESTRAT. Nº 6 de 13 de Submete à Consulta Pública o Protocolo Clínico e as Diretrizes Terapêuticas - TRATAMENTO DA DEFICI- ÊNCIA DE HORMÔNIO DO CRESCIMENTO - somatotropina, constante no Anexo deste Ato e o Termo de Consentimento Informado dele integrante.

Leia ainda nesta edição...

Leia ainda nesta edição... Instituto Órgão Informativo semanal do Sistema de Representação Associativo e Sindical dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde em Goiás Ipasgo recadastra prestador de serviços Os 4.629 prestadores

Leia mais

Leia ainda nesta edição...

Leia ainda nesta edição... Ano 5 Nº 82 Vitória Compradores de serviços reajustam valores pagos a médicos e hospitais Após uma longa negociação com as entidades representativas dos prestadores de serviços de saúde, a Bradesco Seguros

Leia mais

Conselhos reagem e Procon admite rever orientações

Conselhos reagem e Procon admite rever orientações Conselhos reagem e Procon admite rever orientações Após a manifestação contrária dos Conselhos Regionais de Medicina e Odontologia ao ofício enviado às autarquias pelo Procon, a superintendência do órgão

Leia mais

IFL oferece novos serviços a associados

IFL oferece novos serviços a associados SEGURANÇA E SAÚDE Ano 7 Nº 144 11/11 a 31/12/10 Palestra alerta para a necessidade de envolvimento de todos no cumprimento da NR-32 Em uma palestra promovida pela Aheg e realizada no auditório da Casa

Leia mais

Convênios adotam Classificação Hospitalar da AHEG. Glosas podem ser excluídas do cálculo do PIS/PASEP e Cofins

Convênios adotam Classificação Hospitalar da AHEG. Glosas podem ser excluídas do cálculo do PIS/PASEP e Cofins Convênios adotam Classificação Hospitalar da AHEG Várias operadoras de planos de saúde negociam a adoção da Classificação Hospitalar feita pela AHEG para a contratação e remuneração dos serviços prestados

Leia mais

Reduz número de usuários no Brasil. Casos de varicela devem ser notificados à Secretaria Estadual de Saúde

Reduz número de usuários no Brasil. Casos de varicela devem ser notificados à Secretaria Estadual de Saúde Planos de Saúde Reduz número de usuários no Brasil Pesquisa realizada pelo IBGE revela que o número de usuários de planos de saúde no Brasil caiu em relação ao registrado em 2003. De acordo com a pesquisa,

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Exigência de cheque-caução é crime

Exigência de cheque-caução é crime CRIME Ano 8 Nº 158 Maio/2012 Exigência de cheque-caução é crime Desde 29 de maio, a exigência de cheque-caução, a assinatura de nota promissória ou qualquer garantia para o atendimento médico-hospitalar

Leia mais

Cobrança direta entra em vigor em 1º de julho. Golden Cross: descredenciamento em massa

Cobrança direta entra em vigor em 1º de julho. Golden Cross: descredenciamento em massa Cobrança direta entra em vigor em 1º de julho A cobrança direta do atendimento médico prestado a segurados das seguradoras de saúde, em Goiás, entra em vigor na quinta-feira, 1º de julho. A medida aprovada

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013.

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. Dispõe sobre a obrigatoriedade dos Contratos firmados entre as Operadoras de Planos de Saúde e os Médicos seguirem as Normativas da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Leia mais

Imposição, por parte das cooperativas de trabalho médico e planos de saúde, do local onde o médico assistente deverá tratar seu paciente RELATOR:

Imposição, por parte das cooperativas de trabalho médico e planos de saúde, do local onde o médico assistente deverá tratar seu paciente RELATOR: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 15/14 PARECER CFM nº 8/14 INTERESSADO: Cooperativa dos Médicos Retinólogos de Minas Gerais Retcoop e Associação Zona da Mata de Oftalmologia Azmo ASSUNTO: Imposição, por parte

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Eleita a nova diretoria da Federação

Eleita a nova diretoria da Federação FEHOESG Ano 6 Nº 129 1º a 20/07/09 Eleita a nova diretoria da Federação No dia 20 de julho, membros do Conselho de Representantes da Federação elegeram a nova dire toria da FEHOESG, que estará à frente

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

Amil reajusta tabela em 20% Médicos fazem assembléia geral no dia 2. Eleição no CFM...Página 2. AHEG: Assessoria em CCIH...

Amil reajusta tabela em 20% Médicos fazem assembléia geral no dia 2. Eleição no CFM...Página 2. AHEG: Assessoria em CCIH... Amil reajusta tabela em 20% Em negociação com as entidades que integram a Casa dos Hospitais, através do CIER-Saúde, a Amil comprometeu-se a reajustar em 20% os valores pagos aos hospitais credenciados.

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Pelo presente instrumento, com fundamento nos termos que dispõe o art. 5º, 6º, da Lei 7.347/85, bem como no art. 5º e 6º do Decreto 2.181/97 e art. 5º da Lei Complementar

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001702/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014964/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006002/2013-41

Leia mais

Ainda nesta edição... REAJUSTE. Tabela de honorários do Ipasgo é reajustada

Ainda nesta edição... REAJUSTE. Tabela de honorários do Ipasgo é reajustada Ano 5 Nº 121 26/07 a 26/08/08 MICOBACTÉRIA AHEG debate prevenção de surto Em uma reunião convocada pelo presidente da AHEG, Robson Azevedo (foto), representantes dos hospitais goianos debateram a prevenção

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Internação em UTIs Ministro propõe mudanças, mas recua diante de críticas. Projeto prevê mudanças em horário de visitas em hospitais

Internação em UTIs Ministro propõe mudanças, mas recua diante de críticas. Projeto prevê mudanças em horário de visitas em hospitais Internação em UTIs Ministro propõe mudanças, mas recua diante de críticas Em viagem à África, o ministro da Saúde, Humberto Costa, propôs mudanças para racionalizar a utilização de leitos de Unidades de

Leia mais

FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO

FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO Regulamento do Fundo de Reserva Unimed/ADUFG Sindicato Aprovado em assembleia geral dos usuários do Convênio ADUFG SINDICATO/UNIMED realizada em 16 de novembro de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Historico da cobranca do parto a paciente da rede suplementar MARIA INES DE MIRANDA LIMA

DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Historico da cobranca do parto a paciente da rede suplementar MARIA INES DE MIRANDA LIMA DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Historico da cobranca do parto a paciente da rede suplementar MARIA INES DE MIRANDA LIMA INTRODUÇÃO Serviço oferecido a gestante onde o obstetra fica a disposição durante o pré-natal

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA REGISTRO DE OPERADORA DE PLANO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE CREMEGO 1) Cópia do Contrato Social e Alterações Contratuais, devidamente

Leia mais

Acordo: Cheque-caução (II) Mais compradores de serviços garantem cobertura de atendimento de urgência

Acordo: Cheque-caução (II) Mais compradores de serviços garantem cobertura de atendimento de urgência Instituto Órgão Informativo semanal do Sistema de Representação Associativo e Sindical dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde em Goiás Acordo: Cheque-caução (II) Mais compradores de serviços

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009

RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009 RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009 (Publicada no D.O.U. de 19 jan 2009, Seção I, pg. 94-5) Define e normatiza a Telerradiologia O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, no uso das atribuições conferidas pela lei nº. 3.

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 Aprovado na 523ª Reunião Ordinária de Plenário de 26 de agosto de 2013. 1. Do Fato Assunto: Dispensação de medicamentos pelo Técnico de Enfermagem.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

Financiamento da saúde

Financiamento da saúde Financiamento da saúde Sessão de debates temáticos no Senado Federal Senado Federal 19 de setembro de 2013 O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO DE ÓTICAS DO ESTADO DE GOIÁS - ASCOEG UF GO ASSUNTO CONSULTA SOBRE PROFISSÃO DO TÉCNICO ÓPTICO

Leia mais

Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Conveniada ao Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem - CBR

Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Conveniada ao Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem - CBR Carta a população, A radioterapia é o tratamento que se utiliza de radiação ionizante para destruir ou controlar o crescimento de células neoplásicas. Esse tratamento é uma das três armas mais utilizadas

Leia mais

Legislação Nacional sobre Reprocessamento de Artigos Hospitalares

Legislação Nacional sobre Reprocessamento de Artigos Hospitalares Agência Nacional de Vigilância Sanitária Legislação Nacional sobre Reprocessamento de Artigos Hospitalares Luiz Carlos da Fonseca e Silva GINFS/GGTES As invenções do homem, em busca do bem estar e de melhores

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSPMESP

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSPMESP 1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 - ESTATUTÁRIO Pelo presente instrumento particular de Acordo Coletivo de Trabalho de um lado o Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Itu, entidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008

RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008 RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008 (Publicada no D.O.U. de 14 de março de 2008, Seção I, pg. 195) As disponibilidades de médicos em sobreaviso devem obedecer normas de controle que garantam a boa prática médica

Leia mais

Por mais de três anos, a Comissão Estadual

Por mais de três anos, a Comissão Estadual Paralisação emblemática confronta planos de saúde Por mais de três anos, a Comissão Estadual de Honorários Médicos buscou negociação com o Bradesco Saúde. As tentativas, entretanto, não obtiveram êxito.

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS Pelo presente termo de Acordo Coletivo de Trabalho, e de acordo com a convenção Coletiva de Trabalho conforme cláusulas específicas celebraram

Leia mais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais Eng. Marcos Montenegro Presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Seção DF CLÁUSULA 7ª. (Dos

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Trav. Olindina Alves Pereira, 35 - Caixa Postal 472-88020-095 Fone/Fax (48) 222-4702 - Florianópolis - SC. url:

Leia mais

Casa dos Hospitais recebe vereadores e reivindica apoio ao veto do prefeito. Cassi: consulta reajustada

Casa dos Hospitais recebe vereadores e reivindica apoio ao veto do prefeito. Cassi: consulta reajustada Horário de visitas Casa dos Hospitais recebe vereadores e reivindica apoio ao veto do prefeito Os vereadores Bruno Peixoto e Samuel Belchior visitaram a Casa dos Hospitais, no dia 16 de junho, além do

Leia mais

5. O Plano do funcionário sofrerá reajuste?

5. O Plano do funcionário sofrerá reajuste? PERGUNTAS E RESPOSTAS REAJUSTE ANUAL E DENÚNCIA DE CONVÊNIOS E MENSALIDADES REAJUSTADAS JULHO DE 2014 REAJUSTE ANUAL 1. O que é um reajuste anual e qual é sua base legal? O reajuste anual é um mecanismo

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS, DELEGADOS, MÉDICOS FISCAIS E SERVIDORES Salvador/2012 REGISTRO Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares nos conselhos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na Importação e Exportação de material de qualquer natureza,

Leia mais

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio.

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECER CRM/MS N 12/2014 PROCESSO CONSULTA CRMMS 0011/2014 Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECERISTA:

Leia mais

Cooperativismo de Trabalho e o SUS. Carlos Japhet M. Albuquerque Presidente Coopecárdio

Cooperativismo de Trabalho e o SUS. Carlos Japhet M. Albuquerque Presidente Coopecárdio Cooperativismo de Trabalho e o SUS Carlos Japhet M. Albuquerque Presidente Coopecárdio Cooperativas - Definição É uma associação autônoma de pessoas, unidas voluntariamente para atender suas necessidades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PROCESSO-CONSULTA - Protocolo CREMEC nº 9287/10 INTERESSADO Dr. Franklin Veríssimo Oliveira CREMEC 10920 ASSUNTO Responsabilidade de médico plantonista e do chefe de

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000123/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023370/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.002929/2011-79 DATA DO

Leia mais

Como solicitar reembolso: Valores de Reembolso: Prévia de Reembolso:

Como solicitar reembolso: Valores de Reembolso: Prévia de Reembolso: Como solicitar reembolso: Você deve preencher o envelope para Solicitação de Reembolso (disponível em qualquer agência bancária do banco Bradesco), anexando os documentos necessários, e enviá-lo por malote

Leia mais

EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS.

EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS. EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS. O MUNICÍPIO DE PALMAS, no Estado do Tocantins, através da Secretaria Municipal de Saúde, pela COMISSÃO ESPECIAL DE

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002030/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054079/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.033057/2010-51 DATA

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas

Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas Texto construído com base em diversos trabalhos acadêmicos, dados do Cofen, dados do Coren, Fórum Nacional das 30 horas, Aben e do artigo Jornada

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO Fortalecimento do SUS Constituição Federal de 1988, artigos 196 a 200; Lei Federal nº. 8.080, de 19/09/1990 Lei

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 001/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE FISITERAPEUTA, QUIROPRAXISTA, NUTRICIONISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA E MÉDICO PSIQUIATRA.

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 001/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE FISITERAPEUTA, QUIROPRAXISTA, NUTRICIONISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA E MÉDICO PSIQUIATRA. CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 001/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE FISITERAPEUTA, QUIROPRAXISTA, NUTRICIONISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA E MÉDICO PSIQUIATRA. O Município de IPÊ RS, através do presente Edital, comunica

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

Instituto Francisco Ludovico lança Pós-Graduação em Direito Médico

Instituto Francisco Ludovico lança Pós-Graduação em Direito Médico NOVO CURSO Ano 7 Nº 150 11/07 a 11/08/2011 Instituto Francisco Ludovico lança Pós-Graduação em Direito Médico Com mensalidades subsidiadas pela Casa dos Hospitais, o que garante um preço bem inferior ao

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DO HOSPITAL IPO REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DO HOSPITAL IPO REGIMENTO INTERNO 1 COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DO HOSPITAL IPO. Autorização /Registro nº 061/2011/CONEP/CNS/GB/MS de 30/11/2011 Autorização / Renovação de Registro n 197/2014/ CONEP/CNS/GB/MS de 26/11/2014

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 019/2001

PORTARIA NORMATIVA N 019/2001 PORTARIA NORMATIVA N 019/2001 Dispõe Sobre a Hospitalização Psiquiátrica e dá Outras Providências O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES DO ESTADO DE GOIÁS IPASGO, usando

Leia mais

Ainda nesta edição...

Ainda nesta edição... Ano 7 Nº 136 1º/02 A 10/03/10 REDE FBH Parceria é apresentada a hospitais goianos Lançada há quatro meses, a parceria entre a Federação Brasileira de Hospitais (FBH) e a Gama Saúde foi apresentada, no

Leia mais

Manual TISS Troca de Informaçõ

Manual TISS Troca de Informaçõ Manual TISS Troca de Informaçõ ções em Saúde Suplementar Versão o 1.1 Instruçõ ções para preenchimento das guias PREENCHER EXCLUSIVAMENTE COM CANETA PRETA OU AZUL GCES A Unimed Natal desenvolveu este manual

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA -

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA 1. OBJETO Prestação de serviços em medicina

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

As empresas e o Novo Código Civil traz

As empresas e o Novo Código Civil traz Instituto Órgão Informativo semanal do Sistema de Representação Associativo e Sindical dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde em Goiás As empresas e o Novo Código Civil traz A convite do

Leia mais

EDITAL 2013/2014. Programa de Apoio a Projetos Sociais

EDITAL 2013/2014. Programa de Apoio a Projetos Sociais EDITAL 2013/2014 Programa de Apoio a Projetos Sociais Inscrições abertas de 07/05/2012 à 01/07/2012 APRESENTAÇÃO Foi lançada a Seleção de Projetos 2013/2014 do Programa de Apoio a Projetos Sociais pela

Leia mais

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 (SUS). Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA

COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Primeiramente, ressaltamos a relevância do tema e reafirmamos nossa atuação com o intuito de regular o mercado de planos privados de assistência à saúde.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Sindilojas, 24 de julho de 2014 Legislação da CIPA Decreto-lei nº 7.036 de 10/11/1944 (Lei de Acidentes do Trabalho): Art. 82. Os empregadores, cujo número

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

QUANTO VALE O SEU TRABALHO? PARTE 2: HONORÁRIOS NUTRIS BRASIL

QUANTO VALE O SEU TRABALHO? PARTE 2: HONORÁRIOS NUTRIS BRASIL QUANTO VALE O SEU TRABALHO? PARTE 2: HONORÁRIOS NUTRIS BRASIL Por Profa.Dra. Cyllene de M.OC de Souza Dra em Ciência e Tecnologia de Alimentos (UFRRJ), Mestre em Vigilância Sanitária (INCQS-FIOCRUZ) Supervisora

Leia mais

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS Tendo como argumento aperfeiçoar ainda mais a prestação de serviços de saúde à população, o Executivo traz a esta Casa o Projeto de Lei 64/2014, que

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000096/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064426/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.042751/2011-40 DATA DO

Leia mais

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS.ª ANA MARIA SILVEIRA MACHADO DE MORAES EMENTA: Assinatura

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 1 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 2 Apresentação Menos de dez meses depois de ter sido criada pela Associação Médica Brasileira, a Câmara

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

PARECER CFM nº 14/15 INTERESSADO: Sr. Newton de Souza Carneiro Realização de exame de ressonância magnética Cons. Aldemir Humberto Soares

PARECER CFM nº 14/15 INTERESSADO: Sr. Newton de Souza Carneiro Realização de exame de ressonância magnética Cons. Aldemir Humberto Soares PARECER CFM nº 14/15 INTERESSADO: Sr. Newton de Souza Carneiro ASSUNTO: Realização de exame de ressonância magnética RELATOR: Cons. Aldemir Humberto Soares EMENTA: A responsabilidade de serviços com ressonância

Leia mais