SEGURO PRIVADO: ENTRE A SOLIDARIEDADE E O RISCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURO PRIVADO: ENTRE A SOLIDARIEDADE E O RISCO"

Transcrição

1 CLÁUDIO GANDA SEGURO PRIVADO: ENTRE A SOLIDARIEDADE E O RISCO DOUTORADO EM DIREITO PUC/São Paulo 2.010

2 CLÁUDIO GANDA SEGURO PRIVADO: ENTRE A SOLIDARIEDADE E O RISCO Tese apresentada à Banca Examinadora do Programa de Estudos Pós-graduados Stricto Sensu em Filosofia do Direito da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, como exigência parcial para obtenção do título de DOUTOR em Direito, sob orientação do Professor Doutor Nelson Nery Júnior. PUC/São Paulo 2.010

3 GANDA, Cláudio CA Seguro Privado: Entre a Solidariedade e o Risco. Orientador: Professor Doutor Nelson Nery Júnior. São Paulo/SP: 2010, 437 págs. Tese (Doutorado em Direito) Centro de Estudos Pós-graduados da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP. 1. Homem. 2. Sociedade. 3. Contratualismo. 4. Ética. 5. Política. 6. Economia. 7. Riscos. 8. Seguro. 9. Solidarismo. 10. Mutualismo. CDD -

4 Banca Examinadora Professor Doutor NELSON NERY JÚNIOR (Presidente PUC/SP) Professor Doutor RICARDO HASSON SAYEG (PUC/SP) Professor Doutor PAULO LUIS DE TOLEDO PIZA (FGV) Professor Doutor ANTONIO MÁRCIO DA CUNHA GUIMARÃES (PUC/SP) Professor Doutor LUCIANO DE CAMARGO PENTEADO (USP - USJT)

5 À D. Geralda Ganda, sempre! À Rose; O tempo, senhor de todas as curas, nos concede a oportunidade de experimentá-lo a cada sopro de nossas existências, a fim de que possamos cumprir essa travessia colhendo o que de melhor a vida pode oferecer: a sabedoria. A partir dela todas as demais coisas, em que pesem os seus defeitos, se revelam perfeitas e, como num jogo de quebra-cabeça, a harmonia que resulta do encontro dos seres desnuda tamanha perfeição que não ousamos jamais duvidar de que seja eterna. Assim tenho colhido até aqui e é isto que me permite hoje saber: Minha eterna Rose, amo você! À Maria Izabella; A emoção que transborda do meu coração confessa o quão abençoado sou e, mesmo sem que ainda lhe tivesse visto os olhinhos e sem lhe ter tomado nos braços, sabia o quanto te amo. Maria Izabella, amada filha, seja bem vinda! À Adriana, Carolina e Cláudia; Presentes da minha vida, presentes na minha vida, vocês representam, junto com Maria Izabella, o que de melhor posso deixar aqui na Terra: os melhores tributos à D. Geralda.

6 Ao Clézio (In Memoriam); A vida, falível e finita, floresce cândida e leve para os bem aventurados que, por misericórdia ou benção, se nutrem no convívio com alguns poucos seres que, de tão iluminados e generosos, tornam esse nosso viver mais intenso e útil. Luzes que são, deixam-nos também iluminados, e, leves, projetam-se para o infinito, afastando-se sem nos deixar. Clézio, meu querido irmão, tenho você eternamente comigo!

7 Agradecimentos. Agradecemos, primeiramente, na pessoa do Magnífico Reitor, Professor Doutor Dirceu de Mello, à Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP, instituição de ensino superior de notória respeitabilidade em âmbito nacional e internacional, e cujo compromisso social e científico permite a produção e difusão dos saberes, da edificação e emancipação humana; Ao Professor Doutor Nelson Nery Júnior, em relação a quem, como ato de elementar justiça, cumpre-nos demonstrar respeito e profunda admiração, e a quem devemos, como tem se tornado costumeiro, para nossa felicidade, valiosos ensinamentos, dedicada atenção e inesgotável paciência. Ao Professor Doutor Ricardo Hasson Sayeg, seleto amigo, irmão que contagia a cada dia com demonstrações renovadas de bondade e sabedoria, virtudes que o dignificam sem enfraquecê-lo em vaidades; Ao Professor Doutor Antonio Márcio da Cunha Guimarães, douto no tema securitário, companheiro de magistério jurídico nesta PUC/SP e distinto amigo que enobrece a trajetória de quem o cerca; Ao querido Dr. Maurício Rodrigues Hortêncio, ilustre advogado, amigo incondicional, irmão predileto que não esmoreceu no apoio e estímulo permanentes, não obstante os pesados encargos dessa escolha; Agradecimentos, que se estendem ao infinito com o propósito de que alcancem o saudoso Dr. Paulo de Oliveira Filho, ilustre professor, com quem tivemos a honra da convivência e, de quem, a oportunidade de haurir conhecimentos e exemplo de vida. Por fim, amadas Rose e Maria Isabella, riquezas à vista de quem à dívida de gratidão se soma a penitência pela intensa e prolongada privação do compartilhamento diário, minha eterna gratidão.

8 O passado não é imóvel pelo simples fato de ser passado. Muda-se a posição do observador no tempo, e eis que uma luz nova se projeta sobre os fatos, revelando aspectos imprevistos, detalhes que alteram substancialmente o quadro histórico, abalando convicções das mais robustas. (Miguel Reale) 1 1 In Horizontes do Direito e da História, pág. 3.

9 Todo homem que for dotado de espírito filosófico há de ter o pressentimento de que, atrás da realidade em que existimos e vivemos, se esconde outra muito diferente e que, por consequência, a primeira não passa de uma aparição da segunda (Friedrich Nietzsche) 2 2 In O nascimento da Tragédia ou Helenismo e Pessimismo, pág. 28.

10 RESUMO Este trabalho se revela desdobramento e aprofundamento da dissertação intitulada O Contrato de Seguro Privado e os Controles de Abusividade, com a qual o autor obteve, na mesma instituição e também sob orientação do ilustre Professor Doutor Nelson Nery Júnior, o título de Mestre em Direito. Enquanto naquele trabalho nos ocupávamos de estudar o contrato de seguro sob a sua estruturação interna, princípios regentes, elementos e características, víamos sobressair questionamentos acerca da essência desse negócio jurídico, os quais padecem de literatura específica e autorizada, sobretudo no âmbito acadêmico, dado que nos estimula e, mais que isso, nos desafia a enfrentar o tema segundo os seus vetores naturais humanos para, a partir deles, buscar uma conformação de cunho racional. Adotamos, pois, como objetivo central deste trabalho o desafio de desenvolver um projeto de investigação do contrato de seguro, visando fazer uma análise e reflexão crítica a partir dos fatores de eclosão psicológica da necessidade de segurança e do interesse securitário, almejando vislumbrar os fundamentos dessa prática, quiçá, sob nova perspectiva jurídica, sobretudo no que concerne à tradicional dicotomia entre seguro social e seguro privado. Com efeito, a despeito de se tê-lo por negócio econômico ou jurídico, vimos que o seguro é antes uma manifestação humana involuntária, inadvertida e desorganizada, com origem no processo biológico e desenvolvimento no campo de domínio da psicologia. Desse modo, avultam-se, do cotejo, liames da matéria com conhecimentos de trato das ciências exatas, notadamente as ciências matemáticas, e aprofundadamente nas ciências humanas, sendo possível, assim nos parece, viável o estudo do seguro também dentro dos domínios da antropologia, da psicologia, da sociologia, da economia, do Direito e do Estado. A bem demonstrar a ambivalência do seguro, basta alinharmos de início o seu incondicional multilateralismo, assim como a inexpugnável hibridez dos interesses individuais e coletivos que o marcam, os quais ainda se desdobram, como visto, em difusos, tamanha a pujança e abrangência econômico-social que lhe são peculiares, com o seu trato adicional no campo do direito privado. Mesmo em conta do aspecto marcadamente patrimonial que o caracteriza de modo indelével, permite-se atestar que o seguro não se cinge a barreiras de ordem econômica ou cultural, sendo até certo ponto natural a sua expansão para além dos marcos fronteiriços nacionais, com tendência globalizante. Demarcadas as experiências do seguro anglo-saxão, de vocação capitalista e traço individualista ao menos no que toca aos resultados financeiros da operação e o de origem alpina, este centrado no mutualismo, o estudo dirige o seu olhar para os princípios informativos da operação, com destaque para o mutualismo e a solidariedade, essenciais e comuns a qualquer modelo securitário, não sem antes indagar sobre ser de ordem pública toda e qualquer operação de seguro, dada a supremacia do bem comum almejado pela prática e preponderância do aspecto coletivo sobre o individual. PALAVRAS-CHAVE: 1. Homem. 2. Sociedade. 3. Contratualismo. 4. Política. 5. Ética. 6. Economia. 7. Riscos. 8. Seguro. 9. Solidarismo. 10. Mutualismo.

11 ABSTRACT This work is an unfolding and in depth thesis entitled: "The insurance contract and private control of abuse". This thesis was supervised under the guidance of renowned professor Dr. Nelson Nery Junior, MA Law. While we examined insurance contracts under their structures, their principles in which they govern, and in their elements and characteristics, several questions arose about the essence of this legal transaction. The topic lacks peer reviewed literature and academic articles. Therefore, it is a challenging subject and we would like to address the issues of human instinct and find a conformation of human nature in which insurance contracts act. Therefore, the objective of this paper is to challenge of developing a research project about insurance contracts in order to make an analysis and critical reflexion from the psychological factors in which the need for security has developed and in the interest of insurance. The aim of this paper is to discuss the reasons for such practice under a new legal perspective, especially regarding the traditional dichotomy between social insurance and private insurance. In spite of similar economic or legal structures, we noted that insurance is involuntary, inadvertent and disorganized. The origin of insurance is a biological process in which the field of psychology has developed. Moreover, sciences such as mathematics and even humanities and social sciences such as: anthropology, psychology, sociology, economics, law and state, have manifested the issue even further. A good example of insurance law, in which aligns unconditional multilateralism, as well as the impregnable hybrid of individual and collective interests that mark it, unfolds in such that is a breadth and strength of the socio-economic situation that is peculiar to, and in which has additional tract on the field of private law. In regard to the predominant aspect of society, insurance policies cannot be limited to economic or cultural barriers, since they are likely to expand beyond their national border, as a result of globalization. As demonstrated in the instances of the Anglo-Saxon insurance policy, capitalism and individualism at least in financial situations and within the Alpine region, it is centred on the communitarianism. This study looks at the principle information of the operation, and more specifically at mutualism and solidarity, which are essential and common to any model insurance. However, not before inquiring about whether or not an insurance transaction is a good public policy, the interest of the whole must be overlooked by the interest of the individual. Keywords: 1. Man. 2. Society. 3. Contractualism 4. Politics 5. Ethics. 6. Economy. 7. Risks. 8. Insurance. 9. Solidarism 10. Mutualism.

12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO PRIMEIRA PARTE: O HOMEM Capítulo I: Aproximação através da Antropologia I.1. A antropologia como ciência I.2. A Antropologia biológica I.3. A Antropologia sócio-cultural I.3.1. Antropologia arqueológica I.3.2. Arqueologia lingüística Capítulo II: Aproximação através da Psicologia II.1. Propriedades primárias do indivíduo (as faculdades cognitivas humanas) II.1.1. O pensamento II.1.2. A inteligência II.1.3. O conhecimento II.1.4. A consciência II Uma das categorias do espírito humano: a noção de pessoa e do eu II.1.5. A linguagem II.1.6. A liberdade II.2. Os sentimentos, paixões e vícios na órbita do indivíduo: a etiologia da neurose II.2.1. O desamparo e a angústia II.2.2. A violência e o medo II.2.3. O medo e o imaginário do medo II.2.4. Incerteza, insegurança, ansiedade II.2.5. Perigo e risco II.2.6. O homo ludens Capítulo III: Aproximação através da Sociologia III.1. A natureza social do homem III.2. A sociologia como ciência SEGUNDA PARTE: A HUMANIDADE Capítulo I: Em busca de nós mesmos I.1. O mundo através da Mitologia I.2. O mundo através da Filosofia I.3. O mundo através das Ciências I.4. O mundo através das Revoluções TERCEIRA PARTE: A SOCIEDADE Capítulo I:. Conceitos sociológicos fundamentais (contatos, interações, relações e fatos sociais) I.1. Contatos sociais I Isolamento social I.2. Interações sociais ou reciprocidade das ações sociais I.3. Relações sociais I.3.1. Cooperação

13 I.3.2. Competição I.4. Conflitos sociais e modos de superação I.4.1. Adaptação I.4.2. Acomodação I.4.3. Assimilação I.4.4. Aculturação I.5. Fatos sociais Capítulo II: Conceitos sociológicos fundamentais (estrutura, regulamentação e instituições sociais) II.1. Estrutura social II.2. Regulamentação e Controle social II.3. Instituições sociais II.3.1. A Família II.3.2. O Estado II O interesse público e o privado II.3.3. A Igreja II.3.4. Instituições Educacionais II.3.5. Instituições Econômicas Capítulo III: A vida em sociedade III.1. A Cultura III.1.1. Socialização III.2. A linguagem III.2.1. A Comunicação social III A indústria cultural III A ideologia III.3. A Política III.4. O Comércio III.6. A Economia III.6.1. O Capitalismo QUARTA PARTE: O SEGURO Capítulo I: Seguro e segurança: o aspecto semântico Capítulo II: A etiologia do seguro II.1: Angústia, medo, incerteza, insegurança, risco e perigo: crepúsculo da felicidade? II.2: Gestão dos riscos II.2.1. Modos de enfrentamento dos riscos II.2.1.a. Modos de gestão individual de riscos: prevenção e poupança i. Prevenção ii. Retenção iii. Distribuição II.2.1.b. Modos de gestão coletiva de riscos: partilha e transferência i. Partilha dos riscos ii. Transferência dos riscos entre agentes II.2.2. O interesse comunitário no enfrentamento dos riscos

14 II.2.3. A segurança da humanidade através do contrato social II.2.3.a. A fundação da sociedade II.3. Seguro: atomização do contrato social i) Coletivismo ii) Comunitarismo iii) Solidarismo iv) Mutualismo Capítulo III: Manifestação do seguro III.1. O seguro como jogo ou aposta III.2. O seguro técnico i. A empresarialidade ii. Seguro é prestação de serviços iii. Seguro é relação de consumo iv. Obrigação de meio, de resultado ou de garantia? v. Da atividade securitária não resulta risco para a seguradora (teoria da base objetiva do negócio) vi. Contrato multilateral e multitudinário vii. Função social do contrato de seguro viii. Da inexistência de alienação de patrimônio pelo do contrato de seguro III.2.1: O seguro mútuo III.2.2: O seguro mercantil III.2.3: O seguro alpino III.2.4. O seguro social Capítulo IV: O direito do seguro IV.1. O contrato de seguro brasileiro de lega lata IV.2. O contrato de seguro segundo a doutrina IV.3. Jurisprudência do seguro IV.3. O contrato de seguro brasileiro de lege ferenda QUINTA PARTE: CONCLUSÕES BIBLIOGRAFIA

15 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AAA American Association for the Advancement of Science AA.VV. autores vários a.c. antes de Cristo ac. acórdão adap. adaptação ADC Ato das Disposições Constitucionais Transitórias ADIn Ação Direta de Inconstitucionalidade adj. adjetivo; adjunto AGF Assurances Générales de France AGU Advocacia Geral da União al. alemão ALCA Associação de Livre Comércio das Américas ampl. ampliado (a) ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar art./arts. artigo/artigos atual. atualizado (a) BACEN Banco Central do Brasil BGB Código Civil alemão (Bügerliches Gesetzbuch) ca. circa; cerca de; por volta de CADE Conselho Administrativo de Defesa Econômica Câm. Câmara Cap. Capítulo cc. centímetros cúbicos c/c. combinado com CC/16 Código Civil brasileiro (Lei Federal nº 3.071/1916) CC/02 Código Civil brasileiro (Lei Federal nº /2002) CDC Código de Defesa do Consumidor (Lei Federal nº 8.078/90) CECA Comunidade Européia do Carvão e do Aço CEE Comunidade Econômica Européia CEEA Comunidade Européia de Energia Atômica cf. conforme; confira, confronte, compare CF Constituição Federal CF/88 Constituição Federal de 1988 cit. citado; citação civ. civil; cível CONSU Conselho Nacional de Saúde Suplementar CONSIF Confederação Nacional do Sistema Financeiro coord. cordenação; coordenador; coordenadora CMN Conselho Monetário nacional CPC Código de Processo Civil cs. indica pronúncia greco-italiana do x CVM Comissão de Valores Mobiliários D. Dom d.c. depois de Cristo Des. Desembargador (a) DJ Diário da Justiça DL Decreto-lei DNA Deoxyribonucleic acid; no vernáculo Ácido Desoxirribonucleico

16 DM Dissertação de Mestrado DOE Diário Oficial do Estado (citação: abreviatura seguida da sigla do Estado) DOU Diário Oficial da União Dr. Doutor Dra. Doutora EC emenda constitucional ECA/USP Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo ed. edição EDIPUCRS Editora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul EDUNEB Editora da Universidade do Estado da Bahia EEE Espaço Econômico Europeu EFTA Associação Européia do Comércio Livre e.g. exempli gratia em. ementa; ementário epi equipamento de proteção individual est. estadual et. al. e outros Et. Nic. Ética a Nicômaco et. seq. e seguintes EUA Estados Unidos da América Exeg. Exegese FEA-USP Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo fed. federal FGV Fundação Getúlio Vargas FEMAR Fundação de Estudos do Mar (Brasil: Botafogo Rio de Janeiro/RJ) fr. francês FUCAP Faculdades Unidas Capivari - Capivari de Baixo/SC FUNENSEG Fundação Escola Nacional de Seguros geom. geometria gr. grego ibidem; ibid. do mesmo autor, em página diferente ou mesma obra idem; id. referência subsequente de um mesmo autor i.e. isto é inc. inciso in. inglês IRB Instituto de Resseguros do Brasil IRB-Brasil RE IRB Brasil Resseguros S/A. it. italiano j. julgado / julgamento LACP Lei da Ação Civil Pública lat.; lt. latim LC Lei Complementar loc. cit. no trecho citado Maa Milhões de anos MEFP Ministério da Economia, Fazenda e Planejamento MERCOSUL Mercado Comum das Américas Min. Ministro (a) m.v. maioria de votos n.; n número Nm Nome masculino

17 ob. obra obs. observação OIT Organização Internacional do Trabalho ONU Organização das Nações Unidas op. cit.; opus citatm obra citada p.; parágrafo p.; pág. página págs. páginas par. ún. parágrafo único passim por aqui e ali; em diversas passagens Profª. Professora Prof. Professor Prov. provimento PUC/SP Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Rel. Relator (a) res. resolução rev. revisão ou revisado (a) séc.; s. século seç. seção s/d; [s. d.] sem data s/e; [s. e.] sem editora s.f. substantivo feminino sic assim mesmo s.m. substantivo masculino s/n sem número SNSP Sistema Nacional de Seguros Privados SP São Paulo ss. seguintes STF Supremo Tribunal Federal STJ Superior Tribunal de Justiça SUSEP Superintendência de Seguros Privados T. Turma t. tomo TACiv/SP Tribunal de Alçada Civil de São Paulo (extinto) tb. também TCE Tratado da Comunidade Européia tirag. tiragem TJMG Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJRJ Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro TJSP Tribunal de Justiça de São Paulo t.l.a. tradução livre do autor Trad. Tradução; tradutor(a) UFPA Universidade Federal do Pará un. unânime UNCTAD United Nations Conference on Trade anda Development UNESP Universidade do Estado de São Paulo UniFMU/SP Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas - São Paulo v.g. verbi gratia vol. volume v.u. votação unânime

18 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Cameleiros da Mesopotâmia Figura 2 Navios Figura 3 The Lloyd s Coffee House

19 19 INTRODUÇÃO A tarefa não é contemplar o que nunca foi contemplado, mas pensar como ainda não se pensou sobre o que todo mundo tem diante dos olhos. (Schopenhauer) 1 O tema exposto no presente ensaio foi eleito dentre outras alternativas por possibilitar relevante e oportuna discussão em torno da atividade securitária de caráter privado em todo o mundo, sobretudo no que respeita às suas repercussões sociais, econômicas e jurídicas, jornada que se abre ante a perspectiva de releitura e de ressignificação do contrato de seguro, tomado o mesmo a partir dos elementos técnicos e jurídicos envolvidos, com possível revisão da hermenêutica que o envolve desde a sua aparição organizada no Renascimento, tudo com o escopo de sua reconfiguração ou reclassificação no âmbito do Direito. 1 Apud Madeleine Grawitz, Méthodes des Sciences Sociales. Paris: Dalloz, 1981, pág. 347.

20 20 Trata-se, o seguro, de mecanismo de prevenção contra riscos que tem origem no espírito de solidariedade, sentimento inerente ao homem, o que haveria de imprimir conotação exclusivamente comunitária à atividade, modelo em que a solução econômica se constrói pela repartição dos riscos entre uma mutualidade e cujos resultados deveriam reverter exclusivamente para o grupo sob a forma de investimentos e de fomento ao desenvolvimento social equilibrado, meio de cumprimento dos objetivos fundamentais da República que traduzem o escopo do desenvolvimento nacional (CF, art. 3º, I). No entanto, iniciada nos negócios a riscos do mar, a atividade securitária adquiriu o traço da transferência de riscos, modalidade contratual em que a parte tomadora assume para si as consequências adversas oriundas dos riscos eleitos, com objetivo de lucro. Assim, nascida e cultivada em meio ao efervescente comércio marítimo europeu desde os primeiros sinais de esgotamento do modelo feudal, a atividade securitária sempre aguçou a imaginação do homem comum, ao mesmo tempo em que lhe despertava fascínio, especialmente em virtude da elevada margem de prosperidade dos capitalistas financiadores das expedições, via de enriquecimento, porém, que não se abria senão mediante assunção de elevada carga de riscos. Tais circunstâncias cobriam o seguro de admiração e perplexidade, na mesma dimensão de como, nos salões de jogos, as apostas em andamento atraem e mantêm absorta, à volta da roleta, uma boa parcela de admiradores. A trajetória do homem moderno, que assim passou a ser adjetivado em virtude do contexto histórico-social experimentado a partir de fins do século XVIII, tendo passado, e.g., pela Reforma Protestante e pela revolução racionalista cartesiana, encontrou na valorização do indivíduo e da razão os pilares do progresso humano rumo à felicidade, movimento que, embalado pelas

21 21 ideias de Montesquieu e Rousseau, dentre outros, desembocou na Revolução Francesa, marco principal de emergência e de preponderância do indivíduo. Com efeito, consolidados os ideais iluministas, inaugurada a soberania do povo a partir da qual se alicerça o Estado de Direito, desencadeou-se a implantação de governos presididos pela Razão. A esse modelo de Estado incumbe, pois, a função precípua de promover a segurança que o máximo de liberdade individual passou a exigir, respeitado o ideal do laissez-faire, laissez-passer 2, fundamento da garantia de que o fluxo de capital estivesse livre de qualquer interferência do Estado, o que, sabemos, assegurou a ascensão da burguesia. A nosso ver, a despeito de ser prática liberal recorrente a privatização dos lucros e a socialização dos prejuízos, sobressai coerente com os desígnios egoísticos do liberalismo a dicotomização do seguro em público e privado, olvidado, por óbvio, o trinômio iluminista essencial que ditava as palavras de ordem no levante de 1789: liberté, égalité, fraternité. 3 Agora, em tempos de inegável redimensionamento do individualismo jurídico, que se forjou a reboque da Revolução burguesa de 1.789, e de supremacia do mandamento legal da função social do contrato, na sintonia dos princípios constitucionais da Carta Política de 88 e também do recém promulgado Código Civil brasileiro com o seu apego ao princípio da socialidade 4, quer nos parecer enfrentar crise de paradigma o contrato de seguro pautado pela transferência de riscos, mormente se tomarmos a observação sob o ângulo da empresa seguradora como mera administradora de um fundo comunitário, o que desafia a construção de um novo processo de relações entre 2 Deixe à vontade; deixe passar. 3 liberdade, igualdade, fraternidade. 4 Ricardo Bechara dos Santos, na sua obra Direito de Seguro no Novo Código Civil e Legislação Própria, já no preâmbulo da mesma exalta que o princípio da socialidade significa a passagem corajosa de um modelo individualista para um modelo comprometido com a função social do contrato (pág. 1).

22 22 capital, trabalho e Estado, sem perder de vista, nessa mesma dinâmica, os ditames da função social da propriedade e, na sua extensão, da empresa. Tal paradoxo oferece um campo de pesquisa bastante fértil no plano teórico, posto que ainda pouco explorado. Trata-se de tema social, econômico e jurídico de crescente importância, que, bem por isso, interessa não só aos estudiosos e operadores do direito, bem como a toda a sociedade, o que, nesse sentido, exige do investigador uma certa mobilidade do intelecto como pressuposto para a produção de um novo conhecimento em torno do objeto já tido sob o domínio da razão. Seguimos, então, os passos metodológicos sugeridos pelo eminente professor Luciano de Camargo Penteado, Doutor e Mestre pela Universidade de São Paulo USP, que em sua obra do Direito das Coisas, leciona: O direito normalmente tem sido estudado a partir da lei. Parte-se dela para depois, com a citação de jurisprudência, exemplificar o que se passa. Trata-se assim, o caso concreto, de modo residual, dando-se pouco valor à perspectiva judicial que o sistema de direito apresenta. Entretanto, muitas vezes, é preciso inverter a ordem para pensar o direito a partir do caso concreto, para dele extrair as generalizações necessárias ao conhecimento científico do direito. 5 O seguro, a fortiori, está a reclamar esta postura dos estudiosos, tendo em vista que as incontáveis peregrinações em torno do tema mostram marchas e contramarchas sobre as mesmas pegadas e trilhas inicialmente abertas em direção ao seu conhecimento, nada úteis, porém, para desvendar-lhe os mistérios mais evidentes. E nessa linha de propósito, a pesquisa aqui implementada busca se filiar à corrente doutrinária do capitalismo humanista, cujo pensamento orienta estudos voltados aos princípios e fundamentos que sustentam uma teoria do Direito que 5 Op cit. pág. 28.

23 23 harmoniza os aspectos econômicos do capitalismo com os pilares dos direitos humanos e sociais, tudo sob a ótica do capitalismo democrático eleito pela Constituição Federal de 1988, com sustentação nos pilares da soberania, da cidadania, da dignidade da pessoa humana e dos valores sociais da livre iniciativa e do trabalho humano, com vistas a assegurar a todos condições de vida digna, sob os ditames da Justiça Social. 6 Nesse compasso, adotada como referencial teórico a antítese da corrente de pensamento liberal ou neoliberal que defende o livre mercado, assim também expressada com ênfase pela chamada Escola de Chicago 7, neste estudo envidaremos esforço teórico na empreitada de demonstrar o que entendemos, no caso do seguro e em decorrência da visão puramente capitalista, consistir em inconsistência fundamental marcada pela indevida apropriação do instituto do seguro pelo capital, em detrimento do desenvolvimento econômico, social, político e cultural. Para além disso, independentemente da frontal inconsistência teórica acima referida, a mais aguçar as dúvidas em torno da mencionada crise paradigmática do contrato de seguro, tomemos em lembrança as lições de Mauro Cappelletti coligidas em nossa já aludida dissertação de Mestrado O Contrato de Seguro Privado e os Controles de Abusividade 8, as quais dão conta de que a 6 A respeito da Doutrina Humanista de Direito Econômico, vide o Grupo de Estudos de Direito Econômico, da PUC/SP, coordenado pelo eminente Professor Doutor Ricardo Hasson Sayeg. 7 Escola de pensamento econômico monetarista, reunida em torno de Milton Friedman e de outros professores da Universidade de Chicago, e que sustenta a possibilidade de manter-se a estabilidade de uma economia capitalista apenas por meio de medidas monetárias, baseadas nas forças espontâneas do mercado. Milton Friedman, o principal teórico do grupo, considera a provisão de dinheiro o fator central de controle no processo de desenvolvimento econômico. Explica as flutuações da atividade econômica não pelas variações do investimento, mas apenas pelas variações de oferta de dinheiro entendida como a demanda monetária que depende da renda permanente dos agentes econômicos. [...] Apoiando-se numa forte crença nos mecanismos de competição e nas forças do livre mercado, a Escola de Chicago é contrária a qualquer política poskeynesiana de participação do Estado na expansão das atividades econômicas, sustentando que qualquer intervenção desse tipo é inútil e nociva e que apenas uma correta política monetária pode levar à estabilidade econômica. Além de Friedman, destacamse na Escola de Chicago Henry Simons, F. A. von Hayek, Frank Knight e George Stigler. (Paulo Sandroni, Dicionário de Economia...,; op. cit. págs. 305/306, verbete : Escola de Chicago. 8 Cláudio Ganda, O Contrato de Seguro Privado e os Controles de Abusividade. São Paulo: PUC/SP, Dissertação de Mestrado, referida neste ensaio, doravante, simplesmente com a abreviatura DM.

24 24 tradicional dicotomia do interesse em público (o indivíduo em relação ao Estado) e privado (os indivíduos em inter-relação) sofreu acentuada transformação, pois entre eles passaram a ser vislumbrados os interesses intermediários que transbordam daqueles meramente individuais, sem, contudo, alcançar a categoria de interesse público, fazendo emergir os direitos metaindividuais ou interesses de grupos de indivíduos. 9 De fato: Há um momento no qual os interesses individuais, agrupando-se, despojam-se de sua carga de egoísmo, para formar um novo ente: o interesse coletivo. Aí, não se trata de um reforço à tutela dos interesses individuais, conferido pelo grupo, mas da defesa de um interesse que depassa a mera soma dos interesses pessoais, agrupados. Esses interesses coletivos encontram seu lugar a meio caminho entre os interesses particulares e o interesse público ou geral No caso das operações de seguro, certo que os interesses nelas enfeixados extravasam os dos sujeitos comumente eleitos, a saber, segurados e seguradora, vemos sobressair aqueles próprios do conjunto dos segurados que, em última análise, é titular da formação do fundo comum de que se vale a seguradora para garantir o ressarcimento de sinistros cobertos e, assim, adimplir com um dos aspectos de sua obrigação de promover a garantia contratada. Visto sob esta lente, não é menos certo que a seguradora, no papel de agente do pagamento da importância segurada, por exemplo, dela não é titular, posto que o faz por terceiro, no caso a mutualidade de segurados. Nessa perspectiva, forçoso concluir que se a seguradora ressarci mal um sinistro, enriquece indevidamente o segurado, em prejuízo da comunidade dos seus segurados, já que o faz com recursos do fundo comum; no viés oposto, 9 Formações sociais e interesses coletivos diante da justiça civil. São Paulo: Revista de Processo v. 2, nº 5, págs. 129/159, Jan./Mar Rodolfo de Camargo Mancuso, Interesses Difusos.Conceito e legitimação para agir, págs. 46/47.

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

Edino Cezar Franzio de Souza

Edino Cezar Franzio de Souza Edino Cezar Franzio de Souza Advogado e Professor em Brasília (DF) Mestre em Processo Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo Especialização (stricto sensu) em Integração Econômica

Leia mais

CARLOS VALDER DO NASCIMENTO. A Lei da Ficha Limpa. Ilhéus-Bahia

CARLOS VALDER DO NASCIMENTO. A Lei da Ficha Limpa. Ilhéus-Bahia CARLOS VALDER DO NASCIMENTO 02 A Lei da Ficha Limpa Ilhéus-Bahia 2014 Copyright 2014 by Carlos Valder do Nascimento Direitos desta edição reservados à EDITUS - EDITORA DA UESC A reprodução não autorizada

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Cód. barras: STJ00095109 (2012) Sumário. Introdução - O que faz bela a catedral do Direito?... 23

Cód. barras: STJ00095109 (2012) Sumário. Introdução - O que faz bela a catedral do Direito?... 23 Cód. barras: STJ00095109 (2012) Sumário Apresentação... 17 Introdução - O que faz bela a catedral do Direito?... 23 I. DIREITOS HUMANOS, ÉTICA E JUSTiÇA Capítulo 1. Os direitos naturais do ser humano e

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões

5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões 5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões A crise do princípio da legalidade: a Lei nº 9.656/98 está vigindo? Os juízes podem deixar de observá-la, com fundamento

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

Carta da Terra. www.oxisdaquestao.com.br PREÂMBULO

Carta da Terra. www.oxisdaquestao.com.br PREÂMBULO 1 www.oxisdaquestao.com.br Carta da Terra PREÂMBULO Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1 REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1 Jefferson Alves Batista 2 Resumo: Este artigo busca analisar a partir da obra do Antropólogo Luiz Gonzaga de Mello o conceito antropológico de Cultura.

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

Saúde: Dever do Estado - Caráter suplementar da iniciativa privada

Saúde: Dever do Estado - Caráter suplementar da iniciativa privada 60 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 6 Judicialização da Saúde - Parte I Saúde: Dever do Estado - Caráter suplementar da iniciativa privada Andréia Magalhães Araújo 1 As palestras do curso foram ministradas,

Leia mais

ENTIDADES PARAESTATAIS

ENTIDADES PARAESTATAIS ENTIDADES PARAESTATAIS I) CONCEITO Embora não empregada na atual Constituição Federal, entidade paraestatal é expressão que se encontra não só na doutrina e na jurisprudência, como também em leis ordinárias

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 TÍTULO DO TRABALHO A possibilidade de revisão dos contratos agrários sob o argumento de descumprimento da função social do contrato 2 AUTORES Andrea Tavares

Leia mais

Traçar um quadro histórico dos estudos de sânscrito desenvolvidos

Traçar um quadro histórico dos estudos de sânscrito desenvolvidos O curso de Sânscrito MARÍA VALíRIA ADERSON DE MELLO VARGAS Traçar um quadro histórico dos estudos de sânscrito desenvolvidos na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO

DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO 1 2 Divo Augusto Cavadas Advogado no Rio de Janeiro. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais (FND/UFRJ). Pós-graduação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CÍVEL Nº 550822-PE (2001.83.00.010096-5) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO : LUZIA DOS SANTOS SANTANA ADV/PROC : SEM ADVOGADO/PROCURADOR

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o, DE 2013

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o, DE 2013 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o, DE 2013 (Do Sr. SEBASTIÃO BALA ROCHA) Dá nova redação ao art. o 170 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do art. 60 da Constituição Federal,

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA SENADOR MARCO MACIEL MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA 1990 ~7C[NTROGRAflCO ~ [X) 5l:NAOO federal a nos OS 1308/90 o AUTOR Marco Maciel foi estudante de ativa participação, tendo sido eleito duas vezes

Leia mais

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO EM BUSCA DA PAZ E DA JUSTIÇA Maria Avelina Imbiriba Hesketh 1 1. Introdução A prestação jurisdicional efetiva é uma questão de Justiça Social. Antes de entrar no

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC?

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? Alessandra Fernandes Hendler 1 1 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da economia e o aumento das relações negociais, os contratos securitários tomaram grande

Leia mais

Slide 1. Slide 2. Slide 3. Verbo jurídico Metodologia da pesquisa. Conteúdo programático. Bibliografia básica. Prof. Me.

Slide 1. Slide 2. Slide 3. Verbo jurídico Metodologia da pesquisa. Conteúdo programático. Bibliografia básica. Prof. Me. Slide 1 Verbo jurídico Metodologia da pesquisa Prof. Me. Walter Corrêa Slide 2 Conteúdo programático noção de pesquisa científica; estrutura do projeto, escolha do tema, métodos de pesquisa, coleta de

Leia mais

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR Oeiras, Agosto de 2010 Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Regulamento interno de ética e boas práticas Introdução O presente regulamento de ética e deontologia elaborado

Leia mais

A CONSTITUCIONALIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA:

A CONSTITUCIONALIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA: BURGOS, Marcelo Baumann. A constitucionalização da escola pública: notas para uma agenda de pesquisa. Boletim CEDES [on-line], Rio de Janeiro, maio de 2009, pp. 20-30. Acessado em: (...) Disponível em:

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

Da competência privativa da União

Da competência privativa da União Opinião 38 Da competência privativa da União Para legislar sobre seguros ALESSANDRA CARNEIRO A autonomia das entidades federativas pressupõe repartição de competências para o exercício e desenvolvimento

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

O TERCEIRO SETOR Breves considerações. Nelson R. Bugalho Promotor de Justiça e Professor Universitário Mestrando em Direito

O TERCEIRO SETOR Breves considerações. Nelson R. Bugalho Promotor de Justiça e Professor Universitário Mestrando em Direito O TERCEIRO SETOR Breves considerações Nelson R. Bugalho Promotor de Justiça e Professor Universitário Mestrando em Direito SUMÁRIO: I- Introdução; II- A ética da responsabilidade social; III- O Terceiro

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE DIREITO ALEJANDRO KNAESEL ARRABAL VERTENTES FILOSÓFICAS DO DIREITO AUTORAL

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE DIREITO ALEJANDRO KNAESEL ARRABAL VERTENTES FILOSÓFICAS DO DIREITO AUTORAL Margens: Esquerda e superior 3 cm, direita e inferior 2cm. UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE DIREITO ALEJANDRO KNAESEL ARRABAL Fonte: Times New Roman 12 VERTENTES

Leia mais

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias 1 discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO (25.07.01) Senhoras, Senhores: A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias do dia-a-dia o desafio de construir o direito vivo, para que melhor

Leia mais

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP Mestre em Serviço Social pela Faculdade de História, Direito e Serviço Social/UNESP

Leia mais

Servidores Públicos do Rio Grande do Sul: direito ao reajuste do vale-refeição e diferenças retroativas

Servidores Públicos do Rio Grande do Sul: direito ao reajuste do vale-refeição e diferenças retroativas Servidores Públicos do Rio Grande do Sul: direito ao reajuste do vale-refeição e diferenças retroativas Rodrigo Ortiz Saldanha Pós-graduado em Direito Tributário pela UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

AS GERAÇÕES DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E O ESTADO COMO SEU DESTINATÁRIO. Filipo Bruno Silva Amorim

AS GERAÇÕES DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E O ESTADO COMO SEU DESTINATÁRIO. Filipo Bruno Silva Amorim AS GERAÇÕES DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E O ESTADO COMO SEU DESTINATÁRIO. Filipo Bruno Silva Amorim AS GERAÇÕES DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E O ESTADO COMO SEU DESTINATÁRIO. UMA BREVE REFLEXÃO Filipo Bruno

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Discurso na cerimónia de posse

Leia mais

FÁBIO KONDER COMPARATO

FÁBIO KONDER COMPARATO FÁBIO KONDER COMPARATO Ética Direito, moral e religião no mundo moderno COMPANHIA DAS LETRAS Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CJP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Comparato,

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul Direito à Imagem dos médicos. Filmagem do ato médico. Relações jurídicas distintas. Possibilidade de recusa do médico. Impossibilidade de cobrança. Enfraquecimento da relação médicopaciente. Precedente

Leia mais

FUNCIONALISMO E ESTRUTURALISMO

FUNCIONALISMO E ESTRUTURALISMO FUNCIONALISMO E ESTRUTURALISMO OBJETIVO: Esta aula tem por objetivo expor aos estudantes de Administração e Direito os fundamentos de duas teorias que conferiram um grau maturidade para pensamento antropológico

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios A seguir inclui-se o texto completo da Declaração de Princípios assinada pelos os Chefes de Estado e de Governo que participaram da Primeira

Leia mais

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA Shirlene Marques Velasco * RESUMO: O objetivo do trabalho é abordar alguns questionamentos que se apresentam na relação entre Constituição e democracia.

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009.

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestrante: Profa. Dra. Gisele Mascarelli Salgado. GISELLE MASCARELLI SALGADO:

Leia mais

Saúde, vida e patrimônio. A convicção de que o direito à vida é superior ao direito patrimonial é lógica. Mais

Saúde, vida e patrimônio. A convicção de que o direito à vida é superior ao direito patrimonial é lógica. Mais Saúde, vida e patrimônio. Marcelo Moscogliato. (Artigo publicado pelo Ministério da Saúde no Boletim de Direitos Humanos nº 01, de Maio de 1997, em Brasília DF.) A convicção de que o direito à vida é superior

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO 1 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome Curso HISTÓRIA DO DIREITO DIREITO Código DIR

Leia mais

Perícia Contábil e os Métodos: Experimental e do Raciocínio Contábil

Perícia Contábil e os Métodos: Experimental e do Raciocínio Contábil Perícia Contábil e os Métodos: Experimental e do Raciocínio Contábil Prof. Me. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresenta-se uma concisa análise sobre a necessidade da aplicação de método científico,

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.092.127 - SP (2008/0220476-5) RECORRENTE RECORRIDO REPR. POR : AMIL ASSISTÊNCIA MÉDICA INTERNACIONAL LTDA : MARIA CAROLINA SULETRONI E OUTRO(S) : SÉRGIO MELONE OLGAS - ESPÓLIO : NIVEA

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

Da competência privativa da União para legislar sobre seguros

Da competência privativa da União para legislar sobre seguros Da competência privativa da União para legislar sobre seguros A autonomia das entidades federativas pressupõe repartição de competências para o exercício e desenvolvimento de sua atividade normativa. (HORTA,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 0037321-84.2011.8.19.0000 1ª

QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 0037321-84.2011.8.19.0000 1ª 1ª Vara Cível de Nova Iguaçu Agravante: Sindicato dos Empregados no Comércio de Duque de Caxias São João de Meriti Magé e Guapimirim Agravado: Supermercados Alto da Posse Ltda. Relator: DES. MILTON FERNANDES

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO 1 Conteúdos conceituais ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO PSICOLÓGICO Definição dos conceitos de conhecimento científico e de senso comum; Estudo do processo de obtenção

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais