CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPCT DIREN COSEA COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPCT DIREN COSEA COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II"

Transcrição

1 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPCT DIREN COSEA COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II NORMAS REGULAMENTADORAS DAS GRADUAÇÕES NO CORPO DE ALUNOS Normatiza os procedimentos a serem adotados na concessão das graduações no âmbito do Corpo de Alunos, a partir do 6º Ano do Ensino Fundamental até a 3ª Série do Ensino Médio e dá outras providências. Art. 1º Visando motivar e recompensar a aplicação nos estudos, assim como o bom comportamento dos integrantes discentes do Corpo de Alunos do CMDPII, fica instituído a graduação à semelhança da hierarquia militar. Parágrafo Único. As graduações serão distribuídas de Cabo-aluno a Tenentecoronel-aluno. Art. 2º Os alunos graduados receberão os símbolos, que constam no Anexo 1, em seus uniformes em solenidade pública, no início de cada semestre letivo, os quais poderão ostentar até a solenidade de início do próximo semestre letivo. Parágrafo Único Os três melhores classificados do 1º semestre do 6º Ano do EF, receberão os símbolos em seus uniformes na formatura de início do 2º semestre letivo. Art. 3º O quantitativo numérico a ser graduado será fixado dento de cada ano ou série, anualmente, pelo Comandante do Colégio, ouvindo a Secretaria Escolar, à semelhança do contido no Anexo 2 da presente Norma. 1º O quantitativo a que se refere este artigo observará os seguintes percentuais máximos, relativos ao efetivo existente, em cada série ou ano: 1. 10% para o EM e EF II, com exceção do 6º Ano; 2. 1º, 2º e 3º lugares do 1º semestre do 6º Ano. Brasília Patrimônio Cultural da Humanidade SAIS Quadra 03 Academia de Bombeiro Militar CEP Tel: /8695

2 3. O primeiro classificado receberá graduação exclusiva dentro do seu segmento escolar. 4. Em cada ano ou série serão distribuídas graduações específicas conforme previsto no Anexo 2 da presente Norma. 2º A data limite para a divulgação do quantitativo a ser graduado no ano letivo seguinte, para cada série ou ano, será tornado público até o fim da primeira quinzena do mês de novembro. 3º A ausência de manifestação na data estipulada resultará na manutenção do último quantitativo praticado ano. Art. 4º O aluno que satisfizer as condições abaixo poderá ser candidato às graduações: 1. Estar, ao final do Semestre Letivo estabelecido pelo Calendário Escolar, no Grau de Comportamento EXCEPCIONAL ou ÓTIMO; 2. Não tenha atingido o limite de pontos perdidos por faltas aos trabalhos escolares; zero); 3. Obtenha Nota Geral do Semestre (NGS) 1 maior ou igual a 7,0 (sete vírgula 4. Obtenha Nota Semestral maior ou igual a 6,0 (seis vírgula zero) em cada disciplina, não realizando para isso a modalidade de recuperação escolar; 5. Tenha cursado integralmente, no CMDPII, o ano letivo imediatamente anterior à classificação de graduação; Art. 5º O grau de graduação (GGRAD), com aproximação até milésimo, a partir do 6º Ano do Ensino Fundamental, será expresso pela media aritmética ponderada das seguintes notas: 1. Média Geral do Semestre (NGS) com peso 2 (dois); 2. Grau de comportamento com peso 1 (um); Art. 6º A classificação para as graduações será apreciada dentro de cada ano ou série, observado para isso o GGRAD. Em caso de empate, serão utilizados os seguintes critérios, na seqüência: 1. Maior Nota Geral Semestre (NGS); 1 NGS é valor numérico obtido pela média aritmética simples de todas as disciplinas escolares durante o semestre letivo. Brasília Patrimônio Cultural da Humanidade SAIS Quadra 03 Academia de Bombeiro Militar CEP Tel: /8695

3 2. Maior Grau de Comportamento; 3. Maior graduação anterior; 4. Maior idade. Art. 7º Os alunos graduados perdem essa honraria, quando: 1. Por faltas disciplinares, ingressarem no comportamento BOM (grau menor que 6,0); 2. Por decisão do Comandante do Colégio, motivado pelo Comandante do CA, por falta disciplinar grave, sejam considerados incompatíveis com a condição de alunos graduados; Art. 8º Para efeito de hierarquia, os alunos dos anos mais adiantados tem precedência sobre os de outros anos, em todas as circunstâncias, exceto no âmbito do Grupamento Escolar, quando haverá precedência de graduações. 1º Os segmentos escolares são independentes entre si. 2º A hierarquia de que se trata o caput refere-se a organização interna, não significando qualquer tipo de gerenciamento dos anos ou séries mais adiantadas sobre as demais. Art. 9º O comandante-aluno será um Tenente-coronel-aluno. 1. O comandante-aluno do 1º semestre do ano letivo será aquele que obtiver o maior GGRAD ao término da 2ª Série do Ensino Médio; 2. O comandante-aluno do 2º semestre do ano letivo será aquele que obtiver o maior GGRAD ao término do 1º semestre da 3ª Série do Ensino Médio; 3. No caso do comandante-aluno do 2º semestre não ser o Tenente-coronelaluno, este deverá ser graduado como tal; 4. O Tenente-coronel-aluno, mesmo não sendo o comandante-aluno, não perderá esta graduação, exceto nos casos previstos no Art. 9º da Presente Norma. Art. 10º São prerrogativas do comandante-aluno: 1. Comandar em qualquer tipo de representação do CMDPII o Grupamento de Alunos. 2. Acessar ao Comandante do Colégio; Chefe do Departamento de Ensino e ao Comandante do Corpo de Alunos; Brasília Patrimônio Cultural da Humanidade SAIS Quadra 03 Academia de Bombeiro Militar CEP Tel: /8695

4 3. Obter a Bolsa Comandante Aluno; Art. 11 São prerrogativas do aluno graduado: 1. Formar em posição de destaque dentro do Grupamento Escolar; 2. Comandar em qualquer tipo de representação do CMDPII quando possuir a maior graduação; 3. Ostentar um dos Pavilhões que compõem a Guarda-Bandeira, quando graduado acima de 2º Ten. Art. 12 São obrigações do aluno graduado: 1. Ser exemplo de conduta para os demais alunos; 2. Cultivar os bons costumes no seio de seus relacionamentos; 3. Observar rigorosamente as Normas Escolares Vigentes; 4. Dedicar-se com esmero nas atividades escolares, esportivas, culturais e cívicas propostas pelo Colégio. Art.13 Os casos omissos serão dirimidos pelo Comandante do CMDPII. Art. 14 A presente Norma entra em vigor na presente data, revogando-se as disposições em contrário. Brasília-DF, em 18 de dezembro de Paulo CÉSAR da SILVA Júnior Ten-Cel. QOBM/Comb. Comandante do COSEA e Diretor do CMDPII Brasília Patrimônio Cultural da Humanidade SAIS Quadra 03 Academia de Bombeiro Militar CEP Tel: /8695

5 1) Comandante-Aluno: 1.a) A luva em tonalidade azul do mesmo utilizado já pelo Colégio. Desta forma 1.b) Para o uniforme diário, a heráldica é composta de 5 (cinco) listras douradas espessas de 10mm de largura por 40mm de comprimento cada uma, com intervalo de 5mm entre as mesmas. 1.c) Esta heráldica deverá ser centralizada na luva; 1.d) Para a túnica, a heráldica é a mesma. 2) Tenente-Coronel-Aluno 2.a) A luva em tonalidade azul do mesmo utilizado já pelo Colégio. Desta forma 2.b) Para o uniforme diário, a heráldica é composta de 5 (cinco) listras brancas espessas de 10mm de largura por 40mm de comprimento cada uma, com intervalo de 5mm entre as mesmas. 2.c) Esta heráldica deverá ser centralizada na luva; 2.d) Para a túnica, a heráldica é a mesma sendo que as listras serão douradas.

6 3) Major-Aluno: 3.a) A luva em tonalidade azul do mesmo utilizado já pelo Colégio. Desta forma 3.b) Para o uniforme diário, a heráldica é composta de 4 (quatro) listras brancas espessas de 10mm de largura por 40mm de comprimento cada uma, com intervalo de 5mm entre as mesmas. 3.c) Esta heráldica deverá ser centralizada na luva; 4.c) Para a túnica, a heráldica é a mesma sendo que as listras serão douradas. 4) Capitão-Aluno: 4.a) A luva em tonalidade azul do mesmo utilizado já pelo colégio. Desta forma 4.b) Para o uniforme diário, a heráldica é composta de 3 (três) listras brancas espessas de 10mm de largura por 40mm de comprimento cada uma, com intervalo de 5mm entre as mesmas. 4.c) Esta heráldica deverá ser centralizada na luva; 4.c) Para a túnica, a heráldica é a mesma sendo que as listras serão douradas.

7 5) 1º Tenente-Aluno: 5.a) A luva em tonalidade azul do mesmo utilizado já pelo colégio. Desta forma 5.b) Para o uniforme diário, a heráldica é composta de 2 (duas) listras brancas espessas de 10mm de largura por 40mm de comprimento cada uma, com intervalo de 5mm entre as mesmas. 5.c) Esta heráldica deverá ser centralizada na luva; 5.d) Para a túnica, a heráldica é a mesma sendo que as listras serão douradas. 6) 2º Tenente-Aluno: 6.a) A luva em tonalidade azul do mesmo utilizado já pelo Colégio. Desta forma 6.b) Para o uniforme diário, a heráldica é composta de 1 (uma) listra branca espessa de 10mm de largura por 40mm de comprimento. 6.c) Esta heráldica deverá ser centralizada na luva; 6.d) Para a túnica, a heráldica é a mesma sendo que a listra será dourada.

8 7) Subtenente-Aluno 7.a) A luva em tonalidade branca. Desta forma mantemos as cores tradicionalmente utilizadas nas divisas que identificam o Ensino Fundamental. 7.b) Para o uniforme diário, a heráldica é composta de um triângulo eqüilátero (três lados iguais) com 35mm de lado com espessura de 6mm, na cor azul (mesma tonalidade tradicionalmente usada pelo Colégio), acompanhado de com 1 (uma) listra azul (mesma tonalidade tradicionalmente usada pelo Colégio) com espessura de 6mm de largura por 40mm de comprimento, com intervalo de 3mm entre a base do triângulo e a listra. 7.c) Esta heráldica deverá ser centralizada na luva; 7.d) Para a túnica, a heráldica é a mesma sendo que o triângulo e as listras serão douradas. 8) 1º Sargento-Aluno 8.a) A luva em tonalidade branca. Desta forma mantemos as cores tradicionalmente utilizadas nas divisas que identificam o Ensino Fundamental. 8.b) Para o uniforme diário, a heráldica é composta de 5 (cinco) listras azuis (mesma tonalidade tradicionalmente usada pelo Colégio) com espessura de 6mm de largura por 40mm de comprimento cada uma, com intervalo de 3mm entre as mesmas. 8.c) Esta heráldica deverá ser centralizada na luva; 8.d) Para a túnica, a heráldica é a mesma sendo que as listras serão douradas.

9 9) 2º Sargento-Aluno 9.a) A luva em tonalidade branca. Desta forma mantemos as cores tradicionalmente utilizadas nas divisas que identificam o Ensino Fundamental. 9.b) Para o uniforme diário, a heráldica é composta de 4 (quatro) listras azuis (mesma tonalidade tradicionalmente usada pelo Colégio) com espessura de 6mm de largura por 40mm de comprimento cada uma, com intervalo de 3mm entre as mesmas. 9.c) Esta heráldica deverá ser centralizada na luva; 9.d) Para a túnica, a heráldica é a mesma sendo que as listras serão douradas. 10) 3º Sargento-Aluno 10.a) A luva em tonalidade branca. Desta forma mantemos as cores tradicionalmente utilizadas nas divisas que identificam o Ensino Fundamental. 10.b) Para o uniforme diário, a heráldica é composta de 3 (três) listras azuis (mesma tonalidade tradicionalmente usada pelo Colégio) com espessura de 6mm de largura por 40mm de comprimento cada uma, com intervalo de 3mm entre as mesmas. 10.c) Esta heráldica deverá ser centralizada na luva; 10.d) Para a túnica, a heráldica é a mesma sendo que as listras serão douradas.

10 11) Cabo-Aluno 11.a) A luva em tonalidade branca. Desta forma mantemos as cores tradicionalmente utilizadas nas divisas que identificam o Ensino Fundamental. 11.b) Para o uniforme diário, a heráldica é composta de 2 (duas) listras azuis (mesma tonalidade tradicionalmente usada pelo Colégio) com espessura de 6mm de largura por 40mm de comprimento cada uma, com intervalo de 3mm entre as mesmas. 11.c) Esta heráldica deverá ser centralizada na luva; 11.d) Para a túnica, a heráldica é a mesma sendo que a listra será dourada.

11 ANEXO 2 DISTRIBUIÇÃO DO QUANTITATIVO DAS GRADUAÇÕES NO CORPO DE ALUNOS DO CMDPII A 1 B C TOTAL 2 Porcentagem Fixo 2% 3% 4% 3ª S EM (1) TC AL (2) MAJ AL (3) CAP AL (4) 1º TEN AL 2ª S EM (1) CAP AL (2) 1º TEN AL (3) 2º TEN AL (4) ST AL 1ª S EM (1) 1º TEN AL (2) 2º TEN AL (3) ST AL (4) 1º SGT AL +/- 10 9º A FUND (1) 2º TEN AL (2) ST AL (3) 1º SGT AL (4) 2º SGT AL 8º A FUND (1) 1 ST AL (2) 1º SGT AL (3) 2º SGT AL (4) 3º SGT AL 7º A FUND 3 (1) 2º SGT AL (2) 3º SGT AL (3) CB AL (4) CB AL 6º A FUND 4 Somente no 2º Semestre: 1º Lugar: 3º Sargento Al; 2º Lugar: Cabo Al; 3º Lugar: Cabo Al 3 1 O Quantitativo representado na tabela pela Coluna A indica os primeiros colocados de cada segmento escolar, segundo o GGRAD, por isso não sofrerão variação na distribuição proporcional. 2 Esta Coluna que indica o total aproximado considerando que cada segmento com 100 alunos. 3 No 7º Ano EF a graduação de Cabo-Aluno corresponde a 7%, por isso há repetição da graduação nas colunas de 3% e 4%. 4 No 6º Ano EF o quantitativo graduado é absoluto. Apenas os três melhores classificados são graduados, e isto ocorre no segundo semestre do ano letivo.

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPCT DIREN COSEA COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPCT DIREN COSEA COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPCT DIREN COSEA COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II NORMAS REGULAMENTADORAS DAS GRADUAÇÕES ESCOLARES DO CORPO DE ALUNOS Normatiza os procedimentos a serem adotados

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

Faculdade Marista Regulamento de Monitoria

Faculdade Marista Regulamento de Monitoria Faculdade Marista Regulamento de Monitoria INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente Regulamento regula e disciplina a atividade acadêmica da MONITORIA para estudantes do Cursos de Graduação da Faculdade Marista,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5 152 de 2111011966 São Luís - Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5 152 de 2111011966 São Luís - Maranhão Fundação Instituída nos termos da Lei 5 152 de 2111011966 RESOLUÇÃO No 487-CONSEPE, de 29 de agosto de 2006. Regulamenta procedimentos e critérios do Processo Seletivo Vestibular Especial para ingresso

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇOES GERAIS

CAPITULO I DISPOSIÇOES GERAIS RESOLUÇAO N. 05/2013 Estabelece os critérios do Prêmio Acadêmico Nota 10 da FACDO - Faculdade Católica Dom Orione. O Diretor Geral da Faculdade Católica Dom Orione, no uso de suas atribuições legais, estatutárias

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO INTERNA Nº 03/2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO INTERNA Nº 03/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO INTERNA Nº 03/2014 Aprova a Resolução Interna que regulamenta normas complementares para o trabalho da Comissão de Bolsas e Acompanhamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 01 DE 12 DE AGOSTO DE 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 01 DE 12 DE AGOSTO DE 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 01 DE 12 DE AGOSTO DE 2015 EMENTA: Estabelece critérios para a operacionalização da Monitoria Voluntária, com vistas ao ano

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO Art. 1º O Sistema de Avaliação tem por objetivo acompanhar o processo de ensinoaprendizagem, visando ao desenvolvimento

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 158/2013

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 158/2013 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 158/2013 Dispõe sobre as normas e fixa o calendário e o número de vagas do Processo Seletivo/2014 para o Curso de Medicina da Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES DIRETORIA ACADÊMICA

FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES DIRETORIA ACADÊMICA FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES DIRETORIA ACADÊMICA TRINDADE-GO, 2015 FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES DIRETORIA ACADÊMICA Normativa complementar ao Art. 83 do Regimento Interno, sobre a avaliação do desempenho acadêmico

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO NORMAS SOBRE O REGIME DIDÁTICO DAS VERIFICAÇÕES DAS NOTAS

FACULDADE DE DIREITO NORMAS SOBRE O REGIME DIDÁTICO DAS VERIFICAÇÕES DAS NOTAS NORMAS SOBRE O REGIME DIDÁTICO DAS VERIFICAÇÕES DAS NOTAS Art.1º A avaliação do aproveitamento dos alunos será feita por disciplina, abrangendo, além da assiduidade, provas de verificação de conhecimentos.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO SOCIAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO SOCIAL 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO SOCIAL REGULAMENTO DE CONCESSÃO, RENOVAÇÃO E CANCELAMENTO DE BOLSAS DISCENTES Este regulamento trata-se de critérios

Leia mais

RESOLUÇÃO N 92/13 CEPE

RESOLUÇÃO N 92/13 CEPE RESOLUÇÃO N 92/13 CEPE Aprova normas de dispensa de Disciplinas, de Equivalência de Disciplinas, de Exames de Adiantamento e Aproveitamento de Conhecimento nos cursos de graduação da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MAIO / 2015 REGULAMENTO DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS Art. 1º: Aproveitamento de estudos é o resultado do reconhecimento da equivalência

Leia mais

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Ibmec-MG é o órgão responsável pela

Leia mais

2º. Seção 2 - Das Inscrições Artigo 2º. Artigo 3º. Artigo 4º. Seção 3 Da Constituição da Comissão de Bolsas/Capes Artigo 5º. Artigo 6º.

2º. Seção 2 - Das Inscrições Artigo 2º. Artigo 3º. Artigo 4º. Seção 3 Da Constituição da Comissão de Bolsas/Capes Artigo 5º. Artigo 6º. EDITAL Nº. 47/2014 Processo Seletivo Discente Concessão de Benefícios do Prosup, Bolsas e Taxas Curso de Mestrado do No período de 6 a 20 de maio de 2014, estarão abertas as inscrições para o processo

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEFS Nº 01/2014 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO 06

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEFS Nº 01/2014 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO 06 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física [Polo 06] EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEFS Nº 01/2014 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008 Disciplina a ocupação de cargos e funções militares, a concessão da Gratificação de Exercício em Cargo

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 034/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 034/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 034/2015 Dispõe sobre as normas e fixa o calendário e o número de vagas para a realização do Processo Seletivo de Inverno 2015 para o curso de Medicina da Universidade de Taubaté.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 06/2008 Estabelece critérios para o Processo Seletivo de Ingresso Extravestibular 2008 para os cursos de Graduação da UNIVASF O DA UNIVASF no uso de suas atribuições, e cumprindo o disposto

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS EDITAL N o 002/2015 ANEXO 01

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS EDITAL N o 002/2015 ANEXO 01 ANEXO 01 NORMAS DO PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA PUC-CAMPINAS REMANEJAMENTO INTERNO 2 o SEMESTRE DE 2015 CAPÍTULO I DO CALENDÁRIO Art. 1 o Constitui o Calendário do Processo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA EVANGÉLICA

ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA EVANGÉLICA PORTARIA nº. 004 Presidência AEE Biênio 2012-2014, de 27 de abril de 2012. Normatiza concessão da bolsa filantropia e descontos no âmbito da Associação educativa Evangélica. O Presidente da Associação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO- BRASILEIRA UNILAB INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS EDITAL 06/2013 SELEÇÃO DE ESTUDANTES BOLSISTAS PARA O NÚCLEO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES DELIBERAÇÃO Nº 013/2006 CONSELHO DEPARTAMENTAL EM 28 DE ABRIL DE 2006

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MEDALHA SERVIÇO BOMBEIRO MILITAR ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DECRETO Nº 18.428 São Luís, 03 de dezembro de 2001. Regulamenta o art. 158,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO N.º 700/2009 Publicada no D.O.E. de 07-07-2009, p.16 Altera a Resolução nº 507/07 CONSU, que aprova o Regulamento de Monitorias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO. INGRESSO DE DISCENTES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2010 2º semestre EDITAL N 64 / 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO. INGRESSO DE DISCENTES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2010 2º semestre EDITAL N 64 / 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO INGRESSO DE DISCENTES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2010

Leia mais

EDITAL FACOM / PPGCO Nº 006/2014 SELEÇÃO DE BOLSISTAS DE DOUTORADO

EDITAL FACOM / PPGCO Nº 006/2014 SELEÇÃO DE BOLSISTAS DE DOUTORADO EDITAL FACOM / PPGCO Nº 006/2014 SELEÇÃO DE BOLSISTAS DE DOUTORADO A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação da Faculdade de Computação da Universidade Federal de Uberlândia faz

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 004/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 004/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 004/2012. Normatiza, no âmbito da Pró- Reitoria de Graduação, o aproveitamento de estudos para os Cursos de Graduação da Unitins. O REITOR DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DISCENTE

REGULAMENTO INSTITUCIONAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DISCENTE UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DISCENTE São Paulo 2012 Art. 1º. A avaliação dos resultados de aprendizagem, parte integrante

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

Regulamento do Programa de Bolsas de Estudos da Faculdade de Tecnologia Bandeirantes

Regulamento do Programa de Bolsas de Estudos da Faculdade de Tecnologia Bandeirantes Regulamento do Programa de Bolsas de Estudos da Faculdade de Tecnologia Bandeirantes Art.1º. O presente regulamento disciplina o processo de inscrição e seleção de candidatos para o Programa de Bolsa de

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CÂMARA DE MONITORIA NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - Complementar a formação acadêmica do aluno, na área de seu

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar a monitoria, no âmbito

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 01-2016

EDITAL DE SELEÇÃO 01-2016 EDITAL DE SELEÇÃO 01-2016 Estabelece as normas e condições para o Processo Seletivo nos Cursos de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em da UFRB, para ingresso no semestre acadêmico 2016.1. A Universidade

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA I - INTRODUÇÃO Art. 1º Art. 2º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares do Curso de

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

Colégio Militar Dom Pedro II. Calendário interno do 6º e 7º ano. Ensino Fundamental - ALUNO - 1- Confraternização universal

Colégio Militar Dom Pedro II. Calendário interno do 6º e 7º ano. Ensino Fundamental - ALUNO - 1- Confraternização universal Colégio Militar Dom Pedro II JANEIRO 1 3 4 5 6 7 8 9 10 11 1 13 14 15 16 17 18 19 0 1 3 4 5 6 7 8 9 30 31 1- Confraternização universal Calendário interno do 6º e 7º ano. 01 FEVEREIRO 1 3 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas

Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas RESOLUÇÃO N 01/2008 Dispõe sobre a concessão e manutenção de bolsas de estudos do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 01/2013/COLDIR/CCJE

RESOLUÇÃO Nº. 01/2013/COLDIR/CCJE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Av. Fernando Ferrari, 514, Campus Universitário, CCJE, ED V, Goiabeiras, Vitória ES. Cep.:

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROVIMENTO DE CARGO DE PROFESSOR DA UFCSPA CAPÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROVIMENTO DE CARGO DE PROFESSOR DA UFCSPA CAPÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS Normas para realização de Concursos Públicos de Títulos e Provas para os Cargos de Professor Auxiliar, Assistente e Adjunto da Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA)

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES SOBRE A MONITORIA

NORMAS REGULAMENTARES SOBRE A MONITORIA NORMAS REGULAMENTARES SOBRE A MONITORIA Art. 1º A FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST admitirá, sem vínculo empregatício, alunos dos seus Cursos de Graduação nas funções de Monitor, tendo como finalidade

Leia mais

Art. 1º - Os Quadros de Organização da Brigada Militar e a carreira dos Militares Estaduais passam a observar os preceitos estatuídos na presente Lei.

Art. 1º - Os Quadros de Organização da Brigada Militar e a carreira dos Militares Estaduais passam a observar os preceitos estatuídos na presente Lei. ANTEPROJETO DE LEI Nº xx DE 2013. Dispõe sobre a carreira dos Militares do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. Art. 1º - Os Quadros de Organização da Brigada Militar e a carreira dos

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE Nº 3.686

RESOLUÇÃO CEPE Nº 3.686 RESOLUÇÃO CEPE Nº 3.686 Aprova o Regimento dos Programas de Iniciação Científica e do Comitê de Pesquisa na UFOP. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua

Leia mais

No uso de suas atribuições, o diretor-geral do Campus Osório do IFRS, institui a Norma Operacional de número 001/2010.

No uso de suas atribuições, o diretor-geral do Campus Osório do IFRS, institui a Norma Operacional de número 001/2010. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO Osório, 08 de novembro de 2010. No uso de

Leia mais

Norma sobre Concessão de Bolsas e Acompanhamento de Desempenho Acadêmico

Norma sobre Concessão de Bolsas e Acompanhamento de Desempenho Acadêmico Norma sobre Concessão de Bolsas e Acompanhamento de Desempenho Acadêmico Artigo 1º - As quotas de bolsas do, destinadas aos alunos regulares de tempo integral, serão distribuídas pela Comissão de Distribuição

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física - POLO UEL

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física - POLO UEL Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física - POLO UEL EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEL Nº 001/2014 PROCESSO SELETIVO DE

Leia mais

PPGTAS-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO TECNOLOGIA, AMBIENTE E SOCIEDADE

PPGTAS-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO TECNOLOGIA, AMBIENTE E SOCIEDADE PPGTAS-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO TECNOLOGIA, AMBIENTE E Resolução nº 001/2014, do Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia, Ambiente e Sociedade de 02 de Outubro de 2014. Estabelece normas

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEFUFSC PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO UFSC - FLORIANÓPOLIS

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEFUFSC PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO UFSC - FLORIANÓPOLIS Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Centro de Ciências Físicas e Matemáticas - CFM Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física - Polo UFSC-Florianópolis EDITAL COMPLEMENTAR

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 03-2015

EDITAL DE SELEÇÃO 03-2015 EDITAL DE SELEÇÃO 03-2015 Estabelece as normas e condições para o Processo Seletivo nos Cursos de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Solos e Qualidade de Ecossistemas da UFRB, para ingresso no semestre

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 07/2014. Regulamenta o Programa Institucional De Descontos Financeiros - PIDF da Faculdade Fucapi (Instituto de Ensino Superior Fucapi)

RESOLUÇÃO nº 07/2014. Regulamenta o Programa Institucional De Descontos Financeiros - PIDF da Faculdade Fucapi (Instituto de Ensino Superior Fucapi) Regulamenta o Programa Institucional De Descontos Financeiros - PIDF da Faculdade Fucapi (Instituto de Ensino Superior Fucapi) O Presidente do CONSUP, no uso de suas atribuições regimentais, artigo 8 inciso

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 018/2003-CEP

R E S O L U Ç Ã O Nº 018/2003-CEP R E S O L U Ç Ã O Nº 018/2003-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia / /. Secretária Aprova normas para o aproveitamento de estudos nos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE 09/2009 APROVA O REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais Faculdade de Engenharia Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia

Leia mais

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional;

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional; RESOLUÇÃO CONSEPE 22/2014 APROVA O REGULAMENTO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS, MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF, PARA TURMAS COM INÍCIO EM

Leia mais

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM.

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. ATIVIDADES DATAS Publicação do Edital 29 de agosto de 2015 Período de inscrições de 31 de agosto a 29 de setembro de 2015 Período de realização

Leia mais

CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFGD N O 01/2014 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO UFGD

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFGD N O 01/2014 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO UFGD Universidade Federal da Grande Dourados Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física- UFGD EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFGD N O 01/2014 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. Dispõe sobre o subsídio dos Militares do Estado e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED

NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED Modelo implantado a partir das mudanças determinadas com a aprovação das Diretrizes Curriculares do Curso Medico do MEC em 2001. COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE QUÍMICA DA Efoa/Ceufe Resolução Nº 007/2005 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) O presente regulamento foi elaborado tendo

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional Marinha. Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL

Ministério da Defesa Nacional Marinha. Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL Ministério da Defesa Nacional Marinha Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL Dezembro 2015 Índice por artigos CAP I Princípios gerais 1 Corpo discente

Leia mais

Art. 1º - Aprovar o Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Turismo da Faculdade de Sinop FASIP, nos termos abaixo expostos.

Art. 1º - Aprovar o Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Turismo da Faculdade de Sinop FASIP, nos termos abaixo expostos. FACULDADE DE SINOP FASIP - Faculdade de SINOP Credenciada pela portaria: RESOLUÇÃO CAS Nº. 14/2007 DE 06/04/2007 Aprova o Regulamento das atividades complementares do Curso de Turismo da Faculdade de Sinop

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE PESQUISA E ANÁLISE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS, PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO E TRABALHO

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRPE Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO 58

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRPE Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO 58 Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 58 EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRPE Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE

Leia mais

CODIFICAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO. Vigência 19/09/2013. ASSUNTO: Regulamenta o Programa de Monitoria. Versão 01

CODIFICAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO. Vigência 19/09/2013. ASSUNTO: Regulamenta o Programa de Monitoria. Versão 01 OS-007 /SR-1/2013 01/05 1 - DA FINALIDADE A presente Ordem de Serviço tem como finalidade modificar a OS-007/SR-1/08 e regulamentar a operacionalização do Programa de Monitoria, em conformidade com o que

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFJF/IF SUDESTE MG N O 01/2014

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFJF/IF SUDESTE MG N O 01/2014 Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFJF/IF SUDESTE MG N O 01/2014 PROCESSO

Leia mais

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga ESAMC MBA Executivo Unidades: Sorocaba Itu Itapetininga REGULAMENTO INTERNO DA INSTITUIÇÃO ÚLTIMA REVISÃO: NOVEMBRO/2009 SUMÁRIO ii 1) DO REGIME ESCOLAR... 1 1.1) CRITÉRIO DE CONTAGEM DE CRÉDITOS... 1

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS

SECRETARIA DE SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS SECRETARIA DE SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS EDITAL DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE SARGENTOS Nº06/CRH/PMRO-2014 O COMANDANTE GERAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2014-PPGG/M.C.Rondon CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE BOLSAS. Art. 1º A Comissão de Bolsas é composta pelo:

RESOLUÇÃO Nº 01/2014-PPGG/M.C.Rondon CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE BOLSAS. Art. 1º A Comissão de Bolsas é composta pelo: RESOLUÇÃO Nº 01/2014-PPGG/M.C.Rondon CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE BOLSAS Art. 1º A Comissão de Bolsas é composta pelo: I - Presidente Coordenador do Programa; II- Um docente permanente do Programa; IV- Um

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA Regimento aprovado pelo CPG em 19/02/2003. TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art 1º O Curso de Pós Graduação a nível de Mestrado e Doutorado

Leia mais

Regulamento das Disciplinas: Trabalho de Conclusão de Curso I e Trabalho de Conclusão de Curso II do Curso de Graduação em Geologia da UFPR

Regulamento das Disciplinas: Trabalho de Conclusão de Curso I e Trabalho de Conclusão de Curso II do Curso de Graduação em Geologia da UFPR Regulamento das Disciplinas: Trabalho de Conclusão de Curso I e Trabalho de Conclusão de Curso II do Curso de Graduação em Geologia da UFPR CAPÍTULO I Da Caracterização, Finalidade e Conteúdo. Artigo 1º

Leia mais

E D I T A L N o 001/2016

E D I T A L N o 001/2016 FACULDADE INTEGRADA DE PERNAMBUCO - FACIPE COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO - COPEX PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO DE FOMENTO À CULTURA - PROBECULT/FACIPE E PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE EXTENSÃO

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

EDITAL. A realização do Concurso far-se-á segundo as normas do presente Edital.

EDITAL. A realização do Concurso far-se-á segundo as normas do presente Edital. EDITAL O Ilustríssimo Senhor Diretor da Faculdade de Odontologia de Pernambuco FOP/UPE, torna público que será realizado na Faculdade de Odontologia de Pernambuco, CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento estabelece as normas relativas às disciplinas Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS PARA O ANO DE 2015

REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS PARA O ANO DE 2015 REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS PARA O ANO DE 2015 Bacabal 2015 REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS DO OBJETIVO Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras gerais do Programa de Bolsas e Benefícios

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA ANEXO À RESOLUÇÃO 02/2010 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA 1 TÍTULO I DO OBJETIVO DO PROGRAMA Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Patologia tem por objetivo qualificar

Leia mais

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades do programa de Pós Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC GOVERNADOR VALADARES 2010 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INTRODUÇÃO Todo aluno

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA JURÍDICA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIREITO UNISAL CAMPINAS, CAMPUS LICEU SALESIANO

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA JURÍDICA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIREITO UNISAL CAMPINAS, CAMPUS LICEU SALESIANO REGULAMENTO DE MONOGRAFIA JURÍDICA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIREITO UNISAL CAMPINAS, CAMPUS LICEU SALESIANO ESCOLHA DO ORIENTADOR E ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA 1. A escolha do tema e

Leia mais

REGULAMENTO DE UNIFORMES

REGULAMENTO DE UNIFORMES POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS ANEXO III REGULAMENTO DE UNIFORMES TÍTULO I Generalidades Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Fundação Educacional de Além Paraíba Regulamento de Monitoria Art. 1º A Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro admitirá, sem vínculo empregatício,

Leia mais

ANEXO 1 75ª Reunião do Conselho de Pós-Graduação Stricto Sensu

ANEXO 1 75ª Reunião do Conselho de Pós-Graduação Stricto Sensu REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa as

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico RESOLUÇÃO CONSU Nº. 01/2009 DE 28/01/2009 Aprova o Regulamento das Atividades Complementares Científico-Culturais de Engenharia de Produção da Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - Facitec. O

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. RESOLVE:

RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. RESOLVE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. Aprova as Normas Regulamentadoras da operacionalização da Monografia

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA.

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO São Paulo 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR

CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR A avaliação do desempenho discente em cada uma das disciplinas, módulos ou área de estudos, atividades, estágios e trabalho de conclusão de curso, da UNIVERSIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009 Altera o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Economia, na forma do Anexo. O Reitor da Universidade Regional de Blumenau, no uso

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF- UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Nº 01/2014

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF- UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Nº 01/2014 Universidade Federal Fluminense Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física Instituto de Ciências Exatas Campus Aterrado Volta Redonda EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF- UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 022/2010-CONSU De 24 de novembro de 2010

RESOLUÇÃO Nº 022/2010-CONSU De 24 de novembro de 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES RESOLUÇÃO Nº 022/2010-CONSU De 24 de novembro de 2010 EMENTA: Revoga a Resolução nº 020/06-CONSU e Normatiza

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

Resolução PPGE n.º 01/2005. Disciplina a concessão de bolsas e a renovação de bolsas de estudo do Programa Demanda Social da CAPES

Resolução PPGE n.º 01/2005. Disciplina a concessão de bolsas e a renovação de bolsas de estudo do Programa Demanda Social da CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Resolução PPGE n.º 01/2005 Disciplina a concessão de bolsas e a renovação de bolsas de estudo do Programa Demanda

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

EDITAL 06/2015 IX ICONCURSO DE REDAÇÃO 1º SEMESTRE DE 2015 CAPÍTULO I DO OBJETO CAPÍTULO II DAS INSCRIÇÕES

EDITAL 06/2015 IX ICONCURSO DE REDAÇÃO 1º SEMESTRE DE 2015 CAPÍTULO I DO OBJETO CAPÍTULO II DAS INSCRIÇÕES ESCOLA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS ECJS NÚCLEO DE PESQUISA E PRODUÇÃO CIENTÍFICA NPPC Núcleo de Extensão - NEX EDITAL 06/2015 IX ICONCURSO DE REDAÇÃO 1º SEMESTRE DE 2015 CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2, DE 25 DE JUNHO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 2, DE 25 DE JUNHO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 2, DE 25 DE JUNHO DE 2012 Estabelece normas para realização, execução e avaliação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) no Curso de Engenharia Agronômica da Universidade Federal de São João

Leia mais