Identificação. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Identificação. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade)"

Transcrição

1 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1 Modalidade: Trâmite Atual: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Manifestação da CPEU Identificação Projeto Institucionalizado a quem pertence: Não se aplica Ano Base: 2013 Título: Coordenador: Unidade: Departamento / Seção: Iniciação Científica no Ensino Médio JAIME EDMUNDO APAZA RODRIGUES Faculdade de Engenharia DEPTO DE MATEMÁTICA Telefone: (18) , (18) Outras Instituições: Escolas da região Local de realização: Departamento de Matemática (DMAT). Início: Laboratório de Ensino da Matemática (LEM). 02/01/2013 Término: 31/12/2013 Área Temática 1: Educação Área Temática 2: - Grande Área: Linha Programática: Ciências Exatas e da Terra Ensino Médio Palavras-Chave: ensino; matemática; iniciação Link Descrição Trabalho aceito em evento internacional Anexo Trabalho X EPEM.doc RelatoAna.doc RelatoPaula.doc trabalho - V EPMEM.doc Descrição Trabalho a ser apresentando no X EPEM Relatorios parciais Relatorios parciais Trabalho a ser apresentando no V EPEM

2 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 2 Estrutura Metodologia: Cada aluno do curso de Licenciatura em Matemática poderá trabalhar com, no máximo, dois alunos do Ensino Médio. Uma vez escolhido o tema a ser desenvolvido, (escolha feita entre os alunos e o Coordenador) o trabalho será desenvolvido, basicamente, em duas etapas. A primeira é uma fase de preparação do aluno sobre os conhecimentos que precisará estudar e ter dominio. A segunda consiste do estudo específico do assunto escolhido. Serão realizadas reuniões semanais entre os alunos e o Coordenador para resolver qualquer duvida e acompanhar o andamento dos estudos e portanto do projeto. Resultados Esperados: Ao final do projeto espera-se: Contribuir a uma real interação entre escola e universidade. Ter possibilitado o desenvolvimento da capacidade de orientação dos alunos do curso de Matemática e a capacidadade de estudo/pesquisa do aluno orientando. Ter despertando nos alunos do Ensino Médio o interesse pelo estudo constante e dedicado da Matemática, permitindo o desenvolvimento de uma visão diferenciada do processo ensino-aprendizagem. Cronograma de Atividades: Março a Junho de 2013: Após determinarmos os temas que serão abordados junto aos alunos do Ensino Médio, os bolsistas realizarão um estudo dos conteúdos matemáticos que são pré-requisitos para a discussão dos temas escolhidos. Julho a dezembro de 2013: Desenvolvimento das atividades sobre os temas escolhidos e a elaboração de um relatório final (monografia). Release para Mídia: Considerando os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), especialmente nas questões que abordam conteúdos matemáticos, podemos afirmar que o desempenho dos alunos reflete sérias dificuldades de aprendizagem. Além disso, os alunos do Curso de Licenciatura em Matemática que realizam estágio supervisionado nas escolas e os professores de Matemática da rede pública, nos relatam que há um grande desinteresse e desmotivação dos alunos do Ensino Médio pelo estudo da Matemática. Diante disso, da mesma forma que há projetos de Iniciação Científica na Universidade, propomos o desenvolvimento de projetos de Iniciação Científica com alunos do Ensino Médio, como uma forma de estimulá-los no estudo de Matemática, promovendo um contato com a pesquisa científica. Como os alunos do Ensino Médio são orientados por alunos do Curso de Licenciatura em Matemática, nosso projeto também contribuirá para uma aproximação da Universidade com a escola e possibilitará os bolsistas o desenvolvimento de uma visão diferenciada dos problemas no ensino e na aprendizagem da Matemática. Busca-se através deste projeto que, o conhecimento presente na universidade, possa atingir as escolas da cidade e região para promover seu melhor desenvolvimento, visando uma formação de qualidade do aluno do ensino médio.

3 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 3 Característica do Projeto Participação de Alunos Alunos bolsistas do Curso de Licenciatura em Matemática. Alunos das escolas da cidade e da região. Professores interessados da rede pública desempenhando o papel de supervisores. Nível de Exequibilidade Este projeto é exequível em qualquer escola da região. Temos conhecimento de projetos similares que são realizados em escolas do Estado de São Paulo e financiados por agências de fomento. Assim, pretendemos realizar o II Congresso de Iniciação Cientifica (II CICEM) na Universidade com a apresentação dos trabalhos realizados para divulgação dos resultados do projeto. Visibilidade para a Universidade Nesta fase, o projeto é divulgado no Curso de Matemática e nas escolas que participam do projeto. O projeto ja esta sendo divulgado através da mídia local e do jornal do Campus de Ilha Solteira, assim como nos jornais da cidade. Temos enviado informações do projeto à Secretaria Regional de Ensino (Andradina) para conhecimento e divulgação dos interessados. Indicadores de Impacto Interno (no âmbito da Universidade) Indicadores de Impacto Externo (fora do âmbito da Universidade) Em princípio o impacto é local. Entretanto, após contato com professores do Curso de Licenciatura em Física, estamos planejando ações conjuntas para divulgação dos projetos desenvolvidos nos dois cursos e a possibilidade de realizar um projeto conjunto multidisciplinar. Temos recebido varios contatos de escolas da região solicitando "parcerias" para prestar colaboração com a formação matemática dos seus alunos e, portanto, da região. Isto revela o crescente impacto que o projeto esta gerando na região. Um dos objetivos é atingir o ámbito externo da universidade. Este ano de 2012, alem dos nossos bolsistas e alunos participarem de alguns eventos locais e/ou regionais, também temos aceitação no exterior. Um resumo do projeto foi submetido e aprovado e será apresentado no Profmat 2012, na Universidade de Coimbra, Portugal (como pode ser visto no link de identificação). Assim pretende-se dar continuidade a este indicador propondo novos trabalhos tanto a nivel nacional quanto internacional para os próximos anos. Articulação com Ensino e Pesquisa O Projeto de Extensão de Iniciação Científica no Ensino Médio está diretamente relacionado com o Ensino e Pesquisa, tanto em nível do Ensino Médio com em nível de graduação, e com Pesquisa de Iniciação Científica dos alunos do curso de Licenciatura em Matemática, o que possibilita a real interação deles no processo ensino-aprendizagem, assim como ver de perto a real situação do ensino no país.

4 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 4 Importância na Formação do Aluno Durante esses três anos em que estamos desenvolvendo o projeto de extensão, vemos que os alunos bolsistas têm a oportunidade de conhecer, de modo mais aprofundado, o contexto escolar. Enquanto no estágio supervisionado, muitas vezes, os alunos desempenham o papel de simples observadores das práticas escolares, por meio do projeto de extensão os bolsistas podem exercer um papel mais ativo e participativo no processo de ensino e de aprendizagem da Matemática, compreendendo as dificuldades dos alunos e desenvolvendo atividades que possam contribuir para a motivação dos alunos do Ensino Médio e para o aprofundamento dos conteúdos de matemática trabalhados nesse nível de ensino. Nesse processo de trabalho, ao orientar os alunos do Ensino Médio, os bolsistas passam a ter mais autonomia, desenvolvendo uma atitude de professor pesquisador, contribuindo, dessa forma, para uma formação profissional mais abrangente. Potencial para geração de produtos Este projeto deve gerar: 1) Materiais didático-pedagógico que também poderão ser utilizados pelos professores e alunos de outras escolas; 2) Desenvolvimento de um site para divulgação do trabalho realizado no projeto; 3) Textos paradidáticos que poderão ser divulgados no site do projeto; 4) Metodologias de ensino e de aprendizagem de Matemática para o nível médio; 5) Realização de um evento científico voltado para os alunos do Ensino Médio. Mérito do Projeto Caracterização do Projeto como extensão O projeto em questão caracteriza-se propriamente como Extensão Universitaria, uma vez que atua no ambito exterior à universidade permitindo a participação de alunos e professores desta, assim como de alunos e professores da rede pública. A ideia central é propiciar uma real harmonia social-académica entre a Universidade e a Escola. Mérito do Projeto Coerência entre os objetivos e a fundamentação teórica Os objetivos do projeto estão permitindo visualizar e contextualizar de uma forma mais concreta o processo ensino-aprendizagem. O projeto esta possibilitando que o aluno do Curso de Licenciatura em Matemática coloque em pratica, tanto os conteúdos específicos aprendidos em sala de aula, assim como as propostas didatico-pedagogicas que vão sendo adquiridas no dia a dia teórico. Desse modo, o licenciando esta desenvolvendo uma visão diferenciada do ensino e da aprendizagem de Matemática em nível médio, contribuindo para que seja feita uma conexão entre os conteúdos que fazem parte do currículo do Curso de Licenciatura e os conteúdos que são desenvolvidos na escola.

5 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 5 Produção Científica Organização de livros Nacionais Organização de livros Internacionais Livros publicados Nacionais Livros publicados Internacionais Capítulos publicados Nacionais Capítulos publicados Internacionais Artigos publicados em periódicos Nacionais Artigos publicados em periódicos Internacionais

6 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 6 Resumo em Eventos Nacionais Resumo em Eventos Internacionais 1 A INICIAÇÂO CIENTIFICA COMO POSSIBILIDADE PARA A APRENDIZAGEM DA MATEMATICA NO ENSINO MÉDIO. Resumo Expandido em Eventos Nacionais 3 1) TRABALHANDO COM A TRIGONOMETRIA 2) TRABALHANDO COM FUNÇÕES EXPONENCIAIS E FUNÇÔES LOGARITMICAS 3) A MATEMÁTICA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA Resumo Expandido em Eventos Internacionais Apresentação de Trabalhos em Eventos - oral Nacional 1 A MATEMÁTICA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Apresentação de Trabalhos em Eventos - pôster Internacional Textos em jornais Nacionais (especificar jornal e data) Textos em jornais Internacionais (especificar jornal e data) Textos em revistas Nacionais (especificar revista e data)

7 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 7 Textos em revistas Internacionais (especificar revista e data) TCC(s) Monografias 2 Monografias elaboradas pelos alunos orientandos no final do ano de 2012, como resultado do trabalho desenvolvido ao longo do ano. Dissertações Teses Bolsas de Iniciação Científica (IC)/Agência Material Audiovisual

8 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 8 Participantes Nome Participante Função INOCENCIO FERNANDES BALIEIRO FILHO Docente Colaborador NAIR RODRIGUES DE SOUZA Docente Colaborador ANA RITA DOMINGUES Aluno Outra modalidade Paula Araujo de Souza Aluno Outra modalidade JAIME EDMUNDO APAZA RODRIGUES Docente Coordenador Solicitação Bolsas - PROEX Bolsas solicitadas: 10 Atividades previstas: 1) Cada aluno bolsista deverá trabalhar com, no máximo, dois alunos do Ensino Médio; 2) Os bolsistas deverão estudar juntos os conteúdos que são pré-requisitos para o desenvolvimento dos temas escolhidos para o projeto; 3) Os temas escolhidos serão estudados e apresentados aos coordenadores por meio de seminários ou reuniões semanais; 4) Participação dos bolsistas em eventos acadêmicos para divulgação e discussão das atividades desenvolvidas. Público-Alvo Quantidade Característica 1 Característica 2 Característica 3 20 educandos - -

9 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 9 Detalhes dos Participantes Nome : Tipo Participante: Função: Nível Acadêmico: Unidade Universitária: Departamento / Seção: INOCENCIO FERNANDES BALIEIRO FILHO Docente Colaborador Doutorado Faculdade de Engenharia DEPTO DE MATEMÁTICA Data Início: 01/03/2013 Data Fim: 31/12/2013 Carga Horária Semanal: 6 Atividade Prevista: Vice-Coordenador do Projeto Observação: Nome : Tipo Participante: Função: Nível Acadêmico: Unidade Universitária: Departamento / Seção: NAIR RODRIGUES DE SOUZA Docente Colaborador Doutorando Faculdade de Engenharia DEPTO DE MATEMÁTICA Data Início: 01/03/2013 Data Fim: 31/12/2013 Carga Horária Semanal: 6 Atividade Prevista: Colaboradora Observação: Nome : ANA RITA DOMINGUES Tipo Participante: Aluno Função: Nível Acadêmico: Outra modalidade de Bolsa Graduando Unidade Universitária: Departamento / Seção: Data Início: 01/03/2013 Data Fim: 31/12/2013 Carga Horária Semanal: 8 Atividade Prevista: Aluna bolsista do projeto. Observação:

10 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 10 Nome : Tipo Participante: Função: Nível Acadêmico: Paula Araujo de Souza Aluno Outra modalidade de Bolsa Graduando Unidade Universitária: Departamento / Seção: Data Início: 01/03/2013 Data Fim: 31/12/2013 Carga Horária Semanal: 8 Atividade Prevista: Aluan bolsista do projeto. Observação: Nome : Tipo Participante: Função: Nível Acadêmico: Unidade Universitária: Departamento / Seção: JAIME EDMUNDO APAZA RODRIGUES Docente Coordenador Doutorado Faculdade de Engenharia DEPTO DE MATEMÁTICA Data Início: 02/01/2013 Data Fim: 31/12/2013 Carga Horária Semanal: 10 Atividade Prevista: Observação: Coordenar todas as atividades previstas no projeto, manter reuniões semanais com os membros do projeto e os alunos bolsistas para ver o andamento do projeto, elaboração dos relatorios parciais e finais.

11 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 11 Recursos Solicitados à PROEX Tipo Recurso Descrição Quantidade Valor Unitário R$ Total R$ Material de consumo Papel Sulfite A4, 24 gr 10 22,50 225,00 Material de consumo Pen Drive USB 8 gb 10 22,00 220,00 Material de consumo HD externo, 500 Gb 5 250, ,00 Material de consumo Papel verge 180 gr. 4 25,00 100,00 Hospedagem/Alimentação participação em 6 300, ,00 Transporte Terrestre viagem para eventos 6 150,00 900,00 Total: R$ 4.495,00 Captado Governamental Total: R$ 0,00 Captado Não Governamental Total: R$ 0,00 Total de Recursos: R$ 4.495,00

12 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 12 Parecer Local Departamento Parecer do Relator Concluído em: 03/09/2012 Manifestação O Projeto tem potencial para contribuir para reformulações de concepções e práticas curriculares da Universidade, cumprindo desse modo parte dos objetivos da Extensão. O projeto contempla a participação de alunos de graduação. O projeto é exequível. Apesar do projeto não incorporar em sua fundamentação referenciais teóricos que ajudem a refletir sobre o papel que a I.C. teria na formação profissional, o projeto tem mérito, pois procura relacionar um aspecto importante da formação do aluno de graduação com um problema social. Meu parecer é pela aprovação do referido projeto. Aprovado Ad Referendum do Conselho do Departamento de Matemática Concluído em: 04/09/2012 Situação Aprovado Data da análise 04/09/2012 CPEU Parecer do Relator Concluído em: 05/09/2012 Trata-se de um projeto plenamente exeqüível. Participarão alunos do Curso de Licenciatura em Matemática, além de alunos das escolas da cidade e da região e professores da rede pública desempenhando o papel de supervisores. Segundo o seu coordenador, projetos similares que são realizados em escolas do Estado de São Paulo e financiados por agências de fomento. Pretende-se que os resultados sejam divulgados no II CICEM. O projeto será divulgado nas escolas que participam do projeto, na mídia local e no jornal do Campus de Ilha Solteira, assim como nos jornais da cidade. Informações a respeito do projeto foram enviadas à Secretaria Regional de Ensino (Andradina). De acordo com seu coordenador, os objetivos do projeto estão permitindo visualizar e contextualizar de uma forma mais concreta o processo ensino-aprendizagem. Assim, o projeto está possibilitando aos alunos a oportunidade de colocar em pratica os conteúdos específicos aprendidos em sala de aula, propiciando uma visão diferenciada do ensino e da aprendizagem de Matemática em nível médio, contribuindo para que seja feita uma conexão entre os conteúdos que fazem parte do currículo do Curso de Licenciatura e os conteúdos que são desenvolvidos na escola. Tendo em vista a importância e a abrangência do projeto, somos de parecer FAVORÁVEL à sua aprovação.

13 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 13 Parecer do Relator Concluído em: 03/09/2012 Manifestação O Projeto tem potencial para contribuir para reformulações de concepções e práticas curriculares da Universidade, cumprindo desse modo parte dos objetivos da Extensão. O projeto contempla a participação de alunos de graduação. O projeto é exequível. Apesar do projeto não incorporar em sua fundamentação referenciais teóricos que ajudem a refletir sobre o papel que a I.C. teria na formação profissional, o projeto tem mérito, pois procura relacionar um aspecto importante da formação do aluno de graduação com um problema social. Meu parecer é pela aprovação do referido projeto. Aprovado Ad Referendum do Conselho do Departamento de Matemática Concluído em: 04/09/2012 Situação Aprovado Data da análise 04/09/2012 Parecer do Relator Concluído em:

Identificação. Estrutura. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade)

Identificação. Estrutura. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1 Modalidade: Trâmite Atual: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Manifestação da CPEU Identificação Projeto Institucionalizado a quem

Leia mais

Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Identificação. http://lattes.cnpq.br/2431034310174335

Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Identificação. http://lattes.cnpq.br/2431034310174335 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1 Modalidade: Trâmite Atual: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Identificação Ano Base: 2016 Título: Reinventando espaços:a construção

Leia mais

1ª Amostra de Projetos e Produções Científicas em Educação Matemática da FAINTVISA

1ª Amostra de Projetos e Produções Científicas em Educação Matemática da FAINTVISA FACULDADES INTEGRADAS DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO FAINTVISA COORDENAÇÃO DE CIÊNCIAS EXATASE DA NATUREZA 1 Pontos turísticos da cidade da Vitória de Santo Antão PE 1ª Amostra de Projetos e Produções Científicas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O.

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O. EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O. 004/15 1. APRESENTAÇÃO A Direção-Geral das FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

Identificação. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Trâmite Atual: Ano Base: 2016 Título:

Identificação. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Trâmite Atual: Ano Base: 2016 Título: PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1 Modalidade: Trâmite Atual: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Identificação Ano Base: 2016 Título: Motivar o Interesse pela Química

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Universidade Federal de Goiás Instituto de Química ORIENTAÇÕES E NORMAS SOBRE O ESTÁGIO CURRICULAR PARA ESTUDANTES DO CURSO DE

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

CAMPUS XANXERÊ CHAMADA PÚBLICA

CAMPUS XANXERÊ CHAMADA PÚBLICA EDITAL N º 26 /PROPPI/2015 CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO PERÍODO DE EXECUÇÃO: JULHO A DEZEMBRO/2015

Leia mais

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016 Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI Faculdade Fucapi Instituto de Ensino Superior Fucapi Coordenação de Pesquisa CPESQ Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL - N º 30/PROPPI/2015 CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO- PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO EXECUÇÃO: SETEMBRO À DEZEMBRO DE 2015

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

NORMAS REGULAMENTARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As atividades complementares constituem-se em ações de ensino, pesquisa e extensão de caráter obrigatório a serem

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

EDITAL Nº 004/2014 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL Nº 004/2014 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 004/2014 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA Chamada para seleção de Projetos para o Edital de Pesquisa e Iniciação Científica da Faculdade Capixaba de Nova Venécia. A Professora

Leia mais

I- IDENTIFICAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR. Nome: Carlos Alexandre Barros Trubiliano. CPF: 003.805.131-10 Matrícula: 1494709.

I- IDENTIFICAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR. Nome: Carlos Alexandre Barros Trubiliano. CPF: 003.805.131-10 Matrícula: 1494709. I- IDENTIFICAÇÃO. IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR : Carlos Alexandre Barros Trubiliano CPF: 003.805.3-0 Matrícula: 494709 E-mail: Telefone: (69) 938-6079 Departamento/ Unidade/Campus: Departamento do História/

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

Projetos de Extensão Universitária PROEX 2013/2014

Projetos de Extensão Universitária PROEX 2013/2014 Projetos de PROEX 2013/2014 Edital nº 002/2013-PROEX A PROEX torna público o presente Edital para credenciamento de Projetos de, por Docentes e Pesquisadores da UNESP, com a finalidade de apoiar de forma

Leia mais

EDITAL PIBID-FUNEC SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL PIBID-FUNEC SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID EDITAL PIBID-FUNEC SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID A FUNEC Fundação Municipal de Educação e Cultura de Santa Fé do Sul, através

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE NOVEMBRO DE 2012 EREM ANÍBAL FERNANDES

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE NOVEMBRO DE 2012 EREM ANÍBAL FERNANDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA FRANCISCO DE ASSIS DO NASCIMENTO RITA DE CÁSSIA GUEDES LIMA RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE NOVEMBRO DE 2012

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2014

CHAMADA PÚBLICA 2014 EDITAL N º 34/PROPPI/2014 CÂMPUS URUPEMA CHAMADA PÚBLICA 2014 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO CÂMPUS URUPEMA EXECUÇÃO:

Leia mais

EDITAL 009/2015 INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX-VITÓRIA

EDITAL 009/2015 INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX-VITÓRIA EDITAL 009/2015 INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX-VITÓRIA Chamada para submissão de Projetos de Iniciação Científica e Tecnológica A Direção Geral da FACULDADE BRASILEIRA MULTIVIX-Vitória,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP Seleção de propostas de extensão universitária de Unidades Auxiliares no âmbito da PROEX/UNESP para

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008.

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

Leia mais

Preâmbulo. 1 - Público Alvo:

Preâmbulo. 1 - Público Alvo: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO TOCANTINS - CAMETÁ CENTRO PEDAGÓGICO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO EDITAL Nº 01/2012 CUNTINS/UFPA Seleção de alunos

Leia mais

REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA

REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos de engenharia

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DA FACULDADE DE ENGENHARIA. Capítulo I Disposições Preliminares

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DA FACULDADE DE ENGENHARIA. Capítulo I Disposições Preliminares REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DA FACULDADE DE ENGENHARIA Disciplina as atividades complementares de integralização curricular, para os alunos da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de Pedagogia.

Leia mais

1 Centro Educacional Municipal São José 1 Colégio Estadual de Valença 1

1 Centro Educacional Municipal São José 1 Colégio Estadual de Valença 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR-CAPES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL N º 13 /PRPPGI/2015 CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS COM FINALIDADE DIDÁTICO- PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO EXECUÇÃO: MAIO A NOVEMBRO DE 2015. A Reitora

Leia mais

Pós graduação em Ciências Sociais Aplicadas: como chegar lá e como concluí-la com êxito? Prof. Virgílio Oliveira FACC UFJF

Pós graduação em Ciências Sociais Aplicadas: como chegar lá e como concluí-la com êxito? Prof. Virgílio Oliveira FACC UFJF Pós graduação em Ciências Sociais Aplicadas: como chegar lá e como concluí-la com êxito? Prof. Virgílio Oliveira FACC UFJF ANTES DE COMEÇAR COMO PERCEBER SE EU TENHO PERFIL PARA A ÁREA ACADÊMICA? A compreensão

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I DO PROGRAMA O Programa de Iniciação Científica visa ser um espaço-tempo de inserção do estudante de graduação em atividades de pesquisa científica

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS GERENCIAS DE MANHUAÇU COORDENAÇÃO DE PROJETOS PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADE DE CIÊNCIAS GERENCIAS DE MANHUAÇU COORDENAÇÃO DE PROJETOS PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE CIÊNCIAS GERENCIAS DE MANHUAÇU COORDENAÇÃO DE PROJETOS PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

A formação do licenciado em matemática

A formação do licenciado em matemática A formação do licenciado em matemática VIANA,P.A. Sobral Matemática Universidade Estadual Vale do Acaraú 6 de agosto de 2011 paty.alvi@hotmail.com pré-prints da Sobral Matemática no.2011-02 Editor Tarcisio

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA E EXTENSÃO APLICADA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO IESC

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA E EXTENSÃO APLICADA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO IESC REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA E EXTENSÃO APLICADA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO IESC CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO O Núcleo de Apoio à Pesquisa e Extensão (NAPE) caracteriza-se por ser

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EXERCÍCIO 2015 CANDIDATURA DE PROFESSORES ORIENTADORES

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EXERCÍCIO 2015 CANDIDATURA DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EXERCÍCIO 2015 CANDIDATURA DE PROFESSORES ORIENTADORES A Direção Geral da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA abre inscrições para os docentes desta

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO, DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, MODALIDADE LICENCIATURA DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Vice-Reitor

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO Nº 14/2008, DE 25 DE JULHO DE 2008 Regulamenta o planejamento, acompanhamento e registro das Atividades Complementares, necessárias à integralização

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL PIBIC / FAPEMIG / FTM-2015

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL PIBIC / FAPEMIG / FTM-2015 COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL PIBIC / FAPEMIG / FTM-2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: PIBIC/ FAPEMIG/FTM- 2015 A Coordenação do Programa de Pós-Graduação e

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Iniciação Científica da Universidade Nove de Julho UNINOVE destinase a alunos de graduação para desenvolvimento de pesquisa científica (IC) ou tecnológica

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA LABORATÓRIO DE PSICOLOGIA E PROCESSOS CLÍNICOS JATAÍ 2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1- O QUE É UMA LIGA ACADÊMICA? As Ligas Acadêmicas são entidades sem fins lucrativos. As Ligas Acadêmicas

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

1 - Dos componentes da metodologia do Curso de Pedagogia a Distância CEAD/UAB

1 - Dos componentes da metodologia do Curso de Pedagogia a Distância CEAD/UAB RESOLUÇÃO INTERNA CEAD Nº 001/2013-CONCENTRO (ALTERADA RES.05/2014) Sistema de Educação a Distância Do CEAD para a oferta do Curso de Pedagogia a Distância/UAB Dispõe sobre a metodologia do Curso de Pedagogia

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM Art. 1º O Estágio de Docência no Ensino de Graduação tem como objetivos: I - instrumentalizar o

Leia mais

EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014.

EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014. EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014. A Faculdade de Ciências Humanas (FCH), da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, torna público o presente Edital para abertura de inscrições visando

Leia mais

EDITAL PIBIEXT - 01/2014

EDITAL PIBIEXT - 01/2014 UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROEC PROGRAMA DE FORTALECIMENTO ACADÊMICO - PFA PROGAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À EXTENSÃO - PIBIEXT EDITAL PIBIEXT - 01/2014

Leia mais

Regulamento específico Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) CAPÍTULO I

Regulamento específico Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) CAPÍTULO I Regulamento específico Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º O presente regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e julgamento de monografia,

Leia mais

I CONGRESSO DE PESQUISA E EXTENSÃO I CONPEX CALENDÁRIO

I CONGRESSO DE PESQUISA E EXTENSÃO I CONPEX CALENDÁRIO ANEXO B II SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO I ENCONTRO DE PÓS-GRADUANDOS DO IFRO II SEMINÁRIO DE DISSERTAÇÕES E TESES De 21 a 23/10/2013 Câmpus Colorado do Oeste No final de 2010, o IFRO iniciou sua trajetória

Leia mais

1. PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAEC

1. PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAEC 1. PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAEC 1.1 Definição de Iniciação Científica A iniciação cientifica é uma atividade acadêmica que permite introduzir os discentes de graduação na pesquisa cientifica.

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008

Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008 Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAPG/BA (Programa de Centros Associados de Pós-Graduação),

Leia mais

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica- PIC A iniciação científica viabiliza, aos universitários

Leia mais

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da PROJETO FEIRA DE ITABAIANA: RELATOS DE UMA ATIVIDADE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR Crislaine Barreto de Gois (UFS) 1 Antônio Carlos Pinto Oliveira (UFS) Sérgio Matos Santos (UFS)

Leia mais

CÂMPUS CAMPOS BELOS. Divulgação do edital 31 de março de 2015

CÂMPUS CAMPOS BELOS. Divulgação do edital 31 de março de 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO EDITAL N 007, DE 31 DE MARÇO 2015 SELEÇÃO INTERNA

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 - O Curso de Doutorado em Ciência do Sistema Terrestre do INPE tem como objetivo a formação de recursos

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

PRÁTICAS CURRICULARES EDUCAÇÃO FÍSICA

PRÁTICAS CURRICULARES EDUCAÇÃO FÍSICA PRÁTICAS CURRICULARES EDUCAÇÃO FÍSICA As diretrizes curriculares dos cursos de licenciatura prevêem desenvolvimento de atividades práticas e teóricas relacionadas com o exercício da docência do futuro

Leia mais

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE DE ARACRUZ - FAACZ ARACRUZ 2010 CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - 2010 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 1 DOS OBJETIVOS GERAIS... 1 CAPÍTULO II... 1 DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 1 CAPÍTULO III...

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata PESQUISA REGULAMENTO - 2013

Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata PESQUISA REGULAMENTO - 2013 PESQUISA REGULAMENTO - 2013 REGULAMENTO DA PESQUISA NA FACISB CAPÍTULO I Caracterização Artigo 1º. A Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata (FACISB) tem o desenvolvimento científico,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL REGULAMENTO PARA ACREDITAÇÃO DAS ATIVIDADES FORMATIVAS INTEGRADORAS

CURSO DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL REGULAMENTO PARA ACREDITAÇÃO DAS ATIVIDADES FORMATIVAS INTEGRADORAS CURSO DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL REGULAMENTO PARA ACREDITAÇÃO DAS ATIVIDADES FORMATIVAS INTEGRADORAS Este documento regulamenta as atividades Acadêmica Formativas Integradoras do Curso de Tecnologia

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI REGULAMENTO NO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FEATI NUPEFE Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti FEATI SEÇÃO I Da Natureza e Missão Art. 1 O Núcleo de Pesquisa e Extensão da FEATI

Leia mais

2 DA ETAPA DE SELEÇÃO DOS ORIENTADORES

2 DA ETAPA DE SELEÇÃO DOS ORIENTADORES EDITAL 2014 Estabelece inscrições para o Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia Intensiva FATECI. O Diretor Geral da Faculdade de Tecnologia Intensiva FATECI, Prof. Clauder Ciarlini

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX - 089/2010

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX - 089/2010 PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX - 089/2010 A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Estadual de Londrina, considerando a seleção de projetos para o Programa de Extensão Universitária Universidade

Leia mais

COMISSÃO DE PESQUISA FACULDADE REDENTOR EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

COMISSÃO DE PESQUISA FACULDADE REDENTOR EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Iniciação Científica COMISSÃO DE PESQUISA FACULDADE REDENTOR EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Pelo presente edital ficam estabelecidos os critérios e as vagas relativas ao processo

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014 UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014 A Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade da Região de Campanha

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO

REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq CAPÍTULO I DA SEDE E FORO Artigo 1º - O CENTRO DE ENSINO E PESQUISA CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO com sede e foro na cidade de São Paulo, à Avenida João Dias, 2046

Leia mais

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA IV REGIÃO (SP) COMISSÃO DE ENSINO TÉCNICO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE PARA CURSOS TÉCNICOS DA ÁREA QUÍMICA CRITÉRIOS PARA A RECERTIFICAÇÃO VERSÃO 1 - NOVEMBRO DE 2010 WWW.CRQ4.ORG.BR

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO Edital nº 07/2014 Programa institucional de auxílio financeiro ao pesquisador para tradução

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET 1. DO CONCEITO E PRINCÍPIOS 1.1 As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter acadêmico, científico e cultural cujo foco

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 Normatiza a oferta de cursos a distância, em nível de graduação, sequenciais, tecnólogos, pós-graduação e extensão universitária ofertados pela Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II Presidente Prudente 2009 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS Art. 1. o - O Trabalho de Conclusão

Leia mais