emprego em programas de emprego disponíveis até ao final de 2015 *Dados recolhidos a 20 de Outubro, relativos ao ano de 2015.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "emprego em programas de emprego disponíveis até ao final de 2015 *Dados recolhidos a 20 de Outubro, relativos ao ano de 2015."

Transcrição

1 emprego em programas de emprego disponíveis até ao final de 2015 *Dados recolhidos a 20 de Outubro, relativos ao ano de 2015.

2 APOIOS E MEDIDAS AO EMPREGO 2 Rita Andrade Presidente do Conselho Diretivo do Instituto de Emprego da Madeira O IEM conta com um ativo humano com grande potencial, competência e profissionalismo. INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM O presente suplemento dedicado ao tema do Emprego é uma iniciativa da Secretaria Regional da Inclusão e Assuntos Sociais, através do Instituto de (IEM, IP-RAM), especialmente dirigido a cidadãos em situação de desemprego e a entidades públicas e privadas com e sem fins lucrativos. Pretendemos divulgar os objetivos, os destinatários e os apoios financeiros de cada Programa e Medida de Emprego disponibilizada pelo IEM, IP-RAM na Região Autónoma da Madeira. Desde o início do ano que o IEM, IP-RAM empregou mais de 18 milhões de euros em Programas de Emprego e dispõe de aproximadamente um milhão de euros até ao final do ano. Para Rita Andrade, Presidente do Instituto de Emprego da Madeira, IP-RAM, os primeiros seis meses de trabalho à frente da instituição têm sido intensos, no sentido de repensar o posicionamento estratégico do IEM, IP-RAM face aos seus cerca de desempregados inscritos. Nesse sentido, a tutela publicou duas novas medidas de emprego MIAOE e o REATIVAR e alterou o Programa de Incentivos à Contratação PIC, bem como a legislação dos Clubes de Emprego e Univas para que, a partir de janeiro de 2016, se inicie o pleno funcionamento de 20 Polos de Emprego na Região Autónoma da Madeira. A atual Presidente reconhece que o IEM, IP-RAM tem inúmeros desafios pela frente, agravados pelas baixas habilitações literárias dos seus desempregados, 31,8% do total de inscritos tem apenas o 1º ciclo ou não tem qualquer nível de instrução. Considera também que a diminuição das taxas de desemprego estão naturalmente dependentes do crescimento económico, embora acredite que a esse nível o período é de retoma. Este novo conselho Diretivo do IEM, IP-RAM pretende dinamizar as políticas públicas de emprego, dando, nomeadamente, maior visibilidade dos seus programas junto dos desempregados e das empresas, incentivando-as e apoiando-as financeiramente sempre que contratem desempregados. Para atingir os objetivos propostos, o IEM conta com um ativo humano com grande potencial, competência e profissionalismo. Rita Andrade considera que a grande maioria trabalha muito acima das suas possibilidades, dado que o crescimento do desemprego nunca foi acompanhado pelo crescimento da equipa de trabalho. Ainda assim está convicta que, em conjunto, vão atingir com sucesso os resultados previstos nesta nobre missão da SRIAS. É esse o nosso compromisso. INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO PARA EMPRESAS Programa de Incentivos à Contratação - PIC Programa reformulado em Outubro ,75 euros 443 postos de trabalho pagos de Janeiro a Setembro de entidades apoiadas de O Programa de Incentivos à Contratação (PIC) visa estimular a criação líquida de postos de trabalho junto de entidades privadas com ou sem fins lucrativos. O PIC tem como destinatários os desempregados inscritos há pelo menos 6 meses. Se se tratarem de desempregados com idade até 30 anos ou com mais de 45 anos, beneficiários do Rendimento Social de Inserção ou pessoas com deficiência ou incapacidade, a inscrição no Instituto de (IEM, IP-RAM) é de pelo menos 90 dias consecutivos. Como referido, no destaque de abertura, o PIC visa estimular a criação líquida de postos de trabalho junto de entidades privadas com ou sem fins lucrativos. Nesse sentido, por cada contrato de trabalho celebrado com desempregados em situação elegível, o IEM, IP- RAM apoia financeiramente a entidade empregadora entre 4 e 7,2 vezes e entre 10 e 18 vezes o valor do IAS, se se tratar, respetivamente, de contrato a termo certo ou contrato sem termo. O pagamento do apoio é efetuado em duas prestações de igual montante: - A primeira prestação é paga após o início de vigência do contrato de trabalho; - A segunda prestação é paga a partir do mês subsequente ao mês em que se completa o décimo segundo mês de vigência do contrato. As entidades empregadoras, que beneficiem dos apoios, têm a obrigação de manter os postos de trabalho apoiados e o volume de emprego durante o período de acompanhamento (1 ano). 400 mil euros incentivo à contratação até final 2015 PROGRAMA DE INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO Nº de postos de trabalho de Janeiro a Setembro

3 SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS APOIOS E MEDIDAS AO EMPREGO INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO PARA EMPRESAS Reativar Madeira Novo! 3 Candidaturas abertas desde 7 de Outubro de 2015 O programa visa promo-ver a reintegração profissional de pessoas inscritas há pelo menos 12 meses no Instituto de Emprego da Madeira, IP-RAM (IEM, IP- RAM), proporcionando-lhes um contacto com o mercado de trabalho, em contexto de formação, por um período de 9 meses. O Reativar Madeira (RM) é um programa enquadrado por um plano de estágio dirigido a desempregados de longa e muito longa duração, com pelo menos 31 anos de idade e qualificação igual ou superior ao nível 2 do Quadro Nacional de Qualificações (QNQ) (3º Ciclo do Ensino Básico). Os desempregados com qualificação inferior ao nível 2 do Quadro Nacional de Qualificações são elegíveis, desde que inscritos num Centro de Qualificação e Ensino Profissional (CQEP). O programa visa promover a reintegração profissional de pessoas inscritas há pelo menos 12 meses no IEM, IP-RAM, proporcionando-lhes um contacto com o mercado de trabalho, em contexto de formação, por um período de 9 meses. O plano de estágio decorre em entidades privadas com ou sem fins lucrativos. Os candidatos a estágio profissional não podem ter participado em estágio financiado pelo IEM, IP-RAM nos 3 anos anteriores à sua seleção ao RM. Os estagiários recebem uma bolsa mensal no valor de 1 a 1,65 vezes o Indexante de Apoios Sociais (IAS = 419,22 euros), em função do seu nível de qualificação (ver quadro 1), bem como subsídio de alimentação e de transporte. As bolsas de estágio são comparticipadas financeiramente pelo IEM, IP-RAM em 65% ou 80%, Quadro 1 Nível Nível 1 e 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Nível 6 a 8 consoante a natureza da entidade, podendo ter um acréscimo de 15%, conforme o tipo de participantes. O IEM comparticipa mensalmente, no valor da bolsa, nas percentagens acima referidas, o subsídio de alimentação (4,27 /dia), de transporte (41,92 ) e o seguro de acidentes de trabalho (13,82 ). Valor da bolsa = 419,22 euros = 503,06 euros = 544,99 euros = 586,91 euros = 691,71 euros As entidades que contratem no final do programa os participantes podem beneficiar de apoio à contratação no valor que varia entre 1676,88 e 4.192,20 consoante o tipo de contrato de trabalho e o perfil do candidato. Valor da bolsa de estágio mensal a pagar pela entidade em função do nível de qualificação QNQ INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO PARA EMPRESAS Formação / Emprego ,76 euros 102 pessoas abrangidas de 3 entidades apoiadas de O Formação/Emprego (FE) pretende proporcionar recursos humanos qualificados e adaptados às necessidades das entidades privadas com ou sem fins lucrativos. O FE é um programa dirigido a desempregados ou a candidatos a primeiro emprego, com idade igual ou superior a 18 anos ins-critos há pelo menos 2 meses no Instituto de Emprego da Madeira, IP-RAM (IEM, IP-RAM). O programa visa proporcionar valorização profissional aos participantes, através de duas componentes com a duração de 3 a 6 meses. A primeira de caráter formativo teórico entre 80 e 200 horas e a segunda componente prática em contexto real de trabalho. Como referido, o FE pretende proporcionar recursos humanos qualificados e adaptados às necessidades das entidades privadas com ou sem fins lucrativos. Dado o caráter teórico-prático do programa, o mesmo envolve entidades privadas com ou sem fins lucrativos denominadas entidades enquadradoras, que apresentem um projeto de formação para um número mínimo de 5 e máximo de 20 participantes, ou associações empresariais e entidades formadoras acreditadas denominadas entidades organizadoras, que reúnam um mínimo de 10 e máximo de 20 participantes para as entidades enquadradoras, quando o número de necessidades de recursos humanos daquelas seja inferior a 5, mas igual ou Nível de formação QNQ Nível 1 a 3 Nível 4 Nível 5 Nível 6 a 8 superior a 2 participantes. Cabe às entidades organizadoras, o papel de dinamizar oferta formativa e assegurar formação teórica adequada ao posto de trabalho ou função do participante na empresa. Os desempregados e os candidatos a primeiro emprego que integrem o FE recebem uma bolsa de formação no valor de 1 a 1,5 vezes o Indexante de Apoios Sociais (IAS = 419,22 euros), consoante o nível de qualificação. (ver quadro 2) O IEM, IP-RAM assegura os encargos decorrentes da inscrição dos participantes na Segurança Social pela aplicação da taxa legal em vigor e seguro de acidentes de trabalho. É responsabilidade da empresa entidade enquadradora assegurar os subsídios de alimentação e de transporte. O IEM, IP-RAM reembolsa as Valor da bolsa =419,22 euros =461,14 euros =503,06 euros =628,83 euros entidades beneficiárias das despesas com formadores, após a conclusão da formação teórica. As entidades organizadoras recebem uma compensação de 150 euros por participante no FE. As entidades que, no final do programa, contratem os participantes podem beneficiar de apoio à contratação entre os 2.515,32 e os 5.869,08 euros, consoante o tipo de contrato de trabalho e o perfil do candidato. Valor da bolsa de formação paga pelo IEM, IP-RAM no âmbito do programa Formação/Emprego

4 INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO PARA EMPRESAS 4 O PROJOVEM é um programa dirigido a jovens entre os 18 e os 24 anos de idade, que não trabalhem, que não estudem e não estejam a frequentar qualquer formação. APOIO À INSERÇÃO PROFISSIONAL DE JOVENS ,51 euros Este programa abrange duas medidas Experiência Garantia e Estágio Garantia, consoante o nível de qualificação profissional do candidato. Visando uma maior articulação entre a saída do sistema educativo ou formativo e o contacto com o mercado de trabalho, o PROJOVEM proporciona um complemento prático à formação e promove a inserção na vida ativa, através de uma experiência profissional em contexto real de trabalho. Os estágios decorrem em entidades do sector privado, com ou sem fins lucrativos, durante um período de 6 meses, caso da medida Experiência Garantia, ou de 9 meses no Estágio Garantia. A Experiência Garantia é dirigida a jovens com nível de qualificação profissional 2 ou 3 do Quadro Nacional de Qualificações (QNQ). Por outro lado, o Estágio Garantia é vocacionado a jovens com nível de qualificação profissional igual ou superior ao nível 4 do QNQ (Ensino Secundário com dupla certificação, Ensino Secundário e com estágio profissional mínimo de 6 meses). Os jovens integrados no PROJO- INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM 277 pessoas abrangidas de VEM recebem uma bolsa mensal variável em função do seu nível qualificação profissional, de acordo com o quadro 3. Nível de formação QNQ Experiência Garantia (6 meses) Nível 2 e 3 Estágio Garantia (9 meses) Nível 4 Nível 5 Nível 6 a 8 Na medida Experiência Garantia, o Instituto de Emprego da Madeira, IP-RAM (IEM, IP- RAM) comparticipa 100% do valor da bolsa durante o estágio. No caso da medida Estágio Garantia, a comparticipação é de 85% e 100% do valor da bolsa, consoante se trata de entidades com fins lucrativos ou entidades sem fins lucrativos, respetivamente. Nesta medida, as entidades privadas com fins lucrativos suportam os encargos com a Segurança Social. Os subsídios de alimentação e de transporte são suportados pelas entidades enquadradoras. O IEM, IP-RAM tem a seu encargo o seguro de acidentes de trabalho. As entidades que contratem os participantes no final do programa podem beneficiar de apoio financeiro à contratação entre os 1.257,66 e os 5.869,08 euros, consoante o tipo de contrato de trabalho e o perfil do candidato. As empresas, na qualidade de entidades enquadradoras do PROJOVEM, podem manifestar junto dos serviços do IEM, IP- RAM a sua disponibilidade em aceitar jovens desempregados. IEM, IP - RAM paga bolsa mensal em função do nível de formação QNQ Valor da bolsa =419,22 =461,14 =503,06 =628,83 APOIO À INSERÇÃO PROFISSIONAL DE JOVENS Estágios Profissionais ,57 euros 697 pessoas abrangidas de 261 entidades apoiadas de Os Estágios Profissionais (EP) visam proporcionar experiência profissional aos jovens estagiários por um período de 9 meses, tendo em vista a sua inserção no mercado de trabalho. Os EP dirigem-se a jovens entre os 25 e os 35 anos inclusive, quando realizados em entidades privadas com e sem fins lucrativos e a jovens entre os 18 e os 35 anos, quando integrados em entidades públicas. São elegíveis a este programa jovens com nível de qualificação entre 4 e 8 do Quadro Nacional de Qualificações e experiência na área profissional em causa menor ou igual a 6 meses. Os EP visam proporcionar experiência profissional aos jovens estagiários por um período de 9 meses, tendo em vista a sua inserção no mercado de trabalho. O programa inclui o pagamento mensal de uma bolsa de estágio entre 1,1 e 1,5 vezes o valor do Indexante dos Apoios Sociais (IAS) (IAS = 419,22 euros), consoante o nível de qualificação do participante. (ver quadro 4) As bolsas de estágio são pagas integralmente pelo Instituto de (IEM, IP-RAM), excepto quando o estágio decorre em entidade privada com fins lucrativos. Neste caso, o IEM, IP-RAM reembolsa 80% do valor da bolsa. Os encargos decorrentes da inscrição dos participantes na Segurança Social e da contribuição pela aplicação da taxa legal em vigor são suportados pelo IEM, IP-RAM, Qualificação QNQ Nível 4 Nível 5 Nível 6 a 8 excepto se o estágio decorre em entidade privada com fins lucrativos. O IEM, IP-RAM tem ainda a seu encargo o seguro de acidentes Valor da bolsa = 461,14 euros = 503,06 euros = 628,83 euros de trabalho. Os subsídios de alimentação e de transporte são da responsabilidade das entidades promotoras dos estágios. Valor da bolsa de estágio mensal paga pelo IEM, IP-RAM em função do nível de qualificação QNQ

5 SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS APOIOS E MEDIDAS AO EMPREGO 5 APOIO À INSERÇÃO PROFISSIONAL DE JOVENS ,15 euros Estágios Profissionais na Europa EP-Europa Os Estágios Profissionais na Europa (EP-Europa) dirigem-se a jovens desempregados entre os 18 e os 35 anos, com nível de qualificação entre 4 e 8 do Quadro Nacional de Qualificações. O EP-Europa pretende reforçar competências profissionais, sociais e pessoais dos jovens, através de um estágio profissional num país da União Europeia por um período de 3 meses, potenciando a inserção dos mesmos no mercado de trabalho. A par dos critérios de elegibilidade apresentados anteriormente, o candidato deve deter conhecimentos básicos da língua inglesa ou da língua do país de destino e evidenciar capacidade de adaptação e de relacionamento pessoal, assim como revelar sentido de responsabili- 7 pessoas abrangidas de dade, dinamismo e motivação. Os participantes no EP-Europa recebem, no primeiro mês, um apoio financeiro correspondente a 2,5 vezes o salário mínimo em vigor na Região Autónoma da Madeira (RAM) (1.287,75 ). Nos restantes meses de estágio, o montante ascende a 2 vezes o salário mínimo na RAM (1.030,20 ). Compete aos jovens desempregados interessados em participar no EP-Europa a realização de diligências, junto de entidades privadas com ou sem fins lucrativos, conducentes à realização do estágio. APOIO À INSERÇÃO PROFISSIONAL DE JOVENS Programa Experiência Jovem - PEJ O Programa Experiência Jovem (PEJ) visa proporcionar uma experiência profissional em contexto real de trabalho, em entidades do sector privado com ou sem fins lucrativos, por um período de 6 meses. O PEJ é dirigido a jovens até aos 30 anos de idade, com qualificações académicas até ao 12º ano de escolaridade (nível 3 do Quadro Nacional de Qualificações) e experiência profissional igual ou menor a 12 meses. Referir que o candidato ao PEJ não pode ser beneficiário de prestações sociais ou ter participado há menos de um ano num programa de emprego. Como referido, no destaque de abertura, o PEJ visa proporcionar uma experiência profissional em contexto real de trabalho, em entidades do sector privado com ou sem fins lucrativos, por um período de 6 meses. Os participantes neste programa recebem, mensalmente, 419,22 euros, correspondente ao valor do Indexante de Apoios Sociais (IAS), subsídio de alimentação e ,53 euros de transporte. O Instituto de (IEM, IP-RAM) assegura o pagamento da compensação mensal e os encargos decorrentes da inscrição dos participantes na Segurança Social pela aplicação da taxa legal em vigor e seguro de acidentes de trabalho. É responsabilidade da empresa entidade enquadradora assegurar os subsídios de alimentação e de transporte. As entidades enquadradoras que, no prazo de um mês após o final da sua participação no 341 pessoas abrangidas de PEJ, celebrem com o participante um Contrato de Trabalho (CT) não inferior a 6 meses podem beneficiar de um subsídio não reembolsável, variável consoante a duração do CT. A saber, o subsídio não reembolsável a atribuir pelo IEM, IP-RAM à entidade empregadora, pela criação líquida de posto de trabalho, equivale a 538,44, 1.676,88 ou 3.353,76 euros para CT não inferior a 6 meses, um ano ou sem termo, respetivamente. Os apoios descritos no parágrafo anterior podem ser majorados 204 entidades apoiadas de em mais 538,44 euros sempre que o posto de trabalho seja preenchido por pessoa com deficiência ou incapacidade igual ou superior a 60%. O período de candidaturas encontra-se dividido em três períodos 15 a 30 de Março, 15 a 30 de Julho e 15 a 30 de Novembro. O início de atividade do PEJ ocorre no dia 1 dos meses de Janeiro, Maio e Setembro. Os jovens podem manifestar a sua disponibilidade em participar no PEJ, dentro do período de candidaturas acima indicado.

6 APOIOS E MEDIDAS AO EMPREGO 6 ESTÍMULO AO EMPREENDEDORISMO INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM ao Empreendedorismo de Desempregados - PEED ,07 euros 90 postos de trabalho pagos de 49 entidades apoiadas de O ao Empreendedorismo de Desempregados (PEED) é um programa de criação do próprio emprego dirigido a desempregados involuntários a partir dos 18 anos de idade, com ideia de negócio técnica, económica e financeiramente viável. Quando o projeto é desenvolvido em associação com não promotores, os promotores devem estar em número igual ou superior e participação no capital social igual ou superior a 51%. O projeto pode assumir qualquer natureza ou forma jurídica, bem como incluir a criação de postos de trabalho necessários à implementação e desenvolvimento do mesmo. O desempregado detentor de ideia de negócio pode beneficiar de dois tipos de apoio financeiro do Instituto de Emprego da Madeira, IP-RAM (IEM, IP-RAM), no âmbito do PEED. A saber: Apoio Financeiro Complementar e Apoio Financeiro aos Postos de Trabalho. O Apoio Financeiro Complementar é um subsídio não reembolsável até 15 vezes o Indexante do Apoio Social (IAS) (IAS 419,22 euros) (6.288,30 ) a atribuir ao promotor ou à sociedade, por cada posto de trabalho criado até ao limite de quatro. Por outro lado, o apoio financeiro por cada posto de trabalho criado até ao máximo de quatro é de montante equivalente a 10 vezes o IAS (4.192,20 ), sendo majorado em 10%, se o posto de trabalho é ocupado por jovem até 30 anos de idade, desempregado de longa duração, com idade igual ou superior a 45 anos ou beneficiário do Rendimento Social de Inserção. O candidato ao PEED com prestações de desemprego não recebidas pode solicitar o pagamento das mesmas junto do IEM, IP-RAM. Esse montante pago, de uma só vez, concorre para o financiamento do projeto de investimento elegível. Uma vez implementados, os projetos são acompanhados pelo IEM, IP-RAM por um período mínimo de três anos. Testemunhos de pessoas que beneficiaram de programas de criação do próprio emprego O apoio do IEM foi o ponto de partida. Dependemos totalmente disso para abrir a nossa loja. Assim que saímos da primeira entrevista que tivemos com os técnicos dos apoios à criação do próprio emprego fomos à procura de um lugar para abrirmos a nossa loja. O IEM teve um papel muito importante. Sem este apoio não teria conseguido avançar. Não teria conseguido comprar os equipamentos. E no ano passado pude contar com um apoio à contratação de um colaborador, tendo sido um ponto forte para a sua contratação sem termo. Não tenham medo mas, ao mesmo tempo, tenham cuidado e pensem realmente se há mercado. Não abram só mais um café. Tenham atenção aos pormenores, que fazem toda a diferença, e apostem na qualidade e diferenciação do produto e no atendimento. Se não fosse o IEM não sabemos se teríamos avançado. Não tínhamos um plano B. Hoje estamos mais aliviadas graças ao apoio que recebemos. Naturalmente que os projetos para serem elegíveis necessitam de respeitar alguns requisitos relacionados com valores, investimentos e credibilidade da iniciativa. Contudo, com o excelente e contínuo acompanhamento dos técnicos do IEM que sempre nos ajudaram, aconselharam e dissiparam as muitas dúvidas que iam surgindo, nasceu a agência de viagens. Não basta ter a ideia de inovar. Existe um outro lado muito decisivo na aposta do projeto, que é a receção a nível de mercado. E, depois, encontrar junto dos técnicos do IEM o apoio e aconselhamento, nunca esquecendo que a empresa de contabilidade que estiver a dar apoio terá de ser de grande idoneidade. Pois será nela que vamos encontrar o apoio burocrático, com a documentação necessária, desde a organização de todo o processo, como nos lançamos corretos a nível contabilístico e - nanças e segurança social. ESTÍMULO AO EMPREENDEDORISMO Criação do Próprio Emprego ,57 euros 2 postos de trabalho pagos de 2 entidades apoiadas de Acordo de cooperação entre IEM, IP-RAM e o IDE, IP-RAM Criação do Próprio Emprego (CPE) é, como indica a designação, um programa de criação do próprio emprego dirigido a desempregados beneficiários de prestações de desemprego, com idade igual ou superior a 18 anos. Os desempregados involuntários com projeto de negócio considerado viável em termos técnicos, económicos e financeiros podem requerer o pagamento da totalidade das prestações de desemprego. Se o valor das prestações requeridas e pagas for insuficiente para assegurar o financiamento do projeto, o promotor pode solicitar ao IEM, IP-RAM apoio financeiro a fundo perdido até ao limite de 12 vezes o salário mínimo mensal em vigor na Região Autónoma da Madeira (6.181,20 euros). O valor do subsídio pode ser majorado em 20% se o promotor do projeto tiver idade igual ou superior a 45 anos e se se encontrar desempregado há mais de 12 meses. O projeto é acompanhado pelo IEM, IP-RAM por um período equivalente ao prazo das prestações não recebidas ou por um período de 4 anos, caso tenha sido beneficiário do apoio financeiro anteriormente referido. Os projetos podem constituirse como uma participação no capital social de uma sociedade já existente, desde que assegurado o emprego a tempo inteiro do beneficiário de prestações de desemprego.

7 SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS APOIOS E MEDIDAS AO EMPREGO 7 APOIO À INCLUSÃO SOCIAL E REINTEGRAÇÃO PROFISSIONAL Vida e Trabalho ,77 euros O Vida e Trabalho (VT) é um programa que integra quatro medidas (Formação Teórico-Prática, Estágio de Integração Sócio Profissional, Apoios ao Emprego e Prémio de Integração Sócio Profissional) dirigidas a públicos desfavorecidos inscritos no Instituto de (IEM, IP-RAM), em particular toxicodependentes em tratamento, com idade igual ou superior a 18 anos. São igualmente elegíveis reclusos toxicodependentes, que se 22 pessoas abrangidas de encontrem em regime aberto e em tratamento. O programa promovido pelo IEM, IP-RAM, em colaboração com as instituições de tratamento da toxicodependência, visa habilitar indivíduos em tratamento, com a formação e a experiência de trabalho necessárias à sua integração na vida ativa. Qualquer entidade privada pode candidatar-se às medidas do programa Vida e Trabalho. Já as entidades públicas só são elegíveis às medidas de Formação Teórico-Prática e de Estágio de Integração Sócio Profissional. 7 entidades apoiadas de Referir que as entidades enquadradoras da medida de Formação Teórico-Prática devem ser detentoras de acreditação para a prestação da formação ou contratar os serviços de entidades acreditadas. Os formandos e os estagiários integrados nas medidas de Formação Teórico-Prática e de Estágio de Integração Sócio Profissional recebem mensalmente uma bolsa de formação ou de estágio no valor de 515,10 euros, correspondendo ao salário mínimo em vigor na Região Autónoma da Madeira (RAM). Nos dois casos, o pagamento das bolsas é responsabilidade do IEM, IP-RAM, bem como o pagamento de subsídios de alimentação e de transporte e o seguro de acidentes pessoais. Por outro lado, cabe às entidades promotoras assegurar o pagamento de despesas com formadores ou orientadores e custos associados à formação teórica ou ao estágio. O Estágio de Integração Sócio Profissional tem uma duração mínima de seis meses e máxima de nove meses. No Apoio ao Emprego, medida à qual se associa os CT a termo, o IEM, IP-RAM comparticipa em 80% e 60% os encargos da entidade com remunerações durante o primeiro e segundo ano, respetivamente, assim como com a Segurança Social por um período não superior a dois anos. Já na medida Prémio de Integração Sócio Profissional, por cada trabalhador com CT sem termo, o IEM, IP-RAM paga à entidade empregadora um subsídio não reembolsável no valor de 18 vezes o salário mínimo em vigor na RAM (valor 9.272,80 ). APOIO À INCLUSÃO SOCIAL E REINTEGRAÇÃO PROFISSIONAL POT - Programa de Ocupação Temporário de Desempregados ,35 euros O Programa de Ocupação Temporário de Desempregados (POT) visa proporcionar uma experiência de trabalho, formação suplementar e evitar o afastamento prolongado do mercado de trabalho, em particular desempregados em faixas etárias mais elevadas. O POT é um programa ocupacional dirigido a desempregados a partir dos 18 anos de pessoas abrangidas de idade, inscritos no Instituto de (IEM, IP-RAM) há pelo menos 6 meses, desempregados titulares de prestações de desemprego ou desempregados beneficiários do Rendimento Social de Inserção. São igualmente elegíveis cidadãos com idade igual ou superior a 55 anos ou com qualificação igual ou superior ao nível 4 do Quadro Nacional de Qualificações (ex: Ensino Secundário com dupla certificação, licen- 221 entidades apoiadas de ciado, mestrado) inscritos no IEM, IP-RAM há pelo menos 2 ou 12 meses, respetivamente. O programa tem a duração máxima de 12 meses. Caso o participante tenha idade igual ou superior a 55 anos a duração do programa poderá ir até 24 meses. Podem candidatar-se a este programa as entidades de direito público e privado sem fins lucrativos, bem como as de direito privado com fins lucra- tivos, cujo capital seja maioritariamente público e desempenhem atividades relevantes para a satisfação de necessidades sociais ou coletivas. Os participantes no POT recebem 419,22 euros, montante que corresponde ao Indexante de Apoios Sociais. Recebem também o subsídio de alimentação equivalente a 4,27 euros por dia e o subsídio de transporte custo com a aquisição do passe social. O IEM, IP-RAM assegura ainda os encargos decorrentes da inscrição dos participantes na Segurança Social pela aplicação da taxa legal em vigor e o seguro de acidentes de trabalho. É responsabilidade da entidade enquadradora assegurar os subsídios de alimentação e de transporte, exceto se o participante é pessoa com deficiência ou incapacidade igual ou superior a 60%. Neste caso, o IEM, IP-RAM comparticipa despesas de transporte. As entidades privadas que, no prazo de um mês, após o final da sua participação no POT, celebrem com o participante Contrato de Trabalho sem termo ou com termo de duração não inferior a 12 meses podem beneficiar de um apoio financeiro.

8 APOIOS E MEDIDAS AO EMPREGO 8 INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM O IEM ao dispor do cidadão Porto Santo Loja Cidadão: 1 Porto Moniz Santana São Vicente Machico Calheta Ponta do Sol Ribeira Brava Câmara de Lobos Funchal Santa Cruz Emprego: 2 Núcleo de Atendimento: 1 UNIVAS: 1 Núcleo de Atendimento: 1 UNIVAS: 1 Loja Cidadão: 1 Centro de Emprego: 5 UNIVAS: 3 Valências do Centro de Emprego O Centro de Emprego do IEM, IP-RAM proporciona aos cidadãos em situação de desemprego um conjunto de valências ao nível da informação, apoio, aconselhamento e acompanhamento orientadas para a reintegração no mercado de trabalho. As referidas valências estendem-se aos jovens em idade escolar, neste caso relacionadas com o acompanhamento no percurso vocacional. Sessões Coletivas de Informação Estas sessões têm como objetivo avaliar as dificuldades de inserção dos utentes no mercado de trabalho, transmitir informações atualizadas sobre o mesmo e desenvolver competências de empregabilidade. Realizam-se nos vários concelhos da Região, permitindo um serviço de proximidade com as populações e esbatendo barreiras de mobilidade. Frequentemente estas sessões são desenvolvidas em colaboração com entidades externas, divulgando respostas no âmbito do emprego e da qualificação profissional junto do público inscrito no Centro de Emprego. As sessões podem incluir esclarecimento e abordagem a medidas de emprego, como a recém-criada Medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego (MIAOE), a qual permite atribuir um apoio financeiro aos desempregados titulares de prestações de desemprego que aceitam ofertas de emprego. Nesse sentido, a medida garante o apoio financeiro de 50% do valor da prestação nos primeiros seis meses após a celebração do contrato de trabalho e de 25% nos seis meses seguintes, até ao limite máximo de 500,00 e 250,00 euros, respetivamente. Este apoio financeiro é assegurado desde que contrato de trabalho celebrado garanta uma retribuição mensal em valor pelo menos igual à remuneração mínima mensal em vigor na Região. Desde o início de 2014 foram abrangidos aproximadamente 4200 utentes em Sessões Coletivas de Informação. Técnicas de Procura Ativa de Emprego Os técnicos do Centro de Emprego, através de atendimentos individuais ou de sessões coletivas disponibilizam ferramentas essenciais a uma procura de trabalho mais ativa e orientada para o sucesso, com foco nas potencialidades do candidato e respetivo percurso. As sessões de procura ativa de emprego têm vindo a obedecer a uma lógica de descentralização e política de proximidade desde o início de 2014 até à presente data. Nesse sentido, o Centro de Emprego, com a colaboração de animadores dos diversos Polos de Emprego, levou este conjunto de ferramentas a 3200 pessoas em situação de desemprego nos concelhos do Funchal, Ponta do Sol, Ribeira Brava, Machico, Santana, Santa Cruz e Câmara de Lobos. Acompanhamento de desempregados e aconselhamento profissional O Centro de Emprego disponibiliza apoio individualizado na procura de soluções para os candidatos de difícil colocação, em maior fragilidade psicológica, beneficiários de RSI e restantes situações de risco de exclusão social devido ao desemprego. Este acompanhamento, centrado na pessoa e orientado para a construção de um projeto de carreira, é desenvolvido por uma equipa multidisciplinar preparada para dar uma resposta aos casos sociais emergentes. Divulgação e encaminhamento para formação profissional Com o objetivo de dotar a população desempregada de índices de qualificação profissional mais adaptados aos novos contextos do mercado laboral, o IEM, IP-RAM tem promovido um conjunto de parcerias com várias entidades. Estas parcerias visam conciliar a população inativa com uma oferta formativa adequada ao seu perfil, mas que permita colmatar défices de qualificação. Aproximadamente 2300 pessoas inscritas no Centro de Emprego foram integradas em ações de formação nas mais diversas áreas desde o início de Orientação Vocacional e Profissional O Centro de Emprego oferece um serviço de orientação vocacional e profissional à comunidade, nomeadamente jovens em idade escolar. Este apoio permite aos jovens uma tomada de decisão mais consciente relativamente aos percursos formativos e profissionais, facultando informação relevante sobre as oportunidades de ensino, de formação profissional e o mundo das profissões. Como Formalizar Candidatura no IEM As ofertas de emprego disponíveis no IEM, IP-RAM podem ser consultadas no site ou em atendimento presencial nos serviços centrais, à Rua da Boa Viagem 36, no Funchal, Loja do Cidadão, Núcleos de Atendimento da Ribeira Brava e Machico e nos futuros Polos de Emprego. As entidades/cidadãos interessados em candidatar-se às medidas de emprego, podem obter os respetivos formulários de candidatura através do nosso sítio na internet ou nos serviços centrais. Após o seu preenchimento, as candidaturas devem ser entregues na Direção de Planeamento e Promoção de Emprego, à Rua da Boa Viagem nº 36, 1.º andar. No caso de pretender candidatar-se às medidas de criação do próprio emprego, poderá, previamente, participar nas sessões de empreendedorismo que se realizam todas as sextas-feiras às 14 horas, devendo efetuar a sua inscrição através do mail: ou pelo telefone

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo.

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo. Centro de Emprego da Maia Estágios Emprego Reativar Emprego Jovem Ativo Estímulo Emprego Mobilidade Geográfica Empreendedorismo Adolfo Sousa maiago, 14 maio 2015 Taxa de Desemprego em Portugal - INE 0

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014 Medidas Ativas de Emprego Junho 2014 Intervenção do SPE A intervenção prioritária deve ser o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o SPE quer acima de tudo um emprego. Quando

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação FEIRA DO EMPREENDEDOR 22-11-2012 Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Apoios à Contratação Programa Estágios Port.92 Medida Estímulo 2012

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014 Medidas Ativas de Emprego Leiria 19.09.2014 Formação em TÉCNICAS DE PROCURA DE EMPREGO Formação VIDA ATIVA GARANTIA JOVEM MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO: Apoios à contratação Estágios Emprego Emprego Jovem

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Fevereiro 2014

Medidas Ativas de Emprego. Fevereiro 2014 Medidas Ativas de Emprego Fevereiro 2014 Medidas ativas de emprego Medidas 1. Estágios Emprego 2. Estímulo 2013 3. Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Estágios Emprego Portaria n.º 204-B/2013, de

Leia mais

Incentivos à contratação 2013

Incentivos à contratação 2013 Incentivos à contratação 2013 Conheça os principais apoios à contratação em vigor em 2013 Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem consistir em apoios

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+);

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+); MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS Sabugal, 9 de Abril de 2013 Medidas de Emprego Contrato Emprego Inserção (CEI); Contrato Emprego Inserção + (CEI+); CEI Património; Medida Estímulo 2013; Estágios

Leia mais

Albufeira, 24 de Maio de 2012

Albufeira, 24 de Maio de 2012 Albufeira, 24 de Maio de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando

Leia mais

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 8 Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO E À FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Faro, 3 de julho de 2015

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO E À FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Faro, 3 de julho de 2015 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO E À FORMAÇÃO PROFISSIONAL Faro, 3 de julho de 2015 AGENDA 1 - Mercado de emprego 2 - Medidas Ativas de Emprego 3 Formação Profissional 1 - MERCADO DE EMPREGO MERCADO DE EMPREGO

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego 2014

Volta de Apoio ao Emprego 2014 Volta de Apoio ao Emprego 2014 Apoios ao Empreendedorismo 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3.O Ninho de Empresas de Loulé 2014-10-23

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO. SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011

MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO. SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011 MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011 1 CONTRATO EMPREGO INSERÇÃO E CONTRATO EMPREGO INSERÇÃO + 2 Contrato Emprego Inserção OBJECTIVO: Promover a empregabilidade dos desempregados

Leia mais

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca www.pwc.pt/tax Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca Enquadramento da Lei nº. 70/2013 no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Remunerações no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Benefícios aos

Leia mais

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO 9 de Abril 2015 Direito do Trabalho PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO Esta Portaria, publicada em 20 de Março passado, vem criar e regulamentar a Medida de Promoção de Igualdade de Género no Mercado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à Criação do Próprio Emprego e de Empresas 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO Medida Estímulo 2013 CONTACTOS: Porto Gold Finance, Lda. Tel/Fax: 22 986 24 00 e-mail: comercial@pgf.pt MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO Se pretende dinamizar o seu negócio não perca esta oportunidade. Sem

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Conteúdo do Guia Enquadramento Estágios Emprego Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Apoio à Contratação

Leia mais

I.Estágios/Passaporte Emprego Portaria n.º 225-A/2012, de 31 de julho.

I.Estágios/Passaporte Emprego Portaria n.º 225-A/2012, de 31 de julho. A Resolução do Conselho de Ministros n.º 51-A/2012, de 14 de junho, veio criar o Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção de Empregabilidade Jovem e Apoio às PME s («Impulso Jovem»), que assenta em

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO O PAECPE concede apoio à criação de empresas e à criação do próprio emprego. Contempla as seguintes medidas: 1) Apoios à Criação de

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO Medida Contratação via Reembolso TSU Portaria nº 204-A/2013 de 18 de Junho Estágio Emprego Portaria nº 204-B/2013 de 18 de Junho Jovens idades 18-30 anos Adultos idade = ou > 45 anos Adultos idades 31

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 8 de março de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 19/2013 Aprova o Programa Juventude Ativa. 2 8 de

Leia mais

IEFP, I.P. Apoios e Serviços Prestados Programa de Estágios Profissionais PAULA AGOSTINHO (Centro de Emprego de Montemor-o-Novo do IEFP, IP)

IEFP, I.P. Apoios e Serviços Prestados Programa de Estágios Profissionais PAULA AGOSTINHO (Centro de Emprego de Montemor-o-Novo do IEFP, IP) IEFP, I.P. Apoios e Serviços Prestados Programa de Estágios Profissionais PAULA AGOSTINHO (Centro de Emprego de Montemor-o-Novo do IEFP, IP) Montemor, 27 de janeiro de 2012 1. QUEM SOMOS O IEFP - MISSÃO

Leia mais

3. Como podem ser constituídas as equipas dos projetos cooperativos?

3. Como podem ser constituídas as equipas dos projetos cooperativos? FAQ I Finalidade e âmbito do Programa COOPJOVEM 1. O que é o COOPJOVEM? O COOPJOVEM é um programa de apoio ao empreendedorismo cooperativo, destinado a apoiar os jovens NEET na criação de cooperativas,

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação -*89 Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Enquadramento A Frederico Mendes & Associados disponibiliza mais uma versão do seu Guia de Medidas

Leia mais

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS > MENSAGEM DE BOAS VINDAS A (DPE), da (DREQP), inicia, com o primeiro número desta Newsletter, um novo ciclo de comunicação e aproximação ao público em geral e, de forma particular, aos seus parceiros

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto DATA: Quarta-feira, 30 de julho de 2014 NÚMERO: 145 SÉRIE I EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DIPLOMA: Portaria n.º 151/2014 SUMÁRIO: Cria o Programa Investe Jovem Artigo

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 7 de outubro de 2015 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 184/2015 Cria e regula o funcionamento

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS Alexandre Oliveira - IEFP Objetivos da sessão Identificar intervenções do IEFP no âmbito das políticas ativas de emprego para jovens: Estágios Profissionais; Medida Estímulo

Leia mais

Passaporte para o Empreendedorismo

Passaporte para o Empreendedorismo Passaporte para o Empreendedorismo Enquadramento O Passaporte para o Empreendedorismo, em consonância com o «Impulso Jovem», visa através de um conjunto de medidas específicas articuladas entre si, apoiar

Leia mais

I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1. Incentivos à CONTRATAÇÃO

I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1. Incentivos à CONTRATAÇÃO I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1 Incentivos à CONTRATAÇÃO Abril 2015 I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Pag. 2 ÍNDICE 1. Introdução... 4 1.1. Enquadramento... 4 1.2. Objetivos

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Estímulo Emprego. Promotores

Estímulo Emprego. Promotores Estímulo Emprego Apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho a termo certo por prazo igual ou superior a 6 meses ou contratos de trabalho sem termo, a tempo completo ou a tempo

Leia mais

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO DOSSIER INFORMATIVO 4 INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO EMPRESAS 2015 ÍNDICE 1 - Medida Estágio Emprego...4 2 - Medida Estímulo Emprego...10 3 - Medida REATIVAR...16 4 - Dispensa de pagamento de contribuições

Leia mais

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s V I D A A T I V A Formar e I n t e g r a r Emprego Qualificado Desempregados APOIO ÀS Start-Up`s APOIO AO EMPREENDEDORISMO Apresentar os elementos centrais da intervenção do IEFP no apoio ao Empreendedorismo:

Leia mais

Sessão de esclarecimento ACIB. Barcelos, 28 de março de 2012

Sessão de esclarecimento ACIB. Barcelos, 28 de março de 2012 Sessão de esclarecimento ACIB Barcelos, 28 de março de 2012 O IEFP, I.P. É UM SERVIÇO PÚBLICO DE EMPREGO COM ATENDIMENTO PERSONALIZADO E GRATUITO QUE PODE APRESENTAR SOLUÇÕES PARA A SUA EMPRESA FACULTA

Leia mais

A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014;

A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014; 7 de Agosto 2014 Direito do Trabalho Em 24 e 30 de Julho de 2014 foram publicadas quatro Portarias com o objectivo de combater o desemprego, e sobretudo o desemprego jovem, a saber: A Portaria 149-A/2014,

Leia mais

Programa Investe Jovem. Apoio à Criação do Próprio Emprego

Programa Investe Jovem. Apoio à Criação do Próprio Emprego Programa Investe Jovem Apoio à Criação do Próprio Emprego Portal dos Incentivos Jan 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Objeto... 2 1.2 Objetivo... 2 1.3 Destinatários do Apoio... 2 1.4 Requisitos

Leia mais

PORTAL EMPREGO. www.emprego2009.gov.pt

PORTAL EMPREGO. www.emprego2009.gov.pt PORTAL EMPREGO www.emprego2009.gov.pt A INICIATIVA EMPREGO 2009 I MANTER O EMPREGO 285 M II APOIAR OS JOVENS NO ACESSO AO EMPREGO 105 M III APOIAR O REGRESSO AO EMPREGO 137 M IV ALARGAR A PROTECÇÃO SOCIAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 3962-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 147 31 de julho de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Portaria n.º 225-A/2012 de 31 de julho As importantes reformas que estão a ser implementadas na economia

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO SOBRE MEDIDAS DE APOIO

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO SOBRE MEDIDAS DE APOIO SESSÃO DE APRESENTAÇÃO SOBRE MEDIDAS DE APOIO CENTRO DE EMPREGO DE MONTEMOR-O-NOVO 26 de julho de 2012 APRESENTADO POR : PAULA AGOSTINHO MEDIDAS DE APOIO MISSÃO O Instituto do Emprego e Formação Profissional,

Leia mais

PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS

PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALBUFEIRA 2014 PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS Uma consultadoria eficaz e rentável vocacionada para fornecer às empresas serviços integrais de formação e recrutamento.

Leia mais

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL - REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL Artigo 1.º Objetivos O programa Voluntariado Juvenil visa promover a participação cívica dos jovens em ações de voluntariado de interesse social e comunitário,

Leia mais

INICIATIVA EMPREGO 2009

INICIATIVA EMPREGO 2009 INICIATIVA EMPREGO 2009 APOIO AO EMPREGO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Redução de 3% da taxa contributiva, a cargo do empregador, relativaaos trabalhadores com 45 ou mais anos : Micro e pequenas empresas

Leia mais

5ª Edição do Prémio SIC Esperança Escola Solar Regulamento

5ª Edição do Prémio SIC Esperança Escola Solar Regulamento A SIC Esperança promove anualmente a entrega de um prémio a um projeto inovador ainda não implementado, que tenha como objetivo a melhoria da qualidade de vida, em particular de pessoas socialmente desfavorecidas.

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS Medidas de Apoio à Contratação CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Ana Henriques Moreira Portugal Agosto 2014 Entre 24 e 30 de Julho do corrente

Leia mais

União das Freguesias de Macieira da Lixa e Caramos Município de Felgueiras. Regulamento Do Programa De Voluntariado Social

União das Freguesias de Macieira da Lixa e Caramos Município de Felgueiras. Regulamento Do Programa De Voluntariado Social Regulamento Do Programa De Voluntariado Social Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define o conjunto de normas a que deve obedecer o Programa Voluntariado Social e Jovem para a Freguesia de Macieira

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 Considerando os objetivos do Governo dos Açores em promover, na Região, um conhecimento especializado de temáticas

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. Descrição... Erro! Marcador não definido. 2. Entidade Gestora...

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Fundo Social Europeu em Portugal. O que é? Para que serve? Como posso beneficiar?

Fundo Social Europeu em Portugal. O que é? Para que serve? Como posso beneficiar? Fundo Social Europeu em Portugal O que é? Para que serve? Como posso beneficiar? Ana O que é o FSE? O FSE (Fundo Social Europeu) é o principal instrumento financeiro da União Europeia para apoiar as pessoas

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA Aprovado em Câmara Municipal a 26 de fevereiro de 2015 Aprovado em Assembleia Municipal a 30 de abril 2015 Projeto de Regulamento

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Plano e Orçamento para 2015. Políticas de Promoção de Emprego e Empregabilidade

Plano e Orçamento para 2015. Políticas de Promoção de Emprego e Empregabilidade 1 Plano e Orçamento para 2015 Políticas de Promoção de Emprego e Empregabilidade Senhora Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO APOIOS AO EMPREGO E À CONTRATAÇÃO Portaria n.º130/2009, de 30 de Janeiro PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO INICIATIVAS LOCAIS DE EMPREGO Portaria

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego

Medidas Ativas de Emprego Medidas Ativas de Emprego Estímulo 2013 e Apoio à Contratação Via Reembolso da Taxa Social Única(RTSU) JULHO 2014 A prioridade é o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 14 de outubro de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 191/2015 Regulamenta o Programa

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 6 de agosto de 2014. Série. Número 118

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 6 de agosto de 2014. Série. Número 118 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 6 de agosto de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 136/2014 Aprova e regulamenta o regime de concessão de apoios

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Capital Humano Sara Estudante Relvas Posicionamento da Região Autónoma da Madeira no contexto nacional e europeu

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE PERCEÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS DO PROGRAMA IMPULSO JOVEM. CAPÍTULO I Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DA REDE DE PERCEÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS DO PROGRAMA IMPULSO JOVEM. CAPÍTULO I Âmbito de aplicação REGULAMENTO DA REDE DE PERCEÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS DO PROGRAMA IMPULSO JOVEM CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo

Leia mais

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho 07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho Estágios Profissionais A matéria relativa aos estágios profissionais encontra-se regulada pelo Decreto-Lei n.º 66/2011, de 1 de Junho («Estágios Profissionais»)

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 16/2014 Aprova o Regulamento do Programa Jovem

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta no fomento de medidas de apoio ao

Leia mais

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 I DESTINATÁRIOS O Programa de Ocupação de Jovens, promovido pela Câmara Municipal de Cascais, através da Divisão de Promoção de Emprego (DPRE), destina-se a jovens

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS (SIALM) Nos termos do Regulamento do Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

Regulamento. Foremor

Regulamento. Foremor Regulamento Foremor Preâmbulo O presente projeto decorre de uma candidatura realizada pela MARCA ADL ao programa ERASMUS+, no âmbito da KA1 Learning Mobility for Individuals e está integrada numa iniciativa

Leia mais

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO CONSIDERANDO: A Portaria n^ 985/2009, de 4 de Setembro, criou o Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE),

Leia mais

FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO

FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO 1. Identificação do beneficiário FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO Beneficiário:... (Designação da entidade que beneficia dos apoios financeiros) processo:... 2. Período a reembolsar Pedido de reembolso

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público.

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 7ª edição Prémio Boas Práticas no Sector Público O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. Aconselhamos a sua leitura antes de iniciar o processo

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais

CFPIMM CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS INDÚSTRIAS DA MADEIRA E MOBILIÁRIO MEDIDA VIDA ATIVA

CFPIMM CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS INDÚSTRIAS DA MADEIRA E MOBILIÁRIO MEDIDA VIDA ATIVA CFPIMM CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS INDÚSTRIAS DA MADEIRA E MOBILIÁRIO MEDIDA VIDA ATIVA OBJETIVOS A medida VIDA ATIVA consiste numa resposta de qualificação que visa: Proceder ao ajustamento entre

Leia mais

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 ÍNDICE: PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução n.º 89/2014: Cria um prémio destinado à integração de ativos no setor primário, designado por AGRICULTURA +.

Leia mais

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução REGULAMENTO Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades Introdução O Banco Santander Totta, S.A., em parceria com as Instituições de Ensino Superior aderentes (doravante «IES»), e através da

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO

CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO Projeto Objetivos Metas Indicadores Ações - Preencher as fichas de inscrição no site http://empregar.ire.gov.p; População Alvo Recursos Humanos Materiais

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Qualificação das PME Vale Inovação Intene Consultoria de Gestão, Lda. Maio 2015 Rua Dr. Augusto Martins, n.º 90, 1.º andar Sala 4 4470-145 Maia

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO. Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO. Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge NOVAS MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO Programa ESTAGIAR L, T e U (Resolução do Conselho de Governo nº 100/2015 de 15/07/2015) OBJETO O plano de estágios ESTAGIAR desenvolve-se em três programas: a) O ESTAGIAR

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO INDICE 1. OBJETIVO 2. DESTINATÁRIOS 3. REQUISITOS GERAIS DE ACESSO À TIPOLOGIA MICROINVEST 4. MODELO ESPECÍFICO DE APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO

Leia mais