À Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "À Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel"

Transcrição

1 À Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel Ref.: Audiência Pública nº 047/12 - Proposta de resolução que estabelece os procedimentos e as condições para a prestação de atividades acessórias pelas concessionárias e permissionárias de serviço público de distribuição de energia elétrica. Sugestões. ACE SEGURADORA S/A, empresa com sede na Av. Paulista, nº º/18º andares, São Paulo - SP, inscrita no CNPJ sob o nº / , a seguir denominada simplesmente "ACE", vem, apresentar no prazo regulamentar, suas contribuições em relação à Audiência Pública nº 047/12, a qual visa a obtenção de subsídios para a regulamentação dos procedimentos e das condições para a prestação de atividades acessórias pelas distribuidoras e permissionárias de distribuição de energia elétrica, assim como para a cobrança de produtos e serviços de terceiros por meio da fatura de energia elétrica. O assunto em epígrafe merece a total atenção e consideração da ACE na medida em que implica em alterações na legislação da ANEEL, a qual interferirá diretamente na real possibilidade de comercialização de seguros e outros serviços por meio de contas de eletricidade. E esta comercialização tem sido importante fator de disponibilização da proteção securitária a setores da população que, de outra forma, dificilmente teriam acesso a tal benefício, conforme fatos e motivos que a seguir expõe, para ao final requerer. I - Dos Fatos A ACE é uma seguradora regularmente estabelecida no Brasil e registrada perante a Superintendência de Seguros Privados - SUSEP - para atuar em todos os ramos de seguro. A ACE é pioneira no desenvolvimento de parcerias com empresas concessionárias e permissionárias de distribuição de energia elétrica, através das quais oferece seus seguros aos clientes e consumidores destas empresas. Por meio das empresas concessionárias e permissionárias a ACE disponibiliza a contratação de seguros de forma massificada. Isso, juntamente com a estruturação de seguros destinados à prover coberturas a famílias de todas as faixas de renda e de todas as regiões do país, o que permite uma significativa redução dos respectivos prêmios a serem pagos pelos clientes que desejam contratá-los. Deste modo, viabiliza-se a oferta de seguros com coberturas de morte, incapacidade decorrente de acidente, incêndio, danos elétricos, desemprego, dentre

2 outras modalidades, com custos mensais a partir de R$2,00, conforme exemplos a seguir indicados. CPFL PIRATININGA - Seguro em Conta Incêndio Raio Explosão Até R$ ,00 Desemprego Involuntário Incapacidade Física Temporária Morte qualquer causa Invalidez Permanente Total por Acidente Até 3 contas Até 3 contas 12 contas quitadas 12 contas quitadas Acidentes Pessoais R$ 1.000,00 Sorteio R$ 5.000,00 Assistência Emergenciais 24 horas SIM Prêmio R$ 2,90 RGE - Seguro Vida Tranquila Incêndio Raio Explosão Até R$ ,00 Desemprego Involuntário Até 4 parcelas de R$ 228,00 Incapacidade Física Temporária Até 4 parcelas de R$ 228,00 Morte qualquer causa 12 parcelas de até R$ 228,00 Invalidez Permanente Total por Acidente 12 parcelas de até R$ 228,00 Supermercado 12 x R$ 114,00 Sorteio R$ 5.750,00 Assistência 24 horas SIM Prêmio R$ 3,99

3 Esta forma de comercialização massificada do seguro, com custos reduzidos e estrutura apropriada somente é possível porque o respectivo prêmio é recolhido dos clientes através da fatura de energia elétrica mensal, enviada aos consumidores pelas concessionárias e permissionárias de distribuição de energia elétrica, as quais repassam o valor do prêmio arrecadado à ACE. Ocorre que o aproveitamento da fatura de energia elétrica mensal para a cobrança do prêmio é parte vital da operacionalização da venda do seguro nesta modalidade massificada, sendo inviável nesse contexto a cobrança do prêmio em dois códigos de barras diferenciados, como demonstraremos ao longo deste trabalho. Isso porque, além das inúmeras dificuldades operacionais no caso do seguro, a utilização de duas barras de código diferenciadas demanda na prática a necessidade de dois convênios de cobrança, e o tal custo adicional resultaria em prêmio de mais que o dobro do valor acima indicado. Não se trata de argumento catastrofista e sim de fato evidente, já que o custo da cobrança em questão, no mínimo, dobraria. Por outro lado, o consumidor poderia entender, baseado no que sempre realizou, que ao pagar um dos códigos de barras estaria quitando todas as suas obrigações, podendo resultar na inadimplência equivocada do serviço de distribuição de energia ou do seguro. Ademais, a seguir será (i) demonstrada a evidente desnecessidade de mudança da sistemática atual de cobrança de serviços por meio da conta de energia e (ii) apontados outros reflexos danosos decorrentes da eventual nova regra da ANEEL obrigando a cobrança através de códigos de barras distinto para a energia e para serviços (inclusive seguros). II - Da Proposta de Resolução Normativa da ANEEL e do Objeto dessa Manifestação A proposta de Resolução Normativa que trata dos procedimentos e condições para a prestação de atividades acessórias pelas concessionárias e permissionárias do serviço de distribuição de energia elétrica, elaborada pela Aneel e ora em debate, disponível para consulta através do site da ANEEL, _-_atividades_acessorias.pdf, caracteriza como acessória a atividade de natureza econômica exercida pela distribuidora por sua conta e risco, de forma acessória ao objeto do contato de concessão ou permissão. Tais atividades acessórias são classificadas na referida proposta de Resolução como próprias, complementares ou atípicas, estas últimas exercidas exclusivamente por terceiros que tenham interesse em incluir a sua cobrança pela prestação de seus serviços e/ou fornecimento de produtos na fatura de energia. Portanto, a oferta de seguros seria considerada atividade atípica e a prestação e a cobrança de atividades acessórias e atípicas estariam condicionadas à

4 prévia solicitação ou concordância do titular da unidade consumidora, por escrito ou por outro meio em que possa ser comprovada. A proposta de resolução estabelece ainda que os valores relativos às atividades acessórias atípicas deverão ser cobrados de forma identificada e discriminada na fatura de energia elétrica, e que o inadimplemento destas cobranças não enseja a suspensão do fornecimento de energia elétrica. Outro ponto que integra a referida proposta é que em caso de cobrança indevida, ou mesmo ante a ausência de comprovação da prévia solicitação ou concordância da contratação, deverá o valor cobrado, e já pago, ser devolvido em dobro, acrescido de atualização monetária e juros de mora. Além disso, pode o consumidor, a qualquer tempo, solicitar diretamente à distribuidora o cancelamento de qualquer cobrança de terceiro, sem a necessidade de contrato prévio ou anuência do prestador do serviço ou fornecedor do produto a que se refere a cobrança. Existe também vedação para que a distribuidora utilize ou compartilhe seus recursos humanos, materiais, postos de atendimento e demais canais de atendimento ao consumidor para a prestação de serviços ou venda de produtos caracterizados como atividades acessórias atípicas, exceto para o atendimento dos pedidos de cancelamento da prestação de serviços e/ou fornecimento de produtos. Como se vê, existe na norma proposta um amplo rol de regras protegendo os consumidores de abusos e falhas por parte dos prestadores de serviços. Isso, note-se, sem que sequer se possa apontar tal espécie de negócio como especialmente geradora de problemas para os consumidores. Já não caberia do ponto de vista econômico uma operação desajustada e que desrespeitasse o direito dos consumidores, e tais proteções tornam essa uma hipótese quase uma impossibilidade prática. O ponto que causa a irresignação da ACE, e demanda reavaliação por parte da ANEEL é a necessidade da cobrança das atividades acessórias por meio de código de barra específico para esta finalidade, de forma separada e exclusiva do serviço de distribuição de energia elétrica. Como restará demonstrado abaixo, tal forma de cobrança, se fosse implementada (para o que hoje sequer existe a tecnologia adequada) apresenta uma série de problemas logísticos e riscos que aumentariam de forma significativa o custo e provavelmente inviabilizariam a operação, que se caracteriza justamente pelo baixo custo e pela simplicidade. De fato, a proposta de Resolução está redigida em bons termos, e confere a necessária proteção dos interesses dos consumidores de forma geral, considerando os princípios gerais de defesa do consumidor à luz da Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, como a seguir comentaremos. Contudo, a exigência da efetivação da cobrança através de código de barras exclusivo - duplo código de barras como vem sendo chamado, de forma

5 apartada a cobrança do fornecimento de energia elétrica configura-se demasiada, e se mantida pela ANEEL acabará por impossibilitar a operacionalização da oferta do seguro de forma massificada, implicando a majoração substancial dos valores dos prêmios e, na prática a impossibilidade da oferta destes produtos aos consumidores, como restará demonstrado. III - Breve histórico do contexto legal no qual se insere a prestação das atividades acessórias Nos termos da Lei nº 8.987/95, que trata do regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos, existe previsão para a prestação de outros serviços pelas empresas concessionárias e permissionárias de distribuição de energia elétrica, além daqueles estritamente relacionados com o objeto de suas atividades. O art. 11 da Lei assim dispõe: "Art. 11. No atendimento às peculiaridades de cada serviço público, poderá o poder concedente prever, em favor da concessionária, no edital de licitação, a possibilidade de outras fontes provenientes de receitas alternativas, complementares, acessórias ou de projetos associados, com ou sem exclusividade, com vistas a favorecer a modicidade das tarifas, observado o disposto no art. 17 desta Lei". (grifos nossos) É, portanto, legalmente possível a criação de outras fontes de receitas alternativas, e de fato tem havido a cobrança de atividades acessórias aos serviços de distribuição de energia elétrica. Aliás, a Portaria do Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica, DNAEE nº 222/87 já possibilitava a inclusão de mensagens publicitárias nas faturas de energia elétrica, dispondo ainda que os recursos arrecadados seriam aplicados no sistema do concessionário. posteriormente, a Portaria nº 466/97, estabeleceu a possibilidade de efetivação da cobrança de outros serviços na fatura de energia elétrica. Na mesma linha, a Resolução ANEEL nº 456/00 também previu a prestação de outros serviços, desde que contratados livremente pelo consumidor, mediante sua autorização, facultando a cobrança dos mesmos na fatura de energia elétrica, de forma discriminada. Nota-se que a cobrança das atividades acessórias já vem sendo praticada no setor elétrico desde 1987, e portanto, é usual para seus consumidores a possibilidade de contratar o fornecimento de outros serviços acessórios, além de contar com a comodidade de suas cobranças através da fatura de energia elétrica. Não é demais salientar que, nesse período, a universalização do consumo de energia foi fator importante de inclusão social, inclusão esta que pressupõe, entre outros elementos, a capacidade de consumir. E, para isso, a

6 existência de um canal simples e funcional como a conta de energia, esta se transforma em um forte catalizador desta inclusão social. IV - Do Seguro A comercialização de seguros é atividade privativa das seguradoras regularmente registradas no país, e é detalhadamente normatizada pelas regras emitidas pelo Conselho Nacional de Seguros Privados - CNSP, e controlada e fiscalizada pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP. Somente através das concessionárias e permissionárias de energia elétrica a ACE garante a proteção de aproximadamente 2 milhões de consumidores, por meio de contratos de seguros de diversos ramos e coberturas. Grande parte destes seguros são comprados por populações de baixa renda, às quais o acesso somente é possível, a custos reduzidos, pela arrecadação dos prêmios através da fatura de energia elétrica, nos moldes atualmente praticados. Um tema muito em voga atualmente na indústria de seguros é o microsseguro, o qual, após amplo e longo debate, foi recentemente normatizado com a publicação da Circular SUSEP nº 439 em junho de Como se sabe, tal modalidade de seguro visa proteger exatamente as classes sociais menos favorecidas, possibilitando o ingresso das mesmas no setor, e o seu incentivo pelo Governo não é uma medida isolada. Diferentemente, insere-se no contexto maior do esforço para inclusão social e distribuição da renda, que em última instância é a disponibilização, para as classes menos favorecidas, dos benefícios do desenvolvimento econômico. Infelizmente, o Brasil, mesmo quando comparado com outros países da América Latina, ainda está bastante atrasado quanto a popularização do instituto do seguro, que alcança apenas pequena parcela da sociedade. A contratação do seguro não é um luxo, mas sim uma necessidade. E neste contexto, o microsseguro oferece proteção aos segmentos mais pobres da população. Aliás, pela maior dificuldade em acumular poupança, as classes de menor renda são justamente aquelas que mais precisam de proteção pessoal e patrimonial. São elas que, por exemplo, correm o risco de, diante do desemprego ou invalidez do pai ou da mãe de família, não terem a capacidade de pagar a sua conta de energia e perder o fornecimento da energia elétrica, sobre cuja necessidade não é necessário tecer qualquer comentário (em anexo, seguem fotografias de exemplo de sinistros cobertos pelo seguro). Nesse contexto, difícil vislumbrar exemplo melhor de distribuição de renda, já em vigor, do que a comercialização de seguros de forma massificada aos consumidores do setor elétrico, com reduzidos valores de prêmio, permitindo assim o acesso de camadas menos favorecidas da população à proteção securitária.

7 Segundo dados obtidos da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNSeg), o mercado-alvo para o microsseguro é constituído principalmente por pessoas com renda de até 3 salários mínimos, ou seja, os 128 milhões de indivíduos das classes C e D. Uma legislação que não onere o mercado (custo regulatório), vários canais de distribuição e produtos adequados às necessidades efetivas dos consumidores de baixa renda estão entre os pré-requisitos listados pelos especialistas do Banco Mundial para o avanço do microsseguro. Assim, a distribuição de seguros, e a cobrança dos prêmios através da fatura de energia elétrica, configura uma das mais importantes ferramentas de popularização do seguro nas camadas menos favorecidas, cumprindo com maestria a missão pretendida pelo microsseguro. V - Dos Aspectos Sociais - Acesso das Classes Menos Favorecidas ao Fornecimento das Atividades Acessórias A oferta da prestação das atividades acessórias representa real benefício aos consumidores de energia elétrica, mormente àqueles de classes sociais menos favorecidas. Isto porque, a comercialização de forma massificada possibilita a redução dos custos de tais serviços e produtos, que são também mais uma opção de contratação dos mesmos. Todavia, por vezes, considerando as dimensões continentais do Brasil e a existência de diversas áreas de difícil acesso, distantes dos grandes centros comerciais, a oferta dos serviços acessórios e produtos pelas concessionárias de energia elétrica representa o principal, senão único, meio de acesso destas populações a tais serviços e produtos. E como política de geração do bem-estar social dos consumidores de energia elétrica, a ANEEL pode ter papel fundamental possibilitando e regulando a forma de acesso e prestação das atividades acessórias. Nota-se que somente através deste tipo de comercialização massificada, e do pagamento através da fatura de energia elétrica, um consumidor de uma região longínqua do país teria acesso a contratação de um seguro, por exemplo, de vida ou de incêndio, com o pagamento de indenização aos seus beneficiários em caso de sua morte ou a reparação dos danos causados por um incêndio ou dano elétrico, pagando para tanto quantias em torno de R$ 5,00. Sabemos que as classes sociais A e B tem à sua disposição grande oferta de serviços e produtos, sejam estes cobrados através de débito automático na conta corrente bancária, cartão de crédito, internet ou outras formas de pagamento.

8 E também deve ser levado em conta que muitas vezes o consumidor elege, dentre outros meios, a fatura de energia elétrica para o pagamento de outros serviços que contrata, já que demanda única providência e esforço para o pagamento de todos. No entanto, as classes econômicas menos favorecidas não contam com o mesmo nível de oferta, muitas vezes em função da dificuldade de acesso a tais populações e principalmente, por falta de um meio eficiente de arrecadação dos seus pagamentos. Note-se, a proteção aos consumidores não pode ir ao ponto de considerá-los incapazes de tomares decisões. Fosse dessa forma, estar-se-ia condenando aquele que se considera hipossuficiente a ficar permanentemente alijado do consumo e dos benefícios do desenvolvimento econômico. O consumidor brasileiro não é incapaz, desprovido de inteligência ou desamparado. Ao contrário, é consciente dos seus direitos e exercendo os mesmos, utilizando, sempre que necessário, todos os instrumentos que tem à sua disposição, como os Procons. Durante as audiências públicas promovidas pela ANEEL, inclusive, foram extremamente reveladores alguns depoimentos. Dentre estes, destacamos dois. O primeiro foi a manifestação de um representante dos consumidores. Diante da insistência de determinados representantes de entidades de proteção ao consumidor, ele indignou-se com a forma como se referiam a integrantes das classes C e D - tratando-os como materialmente incapazes de tomar a decisão de contratar um seguro. Disse ele: "sou membro da classe C e minha família é da classe D. Estão nos julgando incapazes de contratar um plano de afinidade ou um seguro? Pois saibam que nós vemos a possibilidade de tais decisões como uma evolução. E mais, se há alguém que pode deixar de notar que por engano contratou algo, hipótese aliás muito rara, são as classes de maior poder econômico. Nós, da classe C, sabemos exatamente o que pagamos e porque pagamos, até em face do valor relativo de pequenas quantias". Um segundo, e ainda mais marcante, depoimento foi dado por um representante de uma ONG que se manifestou mesmo após ter sido informado pelo representante da ANEEL que a proposta de exigir códigos de barra diferenciados não se aplicaria a entidades sem fins lucrativos e ONGs. Sua manifestação deveu-se, segundo ele, ao fato de "não ter suportado a forma ofensiva como se referiam às classes C e D". Disse em suma que "nenhuma proposta de defesa de consumidor pode deixar de ter como premissa a sua autonomia para tomar decisões. Eu mesmo, como representante da classe C, tenho hoje o problema do smartphone de minha filha adolescente, que está ficando defasado. E o mais interessante é que o celular é uma porta de entrada para uma série de integrações dela, à internet, redes sociais e a informações em geral. Ora, posso decidir ter um celular, posso ter acesso a sites de compras, mas não posso decidir contratar um serviço a ser pago por meio de minha conta de energia? Sinto-me ofendido, como deve se sentir um índio cujo acesso à internet é impedido para evitar que ele perca a sua cultura e sua qualidade de objeto de estudo".

9 Se os consumidores brasileiros podem consumir telefones celulares, ter amplo acesso a computadores e à internet, e pagar por tais serviços através de débito automático, por exemplo, por que não podem contratar seguro e pagar os prêmios através da fatura de energia elétrica? Ademais, vale lembrar que grande parcela da população, infelizmente, não dispõe de conta corrente ou mesmo de um cartão de débito ou de crédito, sendo portanto, a fatura de energia elétrica nestes casos o único meio disponível para possibilitar o pagamento de serviços. Neste cenário, a cobrança através da fatura de energia elétrica possibilita a inserção de todos os consumidores de energia elétrica em segmentos sofisticados, como é o caso do seguro, que confere proteção financeira aos consumidores, em última análise, e este argumento, por si só, deve levar a ANEEL a reflexão, para ao final concluir pela manutenção da cobrança das atividades acessórias de forma conjunta com a fatura de energia elétrica VI - Da Inviabilidade de Efetivação da Cobrança das Atividades Acessórias através de Código de Barras Independentes A minuta de Resolução Normativa ANEEL ora em debate inova, prejudicialmente, no âmbito da sistemática das operações atuais. Isso na medida em que determina que a cobrança das atividades acessórias deve se dar através de um código de barras específico para este fim, de forma separada daquele relativo a cobrança do serviços de distribuição de energia elétrica. Todavia, a exigência do chamado duplo código de barras demonstra-se inviável e se implementada pela ANEEL prejudica e na prática inviabiliza a oferta dos serviços e produtos através da fatura de energia elétrica. A proposta em debate determina que todos as atividades acessórias sejam cobradas através de um único código de barras, o qual poderá conjugar, por exemplo, 3 atividades, sendo 2 prestações de serviços e 1 fornecimento de produtos para um determinado consumidor. Imaginemos os reflexos operacionais danosos que surgirão se este consumidor desejar cancelar 1 prestação de serviço, mantendo o pagamento das 2 atividades acessórias remanescentes. Qual dos fornecedores controlará a recepção deste pedido de cancelamento e será responsável pela geração de nova cobrança, contendo somente as 2 contratações que o consumidor deseja manter? Como seria a conciliação bancária da arrecadação de tais valores pelas empresas concessionárias de energia? Como seria feita a reeducação dos milhares de caixas de bancos e correspondentes bancários relativamente à existência dos dois códigos de barras?

10 Com que frequência o mesmo código seria pago duas vezes, e como se trataria essa situação? Quem assumiria a responsabilidade no caso de o consumidor e o Poder Judiciário entenderem que o pagamento do serviço foi feito, mesmo quando isso não tiver ocorrido? Faz-se perguntas porque, nada obstante o nosso profundo conhecimento da prática de se utilizar contas de energia para cobrar prêmios de seguros, não temos as respostas. Por certo, se todos os obstáculos operacionais criados por um duplo código de barras fossem superados, os custos relativos ao novo processo de cobrança e seus riscos seriam significativamente majorados, o que geraria em última análise, se ainda assim existisse seguro, o repasse dos mesmos aos consumidores das atividades acessórias A necessidade de existência de um código de barras específico e independente gera custos adicionais com a sua emissão, envio aos consumidores, taxa de cobrança pelas instituições bancárias que processam a cobrança, pessoal que compõe a estrutura necessária para possibilitar esta cobrança e a sua posterior conciliação. Outra questão que surge como complicadora, e resta prejudicial ao consumidor, é que a cobrança através de duplo código de barras é uma novidade, e que por certo gerará confusão com esta forma de apresentação. Neste sentido, o consumidor em geral realmente simpatiza com a possibilidade de pagamento através da fatura de fornecimento de serviços públicos, da mesma forma que tem o costume de concentrar diversas compras por vezes em única fatura de cartão de crédito, o que facilita o pagamento pela praticidade que representa. Ao receber a cobrança de 2 códigos de barras pode o consumidor ficar confuso qual deles deverá pagar, podendo acreditar que pode escolher o de custo mais baixo (que pode ser o relativo às atividades acessórias), imaginando assim ter pago a fatura de consumo de energia elétrica. Por certo, a cobrança através de duplo código de barras gerará inúmeros casos de inadimplência do pagamento do próprio consumo de energia elétrica, ocasionando reflexamente o corte do seu fornecimento. Em relação ao seguro existe ainda questão ainda mais sensível relativa a vigência da apólice, que em geral, é de 1 a 5 anos. Ocorre que, nada obstante o prazo da vigência do contrato de seguro, e até para viabilizar que o segurado suporte o custo do seguro, o pagamento do prêmio é mensal, sendo certo que em caso de não pagamento em determinado mês há a suspensão das coberturas securitárias, as quais em certos casos podem ser retomadas mediante o pagamento dos meses que deixaram de ser pagos.

11 Não se trata aqui de regra imposta pelas seguradoras a seus clientes e sim de mandamento legal que protege a coletividade dos segurados na inadimplência de alguns, já que art. 763 do Código Civil determina que "Não terá direito a indenização o segurado que estiver em mora no pagamento do prêmio, se ocorrer o sinistro antes de sua purgação". Além disso, após certo período sem que haja o restabelecimento dos pagamentos mensais, o contrato de seguro é definitivamente cancelado, deixando de existir mesmo a possibilidade de reativação do direito ao recebimento de indenização securitária em caso de sinistro. Em qualquer caso, o reinício ou manutenção da cobrança de prêmio deveria ser precedido de uma nova venda, e se e quando isso acontecesse (lembramos que se trata em alguns casos de uma base de milhões de famílias), o período em que os prêmios não foram pagos não estaria coberto. E tudo isso, note-se, com o segurado possivelmente acreditando que estava coberto, dada sua experiência anterior e com outros instrumentos, como o cartão de crédito e o débito em conta corrente. Note-se, todo esse transtorno estaria sendo causado tão somente para que o segurado tivesse a possibilidade de, na boca do caixa, decidir não pagar o prêmio, ainda que haja a expressa possibilidade de cancelar a cobrança por meio de telefone e solicitar a emissão de uma nova conta. Desta forma, não há argumento capaz de justificar todos os riscos, problemas e custos que serão gerados se obrigatória a cobrança através do duplo código de barras. Se a questão é o amparo ao consumidor, já existem na própria norma da ANEEL vários mecanismos que conferem sua total proteção. Com efeito, a possibilidade de solicitação do imediato cancelamento da cobrança dos serviços acessórios através de atendimento telefônico gratuito, que funcione 24 horas por dia, todos os dias da semana, e possa ser acessado e efetivado diretamente com a concessionária de energia elétrica, confere ampla proteção ao consumidor. E a proteção vai além, quando estabelece a regra de imediato envio de nova fatura de energia elétrica, contendo somente os serviços que quer o consumidor pagar além do fornecimento de energia, isto sem qualquer custo para o consumidor. Se no entanto estes mecanismos falharem, e o consumidor efetivar o pagamento do serviço que não contratou previamente ou, para o qual solicitou o cancelamento, a penalidade automaticamente aplicada para desestimular eventual ineficiência do sistema, é a obrigação de devolução ao consumidor do valor em dobro. Desta forma, repita-se a exaustão, o consumidor está amplamente protegido para qualquer eventual prática que lhe seja prejudicial. Aqueles que se filiam favoráveis ao duplo código de barras defendem que somente desta forma o consumidor pode manifestar, e renovar mensalmente, sua

12 vontade de contratar as atividades acessórias, o que é na verdade um entendimento equivocado. Entretanto, ninguém permanece pagando mensalmente por um serviço ou produto que de fato não utiliza ou não deseja mais usufruir. Temos exemplo disso no débito automático nas contas correntes. É óbvia a comodidade deste sistema tanto para os prestadores de serviço como para os consumidores. Além disso, a redução do custo representada pelo débito automático beneficia a todos os clientes do serviço. Faria sentido proibir o débito automático em razão de problemas ocorridos em casos totalmente isolados? É difícil estabelecer uma estatística, mas pode-se dizer que a intensidade dos problemas com consumidores que perderam seus benefícios por uma mudança no número ou dígito da conta sem a portabilidade dos débitos automáticos é semelhante ou até maior do que a dos casos que um débito automático inicia-se por uma falha do prestador do serviço ou do consumidor. Por isso é que o art. 6º da minuta de Resolução ANEEL deve ser ajustado nos seguintes termos: "Art. 6º A cobrança de atividades acessórias ou atípicas pode ser viabilizada por meio da fatura de energia elétrica, sendo seus valores e identificação devidamente discriminados no referido documento". VII - Do Princípio da Modicidade Tarifária A Lei nº 8.987/95 faculta a criação de fontes provenientes de receitas alternativas, complementares, acessórias ou de projetos associados, visando favorecer a modicidade das tarifas. Sobre o princípio da modicidade de tarifas, o art. 6º da citada Lei de Concessões assim estabelece: Art. 6º Toda concessão ou permissão pressupõe a prestação de serviço adequado ao pleno atendimento dos usuários, conforme estabelecido nesta Lei, nas normas pertinentes e no respectivo contrato. 1 o Serviço adequado é o que satisfaz as condições de regularidade, continuidade, eficiência, segurança, atualidade, generalidade, cortesia na sua prestação e modicidade das tarifas. A tarifa cobrada dos usuários deve ser modesta, de tal forma que o acesso ao serviço público seja amplo. Neste contexto, leciona Arnoldo Wald 1, acerca da modicidade tarifária: Wald, Arnoldo, O Direito de Parceria e a Lei de Concessões: Análise das Leis 8987/95 e 9074/95. 2ª Edição. São Paulo, Editora Saraiva, 2004.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito

Leia mais

EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO

EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública 006/2015 de 15/06/2015.

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 24 de outubro de 2014. OJ-GER/043/14 Orientações Jurídicas Resolução Normativa - RN nº 357, de 16 de outubro de 2014 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe,

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

Objetivo da Audiência

Objetivo da Audiência Audiência Pública n o. 033/2005 Contribuição da CPFL Energia Objetivo da Audiência Obter subsídios e informações adicionais para o aprimoramento de ato regulamentar a ser expedido pela ANEEL, que estabelece

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CHARTIS BRASIL SEGUROS S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: LEILÃO Nº 06/2009,

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. ATO REGULATÓRIO: Proposta de alteração Resolução Normativa nº 581, de 11 de outubro de 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. ATO REGULATÓRIO: Proposta de alteração Resolução Normativa nº 581, de 11 de outubro de 2013. MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 32/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Fundação PROCON/SP AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Proposta de alteração Resolução

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS MINUTA DE RESOLUÇÃO QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS Remetente: Signatário: RESOLUÇÃO PROPOSTA SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO JUSTIFICATIVA OU COMENTÁRIO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 Divulga as informações mínimas que deverão estar contidas na apólice, nas condições gerais e nas condições especiais para os contratos de segurogarantia e dá

Leia mais

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U:

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U: RESOLUCAO 2.878 Dispõe sobre procedimentos a serem observados pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil na contratação de operações e na

Leia mais

MODELO CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL

MODELO CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Juscelino Kubitschek, 2.235 São Paulo/SP, inscrito no

Leia mais

A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu Cartão.

A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu Cartão. SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Contrato de Utilização American Express Linha Crédito A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PARA FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS

CONDIÇÕES GERAIS DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PARA FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS CONDIÇÕES GERAIS DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PARA FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS As Condições Gerais abaixo se aplicam à operação de Financiamento de Veículos, contratada pelo EMITENTE junto ao BANCO TOYOTA,

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem.

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem. MINUTA DE RESOLUÇÃO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso XI, do Decreto nº 60.459, de 13 de março de l967, e considerando o inteiro teor

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004. Dispõe sobre a atualização de valores relativos às operações de seguros, de previdência complementar aberta e de capitalização, e dá outras providências.

Leia mais

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a atualização de valores relativos às operações de seguros, de previdência complementar aberta e de capitalização,

Leia mais

Telecomunicações: faça valer seus direitos

Telecomunicações: faça valer seus direitos Telecomunicações: faça valer seus direitos Exercer nosso direito à comunicação é uma questão de cidadania. Os serviços de telecomunicações estão entre os que mais geram dúvidas e reclamações. Veja aqui

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS 18/03/2014 Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional,

Leia mais

CONTRATO DE CREDITO CONSIGNADO CARTÃO VIRTUAL BIORC

CONTRATO DE CREDITO CONSIGNADO CARTÃO VIRTUAL BIORC CONTRATO DE CREDITO CONSIGNADO CARTÃO VIRTUAL BIORC Cláusulas Gerais que regem o Contrato de Crédito Consignado através do Cartão Virtual Biorc, operação realizada no site www.biorc.com.br, tendo de um

Leia mais

REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004

REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004 REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004 Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Previdência

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 13 de agosto de 2015. OJ-GER/030/15 Orientações Jurídicas Legitimidade da cobrança da taxa de adesão nos planos de saúde. Devido a inúmeros questionamentos acerca da licitude da cobrança da

Leia mais

1. Critério de alocação

1. Critério de alocação 1. Critério de alocação 1.1. A Equatorial Energia apresenta abaixo sua análise sobre a proposta dessa D.ANEEL descrita na Nota Técnica nº 375/2014-SRE/ANEEL em relação ao critério transitório a ser utilizado

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados. CIRCULAR SUSEP N.º, de de 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados. CIRCULAR SUSEP N.º, de de 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N.º, de de 2010. Divulga as informações mínimas que deverão estar contidas na apólice, nas condições gerais e nas condições especiais

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição.

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição. TARIFAS BANCÁRIAS A utilização de bancos é praticamente indispensável aos cidadãos. Contas e impostos, salários e seguros-desemprego são exemplos de transferência de dinheiro normalmente intermediada por

Leia mais

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor PLÍNIO LACERDA MARTINS Mestre em Direito Promotor de Justiça Prof. de Direito do Consumidor UGF pliniolacerda@aol.com

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 8.631, DE 4 DE MARÇO DE 1993. Dispõe sobre a fixação dos níveis das tarifas para o serviço público de energia elétrica, extingue o regime de remuneração

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL Pelo presente instrumento, de um lado a CLARO S.A., com sede na Rua Flórida, 1970, São Paulo/SP, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO COMERCIAL AO CARTÃO DE CRÉDITO AVISTA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO COMERCIAL AO CARTÃO DE CRÉDITO AVISTA CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO COMERCIAL AO CARTÃO DE CRÉDITO AVISTA Pelo presente instrumento de Contrato de Credenciamento de Estabelecimento Comercial ao Cartão de

Leia mais

Contribuição à Audiência 065/2008

Contribuição à Audiência 065/2008 Contribuição à Audiência 065/2008 Revisão da Resolução Normativa n 57/2004, que trata das metas e condições de atendimento das centrais de teleatendimento (CTA) 09/02/2009 APRESENTAÇÃO 1. O SINERGIA CUT

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento Básico. Fundação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País.

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. RESOLUÇÃO Nº 3.954 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Bem Total Versão Jun./11

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Bem Total Versão Jun./11 2 BEM TOTAL MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência que protege a sua família, caso algum imprevisto

Leia mais

PLANO BÁSICO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE TELEFONIA FIXA COMUTADA NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL

PLANO BÁSICO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE TELEFONIA FIXA COMUTADA NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL PLANO BÁSICO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE TELEFONIA FIXA COMUTADA NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL TIM CELULAR S.A., com sede na Cidade de São Paulo SP, à Av. Giovani Gronchi, 7143 - Vila Andrade,

Leia mais

CLÁUSULAS E CONDIÇOES CRÉDITO PESSOAL PREVENTIVO E CRÉDITO PESSOAL GERENCIADO

CLÁUSULAS E CONDIÇOES CRÉDITO PESSOAL PREVENTIVO E CRÉDITO PESSOAL GERENCIADO CLÁUSULAS E CONDIÇOES CRÉDITO PESSOAL PREVENTIVO E CRÉDITO PESSOAL GERENCIADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Juscelino Kubitschek, 2041,

Leia mais

Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Uniclass Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú Uniclass.

Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Uniclass Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú Uniclass. Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Uniclass Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú Uniclass. O Plano de Vantagens Itaú Uniclass oferece benefícios de acordo com o seu relacionamento

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

Dr.Januário Montone D.D. Diretor Presidente da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar

Dr.Januário Montone D.D. Diretor Presidente da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar São Paulo, 06 outubro de 2003 Aos Ilmos. Srs. Dr.Fausto Pereira dos Santos DD. Diretor do Departamento de Controle e Avaliação de Sistemas do Ministério da Saúde e Coordenador Geral do Fórum de Saúde Suplementar

Leia mais

BRADESCO MINICARD VISA NACIONAL

BRADESCO MINICARD VISA NACIONAL BRADESCO MINICARD VISA NACIONAL Ele foi criado para lhe oferecer um conjunto de benefícios e facilitar seu dia-a-dia, especialmente nos momentos em que você mais precisa de um Cartão. Para o Bradesco,

Leia mais

NORMATIVO SARB 002/2008

NORMATIVO SARB 002/2008 O Conselho de Auto-Regulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Auto-Regulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da auto-regulação

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS MEGA, PLUS E SEM LIMITE. Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS MEGA, PLUS E SEM LIMITE. Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS MEGA, PLUS E SEM LIMITE Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL CENTRAL, prestadora de serviços de telecomunicações, inscrita

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO MEUS MINUTOS BRASIL TODO DIA

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO MEUS MINUTOS BRASIL TODO DIA CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO MEUS MINUTOS BRASIL TODO DIA Por este instrumento, em que fazem parte de um lado, TELEFÔNICA BRASIL S.A., devidamente inscrita no CNPJ/MF sob o nº. 02.558.157/0001-62,

Leia mais

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank CONSIDERANDO QUE: i) A empresa para a qual o MUTUÁRIO trabalha ( EMPREGADOR ) celebrou com o MUTUANTE (BANCO CITIBANK S.A.) Convênio

Leia mais

BRADESCO VISA NACIONAL. Índice. Facilidades e Benefícios Serviços de Emergência Reposição Emergencial de Cartão Saques de Emergência

BRADESCO VISA NACIONAL. Índice. Facilidades e Benefícios Serviços de Emergência Reposição Emergencial de Cartão Saques de Emergência BRADESCO VISA NACIONAL Índice Facilidades e Benefícios Serviços de Emergência Reposição Emergencial de Cartão Saques de Emergência Formas de Pagamento Parcelamento de Compras Crédito Rotativo Parcelamento

Leia mais

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional, a facilidade de acesso ao crédito e as ações do governo para incentivar o consumo

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA Por este instrumento, em que são partes: de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., concessionária do Serviço Telefônico

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu Estatuto

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

Ministério da Justiça - MJ Secretaria de Direito Econômico - SDE Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor DPDC. Proteção ao Consumidor

Ministério da Justiça - MJ Secretaria de Direito Econômico - SDE Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor DPDC. Proteção ao Consumidor Ministério da Justiça - MJ Secretaria de Direito Econômico - SDE Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor DPDC CADERNOS DPDC Proteção ao Consumidor Tema II: Cartão de Crédito Noções Gerais Brasília/DF

Leia mais

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1.

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1. 1. OBJETO 1.1. Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador perante o Segurado, conforme os termos da apólice e até o valor da garantia fixado nesta, e de acordo

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Pelo presente instrumento particular ( Contrato ), de um lado, ALGAR TELECOM S/A, prestadora de serviços de telecomunicações, inscrita no

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 6 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.013, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006 Altera a Medida Provisória nº 2.197-43, de 24 de agosto de 2001, para dispor sobre a cobertura securitária em financiamentos no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação

Leia mais

As Alterações na Regulamentação do Serviço Móvel Pessoal SMP

As Alterações na Regulamentação do Serviço Móvel Pessoal SMP As Alterações na Regulamentação do Serviço Móvel Pessoal SMP Em decorrência da Consulta Pública nº 642, de 15 de Setembro de 2005 - Propostas de Alterações na Regulamentação do Serviço Móvel Pessoal SMP,

Leia mais

CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL

CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Juscelino Kubitschek, 2041, São Paulo/SP, inscrito no

Leia mais

CENTRAL DE RELACIONAMENTO CONTRATO LIGAÇÃO GRATUITA 240585 0800 489988

CENTRAL DE RELACIONAMENTO CONTRATO LIGAÇÃO GRATUITA 240585 0800 489988 CENTRAL DE RELACIONAMENTO CONTRATO LIGAÇÃO GRATUITA 240585 0800 489988 1.Dados do Titular Dt Nascim. : CPF : RG : Mãe : E-mail : Endereço : Nº 000 Bairro : Município : UF: CEP : Fone : Celular : 2. Dependentes

Leia mais

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 27 JULHO / 2000 PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 Nota: Caso V.Sas. tenham interesse por maiores esclarecimentos

Leia mais

O Prefeito Municipal de Uberlândia, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica Municipal;

O Prefeito Municipal de Uberlândia, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica Municipal; DECRETO Nº 11.245, DE 26 DE JUNHO DE 2008. REGULAMENTA O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DA VENDA DE PASSAGENS E CRÉDITOS ELETRÔNICOS DE TRANSPORTES NO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DE UBERLÂNDIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO)

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) ESSOR Seguros S.A CNPJ 14.5 25.684/0001-50 Process o SUSEP Nº 1 54 14.002 72 3/2 01 2-09 O registro deste plano na SUSEP não im plica,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Programa de Parcelamento de Débitos Fiscais no âmbito do Sistema CFMV/ CRMVs, destinado à regularização de débitos de anuidades, multas, taxas, emolumentos

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz na 330ª reunião de 14/09/2011 e na 331ª reunião de 23/09/2011. Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/10/2011. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

Leia mais

CARTÃO BRADESCO VISA NACIONAL

CARTÃO BRADESCO VISA NACIONAL CARTÃO BRADESCO VISA NACIONAL Bem-vindo ao grupo de Associados do Cartão de Crédito Bradesco Visa Ele foi criado para lhe oferecer um conjunto de benefícios e facilitar seu dia-a-dia. Especialmente nos

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria Nº 509, de 27

Leia mais

5. Tarifas: Sumário Executivo do Contrato Itaucard Desconto em Folha

5. Tarifas: Sumário Executivo do Contrato Itaucard Desconto em Folha CONTRATO DE Cartão ITAUCARD DESCONTO EM FOLHA Sumário Executivo do Contrato Itaucard Desconto em Folha Preocupados em manter a total transparência com você, preparamos um resumo do contrato do seu cartão.

Leia mais

CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL ELETRÔNICO

CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL ELETRÔNICO CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL ELETRÔNICO Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Juscelino Kubitschek, 2041, São Paulo/SP, inscrito

Leia mais

ROTEIRO DE ENCERRAMENTO DE CONTAS CORRENTES

ROTEIRO DE ENCERRAMENTO DE CONTAS CORRENTES Como resultado de uma série de reuniões técnicas envolvendo representantes da Febraban, do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor e do Banco Central do Brasil, no sentido de aprimorar ainda mais os procedimentos

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP EMENTA

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP EMENTA APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP. EMENTA AÇÃO ORDINÁRIA. PIS/COFINS. RECOLHIMENTO NA FORMA DAS LEIS Nº 10.637/02 E 10.833/03. EXCEÇÃO ÀS PESSOAS JURÍDICAS REFERIDAS NA LEI Nº 7.102/83. SITUAÇÃO

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA Por este instrumento, em que são partes: de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A, prestadora do serviço telefônico

Leia mais

ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 07 /2009

ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 07 /2009 1 - DO OBJETO ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 07 /2009 Contratação de empresa para fornecimento de seguro veicular de 03 (três) veículos pertencentes à Superintendência de Seguros Privados - SUSEP.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 523/2013

RESOLUÇÃO CFN N 523/2013 Página 1 de 7 RESOLUÇÃO CFN N 523/2013 Institui, no âmbito do Sistema CFN/CRN, o Programa Nacional de Recuperação de Créditos (PNRC), autoriza a redução de encargos sobre dívidas em conciliação judicial

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz em 18 e 25/01/13 (Ata da 401ª e 403ª reunião). Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/03/2013. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ CAPÍTULO I

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO PÁGINA 1/7 CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Dados do Contratante Nome: CPF: - Carteira de Identidade: Órgão: Matrícula: - Endereço: Bairro: Cidade: UF: CEP: - Estado Civil: Profissão: Empresa: Lotação: Banco: Agência:

Leia mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais * Informações de janeiro/2002 * Sumário Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB Benefícios do Novo SPB O que é Porque mudar O que muda O que muda com o novo SPB Transferências só com

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CARTÃO ALIMENTAÇÃO PASS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CARTÃO ALIMENTAÇÃO PASS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CARTÃO ALIMENTAÇÃO PASS Pelo presente instrumento particular, na qualidade de CONTRATANTE, a empresa qualificada no preâmbulo deste Contrato ou conforme indicada na Proposta

Leia mais

Principais Direitos dos Usuários e Obrigações das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações

Principais Direitos dos Usuários e Obrigações das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Telefonia Móvel Banda Larga Telefonia Fixa TV por Assinatura Principais Direitos dos Usuários e Obrigações das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Telefonia Móvel 1. Adesão A prestação do Serviço

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO GEAPFamília PARTICIPANTE

CONTRATO DE ADESÃO GEAPFamília PARTICIPANTE CONTRATO DE ADESÃO GEAPFamília PARTICIPANTE Contrato de adesão nº A GEAP Autogestão em Saúde, Fundação com personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, qualificada juridicamente como

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 389 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 389 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 389 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901471/2013-75 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO DA DMCARD CONTRATO DE CARTÃO DE CRÉDITO

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO DA DMCARD CONTRATO DE CARTÃO DE CRÉDITO CONTRATO DE CARTÃO DE CRÉDITO PARA APROVEITAR TODOS OS BENEFÍCIOS E FAZER O MELHOR USO POSSÍVEL DO SEU CARTÃO É MUITO IMPORTANTE QUE VOCÊ LEIA COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES CONDIÇÕES GERAIS: 1. DEFINIÇÕES:

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO

TERMO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TERMO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO INTERNET TODA HORA Pelo presente instrumento particular de contrato de prestaçào de serviço (o Contrato ), de um lado, a BRASIL TELECOM S/A, doravante denominada

Leia mais

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento (Versão 05/2014) Estas são as Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento, solicitado por você e contratado por meio de digitação de senha ou ligação

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais