Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012"

Transcrição

1 Resultado do Tesouro Nacional Fevereiro de 2012 Brasília 29 de Março, 2012

2 Resultado Fiscal do Governo Central Receitas, Despesas e Resultado do Governo Central Brasil 2011/2012 R$ Bilhões 86,8 59,6 65,9 54,2 20,9 Jan/12 Fev/12 Receita Líquida Total Despesa Total Resultado Primário Fonte: Tesouro Nacional 5,4 126,5 146,4 109,7 120,1 16, ,3 Em fevereiro de 2012, o Governo Central apresentou superávit primário de R$ 5,4 bilhões, contra R$ 20,9 bilhões registrados no mês anterior. No acumulado até fevereiro, o resultado superou em R$ 9,6 bilhões o verificado em Receita Líquida Total Despesa Total Resultado Primário Fonte: Tesouro Nacional 2

3 Resultado Fiscal do Governo Central Resultado Primário do Governo Central- Acumulado em 12 Meses Brasil 2011/2012 R$ Bilhões R$ Bilhões 150,0 120,0 90,0 60,0 R$ Bilhões % PIB 79,1 2,1% 103,1 2,5% 4,0% 3,0% 2,0% % PIB 30,0 1,0% 0,0 jan-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 Fonte: Tesouro Nacional 3 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 0,0%

4 Resultado Fiscal do Governo Central Resultado da Previdência Social - Clientela Urbana X Rural Brasil 2012 R$ Bilhões 1,8 1,7-0,1-3,0-4,8-5,0-5,1-8,1-9,8 jan/12 fev/12 jan-fev/12 Urbano Rural Resultado Fonte: Ministério da Previdência Social 4

5 Meta Fiscal Governo Central R$ milhões Decreto de Programação Orçamentária e Financeira nº 7.680/2012 Discriminação Jan-Abr Jan-Ago Jan-Dez 1. RECEITA TOTAL Receita Administrada pela RFB Receitas Não Administradas Contribuição ao FGTS (LC 110/01) TRANSFERÊNCIAS A ESTADOS E MUNICÍPIOS FPE/FPM/IPI-EE Demais RECEITA LÍQUIDA (1-2) DESPESAS Pessoal e Encargos Sociais Outras Correntes e de Capital Não Discricionárias Discricionárias - Todos os Poderes RESULTADO DO TESOURO (3-4) RESULTADO DA PREVIDÊNCIA ( ) Arrecadação Líquida INSS Benefícios da Previdência AJUSTE METODOLÓGICO - ITAIPU DISCREPÂNCIA ESTATÍSTICA RESULTADO PRIMÁRIO DO OF E DO OSS ( ) RESULTADO PRIMÁRIO DAS EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS RESULTADO PRIMÁRIO DO GOVERNO FEDERAL (9+10)

6 Meta Fiscal Governo Central Monitoramento da Meta Fiscal 2012 Resultado Primário - Governo Central - R$ Bilhões 28,0 25,6 91,5% Meta I Quadrimestre Realizado até Fevereiro* Fonte: Tesouro Nacional * Fonte: BCB para os dados de Jan/12 e STN para os dados de Fev/12. 6

7 Resultado Fiscal do Governo Central Resultado Mensal em Relação ao Mês Anterior Tabela 1 - Resultado Primário do Governo Central - Brasil / 2012 Discriminação do Resultado Jan/12 Fev/12 Diferença Variação % I. RECEITA TOTAL , , ,7-24,1% Receitas do Tesouro , , ,0-29,0% Receitas da Previdência Social , ,3-795,4-4,1% Receitas do Banco Central 195,8 238,4 42,6 21,8% II. TRANSFERÊNCIAS A ESTADOS E MUNICÍPIOS , , ,4 16,4% R$ Milhões III. RECEITA LÍQUIDA TOTAL (I-II) , , ,2-31,4% IV. DESPESA TOTAL , , ,7-17,8% Despesas do Tesouro , , ,2-30,3% Despesas da Previdência Social (Benefícios) , , ,6 5,9% Despesas do Banco Central 207,2 208,1 0,9 0,4% V. FUNDO SOBERANO DO BRASIL - FSB VI. RESULTADO PRIMÁRIO GOVERNO CENTRAL (III - IV - V) , , ,5-74,3% Tesouro Nacional , , ,2-56,2% Previdência Social (RGPS) , , ,0 71,1% Banco Central -11,4 30,3 41,7-365,6% Fonte: Tesouro Nacional - R$ 23,9 bi Receitas do Tesouro: pagamento, em janeiro, da 1ª cota ou cota única do IRPJ e a da CSLL e antecipação de recolhimento da Declaração de Ajuste de IRPJ e CSLL. + R$ 2,6 bi Transf. Constitucionais: cresc. da base de cálculo das transferências (IPI, IR). - R$ 13,0 bi Despesas do Tesouro: - R$ 2,1 bi em Pessoal e Encargos e - R$ 11,0 bi em Despesas de Custeio e Capital. + R$ 1,3 bi Despesas da Previdência Social: efeito sazonal. 7

8 Receitas do Tesouro Nacional Resultado Mensal em Relação ao Mês Anterior Tabela 2 - Receitas Primárias do Governo Central - Brasil / 2012 R$ Milhões Discriminação Jan/12 Fev/12 Diferença Variação % I. RECEITA TOTAL , , ,7-24,1% I.1. Receitas do Tesouro , , ,0-29,0% Receita Bruta , , ,3-28,9% Impostos , , ,4-39,4% Contribuições , , ,0-26,1% Demais , ,6 643,1 6,2% (-) Restituições -736,3-607,0 129,3-17,6% (-) Incentivos Fiscais 0,0 0,0 0,0 - I.2. Receitas da Previdência Social , ,3-795,4-4,1% Receitas da Previdência Social - Urbano , ,8-764,8-4,0% Receitas da Previdência Social - Rural 387,1 356,5-30,6-7,9% I.3. Receitas do Banco Central 195,8 238,4 42,6 21,8% Fonte: Tesouro Nacional - R$ 24,1bi Receita Bruta: pagamento, em janeiro, da 1ª cota ou cota única do IRPJ e a da CSLL e antecipação de recolhimento da Declaração de Ajuste de IRPJ e CSLL. - R$ 795,4 mi Receitas da Previdência Social: prorrogação do pagamento dos tributos do Simples Nacional com vencimento em janeiro de 2012 que poderão ser pagos até 12/03/2012 (Resolução nº 96/2012 do Comitê Gestor do Simples Nacional). 8

9 Receitas do Tesouro Nacional Resultado Mensal em Relação ao Mês Anterior Tabela 3 - Receita Bruta do Tesouro Nacional - Brasil / 2012 R$ Milhões Discriminação Jan/12 Fev/12 Diferença Variação % Receita Bruta , , ,3-28,9% Impostos , , ,4-39,4% IR , , ,0-46,0% IPI 4.582, , ,1-23,9% Outros 5.285, ,5-649,3-12,3% Contribuições , , ,0-26,1% COFINS , , ,8-16,9% CSLL 8.905, , ,3-44,9% Pis/Pasep 3.993, ,5-550,2-13,8% CIDE-Combustíveis 415,7 399,1-16,6-4,0% Outras 2.602, ,1-947,0-36,4% Demais , ,6 643,1 6,2% Cota parte de compensações financeiras 5.518, , ,5-71,8% Diretamente arrecadadas 3.212, ,4-528,2-16,4% Concessões 291,3 8,7-282,6-97,0% Dividendos 0, , ,7 Outras 1.323, ,3 454,6 34,3% + R$ 13,5 bi IRPJ/CSLL: pagamento, em janeiro, da 1ª cota ou cota única do IRPJ e a da CSLL e antecipação de recolhimento da Declaração de Ajuste de IRPJ e CSLL. - R$ 2,5 bi Cofins: postergação do pagamento do Simples Nacional (Resolução nº 96/2012 do Comitê Gestor do Simples Nacional). - R$ 4,0 bi Cota parte: arrecadação trimestral em janeiro da participação especial pela exploração de petróleo. + R$ 5,0 bi Dividendos. Fonte: Tesouro Nacional 9

10 Despesas do Tesouro Nacional Resultado Mensal em Relação ao Mês Anterior Tabela 4 - Despesas Primárias do Governo Central - Brasil / 2012 Discriminação Jan/12 Fev/12 Diferença Variação % R$ Milhões I. DESPESA TOTAL , , ,7-17,8% I.1. Despesas do Tesouro , , ,2-30,3% Pessoal e Encargos Sociais , , ,3-12,8% Custeio e Capital , , ,0-41,3% Despesa do FAT 2.345, ,1-806,7-34,4% Subsídios e Subvenções Econômicas 3.157,2 410, ,9-87,0% Benefícios Assistenciais (LOAS/RMV) 2.301, ,6 124,6 5,4% Capitalização da Petrobras Outras Despesas de Custeio e Capital , , ,0-40,2% Outras Despesas de Custeio , , ,5-15,5% Outras Despesas de Capital 7.728, , ,5-75,5% Transferência do Tesouro ao Banco Central 158,5 186,6 28,1 17,7% I.2. Despesas da Previdência Social (Benefícios) , , ,6 5,9% Benefícios Previdenciários - Urbano , , ,9 6,3% Benefícios Previdenciários - Rural 5.167, ,1 235,8 4,6% I.3. Despesas do Banco Central 207,2 208,1 0,9 0,4% Fonte: Tesouro Nacional - R$ 2,0 bi Pessoal e Encargos: pagamento sazonal das férias do funcionalismo federal e parte da 1ª parcela da gratificação natalina (13º salário) em janeiro. - R$ 11,0 bi em Despesas de Custeio e Capital: - R$ 7,6 bi Outras Despesas de Custeio e Capital e - R$ 2,7 bi Subsídios (e.g. Pronaf e Custeio Agropecuário). - R$ 5,8 bi em Outras Despesas de Capital. + R$ 1,3 bi Despesas da Previdência: reflete o reajuste dos benefícios, concedido em janeiro de

11 Despesas do Tesouro Nacional Resultado Mensal em Relação ao Mês Anterior Tabela 5 - Outras Despesas de Custeio e Capital - Brasil /2012 R$ Milhões Discriminação Jan/12 Fev/12 Diferença Variação % Precatórios e Sentenças 25,0 39,2 14,2 56,7% Legislativo 114,4 95,9-18,6-16,2% Judiciário 490,5 511,5 21,1 4,3% Crédito Extraordinário 194,3 151,1-43,3-22,3% PAC 3.114, , ,6-67,4% Outras 512,9 156,8-356,1-69,4% Discricionárias , , ,7-35,4% Min. da Saúde 4.637, ,7 96,9 2,1% Min. do Des. Social 2.186, ,9-701,1-32,1% Min. da Educação 2.430, , ,3-56,7% Min. da Defesa 889,1 526,5-362,6-40,8% Min. da Ciência e Tec. 272,1 283,7 11,6 4,2% Min. do Des. Agrário 168,5 47,2-121,2-72,0% Min. da Justiça 172,4 141,8-30,6-17,7% Min. da Previdência 117,2 99,7-17,5-14,9% Min. dos Transportes 141,8 47,7-94,1-66,3% Min. das Cidades 37,5 37,8 0,3 0,8% Demais 3.301,5 823, ,1-75,1% - R$ 5,1 bi em Despesas Discricionárias: - R$ 1,4 bi em despesas do Ministério da Educação; - R$ 701,1 mi em despesas do Ministério do Desenvolvimento Social; - R$ 362,6 mi em despesas do Ministério da Defesa. Total , , ,0-40,2% Fonte: Tesouro Nacional 11

12 Resultado Fiscal do Governo Central Resultado Acumulado em Relação ao Ano Anterior Tabela 6 - Resultado Primário do Governo Central - Brasil / 2012 R$ Milhões Jan - Fev Discriminação do Resultado Diferença Variação % I. RECEITA TOTAL , , ,6 14,2% Receitas do Tesouro , , ,3 15,3% Receitas da Previdência Social , , ,6 10,0% Receitas do Banco Central 327,4 434,1 106,8 32,6% II. TRANSFERÊNCIAS A ESTADOS E MUNICÍPIOS , , ,9 7,7% III. RECEITA LÍQUIDA TOTAL (I-II) , , ,7 15,8% IV. DESPESA TOTAL , , ,4 9,5% Despesas do Tesouro , , ,9 7,6% Despesas da Previdência Social (Benefícios) , , ,0 12,9% Despesas do Banco Central 499,6 415,2-84,4-16,9% V. FUNDO SOBERANO DO BRASIL - FSB VI. RESULTADO PRIMÁRIO GOVERNO CENTRAL (III - IV - V) , , ,3 57,1% Tesouro Nacional , , ,5 48,1% Previdência Social (RGPS) , , ,3 28,6% Banco Central -172,2 18,9 191,1-111,0% Fonte: Tesouro Nacional + R$ 22,3 bi Receita Total: devido, principalmente, ao pagamento em janeiro, da primeira cota ou cota única do IRPJ e da CSLL, bem como antecipação de recolhimento da Declaração de Ajuste de IRPJ e CSLL no mesmo mês. + R$ 10,4 bi Despesa Total: destaca-se o incremento de R$ 5,3 bi nas Despesas da Previdência Social e de R$ 1,9 bi nas Despesas com Subsídios e Subvenções Econômicas. 12

13 Receitas do Tesouro Nacional Resultado Acumulado em Relação ao Ano Anterior R$ Milhões Tabela 7 - Receitas Primárias do Governo Central - Brasil / 2012 Discriminação Jan - Fev Diferença Variação % I. RECEITA TOTAL , , ,6 14,2% I.1. Receitas do Tesouro , , ,3 15,3% Receita Bruta , , ,5 15,6% Impostos , , ,9 13,2% Contribuições , , ,1 10,3% Demais , , ,5 41,8% (-) Restituições -797, ,3-546,2 68,5% (-) Incentivos Fiscais -51,9-51,9 - I.2. Receitas da Previdência Social , , ,6 10,0% Receitas da Previdência Social - Urbano , , ,1 10,2% Receitas da Previdência Social - Rural 713,2 743,6 30,5 4,3% I.3. Receitas do Banco Central 327,4 434,1 106,8 32,6% + R$ 19,2 bi Receita Bruta: crescimento de R$ 4,2 bi na arrecadação de IRPJ e de R$ 1,8 bi na de Cofins. + R$ 3,5 bi Receitas da Previdência Social: crescimento de 16,0% da massa salarial (período entre dezembro/2011 e janeiro/2012). Fonte: Tesouro Nacional 13

14 Receitas do Tesouro Nacional Resultado Acumulado em Relação ao Ano Anterior Discriminação Tabela 8 - Receita Bruta do Tesouro Nacional - Brasil / 2012 Jan - Fev R$ Milhões Diferença Variação % Receita Bruta , , ,5 15,6% Impostos , , ,9 13,2% IR , , ,5 12,7% IPI 7.344, ,6 725,5 9,9% Outros 8.355, , ,0 18,8% Contribuições , , ,1 10,3% COFINS , , ,7 7,4% CSLL , , ,9 21,3% Pis/Pasep 6.784, ,2 653,1 9,6% CIDE-Combustíveis 1.401,3 814,8-586,5-41,9% Outras 3.610, ,2 646,9 17,9% Demais , , ,5 41,8% Cota parte de compensações financeiras 5.114, , ,0 38,3% Diretamente arrecadadas 5.401, ,1 495,8 9,2% Concessões 265,8 300,0 34,1 12,8% Dividendos 1.551, , ,4 219,8% Outras 2.718, ,0 383,1 14,1% Fonte: Tesouro Nacional 14 + R$ 6,6 bi IRPJ/CSLL: resultado do desempenho da economia em 2011, com reflexos no item declaração de ajuste anual, e na antecipação, em fevereiro 2012, de recolhimento do ajuste relativo a R$ 1,8 bi Cofins: crescimento no volume de vendas e acréscimo da Cofins/PIS incidente sobre importações. + R$ 2,0 bi Cota parte: aumento do recolhimento de participação especial relativa à exploração de petróleo. + R$ 3,4 bi Dividendos.

15 Despesas do Tesouro Nacional Resultado Acumulado em Relação ao Ano Anterior Tabela 9 - Despesas Primárias do Governo Central 1 - Brasil / 2012 R$ Milhões Jan - Fev Discriminação Diferença Variação % I. DESPESA TOTAL , , ,4 9,5% I.1. Despesas do Tesouro , , ,9 7,6% Pessoal e Encargos Sociais , , ,1 4,5% Custeio e Capital , , ,6 9,8% Despesa do FAT 3.617, ,0 267,8 7,4% Subsídios e Subvenções Econômicas 1.678, , ,2 112,6% Benefícios Assistenciais (LOAS/RMV) 4.007, ,6 719,6 18,0% Capitalização da Petrobras Outras Despesas de Custeio e Capital , ,3 900,1 3,1% Outras Despesas de Custeio , ,7 661,4 3,3% Outras Despesas de Capital 9.383, ,6 238,7 2,5% Transferência do Tesouro ao Banco Central 285,0 345,1 60,1 21,1% I.2. Despesas da Previdência Social (Benefícios) , , ,0 12,9% Benefícios Previdenciários - Urbano , , ,2 11,8% Benefícios Previdenciários - Rural 9.039, , ,7 16,9% I.3. Despesas do Banco Central 499,6 415,2-84,4-16,9% Fonte: Tesouro Nacional + R$ 1,3 bi Pessoal e Encargos. + R$ 3,8 bi em Despesas de Custeio e Capital: + R$ 1,9 bi em Subsídios e Subvenções Econômicas (+ R$ 704, 5 Programas de Preços Agrícolas + R$ 597,5 mi do Pronaf). + R$ 238,7 mi em Outras Desp. de Capital. + R$ 5,3 bi Despesas da Previdência: + 9,9% no valor médio dos benefícios (reajuste do salário mínimo) e elevação de 3,1% na quantidade média mensal de benefícios pagos. 15

16 Despesas do Tesouro Nacional Resultado Acumulado em Relação ao Ano Anterior Discriminação Tabela 10 - Outras Despesas de Custeio e Capital - Brasil /2012 Jan - Fev R$ Milhões Diferença Variação % Precatórios e Sentenças 72,2 64,3-7,9-11,0% Legislativo 194,5 210,3 15,8 8,1% Judiciário 823, ,0 178,5 21,7% Crédito Extraordinário 1.481,6 345, ,2-76,7% PAC 3.468, ,9 662,9 19,1% Outras 258,7 669,7 411,0 158,9% Discricionárias , ,7 776,0 3,4% Min. da Saúde 8.628, ,5 744,3 8,6% Min. do Des. Social 3.174, ,9 496,6 15,6% Min. da Educação 3.701, ,2-217,9-5,9% Min. da Defesa 2.133, ,6-717,8-33,6% Min. da Ciência e Tec. 671,3 555,8-115,5-17,2% Min. do Des. Agrário 157,8 215,7 57,9 36,7% Min. da Justiça 379,0 314,2-64,8-17,1% Min. da Previdência 276,3 216,9-59,4-21,5% Min. dos Transportes 162,6 189,6 27,0 16,6% Min. das Cidades 69,2 75,3 6,2 8,9% Demais 3.505, ,0 619,5 17,7% Total , ,3 900,1 3,1% Fonte: Tesouro Nacional + R$ 662,9 mi em PAC. + R$ 776,0 mi em Despesas Discricionárias: + R$ 744,3 mi em despesas do Ministério da Saúde; + R$ 496,6 mi em despesas do Min. do Des. Social; - R$ 717,8 mi em despesas do Ministério da Defesa; - R$ 217,9 mi em despesas do Ministério da Educação. 16

17 Resultado Fiscal do Governo Central Resultado Acumulado em Relação ao Ano Anterior Tabela 11 - Resultado Fiscal do Governo Central Principais Variações - Brasil / 2012 Tabela 12 - Resultado Fiscal do Governo Central Principais Variações Reais (Sobre crescimento nominal do PIB) Brasil / 2012 Discriminação 11/10 12/11 Discriminação 11/10 12/11 I. RECEITA TOTAL 20,5% 14,2% I. RECEITA TOTAL 5,8% 10,1% Receitas do Tesouro 21,0% 15,3% Receitas do Tesouro 6,2% 11,2% Receitas da Previdência Social 19,2% 10,0% Receitas da Previdência Social 4,6% 6,1% II. TRANSFERÊNCIAS A ESTADOS E MUNICÍPIOS 33,0% 7,7% II. TRANSFERÊNCIAS A ESTADOS E MUNICÍPIOS 16,8% 3,8% III. RECEITA LÍQUIDA TOTAL 17,7% 15,8% III. RECEITA LÍQUIDA TOTAL 3,4% 11,6% IV. DESPESA TOTAL 15,8% 9,5% IV. DESPESA TOTAL 1,7% 5,6% Despesas do Tesouro 17,9% 7,5% Despesas do Tesouro 3,5% 3,7% Pessoal e Encargos Sociais 10,9% 4,5% Pessoal e Encargos Sociais -2,6% 0,7% Custeio e Capital 23,8% 9,8% Custeio e Capital 8,7% 5,9% Despesa do FAT 12,2% 7,4% Despesa do FAT -1,5% 3,6% Subsídios e Subvenções Econômicas -2,5% 112,6% Subsídios e Subvenções Econômicas -14,4% 105,0% Benefícios Assistenciais (LOAS/RMV) 12,4% 18,0% Benefícios Assistenciais (LOAS/RMV) -1,3% 13,8% Outras Despesas de Custeio e Capital 29,3% 3,1% Outras Despesas de Custeio e Capital 13,6% -0,6% Outras Despesas de Custeio 15,4% 3,3% Outras Despesas de Custeio 1,3% -0,3% Outras Despesas de Capital 1 73,4% 2,5% Outras Despesas de Capital 1 52,3% -1,1% PIB 13,9% 3,7% Fonte: Tesouro Nacional Fonte: Tesouro Nacional 1. Inclui despesas do Programa Minha Casa Minha Vida ( MP 561/2012) desde janeiro de Inclui despesas do Programa Minha Casa Minha Vida ( MP 561/2012) desde janeiro de Obs.1: As Transferências a Estados e Municípios totalizaram R$ 33,8 bilhões em 2012, contra R$ 31,4 bilhões no mesmo período de 2011 (crescimento de R$ 2,4 bilhões). Obs. 2: O Programa MCMV totalizou R$ 2,5 bilhões em 2012, contra R$ 1,1 bilhão no mesmo período de 2011 (crescimento de R$ 1,4 bilhão). 17

18 Investimentos do Governo Federal Investimento total (inclui MCMV) Pagamento Efetivo Brasil 2011/2012 R$ Bilhões ,8% 9,4 2,5% 9,6 7,9 7,7 Até Jan Até Fev 18

19 Investimentos do Governo Federal Programa de Aceleração do Crescimento Valores Pagos - Brasil 2011/2012 R$ Bilhões ,1% 5,6% 4,1 2,9 3,1 3,5 Até Jan Até Fev 19

20 Compre títulos do Tesouro Nacional diretamente pela Internet Para maiores informações acesse o site do Tesouro Direto: Ou entre em contato com a Gerencia de Relacionamento Institucional: 20

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 2015 1 Cenário Macroeconômico Revisto 2015 2016 2017 2018 PIB (crescimento

Leia mais

O Desafio Fiscal do Brasil

O Desafio Fiscal do Brasil O Desafio Fiscal do Brasil Mansueto Almeida 08 de maio de 2015 INSPER, São Paulo Parte I O Que Aconteceu? Despesa Primária do Governo Central - % do PIB de 1991 a 2014 22,0% 20,0% 20,1% 18,0% 17,0% 17,4%

Leia mais

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO O resultado primário, que exclui das receitas totais os ganhos de aplicações financeiras e, dos gastos totais,

Leia mais

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Estrutura 1. Termos de troca e taxa de câmbio 2. Taxa

Leia mais

Cenário Fiscal Brasil 2015/2016

Cenário Fiscal Brasil 2015/2016 Cenário Fiscal Brasil 2015/2016 Participação dos Grandes Grupos de Despesa Primária do Governo Federal em 2014 Capital 7,6% Transferência de Renda às Famílias 49,4% Outras Despesas Correntes 21,5% Pessoal

Leia mais

DECRETO Nº 5.610 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2005

DECRETO Nº 5.610 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2005 DECRETO Nº 5.610 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2005 Altera os Anexos V, VI, IX e X do Decreto n o 5.379, de 25 de fevereiro de 2005, que dispõe sobre a programação orçamentária e financeira e estabelece o cronograma

Leia mais

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Simpósio UNIMED 2015 Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Mansueto Almeida 28 de agosto de 2015 Indústria: o que aconteceu? Produção Física da Indústria de Transformação 2002-

Leia mais

RELATÓRIO À COMISSÃO MISTA A QUE SE REFERE O ART. 166, 1 o, DA CONSTITUIÇÃO E AOS PODERES LEGISLATIVO, JUDICIÁRIO E AO MPU, PREVISTO NO 8 o ART.

RELATÓRIO À COMISSÃO MISTA A QUE SE REFERE O ART. 166, 1 o, DA CONSTITUIÇÃO E AOS PODERES LEGISLATIVO, JUDICIÁRIO E AO MPU, PREVISTO NO 8 o ART. RELATÓRIO À COMISSÃO MISTA A QUE SE REFERE O ART. 166, 1 o, DA CONSTITUIÇÃO E AOS PODERES LEGISLATIVO, JUDICIÁRIO E AO MPU, PREVISTO NO 8 o ART. 72 DA LEI N o 10.934, DE 11 AGOSTO DE 2004 - LDO-2005. Dezembro

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Esclarecimentos quanto aos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social INSS, como também quanto ao montante das receitas previdenciárias. Núcleo Trabalho, Previdência e Assistência Social

Leia mais

Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014

Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014 Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014 Introdução Este relatório apresenta os principais resultados da gestão orçamentária

Leia mais

ANÁLISE DA ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS FEDERAIS SETEMBRO DE 2002

ANÁLISE DA ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS FEDERAIS SETEMBRO DE 2002 MF-SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE POLÍTICA TRIBUTÁRIA COORDENAÇÃO DE PREVISÃO E ANÁLISE DAS RECEITAS ANÁLISE DA ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS FEDERAIS SETEMBRO DE I. CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Medidas Adicionais de Redução do Gasto da União. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 14 de Setembro de 2015

Medidas Adicionais de Redução do Gasto da União. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 14 de Setembro de 2015 Medidas Adicionais de Redução do Gasto da União Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 14 de Setembro de 2015 1 Principais ações de reequilíbrio fiscal adotadas desde janeiro 1. Contingenciamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DA TRANSPARÊNCIA DA GESTÃO FISCAL Art. 48. São instrumentos

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS Exercício de 2014 Brasília-DF Fevereiro / 2015 MENSAGEM AOS MINISTROS 1. O presente documento foi preparado com vistas ao cumprimento do 4 o do art.

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, novembro de 2010 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Os servidores públicos ocupantes de cargo

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.094, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2010.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.094, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2010. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.094, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2010. Dispõe sobre a programação orçamentária e financeira, estabelece o cronograma mensal de

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS 2º Quadrimestre de 2014 Brasília-DF Setembro / 2014 MENSAGEM AOS MINISTROS 1. O presente documento foi preparado com vistas ao cumprimento do 4 o

Leia mais

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida Checklist dos Desafios na Área Fiscal Controlar o crescimento da despesa pública;à NÃO Recuperar o superávit primário para, no mínimo, 2,5% do

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

RELATÓRIO À COMISSÃO MISTA DE QUE TRATA O ART. 166, 1 o, DA CONSTITUIÇÃO, PREVISTO NO ART. 77 DA LEI N o 11.439, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LDO-2007

RELATÓRIO À COMISSÃO MISTA DE QUE TRATA O ART. 166, 1 o, DA CONSTITUIÇÃO, PREVISTO NO ART. 77 DA LEI N o 11.439, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LDO-2007 RELATÓRIO À COMISSÃO MISTA DE QUE TRATA O ART. 166, 1 o, DA CONSTITUIÇÃO, PREVISTO NO ART. 77 DA LEI N o 11.439, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LDO-2007 Julho/2007 SUMÁRIO 1. AVALIAÇÃO DAS RECEITAS E DESPESAS

Leia mais

Congresso Nacional Setembro/2013. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Câmara dos Deputados

Congresso Nacional Setembro/2013. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Câmara dos Deputados Congresso Nacional Setembro/2013 Informativo Conjunto PLOA 2014 Principais elementos característicos do Projeto de Lei Orçamentária para 2014 PL nº 09/2013-CN, encaminhado por intermédio da Mensagem nº

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

Discussões sobre política fiscal e política monetária

Discussões sobre política fiscal e política monetária O desafio fiscal do Brasil Insper 7 de maio de 2015 Discussões sobre política fiscal e política monetária Felipe Salto* *Assessor econômico do senador José Serra, é mestre em administração pública e governo

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro

A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro Resultado do ajuste fiscal: Dados acumulados de janeiro a agosto/2015 revelam deterioração

Leia mais

Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade. Marco Antônio Barros

Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade. Marco Antônio Barros Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade Marco Antônio Barros Previdência Social - histórico Fim do imposto inflacionário Envelhecimento da população: aumento da longevidade

Leia mais

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Seminário Técnico - CPLP Timor Leste, 06 e 07 de fevereiro de 2008 ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista www.sato.adm.br 1987 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Relatório Trabalhista Nº 099 09/12/96 INSS EM ATRASO TABELA DE COEFICIENTES PARA DEZEMBRO/96

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA Presidente: Ruy Martins Altenfelder Silva Vice-Presidente: Ivette Senise Ferreira FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS

Leia mais

Reforma Previdenciária e Sustentabilidade Fiscal

Reforma Previdenciária e Sustentabilidade Fiscal MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional Reforma Previdenciária e Sustentabilidade Fiscal Joaquim Vieira Ferreira Levy Secretário do Tesouro Nacional Brasil: Pilares do Crescimento Responsabilidade

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO ATIVO REAL DO FUNDO - FEVEREIRO DE 2009

COMPOSIÇÃO DO ATIVO REAL DO FUNDO - FEVEREIRO DE 2009 I COMPOSIÇÃO DO ATIVO O Ativo Real corresponde ao somatório dos valores do Ativo Financeiro mais o Ativo Não-Financeiro, evidenciando as alterações patrimoniais ocorridas durante o exercício. COMPOSIÇÃO

Leia mais

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES www.pepevargas.com.br dep.pepevargas@camara.gov.br AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Política Fiscal e Demanda Agregada

Política Fiscal e Demanda Agregada Política Fiscal e Demanda Agregada Apresentação para o Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da ANBIMA São Paulo, 14 de junho de 2013 Política fiscal e demanda agregada A política fiscal dos últimos

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Fevereiro 20051 Pilares da Política Macroeconômica - Equilíbrio fiscal - Manutenção da carga tributária do Governo Federal no nível de 2002 - Solidez das contas externas - Medidas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 FUNDAMENTO LEGAL O artigo 9º, parágrafo 4 da Lei Complementar nº 101 de 04/05/2000 (Lei de Responsabilidade

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Resultado do Tesouro Nacional Abril de Brasília 30 de Maio, 2016

Resultado do Tesouro Nacional Abril de Brasília 30 de Maio, 2016 Resultado do Tesouro Nacional Abril de 2016 Brasília 30 de Maio, 2016 Resultado Fiscal do Governo Central Receitas, Despesas e Resultado do Governo Central Brasil 2015/2016 Valores Nominais Resultado Primário

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Descrição da Ação Criada, Expandida ou Aperfeiçoada Despesa Aumentada 1º ano 2º ano 3º ano

Descrição da Ação Criada, Expandida ou Aperfeiçoada Despesa Aumentada 1º ano 2º ano 3º ano ADEQUAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Art. 16, Inciso I e 4º, inciso I, da LC 101/2000 Estudo da adequação orçamentária e financeira para a finalidade de Reposição Salarial com Aumento Real, em cumprimento

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Plano Plurianual 2016-19 Projeto de Lei Orçamentária 2016. Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Ministério da Fazenda 31 de agosto de 2016

Plano Plurianual 2016-19 Projeto de Lei Orçamentária 2016. Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Ministério da Fazenda 31 de agosto de 2016 Plano Plurianual 2016-19 Projeto de Lei Orçamentária 2016 Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Ministério da Fazenda 31 de agosto de 2016 Estrutura 1. Cenário Macroeconômico 2. PPA 2016-2019 3.

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

Análise da Arrecadação das Receitas Federais Junho de 2014

Análise da Arrecadação das Receitas Federais Junho de 2014 Junho/2014 MINISTRO DA FAZENDA Guido Mantega SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Local: Plenário 3 - Senado Federal 08/12/2009

Local: Plenário 3 - Senado Federal 08/12/2009 Seminário de Comissões Desoneração da Folha de Pagamento Local: Plenário 3 - Senado Federal 08/12/2009 Luigi Nese Presidente da Confederação Nacional de Serviços CNS e do CODEFAT PIB: Por Setor da Economia

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

A AGENDA DE CRESCIMENTO DO BRASIL: A QUESTÃO FISCAL

A AGENDA DE CRESCIMENTO DO BRASIL: A QUESTÃO FISCAL SEMINÁRIO IBRE- EBAPE/FGV A AGENDA DE CRESCIMENTO DO BRASIL: A QUESTÃO FISCAL MANSUETO ALMEIDA Parte I O Que Aconteceu? Despesa Primária Governo Central - % do PIB 1991-2014 22,00% 20,00% 20,08% 18,00%

Leia mais

Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013

Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013 Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013 1. Vendas e Resgates Em fevereiro, o montante financeiro vendido no Tesouro Direto foi de R$ 236,1 hões, valor 63% inferior ao mês anterior e 18% menor que o

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira

Panorama da Economia Brasileira Panorama da Economia Brasileira Nelson Barbosa Secretário de Política Econômica Brasília, 23 de novembro de 2009 1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Índice com ajuste sazonal (jan/2007 = 100) 115 110 110,9 105 101,89

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

Avaliação de Receitas e Despesas do Governo Federal. 2 bimestre de 2015. Nota Técnica 82/2015 Brasília, 10 de junho de 2015.

Avaliação de Receitas e Despesas do Governo Federal. 2 bimestre de 2015. Nota Técnica 82/2015 Brasília, 10 de junho de 2015. Avaliação de Receitas e Despesas do Governo Federal NOTA TÉCNICA nº 008/15 2 bimestre de 2015 SENADO FEDERAL Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle CONORF/SF Nota Técnica 82/2015 Brasília,

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

Análise da Arrecadação das Receitas Federais Dezembro de 2014

Análise da Arrecadação das Receitas Federais Dezembro de 2014 Dezembro/2014 MINISTRO DA FAZENDA Joaquim Vieira Ferreira Levy SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Jorge Antonio Deher Rachid CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008 TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008 O Programa Tesouro Direto, que possibilita a aquisição de títulos públicos por parte de pessoas físicas pela internet, foi implementado pelo Tesouro Nacional em

Leia mais

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00 RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 156.512.000,00 Resultados do RESULTADOS São Paulo, 14 de maio de 2010 A BRADESPAR [BM&FBOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP (PN)]

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005 15 de julho de 2002 O Congresso Nacional (CN) aprovou recentemente seu Projeto Substitutivo para a proposta original do Poder Executivo para a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2003, que estabelece

Leia mais

Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos

Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos RELATORIO GESTÃO FINANCEIRA 01/2015 O Comitê

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03 0,53 4,19 6,

meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03 0,53 4,19 6, Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL Dezembro de 2011 1 Missão do Ministério da Fazenda: Estruturar as políticas econômicas

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise?

Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise? Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise? José Roberto R. Afonso ANBIMA 14/6/213 2 Pós-Crise Metas Fiscais: contabilidade criativa esconde mudanças mais profundas como modelo de crescente endividamento

Leia mais

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação ESTATÍSTICAS TRIBUTÁRIAS Consolida DIPJ 2006 Consolidação da Declaração do Imposto de Renda das Pessoas

Leia mais

Renúncias Previdenciárias

Renúncias Previdenciárias 198ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Previdência Social Brasília Renúncias Previdenciárias Raimundo Eloi de Carvalho Coordenador de Previsão e Análise da Receita Federal do Brasil Sumário 1.

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo INPC-IBGE. março de 2014

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo INPC-IBGE. março de 2014 EVOLUÇÃO SALARIAL Categoria: Material de suporte para categorias em data base Deflatores: ICV-DIEESE INPC-IBGE março de 2014 Este trabalho contém o estudo sobre o comportamento dos salários desde 01-março-2013

Leia mais

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro;

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro; 16/11/2011 (Artigo)13º SALÁRIO - ADIANTAMENTOS, PROVISÃO E BAIXA 1. Considerações Iniciais O 13º salário é um direito que o empregado vai adquirindo ao longo do ano, proporcionalmente ao número de meses

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO DE PESSOAL

BOLETIM ESTATÍSTICO DE PESSOAL MP MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS BOLETIM ESTATÍSTICO DE PESSOAL BRASÍLIA AGOSTO DE 2002 76 MP Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

Estratégia de política econômica para recuperação do crescimento. Nelson Barbosa Ministro do Planejamento Março de 2015

Estratégia de política econômica para recuperação do crescimento. Nelson Barbosa Ministro do Planejamento Março de 2015 Estratégia de política econômica para recuperação do crescimento Nelson Barbosa Ministro do Planejamento Março de 2015 1 Reequilíbrio macro e crescimento O crescimento sustentado depende do aumento do

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA NO MEC

GESTÃO FINANCEIRA NO MEC GESTÃO FINANCEIRA NO MEC IARA FERREIRA PINHEIRO Subsecretária Base Legal LEGISLAÇÃO BÁSICA: Lei nº 4.320/1964 Normas Gerais de Direito Financeiro Decreto nº 93.872/1986 Unificação da Conta Única Lei nº

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 Estima a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

20 anos. Resultado do Tesouro Nacional. anos. Vol. 23, N. 5 Maio/2017

20 anos. Resultado do Tesouro Nacional. anos. Vol. 23, N. 5 Maio/2017 20 anos RTN anos Resultado do Tesouro Nacional Vol. 23, N. 5 Maio/2017 Brasília, junho de 2017 MINISTRO DA FAZENDA Henrique de Campos Meirelles SECRETÁRIO-EXECUTIVO Eduardo Refinetti Guardia SECRETÁRIA

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário)

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Integra o Programa de Unificação do Crédito Previdenciário) PUC 1 (Fazendário e Iniciativa

Leia mais

Redução da Pobreza no Brasil

Redução da Pobreza no Brasil Conferencia Business Future of the Americas 2006 Câmara Americana de Comércio Redução da Pobreza no Brasil Resultados Recentes e o Papel do BNDES Demian Fiocca Presidente do BNDES Rio de Janeiro, 5 de

Leia mais

A Evolução Recente da Arrecadação Federal

A Evolução Recente da Arrecadação Federal Carta PR 1164 /2015 Brasília, 28 de agosto de 2015 Exmo(a). Senhor(a) Senador(a), O Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil SINDIFISCO NACIONAL oferece a Vossa Excelência um breve

Leia mais

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS INDICADORES CONTAS PÚBLICAS ARRECADAÇÃO (RECEITA FEDERAL) abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10

Leia mais