CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS"

Transcrição

1 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS A COLETA SELETIVA A Coleta Seletiva como Fonte Primária Temos analisado as diversas formas de desembaraço dos bens após o seu uso original, os quais darão origem aos chamados por nós Canais de Distribuição Reversos por se constituírem no retorno de seus materiais constituintes ao ciclo produtivo, conforme se pode observar no fluxograma anexo em que todas as etapas foram reunidas Os materiais constituintes de bens duráveis, apresentam valor relativamente alto e ciclos longos desde a sua produção até o seu final de vida, o chamado ciclo de vida do bem. Se ainda em estado de uso e enquanto apresentar valor residual será comercializado em mercado de 2. mão até exaurir este valor, sendo após destinado ao desmanche para o aproveitamento dos seus componentes ( motores, circuitos, materiais elétricos, etc.), os quais serão destinados ao mercado de usados. Ao término da vida útil do bem ou de seus componentes resta o valor residual de seus materiais constituintes, que são desembaraçados na forma do chamado ferro velho, retornando ao ciclo produtivo pelas etapas descritas. Ferro, aço, cobre e alumínio são os principais materiais constituintes destes bens, constituindo usualmente mais de 70% de participação em peso, tendo os outros metais, os plásticos, os vidros, etc., uma pequena parcela em peso nestes tipos de bens, mesmo considerando o crescimento do uso dos plásticos nos recentes anos. Dos automóveis, no fim de sua vida útil, retiram-se cerca de 75% de metais ferrosos, sendo o restante distribuído entre plásticos, vidros, borrachas, etc.. Nestes casos de canais de distribuição reversos, as principais fontes de captação dos materiais constituintes são a da obsolescência final dos bens e a dos resíduos industriais. Os bens semi- duráveis apresentam ciclo de vida do bem intermediários, e, sob o ponto de vista de canais reversos, tanto seus materiais constituintes como suas vias de desembaraço variam bastante dificultando generalizações. Baterias de veículos e óleos lubrificantes são alguns exemplos de canais reversos que se iniciam por coleta dirigida a estes materiais; o caso de computadores e seus periféricos são exemplos em que o desembaraço de dá por via de comércio de 2. mão até o desmanche do bem. Na categoria de bens descartáveis, com ciclo de vida do bem de meses e cuja utilização cresce fortemente nas sociedades modernas, distinguimos característica bem típicas, sob o ponto de vista dos canais reversos.o maior segmento industrial desta categoria é o de embalagens, seguidos por utensílios de escritório, jornais e revistas, materiais de higiene, principalmente. Esta categoria de bem apresenta uma diversificada natureza de materiais constituintes, tais como os plásticos, metais, vidros, papéis, dos quais a sociedade se desembaraça através da coleta de lixo urbana, da coleta seletiva e da coleta informal, que se tornam portanto fontes de pós consumo para os canais reversos.

2 Cadeia Logística - Direta e Reversa Fabricante de Matérias Primas Novas Sobras Industriais Semi - Duráveis ou Descartáveis Fabricante de Produtos (Duráveis / Descartáveis) Consumidor Final (Empresa/Pessoa Física) Duráveis (Re- Uso) Mercado de Bens Usados M A T E R I A I S Vendas Bens de 2. Mão Pós - Consumo Desmanche Componentes Sobras Materiais Coleta Coleta Coleta Constituintes Do Lixo Seletiva Informal R E C I C L A D O S Lixões Seleção Seleção Catadores Incineração Intermediários ( Sucateiros) Industria de Reciclagem

3 Fatores que influem na Estruturação e Organização dos Canais Reversos As quantidades produzidas de certa matéria-prima, denominadas novas ou de primeira geração, e as quantidades que retornam ao ciclo produtivo, denominadas recicladas, sucatas ou de segunda geração, raramente são iguais provocando desequilíbrios nos mercados de materiais de segunda geração. Algumas matérias primas secundárias apresentam condições de preços e logísticas favoráveis para seus pós consumos ( sucatas), permitindo o transporte internacional ou de longas distâncias para o comércio de exportação e importação. É o caso de grande parte dos metais que possuem cotações de preços para a matéria-prima secundária em bolsa de mercadoria internacionais, caracterizando o comércio exterior nos canais de distribuição reversos destes materiais. Vários fatores, de naturezas diversas, podem influir na organização e estruturação dos canais de distribuição reversos, provocando excedentes ou faltas dos bens de pós consumo destes materiais: fatores ligados à tecnologia nas diversas etapas dos canais reversos, fatores econômicos, logísticos, ecológicos, fatores ligados aos níveis de intervenção governamental nestes canais reversos, e possivelmente outros de outras natureza, que atuam simultaneamente e com interdependência. Destacaremos os aspectos mais nítidos desta multiplicidade que consideramos essenciais para que exista uma certa estruturação e que uma conseqüente organização se estabeleça em um canal de distribuição reverso. Não pretendemos, no entanto, que sejam suficientes para garanti-la e tampouco que sejam somente estes a influir no mesmo: 1 Tecnologia é necessário que a tecnologia esteja disponível para o tratamento econômico dos resíduos no seu descarte, em sua captação como pós consumo, na desmontagem, na separação dos diversos materiais constituintes, na reciclagem propriamente dita ou no processo de transformação dos resíduos em matérias primas recicladas que substituirão as novas em sua a reintegração no ciclo produtivo, na reintegração deste material reciclado na fabricação de um produto de mesma natureza ou diversa do pós consumo utilizado como fonte para extração. Um aspecto que pode ser também considerado como de responsabilidade empresarial face ao meio ambiente é a preocupação na concepção técnica do produto original, que deve prever o descarte do mesmo, após a sua vida útil. O caso dos pneus de veículos em geral tem sido apresentado como um exemplo em que a concepção de projeto do produto não tem facilitado à reciclagem. A evolução técnica dos produtos tem tornado mais altos os custos de reciclagem, que quando somados àqueles não menos altos de coleta e transporte, têm sido apresentados como os principais motivos da baixa eficiência deste canal reverso em todo o mundo. A tecnologia e o teor de determinada matéria prima podem variar em função do produto de pós- consumo utilizado, redundando em custos diferentes e orientando o mercado de pós - consumo para aqueles que se apresentem mais convenientes. 2- Logística - na localização e nos sistemas de transportes entre os diversos elos da cadeia de distribuição reversa : fontes primárias de captação, centros de consolidação e adensamento de cargas dos materiais de pós consumo,

4 processadores intermediários, centros de processamento de reciclagem e utilizadores finais destes materiais reciclados. A característica logística dos materiais de pós consumo, já analisadas em artigo anterior, e em particular a transportabilidade dos mesmos, revelam-se de enorme importância na estruturação e eficiência dos canais reversos. 3- Custos conseqüência de tecnologia e logística que deverão redundar em valores inferiores às matérias-primas que irão substituir e deverão propiciar economias de consumo de energia no processo de fabricação. 4- Oferta - de materiais reciclados ( matéria-prima secundária) em quantidade suficiente e de forma constante permitindo um nível de trabalho em escalas econômicas adequadas e com a continuidade industrial necessária. Este fator está ligado à oferta de produtos de pós consumo aptos a serem utilizados como fontes do material de interesse. Quantidade e teor do material no produto são dados que caracterizam esta oferta. 5 Qualidade é difícil separar todos os aspectos anteriores da qualidade resultante mas esta deve ser adequada ao processo industrial e constante no tempo de forma a garantir rendimentos operacionais economicamente competitivos com a matéria prima que irá substituir. Todo o processo de reciclagem de um material envolve fases de separação ou extração de um produto de pós consumo o que gera impurezas que normalmente a matéria-prima nova não possui. Os resíduos provenientes de sobras sistemáticas de processo industrial industriais, chamados de fonte de resíduos industriais nestes artigos, apresentam uma constância de qualidade e de quantidade de seus resíduos normalmente maior que as outras fontes de captação, justificando a sua preferência no mercado. 6- Mercado é necessário que haja quantitativamente e qualitativamente mercado para os produtos fabricados com materiais reciclados que refletirá evidentemente nas demandas de reciclado. Com exceção dos metais em geral, usualmente existem restrições técnicas, no processamento e na performance final dos produtos fabricados com materiais reciclados. Também normalmente, estas restrições estão ligadas ao aspecto de especificações e qualidade diferentes da matéria-prima nova. Isto faz com que a matéria prima secundária entre em proporções diferentes, variando em função do tipo de aplicação do produto final. Sacos de lixo no Brasil são feitos com produto 100% reciclados; vários tipos de papéis reciclados são misturados em proporções distintas ; garrafas de PET, para a indústria alimentícia, não pode ser feita com material reciclado. Evidentemente estas restrições não têm ajudado ao desenvolvimento dos mercados para estes produtos e portanto aos respectivos canais reversos de grande parte dos materiais. A Análise do Ciclo de Vida dos produtos, examinada em um dos próximos artigos e normalizada pelas recentes normas ISO 14000, é uma ferramenta de caráter técnico que torna mais objetiva as classificações tais como: reciclável, biodegradável, etc. e outras rotulações ambientais, que causam divergências no mercado destes produtos.

5 7- Governo - o nível de intervenção ou omissão dos governos, através de legislação correspondente, poderá influir nesta organização dos canais reversos. O subsídio dado à matérias-primas ou à energia elétrica por exemplo, fatos relativamente comuns, deve reduzir o interesse ao material reciclado por baixar os preços destes ; a responsabilização dos níveis de reciclagens aos empresários de um determinado setor de bens deverá intensificar a organização dos canais de distribuição reversos; a coleta seletiva mandatória certamente melhora a eficiência dos canais reversos dos plásticos descartáveis. Supõe-se que os governos devam intervir e regular atividades na medida em que não existam condições de auto regulação do mercado, caso contrário, e temos muitos exemplos, a intervenção torna-se subsídio para alguns participantes. 8 Responsabilidade Ambiental: alguns setores industriais já introduzem estes aspectos no projeto dos produtos. Temos exemplos de empresas automotivas desenvolvendo linhas reversas, ou seja, linhas de desmontagens experimentais de forma a aumentar a eficiência das mesmas e ao mesmo tempo modificar o projeto do produto para este fim ; os fabricantes de frascos rígidos de embalagens decidiram há algum tempo adotar um sistema de numeração na base de seus produtos, de forma a identificar o tipo de resina plástica constituinte, facilitando a separação visual para a reciclagem ; os frascos de PET, utilizados largamente em refrigerantes e outros segmentos de bebidas,tiveram diversas modificações em seu projeto ao longo do tempo : foram eliminadas as tampas de alumínio que oneravam bastante o processo de reciclagem, foram eliminadas as bases de HDPE que dificultavam a reciclagem por ser uma outra resina, etc. Esta preocupação ambiental poderá influir significativamente nas quantidades dos materiais reciclados. 9 Ecologia : resultado ou motivação de vários aspectos anteriormente examinados, as pressões ecológicas se farão sentir através de regulamentação governamentais ou dos hábitos dos consumidores ligados aos fatores ecológicos. Estes novos comportamentos, principalmente em países mais desenvolvidos onde tornaram-se mais visíveis nos últimos 20 anos, passam a exigir novas posições estratégicas das empresas sobre os impactos que seus produtos e processos industriais de forma a manter-se competitivas. O Exemplo do Canal Reverso do Alumínio O caso da cadeia reversa das latas de alumínio no Brasil revela um índice de reciclagem que evoluiu, desde o seu lançamento em 1989, até cerca de 64% em 1997, conforme relatório anual da Associação Brasileira de Alumínio. Grandes esforços empresariais estão envolvidos na captação das latas de pós consumo principalmente através de uma rede de sucateiros cuja principal fonte primária é a da coleta informal. Esta alta eficiência neste canal reverso tem sido obtida também nos Estados Unidos, no Japão, na Suíça, e outros países. Para se ter idéia do que representa para a indústria de alumínio este segmento, lembramos que a produção de latas em 1997 foi de cerca de 118 mil toneladas, correspondendo a 18% das 647 mil ton. do metal alumínio consumidas no país

6 Os fatores de estruturação deste canal reverso são principalmente de natureza econômica e de disponibilidade de oferta de sucata. O fator econômico é justificado pela elevada economia gerada pela reintegração de alumínio secundário ( reciclado) no processo produtivo, onde economiza 95% da energia elétrica quando comparada ao processo com matéria-prima nova além da economia da própria matéria prima bauxita, o que permite um alto preço à lata de alumínio pós- consumo. O fator oferta é justificado pela introdução da embalagem lata de alumínio ( descartável), de baixo ciclo de vida desde a produção até a reintegração do material constituinte ao processo produtivo, estimado em menos de 60dias atualmente. Por outro lado o canal reverso da matéria-prima alumínio nos demais setores da indústria, cujas principais fontes de captação são a obsolescência e resíduos industriais, apresenta índices de reciclagem da ordem de 14 % sobre o consumo e de 7,5 % sobre a produção no país em 1997, motivo de importações de sucata em algumas ocasiões. A limitação de reintegração de reciclados destes canais se deve à falta de oferta de sucata em quantidade ou qualidade suficientes. Embora apresentando índices de reciclagem diferentes nestes segmentos do alumínio, a sucata existente é totalmente comercializada e é reintegrada ao ciclo produtivo. O Exemplo do Canal Reverso dos Plásticos em Embalagens Se examinarmos o caso do canal reverso dos plásticos de embalagens veremos que no Brasil o nível médio de reciclagem dos mesmos é de cerca de 12%, considerado extremamente baixo em relação a outros materiais mas não muito diferente de outros países mesmo os mais adiantados. Este índice tem se mantido estável no tempo, e as principais razões apontadas para esta baixa eficiência é a relação preço volume desfavorável dos plásticos em geral, do ponto de vista econômico e logístico, pois encarece processamentos de adensamento e de transporte, sendo preterido em favor de outros materiais de maior interesse. Segue-se que das 2500 mil toneladas produzidas no país, no setor de embalagens, deixam de ser recicladas mais de 2200 mil ton., que representam as sobras visualizadas em lixões e outros locais menos próprios. Tendo em vista que o crescimento da produção dos plásticos de embalagem é maior que 5% ao ano concluise que será necessária a ocorrência simultânea de diversos dos fatores acima mencionados para melhorar o equilíbrio deste canal reverso. Este material é um dos que mais se beneficiariam pelo sistema de captação pela Coleta Seletiva Domiciliar. A Coleta Seletiva A denominação Coleta Seletiva é normalmente reservada à operação que compreende a coleta seletiva de porta em porta tanto em domicílios como no comércio, à coleta seletiva nos chamados pontos de entrega voluntária ( PEV) remunerada ou não e à coleta seletiva em locais específicos, sendo dirigida aos produtos descartáveis principalmente A rigor qualquer coleta que contenha uma prévia seleção do material a ser captado ou que seja dirigida a determinado material pode ser considerada como seletiva. A Coleta Seletiva Domiciliar, compreendendo tanto os domicílios particulares como as atividades comerciais, caracteriza-se por selecionar, no próprio domicílio ou comércio, os produtos descartáveis não orgânicos, evitando

7 que os mesmos sejam coletados pela Coleta de Lixo Urbana. Desta forma grande parte destes produtos, em geral constituídos de materiais plásticos, vidros, papéis, latas, etc. descartáveis, que iriam sobrecarregar a Coleta de Lixo e que são potencialmente recicláveis, já estarão separados inicialmente sem se misturar com os orgânicos o que economiza trabalho e melhora a qualidade dos resíduos. Ao evitar que estes produtos se misturem ao lixo urbano, a Coleta Seletiva Domiciliar satisfaz ao aspecto de qualidade dos resíduos captados, e ao desviar as quantidades que iriam para os aterros ou outra deposição final, propicia uma oferta de resíduos muito superior aos conseguido através da seleção dos catadores dos aterros, permitindo atividades empresariais subjacentes com melhor eficiência operacional e econômica. Este sistema de coleta tem contribuído, em diversas comunidades, para um maior equilíbrio entre o que é produzido de um material ou produto e o que é efetivamente reintegrado ao ciclo produtivo, índice este chamado de nível ou taxa de reciclagem de um material, e que mede indiretamente, esta estruturação e a organização destes canais reversos. Quando realizada de porta em porta, caracteriza-se portanto pela prévia separação dos produtos descartados não orgânicos no domicílio familiar que são recolhidos por um sistema de coleta, com veículo de transporte e com freqüências específicas para estes materiais, independentes da coleta de lixo urbana. Nestes casos, a coleta resultará em uma miscelânea de produtos de naturezas diferentes, tais como vidros, plásticos, papéis, etc. Uma separação por natureza de matéria constituinte não é comum ser realizada no próprio domicílio, embora se tenham notícias de vários outros níveis de separação : jornais e outros periódicos muitas vezes são separados devido ao seu peso ; comunidades no Japão chegam a separar até 32 tipos de categorias diferentes de produtos nesta fase. Esta coleta seletiva, quando realizada em escritórios de grandes metrópoles, revela-se um excelente meio de captação de papéis devido ao intenso uso de computadores nos dias atuais. Mesmo quando não se dispõe de coleta seletiva, como é o caso de São Paulo até esta data, observa-se um nível de captura informal importante nas regiões de escritórios da cidade, provocando um desvio de captura em relação ao lixo urbano. A coleta seletiva em pontos de entrega voluntária (PEV) constituise da operação de recolhimento de diversos tipos de embalagens, pela deposição voluntária da população em recipientes separados e dispostos em locais próximos aos pontos de venda de grande movimento. Esta devolução poderá se dar de forma remunerada, em certos casos, de modo a incentivar a reciclagem, sendo habitualmente separados os 4 tipos de descartáveis : vidros, plásticos, latas e papéis, o que evitará uma separação no processamento posterior destes materiais.. Os produtos coletados destas diversas formas são enviados para uma central de seleção ou centros de triagem onde são separados pela natureza do material constituinte, se for necessário, sem preocupação quanto aos diversos tipos de vidros, plásticos ou outros critérios. Após a separação em grandes categorias estes são embalados para adensamento de carga,visando a economia no transporte, e comercializados diretamente as industrias de reciclagem ou com empresas que realizarão a escolha e separação final dos materiais por tipo de vidro, tipo de plástico, por tipo de papel, etc. normalmente também especializadas por natureza de material.

8 Estas últimas empresas, correntemente denominadas de empresas de sucatas ou simplesmente sucateiros, especializam-se em certa natureza de material e constituem-se em um dos elos mais importantes dos canais reversos por serem os principais compradores de materiais de diversas fontes primárias. Economias e Custos do Sistema A tabela abaixo mostra os níveis de descarte de alguns materiais, em peso, no lixo urbano das cidades de São Paulo e a média dos Estados Unidos onde se observa que se a captura desta fonte de pós consumo fosse realizada antes do seu encaminhamento para a disposição final em aterros ou incineração ela seria de cerca de 30% em São Paulo e 65% nos Estados Unidos. Constituinte São Paulo USA Orgânicos 62% 27% Papeis 13% 41% Plásticos 11% 7% Metais 3% 8% Vidros 1,5% 9% Outros 9,5% 8% O sistema de coleta seletiva tem sido apresentado como uma das melhores soluções não somente para a redução do lixo urbano mas como uma excelente alternativa para a captação dos descartáveis em geral. Os descartáveis de plásticos e vidros seriam captados a taxas melhores em relação a outros sistemas de captação onde sofrem a concorrência de outros materiais que apresentam melhor relação preçovolume ou preço- peso respectivamente Dentro desta mesma ótica, os ganhos seriam menores para os casos dos descartáveis constituídos de alumínio e outros metais, pois já apresentam maiores possibilidades de captura informal ou expontânea pelo alto valor da sucata. O exposto evidencia diferentes interesses dos setores industriais na coleta seletiva urbana, o que torna a adoção da mesma pelas comunidades uma decisão de difícil acordo econômico. Existem divergências quanto às vantagens, viabilidade e principalmente quanto aos custos associados a estes sistemas de coleta, pois a complexidade de fatores que podem ser considerados torna o problema de difícil resposta única, justificando uma boa quantidade de livros e artigos técnicos chegando a conclusões bastante diversas, dependendo da posição de análise. Até há poucos anos poder-se-ia considerar estas divergências de cunho acadêmico, no entanto atualmente tornam-se de vital importância para a sociedade, na medida em que as quantidades de lixo urbano crescem e as soluções tradicionais de aterro sanitário ou incineração revelam-se mais difíceis, como já discutido anteriormente. As soluções e encaminhamentos são variados em cada país ou comunidade em função das prioridades e pressões da sociedade. Países como a França tem adotado e acreditado que o sistema de incineração seja o mais indicado para o lixo doméstico, embora mais recentemente, na cidade de Paris, a instalação de novos

9 projetos de incineração estejam sendo questionados em beneficio de programas de coleta seletiva. Nos Estados Unidos e Japão o sistema de coleta seletiva tem recebido enorme apoio das comunidades em geral, constituindo-se na principal fonte de captação de produtos recicláveis. A título de exemplo, nos Estados Unidos existem cerca de 4000 programas de coleta seletiva instituídos que elevaram significativamente o nível geral médio de reciclagem no país. As principais vantagens apresentadas pelo sistema de coleta seletiva podem ser resumidas como: - O sistema porta a porta domiciliar apresenta alta taxa de captura de materiais de embalagens e descartáveis em geral quando comparado a outras formas, principalmente nos casos de plásticos e vidros.taxa de captura de até 90% quando existe grande sensibilização da comunidade ou nos casos de coletas seletiva urbana por lei expressa ( mais de 40% dos casos nos Estados Unidos). - Aumento das quantidades coletadas melhorando a constância nas quantidades e na qualidade dos materiais permitindo melhoria de economia de escala empresarial em todo o sistema dos canais reversos. - Melhor qualidade dos materiais coletados por não haver mistura com os resíduos orgânicos. - Redução das quantidades e principalmente volumes da coleta de lixo urbana aliviando os sistemas de aterros e incineração com suas já comentadas repercussões sociais. - Economias diversas obtidas pela substituição de matérias-primas novas pelos materiais reciclados, sem dúvida a mais importante vantagem do ponto de vista econômico. No entanto o grande desafio para a implantação destas coletas é o custo operacional para o agente da coleta seletiva, normalmente a prefeitura local, para quem a operação somente apresenta resultados financeiros positivos quando a escala de atividade é alta, o que o tornaria inviável para grande parte das comunidades menores. Valores publicados em diversos meios especializados variam de US$50/ton. a US$ 300 / ton., dependendo dos fatores dos custos componentes e principalmente da escala de atividade. Observe-se que mesmo considerando os mais baixos valores ainda é considerada uma operação de coleta cara em relação à coleta de lixo que raramente supera U$ 50 / ton.( na cidade de São Paulo é de U$ 30 / ton.). De acordo com pesquisa do IPT( Instituto de Pesquisas Tecnológicas) e CEMPRE ( Compromisso Empresarial para a Reciclagem), em oito cidades do Brasil, o custo médio em 1994 foi de US$ 240/ ton. destacando-se a cidade de Curitiba, com o programa O lixo que não é Lixo, o mais antigo e de maior quantidade ( 800 ton./ mês, equivalente a uma taxa de desvio de 4,61% da coleta do lixo da cidade ) com um custo de US$ 177/ton..Nesta mesma pesquisa, a melhor performance de custo é da cidade de São José dos Campos que apresenta custo de US$ 104 / ton., com 80 ton./mês e taxa de desvio de 1,32% do lixo urbano.

10 Como se pode observar nos programas citados nesta pesquisa, as quantidades desviadas do lixo urbano são ainda muito pequenas não apresentando economia de escala convenientes que permitam conclusões sobre o sistema de coleta seletiva Especialistas acreditam que estes custos em cidades como São Paulo poderão chegar a menos de US$ 70 /ton.. Tais custos, calculados como uma coleta adicional à coleta do lixo, acrescido dos custos de processamento e diminuído da receita auferida pela venda dos materiais, têm sido contestados por não considerar as economias proporcionadas pela substituição das materiais primas originais, na reintegração dos materiais reciclados ao ciclo produtivo. Esta contabilidade levaria em conta, além das despesas/receitas citadas anteriormente, as economias de matérias- primas substituídas, as economias das diversas formas de energia usadas na produção, a redução de custos correspondentes à coleta normal do lixo, a redução de custos devido à menor poluição geradas, etc. Parece que a verdadeira contabilidade, que leva em conta todos os impactos dos produtos sobre o meio ambiente, ainda não está sendo usada para definir a escolha do sistema de coleta seletiva em muitas comunidades. Sob esta ótica, existem desequilíbrios de ganhos entre os agentes envolvidos no canal de distribuição reverso de bens descartáveis: produtores, sociedade e governo, que quando equacionados, permitirão a adoção mais intensa deste tipo de coleta seletiva urbana, evitando que a perda de muitos seja o ganho de poucos.

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Entender a importância dos fluxos logísticos reversos dos produtos e materiais de pós-consumo; 2. Perceber

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS ( SUPPLY CHAIN REVERSO ) Em artigos anteriores analisamos a tipologia dos canais de distribuição reversos, desde os conceitos básicos que os caracterizam até as dificuldades

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br SENALIMP 2010 CLRB CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br Missão Oferecer oportunidades de aumento de competitividade empresarial através da Logística Reversa. Objetivos

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ

A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ Ilídia da A. G. Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial,

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS D DISTIBUIÇÃO VSOS A COLTA DOMICILIA DO LIXO mbora ainda inexistente em muitas comunidades pobres do planeta e nas periferias de grandes cidades, principal causa da visualização dos resíduos sólidos

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL 1. Aspectos gerais A geração de lixo urbano no Brasil está em torno de 140,000 ton/dia, sendo que a estimativa dos órgãos

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA

Leia mais

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA O QUE É? Coleta seletiva é o processo de separação dos materiais recicláveis do restante dos resíduos sólidos. Como definição de resíduos sólidos, pelo Wikipédia, entende-se

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

ADESÃO DA POPULAÇÃO.

ADESÃO DA POPULAÇÃO. A Comlurb desenvolve desde 1993 um programa de coleta seletiva, inicialmente baseado na implantação de cooperativas de bairro, muitas das quais em operação até hoje. Num passo seguinte foi implantada a

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA COLETA SELETIVA Conheça algumas medidas importantes para não poluir o meio ambiente na hora de jogar fora o seu lixo Já é inquestionável hoje a importância da reciclagem

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A logística reversa é importante instrumento de desenvolvimento econômico e social previsto na Política Nacional de Resíduos

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental Programa de Gestão Ambiental Cartilha Ambiental Índice Responsabilidade Ambiental 1. Responsabilidade Ambiental 2. Organograma 4. Política Ambiental 6. Coleta Seletiva Interna 12. Dicas Importantes A preocupação

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa Do lixo ao valor O caminho da Logística Reversa O problema do lixo A sociedade, hoje, vive com um grande desafio: o lixo. Calcula-se que, por dia, no Brasil, são gerados 1 Kg de resíduos por habitante.

Leia mais

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos 1 Diagnóstico regional Geração média resíduos na região: 1,0 kg/hab/dia Média nacional: 1,1 kg/hab/dia Alta temporada: acréscimo estimado em 54% do total gerado

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Usando Bem Ninguém Fica Sem. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA 1. O QUE É COLETA SELETIVA 2. DESTINO FINAL DO LIXO DE SÃO PAULO 3. COMPOSIÇÃO DO LIXO SELETIVO

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa

Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa Vanina Macowski Durski Silva (UFSC/CNPQ) vaninadurski@gmail.com Rosely Antunes de Souza (UTFPR) roselypr@gmail.com Silvana Ligia Vincenzi Bortolotti

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni)

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) Dispõe sobre obrigatoriedade da fabricação, distribuição e utilização de sacolas plásticas fabricadas em material degradável

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

O que acontece com o teu Lixo?

O que acontece com o teu Lixo? VIDRARIA FABRICANTE DE PAPEL COMPOSTAGEM O que acontece com o teu Lixo? Cada um tem seu próprio rumo... O orgânico.. O compost O compostagem de residuos umido reproduz o processo natural de decomposição

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Setembro de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo,

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL SOUZA,I.C. ;BUFAIÇAL,D.S.S;SANTOS,M.D.;ARANTES,S.S.;XAVIER,L.;FERREIRA,G.K.S; OLIVEIRA,B.A.;PAGOTTO,W.W.B.S.;SILVA,R.P.;SANTOS.L.G.;SANTOS.F.F.S.;FRANCO,R.

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO.

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 2.863, DE 2011 Acresce parágrafos ao art. 32 da Lei nº 12.305, de 2010, que institui a Política de Resíduos Sólidos. Autor:

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 VII Recicle CEMPRE Ricardo Rolim Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná

Leia mais

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Avaliar as diferenças entre as empresas da cadeia direta e da cadeia reversa; 2. Compreender o papel

Leia mais

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé)

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Objetivo do Projeto: Promover o correto gerenciamento integrado dos resíduos sólidos urbanos nas Cidades de pequeno e médio porte. ( população

Leia mais

Você sabia. As garrafas de PET são 100% recicláveis. Associação Brasileira da Indústria do PET

Você sabia. As garrafas de PET são 100% recicláveis. Associação Brasileira da Indústria do PET Você sabia? As garrafas de PET são 100% recicláveis Associação Brasileira da Indústria do PET O Brasil é um dos maiores recicladores de PET do mundo A reciclagem é uma atividade industrial que gera muitos

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

O Setor de Reciclagem de Material Plástico

O Setor de Reciclagem de Material Plástico O Setor de Reciclagem de Material Plástico Características da indústria de reciclagem: Quantas recicladoras existem para Alumínio? Aço? Vidro? Tetrapack? Papelão? Os produtores são quem adquirem a sucata

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás PRATIQUE COLETA SELETIVA Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) tem a missão de defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses

Leia mais

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES 1. Porquê a introdução de uma contribuição sobre os sacos de plástico leves (mais comummente designados por sacos de compras )? Para

Leia mais

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010 A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 12 novembro de 2010 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos A lei na prática Ago-12 Sonho: ser a melhor empresa de bebidas do mundo, em um mundo melhor. MEIO AMBIENTE CONSUMO RESPONSÁVEL COMUNIDADE Gente e Cultura Resíduos:

Leia mais

10/8/2013. Para se alimentar, o ser humano abate animais, colhe frutos, sementes, etc, recursos naturais que podem ser repostos;

10/8/2013. Para se alimentar, o ser humano abate animais, colhe frutos, sementes, etc, recursos naturais que podem ser repostos; 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em assegurar uma gestão responsável dos recursos do planeta de forma a preservar os interesses das futuras gerações e ao mesmo tempo atender às necessidades das

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS: FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE AS QUANTIDADES RECICLADAS DE MATERIAIS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS: FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE AS QUANTIDADES RECICLADAS DE MATERIAIS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS: FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE AS QUANTIDADES RECICLADAS DE MATERIAIS AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE TRABALHO APRESENTADO NO III SIMPOI SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO,

Leia mais

Apresenta: PAPEL METAL LIXO ORGÂNICO VIDRO PLÁSTICO. no luga

Apresenta: PAPEL METAL LIXO ORGÂNICO VIDRO PLÁSTICO. no luga Apresenta: Coloqu e o lixo no luga r, na hor a e no d certo. ia ORGÂNICO CAPItao VAREJO em: coleta seletiva Enquanto isso, na sala secreta de reuniões... Olá, Capitão Varejo! Grande Gênio, bom dia! Espero

Leia mais

2 Logística Reversa. 2.1. Conceito

2 Logística Reversa. 2.1. Conceito 2 Logística Reversa 2.1. Conceito A reutilização de produtos e materiais não é um fato novo. A reciclagem de metais, plásticos e papéis são processos realizados já há algum tempo. Nesses casos, a reciclagem

Leia mais

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL Maria de Fátima Nunesmaia(1)

Leia mais

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 NRE: Ivaiporã Nome do Professor: Nilson Marques de Oliveira Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 Escola: Escola Estadual Vicente Machado Ensino

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

História do vidro no Brasil

História do vidro no Brasil História do vidro no Brasil A fabricação do vidro brasileiro teve seu início após a Revolução de 30, liderada por Getúlio Vargas, e foi intensificada pela conjuntura mundial da época centralizada nos problemas

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR Política Nacional de Resíduos Sólidos BASE LEGAL : Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010 Decreto Federal nº 7404, de 23.12.2010 Princípio

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS ALVES, Jéssica B. 1 NETO, João B. 1 SOBRAL, Jozias M. 1 SILVA, Kelvin L. S. da 1 PETITTO, Sônia 2 PERRI, Ricardo Alves 3 RESUMO A coleta seletiva é uma forma de

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA. Procedimentos Fiscais no Retorno de Resíduos Sólidos Raphael Polito Departamento Tributário

LOGÍSTICA REVERSA. Procedimentos Fiscais no Retorno de Resíduos Sólidos Raphael Polito Departamento Tributário LOGÍSTICA REVERSA Procedimentos Fiscais no Retorno de Resíduos Sólidos Raphael Polito Departamento Tributário Julho/2011 CONCEITOS As legislações do Município e do Estado de São Paulo reproduzem o conceito

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I Textos de apoio Ciências Ensino Fundamental I 1 Latas de aço O mercado para reciclagem No Brasil, assim como no resto do mundo, o mercado de sucata de aço é bastante sólido, pois as indústrias siderúrgicas

Leia mais

A implantação da PNRS na visão da Abralatas

A implantação da PNRS na visão da Abralatas A implantação da PNRS na visão da Abralatas Renault de Freitas Castro Diretor Executivo Abralatas XV Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio Ambiente Rio de Janeiro-RJ, 24 de outubro de 2014

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva PROJETO LIXO LIMPO: MÓDULO I MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva VANTAGENS PARA TODA A COMUNIDADE O primeiro módulo visa a Universalização da Coleta Seletiva, promove a consciência ambiental e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

Preservação do meio ambiente

Preservação do meio ambiente Preservação do meio ambiente Introdução: Este texto, visando a preservação do ambiente em que vivemos, traz atitudes fáceis e práticas que você mesmo pode tomar para tornar o mundo um lugar mais agradável

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais