Os planos das empresas CESP, EMAE e Bandeirante ainda não obtiveram as aprovações necessárias para a distribuição do fundo previdencial.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os planos das empresas CESP, EMAE e Bandeirante ainda não obtiveram as aprovações necessárias para a distribuição do fundo previdencial."

Transcrição

1 Fundação Cesp: Distribuição do Fundo Previdencial (Fundação Cesp 31/08/10) Por determinação da PREVIC, o fundo previdencial foi extinto dos planos de benefícios das seguintes empresas: AES Tietê (PSAP/Tietê), CPFL Piratininga (PSAP/Piratininga), CTEEP (PSAP/Transmissão Paulista), Fundação CESP (PAP/Fundação CESP), AES Eletropaulo e Eletropaulo Telecom (PSAP/Eletropaulo), Duke Energy (PSAP/Duke Energy), Elektro (PSAP/Elektro), CPFL (PPCPFL). Os planos das empresas CESP, EMAE e Bandeirante ainda não obtiveram as aprovações necessárias para a distribuição do fundo previdencial. O que era o fundo previdencial. O fundo previdencial foi criado em 1998, como uma reserva financeira para evitar oscilações na valorização das contas de aposentadoria, especialmente nas datas próximas da aposentadoria. Esse fundo era formado pelo excedente da rentabilidade - quando ultrapassava o valor equivalente a IGP-DI + 0,75% ao mês - das contribuições regulares (no caso da Fundação CESP e CPFL) e das voluntárias do CV (nos demais planos). Isso significa que, caso a rentabilidade naquele mês fosse de IGP-DI + 1%, por exemplo, o valor relativo ao IGP-DI + 0,75% era repassado às contas de aposentadoria e os 0,25% restantes passavam a constituir o fundo previdencial, conforme previa os regulamentos dos planos. Entretanto, caso a rentabilidade fosse negativa naquele mês - como aconteceu em 2008, por exemplo - o fundo previdencial era utilizado para que esse índice negativo não precisasse ser aplicado nas reservas de aposentadoria, o que diminuiria o saldo dos participantes. Além dessa finalidade, o valor não incorporado às contas individuais daqueles que se aposentaram era destinado à formação de uma reserva para cobertura de eventuais déficits técnicos, decorrentes do aumento da longevidade, ou quando os investimentos não propiciassem os retornos, conforme previsto nos cálculos atuariais adotados pelos planos de benefícios. Por que o fundo previdencial foi extinto? Em 2008, foi publicada a Resolução nº 26, da SPC (hoje Previc), que impossibilitava aos fundos de pensão criar ou manter um fundo previdencial com essa finalidade. Por isso, a Fundação CESP solicitou à Previc a alteração dos regulamentos dos seus planos previdenciários, para extinção do fundo. A Previc aprovou essa mudança nos planos em julho e agosto de O que muda com essa decisão? Com a extinção do fundo previdencial, a rentabilidade será repassada integralmente às contas de aposentadoria (para os ativos, autopatrocinados e coligados), sendo positiva ou negativa. Você poderá acompanhar essa variação trimestralmente, nos extratos enviados. No caso dos assistidos com renda vitalícia ou temporária (10, 15 ou 20 anos), aumenta a chance de se instituir contribuição extraordinária, na ocorrência de eventuais déficits futuros, já que os valores que iriam alimentar o fundo previdencial agora serão direcionados às contas individuais, ou devolvido aos assistidos. O que acontece com saldo do fundo previdencial acumulado? Periodicamente, também por regulamento, era feita a distribuição parcial do fundo previdencial aos participantes. artigos interessantes.docx 1

2 Com a extinção do fundo, o saldo restante não distribuído - referente ao período de 1998 a 2010 será repassado diretamente à conta de aposentadoria dos ativos, autopatrocinados e coligados e em dinheiro aos aposentados e pensionistas. Essa distribuição será feita de acordo com o histórico de rentabilidade e o tempo de contribuição de cada um. Os valores atualizados da distribuição podem ser conferidos no extrato previdenciário e aviso de pagamento de setembro. Quem terá direito à distribuição do fundo previdencial? Todos os participantes ativos, autopatrocinados e coligados, além dos assistidos (aposentados e pensionistas) do PPCPFL e PAP/Fundação CESP que efetuaram contribuições após o saldamento dos planos. Nos demais planos previdenciários, terão direito os participantes e assistidos que voluntariamente contribuíram para o CV após o saldamento, nas datas abaixo indicadas. PSAP/CPFL - 31/10/1997 PSAP/CESP B e PSAP/Fundação CESP - 31/12/1997 PSAP/Eletropaulo Alternativo - 31/03/1998 Longevidade: Resseguradora faz alerta no exterior (Valor 01/09/10) Mais de US$ 17 trilhões de ativos de fundos de pensão estão expostos a "riscos de longevidade", ou seja, poderão ser insuficientes para pagar futuras aposentadorias à medida que a expectativa de vida aumenta. O alerta é da Swiss Re, segunda maior resseguradora do mundo, estimando que o método de conversão desses ativos em renda na velhice precisam de novas soluções de financiamento com urgência, "para que o fato de a pessoa viver mais tempo continue a ser um benefício para a sociedade, em vez de um peso financeiro". Subestimar a expectativa de vida por apenas um ano, um erro aparentemente pequeno, poderá aumentar o passivo dos fundos de pensão em até 5%, segundo cálculo do grupo suíço. Para um fundo com ativos de US$ 1 bilhão, seria assim necessário buscar US$ 50 milhões a mais de recursos para honrar seus compromissos. Ao mesmo tempo em que as pessoas vivem mais tempo, os passivos dos fundos de pensão e as pressões sobre as seguradoras aumentaram no rastro da recente crise financeira global. De acordo com a Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), companhias listadas nas bolsas de valores, de um grupo de países, acumulam déficit de 26% nos fundos para financiar seus planos de aposentadoria. Pelo levantamento do mercado de fundos de pensão da OCDE, somente os fundos na África do Sul e no Brasil tiveram superávit entre , enquanto os déficits cresceram no Japão, Suécia, Noruega, Estados Unidos e países europeus. "Uma sociedade mais velha vai influenciar os governos de várias maneiras, incluindo na renda para aposentadoria e nos compromissos na área de saúde, tudo criando passivos significativos", diz o relatório. A Swiss Re observa que vários governos começaram a reduzir os benefícios para a aposentadoria em termos reais, elevando assim o peso sobre as pessoas para garantir sua própria renda na velhice. artigos interessantes.docx 2

3 Para a empresa, a menos que sejam tomadas decisões rapidamente, a atual tendência de envelhecimento das sociedades vai provocar forte aumento nos impostos e de contribuição social, justamente sobre uma população economicamente ativa menor. Estima que o mercado de seguros para garantir futura renda na velhice deve aumentar principalmente nos EUA, Suíça e Holanda, onde a parte privada da aposentadoria é mais elevada. A Swiss Re sugere que empregadores e fundos de pensão examinem se suas reservas estão em níveis apropriados. Encoraja o setor de seguros a desenvolver modelos "mais sofisticados de riscos" que reconheça a tendência de longevidade. E conclama os governos a "realinhar a idade de aposentadoria com a expectativa de vida". Golpe do montepio volta e preocupa Justiça e Abrapp (Angelo Pavini - Valor Online 02/09/10) Estão crescendo os golpes envolvendo planos de previdência antigos e montepios como Capemi, Mongeral, CaixaGeral, PreviOuro e outros. Pessoas que entraram na Justiça questionando planos há muitos anos estão recebendo intimações falsas, informando que ganharam a causa, mas que precisam pagar as "custas" do processo para receber. Os golpistas chegam a usar o nome verdadeiro dos juízes das varas de falências para dar credibilidade ao documento, diz o promotor Eronides Aparecido Rodrigues dos Santos, da Justiça de Falências de São Paulo. Só neste ano, 16 pessoas procuraram o setor de Falências com cartas desse tipo. Já a Associação Brasileira das Entidades de Previdência Privada (Abrapp) chega a receber seis ligações por dia de pessoas que receberam cartas desse tipo. O estelionatário obtém os dados das pessoas nos processos e envia a carta com a notificação falsa dizendo que a vítima tem R$ 30 mil, R$ 40 mil e até R$ 50 mil a receber e especifica vários custos que, somados, vão de R$ 1 mil a R$ 3 mil. Na carta, há um telefone de contato no qual o golpista atende dizendo ser do Fórum. Ele explica que é preciso depositar as "custas" do processo para o dinheiro ser liberado e pede o número da conta da vítima. O golpista vai ao banco e simula um depósito no terminal eletrônico, colocando um envelope vazio na máquina, ou um cheque roubado, o que faz o valor aparecer na conta do cliente até ser feita a compensação. Quando a pessoa vai ao banco e vê o valor bloqueado, passa a acreditar no golpista e deposita o dinheiro na conta que ele indica -aberta em nome de laranjas ou com nome falso. Quando a vítima liga para confirmar o depósito, o golpista ou seu comparsa corre e saca o dinheiro. Em alguns casos, quando a vítima liga para confirmar que depositou o dinheiro, os golpistas voltam à carga e dizem que acharam outro processo e que a pessoa pode depositar mais. "Uma senhora foi quatro vezes ao banco depositar um total de R$ 20 mil, pois achava que receberia R$ 200 mil", diz Santos. As vítimas dos golpes são em geral os idosos e incluem pessoas instruídas, como advogados ou médicos. Há até o caso de um advogado que marcou de entregar o artigos interessantes.docx 3

4 dinheiro ao golpista na porta do Fórum e resolveu subir para ver o processo e acabou descobrindo o golpe. O número de pessoas ligando para a Abrapp para falar do golpe preocupa a instituição, diz o assessor Creston Portilho. "Temos casos em todo o Brasil", diz. Houve até um senhor que, mesmo avisado do golpe, disse que iria depositar o dinheiro porque "era pouquinho". Outra senhora, moradora em um bairro nobre de São Paulo, depositou R$ 5 mil depois que foi orientada pela advogada que o negócio era regular. O telefone da Abrapp para quem quiser informações é o Quem receber a carta pode também procurar a polícia ou a delegacia de estelionatos de sua cidade. Toyota abre fundo de pensão no Brasil (Diário Abrapp - Brasil Econômico - 02/09/10) A Toyota recebeu aval da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) para constituir um fundo de pensão, cuja gestão será feita pela própria montadora. O Banco Toyota também será patrocinador da fundação. A última grande empresa a pedir autorização à então Secretaria de Previdência Complementar (SPC) órgão ligado ao Ministério da Previdência Social responsável pelo funcionamento das entidades antes de receber status de autarquia para constituir um fundo de pensão com gestão própria foi a Embraer, em dezembro de A notícia foi muito bem recebida pelo mercado. A criação de uma entidade por uma companhia de grande porte é muito positiva para o sistema de previdência complementar. Mostra a preocupação das empresas em garantir renda adicional aos seus funcionários que não só a aposentadoria do governo, afirma José de Souza Mendonça, presidente da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp). Atualmente, a Toyota conta com 3,3 mil funcionários que poderão aderir à entidade fechada de previdência complementar. A construção de uma unidade em Sorocaba (interior de São Paulo), com conclusão prevista para o segundo semestre de 2012, deve ampliar o número de funcionários da montadora em cerca de 1,5 mil funcionários. Segundo apurou o BRASIL ECONÔMICO, a Toyota fará um aporte por tempo de serviço passado. Ou seja, a empresa fará uma contribuição adicional para reconhecer o tempo de trabalho dos funcionários. O ideal seria constituir o fundo de pensão juntamente com o início das atividades da companhia. Quando isso não acontece, algumas companhias optam por fazer esse aporte adicional, explica Lúcia Valle, sócia da Triaxes Consultoria Atuarial. Isso era muito comum em planos de benefício definido. Em planos de contribuição definida, nem todas as empresas fazem isso. Além de autorizar a constituição e funcionamento da entidade, bem como o estatuto da Toyota Previ, a Previc também estabeleceu prazo de 180 dias para o início efetivo das atividades, contados a partir da data de publicação no Diário Oficial da União (DOU), sob pena de cancelamento da autorização concedida. Ou seja, o fundo de pensão da Toyota deverá entrar em funcionamento até 27 de fevereiro do ano que vem. artigos interessantes.docx 4

5 O patrimônio líquido das entidades fechadas de previdência complementar somava R$ 494,5 bilhões em março deste ano, ante os R$ 487,9 bilhões registrados no mês anterior. Segundo levantamento da Abrapp, ao final do primeiro trimestre deste ano, o sistema contava com 369 entidades e 1055 planos de benefício. Essa diferença é explicada pela possibilidade de uma entidade possuir mais de um plano. O sistema ainda tem grande espaço para crescer, tanto em número de empresas principalmente pequenas e médias, quanto em participantes, diz Mendonça. Se antes era difícil explicar aos recém-formados, que ingressavam no mercado de trabalho, a necessidade de se preocupar com a aposentadoria, hoje esse trabalho é bem mais fácil, complementa o presidente da Abrapp. O processo de convencimento de uma empresa para oferecer o benefício aos funcionários é tão árduo quanto. Atiramos para todos os lados sabendo que veremos resultados em 3 ou 4 anos, diz Mendonça. Levantamento da Abrapp aponta que algumas montadoras antecederam os passos da Toyota ao oferecer o benefício aos seus funcionários. Entre elas estão Volkswagem, Ford, Chevrolet, General Motors (GM), Renault, Mercedes-Benz, Daimler Chrysler, Honda e Volvo do Brasil. Renault estuda terceirizar gestão - Se a Toyota optou por gerir a entidade, a Renault do Brasil, que constituiu seu fundo de pensão o RenoPrev em junho de 2005, estuda migrar a gestão para um fundo multipatrocinado. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa da montadora. Ricardo Pena, diretor-superintendente da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) acredita que o mercado crescerá, principalmente, por meio de fundos multipatrocinados (que congregam mais de um patrocinador) e instituídos (fundos de pensão de entidades de classe). Mas isso não quer dizer que todos os fundos necessariamente seguirão esse caminho, pondera. A constituição de um fundo de pensão por uma empresa de grande porte mostra a confiança depositada no país e no sistema. E isso é o mais importante. No ano, a Previc aprovou a constituição de três entidades fechadas de previdência complementar, entre elas a da Toyota, e 34 planos de benefício. O aumento da demanda por fundos multipatrocinados se deve, sobretudo, ao maior desafio de elevar a rentabilidade em um cenário de queda da taxa de juros. Além disso, a diluição dos custos entre vários patrocinadores e a terceirização da responsabilidade na gestão, são fatores que levam fundos de pensão a cogitar a hipótese. Empresas de menor porte conseguem montar um fundo de pensão, gerido por uma fundação multipatrocinada, sem incorrer grandes custos, ressalta José de Souza Mendonça, presidente da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp). De acordo com o dirigente, a decisão (da gestão da entidade) cabe à empresa. Mas isso depende de uma série de fatores, entre eles o número de funcionário e o total do patrimônio, explica Mendonça. O segurado é o rei (Antônio Penteado Mendonça - O Estado de S. Paulo 06/09/10) artigos interessantes.docx 5

6 É curioso, mas a legislação que normatiza o Sistema Nacional de Seguros Privados não inclui o segurado entre os seus integrantes. De acordo com a lei, o sistema é composto pelos órgãos reguladores, seguradores, resseguradores e corretores de seguros. Ela é absolutamente muda sobre quem paga a conta, que é para quem os produtos são desenhados. Não tem sentido se falar em seguro sem que a figura do segurado se sobreponha a toda as outras. Sem ele, as seguradoras não têm razão de ser, os corretores de seguros perdem o foco e os riscos a serem protegidos simplesmente prescindem da proteção. O segurado é o consumidor de seguros, ou seja, é ele quem compra as apólices e, portanto, paga toda a operação. Do seu bolso sai o prêmio do seguro e a comissão de corretagem. Ou seja, sai o dinheiro que remunera todo o mercado, os funcionários das seguradoras, resseguradoras e corretoras, os acionistas e sócios e os agentes dos órgãos fiscalizadores e normatizadores. É ele quem paga toda a estrutura de prestadores de serviços, de simples chaveiros, passando por advogados e engenheiros, até os mais sofisticados consultores. Durante muito tempo esta figura essencial para o funcionamento do setor foi - dentro do espírito da lei - absolutamente desconsiderado. As seguradoras não tinham o menor interesse em saber o que os segurados pensavam, quais os riscos que desejavam proteger e quanto poderiam pagar. Pior ainda era o Instituto de Resseguros do Brasil, que se recusava a receber os corretores de seguros (que são os representantes dos segurados) para saber quais as reais necessidades de cobertura de resseguro de cada cliente ou, em caso de sinistro, quais as ponderações ou alegações que embasavam a posição do contratante da apólice diante do pagamento ou não da indenização devida. Nessa época o setor de seguros contribuía com menos de 1% do PIB. Era insignificante e tinha poucas chances de crescer, a não ser que as regras fossem profundamente modificadas. Em meados da década de 80 dois homens começaram a plantar as sementes da mudança. João Regis Ricardo dos Santos, à frente da SUSEP, e Jorge Hilário Gouveia Vieira, na presidência do IRB, implantaram as primeiras medidas que levaram à modernização da atividade, aproximando o mercado do segurado e assim permitindo o aparecimento de produtos mais adequados, com preços mais realistas. Daí para frente o setor de seguros, especialmente após a estabilidade da moeda, entrou numa fase de crescimento acelerado, que o fez saltar de um faturamento de US$ 5 bilhões anuais em 1993 para mais de US$ 50 bilhões no ano passado. Seguradores e corretores se profissionalizaram, estudaram o mercado, levantaram dados e desenvolveram novas posturas e novos produtos, focados nas efetivas necessidades da classe média e adaptados aos dispositivos do Código de Defesa do Consumidor. Atualmente é possível dizer que o setor avançou no conhecimento e no atendimento de seus principais clientes, a saber: pessoas físicas da classe média e empresas em geral. Mas ainda há muito a ser feito, inclusive no que toca este público. artigos interessantes.docx 6

7 Apenas a título de exemplo, estudos mostram que 18 milhões de residências não possuem qualquer tipo de seguro. Os seguros de responsabilidade civil dão seus primeiros passos. E uma grande variedade de riscos não encontra seguradoras dispostas a aceitá-los. Como se não bastasse, as classes D e E também precisam de proteção de seguro, inclusive para saírem da pobreza. É um segmento desconhecido e, apesar dos avanços para a implantação do microsseguro, existe um largo caminho a ser percorrido. Nos dias 11 e 12 de setembro acontece em São Paulo a 2ª Conferência Interativa de Proteção do Consumidor de Seguros, que vai discutir estes e outros temas fundamentais para o aperfeiçoamento das relações envolvendo o negócio de seguros e todos os seus agentes, com foco no melhor atendimento do segurado. Se você tem interesse neles não deixe de participar. Sob Lula, 550 mil buscam fundo de pensão (Folha de S.Paulo 08/09/10) Expansão da previdência complementar entre 2003 e 2010 é considerada fraca diante do aumento do emprego Governo deveria dar mais incentivo para trabalhadores entrarem no sistema, afirma diretor da Previc Apesar do aumento de renda e da alardeada entrada de 14 milhões de trabalhadores no mercado formal no governo Lula, pouco mais de 550 mil pessoas ingressaram na indústria dos fundos de pensão nos últimos sete anos. A modesta inclusão de participantes representou um aumento de 26% no estoque de trabalhadores cobertos pelo sistema de previdência fechado ao final de "Diante do quadro [econômico], o resultado poderia ter sido melhor", afirma o diretor-superintendente da Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar), Ricardo Pena. Segundo ele, o crescimento do mercado dos fundos de pensão depende diretamente da capacidade econômica das empresas e das pessoas. "Esse crescimento do mercado de trabalho, esses novos empregos podem talvez envolver uma questão salarial menor, não gerando ainda o estímulo para a constituição da previdência complementar", avalia Pena. Estudos apontam que o universo potencial de trabalhadores em condições de investir na aposentadoria complementar situa-se a partir da faixa de renda equivalente ao teto de benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), R$ "Mas existem fundos cujo tíquete de entrada é de R$ 50. Acho que falta conhecimento, uma grande campanha do mercado para desenvolver o setor", diz o diretor-superintendente. E acrescenta: "Faço um mea-culpa. O governo deveria ter investido em uma estratégia mais arrojada de incentivo à previdência complementar, por meio dos instituidores, das pequenas e médias empresas e da própria previdência complementar do servidor público". artigos interessantes.docx 7

8 Os instituidores fazem parte da modalidade de previdência complementar associativa. O fundo de pensão é criado por um instituidor, não há o vínculo com uma empresa (patrocinadora). Nessa modalidade, os trabalhadores são agrupados de acordo com a classe profissional. Um exemplo é o fundo de pensão da Ordem dos Advogados do Brasil. A previdência associativa surgiu no início dos anos Em 2002, havia apenas um fundo ligado a instituidor. Atualmente, são 450. Hoje, 2,7 milhões de brasileiros compõem a rede de trabalhadores e aposentados atendidos por fundos de pensão. São 366 entidades ligadas a empresas estatais e privadas. A maior parte das patrocinadoras é de grandes empresas. Aposentadoria mais tarde (Adriana Nicacio - Isto É 08/09/10) Governo faz estudo para mudar regras da Previdência, mas abacaxi deve ficar mesmo nas mãos do próximo presidente Projeções feitas pelo Ministério da Fazenda indicam que o Brasil vai crescer 5,8% ao ano até 2014, o suficiente para colocar o País entre as cinco maiores economias do planeta. O crescimento será acompanhado por um processo típico das nações ricas: o envelhecimento da população. Com o aumento do padrão de vida, sobe a expectativa de vida de homens e mulheres, o que significa que serão necessários mais recursos da Previdência para pagar a conta. No Brasil, não será diferente. Com um milhão de favorecidos pela Previdência do setor público e 27 milhões de beneficiários do privado, o próximo presidente da República terá de aplicar um remédio amargo se quiser evitar a falência do sistema. A reforma da Previdência é necessária agora, para preparar as contas públicas para os nossos filhos e netos daqui a três décadas, diz o economista Fábio Giambiagi, um dos principais especialistas brasileiros da área. O ministro da Previdência, Carlos Eduardo Gabas, encomendou uma série de estudos que buscam tornar as contas do segmento mais saudáveis. Como primeira iniciativa, Gabas sugere unificar as regras válidas para servidores privados e públicos, o que inclui o teto da aposentadoria. Hoje, os primeiros ganham no máximo R$ 3,4 mil, enquanto não há limite para os funcionários das estatais. Entre os itens propostos pelo ministro está a extinção do acúmulo de benefícios previdenciários, medida que certamente causará reação negativa da opinião pública. O tema é espinhoso, mas entrou na pauta da atual campanha sucessória. A candidata Dilma Rousseff apressou-se em negar que uma alteração radical esteja para sair do forno. Não acho que a Previdência é a questão mais séria, disse Dilma. Hoje, ela está bem mais controlada. Se você tiver que fazer alguma coisa, é um ajuste marginal. O secretário de Política Econômica, Nelson Barbosa, e sua equipe chegaram a estudar a aplicação do fator 105 às pessoas nascidas a partir de Ou seja, para ter direito à aposentadoria integral, o trabalhador teria que contribuir por 40 anos para se aposentar aos 65 anos. Já o tucano José Serra defende a reforma apenas para quem está nascendo. Na França, dois milhões de pessoas foram às ruas recentemente protestar contra a reforma que elevaria a idade mínima de aposentadoria de 60 para 62 anos. No Brasil, os aposentados costumam pressionar o Legislativo. O vice-presidente da artigos interessantes.docx 8

9 Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Delcídio Amaral (PT-MS), recomenda cautela ao próximo ocupante do Planalto: Não se pode mexer com o passado, porque não passa no Congresso. Qualquer alteração, só para os futuros trabalhadores. Competição e aposentadoria pioram futuro, prevê analista (VINICIUS TORRES FREIRE - Folha de Paulo- 04/09/10) Para o norte-americano Robert Shapiro, globalização favorece desigualdade O mundo será um lugar bem pior para viver daqui a 10 ou 20 anos. Será pior para 80% da população, de países desenvolvidos e alguns em desenvolvimento, a excluída da economia, da informação e de empresas globais. O diagnóstico é de Robert Shapiro em "A Previsão do Futuro". O autor foi subsecretário ( ) de Comércio de Bill Clinton. Doutorou-se em Harvard. Dirige uma consultoria, além de instituições que tratam de clima, globalização e uma dedicada a cobrar a dívida argentina. Segundo Shapiro, nos próximos anos três ondas de choque irresistíveis vão conformar a vida de países, empresas e pessoas. Essas forças foram liberadas pela globalização, pelo envelhecimento da população e pela ruína soviética. Um efeito principal da globalização é a transferência de fábricas e empregos de países ricos para aqueles em desenvolvimento. O resultado, já visível, é mais desigualdade, menos trabalho e arrocho progressivo dos salários no mundo rico, mesmo que seu PIB cresça. CARO PARA TODOS A população idosa aumentará como nunca em países avançados. Menos gente produzirá, haverá mais aposentados e idosos a reclamar serviços de saúde cada vez mais caros. Os impostos e/ou a dívida de governos subirão a fim de pagar tal conta, o que reduzirá ainda mais o crescimento e os benefícios sociais para aqueles em idade ativa. A queda do império soviético entra um pouco como Pilatos no Credo: favoreceu a globalização do capital e animou os reformistas de mercado da China, além de deixar os EUA na posição de única superpotência. A China conduzirá o mundo com os EUA, mas de modo subordinado. Será a grande vencedora até 2020, em especial devido a seu governo audacioso e ditatorial. Europa e Japão, encrencados pela democracia, avessos a reformas de mercado e tradicionalistas, declinarão. A energia será cada vez mais cara. Para piorar, o petróleo está em países conturbados ou sujeitos a revoluções fundamentalistas, como a Arábia Saudita. O terrorismo é ameaça, embora não se torne perigo central até que tome conta de um país nuclear, como o Paquistão. Talvez a nanotecnologia e a biotecnologia tenham respostas para as crises de energia e da saúde. Mas o futuro da ciência é imprevisível. artigos interessantes.docx 9

10 O Brasil é citado meia dúzia de vezes. Pode progredir, pois não rejeita a globalização e elegeu o centrista (sic) Lula. Avançará se desregulamentar mais seu mercado e abraçar inovações técnicas e administrativas ofertadas pelo Ocidente - aliás, a receita geral e paliativa do livro. Shapiro cometeu a imprudência de publicar seu livro (nos EUA) antes do colapso de Seus elogios a vários países "cases" de sucesso foram desmoralizados pela crise. Para quem quer um resumão detalhado de problemas atuais, Shapiro pode ser útil, apesar do molho liberaloide e do ritmo desembestado, "PowerPoint", de apresentação de ideias e dados. A PREVISÃO DO FUTURO AUTOR Robert J. Shapiro TRADUÇÃO Mario Pina EDITORA BestBusiness QUANTO R$ 64,90 (518 págs.) França para contra reforma da previdência (O Globo 08/09/10) Mais de um milhão vão às ruas em protestos contra aumento da idade de aposentadoria de 60 para 62 anos Mais de um milhão de pessoas saíram às ruas da França ontem em 220 grandes manifestações contra a impopular reforma da previdência que o presidente Nicolas Sarkozy - cuja popularidade também está em queda - está determinado a implementar. Além dos protestos, as 24 horas de greve convocadas pelas oito maiores confederações sindicais do país paralisaram cerca de 50% dos serviços de trens, 30% das viagens de metrô e metade dos voos da Air France no Aeroporto de Orly, nos arredores de Paris. Foi a quarta jornada de greve geral e protestos em massa contra a reforma previdenciária este ano. Segundo o Ministério do Interior, 1,1 milhão de pessoas participaram das manifestações em todo o país. Os sindicatos afirmam que o total chegou a 2,5 milhões. Já a estimativa da polícia é de 557 mil. Todas as cifras superam as do último dia de protestos gerais, em 24 de junho, quando os sindicatos estimaram em 2 milhões os manifestantes. Só em Paris, foram 270 mil manifestantes ontem - mais que o dobro do registrado no protesto anterior. Enquanto as ruas de Paris eram tomadas pela multidão, o ministro de Trabalho, Éric Woerth, discursava na abertura do debate na Assembleia Nacional sobre a reforma previdenciária. Tanto ele quanto Sarkozy afirmaram que manterão a ideia central da reforma - a elevação da idade mínima de aposentadoria de 60 para 62 anos -, pois a medida é "inevitável" frente ao envelhecimento da população. Governo: reforma é central para equilíbrio das contas artigos interessantes.docx 10

11 A reforma é essencial, diz o governo, para equilibrar as contas previdenciárias até 2018, reduzir o déficit público e permitir que a França continue se financiando nos mercados financeiros a juros baixos. Woerth - cuja imagem está muito abalada por causa de seu envolvimento no caso L'Oréal, por supostos favorecimentos à herdeira do grupo, Liliane Bettencourt - é o encarregado de defender a medida, que deve ser votada no dia 15 na Assembleia Nacional e depois seguir para o Senado. François Chereque, líder da confederação sindical CFDT, disse à rádio RTL que o governo fará mal em ignorar o que chamou de "o maior comparecimento popular nos últimos anos". Bernard Thibault, líder de outra grande confederação sindical, a CGT, alertou os ministros franceses: - Se não responderem e não derem ouvidos, haverá novas iniciativas, e nada está sendo excluído nessa etapa. No setor público, a paralisação foi mais ampla do que a de junho, com taxas entre 21% e 42%, dependendo do serviço. No privado, também houve greve. A direção da France Télécom anunciou que 34% da força de trabalho aderiu à greve. Uma nova jornada de protestos está prevista para dia 18, um sábado. Deve haver uma grande manifestação nacional em Paris, com a participação de trabalhadores do setor privado, que neste caso não precisarão faltar o trabalho. Pesquisas de opinião mostram que dois terços dos eleitores apoiam o protesto e acham injusto o plano de Sarkozy. Dois terços, porém, também acham que as greves não farão diferença. Analistas dizem que é improvável que o governo recue. A greve espelha ações adotadas em outros países europeus contra medidas de austeridade. Grécia, Espanha, Itália e Romênia vêm enfrentando greves contra cortes nos salários e em gastos públicos. Ontem, o metrô de Londres parou por 24 horas devido a uma greve contra demissões Envelhecimento põe País em situação-limite (Clarissa Thomé - O Estado de S.Paulo 09/09/10) Autor do estudo Enriquecer antes de envelhecer: redução da fertilidade e crescimento econômico no Brasil, o economista Jorge Saba Arbache Filho sustenta que o envelhecimento da população está levando o País a uma situação-limite. Ele defende estratégias para reverter a situação, o que inclui proposta de subsídio a famílias para que tenham mais filhos. A Pnad 2009 mostra que houve ligeiro aumento na taxa de fecundidade. Esse dado tem algum impacto sobre o envelhecimento da população? Não. O que é importante nesse caso é a tendência - e a tendência é muito clara (de queda da fecundidade). artigos interessantes.docx 11

12 Qual a consequência de uma população envelhecida com taxa de fecundidade baixa? Não tem achismo. Basta que a gente olhe para o que aconteceu com os países desenvolvidos. O que se tem é aumento dos custos da previdência, do financiamento da saúde pública. O que distingue o Brasil desses países é que estamos entrando num processo de rápido amadurecimento da população antes de o País ficar rico. É como ir para uma guerra sem ter os instrumentos para enfrentála. O que é preciso para reverter essa situação? O trabalho aponta sugestões bastante óbvias, que vão desde mudanças na legislação trabalhista, para encorajar mulheres a terem mais filhos. E o subsídio, que é uma coisa impensável no Brasil, mas um assunto que nós temos de tratar seriamente: subsidiar as famílias para que elas considerem ter mais filhos. França atenua, mas votará reforma da Previdência (Valor Online 09/09/10) Um dia depois dos protestos que paralisaram boa parte dos transportes da França, o presidente Nicolas Sarkozy anunciou ontem algumas mudanças no projeto de reforma do sistema de aposentadoria, alvo de duras críticas de sindicatos. As concessões, no entanto, foram consideradas insuficientes por seis grandes centrais sindicais, que ontem mesmo marcaram para o dia 23 uma nova greve geral. O ponto mais polêmico é a elevação da idade mínima para aposentadoria no país, de 60 para 62 anos. E nisso Sarkozy reiterou que um recuo "está fora de questão". O governo aceitou fazer as seguintes concessões: ampliar o número de categorias profissionais que continuariam se aposentando aos 60; permitir que quem começou a trabalhar antes dos 18 anos também pare aos 60; também se aposentariam aos 60 aqueles com uma incapacidade física parcial e servidores mais velhos com filhos pequenos. As mudanças foram apresentadas ontem ao Parlamento pelo ministro do Trabalho, Eric Woerth. As concessões custariam ao governo 1 bilhão por ano. Sarkozy disse estar "atento às preocupações que foram expressas" pelos manifestantes que saíram às ruas em 220 cidades francesas na terça-feira, comprometendo cerca de 50% do funcionamento dos trens do país, afetando também aeroportos e o metrô de Paris. Segundo o governo, cerca de 1 milhão de pessoas participaram das manifestações. Sindicatos falaram em 2,5 milhões. "O grande comparecimento mostra a determinação dos trabalhadores de impor uma reforma diferente, que seja mais justa e solidária", disse em um comunicado conjunto as seis centrais após uma reunião ocorrida ontem. Para os sindicatos e para o opositor Partido Socialista, a reforma, mesmo com as concessões, é uma ameaça aos benefícios sociais conquistados com muito esforço e que precisa passar por uma revisão radical. O objetivo do pacote é zerar o déficit de 42 bilhões que o sistema acumulará por ano até A aprovação da reforma é um elemento central da agenda política do conservador Sarkozy, antes das eleições presidenciais de artigos interessantes.docx 12

13 O texto deve ser votado pela Assembleia Nacional na próxima quarta-feira e seguir para o Senado. O Partido Socialista é contra a elevação da idade mínima, mas é provável que o governo acabe aprovando o texto. "Grande parte da população já aceitou que Sarkozy não vai voltar atrás da reforma no sistema de aposentadoria", disse Frederic Dabi, diretor instituto de pesquisa Ifop. Também ontem, dois sindicatos do Reino Unido, que representam mais de 25% dos servidores britânicos, anunciaram que vão se unir a outras entidades nos protestos contra o pacote de ajuste fiscal planejado pelo primeiro-ministro David Cameron. Na terça, metroviários de Londres cruzaram os braços contra o plano de demissões no metrô. Assim, como na França, no entanto, a maior parte da população do Reino Unido parece convencida de que algumas mudanças, pelo menos no sistema de aposentadoria, são inevitáveis. Pesquisa feita pela BBC mostrou que 70% dos entrevistados creem que o modelo atual de aposentadoria não tem condições de ser mantido no futuro. O governo quer fazer um aumento escalonado da idade mínima para aposentadoria dos atuais 65 para 66 e 68, até Fundos de Pensão e Tributação (Adacir Reis e Patrícia Linhares 10/09/10) Após um histórico recente de mudanças significativas na tributação da previdência complementar, que culminaram no afastamento da imunidade tributária das entidades fechadas de previdência complementar e instituição do RET (que gerava recolhimento do imposto de renda sobre os rendimentos de aplicação dos planos de benefícios), muitos deram por encerrado o assunto da tributação desde 2005, quando entrou em vigor a Lei nº /04, que, além de possibilitar a opção do participante quanto ao modelo de incidência do imposto de renda, conferiu isenção deste tributo para os rendimentos obtidos durante a fase de acumulação dos recursos. Porém, basta uma rápida conversa com um profissional de qualquer entidade fechada da área de benefícios ou seguridade, do jurídico ou da contabilidade para verificar que ainda há muito que se aprimorar no campo legislativo para que as entidades tenham segurança quanto ao recolhimento do tributo, que, neste caso, não é próprio, mas dos participantes e beneficiários do plano o que gera ainda maior preocupação para as entidades, diante do peso da dita responsabilidade tributária, que implica a observância de todos os requisitos, condições, prazos, alíquotas, bases de cálculo, códigos etc. pela fonte pagadora encarregada da retenção do imposto. Um breve passeio no cotidiano das entidades mostra que a questão da tributação da portabilidade ou de qualquer forma de transferência (por migração, incorporação ou outro) de participantes e ou suas reservas ainda não está resolvida, especialmente quando envolve a mudança de regimes de tributação (progressivo/regressivo) entre plano originário e receptor. Isto sem contar os desdobramentos práticos de se expor ao novo participante do plano as nuances técnicas (e consequências sérias e definitivas) da opção pelo regime de tributação, qualquer que seja ele regressivo ou progressivo, e, pior, dentro de, no melhor cenário, 60 dias! E nem caberia alegar que tal problema também é enfrentado pelas entidades abertas de previdência complementar sem maiores queixas, pois o perfil dos participantes e operacionalização dos planos em entidade fechada são completamente distintos e esta realidade não deve ser artigos interessantes.docx 13

14 desprezada (como não foi pela Lei Complementar nº 109/01, que a despeito de tratar do regime para entidades abertas e fechadas, traça diretrizes bastante diferentes para ambas em diversos pontos). Isenções previstas em lei para aposentadoria e pensão (como para portadores de moléstia grave ou para pagamentos com recursos acumulados entre 1989 a 1995) também acarretam novos desgastes entre entidade (fonte pagadora responsável pelo cálculo e retenção do imposto) e participante/beneficiário (contribuinte), diante da ausência de requisitos claros e objetivos ou mesmo uma fórmula de cálculo para aplicação aos casos concretos. Sob uma visão crítica, percebe-se que estas e outras questões representam verdadeiros entraves para o crescimento da previdência complementar fechada, que, ainda carecem de uma verdadeira abertura tributária" para o desenvolvimento de planos atrativos para os diversos perfis de participante como uma tributação diferenciada, a exemplo daquela aplicável aos planos VGBL, para planos instituídos (em que não há a figura do empregador) direcionados aos profissionais liberais, numa sociedade que já passa a notar a importância da previdência privada para estabilidade econômica em longo prazo. PNAD: Inclusão previdenciária (Pedro Arruda AgPrev 10/09/10) Dados indicam elevação da proteção social e previdenciária da PEA Ministro Gabas destaca política de crescimento com distribuição de renda As medidas de inclusão previdenciária e o crescimento da formalização do mercado de trabalho elevaram em 1,5 milhão o número de contribuintes à Previdência Social entre 2008 e Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2009, divulgada nessa quarta-feira (8) pelo IBGE, 49,6 milhões de trabalhadores estão cobertos pelo sistema previdenciário, um acréscimo de 3,1% de contribuintes que fazem parte da População Economicamente Ativa (PEA). Para o ministro da Previdência Social, Carlos Eduardo Gabas, a política de crescimento com distribuição de renda fez a diferença no período da crise internacional. Segundo o ministro, as decisões governamentais tiveram reflexo positivo com a recuperação dos empregos formais, tanto é que de janeiro de 2009 a junho de 2010 foram criados 2,5 milhões de empregos com carteira assinada. Proteção - Ainda segundo dados da Pnad/2009, essa proteção previdenciária representa 53,5% da população ocupada. Em 2008, eram 48,1 milhões de segurados (52,1% da PEA). O crescimento da contribuição para a Previdência Social deu-se em todas as regiões do país, sendo mais elevado nas Regiões Centro-Oeste (5,8%), Nordeste (5,4%) e Sul, com 4,1%. Na comparação entre 2009 e 2004, o percentual de trabalhadores que contribuíram para a Previdência pulou de 46,4%, em 2004, para 53,5% no ano passado. Ou seja, um aumento de 7,1 pontos percentuais em cinco anos. E o aumento foi generalizado, tanto por atividade econômica (indústria, serviços, comércio, construção civil e agropecuária) como por categoria profissional (empregado, trabalhador doméstico, trabalhador por conta própria e empregadores). Comparando os dados de 2009 com excluindo a Região Norte -, o percentual de trabalhadores contribuintes que era de 45,1% naquele ano, saltou para 54,1% no ano passado - alta de nove pontos percentuais em sete anos. artigos interessantes.docx 14

15 A partir dos microdados da Pnad/IBGE, o Ministério da Previdência Social irá divulgar os indicadores de cobertura previdenciária com a metodologia aprovada pelo Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS) em 2004, que considera os índices de contribuição dos segurados especiais e dos trabalhadores que não contribuem, mas recebem benefícios. A verdade sobre o incentivo fiscal na saúde privada (José Cechin - Valor Online 10/09/10) Corte do benefício transferiria do setor privado para o SUS uma clientela que o governo não consegue atender Todos os brasileiros têm direito constitucional aos serviços de saúde enquanto o Estado tem o dever de prestar esses serviços. Cada país tem sua forma de organização e financiamento da saúde. No Reino Unido e no Canadá, a saúde é pública e financiada por impostos; Holanda, Chile, e Alemanha adotam o esquema do seguro obrigatório; os Estados Unidos, com as recentes mudanças aprovadas pelo Congresso, caminham também para forçar o seguro obrigatório; Austrália e Irlanda têm sistemas públicos e seguros privados. O Brasil optou pelo modelo universal e público, financiado por diversas fontes de custeio, que compõem as contribuições sociais. Foi pioneiro na constitucionalização do direito e do dever em saúde, mas manteve aberta a possibilidade de financiamento e prestação privada. O próprio SUS presta assistência médica em sua rede e também compra serviços de estabelecimentos privados com os quais mantém convênio. Entre os brasileiros, 25% têm plano de saúde e pagam suas mensalidades sem que isso os desonere da participação na arrecadação de tributos devidos por toda sociedade. Além disso, há fortes indícios de que é sonho de muitos outros terem acesso a um convênio médico. Frise-se que, ao fazê-lo, a pessoa não é dispensada dos deveres de contribuinte nem perde o direito à assistência do SUS. O indivíduo que paga seu plano e usa serviços privados geridos e custeados pela operadora desonera o sistema público, já bastante combalido. Da mesma forma, as empresas que organizam planos para seus colaboradores e familiares desoneram o SUS. As empresas, assim como os indivíduos, não são obrigadas a terem plano de saúde. Se o fazem, é para manterem a força de trabalho mais saudável e produtiva, pelo acesso mais expedito a serviços médicos. No Brasil como em quase todos os países do mundo que não garantem um sistema de saúde público de efetivo alcance universal, os planos privados têm estímulos fiscais. Na década de 70 era devolvida parte da contribuição previdenciária às empresas que dessem assistência médica suplementar aos seus funcionários e dependentes, abrindo mão do direito à assistência médica realizada pelo extinto Inamps, que carimbava a carteira de trabalho "sem direito ao Inamps", salvo para cirurgia cardíaca e microneurocirurgia. Na Alemanha, o trabalhador com renda acima de certo limiar que contratar plano fica dispensado de contribuir para o sistema público, renunciando ao direito aos seus serviços. Mas o Estado obriga todos a terem plano, seja público ou privado. O incentivo para optar pelo privado é a dispensa da contribuição ao público. No Chile, todos os trabalhadores devem ter plano de saúde, podendo escolher entre o esquema público ou privado. No Reino Unido essa escolha não existe, embora cerca de 10% da população tenha planos privados de saúde. Na Austrália, que tem artigos interessantes.docx 15

16 sistema público universal, o governo reembolsa 30% do valor das mensalidades de quem tem plano privado de saúde. Nos Estados Unidos, cuja reforma do sistema de saúde ocupou recentemente bastante espaço na nossa mídia, as pessoas muito pobres têm acesso a serviços públicos de saúde, independentemente de contribuições, e os idosos são atendidos pelo Medicare público desde que tenham contribuído durante a vida de trabalho. As outras pessoas são obrigadas a contratar seguro privado de saúde, com subsídios do Estado para evitar que a prestação comprometa uma fração elevada da renda. No país do liberalismo, da livre iniciativa e do individualismo, o Estado comparece com subsídios fiscais para permitir o acesso de todos aos seguros e serviços privados de saúde. No Brasil, predominam os planos coletivos contratados por empresas, normalmente custeados pelas próprias, que deduzem as mensalidades de suas receitas para fins de tributação. Isso se aplica apenas às empresas tributadas pelo lucro real, pois as outras se valem da dedução padrão. Na contratação coletiva, além do benefício da assistência médica de qualidade, o incentivo fiscal pode representar um importante fator propulsor da economia formal. As mensalidades dos planos pagas pelos indivíduos são dedutíveis do Imposto de Renda, assim como toda e qualquer despesa com assistência médica ou odontológica. Como todas as pessoas têm direito ao atendimento pelo SUS, pode-se entender a dedução fiscal como uma compensação ao indivíduo, por parte do Estado, por sua incapacidade de cumprir integralmente com seu dever. Além dessa compensação, as deduções podem ser vistas de outras perspectivas. Uma delas vê nos incentivos uma política para desonerar o SUS. Para cada real de incentivo fiscal o governo obtém vários reais em serviços privados de assistência médica. O setor público, em uma perspectiva realista, não teria condições orçamentárias para custear a saúde de todos e o incentivo é uma forma barata de conseguir serviços privados de saúde que são de responsabilidade do setor público. No entanto, uma forma bastante equivocada de ver o incentivo fiscal é entendê-lo como um financiamento público para planos privados: dinheiro que poderia ser utilizado para financiar o SUS. Seria, portanto uma prática funesta para o setor público, já que a sua eliminação aumentaria a disponibilidade de recursos potencialmente destináveis ao SUS. Quem defende essa proposta não leva em consideração o número de beneficiários que seria transferido do setor privado para o SUS. Computado esse efeito, é bem possível que a extinção do incentivo seja um péssimo negócio financeiro e social para o Estado, na medida em que cada real de incentivo cortado transfira do setor privado para o SUS gasto bem superior a um real, pelo fato de muitas pessoas e empresas abandonarem seus planos de saúde. Essa questão, portanto, não é tão simples quanto parece nas acusações de que os incentivos fiscais para cidadãos e empresas seriam um financiamento público aos planos privados de saúde. É necessário pensar com muito cuidado para que a saúde da população não fique ainda mais prejudicada. Era melhor ter pensado nisso tudo antes (Isto é Dinheiro - Juliana Schincariol 11/09/10) Seguro de vida, previdência, testamento, jazigo... decisões que você pode tomar para garantir a paz de quem fica artigos interessantes.docx 16

17 Você vai morrer. É sua única certeza. Você está preparado? Além das questões afetivas e emocionais que precisam ser encaradas, é preciso resolver a situação patrimonial e financeira dos que ficam. Não se trata apenas de cuidar em vida das despesas com seu sepultamento e jazigo, mas também de deixar respostas para perguntas cruciais da família. Quem paga a escola das crianças? E as contas da casa? Pense bem. A hora de lidar com esses problemas pode ser agora. Normalmente, a morte de um parente dá muito trabalho aos familiares, envolve burocracia e perda de tempo em um momento em que as pessoas estão emocionalmente abaladas e menos aptas a tomar decisões racionais. Se o falecido for o provedor, pior ainda. Entra em cena o chamado custo desespero, quando é necessário resolver uma situação inesperada em um curto período, em geral pagando mais do que seria razoável. O pesadelo nem sempre acaba após o enterro. Um inventário simples pode durar anos e brigas de herdeiros são comuns. Por isso, é necessário organizar toda a papelada e acertar a divisão dos bens em vida, para não antecipar uma ida aos infernos para quem fica. O que fazer? A primeira providência é estar pronto para aquela data fatídica, antecipando as despesas funerárias. Na cidade de São Paulo, as tarifas de sepultamento variam de módicos R$ 200 até suntuosos R$ 12 mil. Esse valor não inclui o preço dos jazigos, que oscila entre R$ 4 mil e R$ 20 mil, mas pode chegar a R$ 80 mil em cemitérios tradicionais, como o São João Batista, no Rio de Janeiro. Para cobrir essas despesas, várias seguradoras oferecem apólices de segurofuneral. Um funeral completo pode desequilibrar as contas de uma família, diz Pedro Bulcão, diretor da seguradora carioca Sinaf, especializada no ramo. Há quem ofereça coberturas mais amplas que as de caixões e flores. Clientes de baixa renda da Caixa contam com apólices que garantem, por exemplo, o fornecimento de uma cesta básica durante seis meses. Pagando de R$ 6 a R$ 100 por mês, cada vez mais clientes adquirem o produto, diz Rosana Techima, diretora da Caixa Seguros. Há uma mudança cultural importante, que segue a ascensão da nova classe média. A mentalidade do brasileiro está mudando e agora há mais pessoas dispostas a fazer seguro para proteger o patrimônio e a estabilidade familiar conquistados com o trabalho, diz a executiva. Se você for uma dessas pessoas, não faça segredo. Deixe alguém de sua confiança informado do que fez, onde estão os papéis e para quem telefonar. Lembre-se de que a família precisa ter uma reserva financeira de emergência para o dia a dia. Um falecimento interrompe o pagamento de salários ou de benefícios de aposentadoria, o que pode comprometer imediatamente as contas da casa. Para fazer frente às necessidades mais urgentes, a previdência privada é o produto mais adequado. Os planos oferecidos pela maioria das grandes instituições podem garantir uma boa renda mensal aos herdeiros e têm uma grande vantagem: esse dinheiro é imediatamente disponível, pois não entra no inventário. artigos interessantes.docx 17

18 Melhor: sobre ele não incidem os impostos de doação e causa mortis (que variam de 2% a 8% do patrimônio, conforme o Estado do Brasil). Com R$ 250 por mês, um pai com cerca de 40 anos pode garantir a mensalidade escolar ou a faculdade do filho, que custa em torno de R$ 1 mil, em média, em instituições privadas. O seguro de vida também beneficia as famílias rapidamente. Em geral, o pagamento único é feito cerca de um mês após a entrada dos papéis. Tomadas essas providências, é preciso pensar na transmissão de bens em vida ou num testamento registrado em cartório. Não se trata apenas de distribuir riquezas aos herdeiros, mas também de garantir a herança emocional. Pais que não cuidam da divisão patrimonial podem deixar conflitos familiares como herança, prejudicando até mesmo sua própria imagem perante os filhos. Ao contrário do que se vê nos filmes sobre heranças e testamentos, a legislação brasileira é muito rígida e não segue, necessariamente, o desejo do morto. A herança é dividida em duas metades. Uma delas, chamada de legítima, vai obrigatoriamente para os herdeiros legais. Pela ordem: descendentes, pai e mãe, cônjuge (se o casamento não for no regime de separação de bens) e parentes mais distantes. A segunda metade, chamada de disponível, pode ser doada livremente, inclusive para outras pessoas. É possível reconhecer um filho fora do casamento, diz o advogado Roberto Justo, sócio do escritório Choaib, Paiva e Justo Advogados Associados. Um testamento tem de ser visto como algo dinâmico. Precisa ser revisado periodicamente, já que as famílias mudam ao longo dos anos. Uma das novidades nessa área é o arrolamento, um trâmite legal que permite transmitir os bens e escapar da morosidade do inventário convencional. Isso só é possível se algumas condições forem cumpridas. Não se pode fazer arrolamento se houver herdeiros menores, se houver um testamento ou se os herdeiros não concordarem formalmente com a divisão dos bens, diz Justo. A alternativa compensa. Um inventário é um processo judicial. Já um arrolamento pode ser resolvido no cartório em cerca de 15 dias. Se o falecido for um empresário, a situação é mais complicada. É preciso deixar tudo preparado para perenizar os negócios. Não planejar a sucessão é uma das principais causas de falência das empresas familiares, diz Claudinei Santos, diretor da Escola Superior de Propaganda e Marketing. O ideal é criar um acordo de acionistas, definindo quem vai chefiar a empresa. Outra alternativa é montar uma holding que controle os bens particulares e a empresa. As cotas são doadas aos herdeiros e o empresário desfruta dos bens enquanto viver. O custo de assessoria jurídica para isso é de 1% do patrimônio, em média um preço pequeno para livrar os herdeiros do purgatório burocrático. Cresce procura por seguro de vida (Correio Popular - 13/09/10) O crescimento e o fortalecimento da economia trouxeram, além do aumento do consumo das famílias, uma outra tendência de mercado: o planejamento familiar. Para isso, são inúmeros os produtos disponíveis no mercado. Porém, não há um produto que tenha registrado tanto crescimento quanto os seguros para pessoas. Segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (Fenaprevi), artigos interessantes.docx 18

19 somente no primeiro semestre deste ano, a venda de seguros cresceu 13,3% em relação ao mesmo período do ano passado, alcançando R$ 7,4 bilhões. A região Sudeste é a maior responsável pela receita, 65,6%, seguida pela região Sul, com 17,3%, Centro-Oeste (8,5%), Nordeste(6,6%) e Norte (1,7%). Por modalidade, o seguro de vida individual bateu a marca de R$ 514 milhões, alta de 32,3% na comparação com os R$ 388,3 milhões registrados no mesmo período de Foi o melhor resultado dos últimos 6 anos, disse o presidente da Fenaprevi, Marco Antonio Rossi. O levantamento não inclui o plano de caráter previdenciário, por possuir cobertura por sobrevivência. O maior volume de vendas de seguros de vida individual deve-se ao aumento de renda e oferta de crédito, principalmente para as classes C e D, que ascenderam e estão tendo mais acesso ao consumo, disse Rossi. Um exemplo é o da funcionária pública Beatriz de Lourdes do Nascimento, de 31 anos. Após conquistar a estabilidade no trabalho, ela adquiriu um seguro de vida para o pai, tendo como beneficiários toda a família. Pago pouco por mês e, na falta do meu pai, não vou precisar me preocupar com dinheiro ou custos com velório, disse. A securitária Eliane Peluci, de 43 anos, convive com o mercado de seguros e, há cinco anos, paga seguro de vida para não deixar os filhos, atualmente com 20 e 18 anos, sem qualquer recurso para planejamento familiar pós-morte. Sou separada e, caso venha a faltar, quero deixar algum recurso para meus filhos, para que eles possam seguir adiante, aproveitar bem esse dinheiro, disse. Acho que seguro de vida é um investimento, e todas as pessoas deveriam pensar nisso em algum momento da vida, completou. Profissional O consultor de seguros Guilherme Ciarrochi Ferreira, da Mongeral Aegon, disse que as pessoas entre 30 e 45 anos são as que mais contratam seguro de vida. Segundo ele, são pais de família que pensam em deixar recursos quando faltar, ou casais em que ambos trabalham e têm vida ativa, além de profissionais liberais que aplicam recursos na iniciativa privada para garantir aposentadoria ou uma renda mensal. O fato é que mais pessoas procuram por seguro de vida, e isso está ligado ao momento econômico que vivemos, disse. No Brasil, a regulação dos seguros de vida é feita pela União. A idade mínima para aderir ao processo é de 14 anos. Não há limite máximo, porém, de acordo com a operadora, há um tempo de carência que pode variar de meses a até dois anos. Entre os mais tradicionais tipos de seguro, há o comum e o resgatável. No comum, o pagamento mensal é menor e não há possibilidade de resgate. Já no resgatável, as contribuições são maiores e, portanto, indicado para quem pode pagar mais. Para o economista Antonio Carlos de Azevedo Lobão, o mais importante na hora de contratar um seguro de vida é saber o perfil da seguradora, se tem liquidez e há quanto tempo atua no mercado. Essas referências são importantes para que, no momento de maior dor para sua família, o sofrimento não seja ainda maior e caia numa disputa judicial envolvendo recursos, gastos com velório e sepultamento, entre outras coisas que envolvem a morte de um familiar, disse. A segunda dica é consultar diversos corretores, porque pode haver diferença entre um e outro, dependendo da porcentagem recebida no negócio. A comparação, a pesquisa, são sempre favoráveis na aquisição de um produto, seja um seguro de vida ou uma TV, afirmou o economista. artigos interessantes.docx 19

20 A terceira dica é verificar a facilidade de resgatar o prêmio. Fuja das corretoras que colocam a burocracia na frente do momento delicado em que você está vivendo, disse Lobão, que tem seguro de vida para garantir atendimento à família quando faltar. A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNSeg) apresentou, durante a 2ª Conferência do Consumidor, encerrada ontem, em São Paulo, a Carta da 1ª Conferência Interativa de Proteção do Consumidor de Seguro. O documento expressa os desafios e as ações que precisam e devem ser desenvolvidas para melhorar a relação entre mercado e segurado. Os principais desafios do setor apontados no documento são: melhorar a comunicação com os consumidores; facilitar a compreensão dos contratos e ao mesmo tempo a tecnicidade determinada pelos órgãos reguladores; aumentar a confiança do consumidor e os mecanismos de diálogo; e ampliar a cultura do mercado segurador para todos os segmentos sociais. As transformações no mercado de seguros de vida são constantes. Porém, nenhuma delas mexe tanto quanto a possibilidade de regulamentação dos microsseguros que, de acordo com a Superintendência de Seguros Privados (Susep), têm potencial para atingir um público estimado em 100 milhões de pessoas. Dessa forma, o futuro que nos espera dentro do universo dos produtos diferenciados e inovadores apontam para seguros desenhados de forma a conectar o conceito de inclusão social com a capacidade de trabalhar em larga escala, disse o analista de mercado Rodrigo Fernandes Pessoa. Por enquanto, já existem algumas iniciativas pioneiras em seguros massificados que resultaram em produtos de laboratório para os microsseguros. No caso da ACE Seguradora, foram criados seguros de baixos valores para moradores do Morro Santa Marta, em Botafogo, no Rio de Janeiro, que foram vítimas das chuvas. A Bradesco Vida e Previdência lançou também neste ano o Primeira Proteção Bradesco, que custa R$ 3,50 mensais e garante indenização de R$ 20 mil para cobertura de morte e invalidez. Segundo a assessoria de imprensa do banco, o produto já vendeu mais de 300 mil apólices no País. Parcela Com os microsseguros, o cidadão poderá pagar sua parcela até pela conta do telefone. Essa é uma tendência que ainda está em criação e o mercado está ansioso para que tudo isso seja colocado em prática, disse Guilherme Ciarrochi Ferreira. Atualmente, associados à Fenaprevi, existem 20 seguradoras, sendo sete vinculadas a bancos como Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Santander e Unibanco AIG. PGBL é opção para herança e economia no Imposto de Renda (Pedro Duarte CQCS 14/09/10) Reservas podem ser destinadas diretamente aos beneficiários, sem necessidade de inventário, e produto gera expressivo abatimento no IR O PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) é um plano de previdência indicado para quem faz declaração completa do Imposto de Renda. Mas, ao contrário do que muita gente pensa, a idade de entrada não importa muito se o titular estiver interessado em usar o PGBL como opção para herança. artigos interessantes.docx 20

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA...

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 8 CONHEÇA O PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 9 PARTICIPANTES...

Leia mais

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Os fundos de previdência privada, sejam fechados ou abertos, têm características próprias e vantagens tributárias em relação aos investimentos

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV...

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... 7 CONHEÇA O PLANO DENTALUNIPREV... 8 PARTICIPANTES... 9 Participante

Leia mais

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA!

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! Prezado participante, 2 Brasil Foods Sociedade de Previdência Privada Cartilha Plano III Um dos grandes objetivos da política de recursos humanos de

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO ACPREV... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativo... 8 Participante Assistido...

Leia mais

Relatório de Seguridade

Relatório de Seguridade Re Relatório de Seguridade Relatório de Seguridade Relatório Maio/2015 O relatório da área de seguridade tem por finalidade apresentar as principais atividades desenvolvidas no mês, informando os números

Leia mais

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS Atualmente, no Brasil, aproximadamente 3000 municípios possuem Regimes Próprios de Previdência. Ao final do ano

Leia mais

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev Manual Explicativo Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev 1. MANUAL EXPLICATIVO... 4 2. A APOSENTADORIA E VOCÊ... 4 3. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: O que é isso?... 4 4. BOTICÁRIO

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1 PLANO SUPLEMENTAR Material Explicativo 1 Introdução A CitiPrevi oferece planos para o seu futuro! Recursos da Patrocinadora Plano Principal Benefício Definido Renda Vitalícia Programa Previdenciário CitiPrevi

Leia mais

Plano TELOS Contribuição Variável - I

Plano TELOS Contribuição Variável - I Plano TELOS Contribuição Variável - I A sua empresa QUER INVESTIR NO SEU FUTURO, E VOCÊ? A sua empresa sempre acreditou na importância de oferecer um elenco de benefícios que pudesse proporcionar a seus

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

Guia PCD. Conheça melhor o Plano

Guia PCD. Conheça melhor o Plano Guia PCD Conheça melhor o Plano Índice De olho no Futuro...3 Quem é a Fundação Centrus?...5 Conhecendo o Plano de Contribuição Definida - PCD...6 Contribuições do Participante...7 Saldo de Conta...8 Benefícios

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

CARTILHA PLANO CELPOS CD

CARTILHA PLANO CELPOS CD CARTILHA PLANO CELPOS CD ORIGINAL PLUS O QUE É O PLANO CELPOS CD? O Plano Misto I de Benefícios CELPOS CD é um plano de previdência complementar cujo benefício de aposentadoria programada é calculado de

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA:

PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA: PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA: Vejam quais são as principais questões que envolvem o Novo Regime de Tributação e esclareçam suas dúvidas. 1) Como era o tratamento tributário

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

Tranquilidade e segurança para você e sua família.

Tranquilidade e segurança para você e sua família. Material de uso exclusivo do Bradesco. Produzido pelo Departamento de Marketing em fevereiro/2009. Reprodução proibida. Não jogue este impresso em via pública. Bradesco PGBL Proteção Familiar Para informações

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

ESCLARECIMENTOS E ORIENTAÇÕES AOS PARTICIPANTES DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA SISTEMA FIEMG

ESCLARECIMENTOS E ORIENTAÇÕES AOS PARTICIPANTES DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA SISTEMA FIEMG ESCLARECIMENTOS E ORIENTAÇÕES AOS PARTICIPANTES DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA SISTEMA FIEMG Imposto de Renda Retido na Fonte incidente sobre o Plano de Contribuição da CASFAM O Governo Federal, através

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 10. PLANOS DE PREVIDÊNCIA

Marcos Puglisi de Assumpção 10. PLANOS DE PREVIDÊNCIA Marcos Puglisi de Assumpção 10. 2010 Uma das maiores preocupações de um indivíduo é como ele vai passar o final de sua vida quando a fase de acumulação de capital cessar. É preciso fazer, o quanto antes,

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O FUTURO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL O déficit da previdência social coloca em risco o direito à aposentadoria Fatores que agravam a situação: Queda da taxa de natalidade Aumento da

Leia mais

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários Um novo plano, com muito mais futuro Plano 5x4 dos Funcionários Sumário 03 Um novo plano, com muito mais futuro: 5x4 04 Comparativo entre o plano 4 x 4 e 5 x 4 08 Regras de resgate 10 Como será o amanhã?

Leia mais

Relatório de Seguridade

Relatório de Seguridade Re Relatório de Seguridade Relatório de Seguridade Relatório Julho/2015 O relatório da área de seguridade tem por finalidade apresentar as principais atividades desenvolvidas no mês, informando os números

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL O que é um Plano Brasilprev Pecúlio? O plano Brasilprev Pecúlio é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência Março de 2013 Especial IRPF 2013 Chegou a hora de declarar o IR2013 >> Fique por dentro >> Onde informar

Leia mais

12 perguntas. que você precisa fazer para o seu cliente.

12 perguntas. que você precisa fazer para o seu cliente. 12 perguntas que você precisa fazer para o seu cliente. Introdução Neste final de ano, a Icatu Seguros quer convidar a todos para uma reflexão sobre decisões aparentemente simples, mas que nem sempre são

Leia mais

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS CARTILHA Previdência Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS Índice 1. Os planos de Previdência Complementar e os Regimes Tributários... Pág. 3 2. Tratamento tributário básico... Pág. 4 3. Características próprias

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL O que é um Plano Brasilprev Pecúlio? O plano Brasilprev Pecúlio é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Conforme aprovado pelo Conselho Deliberativo em reunião realizada em 4 de abril de 2011 a São Bernardo implementará em 1º de julho de 2011

Leia mais

PERFIS DE INVESTIMENTO

PERFIS DE INVESTIMENTO PERFIS DE INVESTIMENTO Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a ELETROS? 4 Como são os investimentos em renda variável? 5 Como são os investimentos em renda fixa? 6 Como são os investimentos nos demais

Leia mais

Introdução. Nesta cartilha, você conhecerá as principais características desse plano. O tema é complexo e,

Introdução. Nesta cartilha, você conhecerá as principais características desse plano. O tema é complexo e, Introdução O Plano Prodemge Saldado está sendo criado a partir da cisão do Plano Prodemge RP5-II e faz parte da Estratégia Previdencial. Ele é uma das opções de migração para participantes e assistidos.

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL O que é o Plano Brasilprev Exclusivo? O Brasilprev Exclusivo é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO

O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO MEIRELES 1, Jéssica Maria da Silva KATAOKA 2, Sheila Sayuri Centro de Ciências Sociais Aplicadas /Departamento de Finanças, Contabilidade e Atuária

Leia mais

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI UVERGS PREVI A União dos Vereadores do Estado do Rio Grande do Sul visa sempre cuidar do futuro de seus associados Por conta disso, está lançando um Programa de Benefícios

Leia mais

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Perguntas e respostas Ministério da Previdência Social Auxílio-Doença Benefício pago ao segurado em caso de incapacitação temporária para o trabalho por doença ou acidente

Leia mais

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência No dia 21 de julho, o RH do Banco Bradesco e diretores do Bradesco Previdência expuseram, a cerca de 50 dirigentes sindicais, as mudanças no plano de

Leia mais

Corte do benefício transferiria do setor privado para o SUS uma clientela que o governo não consegue atender

Corte do benefício transferiria do setor privado para o SUS uma clientela que o governo não consegue atender Informativo Eletrônico da SE/CNS para os conselheiros nacionais Ano VI, Brasília, 10/09/2010. Prezado (a) conselheiro (a), Estamos encaminhando um clipping de notícias do CNS na mídia, além daquelas com

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos)

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) O que muda Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) 1. Por que é necessário criar a Fundação de Previdência Complementar do Servidor

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Material Explicativo Centrus

Material Explicativo Centrus Material Explicativo Centrus De olho no futuro! É natural do ser humano sempre pensar em situações que ainda não aconteceram. Viagem dos sonhos, o emprego ideal, casar, ter filhos, trocar de carro, comprar

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Índice Quem Somos Estrutura do plano Importância da Previdência Privada. Quanto antes melhor! As regras do plano Canais Visão Prev 2 Visão Prev Entidade fechada

Leia mais

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS Tendo como argumento aperfeiçoar ainda mais a prestação de serviços de saúde à população, o Executivo traz a esta Casa o Projeto de Lei 64/2014, que

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante Fenacor Prev 1 Índice Introdução...3 O Programa de Previdência Fenacor Prev...3 Contribuições...4 Investimentos...5 Benefício Fiscal...5 Benefícios

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL Com este material, você entenderá melhor o seu plano Brasilprev Júnior. Se você contratou o plano em nome do Júnior, consulte as informações em Titular:

Leia mais

AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA. Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo.

AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA. Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo. AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo. Introdução Através deste Material Explicativo você toma conhecimento

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

Material Explicativo

Material Explicativo Material Explicativo Material Explicativo Índice Introdução 4 Sobre o Plano Previplan 5 Adesão 5 Benefícios do Plano 6 Entenda o Plano 7 Rentabilidade 8 Veja como funciona a Tributação 9 O que acontece

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O futuro que você faz agora FUNPRESP-JUD Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Judiciário 2 Funpresp-Jud seja bem-vindo(a)! A Funpresp-Jud ajudará

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

PLANO DE PREVIDÊNCIA DA MÚTUA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS PROFISSIONAIS DO CREA

PLANO DE PREVIDÊNCIA DA MÚTUA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS PROFISSIONAIS DO CREA PLANO DE PREVIDÊNCIA DA MÚTUA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS PROFISSIONAIS DO CREA Mensagem ao Associado Caro Associado, A maior preocupação do profissional que compõe o Sistema Confea / Crea / Mútua talvez

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

Estrutura do Plano de Benefícios Agilent

Estrutura do Plano de Benefícios Agilent Plano de Benefícios Agilent 1 Objetivo da HP Prev Proporcionar aos seus participantes a oportunidade de contribuir para a HP Prev e, juntamente com as contribuições da patrocinadora, formar uma renda mensal

Leia mais

Cartilha de Tributação. Recebimento do benefício do Plano ou Resgate de Contribuições

Cartilha de Tributação. Recebimento do benefício do Plano ou Resgate de Contribuições Cartilha de Tributação Recebimento do benefício do Plano ou Resgate de Contribuições A escolha de tributação - progressiva ou regressiva - só gera impactos no resgate de contribuição e/ou no recebimento

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

CARTILHA DO PLANO C FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO C FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO C Cartilha do Plano C APRESENTAÇÃO O plano de benefícios previdenciários conhecido como Plano C foi implantado em 1997. O regulamento do Plano C foi adaptado à Lei Complementar nº 109,

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA Visão geral de previdência Agenda 4Conceitos assistência, previdência, seguro 4Regimes e grandes números 4Sustentabilidade 4Previdência privada 4Saúde-Previdência 2 CONCEITOS

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

DATUSPREV CHEGOU O MOMENTO DE APROVEITAR!

DATUSPREV CHEGOU O MOMENTO DE APROVEITAR! DATUSPREV INFORMATIVO CHEGOU O MOMENTO DE APROVEITAR! Quem já cumpriu 5 anos de contribuição pode solicitar o benefício de aposentadoria programada? Essas e mais informações pra você neste Informativo.

Leia mais

FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO

FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO Medicaid FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO O Medicaid é um programa de seguro saúde aprovado em 1965 como parte da Guerra à Pobreza. Ele é financiado em conjunto com recursos federais e estaduais, e representa

Leia mais

Sumário. A função do Resumo Explicativo 3. Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4. Contribuições do Participante 6. Contribuições da Patrocinadora 7

Sumário. A função do Resumo Explicativo 3. Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4. Contribuições do Participante 6. Contribuições da Patrocinadora 7 Sumário A função do 3 Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4 Contribuições do Participante 6 Contribuições da Patrocinadora 7 Controle de Contas 8 Investimento dos Recursos 9 Benefícios 10 Em caso de

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011

UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011 UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011 Entendendo as mordidas do leão como funciona o cálculo do imposto de renda Profa. Raquel Lehrer Todos

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

Apresentação DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS ELETROS

Apresentação DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS ELETROS Apresentação Os participantes de Planos de Previdência Complementar estruturados na modalidade de Contribuição Definida (CD), como é o caso do Plano CD CERON, contam com duas opções de tributação do imposto

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Previdência 20 Maioria dos brasileiros apoia mudanças na previdência Sete em cada dez brasileiros reconhecem que o sistema previdenciário brasileiro apresenta

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR A Lei n.º 11.053, de 29 de dezembro de 2004, trouxe

Leia mais

Nacional e internacional

Nacional e internacional Nacional e internacional Crise de 2008 Explosão do mercado imobiliário nos EUA (subprime) Colapso no sistema econômico mundial Quebradeira de bancos e grandes empresas Queda vertiginosa nas taxas de lucratividade

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

Os fundos de pensão precisam de mais...fundos

Os fundos de pensão precisam de mais...fundos Página 1 de 3 Aposentadoria 20/08/2012 05:55 Os fundos de pensão precisam de mais...fundos Os planos de previdência de empresas e bancos não têm conseguido cumprir suas metas, incompatíveis com um cenário

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B

ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B 1 Relembrando os critérios de cálculo da MAT vitalícia O participante do plano B tem a opção, quando atingidos os critérios

Leia mais

Tributação em planos de benefício previdenciário

Tributação em planos de benefício previdenciário Tributação em planos de benefício previdenciário Julia Menezes Nogueira Mestre e Doutora PUC/SP Lei 11.053/04 2014 10 anos da lei (conversão da MP 209/04) Tributação regressiva Isenção de IR na fase de

Leia mais

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Recupere a saúde financeira e garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Objetivo geral Disseminar conhecimento financeiro e previdenciário dentro e fora da SP-PREVCOM buscando contribuir

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante FenacorPrev Índice Introdução... 3 O Programa de Previdência FenacorPrev... 3 Contribuições... 4 Investimentos... 5 Benefício Fiscal... 6 Benefícios

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS - Plano PreVisão -

PERGUNTAS E RESPOSTAS - Plano PreVisão - PERGUNTAS E RESPOSTAS - Plano PreVisão - O que é o plano PreVisão? O plano PreVisão é o novo plano de benefícios administrado pela Visão Prev, resultado de estudos realizados no intuito de buscar uma solução

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

RELATÓRIO SEGURIDADE. Julho/2010

RELATÓRIO SEGURIDADE. Julho/2010 RELATÓRIO SEGURIDADE Julho/2010 O relatório da área de seguridade tem por finalidade apresentar as principais atividades desenvolvidas no mês, informando os números e valores relativos ao período de julho

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

As vantagens de partilhar seus bens em vida

As vantagens de partilhar seus bens em vida As vantagens de partilhar seus bens em vida Antecipar a herança por meio de doações pode sair mais em conta e protege a família de preocupações Planejar a partilha da herança poupa a família de gastos

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais