A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL"

Transcrição

1 A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Ádila Siqueira de Basto Lima Wilkelane Ferreira da Silva Marcela Medeiros Melo Mirella Oliveira Barata Thayane de Cácia Brito A fibromialgia não era bem definida enquanto entidade clinica e na década de 70 foi mais explorada, então em 1977 foi introduzido o conceito da fibromialgia a partir da descrição de sítios anatômicos com exagerada sensibilidade dolorosa, denominados tender points, nos portadores desta moléstia, (JUNIOR, 2012). Anjos, 2011, estima que a fibromialgia atinja 2% da população mundial. Tendo alta incidência na população feminina, ocorrendo na proporção de 9 mulheres para 1 homem, com idade predominante de 30 a 50 anos. A etiologia e a fisiopatologia da fibromialgia permanecem desconhecidas, sendo mais aceita a hipótese fisiopatológica de que o distúrbio primário para a síndrome seria uma alteração em algum mecanismo central de controle da dor, o qual poderia resultar de uma disfunção de neurotransmissores. Em relação à fisiopatologia também é indicado que o eixo hipófise-hipotálamo-adrenal pode desempenhar um papel importante na mediação e na perpetuação dos sintomas da fibromialgia. (JUNIOR, 2012). A síndrome pode variar desde sintomas leves até casos em que as dores, fadiga e depressão sejam tão intensas que impeçam o desempenho das atividades. A incapacidade funcional dos doentes de fibromialgia reflete-se diretamente no desempenho ocupacional, (BERBER, 2004). METODOLOGIA Trata-se de uma revisão bibliográfica, na qual os dados foram colhidos a partir de artigos científicos disponíveis na biblioteca virtual em saúde, e na base de dados SciELO, como também em livros literários da área, publicados a partir de 2004, na língua portuguesa. Os descritores utilizados para a pesquisa foram: Atividades cotidianas, Fibromialgia, Terapia Ocupacional. 89

2 OBJETIVOS Objetivo geral Identificar as repercussões da fibromialgia no desempenho ocupacional. Objetivos específicos Caracterizar a síndrome da fibromialgia; Nomear as áreas de desempenho comprometidas pela síndrome e suas respectivas atividades; Descrever a intervenção do terapeuta ocupacional na fibromialgia. RESULTADOS/DISCUSSÃO 1. Quadro Clínico Os sintomas da fibromialgia podem ser fadiga, dor contínua, distúrbios do sono, rigidez matinal de curta duração, sensação de edema, dormência e formigamento nos membros, problemas circulatórios e intolerância ao frio. A relação com outras síndromes pode ocorrer com a depressão, a ansiedade, a cefaleia crônica e a síndrome do cólon irritável, (MARTINEZ, 2009). O diagnóstico é geralmente clínico, pois até o momento não existe nenhum exame laboratorial específico como prova diagnóstica para a fibromialgia, (JUNIOR, 2012). Para Resende, 2009, pacientes femininas com fibromialgia se mostram mais inseguras, fragilizadas e com baixa auto-estima, com um aumento de sentimentos de culpa, frustração, irritabilidade e raiva. Todos esses sentimentos podem levar a depressão.em uma pesquisa realizada por Berber em 2005, obteve-se que dois terços da amostra com fibromialgia apresentaram algum grau de depressão. Dentre os diversos sinais e sintomas que o paciente fibromiálgico apresenta, o quadro de dor crônica pode causar sofrimento persistente ao paciente, gerando alterações psicoativas que afetam a percepção do indivíduo quanto ao seu bem-estar e qualidade de vida, interferindo de forma negativa na realização de suas atividades cotidianas, (ANJOS, 2011). 90

3 Como já visto, o desempenho ocupacional pode ser prejudicado pela sintomatologia da fibromialgia, este engloba três áreas de desempenho ocupacional, são elas a área de atividades de vida diária, área de atividades produtivas e a área de atividades de lazer, (RESENDE, 2009). Segundo Ferreira, 2005, a maioria das pessoas com fibromialgia evitam o cumprimento das Atividades de Vida Diária, como arrumação, vestir-se, higiene pessoal e mobilidade na comunidade. As Atividades Produtivas podem está prejudicadas no controle domiciliar (fazer compras, limpeza, cuidado com roupas e preparação das refeições) e em atividades vocacionais. 2. Tratamento O tratamento não é totalmente efetivo e se dá em uma equipe multidisciplinar, e de caráter individualizado, inclui medidas farmacológicas e não farmacológicas. Há indícios de que as atividades físicas beneficiem os pacientes desta síndrome, trazendo melhoras físicas e psicológicas, porém não há consenso acerca da modalidade e frequência mais indicada. São muito variadas as formas de exercícios aeróbicos estudados (caminhadas, marchas, bicicleta, remo etc.), assim como outros tipos de exercícios (alongamentos, exercícios isométricos, isocinéticos, entre outros de fortalecimento muscular), e variadas modalidades de hidroterapia (exercícios respiratórios aquáticos, hidroginástica, natação, entre outros). Também foi encontrada uma grande diversidade nos métodos de reabilitação como, por exemplo, coping, biofeedback, educação familiar, terapia cognitivo-comportamental, técnicas manipulativas e de relaxamento, (JUNIOR, 2012). 3. Intervenção Terapêutica Ocupacional A Terapia Ocupacional, sendo uma ciência e uma profissão de reabilitação, preocupa-se em capacitar os indivíduos a atingir o máximo de potencial de desempenho das suas funções nas atividades, (BUCKNER, 2004). Para isto, o terapeuta ocupacional inicialmente deve realizar uma avaliação para verifica o perfil ocupacional do paciente, compreendendo aspectos gerais de sua saúde, de sua história de vida, interesses, sua ocupação profissional, seu desempenho funcional eocupacional nas atividades cotidianas e suas perspectivas com relação à doença. 91

4 Instrumentos padronizados também são utilizados, porém o terapeuta ocupacional deve considerar os fatores culturais, psicológicos e sociais do paciente, (ANJOS, 2011). Cabe a esse profissional analisar não só as limitações, mas também as capacidades remanescentes do paciente. (CARLO, 2004). A intervenção do terapeuta ocupacional está baseada em métodos de proteção articular e conservação de energia. Estes métodos têm o intuito de reduzir o estresse e a dor nas articulações, preservando a integridade das estruturas articulares. Os princípios da proteção articular são: - Respeitar a dor, considerando-a um sinal de que a atividade deve ser interrompida; - Balancear atividade e repouso; - Manter a força muscular e a amplitude articular; - Poupar energia; - Evitar posições de deformidade; - Usar as articulações maiores e mais fortes; - Usar cada articulação em seu plano anatômico-funcional mais estável; - Evitar ficar na mesma posição por muito tempo; - Evitar atividades que não podem ser interrompidas; - Usar adaptações e órteses. (CARLO, 2004) Ainda de acordo com as técnicas de proteção articular e a conservação de energia são feitas mudanças no cotidiano do paciente (atividades de autocuidado, trabalho e lazer) e podem ser necessárias, modificações ambientais, adaptações das ferramentas ou dos instrumentos utilizados no cotidiano, (CARLO, 2004). Seguem imagens destas técnicas de acordo com Noordhoek,

5 O melhor tratamento das contraturas e deformidades é a prevenção. Quanto mais precocemente o uso de órteses, alongamento e movimentação passiva, mais facilmente o processo de instalação dessas contraturas e deformidades pode ser reduzido, retardado ou prevenido, (CARLO, 2004). O plano de reabilitação também deve visar a educação do paciente, pois ele igualmente responsável pelo seu tratamento. Seja no ambiente hospitalar ou no domiciliar a colaboração do paciente é primordial, (CARLO, 2004). CONCLUSÃO A fibromialgia é uma síndrome crônica, caracterizada pela ocorrência de dor músculo-esquelética difusa pelo corpo, com pontos dolorosos (tender points) à palpação, de etiologia desconhecida. A prevalência da fibromialgia aumenta com a idade, acometendo mais mulheres. Esta síndrome pode estar associada à depressão e baixa qualidade de vida afetando o desempenho ocupacional do indivíduo. 93

6 O tratamento da fibromialgia é multiprofissional, com medidas farmacológicas e não farmacológicas, a atividade física esta demonstrando ser eficaz neste processo. A intervenção terapêutica ocupacional é justificada pelo afastamento ou menor desempenho das atividades cotidianas destes pacientes. Esta intervenção é iniciada com a avaliação, é preciso que o profissional considere os aspectos biopsicossociais, as medidas mais comumente empregadas são as de conservação de energia e proteção articular, adaptações, o uso de órteses, alongamento e movimentação passiva. Essa intervenção pode ser no ambiente hospitalar ou doméstico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANJOS, R. G. B.; CASSAPIAN, M. R.; A Intervenção Terapêutica Ocupacional Junto a Pacientes com Fibromialgia. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, v. 19, n.1, p , Jan/Abr2011 BECKER, R. M. R.et al, Interação entre Qualidade do Meio Ambiente, Estresse e a Variação do Gene APOE na Determinação à Suscetibilidade da Fibromialgia. RevBrasReumatol,50(6):617-30, BERBER, J. S. S. et al, Prevalência de Depressão e sua Relação com a Qualidade de Vida em Pacientes com Síndrome da Fibromialgia. RevBrasReumatol, v. 45, n. 2, p , mar./abr., BUCKNER, W. S.; Artrite, apud PEDRETTI, L. W; EARLY, M. B; Terapia Ocupacional: Capacidades Práticas para as Disfunções Físicas. São Paulo, Roca, 5º ed., p , CARLO, M. M. P. et al, Terapia Ocupacional em Reumatologia: Princípios e Perspectivas, apud CARLO, M. M. P.; LUZO, M. C. M.; Terapia Ocupacional: Reabilitação Física e Contextos Hospitalares. São Paulo, Roca, p , EARLY, M. B.; Desempenho Ocupacional, apud PEDRETTI, L. W; EARLY, M. B; Terapia Ocupacional: Capacidades Práticas para as Disfunções Físicas. São Paulo, Roca, 5º ed., p , FERREIRA, E. A. G. et al, Fibromialgia, apud CHIARELLO, B.; DRIUSSO, P.; RADL, A. L. M.; Fisioterapia Reumatológica. São Paulo, Manole, p , JUNIOR, M.H.; GOLDENFUM, M.A.; SIENA, C. A. F.; Fibromialgia: aspectos clínicos e ocupacionais. RevAssocMed Bras.Vol. 58, n.3, p , MARTINEZ, J. E. et al, Correlação entre a Contagem dos Pontos Dolorosos na Fibromialgia com a Intensidade dos Sintomas e seu Impacto na Qualidade de Vida. RevBrasReumatol. 49(1):32-8, NOORDHOEK, J; LOSCHIAVO, F. Q.; Intervenção da Terapia Ocupacional no tratamento de indivíduos com doenças reumáticas utilizando a abordagem de proteção articular. RevBrasReumatol, v. 45, n. 4, p , jul./ago., RESENDE, M. J. P.; FERREIRA, D. M.; Desempenho Ocupacional e Fibromialgia:Intervenção em Equipa Multidisciplinar, Contributo da Terapia Ocupacional. VII Tese de Mestrado em Saúde. Lisboa,

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA Em 1904, Gowers descreveu um conjunto de sinais e sintomas onde predominavam

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS.

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. Marcela Maria Medeiros de Melo¹; Ádila Siqueira de Basto Lima¹; Mirella Bruna Felix de Freitas¹; Elma Eloi Melo da Silva¹;

Leia mais

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa.

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. DOENÇA DE PARKINSON INTRODUÇÃO A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. Acomete homens e mulheres de diferentes etnias

Leia mais

TÍTULO: DADOS PRELIMINARES DA AVALIAÇÃO DE SINTOMAS DEPRESSIVOS EM MULHERES COM FIBROMIALGIA

TÍTULO: DADOS PRELIMINARES DA AVALIAÇÃO DE SINTOMAS DEPRESSIVOS EM MULHERES COM FIBROMIALGIA TÍTULO: DADOS PRELIMINARES DA AVALIAÇÃO DE SINTOMAS DEPRESSIVOS EM MULHERES COM FIBROMIALGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA

Leia mais

Fisioterapia Descrição

Fisioterapia Descrição Licenciatura Fisioterapia Descrição Centra-se na análise e avaliação do movimento e da postura, baseadas na estrutura e função do corpo, utilizando modalidades educativas e terapêuticas específicas, com

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

Amélia Pasqual Marques. q Dor crônica (há mais de três meses) Amélia Pasqual Marques. q Sintomas perda de funçã

Amélia Pasqual Marques. q Dor crônica (há mais de três meses) Amélia Pasqual Marques. q Sintomas perda de funçã O papel da Fisioterapia na melhora dos sintomas da Fibromialgia (...) O meu corpo dói tanto que tenho vontade de trocá-lo por outro corpo... (Relato de uma paciente com fibromialgia) Departamento de Fisioterapia,

Leia mais

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Felipe Azevedo Moretti "Se você só fizer aquilo que sempre fez, só obterá aquilo que sempre obteve. Se o que você está fazendo não está

Leia mais

Fibromialgia Sociedade Brasileira de Reumatologia

Fibromialgia Sociedade Brasileira de Reumatologia Fibromialgia Fibromialgia Cartilha para pacientes CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Dor, Fibromialgia e Outras Síndromes Dolorosas de Partes Moles CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.singpr.com/business/singapore-telcocompanies-see-fiber-optic-light-as-future-for-broadband

Leia mais

Artropatias inflamatórias crônicas

Artropatias inflamatórias crônicas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Artropatias inflamatórias crônicas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Principais manisfestações músculo-esqueléticas das doenças reumatológicas -

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor.

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor. 7 LEANDRO RAATZ BOTTURA EFEITOS DA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR SOBRE O SISTEMA NERVOSO CENTRAL Monografia apresentada à Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico da Odontologia

Leia mais

Fatores estressantes da fibromialgia tratados em piscina terapêutica e suas repercursões na qualidade de vida

Fatores estressantes da fibromialgia tratados em piscina terapêutica e suas repercursões na qualidade de vida Fatores estressantes da fibromialgia tratados em piscina terapêutica e suas repercursões na qualidade de vida DR. FREDERICO TADEU DELOROSO DOUTOR EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNICAMP DOCENTE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA

TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA As dores musculoesqueléticas atingem 40% da população e representam

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO Ana Coely Araujo Vieira¹; Fernanda Naiene Rodrigues Valadares²; Rebecca Pessoa de Almeida Lima³; Joventina

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA.

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Vanessa Parizotto Ramos¹; Dayanne Cristina Ribeiro¹; Tamires Aparecida Camarini¹; Carina Bortolato Garcia². Resumo: A

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO DE CASO

OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO DE CASO ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO

Leia mais

LER DORT Sociedade Brasileira de Reumatologia

LER DORT Sociedade Brasileira de Reumatologia LER DORT LER/DORT Cartilha para pacientes CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Reumatologia Ocupacional CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://canyonwalkerconnections.com/2010/the-law-ofkindness-on-your-tongue-and-typing-hands/olympusdigital-camera/

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA

PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA INTRODUÇÃO MARIANA BLEYER DE FARIA HEILIANE DE BRITO FONTANA MARCELO BITTENCOURT NEIVA DE LIMA Universidade do Estado de

Leia mais

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento TCC em Re vista 2009 85 PRADO, Fernanda Peres 13. Análise do estresse oxidativo no plasma sanguíneo através da microscopia óptica em indivíduos submetidos à crioimersão corporal imediata ao esforço físico

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE 12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE A Importância dos Grupos de Reabilitação em Dor Crônica Realizados pela Equipe NASF AUTOR THANYTA STELLA DE CAMPOS HISTÓRICO COMO SURGIU A IDÉIA DO TRABALHO?

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE

SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE

Leia mais

Fisioterapia na melhora dos sintomas da fibromialgia

Fisioterapia na melhora dos sintomas da fibromialgia 1 Fisioterapia na melhora dos sintomas da fibromialgia Larissa Cristina Sousa de Vasconcelos 1 larissavasconcelos.fisio@yahoo.com.br Richelma de Fátima de Miranda Barbosa 2 Pós-graduação em ortopedia e

Leia mais

Síndrome de Burnout. Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais

Síndrome de Burnout. Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais Síndrome de Burnout Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais Zelia Simone Sobrosa Psicóloga com pós-graduação em Neuropsicopedagogia 2013 Conceito Burnout é

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE ERGONOMIA

Leia mais

O que é Fisioterapia Vestibular?

O que é Fisioterapia Vestibular? O que é Fisioterapia Vestibular? Existem 02 tipos de tontura: rotatória ou vertigem, quando o paciente relata que tudo gira ao seu redor; e não-rotatória, equivalente à instabilidade postural ou desequilíbrio.

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ÓSSEO Prevenção Sintomas Tratamento Prof. Germano Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ARTICULAR Prevenção

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

Artigo Científico. Terapia Ocupacional nas Empresas

Artigo Científico. Terapia Ocupacional nas Empresas Bruna Carla Lamonato bruninhalamonato@yahoo.com.br Karina Pereira karina-pereira@ig.com.br Larissa Vendramini Nucci larissanucci@yahoo.com.br Paula Sandes Leite pasale@ig.com.br Artigo Científico Terapia

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO Curso: FISIOTERAPIA Disciplina: FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO SISTEMA OSTEO-MIO- ARTICULAR Professor:

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA Fibromialgia Disciplina Fisioterapia em Reumatologia acdffisio@gmail.com Conteúdo Definição Classificação Epidemiologia Fisiopatologia Diagnóstico Quadro

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Nº 115 16/06/11 Seção 1 - p.164 CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 387, DE 8 DE JUNHO DE 2011

Leia mais

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

Especialização em Clínica de Dor - NOVO

Especialização em Clínica de Dor - NOVO Especialização em Clínica de Dor - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Especialização em Clínica de Dor deverá enriquecer os currículos daqueles

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

PROCESSO DE PRESCRIÇÃO E CONFECÇÃO DE ÓRTESES PARA PACIENTES NEUROLÓGICOS EM UM SERVIÇO DE TERAPIA OCUPACIONAL

PROCESSO DE PRESCRIÇÃO E CONFECÇÃO DE ÓRTESES PARA PACIENTES NEUROLÓGICOS EM UM SERVIÇO DE TERAPIA OCUPACIONAL PROCESSO DE PRESCRIÇÃO E CONFECÇÃO DE ÓRTESES PARA PACIENTES NEUROLÓGICOS EM UM SERVIÇO DE TERAPIA OCUPACIONAL Lígia Maria Presumido Braccialli. (bracci@marilia.unesp.br) Aila Narene Dahwache Criado Rocha.

Leia mais

QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL

QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Marcela Maria Medeiros De Melo Silvia Karla Bezerra De Lima Estima-se que em torno de 1 milhão de pessoas sejam acometidas por

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 Reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia Cardiovascular. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO),

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Há 17 anos promovendo os direitos dos idosos com qualidade de vida. Nossa História O Grupo

Leia mais

Pato Branco, 10 de setembro de 2015.

Pato Branco, 10 de setembro de 2015. Pato Branco, 10 de setembro de 2015. Para facilitar a escolhas dos Worshops por parte dos interessados em participar do IX Simpósio Sul Brasileiro de Fisioterapia, e assim personalizarem as suas programações,

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família.

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Saúde Mental do Trabalhador Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Definição Para a OMS: Saúde é um estado de completo bem-estar físico mental e social,

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTES COM FIBROMIALGIA 1. Physiotherapeutic Approach in Patients with Fibromyalgia

ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTES COM FIBROMIALGIA 1. Physiotherapeutic Approach in Patients with Fibromyalgia ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTES COM FIBROMIALGIA 1 Physiotherapeutic Approach in Patients with Fibromyalgia Tatiane Denardi da Silva 2 Raquel Amábile Schewengber 3 Recebido em: 03.07.2012 Aceito

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Geriatria Código: Fisio 229 Pré-requisito: -------- Período Letivo:

Leia mais

FIBROMIALGIA Mitos & Realidades

FIBROMIALGIA Mitos & Realidades FIBROMIALGIA Mitos & Realidades Dr Roberto E. Heymann UNIFESP- EPM Afinal que é a Fibromialgia? A.E um quadro de depressão que tem como conseqüência um quadro de dor crônica no corpo todo? B.Em um quadro

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT

ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT CASTRO, Wagner Aparecido Oliveira Discente do curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva.

Leia mais

Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson

Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson Gustavo Nunes Pereira Fisioterapeuta Graduado PUCRS Coordenador Grupo de Interesse em Fisioterapia SBGG-RS Doutorando em Gerontologia Biomédica

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME CH TOTAL PERÍODO HORÁRIO 0395 Recursos Terapeuticos Manuais PROFESSOR (ES) Profa. Esp. Maria da Consolação Rios da Silva 60 h T-40 h/p-20 h 4º MATUTINO EMENTA:

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA FIBROMIALGIA: UMA REVISÃO ATUALIZADA

ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA FIBROMIALGIA: UMA REVISÃO ATUALIZADA ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA FIBROMIALGIA: UMA REVISÃO ATUALIZADA INTRODUÇÃO Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPIA Marcelo Sousa Maia NOVAFAPI Náyra de Batista - FACID Ana Vannise de Melo Gomes - NOVAFAPI

Leia mais

ANÁLISE DA CONDIÇÃO FÍSICA DE PACIENTES COM FIBROMIALGIA EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO

ANÁLISE DA CONDIÇÃO FÍSICA DE PACIENTES COM FIBROMIALGIA EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO ANÁLISE DA CONDIÇÃO FÍSICA DE PACIENTES COM FIBROMIALGIA EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO 84 Débora Mayumi Kawakami, Raíssa Ladvig, Lisiane Yuri Sako, Maria Rita Masselli Universidade Estadual Paulista-UNESP

Leia mais

Auditoria em Serviços de Saúde

Auditoria em Serviços de Saúde ÁREA DE SAÚDE Auditoria em Serviços de Saúde O CURSO: A auditoria em serviços de saúde é essencial para garantir a qualidade da assistência prestada aos clientes, transmite uma visão geral da melhoria

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença.

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Bruno Araújo da Silva Dantas¹ bruno_asd90@hotmail.com Luciane Alves Lopes² lucianesevla.l@gmail.com ¹ ²Acadêmico(a) do

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TERAPEUTA OCUPACIONAL. Leia as assertivas abaixo sobre a história da Terapia Ocupacional no Brasil:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TERAPEUTA OCUPACIONAL. Leia as assertivas abaixo sobre a história da Terapia Ocupacional no Brasil: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TERAPEUTA OCUPACIONAL QUESTÃO 21 Leia as assertivas abaixo sobre a história da Terapia Ocupacional no Brasil: 1. Em 1936, a ONU implantou o Instituto Nacional de Reabilitação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Ementas das Disciplinas CURSO DE GRADUAÇÃO DE FISIOTERAPIA ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares correspondem a 204 horas realizadas nos diferentes espaços proporcionados

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem

SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem CURITIBA, 2010 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CURITIBA, 2010 1 INTRODUÇÃO A partir do artigo de Freudenberger em 1974, denominado

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil Artrite Idiopática Juvenil CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.purdue.edu/newsroom/ EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 2015/2016

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 2015/2016 PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 015/016 Dias Horas MÓDULO I Funcionalidade e Envelhecimento I PROFESSOR Horas 6ªf 7 Mar 17h-1h Introdução à Gerontologia; Princípios Fundamentais

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE 1º período Saúde, Trabalho e Meio- Ambiente I 150 10 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE Identificação da relação entre os modos de viver e o processo

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil Cadernos de Informação Científica Ano 8 nº 12 2013 Síndrome do X Frágil C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a definição e causas A síndrome do X frágil (SXF), também conhecida como

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.*

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.* HANSENÍASE O Ministério da Saúde tem o compromisso de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública até 2015, ou seja, alcançar menos de 1 caso por 10.000 habitantes. Pode-se dizer que as desigualdades

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

EFEITOS DA TERAPIA MANUAL SHIATSU NA FIBROMIALGIA: ESTUDOS DE CASOS

EFEITOS DA TERAPIA MANUAL SHIATSU NA FIBROMIALGIA: ESTUDOS DE CASOS EFEITOS DA TERAPIA MANUAL SHIATSU NA FIBROMIALGIA: ESTUDOS DE CASOS André Kimura 1 ; Ligia Maria Facci²; Valéria Ferreira Garcez³ RESUMO: A fibromialgia é uma doença reumática de causa desconhecida, cujo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais