UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES NO SEGMENTO DE SEGUROS NO BRASIL Por: Nilce Maria Rosa Orientador Prof. Willian Lima Rocha Rio de Janeiro 2011

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO R LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES NO SEGMENTO DE SEGUROS NO BRASIL Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão de Relacionamento com clientes e ouvidoria. Por: Nilce Maria Rosa

3 AGRADECIMENTOS Agradeço a Jesus Cristo, que renovou as minhas forças a cada dia e ao professor Willian Rocha, que me apoio nesta jornada. Deixo meu carinho especial as bibliotecárias da Funenseg e da Fenaseg pela atenção, paciência e alto padrão de atendimento.

4 Porque Dele e por meio Dele e para Ele são todas as coisas, glória, pois, a Ele eternamente. Amém. (Rm. 11:33-36)

5 DEDICATÓRIA Dedico a todos àqueles que buscam a realização dos seus sonhos e enfrentam as adversidades com a certeza da vitória!

6 RESUMO O tema proposto neste trabalho foca as ações estratégias das empresas de seguros no Brasil, frente as oportunidades de negócios oriundas das crises mundiais em diversas áreas. O processo de aprimoramento da gestão de relacionamento com clientes mostrado abrange desde a captação, através da sensibilização em relação à necessidade e importância em adquirir o produto, até a fidelização de seus clientes pela conquista da confiança e excelência no atendimento. A rapidez com que as informações são passadas no mundo globalizado, faz com que a necessidade de se adquirir seguros em seus diversos segmentos, seja encarada com uma visão ampliada da situação mundial. Os consumidores de todas as nações entendem a importância de se precaver contra os infortúnios do mundo contemporâneo. As grandes corporações do ramo dominam o mercado de seguros, mas há espaço para os pequenos empresários se desenvolverem, implantando padrões de qualidade e relacionamento com clientes próprios do segmento. As novas tecnologias de comunicação ajudam neste processo da busca da excelência no atendimento. O Brasil conta com vários cursos de capacitação profissional e a área acadêmica tem crescido através da qualidade dos cursos oferecidos e parcerias com as maiores e melhores empresas de seguros instaladas no país. A Fundação Escola Nacional de Seguros Funenseg, com sede no Rio de Janeiro, disponibiliza cursos capacitação profissional, técnicos, graduação e pós-graduação, além de apoio à pesquisa e convênio com instituições internacionais, Entre as entidades representativas do segmento de seguros, destacasse a Confederação Nacional de Seguros Gerais CNSeg criada em 20/08/2008, que tem caráter associativo e a Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização- Fenaseg, que existe desde de 1951 e é a entidade de representação grau superior no contexto sindical ( associada à Confederação Nacional do Sistema Financeiro- Consif).

7 METODOLOGIA O levantamento de dados deste trabalho se deu através de pesquisa na Biblioteca Ivan da Mota Dantas (Fundação Escola Nacional de Seguros- FUNENSEG) e Biblioteca Luiz Mendonça (Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização - FENASEG). Os materiais utilizados na bibliografia foram bem atuais e ricos em informações, tanto os livros, como as hemerotecas: revistas e jornais do segmento de seguros, dowloads de e- books e palestras dos sites das instituições acima citadas.

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 09 CAPÍTULO I - A História do seguro no Brasil 11 CAPÍTULO II - Os segmentos de seguros nacionais 20 CÁPITULO III - Gestão de relacionamento com clientes no mercado nacional 25 CONCLUSÃO 35 BIBLIOGRAFIA 38 ANEXOS 39 ÍNDICE DE FIGURAS 43 ÍNDICE 44 FOLHA DE AVALIAÇÃO 46

9 INTRODUÇÃO Uma das características do mundo contemporâneo é o imediatismo e a falta de tempo dos indivíduos em executar as tarefas que lhe são atribuídos ou inerentes às várias atividades a que estão sujeitos. O consumidor moderno, principalmente o da área de seguros, sofre várias influências na hora de decidir pelo produto. As propagandas, publicidades e outras estratégicas de marketing levam ao consumismo exacerbado de produtos e serviços de várias espécies. Por outro lado, certas notícias divulgadas pelas mídias geram ansiedade e medo, por conta das catástrofes naturais e pela violência urbana, que fazem parte da realidade mundial. Levando em consideração, que a falta de segurança já ultrapassou a barreira das metrópoles e tomou conta de lugares antes considerados bucólicos, a violência já não faz parte, somente do contexto social dos grandes centros. De acordo com Abraham MASLOW, a segurança é o segundo elemento dentro da escala das necessidades humanas. Na atualidade, a segurança, vai desde a necessidade de ter moradia, como também ter estabilidade no emprego, plano de saúde e seguro de vida. A indústria e o comércio no Brasil, preocupados com os riscos eminentes, procuram minimizar as consequências, se precavendo contra os infortúnios, através da aquisição de seguros. Os riscos tecnológicos é uma das grandes preocupações das instituições, atingindo as esferas privadas e estatais, Os hackers, muitas vezes considerados como gênios do mal, modificam hadwares e softwares e invadem sites considerados blindados pela segurança cibernética. Empresas de seguros trazem a possibilidade de resguardar este patrimônio virtual com os chamados seguro contra risco de rede'', que primam pela segurança da informação e privacidade das organizações e de seus clientes. Os riscos ambientais são também motivo de grande preocupação. No Brasil. Questões como poluição, biodiversidade (perda), mudanças climáticas e alagamentos são pontos que levaram as empresas de seguros no Brasil a abrirem o seu leque para este nicho de mercado.

10 Os conflitos mundiais, terrorismo e o crime organizado, também são fatos geradores de uma nova abordagem na área de seguros. Assim como, as quedas nas bolsas de valores, que exercem o efeito dominó atingindo de alguma maneira a estabilidade e segurança financeira das nações. Os riscos do SEC. XXI aumentaram consideravelmente, passando por diversas áreas: economia, meio-ambiente, saúde e tecnologia. Este cenário mundial, atinge tanto pessoas físicas quanto jurídicas de diversas culturas e localizações geográficas. No Brasil, a participação dos seguros no Produto Interno Bruto (PIB) está a pouco mais de 3%. Este percentual é similar ao de outras nações mais desenvolvidas e segundo especialistas a participação no PIB pode chegar a 8% em poucos anos. Este crescimento atinge às várias camadas da sociedade. Há alguns anos o seguro era um produto consumido apenas pelas classes mais favorecidas, na atualidade foi criado o microsseguros para serem consumidos por clientes de baixa renda. A gestão de relacionamento com clientes é a fórmula mágica de lidar com as mudanças, estabelecendo regras e padrões de atendimento, que sejam inovadores a fim de assegurar às empresas do segmento de seguros um crescimento com responsabilidade e credibilidade.

11 CAPÍTULO I HISTÓRIA DO SEGURO NO BRASIL O Brasil colônia começa a tomar novos rumos com a chegada da família real (1808). Houve uma movimentação em relação a abertura dos portos ao comércio internacional e com isso a necessidade de se implantar o seguro marítimo. Neste mesmo ano começa a funcionar a Companhia de Seguros Boa Fé, que era regulamentada pelas leis de Portugal através da Casa de Seguros Lisboa. Na época do Império a primeira companhia autorizada a funcionar foi a Sociedade de Seguros Mútuos (1828). Somente em 1850 foi promulgado o Código Comercial Brasileiro1..No período imediatamente posterior ao código, surgiram 11 companhias nacionais no ramo de seguros marítimos. Logo a seguir chegaram as operadoras de seguro de vida e contra incêndio. Fazia-se seguros contra a mortalidade de escravos, que eram considerados como mercadorias ou bens. Após a expansão do setor de seguros, gerada pela aprovação do Código Comercial o governo do Segundo Reinado passa a exercer um controle mais direto neste segmento. (...) pois tratava-se de um ramo cujas operações eram de longa duração, e que exigia um maior cuidado com a constituição de suas reservas, visando a dar proteção à massa segurada, no que diz respeito ao cumprimento das garantias contratuais, por ocasião da efetivação do evento. (FERREIRA, Weber José) 1 - Lei n 556, de 25 de junho de 1850) o seguro marítimo foi pela primeira vez analisado e regulado.

12 1.1. Expansão das seguradoras e os investimentos Estrangeiros As Companhias inglesas dominam o mercado de seguros. O ramo de negócio é lucrativo e depende de poucos recursos para sua implantação, por conta disso, cresce em larga escala. Investidores alemães e portugueses também procuram sua fatia de mercado. Mesmo com problemas que refletiam na economia brasileira, como a Guerra do Paraguai e a crise na Inglaterra os investimentos estrangeiros cresciam. A construção de ferrovias, bancos e companhias de seguros proliferavam no país. O período da Grande Depressão Inglesa ( ) refletiu na queda dos investimentos em relação as décadas anteriores. Entre houve a expansão de grandes nações capitalista como E.U.A e da Alemanha. Os Ingleses investiram fortemente nos países da América Latina. A expansão provocada pela exportação do café vai desde a melhoria na infraestrutura até a elaboração, normatização e regulamentação das transações comerciais. As lavouras de café tiveram seu apogeu na região Sudeste e o crescimento das companhias de seguro e companhias de navegação crescia e se firmavam no mercado financeiro brasileiro. A última fase deste período é marcada por uma crise na economia cafeeira nacional e ao mesmo tempo houve um incremento da exportação de capitais (característica do capitalismo moderno) nos setores de serviços básicos (energia e transporte urbano) e nas companhias de seguro. A Inglaterra, Canadá, Bélgica,França e E.U.A foram uns dos grandes investidores. De ( ) houve grande diversificação de investimentos estrangeiros. O Know-how das seguradoras britânicas foi fundamental para dar um formato assertivo ao mercado de seguros nacional. Entre todos os setores que receberam investimentos estrangeiros, o mercado de seguros foi o que teve maior diversificação de capital aportado. Segue abaixo tabela de distribuição de investimentos:

13 DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM % SOBRE O INVESTIMENTO TOTAL SETORES SERVIÇOS BÁSICOS 59,0 61,7 SEGUROS 17,4 0,9 BANCOS 7,8 9,7 COMERCIO IMP. E EXP. 6,0 8,8 INDÚSTRIA DE 4,0 7,2 TRANSFORMAÇÃO TOTAL PARCIAL 94,2 88,3 Figura 1- Distribuição Setorial do Investimento Estrangeiro (*) A primeira década de 1900 foi marcada pelo crescimento das companhias norte-americanas no mercado brasileiro Em 1901, O Decreto 4270 e seu anexo; Regulamento Murtinho normatiza as companhias, que já haviam se instalado ou que visavam se instalar no Brasil. Através do regulamento citado, foi criada a Superintendência geral de seguros, que concentrada todas as questões de fiscalização inerentes ao segmento de seguros e era diretamente subordinada ao Ministério da Fazenda. O Código Civil Brasileiro (1916) continha um capítulo inteiramente dedicado ao contrato de seguro. O Direito privado do seguro, nomenclatura usada na época, era composto pelas regras estabelecidas no Código Comercial e no Código Estas regulamentações estabeleceram o desenvolvimento do mercado de seguros nacional. INVESTIMENTOS ESTRANGEITOS POR PAISES DE ORIGEM DE CAPITAIS EM % SOBRE O TOTAL PAIS DE ORIGEM INGLATERRA 77,6 53,0 FRANÇA 5,9 19,9 ESTADOS UNIDOS 1,5 19,9 CANADÁ 2,3 11,10 TOTAL PARCIAL 87,3 91,0 Figura 2: Investimentos Estrangeiros por países de origem (*)

14 1.2. A Era Vargas e o setor de seguros No primeiro governo Vargas foi criado o Departamento Nacional de Seguros Privados e capitalização - DNSPC em 1934, ligado ao Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio. A este órgão eram subordinadas todas as agências reguladoras do setor financeiro. A constituição de 1937 promulgou o Princípio da Nacionalização do Seguro. No mesmo ano foi criado o Instituto de Resseguros no Brasil (IBR), onde a seguradas eram obrigadas a ressegurar os riscos que ultrapassam a sua capacidade retenção. Anterior a criação do IRB o mercado de seguros era dominado pelas empresas estrangeiras, que em sua maioria captavam seguros para suas matrizes gerando evasão de divisas. Este órgão conseguiu em fazer com que as empresas estrangeiras começaram a se organizar como seguradoras brasileiras e a constituir suas reservas no país. Conforme HERMIDA (2010) o resseguro é a operação pela qual o segurador, transfere total ou parcialmente um risco assumido para uma corretora de seguros, por meio de uma ou várias apólices. Nessa operação, o segurador objetiva diminuir suas responsabilidades na aceitação. Tanto as responsabilidades, quanto os prêmios recebidos são repartidos. Pode-se simplificar o conceito como sendo o resseguro um seguro do seguro. O seguro obrigatório contra riscos de fogo, raio e suas consequências foi regulamentado pelo Decreto de 1940 em seu Artº 1º : aos comerciantes, industriais e concessionários de serviços públicos, sejam pessoas físicas ou jurídicas, dentro da cobertura encontrada. Este ato ajudou a solidificar a cultura no seguro no país. A segunda guerra mundial fez com que as seguradoras investissem nos riscos de guerra. Os segmentos de incêndio, extravio, roubo e transportes, também alavancaram no ramo de seguros, nesta época. Estas medidas garantiram a sustentabilidade da indústria nacional do pós-guerra. O segundo governo Vargas é marcado pela criação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE, mais tarde BNDES, incluindo o S, de Social) no início da década de 50, que intensificou a atuação do governo nos investimentos e alavancou o crescimento da economia brasileira.

15 1.3. A evolução da Previdência Privada Em 1835 foi criado o MONGERAL Montepio Geral de Economia dos Servidores do Estado, na época, o Ministro da Fazenda era o Barão de Sepetiba. A primeira instituição a autorizar o desconto em folha para o plano de pensão de seus servidores foi o ministério da Marinha em A Previdência Social foi instituída somente 88 anos depois da chegada da previdência privada, através a Lei n (Lei Elói Chaves), de 24/01/1923. Durante a Primeira Guerra Mundial, a Mongeral foi de grande importância para os seus pensionistas, quando prestou seguros a cerca de pensionistas. Em 1954, um dia após a morte de Getúlio Vargas, o novo presidente Café Filho tornou a Mongeral a primeira instituição de previdência consignatária dos servidores públicos federais (Lei 2.329). Na década de 70 foi criado o Ministério da Previdência Social e posteriormente Sistema Nacional de Previdência e Assistência Social (SINPAS). A Lei de 1977 regulamentou a Previdência Privada, também chamada de Previdência Complementar, Nas décadas de 80 e 90 esta modalidade evolui para as empresas privadas e para os planos de contribuição definida e mistos. Em 2001, as leis complementares nº 108 e nº 109 viabilizaram práticas internacionais bem definidas no setor, através de novos instrumentos e novos tipos de entidades de previdência complementar. Os fundos de pensão passaram a ter uma padronização no sistema de gestão e o setor ganhou mais transparência nas ações e consequentemente maior movimentação financeira. Em 2008 o Brasil recebeu o selo de grau de investimento e ganhou maior visibilidade no contexto internacional. A regulamentação e a boa gestão nos fundos de pensão faz com que o sistema de previdência complementar viva nos últimos anos, um momento de esplendor. Gerando altos índices de lucratividade para a economia nacional através do crescimento do setor. Segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi) o setor fechou o primeiro trimestre de 2011 com arrecadação de R$ 11,7 bilhões, um crescimento de 16,62% em comparação com o mesmo

16 período do ano anterior. Atualmente 96,8 mil participantes recebem benefícios do sistema de previdência privada As Principais Instituições regulamentadoras Em 1966 foi instituído o Sistema Nacional de Seguros Privados, constituídos pelos seguintes órgãos: Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) (A SUSEP substituiu o DNSPC) Instituto de Resseguros do Brasil (IRB) O Decreto-lei n 73, de 21 de novembro de 1966 além de instituir este sistema, também regulamentou as operações de seguros e resseguros no país. O Departamento Nacional de Seguros Privados e Capitalização - DNSPC -foi A SUSEP é um entidade autárquica, dotada de personalidade jurídica de Direito Público, com autonomia administrativa e financeira. Até 1979 pertencia a Jurisprudência do Ministério da Indústria e Comércio, a partir deste ano foi vinculada ao Ministério da Fazenda, até os dias atuais. As operações de capitalização foram regulamentadas m 28 de fevereiro de 1967 pelo Decreto n /33. Foi instituído o Sistema Nacional de Capitalização, constituído pelo CNSP, SUSEP e pelas sociedades autorizadas a operar em capitalização. O IRB passou a ser chamado: IRB-Brasil Resseguros S.A, sendo transformado em sociedade anônima. O novo Código Civil, que teve sua redação final aprovada em 06/12/2001 trouxe algumas inovações para o segmento de seguros. Houve a definição de novas práticas e tendências, que vieram estabelecer mudanças favoráveis para o setor. A regulamentação de várias práticas que já vinham sendo utilizadas no mercado, e o conceito unitário de modalidades de seguro de naturezas diversas: dano e de pessoa trouxe otimização e efetividade. O novo código civil, também trouxe benefícios a operações de Co-seguro (operação onde diversas empresas de seguros garantem o mesmo risco, cada um

17 tomando uma parcela deste rico para si), que é o que administrará e representará os demais A Representação Institucional O setor de seguros nacional conta com uma representação Institucional organiza em subdivisões, que resguardam as especificidades de cada segmento e são ligadas as entidades representativas superiores. A Confederação Nacional das Empresa de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg criada em 20/08/2008 é uma entidade de caráter associativo. A Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização- Fenaseg criada em 1951 é a entidade de representação em grau superior de caráter sindical, que por sua vez é associada à Confederação Nacional do Sistema Financeiro - Consif Abaixo segue, relação das Federações de acordo com a área de atuação: Federação Nacional de Seguros Gerais ( Fenseg) 67 seguradoras Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi) 79 associadas efetivas (64 seguradoras e 15 entidades abertas sem fins lucrativos) Federação Nacional de Sáude Suplementar (FenaSaúde): 27 associadas (12 medicinas de grupo e 3 odontologias de grupo) Federação Nacional de Capitalização (FenaCap) 11 sociedades de capitalização. As empresas seguradoras, contam também, com a importante influência dos Sindicatos Regionais, que fomentam as atividades em suas localidade e áreas de atuação através de ações técnicas, estratégias de comunicação social e atividades institucionais com o envolvimento e participação dos seus stakeholders.

18 Segue gráfico das representações setorizadas: Figura 3: Instituições Representativas (Fonte: Balanço Social/ Informe Anual CNseg 2010) 1.6. A Escola Nacional de Seguros Com sede na cidade do Rio de Janeiro a Escola Nacional de Seguros fundada em 1971 oferece cursos para atender a capacitação do profissional da área, através da educação continuada. As parcerias com sindicatos e instituições de ensino possibilitou a realização do Curso para Habilitação de Corretores de Seguros em 42 cidades no ano de 2010, além de palestras e seminários. A graduação e a pós-graduação também estão presentes na grade de cursos da Escola Superior Nacional de Seguros com destaque para a graduação em Administração com Ênfase em Seguros e Previdência co duração de quatro anos (Rio de Janeiro e São Paulo) e o MBA Executivo em Seguros e Resseguro ( Rio de Janeiro, São Paulo e Goiânia). A modalidade a distância (EAD) permite a qualificação profissional em locais onde a Escola Nacional de Seguros, ainda não mantém unidade

19 regional. Importante ressaltar, que a ENS promove intercâmbio com instituições internacionais de grande eminência no setor A publicação de vários títulos referentes ao setor de seguros marcou o ano de 2010 com 13 novas obras. Além da publicação por 30 anos ininterruptos do periódico: Cadernos de Seguro, principal revista técnica do setor. O fortalecimento das bases, através da transmissão do conhecimento e capacitação da mão de obra reflete diretamente na busca da excelência no atendimento ao cliente interno, externo e intermediário. Em um segmento, que cresce de maneira vigorosa, a capacitação dos profissionais se faz necessária. É um investimento que tem como conseqüência o diferencial de mercado e a excelência no atendimento ao cliente.

20 CAPÍTULO II OS SEGMENTOS DE SEGUROS NACIONAIS A Superintendência de Seguros Privados -Susep é o órgão responsável por autorizar o funcionamento das empresas de seguro nos ramos elementares (não-vida) vida ou em ambos. A Susep classificou as seguradoras de acordo com a oferta de produtos os em 92 ramos, divididos em 16 grupos, inseridos em três grandes segmentos: seguros gerais; de pessoas, que englobam as operações de previdência aberta complementar; e capitalização. Já nos ramos de saúde é a Agência Nacional de Saúde ANS que fica responsável pelas autorizações de funcionamento. Seguem abaixo gráficos que mostram a arrecadação por segmentos na "Visão Ampliada" que mostra a produção de prêmios de todas as modalidades de operadoras de Saúde Suplementar: Autogestão, Cooperativa Médica, Filantropia, Medicina de Grupo, Seguradoras Especializadas em Saúde, Cooperativa Odontológica e Odontologia de Grupo e na "Visão Tradicional" que reúne apenas as seguradoras controladoras de operadoras de saúde: Figura 4 Arrecadação por segmento de seguro (Fonte: site Fenaseg acesso 07/07/2011)

21 2.1. Seguros Gerais O segmento de Seguros Gerais é divido em 12 grupos Grupo Automóvel Grupo Patrimonial Grupo Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre - DPVAT Grupo Habitacional Grupo Transporte Grupo Riscos Financeiros Grupo Crédito Grupo Responsabilidades Grupo Cascos Grupo Rural Grupo Riscos Especiais Grupo Outros Grupos Conforme o Informe Anual Balanço Social do Mercado Segurador Brasileiro, o grupo com maior visibilidade, continua sendo o seguro de automóveis, que em 2010 teve um volume de prêmios de 20,1 bilhões. A Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas de 2016 intensifica os investimentos em setores voltados para realização destes eventos e favorecem as previsões de crescimento para os seguros gerais. O Seguro Rural, o Seguro de Responsabilidade Civil e o Seguro Habitacional também merecem destaque, pois as legislações e investimentos estão fomentando mudanças que estabelecem uma visão de crescimento para estas vertentes O DPVAT Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre - DPVAT é um ramo do segmento de Seguro Gerais. É uma modalidade de seguro obrigatório criado pela Lei 6194/74. Através deste seguro estão cobertos todos os danos causados por veículos automotores de via terrestre ou por suas cargas, as pessoas transportadas ou não. As indenizações do DPVAT são pagas, independentes da apuração da culpa ou do veículo causador do dano. O conselho Nacional de Seguros

22 Privados (CNSP) fixa anualmente o valor a ser pago pelos proprietários de veículos na aquisição deste seguro. Conforme a legislação, 45% são destinados ao Sistema Único de Saúde e 5% ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Em 2010 o valor destinado ao SUS e ao Denatran foi mais de R$ bilhões. Além dos recursos destinados às vitimas, em forma de indenizações, por morte ou invalidez permanente e reembolso de despesas médicas hospitalares, que chegou a R$ bilhões Segmento de Cobertura de Pessoas Este segmento compreende os ramos de Vida, Acidentes Pessoais Previdência. O segmento de pessoas, dentro do grupo Vida e Acidentes Pessoais, é integrado por 12 ramos, destaca-se o Vida Gerador de Benefícios Livres - VGBL. O Plano Gerador de Benefícios Livres - PGBL e os tradicionais. são subdivisões do segmento de Previdência. Subdivisões do Segmento de Pessoas (Vida+AP+Previdência): A) Grupo Vida: Prestamista Seguro Educacional Renda de Eventos Aleatórios Vida Individual VGBL Individual Vida em Grupo VGBL Coletivo Vida em Grupo e/ou Acidentes Pessoais Coletivos - VG/APC B) Grupo Acidentes Pessoais: Perda de certificado de Habilitação Técnica de Vôo -PCHV Turístico Acidentes Pessoais Individual Acidentes Pessoais Coletivo C) Grupo Previdência: PGBL Planos Tradicionais

23 2.3. Segmento de Capitalização O segmento de capitalização é aquele que oferece um instrumento que auxilia a população no esforço de constituição de reservas financeiras de curto e longo prazos, para a formação de poupança, aliado ao aspecto lúdico sorteio. No segmento bancário, os títulos de capitalização funcionam, muitas vezes, como uma entrada das classes de menor renda. O diretor financeiro da FenaCap, Ismar Tôrres, afirmou recetemente: "O título de capitalização é um produto que une acumulação de recursos e distribuição de prêmios via sorteio, em um único instrumento com o objetivo de solucionar diferentes demandas do mercado" Segmento de Saúde Suplementar Os regulamentados pela Agência Nacional de Saúde - ANS são os do Segmento de Saúde Suplementar. Grupo Saúde: Médico Hospitalar Odontológico. A Lei 9.656/1998 define a constituição das Operadoras de Plano de Assistência à Saúde como pessoa jurídica constituída sob as modalidades de sociedade civil ou comercial, cooperativa, ou entidade de autogestão. A ANS através da Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 39/200, assim classifica as operadoras: Administradora Cooperativa Médica Cooperativa Odontológica Autogestão Filantropia Medicina de Grupo Odontologia de Grupo Em 2001, a Lei regulamentou as Seguradoras Especializadas em Saúde: sociedades seguradoras autorizadas a operar exclusivamente seguro-saúde, devendo vedar em seu estatuto a atuação em quaisquer outros ramos de seguro.

24 No quadro e gráfico abaixo tem-se uma visão do crescimento da arrecadação de todos os segmentos do seguro em relação ao Produto Interno Bruto- PIB nos últimos seis anos: Figura 5 - Arrecadação em relação ao PIB (Fonte: Balanço Social/ Informe Anual CNseg 2010)

25 CAPÍTULO III GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES NO MERCADO NACIONAL 3.1. Perfil dos consumidor do mercado de seguros Os consumidores adquiriram mais poder nas últimas duas décadas, com o advento do Código de Defesa do Consumidor. Hoje a tomada de consciência e o uso de seus direitos, faz com que as pessoas, tanto físicas, quanto jurídicas sejam mais exigentes e por conta disso, o mercado de seguros se especializa a cada consumidores. vez mais a atender com excelência e transparência aos seus A definição de consumidor é um conceito a ser construído para cada situação fática, para cada caso concreto, impondo ao aplicador do direito o cuidado de analisar cautelosamente as características peculiares de cada caso. CARLINI, Angélica (2011) O Consumidor pessoa física Paulo dos Santos, então superintendente da SUSEP, fez o seguinte comentário no Congresso dos Corretores de Seguros em SP (2010): Vejo um cenário em que as camadas de menor poder aquisitivo da população poderão contar com diferentes tipos de cobertura para a vida, a saúde, suas casas e os pequenos empreendimentos. O microsseguro ajudará muito nesse processo, mas será fundamental também a iniciativa das seguradoras, que pesquisaram e desenvolveram produtos específicos para esse público, com a ajuda inestimável dos corretores e de suas equipes. Segundo pesquisa desenvolvida pela Datavox Marketing e Seguros o mercado atual precisa se comunicar melhor com o seu consumidor. Um dos itens abordados na conclusão deste levantamento, foi a questão do qualidade da comunicação entre o corretor de seguros na cadeia de atendimento distribuídas entre as etapas da venda, atendimento do sinistro e a renovação do seguro. Levantou-se a necessidade de desenvolver melhores praticas entre

26 os corretores de seguros para que haja uma diferença que gere desenvolvimento no mercado de seguros. O Consumidor precisa sentir segurança e para isso o corretor tem que estar capacitado através de treinamentos nas intuições de educação em seguros. A exigência no segmento é maior pela questão da competitividade entre as empresas seguradoras O Consumidor pessoa jurídica Conforme o Código de Defesa do Consumidor Art. 2º: Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. Se uma pessoa jurídica adquire um seguro em benefício próprio, para satisfação das suas necessidades, sem o interesse de repassá-los a terceiros, nem utilizados na geração de outros bens e serviços, ela é considerada como consumidora. Exemplo disto é quando uma empresa contrata um seguro de proteção contra roubo e furto do patrimônio próprio Entre as modalidades de seguros voltados para pessoa jurídica temos o exemplo do Seguros para Consultórios e Escritórios desenvolvido pelo Bradesco. Esta é uma linha de desenvolvido feita para proteger o patrimônio de profissionais liberais e empresas de prestação de serviços. A localização portanto deve ser em edifícios comerciais ou mistos, acima do pavimento térreo. Ao adquirir este produto o cliente, conta com a Assistência Consultórios e Escritórios Dia e Noite, que agrega valor ao produto. Este conjunto de serviços emergenciais são acionados por meio da Central de Atendimento: chaveiro, vigilância, limpeza, escritório virtual, transferência e guarda de móveis, hidráulica, eletricista, vidraceiro, indicação de mão-de-obra especializada para manutenção geral e consulta orçamentária O Consumidor do Futuro O código de Defesa do Consumidor comemorou 20 anos de existência em 2010, neste ano várias ações destinadas ao consumidor de seguros foram realizadas. A 1ª e a 2ª Conferências Interativas de Proteção do Consumidor de Seguros e a o Projeto Estou Seguro cujo objetivo e levar a população de

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização.

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização. Melhores Práticas das Empresas de Capitalização 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização 5 Capitalização 6 Missão da Capitalização 7 Valores da Capitalização 7 Melhores Práticas

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

O que é Saúde Complementar

O que é Saúde Complementar O que é Saúde Complementar A Lei 9.656/1998 define Operadora de Plano de Assistência à Saúde como sendo a pessoa jurídica constituída sob a modalidade de sociedade civil ou comercial, cooperativa, ou entidade

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo 1 WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO Palestrante Vera Cataldo Seguro DPVAT Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua carga, a pessoas transportadas

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015.

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. Cria a CONEXÃO EDUCACIONAL, órgão suplementar vinculado à Coordenação Executiva. 1 O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO INSTITUTO

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

5ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros

5ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros 5ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros Meios de solução de controvérsias na relação de consumo de seguro Silas Rivelle Junior Ouvidor da Unimed Seguradora e Presidente da Comissão de Ouvidoria

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA Mudança da Marca e Posicionamento Esse boletim explicativo tem o objetivo de esclarecer suas dúvidas sobre a nova marca Evolua e de que forma ela será útil para aprimorar os

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás. Acordo de Parceria - Convênios 2011. AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás

A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás. Acordo de Parceria - Convênios 2011. AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás Acordo de Parceria - Convênios 2011 AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás ACORDO DE PARCERIA - CONVÊNIOS 2011 Preparada Por: Empreza Educação e Serviços

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS 18/03/2014 Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional,

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional, a facilidade de acesso ao crédito e as ações do governo para incentivar o consumo

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Prêmio Ouvidorias Brasil. Edição 2015

Prêmio Ouvidorias Brasil. Edição 2015 Prêmio Ouvidorias Brasil Edição 2015 1. Inscrições a) Quem poderá participar do Prêmio Ouvidorias Brasil edição 2015? Poderá se inscrever e participar do Prêmio Ouvidorias Brasil edição 2015 organizações

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2009 Sumário 1) Situação Atual 2) Mercado Segurador em 2015?? (1ª Pesquisa Dezembro/2008) 3) Mercado Segurador

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade

FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) e o CFC (Conselho Federal de Contabilidade)

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

CARTA DA 1ª CONFERÊNCIA INTERATIVA DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR DE SEGURO

CARTA DA 1ª CONFERÊNCIA INTERATIVA DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR DE SEGURO CARTA DA 1ª CONFERÊNCIA INTERATIVA DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR DE SEGURO Em 03 de março de 2010, foi realizada no Rio de Janeiro a 1ª CONFERENCIA INTERATIVA DE PROTEÇAO DO CONSUMIDOR DE SEGURO Reunidos sob

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS!

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! sdfgdfhfdgfsgfdgfsdg sdfgsdgsfdgfd PRODUTOS PARA VOCÊ PRODUTOS PARA VOCÊ Simples e econômico: com apenas uma apólice, toda sua frota fica segurada.

Leia mais

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS ATIVOS INTANGÍVEIS Embora a Organização não registre seus ativos intangíveis, há evidências da percepção de sua magnitude pelos investidores e que pode ser encontrada na expressiva diferença entre o Valor

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Entrevista CADERNOS DE SEGURO

Entrevista CADERNOS DE SEGURO Entrevista 6 Marco Antonio Rossi Presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) POR Vera de Souza e Lauro Faria

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil Junho 12 Consultoria Trading Serviços S ã o P a u l o - B u e n o s A i r e s - M e x i c o C i t y - W a s h i n g t o n - U n i t e d K i n g d o m - C o t e D ' A z u r Research for the Future Gestão

Leia mais

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade.

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade. MISSÃO Oferecer serviços imobiliários de qualidade, gerando valor para os clientes, colaboradores, sociedade e acionistas. VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados AULA 05 Sistema Nacional de Seguros Privados Sistema Nacional de Seguros Privados O Sistema Nacional de Seguros Privados do Brasil (SNSP) - parte integrante do Sistema Financeiro Nacional - é formado por

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros Categoria Setor de Mercado Seguros 1 Apresentação da empresa e sua contextualização no cenário competitivo A Icatu Seguros é líder entre as seguradoras independentes (não ligadas a bancos de varejo) no

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

mdic.empauta.com Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 25 de abril de 2008 às 08h54

mdic.empauta.com Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 25 de abril de 2008 às 08h54 Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 25 de abril de 2008 às 08h54 DCI OnLine SP Ouvidoria ganha espaço em seguros...................................................

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais