UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES NO SEGMENTO DE SEGUROS NO BRASIL Por: Nilce Maria Rosa Orientador Prof. Willian Lima Rocha Rio de Janeiro 2011

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO R LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES NO SEGMENTO DE SEGUROS NO BRASIL Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão de Relacionamento com clientes e ouvidoria. Por: Nilce Maria Rosa

3 AGRADECIMENTOS Agradeço a Jesus Cristo, que renovou as minhas forças a cada dia e ao professor Willian Rocha, que me apoio nesta jornada. Deixo meu carinho especial as bibliotecárias da Funenseg e da Fenaseg pela atenção, paciência e alto padrão de atendimento.

4 Porque Dele e por meio Dele e para Ele são todas as coisas, glória, pois, a Ele eternamente. Amém. (Rm. 11:33-36)

5 DEDICATÓRIA Dedico a todos àqueles que buscam a realização dos seus sonhos e enfrentam as adversidades com a certeza da vitória!

6 RESUMO O tema proposto neste trabalho foca as ações estratégias das empresas de seguros no Brasil, frente as oportunidades de negócios oriundas das crises mundiais em diversas áreas. O processo de aprimoramento da gestão de relacionamento com clientes mostrado abrange desde a captação, através da sensibilização em relação à necessidade e importância em adquirir o produto, até a fidelização de seus clientes pela conquista da confiança e excelência no atendimento. A rapidez com que as informações são passadas no mundo globalizado, faz com que a necessidade de se adquirir seguros em seus diversos segmentos, seja encarada com uma visão ampliada da situação mundial. Os consumidores de todas as nações entendem a importância de se precaver contra os infortúnios do mundo contemporâneo. As grandes corporações do ramo dominam o mercado de seguros, mas há espaço para os pequenos empresários se desenvolverem, implantando padrões de qualidade e relacionamento com clientes próprios do segmento. As novas tecnologias de comunicação ajudam neste processo da busca da excelência no atendimento. O Brasil conta com vários cursos de capacitação profissional e a área acadêmica tem crescido através da qualidade dos cursos oferecidos e parcerias com as maiores e melhores empresas de seguros instaladas no país. A Fundação Escola Nacional de Seguros Funenseg, com sede no Rio de Janeiro, disponibiliza cursos capacitação profissional, técnicos, graduação e pós-graduação, além de apoio à pesquisa e convênio com instituições internacionais, Entre as entidades representativas do segmento de seguros, destacasse a Confederação Nacional de Seguros Gerais CNSeg criada em 20/08/2008, que tem caráter associativo e a Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização- Fenaseg, que existe desde de 1951 e é a entidade de representação grau superior no contexto sindical ( associada à Confederação Nacional do Sistema Financeiro- Consif).

7 METODOLOGIA O levantamento de dados deste trabalho se deu através de pesquisa na Biblioteca Ivan da Mota Dantas (Fundação Escola Nacional de Seguros- FUNENSEG) e Biblioteca Luiz Mendonça (Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização - FENASEG). Os materiais utilizados na bibliografia foram bem atuais e ricos em informações, tanto os livros, como as hemerotecas: revistas e jornais do segmento de seguros, dowloads de e- books e palestras dos sites das instituições acima citadas.

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 09 CAPÍTULO I - A História do seguro no Brasil 11 CAPÍTULO II - Os segmentos de seguros nacionais 20 CÁPITULO III - Gestão de relacionamento com clientes no mercado nacional 25 CONCLUSÃO 35 BIBLIOGRAFIA 38 ANEXOS 39 ÍNDICE DE FIGURAS 43 ÍNDICE 44 FOLHA DE AVALIAÇÃO 46

9 INTRODUÇÃO Uma das características do mundo contemporâneo é o imediatismo e a falta de tempo dos indivíduos em executar as tarefas que lhe são atribuídos ou inerentes às várias atividades a que estão sujeitos. O consumidor moderno, principalmente o da área de seguros, sofre várias influências na hora de decidir pelo produto. As propagandas, publicidades e outras estratégicas de marketing levam ao consumismo exacerbado de produtos e serviços de várias espécies. Por outro lado, certas notícias divulgadas pelas mídias geram ansiedade e medo, por conta das catástrofes naturais e pela violência urbana, que fazem parte da realidade mundial. Levando em consideração, que a falta de segurança já ultrapassou a barreira das metrópoles e tomou conta de lugares antes considerados bucólicos, a violência já não faz parte, somente do contexto social dos grandes centros. De acordo com Abraham MASLOW, a segurança é o segundo elemento dentro da escala das necessidades humanas. Na atualidade, a segurança, vai desde a necessidade de ter moradia, como também ter estabilidade no emprego, plano de saúde e seguro de vida. A indústria e o comércio no Brasil, preocupados com os riscos eminentes, procuram minimizar as consequências, se precavendo contra os infortúnios, através da aquisição de seguros. Os riscos tecnológicos é uma das grandes preocupações das instituições, atingindo as esferas privadas e estatais, Os hackers, muitas vezes considerados como gênios do mal, modificam hadwares e softwares e invadem sites considerados blindados pela segurança cibernética. Empresas de seguros trazem a possibilidade de resguardar este patrimônio virtual com os chamados seguro contra risco de rede'', que primam pela segurança da informação e privacidade das organizações e de seus clientes. Os riscos ambientais são também motivo de grande preocupação. No Brasil. Questões como poluição, biodiversidade (perda), mudanças climáticas e alagamentos são pontos que levaram as empresas de seguros no Brasil a abrirem o seu leque para este nicho de mercado.

10 Os conflitos mundiais, terrorismo e o crime organizado, também são fatos geradores de uma nova abordagem na área de seguros. Assim como, as quedas nas bolsas de valores, que exercem o efeito dominó atingindo de alguma maneira a estabilidade e segurança financeira das nações. Os riscos do SEC. XXI aumentaram consideravelmente, passando por diversas áreas: economia, meio-ambiente, saúde e tecnologia. Este cenário mundial, atinge tanto pessoas físicas quanto jurídicas de diversas culturas e localizações geográficas. No Brasil, a participação dos seguros no Produto Interno Bruto (PIB) está a pouco mais de 3%. Este percentual é similar ao de outras nações mais desenvolvidas e segundo especialistas a participação no PIB pode chegar a 8% em poucos anos. Este crescimento atinge às várias camadas da sociedade. Há alguns anos o seguro era um produto consumido apenas pelas classes mais favorecidas, na atualidade foi criado o microsseguros para serem consumidos por clientes de baixa renda. A gestão de relacionamento com clientes é a fórmula mágica de lidar com as mudanças, estabelecendo regras e padrões de atendimento, que sejam inovadores a fim de assegurar às empresas do segmento de seguros um crescimento com responsabilidade e credibilidade.

11 CAPÍTULO I HISTÓRIA DO SEGURO NO BRASIL O Brasil colônia começa a tomar novos rumos com a chegada da família real (1808). Houve uma movimentação em relação a abertura dos portos ao comércio internacional e com isso a necessidade de se implantar o seguro marítimo. Neste mesmo ano começa a funcionar a Companhia de Seguros Boa Fé, que era regulamentada pelas leis de Portugal através da Casa de Seguros Lisboa. Na época do Império a primeira companhia autorizada a funcionar foi a Sociedade de Seguros Mútuos (1828). Somente em 1850 foi promulgado o Código Comercial Brasileiro1..No período imediatamente posterior ao código, surgiram 11 companhias nacionais no ramo de seguros marítimos. Logo a seguir chegaram as operadoras de seguro de vida e contra incêndio. Fazia-se seguros contra a mortalidade de escravos, que eram considerados como mercadorias ou bens. Após a expansão do setor de seguros, gerada pela aprovação do Código Comercial o governo do Segundo Reinado passa a exercer um controle mais direto neste segmento. (...) pois tratava-se de um ramo cujas operações eram de longa duração, e que exigia um maior cuidado com a constituição de suas reservas, visando a dar proteção à massa segurada, no que diz respeito ao cumprimento das garantias contratuais, por ocasião da efetivação do evento. (FERREIRA, Weber José) 1 - Lei n 556, de 25 de junho de 1850) o seguro marítimo foi pela primeira vez analisado e regulado.

12 1.1. Expansão das seguradoras e os investimentos Estrangeiros As Companhias inglesas dominam o mercado de seguros. O ramo de negócio é lucrativo e depende de poucos recursos para sua implantação, por conta disso, cresce em larga escala. Investidores alemães e portugueses também procuram sua fatia de mercado. Mesmo com problemas que refletiam na economia brasileira, como a Guerra do Paraguai e a crise na Inglaterra os investimentos estrangeiros cresciam. A construção de ferrovias, bancos e companhias de seguros proliferavam no país. O período da Grande Depressão Inglesa ( ) refletiu na queda dos investimentos em relação as décadas anteriores. Entre houve a expansão de grandes nações capitalista como E.U.A e da Alemanha. Os Ingleses investiram fortemente nos países da América Latina. A expansão provocada pela exportação do café vai desde a melhoria na infraestrutura até a elaboração, normatização e regulamentação das transações comerciais. As lavouras de café tiveram seu apogeu na região Sudeste e o crescimento das companhias de seguro e companhias de navegação crescia e se firmavam no mercado financeiro brasileiro. A última fase deste período é marcada por uma crise na economia cafeeira nacional e ao mesmo tempo houve um incremento da exportação de capitais (característica do capitalismo moderno) nos setores de serviços básicos (energia e transporte urbano) e nas companhias de seguro. A Inglaterra, Canadá, Bélgica,França e E.U.A foram uns dos grandes investidores. De ( ) houve grande diversificação de investimentos estrangeiros. O Know-how das seguradoras britânicas foi fundamental para dar um formato assertivo ao mercado de seguros nacional. Entre todos os setores que receberam investimentos estrangeiros, o mercado de seguros foi o que teve maior diversificação de capital aportado. Segue abaixo tabela de distribuição de investimentos:

13 DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM % SOBRE O INVESTIMENTO TOTAL SETORES SERVIÇOS BÁSICOS 59,0 61,7 SEGUROS 17,4 0,9 BANCOS 7,8 9,7 COMERCIO IMP. E EXP. 6,0 8,8 INDÚSTRIA DE 4,0 7,2 TRANSFORMAÇÃO TOTAL PARCIAL 94,2 88,3 Figura 1- Distribuição Setorial do Investimento Estrangeiro (*) A primeira década de 1900 foi marcada pelo crescimento das companhias norte-americanas no mercado brasileiro Em 1901, O Decreto 4270 e seu anexo; Regulamento Murtinho normatiza as companhias, que já haviam se instalado ou que visavam se instalar no Brasil. Através do regulamento citado, foi criada a Superintendência geral de seguros, que concentrada todas as questões de fiscalização inerentes ao segmento de seguros e era diretamente subordinada ao Ministério da Fazenda. O Código Civil Brasileiro (1916) continha um capítulo inteiramente dedicado ao contrato de seguro. O Direito privado do seguro, nomenclatura usada na época, era composto pelas regras estabelecidas no Código Comercial e no Código Estas regulamentações estabeleceram o desenvolvimento do mercado de seguros nacional. INVESTIMENTOS ESTRANGEITOS POR PAISES DE ORIGEM DE CAPITAIS EM % SOBRE O TOTAL PAIS DE ORIGEM INGLATERRA 77,6 53,0 FRANÇA 5,9 19,9 ESTADOS UNIDOS 1,5 19,9 CANADÁ 2,3 11,10 TOTAL PARCIAL 87,3 91,0 Figura 2: Investimentos Estrangeiros por países de origem (*)

14 1.2. A Era Vargas e o setor de seguros No primeiro governo Vargas foi criado o Departamento Nacional de Seguros Privados e capitalização - DNSPC em 1934, ligado ao Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio. A este órgão eram subordinadas todas as agências reguladoras do setor financeiro. A constituição de 1937 promulgou o Princípio da Nacionalização do Seguro. No mesmo ano foi criado o Instituto de Resseguros no Brasil (IBR), onde a seguradas eram obrigadas a ressegurar os riscos que ultrapassam a sua capacidade retenção. Anterior a criação do IRB o mercado de seguros era dominado pelas empresas estrangeiras, que em sua maioria captavam seguros para suas matrizes gerando evasão de divisas. Este órgão conseguiu em fazer com que as empresas estrangeiras começaram a se organizar como seguradoras brasileiras e a constituir suas reservas no país. Conforme HERMIDA (2010) o resseguro é a operação pela qual o segurador, transfere total ou parcialmente um risco assumido para uma corretora de seguros, por meio de uma ou várias apólices. Nessa operação, o segurador objetiva diminuir suas responsabilidades na aceitação. Tanto as responsabilidades, quanto os prêmios recebidos são repartidos. Pode-se simplificar o conceito como sendo o resseguro um seguro do seguro. O seguro obrigatório contra riscos de fogo, raio e suas consequências foi regulamentado pelo Decreto de 1940 em seu Artº 1º : aos comerciantes, industriais e concessionários de serviços públicos, sejam pessoas físicas ou jurídicas, dentro da cobertura encontrada. Este ato ajudou a solidificar a cultura no seguro no país. A segunda guerra mundial fez com que as seguradoras investissem nos riscos de guerra. Os segmentos de incêndio, extravio, roubo e transportes, também alavancaram no ramo de seguros, nesta época. Estas medidas garantiram a sustentabilidade da indústria nacional do pós-guerra. O segundo governo Vargas é marcado pela criação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE, mais tarde BNDES, incluindo o S, de Social) no início da década de 50, que intensificou a atuação do governo nos investimentos e alavancou o crescimento da economia brasileira.

15 1.3. A evolução da Previdência Privada Em 1835 foi criado o MONGERAL Montepio Geral de Economia dos Servidores do Estado, na época, o Ministro da Fazenda era o Barão de Sepetiba. A primeira instituição a autorizar o desconto em folha para o plano de pensão de seus servidores foi o ministério da Marinha em A Previdência Social foi instituída somente 88 anos depois da chegada da previdência privada, através a Lei n (Lei Elói Chaves), de 24/01/1923. Durante a Primeira Guerra Mundial, a Mongeral foi de grande importância para os seus pensionistas, quando prestou seguros a cerca de pensionistas. Em 1954, um dia após a morte de Getúlio Vargas, o novo presidente Café Filho tornou a Mongeral a primeira instituição de previdência consignatária dos servidores públicos federais (Lei 2.329). Na década de 70 foi criado o Ministério da Previdência Social e posteriormente Sistema Nacional de Previdência e Assistência Social (SINPAS). A Lei de 1977 regulamentou a Previdência Privada, também chamada de Previdência Complementar, Nas décadas de 80 e 90 esta modalidade evolui para as empresas privadas e para os planos de contribuição definida e mistos. Em 2001, as leis complementares nº 108 e nº 109 viabilizaram práticas internacionais bem definidas no setor, através de novos instrumentos e novos tipos de entidades de previdência complementar. Os fundos de pensão passaram a ter uma padronização no sistema de gestão e o setor ganhou mais transparência nas ações e consequentemente maior movimentação financeira. Em 2008 o Brasil recebeu o selo de grau de investimento e ganhou maior visibilidade no contexto internacional. A regulamentação e a boa gestão nos fundos de pensão faz com que o sistema de previdência complementar viva nos últimos anos, um momento de esplendor. Gerando altos índices de lucratividade para a economia nacional através do crescimento do setor. Segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi) o setor fechou o primeiro trimestre de 2011 com arrecadação de R$ 11,7 bilhões, um crescimento de 16,62% em comparação com o mesmo

16 período do ano anterior. Atualmente 96,8 mil participantes recebem benefícios do sistema de previdência privada As Principais Instituições regulamentadoras Em 1966 foi instituído o Sistema Nacional de Seguros Privados, constituídos pelos seguintes órgãos: Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) (A SUSEP substituiu o DNSPC) Instituto de Resseguros do Brasil (IRB) O Decreto-lei n 73, de 21 de novembro de 1966 além de instituir este sistema, também regulamentou as operações de seguros e resseguros no país. O Departamento Nacional de Seguros Privados e Capitalização - DNSPC -foi A SUSEP é um entidade autárquica, dotada de personalidade jurídica de Direito Público, com autonomia administrativa e financeira. Até 1979 pertencia a Jurisprudência do Ministério da Indústria e Comércio, a partir deste ano foi vinculada ao Ministério da Fazenda, até os dias atuais. As operações de capitalização foram regulamentadas m 28 de fevereiro de 1967 pelo Decreto n /33. Foi instituído o Sistema Nacional de Capitalização, constituído pelo CNSP, SUSEP e pelas sociedades autorizadas a operar em capitalização. O IRB passou a ser chamado: IRB-Brasil Resseguros S.A, sendo transformado em sociedade anônima. O novo Código Civil, que teve sua redação final aprovada em 06/12/2001 trouxe algumas inovações para o segmento de seguros. Houve a definição de novas práticas e tendências, que vieram estabelecer mudanças favoráveis para o setor. A regulamentação de várias práticas que já vinham sendo utilizadas no mercado, e o conceito unitário de modalidades de seguro de naturezas diversas: dano e de pessoa trouxe otimização e efetividade. O novo código civil, também trouxe benefícios a operações de Co-seguro (operação onde diversas empresas de seguros garantem o mesmo risco, cada um

17 tomando uma parcela deste rico para si), que é o que administrará e representará os demais A Representação Institucional O setor de seguros nacional conta com uma representação Institucional organiza em subdivisões, que resguardam as especificidades de cada segmento e são ligadas as entidades representativas superiores. A Confederação Nacional das Empresa de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg criada em 20/08/2008 é uma entidade de caráter associativo. A Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização- Fenaseg criada em 1951 é a entidade de representação em grau superior de caráter sindical, que por sua vez é associada à Confederação Nacional do Sistema Financeiro - Consif Abaixo segue, relação das Federações de acordo com a área de atuação: Federação Nacional de Seguros Gerais ( Fenseg) 67 seguradoras Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi) 79 associadas efetivas (64 seguradoras e 15 entidades abertas sem fins lucrativos) Federação Nacional de Sáude Suplementar (FenaSaúde): 27 associadas (12 medicinas de grupo e 3 odontologias de grupo) Federação Nacional de Capitalização (FenaCap) 11 sociedades de capitalização. As empresas seguradoras, contam também, com a importante influência dos Sindicatos Regionais, que fomentam as atividades em suas localidade e áreas de atuação através de ações técnicas, estratégias de comunicação social e atividades institucionais com o envolvimento e participação dos seus stakeholders.

18 Segue gráfico das representações setorizadas: Figura 3: Instituições Representativas (Fonte: Balanço Social/ Informe Anual CNseg 2010) 1.6. A Escola Nacional de Seguros Com sede na cidade do Rio de Janeiro a Escola Nacional de Seguros fundada em 1971 oferece cursos para atender a capacitação do profissional da área, através da educação continuada. As parcerias com sindicatos e instituições de ensino possibilitou a realização do Curso para Habilitação de Corretores de Seguros em 42 cidades no ano de 2010, além de palestras e seminários. A graduação e a pós-graduação também estão presentes na grade de cursos da Escola Superior Nacional de Seguros com destaque para a graduação em Administração com Ênfase em Seguros e Previdência co duração de quatro anos (Rio de Janeiro e São Paulo) e o MBA Executivo em Seguros e Resseguro ( Rio de Janeiro, São Paulo e Goiânia). A modalidade a distância (EAD) permite a qualificação profissional em locais onde a Escola Nacional de Seguros, ainda não mantém unidade

19 regional. Importante ressaltar, que a ENS promove intercâmbio com instituições internacionais de grande eminência no setor A publicação de vários títulos referentes ao setor de seguros marcou o ano de 2010 com 13 novas obras. Além da publicação por 30 anos ininterruptos do periódico: Cadernos de Seguro, principal revista técnica do setor. O fortalecimento das bases, através da transmissão do conhecimento e capacitação da mão de obra reflete diretamente na busca da excelência no atendimento ao cliente interno, externo e intermediário. Em um segmento, que cresce de maneira vigorosa, a capacitação dos profissionais se faz necessária. É um investimento que tem como conseqüência o diferencial de mercado e a excelência no atendimento ao cliente.

20 CAPÍTULO II OS SEGMENTOS DE SEGUROS NACIONAIS A Superintendência de Seguros Privados -Susep é o órgão responsável por autorizar o funcionamento das empresas de seguro nos ramos elementares (não-vida) vida ou em ambos. A Susep classificou as seguradoras de acordo com a oferta de produtos os em 92 ramos, divididos em 16 grupos, inseridos em três grandes segmentos: seguros gerais; de pessoas, que englobam as operações de previdência aberta complementar; e capitalização. Já nos ramos de saúde é a Agência Nacional de Saúde ANS que fica responsável pelas autorizações de funcionamento. Seguem abaixo gráficos que mostram a arrecadação por segmentos na "Visão Ampliada" que mostra a produção de prêmios de todas as modalidades de operadoras de Saúde Suplementar: Autogestão, Cooperativa Médica, Filantropia, Medicina de Grupo, Seguradoras Especializadas em Saúde, Cooperativa Odontológica e Odontologia de Grupo e na "Visão Tradicional" que reúne apenas as seguradoras controladoras de operadoras de saúde: Figura 4 Arrecadação por segmento de seguro (Fonte: site Fenaseg acesso 07/07/2011)

21 2.1. Seguros Gerais O segmento de Seguros Gerais é divido em 12 grupos Grupo Automóvel Grupo Patrimonial Grupo Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre - DPVAT Grupo Habitacional Grupo Transporte Grupo Riscos Financeiros Grupo Crédito Grupo Responsabilidades Grupo Cascos Grupo Rural Grupo Riscos Especiais Grupo Outros Grupos Conforme o Informe Anual Balanço Social do Mercado Segurador Brasileiro, o grupo com maior visibilidade, continua sendo o seguro de automóveis, que em 2010 teve um volume de prêmios de 20,1 bilhões. A Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas de 2016 intensifica os investimentos em setores voltados para realização destes eventos e favorecem as previsões de crescimento para os seguros gerais. O Seguro Rural, o Seguro de Responsabilidade Civil e o Seguro Habitacional também merecem destaque, pois as legislações e investimentos estão fomentando mudanças que estabelecem uma visão de crescimento para estas vertentes O DPVAT Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre - DPVAT é um ramo do segmento de Seguro Gerais. É uma modalidade de seguro obrigatório criado pela Lei 6194/74. Através deste seguro estão cobertos todos os danos causados por veículos automotores de via terrestre ou por suas cargas, as pessoas transportadas ou não. As indenizações do DPVAT são pagas, independentes da apuração da culpa ou do veículo causador do dano. O conselho Nacional de Seguros

22 Privados (CNSP) fixa anualmente o valor a ser pago pelos proprietários de veículos na aquisição deste seguro. Conforme a legislação, 45% são destinados ao Sistema Único de Saúde e 5% ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Em 2010 o valor destinado ao SUS e ao Denatran foi mais de R$ bilhões. Além dos recursos destinados às vitimas, em forma de indenizações, por morte ou invalidez permanente e reembolso de despesas médicas hospitalares, que chegou a R$ bilhões Segmento de Cobertura de Pessoas Este segmento compreende os ramos de Vida, Acidentes Pessoais Previdência. O segmento de pessoas, dentro do grupo Vida e Acidentes Pessoais, é integrado por 12 ramos, destaca-se o Vida Gerador de Benefícios Livres - VGBL. O Plano Gerador de Benefícios Livres - PGBL e os tradicionais. são subdivisões do segmento de Previdência. Subdivisões do Segmento de Pessoas (Vida+AP+Previdência): A) Grupo Vida: Prestamista Seguro Educacional Renda de Eventos Aleatórios Vida Individual VGBL Individual Vida em Grupo VGBL Coletivo Vida em Grupo e/ou Acidentes Pessoais Coletivos - VG/APC B) Grupo Acidentes Pessoais: Perda de certificado de Habilitação Técnica de Vôo -PCHV Turístico Acidentes Pessoais Individual Acidentes Pessoais Coletivo C) Grupo Previdência: PGBL Planos Tradicionais

23 2.3. Segmento de Capitalização O segmento de capitalização é aquele que oferece um instrumento que auxilia a população no esforço de constituição de reservas financeiras de curto e longo prazos, para a formação de poupança, aliado ao aspecto lúdico sorteio. No segmento bancário, os títulos de capitalização funcionam, muitas vezes, como uma entrada das classes de menor renda. O diretor financeiro da FenaCap, Ismar Tôrres, afirmou recetemente: "O título de capitalização é um produto que une acumulação de recursos e distribuição de prêmios via sorteio, em um único instrumento com o objetivo de solucionar diferentes demandas do mercado" Segmento de Saúde Suplementar Os regulamentados pela Agência Nacional de Saúde - ANS são os do Segmento de Saúde Suplementar. Grupo Saúde: Médico Hospitalar Odontológico. A Lei 9.656/1998 define a constituição das Operadoras de Plano de Assistência à Saúde como pessoa jurídica constituída sob as modalidades de sociedade civil ou comercial, cooperativa, ou entidade de autogestão. A ANS através da Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 39/200, assim classifica as operadoras: Administradora Cooperativa Médica Cooperativa Odontológica Autogestão Filantropia Medicina de Grupo Odontologia de Grupo Em 2001, a Lei regulamentou as Seguradoras Especializadas em Saúde: sociedades seguradoras autorizadas a operar exclusivamente seguro-saúde, devendo vedar em seu estatuto a atuação em quaisquer outros ramos de seguro.

24 No quadro e gráfico abaixo tem-se uma visão do crescimento da arrecadação de todos os segmentos do seguro em relação ao Produto Interno Bruto- PIB nos últimos seis anos: Figura 5 - Arrecadação em relação ao PIB (Fonte: Balanço Social/ Informe Anual CNseg 2010)

25 CAPÍTULO III GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES NO MERCADO NACIONAL 3.1. Perfil dos consumidor do mercado de seguros Os consumidores adquiriram mais poder nas últimas duas décadas, com o advento do Código de Defesa do Consumidor. Hoje a tomada de consciência e o uso de seus direitos, faz com que as pessoas, tanto físicas, quanto jurídicas sejam mais exigentes e por conta disso, o mercado de seguros se especializa a cada consumidores. vez mais a atender com excelência e transparência aos seus A definição de consumidor é um conceito a ser construído para cada situação fática, para cada caso concreto, impondo ao aplicador do direito o cuidado de analisar cautelosamente as características peculiares de cada caso. CARLINI, Angélica (2011) O Consumidor pessoa física Paulo dos Santos, então superintendente da SUSEP, fez o seguinte comentário no Congresso dos Corretores de Seguros em SP (2010): Vejo um cenário em que as camadas de menor poder aquisitivo da população poderão contar com diferentes tipos de cobertura para a vida, a saúde, suas casas e os pequenos empreendimentos. O microsseguro ajudará muito nesse processo, mas será fundamental também a iniciativa das seguradoras, que pesquisaram e desenvolveram produtos específicos para esse público, com a ajuda inestimável dos corretores e de suas equipes. Segundo pesquisa desenvolvida pela Datavox Marketing e Seguros o mercado atual precisa se comunicar melhor com o seu consumidor. Um dos itens abordados na conclusão deste levantamento, foi a questão do qualidade da comunicação entre o corretor de seguros na cadeia de atendimento distribuídas entre as etapas da venda, atendimento do sinistro e a renovação do seguro. Levantou-se a necessidade de desenvolver melhores praticas entre

26 os corretores de seguros para que haja uma diferença que gere desenvolvimento no mercado de seguros. O Consumidor precisa sentir segurança e para isso o corretor tem que estar capacitado através de treinamentos nas intuições de educação em seguros. A exigência no segmento é maior pela questão da competitividade entre as empresas seguradoras O Consumidor pessoa jurídica Conforme o Código de Defesa do Consumidor Art. 2º: Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. Se uma pessoa jurídica adquire um seguro em benefício próprio, para satisfação das suas necessidades, sem o interesse de repassá-los a terceiros, nem utilizados na geração de outros bens e serviços, ela é considerada como consumidora. Exemplo disto é quando uma empresa contrata um seguro de proteção contra roubo e furto do patrimônio próprio Entre as modalidades de seguros voltados para pessoa jurídica temos o exemplo do Seguros para Consultórios e Escritórios desenvolvido pelo Bradesco. Esta é uma linha de desenvolvido feita para proteger o patrimônio de profissionais liberais e empresas de prestação de serviços. A localização portanto deve ser em edifícios comerciais ou mistos, acima do pavimento térreo. Ao adquirir este produto o cliente, conta com a Assistência Consultórios e Escritórios Dia e Noite, que agrega valor ao produto. Este conjunto de serviços emergenciais são acionados por meio da Central de Atendimento: chaveiro, vigilância, limpeza, escritório virtual, transferência e guarda de móveis, hidráulica, eletricista, vidraceiro, indicação de mão-de-obra especializada para manutenção geral e consulta orçamentária O Consumidor do Futuro O código de Defesa do Consumidor comemorou 20 anos de existência em 2010, neste ano várias ações destinadas ao consumidor de seguros foram realizadas. A 1ª e a 2ª Conferências Interativas de Proteção do Consumidor de Seguros e a o Projeto Estou Seguro cujo objetivo e levar a população de

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS 18/03/2014 Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional,

Leia mais

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização.

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização. Melhores Práticas das Empresas de Capitalização 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização 5 Capitalização 6 Missão da Capitalização 7 Valores da Capitalização 7 Melhores Práticas

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional, a facilidade de acesso ao crédito e as ações do governo para incentivar o consumo

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

O que é Saúde Complementar

O que é Saúde Complementar O que é Saúde Complementar A Lei 9.656/1998 define Operadora de Plano de Assistência à Saúde como sendo a pessoa jurídica constituída sob a modalidade de sociedade civil ou comercial, cooperativa, ou entidade

Leia mais

5ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros

5ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros 5ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros Meios de solução de controvérsias na relação de consumo de seguro Silas Rivelle Junior Ouvidor da Unimed Seguradora e Presidente da Comissão de Ouvidoria

Leia mais

Seguros, Previdência e Capitalização

Seguros, Previdência e Capitalização Seguros, Previdência e Capitalização Análise das contas Patrimoniais e do Resultado Ajustado do Grupo Bradesco de Seguros, Previdência e Capitalização: Balanço Patrimonial Mar10 Dez09 Mar09 Ativo Circulante

Leia mais

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo 1 WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO Palestrante Vera Cataldo Seguro DPVAT Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua carga, a pessoas transportadas

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados AULA 05 Sistema Nacional de Seguros Privados Sistema Nacional de Seguros Privados O Sistema Nacional de Seguros Privados do Brasil (SNSP) - parte integrante do Sistema Financeiro Nacional - é formado por

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS Marco Antonio Rossi Presidente da Fenaprevi Presidente da Bradesco Seguros Agenda Mercado Segurador Nacional Os direitos dos Segurados e Participantes Legislação O Brasil

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

Mongeral Aegon. Princípio para Sustentabilidade em Seguros. Relatório 2013 2014

Mongeral Aegon. Princípio para Sustentabilidade em Seguros. Relatório 2013 2014 Mongeral Aegon Princípio para Sustentabilidade em Seguros Relatório 2013 2014 Durante os anos de 2013 e 2014, a Mongeral Aegon realizou uma significativa reestruturação, com impacto em toda sua estrutura

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015.

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. Cria a CONEXÃO EDUCACIONAL, órgão suplementar vinculado à Coordenação Executiva. 1 O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO INSTITUTO

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás. Acordo de Parceria - Convênios 2011. AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás

A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás. Acordo de Parceria - Convênios 2011. AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás Acordo de Parceria - Convênios 2011 AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás ACORDO DE PARCERIA - CONVÊNIOS 2011 Preparada Por: Empreza Educação e Serviços

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Instituto Serzedello Corrêa - ISC É uma unidade de apoio estratégico ligada à Presidência do TCU. Criado pela Lei Orgânica do

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

Apresentação Institucional Junho 2013

Apresentação Institucional Junho 2013 Apresentação Institucional Junho 2013 BB Seguridade Maior Companhia de Seguros, Previdência e Capitalização da América Latina Rápido Crescimento com Alta Rentabilidade Maior Corretora de Seguros da América

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia

Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia 1 Glossário de siglas: Susep: Superintendência de Seguros Privados, órgão regulador do mercado de seguros

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático 1. Estrutura dos Sistemas de Seguros Gerais, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Saúde Suplementar 1.1 Estrutura do Sistema de Seguros Gerais, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL MUITO BOA

GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL MUITO BOA GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL MUITO BOA Exercício 2008 RELATÓRIO FINANCEIRO & CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Exercício 2008 GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL Relatório 1. Institucional

Leia mais

CARTA DA 1ª CONFERÊNCIA INTERATIVA DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR DE SEGURO

CARTA DA 1ª CONFERÊNCIA INTERATIVA DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR DE SEGURO CARTA DA 1ª CONFERÊNCIA INTERATIVA DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR DE SEGURO Em 03 de março de 2010, foi realizada no Rio de Janeiro a 1ª CONFERENCIA INTERATIVA DE PROTEÇAO DO CONSUMIDOR DE SEGURO Reunidos sob

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil

Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil Janeiro / 2013 kpmg.com/br Realizado em colaboração com Sumário Sumário Executivo...04 Objetivo da Pesquisa...05 Evolução

Leia mais

Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil

Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil Janeiro / 2013 kpmg.com/br Realizado em colaboração com Sumário Sumário Executivo...04 Objetivo da Pesquisa...05 Evolução

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE Ética para viver Ética para viver MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro colaborador, A Bandeirante possui missão, visão e valores definidos. Eles estão discriminados em um documento amplamente difundido dentro e

Leia mais

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Pauta da apresentação 1º Estrutura do Setor 2º Representação Institucional do Setor 3º Arrecadação Visão por

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado) PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado) Propõe que a Comissão de Finanças e Tributação realize ato de fiscalização e controle, por meio de órgão competente, acerca

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Seguros Empresariais. Alexandre Vilardi

Seguros Empresariais. Alexandre Vilardi Seguros Empresariais Alexandre Vilardi Segmentação das Empresas no Brasil Introdução O mercado brasileiro é composto por mais de 5 milhões de empresas classificadas em Grandes, Médias, Pequenas e Micros,

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO Fl. 2 da CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012. CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO INSTRUÇÕES COMPLEMENTARES PARA A OPERAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE DANOS PESSOAIS CAUSADOS

Leia mais

FenSeg. Guia de Boas Práticas. Seguro Automóvel

FenSeg. Guia de Boas Práticas. Seguro Automóvel FenSeg Guia de Boas Práticas Seguro Automóvel Sumário 1. Introdução 2. Objetivo 3. O Seguro Automóvel 3.1 Coberturas 3.2 Abrangência Geográfica 4. Recomendações 4.1 Relações com Segurados 4.2 Relações

Leia mais

PROJETO EXPORTAR BRASIL

PROJETO EXPORTAR BRASIL CNPJ: 10692.348/0001-40 PROJETO EXPORTAR BRASIL Apresentação da GS Educacional A GS Educacional faz parte de um grupo que trabalha há vários anos com cursos e serviços na área de comércio exterior e vem

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Felipe Bornier)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Felipe Bornier) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Felipe Bornier) Regulamenta o exercício do Profissional de Marketing, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 0 - Quem é o que faz o profissional

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência Marco Antonio Rossi Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência 1 Brasil Entre as Maiores Economias do Mundo Mercado Brasileiro de Seguros e Previdência O Mundo do Seguro e Previdência Desafios

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA Mudança da Marca e Posicionamento Esse boletim explicativo tem o objetivo de esclarecer suas dúvidas sobre a nova marca Evolua e de que forma ela será útil para aprimorar os

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Itaú Seguros Princípios para Sustentabilidade em Seguros

Itaú Seguros Princípios para Sustentabilidade em Seguros Itaú Seguros Princípios para Sustentabilidade em Seguros Relatório 2014-2015 Itaú Seguros Perfil Desde 1921, a seguradora do Itaú atua no setor de seguros atendendo a empresas e pessoas físicas, disponibilizando

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO Um dos pilares da Ultrapar está no virtuoso relacionamento que a companhia mantém com os diferentes públicos, graças a uma política baseada na ética, na transparência e no compartilhamento de princípios,

Leia mais

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a Entre nós www.marinhodespachantes.com Novas oportunidades! de todos nossos clientes, parceiros, amigos e colaboradores em 2012 e renovar nosso contrato de amizade para 2013 Elza Aguiar Presidente Todo

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais