7 Exumação de grampos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7 Exumação de grampos"

Transcrição

1 7 Exumção d grmpos Form rlizds qutro xumçõs d grmpos: dus n Fgunds Vrl m um solo rsidul jovm (FV-02 FV-03) dus no Musu 1 ( ), m um roch ltrd. O procsso d xumção consist num tividd lnt cuiddos. Primiro, utilizou-s um rtro-scvdir com cçmb d 320 litros d cpcidd, pr rtird do solo nvolvndo os grmpos, té um distânci sgur, qu não os dnificssm. A sguir, utilizrm-s pás, cvdirs pontirs, té qu s consguiss scr os grmpos intiros intctos. Um vz xumdo, o grmpo r cuiddosmnt trnsportdo, pr vitr flxão consqünt fissurção, posiciondo m locl sguro, pr sr xmindo fotogrfdo. Dst xm, rm obtidos os diâmtros do grmpo o pdrão d fissurção o longo do comprimnto. Pr judr ns náliss, form rcolhids mostrs d solo djcnts os grmpos durnt o procsso d xumção pr postrior rlizção d nsios d crctrizção Obr Fgunds Vrl [FV] Dois grmpos (FV-02 FV-03) form submtidos nsios d rrncmnto postriormnt xumdos. O grmpo FV-02 foi prprdo com mnguir d politilno d Jtplst com 9,5mm d diâmtro 1mm d spssur, com válvuls cd 50cm pr r-injção. O tmpo d cur d nt d cimnto té r-injção foi d 3 hors. O grmpo FV-03, foi r-injtdo pl boc d prfurção, por mio d insrção, no furo d mnguir d injção d PVC ( msm usd no prnchimnto d binh, ou primir injção), pós 3h d cur d nt.

2 7 Exumção d grmpos 185 Após xumção, foi consttdo qu st procdimnto não dvri tr sido dotdo, pois vrificou-s formção d um bulbo diltdo no início do grmpo um orifício com 2cm d diâmtro (diâmtro do PVC d mnguir d injção) com 60cm d xtnsão (Figur 115). Nst trcho, o bulbo chgou tr o diâmtro umntdo d 100 pr 200mm. Figur 115 Aspcto do grmpo FV-03 pós o nsio xumção A Tbl 37 prsnt s crctrístics dos grmpos FV-02 FV-03 Tbl 38 rsum os rsultdos dos nsios d rrncmnto, por mio d Forç máxim d rrncmnto (F mx ), rsistênci o rrncmnto (q s ) dslocmnto d rrncmnto ( L rrncmnto ) cislhmnto ( L cislhmnto ). L rrncmnto é o dslocmnto corrspondnt à máxim forç d nsio; L cislhmnto, n hipóts d ocorrr fs d cislhmnto, corrspond o mior dslocmnto do nsio. Os rsultdos dos dois nsios são muito prcidos. O grmpo FV-03, rinjtdo pl boc do furo, prsntou um vlor d rsistênci o rrncmnto 6% mior qu o grmpo FV-02, r-injtdo o longo do comprimnto do grmpo. Com rlção o dslocmnto no início do rrncmnto, difrnç foi d pns 2mm (Tbl 38). A Figur 116 prsnt s curvs Crg x Dslocmnto dos nsios d rrncmnto (FV-02 FV-03). As curvs são prticmnt coincidnts té crg d 135kN, s crgs d ruptur são muito próxims, rspctivmnt 159kN 168kN pr os grmpos FV-02 FV-03.

3 7 Exumção d grmpos 186 Tbl 37 Crctrístics dos grmpos FV-02 FV-03 Grmpo Solo Lvgm do furo Númro d injçõs Tmpo d cur Aço Diâmtro d brr d ço Diâmtro do furo Inclinção do grmpo FV-02 2 Não 2 R-injtdo pl mnguir d politilno com válvuls cd 50cm 3 dis CA50 1 ou 25,4mm 4 ou 10,16cm 10 o FV-03 2 Não 2 R-injção pl boc do furo, por mio do tubo d PVC d injção 3 dis CA50 1 ou 25,4mm 4 ou 10,16cm 10 o Tbl 38 Rsultdos dos nsios d rrncmnto dos grmpos FV-02 FV-03 Grmpo F mx [kn] L rrncmnto [mm] L cislhmnto [mm] q s [kp] FV FV Dslocmnto [mm] Crg [kn] [FV-02] Binh + 1 injção com mnguir d politilno válvuls mnchts Tmpo d cur: Lvgm do furo: Locl d nsio: [FV-03] Binh + 1 injção trvés d insrção d tubo d injção pl boc do furo (quívoco) 72h Não FV Figur 116 Curvs Crg x Dslocmnto dos grmpos xumdos FV-02 FV-03

4 7 Exumção d grmpos 187 Durnt xumção form rcolhids mostrs dformds d solos, djcnts os grmpos, o longo dos comprimntos injtdos (d 1,0m té 4,0m). Ests mtriis form crctrizdos no lbortório, obtndo-s os vlors d dnsidd dos grãos (G s ), limits d liquidz (LL), limit d plsticidd (LP) índic d plsticidd (IP), conform Tbl 39 Tbl 40, os histogrms d distribuição grnulométric o longo do comprimnto injtdo do grmpo (Figur 117 Figur 118). Tbl 39 Rsultdos dos nsios d lbortório dos solos do grmpo FV-02 Posição o longo do comprimnto do grmpo G S LL LP IP Dnsidd rl dos grãos Limit d liquidz Limit d plsticidd Índic d plsticidd [m] [%] [%] [%] 1,0 2,708 47,7 30,6 17,1 1,5 2,734 49,1 30,6 18,6 2,0 2,706 47,7 27,3 20,4 2,5 2,779 50,6 33,1 17,4 3,0 2,633 66,7 40,1 26,6 3,5 2,653 65,1 38,6 26,5 4,0 2,652 49,6 29,8 19,8 Tbl 40 Rsultdos dos nsios d lbortório dos solos do grmpo FV-03 Posição o longo do comprimnto do grmpo G S LL LP IP Dnsidd rl dos grãos Limit d liquidz Limit d plsticidd Índic d plsticidd [m] [%] [%] [%] 1,0 2,858 58,5 38,9 19,6 1,5 2,748 60,4 37,7 22,7 2,0 2,630 49,4 36,0 13,4 2,5 2,726 54,7 34,6 20,2 3,0 2,709 56,5 34,2 22,3 3,5 2,723 53,6 31,0 22,6 4,0 2,703 37,7 21,5 16,2

5 7 Exumção d grmpos 188 Grnulomtri [%] ,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 Posição o longo do comprimnto do grmpo [m] Pdrgulho Grosso Pdrgulho Médio Pdrgulho Fino Ari Gross Ari Médi Ari Fin Silt Argil Figur 117 Histogrms d distribuição grnulométric do solo do grmpo FV-02 Grnulomtri [%] ,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 Posição o longo do comprimnto do grmpo [m] Pdrgulho Grosso Pdrgulho Médio Pdrgulho Fino Ari Gross Ari Médi Ari Fin Silt Argil Figur 118 Histogrm d distribuição grnulométric do solo do grmpo FV-03

6 7 Exumção d grmpos Os histogrms 189 d distribuição grnulométric d cd grmpo dmonstrm vribilidd d solos o longo d cd grmpo individulmnt. A Figur 119 dstc os diâmtros obtidos o longo dos comprimntos dos grmpos xumdos o spcto do bulbo. Pod-s consttr vribilidd d mtriis o longo d cd grmpo s difrnçs ntr os mtriis colhidos ns msms distâncis nos dois grmpos. No grmpo FV-02, o mtril r mis homogêno, prdominndo um solo rsidul jovm d cor vinho. No PUC-Rio - Crtificção Digitl Nº /CA grmpo FV-03, o solo prsntou prdominânci d qurtzo. Figur 119 Aspcto dos bulbos diâmtros dos grmpos xumdos (FV-02 FV-03)

7 7 Exumção d grmpos 190 D Figur 119, obsrv-s qu: (i) Os grmpos são difrnts ntr si, psr d proximidd d instlção. Um distv do outro pns 1m; (ii) O grmpo FV-02 prsntou o trcho inicil com crc d 1m d comprimnto, com 100mm d diâmtro. Vizinho o mtril mis qurtzoso, o diâmtro do bulbo umntou pr crc d 120mm, tingiu su mior vlor (200mm), n rgião com pdrgulhos d qurtzo. A sguir, houv um nov mudnç d solo, consqünt diminuição do bulbo pr 150mm; (iii) O grmpo FV-03 prsntou um sção prticmnt uniform, com 130mm d diâmtro, nos 2m finis; um diâmtro d 100mm (igul o d broc d prfurção) m um trcho com crc d 1m; um umnto d bulbo pr crc d 200mm d diâmtro, n prt inicil. (iv) A prfurção foi fit com um broc d 100mm d diâmtro limpz do furo rlizd com r comprimido. Pod-s infrir qu os solos com prtículs grnds form triturdos lém do limit do diâmtro d broc. Os grãos psdos ficrm rtidos no intrior do furo, o s ftur injção d prnchimnto d binh, st mtril grnulr s misturou à nt, crindo bulbos d diâmtros miors qu o d broc. N Figur 120, obsrv-s nítid mudnç d diâmtro do grmpo FV-02 o s trvssr um solo com grãos d qurtzo d té 3cm d rst. Nst figur pod-s tmbém notr qu os grãos d qurtzo ficrm mbbidos n nt. A Figur 121 ilustr o spcto d r-injção, qu form um plícul d nt sobr o grmpo qu sofru xsudção. Não houv nrizmnto d nt no solo, pns formção d um plícul d nt sobr ntrior (d primir injção). Ambos os grmpos prsntrm pdrão d fissurção trnsvrsl, consttndo-s muits frturs dimtris o longo d todo o comprimnto (Figur 122 Figur 123). Não houv vstígios d frturmnto longitudinl. As frturs trnsvrsis ncontrds vidncim qu o grmpo (nt + ço) foi rrncdo no contto nt/solo. Outr indicção d qu os grmpos FV-02 FV- 03 form rrncdos no contto nt/solo, foi obsrvção, no solo, d um

8 7 Exumção d grmpos 191 spço vzio d crc d 5cm, prtir d xtrmidd finl dos grmpos rrncdos. Figur 120 Aspcto d r-injção diâmtro do bulbo pr o grmpo FV-02 Figur 121 Aspcto d r-injção diâmtro do bulbo pr o grmpo FV-03 Figur 122 Fissurs trnsvrsis ncontrds no grmpo xumdo FV-03

9 7 Exumção d grmpos 192 () (b) (c) (d) Figur 123 Fissurs trnsvrsis ncontrds no grmpo xumdo FV-02 Apsr dos grmpos srm difrnts, por trvssrm solos distintos por trm sido r-injtdos d modos distintos (o primiro por um mnguir d r-injção com válvuls mnchts FV-02, o outro, r-injtdo pl boc FV- 03), os rsultdos d q s são muito prcidos Obr Musu 1 [M1] Dois grmpos ( ) form submtidos nsios d rrncmnto postriormnt xumdos. O grmpo foi prprdo com mnguir d politilno d Jtplst com 9,5mm d diâmtro 1mm d spssur, com válvuls cd 50cm mnguir d rtorno d nt. Est mnguir d rtorno (loclizd logo pós o obturdor d spum, pr grnti do trcho livr d 1m d comprimnto) srv

10 7 Exumção d grmpos 193 pr cusr o nchimnto do furo, por mio do xtrvsmnto d nt. O tmpo d cur d nt d cimnto té r-injção (Binh + 1 injção) foi d 3 hors. Ambos os grmpos form r-injtdos: o o longo d su comprimnto pl mnguir d r-injção com válvuls; o por mio d mnguir d rtorno qu, no cso, pssou tr um sgund injção (Binh + 1 injção) prtir do início do trcho injtdo. A Tbl 41 prsnt s crctrístics dos grmpos Tbl 42 rsum os rsultdos dos nsios d rrncmnto, por mio d Forç máxim d rrncmnto (F mx ), rsistênci o rrncmnto (q s ) dslocmnto d rrncmnto ( L rrncmnto ) cislhmnto ( L cislhmnto ). Tbl 41 Crctrístics dos grmpos Grmpo Solo Lvgm do furo Númro d injçõs Tmpo d cur Aço Diâmtro d brr d ço Diâmtro do furo Inclinção do grmpo 6 Não 2 R-injtdo pl mnguir d rtorno, no início do trcho injtdo 3 dis INCO- 13D CA75 22mm xt 20mm int 3,5 ou 8,89cm 10 o 6 Não 2 R-injtdo pl mnguir d politilno com válvuls cd 50cm 3 dis CA75 22mm xt 20mm int 3,5 ou 8,89cm 10 o Tbl 42 Rsultdos dos nsios d rrncmnto dos grmpos Grmpo F mx [kn] L rrncmnto [mm] L cislhmnto [mm] q s [kp]

11 7 Exumção d grmpos 194 A Figur 124 prsnt s curvs Crg x Dslocmnto dos nsios d rrncmnto. Figur Curvs Crg x Dslocmnto dos grmpos xumdos Os grmpos prsntrm prticmnt os msmos rsultdos: dslocmnto médio d ordm d 24mm té ruptur, difrnç d 3% no vlor d q s. As curvs crg x dslocmnto são prticmnt coincidnts (Figur 124). Durnt xumção, form rcolhids mostrs dformds d solos o longo do comprimnto dos grmpos (d 0,0m té 4,0m). Ests mtriis form crctrizdos no lbortório, obtndo-s G s, LL, LP, IP (Tbl 43 Tbl 44) histogrms d distribuição grnulométric o longo do comprimnto injtdo do grmpo (Figur 125 Figur 126).

12 7 Exumção d grmpos 195 Tbl 43 Rsultdos dos nsios d lbortório do grmpo Posição o longo do comprimnto do grmpo G S LL LP IP Dnsidd rl dos grãos Limit d liquidz Limit d plsticidd Índic d plsticidd [m] [%] [%] [%] 0,0 2,614 27,5 17,0 10,4 0,5 2,651 26,9 18,8 8,1 1,0 2, ,5 2, ,0 2, ,5 2,670 41,1 33,9 7,2 3,0 2,655 40,4 22,1 18,3 3,5 2,673 26,1 19,1 7,1 4,0 2, Tbl 44 Rsultdos dos nsios d lbortório do grmpo Posição o longo do comprimnto do grmpo G S LL LP IP Dnsidd rl dos grãos Limit d liquidz Limit d plsticidd Índic d plsticidd [m] [%] [%] [%] 0,0 2,595 25,4 16,7 8,8 0,5 2,614 28,3 18,6 9,7 1,0 2, ,5 2, ,0 2, ,5 2,724 32,1 20,9 11,2 3,0 2,718 41,3 24,3 17,0 3,5 2,716 27,3 18,0 9,3 4,0 2,

13 7 Exumção d grmpos 196 Grnulomtri [%] ,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 Posição o longo do comprimnto do grmpo [m] Pdrgulho Grosso Pdrgulho Médio Pdrgulho Fino Ari Gross Ari Médi Ari Fin Silt Argil Figur 125 Histogrm d distribuição grnulométric do solo do grmpo Grnulomtri [%] ,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 Posição o longo do comprimnto do grmpo [m] Pdrgulho Grosso Pdrgulho Médio Pdrgulho Fino Ari Gross Ari Médi Ari Fin Silt Argil Figur 126 Histogrm d distribuição grnulométric do solo do grmpo

14 7 Exumção d grmpos 197 Os histogrms d distribuição grnulométric d cd grmpo dmonstrm vribilidd d solos o longo d cd grmpo individulmnt. Os vlors prsntdos n Tbl 43, Tbl 44, Figur 125 Figur 126 mostrm qu há poucs difrnçs ntr os grmpos, os quis distvm pns 0,50m ntr si. Os prímtros dos grmpos form mdidos cd 0,25m d distânci o longo do comprimnto os rspctivos diâmtros ntão clculdos. O intrvlo d mior diâmtro é o situdo ntr 1,5m 2,0m, ond form ncontrds concntrçõs d pdrgulhos grossos ris grosss (Figur 127). Diâmtro dos grmpos xumdos Posição o longo do comprimnto do grmpo [m] -0,5 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4, Nt d cimnto Espum Brr d ço Nt d cimnto Binh + R-injtdo + Aço Espum Figur 127 Diâmtros o longo dos grmpos xumdos Rio do grmpo [cm] A spum (obturdor d nt) s mostrou inficint pr o prnchimnto do furo ntr 1m 1,5m. Logo pós spum, nt só consguiu prnchr prt infrior do grmpo. O strin gg inicil (SG 0) ficou smi-cobrto por nt (Figur 128).

15 7 Exumção d grmpos 198 Aço Nivlmnto d nt próxim à spum Obturdor (spum) Figur 128 Inficiênci d spum no prnchimnto totl do furo com nt SG 0 Sção prnchid com nt N Figur 129, pod-s visulizr qu s ponts dos grmpos rm formds pns por nt d cimnto qu houv cislhmnto no início d rgião qu continh o grmpo. Obsrvm-s tmbém vidêncis d qu o rrncmnto s du no contto brr/nt. A primir prov é o dclqu vrmlho dixdo pls ponts ds brrs ns ponts dos grmpos. A sgund prov é o vidnt cislhmnto do ço n nt, dixndo um rgião circulr d cislhmnto. ) b) Figur 129 Evidêncis do rrncmnto no contto brr/nt O spcto d cd grmpo, ssim como os vlors d diâmtros mdidos cd mio mtro são prsntdos n Figur 130 n Figur 131. Ests fotos form obtids com s prts infriors dos grmpos voltds pr cim. Há um incorporção d mtril d roch ltrd no bulbo. Mtriis d grnulomtri mis gross corrspondrm diâmtros miors do grmpo.

16 7 Exumção d grmpos 199 O pdrão d fissurção prsntdo plos dois grmpos é d frturs longitudinis (Figur 132 Figur 133), contrário o obsrvdo nos grmpos xumdos d Fgunds Vrl (FV-02 FV-03) m qu o pdrão d frturs foi trnsvrsl. As frturs longitudinis prdominrm, vidncindo o rrncmnto no contto brr/nt, um vz qu brr rsgou nt n dirção d dslocmnto. Os dois grmpos, r-injtdos, pl boc ou o longo do comprimnto, prsntrm rgiõs m qu houv xsudção. Ests rgiõs são crctrizds como nts brilhnts d spcto btido, horizontlizds. A xsudção prjudicou obtnção d um sção trnsvrsl pln d nt no intrior do furo (Figur 132, ntr 1,0 1,5m).

17 PUC-Rio - Crtificção Digitl Nº /CA 7 Exumção d grmpos Figur 130 Diâmtros o longo dos grmpos d 0 4m 200

18 PUC-Rio - Crtificção Digitl Nº /CA 7 Exumção d grmpos Figur 131 Diâmtros o longo dos grmpos d 4 0m 201

19 7 Exumção d grmpos 202 0,00m 1,00m 1,00m 1,50m 1,50m 2,00m 2,00m 2,50m 2,50m 3,00m 3,00m 3,50m 3,50m 4,00m Figur 132 Frturs, bulbo xsudção dos grmpos - fotos do topo

20 7 Exumção d grmpos 203 1,00m 1,50m 1,50m 2,00m 2,00m 2,50m 2,50m 3,00m 3,00m 3,50m 3,50m 4,00m Figur 133 Frturs, bulbo xsudção dos grmpos - fotos d bs

21 7 Exumção d grmpos 204 Muits obsrvçõs importnts sobr drênci no contto brr-nt form obtids por mio d trblhos tóricos xprimntis m concrto protndido rlizdos nos Estdos Unidos. D cordo com Hnn (1982), studos rlizdos por Lutz Grgly (1967) Tpfrs (1973) m brrs plns d concrto protndido convncionl confirmrm qu, pr brrs liss, inicilmnt rsistênci d drênci dpnd d dsão. Postriormnt à dstruição dst dsão (dslizmnto d brr m rlção à nt), rsistênci é dsnvolvid plo trito ntr brr nt nvolvnt. N prsnt psquis, form utilizds brrs INCO-13D (CA75), qu possum rosc m todo o comprimnto (rnhurs muito próxims). Durnt xumção consttou-s qu s brrs, hvim prdido rosc, ou sj, nt d cimnto prnchu s rgiõs ntr nrvurs houv cislhmnto no contto ntr brr nt, ficndo um suprfíci lis sm vstígos d nrvur. Est comportmnto foi tmbém vrificdo por Lonhrdt Mönning (1973) qu concluírm qu form o spçmnto ds sprzs é dtrminnt no modo d ruptur prsntdo: m intrfcs ond s rnhurs stão muito próxims ocorr ruptur por cislhmnto do mtril ntr s nrvurs do lmnto (Figur 134). Figur Ruptur no contto brr/nt pr rnhurs pouco spçds Bsdo m trblhos xprimntis rlizdos m mciço rochoso, Brown (1970) concluiu qu cpcidd d rrncmnto d ncorgm vri dirtmnt com suprfíci ltrl do bulbo ncordo qu tnsão d drênci últim brr-nt stá rlciond d mnir dirt à rsistênci à comprssão d nt. O utor propõ sguint rlção pr tnsão d drênci últim (τ ult ) no contto brr-nt pr brrs liss (Equção 15):

22 7 Exumção d grmpos 205 ult. ' o τ = 0,17 C Equção 15 sndo: C 0 : rsistênci à comprssão d nt τ ult : tnsão d drênci últim no contto brr-nt pr brrs liss A proposição d Brown (1970), prsntd n Equção 15, foi utilizd pr obtnção do vlor d tnsão d drênci últim no contto brr-nt. Considrou-s como liss, s brrs dos grmpos, m função d proximidd ds rnhurs d brr CA75. Form utilizdos os rsultdos d nsios d comprssão unixil d corpos d prov cilíndricos d nt d cimnto (Tbl 45) d msms crctrístics ds utilizds n prsnt psquis qu form obtidos por Mglhãs (2005). Tbl 45 Rsistênci à comprssão unixil d nt d cimnto (Mglhãs, 2005) Mtril Nt d cimnto Corpo d prov C 0 [MP] CC1 11,10 CC2 11,11 CC3 9,64 CC4 10,96 Médi: 10,70 Considrndo o vlor médio d rsistênci à comprssão unixil d nt d cimnto (10,70MP) Equção 15, obtém-s um tnsão d drênci últim do contto brr-nt igul 556kP. Est vlor pod sr dividido plo comprimnto injtdo do grmpo, d form s obtr rsistênci o rrncmnto brr-nt por mio d Brown (1970), tl como s sgu: q τúlt. 556kP = = 202kP Equção 16 L 2,75 s [clculdo] = injtdo A médi d rsultdos d q s obtidos pr os grmpos é d 203kP, portndo, propost d Brown (1970) é prfitmnt plicávl, pois o rsultdo d q s clculdo foi igul 202kP (Equção 16). Isto só vm corroborr, mis um vz, vidênci d qu o cislhmnto ocorru no contto brr-nt.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

A Função Densidade de Probabilidade

A Função Densidade de Probabilidade Prof. Lorí Vili, Dr. vili@mt.ufrgs.r http://www.mt.ufrgs.r/~vili/ Sj X um vriávl ltóri com conjunto d vlors X(S). S o conjunto d vlors for infinito não numrávl ntão vriávl é dit contínu. A Função Dnsidd

Leia mais

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00%

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00% Anxo V 1) Srá purd rlção conform bixo: = Folh d Slários incluídos ncrgos (m 12 mss) Rcit Brut (m 12 mss) 2) Ns hipótss m qu corrspond os intrvlos cntsimis d Tbl V-A, ond < signific mnor qu, > signific

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR Nº123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 (vigência: 01/01/2012)

ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR Nº123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 (vigência: 01/01/2012) ANEO I DA LEI COMPLEMENTAR Nº123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 (vigênci: 01/01/2012) (Rdção dd pl Li Complmntr nº 139, d 10 d novmbro d 2011) Alíquots Prtilh do Simpls Ncionl - Comércio Rcit Brut m 12 mss

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy Implmntção d um sistm d control intlignt utilizndo lógic fuzzy Rsumo Mrclo Bilobrovc (UEPG - CEFET - PR) mbilo@upg.br Rui Frncisco Mrtins Mrçl (CEFET - PR) mrcl@pg.cftpr.br João Luis Kovlski (CEFET - PR)

Leia mais

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR LCE2 Físic do mbint grícol CPÍTULO 6: UMIDDE DO R 6.1 PRESSÃO PRCIL E LEI DE DLTON O r é um mistur d gss, como foi visto m uls ntriors, o r s comport como um gás idl. Lmbrndo do concito d um gás idl (sus

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação Exprssão Smi-Empíric d Enrgi d Ligção om o pssr do tmpo n usênci d um tori dtlhd pr dscrvr strutur nuclr, vários modlos form dsnvolvidos, cd qul corrlcionndo os ddos xprimntis d um conjunto mis ou mnos

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 ELETRONEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 SEGURANÇA DAS MÁQUINAS rincípio d sgurnç ds máquins: Grntir sgurnç súd ds pssos xposts durnt instlção,

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

log5 log 5 x log 2x log x 2

log5 log 5 x log 2x log x 2 mta unção rítmic. Indiqu o vlor d:.. 6.. 7 49...5..6. 5 ln.7. 9.4. ln.8..9. 46.. 4 4 6 6 8 8. Dtrmin o vlor d... 4 8.. 8.. 8.4. 5.5..9. 5.6. 9.7.,8.8... 6 5 8 4 5..... Rsolv cd um ds quçõs:.... 5.. ln

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002.

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002. PREFEITURA i1 UN ICLPL I)I (;ARRI Prç Mrchl Dodoro d Fonsc s/ny Cntro. CEP: 49.830-0()0 CGC 13 112669/0001-17 * Tlfon (0'x79)354 1240 1 E-Mil: LEI n 45712002 D 29 d bril d 2002. Autoriz o Podr Excutivo

Leia mais

EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA

EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA I Jornd Cintíic VI FIPA do CEFET Bmbuí Bmbuí/MG - 2008 EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA José RICARDO SODRÉ; Rodrigo CAETANO COSTA; Rodrigo HERMAN

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Progressões Geométrics p. 7 Qul é o o termo d PG (...)? q q? ( ) Qul é rzão d PG (...)? q ( )? ( ) 8 q 8 q 8 8 Três números reis formm um PG de som e produto

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Taxas de Câmbio. A condição de paridade não coberta da taxa de juro. O fenómeno do sobreajustamento da taxa de câmbio.

Taxas de Câmbio. A condição de paridade não coberta da taxa de juro. O fenómeno do sobreajustamento da taxa de câmbio. II A condição d pridd não cobrt d tx d juro Introdução Prtndu-s chmr tnção do studnt d Polític conómic pr concitos lmntrs, indispnsávis pr comprnsão d dtrminção do quilíbrio no mrcdo cmbil qu srão utilizdos

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA CONVERSÃO EETROMECÂNICA DE ENERGIA Ivn Cmrgo Rvisão 1 (mio d 007) Pr nális d um convrsor, é fundmntl o conhcimnto d forç ltromgnétic dsnvolvid plo convrsor. Existm divrss forms d cálculo dst forç (ou conjugdo),

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

PROBLEMAS E SOLUÇÕES NA MANUTENÇÃO DE MOTORES DIESEL DE ALTA ROTAÇÃO

PROBLEMAS E SOLUÇÕES NA MANUTENÇÃO DE MOTORES DIESEL DE ALTA ROTAÇÃO PROBLEMAS E SOLUÇÕES NA MANUTENÇÃO DE MOTORES DIESEL DE ALTA ROTAÇÃO CC(EN) André Luiz Brucks Vinn, MSc Arsnl d Mrinh do Rio d Jniro E-mil: vinn@mrj.mr.mil.br RESUMO No início do século XXI, otimizção

Leia mais

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial Rlatório final d Instrumntação d Ensino F-809 /11/00 Wllington Akira Iwamoto Orintador: Richard Landrs Instituto d Física Glb Wataghin, Unicamp Estudo da Transmissão d Sinal m um Cabo co-axial OBJETIVO

Leia mais

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDDE FEDERL DO RIO GRNDE DO SUL ESCOL DE ENGENHRI DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PROJETO DE PILRES DE CONCRETO RMDO MÉRICO CMPOS FILHO 014 SUMÁRIO 1 Dimnsõs... 1 1.1 Dimnsõs mínimas das sçõs transvrsais

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

a b TERMOLOGIA 1- Definição É o ramo da física que estuda os efeitos e as trocas de calor entre os corpos.

a b TERMOLOGIA 1- Definição É o ramo da física que estuda os efeitos e as trocas de calor entre os corpos. TERMOLOGI 1- Dfinição É o ramo da física qu studa os fitos as trocas d calor ntr os corpos. 2- Tmpratura É a mdida do grau d agitação d suas moléculas 8- Rlação ntr as scalas trmométricas Corpo Qunt Grand

Leia mais

Projetos de um forno elétrico de resistência

Projetos de um forno elétrico de resistência Projtos d um forno létrico d rsistência A potência para um dtrminado forno dpnd do volum da câmara sua tmpratura, spssura condutividad térmica do isolamnto do tmpo para alcançar ssa tmpratura. Um método

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

Caracterização do processo de rigor mortis em músculos de cordeiros e carneiros da raça Santa Inês e maciez da carne *

Caracterização do processo de rigor mortis em músculos de cordeiros e carneiros da raça Santa Inês e maciez da carne * Act Scinti Vtrinri. 32(1): 25-31, 2004. ORIGINAL ARTICLE Pub. 576 ISSN 1679-9216 Crctrizção do procsso d rigor mortis m músculos d cordiros crniros d rç Snt Inês mciz d crn * Chrctriztion of rigor mortis

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Estes resultados podem ser obtidos através da regra da mão direita.

Estes resultados podem ser obtidos através da regra da mão direita. Produto toril ou produto trno Notção: Propridds Intnsidd: Sntido: ntiomuttiidd: Distriutio m rlção à dição: Não é ssoitios pois, m grl, Cso prtiulr: Pr tors dfinidos m oordnds rtsins: Ests rsultdos podm

Leia mais

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO.

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO. ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO - Estrutura - Engnhiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalbrto1@trra.com.br Introdução projto xcução basados m normas técnicas, psquisa prática

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO Físic Gerl I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protocolos ds Auls Prátics 003 / 004 ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO. Resumo Corpos de diferentes forms deslocm-se, sem deslizr, o longo de um

Leia mais

Armaduras de Pele para Blocos de Concreto Armado

Armaduras de Pele para Blocos de Concreto Armado Armaduras d Pl para Blocos d Conto Armado José Milton d Araújo 1 Rsumo Os grands blocos d fundação dos difícios das ponts podm aprsntar fissuras suprficiais já nas primiras horas após a contagm. Em virtud

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Física III Escola Politécnica GABARITO DA P1 2 de abril de 2014

Física III Escola Politécnica GABARITO DA P1 2 de abril de 2014 Físic III - 430301 Escol Politécnic - 014 GABARITO DA P1 de bril de 014 Questão 1 Um brr semi-infinit, mostrd n figur o longo do ldo positivo do eixo horizontl x, possui crg positiv homogenemente distribuíd

Leia mais

Letra Letra Algarismo Algarismo Algarismo Letra Letra. Possibilidades

Letra Letra Algarismo Algarismo Algarismo Letra Letra. Possibilidades REOLUÇÃO A AVALIAÇÃO UNIDADE III - COLÉGIO ANCHIETA-BA PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA ELABORAÇÃO PEQUIA: PROF. ADRIANO CARIBÉ WALTER PORTO. - - UNEP-Adptd) Está prvisto qu, prtir d º d jniro d 7, ntrrá

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO SISTEMA CONSTRUTIVO PAREDES DE CONCRETO NBR60 PAREDES DE CONCRETO Sistma construtivo m qu as lajs as pards são moldadas m conjunto, formando um lmnto monolítico.

Leia mais

FORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA

FORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA 1 ORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA A rod é o elemento de vínculo entre o veículo e vi de tráfego que permite o deslocmento longitudinl, suportndo crg verticl e limitndo o movimento lterl. Este elemento

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida. 9 ENSINO 9-º no Mtemátic FUNDMENTL tividdes complementres Este mteril é um complemento d obr Mtemátic 9 Pr Viver Juntos. Reprodução permitid somente pr uso escolr. Vend proibid. Smuel Csl Cpítulo 6 Rzões

Leia mais

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis Sã Pul cpt mir prt s fluxs rs, cm mstr zn influênci ptncil, rginl, lcl s rprts Ri Jnir, vis-vis principis rprts vizinhs - Sã Pul, Mins Gris Espírit Snt 148 Sã ftrs strtgics ligs rprts n snvlvimnt rginl

Leia mais

ESTUDO DA TRANSMISSÃO DE CALOR RADIANTE E CONVECTIVO EM CILINDROS CONCÊNTRICOS PELOS MÉTODOS DE MONTE CARLO E RESÍDUOS PONDERADOS.

ESTUDO DA TRANSMISSÃO DE CALOR RADIANTE E CONVECTIVO EM CILINDROS CONCÊNTRICOS PELOS MÉTODOS DE MONTE CARLO E RESÍDUOS PONDERADOS. ESTUDO DA TRANSMISSÃO DE CALOR RADIANTE E CONVECTIVO EM CILINDROS CONCÊNTRICOS PELOS MÉTODOS DE MONTE CARLO E RESÍDUOS PONDERADOS. Carlos Albrto d Almida Villa Univrsidad Estadual d Campinas - UNICAMP

Leia mais

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS.

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS. Definições. Forçs Interns. Forçs Externs. ESTÁTIC DO SISTEM DE SÓLIDOS. (Nóbreg, 1980) o sistem de sólidos denomin-se estrutur cuj finlidde é suportr ou trnsferir forçs. São quels em que ção e reção, pertencem

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

Representação de Números no Computador e Erros

Representação de Números no Computador e Erros Rprsntação d Númros no Computador Erros Anális Numérica Patrícia Ribiro Artur igul Cruz Escola Suprior d Tcnologia Instituto Politécnico d Stúbal 2015/2016 1 1 vrsão 23 d Fvriro d 2017 Contúdo 1 Introdução...................................

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora Edital V Mostra LEME d Fotografia Film Etnográficos 5º SEMINÁRIO DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS EM MOVIMENTOS ÉTNICOS - LEME 19 a 21 d stmbro d 2012 Univrsidad Fdral do Rcôncavo da Bahia Cachoira-BA O 5º Sminário

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE ÁCIDO-BASE - CÁLCULOS DE ph

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE ÁCIDO-BASE - CÁLCULOS DE ph Rsolução d fich d Trblho Cálculos d ph PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE ÁCIDO-BASE - CÁLCULOS DE ph 1. 1.1. Signific qu ist 97 g d H SO 4 m 0 g d solução. 1.. H O(l)? m m % m Ac sol. 1,84

Leia mais

Oitavo Ano. Autor: Prof. Ulisses Lima Parente Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto. Portal da OBMEP

Oitavo Ano. Autor: Prof. Ulisses Lima Parente Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto. Portal da OBMEP Mtril Tórico - Módulo Frçõs Algébrics Oprçõs Básics Oitvo Ano Autor: rof. Ulisss Lim rnt Rvisor: rof. Antonio Cminh M. Nto ortl d OBME Simplificção d frçõs lgébrics Um frção lgébric é um xprssão lgébric

Leia mais

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica Cpítuo 5 Vigs sobre bse eástic Este cpítuo vi presentr s bses pr o estudo estático e eástico d fexão simpes de vigs suportds diretmente peo terreno (ue constitui, então, num poio eástico contínuo pr ests

Leia mais

Solução: log. 04. Se Z C, então z. 3 z. Solução: Se z C, então z 3 z z z z é igual a: Sabemos que: Portanto

Solução: log. 04. Se Z C, então z. 3 z. Solução: Se z C, então z 3 z z z z é igual a: Sabemos que: Portanto Qustõs Objtivs. Ds firmçõs: I., y R \ Q, com y, ntão + y R \ Q; II. Q y R \ Q, ntão y R \ Q; III. jm, b, c R, com < b < c. f: [, c] [, b] é sobrjtor, ntão f não é injtor, é (são) vrddir(s) n log log n

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE TRABALHO SOBRE SOLUÇÕES TAMPÃO, HIDRÓLISE DE SAIS E TITULAÇÕES DE SOLUÇÕES ÁCIDAS E BÁSICAS

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE TRABALHO SOBRE SOLUÇÕES TAMPÃO, HIDRÓLISE DE SAIS E TITULAÇÕES DE SOLUÇÕES ÁCIDAS E BÁSICAS PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE TRABALHO SOBRE SOLUÇÕES TAMPÃO, HIDRÓLISE DE SAIS E TITULAÇÕES DE SOLUÇÕES ÁCIDAS E BÁSICAS 1. ph =? 5ºC 1.1. [CN = 0,049 mol/l (HCN) = 4,910 10 CN é um sl muito solúvl,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS. SET 410 Estruturas de concreto armado II

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS. SET 410 Estruturas de concreto armado II UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS SET 40 Estruturas d concrto armado II Turma - 008 Concrto armado: projto d pilars d acordo com a NBR

Leia mais

UNITAU APOSTILA. SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS

UNITAU APOSTILA. SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: blog.portlpositivo.com.br/cpitcr 1 SUCESSÃO OU SEQUENCIA NUMÉRICA Sucessão ou seqüênci

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

2º. Teste de Introdução à Mecânica dos Sólidos Engenharia Mecânica 25/09/ Pontos. 3 m 2 m 4 m Viga Bi Apoiada com Balanço

2º. Teste de Introdução à Mecânica dos Sólidos Engenharia Mecânica 25/09/ Pontos. 3 m 2 m 4 m Viga Bi Apoiada com Balanço 2º. Teste de Introdução à Mecânic dos Sólidos Engenhri Mecânic 25/09/2008 25 Pontos 1ª. Questão: eterminr os digrms de esforços solicitntes d Vig i-poid com blnço bixo. 40kN 30 0 150 kn 60 kn/m 3 m 2 m

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP Curso Básico de Fotogrmetri Digitl e Sistem LIDAR Irineu d Silv EESC - USP Bses Fundmentis d Fotogrmetri Divisão d fotogrmetri: A fotogrmetri pode ser dividid em 4 áres: Fotogrmetri Geométric; Fotogrmetri

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P 26 a Aula 20065 AMIV 26 Exponncial d matrizs smlhants Proposição 26 S A SJS ntão Dmonstração Tmos A SJS A % SJS SJS SJ % S ond A, S J são matrizs n n ", (com dt S 0), # S $ S, dond ; A & SJ % S SJS SJ

Leia mais