COMPUTERWORLD. Abril COMPUTERWORLD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPUTERWORLD. Abril 2011 - COMPUTERWORLD"

Transcrição

1 COMPUTERWORLD Abril 2011 Videoconferência As soluções para uma empresa usar videoconferência são múltiplas, embora nem todas com o mesmo nível de experiência e serviço. Mas apesar do que se poderia imaginar, a adopção nas empresas pode não ser muito linear, às vezes pelas razões mais caricatas. Pelo menos da perspectiva dos fornecedores de serviços e equipamento, as organizações portuguesas terão a sua infra-estrutura minimamente preparada para suportar videoconferência. Mas as que precisarem de aplicações ou funcionalidades mais sofisticadas terão de fazer investimentos adicionais. E isso exige cuidar de certos aspectos. O modelo de cloud computing pode dar uma grande ajuda e é uma solução a considerar. E, talvez para o mercado português, ainda a dar as primeiras espreitadelas, seja incontornável. Abril COMPUTERWORLD

2 2 Videoconferência Videoconferência segundo o orçamento Os transportes estão cada vez mais caros e, em tempos de crise, proíbem certas deslocações para a realização de reuniões. Mas as soluções para evitar as viagens são cada vez mais diversificadas. Apesar de haver opiniões em contrário, a maior parte das pessoas considera que não há substituto para as reuniões presenciais, para desenvolver uma ligação efectiva com clientes e colaboradores. Mas com os transportes cada vez mais caros (e menos agradáveis), torna-se menos viável ter reuniões presenciais para muitas empresas. Em sentido contrário, há cada vez mais soluções de videoconferência a preços diferenciados. Para quem puder pagar por elas, as experiências de videoconferência mais envolventes são proporcionadas por suítes de telepresença suportadas com tecnologias de ponta. Muitas vezes ocupam uma sala inteira, e incluem equipamentos altamente especializados, orçando acima dos 100 mil euros por sistema. Sem falar dos custos mensais de vários milhares de euros. Mas muitas grandes empresas nem piscam os olhos face a estes custos devido às economias que têm nas passagens aéreas. E também há vantagens mais técnicas, como o som cristalino, o vídeo de alta definição ou a possibilidade de gravar os encontros e colocar os participantes em assentos bastante confortáveis. Contudo, estes sistemas de topo são elevados para muitas organizações. A boa notícia é que hoje existem inúmeras opções para a realização de uma reunião virtual. É possível ter uma reunião de negócios profissional sem gastar muito dinheiro, utilizando apenas um computador com um microfone e uma webcam. E é já possível ter um sistema de médio porte com hardware próprio, mas sem ser necessária uma sala dedicada. Até mesmo o vídeo chat - ou plataformas de conversação com serviço gratuito -, que no passado muitas vezes oferecia sinal de vídeo instável ou sofria de problemas de latência (com o áudio a não estar sincronizado com o vídeo, além dos atrasos de sinal em ambos), melhorou muito nos últimos anos. Naturalmente, os sistemas gratuitos não devem ser associados a compromissos de prestação de serviços decorrentes de normas contratuais. Por outro lado, também os serviços mais caros não estão imunes a problemas deste tipo. Para descobrir qual a melhor opção de videoconferência para situações específicas, os laboratórios da IDG testaram uma série de serviços a todos os níveis: o Yahoo Messenger como simples plataforma de conversação online, plataformas para múltiplos utilizadores em simultâneo da Skype e da oovoo, o sistema dedicado a videoconferência da LifeSize, e as ofertas de telepresença, totalmente apetrechadas, da Polycom e da Cisco. Vídeo em plataformas de conversação Na extremidade inferior da escala está o vídeo das plataformas de mensagens instantâneas (IM). A COMPUTERWORLD - Abril 2011 principal vantagem das IM com vídeo é que qualquer pessoa pode usá-lo gratuitamente a partir de praticamente qualquer lugar. Um colega, fornecedor ou cliente pode fazer download rapidamente da ferramenta e estar a conversar numa questão de minutos, trocando mensagens instantâneas e tornando este sistema numa maneira menos sofisticada de realizar uma videoconferência. O Yahoo Messenger representa bem esta categoria, mas não é visivelmente diferente ou melhor do que outras plataformas cliente de suporte ao vídeo chat. Outros produtos neste espaço incluem o Windows Live Messenger, o AOL Instant Messenger ou o Paltalk. Yahoo Messenger O cliente do Yahoo IM suporta o velho ditado "você recebe o que paga." O serviço não custa nada e, sem surpresa, não está exactamente posicionado para competir com sistemas de videoconferência apetrechados como o LifeSize. Para os testes, o Yahoo Messenger foi usado em quatro lugares diferentes: num avião, em casa, no escritório e numa biblioteca pública. Curiosamente, o serviço adequou-se muito rapidamente à qualidade da ligação. Tanto numa de 8 Mbps, com modem de cabo, como noutra de até 2 Mbps, o fluxo de vídeo foi suave. Numa biblioteca com ligação DSL a 1 Mbits partilhada com outros utilizadores, o video chat até funcionou sem problemas, sem quaisquer interrupções ou problemas de latência, mas a qualidade da imagem caiu drasticamente - a imagem parecia irregular e difusa. E, num avião, o fluxo de vídeo do Yahoo Messenger funcionou, mas ainda com mais interrupções, presumivelmente porque o serviço da United Airlines se destina principalmente a tarefas mais leves como o e a navegação na Web. Ter vídeo de menor qualidade mas com um fluxo de imagens mais estável é melhor do que ter imagens de grande qualidade, mas várias vezes interrompidas. Pelo menos nesta situação, os receptores poderão acompanhar o discurso do emissor. O Yahoo Messenger serve estritamente para uma conversação entre duas pessoas, embora permita também enviar links, documentos ou fotos durante uma conversa. O serviço de vídeo funciona no estrangeiro, o que nem sempre acontece com muitos sistemas de videoconferência de gama média. Em resumo O analista do Yankee Group, Benoît Felten, que cobre a área de videoconferência, considera que o vídeo sobre sistemas de mensagens instantâneas é o mais adequado para as reuniões imprevistas, nas quais se precisa de elementos visuais e de colaboração, que um telefonema ou mensagem instantânea normal não consegue proporcionar. No entanto, admite que muitas empresas olham para este tipo de solução como supérflua. "Muitas empresas acreditam que agora - com ou sem razão a comunicação por vídeo, de pessoa para pessoa, é um gadget", diz. Videoconferência em desktop Subindo um nível, há os serviços que oferecem uma maneira de incluir mais duas pessoas na plataforma de conversação. Alguns serviços oferecem recursos suplementares, como gravação de conferências, fluxos de vídeo de alta definição e algumas funções administrativas, mas carecem de uma infra-estrutura de rede capaz de garantir a fluidez do vídeo. A categoria inclui serviços como o oovoo, o SightSpeed e a plataforma de vídeo de cinco vias da Skype. Para este trabalho, a IDG testou o Skype e o oovoo. Skype A Skype começou a disponibilizar um serviço de vi-

3 Videoconferência 3 deoconferência para grupos em edições beta da versão 5.0 da sua plataforma. Para o trabalho foi testada a plataforma de cinco vias mas, actualmente, a Beta 2 do Skype 5.0 suporta 10 vias - embora o fornecedor sugira a limitação a cinco participantes durante o período beta. A plataforma capaz de suportar a comunicação em grupo está disponível para computadores com sistemas operativos Windows e Mac. Esta oferta da Skype tem alguma vantagem sobre as plataformas de conversação, mas geralmente oferece a mesma qualidade a imagem do serviço parece menos nítida do que a de um fluxo de vídeo em alta definição. O Skype tem a maior base de utilizadores de qualquer operadora de voz 560 milhões, de acordo com o seu mais recente balanço trimestral, por isso é muito provável que os clientes empresariais e os colegas já tenham a aplicação instalada. Para testar a plataforma foi feita uma ligação a quatro utilizadores de vídeo do Skype e ainda se acrescentaram mais dois participantes Skype só com som. Usou-se uma ligação de 3 Mbps e outras em linhas empresariais T1. Na maior parte dos casos, o Skype funcionou bem nas plataformas de vídeo. A qualidade da cor não era tão elevada quanto a do serviço oovoo mas manteve um fluxo de vídeo suave e consistente em todos os momentos, sem vacilar. O Skype sacrifica frequentemente a qualidade para manter a ligação - ou seja, a imagem aparece muitas vezes desfocada ou pixelizada mas isso é um bom compromisso. A interface do Skype é muito familiar e fácil de usar quando se está habituado a usar o Skype para chamadas de áudio, os recursos de vídeo são facilmente acessíveis, com controlos óbvios de início e conclusão de chamadas. Ao contrário do oovoo, no entanto, o Skype não permite a partilha de ecrã durante conversas em grupo ou a capacidade de gravar as chamadas recurso previsto para um futuro lançamento, segundo a empresa. As conversas de vídeo entre duas pessoas no Skype são gratuitas, enquanto para as chamadas de vídeo de grupo é necessário que pelo menos um dos utilizadores tenha uma assinatura do Skype Premium. O Skype também oferece uma versão comercial do serviço com uma ferramenta de gestão que lhe permite controlar vários recursos, monitorizar o uso e a distribuição de créditos de chamadas aos funcionários. Essa versão também inclui uma versão beta do recurso para grupos, a partir de 8,99 dólares, ou 6,1 euros por mês. Pagando-se uma taxa suplementar, obtém-se correio de voz e recursos de negócios, como o encaminhamento de chamadas dentro do local de trabalho. O preço varia de acordo com os serviços. Felten, do Yankee Group, diz que o Skype é uma ferramenta útil mas imperfeita. Para os clientes empresariais, cai na mesma categoria do Yahoo Messenger por não oferecer uma experiência de telepresença imersiva. E, como outros serviços de videoconferência desktop, o Skype é dependente das ligações aos participantes em vez de ter uma infra-estrutura de rede centralizada de controlo de qualidade e latência. Assim, a qualidade pode ser má para todos os participantes, quando se usam ligações de pequena largura de banda. "Os sinais visuais só são úteis se forem em tempo real", considera Felten. "Numa teleconferência clássica com pistas de som, é difícil perceber imediatamente que se está a falar. O vídeo pode ajudar, mas apenas se o áudio e vídeo estão em perfeita sincronia. O facto é que usando cinco fluxos de vídeo Skype numa ligação de banda larga comum, a qualidade não é geralmente afectada". oovoo O serviço de chamada de vídeo da oovoo funciona com sistemas Windows e Mac e suporta videoconferência de seis vias. Também permite adicionar até seis chamadas adicionais de áudio para um total de 12 participantes. A qualidade do serviço da oovoo é visivelmente superior à do Yahoo Messenger e do Skype. Usando uma ligação de 3 Mbps, foram feitas seis chamadas de vídeo e duas de áudio em simultâneo. O serviço mantém um fluxo de imagens limpo durante grande parte do tempo, sem a aparência irregular do Yahoo Messenger, e a qualidade da cor é visivelmente melhor do que no Skype e Yahoo Messenger. No entanto, a Skype faz um trabalho melhor ao garantir que a ligação não se perde, mesmo com quebras de qualidade durante as videoconferências. No OoVoo, o fluxo de imagens é interrompido ocasionalmente por meio segundo. E o OoVoo acrescenta algumas características não encontradas noutras ferramentas de videoconferência a partir do desktop. Com os produtos do topo de gama para videoconferência e telepresença, muitas vezes é possível gravar uma reunião e guardá-la para fins de formação. O oovoo oferece esta mesma funcionalidade com o simples clicar de um botão. Suporta a utilização do Twitter para envio de convites de reunião e até permite convidar pessoas que não têm o software oovoo instalado para participarem em comunicações de vídeo utilizando um browser. A OoVoo oferece conversas por vídeo de pessoa para pessoa. Só se paga para juntar mais participantes. Os planos para empresas começam nos 39,39 dólares, cerca de 27,6 euros, sendo possível adicionar alguns extras, como serviço de hierarquização de clientes e a capacidade de partilha de ecrãs. Em geral, o oovoo é uma boa opção para empresas que precisam de videoconferência. Oferece boa qualidade de imagem para quem já tem uma ligação de banda larga bastante rápida mas não pode pagar um sistema sofisticado de videoconferência ou de telepresença. Em resumo Roopam Jain, analista principal para o mercado de conferência e colaboração da Frost & Sullivan, diz que as ferramentas de videoconferência para desktop como a oovoo são uma boa opção para "reuniões focadas em conteúdo", como mostrar um folheto de vendas a um parceiro de negócios ou demonstrar um protótipo. Essas opções de baixo custo são adequadas a empresas "sem capacidade de rede e ferramentas para implantar videoconferência de alta qualidade em larga escala por detrás da firewall ", diz. Sistemas modulares de videoconferência Ao contrário dos sistemas de videoconferência para desktop, as suítes modulares usam configurações especializadas de hardware que se ligam a um televisor de alta definição e geralmente incluem vários componentes, como descodificador e câmara de vídeo também de alta definição. Enquanto alguns sistemas modulares se destinam ao uso individual, outros foram concebidos para serem usados em salas de reunião por vários participantes. Como seria de esperar, são mais caros que os produtos de videoconferência de desktop, mas muito mais acessíveis do que os sistemas de telepresença. O sistema de videoconferência LifeSize Passport, é um bom exemplo. Mas há alguns fornecedores de telepresença, como a Tandberg/Cisco e a Polycom, com sistemas modulares na sua oferta. Passaporte LifeSize A LifeSize Communications, divisão da Logitech, oferece múltiplos produtos de videoconferência, Abril COMPUTERWORLD

4 4 Videoconferência desde aplicações de vídeo para desktop a sistemas de videoconferência de oito vias. O sistema LifeSize Passport consiste numa câmara capaz de transmitir vídeo a 720p a 30 imagens por segundo (fps) e um dispositivo descodificador capaz de se ligar à televisão de alta definição, através de um cabo HDMI. Como o serviço não é executado no computador, não há software para instalar. E porque os participantes não estão a usar os seus próprios computadores, torna-se necessário usar pelo menos dois sistemas para cada empresa. O sistema Passport suporta apenas duas vias para chamadas de vídeo mas outros sistemas LifeSize podem acomodar mais participantes. Quando se liga a um outro sistema LifeSize, tornamo-nos um cliente desse anfitrião ( host ) e podem ser ligadas quantas pessoas o anfitrião suportar. Assim, no teste, embora dois outros participantes estivessem a usar sistemas Passport, estavam conectados a um sistema host LifeSize Express para uma chamada de vídeo de quatro vias. A unidade do sistema Passport, que custa perto de 2500 dólares, perto de 1700 euros, sem taxas adicionais de serviço, funcionou muito bem. Não há problemas com mais ecrãs porque se está a usar uma ligação de um ponto para outro entre terminais LifeSize.Não se está a usar o sistema operativo Windows nem Mac. A qualidade do fluxo de imagens foi mais suave e mais consistente do que no Yahoo Messenger, Skype ou oovoo. Foi testada numa ligação a 3 Mbps em ligação doméstica para o dispositivo anfitrião, com os outros dois participantes a usarem ligações empresariais T1. Configurar o sistema é fácil - basta activar o descodificador e a câmara, e ligar a um monitor de alta definição. Para fazer uma chamada, digita-se o endereço IP único do descodificador anfitrião. É possível gravar videoconferências no LifeSize e hospedá-los em Videocenter.lifesize.com. Mediante a instalação de uma aplicação no computador e uma ligação ao descodificador é possível partilhar o ecrã durante uma videoconferência. Os produtos LifeSize são mais interoperacionais com os sistemas de videoconferência do que com serviços de vídeo para desktop. Suportam a norma IMTC (International Multimedia Teleconference Consortium) e, por isso, é possível usar sistemas LifeSize com sistemas de telepresença da Sony ou da Tandberg, por exemplo. No entanto, a Cisco e os sistemas de telepresença da Polycom analisados mais adiante não suportam a IMTC e, portanto, não funcionam com o LifeSize. O LifeSize também inclui um cliente Skype no sistema Passport para que se possa ligar a utilizadores do Skype, embora não seja possível realizar uma videoconferência a 10 vias. Empresas que investem no software de gestão Life- Size Control conseguem gerir reuniões, ver os relatórios sobre a utilização do sistema e configurar os níveis de segurança para todas as chamadas de videoconferência. O software também se pode integrar com o Microsoft Outlook ou com o Google Calendar (mas não com o Lotus Notes) para que os COMPUTERWORLD - Abril 2011 utilizadores possam marcar reuniões a partir de um computador, accionando automaticamente uma videoconferência para todos os participantes. O software LifeSize Control corre em Windows Server 2003 SP2 ou 2008 R2. Apesar de tudo, o sistema LifeSize tem um aspecto negativo: a ferramenta de videoconferência utiliza a abordagem tradicional de um produto de hardware ligado a um televisor, o que pode parecer curioso para o utilizador empresarial típico. Embora exista uma consola de gestão e de partilha de ecrã, estes são adições ao produto de base que deve ser instalado no seu computador e configurado separadamente. Em resumo Robert Mason, analista do Gartner Group dedicado ao mercado da videoconferência, diz que os sistemas modulares, como os oferecidos pela LifeSize são uma boa opção para empresas com uma força de trabalho distribuída. Especialmente aquelas que não querem ter salas de videoconferência dedicadas nos escritórios regionais ou no edifício-sede. Os sistemas modulares são para aquelas que "querem maximizar a qualidade da experiência imersiva, mas não investem em salas", diz Mason. As salas de telepresença No topo da oferta de mercado de videoconferência, os sistemas de telepresença imersiva exigem salas de reuniões dedicadas a um conjunto de hardware concebido para proporcionar o mais parecido com um encontro cara-a-cara. Os líderes neste mercado incluem gigantes das TIC como a Cisco, a HP e a Polycom. Para este trabalho foram testados o Tele- Presence System, da Cisco, e o RealPresence, da Polycom. TelePresence System A Cisco é capaz de fornecer a infra-estrutura de rede necessária para fazer o seu sistema de telepresença funcionar muito bem. Mas, nos testes, a experiência com o TelePresence System foi classificada um pouco abaixo da experiência proporcionada pela Polycom. A plataforma usada foi de gama média, o CTS 3000, para seis pessoas em Bloomington, no Minnesota (EUA). Os mesmos monitores LCD e equipamentos são utilizados na sua oferta para 18 pessoas, o CTS A Cisco utiliza três ecrãs LCD de 65 polegadas. Proporcionam uma resolução de 1080p a 30 imagens por segundo. Nos testes, a qualidade do vídeo carecia de vivacidade e brilho: os movimentos das mãos e gestos eram suaves mas menos realistas do que na experiência obtida com a suite da Polycom. A cor não era tão brilhante, nem a nitidez. Combinar uma sessão no CTS é extremamente fácil.

5 Videoconferência 5 O CTS 3000 integra-se directamente em Lotus Notes e Microsoft Outlook. À medida que se agenda uma reunião num desses clientes, basta adicionar as salas de telepresença para a reunião e os sistemas de back-end automaticamente configuram a ligação e colocam um aviso de reunião no telefone da sala. Para iniciar a reunião, basta tocar no aviso de convocatória no telefone. (Também se pode digitar um número vinculado directamente a cada suíte). A Cisco defende especificações mais rígidas do que a Polycom para as suas salas de telepresença: recomenda a mesma cor creme para todas as salas, com exactamente as mesmas cadeiras e a mesma iluminação. Uma luz sobre o LCD acrescenta um brilho suave do outro lado da sala, e esta iluminação uniforme dá aos participantes um olhar realista, como se eles realmente estivessem sentados na mesma sala. Alguns toques interessantes dão maior brilho à experiência de reunião virtual. É possível ligar um portátil, mas não existem monitores adicionais na sala. Em vez disso, o ecrã é projectado logo abaixo dos ecrãs LCD principais, mantendo o foco para a frente e comprometido com a reunião. Um ícone aparece nos ecrãs LCD para indicar que o portátil está ligado. A Cisco detém 40 patentes relacionadas com telepresença, incluindo 20 apenas para som (como uma técnica de cancelamento de eco que ajuda a tornar o som mais realista). Tal como na oferta Polycom, a suite da Cisco fez um excelente trabalho para tornar o som realista. Por exemplo, se alguém está a falar para a sua esquerda, o som vem dessa direcção. A Cisco oferece uma grande variedade de produtos de videoconferência, os quais podem integrar-se todos com a suíte CTS. Durante uma demonstração, a sala estava ligada a outro conjunto de CTS em San José, na Califórnia, com um sistema EX90 e a uma sala de telepresença T3 da Tandberg, tudo ao mesmo tempo. (A Cisco adquiriu a Tandberg em Abril de 2010.) Os preços dos sistemas de telepresença da Cisco são geralmente menores do que os das suites da Polycom. As taxas mensais de manutenção e suporte variam de acordo com a implantação nas empresas. Felten diz que a Cisco oferece aos clientes da empresa uma vantagem distinta sobre outros fornecedores de telepresença, devido ao simples facto de ter tantos sistemas instalados - cerca de 800 em todo o mundo. Isso significa que escolher a Cisco pode oferecer a capacidade de se conectar com mais suites de telepresença, incluindo aquelas dos hotéis. E a Cisco é o prestador de serviços para o backbone da rede de telepresença, mesmo para os sistemas que não são da Cisco, diz. RealPresence Experience (RPX, da Polycom) A sala de telepresença da Polycom parece mais realista do que a da Cisco e será a primeira escolha para as grandes empresas que exigem qualidade absoluta para as suas reuniões de negócios virtuais. A RealPresence Experience (RPX) High Definition 400 Series foi testada em San Jose (na Califórnia, EUA). Curiosamente, usa uma definição de vídeo a 720p mais baixa do que os 1080p usada nas suítes de telepresença da Cisco. Contudo, funciona a 60 fps em vez dos 30 fps da Cisco. Assim, os movimentos das mãos e do corpo foram apenas um pouco mais realistas do que na sala de telepresença da Cisco. O sistema também foi testado a 1080p, que corre a 30 fps. Embora a imagem aparecesse com mais cor e nítida, os movimentos da mão e outros gestos não eram tão realistas. A qualidade da cor, extremamente importante para a extensão realista de um posto de conferência para o outro, foi excelente. A posição da câmara é perfeita para encontros cara-a-cara: era possível olhar bem nos olhos de um interlocutor e ele olhar de volta. A sala de telepresença da Cisco ficou um pouco aquém neste aspecto. O RPX 400 Series utiliza quatro monitores de 48 polegadas de retroprojecção, todos montados numa parede de vídeo ( videowall ), com costuras quase imperceptíveis entre eles. (Há também uma opção para oito fontes de vídeo). A Polycom faz um excelente trabalho de sincronização da iluminação em cada sala com as câmaras, feitas por encomenda pela Sony para a sala de telepresença. Isto significa que raramente existem diferenças de cintilação ou de iluminação entre as salas. Cada suíte possui quatro monitores de 17 polegadas. Aos monitores LCD montados é possível ligar um portátil, que aparece no ecrã LCD local e nas outras salas de conferências, para se poder partilhar informação gráfica nos ecrãs. Por uma taxa anual, a Polycom pode tratar da agenda de reuniões e monitorizar os quartos para garantir que todos estão ligados e pode haver uma webcam suplementar em cada suíte para os administradores acompanharem as reuniões. A Polycom não é tão rígida nas especificações sobre a sala como Cisco. E, por exemplo, não exige que a pintura da sala seja exactamente a mesma para cada sala. Como as CTS da Cisco, a RPX da Polycom funciona com o Outlook e o Notes para suportar o fácil agendamento de reuniões. No entanto, a infra-estrutura de back-end da Cisco é, normalmente, muito mais robusta do que a da Polycom. Nos testes, as ligações de vídeo da Cisco foram sempre fáceis. Com a Polycom, houve algumas falhas menores, nomeadamente com o seu codec de vídeo (o software usado para comprimir vídeo para distribuição na rede). Por outro lado, Elliot Gold, presidente da consultora Telespan Publishing, dá nota alta à capacidade de interoperacionalidade deste sistema: "a vantagem da Polycom é ter sistemas totalmente baseados em normas que os tornam interoperacionais, não apenas com novos sistemas mas também com os sistemas legados, instalados na última década". Os preços para as suítes da Polycom são geralmente superiores às de telepresença da Cisco. As plataformas Serie 400, com capacidade máxima de 18 pessoas, custam cerca de 600 mil dólares, cerca de 414 mil euros. Uma sala com um videowall de dois ecrãs para quatro pessoas custa cerca de 450 mil dólares, pouco mais de 310 mil euros. Os custos de manutenção mensal e suporte variam consoante o nível contratado. A Polycom oferece também contratos de arrendamento de instalações de telepresença e diz que o preço varia de acordo com o modelo e a oferta de serviços. Em resumo Quem deve optar por salas de telepresença? Gold diz que estas soluções são concebidas para o escalão mais elevado das grandes empresas que não precisam de portabilidade e podem suportar os custos do equipamento de vídeo e das adaptações das salas. A telepresença "representa o nível mais elevado da experiência de comunicação visual", acrescenta Jain. "Se uma empresa tiver orçamento, infra-estrutura de rede e largura de banda, a telepresença imersiva pode proporcionar uma experiência de comunicação de alto nível, com um ROI rápido". Seja qual for o orçamento, há uma opção de videoconferência capaz de beneficiar a actividade da sua empresa: desde a facilidade inicial do Yahoo, para uma rápida conversa com um colega, até utilizar um sistema baseado em salas modulares para uma demonstração de produto ou realização de uma reunião formal de 20 pessoas com executivos num escritório em Singapura.<CW Abril COMPUTERWORLD

6 6 Videoconferência Etapas para uma implementação bem sucedida nas PME A videoconferência tornou-se móvel. Basta ver o último iphone. Embora os consumidores individuais tenham agora videoconferência na ponta dos dedos, muitas PME ainda estão a usar outros modelos de comunicação. E, em muitos casos, as mensagens instantâneas não são suficientes, os e- mails parecem inexpressivos e os telefonemas são apressados. Ao contrário de outras soluções, a videoconferência suporta reuniões cara-a-cara sem o custo ou inconveniência de viajar. Além disso, um sistema de videoconferência pode aliviar mais do que as pressões da viagem - pode igualmente reduzir custos operacionais e oferecer oportunidades de formação à distância, ao mesmo tempo com uma melhoria da qualidade das interações. Fazer a mudança para a videoconferência pode ser perturbador e as PME, ao considerarem a adopção desta tecnologia, devem ter em conta vários aspectos. Escolha do sistema Os tipos de sistemas de videoconferência englobam desde a gama de sistemas de telepresença imersiva às aplicações baseadas em PC, todos com diferentes custos e benefícios. Determinar a melhor relação entre os dois aspectos exige uma compreensão clara das expectativas dos membros da organização e os factores de negócio por detrás da implementação da solução. Se o fim pretendido é a comunicação entre executivos, possivelmente será preferível optar por uma elevada qualidade de vídeo. Se, no entanto, uma empresa quer usar o sistema de colaboração de vídeo "de muitos para muitos", com vários utilizadores em locais separados, então a solução com definição de vídeo mais básica será a escolha mais lógica. A escolha de um sistema de videoconferência também depende do tamanho da sala, da audiência e do nível de experiência do utilizador. Para uma grande sala de conferências, certifique-se de que o sistema consegue suportar movimentos de câmara panorâmicos, verticais e de zoom, além de suportar vários monitores e microfones. Se o sistema tiver vários terminais, é importante considerar uma aplicação de gestão de conferência com várias fontes de vídeo, assim como capacidades de gravação, integrada com firewall. A aceitação dos membros da organização A videoconferência pode sobrecarregar significativamente a rede, exigindo níveis mais altos de prioridade e afectando a qualidade de serviço (QoS) de outras aplicações. Antes de embarcar numa implantação de videoconferência em larga escala, é necessário uma avaliação da rede para garantir que é bastante robusta e tem um sistema de QoS capacitado para hierarquizar o tráfego de forma adequada. Embora uma avaliação completa não seja necessária para acrescentar recursos de videoconferência, é altamente recomendada. Demonstrar o elevado valor e um retorno sobre o investimento (ROI) rápido, acelera muitas vezes um projecto empresarial e as alterações nos sistemas informáticos. Para ganhar a aceitação dos executivos, as PME devem definir claramente o ROI desde o início, incluindo custos, incrementos de produtividade e COMPUTERWORLD - Abril 2011 um cronograma para alcançar as poupanças. Implantação efectiva Entender as necessidades únicas do negócio é apenas o começo. É preciso ainda escolher um sistema de gestão e obter o apoio da administração.como qualquer introdução de novas tecnologias, o seu sucesso depende de um planeamento adequado. Aqui estão alguns aspectos-chave: Identificar os pontos de instalação Implantar a tecnologia nos locais (por exemplo, escritórios ou salas de conferências), considerando onde se vai tirar o máximo proveito da plataforma, quem aproveitará melhor e qual a finalidade de a ter nesse sítio. No estudo das localizações, é importante documentar configurações de rede e de sistemas para aumentar a velocidade na resolução dos problemas. Teste de rede e de sistema Tanto no caso de terem sido feitas alterações para aumentar a largura de banda, acelerar a capacidade de resposta ou melhorar o acesso dedicado, a rede deve ser testada. Em seguida, é importante testar o sistema em cada local de instalação, considerando as diferentes finalidades. Uma vez confirmado o padrão de uso dos sistemas de teleconferência, a realização alargada de testes pode ajudar a determinar se as configurações actuais suportam futuras funcionalidades, como a actualização de recursos de videoconferência ou a expansão das capacidades da organização. Desenvolver planos de formação de pessoal, de agendamento e de suporte à medida Apesar dos potenciais benefícios de uma nova tecnologia, os utilizadores inexperientes não devem usar o sistema imediatamente. A integração harmoniosa exige o planeamento do suporte back-end. Mais importante, os utilizadores devem compreender como e quando usar o sistema. Além disso, uma gestão de agenda adequada minimiza o conflito em sistemas de múltiplos utilizadores. Finalmente, compreender como as TI suportaram o sistema e comunicar essa informação aos utilizadores ajuda a reduzir a incerteza e a gerir as expectativas. Evitar armadilhas habituais Trabalhar com um parceiro de tecnologia experiente tem os seus benefícios nomeadamente porque eles sabem dos "pontos críticos" e como lidar com eles ou os evitar. Aqui estão os erros mais comuns: - Adoptar a tecnologia "apenas porque sim": adquirir o apoio institucional ou dos executivos antes de empreender um projecto garante que todos estão confortáveis com o porquê da aplicação. Não assegurar os apoios necessários compromete o sucesso do projecto a longo prazo. - Esquecer-se da infra-estrutura básica necessária para suportar a tecnologia: é fácil ficar animado com a tecnologia de front-office e esquecer a infra-estrutura que a capacita. Não faça atalhos ao tratar da infra-estrutura. Quando as organizações falham em garantir que a rede pode suportar o novo sistema, o resultado pode ser de má qualidade e uma experiência geral do utilizador abaixo do normal. - Acreditar que o sistema será rapidamente adoptado: faz parte da responsabilidade do departamento de TI conduzir a adopção de novas tecnologias pelo utilizador no dia-a-dia. Não presuma que os utilizadores vão abraçar a aplicação de imediato, sem qualquer compreensão ou incentivo. - Focar-se no pormenor em vez do geral: ter um planeamento e expectativas adequadas garante que o inesperado, como fios defeituosos ou um mau funcionamento do computador, nunca vão obrigar a um desvio do objectivo central. Em última análise, a implantação de um sistema de videoconferência não é diferente da instalação de outras novas tecnologias: comunicar o propósito e os benefícios antecipadamente garante que os utilizadores obtêm todos os potenciais ganhos quando o sistema estiver a funcionar. Ao seguir estes passos e focando-se em metas concretas, a videoconferência pode ser uma ferramenta de comunicação altamente eficaz. Haverá sempre alguns tropeções pelo caminho, mas, se forem antecipados, o resultado final corresponderá às expectativas.<cw

7 PUB Comunicações Unificadas 7 Fevereiro COMPUTERWORLD

8 8 Videoconferência A infra-estrutura face às expectativas Suportar as expectativas com investimento em infra-estrutura e funcionalidades está no centro da análise da necessidade de fazer mais ou menos gastos iniciais. Grande parte das empresas portuguesas já tem infra-estrutura capaz de suportar videoconferência sem grande investimento adicional, de acordo com vários responsáveis da indústria. Isso depende naturalmente do grau de evolução tecnológica da organização e do nível mais ou menos sofisticado da plataforma a usar. Além disso, a experiência pretendida e as expectativas têm uma palavra a dizer. A videoconferência é uma aplicação de comunicação em tempo real que requer uma boa infra-estrutura, disponibilidade de serviço e mecanismos que minimizem a sua congestão, lembra Luís Martins, da Syncrea. No entanto, tanto por já existirem infra-estruturas de qualidade, como recorrendo a mecanismos que os próprios fabricantes incorporam nas suas soluções - tornando-as mais imunes à influência da rede (tais como o AMC Adaptive Motion Control e o FEC-Forward Error Correction) -, é possível, sem grande investimento, implementar plataformas de videoconferência, diz. Na visão da PT, o grau de sofisticação das soluções actuais permite adaptar as mesmas às infra-estruturas existentes nas organizações, sem a necessidade de investimentos adicionais. Segundo João Gonçalves, da Cisco, a qualidade das redes LAN e WAN disponibilizadas pelos operadores nos últimos anos tem vindo a melhorar muito. Nas últimas, o responsável considera que Portugal é um bom exemplo de implantação de fibra pelos operadores. Mesmo assim, a Optimus considera que a proliferação de ligações de alta velocidade nas várias tecnologias, fixas ou móveis, que hoje existem ou se avizinham, serão determinantes para acomodar o tráfego que em quatro ou cinco anos se espera ser responsável pela maior fatia de consumo de tráfego a nível global. Neste contexto, Daniel Nunes, da Nextiraone, alerta para a necessidade de confirmar que a rede responde de forma adequada aos requisitos dos serviços de videoconferência, seja utilizando uma rede privada ou a Internet. A rede deverá ainda ser flexível e escalável para suportar futuras evoluções em termos de tecnologia ou capacidade. Actualmente, e uma vez que os preços dos televisores e monitores de alta definição se tornaram cada vez mais acessíveis, muitas empresas já só consideram os sistemas de vídeo com capacidade de alta definição. Mesmo que não possam usar esta funcionalidade no imediato, por restrições de investimento adicional em largura de banda e/ou equipamentos, é sempre importante considerar essa opção no futuro, defende. Apesar do optimismo esperado dos fabricantes e integradores de tecnologia, Sérgio Imperial, da IBM, considera que na revisão da infra-estrutura pode ser detectada a necessidade de um investimento adi- cional por parte da organização, de forma a garantir o desempenho esperado dessa mesma solução de videoconferência. Pode ser esse o caso quando se pretendem soluções mais avançadas, como plataformas de alta definição. Internet é insuficiente para a alta definição O nível de exigência dos utilizadores e a facilidade de acesso a equipamentos de videoconferência que permitem vídeo de alta definição colocam nas comunicações o desafio de corresponder a expectativas elevadas, explica José Alvarenga, da TeleHG. A realidade é que a Internet comum tem demonstrado ser insuficiente para a videoconferência em alta definição, excepto em circunstâncias limitadas e sujeitas a circunstâncias do momento. reflectindo sobrecargas aleatórias na Internet. Segundo este responsável, dentro de certos limites, o operador de comunicações pode proporcionar soluções paliativas. Contudo, considera que a simplicidade de satisfazer o vulgar cliente de Internet não tem paralelo com o nível de exigência que o cliente utilizador de videoconferência profissional coloca. Na realidade, ainda de acordo com José Alvarenga, não é economicamente viável para o operador de comunicações disponibilizar um serviço corrente de Internet que seja consentâneo com o nível de exigência da videoconferência.<cw Investimento adicional para expandir funcionalidades É necessário distinguir a capacidade já disponível nas empresas do investimento adicional, que é necessário efectuar, para expandir as funcionalidades dos sistemas de comunicação tradicionais, considera o responsável da Microsoft, Paulo Calado. Para José Alvarenga, da TeleHG, apostar em infra-estrutura é relevante apenas em certos casos, como para obter funcionalidades de gravação, MCU (videoconferência multiponto, isto é, envolvendo mais de dois locais), bridging RDIS e Webcast. A expansão de funcionalidades pode ser implementada de três formas, segundo Paulo Calado: - adquirir e implementar uma plataforma de videoconferência nas suas instalações (modelo tradicional); - subscrever um serviço de conferências (áudio, vídeo e web) numa plataforma de cloud computing; - apostar num modelo misto (parte da solução implementada nas instalações do cliente e outra em cloud computing) que permita à organização transitar para a solução de cloud computing ao seu ritmo, ajustando os serviços a transitar de acordo com as suas necessidades. COMPUTERWORLD - Abril 2011

9 Videoconferência 9 Û Cloud ajuda mas envolve análise cuidada A videoconferência baseada em cloud computing emerge como uma solução para os problemas de muitas PME, com pouca capacidade de investimento inicial. Mas, segundo Daniel Nunes, é necessário fazer alguma análise prévia face ao custo deste modelo ao longo do tempo (Capex vs Opex). Para este responsável da Nextiraone, é preciso ter em atenção as limitações e questões de disponibilidade que poderão existir. A grande questão que se coloca neste modelo de cloud computing é no caso de a empresa ter problemas, haverá interlocutores capazes de a auxiliar nesse momento? É um modelo interessante em determinados aspectos, mas nem sempre proporciona as mesmas condições que um sistema instalado na própria infra-estrutura. É algo que dependerá muito das necessidades e das expectativas de cada empresa, explica. Mas, de acordo com João Gonçalves, a cloud computing permitirá ter nas comunicações por vídeo os mesmos modelos e flexibilidade que se aplicam hoje à voz. Para clientes que não necessitem de gerir a sua própria infra-estrutura de comunicações, podem definir-se vários modelos financeiros (e.g. "pay-as-yougo") e modelos de negócio de acordo com as necessidades dos clientes (pagamento por portos usados, por tipo de equipamento, etc).<cw COMPUTERWORLD PROPRIEDADE RUA GENERAL FIRMINO MIGUEL, Nº 3 TORRE 2-3º PISO LISBOA DIRECTOR EDITORIAL: PEDRO FONSECA EDITOR: JOÃO PAULO NÓBREGA DIRECTOR COMERCIAL E DE PUBLICIDADE: PAULO FERNANDES TELEF FAX PAGINAÇÃO: PAULO COELHO TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS. A IDG (International Data Group) é o líder mundial em media, estudos de mercado e eventos na área das tecnologias de informação (TI). Fundada em 1964, a IDG possui mais de funcionários em todo o mundo. As marcas IDG CIO, Computerworld, CFO World, CSO, Channel World, GamePro, InforWorld, Macworld, PC World e TechWorld atingem uma audiência de 270 milhões de consumidores de tecnologia em mais de 90 países, os quais representam 95% dos gastos mundiais em TI. A rede global de media da IDG inclui mais de 460 websites e 200 publicações impressas, nos segmentos das tecnologias de negócio, de consumo, entretenimento digital e videojogos. Anualmente, a IDG produz mais de 700 eventos e conferências sobre as mais diversas áreas tecnológicas. Pode encontrar mais informações do grupo IDG em Abril COMPUTERWORLD

10 10 Videoconferência Popularidade condicionada na empresa Uma ferramenta disponibilizada em freeware permite monitorizar transmissões em tempo real. A adopção da videoconferência tende a crescer tanto no meio doméstico como nas empresas. Mas, especialmente neste ambiente e apesar das suas vantagens, enfrenta interesses que pouco têm a ver com os objectivos das organizações. Além dos aspectos mais tecnológicos. Apesar da popularidade da comunicação por vídeo a partir de um desktop, os profissionais da América do Norte e da Europa manifestam pouco interesse em usar a tecnologia no trabalho, de acordo com um estudo da Forrester Research. Muitos agentes de mercado excusam-se a tentar explicar esta realidade. Contudo, parece ser vulgar que alguns responsáveis das empresas preferem, nem sempre pelas razões mais racionais, dispensar a videoconferência. Esta é muitas vezes uma tecnologia capaz de tornar injustificável a deslocação ao estrangeiro para realizar uma reunião, após a qual se visita a cidade onde ela decorreu. E nem sempre executivos ou simples colaboradores estão dispostos a prescindir desta parte da agenda. Mas há outras razões. Na visão da Optimus, algumas aplicações não deixam de ser soluções que estão somente disponíveis na sua própria comunidade de utilizadores, o que pode limitar a sua utilização efectiva. Nos ambientes empresariais, há necessidade de controlar o uso destes meios de comunicação. E, nessa abordagem, adoptam-se soluções restritas ao universo interno das empresas e, com raras excepções, a alguns parceiros de negócio. O mix de capacidade de utilização e inter-operação entre solução de mensagens instantâneas, videochamadas, salas de videoconferência e soluções de videoconferência a partir de desktops ou tablets, com a adição de aplicações ou soluções de partilha de informação, será um factor crítico para a sua maior adopção, defende um responsável da operadora. Falta também o efeito de rede, para o qual a interoperacionalidade entre sistemas e operadores no mercado é essencial. A Optimus invoca o exemplo das comunicações de voz, as quais dispensam a preocupação de conhecer que aplicação, sistema ou protocolo utiliza um potencial receptor. Ter uma única identidade e referenciar o destinatário com uma única entidade será também um factor importante. E a gestão de contactos fica facilitada. Paulo Calado, da Microsoft, refere como obstáculos à adopção, a existência de um grau importante de complexidade nas soluções. Na visão do fabricante, utilizadores e organizações têm de lidar com demasiadas ferramentas e desafios à eficiência de custos de uma organização. Adensando o problema, existe uma falta de integração, dificultando o suporte à dispersão das equipas, à mobilidade da força de trabalho e mesmo ao desenvolvimento de soluções inovadoras. Mesmo assim, este responsável não deixa de defender que o valor acrescentado das soluções de conferência é cada vez mais evidente para as organizações e para os utilizadores. E cita um estudo da Frost & Sullivan, segundo o qual apenas 10% das pessoas utilizam soluções de conferência na Web, mas 80% dos utilizadores de ferramentas de produtividade referem que a utilização desta forma de comunicação seria uma mais-valia para o seu quotidiano. Falta de qualidade inibe utilização Os sistemas profissionais de alta qualidade são eles próprios catalizadores da sua própria adopção nas organizações, isto é, o que temos visto é que quanto maior for a qualidade dos sistemas de vídeo, maior é o valor que traz para as organizações e assim maior é a sua adopção, afirma João Gonçalves, da Cisco. De acordo com este responsável, o crescimento da videoconferência no mercado empresarial, funda-se no uso de soluções corporativas em detrimento das soluções mais simples usadas no mercado de consumo. Imperam as exigências de qualidade de serviço, a alta definição, a segurança e a integração com as restantes plataformas de colaboração das organizações. Na mesma linha, José Alvarenga assegura que os codecs software de codificação e descodificação de sinal de videoconferência foram concebidos para responder às necessidades profissionais das empresas.<cw COMPUTERWORLD - Abril 2011

11 Videoconferência 11 Vídeo no trabalho não motiva colaboradores A maioria dos trabalhadores não tem capacidades de comunicação por vídeo a partir do seu desktop, de acordo com um relatório da Forrester. Mas também não estão interessados nisso. Apesar da popularidade da comunicação por vídeo a partir de um desktop, usando serviços como o Skype ou o FaceTime, os profissionais da América do Norte e Europa têm pouco interesse em usar a tecnologia no trabalho, de acordo com a Forrester Research. Dos mais de empresários entrevistados, 72% não tem capacidades de comunicação por vídeo no desktop, segundo o estudo "Information Workers Are Not Quite Ready for Desktop Videoconferencing", da Forrester. Os restantes ou já as utiliza ou pretende fazê-lo, diz o documento. Assim, 30% das empresas já têm essa facilidade e outros 19% manifestam intenções de o vir a ter. Mas, das empresas que têm a tecnologia, apenas 15% dos trabalhadores dizem que a utilizam. "Os dados sugerem que as implantações nas empresas começam com pequenos segmentos", diz o relatório. Os executivos de alto nível - CEO, directores, presidentes e vice-presidentes - são os mais propensos à utilização de vídeo no desktop: entre 31% a 42% dos trabalhadores com esses títulos usam-na, diz a Forrester. Os três principais usos englobam as actividades de comunicação interna (51%), reuniões de executivos (41%) e aprendizagem e formação à distância (33%). Reuniões com clientes, sessões de brainstorming e reuniões com parceiros representam 30% de utilização, ainda de acordo com o estudo. Os 13% que não têm capacidades de comunicação por vídeo a partir do desktop mas a querem, afirmam que a utilizariam para rotinas de comunicação interna (61%), ensino à distância e formação (44%), brainstorming (43%) e promoção de melhores relações com trabalhadores externos (35%). Esta melhor ligação com os colaboradores externos ou em mobilidade "pode ser mais um indicador da distribuição limitada da tecnologia e não da sua eficácia neste cenário", diz o trabalho. As barreiras à adopção de facilidades de comunicação por vídeo no desktop incluem a preocupação com a sobrecarga das redes e a necessidade de actualizações significativas. "Nós não vemos isto como sendo uma situação única", diz a Forrester, "é algo com que muitas empresas vão lidar ao definirem e colocarem em prática a sua estratégia de implantação de videoconferência". O apoio da administração e o incentivo para a utilização das referidas facilidades de vídeo são a chave para convencer os trabalhadores relutantes para a sua adopção, dizem os analistas. A regra primordial deve ser a flexibilização da introdução da tecnologia, de forma a que a infra-estrutura e os funcionários possam estar preparados. Sim em casa, não no escritório Um outro estudo, da Damovo e revelado em Dezembro passado, mostrou que quase 40% dos funcionários de escritórios receia a videoconferência, principalmente por estarem preocupados com a aparência diante das câmaras - mas 88% declarava não ter problemas em usar os serviços de vídeo com os amigos ou familiares. O trabalho da empresa de serviços de TI revelou que um em cada 10 têm vergonha de falar frente a uma videocâmara pois sente-se como se estivesse a falar em público, enquanto daqueles felizes no uso das comunicações de vídeo, 19% dizem que o seu local de trabalho (em casa ou na estrada ) não é adequado para o vídeo. No entanto, quase dois terços (63%) dos trabalhadores de escritório acreditam que são mais propensos a tomarem medidas na sequência de uma videoconferência do que após ter recebido um contendo as mesmas instruções ou informações. Há ainda uma percepção de que qualquer vídeo, seja de conferência multi-partes ou pessoa a pessoa, no local de trabalho, deve ter lugar numa sala especial com equipamento técnico, diz Alex Donnelly, gestor do portefólio da Damovo no Reino Unido. No entanto, a videoconferência é agora possível na mesa de um trabalhador ou em casa, desde que se tenha uma câmara com um microfone e uma ligação de banda larga. O vídeo já não é tão caro quanto antes e deve ser usado como uma extensão do pacote de comunicações. Donnelly acrescenta que mais organizações devem incentivar os seus trabalhadores a usar a videoconferência e a tratá-la da mesma forma como agora pegam no telefone ou vão a pé até a mesa de alguém para conversar. No entanto, 88% dos 1000 inquiridos admitiu já ter utilizado serviços de vídeo como o Skype para falar com amigos ou familiares em casa. O estudo revelou ainda que 69% disseram que a comunicação on-line significa perder as vantagens da interação pessoal, como ser capaz de entender as expressões faciais dos interlocutores.<cw Abril COMPUTERWORLD

12 12 Videoconferência É necessário criar habituação Muitas razões para não se usar a videoconferência são supérfluas e pouco profissionais, segundo Filipe Carrera, professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG). O mesmo defende a utilização da tecnologia como factor de produtividade mas admite haver barreiras importantes, mesmo mentais. Para promover a utilização da videoconferência nas empresas é necessário criar habituação entre os potenciais utilizadores, explica em entrevista Filipe Carrera. O docente é um forte defensor da referida tecnologia como factor de produtividade, face às inúteis reuniões. Nesse contexto explica dados e conclusões obtidas em estudos da Forrester Research e da Damovo sobre a penetração da videoconferência nos meios empresariais. E recomenda acções capazes de produzirem efeitos de demonstração. Acaba por ir mais longe, ao considerar que muitas vezes as reuniões presenciais servem de pretexto para viajar sem necessidade. Contudo, ressalva a necessidade de se assegurar momentos de socialização dentro das empresas, em vez das reuniões presenciais. Computerworld Num estudo da Damovo, 69% dos entrevistados disseram que a comunicação online significa perder as vantagens da interacção pessoal, como ser capaz de entender as expressões faciais dos interlocutores. Uma vez que defende a videoconferência face à reunião tradicional, como explica isto? Filipe Carrera É simples. Os entrevistados vêem as reuniões ainda como uma componente de socialização. Além disso, consideram a videoconferência difícil de usar, quando já não é. Grande parte das reuniões são inúteis e constituem uma perda ainda maior de tempo, o dobro, quando se conta com a duração das deslocações para os sítios das reuniões. CW O trabalho da empresa de serviços de TI revelou que um em cada 10 tem vergonha de falar frente a uma câmara pois sente-se como se estivesse a falar em público, enquanto daqueles felizes no uso das comunicações de vídeo, 19% dizem que o seu local de trabalho (em casa ou na estrada) não é adequado para o vídeo. Que comentário lhe merece isto? FC Isso acontece devido a uma barreira mental que existe e tem a ver com a forma como o vídeo entra em casa das pessoas: pela televisão. Quando em reunião com quatro pessoas, sentem-se a falar só com essas pessoas. Mas, na videoconferência, a impressão é a de que estão a comunicar em público, para milhares de indivíduos. Tem a ver com a experiência anterior dos indivíduos. CW Como se ultrapassa esse receio, através da individualidade de cada um? FC Se as empresas não tomarem medidas para os empregados adoptarem compulsivamente a videoconferência, vai ser mais difícil conseguirem-no. Além disso, os chefes têm de dar o exemplo, é necessário produzir um efeito de demonstração. Mas há também aquilo que as pessoas não dizem: as reuniões são um bom pretexto para experimentar um bom restaurante, para estadias noutra cidade ou simplesmente para viajar. CW Quase 40% dos funcionários de escritórios receia a videoconferência, principalmente por estarem preocupados com a aparência diante das câmaras - mas 88% declarava não ter problemas em usar os serviços de vídeo com os amigos ou familiares. Como explica este aspecto? FC Tem a ver com a experiência anterior relacionada com a televisão. Se um pivô de televisão aparecer sem gravata a apresentar o Telejornal não é natural. É uma questão de neutralidade e de camuflagem com o programa. E, assim, muitas pessoas quando têm reuniões precisam de passar todo o dia de gravata, quando podia ser diferente com a videoconferência: até podiam estar de calções e de camisa com gravata! CW Apesar da popularidade da comunicação por vídeo a partir de um desktop, usando serviços como o Skype ou o FaceTime, os profissionais da América do Norte e da Europa têm pouco interesse em usar a tecnologia no trabalho, de acordo com a Forrester Research. Das empresas que têm a tecnologia, apenas 15% dos trabalhadores dizem que a utilizam. Como explica ou que comentário lhe merece este aspecto? FC É uma questão do dia-a-dia. O gestor intermédio é normalmente um gestor cinzentão, enquanto os de topo já têm muitas horas a usar a videoconferência. Torna-se necessário integrar no programa ou na agenda dos gestores a utilização dessa tecnologia. E, em vez de se deslocarem para uma reunião, devem considerar a hipótese de usar a videoconferência. A dado momento da adopção do , havia ainda muitas pessoas (80%) a pedirem para usar o fax. Estamos nessa fase da adopção da videoconferência. Há uma barreira mental que os operadores quando compraram as licenças de 3G tiveram de enfrentar e não previram. As pessoas não conheciam a tecnologia e os fornecedores deviam ter usado as tácticas dos passadores de droga: oferecer a primeira dose gratuitamente, para criar habituação. CW Qual é o melhor agente para liderar o processo de adopção? FC Dentro das organizações devem ser os chefes a definir as reuniões como inúteis e a mostrar que a questão das imagens não transmitirem tudo é uma falsa questão. É necessário haver formação para a videoconferência ser bem usada, ao mesmo tempo que se proporcionam substitutos das reuniões como veículo de socialização, por esta ser importante na formação da cultura da empresa. As viagens, festas de empresa e jantares geram formas de interacção intercalar.< COMPUTERWORLD - Abril 2011

13 Videoconferência 13 Mercado dá as primeiras espreitadelas Considerando a diversidade de oferta, o mercado português de videoconferência não deve cingir-se a uma élite. Mas está a nascer e há quem diga ser ainda incipiente. As PME, como é hábito, são um bloco incontornável. Não parece haver dúvidas de que os maiores benefícios da videoconferência serão sentidos no segmento das grandes empresas, como atesta a opinião de alguns fabricantes. Mas se é mais difícil às grandes organizações viajarem para manter reuniões, às PME não será mais fácil. Se os sistemas de telepresença têm preços elevados, existem outras soluções, talvez menos práticas mas eficazes. Assim, faz sentido que os fabricantes e operadores, mediante a sua oferta, olhem para o mercado português sem desprezar as camadas com menor potencial de compra. Até porque o potencial ainda está a nascer. Para a Syncrea, os potenciais clientes da videoconferência são as grandes empresas, com várias delegações. O retorno do investimento é mais rápido nestas organizações, onde a interacção entre colaboradores em locais distantes é mais frequente, justifica Luís Martins. As pequenas empresas procuram utilizar plataformas de custos reduzidos mas isso não invalida, segundo o mesmo responsável da Syncrea, que o crescente fornecimento de soluções de comunicações unificadas - também para as PME - tenha incorporado cada vez mais estas funcionalidades, proporcionando experiências colaborativas neste sector. O mercado empresarial vai procurar soluções individualizadas e pontuais para suprir lacunas que encontrem na sua política de comunicações internas e externas, mas também vai aproveitar os ciclos de renovação das suas infra-estruturas de comunicação para procurar soluções unificadas que integrem diferentes soluções individuais, explica a Optimus. Face à sua visão do mercado, o operador afirma que a utilização da videoconferência tende a ser universal. Ressalvando que o mercado é bastante heterogéneo, Sérgio Imperial, da IBM, defende que a abrangência e a diversidade de soluções coloca uma fatia bastante considerável das organizações do mercado português como potenciais clientes de um certo tipo de funcionalidades da videoconferência. Mais de 91% das pessoas não circunscreve a sua actividade ao escritório onde estão sediados e interage com interlocutores dispersos geograficamente. Mais de 60% da comunicação é não-verbal, donde as reuniões face-a-face e à distância facilitam o entendimento e promovem o sucesso, acrescenta José Alvarenga, da TeleHG. Na sua opinião, são poucas as empresas incapazes de substituir reuniões presenciais pelo equivalente em telepresença. E mesmo que algumas não tenham um nível de utilização que justifique a aquisição dos equipamentos e serviços de videoconferência, poderão recorrer a salas públicas de videoconferência. Na perspectiva da PT, o trabalho colaborativo à distância é, nos dias de hoje, essencial para as organizações responderem, de forma eficiente, a desafios cada vez mais exigentes, incluindo os da globalização. Contudo, Alvarenga considera incipiente o mercado português. Já Daniel Nunes, da Nextiraone, diz que a adopção da videoconferência não está distante de outras economias desenvolvidas. Até há bem pouco tempo, apenas grandes empresas e instituições portuguesas utilizavam este tipo de soluções de comunicação, mas esta realidade tem vindo a alterar-se, com uma adopção cada vez mais frequente por PME, explica. Administração Pública e exportação Tanto a Cisco como a Microsoft vêm a Administração Pública como potencial cliente das soluções de videoconferência. João Gonçalves, da Cisco, acrescenta o sector retalhista, as utilities, a banca e, claro, as empresas exportadoras ou com operações internacionais. Além de ter a banca no seu radar, a PT revela estar particularmente interessada no sector da educação e da saúde.<cw A estrutura do mercado, segundo a Optimus Videoconferência sobre LTE Û A Optimus assume a videoconferência como um mercado de comunicações vídeo, pessoal ou de grupo. O campo dos fornecedores é constituído por operadores de comunicações, fabricantes de equipamentos e soluções de software (clientes vídeo). Do ponto de vista da oferta - e considerando o meio ou as soluções de utilização -, a operadora subdivide, de forma não exaustiva, o espectro em soluções de videochamada, software de terminal/desktop ou de browsers, sistemas dedicados de videoconferência e telepresença. A combinação e integração de um ou vários destes elementos, juntamente com outras aplicações colaborativas ( , partilha de ficheiros, mensagens instantâneas) e meios de comunicação (voz, voic , fax), formam um conjunto de soluções de comunicações unificadas, cujo grande mérito é evidenciarem o objectivo último da utilização destes meios - a implementação de ambientes de trabalho mais produtivos, mais colaborativos, dentro das organizações e entre as empresas e os seus parceiros, clientes e fornecedores. Û A Verizon Wireless e a LiveCast Media anunciaram o 4G Mobile Reporter para ser usado com uma rede LTE da Verizon, capaz de suportar a transmissão de fluxos de vídeo de alta definição em tempo real, sem fios e a partir de um portátil, com modem USB. O sistema móvel 4G Reporter é dirigido, por exemplo, a empresas de media e à Administração Pública. Está a ser posicionado como alternativa de baixo custo face à utilização dos satélites tradicionais e das comunicações por microondas O sistema funcionará com equipamentos de vídeo já existentes para transmissões com baixa latência, eliminando a necessidade de utilizar veículos de transmissão de sinal por satélite. Sinais de GPS são incorporados na transmissão, permitindo a disponibilização de um mapa na reprodução de vídeo. A LiveCast fornece o seu software Duo para portáteis e um aparelho conversor capaz de ligar uma câmara de qualidade profissional a um portátil, se este não tiver um entrada HDMI disponível. COMPUTERWORLD

14 IMAGINE EM QUE PARTE DO MUNDO A SUA ORGANIZAÇÃO VAI ESTAR HOJE. PUB Pág. 14 IMAGINE PORQUE É POSSÍVEL. Muitas vezes, distância, tempo e custos apresentam-se como um obstáculo para a expansão das Organizações. A PT Prime disponibiliza soluções que permitem comunicar sem barreiras e colaborar em tempo real, em qualquer parte do mundo, de uma forma tão real como se estivesse fisicamente lá. É fácil imaginar uma solução que promove a produtividade da sua Organização. E o melhor é que é possível. UM MUNDO DE POSSIBILIDADES TELEPRESENÇA. VIDEOCONFERÊNCIA. AUDIOCONFERÊNCIA

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

Imagine se pudesse reduzir os inconvenientes e os custos de tornar os seus colaboradores mais acessíveis...

Imagine se pudesse reduzir os inconvenientes e os custos de tornar os seus colaboradores mais acessíveis... Imagine se pudesse reduzir os inconvenientes e os custos de tornar os seus colaboradores mais acessíveis... Como este serviço pode ajudá-lo Faça The uma chances gestão are you ve eficiente invested das

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Microsoft Office System Estudo de caso da solução do cliente A espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Visão geral País ou região: Estados Unidos

Leia mais

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM?

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? Porque a Voz na Nuvem? 2 Índice Introdução... 3 Baixo Custo... 4 REQUISITOS MÍNIMOS DE CAPITAL... 4 EQUIPAMENTOS GENÉRICOS... 4 UTILIZAÇÃO DE MAIORES RECURSOS... 4 DESPESAS

Leia mais

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Além da poupança na infra-estrutura física dos servidores e do preço das licenças, há reduções de custos

Leia mais

Mitel IP Desktop Solutions. Adaptadas ao Modo como Trabalha

Mitel IP Desktop Solutions. Adaptadas ao Modo como Trabalha Mitel IP Desktop Solutions Adaptadas ao Modo como Trabalha NÃO existem soluções universais 1 O atendimento e assistência a clientes são o ponto de entrada para a sua empresa... Será que os trabalhadores

Leia mais

O seu escritório na nuvem - basta usar o browser.

O seu escritório na nuvem - basta usar o browser. 02 O seu escritório na nuvem - basta usar o browser. As soluções tecnológicas que encontra para melhorar a colaboração na sua empresa são muito caras e complexas? Pretende tornar as suas equipas mais ágeis

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

COMPUTERWORLD. Comunicações Unificadas e VoIP. Fevereiro 2011 - COMPUTERWORLD. Fevereiro 2011

COMPUTERWORLD. Comunicações Unificadas e VoIP. Fevereiro 2011 - COMPUTERWORLD. Fevereiro 2011 COMPUTERWORLD Fevereiro 2011 Comunicações Unificadas e VoIP Constituindo uma das áreas de maior entusiasmo para o sector, há poucos anos, as plataformas de comunicações unificadas e voz sobre IP foram

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

Experimente a marca mais inovadora no que respeita a soluções tácteis integradas

Experimente a marca mais inovadora no que respeita a soluções tácteis integradas Smart innovation! ctouch.eu Experimente a marca mais inovadora no que respeita a soluções tácteis integradas www.ctouch.co.uk Sinta o poder do Toque! A Tecnologia Active IRO faz com que a CTOUCH seja a

Leia mais

alcatel-lucent Comunicações simplificadas para negócios em movimento

alcatel-lucent Comunicações simplificadas para negócios em movimento alcatel-lucent SUITE OPENTOUCH PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Comunicações simplificadas para negócios em movimento Para ser bem-sucedido como pequena ou média empresa (PME), tem de manter a satisfação

Leia mais

Telepresença Embratel

Telepresença Embratel I D C V E N D O R S P O T L I G H T Telepresença Embratel Outubro, 2014 Por João Paulo Bruder, Coordenador de Telecomunicações, IDC Brasil Patrocinado pela Embratel A busca por eficiência operacional é

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

MICROSOFT ONENOTE E TOSHIBA CASE STUDY SOLUÇÃO DE CLIENTE

MICROSOFT ONENOTE E TOSHIBA CASE STUDY SOLUÇÃO DE CLIENTE CASE STUDY MICROSOFT ONENOTE E TOSHIBA CASE STUDY SOLUÇÃO DE CLIENTE AGENTE DA WEB AUMENTA A PRODUTIVIDADE E TIRA PARTIDO DE TRABALHO EM EQUIPA MAIS EFICAZ COM PORTÁTEIS TOSHIBA E ONENOTE O acesso partilhado

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240.

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Windows XP SP2, 2ª edição Colecção:

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Questão em foco: Mobilidade no PLM. Reduzindo as barreiras à inovação e à tomada de decisões de engenharia

Questão em foco: Mobilidade no PLM. Reduzindo as barreiras à inovação e à tomada de decisões de engenharia Questão em foco: Mobilidade no PLM Reduzindo as barreiras à inovação e à tomada de decisões de engenharia Tech-Clarity, Inc. 2011 Índice Introdução da questão... 3 O valor da mobilidade para a engenharia...

Leia mais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais Patrocinado por: Microsoft Versão Preliminar - Março 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO IDC Portugal:

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

Lotus Notes 8.5 para o Office 365 para empresas

Lotus Notes 8.5 para o Office 365 para empresas Lotus Notes 8.5 para o Office 365 para empresas Faça a migração O Microsoft Outlook 2013 pode parecer diferente do Lotus Notes 8.5, mas você rapidamente descobrirá que o Outlook permite fazer tudo o que

Leia mais

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração WHITE PAPER Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração Patrocinado pela Cisco Systems, Inc setembro de 2013 Resumo executivo As empresas

Leia mais

Sistema de discussão CCS 800 Ultro da Bosch Oferecendo inovação...

Sistema de discussão CCS 800 Ultro da Bosch Oferecendo inovação... Sistema de discussão CCS 800 Ultro da Bosch Oferecendo inovação... 2 CCS 800 Ultro Sistema de discussão...à flexibilidade de uma solução tudo-em-um para reuniões Função integrada exclusiva de gravação

Leia mais

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados Case Study da Cisco TI Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados A implementação de servidores virtualizados proporciona economias significativas de custos, diminui a

Leia mais

PT Web Conference. DGO Gestão de Oferta Empresarial Setembro de 2009

PT Web Conference. DGO Gestão de Oferta Empresarial Setembro de 2009 PT Web Conference Versão 1.0 DGO Gestão de Oferta Empresarial Setembro de 2009 Este documento é propriedade intelectual da PT e fica proibida a sua utilização ou propagação sem expressa autorização escrita.

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A EVOLUÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO Adaptando-se às Novas e Avançadas Tecnologias de Comunicações

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A EVOLUÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO Adaptando-se às Novas e Avançadas Tecnologias de Comunicações O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A EVOLUÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO Adaptando-se às Novas e Avançadas Tecnologias de Comunicações Sua força de trabalho, clientes, parceiros e fornecedores estão distribuídos

Leia mais

Quatro tendências críticas em TI para a continuidade dos negócios

Quatro tendências críticas em TI para a continuidade dos negócios Quatro tendências críticas em TI para a continuidade dos negócios Em TI, o fracasso não é uma opção. Não surpreendentemente, as organizações tornaram uma prioridade alta desenvolver e implementar planos

Leia mais

Explicação, Vantagens e Comparação com Sistemas de Prova Tradicionais

Explicação, Vantagens e Comparação com Sistemas de Prova Tradicionais Livro branco: PROVA DIGITAL Explicação, Vantagens e Comparação com Sistemas de Prova Tradicionais O presente livro branco introduz a prova digital e explica o seu valor para a obtenção de cores consistentes

Leia mais

Software Communication System (SCS) Apresentação da Solução

Software Communication System (SCS) Apresentação da Solução Software Communication System (SCS) Apresentação da Solução Apresentando o SCS Um novo Começo com um novo Sistema de Comunicações O SCS é Aberto, Simples, Comunicações Unificadas Software baseado em soluções

Leia mais

1. O serviço de telefone digital da Nacacomunik está disponível na Madeira e nos Açores? Sim.

1. O serviço de telefone digital da Nacacomunik está disponível na Madeira e nos Açores? Sim. Serviço de Telefone Digital ACN Questões gerais 1. O serviço de telefone digital da Nacacomunik está disponível na Madeira e nos Açores? Sim. 2. Quais são os requisitos do serviço de telefone digital da

Leia mais

A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites

A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites Ciclo de Workshops Departamento de Informática A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites 16 de Dezembro - ESEIG Ricardo Queirós (ESEIG) e Paulo

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

OBTENHA O MÁXIMO RENDIMENTO DAS SUAS REUNIÕES

OBTENHA O MÁXIMO RENDIMENTO DAS SUAS REUNIÕES Série Epson EB-1400Wi OBTENHA O MÁXIMO RENDIMENTO DAS SUAS REUNIÕES projecte até permite anotações de vários utilizadores imprima, guarde e partilhe CONCEBIDOS PARA OS NEGÓCIOS SISTEMA INTERACTIVO INTEGRADO

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas.

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Enterprise 2007 Descritivo completo A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Com vista a satisfazer totalmente cada empresa

Leia mais

Google Apps para o Office 365 para empresas

Google Apps para o Office 365 para empresas Google Apps para o Office 365 para empresas Faça a migração O Office 365 para empresas tem uma aparência diferente do Google Apps, de modo que, ao entrar, você poderá obter esta exibição para começar.

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Tendências, desenvolvimentos e dicas para tornar o seu ambiente de storage mais eficiente Smart decisions are built on Storage é muito mais do que

Leia mais

Guia de Aplicações da Lexmark ESF T3 2012

Guia de Aplicações da Lexmark ESF T3 2012 Aplicações Lexmark Ajude os seus clientes a explorar todo o potencial das respectivas impressoras simples e multifuncionais compatíveis com as soluções da Lexmark As Aplicações Lexmark foram concebidas

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações

A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações TERMINAL OPEN TRADE A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações Soluções Completas e Diferenciadas O assistente perfeito para ambientes de negociações O Open Trade é

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Mensagem de atendimento ao cliente

Mensagem de atendimento ao cliente Cisco WebEx: Atualização do serviço para uma nova versão do WBS30 A Cisco atualizará seus serviços WebEx para a nova versão WBS30. Os seguintes serviços serão afetados: Cisco WebEx Meeting Center Cisco

Leia mais

Integração com a Mídia Social

Integração com a Mídia Social Guia rápido sobre... Integração com a Mídia Social Neste guia... Vamos mostrar como integrar seu marketing com as mídias sociais para você tirar o maior proveito de todo esse burburinho online! Nós ajudamos

Leia mais

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local.

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Segundo Pré-teste Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Duas salas de aula da Pós-graduação do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da EESC/USP. Duração: 4 horas. Dos objetivos. Envolveu

Leia mais

Gerenciamento unificado para milhares de ativos por toda a vida útil

Gerenciamento unificado para milhares de ativos por toda a vida útil Gerenciamento unificado milhares de ativos por toda a vida útil O Endpoint Manager da IBM, construído com tecnologia BigFix, oferece gerenciamento mais rápido e inteligente Destaques Gerencie milhares

Leia mais

1. O serviço de telefone digital da Nacacomunik está disponível na Madeira e nos Açores? Sim.

1. O serviço de telefone digital da Nacacomunik está disponível na Madeira e nos Açores? Sim. Serviço de Telefone Digital ACN Questões gerais 1. O serviço de telefone digital da Nacacomunik está disponível na Madeira e nos Açores? Sim. 2. Quais são os requisitos do serviço de telefone digital da

Leia mais

Google Apps para o Office 365 para empresas

Google Apps para o Office 365 para empresas Google Apps para o Office 365 para empresas Mude O Office 365 para empresas tem um aspeto diferente do Google Apps, por isso, ao iniciar sessão, obterá esta vista para começar. Após as primeiras semanas,

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Aula 8 Conversação e rede social na web

Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Meta Apresentar um programa de voz sobre IP (VoIP), o Skype, e fazer uma breve introdução ao mundo das redes sociais online,

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

COMUNICADO DE IMPRENSA

COMUNICADO DE IMPRENSA COMUNICADO DE IMPRENSA Kaspersky PURE 2.0 Total Security Protecção para os PCs de toda a família Protecção integral, simples de gerir e eficaz contra todos os perigos da Internet Todos os dias aparecem

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Lifesize. Cloud. Agora, você está falando com incrível videoconferência

Lifesize. Cloud. Agora, você está falando com incrível videoconferência Lifesize Cloud Agora, você está falando com incrível videoconferência Diga alô... para a videoconferência como você nunca viu antes. Apenas a Lifesize fornece uma solução para simplesmente conectar suas

Leia mais

ConfigFree - Gestão simplificada de ligações

ConfigFree - Gestão simplificada de ligações ConfigFree - Gestão simplificada de ligações As ligações sem fios tornaram-se essenciais no estabelecimento de comunicações em qualquer parte em qualquer momento, permitindo aos utilizadores manterem-se

Leia mais

Catálogo de Cursos. Knowledge for excellence management

Catálogo de Cursos. Knowledge for excellence management Knowledge for excellence management Atenção: as informações deste catálogo estão sujeitas à alteração sem prévio aviso. Assegure-se de consultar sempre a revisão vigente deste documento. www.softexpert.com.br

Leia mais

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho Um perfil personalizado de adoção da tecnologia comissionado pela Cisco Systems Fevereiro de 2012 Dinâmica de ganhos com as iniciativas de mobilidade corporativa Os trabalhadores estão cada vez mais remotos,

Leia mais

Índice. 1. Introdução 3. 2. Instalação e desinstalação do GENIUS VOIP MOUSE 4. 2.2 IMs suportados pelo GENIUS VOIP MOUSE 5

Índice. 1. Introdução 3. 2. Instalação e desinstalação do GENIUS VOIP MOUSE 4. 2.2 IMs suportados pelo GENIUS VOIP MOUSE 5 Índice 1. Introdução 3 2. Instalação e desinstalação do GENIUS VOIP MOUSE 4 2.1 Requisitos do sistema 4 2.2 IMs suportados pelo GENIUS VOIP MOUSE 5 2.3 Website de cada IM para download 5 2.4 Instalação

Leia mais

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Agenda O porquê da mudança Comunicações Conclusões 2 O porquê da mudança PT-SI conta com mais

Leia mais

LEONARDO DA VINCI PROGRAMME

LEONARDO DA VINCI PROGRAMME Anexo C ao Módulo C3 MANUAL DO FORMANDO Página 1 de 13 PLANEAMENTO DE RECURSOS PARA A ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS DESCRIÇÃO GERAL DO MÓDULO Para produzir um evento, os organizadores contam com a utilização

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Manual do utilizador do Cisco Unified Communications Self Care Portal, Versão 10.5(1)

Manual do utilizador do Cisco Unified Communications Self Care Portal, Versão 10.5(1) Manual do utilizador do Cisco Unified Communications Self Care Portal, Versão 10.5(1) Unified Communications Self Care Portal 2 Definições do Unified Communications Self Care 2 Telefones 4 Definições adicionais

Leia mais

Solução de gestão de frota automóvel

Solução de gestão de frota automóvel Solução de gestão de frota automóvel Gisgeo Information Systems www.gisgeo.pt UPTEC Parque de Ciência e Tecnologia R. Actor Ferreira da Silva, 100 gisgeo@gisgeo.pt 4200-298 Porto +351 220301572 Portugal

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

Preenchendo a lacuna entre o autoatendimento e o atendimento assistido

Preenchendo a lacuna entre o autoatendimento e o atendimento assistido Folheto do produto Genesys Chat Preenchendo a lacuna entre o autoatendimento e o atendimento assistido Hoje os clientes querem e esperam opções de autoatendimento quando participam de vendas on-line e

Leia mais

Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP

Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP Segurança de vídeo IP Tudo interligado O Bosch Video Management System (VMS) gere todo o áudio e vídeo digital e IP, além de todos os dados de

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

BREVE MANUAL WIRELESS

BREVE MANUAL WIRELESS BREVE MANUAL WIRELESS Introdução O Projecto Municipal Seixal Digital pretende dotar o município do Seixal de equipamentos e infraestruturas que permitam o acesso às tecnologias de informação e comunicação.

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária

A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária Publicação: 7 de dezembro de 2009 A Amazon Web Services (AWS) oferece a empresas de todos os tamanhos serviços de rede

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

O SL1000 Comunicações inteligentes para empresas de pequena dimensão

O SL1000 Comunicações inteligentes para empresas de pequena dimensão O SL1000 Comunicações inteligentes para empresas de pequena dimensão Smart Communications www.nec-unified.com Green Office Conteúdo 3 4 6 8 9 10 Introdução: Porquê escolher o SL1000? Os Terminais SL1000:

Leia mais

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM:

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: Decidiu apoiar as PME através deste programa, que permite: Modernizar a sua infraestrutura de comunicações Fazer crescer o seu negócio Incorporar competências essenciais

Leia mais

Coca-Cola Enterprises adota software e serviços da Microsoft para unificar sua força de trabalho

Coca-Cola Enterprises adota software e serviços da Microsoft para unificar sua força de trabalho Microsoft Online Services Soluções para clientes - Estudo de caso Coca-Cola Enterprises adota software e serviços da Microsoft para unificar sua força de trabalho Visão geral País ou região: Mundial Setor:

Leia mais

White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial

White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial Indíce de Conteúdos O Que É um Case Study?... Os seus clientes realmente gostam sua empresa e têm excelentes resultados com os seus produtos,

Leia mais

Vodafone Conferencing Como criar uma reunião

Vodafone Conferencing Como criar uma reunião Vodafone User Guide Vodafone Conferencing Como criar uma reunião Um guia passo-a-passo sobre como configurar uma reunião através do serviço Vodafone Conferencing. Visão geral Pode utilizar a Vodafone Conferencing

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online.

O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online. Webconference Wittel O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online. Com ele você poderá fazer vídeoconferência, compartilhar arquivos, aplicativos e conteúdo do desktop, além de realizar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores São dois ou mais computadores ligados entre si através de um meio.a ligação pode ser feita recorrendo a tecnologias com fios ou sem fios. Os computadores devem ter um qualquer dispositivo

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

Universo Online S.A 1

Universo Online S.A 1 Universo Online S.A 1 1. Sobre o UOL HOST O UOL HOST é uma empresa de hospedagem e serviços web do Grupo UOL e conta com a experiência de mais de 15 anos da marca sinônimo de internet no Brasil. Criado

Leia mais

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Apresentação das Iniciativas e.escola e.professor e.oportunidades Escola Secundária Eça de Queiroz,

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Processos de comunicação

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Processos de comunicação Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Processos de comunicação Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 3 de Dezembro de 2014

Leia mais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Série SV8000 UNIVERGE 360 UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Tudo a ver com mudança E estar preparado para ela Com UNIVERGE360 você estabelece a direção. O ambiente de trabalho está

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada.

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. SYSTIMAX Solutions imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. 1 Toda rede deve ser administrada. A questão é COMO? A visão: Conseguir o sucesso comercial a partir de uma melhor administração de

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais