SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS NATURAIS DE PRAGAS DOS CITROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS NATURAIS DE PRAGAS DOS CITROS"

Transcrição

1 ENTOMOLOGIA SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS NATURAIS DE PRAGAS DOS CITROS PEDRO TAKAO YAMAMOTO 1 e RENATO BEOZZO BASSANEZI 2 RESUMO O trabalho tem por objetivo apresentar uma compilação de resultados de seletividade de agroquímicos aos inimigos naturais de pragas dos citros, obtidos por diversos autores, e opções para controle de pragas seletivas aos artrópodes benéficos, agentes de controle biológico na citricultura. Termos de indexação: acaricidas, inseticidas, fungicidas, MIP, Citrus sinensis. SUMMARY SELECTIVITY OF AGROCHEMICALS TO NATURAL ENEMIES OF CITRUS PESTS The purpose of this report is to show available data on pesticides selectivity to natural enemies of citrus pests, obtained from many authors, and to show options of pest control selective to arthropods and fungi that are agents of biological control in citriculture. Index terms: acaricides, insecticides, fungicides, IPM, Citrus sinensis. 1 Centro de Pesquisas Citrícolas Fundecitrus. Caixa Postal Araraquara (SP). 2 Centro de Pesquisas Citrícolas Fundecitrus. Caixa Postal Araraquara (SP). ARTIGO TÉCNICO

2 354 PEDRO TAKAO YAMAMOTO e RENATO BEOZZO BASSANEZI 1. INTRODUÇÃO No programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), o controle biológico ocupa posição de destaque, seja como responsável pela manutenção do nível de equilíbrio das pragas, seja como importante medida de controle. A tendência natural do MIP é direcionar o desequilíbrio ecológico entre as pragas e seus inimigos naturais em favor desses últimos. O termo usual para se referir a essa tática do MIP é seletividade, que pode ser entendido como o produto químico seleciona a praga no agroecossistema em que atua, não afetando, em diferentes graus, as populações de inimigos naturais. Quando se faz uma pulverização no agroecossistema, pode-se levar à morte não somente a praga-alvo, mas, também, outros organismos, entre os quais os inimigos naturais das pragas. Em virtude da sua mortalidade, podem ocorrer efeitos colaterais indesejáveis que, na maioria dos casos, levam a um aumento nos custos de produção. Os inimigos naturais das pragas atuam no equilíbrio biológico, retardando a ressurgência das pragas-chave, mantendo-as abaixo do nível de dano econômico, evitando os surtos de pragas secundárias e auxiliando na diluição da resistência das pragas aos produtos fitossanitários. O produto fitossanitário ideal, do ponto de vista da produção agrícola e do MIP, seria aquele que apresentasse seletividade total, isto é, que matasse somente as pragas visadas e preservasse os artrópodes benéficos, evitando, com isso, o desequilíbrio biológico. Os primeiros conceitos e definições de seletividade foram propostos por RIPPER et al. (1951), que classificaram a seletividade em fisiológica e ecológica. A fisiológica se dá quando inseticidas, em vista das diferenças fisiológicas entre pragas, predador` es e parasitóides, matam as pragas a uma concentração que não afeta os insetos benéficos. A ecológica é o efeito seletivo dos produtos fitossanitários com base nas diferenças ecológicas das pragas e dos inimigos naturais, isto é, técnica ou método com que o defensivo possa ser empregado sem atingir diretamente o inimigo natural inserido no contexto do agroecossistema. METCALF (1994) classifica a seletividade em fisiológica, ecológica,

3 SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS devida ao aperfeiçoamento da aplicação, e comportamental. A seletividade devida ao aperfeiçoamento da aplicação baseia-se na redução de dosagem, baixa persistência, aplicação seletiva, aplicação de inseticidas sistêmicos, tratamento de sementes e granulados no plantio. Já a comportamental baseia-se no uso de atraentes, com utilização de armadilhas de luz e feromônio. A seletividade nos programas de MIP é um conceito importante no momento da escolha do defensivo ou da maneira de aplicá-lo para preservar os inimigos naturais, espécies inofensivas e outros organismos benéficos que convivem no agroecossistema. Em última análise, a atribuição que o MIP delega aos produtos fitossanitários é manter as pragas em níveis abaixo daqueles que causam danos econômicos sem suprimir totalmente os insetos pragas, com raras exceções, pois a população residual da praga serve de alimento para preservação dos inimigos naturais. Os produtos fitossanitários, contudo, não podem afetar as populações desses inimigos. Para atingir tais metas, a seletividade fisiológica, pela falta de produtos com essa característica, é insuficiente. A ela devem-se acrescentar os princípios de seletividade ecológica; juntas, tornarão realidade o manejo integrado de pragas que todos almejam, haja vista os inúmeros exemplos práticos de pleno sucesso que desponta no mundo todo, em várias culturas e em diferentes climas. Em função da não-padronização de método, que atualmente está sendo realizado pela International Organization of Biological Control (IOBC), muitos dos resultados obtidos pelos diferentes autores não podem ser comparados, podendo ser questionáveis. Por estar utilizando diferentes métodos, há resultados distintos, inclusive para a mesma espécie. Contudo, o objetivo do presente artigo é apresentar uma compilação dos principais trabalhos sobre seletividade de produtos fitossanitários para os mais importantes inimigos naturais de pragas dos citros e tabelas específicas, com uma nova forma de abordagem, onde, em função da pragaalvo de controle, os técnicos possam escolher o produto que tenha menor impacto sobre os inimigos naturais e/ou em função da ocorrência desses, determinada pela amostragem realizada pelo pragueiro, escolher o produto mais seletivo.

4 356 PEDRO TAKAO YAMAMOTO e RENATO BEOZZO BASSANEZI 2. SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS ÁCAROS PREDADORES DE PRAGAS Em relação aos ácaros predadores, principalmente os da família Phytoseiidae, que engloba a maioria dos predadores, os principais produtos fitossanitários utilizados em citros são considerados nocivos (Tabela 1). Considerando-se aqueles com ação acaricida, com exceção de diflubenzuron que é inócuo, hexythiazox, que é levemente nocivo, e enxofre e óxido de fenbutatin, que são moderadamente nocivos, os demais são nocivos aos principais ácaros predadores encontrados na cultura. Esse resultado provavelmente se deva ao fato de pertencerem à mesma classe, indicando que a aplicação da maioria dos acaricidas pode causar desequilíbrio pela mortalidade desses inimigos naturais. Como é inevitável a aplicação de acaricidas na citricultura, para evitar esses desequilíbrios, deve-se levar em consideração os conceitos de seletividade ecológica e aplicar as táticas de MIP, pulverizando somente os talhões onde forem atingidos os níveis de ação para controle dos ácaros pragas, principalmente Brevipalpus phoenicis (Geijskes) e Phyllocoptruta oleivora (Ashmead), responsáveis pela maioria das aplicações desse defensivo. Em sua maioria, os inseticidas são considerados nocivos aos fitoseídeos, indicando que a aplicação destes também pode acarretar a morte desse grupo de inimigos naturais, que são importantes para a manutenção da população de ácaros pragas em níveis abaixo do nível de dano econômico. Entre os inseticidas, aldicarb, malathion e fenitrothion são inócuos ou levemente nocivos aos ácaros predadores. Aldicarb apresenta seletividade devida ao modo de aplicação, na forma de granulado sistêmico, via solo, não entra em contato com os predadores e, portanto, não lhes causa a mortalidade. Os óleos minerais e vegetais, que são usados para controle de pragas e também misturados aos inseticidas para aumentar-lhes a eficiência, são nocivos aos ácaros predadores, principalmente a Iphiseiodes zuluagai Denmark & Muma, um dos fitoseídeos mais comuns encontrados nos pomares cítricos. Entretanto, o óleo mineral, para as demais espécies e quando considera o complexo de ácaros predadores, apresentou-se inócuo ou moderadamente nocivo. A mistura desses óleos com inseticidas, apesar de aumentar-lhes a eficiência, provoca também um incremento da ação sobre os ácaros predadores.

5 SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS Tabela 1. Seletividade de produtos fitossanitários aos ácaros predadores dos citros 1 Uso 2 Ingrediente ativo Ácaros Euseius Euseius Iphiseiodes predadores concordis em geral citrifolius 3 zuluagai 4 3 A Acrinathrin 5 M M N A Azocyclotin M N N N A Bifenthrin N N N N A Chlorfenapyr N L/N A Cyhexatin L/M/N M/N M/N M/N A Dicofol M/N N N N A Fenpyroximate M M N A Flufenoxuron M/N A Hexythiazox I/L/M I/L L I/L A Óxido de fenbutatin L/N L/M I/L/M I/L/M A Propargite L/ N N A Pyridaben N N N A Pyridafenthion N A, F Enxofre I/M/N I/L/M M M A, I Abamectin I/L I/M/N L/N A, I Diflubenzuron I I A, I Ethion N N A, I Fenpropathrin N N N N A, I Óleo mineral I/L/M I I N A, I Óleo vegetal N A, I Triazophos N N N A, I, N Carbosulfan N N N I Acephate N I, A Aldicarb I Carbaryl N L/N I/N N I Deltamethrin N I Diazinon M/N I Dimetoato N M I Fenitrothion I Fenthion N I Malathion I I Metidathion N I Triclorfon L/ F Captan I I I I F Chlorothalonil I N F Fosetyl-Al I F Hidróxido de cobre I F, A Mancozeb I/N I/ N F Oxicloreto de cobre I/ I F Óxido cuproso I I F Sulfato de cobre + cal L L L F Tebuconazole F Thiophanate-methyl L/ L/M F Ziram L/ L 1 I = inócuo; L = levemente nocivo; M = moderadamente nocivo; N = nocivo. 2 A = acaricida; I = inseticida; F = fungicida; N = nematicida. 3 Fonte: YAMAMOTO et al. (1992 e 1995), KOMATSU & NAKANO (1998), REIS & SOUSA (2001), MONTEIRO (2001). 4 Fonte: REIS et al. (1998). 5 Sem informações.

6 358 PEDRO TAKAO YAMAMOTO e RENATO BEOZZO BASSANEZI Os fungicidas são praticamente inócuos para os ácaros predadores, com exceção de mancozeb, benomyl e chlorothalonil. A baixa seletividade de mancozeb provavelmente seja devida à sua ação acaricida, sendo, em citros, recomendado para controle do ácaro da ferrugem P. oleivora. Esses resultados indicam que a aplicação dos fungicidas captan, fosetyl-al, hidróxido de cobre, oxicloreto de cobre, óxido cuproso, calda bordalesa, tebuconazole, thiophanate methyl e ziram não provoca a morte de ácaros predadores e, conseqüentemente, desequilíbrio relacionado a esse grupo de inimigo natural. Entretanto, os três primeiros fungicidas são constantemente utilizados em citros, devendo, portanto, ser empregados de forma criteriosa para não causar morte dos fitoseídeos. 3. SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS ÀS JOANINHAS PREDADORAS Os produtos que apresentam somente ação acaricida, em geral, são pouco nocivos aos coccinelídeos que ocorrem em citros (Tabela 2). Entretanto, azocyclotin, bifenthrin e pyridafenthion são considerados moderadamente nocivos ou nocivos às joaninhas, devendo ser usados com critério nos períodos de maior ocorrência desse grupo de predadores. Para algumas espécies da família Coccinellidae, os acaricidas podem ser considerados nocivos, mas, para outras espécies, moderadamente nocivos. Essa diferença em termos de seletividade se relaciona às espécies estudadas ou também à diferença no método utilizado para estudo. Apesar de não causar grande impacto na população das joaninhas, pode-se escolher os acaricidas de menor impacto sobre esses inimigos naturais e, dessa maneira, causar menor prejuízo no controle biológico de pragas. Considerando os acaricidas com ação fungicida, como o enxofre, que independente da espécie, é pouco nocivo às joaninhas predadoras, podendo ser aplicado nos momentos de alta população desse grupo de inimigos naturais sem causar grande impacto na redução populacional e, conseqüentemente, prejudicar o controle biológico, sobretudo das cochonilhas, que são as presas preferidas da maioria dos coccinelídeos.

7 SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS Tabela 2. Seletividade de produtos fitossanitários às joaninhas predadoras de pragas dos citros 1 Uso 2 Ingrediente ativo Joaninhas em geral Azya luteipes Coccidophilus citricola Cycloneda sanguinea Pentilia egena A Acrinathrin 3 L L/M L M/N A Azocyclotin N N A Bifenthrin N M M/N M M/N A Bromopropilato I/ I I A Chlorfenapyr I/L A Cyhexatin I/L I/L L/M/N I/L L/M/N A Dicofol I/L L I/L/N L I/L A Óxido de fenbutatin L L I/L L I/L A Fenpyroximate L I/L L L A Flufenoxuron I/ A Hexythiazox I A Propargite L/ L/M/N L/M A Pyridaben I I/L/M I L A Pyridafenthion M/N A, F Enxofre L L I/L L I/L A, I Abamectin I I I A, I Carbosulfan N M M/N M M/N A, I Diflubenzuron I A, I Ethion M/N N I A, I Fenpropathrin N N I/N A, I Óleo mineral I/ I A, I Triazophos N N I, A Aldicarb I Carbaryl N I Diazinon N N I Dimetoato N N I Fenthion N I Metidathion N I Triclorfon M/N 1 I = inócuo; L = levemente nocivo; M = moderadamente nocivo; N = nocivo. 2 A = acaricida; I = inseticida; F = fungicida; N = nematicida. 3 Sem informações. Fonte: YAMAMOTO et al. (1992), IOBC/WPRS (2002). Os inseticidas comumente utilizados em citros, na sua maioria, são nocivos às joaninhas que ocorrem na cultura, com exceção de aldicarb, que é levemente nocivo, provavelmente em vista de seu modo de aplicação (granulado sistêmico de solo), que confere uma seletividade ecológica aos coccinelídeos.

8 360 PEDRO TAKAO YAMAMOTO e RENATO BEOZZO BASSANEZI Por serem nocivos às joaninhas, os inseticidas, cujo emprego objetiva o controle dos diversos insetos que atacam os citros, devem ser usados de forma criteriosa, procurando explorar a seletividade ecológica como meio de diminuir os seus impactos. Os óleos minerais, que podem ser uma opção para controle de algumas cochonilhas, são inócuos ou levemente nocivos aos coccinelídeos, mas a sua mistura com outros inseticidas, prática comum, acarreta um incremento da mortalidade das joaninhas. 4. SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS ÀS ARANHAS E AOS PARASITÓIDES Para as aranhas, poucos são os dados encontrados na literatura. Os produtos testados (Tabela 3), incluindo os acaricidas, na maioria são levemente nocivos; somente bifenthrin, fenpropathrin e carbosulfan foram moderadamente nocivos a nocivos às aranhas. Todavia, mais estudos devem ser realizados no sentido de estabelecer o efeito dos produtos sobre esses inimigos naturais. Entre os produtos fitossanitários adotados em citros com dados obtidos de sua ação sobre os parasitóides (Tabela 3), somente bromopropilato, cyhexatin, óleo mineral e aldicarb foram inócuos ou levemente nocivos; os demais foram moderadamente nocivos ou nocivos. Já para Ageniaspis citricola Logvinovskaya, importante inimigo natural do minador-dos-citros Phyllocnistis citrella Stainton, a maioria dos produtos fitossanitários utilizados foi nociva, com poucas exceções inócuas a esse parasitóide, que foram dicofol, hexythiazox, diflubenzuron, óleo mineral e o fungicida benomyl. Apesar da utilização constante de inseticidas e produtos com grande impacto sobre A. citricola, esse parasitóide tem aumentado a sua população, disseminando-se com grande velocidade e reduzindo drasticamente a população de P. citrella. Esse inimigo natural apresenta, possivelmente, meio de defesa contra os produtos fitossanitários ou fica protegido dentro da presa, não sendo atingido por estes, podendo completar seu ciclo e exercer o controle biológico da praga.

9 SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS Tabela 3. Seletividade de produtos fitossanitários aos aracnídeos e parasitóides de pragas dos citros 1 Uso 2 Ingrediente ativo Aranhas Parasitóides em geral Trichogramma spp. Encarsia formosa Ageniaspis citricola A Acrinathrin 3 N N A Azocyclotin N M N A Bifenthrin M N N N A Bromopropilato I L/M A Chlorfenapyr N A Cyhexatin L I N N N A Dicofol L I/M M M I A Dinocap N A Óxido fenbutatin I I N A Fenpyroximate N A Hexythiazox I L I A Lufenuron L N N A Propargite L L/M I M N A Pyridaben A, F Enxofre L I/L/N M/N A, I Abamectin N N N A, I Diafenthiuron N N A, I Diflubenzuron I I I A, I Ethion M/N N A, I Fenpropathrin M/N N N N A, I Flufenoxuron I A, I Óleo mineral I/ I A, I, N Carbosulfan I Acephate N N I Aldicarb N I Bacillus thuringiensis I I I Buprofezin I I I Carbaryl L/N N N I Chlorpyrifos N N N I Deltamethrin N N N I Diazinon N N N I Dimetoato N N N N I Fenthion I Imidacloprid N N I Metidathion N N N N I Triazophos N M I Triclorfon N N M F Benomyl I 1 I = inócuo; L = levemente nocivo; M = moderadamente nocivo; N = nocivo. 2 A = acaricida; I = inseticida; F = fungicida; N = nematicida. Fonte: YAMAMOTO et al. (1992); GRAVENA et al. (2001); IOBC/WPRS (2002).

10 362 PEDRO TAKAO YAMAMOTO e RENATO BEOZZO BASSANEZI Para o parasitóide de ovos Trichogramma spp., os inseticidas e acaricidas, em sua maioria, são nocivos, indicando que sua aplicação pode levar a efeitos colaterais indesejáveis (Tabela 3). Entre os que poderiam ser utilizados, sem efeitos indesejáveis, há o dicofol, considerado moderadamente nocivo, e o lufenuron, levemente nocivo. Já fenpyroximate, hexythiazox, propargite, diflubenzuron, flufenoxuron, Bacillus thuringiensis e buprofezin são inócuos ao Trichogramma spp. Para Encarsia formosa, importante inimigo natural de moscas-brancas, a lista de produtos com efeito nocivo é maior do que para Trichogramma spp. Entre os que podem ser utilizados, pelo seu moderado a baixo efeito, estão: Bacillus thuringiensis, buprofezin, diflubenzuron e óxido de fenbutatin (inócuos), hexythiazox (levemente nocivo) e azocyclotin, dicofol, propargite, triazophos e triclorfon (moderadamente nocivos). Os demais inseticidas e acaricidas devem ser empregados de forma criteriosa para não causar alta mortalidade ao parasitóide. Os inseticidas, de maneira geral, são nocivos aos parasitóides que ocorrem em citros, embora faltem ainda muitas informações. Desse modo, sua utilização deve estar relacionada à ocorrência das pragas-alvo de controle. Os acaricidas, embora menos nocivos, apresentam ingredientes ativos também altamente impactantes quando aplicados no agroecossitema citrícola, devendo seu uso estar atrelado aos níveis de ação recomendados para os ácaros-praga. 5. SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS CRISOPÍDEOS Em relação aos crisopídeos, importantes inimigos naturais de pragas dos citros, os acaricidas bromopropilato, cyhexatin, óxido de fenbutatin, dicofol, hexythiazox e propargite foram inócuos ou levemente nocivos, indicando que seu emprego provoca pouco impacto a esses inimigos naturais (Tabela 4).

11 SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS Tabela 4. Seletividade de produtos fitossanitários aos crisopídeos predadores de pragas dos citros 1 Uso 2 Ingrediente ativo Fases do crisopídeo Ovo Larva Pupa Adulto A, I Abamectin I I/L I I/N I Acephate 3 N N I Acetamiprid I I A Acrinathrin I A, I, N Aldicarb A Azocyclotin N N I B. thuringiensis Var. kurstaki I I A Bifenthrin I L/N N A Bromopropilato I/ I I Carbaryl N M/N N A, I Carbosulfan L/N I ChlorpyrifosN N N A Cyhexatin L/N N I Deltamethrin I N I/N I/N A, I Diafenthiuron I/ I I Diazinon N N A Dicofol I L A, I Diflubenzuron M/N M I Dimetoato N N I Fenitrothion N A, I Fenpropathrin M/N N A Fenpyroximate I/N L I Fenthion L N I Flufenoxuron N L/N N A Hexythiazox I/ I I Imidacloprid (SL) N I Imidacloprid (PM) I I A, I Lufenuron I N I/N I/N I Methidathion N N A Óxido de fenbutatin I I I I A Propargite I I A, I Pyridafenthion N I Pyriproxyfen I I I Tebufenozide I I I I I Thiacloprid I I I N I Thiamethoxam I N L/M L/M I, A TriazophosL M/ N I Trichorfon I Triflumuron 1 I = inócuo; L = levemente nocivo; M = moderadamente nocivo; N = nocivo. 2 A = acaricida; I = inseticida; F = fungicida; N = nematicida. 3 Sem informações. Fonte: YAMAMOTO et al. (1992); BUENO (2001); CARVALHO et al. (2002); GODOY et al. (2002a,b); IOBC/WPRS (2002).

12 364 PEDRO TAKAO YAMAMOTO e RENATO BEOZZO BASSANEZI O enxofre, que também tem ação fungicida, é inócuo ou levemente nocivo aos crisopídeos, podendo ser utilizado sem causar grande redução da população desse predador. Já os acaricidas com ação inseticida ou os inseticidas com ação acaricida, em sua maioria, com exceção de abamectin, são moderadamente nocivos ou nocivos aos crisopídeos. Os inseticidas, na sua grande maioria, são nocivos a esse grupo de inimigo natural, com exceção de aldicarb e triclorfon, levemente nocivos. Assim como para as joaninhas, os inseticidas devem ser usados de modo criterioso a fim de não provocar grande impacto e redução na população dos crisopídeos, diminuindo o controle biológico e propiciando, com isso, o aumento populacional de pragas. Entretanto, os dados apresentados são uma compilação de resultados obtidos por vários autores, que, na grande maioria, estudaram a ação dos produtos fitossanitários sobre adultos e larvas dos crisopídeos. Alguns desses produtos, embora pouco nocivos à fase adulta, são bastante nocivos à fase de ovo e jovem dos crisopídeos e vice-versa. Lufenuron, embora seja nocivo para a fase adulta e ovos de Chrysoperla externa (Hagen), foi inócuo para as fases jovens e de pupa e, apesar de não ser seletivo para adultos, teve pouco efeito na viabilidade de ovos. Thiamethoxam foi levemente ou moderadamente nocivo para pupas e adultos e inócuo para ovos; entretanto, foi nocivo para a fase jovem. Outro produto com toxicidade diferencial para as diversas fases dos crisopídeos é o thiacloprid, que é inócuo para ovos, larvas e pupas e nocivo para adultos. Deltamethrin apresenta características semelhantes; contudo, somente é inócuo para ovos. De maneira geral, os produtos apresentam consistência no efeito sobre neurópteros: quando tóxicos, são para todas as fases e, quando de baixa toxicidade, também são para todos os estádios. 6. SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS Segundo ALVES et al. (2000), a ação dos produtos fitossanitários sobre o entomopatógeno pode variar em função da espécie e da linhagem, da natureza química do ingrediente ativo, das formulações e das dosagens utili-

13 SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS zadas. Essas formulações podem atuar inibindo o crescimento vegetativo e a reprodução dos microorganismos e, até mesmo, causar mutações genéticas nos entomopatógenos, resultando em diminuição da virulência a determinada praga. Entre os acaricidas mais utilizados em citros, azocyclotin e cyhexatin foram muito tóxicos para os fungos Beauveria bassiana, Metarhizium anisopliae e Verticillium lecanii (Tabela 5). Dicofol foi tóxico para os dois primeiros fungos, mas compatível com V. lecanii. Lufenuron, ao contrário, foi tóxico para os dois últimos fungos e compatível com B. bassiana. Os demais acaricidas foram compatíveis ou tóxicos para somente um dos fungos testados. Apesar de pertencer ao mesmo grupo químico de azocyclotin e cyhexatin, óxido de fenbutatin foi compatível com os entomopatogênicos estudados. O enxofre, apesar de ter ação fungicida, foi compatível ou apresentou moderada toxicidade sobre B. bassiana, M. anisopliae e V. lecanii (Tabela 5). Esse resultado pode ser decorrente do uso excessivo e por longo tempo do enxofre, que pode ter exercido uma pressão de seleção no decorrer das gerações do fungo, selecionado propágulos mais resistentes, que predominaram sobre os mais sensíveis. Os inseticidas, com exceção de acephate, deltamethrin, dimetoato e imidacloprid, foram muito tóxicos para, pelo menos, um dos fungos entomopatogênicos estudados (Tabela 5). O óleo mineral, que apresenta ação inseticida e acaricida, e é constantemente adicionado aos inseticidas para aumentar-lhes a eficiência, foi muito tóxico para M. anisopliae, tóxico para B. bassiana e compatível para V. lecanii. Assim como ocorre o efeito sinergético no controle de pragas, a associação entre inseticidas e óleos minerais também incrementa o efeito tóxico sobre fungos entomopatogênicos de ambos. O uso dessa associação, portanto, deve ser criteriosamente analisado, em função da época de utilização, produto associado ao óleo mineral e dosagens. Com relação aos herbicidas empregados em citros, glifosato, o único a ser estudado, foi compatível com os fungos testados (Tabela 5). Os fungicidas benomyl, fosetyl-al, oxicloreto de cobre e thiophanate methyl, provavelmente em vista da ação sobre fungos, foram muito tóxicos para B. bassiana, M. anisopliae e V. lecanii (Tabela 5). Esses resultados indi-

14 366 PEDRO TAKAO YAMAMOTO e RENATO BEOZZO BASSANEZI cam que a utilização excessiva de fungicidas pode estar afetando o controle biológico dos insetos-pragas pelos fungos entomopatogênicos, principalmente nas áreas em que ocorre o fungo Guignardia citricarpa, agente causal da pinta-preta ou mancha-preta, nas quais são realizados até cinco aplicações de fungicidas por safra, com base na aplicação dos fungicidas testados e em alguns casos adicionados ao óleo mineral. Tabela 5. Seletividade de produtos fitossanitários aos fungos entomopatogênicos de ocorrência em citros 1 Uso 2 Ingrediente ativo Beauveria bassiana Fungos entomopatogênicos 3 Metarhizium anisopliae Verticillium lecanii A Acrinathrin C C C A Azocyclotin MT MT MD A Bifenthrin C C C A Bromopropilato T C C A Cyhexatin MT MT T A Dicofol T T C A Espirodiclofeno C C C A Lufenuron C T T A Óxido de fenbutatin C C C A Propargite C C C A, F Enxofre C MD MD A, I Ethion MT MT C A, I Fenpropathrin MT C C A, I Óleo mineral T MT C A, I TriazophosMT MT MD I Acephate C C C I Carbaryl MT MT MD I ChlropyrifosT MD C I Deltamethrin C C C I Dimetoato C C C I Fenthion MT T C I Imidacloprid C C 4 I Metidathion MT MT MT F Benomyl MT MT MT F Fosetyl-Al MT MT MT F Oxicloreto de cobre MT MT MT F Tiophanate-methyl MT MT MT H Glyphosate C C C 1 C = compatível; MD = moderadamente tóxico; T = tóxico; MT = muito tóxico (ALVES et al., 1998). 2 A = acaricida; I = inseticida; F = fungicida; H= herbicida. 3 Fonte: ALVES et al. (2000). 4 Sem informações.

15 SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS V. lecanii foi o fungo mais resistente aos produtos fitossanitários testados, provavelmente em decorrência de sua exposição contínua aos mesmos, por ser um fungo encontrado com freqüência no agroecossistema citrícola, que pode ter exercido uma pressão de seleção, selecionado propágulos mais resistentes, resultando em menor efeito dos produtos sobre o entomopatógeno. Os trabalhos foram desenvolvidos in vitro, como a maioria daqueles visando detectar o efeito de produtos fitossanitários sobres os fungos entomopatogênicos. Dessa forma, pode-se ter certeza de que, quando o produto é compatível em condições de laboratório, não há dúvidas sobre a seletividade em condições de campo. Por outro lado, a alta toxicidade em laboratório não sugere uma elevada toxicidade em campo e, sim, a possibilidade de causar danos à natureza. 7. SELETIVIDADE DE AGROQUÍMICOS UTILIZADOS PARA CONTROLE DAS PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS FÚNGICAS DOS CITROS Nas Tabelas de 6 a 12, encontram-se os resultados de seletividade de agroquímicos aos diferentes grupos e espécies de inimigos naturais em função das essenciais pragas-alvo de controle. A idéia é apresentar os primordiais produtos para controle das principais pragas, em função de sua ação sobre os inimigos naturais, sendo uma tabela de consulta para que os produtores e técnicos possam escolher o produto a ser empregado com menor impacto sobre os agentes de controle biológico de insetos fitófagos. A compilação não levou em consideração a eficiência do produto sobre as pragas-alvo e, sim, a seletividade aos grupos de inimigos naturais; na escolha do produto para se obter melhor controle, deve-se levar em conta a eficiência sobre a praga. Como leva em consideração a seletividade aos diferentes grupos e espécies de inimigos naturais e fungos entomopatogênicos, sua identificação deve ser aprimorada pelos inspetores de pragas e passar a ser cotidiano dos mesmos. Além de identificados, os inimigos naturais devem ser quantificados e anotados nas planilhas de inspeção de pragas.

16 368 PEDRO TAKAO YAMAMOTO e RENATO BEOZZO BASSANEZI Tabela 6. Seletividade de acaricidas para controle de Brevipalpus phoenicis a artrópodes predadores, parasitóides e fungos entomopatogênicos 1 Grupo de inimigos naturais (IN) Ação sobre IN Produto Ácaros predadores L Hexythiazox M Acrinathrin, bromopropilato, fenpyroximate, flufenoxuron, óxido de fenbutatin N Azocyclotin, bifenthrin, chlorfenapyr, cyhexatin, dicofol, fenpropathrin, propargite JoaninhasI Bromopropilato, diflubenzuron, hexythiazox L Chlofenapyr, cyhexatin, dicofol, fenpyroximate, flufenoxuron, óxido de fenbutatin M Acrinathrin, propargite N Azocyclorin, bifenthrin, fenpropathrin Bicho-lixeiro I 2 L Bromopropilato, cyhexatin, dicofol, hexythiazox, propargite N Azocyclotin, bifenthrin, fenpropathrin AranhasI Bromopropilato L Acrinathrin, cyhexatin, dicofol, fenpyroximate, óxido de fenbutatin, propargite M Bifenthrin N Fenpropathrin Parasitóides I Cyhexatin L Bromopropilato, quinometionato M Dicofol, propargite N Acrinathrin, azocyclotin, bifenthrin, fenpropathrin Continua

17 SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS Tabela 6.Conclusão Grupo de inimigos naturais (IN) Ação sobre IN Produto Ageniaspis citricola I Dicofol, diflubenzuron, hexythiazox M Bromopropilato N Acrinathrin, azocyclotin, chlorfenapyr, cyhexatin, enxofre, óxido de fenbutatin, propargite Trichogramma spp. I Óxido de fenbutatin, hexythiazox, propargite M Dicofol N Azocyclotin, bifenthrin, cyhexatin, fenpropathrin Encarsia formosa I L Hexythiazox M Azocyclotin, dicofol, propargite N Acrinathrin, bifenthrin, cyhexatin, dinocap, fenpropathrin Beauveria bassiana I Acrinathrin, bifenthrin, óxido de fenbutatin, propargite M Bromopropilato N Azocyclotin, cyhexatin, enxofre, fenpropathrin Metarhizium anisopliae I Acrinathrin, bifenthrin, bromopropilato, fenpropathrin, óxido de fenbutatin, propargite M Dicofol N Azocyclotin, cyhexatin Verticilium lecanii I Acrinathrin, bifenthrin, bromopropilato, dicofol, fenpropathrin, óxido de fenbutatin, propargite L Enxofre M Cyhexatin 1 I = inócuo, L = levemente nocivo, M = moderadamente nocivo, N = nocivo. 2 Sem produtos na classificação.

18 370 PEDRO TAKAO YAMAMOTO e RENATO BEOZZO BASSANEZI Tabela 7. Seletividade de acaricidas para controle de Phyllocoptruta oleivora a artrópodes predadores, parasitóides e fungos entomopatogênicos 1 Grupo de inimigos naturais (IN) Ação sobre IN Produto Ácaros predadores I Óleo mineral L Aldicarb M Abamectin, bromopropilato, enxofre N Azocyclotin, carbosulfan, cyhexatin, ethion, pyridafenthion, JoaninhasI Bromopropilato L Cyhexatin, óxido de fenbutatin, fenpyroximate, enxofre, aldicarb M Pyridafenthion, ethion N Azocyclotin Bicho-lixeiro I Mancozeb L Abamectin, aldicarb, bromopropilato, carbosulfan, cyhexatin, enxofre, óxido de fenbutatin, óleo mineral 2 N Azocyclotin, pyridafenthion, ethion AranhasI Bromopropilato L Cyhexatin, enxofre, fenpyroximate, óxido de fenbutatin M Carbosulfan N Parasitóides I Cyhexatin L Aldicarb, bromopropilato, formetanate, óleo mineral M Dicofol N Enxofre, ethion Continua

19 SELETIVIDADE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS AOS INIMIGOS Tabela 7. Conclusão Grupo de inimigos naturais (IN) Ação sobre IN Produto Ageniaspis citricola I Diflubenzuron, óleo mineral M Bromopropilato N Abamectin, azocyclotin, cyhexatin, enxofre, ethion, lufenuron, óxido de fenbutatin Trichogramma spp. I Óxido de fenbutatin L Lufenuron N Azocyclotin, cyhexatin Encarsia formosa I M Azocyclotin N Abamectin, aldicarb, cyhexatin, lufenuron Beauveria bassiana I Óxido de fenbutatin, lufenuron M Bromopropilato, óleo mineral N Azocyclotin, cyhexatin, enxofre, ethion Metarhizium anisopliae I Bromopropilato, ethion, óleo mineral óxido de fenbutatin L Azocyclotin, enxofre M Lufenuron N Azocyclotin, cyhexatin, ethion, óleo mineral Verticilium lecanii I Bromopropilato, ethion, óxido de fenbutatin, óleo mineral L Azocyclotin, enxofre M Cyhexatin, lufenuron N 1 I= inócuo, L= levemente nocivo, M= moderadamente nocivo, N= nocivo. 2 Sem produtos na classificação.

20 372 PEDRO TAKAO YAMAMOTO e RENATO BEOZZO BASSANEZI Tabela 8. Seletividade de inseticidas para controle de cochonilhas a artrópodes predadores, parasitóides e fungos entomopatogênicos 1 Grupo de inimigos naturais (IN) Ação sobre IN Produto Ácaros predadores I Óleo mineral L Aldicarb M Dimetoato N Carbaryl, deltamethrin, diazinon, ethion, metidathion, triazophos JoaninhasI Óleo mineral L Aldicarb M Ethion N Carbaryl, diazinon, dimetoato, fenthion, metidathion Bicho-lixeiro I Óleo mineral L Aldicarb 2 N Carbaryl, diazinon, dimetoato, ethion, fenthion, metidathion, pyridafenthion Parasitóides I L Aldicarb, óleo mineral N Carbaryl, diazinon, dimetoato, ethion, metidathion Ageniaspis citricola I Óleo mineral N Chlorpyrifos, deltamethrin, dimetoato, metidathion Continua

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Manejo Integrado de Pragas CATI / Campinas-SP 11/11/2011 Miguel Francisco de Souza Filho Pesquisador Científico Instituto Biológico - APTA Caixa Postal 70 CEP 13012-970 / Campinas - SP e-mail: miguelf@biologico.sp.gov.br

Leia mais

PERSPECTIVAS DO USO DE ÁCAROS PREDADORES NO CONTROLE BIOLÓGICO DE ÁCAROS-PRAGA NA CITRICULTURA

PERSPECTIVAS DO USO DE ÁCAROS PREDADORES NO CONTROLE BIOLÓGICO DE ÁCAROS-PRAGA NA CITRICULTURA ENTOMOLOGIA PERSPECTIVAS DO USO DE ÁCAROS PREDADORES NO CONTROLE BIOLÓGICO DE ÁCAROS-PRAGA NA CITRICULTURA MÁRIO EIDI SATO 1 RESUMO Os ácaros predadores das famílias Phytoseiidae e Stigmaeidae constituem

Leia mais

Índice. Página 1 de 10

Índice. Página 1 de 10 GRAVENA - Manejo Ecológico de Pragas Ltda. Consultoria Geral-Pesquisa-Treinamento PIONEIRA E ÚNICA NA AMÉRICA LATINA COM EXCLUSIVIDADE EM MEP Rodovia SP 253, Km 221,5 (Jaboticabal-Luiz Antônio), Caixa

Leia mais

Identificação e Monitoramento de Pragas Regulamentadas e seus Inimigos Naturais na Cultura da Laranja Lima

Identificação e Monitoramento de Pragas Regulamentadas e seus Inimigos Naturais na Cultura da Laranja Lima Identificação e Monitoramento de Pragas Regulamentadas e seus Inimigos Naturais na Cultura da Laranja Lima 08 ÁCAROS ÁCARO DA FERRUGEM (Phyllocoptruta oleivora) Foto: FUNDECITRUS Sadio Com sintoma

Leia mais

Controle Microbiano de Fernanda Goes Mendes Marina Chamon Abreu Seminário de Microbiologia do Solo 2014/1 O controle de na agricultura é um fator limitante e resulta no aumento do custo de produção; O

Leia mais

OPÇÕES E CUSTOS COMPARATIVOS PARA UM PROGRAMA DE REDUÇÃO DO INÓCULO DA LEPROSE DOS CITROS

OPÇÕES E CUSTOS COMPARATIVOS PARA UM PROGRAMA DE REDUÇÃO DO INÓCULO DA LEPROSE DOS CITROS ENTOMOLOGIA OPÇÕES E CUSTOS COMPARATIVOS PARA UM PROGRAMA DE REDUÇÃO DO INÓCULO DA LEPROSE DOS CITROS JOSÉ C.V. RODRIGUES 1, 2, FABIANO Z. UETA 1 e RONALD P. MURARO 1 RESUMO A leprose dos citros apresenta

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS DA CANA- DE AÇÚCAR NA PRÁTICA Resumo Bruno Pereira Santos 1 ; Profa. Dra. Ana Maria Guidelli Thuler 2 1, 2 Universidade de Uberaba bruno pereira santos 1, bpereiira955@gmail.com

Leia mais

Pesquisa, Consultoria e Treinamento Agrícola Ltda. Soluções para Manejo de Pragas, Plantas Daninhas, Biotecnologia Aplicada e Monitoramento Ambiental

Pesquisa, Consultoria e Treinamento Agrícola Ltda. Soluções para Manejo de Pragas, Plantas Daninhas, Biotecnologia Aplicada e Monitoramento Ambiental Pesquisa, Consultoria e Treinamento Agrícola Ltda. Soluções para Manejo de Pragas, Plantas Daninhas, Biotecnologia Aplicada e Monitoramento Ambiental Estações Experimentais de Pesquisa EEGJaboticabal EEGUberlândia

Leia mais

CITROS - PRAGAS Foto: tudosobreplantas.net Foto: lookfordiagnosis.com

CITROS - PRAGAS Foto: tudosobreplantas.net Foto: lookfordiagnosis.com CITROS - PRAGAS Foto: tudosobreplantas.net Foto: lookfordiagnosis.com Ácaro da Ferrugem Phyllocoptruta oleivora em Fruto Fonte: www.centrodecitricultura.com.br Ácaro da Ferrugem Phyllocoptruta oleivora

Leia mais

Inimigos Naturais de Pragas de Plantas Cítricas no Estado do Rio de Janeiro William Costa Rodrigues 1

Inimigos Naturais de Pragas de Plantas Cítricas no Estado do Rio de Janeiro William Costa Rodrigues 1 Copyright 2004, Entomologistas do Brasil Inimigos Naturais de Pragas de Plantas Cítricas no Estado do Rio de Janeiro William Costa Rodrigues 1 1. Introdução A citricultura possui destaque na balança comercial

Leia mais

Helicoverpa armigera. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br

Helicoverpa armigera. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br Helicoverpa armigera Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br Controle Biológico com ênfase a Trichogramma Postura no coleto Posturas nas folhas Trichogramma Manejo Integrado de Pragas com ênfase

Leia mais

Tamarixia radiata x Diaphorina citri nova abordagem do controle biológico clássico

Tamarixia radiata x Diaphorina citri nova abordagem do controle biológico clássico Tamarixia radiata x Diaphorina citri nova abordagem do controle biológico clássico José Roberto P. Parra Alexandre J. F. Diniz Jaci Mendes Vieira Gustavo R. Alves Departamento de Entomologia e Acarologia

Leia mais

DOENÇAS E PRAGAS DOS CITROS

DOENÇAS E PRAGAS DOS CITROS DOENÇAS E PRAGAS DOS CITROS Material didático baseado em informações e slides de Dr.Renato B. Bassanezi Dr. Pedro T. Yamamoto Centro de Pesquisas Citrícolas Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus(

Leia mais

José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq

José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq O Brasil é líder na Agricultura Tropical, com uma tecnologia própria Área (ha) 450.000 400.000 350.000 300.000 Área usada Área agricultável

Leia mais

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Plantas cultivadas em sistema de aquaponia Alface Cebolinha

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO DAS PRAGAS DE CITROS

CONTROLE BIOLÓGICO DAS PRAGAS DE CITROS BOLETIM ITRÍOLA Junho nº 21/2002 ONTROLE BIOLÓGIO DAS PRAGAS DE ITROS José R. P. Parra EEB branco BOLETIM ITRÍOLA Junho nº 21/2002 ONTROLE BIOLÓGIO DAS PRAGAS DE ITROS José R. P. Parra EEB opyright : Editora

Leia mais

Epagri. Manejo de pragas da maçã: safra 2014. www.epagri.sc.gov.br

Epagri. Manejo de pragas da maçã: safra 2014. www.epagri.sc.gov.br Manejo de pragas da maçã: safra 2014 Epagri www.epagri.sc.gov.br Cristiano João Arioli Epagri Estação Experimental de São Joaquim cristianoarioli@epagri.sc.gov.br Manejo de pragas da maçã: safra 2014

Leia mais

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas Controle Biológico Postura no coleto Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br Posturas nas folhas Proteção Ambiental: Controle Biológico Agrotóxicos Produtividade x Saúde do Trabalhador Rural Fonte:

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

Principais Insetos-praga e Inimigos Naturais no Sistema de Produção Orgânica de Maçãs

Principais Insetos-praga e Inimigos Naturais no Sistema de Produção Orgânica de Maçãs Principais Insetos-praga e Inimigos Naturais no Sistema de Produção Orgânica de Maçãs Principal Insect-pest and Natural Enemies in the Organic Apples Production SANTOS, Janaína Pereira dos. Epagri- Estação

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

O MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS (MIP) EM SOJA E O COMPROMISSO COM O MEIO AMBIENTE

O MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS (MIP) EM SOJA E O COMPROMISSO COM O MEIO AMBIENTE O MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS (MIP) EM SOJA E O COMPROMISSO COM O MEIO AMBIENTE A. R. Panizzi Entomologista, Ph.D., Embrapa Soja, Caixa Postal 231, Londrina, PR 861-97, email: panizzi@cnpso.embrapa.br Resumo

Leia mais

FIGURA 2. Modelo do efeito da injúria provocada por insetos sobre a produção.

FIGURA 2. Modelo do efeito da injúria provocada por insetos sobre a produção. 1 COEITOS BÁSICOS DO MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS O Manejo Integrado de Pragas (MIP) é uma filosofia de controle de pragas que procura preservar e incrementar os fatores de mortalidade natural, através do

Leia mais

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo UNIPAC Curso de Agronomia Manejo Fitossanitário na Cana-de-açúcar Insetos-Pragas GRANDES CULTURAS I - Cultura da Cana-de-açúcar Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo Introdução Os danos causados

Leia mais

Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO

Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO Dirceu Pratissoli 1 1 Departamento de Produção Vegetal,

Leia mais

Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil

Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil Leonardo R. Barbosa Laboratório de Entomologia Florestal Embrapa Florestas SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PRAGAS QUERENTERNARIAS

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

ESTRATÉGIAS E MANEJO ALTERNATIVO DE CONTROLE DE PRAGAS APLICADOS A AGRICULTURA FAMILIAR

ESTRATÉGIAS E MANEJO ALTERNATIVO DE CONTROLE DE PRAGAS APLICADOS A AGRICULTURA FAMILIAR INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL CENTRO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL CENTRO SERRANO ESTRATÉGIAS E MANEJO ALTERNATIVO DE CONTROLE DE PRAGAS APLICADOS A AGRICULTURA

Leia mais

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO Fundação Mokiti Okada M.O.A Mokiti Okada - CPMO CADEIA PRODUTIVA DA AGRICULTURA ORGÂNICA Audiência Pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária CRA Senado Federal Novembro 2008 1 Mokiti Okada CPMO

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM SOJA: IMPACTO DE INSETICIDAS SOBRE INIMIGOS NATURAIS*

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM SOJA: IMPACTO DE INSETICIDAS SOBRE INIMIGOS NATURAIS* 6 MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM SOJA: IMPACTO DE INSETICIDAS SOBRE INIMIGOS NATURAIS* A. Batista Filho, Z.A. Ramiro, J.E.M. Almeida, L.G. Leite, E.R.R. Cintra, C. Lamas Centro de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS EM CULTIVOS COMERCIAIS COMO ALTERNATIVA AO USO DE AGROTÓXICOS

CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS EM CULTIVOS COMERCIAIS COMO ALTERNATIVA AO USO DE AGROTÓXICOS CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS EM CULTIVOS COMERCIAIS COMO ALTERNATIVA AO USO DE AGROTÓXICOS Alan Martins de Oliveira Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN / Faculdade de Ciências Econômicas.

Leia mais

Alexandre de Sene Pinto

Alexandre de Sene Pinto Alexandre de Sene Pinto transformação Crise dos alimentos Perdas na produção por fatores ambientais Crise dos alimentos Países estão comendo mais: China, Índia e Brasil Áreas agrícolas 450.000 Área (ha)

Leia mais

PULGÃO: TRANSMISSÃO DE VÍRUS E MANEJO. Waldir Cintra de Jesus Junior wcintra@fundecitrus.com.br 0800-112155

PULGÃO: TRANSMISSÃO DE VÍRUS E MANEJO. Waldir Cintra de Jesus Junior wcintra@fundecitrus.com.br 0800-112155 PULGÃO: TRANSMISSÃO DE VÍRUS E MANEJO Waldir Cintra de Jesus Junior wcintra@fundecitrus.com.br 0800-112155 Tópicos a serem abordados Condições para se ter doença Como os patógenos se disseminam? E os vírus?

Leia mais

Pragas dos seringais e seu controle

Pragas dos seringais e seu controle Pragas dos seringais e seu controle Eng. Agro. Dr. Marcel Tanzini I Fórum Interestadual VII Simpósio Capixaba de Seringueira A AGRICULTURA É UMA CIÊNCIA QUE NOS ENSINA QUE AS CULTURAS SÃO PLANTADAS DE

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

A lagarta acabou com o meu feijão!

A lagarta acabou com o meu feijão! A lagarta acabou com o meu feijão! A UU L AL A Os brasileiros gostam muito de um bom prato de arroz e feijão. Quando vamos ao supermercado e compramos um pacote de feijão pronto para ser cozido, não imaginamos

Leia mais

OCORRÊNCIA DE CRISOPÍDEOS (NEUROPTERA: CHRYSOPIDAE) EM DIFERENTES PLANTAS

OCORRÊNCIA DE CRISOPÍDEOS (NEUROPTERA: CHRYSOPIDAE) EM DIFERENTES PLANTAS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 OCORRÊNCIA DE CRISOPÍDEOS (NEUROPTERA: CHRYSOPIDAE) EM DIFERENTES PLANTAS Elton Luiz Scudeler 1 ;

Leia mais

04 Maio 2013 - Cultura do milho

04 Maio 2013 - Cultura do milho 04 Maio 2013 - Cultura do milho Desafio complexo A popularização do cultivo de milho Bt, somada à recente identificação da espécie Helicoverpa armigera no Brasil, redobra a exigência de atenção ao manejo

Leia mais

& ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $""4

& ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $4 ! "#$""$% & ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $""4 1. INTRODUÇÃO As vespinhas pertencentes ao gênero Trichogramma são insetos diminutos (tamanho médio entre 0,2 a 1,5 mm) pertencentes à ordem Hymenoptera

Leia mais

ANDREA DE FÁTIMA TORRES

ANDREA DE FÁTIMA TORRES ANDREA DE FÁTIMA TORRES TOXICIDADE DE INSETICIDAS UTILIZADOS NA CAFEICULTURA ÀS ESPÉCIES PREDADORAS Chrysoperla externa (HAGEN) (NEUROPTERA: CHRYSOPIDAE) E Cryptolaemus montrouzieri MULSANT (COLEOPTERA:

Leia mais

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems ABCBio (Associação Brasileira das empresas de Controle Biológico) foi fundada em 2007, com a missão de congregar as empresas de

Leia mais

Palavras-chaves: Algodão, controle biológico, levantamento de pragas.

Palavras-chaves: Algodão, controle biológico, levantamento de pragas. FLUTUAÇÃO POPULACIONAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO COLORIDO BRS VERDE EM CATALÃO - GO. Nilton Cezar Bellizzi 2,4 ; David Hudson lopes Junior 1,4 ; Roberli Ribeiro Guimarães 3,4 ; Juliana Costa Biscaia 3,4

Leia mais

PRAGAS DA SERINGUEIRA

PRAGAS DA SERINGUEIRA PRAGAS DA SERINGUEIRA Fernando da Silva Fonseca Eng. Agr. MSc Entomologia Plantações E. Michelin Ltda Rod. BR-163, km 16,5 cx postal 80 Cep:78700-000 Itiquira, MT Tel/Fax: (65) 3449.4000 PERCEVEJO-DE-RENDA

Leia mais

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização:

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização: Ações de manejo da Helicoverpa armigera Realização: Quem é a praga? A Helicoverpa armigera é uma praga exótica, polífaga, que se alimenta de várias culturas agrícolas e plantas daninhas. Na fase de larva

Leia mais

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo A cultura da soja está exposta, durante gemmatalis (lagarta todo o seu ciclo, ao ataque de diferentes Pseudoplusia includens espécies de insetos. Esses insetos

Leia mais

Auxiliares e outros meios de controlo de pragas e doenças do olival

Auxiliares e outros meios de controlo de pragas e doenças do olival Auxiliares e outros meios de controlo de pragas e doenças do olival Isabel Patanita, Cláudia Gonçalves, Paula Nozes, Fátima Dias, Francisco Alvim, Preciosa Fragoso & Margarida Pereira Pragas da oliveira

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS unesp MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS Prof. Dr. Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu 1. INTRODUÇÃO As plantações florestais brasileiras ocupam área de 5,7 milhões de ha, representando

Leia mais

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL

Leia mais

O manejo da resistência de pragas a inseticidas depende de todos nós: Adote esta idéia!

O manejo da resistência de pragas a inseticidas depende de todos nós: Adote esta idéia! O manejo da resistência de pragas a inseticidas depende de todos nós: Adote esta idéia! Manejo da Resistência de Pragas a Inseticidas: Considere essa Alternativa A produção vegetal atual está anos-luz

Leia mais

Comunicado Técnico 49

Comunicado Técnico 49 Comunicado Técnico 49 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Pragas da Fase Vegetativa e Reprodutiva Ivan Cruz 1 Paulo Afonso Viana José Magid Waquil Os danos causados pelas pragas

Leia mais

Influência da dureza e potencial hidrogeniônico da calda de pulverização sobre o controle do ácaro-da-leprose em frutos de laranja doce

Influência da dureza e potencial hidrogeniônico da calda de pulverização sobre o controle do ácaro-da-leprose em frutos de laranja doce Influência da dureza e potencial hidrogeniônico da calda de pulverização sobre o controle do ácaro-da-leprose em frutos de laranja doce Evandro Pereira Prado ( * ); Demétrius de Araújo; Carlos Gilberto

Leia mais

Manejo integrado de pragas. Bráulio Santos Eng. Agr.,Entomologista bsantos@ufpr.br

Manejo integrado de pragas. Bráulio Santos Eng. Agr.,Entomologista bsantos@ufpr.br Manejo integrado de pragas Bráulio Santos Eng. Agr.,Entomologista bsantos@ufpr.br Principais pragas na cultura do morango Ácaro rajado > Tetranychus urticae Ácaro-do-enfezamento> Steneotarsonemus pallidus

Leia mais

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Luan Cruvinel Miranda (1) ; Mateus Murilo Rosa (1) ; Ricardo Monteiro Corrêa (2) (1) Estudante de Agronomia. Instituto Federal

Leia mais

Forest Stewardship Council FSC Brasil

Forest Stewardship Council FSC Brasil São Paulo, 19 de dezembro de 2014. Edital de convocação Candidatura para Grupo Consultivo Nacional de Manejo Integrado de Pragas (GCNMIP) O Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil, é uma organização

Leia mais

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz José Otávio Menten Estagiária: Mariane S. Ishizuka Agosto de 2014 HOMEM: NÔMADE SEDENTÁRIO FLORESTA CLAREIRA AGRICULTURA EXPLORAÇÃO ATÉ EXAUSTÃO ABANDONO

Leia mais

Plano de Supressão da praga Helicoverpa armigera no Estado do Piauí (02/01/2014)

Plano de Supressão da praga Helicoverpa armigera no Estado do Piauí (02/01/2014) Plano de Supressão da praga Helicoverpa armigera no Estado do Piauí (02/01/2014) CONTEÚDO INTRODUÇÃO MEDIDAS EMERGENCIAIS PARA O MANEJO DE Helicoverpa armigera 1. Uso de plantas geneticamente modificadas

Leia mais

ALGODÃO AGROECOLÓGICO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011

ALGODÃO AGROECOLÓGICO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 ALGODÃO AGROECOLÓGICO Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 ALGODÃO AGROECOLÓGICO ESPÉCIES CULTIVADAS E SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO BRASIL IMPORTÂNCIA DO ALGODOEIRO PARA A REGIÃO SEMIÁRIDA PORQUE CULTIVAR

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA Nome do Projeto: Efeito de Bacillus thuringiensis Berliner sobre a traça-dascrucíferas, Plutella xylostella (L.), na cultura de Brócolis, Brassica oleracea var. italica.

Leia mais

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br.

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br. Avaliação de Pragas em uma Cultura de Milho para Produção de Sementes. BELLIZZI, N. C. 1, WINDER, A. R. S. 2, PEREIRA JUNIOR, R. D. 2 e BARROS, H. A. V. 2. 1 Docente do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

AÇÃO DE FUNGICIDAS SOBRE O CRESCIMENTO DO FUNGO ENTOMOPATOGÊNICO Beauveria bassiana (Bals.) VUILL

AÇÃO DE FUNGICIDAS SOBRE O CRESCIMENTO DO FUNGO ENTOMOPATOGÊNICO Beauveria bassiana (Bals.) VUILL AÇÃO DE FUNGICIDAS SOBRE O CRESCIMENTO DO FUNGO ENTOMOPATOGÊNICO Beauveria bassiana (Bals.) VUILL Francini Yumi Kagimura * Cristiane Regina Kasburg ** Danusa de Freitas *** Andréia Vilani **** Jéssica

Leia mais

Compatibility of Beauveria bassiana (Ascomycetes: Clavicipitaceae) with chemicals acaricides used in the control of cattle tick

Compatibility of Beauveria bassiana (Ascomycetes: Clavicipitaceae) with chemicals acaricides used in the control of cattle tick doi:10.4322/rbpv.018e1012 Rev. Bras. Parasitol. Vet., Jaboticabal, v. 18, supl. 1, p. 63-68, dez. 2009 ISSN 1984-2961 (eletrônico) Artigo Completo Compatibilidade de isolados de Beauveria bassiana (Ascomycetes:

Leia mais

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. 07 de janeiro de 2014 São Paulo/SP

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. 07 de janeiro de 2014 São Paulo/SP Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico 07 de janeiro de 2014 São Paulo/SP 1 1 Missão Congregar as empresas de controle biológico buscando o fortalecimento e a representatividade do setor.

Leia mais

PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE

PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisadora - Entomologia Agrícola Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios - APTA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

CONTROLE DA TRAÇA DO TOMATEIRO

CONTROLE DA TRAÇA DO TOMATEIRO CONTROLE DA TRAÇA DO TOMATEIRO ALVINO, Cláudio Adriano 1 ULIAN, Igor Zani 1 DIAS, Juliano Cardoso 1 CORREIA, Josimar Cordeiro 1 1 Discentes do curso de Agronomia da Faculdade de Agronomia e Engenharia

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto

Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto Sanidade Florestal e a busca pela sustentabilidade da produção. Pesq. Everton P. Soliman Sanidade Florestal - Tecnologia Edival VIII Simpósio Sobre Técncias de Plantio

Leia mais

AÇÕES EMERGENCIAIS PROPOSTAS PELA EMBRAPA PARA O MANEJO INTEGRADO DE Helicoverpa spp. EM ÁREAS AGRÍCOLAS

AÇÕES EMERGENCIAIS PROPOSTAS PELA EMBRAPA PARA O MANEJO INTEGRADO DE Helicoverpa spp. EM ÁREAS AGRÍCOLAS AÇÕES EMERGENCIAIS PROPOSTAS PELA EMBRAPA PARA O MANEJO INTEGRADO DE Helicoverpa spp. EM ÁREAS AGRÍCOLAS Conteúdo: 1. Diagnóstico 2. Ações emergenciais 2.1. Estabelecimento de um consórcio para manejo

Leia mais

SUSTENTABILIDADE Pesquisas e manejo no campo se voltam para práticas mais naturais, econômicas e sem desperdício

SUSTENTABILIDADE Pesquisas e manejo no campo se voltam para práticas mais naturais, econômicas e sem desperdício ANO VII I Nº 29 I ABRIL DE 2015 I WWW.FUNDECITRUS.COM.BR APOSTA NA SUSTENTABILIDADE Pesquisas e manejo no campo se voltam para práticas mais naturais, econômicas e sem desperdício REVISTA CITRICULTOR 1

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1. COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.166, de 2007) Institui incentivo fiscal para o controle biológico de pragas

Leia mais

OCORRÊNCIA E CONTROLE DA BROCA-DO-FRUTO-DO-ABACAXI Thecla basalides (GEYER, 1837)'

OCORRÊNCIA E CONTROLE DA BROCA-DO-FRUTO-DO-ABACAXI Thecla basalides (GEYER, 1837)' OCORRÊNCIA E CONTROLE DA BROCA-DO-FRUTO-DO-ABACAXI Thecla basalides (GEYER, 1837)' DORVALINO LORENZATO 2, EUGENE C. CHOUENEs, JUSSARA MEDEIROS', ALAN E. C. RODRIGUES 5, REGINA C. D. PEDERZOLLI 6 RESUMO

Leia mais

A ÁRVORE DO FUTURO PLANTIO DE MUDAS GENETICAMENTE MODIFICADAS MARCA NOVA FASE DAS PESQUISAS DE RESISTÊNCIA A DOENÇAS

A ÁRVORE DO FUTURO PLANTIO DE MUDAS GENETICAMENTE MODIFICADAS MARCA NOVA FASE DAS PESQUISAS DE RESISTÊNCIA A DOENÇAS ano VI n o 23 fevereiro de 2014 www.fundecitrus.com.br A ÁRVORE DO FUTURO PLANTIO DE MUDAS GENETICAMENTE MODIFICADAS MARCA NOVA FASE DAS PESQUISAS DE RESISTÊNCIA A DOENÇAS fevereiro de 2014 EDITORIAL Caminhos

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS NO BRASIL

NORMAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS NO BRASIL OUTROS NORMAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS NO BRASIL JOSÉ ANTONIO ALBERTO DA SILVA 1, MAURO ANTÔNIO LUCHETTI 2 e JOSÉ DAGOBERTO DE NEGRI 3 RESUMO A certificação de produtos e

Leia mais

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes Manejo de pragas Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes O que é uma praga? *Inseto que cause danos diretos (ex. lagarta que se alimente das folhas de couve) O que é uma praga? * Inseto que cause danos

Leia mais

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Controle biológico de pragas Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Processo Produtivo Agrícola Tecnologia Plantas Daninhas Manejo físico do solo

Leia mais

Manejo Ambiental de Pragas dos Café

Manejo Ambiental de Pragas dos Café III dia do Manejo de Pragas do Café, Hotel San Diego, Uberlândia, MG, 15/09/2010. Manejo Ambiental de Pragas dos Café Prof. Santin Gravena Dr. Renan Gravena Sérgio Benvenga INSTRUTOTRES Santin Gravena

Leia mais

RELATÓRIO DE VIAGEM TÉCNICO CIENTÍFICA

RELATÓRIO DE VIAGEM TÉCNICO CIENTÍFICA RELATÓRIO DE VIAGEM TÉCNICO CIENTÍFICA MISSÃO AUSTRÁLIA FEV/2013. ABAPA / FUNDEAGRO, ASSOC. AGRÔNOMOS, AIBA, FUNDAÇÃO-BA... OBJETIVOS Visitar e conhecer lavouras de algodão na Austrália, com ênfase nos

Leia mais

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS 1 QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP Caixa Postal 237-18603-970 - Botucatu/SP - Fone: (14) 96711604 ulisses@fca.unesp.br 1. Conceitos básicos

Leia mais

Ensaio para avaliação de controle químico de pulgão-do-algodoeiro ( Aphis gossypii RESUMO

Ensaio para avaliação de controle químico de pulgão-do-algodoeiro ( Aphis gossypii RESUMO Ensaio para avaliação de controle químico de pulgão-do-algodoeiro (Aphis gossypii). Luis Alberto Aguillera 1, Alexandre Jacques Bottan 1. (1) Engenheiro Agrônomo, pesquisador do Departamento Técnico da

Leia mais

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS Samuel Eustáquio Morato Barbosa 1 ; Danival José de Sousa 2 ; 1 Aluno do Curso

Leia mais

Efeito de Produtos Fitossanitários Químicos Utilizados em Alface e Crisântemo Sobre Fungos Entomopatogênicos

Efeito de Produtos Fitossanitários Químicos Utilizados em Alface e Crisântemo Sobre Fungos Entomopatogênicos April - June 2002 263 BIOLOGICAL CONTROL Efeito de Produtos Fitossanitários Químicos Utilizados em Alface e Crisântemo Sobre Fungos Entomopatogênicos ELISÂNGELA DE S. LOUREIRO 1, ALCIDES MOINO JR. 2, ANDRÉ

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015.1 TRABALHO DE PESQUISA OBJETIVOS: Promover a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO ENCARNITA SALAS MARTIN * INTRODUÇÃO AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO Agrotóxicos, defensivos agrícolas, praguicidas, pesticidas ou biocidas, são denominações de substâncias químicas naturais ou

Leia mais

Controle de Alphitobius diaperinus com Beauveria bassiana Associada a Produtos Alternativos

Controle de Alphitobius diaperinus com Beauveria bassiana Associada a Produtos Alternativos Controle de Alphitobius diaperinus com Beauveria bassiana Associada a Produtos Alternativos Control of Alphitobius diaperinus with Beauveria bassiana associated with alternative products SANTORO, Patricia

Leia mais

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO PRODUÇÃO DE HONEYDEW POR INSETOS E SUAS RELAÇÕES COM A PEGAJOSIDADE

Leia mais

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov. COMO CONTROLAR PRAGAS E DOENÇAS NO CULTIVO ORGÂNICO? Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.br

Leia mais

PROGRAMAÇÃO. 6 de junho - segunda-feira DIA DO CITRICULTOR

PROGRAMAÇÃO. 6 de junho - segunda-feira DIA DO CITRICULTOR PROGRAMAÇÃO 6 de junho - segunda-feira DIA DO CITRICULTOR Coordenação: Lenice M. do Nascimento, Centro de Citricultura/IAC 13:30 Recepção de autoridades 14:00 Hasteamento de bandeiras e execução do Hino

Leia mais

Fábio Aquino de Albuquerque 1. Abstract

Fábio Aquino de Albuquerque 1. Abstract Estimativa do Número de Gerações do Ácaro-vermelho, Tetranychus ludeni, e seu Predador, Phytoseiulus macropilis, (Acari: Tetranychidae, Phytoseiidae) em Função das Projeções do aumento da Temperatura Média

Leia mais

OCORRÊNCIA E IMPORTÂNCIA DE INIMIGOS NATURAIS DE PRAGAS DE CAJUEIRO NO ESTADO DO CEARÁ (BRASIL)

OCORRÊNCIA E IMPORTÂNCIA DE INIMIGOS NATURAIS DE PRAGAS DE CAJUEIRO NO ESTADO DO CEARÁ (BRASIL) Ciências Agrárias OCORRÊNCIA E IMPORTÂNCIA DE INIMIGOS NATURAIS DE PRAGAS DE CAJUEIRO NO ESTADO DO CEARÁ (BRASIL) Antonio Lindemberg Martins Mesquita 1 Raimundo Braga Sobrinho 1 RESUMO A presente pesquisa

Leia mais

RESULTADOS DE PESQUISA

RESULTADOS DE PESQUISA RESULTADOS DE PESQUISA 02 2013 ALTA INFESTAÇÃO DE LAGARTAS NA CULTURA DO MILHO BT Eng. Agr. M. Sc. José Fernando Jurca Grigolli 1 ; Eng. Agr. Dr. André Luis Faleiros Lourenção 2 INTRODUÇÃO As tecnologias

Leia mais

Presença indesejável no Brasil

Presença indesejável no Brasil Presença indesejável no Brasil Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos mosca-branca (Bemisia argentifolii) é uma velha conhecida da comunidade científica. Os problemas que causa à agricultura

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Universidade Federal de Viçosa Departamento de Biologia Animal BAN 160 Entomologia Geral Manejo Integrado de Pragas Prof. Eliseu José G. Pereira eliseu.pereira@ufv.br O que é? Exemplos Organismo Praga

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INSETICIDAS E FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS PARA O CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS DA CANA-DE-AÇÚCAR

AVALIAÇÃO DE INSETICIDAS E FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS PARA O CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS DA CANA-DE-AÇÚCAR 347 AVALIAÇÃO DE INSETICIDAS E FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS PARA O CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS DA CANA-DE-AÇÚCAR J.E.M. Almeida, A. Batista Filho 2, S.B. Alves 3, T. Shitara 4 Centro de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

V Simpósio Brasileiro de Citricultura

V Simpósio Brasileiro de Citricultura V Simpósio Brasileiro de Citricultura 8 e 9 de NOVEMBRO de 2012 ABRIL DE 2012 ESALQ/USP PIRACICABA 1. Introdução O Simpósio Brasileiro de Citricultura terá sua 5ª edição no ano de 2012. Após o sucesso

Leia mais

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Categorias do Controle Biológico e MIP Micro biológico Nutrição Vegetal Semio químicos Controle

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

TOXICIDADE DE AGROQUÍMICOS USADOS NA CULTURA DO MILHO NA ESPANHA, SEM E COM CHUVA, PARA

TOXICIDADE DE AGROQUÍMICOS USADOS NA CULTURA DO MILHO NA ESPANHA, SEM E COM CHUVA, PARA TOXICIDADE DE AGROQUÍMICOS USADOS NA CULTURA DO MILHO NA ESPANHA, SEM E COM CHUVA, PARA Chrysoperla carnea (Stephens, 1836) (Neuroptera: Chrysopidae) EM LABORATÓRIO E CASA DE VEGETAÇÃO JADER BRAGA MAIA

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO MILHO EM PLANTIO DIRETO. Rodolfo Bianco

MANEJO DE PRAGAS DO MILHO EM PLANTIO DIRETO. Rodolfo Bianco MANEJO DE PRAGAS DO MILHO EM PLANTIO DIRETO Rodolfo Bianco IAPAR, CP 481, CEP 86001-970, Londrina, PR, Brasil. Fone: (43) 3376-2307. E-mail: rbianco@iapar.br Introdução No sistema de cultivo convencional,

Leia mais