Livro Eletrônico. Aula 00. Ética no Serviço Público p/ ATA-MF Professor: Herbert Almeida DEMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Livro Eletrônico. Aula 00. Ética no Serviço Público p/ ATA-MF Professor: Herbert Almeida DEMO"

Transcrição

1 Livro Eletrônico Aula 00 Ética no Serviço Público p/ ATA-MF Professor: Herbert Almeida

2 Teoria e exercícios comentados AULA 0: Ética no Setor Público Sumário CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO SERVIDOR PÚBLICO CIVIL DO PODER EXECUTIVO FEDERAL... 3 CONCEITO DE SERVIDOR PÚBLICO... 3 REGRAS DEONTOLÓGICAS... 3 PRINCIPAIS DEVERES DO SERVIDOR PÚBLICO... 6 VEDAÇÕES... 8 COMISSÃO DE ÉTICA QUESTÕES ESAF E MÚLTIPLA ESCOLHA...16 QUESTÕES COMENTADAS NA AULA GABARITO Olá concurseiros e concurseiras. É com muita satisfação que estamos lançando o curso de Ética no Serviço Público para o concurso de do Ministério da Fazenda ATA/MF. O nosso curso terá como foco as questões da Esaf. Caso ainda não me conheçam, meu nome é Herbert Almeida, sou Auditor de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo aprovado em 1º lugar no concurso para o cargo. Além disso, obtive o 1º lugar no concurso de Analista Administrativo do TRT/23º Região/2011. Meu primeiro contato com a Administração Pública ocorreu através das Forças Armadas. Durante sete anos, fui militar do Exército Brasileiro, exercendo atividades de administração como Gestor Financeiro, Pregoeiro, Responsável pela Conformidade de Registros de Gestão e Chefe de Seção. Sou professor das disciplinas de Administração Geral e Pública e de Direito Administrativo aqui no Estratégia Concursos. Ao longo de meus estudos, resolvi diversas questões, aprendendo a forma como cada organizadora aborda os temas previstos no edital. Assim, pretendo passar esses conhecimentos para encurtar o seu caminho em busca de seu objetivo. Então, de agora em diante, vamos firmar uma parceria que levará você à aprovação no concurso público para AssistenteTécnico Administrativo do Ministério da Fazenda. Teremos o seguinte conteúdo para a nossa disciplina: ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO: 1. Ética e moral. 2. Ética, princípios e valores. 3. Ética e democracia: exercício da cidadania. 4. Ética e função pública. 5. Ética no Setor Página 1 de 61

3 Público Decreto nº 1.171/1994 (Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal) Resoluções 1 a 10 da Comissão de Ética Pública da Presidência da República. Assim, nosso curso estará estruturado em três aulas, sendo esta aula inicial e mais duas, vejamos o cronograma: AULA Aula 0 Aula 1 Aula 2 CONTEÚDO DATA 5. Ética no Setor Público Decreto nº 1.171/1994 (Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Disponível Federal) 1. Ética e moral. 2. Ética, princípios e valores. 3. Ética e democracia: 01/02 exercício da cidadania. 4. Ética e função pública Resoluções 1 a 10 da Comissão de Ética Pública da Presidência 15/02 da República. Atenção! Este curso é composto somente por aulas em PDF. Não teremos videoaulas para a disciplina de ética no serviço público. Sem mais delongas, espero que gostem do material e vamos ao nosso curso. Observação importante: este curso é protegido por direitos autorais (copyright), nos termos da Lei 9.610/98, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Grupos de rateio e pirataria são clandestinos, violam a lei e prejudicam os professores que elaboram os cursos. Valorize o trabalho de nossa equipe adquirindo os cursos honestamente através do site Estratégia Concursos ;-) Página 2 de 61

4 CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO SERVIDOR PÚBLICO CIVIL DO PODER EXECUTIVO FEDERAL Olá pessoal, tudo bem? Começamos a nossa aula com uma breve explanação. As questões desse assunto meramente reproduzem o Código de Ética. Por isso, não se faz necessário ficar expondo teorias sobre o assunto. Assim, vamos apresentar os dispositivos do Código, fazendo análises rápidas e, em seguida, traremos questões sobre o assunto. Vamos lá? Conceito de servidor público O conceito de servidor público no Código de Ética é bem amplo, compreendendo todo aquele que, por força de lei, contrato ou de qualquer ato jurídico, preste serviços de natureza permanente, temporária ou excepcional, ainda que sem retribuição financeira, desde que ligado direta ou indiretamente a qualquer órgão do poder estatal, como as autarquias, as fundações públicas, as entidades paraestatais, as empresas públicas e as sociedades de economia mista, ou em qualquer setor onde prevaleça o interesse do Estado. Portanto, não são apenas os servidores estatutários, mas todos aqueles que prestem serviços de natureza permanente, temporário ou excepcional a qualquer órgão do poder estatal ou em qualquer setor que prevaleça o interessa do Estado. Regras deontológicas As regras deontológicas são as linhas gerais de conduta ética no serviço público. Portanto, são as orientações gerais sobre o que se considera ético e que deve orientar a atuação dos servidores públicos. Vejamos quais são as regras deontológicas: I - A dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos princípios morais são primados maiores que devem nortear o servidor público, seja no exercício do cargo ou função, ou fora dele, já que refletirá o exercício da vocação do próprio poder estatal. Seus atos, comportamentos e atitudes serão direcionados para a preservação da honra e da tradição dos serviços públicos. Página 3 de 61

5 Note que a dignidade, decoro, zelo, eficácia e consciência devem ser observados não só no exercício do cargo ou função, mas também fora dele. II - O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. Assim, não terá que decidir somente entre o legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, o oportuno e o inoportuno, mas principalmente entre o honesto e o desonesto, consoante as regras contidas no art. 37, caput, e 4, da Constituição Federal. III - A moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal, devendo ser acrescida da ideia de que o fim é sempre o bem comum. O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. Nesse contexto, o elemento ético não pode ser desprezado, devendo o servidor distinguir principalmente o honesto do desonesto. Com efeito, a moralidade na Administração vai além da distinção entre o bem e o mal, devendo-se observar que o fim é o bem comum, ou seja, o bem da coletividade, do interesse público. IV- A remuneração do servidor público é custeada pelos tributos pagos direta ou indiretamente por todos, até por ele próprio, e por isso se exige, como contrapartida, que a moralidade administrativa se integre no Direito, como elemento indissociável de sua aplicação e de sua finalidade, erigindo-se, como consequência, em fator de legalidade. V - O trabalho desenvolvido pelo servidor público perante a comunidade deve ser entendido como acréscimo ao seu próprio bem-estar, já que, como cidadão, integrante da sociedade, o êxito desse trabalho pode ser considerado como seu maior patrimônio. VI - A função pública deve ser tida como exercício profissional e, portanto, se integra na vida particular de cada servidor público. Assim, os fatos e atos verificados na conduta do dia-a-dia em sua vida privada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional. Essas regras reforçam o que vimos acima, ou seja, que o dever de ética vai além do desempenho da função pública, expressando-se até mesmo fora dela, uma vez que o exercício profissional se integra na vida particular de cada pessoa. VII - Salvo os casos de segurança nacional, investigações policiais ou interesse superior do Estado e da Administração Pública, a serem preservados em processo previamente declarado sigiloso, nos termos da lei, a publicidade de qualquer ato Página 4 de 61

6 administrativo constitui requisito de eficácia e moralidade, ensejando sua omissão comprometimento ético contra o bem comum, imputável a quem a negar. O Código de Ética considera que a publicidade de qualquer ato administrativo é requisito de eficácia e moralidade. Todavia, existem algumas exceções em que os atos não precisam ser publicados: a) casos de segurança nacional; b) investigações policiais; c) interesse superior do Estado e da Administração Pública. Vamos prosseguir com as regras deontológicas: VIII - Toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. Nenhum Estado pode crescer ou estabilizar-se sobre o poder corruptivo do hábito do erro, da opressão ou da mentira, que sempre aniquilam até mesmo a dignidade humana quanto mais a de uma Nação. Assim, mesmo que a verdade seja contrária aos interesses da Administração ou do particular, ela não poderá ser omitida ou falseada. IX - A cortesia, a boa vontade, o cuidado e o tempo dedicados ao serviço público caracterizam o esforço pela disciplina. Tratar mal uma pessoa que paga seus tributos direta ou indiretamente significa causar-lhe dano moral. Da mesma forma, causar dano a qualquer bem pertencente ao patrimônio público, deteriorando-o, por descuido ou má vontade, não constitui apenas uma ofensa ao equipamento e às instalações ou ao Estado, mas a todos os homens de boa vontade que dedicaram sua inteligência, seu tempo, suas esperanças e seus esforços para construí-los. X - Deixar o servidor público qualquer pessoa à espera de solução que compete ao setor em que exerça suas funções, permitindo a formação de longas filas, ou qualquer outra espécie de atraso na prestação do serviço, não caracteriza apenas atitude contra a ética ou ato de desumanidade, mas principalmente grave dano moral aos usuários dos serviços públicos. Portanto, servidor público deve agir com rapidez, evitando a formação de longas filas, pois esse tipo de conduta ofende a ética, constitui ato de desumanidade e grave dano moral aos usuários dos serviços públicos. XI - O servidor deve prestar toda a sua atenção às ordens legais de seus superiores, velando atentamente por seu cumprimento, e, assim, evitando a conduta negligente. Os repetidos erros, o descaso e o acúmulo de desvios tornam-se, às Página 5 de 61

7 vezes, difíceis de corrigir e caracterizam até mesmo imprudência no desempenho da função pública. Nessa linha, o servidor tem o dever de atender às ordens de seus superiores, abstendo-se de fazê-lo apenas quando a ordem for manifestamente ilegal. XII - Toda ausência injustificada do servidor de seu local de trabalho é fator de desmoralização do serviço público, o que quase sempre conduz à desordem nas relações humanas. XIII - O servidor que trabalha em harmonia com a estrutura organizacional, respeitando seus colegas e cada concidadão, colabora e de todos pode receber colaboração, pois sua atividade pública é a grande oportunidade para o crescimento e o engrandecimento da Nação. Por fim, destaca-se a regra sobre a ausência injustificada do servidor, que é considerada como fator de desmoralização do serviço público. Principais Deveres do Servidor Público Os deveres fundamentais do servidor público constam no inc. XIV: a) desempenhar, a tempo, as atribuições do cargo, função ou emprego público de que seja titular; b) exercer suas atribuições com rapidez, perfeição e rendimento, pondo fim ou procurando prioritariamente resolver situações procrastinatórias, principalmente diante de filas ou de qualquer outra espécie de atraso na prestação dos serviços pelo setor em que exerça suas atribuições, com o fim de evitar dano moral ao usuário; Percebe-se, novamente, a preocupação com a celeridade do andamento dos serviços, buscando evitar a formação de filas ou atrasos na prestação dos serviços. c) ser probo, reto, leal e justo, demonstrando toda a integridade do seu caráter, escolhendo sempre, quando estiver diante de duas opções, a melhor e a mais vantajosa para o bem comum; Nessa linha, se o servidor tiver que tomar uma decisão, deve sempre escolher aquela que melhor se adeque ao bem comum. Perceba, pois, que não é a mais vantajosa para administração ou para o particular, mas sim para o bem comum. Página 6 de 61

8 d) jamais retardar qualquer prestação de contas, condição essencial da gestão dos bens, direitos e serviços da coletividade a seu cargo; O dever de prestar contas é fundamento do Estado Democrático de Direito, uma vez que os agentes públicos administram recursos que não lhes pertencem, mas sim a toda a sociedade. Logo, todo servidor deve prestar contas do patrimônio que esteja administrando. e) tratar cuidadosamente os usuários dos serviços aperfeiçoando o processo de comunicação e contato com o público; f) ter consciência de que seu trabalho é regido por princípios éticos que se materializam na adequada prestação dos serviços públicos; g) ser cortês, ter urbanidade, disponibilidade e atenção, respeitando a capacidade e as limitações individuais de todos os usuários do serviço público, sem qualquer espécie de preconceito ou distinção de raça, sexo, nacionalidade, cor, idade, religião, cunho político e posição social, abstendo-se, dessa forma, de causar-lhes dano moral; Nesses dispositivos, demonstra-se a preocupação com o bom atendimento aos usuários dos serviços públicos. Destaca-se, ainda, que o servidor público não poderá agir com qualquer forma de preconceito. h) ter respeito à hierarquia, porém sem nenhum temor de representar contra qualquer comprometimento indevido da estrutura em que se funda o Poder Estatal; i) resistir a todas as pressões de superiores hierárquicos, de contratantes, interessados e outros que visem obter quaisquer favores, benesses ou vantagens indevidas em decorrência de ações imorais, ilegais ou aéticas e denunciá-las; Novamente observamos a preocupação com a hierarquia. Em regra, o agente público deve seguir as ordens de seus superiores. Porém, não deverá cumprir as ordens manifestamente ilegais nem deverá ceder a pressões contrárias ao interesse público, devendo, inclusive, denunciá-las. j) zelar, no exercício do direito de greve, pelas exigências específicas da defesa da vida e da segurança coletiva; l) ser assíduo e frequente ao serviço, na certeza de que sua ausência provoca danos ao trabalho ordenado, refletindo negativamente em todo o sistema; Página 7 de 61

9 A ausência do servidor reflete negativamente no andamento do serviço. Portanto, é dever do agente ser assíduo e frequente. Vejamos as últimas regras: m) comunicar imediatamente a seus superiores todo e qualquer ato ou fato contrário ao interesse público, exigindo as providências cabíveis; n) manter limpo e em perfeita ordem o local de trabalho, seguindo os métodos mais adequados à sua organização e distribuição; o) participar dos movimentos e estudos que se relacionem com a melhoria do exercício de suas funções, tendo por escopo a realização do bem comum; p) apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao exercício da função; q) manter-se atualizado com as instruções, as normas de serviço e a legislação pertinentes ao órgão onde exerce suas funções; r) cumprir, de acordo com as normas do serviço e as instruções superiores, as tarefas de seu cargo ou função, tanto quanto possível, com critério, segurança e rapidez, mantendo tudo sempre em boa ordem. s) facilitar a fiscalização de todos atos ou serviços por quem de direito; t) exercer com estrita moderação as prerrogativas funcionais que lhe sejam atribuídas, abstendo-se de fazê-lo contrariamente aos legítimos interesses dos usuários do serviço público e dos jurisdicionados administrativos; u) abster-se, de forma absoluta, de exercer sua função, poder ou autoridade com finalidade estranha ao interesse público, mesmo que observando as formalidades legais e não cometendo qualquer violação expressa à lei; v) divulgar e informar a todos os integrantes da sua classe sobre a existência deste Código de Ética, estimulando o seu integral cumprimento. Vedações O inc. XV encarrega-se de listar as condutas vedadas aos servidores públicos, vejamos: a) o uso do cargo ou função, facilidades, amizades, tempo, posição e influências, para obter qualquer favorecimento, para si ou para outrem; b) prejudicar deliberadamente a reputação de outros servidores ou de cidadãos que deles dependam; Página 8 de 61

10 c) ser, em função de seu espírito de solidariedade, conivente com erro ou infração a este Código de Ética ou ao Código de Ética de sua profissão; d) usar de artifícios para procrastinar ou dificultar o exercício regular de direito por qualquer pessoa, causando-lhe dano moral ou material; e) deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos ao seu alcance ou do seu conhecimento para atendimento do seu mister; Perceba que o Código de Ética exige, até mesmo, que a pessoa utilize os avanços técnicos e científicos que estiverem ao seu alcance ou do seu conhecimento para atendimento de sua função. Com isso, mantém-se o servidor atualizado e permite que o serviço à sociedade seja prestado em um nível de qualidade e eficiência satisfatórios. Vejamos outras vedações: f) permitir que perseguições, simpatias, antipatias, caprichos, paixões ou interesses de ordem pessoal interfiram no trato com o público, com os jurisdicionados administrativos ou com colegas hierarquicamente superiores ou inferiores; g) pleitear, solicitar, provocar, sugerir ou receber qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prêmio, comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para si, familiares ou qualquer pessoa, para o cumprimento da sua missão ou para influenciar outro servidor para o mesmo fim; h) alterar ou deturpar o teor de documentos que deva encaminhar para providências; i) iludir ou tentar iludir qualquer pessoa que necessite do atendimento em serviços públicos; Observa-se, acima, que o servidor público não deve provocar o recebimento de qualquer tipo de vantagem para cumprir sua missão. O Código também se preocupa com ações dos servidores utilizadas para iludir as pessoas que necessitem dos serviços públicos. Tal medida é muito importante, uma vez que os servidores conhecem muito mais a legislação e a realidade do serviço público do que os administrados. Assim, poderiam se utilizar de meios ilegais para beneficiar a si ou a terceiros. Vamos prosseguir com as vedações: Página 9 de 61

11 j) desviar servidor público para atendimento a interesse particular; l) retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio público; m) fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito interno de seu serviço, em benefício próprio, de parentes, de amigos ou de terceiros; n) apresentar-se embriagado no serviço ou fora dele habitualmente; o) dar o seu concurso a qualquer instituição que atente contra a moral, a honestidade ou a dignidade da pessoa humana; p) exercer atividade profissional aética ou ligar o seu nome a empreendimentos de cunho duvidoso. Comissão de ética O art. 2º do Decreto 1.171/1994 determina que os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta e indireta deverão implementar, em até sessenta dias, as providências necessárias à plena vigência do Código de Ética, inclusive por meio da constituição da respectiva Comissão de Ética, integrada por três servidores efetivos ou empregados titulares de permanente. Nessa linha, o inc. XVI do Código de Ética reforça a necessidade de instituir a Comissão de Ética em todos os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, indireta autárquica e fundacional, ou em qualquer órgão ou entidade que exerça atribuições delegadas pelo poder público. A mencionada Comissão será encarregada de orientar e aconselhar sobre a ética profissional do servidor, no tratamento com as pessoas e com o patrimônio público, competindo-lhe conhecer concretamente de imputação ou de procedimento susceptível de censura. A Comissão de Ética também deve fornecer, aos organismos encarregados da execução do quadro de carreira dos servidores, os registros sobre sua conduta ética, para o efeito de instruir e fundamentar promoções e para todos os demais procedimentos próprios da carreira do servidor público (XVIII). Acrescenta-se, ainda, que a única penalidade que poderá ser aplicada pela Comissão de Ética é a pena de censura, sendo que sua fundamentação constará do respectivo parecer, assinado por todos os seus integrantes, com ciência do faltoso. Página 10 de 61

12 Assim, é importante distinguir as penalidades administrativas previstas no Estatuto dos Servidores da pena que poderá ser aplicada pela Comissão de Ética. As sanções administrativas são aplicadas pela autoridade competente, nos termos da Lei 8.112/1990, observando-se as regras da sindicância ou processo administrativo disciplinar. Nesse caso, a Administração poderá aplicar ao servidor todas as penalidades constantes no art. 127 da Lei 8.112/1990. Por outro lado, a Comissão de Ética é responsável por apurar as infrações contra o Código de Ética, podendo aplicar unicamente a pena de censura. Assim, a Comissão de Ética não poderá aplicar, por exemplo, as penas de advertência, suspensão e demissão, que somente estão previstas no Estatuto dos Servidores. A Comissão de Ética só poderá aplicar a pena de censura. Vamos resolver algumas questões! 1. (Cespe Admin/SUFRAMA/2014) Caso um servidor público, responsável pelo atendimento ao público, permita que longas filas se formem em seu setor de trabalho, em virtude de ele acessar constantemente redes sociais de comunicação via telefone celular, tal conduta caracterizará falta ética. Comentário: um dos deveres do servidor público, segundo o Código de Ética, é o de exercer suas atribuições com rapidez, perfeição e rendimento, principalmente diante de filas ou de qualquer outra espécie de atraso na prestação dos serviços pelo setor em que exerça suas atribuições, com o fim de evitar dano moral ao usuário (XIV, b ). Gabarito: correto. 2. (Cespe AnaTA/SUFRAMA/2014) A participação do servidor público em cursos de aprimoramento que melhorem o desempenho das capacidades laborais relacionadas às atribuições do cargo é obrigação do servidor, a fim de que desempenhe com eficiência suas funções. Página 11 de 61

13 Comentário: a participação do servidor em movimentos e estudos que se relacionem com a melhoria do exercício de suas funções, tendo por escopo a realização do bem comum, constitui um dos deveres relacionados no Decreto (XIV, o ). Gabarito: correto. 3. (Cespe - Ag Adm/MDIC/2014) O Decreto n.º 1.171/1994 (Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal) impõe aos servidores públicos o dever de, em suas atividades, privilegiar a perfeição em detrimento da rapidez. Comentário: já conversamos sobre isso. O servidor deve procurar a perfeição no exercício de suas funções, sem prejuízo de atuar com rapidez e rendimento (XIV, b ). Gabarito: errado. 4. (Cespe - Ag Adm/MDIC/2014) O servidor público pode omitir a verdade sempre que isso for solicitado por pessoa interessada ou beneficiar a administração pública. Comentário: a nossa resposta encontra-se nas regras deontológicas. Lá, temos que toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública (Capítulo I, VIII). Gabarito: errado. 5. (Cespe AnaTA/MDIC/2014) Em uma repartição onde há atendimento ao público para fornecimento de certidões, a emissão de documentos foi interrompida em virtude de problemas técnicos, quando ainda havia tempo razoável de expediente de trabalho. Entretanto, um servidor público, sem buscar informações junto aos profissionais técnicos, exigiu que todos os cidadãos se retirassem das instalações do órgão e voltassem no dia seguinte, sem prestar qualquer informação sobre os motivos da decisão ou da interrupção do serviço. Nessa situação, o servidor público cometeu infração ética, uma vez que compete a ele informar aos usuários os motivos da paralisação do serviço, pois o aperfeiçoamento da comunicação e do contato com o público é um dever ético-funcional. Comentário: perfeito! O servidor deve tratar cuidadosamente os usuários dos serviços aperfeiçoando o processo de comunicação e contato com o público (Capítulo I, XIV, e ). Desse modo, ao não informar o motivo para a interrupção do serviço, o servidor cometeu ato contrário ao solicitado pelo Código de Ética. Página 12 de 61

14 Gabarito: correto. 6. (Cespe AnaTA/MDIC/2014) Em uma sociedade de economia mista que desenvolve atividade de prevalente interesse do Estado, determinado empregado falta ao trabalho frequentemente, sem justificativas. Nessa situação, a conduta do empregado constitui falta apenas em relação à Consolidação das Leis do Trabalho e ele não está sujeito ao Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo. Comentário: outro dever do servidor. Segundo o inc. XIV, l, o servidor deve ser assíduo e frequente ao serviço, na certeza de que sua ausência provoca danos ao trabalho ordenado, refletindo negativamente em todo o sistema. Portanto, a conduta do empregado, além de ser enquadrada como falta na CLT como mencionado no enunciado também caracteriza infração ao Código de Ética. Assim, o item está errado, pois contrariou o Código de Ética. Gabarito: errado. 7. (Cespe Cont/MTE/2014) A função pública, para todos os efeitos, deve ser tida como exercício profissional, não se integrando à vida particular do servidor público, o qual deve ser capaz de distinguir entre seus interesses privados e o bem comum. Comentário: pelas regras deontológicas (VI) temos: VI - A função pública deve ser tida como exercício profissional e, portanto, se integra na vida particular de cada servidor público. Assim, os fatos e atos verificados na conduta do dia-a-dia em sua vida privada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional. Assim, podemos assinalar como errado o nosso gabarito. Gabarito: errado. 8. (Cespe Cont/MTE/2014) O servidor público deve ser assíduo e frequente em seu serviço, posto que suas ausências ou atrasos causam prejuízos à ordem do trabalho, o que repercute, negativamente, em todo o sistema no qual esteja inserido. Comentário: agora ficou fácil, não é mesmo? É a transcrição do inc. XIV, l, que tratamos há pouco. Para fixar: XIV - São deveres fundamentais do servidor público: l) ser assíduo e freqüente ao serviço, na certeza de que sua ausência provoca danos ao trabalho ordenado, refletindo negativamente em todo o sistema. Gabarito: correto. Página 13 de 61

15 9. (Cespe Cont/MTE/2014) No que tange aos princípios morais, o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal trata dos primados da dignidade e da consciência como normas hierarquicamente superiores aos primados da eficácia e do zelo, visto que estes representam princípios técnicos de caráter secundário. Comentário: a dignidade, a consciência, a eficácia e o zelo configuram primados maiores que devem nortear o servidor público. Além disso, podemos incluir nesse grupo de princípios o decoro. Gabarito: errado. 10. (Cespe - Ag Adm/MTE/2014) Considere que Vagner, servidor do MTE, no final de semana, quando não trabalhava, tenha feito circular mensagem de correio eletrônico que caluniava Sílvia, colega de trabalho. Nessa situação, como a mensagem não partiu do espaço de trabalho e foi feita fora do horário de serviço, Vagner não cometeu atitude que fira o Código de Ética do MTE. Comentário: sabemos que a função pública se integra à vida particular do servidor (VI). Desse modo, mesmo que a atitude tomada por Vagner ocorra fora do horário e ambiente de trabalho, as ações de sua vida privada refletem também em sua vida profissional, e configuram atitude que fere o Código de Ética. Ademais, é vedado ao servidor prejudicar deliberadamente a reputação de outro servidor (XV, b ). Gabarito: errado. 11. (Cespe - Ag Adm/MTE/2014) O servidor público tem o dever de demonstrar integridade de caráter, escolhendo a melhor e mais vantajosa opção para o bem comum quando estiver diante de uma diversidade de alternativas. Comentário: aos poucos vamos conversando sobre todos os deveres dos servidores. Dessarte, o inc. XIV, c, infere ao ser servidor ser probo, reto, leal e justo, demonstrando toda a integridade do seu caráter, escolhendo sempre, quando estiver diante de duas opções, a melhor e a mais vantajosa para o bem comum. Gabarito: correto. 12. (Cespe - Ag Adm/MTE/2014) O servidor público pode alterar o teor de documentos que deva encaminhar para providências sempre que notar que a modificação colabora para o melhor andamento do serviço. Página 14 de 61

16 Comentário: alterar ou deturpar o teor de documentos que deva encaminhar para providências é indicado como uma das vedações ao servidor, e está presente no inc. XV, h do Decreto. Gabarito: errado. 13. (Cespe AA/ICMBio/2014) O servidor que é visto habitualmente embriagado fora de seu horário de expediente, mas cumpre suas atividades com esmero durante seu horário de trabalho não fere a ética do serviço público. Comentário: apresentar-se embriagado no serviço ou fora dele habitualmente é uma das vedações presentes no Decreto 1.171/1994, e corresponde à conduta que fere a ética do serviço público. Gabarito: errado. 14. (Cespe AA/ICMBio/2014) Suponha que um servidor utilize, às vezes, o veículo da repartição para resolver problemas particulares. Isso constitui ilícito no serviço público mesmo que a resolução desses problemas proporcione melhoria do desempenho do servidor no exercício de suas funções. Comentário: é vedado ao servidor retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio público (XV, l ). Logo, mesmo que a resolução desses problemas proporcione melhoria do desempenho do servidor no exercício de suas funções, conforme mencionado, isso constitui ilícito no serviço público. Gabarito: correto. 15. (Cespe AA/ICMBio/2014) Considere que um servidor, ao atender um usuário, tenha-o deixado esperando por muito tempo, fato que resultou na formação de uma longa fila em seu setor. Nesse caso, como o servidor se prestou a buscar informações benéficas para o usuário, primando pela precisão de seu trabalho, acima da celeridade, ele não feriu o Código de Ética do Servidor Público do Poder Executivo Federal. Comentário: a atitude de procurar resolver o problema do usuário não modifica o fato de que o servidor deixou de prestar o serviço com rapidez, perfeição e rendimento. Essa atitude beneficia um usuário, mas acaba por prejudicar os demais e, dessa maneira, vai contra o emanado pelo Decreto 1.171/1994. Gabarito: errado. Página 15 de 61

17 QUESTÕES ESAF E MÚLTIPLA ESCOLHA 16. (ESAF Auditor Fiscal do Trabalho/MTE/2006) De acordo com o Decreto n /1994 (Código de Conduta do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal), é vedado ao servidor público: I. determinar a um servidor que lhe é subordinado que vá ao banco pagar suas contas pessoais (contas do mandante). II. informar a um amigo sobre ato de caráter geral que está para ser publicado, cujo teor o beneficia (o amigo), mas que ainda é considerado assunto reservado no âmbito da Administração Pública. III. exercer atividade no setor privado. IV. ser membro de organização que defende a utilização de crianças como mão-deobra barata. V. representar contra seus superiores hierárquicos. Estão corretas: a) apenas as afirmativas I, II e IV. b) as afirmativas I, II, III, IV e V. c) apenas as afirmativas I e IV. d) apenas as afirmativas I, II, IV e V. e) apenas as afirmativas II e IV Comentário: as vedações ao servidor estão dispostas no inc. XV dó Código de Ética. Como a maioria das assertivas trabalha a literalidade da norma, em alguns casos vamos utilizar o texto do Decreto, em outros vamos apenas identificar o dispositivo em que se encontra a resposta, ok?! Nesse caso, vejamos cada uma das afirmações tentando localizá-las no Código: I. determinar a um servidor que lhe é subordinado que vá ao banco pagar suas contas pessoais (contas do mandante). Desviar servidor público para atendimento a interesse particular é uma das vedações ao agente público (inc. XV, j ) CORRETA; II. informar a um amigo sobre ato de caráter geral que está para ser publicado, cujo teor o beneficia (o amigo), mas que ainda é considerado assunto reservado no âmbito da Administração Pública. A vedação apresentada nessa situação está disposta no inc. XV, m fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito interno de seu serviço, em benefício próprio, de parentes, de amigos ou de terceiros CORRETA; Página 16 de 61

18 III. exercer atividade no setor privado. Desde que a atividade desenvolvida pelo agente não seja aética ou tenha cunho duvidoso, não é uma vedação o exercício de atividade no setor privado ERRADA; IV. ser membro de organização que defende a utilização de crianças como mão-deobra barata. Nem era preciso conhecer o Decreto, não é mesmo? Com base no inc. XV, o, dar o seu concurso a qualquer instituição que atente contra a moral, a honestidade ou a dignidade da pessoa humana constitui uma das vedações ao servidor CORRETA; V. representar contra seus superiores hierárquicos. Na realidade, o agente tem o dever de ter respeito à hierarquia, porém sem nenhum temor de representar contra qualquer comprometimento indevido da estrutura em que se funda o Poder Estatal (inc. XIV, h ) ERRADA. Portanto, temos: I correto; II correto; III errado; IV correto; e V errado (alternativa A apenas as afirmativas I, II e IV estão corretas). Gabarito: alternativa A. 17. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2004) De acordo com o Decreto nº 1.171/1994 (Código de Conduta do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal), são deveres fundamentais do servidor público: I. tratar cuidadosamente os usuários dos serviços, aperfeiçoando o processo de comunicação e contato com o público. II. omitir a verdade sobre fato que prejudique a Administração e beneficie o cidadão. III. ser assíduo e freqüente ao serviço. IV. facilitar a fiscalização de todos os atos ou serviços por quem de direito. Estão corretos os itens: a) I, II e III b) II, III e IV c) I, III e IV d) I, II e IV e) I, II, III e IV Comentário: devemos identificar os deveres do servidor. Assim, da mesma maneira como fizemos na assertiva anterior, vamos localizar cada uma das afirmativas no Código de Ética: Página 17 de 61

19 I. tratar cuidadosamente os usuários dos serviços, aperfeiçoando o processo de comunicação e contato com o público dever contido no inc. XIV, e CORRETA; II. omitir a verdade sobre fato que prejudique a Administração e beneficie o cidadão dentre as regras deontológicas presentes no Código temos Toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública (inc. VIII). Assim, o servidor não deve omitir a verdade, ainda que prejudique a Administração ERRADA; III. ser assíduo e freqüente ao serviço dever contido no inc. XIV, l CORRETA; IV. facilitar a fiscalização de todos os atos ou serviços por quem de direito dever contido no inc. XIV, s CORRETA. Desse modo, são corretas as afirmativas I, III e IV (alternativa C). Gabarito: alternativa C. 18. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2004) De acordo com o Decreto nº 1.171/1994 (Código de Conduta do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal), é vedado ao servidor público: I. valer-se do cargo para lograr proveito pessoal. II. desviar servidor público para atendimento a interesse particular. III. fazer uso, em benefício próprio, de informação privilegiada obtida em razão do cargo. IV. manter consigo, fora da repartição onde exerce suas funções, o computador portátil (notebook) que recebeu para uso no interesse do serviço. Estão corretos os itens: a) I, II e III b) II, III e IV c) I, III e IV d) I, II e IV e) I, II, III e IV Comentário: I. valer-se do cargo para lograr proveito pessoal. O uso do cargo ou função, facilidades, amizades, tempo, posição e influências, para obter qualquer favorecimento, para si ou para outrem é uma vedação apresentada no inc. XV, a CORRETA; II. desviar servidor público para atendimento a interesse particular. Página 18 de 61

20 Já falamos disso! Trata-se da vedação contida no inc. XV, j CORRETA; III. fazer uso, em benefício próprio, de informação privilegiada obtida em razão do cargo. Outra vedação que nós já vimos (vocês verão que iremos repeti-las várias vezes). Nesse caso, podemos localizá-la no inc. XV, m CORRETA; IV. manter consigo, fora da repartição onde exerce suas funções, o computador portátil (notebook) que recebeu para uso no interesse do serviço. Segundo o Código de Ética, é vedado ao servidor retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio público. No caso da questão, o servidor manteve consigo um computador portátil (notebook) que recebeu para uso no interesse do serviço. Imagine, por exemplo, um servidor 0que exerce uma auditoria fora da repartição em que trabalha e tenha recebido um notebook para utilizar nessas condições. Obviamente que, nesse caso, não existiria qualquer conduta reprovável, afinal a utilização do computador fora da repartição é necessária. Assim, muitas vezes, utilizar um notebook integrante do patrimônio público fora da repartição não representa qualquer irregularidade ERRADA. Com isso, os itens I, II e III estão corretos; enquanto o item IV está errado. Gabarito: alternativa A. 19. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2004) Não têm a obrigação de constituir as comissões de ética previstas no Decreto nº 1.171/1994 (Código de Conduta do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal): a) as autarquias federais. b) as empresas públicas federais. c) as sociedades de economia mista. d) os órgãos do Poder Judiciário. e) os órgãos e entidades que exerçam atribuições delegadas pelo poder público. Comentário: de acordo com o Código de Ética (inc. XVI) Em todos os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, indireta autárquica e fundacional, ou em qualquer órgão ou entidade que exerça atribuições delegadas pelo poder público, deverá ser criada uma Comissão de Ética [...]. Pela redação do inc. XVI, parece que, na administração indireta, somente as autarquias e as fundações devem instituir uma comissão de ética. Página 19 de 61

21 Porém, verificando o art. 2º do Decreto 1.171/1994, as comissões de ética também podem ser constituídas por empregados públicos. Além disso, vejamos o que dispõe o inc. XXIV do Código: XXIV - Para fins de apuração do comprometimento ético, entende-se por servidor público todo aquele que, por força de lei, contrato ou de qualquer ato jurídico, preste serviços de natureza permanente, temporária ou excepcional, ainda que sem retribuição financeira, desde que ligado direta ou indiretamente a qualquer órgão do poder estatal, como as autarquias, as fundações públicas, as entidades paraestatais, as empresas públicas e as sociedades de economia mista, ou em qualquer setor onde prevaleça o interesse do Estado. Logo, podemos deduzir que também deve existir comissão nas empresas públicas e sociedades de economia mista. Assim, a melhor leitura do inc. XVI deve considerar que as comissões de ética devem ser instituídas em toda a administração indireta. Por outro lado, o Poder Judiciário não se subordina às regras do Decreto 1.171/1994 e, portanto, não precisa instituir comissão de ética. Assim, o nosso gabarito é a letra D. Gabarito: alternativa D. 20. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2006) O Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado pelo Decreto n , de , exalta alguns valores que devem ser observados no exercício da função pública, a saber: I. verdade, como um direito do cidadão, ainda que contrária aos seus interesses ou da Administração. II. dignidade, que deve estar refletida em comportamentos e atitudes direcionados à preservação da honra e da tradição dos serviços públicos. III. moralidade, representada pelo equilíbrio entre a legalidade e a finalidade do ato. IV. decoro, que deve ser mantido pelo servidor não apenas no local de trabalho, mas, também, fora dele. V. cortesia, boa vontade e respeito pelo cidadão que paga os seus tributos. Estão corretas a) apenas as afirmativas II, III, IV e V. b) as afirmativas I, II, III, IV e V. c) apenas as afirmativas I, II, III e V. d) apenas as afirmativas I, III, IV e V. e) apenas as afirmativas III, IV e V. Página 20 de 61

22 Comentário: os valores refletem as regras deontológicas prescritas no Código de Ética. Assim, vamos apresentar cada uma das regras relacionadas com a questão, destacando os pontos importante e o item referente: I - A dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos princípios morais são primados maiores que devem nortear o servidor público, seja no exercício do cargo ou função, ou fora dele [item IV], já que refletirá o exercício da vocação do próprio poder estatal. Seus atos, comportamentos e atitudes serão direcionados para a preservação da honra e da tradição dos serviços públicos [item II]. [...] III - A moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal, devendo ser acrescida da idéia de que o fim é sempre o bem comum. O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo [item III]. [...] VIII - Toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública [item I]. Nenhum Estado pode crescer ou estabilizar-se sobre o poder corruptivo do hábito do erro, da opressão ou da mentira, que sempre aniquilam até mesmo a dignidade humana quanto mais a de uma Nação. IX - A cortesia, a boa vontade, o cuidado e o tempo dedicados ao serviço público caracterizam o esforço pela disciplina. Tratar mal uma pessoa que paga seus tributos direta ou indiretamente significa causar-lhe dano moral [item V]. Da mesma forma, causar dano a qualquer bem pertencente ao patrimônio público, deteriorando-o, por descuido ou má vontade, não constitui apenas uma ofensa ao equipamento e às instalações ou ao Estado, mas a todos os homens de boa vontade que dedicaram sua inteligência, seu tempo, suas esperanças e seus esforços para construí-los. Dessa forma, todos os itens estão corretos. Gabarito: alternativa B. 21. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2006) De acordo com o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado pelo Decreto n , de , é vedado ao servidor público: I. receber gratificação financeira para o cumprimento de sua missão. II. ser sócio de empresa que explore jogos de azar não-autorizados. III. informar, a um seu amigo de muitos anos, do conhecimento que teve, em razão das funções, de uma minuta de medida provisória que, quando publicada, afetará substancialmente as aplicações financeiras desse amigo. IV. permitir que simpatias ou antipatias interfiram no trato com o público. V. ser, em função do seu espírito de solidariedade, conivente com seu colega de trabalho que cometeu infração de natureza ética. Estão corretas: a) apenas as afirmativas I, II, IV e V b) as afirmativas I, II, III, IV e V. c) apenas as afirmativas I, II, III, e V. Página 21 de 61

23 d) apenas as afirmativas I, II e V. e) apenas as afirmativas I e II. Comentário: vamos ver mais um pouco das vedações presentes no Código de Ética: I. receber gratificação financeira para o cumprimento de sua missão. O recebimento de qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prêmio, comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para si, familiares ou qualquer pessoa, para o cumprimento da sua missão ou para influenciar outro servidor para o mesmo fim é uma vedação apresentada no inc. XV, g CORRETA; II. ser sócio de empresa que explore jogos de azar não-autorizados. Se os jogos de azar não são autorizados, por si só já possuem cunho duvidoso. Ademais, ser sócio da empresa que os explore constitui postura aética, o que é vedado ao servidor (inc. XV, p ) CORRETA; III. informar, a um seu amigo de muitos anos, do conhecimento que teve, em razão das funções, de uma minuta de medida provisória que, quando publicada, afetará substancialmente as aplicações financeiras desse amigo. Como já falamos antes, é vedado ao servidor fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito interno de seu serviço, em benefício próprio, de parentes, de amigos ou de terceiros (inc. XV, m ) CORRETA; IV. permitir que simpatias ou antipatias interfiram no trato com o público. Outra vedação que vemos no Decreto 1.171/1994 (inc. XV, f ) é a de permitir que perseguições, simpatias, antipatias, caprichos, paixões ou interesses de ordem pessoal interfiram no trato com o público, com os jurisdicionados administrativos ou com colegas hierarquicamente superiores ou inferiores CORRETA; V. ser, em função do seu espírito de solidariedade, conivente com seu colega de trabalho que cometeu infração de natureza ética. Para finalizar, ser, em função de seu espírito de solidariedade, conivente com erro ou infração presente no Código de Ética, é também uma vedação ao servidor (inc. XV, c ) CORRETA. Logo, todas as afirmativas encontram-se corretas e nosso gabarito corresponde à alternativa B (as afirmativas I, II, III, IV e V). Gabarito: alternativa B. Página 22 de 61

24 22. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2006) De acordo com o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado pelo Decreto n , de , são deveres fundamentais do servidor público: I. abster-se de exercer as prerrogativas funcionais do cargo de forma contrária aos legítimos interesses dos usuários do serviço público. II. quando estiver diante de mais de uma opção, escolher aquela que melhor atenda aos interesses do governo. III. exigir de seus superiores hierárquicos as providências cabíveis relativas a ato ou fato contrário ao interesse público que tenha levado ao conhecimento deles. IV. facilitar a fiscalização de todos os atos ou serviços por quem de direito. V. materializar os princípios éticos mediante a adequada prestação dos serviços públicos. Estão corretas a) as afirmativas I, II, III, IV e V. b) apenas as afirmativas I, III, IV e V c) apenas as afirmativas I, II, IV e V. d) apenas as afirmativas I e IV. e) apenas as afirmativas I, IV e V. Comentário: para não ficar repetitivo (difícil não é mesmo?), nesse caso vamos apenas pontuar o que cada afirmativa indica no Código de Ética: I. abster-se de exercer as prerrogativas funcionais do cargo de forma contrária aos legítimos interesses dos usuários do serviço público dever presente no inc. XIV, u CORRETA; II. quando estiver diante de mais de uma opção, escolher aquela que melhor atenda aos interesses do governo o interesse público é que deve ser buscado e, no caso de mais de uma opção, a escolha deve atender ao bem comum (inc. XIV, c ) ERRADA; III. exigir de seus superiores hierárquicos as providências cabíveis relativas a ato ou fato contrário ao interesse público que tenha levado ao conhecimento deles dever presente no inc. XIV, m CORRETA; IV. facilitar a fiscalização de todos os atos ou serviços por quem de direito dever presente no inc. XIV, s CORRETA; V. materializar os princípios éticos mediante a adequada prestação dos serviços públicos dever presente no inc. XIV, f CORRETA. Gabarito: alternativa B. Página 23 de 61

25 23. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2006) Estão subordinados ao Código de Conduta Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado pelo Decreto n , de : I. os empregados das empresas públicas federais. II. os empregados das empresas privadas que prestam serviços aos órgãos e entidades do Poder Executivo Federal mediante contrato de prestação de serviços (serviços terceirizados, tais como segurança, limpeza, etc.). III. os que prestam serviço de natureza temporária na Administração Pública federal direta, sem remuneração. IV. os servidores do Poder Legislativo. V. os servidores do Poder Judiciário. Estão corretas a) as afirmativas I, II, III, IV e V. b) apenas as afirmativas I, IV e V. c) apenas as afirmativas I e III. d) apenas as afirmativas I, II e III. e) nenhuma das afirmativas está correta. Comentário: para responder a essa questão, vejamos o que texto do inc. XXIV do decreto 1.171/1994: XXIV - Para fins de apuração do comprometimento ético, entende-se por servidor público todo aquele que, por força de lei, contrato ou de qualquer ato jurídico, preste serviços de natureza permanente, temporária ou excepcional, ainda que sem retribuição financeira, desde que ligado direta ou indiretamente a qualquer órgão do poder estatal, como as autarquias, as fundações públicas, as entidades paraestatais, as empresas públicas e as sociedades de economia mista, ou em qualquer setor onde prevaleça o interesse do Estado. Agora, vamos analisar as afirmativas: I. os empregados das empresas públicas federais CORRETA; II. os empregados das empresas privadas que prestam serviços aos órgãos e entidades do Poder Executivo Federal mediante contrato de prestação de serviços (serviços terceirizados, tais como segurança, limpeza, etc.) CORRETA; III. os que prestam serviço de natureza temporária na Administração Pública federal direta, sem remuneração CORRETA; IV. os servidores do Poder Legislativo ERRADA; V. os servidores do Poder Judiciário ERRADA. Página 24 de 61

26 Conforme já discutimos acima, o Código de Ética não se aplica aos demais Poderes (Legislativo e Judiciário), ao Tribunal de Contas da União e ao Ministério Público da União. Portanto, temos: I correta; II correta; III correta; IV errada; e V errada (alternativa D apenas as afirmativas I, II e III) Gabarito: alternativa D. 24. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2004) Para os fins do Código de Conduta do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, entende-se por servidor público: I. os servidores públicos titulares de cargo efetivo. II. os titulares de cargo em comissão. III. os empregados de sociedades de economia mista. IV. os que, temporariamente, prestam serviços à Administração Pública Federal, desde que mediante retribuição financeira. Estão corretos os itens: a) I, II, III e IV b) II, III e IV c) I, III e IV d) I, II e IV e) I, II e III Comentário: apenas para complemento do que vimos há pouco: I os servidores titulares de cargos efetivos são aqueles aprovados em concurso público, e regidos pela Lei 8.112/1990, que desempenham atividades para o Estado CORRETA; II os titulares de cargo em comissão são aqueles nomeados por autoridade competente para o desempenho de determinada atividade. Desse modo, também abarcados no conceito trazido pelo Código de Ética CORRETA; III nem necessita de maiores comentários, o Decreto traz expressamente as sociedades de economia mista no rol de entidades alcançadas pelo Código de Ética (inc. XXIV) CORRETA; IV quase isso! Não é necessária a retribuição financeira para configurar o agente como servidor público ERRADA. Desse modo, nosso gabarito corresponde à alternativa E. Gabarito: alternativa E. Página 25 de 61

27 25. (ESAF Analista Técnico/MF/2013) A respeito da ética profissional do servidor público civil do poder executivo federal, analise as afirmativas abaixo, classificandoas como verdadeiras (V) ou falsas ( F). Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta. ( ) O servidor público deve pautar sua conduta pelo princípio da legalidade, devendo sempre decidir entre o legal e o ilegal, abstendo- se de agir segundo a ponderação entre o honesto e o desonesto. ( ) O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. ( ) Toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. a) V, V, V b) F, V, V c) F, F, F d) V, F, V e) V, F, F Comentário: (F) O servidor público deve pautar sua conduta pelo princípio da legalidade, devendo sempre decidir entre o legal e o ilegal, abstendo-se de agir segundo a ponderação entre o honesto e o desonesto O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. Assim, não terá que decidir somente entre o legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, o oportuno e o inoportuno, mas principalmente entre o honesto e o desonesto (inc. II) FALSA; (V) O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo A moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal, devendo ser acrescida da ideia de que o fim é sempre o bem comum. O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo (inc. III) VERDADEIRA; (V) Toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública Toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. Nenhum Estado pode crescer ou estabilizar-se sobre o poder corruptivo do hábito do erro, da opressão ou da mentira, que sempre aniquilam até mesmo a dignidade humana quanto mais a de uma Nação (inc. VIII) VERDADEIRA. Página 26 de 61

28 Gabarito: alternativa B. 26. (ESAF Analista de Planejamento e Orçamento/MPOG/2010) Em decorrência do que dispõe o Decreto n /94 (Código de Ética), aos servidores públicos civis do Poder Executivo Federal, é vedado: a) embriagar-se. b) fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito interno do serviço, em benefício de suas funções. c) participar de grupos anti-semitas. d) posicionar-se contrariamente ao sistema de cotas. e) exercer outra atividade profissional. Comentário: a) a vedação presente do Código de Ética é de apresentar-se embriagado ao serviço ou estar embriagado habitualmente fora dele (inc. XV, n ). Nada impede, porém, que uma vez ou outra o servidor, fora do trabalho, tome uma cervejinha e passe um pouco da conta, rsrsrs! Ou seja, o servidor pode embriagar-se fora do serviço, mas isso só não pode ocorrer habitualmente ERRADA; b) se as informações privilegiadas são usadas para bem de suas funções, não há nada de errado, pelo contrário, é uma conduta desejável. Todavia, se a informação for utilizada em benefício próprio, de parentes, de amigos ou de terceiros, aí sim, é uma vedação (inc. XV, m ) ERRADA; c) o antissemitismo, com base nos dicionários, reflete uma característica daqueles que são inimigos da raça semítica, particularmente dos judeus. Assim, é um modo de hostilizar, de agir com preconceito perante determinado grupo, e caracteriza uma atitude que atenta contra a moral, a honestidade ou a dignidade da pessoa humana (inc. XV, o ) CORRETA; d) desde que a posição pessoal do agente não prejudique o serviço desenvolvido por ele e não interfira no bem comum, não corresponde a uma situação vedada. Posicionar-se contra o sistema de cotas é uma forma de expressar a opinião, podendo ser realizada com base em argumentos. Assim, em regra, não constitui ato preconceituoso nem tampouco é uma conduta aética. Basta pensar que, até mesmo entre os beneficiários do sistema de cotas, há quem não o defenda ERRADA; e) outra situação que não consiste em vedação. O servidor poderá exercer outra atividade profissional, exceto se essa atividade for aética ou de cunho duvidoso (inc. XV, p ) ERRADA. Gabarito: alternativa C. Página 27 de 61

29 27. (ESAF Analista Administrativo/ANA/2009) De acordo com o Decreto n /1994 (Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal), é vedado ao servidor público: I. aceitar ajuda financeira, para si ou para familiares, fornecida pela parte interessada, para fins de praticar ato regular e lícito, inserido em sua esfera de atribuições; II. fazer uso de informação privilegiada obtida no âmbito interno do seu serviço, salvo quando a informação afetar interesse do próprio servidor; III. utilizar, para fins particulares, os serviços de servidor público subordinado; IV. utilizar-se da influência do cargo para obter emprego para um parente próximo; V. procrastinar a decisão a ser proferida em processo de sua competência porque tem antipatia pela parte interessada. Estão corretas: a) as afirmativas I, II, III, IV e V. b) apenas as afirmativas I, II, III e IV. c) apenas as afirmativas I, II, III e V. d) apenas as afirmativas I, III, IV e V. e) apenas as afirmativas III, IV e V. Comentário: I. aceitar ajuda financeira, para si ou para familiares, fornecida pela parte interessada, para fins de praticar ato regular e lícito, inserido em sua esfera de atribuições vedação presente no inc. XV, g CORRETA; II. fazer uso de informação privilegiada obtida no âmbito interno do seu serviço, salvo quando a informação afetar interesse do próprio servidor em benefício próprio, de parentes, de amigos ou de terceiros (inc. XV, m ) ERRADA; III. utilizar, para fins particulares, os serviços de servidor público subordinado vedação presente no inc. XV, j CORRETA; IV. utilizar-se da influência do cargo para obter emprego para um parente próximo vedação presente no inc. XV, a CORRETA; V. procrastinar a decisão a ser proferida em processo de sua competência porque tem antipatia pela parte interessada vedação presente no inc. XV, d CORRETA. Gabarito: alternativa D. 28. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2006) De acordo com o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado Página 28 de 61

30 pelo Decreto n , de "o servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. Assim, não terá que decidir somente entre o legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, o oportuno e o inoportuno, mas principalmente entre o honesto e o desonesto, consoante as regras contidas no art. 37, caput, e 4o, da Constituição Federal". Esse enunciado expressa a) o princípio da legalidade na Administração Pública. b) a regra da discricionariedade dos atos administrativos. c) a impossibilidade de um ato administrativo, praticado de acordo com a lei, ser impugnado sob o aspecto da moralidade. d) um valor ético destinado a orientar a prática dos atos administrativos. e) que todo ato legal é também justo. Comentário: o enunciado é a transcrição do inc. II do Código de Ética: II - O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. Assim, não terá que decidir somente entre o legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, o oportuno e o inoportuno, mas principalmente entre o honesto e o desonesto, consoante as regras contidas no art. 37, caput, e 4, da Constituição Federal. Trata-se de uma das regras deontológicas, que refletem os valores éticos que devem ser seguidos pelos servidores públicos em todas as suas atividades, incluindo a prática dos atos administrativos. Logo, a nossa opção é a alternativa D. A alternativa A está errada, pois o valor demonstrado não se relaciona diretamente com o princípio da legalidade. Pelo contrário, o texto demonstra que, além da legalidade, o servidor deve considerar os aspectos éticas da decisão, como o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, o oportuno e o inoportuno, e principalmente o honesto e o desonesto. Assim, uma conduta pode estar de acordo com a lei, mas estar desconforme os princípios éticos. A mesma justificativa acima demonstra que as letras C e E estão erradas, pois nem toda conduta legal é justa. Por exemplo, uma câmara municipal pode gastar um alto valor com carros luxuosos para os vereadores; porém, no mesmo município, falta dinheiro para o Poder Executivo comprar ambulâncias. Nessa situação, os carros luxuosos podem ter sido adquiridos a preço de mercado e todas as regras da Lei de Licitações podem ter sido seguidas. Entretanto, gastar muito dinheiro com esses carros, ainda que tenha sido legal, é injusto. Por isso, que tais atos podem ser anulados com base na moralidade. Por fim, a discricionariedade reflete as situações em que a lei deixa uma margem de liberdade de escolha para o agente público escolher, no caso concreto, a melhor alternativa para o interesse público. Até podemos ver alguns aspectos Página 29 de 61

31 da discricionariedade no texto apresentado, mas não é essa a melhor resposta, pois a conduta ética deve ser exercida até mesmo em atos vinculados. Gabarito: alternativa D. 29. (FUNIVERSA - Técnico Especializado II/EMBRATUR/2011) O Código de Ética do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal informa que a conduta dos agentes públicos deve ser pautada pelas regras deontológicas. Acerca desse tema, assinale a alternativa correta. a) A legalidade deve ser o princípio ainda predominantemente utilizado como baliza de julgamento para a prática dos atos administrativos. b) A conduta de um servidor público em sua vida privada somente a ele diz respeito e não afeta seu conceito funcional, em face da falta de conexão entre as referidas esferas. c) O Código de Ética do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal reconhece expressamente a ocorrência de grave dano moral aos usuários de serviços públicos nos casos de demora na prestação desses serviços. d) A ausência ao trabalho de um servidor invariavelmente provoca a desmoralização da imagem do serviço público, em face da desordem nas relações humanas a que são submetidos os administrados. e) A publicidade de todos os atos administrativos constitui requisito de eficácia e moralidade deles. Comentário: a) segundo o Código de Ética, inc. III, o equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. Desse modo, embora o princípio da legalidade deva ser utilizado na prática de atos administrativos, não existe um predomínio deste, mas sim uma busca pelo equilíbrio com o princípio da finalidade ERRADA; b) não existe distinção entre a vida particular e profissional do servidor no que se refere à função pública, sendo as duas integradas no exercício do servidor. Assim, os fatos e atos verificados na conduta do dia a dia na vida privada do servidor poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional (inc. VI) ERRADA; c) isso mesmo! Permitir a demora no exercício de suas funções, gerando a formação de longas filas, ou qualquer outra espécie de atraso na prestação do serviço, não caracteriza apenas atitude contra a ética ou ato de desumanidade, mas principalmente grave dano moral aos usuários dos serviços públicos (inc. X) CORRETA; Página 30 de 61

32 d) essa alternativa requer atenção. Segundo o Código de Ética: XII - Toda ausência injustificada do servidor de seu local de trabalho é fator de desmoralização do serviço público, o que quase sempre conduz à desordem nas relações humanas. Assim, olhando rapidamente, podemos acabar afirmando a correção dessa alternativa. Contudo, o erro (discreto) nela é que ao afirmar que a ausência ao trabalho de um servidor invariavelmente provoca a desmoralização ocorre uma generalização. Contudo, apenas as ausências injustificadas causam a desmoralização da imagem do serviço público ERRADA; e) a publicidade de qualquer ato administrativo constitui requisito de eficácia e moralidade, ressalvados os casos de segurança nacional, investigações policiais ou interesse superior do Estado e da Administração Pública, a serem preservados em processo previamente declarado sigiloso, nos termos da lei (inc. VII) ERRADA. Gabarito: alternativa C. 30. (FUNIVERSA - Agente Administrativo/MTur/2010) Em relação ao Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, de que tratam o Decreto n.º 1.171/1994 e o Decreto n.º 6.029/2007, assinale a alternativa correta. a) Se um servidor houver de avaliar a prática de ato inerente à sua função e verificar que se trata de ato legal e oportuno, saberá que, automaticamente, terá sido atendido o elemento ético do ato. b) Apesar de relevante, o componente da moralidade do ato administrativo está fora do universo da legalidade; é aspecto extralegal do ato. c) Para que um ato atenda aos princípios éticos, não basta levar em conta o aspecto da economicidade. d) Em virtude da proteção constitucional à privacidade, os atos da vida particular do servidor público não devem ser considerados para nenhum efeito funcional. e) A fim de preservar as pessoas envolvidas e os legítimos interesses do poder público, os atos administrativos, em princípio, não devem ser divulgados. Comentário: a) não necessariamente um ato legal e oportuno será ético. De fato, o servidor não poderá desprezar o valor ético em seus atos, contudo ele não pode se ater a decidir apenas entre o legal e o ilegal. O servidor deve, além disso, observar o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, o oportuno e o inoportuno, e principalmente o honesto e o desonesto ERRADA; b) já respondemos uma questão assim. A moralidade do ato é consolidada pelo equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, objetivando o bem comum ERRADA; Página 31 de 61

33 c) após a observação das duas alternativas anteriores, nós já temos a nossa resposta. A economicidade deverá ser levada em consideração, sem contudo, deixar de utilizar princípios legais e valores éticos CORRETO; d) os atos funcionais do servidor se integram a sua vida particular e deverão ser considerados na avaliação da função pública ERRADA; e) quase isso! Os atos devem ser divulgados, mas na necessidade de sigilo de um processo, de segurança nacional, investigações policiais ou interesse superior do Estado e da Administração Pública, serão resguardadas as informações ERRADA. Gabarito: alternativa C. 31. (FUNIVERSA - Agente Administrativo/MTur/2010) A respeito do Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, assinale a alternativa correta. a) Em certos casos, a fim de não contrariar o interesse da administração pública, o servidor público pode deixar de comunicar a verdade a um cidadão. b) O Código trata a preservação dos bens da administração pública como tema de natureza exclusivamente patrimonial. c) O servidor público deve evitar ao máximo ausentar-se de seu local de trabalho, porquanto toda ausência causa desmoralização ao serviço público. d) Permitir a formação desnecessária de filas nos órgãos públicos pode caracterizar infração de preceitos éticos por parte dos servidores responsáveis e causar dano moral aos cidadãos. e) Em face dos deveres de lealdade e de obediência à hierarquia no serviço público, o servidor deve abster-se de comunicar oficialmente atos potencialmente irregulares, quando não tenham relação direta com suas funções. Comentário: a) toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública ERRADA; b) o Código objetiva determinar o comportamento que o servidor público deve manter no desempenho de suas funções. Resguardar os bens da Administração é preciso, e acaba sendo uma das consequências do comportamento ditado pelo Código ERRADA; c) como é possível perceber, as questões batem nas mesmas teclas. A primeira parte está correta, porém não é toda ausência que causa a desmoralização do serviço público, uma ausência justificada, por exemplo, não carrega essa imagem negativa ERRADA; Página 32 de 61

34 d) perfeito! Para fixar, vamos rever o inc. que trata dessa menção: X - Deixar o servidor público qualquer pessoa à espera de solução que compete ao setor em que exerça suas funções, permitindo a formação de longas filas, ou qualquer outra espécie de atraso na prestação do serviço, não caracteriza apenas atitude contra a ética ou ato de desumanidade, mas principalmente grave dano moral aos usuários dos serviços públicos. Desse modo, temos o nosso gabarito CORRETA; e) o servidor deve guardar respeito à hierarquia. Todavia, na ocorrência de qualquer comprometimento indevido da estrutura em que se funda o Poder Estatal, ele deverá comunicar, sem temor de represálias ERRADA. Gabarito: alternativa D. 32. (FUNIVERSA Advogado/ADASA/2009) O Decreto n.º 1.171/1994, que cria o Código de Ética do Servidor Público Civil, prevê a constituição de uma comissão de ética a fim de implementar as novas disposições a serem observadas. Acerca dessa comissão, assinale a alternativa correta. a) Será integrada apenas por servidores públicos. b) Será integrada por servidores de carreira. c) Será integrada por três servidores ou empregados titulares de cargo efetivo. d) Será integrada por três empregados com mais cinco anos no cargo. e) Será integrada por três servidores com mais de cinco anos no cargo. Comentário: a resposta da nossa questão está disposta no início do Código, mais precisamente no art. 2º. Vejamos: Art. 2 Os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta e indireta implementarão, em sessenta dias, as providências necessárias à plena vigência do Código de Ética, inclusive mediante a Constituição da respectiva Comissão de Ética, integrada por três servidores ou empregados titulares de cargo efetivo ou emprego permanente. Logo, o nosso gabarito corresponde à letra C. Gabarito: alternativa C. 33. (FUNIVERSA Advogado/ADASA/2009) Acerca das condutas éticas previstas no Código de Ética do Servidor Público Civil, assinale a alternativa incorreta. a) A eficácia e a consciência dos princípios morais são primados maiores que devem nortear o servidor público no exercício do cargo ou função. b) O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. c) O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. Página 33 de 61

35 d) A publicidade de todo ato administrativo constitui requisito indispensável à sua eficácia e moralidade, ensejando sua omissão comprometimento ético contra o bem comum, imputável a quem a negar. e) A cortesia, a boa vontade, o cuidado e o tempo dedicados ao serviço público caracterizam o esforço pela disciplina. Tratar mal ao administrado pode causar-lhe dano moral. Comentário: essa questão trabalha quase a literalidade do Código. Portanto, vamos trabalhar a fixação e, a cada alternativa, citar a passagem correta. Vamos lá?! a) a dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos princípios morais são primados maiores que devem nortear o servidor público, seja no exercício do cargo ou função, ou fora dele, já que refletirá o exercício da vocação do próprio poder estatal. Seus atos, comportamentos e atitudes serão direcionados para a preservação da honra e da tradição dos serviços públicos (inc. I) CORRETA; b) o servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. Assim, não terá que decidir somente entre o legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, o oportuno e o inoportuno, mas principalmente entre o honesto e o desonesto, consoante as regras contidas na Constituição (inc. II) CORRETA; c) a moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal, devendo ser acrescida da ideia de que o fim é sempre o bem comum. O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo (inc. III) CORRETA; d) salvo os casos de segurança nacional, investigações policiais ou interesse superior do Estado e da Administração Pública, a serem preservados em processo previamente declarado sigiloso, nos termos da lei, a publicidade de qualquer ato administrativo constitui requisito de eficácia e moralidade, ensejando sua omissão comprometimento ético contra o bem comum, imputável a quem a negar (inc. VII) ERRADA; e) a cortesia, a boa vontade, o cuidado e o tempo dedicados ao serviço público caracterizam o esforço pela disciplina. Tratar mal uma pessoa que paga seus tributos direta ou indiretamente significa causar-lhe dano moral. Da mesma forma, causar dano a qualquer bem pertencente ao patrimônio público, deteriorando-o, por descuido ou má vontade, não constitui apenas uma ofensa ao equipamento e às instalações ou ao Estado, mas a todos os homens de boa vontade que dedicaram sua inteligência, seu tempo, suas esperanças e seus esforços para construí-los (inc. IX) CORRETA. Gabarito: alternativa D. Página 34 de 61

36 34. (FUNIVERSA Advogado/ADASA/2009) O servidor que trabalha em harmonia com a estrutura organizacional, respeitando seus colegas e cada concidadão, colabora e de todos pode receber colaboração. A atividade pública é a grande oportunidade para o crescimento e o engrandecimento da Nação. Em busca desse objetivo, o Código de Ética veda alguns comportamentos por parte do servidor, entre os quais não se inclui a) participar de movimentos grevistas, principalmente aqueles em que há pressões de superiores hierárquicos, contratantes ou interessados. b) pleitear, solicitar, provocar, sugerir ou receber qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prêmio, comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para si, familiares ou qualquer pessoa, para o cumprimento da sua missão ou para influenciar outro servidor para o mesmo fim. c) retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio público. d) dar o seu concurso a qualquer instituição que atente contra a moral, a honestidade ou a dignidade da pessoa humana. e) ser, em função de seu espírito de solidariedade, conivente com erro ou infração ao Código de Ética ou ao Código de Ética de sua profissão. Comentário: a) zelar, no exercício do direito de greve, pelas exigências específicas da defesa da vida e da segurança coletiva, é um dever do servidor (inc. XIV, j ). Desse modo, não pode constituir uma vedação, como mencionado no enunciado ERRADA; b) pleitear, solicitar, provocar, sugerir ou receber qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prêmio, comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para si, familiares ou qualquer pessoa, para o cumprimento da sua missão ou para influenciar outro servidor para o mesmo fim vedação contida no inc. XV, g CORRETA; c) retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio público vedação contida no inc. XV, l CORRETA; d) dar o seu concurso a qualquer instituição que atente contra a moral, a honestidade ou a dignidade da pessoa humana vedação contida no inc. XV, o CORRETA; e) ser, em função de seu espírito de solidariedade, conivente com erro ou infração a este Código de Ética ou ao Código de Ética de sua profissão vedação contida no inc. XV, c CORRETA. Gabarito: alternativa A. Página 35 de 61

37 35. (FUNCAB - Agente Administrativo/PRF/2014) O Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal (Decreto n 1.171/1994) atende à necessidade de criar um sistema de princípios e fundamentos deontológicos que se caracteriza por: a) não se confundir com o regime disciplinar do servidor público previsto nas leis administrativas, fornecendo suporte mora! para a sua correta aplicação e cumprimento por todos os servidores. b) não considerar suficiente a implementação das regras deontológicas apenas pelo apelo ao senso social e vontade íntima do próprio agente moral, de sua conscientização e de sua convicção interior. c) estabelecer o princípio da obrigatoriedade do procedimento ético e moral no exercício da função pública, garantido pela possibilidade de sua imposição por via da coercibilidade jurídica. d) exigir condutas do mesmo modo que as demais leis administrativas, sem apoiar-se apenas no sentimento de adesão moral e de convicção íntima de cada servidor público. e) impor, quanto às matérias nele indicadas, um rigoroso sistema de sanções preventivas e coercitivas, ensejador do respeito ao decoro no exercício da função pública. Comentário: essa questão tomou por base a Exposição dos Motivos do Decreto 1.171/1994, vejamos: a) de fato o Código de Ética não se confunde com o regime disciplinar. Este último possui regramento próprio no Estatuto dos Servidores. Vejamos o que consta no documento: Enfim, o Código de Ética ora apresentado a Vossa Excelência não se confunde com o regime disciplinar do servidor público previsto nas leis administrativas. Antes de tudo, fornece o suporte moral para a sua correta aplicação e cumprimento por todos os servidores. Assim, conclui-se que a opção A está CORRETA. b) de acordo com a Exposição dos Motivos do Código, a ética e a moral não se impõem por lei, mas estão acima da lei, editando as diretrizes para elaboração delas. Assim, a ética faz-se aceitar pelo senso social, pela educação, pela vontade íntima do próprio agente moral. Vamos novamente ao documento: Portanto, conforme o entendimento da Comissão Especial, expresso neste Código de Ética, o princípio da obrigatoriedade do procedimento ético e moral no exercício da função pública não tem por fundamento a coercibilidade jurídica. Aliás, até mesmo a coercibilidade jurídica deve buscar seu fundamento na Ética, pois esta, a rigor, não se impõe por lei. Ao contrário, está acima da lei, a ditar as diretrizes desta, fazendo-se aceitar mais pelo senso social, pela educação, pela vontade íntima do próprio agente moral, acolhida com liberdade, em decorrência de sua conscientização e de sua convicção interior. Página 36 de 61

38 Portanto, a implementação das regras deontológicas ocorre por meio do senso social, pela educação, pela vontade íntima do próprio agente moral. Com isso, opção está errada. c) conforme falamos no trecho acima, o princípio da obrigatoriedade do procedimento ético e moral não tem por fundamento a coercibilidade jurídica ERRADA; d) de acordo com a Exposição de Motivos: Por outro lado, deve ser esclarecido que a efetividade do cumprimento do Código de Ética ora apresentado a Vossa Excelência não se baseia no arcabouço das leis administrativas e nem com estas se confunde, mas se apóia no sentimento de adesão moral e de convicção íntima de cada servidor público. Assim, o Código de Ética se apoia no sentimento de adesão moral e de convicção íntima de cada servidor público ERRADA; e) o Código de Ética não impôs um rigoroso sistema de sanções, uma vez que a única penalidade prevista é a censura. Gabarito: alternativa A. 36. (FUNCAB Agente Administrativo/PRF/2014) O servidor público do Poder Executivo Federal deve guardar conduta condizente com o cargo e os princípios ressaltados pelo Código de Ética Profissional (Decreto n 1.171/1994). Pautado pela razoabilidade, o servidor deve orientar-se analisando a adequação e a necessidade de sua conduta, de modo que: a) as prerrogativas funcionais são conferidas ao servidor público de modo a proteger sua individualidade. Em razão disso, o exercício das prerrogativas pode ser evocado em favor dos legítimos interesses do servidor. b) o critério do respeito à legalidade prevalece em relação à finalidade do ato praticado. Assim, sendo legalmente proibido abandonar o serviço ou ausentar-se do posto sem autorização do superior imediato, não será dado ao servidor ausentar-se dele para socorrer vítima de acidente grave sem prévia autorização, sob pena de censura. c) é dever do servidor comunicar aos superiores fato contrário ao interesse público. A comunicação, porém, não o exime de responsabilidade, haja vista que é dado ao servidor exigir providências de quem, hierarquicamente, possui posição superior. d) sendo pessoal a responsabilidade de cada servidor, a denúncia de condutas ilícitas incumbe os interessados. Quanto ao servidor, pode abster-se de apresentar provas que conheça sobre ilícitos praticados por seus superiores em razão do princípio da inocência. e) guardado o respeito ao princípio constitucional da privacidade, a embriaguez em ambientes privados, ainda que notória e habitual, é insuficiente para motivar censura, desde que o profissional não se apresente embriagado em seu ambiente de trabalho. Página 37 de 61

39 Comentário: a) o texto do Código afirma que o servidor deve exercer com estrita moderação as prerrogativas funcionais que lhe sejam atribuídas, abstendo-se de fazê-lo contrariamente aos legítimos interesses dos usuários do serviço público e dos jurisdicionados administrativos (inc. XIV, t ) ERRADA; b) primeiramente, vejamos o que consta no Código: XII - Toda ausência injustificada do servidor de seu local de trabalho é fator de desmoralização do serviço público, o que quase sempre conduz à desordem nas relações humanas. Assim, podemos afirmar que o servidor não pode abandonar seu posto de trabalho injustificadamente. Contudo, na ocorrência de um acidente grave, em que vítimas precisam de socorro, a situação exige que o servidor auxilie no que for possível e não ensejará pena, em virtude da necessidade e do pouco tempo em que este não responderá pela sua função ERRADA; c) um dos deveres fundamentais do servidor é o de comunicar imediatamente a seus superiores todo e qualquer ato ou fato contrário ao interesse público, exigindo as providências cabíveis (inc. XIV, m ) CORRETA; d) o servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta (inc. II). Portanto, sabendo da existência de ilícitos, o servidor possui o dever de denunciá-los. Por conseguinte, mesmo que haja pressão de superiores hierárquicos, de contratantes, interessados e outros que visem obter quaisquer favores, benesses ou vantagens indevidas em decorrência de ações imorais, ilegais ou aéticas, o servidor deverá denunciar a conduta ilícita (inc. XIV, i ) ERRADA; e) o Código de Ética explicita que é vedado ao servidor público apresentar-se embriagado no serviço ou fora dele habitualmente (inc. XV, n ). Dessa forma, a embriaguez em ambientes privados, ainda que notória e habitual, enseja a penalização, que em obediência ao Código corresponde à censura ERRADA. Gabarito: alternativa C. 37. (FUNCAB Assistente Técnico I/IBRAM-DF/2010) Sobre o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado no Decreto n 1.171/94, é INCORRETO afirmar que: a) toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. b) é vedado ao servidor público retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio público. Página 38 de 61

40 c) a pena aplicável ao servidor público pela Comissão de Ética é a de demissão sumária, e sua fundamentação constará do respectivo parecer, assinado por todos os seus integrantes, com ciência do faltoso. d) deve o servidor público comunicar imediatamente a seus superiores todo e qualquer ato ou fato contrário ao interesse público, exigindo as providências cabíveis. e) é vedado ao servidor público deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos ao seu alcance ou do seu conhecimento para atendimento do seu mister. Comentário: o item solicita que seja marcada a alternativa INCORRETA, vejamos: a) essa alternativa é encontrada nas regras deontológicas do Código. Assim, com base no inc. VIII, temos que Toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. Nenhum Estado pode crescer ou estabilizar-se sobre o poder corruptivo do hábito do erro, da opressão ou da mentira, que sempre aniquilam até mesmo a dignidade humana quanto mais a de uma Nação. CORRETA; b) as vedações ao servidor estão vazadas no inc. XV do Código. Lá, vemos que é vedado ao servidor público retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio público (inc. XV, l ) CORRETA; c) a pena aplicável ao servidor público pela Comissão de Ética é a de censura e sua fundamentação constará do respectivo parecer, assinado por todos os seus integrantes, com ciência do faltoso (inc. XXII) ERRADA; d) agora estamos tratando dos deveres do servidor. Desse modo, pelo texto do inc. XIV, m, é dever fundamental do servidor público comunicar imediatamente a seus superiores todo e qualquer ato ou fato contrário ao interesse público, exigindo as providências cabíveis CORRETA; e) deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos ao seu alcance ou do seu conhecimento para atendimento do seu mister constitui uma das vedações, ao servidor público, presente no Código de Ética CORRETA. Gabarito: alternativa C. 38. (FCC PMP/INSS/2012) Considere duas hipóteses: I. Fernanda, servidora pública civil do Poder Executivo Federal, tem sido vista embriagada, habitualmente, em diversos locais públicos, como eventos, festas e reuniões. II. Maria, também servidora pública civil do Poder Executivo Federal, alterou o teor de documentos que deveria encaminhar para providências. Página 39 de 61

41 Nos termos do Decreto no 1.171/1994, a) ambas as servidoras públicas não se sujeitam às disposições previstas no Decreto no 1.171/1994. b) apenas o fato descrito no item II constitui vedação ao servidor público; o fato narrado no item I não implica vedação, vez que a lei veda embriaguez apenas no local do serviço. c) apenas o fato descrito no item I constitui vedação ao servidor público, desde que ele seja efetivo. d) ambos os fatos não constituem vedações ao servidor público, embora possam ter implicações em outras searas do Direito. e) ambos os fatos constituem vedações ao servidor público. Comentário: são vedações ao servidor público: XV - É vedado ao servidor público; a) o uso do cargo ou função, facilidades, amizades, tempo, posição e influências, para obter qualquer favorecimento, para si ou para outrem; b) prejudicar deliberadamente a reputação de outros servidores ou de cidadãos que deles dependam; c) ser, em função de seu espírito de solidariedade, conivente com erro ou infração a este Código de Ética ou ao Código de Ética de sua profissão; d) usar de artifícios para procrastinar ou dificultar o exercício regular de direito por qualquer pessoa, causando-lhe dano moral ou material; e) deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos ao seu alcance ou do seu conhecimento para atendimento do seu mister; f) permitir que perseguições, simpatias, antipatias, caprichos, paixões ou interesses de ordem pessoal interfiram no trato com o público, com os jurisdicionados administrativos ou com colegas hierarquicamente superiores ou inferiores; g) pleitear, solicitar, provocar, sugerir ou receber qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prêmio, comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para si, familiares ou qualquer pessoa, para o cumprimento da sua missão ou para influenciar outro servidor para o mesmo fim; h) alterar ou deturpar o teor de documentos que deva encaminhar para providências; i) iludir ou tentar iludir qualquer pessoa que necessite do atendimento em serviços públicos; j) desviar servidor público para atendimento a interesse particular; l) retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio público; m) fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito interno de seu serviço, em benefício próprio, de parentes, de amigos ou de terceiros; n) apresentar-se embriagado no serviço ou fora dele habitualmente; o) dar o seu concurso a qualquer instituição que atente contra a moral, a honestidade ou a dignidade da pessoa humana; Página 40 de 61

42 p) exercer atividade profissional aética ou ligar o seu nome a empreendimentos de cunho duvidoso. Percebe-se, portanto, que os dois fatos constituem vedações aos servidores públicos. Assim, as opções B, C e D estão erradas e a alternativa E está correta. A opção A também é errada, pois o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal aplica-se aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta e indireta e, por conseguinte, aos seus servidores. Por fim, a definição de servidor público encontra-se no Capítulo 2 do Código de Ética nos seguintes termos: XXIV - Para fins de apuração do comprometimento ético, entende-se por servidor público todo aquele que, por força de lei, contrato ou de qualquer ato jurídico, preste serviços de natureza permanente, temporária ou excepcional, ainda que sem retribuição financeira, desde que ligado direta ou indiretamente a qualquer órgão do poder estatal, como as autarquias, as fundações públicas, as entidades paraestatais, as empresas públicas e as sociedades de economia mista, ou em qualquer setor onde prevaleça o interesse do Estado. Gabarito: alternativa E. 39. (FCC PMP/INSS/2012) Nos termos do Decreto no 1.171/1994, a pena aplicável ao servidor público pela Comissão de Ética é a de censura e sua fundamentação a) não é necessária para a aplicação da pena; no entanto, exige-se ciência do faltoso. b) constará do respectivo parecer, assinado por todos os seus integrantes, com ciência do faltoso. c) constará do respectivo parecer, assinado apenas pelo Presidente da Comissão, com ciência do faltoso. d) não é necessária para a aplicação da pena, sendo dispensável também a ciência do faltoso. e) constará do respectivo parecer, assinado apenas pelo Presidente da Comissão, sendo dispensável a ciência do faltoso. Comentário: segundo o Código de Ética: XVI - Em todos os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, indireta autárquica e fundacional, ou em qualquer órgão ou entidade que exerça atribuições delegadas pelo poder público, deverá ser criada uma Comissão de Ética, encarregada de orientar e aconselhar sobre a ética profissional do servidor, no tratamento com as pessoas e com o patrimônio público, competindo-lhe conhecer concretamente de imputação ou de procedimento susceptível de censura. XXII - A pena aplicável ao servidor público pela Comissão de Ética é a de censura e sua fundamentação constará do respectivo parecer, assinado por todos os seus integrantes, com ciência do faltoso. Duas informações importantes dos incisos apresentados acima. Primeiro que a instituição da Comissão de Ética se aplica à Administração Pública Federal Página 41 de 61

43 direta, indireta e a qualquer órgão ou entidade que exerça atribuições delegadas pelo poder público. A segunda informação é que a única penalidade possível de aplicação pela Comissão de Ética é a de censura. Gabarito: alternativa B. 40. (FCC - Agente Legislativo/AL-SP/2010) Ética é o conjunto de regras e preceitos de ordem valorativa e moral de um indivíduo, de um grupo social ou de uma sociedade. A respeito da ética, considere: I A dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos princípios morais são primados maiores que devem nortear o serviço público. II O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. III A moralidade na Administração Pública se limita à distinção entre o bem e o mal, não devendo ser acrescida da ideia de que o fim é sempre o bem comum. IV A função pública deve ser tida como exercício profissional e, portanto, se integra na vida particular de cada servidor público. V O trabalho desenvolvido pelo servidor público perante a comunidade não deve ser entendido como acréscimo ao seu próprio bem-estar, embora, como cidadão, seja parte integrante da sociedade. Está correto o que se afirma APENAS em: a) I, II e IV. b) I, III e IV. c) II, III e IV. d) II, IV e V. e) III, IV e V. Comentário: o Código de Ética estabelece as regras deontológicas em seu Capítulo 1. Já foram apontadas várias delas, contudo para fixação vamos destacar o texto do Decreto: Das Regras Deontológicas I - A dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos princípios morais são primados maiores que devem nortear o servidor público, seja no exercício do cargo ou função, ou fora dele, já que refletirá o exercício da vocação do próprio poder estatal. Seus atos, comportamentos e atitudes serão direcionados para a preservação da honra e da tradição dos serviços públicos. Página 42 de 61

44 [...] III - A moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal, devendo ser acrescida da idéia de que o fim é sempre o bem comum. O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. [...] V - O trabalho desenvolvido pelo servidor público perante a comunidade deve ser entendido como acréscimo ao seu próprio bem-estar, já que, como cidadão, integrante da sociedade, o êxito desse trabalho pode ser considerado como seu maior patrimônio. VI - A função pública deve ser tida como exercício profissional e, portanto, se integra na vida particular de cada servidor público. Assim, os fatos e atos verificados na conduta do diaa-dia em sua vida privada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional. Dessa forma os itens I, II e IV estão corretos. O item III está errado, pois a moralidade não se limita à distinção entre o bem e o mal. Da mesma forma, o item V está errado pois o trabalho desenvolvido pelo servidor público perante a comunidade deve ser entendido como acréscimo ao seu próprio bem-estar, já que, como cidadão, integrante da sociedade, o êxito desse trabalho pode ser considerado como seu maior patrimônio. Gabarito: alternativa A. 41. (FCC - Agente Legislativo/AL-SP/2010) Considere as seguintes afirmativas: O servidor deve prestar toda a sua atenção às ordens legais de seus superiores, velando atentamente por seu cumprimento, e, assim, evitando a conduta negligente PORQUE os repetidos erros, o descaso e o acúmulo de desvios tornam-se, às vezes, difíceis de corrigir e caracterizam até mesmo imprudência no desempenho da função pública. É correto concluir que a) as duas afirmativas são falsas. b) a primeira afirmativa é falsa e a segunda verdadeira. c) a primeira afirmativa é verdadeira e a segunda é falsa. d) as duas afirmativas são verdadeiras e a segunda justifica a primeira. e) as duas afirmativas são verdadeiras e a segunda não justifica a primeira. Comentário: mais uma regra deontológica: Página 43 de 61

45 XI - O servidor deve prestar toda a sua atenção às ordens legais de seus superiores, velando atentamente por seu cumprimento, e, assim, evitando a conduta negligente. Os repetidos erros, o descaso e o acúmulo de desvios tornam-se, às vezes, difíceis de corrigir e caracterizam até mesmo imprudência no desempenho da função pública. Percebam que os dois itens formam o inc. XI do Código de Ética. Assim, as duas afirmativas estão corretas, e a segunda justifica a primeira. Gabarito: alternativa D. 42. (FCC - Agente Administrativo/DNOCS/2010) No que concerne às Regras Deontológicas estabelecidas no Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, é correto afirmar que a) o trabalho desenvolvido pelo servidor público perante a comunidade deve ser entendido como obrigação, independentemente do seu próprio bem- estar, já que, como funcionário público, integrante do Poder Executivo, o êxito desse trabalho é requisito essencial à manutenção de seu cargo, não dizendo respeito ao seu patrimônio e a sua vida particular. b) a remuneração do servidor público é custeada pelos tributos pagos direta ou indiretamente por todos, até por ele próprio, e por isso se exige, como contra- partida, que a moralidade administrativa se integre no Direito, sendo dissociável de sua aplicação e de sua finalidade. c) a moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal, devendo ser acrescida da idéia de que o fim é sempre o bem comum. O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. d) toda pessoa tem direito à verdade, sendo que o servidor poderá omiti-la, caso seja contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. Nenhum Estado pode crescer ou estabilizar-se sobre o poder corruptivo da opressão, que sempre aniquilam até mesmo a dignidade humana quanto mais a de uma Nação. e) deixar o servidor público qualquer pessoa à espera de solução que compete ao setor em que exerça suas funções, permitindo a formação de longas filas, ou qualquer outra espécie de atraso na prestação do serviço, é comum e normal e, portanto, não causa dano moral aos usuários dos serviços públicos e nem mesmo configura atitude contra a ética ou ato de desumanidade. Comentário: a opção A está errata, pois o inc. V estabelece que o trabalho desenvolvido pelo servidor público perante a comunidade deve ser entendido como acréscimo ao seu próprio bem-estar. A opção B também é errada por causa do dissociável, vejamos: IV- A remuneração do servidor público é custeada pelos tributos pagos direta ou indiretamente por todos, até por ele próprio, e por isso se exige, como contrapartida, que a moralidade Página 44 de 61

46 administrativa se integre no Direito, como elemento indissociável de sua aplicação e de sua finalidade, erigindo-se, como conseqüência, em fator de legalidade. A letra C está correta, II - O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. Assim, não terá que decidir somente entre o legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, o oportuno e o inoportuno, mas principalmente entre o honesto e o desonesto, consoante as regras contidas no art. 37, caput, e 4, da Constituição Federal. III - A moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal, devendo ser acrescida da idéia de que o fim é sempre o bem comum. O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. O servidor público não pode omitir a verdade, daí o erro da letra D, VIII - Toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. Nenhum Estado pode crescer ou estabilizar-se sobre o poder corruptivo do hábito do erro, da opressão ou da mentira, que sempre aniquilam até mesmo a dignidade humana quanto mais a de uma Nação. Por fim, o erro da alternativa E é encontrado no inc. X, X - Deixar o servidor público qualquer pessoa à espera de solução que compete ao setor em que exerça suas funções, permitindo a formação de longas filas, ou qualquer outra espécie de atraso na prestação do serviço, não caracteriza apenas atitude contra a ética ou ato de desumanidade, mas principalmente grave dano moral aos usuários dos serviços públicos. Gabarito: alternativa C. 43. (FCC - Agente Administrativo/DNOCS/2010) Com relação às Comissões de Ética dispostas no Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, considere: I. Em todos os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, indireta autárquica e fundacional, ou em qualquer órgão ou entidade que exerça atribuições delegadas pelo poder público, deverá ser criada uma Comissão de Ética. II. Incumbe ao servidor fornecer seu registro da sua conduta ética para a Comissão de Ética, encarregada da execução do quadro de carreira dos servidores, para o efeito de instruir e fundamentar promoções e para todos os demais procedimentos próprios da carreira do servidor público. III. A pena aplicável ao servidor público pela Comissão de Ética é a de censura e sua fundamentação constará do respectivo parecer, assinado por todos os seus integrantes, com ciência do faltoso. IV. Para fins de apuração do comprometimento ético, entende-se por servidor público, exclusivamente, a pessoa que, por força de lei, preste serviços de natureza permanente condicionada ao recebimento de salário e esteja ligado direta ou indiretamente a qualquer órgão do poder estatal, como as autarquias e as fundações públicas. Página 45 de 61

47 Está correto o que consta APENAS em a) I e III. b) I e II. c) II e III. d) II e IV. e) III e IV. Comentário: nos termos do inc. XVI do Código de Ética, deverá ser criada uma Comissão de Ética em todos os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, indireta autárquica e fundacional, ou em qualquer órgão ou entidade que exerça atribuições delegadas pelo poder público. Assim, o item está correto. O item II está errado, vejamos: XVIII - À Comissão de Ética incumbe fornecer, aos organismos encarregados da execução do quadro de carreira dos servidores, os registros sobre sua conduta ética, para o efeito de instruir e fundamentar promoções e para todos os demais procedimentos próprios da carreira do servidor público. Por sua vez, o item III está certo, pois a penas aplicada pela Comissão de Ética é a de censura e sua fundamentação constará do respectivo parecer, assinado por todos os seus integrantes, com ciência do faltoso. Fechando, o item IV está errado: XXIV - Para fins de apuração do comprometimento ético, entende-se por servidor público todo aquele que, por força de lei, contrato ou de qualquer ato jurídico, preste serviços de natureza permanente, temporária ou excepcional, ainda que sem retribuição financeira, desde que ligado direta ou indiretamente a qualquer órgão do poder estatal, como as autarquias, as fundações públicas, as entidades paraestatais, as empresas públicas e as sociedades de economia mista, ou em qualquer setor onde prevaleça o interesse do Estado. Dessa forma, somente os itens I e III estão corretos. Gabarito: alternativa A. Concluímos por hoje. Essa foi apenas uma demonstração. Em nossa próxima aula, vamos continuar a abordagem do assunto ética. Espero por vocês! Bons estudos. HERBERT ALMEIDA. Página 46 de 61

48 QUESTÕES COMENTADAS NA AULA 1. (Cespe Admin/SUFRAMA/2014) Caso um servidor público, responsável pelo atendimento ao público, permita que longas filas se formem em seu setor de trabalho, em virtude de ele acessar constantemente redes sociais de comunicação via telefone celular, tal conduta caracterizará falta ética. 2. (Cespe AnaTA/SUFRAMA/2014) A participação do servidor público em cursos de aprimoramento que melhorem o desempenho das capacidades laborais relacionadas às atribuições do cargo é obrigação do servidor, a fim de que desempenhe com eficiência suas funções. 3. (Cespe - Ag Adm/MDIC/2014) O Decreto n.º 1.171/1994 (Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal) impõe aos servidores públicos o dever de, em suas atividades, privilegiar a perfeição em detrimento da rapidez. 4. (Cespe - Ag Adm/MDIC/2014) O servidor público pode omitir a verdade sempre que isso for solicitado por pessoa interessada ou beneficiar a administração pública. 5. (Cespe AnaTA/MDIC/2014) Em uma repartição onde há atendimento ao público para fornecimento de certidões, a emissão de documentos foi interrompida em virtude de problemas técnicos, quando ainda havia tempo razoável de expediente de trabalho. Entretanto, um servidor público, sem buscar informações junto aos profissionais técnicos, exigiu que todos os cidadãos se retirassem das instalações do órgão e voltassem no dia seguinte, sem prestar qualquer informação sobre os motivos da decisão ou da interrupção do serviço. Nessa situação, o servidor público cometeu infração ética, uma vez que compete a ele informar aos usuários os motivos da paralisação do serviço, pois o aperfeiçoamento da comunicação e do contato com o público é um dever ético-funcional. 6. (Cespe AnaTA/MDIC/2014) Em uma sociedade de economia mista que desenvolve atividade de prevalente interesse do Estado, determinado empregado falta ao trabalho frequentemente, sem justificativas. Nessa situação, a conduta do empregado constitui falta apenas em relação à Consolidação das Leis do Trabalho e ele não está sujeito ao Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo. 7. (Cespe Cont/MTE/2014) A função pública, para todos os efeitos, deve ser tida como exercício profissional, não se integrando à vida particular do servidor público, o qual deve ser capaz de distinguir entre seus interesses privados e o bem comum. 8. (Cespe Cont/MTE/2014) O servidor público deve ser assíduo e frequente em seu serviço, posto que suas ausências ou atrasos causam prejuízos à ordem do trabalho, o que repercute, negativamente, em todo o sistema no qual esteja inserido. ==0== Página 47 de 61

49 Teoria e exercícios comentados 0 9. (Cespe Cont/MTE/2014) No que tange aos princípios morais, o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal trata dos primados da dignidade e da consciência como normas hierarquicamente superiores aos primados da eficácia e do zelo, visto que estes representam princípios técnicos de caráter secundário. 10. (Cespe - Ag Adm/MTE/2014) Considere que Vagner, servidor do MTE, no final de semana, quando não trabalhava, tenha feito circular mensagem de correio eletrônico que caluniava Sílvia, colega de trabalho. Nessa situação, como a mensagem não partiu do espaço de trabalho e foi feita fora do horário de serviço, Vagner não cometeu atitude que fira o Código de Ética do MTE. 11. (Cespe - Ag Adm/MTE/2014) O servidor público tem o dever de demonstrar integridade de caráter, escolhendo a melhor e mais vantajosa opção para o bem comum quando estiver diante de uma diversidade de alternativas. 12. (Cespe - Ag Adm/MTE/2014) O servidor público pode alterar o teor de documentos que deva encaminhar para providências sempre que notar que a modificação colabora para o melhor andamento do serviço. 13. (Cespe AA/ICMBio/2014) O servidor que é visto habitualmente embriagado fora de seu horário de expediente, mas cumpre suas atividades com esmero durante seu horário de trabalho não fere a ética do serviço público. 14. (Cespe AA/ICMBio/2014) Suponha que um servidor utilize, às vezes, o veículo da repartição para resolver problemas particulares. Isso constitui ilícito no serviço público mesmo que a resolução desses problemas proporcione melhoria do desempenho do servidor no exercício de suas funções. 15. (Cespe AA/ICMBio/2014) Considere que um servidor, ao atender um usuário, tenha-o deixado esperando por muito tempo, fato que resultou na formação de uma longa fila em seu setor. Nesse caso, como o servidor se prestou a buscar informações benéficas para o usuário, primando pela precisão de seu trabalho, acima da celeridade, ele não feriu o Código de Ética do Servidor Público do Poder Executivo Federal. 16. (ESAF Auditor Fiscal do Trabalho/MTE/2006) De acordo com o Decreto n /1994 (Código de Conduta do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal), é vedado ao servidor público: I. determinar a um servidor que lhe é subordinado que vá ao banco pagar suas contas pessoais (contas do mandante). II. informar a um amigo sobre ato de caráter geral que está para ser publicado, cujo teor o beneficia (o amigo), mas que ainda é considerado assunto reservado no âmbito da Administração Pública. III. exercer atividade no setor privado. Página 48 de 61

50 IV. ser membro de organização que defende a utilização de crianças como mão-deobra barata. V. representar contra seus superiores hierárquicos. Estão corretas: a) apenas as afirmativas I, II e IV. b) as afirmativas I, II, III, IV e V. c) apenas as afirmativas I e IV. d) apenas as afirmativas I, II, IV e V. e) apenas as afirmativas II e IV 17. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2004) De acordo com o Decreto nº 1.171/1994 (Código de Conduta do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal), são deveres fundamentais do servidor público: I. tratar cuidadosamente os usuários dos serviços, aperfeiçoando o processo de comunicação e contato com o público. II. omitir a verdade sobre fato que prejudique a Administração e beneficie o cidadão. III. ser assíduo e freqüente ao serviço. IV. facilitar a fiscalização de todos os atos ou serviços por quem de direito. Estão corretos os itens: a) I, II e III b) II, III e IV c) I, III e IV d) I, II e IV e) I, II, III e IV 18. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2004) De acordo com o Decreto nº 1.171/1994 (Código de Conduta do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal), é vedado ao servidor público: I. valer-se do cargo para lograr proveito pessoal. II. desviar servidor público para atendimento a interesse particular. III. fazer uso, em benefício próprio, de informação privilegiada obtida em razão do cargo. IV. manter consigo, fora da repartição onde exerce suas funções, o computador portátil (notebook) que recebeu para uso no interesse do serviço. Estão corretos os itens: a) I, II e III Página 49 de 61

51 b) II, III e IV c) I, III e IV d) I, II e IV e) I, II, III e IV 19. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2004) Não têm a obrigação de constituir as comissões de ética previstas no Decreto nº 1.171/1994 (Código de Conduta do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal): a) as autarquias federais. b) as empresas públicas federais. c) as sociedades de economia mista. d) os órgãos do Poder Judiciário. e) os órgãos e entidades que exerçam atribuições delegadas pelo poder público. 20. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2006) O Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado pelo Decreto n , de , exalta alguns valores que devem ser observados no exercício da função pública, a saber: I. verdade, como um direito do cidadão, ainda que contrária aos seus interesses ou da Administração. II. dignidade, que deve estar refletida em comportamentos e atitudes direcionados à preservação da honra e da tradição dos serviços públicos. III. moralidade, representada pelo equilíbrio entre a legalidade e a finalidade do ato. IV. decoro, que deve ser mantido pelo servidor não apenas no local de trabalho, mas, também, fora dele. V. cortesia, boa vontade e respeito pelo cidadão que paga os seus tributos. Estão corretas a) apenas as afirmativas II, III, IV e V. b) as afirmativas I, II, III, IV e V. c) apenas as afirmativas I, II, III e V. d) apenas as afirmativas I, III, IV e V. e) apenas as afirmativas III, IV e V. 21. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2006) De acordo com o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado pelo Decreto n , de , é vedado ao servidor público: I. receber gratificação financeira para o cumprimento de sua missão. Página 50 de 61

52 II. ser sócio de empresa que explore jogos de azar não-autorizados. III. informar, a um seu amigo de muitos anos, do conhecimento que teve, em razão das funções, de uma minuta de medida provisória que, quando publicada, afetará substancialmente as aplicações financeiras desse amigo. IV. permitir que simpatias ou antipatias interfiram no trato com o público. V. ser, em função do seu espírito de solidariedade, conivente com seu colega de trabalho que cometeu infração de natureza ética. Estão corretas: a) apenas as afirmativas I, II, IV e V b) as afirmativas I, II, III, IV e V. c) apenas as afirmativas I, II, III, e V. d) apenas as afirmativas I, II e V. e) apenas as afirmativas I e II. 22. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2006) De acordo com o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado pelo Decreto n , de , são deveres fundamentais do servidor público: I. abster-se de exercer as prerrogativas funcionais do cargo de forma contrária aos legítimos interesses dos usuários do serviço público. II. quando estiver diante de mais de uma opção, escolher aquela que melhor atenda aos interesses do governo. III. exigir de seus superiores hierárquicos as providências cabíveis relativas a ato ou fato contrário ao interesse público que tenha levado ao conhecimento deles. IV. facilitar a fiscalização de todos os atos ou serviços por quem de direito. V. materializar os princípios éticos mediante a adequada prestação dos serviços públicos. Estão corretas a) as afirmativas I, II, III, IV e V. b) apenas as afirmativas I, III, IV e V c) apenas as afirmativas I, II, IV e V. d) apenas as afirmativas I e IV. e) apenas as afirmativas I, IV e V. 23. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2006) Estão subordinados ao Código de Conduta Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado pelo Decreto n , de : Página 51 de 61

53 I. os empregados das empresas públicas federais. II. os empregados das empresas privadas que prestam serviços aos órgãos e entidades do Poder Executivo Federal mediante contrato de prestação de serviços (serviços terceirizados, tais como segurança, limpeza, etc.). III. os que prestam serviço de natureza temporária na Administração Pública federal direta, sem remuneração. IV. os servidores do Poder Legislativo. V. os servidores do Poder Judiciário. Estão corretas a) as afirmativas I, II, III, IV e V. b) apenas as afirmativas I, IV e V. c) apenas as afirmativas I e III. d) apenas as afirmativas I, II e III. e) nenhuma das afirmativas está correta. 24. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2004) Para os fins do Código de Conduta do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, entende-se por servidor público: I. os servidores públicos titulares de cargo efetivo. II. os titulares de cargo em comissão. III. os empregados de sociedades de economia mista. IV. os que, temporariamente, prestam serviços à Administração Pública Federal, desde que mediante retribuição financeira. Estão corretos os itens: a) I, II, III e IV b) II, III e IV c) I, III e IV d) I, II e IV e) I, II e III 25. (ESAF Analista Técnico/MF/2013) A respeito da ética profissional do servidor público civil do poder executivo federal, analise as afirmativas abaixo, classificandoas como verdadeiras (V) ou falsas ( F). Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta. Página 52 de 61

54 ( ) O servidor público deve pautar sua conduta pelo princípio da legalidade, devendo sempre decidir entre o legal e o ilegal, abstendo- se de agir segundo a ponderação entre o honesto e o desonesto. ( ) O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. ( ) Toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. a) V, V, V b) F, V, V c) F, F, F d) V, F, V e) V, F, F 26. (ESAF Analista de Planejamento e Orçamento/MPOG/2010) Em decorrência do que dispõe o Decreto n /94 (Código de Ética), aos servidores públicos civis do Poder Executivo Federal, é vedado: a) embriagar-se. b) fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito interno do serviço, em benefício de suas funções. c) participar de grupos anti-semitas. d) posicionar-se contrariamente ao sistema de cotas. e) exercer outra atividade profissional. 27. (ESAF Analista Administrativo/ANA/2009) De acordo com o Decreto n /1994 (Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal), é vedado ao servidor público: I. aceitar ajuda financeira, para si ou para familiares, fornecida pela parte interessada, para fins de praticar ato regular e lícito, inserido em sua esfera de atribuições; II. fazer uso de informação privilegiada obtida no âmbito interno do seu serviço, salvo quando a informação afetar interesse do próprio servidor; III. utilizar, para fins particulares, os serviços de servidor público subordinado; IV. utilizar-se da influência do cargo para obter emprego para um parente próximo; V. procrastinar a decisão a ser proferida em processo de sua competência porque tem antipatia pela parte interessada. Estão corretas: a) as afirmativas I, II, III, IV e V. Página 53 de 61

55 b) apenas as afirmativas I, II, III e IV. c) apenas as afirmativas I, II, III e V. d) apenas as afirmativas I, III, IV e V. e) apenas as afirmativas III, IV e V. 28. (ESAF Analista de Finanças e Controle/CGU/2006) De acordo com o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado pelo Decreto n , de "o servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. Assim, não terá que decidir somente entre o legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, o oportuno e o inoportuno, mas principalmente entre o honesto e o desonesto, consoante as regras contidas no art. 37, caput, e 4o, da Constituição Federal". Esse enunciado expressa a) o princípio da legalidade na Administração Pública. b) a regra da discricionariedade dos atos administrativos. c) a impossibilidade de um ato administrativo, praticado de acordo com a lei, ser impugnado sob o aspecto da moralidade. d) um valor ético destinado a orientar a prática dos atos administrativos. e) que todo ato legal é também justo. 29. (FUNIVERSA - Técnico Especializado II/EMBRATUR/2011) O Código de Ética do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal informa que a conduta dos agentes públicos deve ser pautada pelas regras deontológicas. Acerca desse tema, assinale a alternativa correta. a) A legalidade deve ser o princípio ainda predominantemente utilizado como baliza de julgamento para a prática dos atos administrativos. b) A conduta de um servidor público em sua vida privada somente a ele diz respeito e não afeta seu conceito funcional, em face da falta de conexão entre as referidas esferas. c) O Código de Ética do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal reconhece expressamente a ocorrência de grave dano moral aos usuários de serviços públicos nos casos de demora na prestação desses serviços. d) A ausência ao trabalho de um servidor invariavelmente provoca a desmoralização da imagem do serviço público, em face da desordem nas relações humanas a que são submetidos os administrados. e) A publicidade de todos os atos administrativos constitui requisito de eficácia e moralidade deles. Página 54 de 61

56 30. (FUNIVERSA - Agente Administrativo/MTur/2010) Em relação ao Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, de que tratam o Decreto n.º 1.171/1994 e o Decreto n.º 6.029/2007, assinale a alternativa correta. a) Se um servidor houver de avaliar a prática de ato inerente à sua função e verificar que se trata de ato legal e oportuno, saberá que, automaticamente, terá sido atendido o elemento ético do ato. b) Apesar de relevante, o componente da moralidade do ato administrativo está fora do universo da legalidade; é aspecto extralegal do ato. c) Para que um ato atenda aos princípios éticos, não basta levar em conta o aspecto da economicidade. d) Em virtude da proteção constitucional à privacidade, os atos da vida particular do servidor público não devem ser considerados para nenhum efeito funcional. e) A fim de preservar as pessoas envolvidas e os legítimos interesses do poder público, os atos administrativos, em princípio, não devem ser divulgados. 31. (FUNIVERSA - Agente Administrativo/MTur/2010) A respeito do Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, assinale a alternativa correta. a) Em certos casos, a fim de não contrariar o interesse da administração pública, o servidor público pode deixar de comunicar a verdade a um cidadão. b) O Código trata a preservação dos bens da administração pública como tema de natureza exclusivamente patrimonial. c) O servidor público deve evitar ao máximo ausentar-se de seu local de trabalho, porquanto toda ausência causa desmoralização ao serviço público. d) Permitir a formação desnecessária de filas nos órgãos públicos pode caracterizar infração de preceitos éticos por parte dos servidores responsáveis e causar dano moral aos cidadãos. e) Em face dos deveres de lealdade e de obediência à hierarquia no serviço público, o servidor deve abster-se de comunicar oficialmente atos potencialmente irregulares, quando não tenham relação direta com suas funções. 32. (FUNIVERSA Advogado/ADASA/2009) O Decreto n.º 1.171/1994, que cria o Código de Ética do Servidor Público Civil, prevê a constituição de uma comissão de ética a fim de implementar as novas disposições a serem observadas. Acerca dessa comissão, assinale a alternativa correta. a) Será integrada apenas por servidores públicos. b) Será integrada por servidores de carreira. c) Será integrada por três servidores ou empregados titulares de cargo efetivo. Página 55 de 61

57 d) Será integrada por três empregados com mais cinco anos no cargo. e) Será integrada por três servidores com mais de cinco anos no cargo. 33. (FUNIVERSA Advogado/ADASA/2009) Acerca das condutas éticas previstas no Código de Ética do Servidor Público Civil, assinale a alternativa incorreta. a) A eficácia e a consciência dos princípios morais são primados maiores que devem nortear o servidor público no exercício do cargo ou função. b) O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. c) O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. d) A publicidade de todo ato administrativo constitui requisito indispensável à sua eficácia e moralidade, ensejando sua omissão comprometimento ético contra o bem comum, imputável a quem a negar. e) A cortesia, a boa vontade, o cuidado e o tempo dedicados ao serviço público caracterizam o esforço pela disciplina. Tratar mal ao administrado pode causar-lhe dano moral. 34. (FUNIVERSA Advogado/ADASA/2009) O servidor que trabalha em harmonia com a estrutura organizacional, respeitando seus colegas e cada concidadão, colabora e de todos pode receber colaboração. A atividade pública é a grande oportunidade para o crescimento e o engrandecimento da Nação. Em busca desse objetivo, o Código de Ética veda alguns comportamentos por parte do servidor, entre os quais não se inclui a) participar de movimentos grevistas, principalmente aqueles em que há pressões de superiores hierárquicos, contratantes ou interessados. b) pleitear, solicitar, provocar, sugerir ou receber qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prêmio, comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para si, familiares ou qualquer pessoa, para o cumprimento da sua missão ou para influenciar outro servidor para o mesmo fim. c) retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio público. d) dar o seu concurso a qualquer instituição que atente contra a moral, a honestidade ou a dignidade da pessoa humana. e) ser, em função de seu espírito de solidariedade, conivente com erro ou infração ao Código de Ética ou ao Código de Ética de sua profissão. 35. (FUNCAB - Agente Administrativo/PRF/2014) O Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal (Decreto n 1.171/1994) atende à necessidade de criar um sistema de princípios e fundamentos deontológicos que se caracteriza por: Página 56 de 61

58 a) não se confundir com o regime disciplinar do servidor público previsto nas leis administrativas, fornecendo suporte mora! para a sua correta aplicação e cumprimento por todos os servidores. b) não considerar suficiente a implementação das regras deontológicas apenas pelo apelo ao senso social e vontade íntima do próprio agente moral, de sua conscientização e de sua convicção interior. c) estabelecer o princípio da obrigatoriedade do procedimento ético e moral no exercício da função pública, garantido pela possibilidade de sua imposição por via da coercibilidade jurídica. d) exigir condutas do mesmo modo que as demais leis administrativas, sem apoiar-se apenas no sentimento de adesão moral e de convicção íntima de cada servidor público. e) impor, quanto às matérias nele indicadas, um rigoroso sistema de sanções preventivas e coercitivas, ensejador do respeito ao decoro no exercício da função pública. 36. (FUNCAB Agente Administrativo/PRF/2014) O servidor público do Poder Executivo Federal deve guardar conduta condizente com o cargo e os princípios ressaltados pelo Código de Ética Profissional (Decreto n 1.171/1994). Pautado pela razoabilidade, o servidor deve orientar-se analisando a adequação e a necessidade de sua conduta, de modo que: a) as prerrogativas funcionais são conferidas ao servidor público de modo a proteger sua individualidade. Em razão disso, o exercício das prerrogativas pode ser evocado em favor dos legítimos interesses do servidor. b) o critério do respeito à legalidade prevalece em relação à finalidade do ato praticado. Assim, sendo legalmente proibido abandonar o serviço ou ausentar-se do posto sem autorização do superior imediato, não será dado ao servidor ausentar-se dele para socorrer vítima de acidente grave sem prévia autorização, sob pena de censura. c) é dever do servidor comunicar aos superiores fato contrário ao interesse público. A comunicação, porém, não o exime de responsabilidade, haja vista que é dado ao servidor exigir providências de quem, hierarquicamente, possui posição superior. d) sendo pessoal a responsabilidade de cada servidor, a denúncia de condutas ilícitas incumbe os interessados. Quanto ao servidor, pode abster-se de apresentar provas que conheça sobre ilícitos praticados por seus superiores em razão do princípio da inocência. e) guardado o respeito ao princípio constitucional da privacidade, a embriaguez em ambientes privados, ainda que notória e habitual, é insuficiente para motivar censura, desde que o profissional não se apresente embriagado em seu ambiente de trabalho. Página 57 de 61

59 37. FUNCAB AssistenteTécnico I/IBRAM-DF/2010) Sobre o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado no Decreto n 1.171/94, é INCORRETO afirmar que: a) toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. b) é vedado ao servidor público retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio público. c) a pena aplicável ao servidor público pela Comissão de Ética é a de demissão sumária, e sua fundamentação constará do respectivo parecer, assinado por todos os seus integrantes, com ciência do faltoso. d) deve o servidor público comunicar imediatamente a seus superiores todo e qualquer ato ou fato contrário ao interesse público, exigindo as providências cabíveis. e) é vedado ao servidor público deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos ao seu alcance ou do seu conhecimento para atendimento do seu mister. 38. (FCC PMP/INSS/2012) Considere duas hipóteses: I. Fernanda, servidora pública civil do Poder Executivo Federal, tem sido vista embriagada, habitualmente, em diversos locais públicos, como eventos, festas e reuniões. II. Maria, também servidora pública civil do Poder Executivo Federal, alterou o teor de documentos que deveria encaminhar para providências. Nos termos do Decreto no 1.171/1994, a) ambas as servidoras públicas não se sujeitam às disposições previstas no Decreto no 1.171/1994. b) apenas o fato descrito no item II constitui vedação ao servidor público; o fato narrado no item I não implica vedação, vez que a lei veda embriaguez apenas no local do serviço. c) apenas o fato descrito no item I constitui vedação ao servidor público, desde que ele seja efetivo. d) ambos os fatos não constituem vedações ao servidor público, embora possam ter implicações em outras searas do Direito. e) ambos os fatos constituem vedações ao servidor público. 39. (FCC PMP/INSS/2012) Nos termos do Decreto no 1.171/1994, a pena aplicável ao servidor público pela Comissão de Ética é a de censura e sua fundamentação a) não é necessária para a aplicação da pena; no entanto, exige-se ciência do faltoso. Página 58 de 61

60 b) constará do respectivo parecer, assinado por todos os seus integrantes, com ciência do faltoso. c) constará do respectivo parecer, assinado apenas pelo Presidente da Comissão, com ciência do faltoso. d) não é necessária para a aplicação da pena, sendo dispensável também a ciência do faltoso. e) constará do respectivo parecer, assinado apenas pelo Presidente da Comissão, sendo dispensável a ciência do faltoso. 40. (FCC - Agente Legislativo/AL-SP/2010) Ética é o conjunto de regras e preceitos de ordem valorativa e moral de um indivíduo, de um grupo social ou de uma sociedade. A respeito da ética, considere: I A dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos princípios morais são primados maiores que devem nortear o serviço público. II O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. III A moralidade na Administração Pública se limita à distinção entre o bem e o mal, não devendo ser acrescida da ideia de que o fim é sempre o bem comum. IV A função pública deve ser tida como exercício profissional e, portanto, se integra na vida particular de cada servidor público. V O trabalho desenvolvido pelo servidor público perante a comunidade não deve ser entendido como acréscimo ao seu próprio bem-estar, embora, como cidadão, seja parte integrante da sociedade. Está correto o que se afirma APENAS em: a) I, II e IV. b) I, III e IV. c) II, III e IV. d) II, IV e V. e) III, IV e V. 41. (FCC - Agente Legislativo/AL-SP/2010) Considere as seguintes afirmativas: O servidor deve prestar toda a sua atenção às ordens legais de seus superiores, velando atentamente por seu cumprimento, e, assim, evitando a conduta negligente PORQUE Página 59 de 61

61 os repetidos erros, o descaso e o acúmulo de desvios tornam-se, às vezes, difíceis de corrigir e caracterizam até mesmo imprudência no desempenho da função pública. É correto concluir que a) as duas afirmativas são falsas. b) a primeira afirmativa é falsa e a segunda verdadeira. c) a primeira afirmativa é verdadeira e a segunda é falsa. d) as duas afirmativas são verdadeiras e a segunda justifica a primeira. e) as duas afirmativas são verdadeiras e a segunda não justifica a primeira. 42. (FCC - Agente Administrativo/DNOCS/2010) No que concerne às Regras Deontológicas estabelecidas no Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, é correto afirmar que a) o trabalho desenvolvido pelo servidor público perante a comunidade deve ser entendido como obrigação, independentemente do seu próprio bem- estar, já que, como funcionário público, integrante do Poder Executivo, o êxito desse trabalho é requisito essencial à manutenção de seu cargo, não dizendo respeito ao seu patrimônio e a sua vida particular. b) a remuneração do servidor público é custeada pelos tributos pagos direta ou indiretamente por todos, até por ele próprio, e por isso se exige, como contra- partida, que a moralidade administrativa se integre no Direito, sendo dissociável de sua aplicação e de sua finalidade. c) a moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal, devendo ser acrescida da idéia de que o fim é sempre o bem comum. O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. d) toda pessoa tem direito à verdade, sendo que o servidor poderá omiti-la, caso seja contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. Nenhum Estado pode crescer ou estabilizar-se sobre o poder corruptivo da opressão, que sempre aniquilam até mesmo a dignidade humana quanto mais a de uma Nação. e) deixar o servidor público qualquer pessoa à espera de solução que compete ao setor em que exerça suas funções, permitindo a formação de longas filas, ou qualquer outra espécie de atraso na prestação do serviço, é comum e normal e, portanto, não causa dano moral aos usuários dos serviços públicos e nem mesmo configura atitude contra a ética ou ato de desumanidade. 43. (FCC - Agente Administrativo/DNOCS/2010) Com relação às Comissões de Ética dispostas no Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, considere: Página 60 de 61

62 I. Em todos os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, indireta autárquica e fundacional, ou em qualquer órgão ou entidade que exerça atribuições delegadas pelo poder público, deverá ser criada uma Comissão de Ética. II. Incumbe ao servidor fornecer seu registro da sua conduta ética para a Comissão de Ética, encarregada da execução do quadro de carreira dos servidores, para o efeito de instruir e fundamentar promoções e para todos os demais procedimentos próprios da carreira do servidor público. III. A pena aplicável ao servidor público pela Comissão de Ética é a de censura e sua fundamentação constará do respectivo parecer, assinado por todos os seus integrantes, com ciência do faltoso. IV. Para fins de apuração do comprometimento ético, entende-se por servidor público, exclusivamente, a pessoa que, por força de lei, preste serviços de natureza permanente condicionada ao recebimento de salário e esteja ligado direta ou indiretamente a qualquer órgão do poder estatal, como as autarquias e as fundações públicas. Está correto o que consta APENAS em a) I e III. b) I e II. c) II e III. d) II e IV. e) III e IV. GABARITO 1. C 11. C 21. B 31. D 41. D 2. C 12. E 22. B 32. C 42. C 3. E 13. E 23. D 33. D 43. A 4. E 14. C 24. E 34. A 5. C 15. E 25. B 35. A 6. E 16. A 26. C 36. C 7. E 17. C 27. D 37. C 8. C 18. A 28. D 38. E 9. E 19. D 29. C 39. B 10. E 20. B 30. C 40. A Página 61 de 61

63