DIRETÓRIOS. Diretórios ZIM. Estabelecer um diretório de aplicativo. Campos do objeto Diretórios. Diretórios estrangeiros. Zim 8.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETÓRIOS. Diretórios ZIM. Estabelecer um diretório de aplicativo. Campos do objeto Diretórios. Diretórios estrangeiros. Zim 8."

Transcrição

1 DIRETÓRIOS Um diretório é um objeto do aplicativo. Diretórios de aplicativos são usados para organizar os objetos definidos no Dicionário de Objetos para a aplicação. Diretórios ZIM ZIM 8 proporciona uma melhor manipulação de diretórios ZIM (local e estrangeiro), aumentando o número de diretórios disponíveis Estabelecer um diretório de aplicativo Chamar o IDE, selecionar diretórios dos objetos drop-down menu, e usar as ferramentas do Centro de Desenvolvimento para definir o diretório desejado. Campos do objeto Diretórios atributos Descrição DirName Localização de diretório de aplicativos da constante OwnerDirName Localização de diretório de aplicativos do diretório assunto DirId Um identificador numérico para o diretório (2-240) DirId - O identificador numérico para o diretório. Valores válidos - Um valor na faixa de 0 a 254 (default = 0) Observações - Cada diretório acessado por um aplicativo deve ter uma DirId único. Se você escolher um DirId de 0, o ID interno do diretório é definido para corresponder ao número atribuído ao arquivo correspondente do sistema operacional (ou seja, ZIMnnnn onde nnnn é tipicamente um número entre 0100 e 9999). Dentro de cada aplicação, a identificação interna de todos os diretórios de aplicativos acessados ao mesmo tempo deve ser exclusivo. Se o item foreign (estrangeiro) é definido como YES, o DirId deve conter o valor 2 a 254. Se foreign é definido como NO, mas se o diretório irá ser exportado como um diretório estrangeiro para outros bancos de dados, DirId ainda deve estar entre 2 a 254. Diretórios estrangeiros

2 Cada banco de dados Zim tem seu próprio dicionário de objetos. Todos os objetos (conjuntos de entidades ou seja, formas, variáveis e assim por diante) que são descritas no dicionário de objetos são criados em um diretório Zim. Normalmente, um desenvolvedor de aplicativo cria os diretórios Zim que são usados dentro de um banco de dados particular. Um diretório estrangeiro, por outro lado, é um diretório Zim, que é definida por um banco de dados, mas é usado por outros bancos de dados. Ao acessar um diretório estrangeiro, você ganha acesso a todos os objetos criados nesse diretório. DIRS.ZIM Arquivo de configuração igual que as versões anteriores do ZIM. Ele descreve os diretórios estrangeiros que está sendo acessado por esta aplicação. Se existente, ele está localizado no <path absoluto> (em outras palavras, cada <path absolut> pode ter um arquivo dirs.zim); Por que usar um diretório estrangeiro? Há muitas situações em que um diretório estrangeiro pode ser útil. Um exemplo comum é a caixa de ferramentas, um banco de dados contendo programas aplicativos que são úteis, e, portanto, compartilhado entre, muitos bancos de dados diferentes. Por exemplo, ao desenvolver um aplicativo, você pode ter criado um diretório contendo programas utilitários. Estes utilitários podem ser úteis em outras situações, mas você não quer recriá-las para cada novo banco de dados. Seguindo os procedimentos descritos abaixo, o diretório de utilidade pode ser definida como estrangeiros em outros bancos de dados. O diretório pode ser usado em outros bancos de dados do que aquele em que ela foi criada. Como os diretórios estrangeiros são usados. O procedimento descrito abaixo é uma visão geral de como os diretórios estrangeiros são usados. O restante desta seção descreve isso com mais detalhes. Em geral, o uso de um diretório de um banco de dados (banco de dados de host) dentro de outro banco de dados (banco de dados de conexão) envolve cinco etapas: 1) No Dicionário de Objetos do banco de dados host, definir o diretório de destino, incluindo um número ID especial do diretório. Crie o diretório, usando o comando CREATE. 2) No Dicionário de Objetos do banco de dados de conexão, definir o diretório de destino novamente. Esta definição deve ser idêntico ao que no banco de dados host, exceto que o diretório deve ser definido como estrangeiros. 3) No banco de dados de conexão, criar o diretório, usando o comando CREATE. 4) No prompt do sistema operacional, va para o diretório do sistema operacional que contém o banco de dados de conexão. Use seu editor de texto para editar o arquivo diretórios estrangeiros (chamados dirs.zim), adicionando uma entrada que dá a localização do diretório de estrangeiros no sistema de arquivos.

3 5) Voltar para o banco de dados de conexão. Use o comando ACCESS para acessar o diretório estrangeiros. Um banco de dados de conexão poderá acessar muitos diretórios estrangeiros em simultâneo, desde que cada diretório tem um número de identificação único diretório. Um único diretório pode ser acessado como um diretório estrangeiros simultaneamente por muitos bancos de dados. Definição de um Dicionário Estrangeiro - Descrição detalhada. Um diretório estrangeiro consiste em dois componentes. O primeiro componente é o diretório original criado no banco de dados host. É nesse diretório que é acessado por usuários de outros bancos de dados. O segundo componente é um diretório que é criado como estrangeiro no banco de dados de conexão. No banco de dados host. Se um diretório específico deve ser usado de dentro de outros bancos de dados, o diretório deve ser criado no banco de dados host, utilizando o procedimento descrito abaixo. O diretório é criado, essencialmente, de uma forma normal, no entanto, ele deve ser atribuído um número de identificação especial diretório. 1) Adicionar um registro para EntitySet Diretórios no Dicionário de Objetos. Este registro deve ser definido assim: - DirName = nome do diretório - DirId = número de ID de diretório. Este número deve estar entre 2 e 254. O DirId não deve entrar em conflito com a DirId de qualquer outro diretório para o qual um usuário pode se conectar ao mesmo tempo. - Foreign = NO 2) Crie o diretório da forma normal, usando o comando CREATE. Se os diretórios estrangeiros arquivo (dirs.zim) pertencentes ao banco de dados host contém uma entrada que corresponda DirId deste diretório, o arquivo do sistema operacional que corresponde a esse diretório é transferida para essa entrada. Nota: O diretório raiz (ou seja, Zim) não pode ser usado como um diretório estrangeiro. Você deve assumir que o diretório a ser usado em outros bancos de dados é um sub-diretório. No banco de dados Conexão. Para permitir que usuários de um outro banco de dados se conectem a um diretório (estrangeiro)

4 existente, continue o procedimento acima com os seguintes passos: 1) No banco de dados conectado, adicionar um registro para Diretórios conjunto de entidades no Dicionário de Objetos. Este registro deve definir - DirName ao nome do diretório estrangeiros - DirId a ID de diretório do diretório estrangeiros - Foreign para YES 2) Crie o diretório da maneira normal. Porque o campo estrangeiro no registro de diretórios tem sido definida como Yes, não são criados arquivos para este novo diretório. Nota: O DirName e DirId do diretório estrangeiro deve ser o mesmo que o DirName e DirId no banco de dados host. A nível do Sistema Operacional Antes que um usuário do banco de dados de conexão possa empregar o comando ACCESS para se conectar a um diretório estrangeiro, o banco de dados de conexão deve conter uma diretório estrangeiro (dirs.zim) arquivo com uma entrada descrevendo a localização de cada diretório estrangeiro. Para criar este arquivo, use um editor de texto no nível do sistema operacional. O arquivo deve ser armazenado no diretório do sistema operacional que contém o banco de dados de conexão. Cada entrada no arquivo de diretórios estrangeiros tem o formato: dirid file# path onde: dirid é o dirid do diretório estrangeiro. file# é o número do arquivo que corresponde ao diretório no banco de dados host (ou seja, a zimnnnn nnnn). Para determinar o arquivo#, execute o utilitário ZIMFILES no banco de dados host ou use o comando: out $filename (nome do diretório) ou $filepath(objname) Por exemplo, a entrada: \usr\tools significa que o diretório cujo dirid = 11 pode ser encontrada no arquivo \usr\tools\zim0126. Acessar um diretório Estrangeiro Uma vez que um diretório estrangeiro foi definido e criado no host e nos bancos de dados de conexão, e o arquivo de diretório estrangeiro existe com a entrada apropriada, o diretório

5 estrangeiro é acessível a partir do banco de dados de conexão. Para acessar o diretório estrangeiro, use o seguinte procedimento: 1) Entre no Zim no banco de dados de conexão. 2) Use o comando ACCESS para acessar o diretório estrangeiro pelo nome, como mostrado no exemplo a seguir: access Utilities read. Este comando Abre um diretório de aplicativos Zim, permitindo o acesso aos objetos nele criados. sintaxe ACC dirname [READ UPDATE] parâmetros dirname É o nome de um diretório Zim que deve ser colocado na lista de diretórios. READ Indica que o diretório será acessado somente para leitura,não sendo permitidas alterações. Este é o valor assumido, se nenhum dos dois for informado (valor padrão). UPDATE Especifica que o diretório será acessado tanto para leitura como para alterações(create, ERASE,ADD,CHANGE ou DELETE). comentários Diretórios estrangeiros são sempre acessados como READ, ou seja, em modo de leitura. exemplo Para acessar ProjectControl diretório em modo somente leitura, use: access ProjectControl read ou simplemesmente access ProjectControl Para acessar o diretório pessoal no modo de atualização, use: access Pessoal update Todos os objetos definidos no diretório estrangeiro estão agora disponíveis a partir do banco de dados de conexão. A localização de arquivos associados a um diretório Estrangeiro. O arquivo dirs.zim especifica a localização do sistema operacional (OS) de arquivo que corresponde ao diretório estrangeiro. Mas onde é que o sistema deve ver os arquivos que

6 correspondem aos conjuntos de entidades, relacionamentos, programas e assim por diante que são definidas no diretório estrangeiro?. Por padrão, o Zim procura por esses arquivos no caminho especificado no arquivo dirs.zim para o arquivo do diretório estrangeiros em si. É possível, no entanto, para distribuir esses arquivos para outras partes do sistema de arquivos usando um arquivo de áreas com nomes de documentos de arquivo especial no banco de dados host. O procedimento para utilizar um arquivo de áreas em um banco de dados host é exatamente como descrito para bancos de dados independentes na distribuição de arquivos de banco de dados. Exemplo Para ilustrar, vejamos um exemplo da base Utilities. Considere as informações apresentadas a seguir: - O diretório utilitários no banco de dados host é definido no diretório do sistema operacional D:\UTILPROG. A ID do diretório Utilities é No diretório Utilities, três documentos são definidos como mostrado abaixo: > List all docs Docname FileName DirName ======== ======= ======= DictReport dict.rep Utilities ReportOut )Utilitários report.out UserLog "user.log Utilities - No diretório Utilities, dois conjuntos de entidades são também definidas como mostrado abaixo: UtilEnt1 (armazenado no arquivo do sistema operacional ZIM0129) UtilEnt2 (armazenado no arquivo do sistema operacional ZIM0130) - No banco de dados host tem um arquivo associado que está localizado, com diretório Utilities, no diretório do sistema operacional D:/UTILPROG. O arquivo areas.zim contém a entrada de: 129 C:\UTZIM - O banco de dados de conexão, no arquivo dirs.zim contem uma entrada associado ao diretório estrangeiro: D:\UTILPROG. - O diretório de trabalho do usuário que se conecta é C:\APPLDIR\USER1. Dada esta situação, os bancos de dados de conexão e host, ambos contêm um arquivo de áreas.zim que realoca os arquivos associados a conjuntos de entidades. No banco de dados de conexão, um arquivo de diretórios estrangeiro D:\UTILPROG estabelece como o local padrão para todos os arquivos associados a objetos no diretório estrangeiro Utilities. O objeto

7 estrangeiro ReportOut (um documento) é definida como sendo localizado no diretório de trabalho de conexão do usuário, similarmente, UserLog é definido como sendo localizado no diretório do banco de dados de conexão do usuário. Acessando Entidades estrangeiras Ao se conectar a um diretório estrangeiro, você ganha acesso aos dados das Entidades e dos relacionamentos com campos que são definidos nesse diretório. Para obter acesso Read/write a campos de banco de dados estrangeiro, você pode declarar esses arquivos como não-compartilhado nas áreas de arquivo associado com o banco de dados do host. Por exemplo, para obter acesso leitura/gravação para um EntitySet estrangeiro chamado UtilEnt cujo arquivo correspondente do sistema operacional tem o nome ZIM0185, você colocaria a entrada: 185 D:\UTILPROG % Este é um exemplo Zim em Windows. 185 /usr3/utilprog/ % Este é um exemplo Zim em UNIX. nas áreas de arquivo associado com o banco de dados do host. No Zim 8, as bases de dados estrangeiras pode ser de leitura ou gravação (read/write) como qualquer banco de dados normal. Limitações de Diretórios Extrangeiros. As seguintes limitações se aplicam ao uso de diretórios estrangeiros: 1) Cada diretório acessado por um aplicativo deve ter um ID de diretório único entre todos os diretórios que está sendo acessado ao mesmo tempo. Diretórios, neste caso, incluir subdiretórios de diretórios estrangeiros. 2) Um banco de dados não podem se conectar ao diretório raiz (diretório Zim) de outro banco de dados (ou seja, o diretório raiz não pode ser um diretório estrangeiro). 3) Diretórios estrangeiros não podem ser atualizados usando o COMPILE, UNCOMPILE, CREATE, ERASE, permissão ou comando RENAME. Você não pode atualizar a definição de objetos definidos em um diretório estrangeiro. 4) Um banco de dados de conexão não pode se conectar aos diretórios estrangeiros definidos dentro do diretório estrangeiro do banco de dados host.

8 5) Arquivos de banco de dados estrangeiro que foram criptografados com um comando ENCRYPT pode ser acessado a partir de um banco de dados conectando somente se as bases de dados de conexão e de acolhimento foram ambos inicializados usando a mesma chave de criptografia. A chave de criptografia é especificado quando o utilitário ZIMINIT é executado para inicializar um novo objeto Dictionary. ZimServer Agora aceita os mesmos diretórios estrangeiros a ser referenciado por mais de um arquivo dirs.zim, ou seja, mais de um banco de dados têm as mesmas referências do diretórios estrangeiros. Configuration Files. A relação entre os arquivos de configuração é o seguinte: ZIMDB.ZIM descreve onde os bancos de dados estão. Cada banco de dados contém um arquivo zimconfig.zim, além de um DIRS.ZIM opcional e um AREAS.ZIM opcional. Cada entrada no DIRS.ZIM aponta para um diretório estrangeiro que por sua vez (o diretório estrangeiro) pode ter um AREAS.ZIM. Observação: - Nas versões do Zim 7.11 e anteriores, o DIRID para Diretórios estrangeiros era definido com valor igual o maior a 10000, agora o valor varia de 1 a 254 para todos os tipos de diretórios. - Comentários colocados no final das linhas no arquivo dirs.zim serão interpretados como parte do caminho do caminho do banco de dados Zim; - Consultar: $ProgramFileName, $filepath() Exemplo prático : A) No banco de dados estrangeiro (chamado neste exemplo como C:\baseteste ) entre no Zim e crie um diretório local, caso não esteja criado. - Add dirs let dirname= Dirteste Ownerdirname= ZIM DirId=3 foreing= no - Create dir Dirteste - Out $filepath(dirteste) C:\baseteste\zim0100 B) Na base Local (chamado neste exemplo como C:\baselocal ), entre no zim e crie o diretório estrangeiro. - Add dirs let dirname= Dirteste Ownerdirname= ZIM DirId=3 foreing= Yes - Create directory Dirteste C) Sair do Zim na base local e nesta mesma base de dados crie o arquivo dirs.zim com as seguintes informações: C:\baseteste

9 Onde, 3 é o Nr DirId dos dirs em ambas as bases 100 é o Nr. do arquivo externo do dir. da base estrangeira baseteste C:\baseteste é o local e nome da base estrangeira. D) Execute Stop Zimserver E) Execute Start Zimserver F) Entre no zim em ambas as bases de dados (baseteste e baselocal) G) Na base Local execute: acc Dirteste Read Observação: o nome dos diretórios (Dirteste) e o Nr DirId (3) tem que ser iguais em ambas as bases. O diretório estrangeiro criado na base local, é criada como "zim0000", não tendo nenhum arquivo externo relacionado com ela, o que significa que a criação de mais de um diretório externo, sempre vai criar internamente como "zim0000", como é diretório estrangeiro, localmente não precisa destes arquivos de diretórios.

Zim 8.x Zim IDE Tutorial

Zim 8.x Zim IDE Tutorial I. Inicio.- 1) Para criar objetos recomendamos que instale o Zim completo em sua estação de desenvolvimento ou o ZimTC Lembrando que nas estações dos usuários deve ser instalado o ZimThinClient. 2) Crie

Leia mais

MIGRANDO PARA ZIM 8.50 (UNIX/WINDOWS)

MIGRANDO PARA ZIM 8.50 (UNIX/WINDOWS) ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL MIGRANDO PARA ZIM 8.50 (UNIX/WINDOWS) Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar o processo de Migração para o Zim 8.50 (UNIX/Windows). Para maiores informações

Leia mais

ARQUIVOS DE CONFIGURAÇAO ZIM 8.50

ARQUIVOS DE CONFIGURAÇAO ZIM 8.50 ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL ARQUIVOS DE CONFIGURAÇAO ZIM 8.50 Próx Antes de Iniciar Este documento detalha os arquivos de configuração da versão Zim 8.50 para Unix/WIndows. Você também deve consultar as

Leia mais

ZIM 8.50 PRIMEIROS PASSOS (WINDOWS E UNIX)

ZIM 8.50 PRIMEIROS PASSOS (WINDOWS E UNIX) ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL ZIM 8.50 PRIMEIROS PASSOS (WINDOWS E UNIX) Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os primeiros passos para utilizar a versão mais recente do Zim 8.50 para

Leia mais

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistemas Operacionais 3º bimestre Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistema de Arquivos (1) Todas as aplicações precisam armazenar e recuperar informações. Considerações sobre os processos: Espaço

Leia mais

FileZilla Server. O FileZilla Server é um ótimo servidor FTP, conta com diversas funções e fácil instalação e configuração.

FileZilla Server. O FileZilla Server é um ótimo servidor FTP, conta com diversas funções e fácil instalação e configuração. FileZilla Server Já apresentei um tutorial sobre o FileZilla, um cliente FTP com versões para vários sistemas operacionais, agora vou falar sobre o FileZilla Server, um programa que transforma seu computador

Leia mais

Saída do sistema do Servidor FTP do Capture Pro Software

Saída do sistema do Servidor FTP do Capture Pro Software Visão geral Saída do sistema do Servidor FTP do Capture Pro Software O Servidor FTP do Capture Pro Software transfere dados de índice e lotes (que foram digitalizados com saída para o PC local) para um

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Windows 2003 Server: Criando e Gerenciando Pastas Compartilhadas Fabricio Breve Fundamentos Ter um servidor em execução não significa que ele

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos de Sistema........... 1 Instalando............... 1 Instalando a Partir de um Arquivo

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

COMO INSTALAR ZIM 8.50 HP-UX, AIX, LINUX E UNIXWARE

COMO INSTALAR ZIM 8.50 HP-UX, AIX, LINUX E UNIXWARE ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL COMO INSTALAR ZIM 8.50 HP-UX, AIX, LINUX E UNIXWARE Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os passos necessários para instalar a versão mais recente do

Leia mais

MANUAL DE SOFTWARE ARKITOOL 2012

MANUAL DE SOFTWARE ARKITOOL 2012 MANUAL DE SOFTWARE ARKITOOL 2012 Editado por: Idéias e programas, S.L. San Román de los Montes 25-Março-2012. ARKITool, Arkiplan, Além disso ARKITool são marcas comerciais de idéias e programas, S.L. REQUISITOS

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos do sistema........... 1 Código de autorização.......... 1 Instalando...............

Leia mais

Geração e instalação de Certificado APNS

Geração e instalação de Certificado APNS Geração e instalação de Certificado APNS Manual Rápido para geração e instalação de um Certificado APNS Apple Versão: x.x Manual rápido MobiDM para Certificado APNS Página 1 Índice 1. CERTIFICADO APNS

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView Essa aula apresenta o software TerraView apresentando sua interface e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados neste documento bem como o executável

Leia mais

JDBC DRIVER. Objetivo: Possibilitar aplicações não Zim de se conectar a um banco de dados Zim utilizando as normas JDBC.

JDBC DRIVER. Objetivo: Possibilitar aplicações não Zim de se conectar a um banco de dados Zim utilizando as normas JDBC. Objetivo: Possibilitar aplicações não Zim de se conectar a um banco de dados Zim utilizando as normas JDBC. Requisitos para usar o driver JDBC Do lado do cliente: O driver JDBC Do lado do servidor: A base

Leia mais

GUIA MUDANÇA E FORMATAÇÃO DE SERVIDOR - MILLENNIUM

GUIA MUDANÇA E FORMATAÇÃO DE SERVIDOR - MILLENNIUM GUIA MUDANÇA E FORMATAÇÃO DE SERVIDOR - MILLENNIUM ÍNDICE ITEM Página 1. Objetivo... 3 2. Requisitos... 3 3. Diretório do Millennium... 3 4. Procedimento para Transferência de Servidor... 3 4.1 Compartilhamento

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Guia do Kit de Pré-instalação OEM do Microsoft Office 2010

Guia do Kit de Pré-instalação OEM do Microsoft Office 2010 Guia do Kit de Pré-instalação OEM do Microsoft Office 2010 Microsoft Corporation Publicado: Março de 2010 Autor: Office Resource Kit Feedback (FeedORK@microsoft.com) Resumo Este documento dá suporte à

Leia mais

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0 Versão 7.0A 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

/LQX[:LQGRZV 6DPED. Para executar os procedimentos abaixo você precisa estar logado como root. $YLVR

/LQX[:LQGRZV 6DPED. Para executar os procedimentos abaixo você precisa estar logado como root. $YLVR /LQX[:LQGRZV 6DPED (GLomR Autor E-mail Home-page Coadjuvante 'DQLHO3HUHLUD*XLPDUmHV WHPS#WHFQRE\WHFRPEU ZZZWHFQRE\WHFRPEU $QW{QLR3HUHLUD*XLPDUmHV,QWURGXomR Não podemos negar que a maior parte dos usuários

Leia mais

Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net

Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net Procedimento para criar uma árvore O procedimento usado para criar uma árvore com o Assistente para instalação do Active Directory

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais

TUTORIAL III: ADICIONANDO AJUDA. Adicionando Ajuda

TUTORIAL III: ADICIONANDO AJUDA. Adicionando Ajuda Adicionando Ajuda Para construir arquivos de ajuda do Windows, é necessário saber quais são os componentes de um arquivo de ajuda. Você tem três arquivos básicos que são parte de cada arquivo de ajuda:

Leia mais

GUIA MUDANÇA E FORMATAÇÃO DE SERVIDOR - SLIM

GUIA MUDANÇA E FORMATAÇÃO DE SERVIDOR - SLIM GUIA MUDANÇA E FORMATAÇÃO DE SERVIDOR - SLIM ÍNDICE ITEM Página 1. Objetivo... 3 2. Requisitos... 3 3. Diretório do Slim... 3 4. Procedimento para Transferência de Servidor... 3 4.1 Compartilhamento da

Leia mais

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: TCP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Neste laboratório, investigaremos o comportamento do

Leia mais

MA001. 01 de 28. Responsável. Revisão Q de 26/06/2015. Cantú & Stange Software. Página

MA001. 01 de 28. Responsável. Revisão Q de 26/06/2015. Cantú & Stange Software. Página Manual de instalação do Zada 5 MA001 Responsável Revisão Q de 26/06/2015 FL Página 01 de 28 Página 1 de 33 Revisão Q de 26/06/2015 MA001 Responsável: FL Manual de instalação do Zada 5 Este manual consiste

Leia mais

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais.

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Olá nobre concurseiro e futuro servidor público! Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Essa

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Configuração do Servidor Samba como controlador primário de domínio (PDC). O objetivo desse roteiro é mostrar como configurar um servidor Samba PDC compartilhando o diretório home, impressora e um diretório

Leia mais

Obrigado por escolher o CalDigit VR, por favor, siga as seguintes instruções para uma instalação rápida do seu CalDigit VR.

Obrigado por escolher o CalDigit VR, por favor, siga as seguintes instruções para uma instalação rápida do seu CalDigit VR. 1 Obrigado por escolher o CalDigit VR, por favor, siga as seguintes instruções para uma instalação rápida do seu CalDigit VR. Conteúdo do produto: - CalDigit VR - Modulos de Drive CalDigit (2 unid) - Cabo

Leia mais

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro O MySQL Cluster é versão do MySQL adaptada para um ambiente de computação distribuída, provendo alta disponibilidade e alta redundância utilizando

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Introdução ao Derby. Version 10.2 Derby Document build: December 11, 2006, 7:16:07 AM (PST)

Introdução ao Derby. Version 10.2 Derby Document build: December 11, 2006, 7:16:07 AM (PST) Introdução ao Derby Version 10.2 Derby Document build: December 11, 2006, 7:16:07 AM (PST) Contents Direitos autorais reservados... 3 Introdução ao Derby...4 Opções de implementação...4 Requisitos do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Samba Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Conhecido também como servidor de arquivos; Consiste em compartilhar diretórios do Linux em uma rede Windows e visualizar compartilhamentos

Leia mais

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs.

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar duas VLANs. Nomear as VLANs e atribuir várias portas a elas. Testar a funcionalidade,

Leia mais

CSAU 10.0. Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar.

CSAU 10.0. Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar. CSAU 10.0 Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar. Data do Documento: Janeiro de 2012 Sumário 1. Sobre o manual do CSAU... 3 2. Interface do CSAU 10.0... 4 2.1. Início... 4 2.2. Update...

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.2 Versão 4.20-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

Criação de Web Sites I

Criação de Web Sites I WebDesigner / IBPINET Criação de Web Sites I Anexos Avaliação e Projetos Publicação do site Anexos página 1 1. Avaliação e Projetos 1.1. Questões As questões tratam de assuntos discutidos em sala de aula

Leia mais

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows Documentação Symom de Monitoração na Plataforma Windows Windows Linux Windows Linux Plataforma Windows Instalação A instalação do de Monitoração do Symom para Windows é feita através do executável setup.exe

Leia mais

Após salvar, execute o comando testparm e ele deverá exibir a mensagem Server role: ROLE_DOMAIN_PDC".

Após salvar, execute o comando testparm e ele deverá exibir a mensagem Server role: ROLE_DOMAIN_PDC. Samba como Servidor de Domínio Ubuntu Server 14.04 1. Passo - Instalação do pacote: #apt-get install samba 2. Passo - Edição do smb.conf Após instalar o samba delete o arquivo padrão smb.conf. #rm /etc/samba/smb.conf

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS (DFS) Visão geral sobre o Sistema de Arquivos Distribuídos O Sistema de Arquivos Distribuídos(DFS) permite que administradores do

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

Laboratório - Exploração do FTP

Laboratório - Exploração do FTP Objetivos Parte 1: Usar o FTP em um prompt de comando Parte 2: Baixar um arquivo FTP usando WS_FTP LE Parte 3: Usar o FTP em um navegador Histórico/cenário O File Transfer Protocol (FTP) faz parte do conjunto

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES Professor Carlos Muniz Atualizar um driver de hardware que não está funcionando adequadamente Caso tenha um dispositivo de hardware que não esteja funcionando corretamente

Leia mais

Guia do Administrador de Licenças de Usuários Autorizados do IBM SPSS Modeler

Guia do Administrador de Licenças de Usuários Autorizados do IBM SPSS Modeler Guia do Administrador de Licenças de Usuários Autorizados do IBM SPSS Modeler Índice Guia do Administrador........ 1 Antes de Iniciar............. 1 Serviços Citrix e Terminal......... 1 Instalação do

Leia mais

O que um Servidor Samba faz?

O que um Servidor Samba faz? O que é o Samba? O Samba é um "software servidor" para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows

Leia mais

Utilizando o ROCKEY4ND Envelope

Utilizando o ROCKEY4ND Envelope Utilizando o ROCKEY4ND Envelope Sobre o ROCKEY4ND Envelope O ROCKEY4ND Envelope é um utilitário que faz parte do kit do sistema de proteção contra pirataria de software ROCKEY4ND. Ele pode ser usado para

Leia mais

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os passos necessários para instalar a versão mais recente do Zim 8.50 para Windows.

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Prof.: Roberto Franciscatto Samba Samba Samba Samba Servidor de compartilhamento de arquivos e recursos de rede É compatível com

Leia mais

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o uso do TerraView Essa aula apresenta a interface principal do TerraView e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados nesse documento são disponibilizados junto

Leia mais

Programação WEB II. Sessions e Cookies. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. Sessions e Cookies. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza Sessions e Cookies progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Cookies e Sessions Geralmente, um bom projeto

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Sistema de Arquivos Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Arquivos Organização de arquivos Diretórios Métodos de acesso Métodos de alocação em disco Fragmentação

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

ESET Remote Administrator ESET EndPoint Solutions ESET Remote Adminstrator Workgroup Script de Logon

ESET Remote Administrator ESET EndPoint Solutions ESET Remote Adminstrator Workgroup Script de Logon AGENDA 1. Download dos pacotes de instalação ESET Remote Administrator 2. Download dos pacotes de instalação ESET EndPoint Solutions 3. Procedimento de instalação e configuração básica do ESET Remote Adminstrator

Leia mais

Microsoft Access XP Módulo Um

Microsoft Access XP Módulo Um Microsoft Access XP Módulo Um Neste primeiro módulo de aula do curso completo de Access XP vamos nos dedicar ao estudo de alguns termos relacionados com banco de dados e as principais novidades do novo

Leia mais

8PSHTXHQRSURJUDPDSDUDEDL[DUDUTXLYRVGHXP)73

8PSHTXHQRSURJUDPDSDUDEDL[DUDUTXLYRVGHXP)73 8PSHTXHQRSURJUDPDSDUDEDL[DUDUTXLYRVGHXP)73 Por Júlio Cesar Pedroso $QWHVGH,QLFLDU O FTP (File Transfer Protocol - Protocolo de transferência de arquivos) oferece um meio de transferência e compartilhamento

Leia mais

Iniciando a configuração do BOT

Iniciando a configuração do BOT Iniciando a configuração do BOT Traduzido por: Antonio Edivaldo de O. Gaspar, edivaldo.gaspar(at)gmail(dot)com Texto original: http://www.blockouttraffic.de/gettingstarted.php Revisado em: 25/07/06 09:00

Leia mais

Guia de Instalação rápida

Guia de Instalação rápida Guia de Instalação rápida Este guia cobre os procedimentos de instalação e configuração básica do AXIS 150/152. Caso precise instruções mais detalhadas, consulte o Manual do Usuário do AXIS 150/152. Descrição

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

Arquivo smb.conf comentado

Arquivo smb.conf comentado Arquivo smb.conf comentado ######## Seção global #### Define configurações como nome do servidor, grupo de trabalho, e outras. #### Opções definidas aqui tem efeito em todos compartilhamentos, exceto quando

Leia mais

LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS

LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS Conforme descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name System (DNS) traduz nomes de hosts para endereços IP, cumprindo um papel fundamental na infra-estrutura da Internet. Neste

Leia mais

BlackBerry Messenger SDK

BlackBerry Messenger SDK BlackBerry Messenger SDK Versão: 1.2 Getting Started Guide Publicado: 2011-10-11 SWD-1391821-1011103456-012 Conteúdo 1 Requisitos do sistema... 2 2 Dependências de versão do BlackBerry Messenger... 3 3

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Capítulo 13 Gerenciamento de arquivos e de diretórios. Introdução ao MATLAB p.32/40

Capítulo 13 Gerenciamento de arquivos e de diretórios. Introdução ao MATLAB p.32/40 Capítulo 13 Gerenciamento de arquivos e de diretórios Introdução ao MATLAB p.32/40 Armazenamento de variáveis O comando save filename lista de variáveis salva as variáveis do espaço de trabalho do MATLAB

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

Permissão de Usuários

Permissão de Usuários Permissão de Usuários 1 Conteúdo 1. Propósito 3 2. Permissão de Usuários PrefGest 4 3. Permissão de Usuário para PrefCad 10 2 1. Propósito Este documento destina-se a explicar a ação para liberar permissões

Leia mais

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: DNS Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Como descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE TOKEN SAFESIGN

MANUAL DE INSTALAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE TOKEN SAFESIGN MANUAL DE INSTALAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE TOKEN SAFESIGN Manual de utilização do software de gerenciamento SafeSign Índice 1. Instalação... 3 1.1. Instalação no Windows... 3 1.2. Verificar versão do aplicativo...

Leia mais

Origin manual. 1.1 Cadastrando usuário : Get manager License ID. Quem deve se cadastrar: Como se cadastrar. origin manual. 1 de 14

Origin manual. 1.1 Cadastrando usuário : Get manager License ID. Quem deve se cadastrar: Como se cadastrar. origin manual. 1 de 14 1 de 14 Origin manual 1.Registro do Usuário - Get user I.D. 2. Single license Install 3. Concurrent Network install 1.1 Cadastrando usuário : Get manager License ID. Quem deve se cadastrar: Uma única instalação

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do servidor LDAP. ldap_response série 1.3

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do servidor LDAP. ldap_response série 1.3 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de resposta do servidor LDAP ldap_response série 1.3 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente

Leia mais

Ajuste fino. OMonitor de Desempenho no Windows. Exchange e Active Directory

Ajuste fino. OMonitor de Desempenho no Windows. Exchange e Active Directory Ajuste fino Desempenho pode ser um problema se executados serviços como SharePoint, Exchange, ou SQL em um servidor Windows de uma só vez. Felizmente, algumas ferramentas podem ajudar os administradores

Leia mais

MANUAL PARA GERAÇÃO DE CAT52 IMPRESSORA BEMATECH

MANUAL PARA GERAÇÃO DE CAT52 IMPRESSORA BEMATECH MANUAL PARA GERAÇÃO DE CAT52 IMPRESSORA Sumário Gerando a CAT52... 3 Erros ao gerar os registros da CAT52... 5 Compartilhando o arquivo gerado na Rede Privada(XP) (Versão 1)... 6 Compartilhando o arquivo

Leia mais

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Nome Número: Série Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Proposta do projeto: Competências: Compreender a orientação a objetos e arquitetura cliente-servidor, aplicando-as

Leia mais

ROTEIRO PARA INSTALAÇÃO DO BITVISE, CONFIGURAÇÃO DE CHAVES SSH, DEFINIÇÃO DAS PORTAS PARA OS TÚNEIS SSH E CONFIGURAÇÃO DO THUNDERBIRD

ROTEIRO PARA INSTALAÇÃO DO BITVISE, CONFIGURAÇÃO DE CHAVES SSH, DEFINIÇÃO DAS PORTAS PARA OS TÚNEIS SSH E CONFIGURAÇÃO DO THUNDERBIRD ROTEIRO PARA INSTALAÇÃO DO BITVISE, CONFIGURAÇÃO DE CHAVES SSH, DEFINIÇÃO DAS PORTAS PARA OS TÚNEIS SSH E CONFIGURAÇÃO DO THUNDERBIRD PARTE 1 INSTALAÇÃO DO BITVISE E CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DA CHAVE SSH PARA

Leia mais

AVG Anti-Vírus 7.0 Atualização Centralizada (AVGADMIN 7.1)

AVG Anti-Vírus 7.0 Atualização Centralizada (AVGADMIN 7.1) AVG Anti-Vírus 7.0 Atualização Centralizada (AVGADMIN 7.1) Guia do Usuário Documento revisado 70.1 (12/27/2004) Copyright (c) 1992-2004 GRISOFT, s.r.o. Todos os direitos reservados. Este produto utiliza

Leia mais

Iniciando o MySQL Query Brower

Iniciando o MySQL Query Brower MySQL Query Brower O MySQL Query Browser é uma ferramenta gráfica fornecida pela MySQL AB para criar, executar e otimizar solicitações SQL em um ambiente gráfico. Assim como o MySQL Administrator foi criado

Leia mais

Curso Técnico em Informática. Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales

Curso Técnico em Informática. Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales Curso Técnico em Informática Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales Serviços de Rede Windows Apesar do prompt de comando ser muitas vezes marginalizado e relegado a segundo plano, o Windows

Leia mais

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede GUIA DO USUÁRIO: NOVELL CLIENT PARA WINDOWS* 95* E WINDOWS NT* Usar Atalhos para a Rede USAR O ÍCONE DA NOVELL NA BANDEJA DE SISTEMA Você pode acessar vários recursos do software Novell Client clicando

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix. Versão 1.0

Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix. Versão 1.0 Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix Versão 1.0 Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix O software descrito neste livro é fornecido sob um contrato de licença

Leia mais

Redatam+SP REcuperação de DAdos para Areas pequenas por Microcomputador

Redatam+SP REcuperação de DAdos para Areas pequenas por Microcomputador Redatam+SP REcuperação de DAdos para Areas pequenas por Microcomputador Redatam+ SP WebServer (R+SP WebServer) Instalação e Configuração para o Sistema Operacional Windows REDATAM+SP é um programa computacional

Leia mais

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 02/06/2014 Índice ÍNDICE... 2 APRESENTAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PROCESSO DE INSTALAÇÃO... 4 ATUALIZANDO UM SEGUNDO AMBIENTE... 21 Página 2 de 22 Apresentação Este

Leia mais

Usando o simulador MIPS

Usando o simulador MIPS Usando o simulador MIPS O objetivo desta aula prática será a utilização do simulador MipsIt para executar programas escritos em linguagem de máquina do MIPS. 1 Criando um projeto Cada programa a ser executado

Leia mais

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Abril 2013 Sumário 1. Agente... 1 2. Onde instalar... 1 3. Etapas da Instalação do Agente... 1 a. Etapa de Instalação do Agente... 1 b. Etapa de Inserção

Leia mais

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar várias VLANs, nomeá-las e atribuir várias portas a elas. Criar uma configuração

Leia mais

PgAdmin. O pgadmin é um software gráfico para administração do SGBD PostgreSQL disponível para Windows e UNIX.

PgAdmin. O pgadmin é um software gráfico para administração do SGBD PostgreSQL disponível para Windows e UNIX. 1/20 PgAdmin O pgadmin é um software gráfico para administração do SGBD PostgreSQL disponível para Windows e UNIX. Site para download. Caso queira a última versão - http://www.pgadmin.org/download/ É uma

Leia mais

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem 1 de 20 Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem Resolvi documentar uma solução que encontrei para fazer minhas cópias de segurança. Utilizo um software gratuito chamado Cobian Backup

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Manual de uso do Gerente

Manual de uso do Gerente Manual de uso do Gerente Manual do Hypnobox: www.hypnobox.com.br/manual Índice Acessar o Hypnobox Endereço o www Login e Senha Tela Principal Perfil de acesso Editar Dados pessoais Fila de corretores Gerenciar

Leia mais

WiNGS Wireless Gateway WiNGS Telecom. Manual. Índice

WiNGS Wireless Gateway WiNGS Telecom. Manual. Índice Wireless Network Global Solutions WiNGS Wireless Gateway Manual Índice Pagina Características Técnicas 3 Descrição do Aparelho 4 Quick Start 5 Utilizando a interface de administração WEB 7 Login 7 Usuários

Leia mais

SMART Sync 2010 Guia do administrador de sistema

SMART Sync 2010 Guia do administrador de sistema PENSE NO MEIO AMBIENTE ANTES DE IMPRIMIR SMART Sync 2010 Guia do administrador de sistema Sistemas operacionais Windows Simplificando o extraordinário Informações sobre marcas comerciais SMART Sync, smarttech

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09 SISTEMAS OPERACIONAIS Sistemas de Arquivos Apostila 09 1.0 INTRODUÇÃO Sistema de Arquivos: conceito de arquivo, métodos de acesso, estrutura de diretório, estrutura do sistema de arquivos, métodos de alocação

Leia mais