UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ESTUDO COMPARATIVO DA RESISTÊNCIA À EROSÃO POR CAVITAÇÃO DO METAL DE SOLDA DEPOSITADO POR UM ARAME TUBULAR TIPO 13%Cr - 4%Ni - 0,4%Mo E DO AÇO FUNDIDO ASTM A 743 CA-6NM BERNARDO HERMONT BARCELLOS GONÇALVES Belo Horizonte, 20 de Abril de 2007

2 Bernardo Hermont Barcellos Gonçalves ESTUDO COMPARATIVO DA RESISTÊNCIA À EROSÃO POR CAVITAÇÃO DO METAL DE SOLDA DEPOSITADO POR UM ARAME TUBULAR TIPO 13%Cr - 4%Ni - 0,4%Mo E DO AÇO FUNDIDO ASTM A 743 CA-6NM Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do Título de Mestre em Engenharia Mecânica. Área de concentração: Processos de Fabricação - Soldagem Orientador: Prof. Dr. Paulo Villani Marques UFMG Belo Horizonte Escola de Engenharia da UFMG 2007

3 Universidade Federal de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Av. Antônio Carlos, Pampulha Belo Horizonte MG Tel.: Fax.: ESTUDO COMPARATIVO DA RESISTÊNCIA À EROSÃO POR CAVITAÇÃO DO METAL DE SOLDA DEPOSITADO POR UM ARAME TUBULAR TIPO 13%Cr - 4%Ni - 0,4%Mo E DO AÇO FUNDIDO ASTM A 743 CA-6NM BERNARDO HERMONT BARCELLOS GONÇALVES Dissertação defendida e aprovada em 20 de Abril de 2007, pela Banca Examinadora designada pelo Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Minas Gerais, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Engenharia Mecânica, na área de concentração de Processos de Fabricação Soldagem. Prof./Dr. Paulo Villani Marques - (DEMEC - UFMG) Orientador Prof./Dr. Paulo José Modenesi - (DEMET - UFMG) Examinador Prof./Dr. Cícero Murta Diniz Starling - (DEMC - UFMG) Examinador MSc. Cláudio Turani Vaz (ESAB S.A. Ind. e Com.) Convidado

4 A Deus, aos meus pais, Luiz Roberto e Maria do Carmo, aos meu avós Hélio e Maria Emília, às minhas irmãs e à minha namorada Stela.

5 AGRADECIMENTOS À ESAB S.A Indústria e Comércio, nas pessoas do Diretor Comercial Newton de Andrade e Silva e do Gerente Técnico José Roberto Domingues, pela oportunidade dada, pelo tempo de trabalho cedido e pelos recursos materiais e financeiros necessários disponibilizados para a elaboração deste trabalho. À Alstom Power Turbinas Hidráulicas, na pessoa do Engenheiro Décio Vieira, pelo fornecimento dos blocos de aço inoxidável fundido para os testes necessários. Aos Laboratórios de Soldagem e Ensaios Não Destrutivos e de Soldagem, Robótica e Simulação da UFMG por disponibilizarem os recursos necessários para os ensaios. Ao Prof. Dr. Paulo Villani Marques pela paciência, ajuda e orientação prestadas, de fundamental importância para o sucesso deste trabalho. Ao Prof. Dr. Paulo Modenesi pela orientação nos ensaios de cavitação e metalografias. À Engª. Estella Surian pelos artigos fornecidos, os quais se mostraram muito úteis. Ao aluno de Engenharia Mecânica da UFMG, João Bosco Vilaça, pelo empenho nos trabalhos prestados e na execução dos ensaios. Aos colegas de trabalho Fábio Soares, Huelcer Eduardo de Oliveira e Edmílson Santos Batista, pelo empenho durante a soldagem, ensaios não destrutivos e ensaios mecânicos. Às colegas de trabalho Sônia Regina Silva, Alessandra Batista Cruz e Valéria Brugger pela execução das análises químicas e confecção dos reagentes para as metalografias. Aos demais colegas de trabalho que contribuíram de alguma forma, em especial ao Engenheiro Cláudio Turani Vaz, o qual prestou auxílio e forneceu informações fundamentais para o desenvolvimento do trabalho.

6 O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário. Albert Einstein

7 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Introdução Objetivos REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Usinas hidrelétricas Turbinas hidráulicas Partes de uma turbina hidráulica Tipos de turbinas hidráulicas Construção de rotores e componentes de turbinas hidráulicas Reparo de rotores e componentes de turbinas hidráulicas Aços inoxidáveis martensíticos Conceitos básicos Aço inoxidável martensítico macio ASTM A 743 CA-6NM Soldagem do aço CA-6NM com o metal de adição similar, 13%Cr, 4%Ni e 0,4%Mo Cavitação Conceitos básicos Cavitação em turbinas hidráulicas Relação entre a resistência à erosão por cavitação com a composição química e com as propriedades dos materiais Tipos de ensaios e dispositivos para simulação da resistência à erosão por cavitação em laboratório Resistência à erosão por cavitação da liga soldada 13%Cr, 4%Ni e 0,4%Mo e do aço inoxidável martensítico macio CA-6NM METODOLOGIA Materiais Soldagem e Tratamento Térmico Após Soldagem Ensaios Análise química Análise metalográfica... 53

8 3.3.3 Dureza Ensaios de erosão por cavitação induzida por vibração ultrassônica Ensaios de tração e tenacidade ao impacto (Charpy entalhe V) RESULTADOS E DISCUSSÃO Ensaios de erosão por cavitação induzida por vibração ultrassônica Avaliação das perdas de massa Avaliação das superfícies cavitadas Análise Química Análise Metalográfica Dureza Ensaios mecânicos de tração e tenacidade ao impacto (Charpy entalhe em V) CONCLUSÕES SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS... 98

9 LISTA DE FIGURAS Pág. Figura 2.1 Usina Hidrelétrica Diagrama Esquemático... 5 Figura 2.2 Usina hidrelétrica de Itaipu... 6 Figura 2.3 Vista explodida da Unidade Geradora da Usina de Itaipu mostrando seus componentes... 9 Figura Turbinas Francis Figura Turbinas Pelton Figura Turbinas Kaplan Figura 2.7 Desempenho comparativo de diferentes materiais utilizados na construção de componentes de turbinas hidráulicas no teste de erosão por cavitação induzida por vibração ultrassônica Figura Diagrama de equilíbrio Fe-Cr-C pseudobinário de uma liga com 12% de cromo Figura 2.9 Diagrama TTT de um aço inoxidável martensítico tipo AISI Figura 2.10 Variação no teor de austenita, limite de resistência (σr), limite de escoamento (σe 0,2%) e energia absorvida no ensaio Charpy do AIMM CA-6NM em função da temperatura de revenimento Figura 2.11 Diagrama pseudo-binário para aços com relação Cr:Ni = 3:1, válido para o aço CA-6NM Figura 2.12 Representação esquemática do procedimento recomendado para a soldagem do aço inoxidável martensítico macio ASTM A 743 CA-6NM Figura 2.13 Danos cavitacionais em palhetas de rotores de turbinas Francis(a) e (c) e Kaplan(b) Figura 2.14 Formação de cavidades de acordo com a velocidade de separação. V: Velocidade de separação e Vc: Velocidade crítica de separação Figura 2.15 Curva típica de taxa de perda de massa x tempo mostrando os estágios da cavitação Figura 2.16 Curva erosão x tempo de cavitação indicando o período de incubação Figura 2.17 Esquema do dispositivo definido pela norma ASTM G 32 para realização do ensaio de erosão por cavitação induzida por vibração ultrassônica Figura Montagem das chapas de teste para soldagem conforme ASME Seção II

10 Parte C Figura Ciclo do tratamento térmico após soldagem realizado nos corpos de prova de metal depositado Figura Retirada de limalhas do bloco de aço inoxidável fundido ASTM A 743 CA- 6NM Figura 3.4 Desenho esquemático da solda de almofada para determinação da análise química do metal de solda sem o efeito da diluição Figura 3.5 Local de retirada dos corpos de prova do metal de solda para realização do ensaio de erosão por cavitação induzida por vibração ultrassônica orientado pela norma ASTM G Figura 3.6 Dimensões do corpo de prova para realização do ensaio de erosão por cavitação induzida por vibração ultrassônica metal de solda e material de base Figura 3.7 Dispositivo para controle da temperatura da água (a) Dispositivo completo (b) Serpentina de Cobre Figura 3.8 Local de retirada dos corpos de prova do aço CA-6NM para realização do ensaio de erosão por cavitação induzida por vibração ultrassônica orientado pela norma ASTM G Figura 3.9 Local de retirada dos corpos de prova para realização dos ensaios de tração e tenacidade ao impacto (Charpy entalhe V) do metal de solda Figura Dimensões dos corpos de prova de tração(a) e tenacidade ao impacto (Charpy entalhe V) (b) do metal de solda Figura Dimensões do corpo de prova de tração do aço CA-6NM segundo as orientações das normas ASTM A a e ASTM A a Figura 3.12 Desenho esquemático indicando o local de retirada do corpo de prova de tração do bloco de aço CA-6NM (a) Vista de frente; (b) Vista de cima Figura 3.13 Desenho esquemático indicando o local de retirada do corpo de prova de tenacidade ao impacto (Charpy entalhe V) do bloco de aço CA-6NM. (a) Vista de frente; (b) Vista de cima Figura Dimensões do corpo de prova de tenacidade ao impacto (Charpy entalhe V) do aço CA-6NM segundo as orientações das normas ASTM A e ASTM A a Figura 4.1 Perdas de massa dos corpos de prova ensaiados (a) do aço CA-6NM, (b) do metal depositado como soldado e dos corpos de prova na mesma condição ensaiados

11 por Vaz e (c) do metal depositado tratado termicamente Figura 4.2 Perda média de massa acumulada ao longo do tempo dos corpos de prova ensaiados, comparativamente com os dados de Vaz Figura 4.3 Retas obtidas através da regressão linear dos dados obtidos nos ensaios no intervalo de 45 a 480 minutos e 120 a 480 minutos nos ensaios realizados por Vaz Figura 4.4 Taxas de perda de massa ao longo dos ensaios de erosão por cavitação induzida por vibração ultrassônica Figura 4.5 Superfície cavitada do corpo de prova do aço CA-6NM Aumento 10x Setas indicam crateras alongadas no sentido radial adjacentes à periferia e crateras circulares próximas ao centro Figura 4.6 Superfície cavitada do corpo de prova do metal depositado como soldado Aumento 10x - Setas indicam maior intensidade de danos próximos ao centro do que na periferia Figura Superfície cavitada do corpo de prova do metal depositado tratado termicamente Aumento 10x - Setas indicam maior intensidade de danos próximos ao centro do que na periferia Figura Superfície cavitada do corpo de prova do aço CA-6NM Região intermediária Aumento 500x (foto à esquerda) e 2000x (foto à direita) - Setas: regiões mais danificadas Figura Superfície cavitada do corpo de prova do metal depositado como soldado Região intermediária Aumento 500x (foto à esquerda) e 2000x (foto à direita) - Setas: regiões mais danificadas Figura Superfície cavitada do corpo de prova do metal depositado tratado termicamente Região intermediária Aumento 500x (foto à esquerda) e 2000x (foto à direita) - Setas: regiões mais danificadas Figura 4.11 Diagrama de Schaeffler mostrando as microestruturas esperadas considerando-se as composições químicas do aço CA-6NM e do metal de solda 13%Cr, 4%Ni, 0,4%Mo Figura 4.12 Microestrutura representativa do aço ASTM A 743 CA-6NM (a) Ataque com Klorpikrin 160 e aumento de 1000x (b) Ataque com Villela e aumento de 2000x Figura 4.13 Microestrutura representativa do metal depositado como soldado (a) Ataque com Klorpikrin 160 e aumento de 1000x (b) Ataque com Villela e aumento

12 de 2000x Figura 4.14 Microestrutura representativa do metal depositado tratado termicamente (a) Ataque com Klorpikrin 160 e aumento de 1000x (b) Ataque com Villela e aumento de 2000x Figura 4.15 Filme obtido do ensaio não destrutivo de radiografia dos corpos de prova do aço CA-6NM (setas indicam regiões com poros) Figura 4.16 Filme obtido do ensaio não destrutivo de radiografia dos corpos de prova de metal de solda na condição como soldado Figura 4.17 Filme obtido do ensaio não destrutivo de radiografia dos corpos de prova de metal de solda na condição tratado termicamente Figura 4.18 Faixa usual de valores de tenacidade ao impacto obtidos em ensaios de Charpy com entalhe em V no aço inoxidável martensítico macio ASTM A 743 CA- 6NM Figura 4.19 Fotos tiradas através de um microscópio eletrônico de varredura (MEV) mostrando as superfícies fraturadas dos corpos de prova de tração... 84

13 LISTA DE TABELAS Pág. TABELA 2.1 Aços Estruturais utilizados em Turbinas Hidráulicas e seus Componentes...17 TABELA 2.2 Propriedades Físicas e Mecânicas típicas do aço fundido CA-6NM TABELA Composição química do arame tubular T13 4 M M TABELA Propriedades mecânicas do arame tubular T13 4 M M 2 (mínimos requeridos) TABELA Parâmetros utilizados para a soldagem das chapas de teste TABELA 3.4 Métodos de análise química utilizados TABELA 3.5 Soluções utilizadas para preparação do reagente Klorpikrin TABELA 3.6 Solução utilizada para preparação do reagente Villela TABELA 4.1 Coeficientes dos polinômios de primeira ordem e coeficientes de correlação TABELA 4.2 Análise química da amostra do aço CA-6NM TABELA 4.3 Resultado de dureza Brinell do aço CA-6NM TABELA 4.4 Resultados de dureza Vickers do aço CA-6NM e do metal de solda nas condições soldado e tratado termicamente TABELA 4.5 Valores obtidos através do ensaio de tração do corpo de prova do aço ASTM A 743 CA-6NM e do metal de solda nas condições como soldado e tratado termicamente TABELA 4.6 Valores obtidos através dos ensaios de tenacidade ao impacto (Charpy V) dos corpos de prova do metal de solda 13%Cr, 4%Ni, 0,4%Mo e do aço CA-6NM 82 TABELA 8.1: Perda de massa acumulada dos corpos de prova TABELA 8.2: Média da perda de massa acumulada e desvio padrão (σ) TABELA 8.3: Perda de massa a cada intervalo de medição

14 RESUMO A partir do momento do início de seu funcionamento na usina hidrelétrica, rotores e componentes de turbinas hidráulicas estão sujeitos aos danos decorrentes do fenômeno da cavitação. Sendo assim, tudo que puder ser feito de forma a minimizar estes danos cavitacionais trará vantagens como o aumento da vida útil, redução do tempo de paradas para reparos, aumento da disponibilidade da turbina para geração de energia e garantia de uma boa eficiência energética por mais tempo. Um caminho para esta redução destes danos é a utilização de técnicas específicas e de materiais mais resistentes aos mesmos. Este trabalho teve como objetivo avaliar comparativamente o desempenho do aço inoxidável martensítico macio fundido tipo CA-6NM, normalmente empregado na construção de rotores e componentes de turbinas hidráulicas, e do metal de solda tipo 13%Cr, 4%Ni e 0,4%Mo, normalmente empregado na construção e reparo destes mesmos, quanto à resistência à erosão por cavitação. A retirada dos corpos de prova do aço inoxidável foi feita a partir de blocos fundidos e tratados conforme a norma ASTM A 743 especificação CA-6NM. Os corpos de prova de metal depositado foram retirados de chapas de teste soldadas com um arame tubular com fluxo interno metálico, sendo utilizado como gás de proteção a mistura 98%Ar-2%O 2. O metal depositado foi avaliado nas condições como soldado e tratado termicamente a 590 C por 8 horas. O metal depositado na condição como soldado apresentou o melhor desempenho durante o ensaio de erosão por cavitação induzida por vibração ultrassônica realizado segundo a norma ASTM G 32, se comparado ao tratado termicamente e ao aço CA- 6NM, sendo que este último apresentou o pior desempenho. Os ensaios realizados indicaram, tanto para o aço CA-6NM como para o metal depositado, a existência de uma relação direta entre o limite de resistência à tração e a dureza com a resistência à erosão por cavitação. Além disso, verificou-se que nas condições em que se obteve menor tenacidade ao impacto no ensaio Charpy (entalhe V), foi observada melhor resistência à erosão por cavitação induzida por vibração ultrassônica. Palavras chave: usinas hidrelétricas; turbinas hidráulicas; cavitação; aços inoxidáveis martensíticos macios; reparos; soldagem; tratamento térmico.

15 ABSTRACT Runners and hydraulic turbine components are subjected to damage due to cavitation phenomena starting at their beginning of service at the hydroelectric plant. Therefore, anything that can be done to minimize cavitational damage will bring advantages such as an increase in service life, reduction in time of repair stops, increase in turbine availability for power generation and assurance of good energetic efficiency for a longer time. One way to minimize this damage is to use specific techniques and materials more resistant to cavitation erosion. The purpose of this work is to comparatively analyze the performance against cavitation erosion of the soft martensitic cast stainless steel classified as CA-6NM, normally used in the construction of hydraulic turbine runners and components, versus the 13%Cr, 4%Ni, 0,4%Mo weld metal type, normally applied in the construction and repair of those components. The cast stainless steel test coupons were taken from cast and heat treated blocks which were made according to ASTM A 743 CA-6NM specification. The weld metal test coupons were taken from test plates welded with a metal cored wire and with 98%Ar-2%O 2 shielding gas. The deposited weld metal was analyzed both in as welded and heat treated at 590 C for 8 hours conditions. This weld metal in the as welded condition presented the best performance during the ultrasonic vibratory induced cavitation erosion test performed according to the ASTM G 32 Standard, if compared with the same weld metal in the heat treated condition and with the CA-6NM steel, the last one presenting the worst performance amongst all. Tests indicated, both for CA-6NM steel and for the deposited alloy, the existence of a direct relation between the ultimate tensile strength and hardness with the resistance to cavitation erosion. In addition, it was possible to come to the conclusion that, in the conditions where the lowest impact values measured by Charpy (V-notch) test were obtained, the best ultrasonic vibratory induced cavitation erosion resistance was observed. Key Words: hydroelectric plants; hydraulic turbines; cavitation erosion; soft martensitic stainless steel; repair; welding; heat treatment.

16 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 1.1 Introdução Nas últimas décadas, a eletricidade contribuiu significativamente para o desenvolvimento social e econômico do Brasil, tornando-se o serviço público de mais ampla difusão, passando de 38% dos lares atendidos em 1960 (1) para 97% em 2006 (2). O rápido crescimento da oferta de eletricidade foi possível graças à utilização de uma maior parcela do potencial hidrelétrico do país, com investimentos maciços em empreendimentos de grande porte, onde se destaca a Usina Hidrelétrica de Itaipu, uma das maiores do mundo (1). Entretanto, considerando que o Brasil apresenta o terceiro maior potencial hidrelétrico do mundo, atrás apenas do Canadá e Estados Unidos (3), estudos mostram que a parcela deste potencial utilizada é ainda de apenas cerca de 25% do total disponível (4). O grande potencial hídrico faz com que o sistema elétrico brasileiro tenha um predomínio nítido das usinas hidrelétricas sobre todas as outras formas de geração de energia, com usinas de grande porte com imensos reservatórios, muitos deles localizados a grandes distâncias dos principais centros de consumo (1). Na matriz brasileira de produção de energia elétrica, atualmente a participação hidrelétrica alcança cerca de 73% (5), fazendo com que o sistema gerador brasileiro seja, em termos mundiais, muito diferenciado dos demais países. No restante do mundo, a participação hidrelétrica nas fontes primárias de geração de energia é de apenas 16,1%, predominando a energia provinda de centrais a carvão mineral, com 39,8% da participação (5). Os projetos de geração a base hidrelétrica em potências mais elevadas se caracterizam como projetos de desembolso de capital inicial muito elevado durante a fase de implantação, com fluxos de caixa ocorrendo ao longo de períodos muito longos, podendo assim sofrer grandes influências de variações macroeconômicas, além das dificuldades ambientais referentes à inundação de grandes áreas para a criação de

17 2 reservatórios de regularização (muitas vezes implicando no deslocamento de populações com a necessidade de indenização dessas) e da aleatoriedade das chuvas necessárias ao enchimento dos reservatórios, sem a qual as usinas não apresentam receitas (1). Esta alta dependência das chuvas, aliada à falta de investimentos em geração de energia levou, no ano de 2002, a uma grande crise energética que ficou marcada com o nome de escândalo do apagão. No início da crise levantou-se a hipótese de que talvez fossem necessários grandes cortes forçados de energia em todo Brasil, aos quais deu-se o nome de "apagão". Com o passar do tempo, a possibilidade de cortes foi descartada, adotando-se apenas algumas medidas de economia de energia e racionamento. No entanto, o termo apagão ganhou uma grande popularidade, e acabou denotando toda a crise energética, e não apenas os eventuais cortes forçados (6). Embora o atual governo descarte uma nova crise nos próximos anos, entidades do setor acreditam nesta hipótese, principalmente se o Produto Interno Bruto do país crescer mais do que o esperado no período (7). Todavia, devido ao baixo custo relativo deste tipo de energia comparado com outros e pelo grande potencial hidráulico ainda restante, o Plano Decenal de Expansão de Energia Elétrica , que contém as diretrizes para atuação do Ministério de Minas e Energia no médio prazo ressalta a eficiência da geração hidráulica, prevendo que a matriz energética brasileira continue tendo 73% de participação das hidrelétricas em 2015 (8). As turbinas hidráulicas desempenham um papel fundamental na geração da energia em uma usina hidrelétrica, sendo projetadas para transformar a energia potencial gravitacional de um fluxo de água em energia cinética e, acopladas a um gerador elétrico, em energia elétrica. Seus rotores podem ser de vários tipos, escolhidos a partir das condições locais e de parâmetros de projeto, como por exemplo, vazão, altura da queda d água e carga a ser atendida. Os materiais escolhidos como matéria-prima para a produção de seus componentes devem proporcionar um baixo custo de fabricação associado a um bom desempenho quando em operação. Desta forma, é fundamental compreender os mecanismos que regem o desgaste destes componentes durante sua vida útil e conhecer o comportamento dos materiais que os compõem quanto ao efeito deste desgaste.

18 3 Apesar da erosão por cavitação em sistemas hidráulicos ser um problema conhecido há bastante tempo, os mecanismos de formação dos danos cavitacionais ainda não estão completamente desvendados (9)(10). Diversos tipos de ensaios de laboratório que simulam a erosão por cavitação desempenham um importante papel no estudo dos mecanismos de formação dos danos e do comportamento dos materiais quanto à resistência ao fenômeno, porém a geração do mesmo em escala laboratorial esbarra na dificuldade de simular exatamente as condições reais de operação de um componente de turbina hidráulica. Até o final da década de 60, a maioria dos rotores das turbinas hidráulicas e alguns de seus acessórios eram feitos de aços carbono-manganês (C-Mn) fundidos contendo em torno de 0,2% de carbono, sendo que as áreas dos rotores mais susceptíveis à erosão por cavitação eram protegidas por uma camada de revestimento soldada ou revestida com um aço inoxidável austenítico, material mais resistente a este fenômeno e à corrosão. Ao longo dos anos, os aços inoxidáveis martensíticos macios (AIMM) contendo 11 a 13%Cr, 1 a 6%Ni e um máximo de 0,06%C, sendo mais comum o de especificação ASTM A 743 CA-6NM, foram ganhando espaço na fabricação de componentes de turbinas, devido à sua maior resistência à erosão por cavitação aliada a custos competitivos, dentre outras vantagens (11). Paralelamente, foram desenvolvidos consumíveis para a soldagem de construção e reparo dos componentes feitos destes novos materiais, destacando-se os arames sólidos e tubulares devido principalmente à economia de tempo de soldagem proporcionada pelos mesmos. Para a soldagem de fabricação de rotores feitos de aços inoxidáveis martensíticos macios fundidos tais como o CA-6NM, consumíveis que depositam 13%Cr, 4%Ni, 0,4%Mo e um máximo de 0,04%C são os mais indicados, principalmente pela similaridade de propriedades destes com o metal de base. O teor de carbono mais baixo tem como objetivo reduzir a dureza da solda, reduzindo assim a susceptibilidade a trincas a frio. No caso da soldagem de reparo dos componentes de turbinas hidráulicas feitos com este tipo de aço, este mesmo tipo de consumível é indicado sendo, no entanto, mais comum a utilização de ligas de aço inoxidável austenítico devido ao fato de as mesmas não requererem a realização de pré-

19 4 aquecimento ou controle da temperatura entre passes. Outra opção são as ligas com 8 a 10%Co que apresentam maior resistência à erosão por cavitação que as demais opções, apresentando, entretanto um maior custo. O comportamento quanto à erosão por cavitação das diversas ligas soldadas e dos aços fundidos utilizados na fabricação e reparo dos componentes de turbinas hidráulicas tem sido amplamente pesquisado, entretanto poucos são os trabalhos que se dedicam a estudar comparativamente os comportamentos dos materiais fundidos e dos soldados quanto a este fenômeno. 1.2 Objetivos Este trabalho tem como objetivo avaliar a resistência do metal depositado 13%Cr, 4%Ni e 0,4%Mo e do aço inoxidável martensítico macio ASTM A 743 CA-6NM comparativamente quanto à erosão por cavitação acelerada induzida por ultra-som. O metal depositado foi obtido através da soldagem com o arame tubular EN T13 4 M M 2 e o gás de proteção 98%Ar-2%O 2 e avaliado nas condições como soldado e após a realização de tratamento térmico específico. O aço inoxidável CA-6NM foi avaliado na condição de fabricação, temperado e revenido, conforme indicado na norma correspondente e nas condições como é fornecido para o uso em campo.

20 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Usinas hidrelétricas Uma usina hidrelétrica é um complexo constituído por um conjunto de obras e de equipamentos que têm por finalidade produzir energia elétrica através do aproveitamento do potencial hidráulico existente em um curso d água (3). Na usina hidrelétrica, a eletricidade é produzida pela conversão de energia potencial gravitacional de uma massa de água em energia mecânica na turbina e desta em energia elétrica no gerador. Para aproveitar o potencial hídrico de um curso d água, geralmente é feita uma barragem de forma a interromper seu curso normal, a qual provoca a formação de um lago artificial denominado reservatório. A barragem é atravessada por tubos (condutos forçados), que conduzem a água do reservatório até as turbinas, instaladas em um nível mais baixo (1)(3). A Figura 2.1 mostra um diagrama esquemático de uma usina hidrelétrica. Figura 2.1 Usina Hidrelétrica Diagrama Esquemático (12)

21 6 Figura 2.2 Usina hidrelétrica de Itaipu (13) A Usina hidrelétrica de Tucuruí, por exemplo, constitui-se numa das maiores obras da engenharia mundial e é a maior usina brasileira em potência instalada com seus MW previstos, uma vez que a Usina de Itaipu, mostrada na Figura 2.2, é binacional. Ela apresenta, ainda, juntamente com a Usina de Três Gargantas na China, o maior vertedouro do mundo, o qual permite a passagem de uma vazão de até m 3 /s em seu limite (3). Uma desvantagem das usinas hidrelétricas é a localização destas cada vez mais distantes dos centros de consumo, uma vez que dependem da disponibilidade dos recursos hídricos, o que cria a necessidade de altos investimentos em linhas de transmissão de energia para o escoamento da produção. Além disso, estudos recentes mostram que a grande reserva de biomassa depositada no fundo dos reservatórios deteriora-se liberando gases como o dióxido de carbono e o metano, que contribuem para o aumento do efeito estufa (1). Segundo ambientalistas, esse tipo de construção gera graves impactos ambientais, também devido à necessidade de inundação de grandes áreas verdes. Os próprios relatórios da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) indicam os problemas ambientais como a principal causa de atrasos no cronograma energético brasileiro (8)(14).

22 7 A energia gerada em usinas hidrelétricas é uma energia limpa (principalmente quando comparada às termelétricas, que causam maior aumento do efeito estufa e até mesmo chuvas ácidas nos locais onde se apresentam em grandes concentrações) e renovável sendo nulo o preço pago pelo seu combustível, a água, fato que faz com que não apresente grandes oscilações em seus custos em função de variações nos preços dos energéticos nos mercados mundiais, principalmente os derivados de petróleo (1). Além disso, a eficiência energética das hidrelétricas é alta, geralmente atingindo em torno de 90%, enquanto que as usinas a carvão mineral, principais fontes de geração de energia do mundo, apresentam eficiência de aproximadamente 30% (15). 2.2 Turbinas hidráulicas Turbinas são equipamentos construídos para converter energia mecânica e térmica contida em um fluido, em trabalho de eixo. Podem ser usadas para movimentar um outro equipamento mecânico rotativo, como uma bomba ou ventilador, ou para a geração de eletricidade e, nesse caso, são ligadas a um gerador. Outra aplicação é na área de propulsão naval, ou aeronáutica (16). Os principais tipos encontrados são: turbinas a vapor, a gás, hidráulicas, aeronáuticas e eólicas, sendo que a principal diferença entre os diversos tipos é o fluido de trabalho. Em decorrência disso, é claro, há outras, tais como a temperatura máxima de operação, potência máxima, vazão de fluido, pressão de trabalho e os detalhes construtivos e dimensões (16). A forma construtiva básica é a mesma para todos os tipos: um rotor dotado de um certo número de pás ou palhetas, ligado a um eixo que gira sobre um conjunto de mancais de deslizamento. Todos os tipos podem ter uma rotação fixa ou variável, dentro de uma determinada faixa. Entretanto, quando são usadas para a geração de energia elétrica, a rotação geralmente é mantida num valor fixo para manter a frequência da rede constante (16). As turbinas hidráulicas são projetadas para transformar a energia mecânica (a energia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA. Dissertação de Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA. Dissertação de Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA Dissertação de Mestrado AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À EROSÃO POR CAVITAÇÃO DO METAL DE SOLDAS PRODUZIDAS COM CONSUMÍVEIS

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Santos/SP, outubro de 2014.

Santos/SP, outubro de 2014. RECUPERAÇÃO DE EROSÃO CAVITACIONAL EM TURBINAS DE AÇO CARBONO COM APLICAÇÃO DE AÇO INOXIDAVEL COM COBALTO DAS UNIDADES GERADORAS TIPO FRANCIS DA UHE CACHOEIRA DOURADA. Santos/SP, outubro de 2014. Introdução

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA Este case apresenta a aplicação do Elipse E3 para controlar

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO !" AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO 1- INTRODUÇÃO O transporte de água (ADUÇÃO) pode ser realizado das seguintes formas: a) Por GRAVIDADE Utilizando Conduto Livre (Canal) b) Por GRAVIDADE Utilizando

Leia mais

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA Tcg Alexandre Serra dos Santos Para se fazer o trabalho de revestimento protetor das camisas de moenda através de um sistema automatizado é necessário uma

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 4 - ESTAÇÕES DE RECALQUE: BOMBAS 4.1 Introdução No estudo das máquinas

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial Tópicos da Aula Complementar - Ventiladores; - Ventiladores Axiais; - Ventiladores Centrífugos; - Dados necessários para a seleção correta de um ventilador; - Modelos e Aspectos Gerais de Ventiladores.

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

Comunicado à imprensa

Comunicado à imprensa Energia hidráulica: Tecnologia de soldagem para o planeta azul Andritz Hydro segurança absoluta requerida / Tendências para novos processos de união Fontes de energia renováveis representam uma parcela

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO Alcindo Fernando Moreira Juno Gallego Ruis Camargo Tokimatsu Wyser José Yamakami Vicente

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 62 CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 63 SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO É um processo de soldagem por fusão a arco elétrico que utiliza um eletrodo consumível, no qual o calor

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010 Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) /05/00 SOLUÇÃO DO EXERCÍCIO PROPOSTO CONSIDERANDO A CCI OBTIDA PARA O f CONSTANTE, ESCREVA SUA EQUAÇÃO QUE IRÁ OPERAR COM A

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 17 Bombas Hidráulicas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 17 Bombas Hidráulicas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 17 Bombas Hidráulicas Tópicos Abordados Nesta Aula Características das Bombas Hidráulicas. Definição São Máquinas Hidráulicas Operatrizes, isto é, máquinas que recebem energia potencial (força motriz

Leia mais

Gas-Lift - Vantagens

Gas-Lift - Vantagens Gas-Lift - Vantagens Método relativamente simples para operar O equipamento necessário é relativamente barato e é flexível Podem ser produzidos baixos ou altos volumes É efetivo sob condições adversas

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O TRATAMENTO TÉRMICO A VÁCUO E O TRATAMENTO TÉRMICO POR BRASAGEM REALIZADO EM AÇO INOXIDÁVEL M340 APLICADO A INSTRUMENTAIS CIRÚRGICOS R. L. Ciuccio 1, V. Pastoukhov 2, M.D.D. NEVES

Leia mais

Desenvolvimento de rotor Imbil para o processo Jigagem visando o aumento da vida útil e melhoria na eficiência de bombeamento

Desenvolvimento de rotor Imbil para o processo Jigagem visando o aumento da vida útil e melhoria na eficiência de bombeamento Desenvolvimento de rotor Imbil para o processo Jigagem visando o aumento da vida útil e melhoria na eficiência de bombeamento Eng. Gustavo Massaro (IMBIL/UNICAMP) gam@imbil.com.br Eng. Fabiano Cândido

Leia mais

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada Aumento de produtividade em plantas de uréia através aumento de capacidade e melhoria de confiabilidade quanto a resistência a corrosão COMO A NOVA TECNOLOGIA AJUDA OS FABRICANTES A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

Márcio de Pinho Bitencourt (*) Hamilton H. Tiba Roberto T. Kagesawa Adelino S. Serizawa CESP CESP CESP CESP

Márcio de Pinho Bitencourt (*) Hamilton H. Tiba Roberto T. Kagesawa Adelino S. Serizawa CESP CESP CESP CESP SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE GGH - 08 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná ENERGIA ELÉTRICA GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH SOLUÇÕES ADOTADAS PELA CESP

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

EQUIPAMENTOS ROTATIVOS

EQUIPAMENTOS ROTATIVOS 1 INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS ROTATIVOS O objetivo da presente apostila é prestar informações mínimas, a nível técnico, sobre os principais equipamentos rotativos utilizados na indústria de petróleo e petroquímica.

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades.

Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades. CAPÍTULO 3 MÉTODOS DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL DE PETRÓLEO. Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades. BOMBEIO

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 Fabiana Camila Simon (FAHOR) fs000792@fahor.com.br Marcelo Ioris (FAHOR) mi001024@fahor.com.br Tiago Perin (FAHOR) tp000722@fahor.com.br Valtair de Jesus

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O

SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O 1/7 1 2 SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O motor do ciclo de dois tempos remonta aos primórdios da utilização dos motores do tipo à combustão

Leia mais

Suportes de Tubulações

Suportes de Tubulações Suportes de Tubulações Classificação dos Suportes Destinados a sustentar os pesos Fixos Semimóveis Móveis (Suportes de mola e suportes de contrapeso) Destinados a limitar os movimentos dos tubos Dispositivo

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS REITORIA - Diretoria de Gestão de Pessoas Av. Mário Werneck,

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 Vicente Afonso Ventrella Prof. Dr. UNESP / Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL.

INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL. 334 INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL. Cássia Maria Farias Lopes * Raimundo Carlos Silverio Freire Júnior ** Theophilo Moura Maciel

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL Rangel S. Maia¹, Renato

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos e flexíveis, e hidrovariadores de velocidade, produtos destinados a atender os mais

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê CAVITAÇÃO 1. Descrição: Para melhor entendimeto iremos descrever o fenomeno Cavitação Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização de um líquido pela redução da pressão, durante seu movimento.

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

Alimentação de Caldeiras Alcooldutos Pipe Line. Bomba Multestágio Bipartida Axialmente. Soluções em Bombeamento

Alimentação de Caldeiras Alcooldutos Pipe Line. Bomba Multestágio Bipartida Axialmente. Soluções em Bombeamento Linha Alimentação de Caldeiras Alcooldutos Pipe Line Bomba Multestágio Bipartida Axialmente Soluções em Bombeamento Soluções em Bombeamento A IMBIL amplia sua linha de bombas engenheradas, disponibilizando

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR

w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR CH-0509-BR Introdução Fundada em 1981, a HENFEL Indústria Metalúrgica Ltda. é uma tradicional empresa do setor mecânico / metalúrgico, fornecedora de Caixas

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

Pre-designed Steam Turbines. Turbinas a vapor compactas para a faixa de potência até 10 MW. Answers for energy.

Pre-designed Steam Turbines. Turbinas a vapor compactas para a faixa de potência até 10 MW. Answers for energy. Pre-designed Steam Turbines Turbinas a vapor compactas para a faixa de potência até 10 MW Answers for energy. Pre-designed Steam Turbines Turbinas a vapor compactas para a faixa de potência até 10 MW SST-010

Leia mais

3. Procedimento e Montagem Experimental

3. Procedimento e Montagem Experimental 3. Procedimento e Montagem Experimental O presente trabalho é uma continuação da pesquisa iniciada por Leiroz [14]. A seção de testes usada para nosso estudo de deposição de parafina sob condições de escoamento

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br Influência da Velocidade de Soldagem sobre as Geometrias dos Cordões de Solda Realizados Através dos Processos de Soldagem FACW e Soldagem Híbrida (TIG/FACW) Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont Questão 01 O registro representado na Figura 1 é composto por vários componentes mecânicos, muitos deles, internamente à caraça. Peças com essa característica são difíceis de representar em desenhos técnicos,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ALEXANDRE PASCHOALIN ANDERSON LUÍS JACINTHO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE

Leia mais

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado)

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado) Principais tipos: Parafuso simples Parafuso duplo (mais empregado) Vantagens em relação aos alternativos: Menor tamanho Número inferior de partes móveis Desvantagens em relação aos alternativos: Menor

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil.

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. Eng ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Nos dias atuais, onde o meio ambiente,

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Fundição A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA.

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. Rodrigo Freitas Guimarães 1, José Airton Lima Torres 2, George Luiz Gomes de Oliveira 3, Hélio Cordeiro de

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

Serviços. Instalação de Unidades Geradoras. 1. Desvio do Rio: Montagem de guias das comportas; Montagem das comportas de desvio (painéis)

Serviços. Instalação de Unidades Geradoras. 1. Desvio do Rio: Montagem de guias das comportas; Montagem das comportas de desvio (painéis) 1. Desvio do Rio: Montagem de guias das comportas; Montagem das comportas de desvio (painéis) Montagem de estrutura para descida da comporta (pórtico fixo) 2. Vertedouro Montagem das guias das comportas

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Tecnologia de sistemas.

Tecnologia de sistemas. Tecnologia de sistemas. HYDAC Dinamarca HYDAC Polônia HYDAC Brasil HYDAC Índia HYDAC China HYDAC França HYDAC Alemanha Seu parceiro profissional para a tecnologia de sistemas. Com mais de 7.500 colaboradores

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais