Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa"

Transcrição

1 1 Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa Comissão Europeia Centro Comum de Investigação Instituto para o Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (IES)

2 Centro Comúm de Investigação (JRC) Direcção Geral da Comissão Europeia (CE), cuja missão consiste em proporcionar apoio técnico e científico para a elaboração, desenvolvimento, aplicação e supervisão de políticas da União Europeia (UE); Parceiros: Outro serviços da CE (ex: DG DEVCO), países da UE e paeceiros internacionais; Desenvolvimento de sistemas protótipo, algoritmos, metodologias e productos em diferentes temas técnicos e científicos; Independente de interesses comerciais e/ou nacionais; Actividades definidas pelos Programas Marco de Investigação e Desenvolvimento da CE (actualmente: PM7, a partir de 2014: Horizonte 2020); Constituído por 7 institutos científicos repartidos por 5 países.

3 Instituto para o Desenvolvimento Sustentavel (IES) Utilização sustentavel de Recursos estrategicos: agua, solos, florestas, ar, terra e biodiversidade Agricultura sustentavel e desenvolvimento rural: produção de cultivos, segurança alimentar Alterações climaticas e poluição atmosferica: redução de gases de efeito de estufa Riscos ambientais e desastres naturais: Incêndios florestais, secas, inundações, desertificação Dimensão ambiental da cooperação para o desenvolvimento: principalmente em Africa Monitorização ambiental e sistemas de informação: GMES (Monitorização Global do Ambiente e Segurança) e INSPIRE (Infraestrutura de Informação Espacial na Europa) Avaliação de sustentabilidade: Avaliação integrada ambiental e socioeconomica, desenvolvimento de indicadores

4 Impactos das Secas na Europa Impactos Economicos: Ultimos 30 anos: custo estimado de mais de 100 mil milhões de Euros Impacto economico anual duplicou de a Impactos ambientais: Period Total Impact Impact/year TOTAL All figures in million Euros As secas podem causar sérios impactos ambientais a largo prazo (p.e.: qualidade da água, salinização, desaparecimento de ecosistemas humidos, erosão do solo, desertificação, ) Estes impactos são dificeis de quantificar e é dificil encontrar dados sobre eles Fonte: European Commission, 2007 (WS&D, 2 nd Interim Report) 4

5 EDO - Enfoque multi-indicador Time Duration Indice Padronizado de Precipitação (SPI) Anomalia de Humidade do Solo Impacto na Vegetação Fonte: National Drought Mitigation Center, University of Nebraska-Lincoln, USA 5

6 EDO - Indice Padronizado de Precipitação (SPI) Primavera 2011 Emsland (DE) Indice Padronizado de Precipitação a 3 meses (SPI-3) Fevereiro-Abril 2011, indica um desvio da precipitação normal

7 EDO Humidade do Solo diária e sua anomalia 25 Mai Maio 2011 Ate 1 Junho very wet very dry wetter normal drier wetter normal drier Humidade do solo Anomalia Humidade do Solo Anomalia prevista (7 dias) 7

8 Actividade Fotossintetica (fapar) Sensoriamento Remoto - Actualizado cada 10 dias fapar, Junho km de resolução Anomalia fapar, Junho 2011

9 Indice de Seca Combinado (CDI) Indice de Seca Combinado (CDI) para Seca Agricola Relação causa-efeito e niveis de alerta relacionados Deficiencia de precipitação Deficiencia de humidade do solo Diminuição da productividade da vegetação WATCH WARNING ALERT Tempo

10 Indice de Seca Combinado (CDI) Impact Level Watch: 1 rainfall deficit 2 3 Warning: 1 soil moisture deficit 2 3 Aumento da seca CDI, Maio 2011 Alert: vegetation stress following rainfall/soil moisture deficit

11 CDI Evolução Primavera Abril Abril Abril Maio Maio Maio Junho Junho Junho Julho Julho Julho 2011

12 Observatório Europeu de Secas (EDO) Informação, dados, e ferramentas para o monitoramento de secas `a escala da Europa

13 EDO - Enfoque multi-escala Continental Enfoque multi-escala que integra a informação a várias escalas sub-continental e nacional regional e local É necessário que os distintos sistemas de informação sejam inter-operáveis 13

14 Considerações finais Ideias Chave: EDO está a ser implementado como um sistema multi-escala distribuido. Os indicadores principais (p.e. SPI) são implementados a todas as escalas. São complementados por indicadores regionais. É necessário um acompanhamento continuo por parte de todos os utilizadores de modo a assegurar bons resultados e a aceitação do sistema. Melhoramentos em curso: Testar e aumentar o numero de indicadores a nivel continental. Aumentar o numero de observatorios nacionais e regionais. Melhorar o sistema de previsão de seca (actualmente so se faz com a humidade do solo) Incluir análise de risco de seca (vulnerabilidade x ocorrencia) Analisar o impacto das alterações climáticas sobre as secas 14

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS O TEMPO O CLIMA A ACTIVIDADE SÍSMICA CONTRIBUÍMOS V Encontro Nacional de Riscos Auditório

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho Brasília 16 a 18 de março de 2015 CERSA Centro de Referência em Segurança da Água José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho CERSA Projecto de futuro ao serviço da saúde

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima 8ª Semana de Integração Tecnológica - EMBRAPA 26/05/2015 Plano de Energia e Mudanças Climáticas Energia Cooperação internacional Processo Participativo Agricultura,

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia Metas Curriculares Ensino Básico Geografia 9.º ano Versão para discussão pública Novembro de 2013 Autores Adelaide Nunes António Campar de Almeida Cristina Nolasco Geografia 9.º ano CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT

Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT Conceito dos empregos verdes Setores de alto potencial Agricultura: problema ou solução? Empregos verdes na agricultura do Brasil Conclusões Muito mais

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA Lisboa, 18 de julho de 2014 Cláudia Brandão APA Missão Propor, desenvolver e acompanhar a gestão

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Elegibilidade do Brasil no Horizonte 2020 CIÊNCIA DE EXCELÊNCIA

Elegibilidade do Brasil no Horizonte 2020 CIÊNCIA DE EXCELÊNCIA Elegibilidade do Brasil no Horizonte 2020 Horizonte 2020 (H2020) - o Programa Europeu de apoio à Pesquisa, Innovação e Cooperação Internacional - é o maior programa de pesquisa e inovação da União Europeia

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017 Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Cristina Carreiras Pedro Baptista APA, 25-06-2015 LIFE 2014-2020 Áreas Prioritárias Subprograma Ambiente Ambiente

Leia mais

O que é o Banco Europeu de Investimento?

O que é o Banco Europeu de Investimento? O que é o Banco Europeu de Investimento? O BEI é o banco da União Europeia. Como primeiro mutuário e mutuante multilateral, proporciona financiamento e conhecimentos especializados a projectos de investimento

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras

SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras Teresa Rafael 11 de março de 2014 Pontos chave: O que é o SNIMar? Quais são os objetivos? Organização e gestão do projeto

Leia mais

Hypercluster do mar. Setembro 2009

Hypercluster do mar. Setembro 2009 Hypercluster do mar Setembro 2009 Hypercluster do mar Segurança Marítima Projecto MarBIS Fórum cientifico e tecnológico Considerações finais 2 Hypercluster do mar Parcerias com empresas petrolíferas com

Leia mais

Eventos Climáticos Extremos no Brasil Impactos, Ciência e Políticas Públicas. Eventos ClimáticosExtremos Recentesno Brasil

Eventos Climáticos Extremos no Brasil Impactos, Ciência e Políticas Públicas. Eventos ClimáticosExtremos Recentesno Brasil Eventos Climáticos Extremos no Brasil Impactos, Ciência e Políticas Públicas Carlos Rittl, Dr. WWF -Brasil São Paulo, Agosto de 2012 Impactos, Ciência e Políticas Públicas Eventos ClimáticosExtremos Recentesno

Leia mais

1ro ENCONTRO INTERINSTITUCIONAL DE SUSTENTABILIDADE DIÁLOGO BRASIL-FRANÇA PLENÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA/RS -18 DE OUTUBRO DE 2012

1ro ENCONTRO INTERINSTITUCIONAL DE SUSTENTABILIDADE DIÁLOGO BRASIL-FRANÇA PLENÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA/RS -18 DE OUTUBRO DE 2012 1ro ENCONTRO INTERINSTITUCIONAL DE SUSTENTABILIDADE DIÁLOGO BRASIL-FRANÇA PLENÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA/RS -18 DE OUTUBRO DE 2012 A Cooperação ambiental Franco Gaúcha e as contribuições do Rio Grande

Leia mais

Contributos para a. geográfica em Portugal. Rui Pedro Julião Subdirector-Geral rpj@igeo.pt

Contributos para a. geográfica em Portugal. Rui Pedro Julião Subdirector-Geral rpj@igeo.pt Contributos para a reutilização da informação geográfica em Portugal Rui Pedro Julião Subdirector-Geral rpj@igeo.pt Tópicos Enquadramento Bases para a reutilização da informação geográfica Próximos passos

Leia mais

Compromisso. Desafios, Oportunidades e Algumas Reflexões. Rafaela de Saldanha Matos. Lisboa, LNEC, 26 de março de 2012

Compromisso. Desafios, Oportunidades e Algumas Reflexões. Rafaela de Saldanha Matos. Lisboa, LNEC, 26 de março de 2012 Compromisso Inovar 2012-2016 Desafios, Oportunidades e Algumas Reflexões Rafaela de Saldanha Matos Lisboa, LNEC, 26 de março de 2012 TÓPICOS > Inovação na Europa : Onde estamos e para onde vamos? > European

Leia mais

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil J. Marengo, C. Nobre, M Seluchi, A. Cuartas, L. Alves, E. Mendiondo CEMADEN, Brasil jose.marengo@cemaden.gov.br

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais

Instituto Tecnológico SIMEPAR

Instituto Tecnológico SIMEPAR Evolução e Aspectos Institucionais Missão e Foco de Atuação Modelo Institucional Sistemas de Monitoramento e Previsão Produtos, Serviços e Sistemas Áreas de Pesquisa & Desenvolvimento Ações Estratégicas

Leia mais

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 Rio+20 (2012): O Futuro que Queremos Cúpula das Nações Unidas (setembro de 2015): Agenda de Desenvolvimento Pós-2015

Leia mais

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-H-2 RECURSOS NATURAIS (ATMOSFERA)

Leia mais

LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas. Pegada Ecológica. 26 de Novembro de 2007

LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas. Pegada Ecológica. 26 de Novembro de 2007 LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas Pegada Ecológica Bernardo Augusto bra@civil.ist.utl.pt 26 de Novembro de 2007 Conceito de Capital Natural; Definição de

Leia mais

O 7º PROGRAMA QUADRO

O 7º PROGRAMA QUADRO O 7º PROGRAMA QUADRO de I&DT Eduardo Maldonado (Coordenador de NCP) Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT Estratégia de Lisboa Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para

Leia mais

AMAZALERT AMAZALERT. Um projeto de pesquisa sobre impactos das mudanças climáticas e do uso da terra na Amazônia.

AMAZALERT AMAZALERT. Um projeto de pesquisa sobre impactos das mudanças climáticas e do uso da terra na Amazônia. AMAZALERT AMAZALERT Um projeto de pesquisa sobre impactos das mudanças climáticas e do uso da terra na Amazônia. AMAZALERT examina como mudanças no clima e no uso da terra em níveis global e regional irão

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO MundoGEO#Connect LatinAmerica Nuno Duro Centro de Convenções Frei Caneca - São Paulo 31-05-2012 2012 Critical Software, All rights

Leia mais

Capítulo 13 GERENCIAMENTO DE ECOSSISTEMAS FRÁGEIS: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS MONTANHAS

Capítulo 13 GERENCIAMENTO DE ECOSSISTEMAS FRÁGEIS: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS MONTANHAS Capítulo 13 GERENCIAMENTO DE ECOSSISTEMAS FRÁGEIS: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS MONTANHAS Introdução 13.1. As montanhas são uma fonte importante de água, energia e diversidade biológica. Além disso,

Leia mais

7º PROGRAMA-QUADRO de I&DT. Oportunidades para Cooperação Empresas Sistema Científico. Virgínia Corrêa. www.gppq.mctes.pt

7º PROGRAMA-QUADRO de I&DT. Oportunidades para Cooperação Empresas Sistema Científico. Virgínia Corrêa. www.gppq.mctes.pt 7º PROGRAMA-QUADRO de I&DT Oportunidades para Cooperação Empresas Sistema Científico Virgínia Corrêa Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT www.gppq.mctes.pt Estratégia de Lisboa Conselho Europeu

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável O que significa e implicações para os profissionais de engenharia

Desenvolvimento Sustentável O que significa e implicações para os profissionais de engenharia Desenvolvimento Sustentável O que significa e implicações para os profissionais de engenharia Professor João Miranda Reis Departamento de Engenharia Química Instituto Superior Técnico Lisboa, 1 Índice

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Junte-se à iniciativa 4 por 1 000 Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Baseada em uma documentação científica sólida e em ações de campo concretas, a iniciativa "4 por 1000" visa mostrar

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES)

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Esquema da apresentação: Objectivos da PAC pós-2013 Orientações propostas

Leia mais

Knowledge is of two kinds. We know a subject ourselves, or we know where we can find information on it.

Knowledge is of two kinds. We know a subject ourselves, or we know where we can find information on it. LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2008-09 FONTES DE INFORMAÇÃO EM AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bernardo Augusto 21 de Outubro de 2008 Knowledge is of two kinds. We know

Leia mais

HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO

HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Porto, 17-19 de outubro de 2014 Sebastião Feyo de Azevedo, professor de engenharia química, Reitor da

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Cristina Taliscas Novembro 2011 Poluentes atmosféricos e seus efeitos Legislação da qualidade do ar ambiente

Leia mais

Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE

Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE Foreign & Commonwealth Office Desastre climático e midiático. Uma coisa é produzir dados, outra é torná-los inteligíveis

Leia mais

EUMETCast para fins de monitoramento

EUMETCast para fins de monitoramento SUA LOGO MARCA AQUI www.lapismet.com EUMETCast para fins de monitoramento Humberto Barbosa Skype: lapismet barbosa33@gmail.com Workshop de Lançamento Local : INPE - São José dos Campos SP Dia : 18 de julho

Leia mais

Estratégia de Mobilização de Recursos do CPF (Matrix B)

Estratégia de Mobilização de Recursos do CPF (Matrix B) Estratégia de Mobilização do CPF (Matrix B) Matriz de Resultados B Área Prioritária 1: Indicação Necessários (US$ Milhões de Dólares) Estimativa Recursos Meta de do total de Disponíveis Mobilização (Gap)

Leia mais

Restabelecer a Confiança Global

Restabelecer a Confiança Global Restabelecer a Confiança Global Os dois principais desafios à justiça global, as alterações climáticas e a pobreza, estão interligados. Temos que combatê-los simultaneamente; não podemos cuidar de um sem

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM PROJETO PAYS.MED.URBAN

EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM PROJETO PAYS.MED.URBAN EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM EXPERIÊNCIAS DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM A cooperação transnacional, no âmbito das problemáticas de desenvolvimento territorial e dos processos de transformação da paisagem

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

SANTA CATARINA SÃO JOSÉ, 13 E 14 DE OUTUBRO DE 2009. out-09 gthidro 1

SANTA CATARINA SÃO JOSÉ, 13 E 14 DE OUTUBRO DE 2009. out-09 gthidro 1 SANTA CATARINA SÃO JOSÉ, 13 E 14 DE OUTUBRO DE 2009 out-09 gthidro 1 SAUDE, AMBIENTE E GOVERNANÇA por Daniel José da Silva Depto de Enga. Sanitária e Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA out-09

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 29/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Válida para os acadêmicos ingressantes a partir

Leia mais

Crescimento global da consciência socioambiental

Crescimento global da consciência socioambiental Programa de Sustentabilidade Bunge 1. Contextualização Crescimento global da consciência socioambiental Sociedade Importância do tema Estruturação e articulação das entidades civis Pressões comerciais

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada Zona de Protecção Especial de Castro Verde: local de estudo em Portugal Projecto PRACTICE Prevention and

Leia mais

Humidade no solo. Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365

Humidade no solo. Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Humidade no solo Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Índice Introdução Da observação aos produtos Conclusões Complicações na obtenção de dados

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

AGENDA 21 CAPÍTULO 12 MANEJO DE ECOSSISTEMAS FRÁGEIS: A LUTA CONTRA A DESERTIFICAÇÃO E A SECA

AGENDA 21 CAPÍTULO 12 MANEJO DE ECOSSISTEMAS FRÁGEIS: A LUTA CONTRA A DESERTIFICAÇÃO E A SECA AGENDA 21 CAPÍTULO 12 MANEJO DE ECOSSISTEMAS FRÁGEIS: A LUTA CONTRA A DESERTIFICAÇÃO E A SECA INTRODUÇÃO 12.1. Os ecossistemas frágeis são ecossistemas importantes, com características e recursos únicos.

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 28 1 INDICADORES ÁGUA 8 Evolução do número de análises em cumprimento do valor paramétrico 1, Análises (n.º) 7 6 5 4 3 2 1 591 65 64 278 97,48% 97,53% Fonte: ERSAR, 29 623

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 12

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 12 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 12 MANEJO DE ECOSSISTEMAS FRÁGEIS: A LUTA CONTRA A DESERTIFICAÇÃO E A SECA INTRODUÇÃO 12.1. Os ecossistemas frágeis são ecossistemas

Leia mais

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Projectos contribuem para: aplicação, desenvolvimento, avaliação e seguimento da política e legislação da UE na área da natureza e da biodiversidade, incluindo

Leia mais

CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE)

CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE) CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE) MAIO 2014 + Agenda Horário Atividade Facilitador 10:00 Boas Vindas e

Leia mais

Análise e interpretação crítica: Política Nacional sobre Mudança Climática. Metodologia geral: Descritiva, Analítica, Interpretativa e Comparativa

Análise e interpretação crítica: Política Nacional sobre Mudança Climática. Metodologia geral: Descritiva, Analítica, Interpretativa e Comparativa ANÁLISE DA POLÍTICA NACIONAL SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA EM CONFRONTO COM A POLÍTICA ESTADUAL SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Luiz César Ribas Antonieta Lima Brauer Ivo Francisco Barbosa São

Leia mais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Workshop Complexo do CEMADEN São José dos Campos, SP, 14 de janeiro de 2014 Decreto

Leia mais

A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital. António Perdigão -DGADR

A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital. António Perdigão -DGADR A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital António Perdigão -DGADR Responsabilidades da DGADR, no contexto do Despacho nº 13434/2012 de 15 de Outubro de

Leia mais

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA PORTUCEL SOPORCEL INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel é uma

Leia mais

Oportunidades para a PME No 7º PQ de IDT da União Europeia. Virginia Corrêa

Oportunidades para a PME No 7º PQ de IDT da União Europeia. Virginia Corrêa Seventh Research Framework Programme (2007-2013) Oportunidades para a PME No 7º PQ de IDT da União Europeia Virginia Corrêa Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT 1 Gabinete de Promoção do 7º

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS OPÇÕES CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS SÍNTESE DAS OPÇÕES n.º 2013-01, maio de 2013

AVALIAÇÃO DAS OPÇÕES CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS SÍNTESE DAS OPÇÕES n.º 2013-01, maio de 2013 AVALIAÇÃO DAS OPÇÕES CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS SÍNTESE DAS OPÇÕES n.º 2013-01, maio de 2013 A gestão sustentável dos recursos naturais centrada na água e na agricultura A água constitui um recurso natural

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

Vote pelo seu ambiente

Vote pelo seu ambiente Vote pelo seu ambiente Um apelo ambiental para a ação do Parlamento Europeu de 2014-2019 Fotos: Susana Alves, Rúben Coelho e Pedro Geraldes Um papel claro para Europa O grande volume de desafios que a

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO DE GEOGRAFIA 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio das redes e modos de transporte e telecomunicação, o aluno deve compreender a importância dos transportes nas dinâmicas dos territórios,

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Alimentos biológicos:

Alimentos biológicos: Alimentos biológicos: bons para si, bons para a natureza Em toda a UE, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a proveniência dos alimentos que consomem e com o modo como foram produzidos. Dão importância

Leia mais

Políticas Agrárias e a Mulher

Políticas Agrárias e a Mulher República de Moçambique Ministério da Agricultura Direcção deeconomia REPÚBBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA Actualização do Regulamento Proposta da LFFB de Revisão do Regulamento da Lei de

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Introdução O recém divulgado relatório do IPCC AR5 sobre a base científica das mudanças climáticas conclui, com acima de 90% de confiança, que

Leia mais

Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação

Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação Portugal e Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação Outubro de 2011 Comissão para as Alterações Climá/cas Comité Execu3vo Em 200 anos, emitimos a quantidade de carbono que havia sido emitida nos

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: Especialista em TI para atuar no aprimoramento do

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL JULHO/AGOSTO/SETEMBRO - 2015 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JUNHO/2015 Previsão trimestral Os modelos de previsão climática indicam que o inverno

Leia mais

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO SIMBIENTE Engenharia e Gestão Ambiental Apresentação Institucional O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO Edição: Janeiro 2012 O Mundo é um sistema complexo. Sistemas naturais. Sistemas socioeconómicos. Desafio

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais