Universidade Federal do ABC Pós-Graduação em Engenharia Elétrica. Igor Polezi Munhoz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal do ABC Pós-Graduação em Engenharia Elétrica. Igor Polezi Munhoz"

Transcrição

1 Universidade Federal do ABC Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Igor Polezi Munhoz LIGA DE MAGNÉSIO COMO MATERIAL PARA BATERIA DE ALTA DENSIDADE ENERGÉTICA Dissertação de Mestrado Santo André SP 2014

2

3 Igor Polezi Munhoz LIGA DE MAGNÉSIO COMO MATERIAL PARA BATERIA DE ALTA DENSIDADE ENERGÉTICA Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Curso de Pós- Graduação em Engenharia Elétrica da Universidade Federal do ABC, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Engenharia Elétrica Orientador: Prof. Dr. Jorge Tomioka Santo André SP 2014

4

5

6

7 A Deus pela minha vida, e vida em abundância! Ao meu pai Jorge Luís e a minha mãe Neusa Maria (in memoriam). À Alessandra Akkari, minha querida amiga e futura esposa! À Sra. Maria dos Santos, que considero como uma segunda mãe!

8 AGRADECIMENTOS A Deus, pela Sua misericórdia, por ter me salvado, me libertado, por ter me tirado de um vale de ossos secos e por ter me trazido vida! Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor (Apocalipse 5.12). Ao Prof. Dr. Jorge Tomioka pelas valiosas orientações, não apenas profissionais, mas também por toda ajuda e por toda confiança que ele depositou em minha vida. Agradeço também pela paciência, pelas críticas (que foram fundamentais para o sucesso deste trabalho) e por acreditar no meu potencial acadêmico. À minha família, em especial aos meus pais, Jorge Luís Munhoz, que sempre foi um exemplo de homem em minha vida, alguém que eu admiro e pretendo seguir os passos, e à minha mãe Neusa Maria Polezi Munhoz (in memoriam), que era uma mulher incrível, indescritível, sem palavras! Também agradeço à minha avó Emilia Leonardo Munhoz (in memoriam) pela companhia e pela ajuda, outro exemplo de mulher virtuosa! À minha querida Alessandra Akkari por todo amor, pelo comprometimento, pela ajuda, pela paciência, pela sinceridade, pela boa vontade, pelo estimulo, pelo carinho! Não tenho palavras para agradecer! Você é uma mulher virtuosa! Minha princesa, você nunca desistiu de mim mesmo em meio a tantas provações! Te amo! Mulher virtuosa quem a achará? O seu valor muito excede ao de rubis. O coração do seu marido está nela confiado; assim ele não necessitará de despojo. Ela só lhe faz bem, e não mal, todos os dias da sua vida (Provérbios ). À Sra. Maria Aparecida dos Santos por todo o cuidado com a minha vida, pelo carinho, pelo empenho, por estar ao meu lado nos momentos mais difíceis da minha vida, a perda recente da minha mãe Neusa e da minha avó Emília. Agradeço porque a Sra. orou pela minha vida e sei que se hoje estou aqui é porque Deus usou a Sra. para orar e lutar por mim!

9 Aos professores: Profa. Dra. Neusa M. B. Fernandes dos Santos, por toda a ajuda e estímulo, me trouxe grandes e valorosos aprendizados no âmbito acadêmico, assim como compreensão e força nos momentos difíceis. Profa. Dra. Luciana Pereira meu muito obrigado por ser uma professora que me acolheu, me ensinou, me orientou e me estimulou! Prof. Dr. Renato A. Antunes por toda a ajuda e dedicação durante os ensaios experimentais. Professores Dr. Federico M. Trigoso e Dr. Alfeu J. Sguarezi Filho pelas contribuições no meu exame de qualificação. Prof. Dr. Edmárcio A. Belati por incentivar o meu ingresso no Programa de Pós- Graduação em Engenharia Elétrica, assim como por toda ajuda durante o mestrado. Prof. Dr. Douglas A. Cassiano por todas as orientações e conselhos, tanto no término da minha graduação em Engenharia de Gestão como no meu mestrado em Engenharia Elétrica. Prof. Dr. Diolino J. dos Santos Filho, presente na minha banca de defesa, meu muito obrigado pela participação e pelas contribuições, fundamentais na conclusão do meu trabalho de mestrado. Aos técnicos: Dr. Jonhson D. Angelo, técnico do laboratório L605, pela ajuda com os procedimentos experimentais na área química. Sr. Osmando Cardoso e ao Sr. Antonio Guilherme Medeiros Neto, técnicos do laboratório L702 da UFABC, que permitiram que a primeira fase do meu trabalho experimental fosse concluída com êxito, me auxiliando e me conduzindo em todos os procedimentos. Sr. William Dalcin, e demais técnicos da oficina da UFABC, por toda ajuda no corte do lingote de magnésio.

10 Aos demais amigos e colegas da UFABC, em especial ao Sr. Fernando S. C. de Melo, obrigado pelo incentivo, pela ajuda de sempre e pelo companheirismo! À Universidade Federal do ABC, agradeço pelo incentivo à pesquisa acadêmica, bem como pelo suporte técnico e financeiro. À CAPES pela minha bolsa de estudos. À RIMA Industrial S.A. por fornecer a liga de magnésio utilizada durante o trabalho experimental. A todos aqueles que por algum descuido eu deveria ter mencionado e não o fiz, meu muito obrigado!

11 ... eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância. João Esperei com paciência no SENHOR, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor. Tirou-me dum lago horrível, dum charco de lodo, pôs os meus pés sobre uma rocha, firmou os meus passos. E pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos o verão, e temerão, e confiarão no Senhor Salmos 40:1-3

12 RESUMO No contexto energético, as mudanças climáticas e as crescentes crises energéticas aumentaram as preocupações e as pesquisas na área de acumuladores de energia, visando alcançar melhorias no cenário energético e ambiental global. Ao mesmo tempo, a sociedade tornou-se dependente do consumo de energia elétrica, sendo que falhas no fornecimento não são permitidas. Portanto, observa-se a necessidade da energia ofertada ser de boa qualidade e, principalmente, não sofrer interrupções. Atrelado a esses fatores, a bateria de Magnésio Ar passou a ser considerada uma fonte promissora de energia elétrica, principalmente pela abundância de Magnésio (sétimo elemento mais presente no planeta), por não poluir o meio ambiente, ser barata e possuir energia especifica elevada. Essas características transformam esse acumulador em um potencial substituto para outras tecnologias. No entanto, a bateria de magnésio possui desvantagens que precisam ser vencidas por meio de pesquisas para alavancar o seu uso comercial massivo. Sob essa perspectiva, neste trabalho propõe-se o estudo da liga de magnésio AZ91 para aplicação em baterias de Magnésio Ar, por meio de ensaios de porosidade e de dureza, como também análise microestrutural e mensuração do potencial de circuito aberto e das curvas de polarização potenciodinâmica, utilizando-se uma célula eletroquímica de três eletrodos e um potenciostato em diferentes tempos de imersão da liga AZ91 na solução eletrolítica de NaCl 0,1 M. A porosidade da peça, observada no microscópio óptico com ampliação de 50 vezes, revelou que em cada fase de solidificação existem poros de tamanhos diferentes, com distribuição específica. Conforme o processo de resfriamento ocorre, nota-se a presença de poros maiores. Relacionado à porosidade, a dureza apresentou valores maiores na fase inicial de solidificação, onde a porosidade é menor. Por meio da análise microestrutural, foi possível verificar a presença de dendritas, com uma complexa dispersão de segunda fase na liga (alumínio), porosidades e inclusões. As medidas de potencial de circuito aberto indicam uma tendência de resistência à corrosão em tempos maiores de contato da amostra com a solução de NaCl. Não foi possível observar passivação aparente na amostra, nem pontos de corrosão localizada (pite) nas curvas de polarização potenciodinâmica. As variações no potencial de corrosão apontaram uma maior resistência à corrosão em tempos de imersão maiores; contudo, os valores estáveis de densidade de corrente de corrosão demonstram que a velocidade de corrosão permaneceu constante, sendo que a camada de óxido formada não contribuiu na proteção do material. Para a aplicação em baterias de magnésio, esses resultados conferem uma limitação da liga AZ91, pois a camada de óxido formada pode prejudicar o funcionamento do dispositivo em processos de descarga intermitente. As principais formas de controlar a eficiência da bateria de Magnésio Ar são por meio da composição da liga, da oxigenação, do ph, da temperatura e da concentração de sais NaCl no eletrólito. Palavras-chave: acumuladores de energia, baterias de Magnésio Ar, liga de magnésio AZ91, caracterização.

13 ABSTRACT In the energy sector, weather changes and rising energy crisis raised concerns and research in energy accumulators to achieve improvements in overall environmental and energy scenario. At the same time, society has become dependent on electricity consumption, so failures in supply are not tolerated. Therefore, the energy needs to have a good quality, and not suffer interruptions. Coupled to these factors, the battery Magnesium Air has been considered a promising source of electricity, mainly by the abundance of magnesium (seventh-most element present on the planet), not to pollute the environment, be cheap and have high specific energy. These characteristics transform this accumulator in a potential substitute for other technologies. However, the magnesium battery has disadvantages that need to be overcome through research to leverage their massive commercial use. From this point of view, this study proposes the characterization of magnesium alloy AZ91 for application in batteries Magnesium Air, testing the porosity and hardness, as well as microstructural analysis, and the measurement of the open potential circuit and the potentiodynamic polarization, in various immersion times using an electrochemical cell with three electrodes. The porosity of the part, observed in the optical microscope, revealed that at each stage of solidification, the pores have different sizes and distribution. As the cooling process occurs, could observe the presence of larger pores. Associated to the porosity, hardness values were higher in the initial phase of solidification, where the porosity was less. Through microstructural analysis was verified the presence of dendrites, with a complex dispersion of second phase in the alloy (aluminum), porosity and inclusions. The open potential circuit indicated a tendency for corrosion resistance in greater immersion time in the solution of NaCl. In all cases, the potentiodynamic polarization curves did not exhibit apparent passivity, or points of localized corrosion (pitting). The changes in corrosion potential showed greater resistance to corrosion in immersion times larger, however, the steady state values of corrosion current density demonstrated that the corrosion rate remained constant and the oxide layer formed did not protect the material. For use in magnesium batteries, these results provided a limitation of the AZ91 alloy, because the oxide layer can disturb the functioning of the device in cases of intermittent discharge. The main ways to control the battery efficiency Magnesium Air are through the alloy composition, oxygenation, ph, temperature and salt concentration of NaCl in the electrolyte. Keywords: Energy storage systems, magnesium air batteries, magnesium alloy AZ91, characterization.

14 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Acumuladores de energia na indústria de energia elétrica Figura 2 Aplicação de acumuladores de energia nas redes Figura 3 Eletrólise Figura 4 Exemplo de pilha Figura 5 Diferentes tipos de baterias Figura 6 Exemplo de bateria metal-ar Figura 7 Distribuição mundial das reservas de magnesita Figura 8 Célula utilizada pela Alcan Figura 9 Bateria Magnésio Água do mar Figura 10 Bateria Magnésio Ar Figura 11 Lingote de magnésio Liga AZ91, destacando-se (a) como recebido pelo fornecedor; (b) e o lingote na bancada Figura 12 Reagentes, equipamentos e processo de preparo da solução de NaCl 0,1 M no laboratório de pesquisa da UFABC, sendo (a) o NaCl (Cromato Produtos Químicos Ltda); (b) a balança analítica; (c) agitação magnética; (d) e, por fim, o uso do balão volumétrico para completar o volume da solução Figura 13 Lixadeiras Arotec Aropol 2V Figura 14 Potenciostato/Galvanostato Ivium n-stat Figura 15 Célula eletroquímica para montagem com 3 eletrodos Figura 16 Corte do lingote para avaliação da porosidade, destacando-se em (a) o corte do lingote; (b) e a amostra do lingote para análise após o corte Figura 17 Diferentes estados da superfície da amostra para avaliação da porosidade, sendo (a) após o lixamento 180; (b) após o lixamento 220; (c) após o lixamento 400; (d) e após o lixamento Figura 18 Amostra no banho ultrassônico... 61

15 Figura 19 Amostra finalizada e pontos de observação, sendo (a) o início de solidificação do lingote; (b) a fase intermediária de solidificação; (c) e a fase final de solidificação Figura 20 Amostra no durômetro durante ensaio Figura 21 Corte do lingote para avaliação da microestrutura Figura 22 Corte transversal e longitudinal na amostra, destacando-se em (a) a amostra para análise transversal; (b) a amostra para análise longitudinal Figura 23 Corte com arco de serra Figura 24 Corte transversal e longitudinal Figura 25 Embutimento das amostras Figura 26 Lixamento e polimento das amostras, sendo (a) após o lixamento final 600; (b) após o polimento Figura 27 Montagem da célula eletroquímica, destacando-se em (a) o encaixe do eletrodo de magnésio com o contato elétrico; (b) e o eletrodo de magnésio encaixado Figura 28 Arranjo das células no potenciostato Figura 29 Representação gráfica do método de Tafel Figura 30 Representação esquemática do processo de solidificação do lingote. Em (a) o metal encontra-se totalmente líquido; (b) início da solidificação na região do molde; (c) contração sólida; (d) e final do processo de solidificação Figura 31 Representação esquemática das zonas macroestruturais Figura 32 Análise de porosidade do lingote com ampliação de 50 vezes, sendo (a) a porosidade no início da solidificação; (b) a porosidade na fase intermediária de solidificação; (c) e a porosidade na fase final de solidificação Figura 33 Análise de dureza (ampliação de 50 X), destacando-se (a) a calota no início da solidificação; (b) a calota na fase intermediária de solidificação; (c) e a calota na fase final de solidificação Figura 34 Crescimento de sólido com interface sólido líquido não plano Figura 35 Forma tridimensional das dendritas Figura 36 Amostra sem ataque químico com ampliação de 100x após o lixamento e o polimento... 74

16 Figura 37 Ataque químico com nital 3% sob diferentes condições, sendo (a) corte longitudinal e ampliação de 50x; (b) corte transversal e ampliação de 50x; (c) corte longitudinal e ampliação de 100x; (d) e corte transversal e ampliação de 100x Figura 38 Ataque químico com ácido acético 10% sob diferentes condições, sendo (a) corte longitudinal e ampliação de 50x; (b) corte transversal e ampliação de 50x; (c) corte longitudinal e ampliação de 100x; (d) e corte transversal e ampliação de 100x Figura 39 Variação do potencial de circuito aberto para a liga AZ91 em solução de NaCl em diferentes tempos de imersão Figura 40 Corrosão na amostra (tempo de imersão de 7 dias em NaCl) Figura 41 Curvas de polarização potenciodinâmica para a liga AZ91 em solução de cloreto de sódio (NaCl 0,1 M) em diferentes tempos de imersão. Taxa de varredura: 0,167 mv/s e step: 0,18 mv... 80

17 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Tecnologias de acumulação forma de armazenamento Tabela 2 Principais Sistemas Acumuladores de Energia Elétrica Tabela 3 Parâmetros físicos para caracterização de baterias Tabela 4 Tecnologias de baterias características usadas por empresas de energia elétrica Tabela 5 Principais propriedades do magnésio Tabela 6 Principais matérias-primas utilizadas na fabricação do magnésio Tabela 7 Produção e reservas para os principais países Tabela 8 Principais tecnologias de produção do magnésio Tabela 9 Principais tipos de agentes redutores utilizados Tabela 10 Processos de redução térmica Tabela 11 Comparação entre o método de eletrólise e o de redução térmica Tabela 12 Principais elementos utilizados nas ligas de magnésio Tabela 13 Principais ligas magnésio alumínio e limites de tolerância à contaminação Tabela 14 Principais tipos de corrosão Tabela 15 Classificações de rejeitos de magnésio Tabela 16 Principais processos de reciclagem Tabela 17 Vantagens e desvantagens da célula metal ar Tabela 18 Metais, capacidades específicas, tensões e energias específicas Tabela 19 Dureza Brinell Tabela 20 Medidas de potencial de circuito aberto da liga AZ Tabela 21 Potencial de corrosão e densidade de corrosão da liga AZ91 em solução de NaCl (0,1 M) em diferentes tempos de imersão... 81

18 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CEM CH 3 COOH Cl E CA E CORR EESS ESS f.e.m. HCl HNO 3 i CORR MET MEV Mg Mg(OH) 2 MO NaCl PHS PIB SAE SAEE SD ST Central multiusuário Ácido acético Cloro Potencial de circuito aberto Potencial de corrosão Electrical Energy Storage System Energy Storage System Força Eletromotriz Ácido clorídrico Ácido nítrico Densidade de corrente de corrosão Microscopia Eletrônica de Transmissão Microscopia Eletrônica de Varredura Magnésio Hidróxido de magnésio Microscopia Óptica Cloreto de sódio Pumped Hydroelectric Storage Produto Interno Bruto Sistema Acumulador de Energia Sistema Acumulador de Energia Elétrica Sistema de Distribuição Sistema de Transmissão

19 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Energia Acumuladores e Sistemas Elétricos Acumuladores de energia Baterias Magnésio como material para produção de baterias Produção do Magnésio Refino do Magnésio Produção de Ligas de Magnésio Corrosão do magnésio Reciclagem do Magnésio Baterias de Magnésio Ar PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS Principais técnicas de avaliação morfológica e eletroquímica Metodologia Materiais Métodos Avaliação da porosidade Determinação da dureza Análise da microestrutura Preparo da célula eletroquímica Potencial de circuito aberto Polarização potenciodinâmica Resultados... 68

20 Análise de porosidade Análise de dureza Análise microestrutural Medidas de potencial de circuito aberto Medidas de polarização potenciodinâmica CONCLUSÃO TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS... 86

21 1. INTRODUÇÃO No contexto energético, as mudanças climáticas têm provocado crescentes debates e discussões internacionais com o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa, como observado nas resoluções do protocolo de Kyoto. Ao mesmo tempo, a sociedade tornou-se dependente do consumo de energia elétrica, de modo que, segundo Dalkaine et al. (2006), falhas no fornecimento não são permitidas, especialmente nos hospitais, nos bancos e nas centrais telefônicas, entre outros. Portanto, observa-se a necessidade da energia ofertada ser de boa qualidade e, principalmente, não sofrer interrupções. As redes precisam ser mais confiáveis, eficientes, ambientalmente corretas e necessitam dar suporte à geração distribuída e à integração com os acumuladores de energia. Nesse contexto, têm-se os desafios com a mudança para as smart grids, que são redes inteligentes de transmissão e de distribuição de energia. Essa transição na tecnologia e na filosofia de operações representa o maior obstáculo já enfrentado pelas indústrias elétricas (IPAKCHI; ALBUYEH, 2009). Relacionado a isto, o uso dos Sistemas Acumuladores de Energia (SAEs), ou Energy Storage Systems (ESS), pode ser de grande valia a fim de otimizar a utilização das fontes de alimentação, aliviar o congestionamento nas redes de distribuição, melhorar o mercado de geração de energias renováveis e prevenir perdas na qualidade de energia entregue ao consumidor (BAXTER, 2002). Desta forma, a Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e as inovações na área de acumuladores de energia são essenciais para conferir melhorias para este cenário, principalmente visando o cuidado com o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável. O fato da eletricidade ser de difícil armazenamento e de haver oscilações na sua demanda, associado à crescente escassez de energia utilizável, contribuiram para que algumas tecnologias alternativas, como a bateria de Metal Ar, fossem consideradas fontes promissoras de energia elétrica. As baterias de metal-ar são baratas e ambientalmente corretas, no entanto, a principal desvantagem refere-se à recarga, que até o momento não se mostrou viável (CHEN et al., 2009; SHTERENBERG et al., 2014). No caso da bateria de Magnésio ar, objeto de estudo do presente trabalho, as vantagens incluem energia específica alta, baixo peso, menor custo, ser reciclável e não poluir o meio ambiente. Ainda segundo Martínez (2012), o magnésio (Mg) representa 2% da crosta terrestre, o que faz deste metal o sétimo elemento químico mais abundante da Terra. Essas 20

22 características tornaram a bateria Mg ar uma potencial substituta para as convencionais tecnologias de baterias, inclusive as de íon-lítio. Contudo, a bateria de magnésio possui desvantagens, como o baixo desempenho em descargas intermitentes, que podem comprometer o seu uso comercial quando comparada a outras tecnologias (JARVIS, 1992). Outro fator limitante é a corrosão das ligas de magnésio, pois estas apresentam baixa resistência a corrosão, devido ao fato do magnésio ser o metal mais anódico dentre os materiais estruturais. Para resolver este e outros desafios, como a difícil recarga (SHTERENBERG et al., 2014), novas pesquisas estão sendo realizadas em diversas aplicações, como identificado por meio do estudo de caso da Toyota, que está realizando pesquisas na área para a aplicação em veículos híbridos, onde a recarga é necessária (NONAKA; PELTOKORPI, 2009). O foco da Toyota é desenvolver baterias de magnésio secundárias, consideradas promissoras por diversos autores em vários artigos, inclusive por Orikasa et al. (2014), num artigo publicado na revista Nature. Estes fatores justificam a busca por conhecimentos e o desenvolvimento de novas pesquisas em baterias de magnésio. Por meio dos ensaios experimentais realizados, foi possível evidenciar as características mecânicas do lingote da liga AZ91, que influenciam nas demais propriedades, bem como as propriedades eletroquímicas que regem o comportamento da geração de energia elétrica na bateria. Foram realizadas análises de porosidade, de dureza, de microestrutura, assim como, medidas de potencial de circuito aberto (potencial estabelecido espontaneamente na superfície do metal em contato com o ambiente) e medidas de polarização potenciodinâmica (potencial de corrosão e densidade de corrente de corrosão do material), para avaliar a aplicação da liga AZ91 em baterias de magnésio. A fim de apresentar a pesquisa realizada, este trabalho está dividido em seis partes, incluindo a presente introdução; os objetivos; a revisão bibliográfica, composta pelas definições de acumuladores de energia elétrica, informações referentes ao magnésio e pelos conceitos de baterias magnésio ar; os procedimentos experimentais; a conclusão; e, finalmente, as sugestões para trabalhos futuros. 21

23 2. OBJETIVO O objetivo deste trabalho é realizar uma caracterização da liga de magnésio AZ91 para aplicação em baterias de magnésio ar. Para isto, desenvolveram-se ensaios experimentais, para obter a caracterização mecânica e eletroquímica da amostra, avaliando-se o uso desta liga para aplicações futuras em baterias magnésio ar. Os principais objetivos específicos são: Analisar a porosidade, a dureza e a microestrutura da liga. Medir o potencial de circuito aberto na célula eletroquímica de três eletrodos Analisar as curvas de polarização potenciodinâmica, verificando a ocorrência de fenômenos de passivação e corrosão do material, por meio do potencial de corrosão e da densidade de corrente de corrosão, relacionando-se à aplicação da liga em baterias de metal ar. 22

24 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Neste capítulo são apresentados os principais conceitos, envolvendo os acumuladores de energia, bem como as principais informações referentes à produção, refino, corrosão e reciclagem do magnésio. Em seguida, apresenta-se a definição de bateria de magnésio ar, um tipo específico de acumulador de energia que é o objeto de estudo do presente trabalho Energia Acumuladores e Sistemas Elétricos A eletricidade, assim como outras commodities como o gás, o aço e a água, é difícil de armazenar. Com as oscilações na sua demanda, que podem ser durante o dia ou ao longo dos meses do ano, a demanda máxima é atingida apenas algumas horas por ano (VILLAR, 2010). Simultaneamente, com a crescente escassez de energia utilizável, novas fontes energéticas mais eficientes estão sendo desenvolvidas (HUAN; ZHU; SHEN, 2012). Essas constatações são algumas das principais razões para que os sistemas de geração de eletricidade sejam construídos para operar de forma que a produção sempre corresponda ao consumo. Assim, a geração deve estar sempre pronta para atender a demanda máxima, mesmo que esta ocorra em pequenos períodos. Com isso, diversas usinas elétricas são subutilizadas, diminuindo a eficiência do sistema, e a produção de eletricidade é centralizada, ficando geralmente afastada dos grandes centros consumidores (LINDEN, 2006). O fato da geração estar longe da demanda também acarreta perdas com a transmissão e possíveis falhas no abastecimento, uma vez que o caminho a ser percorrido até os consumidores é grande e exige constantes manutenções no sistema. Por outro lado, a sociedade tornou-se dependente do consumo de energia elétrica para a produção de bens e serviços, tanto na automação industrial, como no armazenamento e processamento de dados, e também nos sistemas modernos de telecomunicações. Esta necessidade, segundo Dalkaine et al. (2006), não permite que falhas no fornecimento sejam toleradas. O autor cita como exemplos os hospitais, bancos e até as centrais telefônicas, que são compostas por grandes sistemas informatizados que dependem fortemente de energia de boa qualidade e, principalmente, sem sofrer interrupções, já que estas podem causar graves prejuízos (perdas econômicas, materiais e até mesmo humanas). Segundo Baxter (2002), o uso de SAEs pode desacoplar a demanda da produção isolada e ajudar a vencer alguns desafios, como melhorar a baixa utilização das fontes de alimentação, aliviar o congestionamento nas redes de distribuição, melhorar o mercado de 23

25 geração de energias renováveis e prevenir perdas na qualidade da energia entregue ao consumidor, que segundo Deckmann e Pomilio (2010), pode ser entendida como uma medida de quão bem a energia elétrica pode ser utilizada pelos consumidores, incluindo características como continuidade de suprimento e conformidade com os parâmetros desejáveis para a operação segura. O uso de SAEs pode ser associado aos sistemas de geração tradicionais em larga escala. Desta forma, o sistema tradicional deve ser projetado para possuir uma capacidade de geração que atenda a demanda média, enquanto que o sistema acumulador fornece eletricidade nos momentos de picos. Esta configuração aumenta a eficiência do processo, uma vez que reduz a necessidade de centrais com capacidade instalada muito superior à demanda média. A Figura 1 demonstra o funcionamento dos SAEs em conjunto com a indústria de energia elétrica. Figura 1 Acumuladores de energia na indústria de energia elétrica Fonte: Adaptado de Baxter (2002) O uso de SAEs em larga escala, como esquematizado na Figura 1, pode evitar alguns problemas, como o blackout ocorrido no Brasil em Novembro de 2009, que afetou mais de 60 milhões de pessoas e trouxe diversos prejuízos. As vantagens decorrentes do uso incluem maior eficiência do sistema, maior segurança, uso otimizado dos recursos, menores emissões de poluentes, entre outros. Ainda no contexto brasileiro, os dados da Empresa de Pesquisa Energética (2013) apontam que em 2012 a geração de energia elétrica no Brasil atingiu 552,5 TWh, 3,9% superior ao de A fonte principal é a hidrelétrica e a oferta interna foi de 592,8 TWh, levando-se em conta a importação de 40,3 TWh. No entanto, o consumo final foi de 498,4 TWh. 24

26 Segundo Tolmasquim (2011), é importante ressaltar que a geração e o consumo são fenômenos físicos, enquanto que a comercialização é um fenômeno contratual e contábil que possui um lastro (garantia física que cada gerador pode comprometer nos seus contratos de compra e venda de energia) e diferenças entre a demanda e a oferta podem ocorrer em virtude disso. Outro fator, já mencionado anteriormente, é o excesso de produção em contrapartida com a demanda, que oscila periodicamente. A seguir serão detalhadas as definições de acumuladores de energia, assim como a de bateria, que é um tipo especifico de acumulador Acumuladores de energia Existem diversas definições de acumuladores de energia, que englobam diferentes aplicações, no entanto, nesse trabalho o foco é nos denominados Sistemas Acumuladores de Energia Elétrica (SAEEs) ou, do inglês, Electrical Energy Storage Systems (EESSs). De acordo com Chen et al. (2009), a história dos SAEs começou no início do século XX, com sistemas que eram capazes de estocar energia elétrica na forma de cargas e eram descarregados conforme a necessidade. Neste período, as estações de energia eram desligadas durante a noite e os acumuladores de chumbo-ácido supriam a demanda das residências com redes de corrente contínua. Segundo Suberu, Mustafa e Bashir (2014), existem quatro tipos de dispositivos acumuladores de energia, sendo (1) os mecânicos (como o caso da hidrelétrica reversível), (2) os elétricos (capacitores, supercapacitores), (3) os químicos (termoquímicos e eletroquímicos), (4) e os térmicos (sistemas acumuladores de altas e baixas temperaturas). Chen et al. (2009) afirmam que, como a eletricidade não é facilmente armazenada, ela pode ser acumulada nessas outras formas e convertida de volta quando necessário. A Tabela 1 apresenta os principais tipos de acumuladores e alguns exemplos com base na forma de armazenamento. Tabela 1 Tecnologias de acumulação forma de armazenamento Tipo de armazenamento (Acumuladores de energia) Elétrica Mecânica Química Térmica Descrição e exemplos Acúmulo de energia eletrostática por meio de capacitores, supercapacitores, supercondutores magnéticos Acumuladores de energia cinética e potencial, como as hidrelétricas reversíveis (PHS) Energia eletroquímica (as tradicionais baterias, como chumbo-ácido, células combustíveis, baterias metal-ar, energia termoquímica) Armazenamento de energia em baixas temperaturas e altas temperaturas Fonte: Elaborado a partir de Chen et al. (p. 294, 2009) 25

Sistemas de Armazenamento de Energia

Sistemas de Armazenamento de Energia Sistemas de Armazenamento de Energia (Storage Systems) Prof. Marcello Mezaroba Novembro 2012 Objetivos: Assegurar a confiabilidade do sistema elétrico; Melhoria da qualidade da energia fornecida; Integração

Leia mais

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica CREEM 2005 O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO MSc. Paulo F. P. Ferreira Lab. de Hidrogênio - Unicamp O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO Premissa

Leia mais

Corrosão Eletroquímica. Sumário 21 - Baterias e Corrosão. Definições e características Baterias primárias. Baterias secundárias

Corrosão Eletroquímica. Sumário 21 - Baterias e Corrosão. Definições e características Baterias primárias. Baterias secundárias Sumário 21 - Baterias e Corrosão Definições e características Baterias primárias Baterias de Leclanché (pilhas secas) Baterias Alcalinas Baterias de Lítio Baterias secundárias Baterias de chumbo Baterias

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Aluno: Julys Pablo Atayde Fernandes Células a Combustível:

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

ELETROQUÍMICA (Parte II)

ELETROQUÍMICA (Parte II) ELETROQUÍMICA (Parte II) I ELETRÓLISE A eletrólise é um processo de oxirredução não espontâneo, em que a passagem da corrente elétrica em uma solução eletrolítica (solução com íons), produz reações químicas.

Leia mais

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Energia para realizar reações químicas: eletrólise do iodeto de potássio aquoso Existem reações químicas não espontâneas, mas que são realizadas com rapidez

Leia mais

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL 198 Conteúdo 1 Pilha de combustível... 199 1.1 O que é um elemento a combustível... 199 1.2 Princípio de funcionamento... 200 1.3 Tipos básicos de elementos a combustível...

Leia mais

Baterias de Chumbo. A A bateria de chumbo-ácido cido foi inventada por. período que remonta aos primórdios rdios das células galvânicas.

Baterias de Chumbo. A A bateria de chumbo-ácido cido foi inventada por. período que remonta aos primórdios rdios das células galvânicas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E DA NATUREZA-CCEN DEPARTAMENTO DE QUIMICA Disciplina: FísicoF sico-química II Professora: Claudia Braga BATERIAS DE CHUMBO ALUNO: RONALDO

Leia mais

Aula 5_2. Corrente Elétrica Circuitos CC Simples. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5

Aula 5_2. Corrente Elétrica Circuitos CC Simples. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5 Aula 5_2 Corrente Elétrica Circuitos CC Simples Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5 Conteúdo Corrente elétrica e energia dissipada Fem real e receptor Potência elétrica Acoplamento

Leia mais

Fátima Sarmento, professora de Química da turma 12CT3/ 2011-2012. Escola Secundária Francisco de Holanda

Fátima Sarmento, professora de Química da turma 12CT3/ 2011-2012. Escola Secundária Francisco de Holanda Título do Vídeo: Redox Fotogénica Nome dos participantes: João Ribeiro,12CT3 João Paulo Fernandes, 12CT3 Pedro Faria,12CT3 Sandra Durães,12CT3 Sara Neves, 12CT3 Professor responsável: Fátima Sarmento,

Leia mais

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil Introdução As baterias estão em todos os lugares, carros, computadores, laptops, MP3 players e telefones celulares.

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

GERADOR ELECTROQUÍMICO:

GERADOR ELECTROQUÍMICO: CARACTERÍSTICAS DE UMA PILHA A expressão corrente pilha eléctrica designa um gerador electroquímico não recarregável. GERADOR ELECTROQUÍMICO: Um gerador electroquímico é um dispositivo capaz de transformar

Leia mais

Química experimental - Unidade mestra para química geral e eletroquímica - Volume 2 - Físico-química - EQ102A.

Química experimental - Unidade mestra para química geral e eletroquímica - Volume 2 - Físico-química - EQ102A. Autores: Luiz Antonio Macedo Ramos e Rosane Bittencourt Wirth. - Revisor: Leandro dos Santos Silveira - Direitos autorais reservados Índice Remissivo... 4 9999.994... 6 Instruções para o professor....6

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

Estudo das características de baterias recarregáveis possíveis de serem utilizadas no projeto Satélite Universitário, ITASAT

Estudo das características de baterias recarregáveis possíveis de serem utilizadas no projeto Satélite Universitário, ITASAT 1 Estudo das características de baterias recarregáveis possíveis de serem utilizadas no projeto Satélite Universitário, ITASAT Rafael Heleno Ladeira da Trindade Departamento de Engenharia Elétrica, Escola

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO Responsável pelo Projeto Luiz Augusto de Noronha Mendes FPT Industrial RESUMO Este trabalho apresenta um estudo sobre o

Leia mais

Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade em Diferentes Setores

Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade em Diferentes Setores Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade em Diferentes Setores PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE UMA PLANTA A CÉLULAS A COMBUSTÍVEL PARA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA NOS HORÁRIOS DE PICO DE DEMANDA PROJECT

Leia mais

Vida Útil de Baterias Tracionárias

Vida Útil de Baterias Tracionárias Vida Útil de Baterias Tracionárias Seção 1 Introdução. Seção 2 Vida Útil Projetada. ÍNDICE Seção 3 Fatores que Afetam a Vida Útil da Bateria. Seção 3.1 Problemas de Produto. Seção 3.2 Problemas de Manutenção.

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Reações Químicas Reações Químicas DG O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças químicas, onde ocorre a conversão de uma substância, ou mais, em outras substâncias. A + B REAGENTES C +

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Corrente Elétrica Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio

Leia mais

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Os metais alcalinos, ao reagirem com água, produzem soluções dos respectivos hidróxidos e gás hidrogênio. Esta tabela apresenta

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

Tecnologias de Produção de Hidrogênio

Tecnologias de Produção de Hidrogênio Programa de Pós-Graduação em Bioenergia Tecnologias de Produção de Hidrogênio Prof. Helton José Alves Palotina, 19/05/14 O HIDROGÊNIO - Elemento mais abundante do universo (95% em número de átomos e 75%

Leia mais

FCJJ-30. Kit de Mobilidade Elétrica. Descrição do Produto. Destaques. Atividades e Experiências. Experiências com Energia Solar. Kit Opcional FCH-024

FCJJ-30. Kit de Mobilidade Elétrica. Descrição do Produto. Destaques. Atividades e Experiências. Experiências com Energia Solar. Kit Opcional FCH-024 FCH-024 Kit de Mobilidade Elétrica FCJJ-30 Kit Opcional Descrição do Produto O kit educacional de Mobilidade Elétrica é o mais versátil do mercado com um chassis flexível onde diferentes tecnologias de

Leia mais

Bateria de íon-lítio Evolion. Solução ultra-compacta comprovada da Saft para aplicações de telecomunicações

Bateria de íon-lítio Evolion. Solução ultra-compacta comprovada da Saft para aplicações de telecomunicações Bateria de íon-lítio Evolion Solução ultra-compacta comprovada da Saft para aplicações de telecomunicações Saft: Fornecendo energia para instalações de telecomunicações atuais A Saft tem uma gama completa

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento em Células a Combustível

Pesquisa e desenvolvimento em Células a Combustível Pesquisa e desenvolvimento em Células a Combustível Fábio Bellot Noronha Instituto Nacional de Tecnologia Laboratório de Catálise Sumário ❶ Revisão da Tecnologia de célula a combustível Descrição da tecnologia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos

As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos 3. Níquel Hidreto Metálico (NiMH) Ânodo: composto intermetálico capaz de se ligar ao H. Cátodo: NiOOH. Electrólito alcalino, li geralmente KOH. Pode ter 2 a 3

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis

Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis Green Synthetic Fuel / Luís Guerra Conteúdos Conceito

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

Pilha de moedas. Introdução. Materiais Necessários

Pilha de moedas. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A pilha eletroquímica é um sistema constituído por anodo (eletrodo de oxidação), catodo (eletrodo de redução), eletrólito (condutor iônico) e condutor metálico (condutor de corrente

Leia mais

Resumos. 1) Aula L1 - O Lixo e Conceitos Químicos a. Aulas. 1) Aula L1 - Lixo e Conceitos Gerais. 2) Aula L2 - Estados Físicos da Matéria

Resumos. 1) Aula L1 - O Lixo e Conceitos Químicos a. Aulas. 1) Aula L1 - Lixo e Conceitos Gerais. 2) Aula L2 - Estados Físicos da Matéria Resumo Teórico 1 Fala Gás Nobre! Tudo bem? Já assistimos todos os vídeos sobre o Lixo. Estamos cada vez mais próximos do sucesso. Por isso quero te entregar esse material que contém o resumo das aulas

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

- O movimento ordenado de elétrons em condutores

- O movimento ordenado de elétrons em condutores MATÉRIA: Eletrotécnica MOURA LACERDA CORRENTE ELÉTRICA: - O movimento ordenado de elétrons em condutores Os aparelhos eletro-eletrônicos que se encontram nas residências precisam de energia elétrica para

Leia mais

Sistemas de Engenharia - Automação e Instrumentação Grupo 1 2012/2013

Sistemas de Engenharia - Automação e Instrumentação Grupo 1 2012/2013 Sistemas de Engenharia - Automação e Instrumentação Grupo 1 2012/2013 Estado de Arte Sistemas de Armazenamento de Energia Elaborado por: Afonso Lopes Rui Marcelino Indíce 1. Introdução...

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - O Gerador Elétrico

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - O Gerador Elétrico CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo: - O Gerador Elétrico CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: - Aprender como funciona o gerador elétrico

Leia mais

DEFINIÇÕES. Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87);

DEFINIÇÕES. Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87); DEFINIÇÕES Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87); Bateria: conjunto de pilhas ou acumuladores recarregáveis interligados

Leia mais

21814. (Ufg) Observando a tira, responda:

21814. (Ufg) Observando a tira, responda: 17054. (Unesp) As baterias dos automóveis são cheias com solução aquosa de ácido sulfúrico. Sabendo-se que essa solução contém 38% de ácido sulfúrico em massa e densidade igual a 1,29g/cm, pergunta-se:

Leia mais

A resposta correta deve ser a letra B.

A resposta correta deve ser a letra B. ITA - 1999 1- (ITA-99) Assinale a opção CORRETA em relação à comparação das temperaturas de ebulição dos seguintes pares de substâncias: a) Éter dimetílico > etanol; Propanona > ácido etanóico; Naftaleno

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUESTÃO 01 Um estudante listou os seguintes processos como exemplos de fenômenos que envolvem reações químicas: I adição de álcool à gasolina. II fermentação da massa

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão.

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão. QUÍMICA QUESTÃ 01 Aparelhos eletrônicos sem fio, tais como máquinas fotográficas digitais e telefones celulares, utilizam, como fonte de energia, baterias recarregáveis. Um tipo comum de bateria recarregável

Leia mais

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura Geração de Energia Elétrica a partir de Combustível Inovador Proveniente da Conversão a Baixa Temperatura de Biomassas e Resíduos e Análise de Desempenho em Motores R.G. Pereira 1 ; G. A. Romeiro 2 ; R.

Leia mais

Programa 787 Sistema Elétrico e Baterias

Programa 787 Sistema Elétrico e Baterias Programa 787 Sistema Elétrico e Baterias Mike Sinnett Vice-president & Engenheiro Chefe de Projeto Programa 787 Fevereiro 2013 1 Welcome Sistemas elétricos de uma aeronave Sistema elétrico do 787 Dreamliner

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

a) Qual a configuração eletrônica do cátion do alumínio isoeletrônico ao gás nobre neônio?

a) Qual a configuração eletrônica do cátion do alumínio isoeletrônico ao gás nobre neônio? Questão 1: O Brasil é o campeão mundial da reciclagem de alumínio, colaborando com a preservação do meio ambiente. Por outro lado, a obtenção industrial do alumínio sempre foi um processo caro, consumindo

Leia mais

Resistores e Associação de Resistores

Resistores e Associação de Resistores Parte I Resistores e Associação de Resistores 1. (Ufmg 2012) Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: c) 8. d) 12. e) 15. 4. (Ufu 2011)

Leia mais

1 st Workshop fromthecreationproject in Research LinesofExcellence Covilhã, 18 de Novembro de 2013

1 st Workshop fromthecreationproject in Research LinesofExcellence Covilhã, 18 de Novembro de 2013 1 st Workshop fromthecreationproject in Research LinesofExcellence Covilhã, 18 de Novembro de 2013 Pedro Serra Sabrina Guia António Espírito Santo António Albuquerque 1 st Workshop fromthecreationproject

Leia mais

Curso Prático de Células a Combustível de Hidrogênio

Curso Prático de Células a Combustível de Hidrogênio Curso Prático de Células a Combustível de Hidrogênio Dia 10 de Fevereiro de 2012 em Curitiba-PR. Público alvo: Estudantes de engenharia/química/física Empresas dos setores de energia portátil, mobilidade

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA UFJF CNCURS VESTIBULAR 2011-2 GABARIT DA PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA Questão 1 Sabe-se que compostos constituídos por elementos do mesmo grupo na tabela periódica possuem algumas propriedades químicas semelhantes.

Leia mais

Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente

Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Desenvolvimento de uma Bomba Elétrica de Combustível Flex com foco na Eficiência Responsáveis pelo Projeto (Erwin Franieck, Celso Favero, Lazaro Melo, Rafael

Leia mais

Eletroquímica & Eletrólise

Eletroquímica & Eletrólise Eletroquímica & Eletrólise A eletroquímica abrange todos os processos químicos que envolvem transferência de elétrons. Quando um processo químico ocorre, produzindo transferência de elétrons, é chamado

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Corrente Elétrica. e a carga máxima armazenada em suas

Corrente Elétrica. e a carga máxima armazenada em suas Corrente Elétrica 1. (G1 - cftmg 2013) O meio que conduz melhor a eletricidade é a(o) a) ar, devido à facilidade de propagar o relâmpago. b) metal, porque possui maior número de cargas livres. c) plástico,

Leia mais

Considerando-se as propriedades da matéria e a partir da analise das curvas de aquecimento I e II, é correto afirmar:

Considerando-se as propriedades da matéria e a partir da analise das curvas de aquecimento I e II, é correto afirmar: 2 EXERCÍCIOS Fala Gás Nobre, está na hora de reagir! Essa é uma lista complementar, os exercícios aqui contidos irão ajudá-lo a treinar um pouco mais e aprofundar nos temas. Ao contrário a lista L1, essa

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo.

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. QUÍMICA As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

De onde vêm as lágrimas?

De onde vêm as lágrimas? De onde vêm as lágrimas? É toda substância que, em solução aquosa, sofre dissociação, liberado pelo menos um cátion diferente de H + e um ânion diferente de OH -. a) Presença de oxigênio b) Sal não oxigenado

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Smart Grid - Redes Inteligentes Anderson D. Carvalho, Helionay F. Rocha, Jeiza P. Bittencourt, Jéssica M. Ribeiro, Luiz F. Rocha, Wellerson C. Leite, Vinicius M. Pacheco. Centro Universitário

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

Baterias estacionárias Saft. Uma ampla gama de soluções confiáveis e de longa duração

Baterias estacionárias Saft. Uma ampla gama de soluções confiáveis e de longa duração Baterias estacionárias Saft Uma ampla gama de soluções confiáveis e de longa duração Baterias estacionárias Saft, soluções com as quais você pode contar Fornecemos uma grande variedade de tecnologias e

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

Capacitores. 1. Introdução

Capacitores. 1. Introdução Capacitores 1. Introdução 2. Tipos de Capacitores 3. Capacitores e suas marcações 4. Capacitores de cerâmica multicamadas 5. Capacitores de poliéster metalizado 6. Capacitores de tântalo 7. Capacitores

Leia mais

DANIEL GABRIEL LOPES Doutorando em Planejamento de Sistemas Energéticos Faculdade de Engenharia Mecânica UNICAMP. danielg@fem.unicamp.

DANIEL GABRIEL LOPES Doutorando em Planejamento de Sistemas Energéticos Faculdade de Engenharia Mecânica UNICAMP. danielg@fem.unicamp. ANÁLISE PRELIMINAR PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA HÍBRIDO SOLAR-EÓLICO COM ARMAZENAMENTO DA ENERGIA ELÉTRICA GERADA ATRAVÉS DE HIDROGÊNIO ELETROLÍTICO E CÉLULA A COMBUSTÍVEL DANIEL GABRIEL LOPES Doutorando

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

TIPOS DE REAÇÕES QUÍMICAS MATERIAL RETIRADO PARCIALMENTE OU NA INTEGRA DE LISTAS DE EXERCÍCIOS ENCONTRADAS NA INTERNET

TIPOS DE REAÇÕES QUÍMICAS MATERIAL RETIRADO PARCIALMENTE OU NA INTEGRA DE LISTAS DE EXERCÍCIOS ENCONTRADAS NA INTERNET TIPOS DE REAÇÕES QUÍMICAS MATERIAL RETIRADO PARCIALMENTE OU NA INTEGRA DE LISTAS DE EXERCÍCIOS ENCONTRADAS NA INTERNET 1. Unifor-CE O metal potássio reage vigorosamente com água, produzindo hidrogênio

Leia mais

SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística

SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística 13 de abril de 2009 1 O Papel da Tecnologia para o Futuro da GM Jaime Ardila Presidente, GM do Brasil & Operações Mercosul 2 O Papel da Tecnologia

Leia mais

2. Observe as figuras a seguir sobre a formação das brisas marítima e terrestre.

2. Observe as figuras a seguir sobre a formação das brisas marítima e terrestre. Simulado Modelo ENEM 3ª Séries 1. Segundo a lenda, Ícaro, desobedecendo às instruções que recebera, voou a grandes alturas, tendo o Sol derretido a cera que ao seu corpo colava as asas, assim provocando

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Avaliação da Utilização de Pilhas a Combustível no Segmento de Eletroeletrônicos Portáteis: uma Proposta de Análise de Oportunidades e Barreiras para Inovações com Base no Conhecimento Científico Gilberto

Leia mais

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos Curso de Física Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina Sumário 1. O Poder das Pontas; 2. Blindagem eletrostática; 3. Capacitores e suas aplicações; 4. Resistores; 5.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES Luis Thiago Panage Conelheiro 1, Arquimedes Luciano 2 RESUMO: Uma grande

Leia mais

Figura 1: Disponível em: http://3.bp.blogspot.com/-a3v8ofbk0k0/tyxbs6h5l8i/ AAAAAAAAAGo/eEZ-PJDZJlg/s1600/Charge.jpg acesso em 20/10/2014 ás 19:00 h

Figura 1: Disponível em: http://3.bp.blogspot.com/-a3v8ofbk0k0/tyxbs6h5l8i/ AAAAAAAAAGo/eEZ-PJDZJlg/s1600/Charge.jpg acesso em 20/10/2014 ás 19:00 h TÍTULO: Recarregando a energia MOTIVAÇÃO 1: Figura 1: Disponível em: http://3.bp.blogspot.com/-a3v8ofbk0k0/tyxbs6h5l8i/ AAAAAAAAAGo/eEZ-PJDZJlg/s1600/Charge.jpg acesso em 20/10/2014 ás 19:00 h MOTIVAÇÃO

Leia mais

PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio NOMENCLATURA Pilha: dispositivo constituído unicamente de dois eletrodos e um eletrólito, arranjados de maneira a

Leia mais