PESAGEM DE PREGOS EM BALANÇA ANALÍTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESAGEM DE PREGOS EM BALANÇA ANALÍTICA"

Transcrição

1 ATENÇÃO: Não sou o detentor dos direitos e também não tenho a intenção de violá-los de nenhuma imagem, exemplo prático ou material de terceiros que porventura venham a ser utilizados neste ou em qualquer outro material. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E EXATAS CURSO DE FARMÁCIA PESAGEM DE PREGOS EM BALANÇA ANALÍTICA Relatório apresentado ao professor Rodrigo, ministrante da disciplina Físico-Química, para obtenção de nota parcial referente ao terceiro semestre letivo de JEQUIÉ BAHIA OUTUBRO

2 SUMÁRIO 1. Introdução Objetivos Materiais Utilizados Procedimentos Experimentais Discussão e Resultados Conclusão Referências Bibliográficas

3 INTRODUÇÃO A Estatística ou métodos estatísticos, como é chamada algumas vezes, nasceu com os negócios do Estado, daí seu nome. Mas, hoje, sua influência pode ser encontrada nas mais diversas atividades: agricultura, biologia, comércio, química, comunicações, economia, educação, medicina, ciências políticas e muitas outras. A Estatística se interessa pelos métodos científicos para coleta, organização, resumo, apresentação e análise de dados, bem como na obtenção de conclusões válidas e na tomada de decisões razoáveis baseadas em tais análises. Algumas vezes, o termo Estatística é empregado para designar os próprios dados ou números, por exemplo, estatística de empregos, de acidentes etc. Sabe-se que existem diferenças entre análises obtidas pelos indivíduos, no qual essas apresentam variações de um momento para outro. Em vista disso, é necessário saber qual o grau de confiabilidade de seus resultados, se poderiam ter sido obtidos por acaso, se a associação observada entre as variáveis é real, se o método de seleção de indivíduos foi adequado, se a análise dos dados empregou os métodos adequados às variáveis estudadas. Todas essas questões podem ser respondidas com o auxílio da estatística. A estatística é uma ciência que estuda e pesquisa sobre: o levantamento de dados com a máxima quantidade de informação possível para um dado custo; o processamento de dados para a quantificação da quantidade de incerteza existente na resposta para um determinado problema; a tomada de decisões sob condições de incerteza, sob o menor risco possível De fato, a estatística tem sido utilizada na pesquisa científica para aproveitar o máximo os recursos econômicos, para o aumento da qualidade e produtividade, na otimização em análise de decisões, em questões judiciais, previsões e em muitas outras áreas. 3

4 OBJETIVOS Geral: A partir de dados estatísticos, calcular a massa dos pregos; Específico: Desenvolver a capacidade de tratamento de dados. MATERIAIS UTILIZADOS Pregos de diferentes tamanhos; Balança semi-analítica; Balança analítica PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS Pegou-se 15 pregos pequenos, médios e grandes; Em uma balança analítica e uma semi-analítica, determinou-se a massa em gramas dos pregos; A partir de recursos estatísticos calculou-se a média, desvio padrão, desvio padrão relativo, intervalo de confiança e teste Q; A partir dos cálculos feitos analisou-se a precisão e exatidão dos dados coletados. RESULTADOS E DISCUSSÕES Teste Q realizado com 90% de confiança; valor tabelado de Q = 0,412; Intervalo de confiança com 90% e 95% de confiança; Grau de liberdade 14 (valores utilizados entre 10 e 15 1,81 + 1,75 = 1,78 (90%) e 2,23 + 2,13 = 2,18 (95%); Cálculos Estatísticos: Média = = 4

5 Desvio padrão = S = Desvio Padrão Relativo = S r = S / Teste Q = [valor suspeito - valor mais próximo] / [maior valor menor valor] Intervalo de confiança = µ = ± t x S / N Tabela 1.0 Massa (g) dos pregos com diferentes tamanhos: Pequeno Médio Grande 0,181 1,394 4,959 0,182 1,400 4,963 0,189 1,407 4,975 0,192 1,407 4,978 0,193 1,410 4,981 0,193 1,412 4,984 0,194 1,427 4,990 0,196 1,432 4,992 0,196 1,443 4,994 0,197 1,449 5,001 0,198 1,478 5,006 0,199 1,519 5,007 0,200 1,533 5,020 0,200 1,535 5,053 0,200 1,560 5,078 Tabela 2.0 Pregos pequenos 5

6 Classe Fi PM Fi x PM Fac 0,181I---0, ,183 0, ,185I---0, , ,189I---0, , 191 0, ,193I---0, , 195 0, ,197I---0, , 199 1, , Tabela 3.0 Pregos médios Classe Fi PM Fi x PM Fac 1,394I---1, ,410 8,46 6 1,427I---1, ,443 5, ,460I---1, ,476 1, ,493I---1, ,509 1, ,526I---1, ,542 3, ,876 - Tabela 4.0 Pregos grandes Classe Fi PM Fi x PM Fac 4,959 I 4, ,971 24, ,983 I 5, ,995 29, ,007 I 5, ,019 10, ,031I 5, ,043 5, ,055I 5, ,067 5,

7 Prego pequeno Média = 2,917 / 15 0,194 Desvio padrão (S)= 0,00603 Desvio Padrão Relativo (DPR) = S r 0,00603 / 0,194 = 0,0311 Teste Q = [0,189-0,182] / [0,200-0,181] 0,368 Q calculado < Q tabelado 0,368 <0,412; aceita-se o valor suspeito Intervalo de confiança: 90 % de confiança IC = µ = 0,194 ± 1,78 x 0,00603 / 15 IC = 0,194 ± 0, % de confiança IC = µ = 0,194 ± 2,18 x 0,00603 / 15 IC = 0,194 ± 0,00339 Prego médio Média = 21,876/ 15 1,453 Desvio padrão (S) = 0,0566 Desvio Padrão Relativo (DPR) = S r 0,0566 / 1,453 = 0,0389 Teste Q = [1,560-1,535] / [1,560-1,394] 0,0150 Q calculado < Q tabelado 0,0150< 0,412; aceita-se o valor suspeito Intervalo de confiança: 90 % de confiança IC = µ = 1,453 ± 1,78 x 0,0566 / 15 IC = 1,453 ±0, % de confiança IC = µ =1,453 ± 2,18 x 0,0566/ 15 7

8 IC = 1,453 ± 0,0318 Prego grande Média = 74,981/ 15 4,999 Desvio padrão (S) = 0,0319 Desvio Padrão Relativo (DPR) = S r 0,0319 / 4,999 = 0,0638 Teste Q = [5,078-5,053] / [5,078-4,959] 0,210 Q calculado < Q tabelado 0,210 < 0,412; aceita-se o valor suspeito Intervalo de confiança: 90 % de confiança IC = µ = 4,999 ± 1,78 x 0,0319 / 15 IC = 4,999 ±0, % de confiança IC = µ =4,999 ± 2,18 x 0,0319/ 15 IC = 4,999 ± 0,0179 Balança 2. Tabela 5.0 Massa (g) dos pregos com diferentes tamanhos: Pequeno Médio Grande 0,1812 1,3942 4,9595 0,1824 1,4008 4,9638 0,1895 1,4070 4,9751 0,1926 1,4074 4,9787 0,1933 1,4103 4,9811 0,1937 1,4122 4,9848 0,1943 1,4276 4,9905 0,1963 1,4433 4,9926 0,1969 1,4324 4,9949 8

9 0,1977 1,4491 5,0017 0,1982 1,4786 5,0064 0,1991 1,5194 5,0074 0,2000 1,5333 5,0207 0,2004 1,5356 5,0537 0,2008 1,5607 5,0784 Teste Q = [0,1895-0,1824] / [0,2008-0,1812] 0,3622 Teste Q = [1,5607-1,5356] / [1,5607-1,3942] 0,1507 Teste Q = [5,0784-5,0537] / [5,0784-4,9595] 0,2077 Tabela 6.0 Pregos pequenos Classe Fi PM Fi x PM Fac 0,1812I---0, ,1831 0, ,1851I---0, ,1871 0, ,1891I---0, ,1911 0, ,1931I---0, ,1951 0, ,1971I---0, , Tabela 7.0 Pregos médios Classe Fi PM Fi x PM Fac 1,3942I---1, , ,4275I---1, , ,4608I---1, ,4774 1, ,4941I---1, ,5107 1, ,5274I---1,5607 1,5607I--1, , , ,6958 9

10 Prego pequeno Média = 2,9164 / 15 0,1944 Desvio padrão (S)= 6,0520x10-3 Desvio Padrão Relativo (DPR) = S r 6,0520x10-3 / 0,1944 = 0,03113 Teste Q = [0,1895-0,1824] / [0,2008-0,1812] 0,3622 Q calculado < Q tabelado 0,362 <0,412; aceita-se o valor suspeito Intervalo de confiança: 90 % de confiança IC = µ = 0,1944 ± 1,78 x 0, / 15 IC = 0,1944 ± 0, % de confiança IC = µ = 0,1944 ± 2,18 x 0, / 15 IC = 0,1944 ± 0, Prego médio Média = 21,8119 / 15 1,4541 Desvio padrão (S) = 0,05666 Desvio Padrão Relativo (DPR) = S r 0,05666 / 1,4541 = 0,3896 Teste Q = [1,5607-1,5356] / [1,5607-1,3942] 0,1507 Q calculado < Q tabelado 0,2450< 0,412; aceita-se o valor suspeito Intervalo de confiança: 90 % de confiança IC = µ = 1,4541 ± 1,78 x 0,05666 / 15 IC = 1,4541 ±0, % de confiança IC = µ =1,4541 ± 2,18 x 0,05666/ 15 10

11 IC = 1,4541 ± 0,03189 Prego grande Média = 74,9893/ 15 4,9992 Desvio padrão (S) = 0,03190 Desvio Padrão Relativo (DPR) = S r 0,03190 / 4,9992 = 0, Teste Q = [5,0784-5,0537] / [5,0784-4,9595] 0,2077 Q calculado < Q tabelado 0,2077 < 0,412; aceita-se o valor suspeito Intervalo de confiança: 90 % de confiança IC = µ = 4,9992 ± 1,78 x 0,03190 / 15 IC = 4,9992 ±0, % de confiança IC = µ =4,9992 ± 2,18 x 0,03190/ 15 IC = 4,9992 ± 0,01795 Inicialmente pesou-se amostras de 15 pregos pequenos, 15 médios e 15 grandes a partir de uma balança analítica e uma semi-analítica. A partir dos dados coletados relacionados a massa dos pregos foram feitos os cálculos estatísticos: média, desvio padrão, desvio padrão relativo, intervalo de confiança e teste Q. Para os pregos pequenos, encontrou-se uma média de 0,194g para a balança 1, e 0,1944g para a balança 2, observa-se que a diferença entre elas está na precisão, em que uma registra uma casa decimal a mais. O desvio padrão foi menor para a balança 1, e os valores do IC, tanto 90 como 95% também foram maiores para a balança 1. Para os pregos médios Os erros cometidos não podem ser afirmados como de inteira responsabilidade dos alunos, pois durante o processo de fabricação dos pregos podem ter ocorrido problemas ligados à pesagem da 11

12 massa específica dos diferentes tamanhos de pregos utilizados. No que diz respeito à precisão e exatidão dos resultados encontrados foi de fundamental importância o cuidado minucioso da análise feita tão quanto o manuseio correto da balança analítica evitando eventuais processos de erros relevantes para uma observação correta dos resultados encontrados. CONCLUSÃO A partir da realização dessa prática, e dos testes estatísticos, foi possível avaliar as diferentes massas de pregos (levando em consideração o seu peso), e assim inferir que os valores obtidos apresentam precisão, mas são inexatos; e que a precisão é maior na balança analítica que na semi-analítica. 12

13 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FONSECA, Jairo Simon; ANDRADE, Gilberto Matos. Curso de Estatística, 6ª edição. SKOOG WEST HOLLER CROUCH. Fundamentos de Química Analítica, editora Thomson. 13

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Introdução à Análise Química QUI 094 1 semestre 2012 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução

Leia mais

Aula ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS

Aula ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS METAS Apresentar os algarismos significativos e operações que os envolvem; apresentar os conceitos de precisão e exatidão; apresentar os tipos de erros experimentais; apresentar

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

Algarismos Significativos

Algarismos Significativos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA QUÍMICA FUNDAMENTAL A - QUI-01-009 Algarismos Significativos ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Os algarismos significativos

Leia mais

PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES

PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEIO AMBIENTE E DES. SUSTENTÁVEL CET-0303 QUÍMICA APLICADA PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Neste capitulo será feita uma breve explanação da metodologia de pesquisa que serviu de fundamentação às definições apresentadas. Serão definidos: o objeto de estudo, as questões

Leia mais

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas.

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA INTRODUÇÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO GRUPO: ESTATÍSTICA DATA: HORÁRIO: NOME DO CANDIDATO: CPF: ASSINATURA: INSTRUÇÕES:

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE Mariane Alves Gomes da Silva Eliana Zandonade 1. INTRODUÇÃO Um aspecto fundamental de um levantamento

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS

ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Introdução a Analise Química - I sem/2013 Profa Ma Auxiliadora - 1 Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV, Araxá Av. Ministro Olavo Drumonnd,

Leia mais

Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Ambiente Virtual: Balança Digital

Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Ambiente Virtual: Balança Digital Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Ambiente Virtual: Balança Digital 1. Apresentação Quatro elementos estão disponíveis no ambiente virtual: Balança digital a ser calibrada Coleção de massas

Leia mais

Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade.

Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade. Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade. Rosane Saraiva Melo, Jéssica Silva de Aquino, Israel Bezerra Pereira, Adilson Luis Pereira Silva *. Universidade Federal do

Leia mais

Análise Térmica. Universidade Federal de Juiz de Fora. Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química. Metodologia Analítica

Análise Térmica. Universidade Federal de Juiz de Fora. Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química. Metodologia Analítica Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Metodologia Analítica Caracterização térmica do Oxalato de Cálcio monoidratado (CaC 2 O 4.H 2 O) por TG / DTA e

Leia mais

PLANO DE ENSINO TURMA: B. CARGA HORÁRIA: 36 h

PLANO DE ENSINO TURMA: B. CARGA HORÁRIA: 36 h PLANO DE ENSINO CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS TURMA: B DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA CARGA HORÁRIA: 36 h PROFESSORA: JAQUELINE FONSECA RODRIGUES PERÍODO LETIVO: 2013 / 1 EMENTA Introdução à Economia;

Leia mais

Pesquisa Aplicada à Estatística

Pesquisa Aplicada à Estatística Pesquisa Aplicada à Estatística Tatiene Correia de Souza / UFPB tatiene@de.ufpb.br September 14, 2014 Souza () Pesquisa Aplicada à Estatística September 14, 2014 1 / 23 Estatística: ideias gerais O que

Leia mais

H.264. Codificação de Vídeo Avançada para Serviços Audiovisuais Genéricos. Cristiano Torres. 2º Semestre/2009

H.264. Codificação de Vídeo Avançada para Serviços Audiovisuais Genéricos. Cristiano Torres. 2º Semestre/2009 H.264 Codificação de Vídeo Avançada para Serviços Audiovisuais Genéricos Cristiano Torres 2º Semestre/2009 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Aspectos Técnicos Relevantes 3. Considerações Finais 4. Referências Bibliográficas

Leia mais

MetodologiaparaOtimização daprodutividade

MetodologiaparaOtimização daprodutividade MetodologiaparaOtimização daprodutividade Prof. Me. Leonardo Vianna Administrador - FESJ Mestre em Engenharia de Transportes - IME Sumário Produtividade Produtividade da economia brasileira é baixa em

Leia mais

Uso de Materiais de Referência

Uso de Materiais de Referência Uso de Materiais de Referência Ricardo Rezende Zucchini Célia Omine Iamashita IPT Divisão de Química Agrupamento de Materiais de Referência Introdução Série de guias ISO sobre Materiais de Referência ABNT

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA O projeto deve, OBRIGATORIAMENTE, ser elaborado pelo Coordenador do Projeto (titulação mínima Mestre PBIC/UniEVANGÉLICA; titulação mínima Doutor

Leia mais

Medidas e Incertezas

Medidas e Incertezas Medidas e Incertezas O que é medição? É o processo empírico e objetivo de designação de números a propriedades de objetos ou eventos do mundo real de forma a descreve-los. Outra forma de explicar este

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento Matemática Curso Engenharia do Ambiente º Semestre 1º Folha Nº4: Intervalos de confiança Probabilidades e Estatística 1.a) Determine o intervalo de confiança a 90% para a média de uma população

Leia mais

Pesquisa Mercadológica. Prof. Renato Resende Borges

Pesquisa Mercadológica. Prof. Renato Resende Borges Pesquisa Mercadológica Prof. Renato Resende Borges Definição de Pesquisa de Marketing É a identificação, coleta, análise e disseminação de informações de forma sistemática e objetiva e o uso de informações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

utilizados para os relatórios estão em: http://www.fisica.ufs.br/scaranojr/labfisicaa/

utilizados para os relatórios estão em: http://www.fisica.ufs.br/scaranojr/labfisicaa/ Paquímetro, Micrômetro e Propagação de Incertezas Sergio Scarano Jr 19/12/2012 Links para as Apresentações e Modelos Para o Laboratório de Física A, os materiais i das aulas e os modelos utilizados para

Leia mais

São partes integrantes do respectivo projeto as seguintes atividades:

São partes integrantes do respectivo projeto as seguintes atividades: REDESCOBRINDO A ASTRONOMIA: UMA NOVA JANELA PARA O CÉU DO CERRADO SANTOS, Dener Pereira.; MARTINS, Alessandro.; PRADO, Valdiglei Borges.; LIMA, Thiago Oliveira. 1 Palavras-chaves: Divulgação científica,

Leia mais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 1 A fim de poder realizar uma análise mais precisa dos resultados de simulação, é preciso saber classificar o sistema modelado como sendo terminal ou não-terminal.

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Lista de Exercícios Fundamentos de Análise Volumétrica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Fundamentos de Análise Volumétrica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 Quantos mililitros de ácido nítrico 0,125 M são necessários para titular 1,30 g de hidróxido de bário? MASSAS

Leia mais

Professor: M.Sc. Jarbas Rodrigues dos Santos o.com.br PLANO DE CURSO. à Farmácia. O aluno que cursar essa componente deverá estar apto há:

Professor: M.Sc. Jarbas Rodrigues dos Santos o.com.br PLANO DE CURSO. à Farmácia. O aluno que cursar essa componente deverá estar apto há: CURSO DE FARMÁCIA Autorizado plea Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Controle de Qualidade de Água Código: FAR 207 Pré-requisito: - Nenhum Período

Leia mais

AMOSTRAGEM DE ÁRVORES PARA ESTUDOS TECNOLÓGICOS DA MADEIRA PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE:

AMOSTRAGEM DE ÁRVORES PARA ESTUDOS TECNOLÓGICOS DA MADEIRA PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE: AMOSTRAGEM DE ÁRVORES PARA ESTUDOS TECNOLÓGICOS DA MADEIRA PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE: Tamanho da amostra, número mínimo de repetições e variabilidade das propriedades para um clone de Eucalyptus saligna

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA V Lista 9: Intervalo de Confiança. 1. Um pesquisador está estudando a resistência de um determinado

Leia mais

GRADE CURRICULAR. 2.2. Das linhas de pesquisa: 2.2.1. Linha de Pesquisa 1 (Geração e Caracterização de Matéria-Prima):

GRADE CURRICULAR. 2.2. Das linhas de pesquisa: 2.2.1. Linha de Pesquisa 1 (Geração e Caracterização de Matéria-Prima): 1. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS GRADE CURRICULAR Energia e Bioenergia Combustíveis e Biocombustíveis Seminários I 2 30 Seminários II 2 30 Estágio em Docência 2 30 Total de créditos obrigatórios: 14 créditos,

Leia mais

CAMPUS POÇOS DE CALDAS E VARGINHA

CAMPUS POÇOS DE CALDAS E VARGINHA CAMPUS POÇOS DE CALDAS E VARGINHA O Bacharelado Interdisciplinar (BI) constitui uma nova modalidade de curso de graduação. A formação básica será no Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

Titulação: Mestre em Química com área de concentração em Química Analítica UESB PLANO DE CURSO

Titulação: Mestre em Química com área de concentração em Química Analítica UESB PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Controle de Qualidade de Água Código: FAR 207 Pré-requisito: - Nenhum Período Letivo: 2014.1 Professor:

Leia mais

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo Página 1 de 6 Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo 1- Objetivo Verificar a confiabilidade de medição da concentração de Flúor pelo método ISE 2- Aplicação Aplicável aos equipamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

COMO DESENVOLVER UM PROJETO DE PESQUISA

COMO DESENVOLVER UM PROJETO DE PESQUISA COMO DESENVOLVER UM PROJETO DE PESQUISA Organizador: Prof. Esp. Ronaldo Kebach Martins Sumário 1.METODOLOGIA CIENTÍFICA...1 2.CADERNO DE CAMPO...1 3.RELATÓRIO GERAL...2 4.RESUMO...3 4.1. Dicas para um

Leia mais

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Exatas Departamento de Física Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Aula 05 Medidas físicas Medidas, valores numéricos e unidades. Sistemas

Leia mais

Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes

Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes Alexandre V. Schwarzbold Departamento de Clínica Médica Coordenação do Ambulatório de HIV/AIDS Simpósio Internacional de Ética em Investigação Fevereiro de 2008 Apresentação

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Lívia Gebara Muraro Serrate Cordeiro Bolsista PCI/DTI, M.Sc. Maria Alice

Leia mais

ROMANA COMPOSTA. ROMANA COMPOSTA 116-PL 180Kg Chapa Metálica Plataforma de 29 cm x 39 cm

ROMANA COMPOSTA. ROMANA COMPOSTA 116-PL 180Kg Chapa Metálica Plataforma de 29 cm x 39 cm DESDE 1945 116-PL 180Kg Chapa Metálica Plataforma de 29 cm x 39 cm 114-PL 180Kg Ferro Fundido Plataforma de 29 cm x 39 cm 118-PL 300Kg Chapa Metálica Plataforma de 39 cm x 56 cm 112-PL 300Kg Ferro Fundido

Leia mais

Relatório de Palestra Técnica

Relatório de Palestra Técnica Relatório de Palestra Técnica Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Relatório de Palestra Técnica Atividade prática Definição Objetivos

Leia mais

QUI 072/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Introdução A Disciplina

QUI 072/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Introdução A Disciplina Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 072/150 Química Analítica V Análise Instrumental Aula 1 Introdução A Disciplina Prof. Julio C. J. Silva Juiz

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E CONTROLE DE GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E CONTROLE DE GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E CONTROLE DE GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Empresa 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Sistema de Informação de Marketing

Sistema de Informação de Marketing Sistema de Informação de Marketing SIM João Mesquita Página 2 de 7 Índice Sistema de Informações de Marketing - SIM... 3 NOÇÃO E IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MARKETING - SIM... 3 Processo de

Leia mais

O aproveitamento acadêmico dos estudantes de Engenharia Mecânica ingressos pelo sistema de cotas

O aproveitamento acadêmico dos estudantes de Engenharia Mecânica ingressos pelo sistema de cotas UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE ENGENHARIA ELÉTRICA MECÂNICA E DE COMPUTAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA O aproveitamento acadêmico dos estudantes de Engenharia

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA (2011-2012) Comunicação em saúde e a Internet. Comunicação Social PROVÁVEL CONCLUSÃO:

PROJETO DE PESQUISA (2011-2012) Comunicação em saúde e a Internet. Comunicação Social PROVÁVEL CONCLUSÃO: PROJETO DE PESQUISA (2011-2012) Comunicação em saúde e a Internet CURSO: LINHA DE PESQUISA DO CURSO AO QUAL O PROJETO ESTARÁ VINCULADO: BOLSISTA: ORIENTADOR : Comunicação Social Comunicação, Inovação e

Leia mais

Aula 10 Testes de hipóteses

Aula 10 Testes de hipóteses Aula 10 Testes de hipóteses Na teoria de estimação, vimos que é possível, por meio de estatísticas amostrais adequadas, estimar parâmetros de uma população, dentro de certo intervalo de confiança. Nos

Leia mais

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09 O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09 Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas ABES-RS Porto Alegre, 03 de Setembro de

Leia mais

Abordagem. Porque tomada de decisão é um processo social; Porque a intuição e a análise influenciam a tomada de decisão;

Abordagem. Porque tomada de decisão é um processo social; Porque a intuição e a análise influenciam a tomada de decisão; Tomada de Decisão Abordagem Porque tomada de decisão é um processo social; Porque a intuição e a análise influenciam a tomada de decisão; Estilo pessoal para tomada de decisão organizacional. Decisões

Leia mais

SEMESTRE LETIVO. 2015 Segundo. 1. Identificação Código. 1.2. Unidade: Programa de Pós Graduação em Odontologia

SEMESTRE LETIVO. 2015 Segundo. 1. Identificação Código. 1.2. Unidade: Programa de Pós Graduação em Odontologia ANO SEMESTRE LETIVO 2015 Segundo 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: Seminários de Pesquisa 1.2. Unidade: Programa de Pós Graduação em Odontologia 1.3. Departamento Responsável: Departamento de Odontologia

Leia mais

Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br

Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br 1. Introdução Sumário 2. Objetivos Específicos do S&OP 3. Descrição do Processo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) (Anexo à ata nº 4, da reunião de 07-03-2014) A. LEITURA GLOBAL DOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS DE PALMAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS DE PALMAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS DE PALMAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Assunto: equivalência de disciplinas Esta coordenação, visando uma otimização do tempo e da disponibilidade

Leia mais

Lista de Exercícios Espectrometria de Absorção Molecular ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Espectrometria de Absorção Molecular ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 Um estudante dissolveu devidamente, 0,519 g de amostra e diluiu para 50,0 ml. Em seguida, tratou uma alíquota

Leia mais

Treinamento: Metrologia em Química

Treinamento: Metrologia em Química Treinamento: Metrologia em Química Local: SINPROQUIM Rua Rodrigo Cláudio, 185 Aclimação - São Paulo SP MÓDULO 1 Curso: Estatística para Laboratórios Analíticos Data: 16 e 17 de junho de 2008 Horário: das

Leia mais

Validação de métodos bioanalíticos. Validação: o que é? PROGRAMA DE SEGURANÇA DE QUALIDADE ANALÍTICA ETAPAS CRÍTICAS DO PROCEDIMENTO ANALÍTICO

Validação de métodos bioanalíticos. Validação: o que é? PROGRAMA DE SEGURANÇA DE QUALIDADE ANALÍTICA ETAPAS CRÍTICAS DO PROCEDIMENTO ANALÍTICO Validação de métodos bioanalíticos Material desenvolvido por: Profa. Dra. Isarita Martins FCF-UNIFAL-MG (com alguns slides de Profa. Dra. Maria Elisa P.B. de Siqueira Profa. Dra. Pierina Bonato) Validação:

Leia mais

Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais

Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais IQ-UFG Curso Experimental de Química Geral e Inorgânica Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais Prof. Dr. Anselmo Introdução A interpretação e análise dos resultados são feitas a partir

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011

PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011 PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011 CURSO: Administração DISCIPLINA: Microeconomia CARGA HORÁRIA: 80 ANO: 1º. Ano PROFESSOR: Orlando Assunção Fernandes 1. EMENTA: A Ciência Econômica e o Papel da Microeconomia.

Leia mais

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Roteiro para projeto de pesquisa Gildenir Carolino Santos, 2005. 1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Antes de passar para a construção ou montagem de um projeto de pesquisa, é importante saber que esse

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: BIOSSEGURANÇA Código: ENF- 307 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 20.2

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ Área temática: Tecnologia e Produção Maximiliane Alavarse Zambom (Coordenadora da Ação de Extensão) Leslié Defante 1,

Leia mais

Relatório da ListEx02 Aplicação da Heurística do objetivo na definição das propostas do meu aplicativo de banco de dados e dissertação de mestrado

Relatório da ListEx02 Aplicação da Heurística do objetivo na definição das propostas do meu aplicativo de banco de dados e dissertação de mestrado ITA Instituto Tecnológico da Aeronáutica IEC Divisão de Ciência da Computação Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica e Computação Relatório da ListEx02 Aplicação da Heurística do objetivo na definição

Leia mais

EDITAL 02/2012/DQUI PROCESSO SELETIVO PARA MONITORIA

EDITAL 02/2012/DQUI PROCESSO SELETIVO PARA MONITORIA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA EDITAL 02/2012/DQUI PROCESSO SELETIVO PARA MONITORIA O CHEFE DE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA no

Leia mais

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Rodrigo Arozo O processo de gestão de estoques pode ser decomposto em quatro aspectos básicos: as políticas e modelos quantitativos utilizados, as questões

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DESEMPENHO DOS CANDIDATOS AO VESTIBULAR DA UNESPAR/FECILCAM COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DA ESTATÍSTICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

ANÁLISE DO PERFIL E DESEMPENHO DOS CANDIDATOS AO VESTIBULAR DA UNESPAR/FECILCAM COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DA ESTATÍSTICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO ISSN 2175-4195 ANÁLISE DO PERFIL E DESEMPENHO DOS CANDIDATOS AO VESTIBULAR DA UNESPAR/FECILCAM COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DA ESTATÍSTICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO Gislaine Aparecida Periçaro, UNESPAR/FECILCAM,

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia e Geologia

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia e Geologia Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia e Geologia CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS- 3ºCICLO - DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E CONTROLE DE GESTÃO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E CONTROLE DE GESTÃO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E CONTROLE DE GESTÃO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Empresa 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA

VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA Sabrine Guedes Gonçalves da Silva Bolsista de Iniciação Científica, Química Industrial, UFF Maria Alice Cabral de Goes Orientadora, Eng o. Metalúrgica, M. Sc. RESUMO

Leia mais

ANÁLISE DAS ATITUDES EM RELAÇÃO À ESTATÍSTICA DE ALUNOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS, FARMÁCIA E LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

ANÁLISE DAS ATITUDES EM RELAÇÃO À ESTATÍSTICA DE ALUNOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS, FARMÁCIA E LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ANÁLISE DAS ATITUDES EM RELAÇÃO À ESTATÍSTICA DE ALUNOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS, FARMÁCIA E LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Prof. Dr. Marcos Antonio de Santos de Jesus Unisanta (jesusmar@litoral.com.br)

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Técnicas e Ferramentas de Mercado O termo risco é proveniente da palavra risicu ou riscu, em latim, que significa ousar (to dare, em inglês). Costuma-se entender risco como possibilidade

Leia mais

MédioTécnico ( ) Técnico Modular ( ) Carga Horária Semanal: 2 h Semestral: 40 h

MédioTécnico ( ) Técnico Modular ( ) Carga Horária Semanal: 2 h Semestral: 40 h Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) MédioTécnico ( ) Técnico Modular ( ) Graduação (X) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Tecnologia em Processos Químicos Disciplina Introdução

Leia mais

PARTE I IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO PARA O MARKETING. TIPOLOGIA DOS ESTUDOS DE MERCADO

PARTE I IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO PARA O MARKETING. TIPOLOGIA DOS ESTUDOS DE MERCADO Índice Prefácio 15 PARTE I IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO PARA O MARKETING. TIPOLOGIA DOS ESTUDOS DE MERCADO Capítulo 1 Sistema de Informação de Marketing (SIM) 1. Definição e enquadramento genérico da necessidade

Leia mais

Sumário. Apresentação

Sumário. Apresentação Sumário Apresentação XVII Capítulo 1 Aspectos introdutórios 1 1 Origens da auditoria moderna 1 2 Teoria da agência 2 3 Auditoria no Brasil: evolução e convergência 3 3.1 Evolução da auditoria no Brasil

Leia mais

Otimização para Contact Center. Ger Koole. MG books Amsterdam

Otimização para Contact Center. Ger Koole. MG books Amsterdam Otimização para Contact Center Ger Koole MG books Amsterdam Prefácio à edição brasileira Há mais de 12 anos trabalhando com planejamento de Contact Centers no Brasil, sempre tivemos dificuldade de encontrar

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços - Documentação - - Qualificação - Validação - Programa GWP - - - - - Suporte 24/7 - Locação Brasil 2012/2013 Mettler Toledo - Serviços Serviços para Processo, Laboratório, Industrial

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE FINANCEIRA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE FINANCEIRA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE FINANCEIRA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Economia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL. PÁGINA 1/6 FONTE: http://www.progepaes.ufes.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL. PÁGINA 1/6 FONTE: http://www.progepaes.ufes. PÁGINA 1/6 2011203986 Agronomia - Alegre DEFERIDO 2010204267 Matemática - Licenciatura - Alegre DEFERIDO 2012100801 Engenharia Química - Bacharelado - Alegre DEFERIDO 2010204527 Matemática - Licenciatura

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

Hipótese Estatística:

Hipótese Estatística: 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA TESTE DE HIPÓTESE SÉRGIO KATO Trata-se de uma técnica para se fazer inferência estatística. Ou seja, a partir de um teste de hipóteses, realizado com os dados amostrais,

Leia mais

Medidas em Laboratório

Medidas em Laboratório Medidas em Laboratório Prof. Luis E. Gomez Armas Lab. de Física Unipampa, Alegrete 1 o Semestre 2014 Sumário O que é fazer um experimento? Medidas diretas e indiretas Erros e sua classificação Algaritmos

Leia mais

MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE AVALIAÇÃO

MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE AVALIAÇÃO MANUAL DO ALUNO No presente Manual você encontrará uma síntese de procedimentos pedagógicos adotados pela Instituição e conhecerá as instalações e departamentos de apoio ao aluno. SISTEMA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior Gestão de TI Evanivaldo Castro Silva Júnior Porque estudar Estatística em um curso de Gestão de TI? TI trabalha com dados Geralmente grandes bases de dados Com grande variabilidade Difícil manipulação,

Leia mais

Legislações para Solos

Legislações para Solos Legislações para Solos Biotecnologia Ambiental Prof. Denize Dias de Carvalho Solo e Água Subterrânea O solo pode atuar como um filtro (capacidade de autodepuração desse tipo de corpo receptor); Essa capacidade

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia-Geologia

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia-Geologia Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia-Geologia CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS- 3ºCICLO - DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS

Leia mais

Análise da pesagem de veículos em movimento com cargas líquidas

Análise da pesagem de veículos em movimento com cargas líquidas Análise da pesagem de veículos em movimento com cargas líquidas Authors: Luciano Bruno Faruolo, MSc. Inmetro - Divisão de Instrumentos de Medição de Massa. Realization: Introdução Transporte de carga líquida,

Leia mais

MÓDULO 2 3ª aula. Estatística - Conceitos básicos

MÓDULO 2 3ª aula. Estatística - Conceitos básicos QUÍMICA ANALÍTICA AVANÇADA 1S 2015 MÓDULO 2 3ª aula Estatística - Conceitos básicos Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais