INFLUÊNCIA DO FERRO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DA LIGA AlSi9Cu3(Fe)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DO FERRO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DA LIGA AlSi9Cu3(Fe)"

Transcrição

1 1 SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA - SOCIESC INSTITUTO SUPERIOR TUPY - IST INFLUÊNCIA DO FERRO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DA LIGA AlSi9Cu3(Fe) MAICON PEREIRA ORIENTADOR: JAIR MARQUES JUNIOR Joinville, Dezembro / 2005.

2 2 MAICON PEREIRA INFLUÊNCIA DO FERRO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DA LIGA AlSi9Cu3(Fe) Trabalho de Conclusão de Curso submetido ao Instituto Superior Tupy, como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharelado em Engenharia de Fundição.

3 3 INFLUÊNCIA DO FERRO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DA LIGA AlSi9Cu3(Fe) Este trabalho de conclusão de curso foi julgado adequado para a obtenção do Título de Bacharel em Engenharia de Fundição, e aprovada em sua forma final pelo Departamento de Materiais do Instituto Superior Tupy. Joinville, 15 de Dezembro de Jair Marques Junior Orientador Rosineide Junkes Lussoli Coordenadora do Curso Banca Examinadora: Rosineide Junkes Lussoli Presidente da Banca Iberê R. Duarte Membro da Banca Giselle Isabel Rezende Membro da Banca

4 4 Dedico este trabalho aos meus pais por terem sempre me apoiado nos estudos, dando condições e cobrando resultados, visando sempre o meu desenvolvimento pessoal e profissional.

5 5 AGRADECIMENTOS Gostaria de registrar meus agradecimentos a todos que contribuíram para a elaboração deste projeto. Professores, Mestres e Coordenadores do IST, que transmitiram seus conhecimentos e sua experiência a fim de concluir o curso e elaborar de forma eficiente este trabalho. Quero também de prestar reconhecimento aos meus pais, por ter me dado educação e oportunidade para me tornar uma pessoa de bem e ser digno em meu caminho, assim como toda a família. Finalmente não posso deixar de expressar minha gratidão à Wetzel, empresa na qual trabalho, aos companheiros de trabalho, aos amigos, pela paciência e pelo total apoio à realização desta pesquisa.

6 6 Um excelente educador não é um ser humano perfeito, mas alguém que tem serenidade para se esvaziar e sensibilidade para aprender. Augusto Cury.

7 7 RESUMO O presente trabalho contém informações sobre a influência do ferro na microestrutura e propriedades mecânicas da liga AlSi9Cu3(Fe), que é utilizada no processo de fundição sob pressão. Foram injetados corpos de prova, e realizado ensaios metalográficos e ensaios mecânicos de dureza, densidade e tração, onde também foi avaliado alongamento em 50mm e tensão de escoamento. As composições utilizadas continham respectivamente 0,47, 0,82 e 1,45% de ferro como elemento de liga. Os resultados obtidos neste trabalho foram discutidos e comparados à literatura.

8 8 ABSTRACT The present work has information about the iron influence in microstructure and mechanical properties of AlSi9Cu3(Fe) alloy, that generally is used in high pressure die casting process. Were produced body tests, and were realized metallographic tests and mechanical tests of density, hardness and tensile strength, were, were evaluated elongation in 50 mm and yeld strength too. The chemical composition have respectively 0,47, 0,82 and 1,45 percent of iron like alloying element. The results obtained in this work were discussed and compared with the literature.

9 9 LISTA DE FIGURAS Figura n 1 Esquema das fases de injeção...19 Figura n 2 Pontos de soldagem em um ferramental de Fundição Sob Pressão...21 Figura n 3 Primeira etapa de formação de soldagem...22 Figura n 4 Segunda etapa de formação de soldagem...23 Figura n 5 Terceira etapa de formação de soldagem...23 Figura n 6 Quarta etapa de formação de soldagem...24 Figura n 7 Quinta etapa da formação de soldagem...24 Figura n 8 Diagrama de Equilibrio Alumínio Silício...26 Figura n 9 Formação de compostos aciculares na microestrutura...38 Figura n 10 Formação de compostos de escrita chinesa na microestrutura...39 Figura n 11 Formação de sludge na microestrutura...40 Figura n 12 Gráfico de Gobrecht e Jorstad mostrando a formação de sludge...40 Figura n 13 Efeito do aumento do ferro nas propriedades da liga AlSi7MgTi...43 Figura n 14 Seção da amostra do ensaio metalográfico...50 Figura n 15 Seções das amostras do ensaio de dureza...51 Figura n 16 Micrografia da composição A com aumento de 200X...53 Figura n 17 Micrografia da composição A com aumento de 500X...54 Figura n 18 Micrografia composição B com aumento de 200X...55 Figura n 19 Micrografia composição B com aumento de 500X...55 Figura n 20 Micrografia da composição C com aumento de 200X...56 Figura n 21 Micrografia da composição C com aumento de 500X...56 Figura n 22 Compostos de escrita chinesa formados na composição C...57 Figura n 23 Compostos poligonais formados na composição C...57 Figura n 24 Evolução da dureza com o aumento do teor de ferro na liga...59

10 10 Figura n 25 Principais elementos endurecedores...60 Figura n 26 Gráfico dos resultados do ensaio de densidade...61 Figura n 27 Comparação entre os valores especificados de tensão máxima e tensão de escoamento, com os valores obtidos...63 Figura n 28 Porosidades encontradas na estrutura ca composição A...64 Figura n 29 Porosidades encontradas na estrutura ca composição B...64 Figura n 30 Porosidades encontradas na estrutura da composição C...65

11 11 LISTA DE TABELAS Tabela n 1 Tempo de enchimento de peças injetadas...16 Tabela n 2 Velocidade do metal no canal de ataque...17 Tabela n 3 Composição das principais ligas utilizadas em fundição sob pressão...27 Tabela n 4 Propriedades mecânicas das principais ligas utilizadas no processo de fundição sob pressão...43 Tabela n 5 Composição da liga inicial AlSi10Mg...46 Tabela n 6 Composição da liga AlSi9Cu3(Fe) após adição de Cu, Mn e Fe...47 Tabela n 7 Composição A...48 Tabela n 8 Composição B...49 Tabela n 9 Composição C...49 Tabela n 10 Resultados do ensaio de dureza brinell...58 Tabela n 11 Resultados obtidos no ensaio de densidade...61 Tabela n 12 Resultados obtidos no ensaio de tração...62

12 12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA HISTÓRICO DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO SOB PRESSÃO CARACTERÍSTICAS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO SOB PRESSÃO Fases de injeção Vantagens do processo de fundição sob pressão Desvantagens do processo de fundição sob pressão SOLDAGEM EM LIGAS DE ALUMÍNIO Mecanismos de soldagem LIGAS DE ALUMÍNIO PARA FUNDIÇÃO CARACTERÍSTICAS DAS LIGAS DE ALUMÍNIO Ligas hipoeutéticas Ligas eutéticas Ligas hipereutéticas PRINCIPAIS IMPUREZAS Hidrogênio Oxigênio EFEITO DOS PRINCIPAIS ELEMENTOS NAS LIGAS INJETADAS Silício Cobre Manganês Magnésio Titânio...34

13 Cromo Níquel Zinco INFLUÊNCIA DO FERRO NAS LIGAS DE ALUMÍNIO Formação dos compostos intermetálicos Formação do composto acicular Formação do composto escrita chinesa Formação do composto poligonal INFLUÊNCIA DO FERRO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL LISTA DE MATERIAIS LISTA DE EQUIPAMENTOS DESCRIÇÃO DAS ETAPAS Fusão Tratamento do metal líquido Injeção dos corpos de prova ENSAIOS REALIZADOS Ensaio metalográfico Ensaio de densidade Ensaio de dureza Ensaio de tração RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÃO...66 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...67

14 14 1 INTRODUÇÃO A fundição de ligas de alumínio vem crescendo a cada ano no Brasil, onde este crescimento acentuado se dá principalmente devido ao aumento da utilização de metais leves na fabricação de carros e caminhões pela indústria automotiva, bem como a indústria de motocicletas. No grupo destes metais pode-se destacar o Alumínio e suas inúmeras ligas que estão substituindo pouco a pouco, outros materiais reduzindo o peso dos automóveis e aumentando sua autonomia. Atualmente no Brasil em média 45kg de alumínio são utilizados por veículo, esse número vem crescendo a cada ano, mas está longe dos valores praticados na Europa e nos Estados Unidos que respectivamente chegam a 95 e 124 kg por automóvel. Para garantir os requisitos de qualidade das montadoras, cada vez mais vem se desenvolvendo ligas especiais com melhores propriedades mecânicas e processos modernos de fundição, sendo que o processo sob pressão é destaque em volume de peças produzidas e lidera o ranking como meio mais utilizado para fabricação de peças em alumínio. Uma das maiores dificuldades do processo de fundição sob pressão, é ocasionada pela reação entre o alumínio e o ferro das matrizes metálicas. Essa reação físico-química causa aderência de alumínio nas cavidades, gerando perda de produtividade e desgaste acentuado dos ferramentais. Para minimizar essa reação é adicionado ferro nas ligas injetadas, porém o ferro adicionado forma compostos intermetálicos extremamente duros, prejudicando a usinabilidade das ligas, além de fragilizar o material devido à morfologia dos compostos. Baseando-se nestas dificuldades, foi elaborada uma pesquisa para verificar a influência do ferro na microestrutura e propriedades da liga AlSi9Cu3(Fe), onde o capítulo 2 contém a revisão bibliográfica, descrevendo o processo de fundição, suas ligas e o que existe na literatura sobre a influência do ferro. No capítulo 3, está relatado o procedimento experimental realizado, sendo que os capítulos seguintes 4 e 5, são compostos por resultados obtidos, discussão, e conclusão do trabalho.

15 15 2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 HISTÓRICO DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO SOB PRESSÃO Os primeiros equipamentos para Fundição sob Pressão foram desenvolvidos a partir do século XIX, mais especificamente em 1849, quando Sturgiss patenteou a primeira injetora para produção de peças para máquina de impressão. Já em 1868, Charles Babbage desenvolveu outra injetora com o objetivo de produzir componentes para sua máquina de calcular. Estas peças eram engrenagens bastante finas, com diâmetro aproximado de 160 mm e 80 dentes. Em 1877, as máquinas foram usadas para produção de corpos de mancais para locomotivas. A partir daí, vários outros tipos de peças começaram a ser produzidas e iniciou-se um grande mercado para peças injetadas. Com a revolução industrial em expansão, iniciou-se a produção de peças em grande escala para a indústria automobilística. O maior desafio para estas empresas de fundição foi a escolha do tipo de liga a ser utilizada. As ligas de zinco foram largamente utilizadas em processo de câmara quente, mas o alumínio apareceu como principal material para o processo de câmara fria. Grandes avanços na área metalúrgica foram alcançados até a década de 30. Durante o período de guerra o processo de fundição sob Pressão teve um amplo desenvolvimento, principalmente na indústria aeronáutica, mas foi nas décadas de 50 e 60 que esta indústria teve seu grande apogeu, principalmente nos EUA e Japão, entrando na década de 70 com grande competitividade e equipamentos cada vez mais sofisticados. A década de 80 foi marcada pela grande transição, de empresa de arte (tentativa e erro) para uma indústria de alta tecnologia com grande investimento em pesquisas. Atualmente o processo de fundição sob pressão é responsável por cerca de 70% das peças fundidas em ligas de alumínio [1].

16 CARACTERÍSTICAS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO SOB PRESSÃO A fundição sob pressão ou injeção é o processo mais utilizado na produção de peças fundidas em alumínio. As principais características do processo são: a utilização de moldes metálicos, o rápido tempo de enchimento das cavidades e a aplicação de pressão durante a solidificação. A utilização de moldes metálicos permite a fabricação de peças com excelente acabamento superficial e elevada precisão dimensional. Este tipo de molde impõe uma elevada velocidade de extração de calor (20 a 30ºC/s), favorecendo a rápida solidificação das peças injetadas. O preenchimento rápido permite a produção de peças que apresentam geometria complexa e espessuras de parede de até 2,0 mm. Como os tempos de enchimento são extremamente curtos, as matrizes podem trabalhar em temperaturas relativamente baixas em torno de 200 a 250ºC. Estas baixas temperaturas de trabalho aumentam a vida das ferramentas e realçam ainda mais a elevada velocidade de resfriamento imposta às peças fundidas neste processo. Tabela 1 Tempo de enchimento de peças injetadas. Espessura da parede da peça (mm) Tempo de enchimento (segundos) 1,5 0,01-0,03 1,8 0,02-0,04 2,0 0,02-0,06 2,3 0,03-0,07 2,5 0,04-0,09 3,0 0,05-0,10 2,8 0,05-0,12 5,0 0,06-0,20 6,4 0,08-0,30 Adaptado Teoria fundamental do processo de fundição sob pressão (2001, p. 64).

17 17 Para garantir os curtos tempos de enchimento (tabela 1), são aplicadas elevadas velocidades ao fluxo de metal, geralmente entre 20 e 60 m/s nos canais de ataque (tabela 2). Duas conseqüências importantes decorrem desta característica: a) O jato de metal líquido impede a utilização de tintas para proteção das ferramentas, promovendo desgaste erosivo localizado nos pontos de incidência direta de fluxo, facilitando o ataque do metal líquido à matriz metálica, gerando defeitos como soldagem. Este último aspecto praticamente obriga a utilização de elevados teores de ferro nas ligas de alumínio, apesar do seu efeito fragilizante; b) A elevada velocidade de injeção impõe o preenchimento da cavidade em regime extremamente turbulento. Como as ligas de alumínio são extremamente sensíveis à oxidação, a turbulência do preenchimento promove a formação de uma grande quantidade de inclusões de óxidos na forma de filmes, bem como aprisiona bolhas de ar, particularmente nas regiões de encontro de fluxo de metal. Tabela 2 Velocidade do metal no canal de ataque. Espessura da parede da peça (mm) Velocidade do metal no ataque (m/s) 0, ,2-1, ,9-2, ,5-2, ,8-3, ,5-5, , Fonte: Teoria fundamental do processo de fundição sob pressão (2001,p.60).

18 18 As inclusões de óxido, as bolhas de ar aprisionadas e o efeito fragilizante do ferro são os principais responsáveis pela maior limitação das peças produzidas por este processo, a baixa ductilidade. Tipicamente, as peças injetadas apresentam alongamento médio inferior a 2%, tornando os fundidos frágeis ao impacto. O uso de elevadas pressões durante a solidificação das peças favorece a alimentação das contrações de solidificação através dos canais de enchimento. Esta característica permite a produção de peças isentas de porosidades, entretanto exige um projeto de canais que privilegie, ao mesmo tempo, o enchimento das peças e a alimentação das concentrações de solidificação [2] Fases de injeção O processo de injeção é constituído por três fases (figura1): a) Primeira fase: na primeira fase tem-se a aproximação lenta do pistão visando expulsar todo o ar contido na câmara de injeção. No final deste estágio o nível de metal deve chegar até o início do sistema de canais; b) Segunda fase: é a injeção propriamente dita, responsável pelo enchimento da cavidade. A velocidade do pistão atinge valores da ordem de 2 a 5 m/s resultando em velocidades do metal nos canais de ataque da ordem de 20 a 60 m/s; c) Terceira fase: também conhecida como compactação ou recalque, nesta fase a pressão exercida pelo pistão sobre o metal é máxima podendo atingir valores entre 400 e 1300 kgf/cm², ocorrendo a alimentação das contrações de solidificação e o fechamento parcial das bolhas de ar preso. É importante destacar que a pressão exercida pelo pistão só será transmitida para a cavidade do molde, caso os canais não tenham

19 19 solidificado totalmente, portanto, os canais devem permanecer líquidos por mais tempo que a peça, ou seja, a solidificação deve ser direcional no sentido dos canais. Em caso contrário, haverá formação de rechupes [3]. A D B E C F Figura 1 Esquema das fases de injeção. Fonte: Apostila fundição sob pressão (2002, p. 13). A Dosagem do metal na câmara de injeção; B Início da primeira fase; C Fim da primeira fase (metal posicionado nos canais de ataque); D Segunda fase; enchimento da cavidade em alta velocidade; E Fim da segunda fase; F Terceira fase (compactação / recalque).

20 Vantagens do processo de fundição sob pressão a) Alta produtividade; b) Excelente precisão dimensional; c) Redução de trabalhos de usinagem, sendo possível até sua eliminação; d) Excelente acabamento superficial no estado bruto; e) Produção de peças de espessura bastante reduzidas (2 mm ou menos em casos específicos); f) Possibilidade de uso de insertos metálicos; g) Menor custo de produção por peça, devido à elevada vida útil dos ferramentais Desvantagens do processo de fundição sob pressão a) Elevado custo de máquinas injetoras e de sua manutenção; b) Elevado custo das matrizes e de sua manutenção; c) Deficiente qualidade interna dos produtos, devido ao aparecimento de bolhas de gás, o que reduz suas características mecânicas; d) Normalmente, nenhuma aptidão à soldagem; e) Normalmente, nenhuma aptidão a tratamentos térmicos; f) Restrições quanto ao tamanho da peça e à espessura.

21 SOLDAGEM EM LIGAS DE ALUMÍNIO Um dos defeitos mais comuns em ligas de alumínio em matrizes metálicas é a soldagem (Figura 2). A soldagem é formada devido a grande afinidade química entre os elementos ferro e alumínio. Durante o preenchimento do molde e na solidificação, o alumínio da liga em estado líquido reage fisico-quimicamente com o ferro contido na matriz gerando aderência de liga de alumínio na superfície do molde [4]. Essa camada formada na matriz é extremamente prejudicial para a qualidade das peças fundidas, podendo acarretar em defeitos como trincas (mecânicas) devido ao maior esforço durante a extração, empenamento, defeitos dimensionais, bem como visuais. Além de gerar defeitos nos fundidos, a soldagem reduz a vida útil da matriz e seus componentes, ocasionando excessiva perda de produtividade devido ao tempo necessário para remoção da camada aderida, que geralmente se faz mecânicamente através de lixamento e posterior polimento [5]. Soldagem (pontos brancos) Figura 2 Pontos de soldagem em um ferramental de Fundição Sob Pressão. Fonte: Foto cedida por Wetzel S/A Divisão Alumínio.

22 Mecanismos de Soldagem O mecanismo de formação de soldagem é controlado por difusão, onde a camada que adere à matriz é formada em uma sequência de cinco etapas. Etapas de formação de soldagem [6]: a ) O início da formação de soldagem se dá em função do ataque inicial do alumínio aos contornos de grão e lamelas de martensita na matriz metálica durante o preenchimento do molde (Figura 3); Aluminium Figura 3 Primeira etapa de formação de soldagem. Fonte: Characteristics of aluminium die casting alloys (2004, p.102). b ) Na segunda etapa ocorre a formação de fases binárias Fe-Al nos contornos de grão da superfície da matriz. Erosão nos contornos de grão, acentuam a formação das primeiras fases, devido a uma maior penetração do metal nos interstícios do material do ferramental (Figura 4);

23 23 Figura 4 Segunda etapa de formação de soldagem. Fonte: Characteristics of aluminium die casting alloys(2004, p.102). c ) Após a formação de fases binárias inicia-se o crescimento de pirâmides de fases ternárias (Al,Fe,Si), que servirão de pontos de ancoragem para iniciar a soldagem (Figura 5); Figura 5 Terceira etapa de formação de soldagem. Fonte: Characteristics of aluminium die casting alloys(2004, p.102). d ) O crescimento das camadas intermetálicas é intenso após a formação das pirâmides (Figura 6), iniciando-se então a aderência do alumínio na fase ternária (Al,Fe,Si)

24 24 Figura 6 Quarta etapa de formação de soldagem. Fonte: Characteristics of aluminium die casting alloys(2004,p.102). e ) A última etapa é definida pelo crescimento da camada de liga de alumínio sobre as duas camadas intermetálicas formadas, chegando ao fim do mecanismo de formação e conseqüente crescimento da camada de soldagem (Figura 7). Figura 7 Quinta etapa da formação de soldagem. Fonte: Characteristics of aluminium die casting alloys(2004, p.102).

25 LIGAS DE ALUMÍNIO PARA FUNDIÇÃO Existem inúmeras possibilidades de combinações de elementos químicos com o alumínio. Estas combinações denominadas de ligas de alumínio têm como objetivo principal melhorar as propriedades mecânicas da liga e conferir outras propriedades de uso ou características de fundição. Assim as Ligas de Alumínio de uso comercial tem na sua composição química: a) Elementos Principais: responsáveis pelas propriedades mecânicas como Cobre, Silício, Magnésio, Manganês, Zinco; b) Elementos Secundários: cujos percentuais são menores e tem como objetivo uma ação específica para se obter determinada propriedade de uso ou característica de fundição como: Níquel, Ferro, Berílio; c) Elementos modificadores, refinadores ou neutralizadores: usados em pequenos percentuais com a finalidade de alterar a microestrutura, obtendo-se melhores propriedades ou características de processo como Titânio, Sódio, Estrôncio, Boro; d) Elementos tidos como impurezas: os quais devem ser controlados ou balanceados de maneira mais rigorosa como: Chumbo, Cromo, Cálcio, entre outros, que em geral exercem influência perniciosa sobre certas propriedades ou características de fundição. e) Os elementos, prata, gálio, germânio, são muito caros, e economicamente inviáveis. O lítio em função das dificuldades de processo, tem seu uso bastante restrito à ligas especiais.

26 26 Teoricamente as melhores combinações de resistência e ductilidade em ligas metálicas resultam de uma estrutura monofásica, onde todos os elementos estão dissolvidos na matriz. Para as ligas de alumínio isto não é possível, pois a solubilidade dos elementos é muito limitada [7]. 2.5 CARACTERÍSTICAS DAS LIGAS DE ALUMÍNIO As ligas de alumínio são divididas em ligas hipoeutéticas, eutéticas e hipereutéticas, onde o ponto eutético está fixado em 12,6% de silício, conforme o diagrama Al-Si mostrado abaixo (Figura 8). Outras literaturas mostram pontos eutéticos em diagramas semelhantes, com valores entre 11,7% ou 12% de silício. Geralmente são aplicadas em fundição sob pressão ligas hipoeutéticas e eutéticas. Figura 8 Diagrama de Equilibrio Alumínio Silício. Fonte:

27 27 Liga DIN Tabela 3 Composição das principais ligas utilizadas em fundição sob pressão. Liga ASTM Si Cu Mg Fe Mn Melting Point Fluidity AlSi7Mg(Fe) ,4-0,6 0,4-0,7 1,2 0, C 2 AlSi9Cu4Mg(Fe) ,05-0,55 1,0 0, C 2 AlSi9Cu3(Fe) A380 7,5-9, ,1 1,0 0, C 2 AlSi11Cu4(Fe) A384 10, ,5 0,1 1,3 0, C 1 AlSi12Cu1(Fe) A ,0 0,1 1,3 0, C 1 Adaptado: Metals Hand Book Desk Edition (1985, p 55 cap.6) Ligas hipoeutéticas As ligas hipoeutéticas possuem teores de silício abaixo de 12,6%, sendo que uma das ligas mais utilizadas em fundição sob pressão é a 380 (SAE 306), constituída por alumínio, silício 7,5 a 9,5%, cobre 3,0 a 4,0%, magnésio até 0,5% e ferro entre 0,8 e 1,0% (tabela 3). Estas ligas, por possuírem um menor teor de silício, tendem a uma solidificação pastosa devido a solidificação dendrítica, além de um maior intervalo de solidificação ( C). As principais características destas ligas são: a) Boa Fluidez; b) Elevada resistência à formação de trincas a quente; c) Resultam em elevada estanqueidade em peças fundidas; d) Apresentam grande intervalo de solidificação.

28 28 A combinação de elevados teores de ferro e cobre estende a solidificação das ligas para temperaturas mais baixas, aumentando o intervalo de solidificação e garantindo uma maior capacidade de compactação da liga durante a terceira fase de injeção. Quando ligas com solidificação pastosa são utilizadas em peças injetadas, a pressão aplicada pela máquina é transmitida durante mais tempo por toda a peça através da massa pastosa, diminuindo a possibilidade de formação de rechupes em regiões de maior massa. Obviamente, para que a pressão aplicada pelo pistão se transmita para toda a peça, os canais de injeção devem ser os ultimos a se solidificar. Apesar do efeito fragilizante, o ferro é considerado um elemento de liga na fundição sob pressão por reduzir a tendência à soldagem da peça à ferramenta, diminuindo assim o ataque da liga à superfície da matriz [8] Ligas eutéticas As ligas eutéticas são ligas com teor de silício mais elevado chegando de 11 a 13%, esta liga não tem uma solidificação pastosa, ocorrendo então a transformação líquido sólido diretamente. As principais características destas ligas são: a) Excelente fluidez; b) Elevada resistência quanto a formação de trincas a quente; c) Pequenos intervalos de solidificação; d) Dificuldade de preenchimento de peças com massas isoladas. Em algumas aplicações, a liga 413 (SAE 305) (tabela 3) com composição eutética, alumínio, silício 11 a 13%, cobre máximo 1,0% e ferro entre 0,8 e 1,2%, é a preferida devido

29 29 a elevada fluidez. Entretanto, esta liga apresenta solidificação não pastosa que dificulta a transmissão de pressão sobre o metal em solidificação promovendo defeitos de rechupe na forma de grandes vazios concentrados nas regiões de maior massa (intervalo de solidificação C). Desse modo a aplicação da liga 413 é recomendada somente em peças que apresentem espessuras relativamente constantes, com poucas massas isoladas Ligas hipereutéticas Apesar de pouco utilizadas no processo de fundição sob pressão, as ligas hipereutéticas, com teores de silício acima de 13%, tem como principal característica a formação de plaquetas de silício primário durante a solidificação, estas plaquetas aumentam a dureza do material e conseqüentemente dão maior resistência ao desgaste às ligas de alumínio. As plaquetas são formadas devido ao excesso de silício na liga, que ultrapassa o limite de solubilidade do silício no alumínio a partir do ponto eutético. As ligas hipereutéticas são amplamente utilizadas para fabricação de pistões de combustão. 2.6 PRINCIPAIS IMPUREZAS As ligas de alumínio têm sua fundibilidade e propriedades afetadas devido a algumas impurezas que podem estar presentes. Essas impurezas podem ser alguns elementos que tem efeitos deletérios e prejudicam a fluidez da liga. Porém, as principais impurezas são o hidrogênio na presença física em forma de gases, e óxidos de alumínio formados a partir da reação com o óxigênio. Mais detalhes sobre a ação destes elementos está descrito a seguir.

30 Hidrogênio O hidrogênio possui alta solubilidade com o alumínio no estado líquido, e baixa no estado sólido. Durante a solidificação o hidrogênio difunde para os últimos pontos a se solidificar, concentrando mais porosidades nestas regiões. A quantidade de hidrogênio presente em solução nas ligas fundidas está em torno de 0,6 a 1,0 ml por 100g de alumínio, dependendo da composição da liga e temperatura. A adição de elementos de liga, alteram a solubilidade do hidrogênio. Segue abaixo a influência de alguns elementos: a) Silício, cobre, zinco, estanho, manganês reduzem a solubilidade; b) Flúor e Berílio reduzem a absorção ou eliminam o Hidrogênio; c) Ferro e cromo aumentam levemente a solubilidade do Hidrogênio; d) Níquel reduz a difusão do Hidrogênio; e) Cálcio, sódio, magnésio e compostos de enxofre aumentam a absorção; f) Elementos formadores de hidretos tais como: cério, lítio, tório e titânio aumentam fortemente a solubilidade e a difusão do hidrogênio. A presença de hidrogênio nos fundidos causa porosidades primárias e secundárias (bolhas). Estas porosidades prejudicam as propriedades mecânicas devido a vazios na estrutura cristalina. O hidrogênio absorvido pela liga e o ar aprisionado durante o processo de injeção, impossibilitam as peças produzidas pelos processos convencionais de sofrerem tratamento térmico, devido à difusão de hidrogênio para a superfície. O hidrogênio contido nas ligas pode

31 31 ser removido por diferentes processos de desgaseificação, mas o mais utilizado atualemte é o processo com rotor de grafite, onde bolhas de gases inertes como nitrogênio ou argônio são responsáveis pela remoção deste elemento, além de fazer a desoxidação do banho Oxigênio O oxigênio pode ser considerado o elemento de maior contaminação encontrado nas ligas de alumínio para o processo de Fundição Sob Pressão. Este elemento apresenta elevada afinidade com o alumínio, formando, rápida e facilmente, filmes de óxido Al2O3 (alumina). Estas formações tendem a ser maior, quanto maiores forem as turbulências geradas no manuseio do metal líquido. O filme de óxido formado na superfície do banho no estado líquido protege o metal da absorção de hidrogênio, porém, em temperaturas acima de 930 C o filme perde suas características de proteção. O aumento da porcentagem de óxidos no metal diminui sua fluidez e aumenta o desgaste das ferramentas de corte durante a usinagem (pontos duros) [9]. 2.7 EFEITO DOS PRINCIPAIS ELEMENTOS NAS LIGAS INJETADAS [10] Vários tipos de elementos de liga são adicionados para melhorar a fundibilidade, as propriedades mecânicas e a resistência à corrosão. Entre eles existem elementos eficientes para melhorar certa característica, e elementos impuros para deteriorar características inerentes. A seguir é descrita a eficiência dos elementos típicos encontrados em ligas de alumínio para fundição sob pressão.

32 Silício Em proporção ao aumento da quantidade de silício, a resistência e a dureza tendem aumentar, porém, o alongamento tende a diminuir. A porcentagem de silício vai usualmente de 7% até 13% nas ligas injetadas e é o elemento mais largamente usado na liga de fundição. O silício aumenta a fluidez do alumínio líquido, permitindo que ele flua através de paredes finas na cavidade do molde e reproduza detalhes mais delicados. Não contribui apreciavelmente para a usinabilidade. Em teores altos torna difícil a usinagem devido a formação de fases primárias em composições eutéticas e hipereutéticas. Contribui para a resistência mecânica, principalmente quando combinado com magnésio, por tornar a liga tratável termicamente. O silício, preferivelmente deve estar na liga no estado modificado que diz respeito aos cristais de silício, isto é, em formas arredondadas e bastante dispersas na matriz de alumínio, mas essa característica é praticamente impossível em fundição sob pressão, devido à grande velocidade de resfriamento que produz uma estrutura muito refinada Cobre O cobre foi um dos primeiros elementos de liga empregados e ainda tem larga utilização. Este elemento aumenta a dureza das ligas, porém, diminui o alongamento e prejudica a fluidez do material. Aumenta a resistência da liga com ou sem tratamento térmico. É bastante solúvel no alumínio em altas temperaturas (5% a 524 C) e apenas ligeiramente solúvel em temperatura ambiente (0,5%). Essa característica torna essas ligas termicamente tratáveis e permite melhoramento nas propriedades mecânicas.

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NA LIGA AlSi7Mg OBTIDA EM MOLDE DE AREIA E COQUILHA

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NA LIGA AlSi7Mg OBTIDA EM MOLDE DE AREIA E COQUILHA EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NA LIGA AlSi7Mg OBTIDA EM MOLDE DE AREIA E COQUILHA Iberê Roberto Duarte, MSc(1) Carlos Augusto Silva de Oliveira, DSc(2) (1)Sociedade Educacional

Leia mais

LIGAS DE ALUMÍNIO FUNDIDAS

LIGAS DE ALUMÍNIO FUNDIDAS LIGAS DE ALUMÍNIO FUNDIDAS Ligas de alumínio fundidas 1 NOMENCLATURA DAS LIGAS FUNDIDAS SEGUNDO A ANSI (Aluminum Association) 1xx.x - Alumínio não ligado (comercialmente puro) 2xx.x - Ligas contendo Cu

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE LIGAS Al-Si EUTÉTICA E HIPEREUTÉTICA FUNDIDAS POR CENTRIFUGAÇÃO PARA APLICAÇÕES AUTOMOTIVAS

CARACTERIZAÇÃO DE LIGAS Al-Si EUTÉTICA E HIPEREUTÉTICA FUNDIDAS POR CENTRIFUGAÇÃO PARA APLICAÇÕES AUTOMOTIVAS CARACTERIZAÇÃO DE LIGAS Al-Si EUTÉTICA E HIPEREUTÉTICA FUNDIDAS POR CENTRIFUGAÇÃO PARA APLICAÇÕES AUTOMOTIVAS A. A. Couto 1,2 ; D. M. Marreco 1 ; A. Cabral Neto 1 ; J. Vatavuk 1 ; M. A. Nava 3 Av. Prof.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 O MERCADO DA METALURGIA DO PÓ Ligas de Ferro com grande precisão e elevada qualidade estrutural Materiais de difícil processamento, com alta densidade e microestrutura

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

FUNDIÇÃO 3/23/2014 BIBLIOGRAFIA VANTAGENS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO

FUNDIÇÃO 3/23/2014 BIBLIOGRAFIA VANTAGENS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO BIBLIOGRAFIA FUNDIÇÃO Livro Texto: Tecnologia Metalúrgica Prof. José Luís L. Silveira Curso de graduação em Engenharia Mecânica UFRJ Centro de Tecnologia sala I-241 Introdução aos Processos de Fabricação

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO

PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO Sergio Mazzer Rossitti maio/1993 Fundição não é uma arte! É um campo do conhecimento tecnológico, bastante complexo e com um grande numero de variáveis. Exige pois, do

Leia mais

INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO

INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ANDRÉ JOSÉ ALBERTINI INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO OSASCO 2012 2 ANDRÉ JOSÉ ALBERTINI INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO

Leia mais

A INFLUENCIA DO TEOR DE ALUMÍNIO EM INJETADOS SOB PRESSÃO NAS LIGAS DE ZINCO

A INFLUENCIA DO TEOR DE ALUMÍNIO EM INJETADOS SOB PRESSÃO NAS LIGAS DE ZINCO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ERIK FÁBIO TOLEDO A INFLUENCIA DO TEOR DE ALUMÍNIO EM INJETADOS SOB PRESSÃO NAS LIGAS DE ZINCO OSASCO 2011 2 ERIK FÁBIO TOLEDO A INFLUÊNCIA DO TEOR

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação

Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação É fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer. Aristóteles 24/Novembro/2014 1 Produtos e Aplicações Cabos de

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

RECICLAGEM DO ALUMÍNIO UTILIZADO EM AULAS NO LabMat-FEI

RECICLAGEM DO ALUMÍNIO UTILIZADO EM AULAS NO LabMat-FEI Projeto de iniciação científica RECICLAGEM DO ALUMÍNIO UTILIZADO EM AULAS NO LabMat-FEI Relatório Final Bolsista: Jonathas Alberto Ribeiro Abdou e-mail: jonathasabdou@ig.com.br Orientador: Prof. Dr. Rodrigo

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição O que possuem em comum equipamentos e peças tão diversos como torneiras, chuveiros, grampeadores, lanternas, peças para luminotécnica, alto-falantes

Leia mais

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205.

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Projeto de iniciação científica Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Relatório Final Bolsista: RODRIGO DI PIETRO GERZELY e-mail: rpietro@fei.edu.br

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Lingotamento Ato ou efeito de transformar em lingotes. (Aurelio) Lingote Barra de metal fundido, Tira metálica. (Aurelio) Lingotamento Convencional:

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

GT Micronutrientes Resíduos de Zinco

GT Micronutrientes Resíduos de Zinco GT Micronutrientes Resíduos de Zinco Produto Fonte geradora (processo) Exemplos de empresas geradoras no Brasil Cinza de Zn SHG Fusão de placa catódica Votorantim Metais Zinco Fusão de Zn SHG para anodos

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

2.4-Aços inoxidáveis dúplex:

2.4-Aços inoxidáveis dúplex: N (Nitrogênio): Juntamente com o cromo e molibdênio, é usado para dar maior resistência à corrosão. Adições de nitrogênio (0,1% a 0,3%) aumentam significativamente a resistência à corrosão por pite. Estudos

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Lingotes. Estrutura de solidificação dos lingotes

Lingotes. Estrutura de solidificação dos lingotes Lingotes Estrutura de solidificação dos lingotes Genericamente é possível identificar três regiões diferentes em um lingote após solidificação de uma liga metálica: - a região mais externa denominada zona

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 62 CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 63 SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO É um processo de soldagem por fusão a arco elétrico que utiliza um eletrodo consumível, no qual o calor

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «21. A grafia incorreta do resultado da medição propicia problemas de legibilidade, informações desnecessárias e sem sentido. Considerando

Leia mais

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale ARTIGO Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale Isaias Moreira de Freitas 1, Bruno Teieira Barros 2, Francisco Nascimento Chagas 3 1 Ger. de Engenharia Ferroviária, Av. Dante Micheline,

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS REITORIA - Diretoria de Gestão de Pessoas Av. Mário Werneck,

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 26_Endurecedor G 226_Carga EF 35/P Resina

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

Introdução à Manufatura Mecânica PMR 2202 - Processos de Fundição e Sinterização (Metalurgia do Pó) Profa. Izabel Machado

Introdução à Manufatura Mecânica PMR 2202 - Processos de Fundição e Sinterização (Metalurgia do Pó) Profa. Izabel Machado Introdução à Manufatura Mecânica PMR 2202 Processos de Fundição e Sinterização (Metalurgia do Pó) Índice 1. Fundição 1.1. Solidificação de Metais e Ligas 1.1.1 Temperatura de vazamento. 1.1.2 Taxa de resfriamento.

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. Estudo do efeito da adição de cobre sobre a dureza de um pinhão de ferro fundido nodular temperado superficialmente ARTHUR SCHMITZ SAMPAIO arthurschmitz@gmail.com ALFREDO LEONARDO PENZ alfredo.penz@sc.senai.br

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo

Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo 1 Introdução Aço é uma liga metálica formada essencialmente por ferro e carbono, com percentagens deste último variáveis entre 0,008 e

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica IMPLICAÇÃO DA ADIÇÃO DE NÚCLEOS HETEROGÊNEOS NAS PROPRIEDADES DA LIGA Al-7%Si

Leia mais

O uso em automóveis de componentes de zinco fundidos sob pressão

O uso em automóveis de componentes de zinco fundidos sob pressão O uso em automóveis de componentes de zinco fundidos sob pressão Hoje em dia, as ligas de alumínio para fundição sob pressão, os aços e diversos tipos de plástico dominam quase exclusivamente a manufatura

Leia mais

Rendimento de alumínio obtido por reciclagem de escória primária

Rendimento de alumínio obtido por reciclagem de escória primária RESUMO Rendimento de alumínio obtido por reciclagem de escória primária Este trabalho tem como objetivo apresentar um estudo estatístico das variáveis que impactam na Produtividade e no Rendimento da reciclagem

Leia mais

Trefilação O processo de trefilação é a deformação mecânica de um metal através da passagem do material por uma matriz de formato cônico, diminuindo

Trefilação O processo de trefilação é a deformação mecânica de um metal através da passagem do material por uma matriz de formato cônico, diminuindo Trefilação O processo de trefilação é a deformação mecânica de um metal através da passagem do material por uma matriz de formato cônico, diminuindo a seção do material, sem perda nem adição do metal.

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

Desenvolvimento de rotor Imbil para o processo Jigagem visando o aumento da vida útil e melhoria na eficiência de bombeamento

Desenvolvimento de rotor Imbil para o processo Jigagem visando o aumento da vida útil e melhoria na eficiência de bombeamento Desenvolvimento de rotor Imbil para o processo Jigagem visando o aumento da vida útil e melhoria na eficiência de bombeamento Eng. Gustavo Massaro (IMBIL/UNICAMP) gam@imbil.com.br Eng. Fabiano Cândido

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1 SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO J.C.Vendramim 1 [1] João Carmo Vendramim Engenheiro metalurgista, mestrado em engenharia de materiais pela universidade de Campinas Unicamp. Introdução A seleção do

Leia mais

Processo de Fabricação I. Metalurgia do Pó. Prof.: João Carlos Segatto Simões

Processo de Fabricação I. Metalurgia do Pó. Prof.: João Carlos Segatto Simões Processo de Fabricação I Metalurgia do Pó Prof.: João Carlos Segatto Simões Introdução 6000 anos a.c: armas, lanças e ferramentas produzidas a partir de aglomerados de ferro Século XIX: primeiros passos

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA

ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA Jornadas SAM 2000 - IV Coloquio Latinoamericano de Fractura y Fatiga, Agosto de 2000, 799-806 ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA A.A.M. da

Leia mais

ROBERTO CARDOSO ESTUDO SOBRE A INCIDÊNCIA DAS POROSIDADES E SUA IDENTIFICAÇÃO EM UMA LIGA DE ALUMÍNIO A356

ROBERTO CARDOSO ESTUDO SOBRE A INCIDÊNCIA DAS POROSIDADES E SUA IDENTIFICAÇÃO EM UMA LIGA DE ALUMÍNIO A356 ROBERTO CARDOSO ESTUDO SOBRE A INCIDÊNCIA DAS POROSIDADES E SUA IDENTIFICAÇÃO EM UMA LIGA DE ALUMÍNIO A356 São Paulo 2007 ROBERTO CARDOSO Estudo sobre a incidência das porosidades e sua identificação em

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II 1 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II METALURGIA DA SOLDAGEM 1- Introdução A soldagem é geralmente realizada com a aplicação de calor e/ou deformação plástica. como resultado, alterações das

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr.

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr. Prof. Carlos Falcão Jr. 2Al(OH) 3 Al 2 O 3 + 3H 2 O(vapor) 1200ºC INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS 1.1) Ustulação Processo metalúrgico conduzido a altas temperaturas, mas não ocorrendo fusão parcial

Leia mais

Aula 7 - Ensaios de Materiais

Aula 7 - Ensaios de Materiais Aula 7 - Ensaios de Materiais Tecnologia dos Materiais II Prof. Lincoln B. L. G. Pinheiro 23 de setembro de 2010 1 Ensaios de Dureza A dureza é uma propriedade mecânica que mede a resistência do material

Leia mais

FUNDAMENTOS DO PROCESSO DE RECICLAGEM DE ALUMÍNIO

FUNDAMENTOS DO PROCESSO DE RECICLAGEM DE ALUMÍNIO FUNDAMENTOS DO PROCESSO DE RECICLAGEM DE ALUMÍNIO O Consome Consome-se alumínio se 17000 é o metal kwh/t Al em maior consumo abundância de aproximadamente na crosta 4t terrestre de bauxita produção de

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais

Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais Isabel Abreu Maria Alzira Dinis UFP 2005/2006 ESTRUTURA ATÓMICA E LIGAÇÕES 1. Calcule: a. A massa em

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Contínua por imersão a quente

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Contínua por imersão a quente - Um programa do International Zinc Association 2. Processos de Revestimento e Tratamentos de Superfície GalvInfoNote O Papel do Alumínio na Galvanização Contínua por imersão a quente 2.4 Rev1.1mar 09

Leia mais

Desafios para a laminação das novas demandas de materiais especiais (O&G)

Desafios para a laminação das novas demandas de materiais especiais (O&G) Desafios para a laminação das novas demandas de materiais especiais (O&G) Carlos Cunha D. Henriques PETROBRAS/CENPES Tecnologia de Materiais e Corrosão Sumário Seleção de Materiais para Óleo & Gás: Processos

Leia mais

III. MATERIAIS E MÉTODOS. O material em estudo é a liga GK AlSiMg7 usada na fabricação de rodas fundidas

III. MATERIAIS E MÉTODOS. O material em estudo é a liga GK AlSiMg7 usada na fabricação de rodas fundidas III. MATERIAIS E MÉTODOS III.. Materiais O material em estudo é a liga GK AlSiMg7 usada na fabricação de rodas fundidas em moldes permanentes sob baixa pressão pela empresa Italspeed Automotive Ltda. A

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

VACURAL - Uma tecnologia confiável para peças fundidas por injeção para serem submetidas à solda e tratamento térmico

VACURAL - Uma tecnologia confiável para peças fundidas por injeção para serem submetidas à solda e tratamento térmico Ulrich Keller, Kathrin Doster VACURAL - Uma tecnologia confiável para peças fundidas por injeção para serem submetidas à solda e tratamento térmico Os fabricantes de automóveis e seus fornecedores estão

Leia mais

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA FREIRE EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM OSASCO 2011 2 MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA E DA VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO NO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE LIGA DE ALUMÍNIO AA6004

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA E DA VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO NO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE LIGA DE ALUMÍNIO AA6004 NATHALIA CORREIA LOPES INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA E DA VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO NO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE LIGA DE ALUMÍNIO AA6004 Orientador: Prof. Dr. Rodrigo Magnabosco Departamento de Engenharia Mecânica

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

Eduardo de Sousa Moreira. eduardo@eduardomoreira.eng.br

Eduardo de Sousa Moreira. eduardo@eduardomoreira.eng.br O USO DO TESTE DE CUNHA COMO CONTROLE DE NUCLEAÇÃO NA FABRICAÇÃO DE PEÇAS EM FERRO FUNDIDO CINZENTO Eduardo de Sousa Moreira eduardo@eduardomoreira.eng.br O uso do teste de cunha é fundamental na avaliação

Leia mais

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO Alexandre Afonso Alves de Moura Marcos Paulo Pereira de Toledo Ricardo Breviglieri Alves Castilho DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL

Leia mais