Seminário: Investimentos e Incentivos Fiscais para Projetos de Inovação tecnológica. Câmara Brasil Alemanha Fevereiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário: Investimentos e Incentivos Fiscais para Projetos de Inovação tecnológica. Câmara Brasil Alemanha Fevereiro - 2011"

Transcrição

1 Seminário: Investimentos e Incentivos Fiscais para Projetos de Inovação tecnológica Câmara Brasil Alemanha Fevereiro

2 A FINEP e as empresas inovadoras. Contexto Brasil - Baixo investimento em Inovação: investimento em P & D = 1 % PIB (nos sistemas desenvolvidos: a média é de 3% PIB). - Cultura empreendedora x Política de Propriedade Intelectual ainda incipientes - Dificuldade de acesso a investimento (instrumentos financeiros x mecanismos operacionais inadequados) - Empresas Inovadoras x fontes de recursos - $$$$$$

3 - Definições para Inovação - Manual de Oslo. - Inovações de produto- envolvem mudanças significativas nas potencialidades de produtos e serviços. Incluem-se bens e serviços totalmente novos e aperfeiçoamentos importantes para produtos existentes; - Inovações de processo - representam mudanças significativas nos métodos de produção e de distribuição; - Inovações organizacionais - refere-se à implementação de novos métodos organizacionais, tais como mudanças em práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas da empresa; - Inovações de marketing - envolvem a implementação de novos métodos de marketing, incluindo mudanças no design (1) do produto e na embalagem, na promoção do produto e sua colocação, e em métodos de estabelecimento de preços de bens e de serviços. Inovação é um produto, processo, serviço que chega ao mercado!!!

4 Ciclo de vida das empresas. Concepção do negócio ou idéia: validar a idéia, avaliar viabilidade, finalizar desenvolvimento do produto, processo, serviço;. Fase inicial (start-up): Empresas com 02 a 03 anos de vida= Empresa constituída, produto em aperfeiçoamento, aceitação do produto no mercado (teste). Alto risco tecnológico ou do novo negócio. Faturamento baixo ou inexistente. $$$: capital de risco? Anjos? Recursos públicos?. Expansão: empresa em desenvolvimento, carteira de clientes. Precisa de investimento para crescimento rápido. $$$: capital de risco, recursos públicos, receita própria. Consolidação e Internacionalização: saída dos investidores (anjos, vc) $$$: parcerias, fusão e aquisição (M&A), outras fases/rodadas de investimento, investimento privado, IPO?

5 Ciclo de vida das empresas. Para cada fase ou estágio de desenvolvimento da empresa = necessidades diferenciadas de recursos financeiros e modelos de gestão.. Fase inicial (start-up): PRIME e Subvenção Econômica, Capital de risco? Anjos? Recursos públicos?. Expansão: PRIME e Subvenção, crédito. Consolidação e Internacionalização: saída dos investidores (anjos, vc), parcerias, fusão e aquisição (M&A), outras fases/rodadas de investimento, investimento privado, IPO?

6 Novo Marco Legal para Fomento à P, D&I Lei de Inovação. Nº ( ) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica, com esforço concentrado em P,D e I que contribuam para o aumento da competitividade das empresas nos mercados internos e externos. Lei do Bem. Nº de , Decreto ( ) Consiste em um conjunto de benefícios fiscais, com o objetivo de incentivar as empresas a investir em P,D &I. -Subvenção Econômica = $$$ não reembolsáveis para Empresas!!!

7 LEI DA INOVAÇÃO de Subvenção Econômica A concessão da subvenção vinculada à Lei de Inovação deverá ser precedida da aprovação de duas portarias interministeriais: 1- Definição de prioridades da política industrial e tecnológica, fundamentadas nas orientações da PDP: MDIC e MCT. 2- % do FNDCT a ser destinado à subvenção econômica e % a ser destinado às MPE s: MCT, MDIC e Ministério da Fazenda.

8 LEI DO BEM: Lei de Decreto de Os principais Incentivos Fiscais. Dedução de 100% dos dispêndios com inovação tecnológica da base de cálculo (BC) do IR e da CSLL;. Dedução de mais 60% (100+60=160%) dos dispêndios com inovação tecnológica da base de cálculo (BC) do IR e da CSLL;. Dedução de mais 20% (160+20=180%) dos dispêndios com inovação tecnológica da base de cálculo (BC) do IR e da CSLL, incrementando o número de pesquisadores (RH);. Dedução de mais 20% (180+20=200%) dos dispêndios com inovação tecnológica da base de cálculo (BC) do IR e da CSLL, através de pagamentos vinculados a patente concedida ou cultivar registrado;. Redução de 50% de IPI na aquisição de equipamentos, máquinas, aparelhos e instrumentos novos, destinados a P&D de inovação tecnológica;

9 LEI DO BEM: Lei de Decreto de Os principais Incentivos Fiscais (cont.). Depreciação Acelerada integral, no ano da aquisição, de equipamentos, máquinas, aparelhos e instrumentos novos, destinados a P&D de inovação tecnológica;. Amortização acelerada na aquisição de bens intangíveis, vinculados exclusivamente às atividades destinadas a P&D de inovação tecnológica;. Crédito, no imposto de renda retido na fonte, de remessas para o exterior de royalties, assistência técnica ou científica, de serviços especializados e de contratos de transferência de tecnologia;. Redução a zero da alíquota do imposto sobre a renda retido na fonte nas remessas efetuadas para o exterior destinadas ao registro e manutenção de marcas, patentes e cultivares. * Lucro real: faturamento maior que R$48 milhões/ano.

10 Os instrumentos financeiros e fontes de recursos para P,D &I.

11 Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) Programas Mobilizadores em Áreas Estratégicas Saúde Energia TICs Defesa Nanotec. Biotec. Programas para Fortalecer a Competitividade Complexo Automotivo Bens de Capital Têxtil e Confecções Madeira e móveis Higiene, Perfumaria Construção Civil Complexo Serviços Industria Naval Couro, Calçados Agroindústria e Biodiesel Plásticos Outros Programas para Consolidar e Expandir a Liderança Complexo Aeronautico Bioetanol Siderurgia e Mineração Papel e Celulose Petro, Gas e Petroquim. Carnes

12 Fundos Setoriais (principal fonte de recursos financeiros para o sistema de C,T,I)

13 Instrumentos Financeiros

14 LEI DO BEM: Lei de Decreto de Subvenção Econômica valor da remuneração de novos pesquisadores em atividades de inovação definição de % sobre a remuneração dos pesquisadores 60% áreas da ADA e ADENE 40% demais áreas aprovação de projeto comprovação de regularidade fiscal da empresa informações anuais dos programas de p & d de inovação tecnológica. -O valor mensal da subvenção econômica será limitado a:.doutores: R$ 7 mil e mestres: R$ 5 mil. - Até 3 (três) anos, improrrogáveis.

15 LEI DO BEM: Lei de Decreto de Subvenção a pesquisador na empresa Carta-convite em duas etapas: 1) Manifestação de interesse de obtenção de subvenção econômica do valor da remuneração de pesquisadores, titulados como mestres ou doutores, empregados em atividades de inovação tecnológica em empresas. 2) Apresentação de plano empresarial / projeto que demonstre o envolvimento de novos pesquisadores,titulados como mestres ou doutores.

16 Como e onde buscar recursos financeiros? - O sistema de fomento a P,D&I, em sua maioria, apoia projetos por meio de processos competitivos: - Editais Chamadas públicas; editais; carta-convite - Editais para projetos de pesquisa - de agências de fomento federais: CNPq, Finep, BNDES - de agências de fomento estaduais: FAp s, FAPESP, FAPERJ - Bolsas de pesquisa - Eventos técnico-científicos - Projetos de encomenda

17 Instrumentos Financeiros Financiamentos não-reembolsáveis- FINEP para ICT s Apoio a instituições de ensino e pesquisa sem fins lucrativos, públicas ou privadas, para a realização de projetos de ciência, tecnologia & inovação. Os recursos oferecidos nos financiamentos não-reembolsáveis são originados do Fundos Setoriais. Mecanismos Operacionais utilizados: -Chamadas Públicas (editais e cartas-convite) -Encomendas

18 Instrumentos Financeiros Financiamentos não-reembolsáveis- FINEP Subvenção Econômica: EMPRESAS O objetivo do Programa de Subvenção Econômica é Promover o aumento das atividades de inovação e da competitividade das empresas por meio da aplicação de recursos públicos não-reembolsáveis diretamente em empresas. O marco-regulatório que viabiliza a concessão de subvenção econômica foi estabelecido a partir: Da aprovação da Lei /04, regulamentada pelo Decreto 5.563/05 (Lei da Inovação) Da Lei /05, regulamentada pelo Decreto no /06 (Lei do Bem)

19 Instrumentos Financeiros Subvenção Econômica ❶ projetos de desenvolvimento de produtos e processos inovadores priorizados pela PDP Chamadas Públicas de Subvenção (Nacional) PAPPE Subvenção (Regional, MPEs) PRIME Primeira Empresa Inovadora (MPEs) ❷ projetos de P,D&I para custeio da remuneração de novos pesquisadores (Mestres e Doutores) em atividades de inovação (Lei do Bem)

20 Subvenção Econômica recursos financeiros para atividades de P &D custeio (atividades de inovação) exigência de contrapartida financeira x faturamento da empresa direta ou indireta comprovação de regularidade fiscal da empresa até 03 anos de constituição prazos de execução: 36 meses.

21 Subvenção Econômica - Empresas elegíveis Empresas brasileiras de qualquer porte (individualmente ou associação): a) data de registro na Junta Comercial ou no Registro Civil das Pessoas Jurídicas (RCPJ) de sua jurisdição até 31/12/2008; b) situação ativa no ano de... (considera-se pessoa jurídica INATIVA aquela que não tenha efetuado qualquer atividade operacional, nãooperacional, patrimonial ou financeira, inclusive aplicação no mercado financeiro ou de capitais, durante todo o ano calendário); c) objeto social que contemple atividade compatível com a que será desempenhada no projeto proposto na data de divulgação do presente edital. *Empresa brasileira: organização econômica instituída para a produção ou a circulação de bens ou de serviços, com finalidade lucrativa, constituída sob as leis brasileiras e com sede de sua administração no Brasil. * proposta que conte com a associação de mais de uma empresa, a proponente será a responsável pela gestão dos recursos e prestação de contas. Além disso, todas as associadas devem ser empresas. * Cada empresa poderá integrar apenas uma proposta por tema, individualmente ou em associação na proposta.

22 Subvenção Econômica PAPPE Subvenção (Regional, MPEs) Descentralização e aumento da capilaridade Microempresas e empresas de pequeno porte PITCE & atendimento às prioridades regionais PRIME Primeira Empresa Inovadora (MPEs) Lançado em Objetivo: Criar condições financeiras apropriadas para ue um conjunto significativo de empresas nascentes (até 24 meses) de alto valor de conhecimento agregado possa consolidar com sucesso a fase inicial de desenvolvimento dos empreendimentos. Operacionalização em parceria com 17 Incubadoras de Empresa Ancoras Kit PRIME ano 1 Subvenção Kit PRIME ano 2 Juro Zero R$ 120 mil Preparação para Capital de Risco R$ 120 mil

23 PRIME (Subvenção Econômica) recursos financeiros para atividades de P&D custeio (atividades de inovação) exigência de contrapartida financeira x faturamento da empresa Elegibilidade e Instrumentos - Empresas nascentes com até 24 meses de existência que apresentem um elevado conteúdo de inovação em seus produtos ou serviços e um Plano de Negócios que indique um evidente potencial de crescimento e um conjunto de desafios e metas viáveis. - Os empreendedores candidatos ao Prime devem participar de um programa de capacitação em empreendedorismo e gestão de negócios especialmente desenhado para esta finalidade. - Mecanismo operacional: Convênios de Cooperação Institucional entre a FINEP e incubadoras de empresas (ação descentralizada).

24 PRIME (Subvenção Econômica) 17 Incubadoras credenciadas: Cietec (SP) Fipase (SP) FVE/Univap (SP) Biominas (MG) Funsoft (MG) Inatel (MG) Coppe/UFRJ (RJ) Instituto Gênesis (RJ) BioRio (RJ) Celta (SC) Instituto Gene (SC) Puc/Raiar (RS) Faurgs/CEI (RS) Cide (AM) Parque Tecnológico da Paraíba (PB) C.E.S.A.R. (PE) Cise (SE)

25 Instrumentos Financeiros Financiamentos reembolsáveis - FINEP Inova Brasil: Financiamento à Inovação nas Empresas Brasileiras - inovação de produto, processo ou serviço que contribua para a melhoria da competitividade da organização, encargos reduzidos (equalização dos juros) e prazos de amortização diferenciados. Programa Juro Zero: Financiamento a micro e pequenas empresas inovadoras, ágil e com burocracia reduzida projetos e planos de negócios que representem uma inovação em seu setor de atuação.

26 Instrumentos Financeiros INOVAR- Capital de Risco Tem por objetivo promover o desenvolvimento das empresas de base tecnológica brasileiras por meio de capital de risco. O Projeto INOVAR contempla: Fórum Brasil Capital de Risco Incubadora de Fundos INOVAR Fórum Brasil de Inovação Portal Capital de Risco Brasil Capacitação e treinamento de agentes de Capital de Risco

27 Chamadas Públicas Principais Objetivos Apoio ao desenvolvimento de produtos, processos e/ou serviços INOVADORES Aumento do conteúdo tecnológico dos produtos, processos que constam da pauta de exportações brasileira, desenvolvimento de produtos/processos e/ou serviços inovadores com potencial exportador Estímulo a interação entre universidades, centros de pesquisa e empresas brasileiras Estímulo ao surgimento de novas empresas e aumento da competitividade das já existentes. Processo = concorrência universal.

28 Chamadas Públicas Principais Objetivos Etapas de Avaliação Pré-Qualificação Finep Analisa a proposta conforme os aspectos de forma e adequação aos da Chamada Pública, específicas para a Subvenção, Prime e outros (Audio Visual) Avaliação de Mérito Finep + Comitê de Avaliação Analisa a proposta no que tange aos aspectos de conteúdo Análise Conclusiva Finep Consolida os resultados da avaliação de mérito e examina aspectos Legais e orçamentários da proposta

29 Chamadas Públicas Principais Objetivos Etapas de Avaliação Pré-Qualificação Finep Preenchimento completo e adequado dos formulários Encaminhamento da proposta na forma exigida (documentação, plano de negócios, etc) Adequação da proposta aos objetivos gerais da Chamada Pública Elegibilidade das instituições participantes Atendimento aos itens especificos (exigência de contrapartida financeira ou não financeira, participação de empresas, prazo de execução Atendimento aos (%) e valores limites exigidos Envio da proposta até a data final estabelecida.

30 Chamadas Públicas Principais Objetivos Etapas de Avaliação Avaliação de Mérito : Finep + Comitê de Avaliação (academia e setor empresarial), associações de classe. Pontos chave: Viabilidade comercial da tecnologia a ser desenvolvida Capacitação das empresas participantes para a comercialização da inovação a ser desenvolvida Clareza, grau de inovação e mérito científico e tecnológico Viabilidade técnica, coêrencia do orçamento com os objetivos e viabilidade do cronograma fisico apresentado Infra-estrutura física e capacitaçao gerencial para execução da proposta Montante de contrapartida financeira e outros aportes ao projeto

31 Muito obrigada pela atenção! Ada Gonçalves Área de Planejamento FINEP

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Workshop: Os Desafios para a Industria Nacional de Petróleo e Gás BNDES, Rio de Janeiro - RJ, 02 de julho de 2008 FINEP Empresa pública

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Programas de Financiamento à Inovação III WORKSHOP DAS UNIDADES DE PESQUISA DO MCT Campinas, 30 e 31 de agosto de 2010 Inovação Inovação

Leia mais

Inovação no Complexo Industrial da Saúde

Inovação no Complexo Industrial da Saúde 3º ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM FÁRMACOS E MEDICAMENTOS Inovação no Complexo Industrial da Saúde Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo SP, 15 de setembro de 2009 FINEP Empresa pública

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

Marco Regulatório e Planos de Governo

Marco Regulatório e Planos de Governo Marco Regulatório e Planos de Governo 1999: Criação dos Fundos setoriais 2004: Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) 2004: Lei da Inovação Nova Lei de Informática Lei de criação

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

Departamento de Financiamentos APEI FINEP. julho de 2009

Departamento de Financiamentos APEI FINEP. julho de 2009 Departamento de Financiamentos APEI FINEP julho de 2009 Objetivo Apresentar a FINEP e seus mecanismos de fomento; Orientar as empresas sobre aplicabilidade desses mecanismos; Apresentação Institucional

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

FINANCIAMENTO À INOVAÇÃO

FINANCIAMENTO À INOVAÇÃO FINANCIAMENTO À INOVAÇÃO Ada Gonçalves Outubro 2012 Conteúdo Conceitos e modelos de inovação Referências históricas para P,D,I Sistemas nacionais de Ciência, Tecnologia e Inovação: conceito, principais

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Inova Pequena Empresa RS

Inova Pequena Empresa RS Inova Pequena Empresa RS 1 Bloco: : Conceituando Inovação; 2 Bloco: : Programa Inova Pequena Empresa RS / Chamada Pública P Nº N 01/2009; 3 Bloco: : Estruturação do projeto no Sistema de Gestão de Projetos

Leia mais

Palestra Divulgação PAPPE Paraná. PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009. Fomento à Inovação Tecnológica

Palestra Divulgação PAPPE Paraná. PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009. Fomento à Inovação Tecnológica Palestra Divulgação PAPPE Paraná PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009 Fomento à Inovação Tecnológica Programa PAPPE Programa de Apoio à Pesquisa na Pequena Empresa Operacionalização: Consórcio

Leia mais

FINEP. Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. Seminário Complexo Industrial da Saúde

FINEP. Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. Seminário Complexo Industrial da Saúde FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Seminário Complexo Industrial da Saúde Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento São Paulo SP 01.03.2010 Sobre a

Leia mais

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Fomento à Inovação no Brasil Desenvolvimento e Sustentabilidade ALIDE Fortaleza, maio 2010 FINEP Empresa pública federal, vinculada

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Financiamento para Inovação em Saúde Seminário sobre o Complexo Econômico-Industrial da Saúde Política Industrial para o Complexo

Leia mais

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem)

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Características Básicas dos Incentivos Fiscais: Atende empresas que operam em regime de lucro real e que realizam atividades de P&D; Introduziu

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

OS INCENTIVOS FISCAIS À

OS INCENTIVOS FISCAIS À DECOMTEC OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA LEI Nº 11.196/2005 Departamento de Competividade e Tecnologia - DECOMTEC São Paulo, 08 de outubro de 2012 Principais incentivos da Lei do Bem (Cap.

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Estratégias de Inovação A Nova Estratégia Internacional do Brasil: Investimentos, Serviços e Inovação na Agenda Externa São Paulo,

Leia mais

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados III Workshop das Unidades de Pesquisa do MCT e a Inovação Tecnológica Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Campinas, São Paulo, 30 e 31 de agosto de 2010 Subsecretaria de Coordenação das

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Planejamento Tributário O debate sobre a carga tributária brasileira é incessante desde os tempos em que esta não ultrapassava 25% do PIB nacional.

Leia mais

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades Exportação de Software e Serviços de TICs Panorama e Oportunidades Brasília, Novembro de 2008 André Limp Gestor de Projetos - Tecnologia MERCADOS DESENVOLVIDOS Sistema financeiro Seguradoras Gestão de

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

CT-INFO - Fundo Setorial de TI - e Introdução à Metodologia de Projetos Não -Reembolsáveis

CT-INFO - Fundo Setorial de TI - e Introdução à Metodologia de Projetos Não -Reembolsáveis MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS Secretaria Técnica do Fundo Setorial de Tecnologia da Informação CT-INFO - Fundo Setorial de TI - e Introdução à Metodologia de Projetos

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO inovação. Dentre esses se destacam as formas especiais de financiamento a projetos inovadores através de Editais e linhas de fomento. Nesse sentido

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas A FINEP e a Inovação nas Empresas Avílio Antônio Franco afranco@finep.gov.br A Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação São Paulo, Junho de 2009 FINEP Agência Brasileira da Inovação Empresa pública vinculada ao

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

do Bem e outras considerações

do Bem e outras considerações Politicas públicas de fomento a inovação: Lei do Bem e outras considerações 8 de setembro de 2014 Legislação Lei do Bem (Lei No. 11.196/2005) Decreto No. 5.798/2006 Lei No. 11.487/2007 (Dec. No. 6.260/2007)

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação FINEP 2012-2014: investir mais e melhor em Inovação Agenda O Desafio da Inovação A FINEP Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não Reembolsável, Fundos) Números

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades Carlos A. M. Couto Superintendente da ATED Área dos Institutos de Pesquisa Tecnológica. Rio de Janeiro, 17 de

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos 1 FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Simpósio Materiais Automotivos e Nanotecnologia São Paulo, 7 de junho de 2010 Resumo Marcos legais regulatórios Nanotecnologia

Leia mais

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com BRASIL - TERRITÓRIO, POPULAÇÃO E ECONOMIA: COMBINAÇÃO VITORIOSA Indonésia Área População > 4 milhões km 2 > 100 milhões Nigéria Canadá Rússia EUA Brasil China

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem )

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem ) 1. Nome do Programa/Atividade/Ação fomentado: Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem ) 2. O que é? A Lei n.º 11.196, de 21 de novembro de 2005,

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas ESTUDOS E PESQUISAS Nº 236 A FINEP e a Inovação nas Empresas Luis Manuel Rebelo Fernandes * XX Fórum Nacional BRASIL - Um Novo Mundo nos Trópicos 200 Anos de Independência Econômica e 20 Anos de Fórum

Leia mais

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Parte 1 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico Recomendações tecnológicas Parte 2 Proposta da ABM para ampliar sua participação

Leia mais

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Parte 1: Objetivos, instrumentos de apoio e quem pode participar Geral 1.1 Qual o objetivo

Leia mais

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES PROFª DRª GECIANE PORTO geciane@usp.br FONTES DE

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I 10/11/2008 Ministério da Ciência e Tecnologia Configuração da Política de Estado Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/MAPA/MF/M

Leia mais

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação: motor da competitividade e do desenvolvimento sustentado O investimento bem sucedido em inovação: Aumenta produtividade e cria novos produtos:

Leia mais

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS Carlos Alberto Teixeira Agosto 2010 Criação, Invenção e Inovação A criatividade existe no universo das idéias, em que os processos

Leia mais

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Apoio à Inovação Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo prazo para investimento

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador Missão Promover a utilização do conhecimento científico,

Leia mais

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB EDITAL FAPESB 021/2014 APOIO A INOVAÇÃO EM COMÉRCIO E SERVIÇOS http://www.fapesb.ba.gov.br Salvador-BA, 25 de novembro de 2014 Geração de Empregos

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para credenciamento de Unidades EMBRAPII (UE)

Leia mais

SEBRAEtec Diferenciação

SEBRAEtec Diferenciação SEBRAEtec Diferenciação REGULAMENTO Investir em inovação tecnológica é fundamental para a competitividade das micro e pequenas empresas gaúchas. 2 2014 Mais recursos para as MPEs representam mais desenvolvimento

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013 Fomento à Produção Nacional Painel de Debate 16/4/2013 A FINEP A FINEP - Agência Brasileira da Inovação - é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann CIESP CAMPINAS 21-08-2014 Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Análise da Legislação em vigor Susy Gomes Hoffmann Breve Histórico da Legislação. Breve Histórico do Trabalho realizado pela FIESP/CIESP

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO 27 de outubro de 2006 Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

Dicas para Projetos de Financiamento em Inovação

Dicas para Projetos de Financiamento em Inovação Dicas para Projetos de Financiamento em Inovação Formulação de Projetos de Inovação Tecnológica Não se formulam projetos apenas para obter benefício de mecanismos públicos de estímulo

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Com quase 10 anos de atuação no Brasil, é uma das empresas pioneiras especializadas em mecanismos financeiros

Leia mais

Manual Prático de Apoio à Inovação. Onde e como conseguir apoio para promover a inovação em sua empresa.

Manual Prático de Apoio à Inovação. Onde e como conseguir apoio para promover a inovação em sua empresa. Manual Prático de Apoio à Inovação Onde e como conseguir apoio para promover a inovação em sua empresa. Instrumentos de Apoio à Inovação Ficha Técnica Esta publicação é uma iniciativa da ANPEI. É permitida

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica São Paulo 28 de abril de 2010 Gilberto Ayres Moreira Ana Carolina Moreira Garcia Histórico Legisla/vo Lei do Bem Lei nº 8.661/1993 (PDTI/PDTA); Lei nº 10.973/2004

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Rochester Gomes da Costa Chefe do Departamento de Empreendedorismo Inovador Area de Investimentos

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Ministério do Planejamento,Orçamento e Gestão Brasília, 06 de maio de 2009. Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério do Planejamento,Orçamento e Gestão Brasília, 06 de maio de 2009. Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério do Planejamento,Orçamento e Gestão Brasília, 06 de maio de 2009 Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Contribuições solicitadas pelo MCT para o Aperfeiçoamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14A/2011

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14A/2011 SELEÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR CURSO DE PRÉ-INCUBAÇÃO PARA PROJETOS DE BASE TECNOLÓGICA NO ÂMBITO DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ (INCTEC-SA) TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14A/2011 Contatos Luiz Augusto

Leia mais

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Radar Inovação - Março de 2010 A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Bruna Soly, Carina Leão, Manuela Soares e Pollyana Souza A EVOLUÇÃO DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

Leia mais

Fórum Nacional do CONFAP. Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil

Fórum Nacional do CONFAP. Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil Fórum Nacional do CONFAP Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil São Paulo, 27 de agosto de 2015 Alavancar os investimentos empresariais em P&D para alcançar o total de 1,5% do PIB em P&D. Em 10

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT, por intermédio da Financiadora de Estudos

Leia mais

APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS

APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS EMPRESAS Mecanismos de apoio e financiamento para empresas investirem em design Identificação do apoio/ financiamento mais apropriado Duas questões básicas Expectativa/necessidade

Leia mais

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009 A Inovação como Fator de Desenvolvimento das MPEs Luiz Carlos Barboza Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional 27 de outubro 2009 Ambiente Institucional Pro-inovaç inovação Fundos setoriais (16) estabilidade

Leia mais

POLÍTICA OPERACIONAL 2012-2015

POLÍTICA OPERACIONAL 2012-2015 POLÍTICA OPERACIONAL 2012-2015 2 Abril 2015 PRESIDENTE DA REPÚBLICA VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA Michel Temer MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO José Aldo Rebelo Figueiredo SECRETÁRIO

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO Prof. Nicolau Afonso Barth, Dr. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Assessoria de Projetos Cooperados / Assessoria de Assuntos Estudantis ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO: Lei

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

Painel B3: Transferência de Tecnologia

Painel B3: Transferência de Tecnologia Painel B3: Transferência de Tecnologia fatores de risco e de sucesso Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova

Leia mais

Agência USP de Inovação Arcabouço Legal, Marco Regulatório e Incentivos à Inovação. Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador

Agência USP de Inovação Arcabouço Legal, Marco Regulatório e Incentivos à Inovação. Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador Agência USP de Inovação Arcabouço Legal, Marco Regulatório e Incentivos à Inovação Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador Missão Promover a utilização do conhecimento científico, tecnológico

Leia mais