Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação"

Transcrição

1 Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012 Tecnologista Pleno 1-I Caracterização de Materiais MANHÃ

2 TECNOLOGISTA PLENO 1-I / CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS Texto I para as questões de 01 a 10. Ciência, palavra (pouco) feminina Um século depois de premiada, Marie Curie ainda é uma das poucas na lista do Nobel na área. Marie Curie, nascida na Polônia e radicada na França, foi a primeira mulher a ganhar o Nobel e até hoje é a única laureada em duas categorias do prêmio. O primeiro deles, em 1903, foi concedido em parceria com o marido, Pierre Curie, junto com Antoine Henri Becquerel, por estudos com radioatividade. Mas foi seu segundo Nobel que mereceu as celebrações como foco central do Ano Internacional da Química em Um século antes, Madame Curie ganhou sozinha o prêmio de Química pela descoberta do rádio e do polônio, dois elementos radioativos. Nada mais adequado, diante dessa homenagem, do que tratar dela e das mulheres na ciência no último dia do ciclo organizado pela FAPESP e pela Sociedade Brasileira de Química e divulgado por Pesquisa FAPESP todos os meses desde maio. A contribuição feminina na ciência é de um terço, alertou a coordenadora, Marília Goulart, da Universidade Federal de Alagoas. Como será daqui a 10 anos? Para ela, a ciência requer paixão e não é uma questão de gênero. Mas é preciso políticas que favoreçam o equilíbrio entre cientista e mãe, uma divisão de papéis que ainda causa dificuldades às mulheres nessa carreira que exige dedicação absoluta. As palestras aconteceram no dia 9 de novembro e contaram com a química Maria Vargas, da Universidade Federal Fluminense (UFF), a historiadora da ciência Ana Maria Alfonso-Goldfarb, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), e o cientista social Gabriel Pugliese, da Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Uma bancada dois terços feminina, invertendo a predominância na ciência. O olhar sobre o papel das mulheres cientistas prometido no título de Maria Vargas começou ali mesmo, dentro do auditório: Vanderlan Bolzani, professora da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Araraquara e uma das organizadoras do ciclo de conferências na FAPESP, foi a primeira mulher a presidir a Sociedade Brasileira de Química, entre 2008 e Mas voltando no tempo, a pesquisadora da UFF fez questão de dar destaque a Clara Immerwahr, que em 1890 pôs os estudos à frente da proposta de casamento feita pelo químico Fritz Haber, conhecido pela síntese da amônia. Cursou química como ouvinte e foi a primeira mulher na Alemanha a ter o título de doutora, em No ano seguinte, porém, aceitou o casamento e, talvez sem saber, assinou o fim de sua carreira científica. Apesar de trabalhar com o marido, o nome de Clara nunca foi citado. O casamento representou também o fim da própria vida, de certa maneira: ela se opôs ao marido e ao país quanto à produção de armas químicas na Primeira Guerra Mundial, que considerava uma perversão da ciência. Em protesto contra o papel de Haber na supervisão do primeiro ataque de gás na história militar, ela, acusada pelo marido de ser traidora da pátria, se suicidou em 1915, aos 45 anos. Uma mulher que poderia ter feito contribuições para a ciência, assim, acabou entrando para a história pela coragem de manifestar sua convicção pacifista sem ceder às pressões sociais e familiares. (Maria Guimarães. Pesquisa FAPESP. Edição 190. Dezembro/2011 Com adaptações.) 01 Após a leitura do texto I, é correto afirmar, acerca do título Ciência, palavra (pouco) feminina, que A) a omissão do termo pouco não causa alteração semântica. B) a omissão dos parênteses mantém a correção semântica e a ideia original. C) o termo pouco, entre parênteses, atribui ao adjetivo feminina um novo significado. D) é construído a partir de uma linguagem objetiva pertinente ao tipo textual proposto. E) o gênero da palavra ciência é questionado, tendo em vista o assunto tratado no texto. 02 Ao acrescentar uma oração ao subtítulo do texto, transformando-o em um período composto, obtém-se a seguinte estrutura (considere a correção de acordo com a norma culta): Um século depois de premiada, Marie Curie ainda é uma das poucas na lista do Nobel na área... A) onde foi reconhecida. D) que foram reconhecidas. B)... à que foi reconhecida. E)... onde foram reconhecidas. C)... ao qual foi reconhecida

3 03 O elemento de coesão textual está corretamente indicado e atua como referente do termo destacado em A) Mas foi seu segundo Nobel... (1º ) de Pierre Curie B) diante dessa homenagem,... (1º ) descoberta C) tratar dela e das mulheres... (1º ) homenagem D)... nessa carreira que exige dedicação absoluta. (2º ) cientista E)... assinou o fim de sua carreira científica. (3º ) de Fritz Haber 04 O trecho A contribuição feminina na ciência é de um terço, alertou a coordenadora, Marília Goulart, da Universidade Federal de Alagoas. demonstra o uso de um recurso na construção textual que indica A) o registro informal da língua, adequado a situações que permitem o uso de um vocabulário pessoal e afetivo. B) o registro dos sentimentos da articulista para emocionar o leitor e despertar seu interesse pelo conteúdo do texto. C) o uso de termos técnicos científicos com o objetivo de persuadir o leitor acerca do assunto e despertar seu interesse pela ciência. D) subjetividade através do uso de uma linguagem conotativa na exposição do assunto, associando dados científicos à opinião da articulista. E) atribuição de maior credibilidade aos fatos narrados, uma vez que se trata de uma declaração de pessoa relacionada ao conteúdo do texto. 05 Acerca do verbo de elocução utilizado, após a declaração de Marília Goulart, é correto afirmar que A) demonstra a preocupação com o fato por ela mencionado. B) a sua omissão mantém os sentidos produzidos pelo texto original. C) a brevidade da declaração torna importuna a utilização deste verbo. D) permite constatar que o estado de ânimo da declarante é neutro e tranquilo. E) expressa o constrangimento da declarante ao falar sobre o papel da mulher na ciência. 06 De acordo com a norma culta, o trecho grifado em Mas é preciso políticas que favoreçam o equilíbrio entre cientista e mãe... mantém a correção gramatical e semântica através da seguinte reescrita. A) Mas é necessária políticas... D) Mas são necessárias políticas... B) Mas é precisa muita política E) Mas são precisas estas políticas C) Mas é necessária muita política Assinale a alternativa que apresenta a finalidade das aspas na expressão perversão da ciência, que difere daquela pela qual foram utilizadas na declaração de Marília Goulart. A) Indicação de incorreção quanto à grafia do vocábulo. B) Indicação do uso de um termo classificado como neologismo. C) Início e fim da transcrição de uma opinião expressa referente à ciência. D) Marcação de uma expressão de sentido irônico, indicando crítica ao referido assunto. E) Indicação do uso de um termo não muito próprio, mas bastante próximo do que ali poderia estar. 08 Dentre os fragmentos a seguir retirados do texto I, é possível identificar o registro de opinião em A)... foi a primeira mulher a ganhar o Nobel e até hoje é a única laureada em duas categorias do prêmio. (1º ) B) Um século antes, Madame Curie ganhou sozinha o prêmio de Química... (1º ) C) As palestras aconteceram no dia 9 de novembro e contaram com a química Maria Vargas... (2º ) D) Uma bancada dois terços feminina, invertendo a predominância na ciência. (2º ) E) O casamento representou também o fim da própria vida, de certa maneira:... (3º ) - 3 -

4 09 Em... dificuldades às mulheres... (2º ), o acento grave indicador de crase é obrigatório, assim como em A) Iremos até à Bahia, brevemente. D) Fui à casa, mas regressei em poucos minutos. B) Àquela época tudo era diferente. E) Ofereceram ótimo salário à nossa funcionária. C) Não sou candidato à coisa nenhuma. 10 A palavra que classifica-se de várias formas. Dentre os fragmentos a seguir, a classificação da palavra se difere das demais em A) Mas foi seu segundo Nobel que mereceu as celebrações... (1º ) B)... diante dessa homenagem, do que tratar dela... (1º ) C) Mas é preciso políticas que favoreçam o equilíbrio... (2º ) D)... uma divisão de papéis que ainda causa dificuldades... (2º ) E) nessa carreira que exige dedicação absoluta. (2º ) Texto II para as questões de 11 a 15. A ciência das multidões Com ajuda da rede, amadores participam de pesquisas científicas importantes. Há mais de dez anos, os cientistas tentam decifrar a estrutura do vírus Mason-Pfizer, que ataca macacos e é semelhante ao da Aids. Recentemente, um grupo de pesquisadores resolveu deixar o orgulho de lado, jogar o problema na Internet e pedir ajuda para as massas. A resposta não demorou mais que 3 semanas. E, boa notícia, estava correta. Assim, os cientistas aprenderam um pouco mais sobre a doença e como pode ser combatida. A estrutura foi descoberta por duas equipes participantes do jogo online Foldit. Criado em 2008 por cientistas da Universidade de Washington, o game mostra a composição de uma proteína e pede para que os jogadores ajudem a descobrir como suas peças se encaixam na natureza. Quanto menos energia a estrutura desperdiçar, mais pontos o jogador ganha. A ideia do game surgiu da dificuldade que os computadores tinham em estruturar essas proteínas faltava a criatividade. Resolvemos envolver pessoas no processo, contar com sua noção espacial e poder de solução de problemas, diz o engenheiro Seth Cooper, criador do projeto. Além do Foldit, outros jogos online permitem que voluntários ajudem a realizar pesquisas acadêmicas, no que ficou conhecido como crowdsourcing científico. Ou seja, os pesquisadores estão dispostos a dividir seus créditos em troca de uma mão das multidões. Prova disso é o fato de os jogadores que decifraram a proteína do vírus de macaco serem coautores do estudo que relata a descoberta. (Galileu. Ed. Globo. Novembro/2011.) 11 O título A ciência das multidões justifica-se, de acordo com o texto II, porque A) o estudo científico tem se popularizado nos dias atuais, sendo parte do cotidiano de todo e qualquer indivíduo. B) trata-se de uma crítica à mutliplicação da ciência de forma descomprometida e sem o respaldo necessário que lhe garante a devida confiabilidade. C) através da rede mundial de computadores, pessoas de todos os grupos sociais têm acesso e chegam a ser coautores de descobertas científicas. D) através da tecnologia presente no século XXI, um número cada vez maior de pessoas pode interagir e participar de descobertas e experiências científicas. E) tendo em vista a velocidade com que a ciência tem se desenvolvido, faz-se necessária a restrição do acesso de suas pesquisas a determinados grupos sociais. 12 Acerca do emprego da pontuação no período Recentemente, um grupo de pesquisadores resolveu deixar o orgulho de lado, jogar o problema na Internet e pedir ajuda para as massas., analise. I. O trecho que aparece entre vírgulas trata-se de um aposto, portanto, tal pontuação é obrigatória. II. A vírgula que separa o adjunto adverbial pode ser dispensada mantendo-se a correção gramatical. III. O acréscimo da vírgula após pesquisadores confere ênfase a este termo, destacando-o positivamente no período. Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s) A) II. B) III. C) I e II. D) I e III. E) II e III

5 13 O termo estrutura (1º ) tem, no período, a mesma função sintática que o termo destacado em A)... que ataca macacos... D)... pedir ajuda para as massas. B)... semelhante ao da Aids. E) diz o engenheiro Seth Cooper,... C) jogar o problema na Internet A palavra destacada em Assim, os cientistas aprenderam... (1º ) indica, de acordo com o contexto, ideia de A) causa. B) finalidade. C) conclusão. D) explicação. E) comparação. 15 A oração A estrutura foi descoberta por duas equipes participantes do jogo online Foldit. (2º ) tem sua reescrita, alterando-se a voz verbal, corretamente indicada em A) Duas equipes participantes do jogo online Foldit descobriram a estrutura. B) A estrutura fora descoberta por duas equipes participantes do jogo online Foldit. C) A estrutura seria descoberta por duas equipes participantes do jogo online Foldit. D) Duas equipes participantes do jogo online Foldit foram descobertas pela estrutura. E) Por duas equipes participantes do jogo online Foldit, a estrutura teria sido descoberta. Read text III and answer questions 16 to 25. July 25, NOÇÕES DE INGLÊS Nasa successfully tests hypersonic heat shield The development of a large inflatable heat shield by the Space Technology Program at NASA has a number of implications for the oft-criticized space agency, as successful tests of the technology have led to speculation about its potential to support long-distance travel. Science Daily reported that the Inflatable Reentry Vehicle Experiment (IRVE-3) was launched from NASA's Wallops Flight Facility on Wallops Island, Virginia. The heat shield reached speeds up to 7,600 miles per hour, successfully, and travelled at this rate for a significant period during the test. The purpose of the test was to show that a space capsule can rely upon the heat shield to protect itself as it enters an atmosphere, according to the news outlet. Planetary entry and descent, including both a return to Earth from the International Space Station and any prospective missions to Mars, were targeted as potential uses for the outer shell. It's great to see the initial results indicate we had a successful test of the hypersonic inflatable aerodynamic decelerator, James Reuther, deputy director of NASA's Space Technology Program, said in a statement. This demonstration flight goes a long way toward showing the value of these technologies to serve as atmospheric entry heat shields for future space. NASA's engineering research team used a cone of uninflated high-tech rings covered by a thermal blanket of layers of heat resistant materials for IRVE-3, as the heat shield was launched for its suborbital flight from a three-stage Black Brant Rocket, according to Science Daily. The heat shield was inflated by a system that pumped nitrogen into the aero shell until it expanded to a shape with a diameter of 10 feet. Engineers at the Wallops site monitored IRVE-3 by watching four onboard cameras and onboard instruments, as the temperature and pressure levels of the craft were closely observed to ensure the success of the test. From takeoff to splashdown, the flight lasted roughly 20 minutes, but the implications of the test could have a far-reaching impact on NASA's ability to support space travel. A team of NASA engineers and technicians spent the last three years preparing for the IRVE-3 flight, said Lesa Roe, director of NASA's Langley Research Center in Hampton, Va. We are pushing the boundaries with this flight. We look forward to future test launches of even bigger inflatable aero shells. Space.com reported that NASA engineers want this test to serve as a springboard for later efforts, including the use of these heat shields for larger payloads, such as ships that contain large amounts of materials or even human passengers

6 We want to go to higher latitudes at that mass, or use this technology for larger payloads, such as humans, Neal Cheatwood, the principal engineer for the test, told the news outlet. Cheatwood noted that the engineering research team is trying to outline the myriad potential uses for the heat shield, but the first application is likely to be a support role for the removal of garbage for the International Space Station. Robotic spacecraft are sent to remove trash from the ISS, but can only carry a small amount of supplies on these trips. However, the successful IRVE-3 test showed that there is a potential for the heat shield to increase the productivity of these trips. When we send up re-supply [spacecraft] to the station, there's no portable on-demand storage up there, Cheatwood told Space.com. When they bring up 'x' number of cubic feet of stuff, we need to get rid of that much as well. (http://why.knovel.com/all-engineering-news/1746-nasa-successfully-tests-hypersonic-heat-shield.html Com adaptações.) 16 The aim of the test developed at NASA was A) to repel the speculation about the Space Technology Program testing procedures. B) to make more effective takeoffs of future launches of capsules when entering the atmosphere. C) to report to the NASA engineers and technicians about the inflated system in the heat shield. D) to show that a future space travel to Mars is possible. E) to demonstrate that the heat shield makes it safer for capsules to enter the atmosphere. 17 In the sentence We look forward to future test launches of even bigger inflatable aero shells., the expression highlighted expresses that Lesa Roe, director of NASA's Langley Research Center in Hampton, is A) mad at future test launches. D) observing future test launches. B) indifferent to future test launches. E) reticent in relation to future test launches. C) anxious for future test launches. 18 The suffix present in the word highlighted in there's no portable on-demand storage up there,, could also be used in the word A) responsable. B) amicable. C) sensable. D) feasable. E) incompatable. 19 In the sentence successful tests of the technology have led to speculation about its potential, the Present Perfect was used to express the idea of an action that A) started and finished in the past. B) happened in the past at a definite past time. C) happened in the past at an indefinite past time. D) happened in the past before another past action took place. E) started in the past and doesn t continue up to the present. 20 Match the two columns to classify the ing forms and mark the alternative which presents the right sequence. 1. ing form used as a verb. ( ) This demonstration flight goes a long way toward showing the value... ( ) Engineers at the Wallops site monitored IRVE-3 by watching four onboard cameras 2. ing form used as a noun. ( ) but the implications of the test could have a far-reaching impact on NASA's ability to support space travel. ( ) We are pushing the boundaries with this flight. 3. ing form used as an adjective. ( ) the engineering research team is trying to outline the myriad potential uses for the heat shield, A) 2, 2, 3, 1, 1 B) 1, 1, 3, 2, 2 C) 3, 2, 1, 2, 3 D) 2, 3, 2, 1, 3 E) 1, 1, 2, 3, 2-6 -

7 21 The ch in the word technology as in the technology have led to... has the same sound of the word in, EXCEPT, A) epoch. B) stomach. C) technician. D) launched. E) ache. 22 If the word American and the word successful were inserted in the phrase the heat shield, the right sequence of words would be A) the successful heat American shield. D) the successful American heat shield. B) the American successful heat shield. E) the successful heat American shield. C) the heat successful American shield. 23 The word highlighted in The purpose of the test was to show that a space capsule can rely upon the heat shield to protect itself as it enters an atmosphere, can be substituted, with no change of meaning, for A) for. B) thus. C) while. D) nevertheless. E) even though. 24 The utterance by Neal Cheatwood We want to go to higher latitudes at that mass, or use this technology for larger payloads, such as humans in the indirect speech is A) Neal Cheatwood declared that they want to go to higher latitudes at that mass, or use this technology for larger payloads, such as humans. B) Neal Cheatwood declared that he wanted to go to higher latitudes at that mass, or use that technology for larger payloads, such as humans. C) Neal Cheatwood declared that they wanted to go to higher latitudes at this mass, or use this technology for larger payloads, such as humans. D) Neal Cheatwood declared that they have wanted to go to higher latitudes at that mass, or use that technology for larger payloads, such as humans. E) Neal Cheatwood declared that they wanted to go to higher latitudes at that mass, or use that technology for larger payloads, such as humans. 25 In the sentence When they bring up 'x' number of cubic feet of stuff, we need to get rid of that much as well, the highlighted expression can be replaced, with no change of meaning, by A) postpone. B) eliminate. C) extinguish. D) exercise. E) have more of. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 26 Um cristal metálico sofre um processo de endurecimento quando deformado plasticamente. Esse fenômeno denomina-se encruamento, podendo ser representado numa curva-tensão de cisalhamento versus deformação tangencial, onde se observa a elevação da tensão com o aumento da deformação. De acordo com o trecho anterior, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) O agregado policristalino de um metal apresenta taxa de encruamento bem maior do que a de um monocristal do mesmo metal. ( ) O tamanho do grão exerce uma influência marcante no encruamento, alterando a forma e a posição da curva tensão-deformação e, particularmente, o limite de elasticidade. ( ) O encruamento é obtido, nos produtos metálicos, através dos processos de conformação plástica realizados com um trabalho a frio, a uma temperatura comumente ambiente. ( ) Os monocristais de metais de estrutura cúbica encruam através de mecanismo de deslizamento mais simples do que os dos metais de estrutura hexagonal compacta. ( ) Em metais de estrutura hexagonal compacta, o mecanismo de deslizamento ocorre em somente uma família de planos, e o metal apresenta uma pequena taxa de encruamento. A sequência está correta em A) V, V, F, F, F B) V, F, V, V, F C) F, V, F, V, V D) V, V, V, F, V E) F, F, V, V, V - 7 -

8 27 A dureza é uma medida da resistência do material a uma deformação plástica localizada. Os ensaios de dureza são realizados com mais frequência do que qualquer outro ensaio mecânico, e as durezas medidas são apenas relativas, devendo ser criteriosa a comparação de valores determinados segundo técnicas diferentes. Diante do exposto, assinale a afirmativa INCORRETA. A) Os primeiros ensaios de dureza eram baseados em minerais naturais, com uma escala construída unicamente em função da habilidade de um material em riscar outro mais macio. B) As técnicas quantitativas para determinação da dureza foram desenvolvidas ao longo dos anos, nas quais um pequeno penetrador é forçado contra a superfície de um material a ser testado. C) Durante o ensaio de dureza, o penetrado é forçado sob condições controlada de carga e taxa de aplicação. D) Os ensaios de dureza são caros e complexos; normalmente o corpo de prova deve ser especialmente preparado, e os equipamentos de ensaio são relativamente caros. E) Quanto mais macio for o material, maior e mais profunda é a impressão e menor é o número índice de dureza. 28 Os ensaios de dureza Rockwell é o método mais utilizado para medir a dureza, pois é muito simples de executar e não exige qualquer habilidade especial. Diversas escalas diferentes podem ser utilizadas, a partir de combinações possíveis de vários penetradores e diferentes cargas, as quais permitem o ensaio virtualmente de todos os metais e ligas, desde os mais duros até os mais macios. Diante do exposto, analise. I. Com este sistema, um número de índice de dureza é determinado pela diferença na profundidade de penetração, que resulta da aplicação de uma carga maior seguida por uma carga principal menor. II. Nos ensaios Rockwell superficiais, a carga é de 10 kg, enquanto as cargas principais são de 60, 100 e 150 kg. III. Os ensaios Rockwell superficiais são realizados frequentemente para os corpos de prova mais grossos. IV. Ao se especificar dureza Rockwell e superficial, tanto o número de índice de dureza quanto o símbolo de escala devem ser indicados. V. O dispositivo para efetuar medição da dureza Rockwell é automatizado e muito simples de usar; a leitura da dureza é direta, e cada medição exige apenas alguns segundos. Estão corretas apenas as afirmativas A) I, IV e V. B) I e III. C) I, II e III. D) I e V. E) IV e V. 29 Nos ensaios de dureza Brinell, um penetrador esférico e duro é forçado contra a superfície do material a ser testado. O índice de dureza Brinell é uma função tanto da magnitude da carga quanto do diâmetro da impressão resultante. Sendo assim, analise. I. O diâmetro medido pela dureza de Brinell é feito por um microscópio especial de baixa potência, utilizando uma escala gravada na sua ocular. II. O diâmetro medido é convertido do número HB apropriado com o auxílio de um gráfico; com essa técnica, emprega-se uma ou mais escalas. III. As cargas utilizadas nos ensaios de dureza Brinell variam entre 500 e 3000 kg, em incrementos de 500 kg. IV. Durante o ensaio, a carga varia por um tempo específico (entre 10 e 30 s). Os materiais mais duros exigem cargas aplicadas maiores. Estão corretas apenas as afirmativas A) I e IV. B) I, III e IV. C) III e IV. D) I e III. E) II e IV. 30 Assinale a alternativa INCORRETA sobre o controle e a distribuição dos documentos do sistema de gestão, de acordo com a norma ISO/IEC A) As edições autorizadas dos documentos apropriados devem estar todos nos locais onde sejam realizadas operações essenciais para o efetivo funcionamento do laboratório. B) Os documentos inválidos e/ou obsoletos devem ser periodicamente analisados criticamente e, quando necessário, revisados. C) Os documentos obsoletos retidos, por motivos legais e/ou para preservação de conhecimento, devem ser adequadamente identificados. D) Os documentos do sistema de gestão gerados pelo laboratório devem ser univocamente identificados. E) A identificação dos documentos deve incluir a data de emissão e/ou a identificação da revisão, paginação, número total de páginas e a(s) autoridade(s) emitente(s)

9 31 Na técnica de ensaio de dureza Vickers utiliza-se um penetrador muito pequeno, com geometria piramidal, forçado contra a superfície do corpo de prova. Essa técnica, algumas vezes, é chamada de pirâmide de diamante. Em relação ao ensaio de dureza Vickers, é INCORRETO afirmar que A) as cargas aplicadas no ensaio de dureza Vickers são muito menores do que para os ensaios Rockwell e Brinell, variando entre 1 a 1000 g. B) o método Vickers é adequado para medição da dureza de regiões pequenas e selecionadas do corpo de prova. C) a impressão resultante é observada sob um microscópio e medida; essa medida é então convertida em um número índice de dureza. D) muitas vezes, é necessário lixamento ou polimento da superfície do corpo de prova, para se obter uma medida mais precisa. E) o número de dureza Vickers é designado por HV, sendo conhecido como método de ensaios de microdureza com base na massa e no tamanho do corpo de prova. 32 Quando um laboratório subcontrata trabalho, seja por razões imprevistas, ou de forma contínua, tal trabalho deve ser repassado para o subcontratado competente. Um subcontratado competente é aquele que atende à norma para o trabalho em questão. De acordo com a norma ISO/IEC 17025, sobre a subcontratação de ensaios e calibrações, analise. I. O laboratório deve informar a subcontratação ao cliente por escrito e, quando apropriado, obter sua aprovação, preferencialmente por escrito. II. O laboratório é responsável perante o cliente pelo trabalho do subcontratado, até mesmo no caso em que o cliente ou uma autoridade regulamentadora especificar o subcontratado a ser usado. III. Não é necessário que o laboratório mantenha cadastro de todos os subcontratados que ele utilize para os ensaios e/ou calibrações. IV. As regras imprevistas para subcontratar são: sobrecarga de trabalho, necessidade de conhecimento extra e incapacidade temporária. Estão corretas apenas as afirmativas A) I e II. B) II e IV. C) II e III. D) I e III. E) I e IV. 33 O laboratório deve ter uma política e procedimentos a serem implementados quando qualquer aspecto de seu trabalho de ensaio e/ou calibração, ou os resultados deste trabalho, não estiverem em conformidade com os próprios procedimentos ou com os requisitos acordados com o cliente. De acordo com a norma ISO/IEC 17025, a política e o procedimento de ensaios e/ou calibração não conforme garantem que, EXCETO: A) Sejam definidas e tomadas ações quando identificar um trabalho não conforme, exceto a interrupção de trabalhos e retenção dos relatórios de ensaios e certificados de calibração. B) Sejam designadas responsabilidade e autoridade pelo gerenciamento do trabalho não conforme. C) Onde necessário, o cliente seja notificado e o trabalho, cancelado. D) Seja feita uma avaliação da importância do trabalho não conforme. E) A identificação do trabalho não conforme, tanto com o sistema de gestão quanto com as atividades de ensaios e/ou calibração, pode ocorrer em vários pontos no sistema de gestão e nas operações técnicas. 34 Conforme a norma ISO/IEC 17025, o laboratório deve estabelecer uma política e um procedimento, designando autoridades apropriadas para implementar ações corretivas quando forem identificados trabalhos não conformes ou desvios das políticas e procedimentos no sistema de gestão ou nas operações técnicas. Assinale a alternativa correta. A) O procedimento para a ação corretiva deve iniciar com um relatório para determinar os principais problemas. B) A análise de causa é a chave e, algumas vezes, a parte mais fácil do procedimento de ação corretiva. C) O laboratório não deve monitorar os resultados para garantir que as ações corretivas tomadas sejam eficazes. D) O laboratório não pode documentar e implementar quaisquer mudanças requeridas resultantes das investigações relacionadas com as ações corretivas. E) Frequentemente, a causa-raiz não é óbvia e, portanto, é necessária uma análise cuidadosa de todas as causas potenciais do problema

10 35 O primeiro estágio do processo de recozimento é a recuperação, em que as propriedades mecânicas modificadas pelo trabalho a frio tendem a retornar a seus valores iniciais. Nesse processo, a energia interna acumulada é reduzida em pequena parte e as tensões mecânicas internas são aliviadas substancialmente. Diante do exposto, analise. I. Associados ao processo de recuperação estão os fenômenos de movimentação de discordância por mecanismos de escorregamento e salto. II. Num tratamento isotérmico, o processo de recuperação ocorre de forma lenta no início e, gradativamente, aumenta a velocidade. III. O fenômeno de recuperação está presente nos tratamentos térmicos para alívio de tensões internas. IV. Na recuperação, a microestrutura do material que se apresenta com os grãos deformados de forma alongada não sofre alteração aparente. Estão corretas apenas as afirmativas A) I e IV. B) II, III e IV. C) II e IV. D) I, III e IV. E) II e III. 36 Para definir de maneira completa a estrutura de um determinado metal, é necessário determinar algumas dimensões da célula unitária (parâmetro da estrutura) e a forma geométrica do cristal. No caso do sistema cúbico, deve-se definir o parâmetro do retículo a; no caso do hexagonal, o parâmetro a corresponde à aresta do hexágono da base. De acordo com os parâmetros da estrutura cristalina em metais, é correto afirmar que A) o raio atômico r é definido como a distância total entre dois átomos vizinhos, paralelos entre si, admitidos com a forma esférica. B) no sistema cúbico, o parâmetro do retículo a é a distância entre os pontos do reticulado correspondentes ao vértice do cubo, ou seja, à sua aresta. C) o raio atômico r não pode ser determinado pelos parâmetros do reticulado. D) a densidade de empacotamento expressa o número de vizinhos de cada átomo. E) o número de coordenação indica a fração do volume ocupado pelos átomos (esféricos) em relação ao volume total da célula. 37 Os índices de Miller são um conjunto de números inteiros que descrevem a orientação no espaço das direções e planos cristalográficos. O sistema de representação de planos e direções, constituídos de um conjunto de três números, se aplica ao sistema cristalino cúbico, já no sistema hexagonal é conveniente introduzir um quarto índice, para permitir que os planos e direções equivalentes tenham índices da mesma natureza. Diante do exposto, analise. I. O conjunto de planos equivalentes que constitui uma família é representado por (h k l). II. Os planos e direções paralelas se apresentam pelos mesmos índices. III. Para o sistema hexagonal, as direções que apresentam os mesmos índices dos planos são perpendiculares a esses planos. IV. O conjunto de direções equivalentes forma uma família de direções representada por <u v w>. Estão corretas apenas as afirmativas A) I e II. B) I, III e IV. C) I e IV. D) II, III e IV. E) II e IV. 38 Os campos de deformação, que existem ao redor das discordâncias, são importantes na determinação da mobilidade das discordâncias, bem como suas habilidades em se multiplicar. Diante do exposto, analise. I. Quando os metais são submetidos à deformação plástica, uma fração da energia de deformação (aproximadamente 5%) é dissipada em calor. II. O restante da energia de deformação dos metais submetidos à deformação plástica é retida internamente. III. A maior parte da energia armazenada consiste em uma energia de deformação que está associada às discordâncias. IV. Duas discordâncias arestas de mesmo sinal e localizadas sobre o mesmo plano de escorregamento exercem uma força atrativa sobre a outra. V. Quando duas discordâncias se encontram, se anulam mutuamente, deixando uma região de cristal perfeito. Estão corretas apenas as afirmativas A) II e V. B) I e IV. C) I e II. D) III e V. E) IV e V

11 39 Os cristais metálicos podem ser constituídos por mais de um elemento metálico quando ocorre a adição de outros elementos a um elemento básico, visando à formação de ligas metálicas. A adição de um elemento a outro elemento-base pode acontecer na formação de uma solução sólida, em que o primeiro elemento constitui o soluto e, o segundo, o solvente. Diante do exposto, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) Quando a diferença de raios atômicos é grande, pode ocorrer a formação de uma solução sólida substitucional, com a localização do elemento de menor raio atômico entre os espaços atômicos dos elementos de maior diâmetro atômico, sem distorção da célula. ( ) As ligas metálicas de diversos elementos formam um sistema complexo, onde os elementos se dissolvem de forma intersticial e outro de forma substitucional. ( ) A solução sólida intersticial apresenta uma limitação da solubilidade devido ao pequeno volume dos espaços interatômicos. A célula do elemento solvente tem, além disso, o seu volume aumentado. ( ) Na fase intermediária, acontece a limitação de um elemento no outro e ocorre à formação de uma segunda fase, que pode ser constituída de uma estrutura diferente dos componentes e de uma fórmula mínima definida. ( ) Os super-reticulados ou superestruturas são soluções sólidas ordenadas. Muitas soluções sólidas se tornam ordenadas em baixas temperaturas, pelo processo onde ocorre uma mudança da distribuição aleatória dos átomos de um elemento dissolvido no outro, para um arranjo ordenado. A sequência está correta em A) F, V, V, V, V B) V, F, V, V, F C) F, V, V, F, V D) V, F, F, F, F E) F, F, V, F, V 40 O cristal perfeito se caracteriza por não apresentar alterações na natureza periódica da localização dos átomos. Os cristais reais, no entanto, apresentam falta de regularidade na estrutura, denominados defeitos cristalinos. As discordâncias, conhecidas como defeitos cristalinos, podem ser: de aresta, espiral e mista. Sobre as discordâncias, assinale a afirmativa correta. A) Uma discordância aresta se move em resposta à aplicação da tensão de cisalhamento em direção perpendicular à direção da tensão. B) Em uma discordância espiral, há distorção localizada de rede cristalina ao longo da extremidade de um semiplano adicional de átomos, que também define a linha da discordância. C) As discordâncias não se movem com o mesmo grau de facilidade sobre todos os planos cristalográficos de átomos. Existe um plano preferencial, e nele direções específicas ao longo das quais ocorre o movimento das discordâncias. D) O movimento de uma discordância espiral, em resposta à aplicação da tensão de cisalhamento, é perpendicular à sua linha. E) A direção do movimento da discordância aresta, em resposta à aplicação de uma tensão de cisalhamento, é paralela à sua linha. 41 Em soluções sólidas são encontrados muitos defeitos pontuais devido à presença de impurezas, que podem ser: substitucional e intersticial. No caso dos defeitos substitucionais, os átomos de impurezas tomam lugar dos átomos hospedeiros e os substituem. Já os defeitos intersticiais, os átomos de impurezas preenchem os espaços vazios que existem entre os átomos hospedeiros. É correto afirmar que A) para materiais metálicos que possuem fatores de empacotamento atômicos relativamente elevados, as posições intersticiais são relativamente grandes. B) para que a solubilidade dos sólidos seja apreciável, as estruturas cristalinas para metais de ambos os tipos de átomos devem ser diferentes. C) o diâmetro atômico de uma impureza intersticial deve ser substancialmente menor do que o diâmetro dos átomos hospedeiros. Normalmente, a concentração máxima permissível para os átomos de impureza intersticial é baixa (inferior a 10%). D) quanto mais eletropositivo for um átomo e eletronegativo for o outro, menor será a tendência de formarem um composto intermetálico ao invés de uma solução sólida substitucional. E) o cobre e o níquel são exemplos de solução sólida intersticial. Esses dois elementos são completamente solúveis um ao outro, em qualquer proporção

12 42 Os materiais apresentam vários defeitos e imperfeições. As propriedades dos materiais são profundamente sensíveis a desvios da perfeição cristalina. O defeito cristalino é uma irregularidade na rede cristalina com uma ou mais das suas dimensões na ordem de um diâmetro atômico. Diante do exposto, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) A adição de átomos de impurezas a um metal resultará na formação de uma solução sólida. À medida que os átomos são adicionados ao material hospedeiro, a estrutura cristalina se modifica e uma nova estrutura é formada. ( ) Todo material cristalino contém lacuna, sendo impossível criar um material que esteja isento desse tipo de defeito. ( ) Lacuna é um sítio vago da rede cristalina, onde um sítio, que normalmente deveria estar ocupado, está com um átomo faltando. ( ) Os metais mais familiares não são altamente puros: são ligas, onde átomos de impurezas foram adicionados intencionalmente para conferir características específicas ao material. ( ) Ordinariamente, a formação de ligas é utilizada em metais para aumentar a resistência mecânica e a resistência à corrosão. A sequência está correta em A) F, V, V, V, V B) V, V, F, V, F C) F, F, F, V, V D) V, F, F, F, F E) F, F, V, F, V 43 A resistência e a dureza de algumas ligas metálicas podem ser melhoradas pela formação de partículas extremamente pequenas e, uniformemente, dispersas em uma segunda fase no interior da matriz da fase original. Isso deve ser obtido mediante tratamentos térmicos apropriados. O processo é conhecido por endurecimento por precipitação, pois as partículas da nova fase são conhecidas como precipitadas. Diante do exposto, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) No tratamento térmico por precipitação, os átomos de um soluto são dissolvidos para formar uma solução sólida monofásica. ( ) A explicação do procedimento de endurecimento por precipitação fica mais facilitada se for utilizado o diagrama de fases. ( ) Embora na prática, muitas ligas endurecidas por precipitação contenham dois ou mais elementos, a discussão fica mais simplificada quando se faz referência a um sistema binário. ( ) O endurecimento por precipitação é empregado comumente em ligas de alumínio de alta resistência. ( ) Os efeitos combinados de encruamento e endurecimento por precipitação podem ser empregados em ligas de alta resistência. A sequência está correta em A) F, V, V, V, V B) V, F, V, F, V C) F, V, F, V, F D) V, V, F, V, V E) F, V, V, F, V 44 A maioria dos materiais metálicos passa durante sua fabricação por processos de deformação a quente, para que sejam obtidos produtos, como chapas, arames, tubos, dentre outros. Nesses processos, ocorrem várias alterações microestruturais simultâneas, tais como: encruamento, recuperação e recristalização. Analise as afirmativas e assinale a correta. A) Os processos de encruamento e recristalização, quando ocorrem durante a deformação, são denominados encruamento dinâmico e recristalização dinâmica, respectivamente. B) Os metais com baixa energia de defeito de empilhamento apresentam cinética de recuperação rápida, diminuindo a quantidade de defeitos cristalinos. C) Os metais com alta energia de defeito de empilhamento apresentam cinética de recuperação lenta e a quantidade de defeitos cristalinos aumenta com a deformação. D) Na recristalização dinâmica, deve-se considerar a aniquilação de grandes quantidades de defeitos pela migração de contornos de grãos. E) A ocorrência do encruamento dinâmico está associada à geração de um número grande de defeitos durante a deformação a frio. Esses defeitos não podem ser eliminados apenas por recuperação dinâmica

13 45 Nas técnicas de preparação da amostra para ensaios de macografia em metalografia incluem-se a obtenção de uma superfície plana e polida no lugar escolhido, onde compreendem duas etapas: corte e polimento. Posteriormente, a superfície polida é submetida à ação de um reativo, em que certas regiões são atacadas com maior intensidade do que outras. Diante do exposto, analise. I. Conforme duração e profundidade, os ataques de superfície são classificados como lentos ou profundos e rápidos ou superficiais. Os ataques de superfície lentos ou profundos são os mais empregados. II. Quando o corte não é viável para examinar a superfície, utiliza-se o desbaste, que é praticado com esmeril comum ou com auxílio da plaina até atingir a região interessada. III. Deve-se evitar passar um pano sobre a superfície em polimento quando mudar de lixa, para não contaminar a nova com o resíduo do pano. IV. Por meio de uma lima fina, ou uma lixadeira mecânica, a etapa do corte ou desbaste é terminada, onde se obtém uma superfície plana bem retificada e com a orientação desejada. V. Um polimento muito brilhante facilita o ataque, principalmente, porque o reativo molha homogeneamente a superfície. Estão INCORRETAS apenas as afirmativas A) II e V. B) I, II e V. C) I, III e V. D) II, IV e V. E) I e III. 46 O ensaio de dureza consiste na impressão de uma pequena marca feita pela aplicação de pressão com uma ponta em superfície. Os métodos mais utilizados em engenharia são os penetradores com formato padronizado e pressionados na superfície do material sob condições específicas de pré-carga e carga, causando, inicialmente, deformação elástica e, em seguida, deformação plástica. Diante do exposto, analise. I. Nos ensaios de dureza Vickers, o tipo do penetrado é de aço (ou carbeto de tungstênio) endurecido com diâmetro de 10,00 mm (0,394 pol.). II. Nos ensaios Vickers, o penetrador usado é padronizado com geometria piramidal de base quadrada e com um ângulo de 136 entre faces opostas. III. Os penetradores dos ensaios de dureza Brinell incluem bolas de aço esféricas endurecidas, com diâmetro de 1/16, 1/8, 1/4 e 1/2 polegadas. IV. Um penetrador cônico de diamante (Brale) é utilizado para os materiais mais duros nos ensaios de microdureza Rockwell. Estão corretas apenas as afirmativas A) I e III. B) II, III e IV. C) III e IV. D) I, II e IV. E) II e IV. 47 Quando, na solicitação mecânica de um corpo, atinge-se a tensão limite de escoamento, o corpo inicia um processo de deformação permanente ou deformação plástica. Dois mecanismos estruturais básicos podem estar presentes no cristal durante o processo de deformação plástica: escorregamento e maclação. Acerca do processo de deformação plástica, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) No escorregamento, ao contrário da maclação, muitos planos se movimentam mantendo uma regularidade onde os átomos de um plano deslocam-se de uma mesma distância em relação aos átomos de outro plano. ( ) No escorregamento, uma parte do cristal move-se em relação à outra parte, segundo determinados planos e direções cristalográficas. ( ) Os átomos, durante o escorregamento, deslocam-se em distâncias múltiplas de uma distância interatômica, de maneira a manter a continuidade do retículo cristalino. ( ) Na maclação, uma parte do cristal inclina-se em relação à outra parte, a partir de um plano limite das duas partes, denominado plano de maclação. ( ) O principal mecanismo de deformação plástica é o de escorregamento provocado pela movimentação de discordâncias. A sequência está correta em A) F, V, V, V, V B) V, F, V, F, V C) F, V, V, F, V D) V, V, F, F, F E) F, F, V, V, F

14 48 O agregado policristalino, presente na maioria dos materiais metálicos, se deforma de maneira mais complexa do que o cristal isolado, devido à presença dos contornos dos grãos e de segundas fases. O contorno do grão do agregado policristalino se apresenta irregular, caracterizando uma região de elevada imperfeição cristalina. Marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) O contorno dos grãos dificulta o movimento das discordâncias, o que exige maior nível de solicitação mecânica para dar continuidade à deformação plástica. ( ) Um material metálico com uma granulação maior irá apresentar uma menor deformabilidade plástica e uma maior resistência mecânica. ( ) Um material metálico com uma granulação maior apresenta uma menor área de contornos de grãos. ( ) A passagem de uma discordância do cristal para o outro adjacente é dificultada, devido ao segundo cristal apresentar, muito provavelmente, uma orientação diferente. ( ) A taxa de encruamento irá se reduzir com o aumento do tamanho do grão de um material metálico. A sequência está correta em A) V, V, V, F, F B) V, F, V, V, V C) F, F, F, V, V D) F, V, F, V, F E) V, V, F, F, F 49 Quando um material ou peça é entregue a um laboratório de ensaios para ser examinado, o encarregado de estudar o assunto precisa, antes de tomar qualquer proveniência, inteirar-se bem do que o interessado deseja e qual o fim visado. A técnica de preparo da amostra abrange muitas fases, tais como a escolha e a localização da secção a ser estudada, utilizando-se o corte transversal ou o longitudinal nesses ensaios de metalografia. A preferência pelo corte transversal utilizada nos ensaios de metalografia tem como objetivo verificar, EXCETO: A) A natureza do material (aço, ferro pludado); se a secção é inteiramente homogênea ou não; a forma e a intensidade da segregação. B) Se a peça é fundida, forjada ou laminada; a solda da barra, se a peça foi estampada ou torneada. C) A existência de restos vazios; a profundidade da têmpera; se a peça sofreu cementação. D) Em casos de ferramentas de corte, calçadas, a espessura e regularidade das camadas caldeadas, a secção deve ser perpendicular ao gume. E) A posição, forma e dimensão das bolhas, a regularidade e a profundidade de partes conquilhadas de ferro fundido. 50 Embora os conceitos tradicionais de incerteza sejam válidos como ideais, eles focalizam grandezas desconhecidas: o erro do resultado de uma medição e o valor verdadeiro do mensurado, respectivamente. Não obstante, qualquer que seja o conceito de incerteza adotado, o seu componente é sempre avaliado utilizando-se os mesmos dados e informações relacionadas. Analise. I. Os resultados da incerteza expandida são obtidos por meio dos valores de várias outras grandezas, sendo igual à raiz quadrada positiva de uma soma de termos, que constituem as variâncias ou covariâncias destas outras grandezas. II. Incerteza tipo A é o método de avaliação realizada pela análise estatística de séries de observações. III. Incerteza expandida é a grandeza que define um intervalo em torno do resultado de uma medição, com o qual se espera abranger uma grande fração de distribuição dos valores que possam ser razoavelmente atribuídos ao mensurado. IV. O método de avaliação tipo B é realizado por meios que não sejam de análises estatísticas de séries de observações. Estão corretas apenas as afirmativas A) I e IV. B) II e IV. C) II, III e IV. D) I e III. E) III e IV

15

16 INSTRUÇÕES 1.Material a ser utilizado: caneta esferográfica azul ou preta. Os objetos restantes devem ser colocados em local indicado pelo fiscal da sala, inclusive aparelho celular desligado e devidamente identificado. 2.Não é permitida, durante a realização das provas, a comunicação entre os candidatos nem a utilização de máquinas calculadoras e/ou similares, livros, anotações, impressos ou qualquer outro material de consulta, protetor auricular, lápis, borracha, corretivo. Especificamente, não é permitido o candidato ingressar na sala de provas sem o devido recolhimento, com respectiva identificação, dos seguintes equipamentos: bip, telefone celular, walkman, agenda eletrônica, notebook, palmtop, receptor, gravador, máquina de calcular, máquina fotográfica, controle de alarme de carro, relógio digital, etc. 3.Durante a prova, o candidato não deve levantar-se, comunicar com outros candidatos e nem fumar. 4.A duração da prova é de 04 (quatro) horas, já incluindo o tempo destinado à entrega do Caderno de Provas e à identificação que será feita no decorrer da prova e ao preenchimento do Cartão de Respostas (Gabarito). 5.Somente em caso de urgência pedir ao fiscal para ir ao sanitário, devendo no percurso permanecer absolutamente calado, podendo antes e depois da entrada sofrer revista através de detector de metais. Ao sair da sala no término da prova, o candidato não poderá utilizar o sanitário. Caso ocorra uma emergência, o fiscal deverá ser comunicado. 6.O Caderno de Provas consta de 50 (cinquenta) questões de múltipla escolha. Leia-o atentamente. 7.Será aplicada Prova Discursiva somente para os candidatos ao cargo de Pesquisador Adjunto I. 8.As questões das provas objetivas são do tipo múltipla escolha, com 05 (cinco) opções (A a E) e uma única resposta correta. 9.Ao receber o material de realização das provas, o candidato deverá conferir atentamente se o Caderno de Provas corresponde ao cargo a que está concorrendo, bem como se os dados constantes no Cartão de Respostas (Gabarito) que lhe foi fornecido, estão corretos. Caso os dados estejam incorretos, ou o material esteja incompleto ou tenha qualquer imperfeição, o candidato deverá informar tal ocorrência ao fiscal. 10.Os fiscais não estão autorizados a emitir opinião e prestar esclarecimentos sobre o conteúdo das provas. Cabe única e exclusivamente ao candidato interpretar e decidir. 11.O candidato poderá retirar-se do local de provas somente a partir dos 90 (noventa) minutos após o início de sua realização, contudo não poderá levar consigo o Caderno de Provas, somente sendo permitida essa conduta apenas no decurso dos últimos 30 (trinta) minutos anteriores ao horário previsto para o seu término. 12.Os 3 (três) últimos candidatos de cada sala só poderão sair juntos. Caso o candidato insista em sair do local de aplicação da prova, deverá assinar termo desistindo do Concurso Público e, caso se negue, deverá ser lavrado Termo de RESULTADOS E RECURSOS - As provas aplicadas, assim como os gabaritos preliminares das provas objetivas serão divulgados na Internet, no site às 16h00min do dia subsequente ao da realização das provas escritas. - Os recursos deverão ser apresentados, conforme determinado no item 8 do Edital de Concurso Público nº. 001/2012, sendo observados os seguintes aspectos: a) O candidato que desejar interpor recursos contra os gabaritos preliminares das provas objetivas disporá de 02 (dois) dias úteis, a contar do dia subsequente ao da publicação, em requerimento próprio disponibilizado no link correlato ao Concurso Público no site b) A interposição de recursos poderá ser feita somente via Internet, através do Sistema Eletrônico de Interposição de Recursos, com acesso pelo candidato ao fornecer dados referentes à sua inscrição apenas no prazo recursal, ao IDECAN, conforme disposições contidas no site no link correspondente ao Concurso Público.

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012 Tecnologista Pleno 3-I Ensaio de Corrosividade pelo H2S, CO2 MANHÃ TECNOLOGISTA PLENO 3-I / ENSAIO DE CORROSIVIDADE PELO H2S, CO2

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012 Tecnologista Pleno 2-I Energia Alternativa e Avaliação de Conformidade MANHÃ TECNOLOGISTA PLENO 2-I / ENERGIA ALTERNATIVA E AVALIAÇÃO

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012 Tecnologista Júnior I Certificação de Produtos MANHÃ TECNOLOGISTA JÚNIOR I / CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS Texto I para as questões

Leia mais

TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC

TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC Ana Sofia C. M. d Oliveira, Ph.D. Profa Titular/DEMEC Principais estruturas cristalinas dos metais Estruturas cristalinas Sistema cristalino Triclinico Monoclinico

Leia mais

ESTRUTURA CRISTALINA E IMPERFEIÇÕES NOS SÓLIDOS ESTRUTURA CRISTALINA E IMPERFEIÇÕES NOS SÓLIDOS

ESTRUTURA CRISTALINA E IMPERFEIÇÕES NOS SÓLIDOS ESTRUTURA CRISTALINA E IMPERFEIÇÕES NOS SÓLIDOS ESTRUTURA CRISTALINA E IMPERFEIÇÕES NOS SÓLIDOS 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Materiais sólidos podem ser classificados de acordo com a regularidade com que os seus átomos ou íons estão arranjados um em relação

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012 Tecnologista Júnior I Engenharia de Avaliações e Desempenho de Motores MANHÃ TECNOLOGISTA JÚNIOR I / ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012 Tecnologista Pleno 1-I Espectrometria de Massas MANHÃ TECNOLOGISTA PLENO 1-I / ESPECTROMETRIA DE MASSAS Texto I para as questões

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO Prof. Rubens Caram 1 TENSÃO X DEFORMAÇÃO O EFEITO DE TENSÕES NA ESTRUTURA DE METAIS PODE SER OBSERVADO NA FORMA DE DEFORMAÇÕES: EM ESTRUTURAS DE ENGENHARIA, ONDE

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr Tópico 05 ENSAIOS MECÂNICOS - DUREZA Parte A - Dureza Brinell Introdução A dureza de um material é uma propriedade difícil de definir, que tem diversos significados dependendo da experiência da pessoa

Leia mais

Aula 7 - Ensaios de Materiais

Aula 7 - Ensaios de Materiais Aula 7 - Ensaios de Materiais Tecnologia dos Materiais II Prof. Lincoln B. L. G. Pinheiro 23 de setembro de 2010 1 Ensaios de Dureza A dureza é uma propriedade mecânica que mede a resistência do material

Leia mais

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS. Como os corpos sinterizados são compostos de regiões sólidas e poros, os valores de macrodureza determinados pelos

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 3 Ensaio de Dureza Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Dureza. Dureza Brinell. Dureza Rockwell. Dureza Vickers. Definições de Dureza Dureza - propriedade mecânica

Leia mais

Prefeitura Municipal de Leopoldina/MG CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2016

Prefeitura Municipal de Leopoldina/MG CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2016 0 067300 056335 Prefeitura Municipal de Leopoldina/MG CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2016 Agente de Serviços Auxiliares (Limpeza predial, entrega de documentos e ronda e vigilância das dependências da Prefeitura)

Leia mais

MUNICÍPIO DE I ENA RO CONCUR O P ICO N

MUNICÍPIO DE I ENA RO CONCUR O P ICO N MUNICÍPIO DE I ENA RO CONCUR O P ICO N TARDE CARGO: MECÂNICO GERAL Texto I para responder às questões de 01 a 08. Manifestações no Brasil: quais as razões? O início das manifestações populares no Brasil,

Leia mais

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima Processos de Fabrico 1 É um dos ensaios mais comuns para avaliar e controlar as propriedades mecânicas dos materiais e dos processos tecnológicos. As aplicações destes ensaios incluem: Determinação da

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Concurso Público n.º 01/2015. Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE IOMERÊ

MANUAL DO CANDIDATO. Concurso Público n.º 01/2015. Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE IOMERÊ MANUAL DO CANDIDATO Concurso Público n.º 01/2015 Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE IOMERÊ Orientações e Instruções para a Realização das Provas 1. Do horário de comparecimento para a realização das

Leia mais

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos:

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos: Informativo Técnico Medição de Dureza soluções portáteis Em períodos de pressão por redução de custos e aumento da qualidade, os equipamentos portáteis de medição de dureza resultam não apenas em uma resposta

Leia mais

PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL

PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Ordem dos Advogados do Brasil VI EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO TRIBUTÁRIO PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno

Leia mais

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS 231 CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS Sumário Objetivos deste capítulo...232 10.1 Introdução...232 10.2 Conceitos de tensão e deformação...233 10.3 Discordâncias e sistemas de escorregamento...233

Leia mais

MINISTÉRIO)DA)EDUCAÇÃO) ) INSTITUTO)FEDERAL)DE)EDUCAÇÃO,)CIÊNCIA)E) TECNOLOGIA)DO)SUDESTE)DE)MINAS)GERAIS)

MINISTÉRIO)DA)EDUCAÇÃO) ) INSTITUTO)FEDERAL)DE)EDUCAÇÃO,)CIÊNCIA)E) TECNOLOGIA)DO)SUDESTE)DE)MINAS)GERAIS) MINISTÉRIODAEDUCAÇÃO INSTITUTOFEDERALDEEDUCAÇÃO,CIÊNCIAE TECNOLOGIADOSUDESTEDEMINASGERAIS CONCURSOPÚBLICOPARAPROVIMENTODECARGOEFETIVODEDOCENTES ÁREA:EngenhariaMecânica

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PROVAS

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PROVAS EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PROVAS No uso das atribuições legais, e mediantes as condições estipuladas nos Editais e Comunicados oficiais publicados no site www.selecao.uneb.br/dpe2012, CONVOCA os Candidatos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA VALORIZAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AVAPE PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº.001/2013. Porteiro MANHÃ. Organizadora:

ASSOCIAÇÃO PARA VALORIZAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AVAPE PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº.001/2013. Porteiro MANHÃ. Organizadora: ASSOCIAÇÃO PARA VALORIZAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AVAPE PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº.001/2013 Porteiro MANHÃ Organizadora: 0000000202 CARGO: PORTEIRO Texto O direito de ir e vir, pedalando Por que

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

PROVA UNIJUÍ. Locais de Realização da Prova Câmpus/Polo Ijuí, Câmpus Santa Rosa, Câmpus Panambi e Câmpus Três Passos.

PROVA UNIJUÍ. Locais de Realização da Prova Câmpus/Polo Ijuí, Câmpus Santa Rosa, Câmpus Panambi e Câmpus Três Passos. PROVA UNIJUÍ Data 08 de fevereiro de 2015 (domingo) Modalidades e Horários Cursos EaD Prova da Unijuí (Redação) Início às 8h30min e término às 11h30min. Cursos Presenciais Prova da Unijuí (Redação e 40

Leia mais

MUNICÍPIO DE MATIAS CARDOSO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012. Gari TARDE

MUNICÍPIO DE MATIAS CARDOSO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012. Gari TARDE MUNICÍPIO DE MATIAS CARDOSO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012 Gari TARDE CARGO: GARI Texto Prevenção e combate ao trabalho infantil De acordo com os dados do Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRÉ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E MODERNIZAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRÉ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E MODERNIZAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRÉ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E MODERNIZAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRÉ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E MODERNIZAÇÃO EDITAL Nº 02/2014 CONVOCAÇÃO PARA REALIZAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA Introdução Sólidos são compostos que apresentam uma alta regularidade estrutural. Com exceção dos sólidos amorfos, nos quais essa regularidade só existe em um curto espaço,

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA EDITAL Nº 5, DE 29 DE AGOSTO DE 2012 CONVOCAÇÃO PARA AS PROVAS

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA EDITAL Nº 5, DE 29 DE AGOSTO DE 2012 CONVOCAÇÃO PARA AS PROVAS TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA EDITAL Nº 5, DE 29 DE AGOSTO DE 2012 CONVOCAÇÃO PARA AS PROVAS O PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO convoca os candidatos inscritos no Concurso Público

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL

DIREITO EMPRESARIAL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO EMPRESARIAL PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL SEU CADERNO Além deste caderno de rascunho contendo o enunciado da peça prático-profissional e das quatro questões discursivas,

Leia mais

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO CONCURSO PÚBLICO DOCENTE IFMS EDITAL Nº 002/2013 CCP IFMS MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) Uso exclusivo do

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

Auxiliar de Serviços Gerais Nível Fundamental Incompleto

Auxiliar de Serviços Gerais Nível Fundamental Incompleto Auxiliar de Serviços Gerais Nível Fundamental Incompleto 15.01.2012 - TARDE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO FALTA PEDREIRO Superinteressante São Paulo, Abril, n. 280 Falta pedreiro, estão reclamando os mestres

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO EMPRESARIAL CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO EMPRESARIAL CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO EMPRESARIAL CADERNO DE RASCUNHO Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno de rascunho contendo o enunciado

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL

PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Ordem dos Advogados do Brasil V EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO EMPRESARIAL PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO DO TRABALHO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO DO TRABALHO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO F U N D A Ç Ã O GETULIO VARGAS FGV PROJETOS DIREITO DO TRABALHO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL Leia com atenção as instruções a seguir: Você está

Leia mais

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 26/3/2006 CM I 2 Arranjo Periódico de Átomos Sólido: constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido; Esta regularidade:»

Leia mais

PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL

PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Ordem dos Advogados do Brasil IV EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO EMPRESARIAL PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno

Leia mais

Recuperação Final Física 3ª série do EM

Recuperação Final Física 3ª série do EM COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO Recuperação Final Física 3ª série do EM Aluno: Série: 3ª série Turma: Data: 09 de dezembro de 2015 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Esta prova

Leia mais

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA 4.1. INTRODUÇÃO Em geral, todos os metais, grande parte dos cerâmicos e certos polímeros cristalizam-se quando se solidificam. Os átomos se arranjam em uma estrutura tridimensional

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ATO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ATO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ATO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO PROCESSO SELETIVO/CONCURSO PÚBLICO PARA CARGOS DE NÍVEIS MÉDIO E SUPERIOR EDITAL N 01/2015 - EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA

Leia mais

Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização. 04/12/2011 Física Caderno de prova Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização. Instruções 1. Verifique

Leia mais

Município da Estância Balneária de Ubatuba/SP CONCURSO PÚBLICO Nº 002/2014

Município da Estância Balneária de Ubatuba/SP CONCURSO PÚBLICO Nº 002/2014 0 053300 003899 Município da Estância Balneária de Ubatuba/SP CONCURSO PÚBLICO Nº 002/2014 Gari Tarde Organizadora: CARGO: GARI Texto para responder as questões de 01 a 08. Publicidade infantil: entenda

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO DO TRABALHO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO DO TRABALHO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO F U N D A Ç Ã O GETULIO VARGAS FGV PROJETOS DIREITO DO TRABALHO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL Leia com atenção as instruções a seguir: Você está

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG. Leia com atenção as instruções a seguir: A força do Direito deve superar o direito da força

REDE DE ENSINO LFG. Leia com atenção as instruções a seguir: A força do Direito deve superar o direito da força REDE DE ENSINO LFG Simulado Exame de Ordem 2010.3 Coordenação Pedagógica OAB Marco Antonio Araujo Junior Darlan Barroso Leia com atenção as instruções a seguir: 1. Você está recebendo do fiscal de sala,

Leia mais

A. P. P. E.E.B. LUIZ BERTOLI Associação de Pais e Professores do Colégio Estadual Luiz Bertoli CNPJ 83.534.941/0001-32

A. P. P. E.E.B. LUIZ BERTOLI Associação de Pais e Professores do Colégio Estadual Luiz Bertoli CNPJ 83.534.941/0001-32 EDITAL DE PROCESSO SIMULADO EMI 001/2013 A Associação de Pais e Professores, através da direção da Escola de Educação Básica Luiz Bertoli, localizada em Taio, SC, torna público que se acham abertas, no

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO TRIBUTÁRIO CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO TRIBUTÁRIO CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO TRIBUTÁRIO CADERNO DE RASCUNHO Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno de rascunho contendo o enunciado

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Lição 6. Instrução Programada

Lição 6. Instrução Programada Lição 6 Na lição anterior, estudamos os geradores e vimos que a produção de energia elétrica, não poderia ser feita simplesmente a partir do nada. A produção de energia elétrica, só era possível, quando

Leia mais

Tecnologia Mecânica I. Prof. Vinicius Karlinski de Barcellos ESTRUTURA CRISTALINA

Tecnologia Mecânica I. Prof. Vinicius Karlinski de Barcellos ESTRUTURA CRISTALINA Tecnologia Mecânica I Prof. Vinicius Karlinski de Barcellos 2011 ESTRUTURA CRISTALINA 3. Materiais cristalinos ASSUNTO -Estrutura cristalina: conceitos fundamentais célula unitária - Sistemas cristalinos

Leia mais

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker Estrutura de Sólidos Cristalinos Profa. Dra Daniela Becker Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 3, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais,

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra. Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50

Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra. Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50 Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50 Teresina PI, Brasil 29 de Abril de 2015 Eliton Suldário da Silva Sousa

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor e do programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor e do programa da disciplina. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA INFORMAÇÃO- EXAME PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE FÍSICA ENSINO SECUNDÁRIO 12º ANO 2011/2012 1- INTRODUÇÃO O presente documento visa

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS V

PROPRIEDADES MECÂNICAS V INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS V Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Dureza Fatores de projeto/segurança Durômetro Rockwell

Leia mais

Uma empresa admitiu três operários para o

Uma empresa admitiu três operários para o A UU L AL A Blocos-padrão Uma empresa admitiu três operários para o setor de ferramentaria. Os operários eram mecânicos com experiência. Mas, de Metrologia, só conheciam o paquímetro e o micrômetro. Por

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG. Leia com atenção as instruções a seguir: A força do Direito deve superar o direito da força

REDE DE ENSINO LFG. Leia com atenção as instruções a seguir: A força do Direito deve superar o direito da força REDE DE ENSINO LFG Simulado Exame de Ordem 2010.3 Coordenação Pedagógica OAB Marco Antonio Araujo Junior Darlan Barroso Leia com atenção as instruções a seguir: 1. Você está recebendo do fiscal de sala,

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO CIVIL PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO CIVIL PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO F U N D A Ç Ã O GETULIO VARGAS FGV PROJETOS Leia com atenção as instruções a seguir: DIREITO CIVIL PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL Você está recebendo

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2016. Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia - DayHORC

PROCESSO SELETIVO 2016. Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia - DayHORC PROCESSO SELETIVO 2016 Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia - DayHORC O DayHORC, através de sua Comissão do Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia (CPTMO/DayHORC), no uso de suas atribuições,

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO EMPRESARIAL CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO EMPRESARIAL CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO EMPRESARIAL CADERNO DE RASCUNHO Além deste caderno de rascunho, contendo o enunciado da peça prático-profissional e das quatro questões discursivas, você receberá

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada ARRANJOS ATÔMICOS Química Aplicada Sólidos Sólidos 1. Arranjo Periódico de Átomos SÓLIDO: Constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido; Esta regularidade:

Leia mais

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt ENSAIO DE MATERIAIS Profº Diógenes Bitencourt BASES TECNOLÓGICAS Diagrama Tensão-Deformação; Ensaio de Tração; Ensaio de Compressão; Ensaio de Cisalhamento; Ensaio de dureza Brinell; Ensaio de dureza Rockwell;

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DOS ESTADOS DE RONDÔNIA E ACRE -CRF-RO/AC

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DOS ESTADOS DE RONDÔNIA E ACRE -CRF-RO/AC Edital nº02/2008 DO PROCESSO SELETIVO 02/2008 CRF/RO-AC DE 07 DE NOVEMBRO DE 2008 ABERTURA. A Presidente do Conselho Regional de Farmácia dos Estados de Rondônia e Acre, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Aplicação de Técnicas de Processamento e Análise de Imagem na Análise Automática da Quantidade e do Tamanho do Grão em Imagens Metalográficas

Aplicação de Técnicas de Processamento e Análise de Imagem na Análise Automática da Quantidade e do Tamanho do Grão em Imagens Metalográficas Aplicação de Técnicas de Processamento e Análise de Imagem na Análise Automática da Quantidade e do Tamanho do Grão em Imagens Metalográficas Tarique da S. Cavalcante, P. P. Rebouças Filho, Victor Hugo

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aula 5 1º sem.

Leia mais

física EXAME DISCURSIVO 2ª fase 30/11/2014

física EXAME DISCURSIVO 2ª fase 30/11/2014 EXAME DISCURSIVO 2ª fase 30/11/2014 física Caderno de prova Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas MATEMÁTICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o número do seu

Leia mais

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra A U A UL LA Corte e dobra Introdução Nesta aula, você vai ter uma visão geral de como são os processos de fabricação por conformação, por meio de estampos de corte e dobra. Inicialmente, veremos os princípios

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ULTRASSONOGRAFIA 2015

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ULTRASSONOGRAFIA 2015 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ULTRASSONOGRAFIA 2015 O Instituto de Pesquisa e Ensino em Radiologia, Medicina Diagnóstica e Terapêutica - IPrad, torna público que realizará

Leia mais