UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECANICA CARACTERIZAÇÃO DE ESCOVAS DE GRAFITE E AVALIAÇÃO DO SEU DESEMPENHO EM FUNÇÃO DA MICROESTRUTURA Dissertação submetida à UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE como parte dos requisitos para a obtenção do grau de MESTRE EM ENGENHARIA MECÂNICA Aldo Nonato Borges ORIENTADORES Prof. Rubens Maribondo do Nascimento, Dr. Eng. Prof. Antonio Eduardo Martinelli, Ph.D Natal RN Junho 2007

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA CARACTERIZAÇÃO DE ESCOVAS DE GRAFITE E AVALIAÇÃO DO SEU DESEMPENHO EM FUNÇÃO DA MICROESTRUTURA Aldo Nonato Borges Esta dissertação foi julgada adequada para a obtenção do título de MESTRE EM ENGENHARIA MECÂNICA sendo aprovada em sua forma final. BANCA EXAMINADORA Prof. Rubens Maribondo do Nascimento, Dr. Eng. - UFRN Presidente Prof. Antonio Eduardo Martinelli, Ph.D UFRN Prof. Carlos Alberto Paskocimas, DSc. - UFRN Prof. Antonio Carlos Pereira Santos, DSc. - CEFET/Ba

3 A busca por melhores condições de agir, pensar, fazer, crescer, viver nos torna cada vez mais Homens insaciáveis. Acredito que desta forma a minha vida terá sempre continuidade neste túnel onde vejo a luz no final e ainda não consegui alcançar. Aldo Nonato Borges

4 DEDICATÓRIAS Aos meus pais Edwiges e Acidalia (em memorium), aos filhos Paterson, Patrese, Sara e Aldo Jr. E a minha esposa Nivaldina Dedico este trabalho como resposta ao estimulo que todos me dão ao longo de cada etapa da minha vida.

5 AGRADECIMENTOS Aos meus colegas Sandro Gonçalves, Rodrigo Pascini, Paulo Felix, pelo grande apoio durante a execução deste trabalho... Aos meus orientadores Professores Rubens Maribondo e Antonio Martinelli que contribuíram e incentivaram durante todas as etapas de evolução deste trabalho.. À instituição CEFET-BA por proporcionar este convenio com a UFRN oportunizando a mim e demais colegas Professores a realização deste mestrado. A instituição UFRN representada por todos os professores do mais alto gabarito o conhecimento necessário para o desenvolvimento de todos os mestrandos. A empresa USIBA a qual trabalho por oportunizar evolução dos experimentos deste trabalho

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MOTOR ELÉTRICO ESCOVAS ELÉTRICAS Fabricação Tipos de Escovas Propriedades PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Materiais Densidade de corrente Formação de pátina e desgaste do comutador Desgaste das escovas RESULTADOS E DISCUSSÕES Caracterização das escovas Densidade de corrente... 57

7 4.3 Formação de pátina e desgaste do comutador Fenômenos CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS...67

8 8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Motor de Corrente Contínua com 2 pólos...19 Figura 2: Princípio de funcionamento de motores)...19 Figura 3: Demonstração de teste de resistência mecânica...25 Figura 4: Gráfico de desgaste das escovas x Velocidade periférica...27 Figura 5: Gráfico de Coeficiente de atrito x Temperatura...29 Figura 6: Demonstração do método de medição da pressão na escova...30 Figura 7: Desgaste da escova em função da variação na pressão que ela sofre...32 Figura 8: Dimensional da escova...36 Figura 9: Foto da escova do tipo AMOSTRA Figura 10: Visualização do gráfico de velocidade (RPM) dos motores das gaiolas do Laminador Software IbaAnalyzer Versão Figura 11: Visualização do gráfico de corrente (A) dos motores das gaiolas do Laminador - Software IbaAnalyzer Versão :Figura 12: Parâmetro de aceitabilidade para formação de pátina Figura 13: Parâmetro de aceitabilidade para desgaste do comutador Figura 14: Micrografia da microestrutura da escova AMOSTRA 1 - Imagem obtida por BSE...45 Figura 15: Análise química por EDS dos pontos indicados na Figura Figura 16: Microestrutura da escova AMOSTRA 2 - Imagem obtida por BSE...49 Figura 17: Análise química por EDS...51 Figura 18: Análise de imagem para quantificação de porosidade da "AMOSTRA 1" Figura 19: Porosidade para AMOSTRA Figura 20: Dureza na amostra

9 9 Figura 21: Ensaio de dureza na escova tipo AMOSTRA Figura 22: Foto da pátina do comutador com a escova AMOSTRA 1 em operação...59 Figura 23: Foto da pátina do comutador com a escova AMOSTRA 2 em operação...59 Figura 24: Sistema de registro de inspeção de manut. do motor Figura 25: Gráfico de desgaste das escovas AMOSTRA 2 por anel...62 Figura 26: Gráfico de desgaste das escovas AMOSTRA 2 por tirante...63

10 10 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Classificação de queda de tensão...29 Tabela 2: Faixas adequadas de pressão na escova dependendo da aplicação...32 Tabela 3: Faixas de trabalho de temperatura das escovas para cada aplicação...33 Tabela 4: Comparativo de propriedades eletro-mecânicas entre classes de escovas...34 Tabela 5: Tabela de equivalência de durezas (norma SAE J-417b)...37 Tabela 6: Dados técnicos dos motores onde as escovas em teste são usadas...40 Tabela 7: Formulário para medição da dureza Brinell...55 Tabela 8: Análise comparativa microestrutura e dureza...56 Tabela 9: Dados de carga dos motores retirados após período de observação...56 Tabela 10: Medição de desgaste mensal das duas classes de escovas...60 Tabela 11: Comparativo estatístico dos desgastes das classes de escovas...61

11 11 LISTA DE SÍMBOLOS E ABREVIAÇÕES ºC grau Celsius Ω - Ohm A - ampére A/cm2 ampére por centímetro quadrado C.C. corrente contínua cm - centímetro g/cm2 grama por centímetro quadrado g/cm3 grama por centímetro cúbico HB dureza Brinell kg quilograma kgf/cm2 quilogramaforça por centímetro quadrado kw - quilowatt mm milímetro m/s metros por segundo mw miliwatt W Watt

12 12 RESUMO A energia elétrica pode ser reconvertida em energia térmica, luminosa, eletromagnética, e também em energia mecânica. Neste contexto os motores elétricos desempenham papel fundamental, em específico os motores elétricos de corrente continua que trabalham muito abaixo da sua capacidade nominal, com conseqüente baixa densidade de carga. Em ambiente industrial, estas características de trabalho dos motores CC geraram um consumo excessivo de escovas de carvão e também ataque no comutador, reduzindo a vida útil do motor, aumentando as horas de manutenção e o custo. O objetivo geral do presente trabalho é caracterizar os diferentes tipos de escovas de grafite utilizados em motores de corrente contínua e avaliar seu desempenho em função do processamento a que foi submetido durante sua fabricação, assim como determinar os ganhos mensuráveis e não mensuráveis quando a escova utilizada é a mais adequada à aplicação. As escovas foram produzidas por indústrias do setor e testadas em ambiente industrial, quanto ao seu desempenho e desgaste. Resultados preliminares evidenciam uma substancial alteração no desempenho destas escovas e no seu desgaste em função da sua microestrutura e da aplicação na qual é utilizada. Palavras-chave: Grafite, escova, porosidade

13 13 ABSTRACT The electric can be converted into thermal, luminous, electromagnetic, and also in mechanical energy. In this context the electric engines plays a fundamental role, specially that they work very below of its nominal capacity, with consequent decrease load density. In industrial environment, these characteristics of work of DC engines had also generated an extreme consumption of coal brushs and attack in the commutator reducing the useful life of the engine and increasing maintenance demand and cost. The general objective of the present work is to study the influence of the granulometry of the coal brush used in DC engines with the resistance to the consumption of the same ones, as well as in the performance presented by the commutator of the engine. Additionally, determining the measurable and not measurable profits when the brush used is adjusted to the application. The brushes had been produced by an industry of the sector and tested in industrial environment to evaluate their performance and consumption. Preliminary results evidence a substantial improvement in the performance of these brushes in function of its microstructure and the application in which it is used. Keywords: Graphite, brush, porosity

14 15 1 INTRODUÇÃO Em algumas máquinas elétricas (por exemplo, motores de indução gaiolas de esquilo ) a parte rotativa é completamente independente, na maioria das máquinas elétricas rotativas, há a necessidade de alguma conexão elétrica com a parte girante. Para permitir a contínua rotação da parte girante, esta conexão deve permitir um movimento deslizante. Assim, os primeiros problemas da escova de carbono, comum a todos os tipos de máquinas elétricas, é a dificuldade mecânica em manter contato contínuo com a parte girante da máquina e evitar os arcos elétricos e carbonizações decorrentes da interrupção do circuito elétrico. Várias pesquisas já foram realizadas (S.C. Ho, J.H. Chern Lin, C.P. Ju, Elsevier, 2004 e X. Liao, H.A. Oye, Elsevier, 1995), sobre as propriedades físico-químicas dos materiais a base de carbono, bem como as alterações que essas propriedades sofrem em certas condições. M. Milkovic, e D. Ban, mostraram em trabalho publicado em 1996, Influence of the pulsating current amplitude on friction coefficient of electrographite of electrographite brushes (MILKOVIC, M.; BAN, D, Elsevier, 1996) através de um modelo experimental realizado em um laboratório, como o coeficiente de fricção de uma escova eletrografítica depende das diferentes amplitudes dos pulsos de corrente elétrica que ela conduz. Enfim, grande parte dos estudos científicos das aplicações de compostos de carbono, mostra modelos e experimentos sobre suas propriedades físico-químicas bem como os fatores que oferecem influência nessas propriedades. Para qualquer aplicação, portanto, de um material à base de um composto de carbono, é necessário conhecer o significado de suas propriedades e as influências que elas sofrem em determinadas condições. Verificou-se ao longo dos anos no setor de manutenção de uma empresa siderúrgica no estado da Bahia, que os motores elétricos de corrente continua trabalham muito abaixo da sua capacidade nominal, com conseqüente baixa densidade de carga, face à alterações no processo ao longo dos anos. Com isto, iniciou-se um consumo excessivo de escovas de carvão e também ataque no comutador reduzindo a vida útil do motor, aumento de horas de manutenção e custo. O custo elevado de manutenção, a grande demanda de intervenções planejadas para manutenção preventiva e o aumento do risco operacional, são fatores que, com certeza, compõem um cenário que precisa ser investigado e solucionado.

15 16 Contextualizando o problema, atualmente esta planta possui 18 horas mensais destinadas a manutenção programada dos seus equipamentos. Para se ter uma idéia, o tempo demandado de manutenção programada para cada motor de CC em operação é de 2h / mês. A necessidade de intervenção após o início dos fenômenos de desgaste excessivo praticamente triplicou. Como são 9 motores enquadrados neste fenômeno, em constante operação, o tempo demandado para paradas programadas de manutenção também elevou-se na mesma proporção. Como a área de manutenção tem metas de parada programada de manutenção para cumprir, tem-se dois cenários. Ou eleva-se o tempo disponível para paradas programadas e é realizada a manutenção adequada, ou cumpre-se o prazo atual de paradas programadas, porém o risco operacional aumenta. Sendo a indústria siderúrgica um setor produtor de commodities, e com um custo alto de capital (máquinas e estruturas caras), ela necessita de alto volume de produção para cobrir seus custos fixos de operação. Dessa forma houve a necessidade imediata do estudo do desgaste excessivo das escovas de carvão dos motores de corrente contínua. Uma possível solução para um caso como este, é a mudança da classe da escova, de acordo com a carga empregada e o regime de operação das máquinas. Para isto é necessário que haja o conhecimento dos tipos de escovas de motores de corrente contínua, bem como suas características físico-químicas, além das aplicabilidades do material. A importância da operação contínua dos equipamentos representa para empresa, seus acionistas e empregados a garantia de atendimento ao cliente, gerando com isso benefícios para toda a comunidade. Na indústria metal-mecânica motores elétricos de corrente contínua de acionamento de máquina pesadas são empregados largamente. Em função da baixa densidade de carga muitas vezes as escovas de carvão apresentam desgaste excessivo onerando os custos de produção e manutenção. Estudos realizados entre usuários de escovas e fabricante envolvendo as variáveis da densidade de carga e classes das escovas, permitiram obter um conjunto em condição altamente adequada ao uso. Reduções nos custos de novas escovas, tempo de manutenção, desgaste com aumento de desempenho do comutador são evidentes neste trabalho. Dessa forma, uma avaliação através de estudo detalhado quanto à sua aplicabilidade nos equipamentos deve ser feita. Geralmente, na indústria metal-mecânica, diversos outros equipamentos encontram-se na mesma necessidade, porém, falta a seus mantenedores, conhecimento técnico específico sobre materiais alternativos que possam trazer os ganhos supracitados.

16 17 2 OBJETIVOS O objetivo geral do presente trabalho é estudar a influência das características da escova utilizada em motores de corrente contínua na resistência ao desgaste das mesmas, bem como a performance apresentada pelo comutador. Determinar os ganhos mensuráveis e não mensuráveis quando a escova aplicada é a mais adequada. Como objetivos específicos para o trabalho destaca-se: a) Caracterizar a microestrutura das diferentes escovas de carvão utilizadas; b) Relacionar a classe e a microestrutura das escovas com o desgaste das mesmas em serviço; c) Avaliar qual das escovas que apresente o melhor desempenho nas máquinas de corrente contínua com baixa densidade de carga.

17 18 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 MOTOR ELÉTRICO O motor é um elemento de trabalho que converte energia elétrica em energia mecânica de rotação. Num motor elétrico, distinguem-se essencialmente duas peças: o estator, conjunto de elementos fixados à carcaça da máquina, e o rotor, conjunto de elementos fixados em torno do eixo, internamente ao estator. O rotor é composto de: a) Eixo da Armadura: responsável pela transmissão de energia mecânica para fora do motor, pelo suporte dos elementos internos do rotor e pela fixação ao estator, por meio de rolamentos e mancais. b) Núcleo da Armadura: composta de lâminas de Fe-Si, isoladas umas das outras, com ranhuras axiais na sua periferia para a colocação dos enrolamentos da armadura. c) Enrolamento da Armadura: São bobinas isoladas entre si e eletricamente ligadas ao comutador. d) Comutador: consiste de um anel com segmentos de cobre isolados entre si, e eletricamente conectados às bobinas do enrolamento da armadura. O estator é composto de: a) Carcaça: serve de suporte ao rotor, aos pólos e de fechamento de caminho magnético. b) Enrolamento de campo: são bobinas que geram um campo magnético intenso nos pólos. c) Pólos ou sapatas polares: distribui o fluxo magnético produzido pela bobinas de campo. d) Escovas: são barras de carvão e grafite que estão em contato permanente com o comutador. As máquinas elétricas possuem praticamente os mesmos elementos principais, porém com diferenças importantes entre eles. Às vezes a bobina de armadura está no estator e não no rotor, o mesmo acontecendo com a bobina de campo. Outras não possuem escovas, outros ainda não possuem bobina de armadura, e assim por diante. Porém, os nomes dados aos componentes da máquina são gerais e valem para a maioria das máquinas elétricas. De forma geral os motores elétricos são classificados em: Motores de Corrente Contínua Motores de Corrente Alternada Motores Especiais

18 19 Na figura 1 tem-se as partes internas de uma máquina de corrente contínua básica e sua representação. Comutador Bobina de campo Escovas Bobina de armadura Bobinas da Armadura e Comutador Bobinas de Campo Eixo Carcaça Escova Eixo da Máquina Base (a) Partes Internas (b) Representação Figura 1: Motor de Corrente Contínua com 2 pólos O motor de corrente contínua apresenta quatro terminais acessíveis, dois para as bobinas de campo (terminais 3 e 4 ) e dois para as bobinas de armadura ( terminais 1 e 2 ). Em alguns motores de baixa potência, as bobinas de campo são substituídas por ímãs permanentes. Neste caso, o motor apresenta apenas dois terminais de acesso (terminais 1 e 2). O princípio de funcionamento elementar de um motor de corrente contínua está baseado na Força Mecânica que atua sobre um condutor imerso num campo magnético, quando sobre ele circula uma corrente elétrica. Observe a fig. 1, na bobina 1 as forças são iguais e opostas, não produzindo nenhuma força de rotação (torque ou par binário), mas as bobinas 2,3 e 4 tem sobre elas um torque Fx tal que impulsiona o rotor para girar, levando consigo a bobina 1, que então entra na região ( da bobina 2) onde estava a bobina 2, e então passa a exercer uma força de giro também. Observe que para este esquema funcionar, é necessário inverter o sentido da corrente da armadura a cada 180 º. O elemento que faz a comutação do sentido da corrente é o comutador. O princípio de funcionamento do motor de corrente contínua também pode ser baseado na ação de forças magnéticas sobre o rotor, geradas pela interação do campo magnético criado pelas bobinas de campo com o campo magnético criado pelas bobinas da armadura, conforme mostra a fig. 2. Observa-se que o comutador possui a função de inverter o sentido da corrente na bobina da armadura em 90º e 270º dando continuidade ao movimento rotativo do motor. Um dos itens imprescindíveis para que ocorra a comutação, é a escova elétrica, justamente o objeto central do estudo apresentado nesta dissertação.

19 20 Figura 2: Princípio de funcionamento de motores 2.2 ESCOVAS ELÉTRICAS A primeira escolha do grafite natural para este propósito veio 90 anos atrás devido o material ser conhecido pelas suas propriedades de um lubrificante sólido. Carbono e grafite, diferentes formas de um mesmo elemento químico, continuaram a ser usados em componentes elétricos, pois, além desta propriedade, notou-se uma série de outras propriedades como: Resistência aos efeitos da alta temperatura: O carbono mantém suas propriedades físicoquímicas e mantém-se na forma sólida até temperaturas próximas a 3.000ºC. O carbono não possui estado líquido em pressão abaixo da atmosférica. Nessa condição, o material passa do estado sólido para o estado gasoso em temperaturas entre 3.600ºC e 4.000ºC. Baixa densidade: O carbono é menos denso que a maioria dos metais. A baixa inércia das escovas de carbono faz com que ela deslize com facilidade mesmo considerando irregularidades na superfície onde ela realiza o movimento.

20 21 Sem efeito de solda: O carbono quando sofre um aquecimento instantâneo, como um arco elétrico por exemplo, não tem o mesmo comportamento dos metais que podem se comportar como uma solda Fabricação As várias formas do carbono natural, produzido pela decomposição de compostos de carbono, entre eles coque provindo do carvão, carvão de lenha provindo da madeira, negro de fumo do óleo, têm características físicas que diferem consideravelmente de um para outro. Eles retêm essas diferentes características físicas até que atinjam todos a temperatura de 2.500ºC. Neste estado, todos assumem a forma de grafite, o estágio de forma cristalina do carbono (MORGANITE CARBON LIMITED, 1961). Em função da ausência de seu estado líquido, componentes de carbono apenas podem ser fabricados através da aglomeração de finos de pó. A seqüência comum de fabricação para um artigo composto de carbono é: seleção de finos de pó de carbonos naturais, mistura em proporções pré-determinadas, mistura em um composto na forma de pasta. A pasta se torna por si própria um composto de carbono. O pó compactado é misturado em peças de forma e tamanho desejados através de alta pressão. O composto na sua forma compacta é então aquecido e tratado em atmosfera inerte (sinterização). O composto final é puramente carbono (se não houver adições de outros materiais) e não depende de nenhum outro material para suas propriedades físico-químicas. Durante o tratamento térmico de sinterização, o material também sofre uma retração e, geralmente, o material precisa ser manufaturado até seu tamanho desejado após o processo. O carbono é um material muito estável termodinamicamente. Um vez completo o processo, as características do material não podem ser alteradas, a não ser que o lote produzido tenha saído fora da especificação, ou seja, tenha sido rejeitado Tipos de Escovas Através da mistura controlada, realizada em proporções pré-determinadas, processando o carbono da maneira como foi descrito anteriormente, os fabricantes têm inúmeras possibilidades de combinar diferentes propriedades físicas para produzir seus materiais. Isto é essencial quando parte-se do princípio que as máquinas elétricas apresenta características elétricas diferentes e necessitam de escovas otimizadas para cada aplicação

21 22 com o objetivo de obter a melhor performance possível. Um número extremamente grande de classes de escovas é necessário para cobrir todo o campo de aplicação adequadamente. A cada ano, novas escovas são desenvolvidas para acompanhar o próprio desenvolvimento tecnológico das máquinas elétricas. As classes de escovas de carbono podem ser divididas basicamente em: Escovas de grafite natural; Escovas de carbono duro; Escovas eletrografíticas; Escovas de metal-grafite; Escovas de metal-carbono; Escovas com tratamento especial para operações particulares. Escovas de grafite natural De todas as formas de carbono natural, o grafite natural é o que possui a maior propriedade lubrificante. Macia e gordurosa é usada em aplicações de alta velocidade ou onde seja necessário o menor ruído possível de operação. Escovas de carbono duro ou amorfas São mecanicamente robustas e sofrem pouco desgaste, porém sua baixa capacidade elétrica e térmica de condução, limita seu uso à moderada velocidade e densidade de corrente. Escovas eletrografíticas Como citado anteriormente, todas as formas de carbono se transformam em grafite quando submetidas a temperaturas na casa de 2.500ºC. Essas temperaturas são geralmente obtidas através de fornos elétricos. O cristal obtido não é idêntico à grafite natural e o produto retém alguma propriedade de robustez do carbono enquanto ganha algumas propriedades lubrificantes do grafite. O grafite produzido dessa maneira é conhecido como eletrografite. Escovas de metal-grafite Em anéis deslizantes, onde as escovas têm apenas o papel de coletar a corrente, a relativamente alta resistência de contato do grafite é uma desvantagem. Entretanto o excessivo desgaste em um contato metal-metal é observado na ausência de um material com propriedadades lubrificantes como o grafite. Neste tipo de escova há a possibilidade de combinar propriedades dos metais com o grafite para obter inúmeros compostos com características distintas. Escovas de metal-carbono O desenvolvimento deste tipo de escova acabou com muitas limitações mecânicas do carbono como um material de contato e permitiu o uso em aplicações que necessitam de um preciso controle.

22 23 Escovas com tratamento especial para operação particulares: Todo composto de carbono manufaturado é poroso. Outras substâncias absorvidas pelo carbono são incrustadas nesses poros e têm papel importante nas reações químicas e exerce influência na formação do filme superficial dos comutadores ou anéis deslizantes. Algumas condições especiais de operação, necessitam da introdução de aditivos químicos para ajudar a controlar a formação do filme superficial Propriedades A escova de carbono é uma das aplicações do carbono na qual as características de contato são muito mais importantes do que as propriedades físicas do material. Entretanto, várias propriedades físicas do composto de carbono manufaturado têm uma importante função na operação das escovas de carbono Propriedades Físicas Resistência Específica Estabelece-se que a resistência de um condutor homogêneo de seção S e comprimento 1 é expressa pela relação R=p 1/S, sendo um coeficiente experimental, o qual depende, exclusivamente, da natureza do material condutor que se considera. Esse coeficiente experimental é chamado resistência específica ou resistividade do material em exame. Calculando, por meio da expressão R=p 1/S, (1) a resistência elétrica de um condutor, tendo comprimento e seção unitário 1=1 e S=1 resulta R=p. A resistência específica ou resistividade de um material fica definida, portanto, como a resistência elétrica de um prisma desse material, tendo unidade de comprimento e unidade de seção transversal. No cálculo das resistências elétricas expressas em ohms, é necessário se definir a resistência específica ou resistividade dos condutores em ohms, mas, sendo esta a resistência de um condutor que tem 1 cm² de seção e 1 cm de comprimento, seria expressa por números

23 24 muito pequenos para quase todos os materiais usados em eletrotécnica. Para evitar este inconveniente, praticamente exprime-se a resistividade dos materiais em microhms. Portanto, a resistência específica dos materiais é expressa em microhms cm² por cm (mwcm). Na aplicação da relação expressa na equação (1) R=p 1/S, querendo obter a resistência expressa em ohms, é necessário multiplicar o segundo membro pelo fator de redução 10-6, exprimindo o comprimento do condutor em cm e a seção em cm². A equação para o cálculo da resistência dos condutores será: R(W) = p (mwcm). 1(cm)/S(cm²) (2) O carvão tem um coeficiente negativo de resistência, isto é, a resistência diminui com o aumento da temperatura dentro da variação normal do trabalho das aplicações da escova. Escovas de metal-grafite geralmente mostram poucas modificações de resistência específica com a temperatura devido ao efeito de balanceamento do carvão cobre. A resistência específica é muito importante no controle de uniformidade da escova quando de sua fabricação. É proveitosa também na seleção da mesma quanto à variação geral da especificação do material Condutividade térmica A condutividade térmica do melhor eletrografite, medida na unidade do sistema C.G.S, é da ordem de 0,3, e da escova de eletrografite é da ordem de 0,15. Elementos metais correspondentes são a prata (1,0). cobre (0,9) e o ferro (0,11). A condutividade de calor do grafite é comparável a estes metais. A condução de calor de um material de uma escova de carbono varia entre uma faixa de valores e isto afeta diretamente a capacidade de condução de corrente da mesma. É óbvio que a temperatura da superfície de contato da escova sempre será maior que em qualquer outro ponto da escova. O carbono começa a oxidar rapidamente no ambiente com temperaturas acima de 350ºC. Se a condutividade térmica da escova for inadequada para determinada aplicação, é possível que a alta temperatura da superfície de contato seja suficiente para produzir um desgaste fora do normal Densidade e Porosidade

24 25 A densidade do grafite é da ordem de 2,3 g/cm 3. As densidades atuais das escovas de carbono variam na faixa de 1,22 a 2,15 g/cm 3. Deve-se isto ao fato de que os materiais de carbono são porosos e, aproximadamente um sexto do seu volume são espaços vazios. A porosidade assume uma forma de finas e tortuosas passagens interconectadas por onde o ar pode passar com certa dificuldade. O tamanho e a distribuição desses poros exercem uma importante influência no comportamento da escova. Se os poros são relativamente pequenos em quantidade e grandes em tamanho, para que o ar possa permear livremente através deles, e não forem preenchidos pelo resto do desgaste das escovas, a estabilidade no comportamento do contato à altas velocidades é geralmente obtida. Por outro lado, material denso, com pequenos poros, tem boa resistência ao desgaste e apresentam vida útil elevada Dureza A dureza é obtida pelo teste da unidade de medida SHORE através do aparelho escleroscópio SHORE C2, e utilizando-se uma ponta de diamante e soltando-a de uma altura predefinida observa-se então o resultado. A variação do acabamento do material sob testes tem algum efeito na interpretação obtida. A interpretação é relativa; por exemplo, o aço tem normalmente 105 e o latão 20 (CARBOMEC IND PRODUTOS ELETROMECÂNICOS LTDA) Resistência mecânica É a resistência mecânica (flexão em três pontos) expressa em quilogramas força por centímetro quadrado (kgf./cm²), determinado através de testes de resistência em uma máquina Olsen. O teste é feito em corpos-de-prova de tamanho uniforme. O corpo-de-prova é sustentado por dois apoios, enquanto um cutelo desce sobre o centro do corpo-de-prova até que este se rompa. Nesse instante, lê-se no dinamômetro a carga aplicada e utiliza-se a seguinte fórmula para obter a resistência do material: S = 3PL/2bd² (3) onde S= tensão em quilogramas por centímetro quadrado na fibra mais solicitada no momento da ruptura. P= carga em quilogramas aplicada entre os suportes.

25 26 L= distância entre os suportes em centímetros. b= largura da seção do corpo de provas em cm. d= espessura da seção do corpo de provas em cm. (fig. 3) Figura 3: Demonstração de teste de resistência mecânica ( Manual de escovas elétricas Propriedades Elásticas Mesmo com os mais elevados padrões de construção e manutenção, nenhum comutador ou anel deslizante pode ser considerado como geometricamente perfeito. As irregularidades podem ser bem pequenas, porém as forças de aceleração impostas às escovas para acompanhar a superfície são de considerável magnitude. Pode-se associar o problema a um automóvel viajando em uma auto-estrada em alta velocidade, sendo a escova posicionada no local da roda. A suspensão do automóvel irá prover resiliência e pressão para que a roda permaneça em contato com o asfalto. O mecanismo do porta escovas não consegue responder as altas freqüências produzidas pelos segmentos do comutador e a resiliência e a pressão devem ser providas pelo próprio material da escova. As propriedades elásticas dos materiais de escovas conseqüentemente têm considerável influência sobre a performance do deslizamento Propriedades de contato O grau de precisão com que a propriedade física e mecânica de qualquer material pode ser medida depende da precisão do instrumento e da uniformidade do material. Por exemplo, o módulo de elasticidade e tensão de metais dúcteis como o aço, pode ser medido precisamente e os resultados obtidos serão muito próximos, com poucos desvios. Testes em

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS Motor Elétrico: É um tipo de máquina elétrica que converte energia elétrica em energia mecânica quando um grupo de bobinas que conduz corrente é obrigado a girar por um campo

Leia mais

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA ELETROTÉCNICA 1. INTRODUÇÃO : Este texto foi preparado procurando uma exposição na forma mais simples, apenas com a intenção de relembrar alguns conceitos fundamentais da eletricidade e do eletromagnetismo

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP 50 Capítulo VII Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* O Sistema de Manutenção Planejada (SMP) é formado por instruções, listas e detalhamento

Leia mais

Motor de Indução de Corrente Alternada

Motor de Indução de Corrente Alternada Notas Técnicas Motores NT-1 Motor de Indução de Corrente Alternada Introdução O motor de indução ou assíncrono de corrente alternada tem sido o motor preferido da indústria desde o principio do uso da

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Capítulo 14 Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Objetivos: Entender o princípio de funcionamento Analisar as características operacionais destes motores ONDE EXISTE ESTE TIPO DE ROTOR? ESPIRA

Leia mais

Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação

Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação É fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer. Aristóteles 24/Novembro/2014 1 Produtos e Aplicações Cabos de

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8.1 INTRODUÇÃO Os motores elétricos são responsáveis por grande parte da energia consumida nos segmentos onde seu uso é mais efetivo, como nas indústrias, onde representam

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

Medição de Potência de um motor utilizando um Dinamômetro composto de um Dínamo DC

Medição de Potência de um motor utilizando um Dinamômetro composto de um Dínamo DC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Medição de Potência de um motor utilizando um Dinamômetro composto de um Dínamo

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Transformando energia em soluções. Motores de. Alta Tensão

Transformando energia em soluções. Motores de. Alta Tensão Transformando energia em soluções Motores de Alta Tensão Motores de alta tensão A WEG desenvolveu em conjunto com consultoria internacional especializada uma linha de motores de carcaça de ferro fundido

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS. Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá

ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS. Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá Márcio Tadeu de Almeida Universidade Federal de Itajubá Trabalho apresentado na 6 a Conferência

Leia mais

APLICAÇÃO DE MOTORES TRIFÁSICOS EM EQUIPAMENTOS TRACIONÁRIOS MOVIDOS À BATERIA. Resumo

APLICAÇÃO DE MOTORES TRIFÁSICOS EM EQUIPAMENTOS TRACIONÁRIOS MOVIDOS À BATERIA. Resumo 27 a 29 de Novembro de 2013 - Joinville SC APLICAÇÃO DE MOTORES TRIFÁSICOS EM EQUIPAMENTOS TRACIONÁRIOS MOVIDOS À BATERIA 1 Autor: Edson Bertholdi - Senai SC, Joinville Norte 1 Resumo Este artigo tem o

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial Tópicos da Aula Complementar - Ventiladores; - Ventiladores Axiais; - Ventiladores Centrífugos; - Dados necessários para a seleção correta de um ventilador; - Modelos e Aspectos Gerais de Ventiladores.

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos F.02 Espelhos Planos e Esféricos 2º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 Lista 04 Questão 01) Obedecendo às condições de Gauss, um espelho esférico fornece, de um objeto retilíneo de

Leia mais

Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho

Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho thinkmotion Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho I. Introdução II. III. IV. Otimização de um motor CC sem escova para

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: A manutenção preditiva é a primeira grande quebra de paradigma nos tipos de manutenção. No Brasil a aplicação é pequena apenas

Leia mais

X20 30 36 AC GEARLESS

X20 30 36 AC GEARLESS 3141 pt - 02.1999 / a Este manual deve ser entregue ao usuário final X20 30 36 AC GEARLESS Manual de instalação e manutenção Com o objetivo de obter o máximo de desempenho de sua nova máquina GEARLESS,

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA 1. INTRODUÇÃO A manutenção preditiva tem sido largamente discutida nos últimos anos, e sem dúvida é um procedimento moderno de gerenciamento, que comprovadamente vem diminuindo

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

4. RESULTADOS & DISCUSSÃO

4. RESULTADOS & DISCUSSÃO 6 4. RESULTADOS & DISCUSSÃO 4. Estudo do comportamento da decomposição total para o precursor na fase (Bi, Pb)- Obs. As amostras desta seção foram as resultantes de tratamento feito por DTA/TGA, e foram

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS Rodrigo Augusto Neves (1) Leandro Ávila da Silva (2) RESUMO Nas plantas industriais, o consumo de energia elétrica representa uma parcela importante nos custos

Leia mais

Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade

Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade thinkmotion Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade A criação de bombas de infusão pequenas e portáteis

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Ponte de Kelvin ITKEL 01

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Ponte de Kelvin ITKEL 01 MANUAL DE INSTRUÇÕES Ponte de Kelvin ITKEL 01 1. Usos e Características A ITKEL 01 é uma ponte de precisão duplicada portátil com rede (doravante chamada Ponte ). O instrumento é fornecido com sete faixas

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

Como funciona o motor de corrente contínua

Como funciona o motor de corrente contínua Como funciona o motor de corrente contínua Escrito por Newton C. Braga Este artigo é de grande utilidade para todos que utilizam pequenos motores, principalmente os projetistas mecatrônicos. Como o artigo

Leia mais

Motores Automação Energia Tintas. Motores de Corrente Contínua

Motores Automação Energia Tintas. Motores de Corrente Contínua Motores Automação Energia Tintas Os motores de corrente contínua WEG são concebidos com as mais modernas tecnologias de projeto, resultando em máquinas compactas e com excelentes propriedades dinâmicas,

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Motores de Corrente Contínua

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Motores de Corrente Contínua Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas www.we.net Os motores de corrente contínua WEG são concebidos com as mais modernas tecnoloias de projeto, resultando em máquinas compactas e com

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC A tabela a seguir lista valores típicos de algumas propriedades físicas, mecânicas, térmicas e elétricas de compostos de PVC rígidos e flexíveis. Os valores são simplesmente de caráter informativo e são

Leia mais

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos thinkmotion Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos Os analisadores médicos são elementos fundamentais do setor de diagnósticos médicos. São ferramentas versáteis

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos CAT. No. 9211 P NTN NTN Produtos que trazem benefícios em várias aplicações Equipamentos de siderurgia pertencem a grandes linhas que operam 24 horas por dia,

Leia mais

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA Geradores e motores A máquina é um motor quando transforma energia elétrica em energia mecânica. Quando transforma energia mecânica em energia elétrica, ela é um gerador.

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL INFRAVERMELHO TD-930

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL INFRAVERMELHO TD-930 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL INFRAVERMELHO TD-930 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

RESISTORES ELÉTRICOS

RESISTORES ELÉTRICOS RESISTORES ELÉTRICOS São dispositivos utilizados para limitar a passagem da corrente elétrica nos circuitos São feitos com material condutor de alta resistividade elétrica Transformam a energia elétrica

Leia mais

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA Todo dispositivo cuja finalidade é produzir energia elétrica à custa de energia mecânica constitui uma máquina geradora de energia elétrica. O funcionamento do

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial 2013/ 2014 1 Motor de indução trifásico Máquina capaz de transformar energia elétrica em energia mecânica 2 Motor elétrico Noções fundamentais Máquina destinada

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Trefilação O processo de trefilação é a deformação mecânica de um metal através da passagem do material por uma matriz de formato cônico, diminuindo

Trefilação O processo de trefilação é a deformação mecânica de um metal através da passagem do material por uma matriz de formato cônico, diminuindo Trefilação O processo de trefilação é a deformação mecânica de um metal através da passagem do material por uma matriz de formato cônico, diminuindo a seção do material, sem perda nem adição do metal.

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

A Lei de Ohm estabelece uma relação entre as grandezas elétricas: tensão ( V ), corrente ( I ) e resistência ( R ) em um circuito.

A Lei de Ohm estabelece uma relação entre as grandezas elétricas: tensão ( V ), corrente ( I ) e resistência ( R ) em um circuito. Página 1 de 25 1ª Lei de Ohm Embora os conhecimentos sobre eletricidade tenham sido ampliados, a Lei de Ohm continua sendo uma lei básica da eletricidade e eletrônica, por isso conhecê-la é fundamental

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo.

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. SINAMICS V60 com servomotores 1FL5 A solução para aplicações básicas de servo A tecnologia servo-drive

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças 1) (UNIGRANRIO) Um veículo de massa 1200kg se desloca sobre uma superfície plana e horizontal. Em um determinado instante passa a ser acelerado uniformemente, sofrendo uma variação de velocidade representada

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 3 Ensaio de Dureza Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Dureza. Dureza Brinell. Dureza Rockwell. Dureza Vickers. Definições de Dureza Dureza - propriedade mecânica

Leia mais

Data: / / 2014. LISTA DE FÍSICA I

Data: / / 2014. LISTA DE FÍSICA I Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Pedro Paulo S. Arrais Data: / / 2014. LISTA DE FÍSICA I Questão 01 - (ENEM/2011) Partículas suspensas em um fluido apresentam contínua

Leia mais

PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS NA INDÚSTRIA QUÍMICA

PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS NA INDÚSTRIA QUÍMICA Rodrigo Augusto Neves (1) Marcos Coelho (2) RESUMO Nas plantas industriais, o consumo de energia elétrica representa uma parcela

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

Manual de instruções e operação

Manual de instruções e operação Manual de instruções e operação LEIA ATENTAMENTE ESTE MANUAL BEM COMO OS TERMOS GERAIS DA GARANTIA (ITEM VIII) ANTES DA INSTALACAO E OPERACAO Fabricação e Garantia de C.N.P.J. 58.812.421/0001-05 Ind. Brasileira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima?

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima? Eixos e correntes A UU L AL A Uma máquina em processo de manutenção preventiva apresentava vários eixos e algumas correntes, além de mancais que necessitavam de reparos. Entre os eixos, um cônico e um

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

Polias e correias. Polias

Polias e correias. Polias A U A UL LA Polias e correias Introdução Às vezes, pequenos problemas de uma empresa podem ser resolvidos com soluções imediatas, principalmente quando os recursos estão próximos de nós, sem exigir grandes

Leia mais

Termopares Convencionais I

Termopares Convencionais I Termopares Convencionais I Introdução Definimos Termopares como sensores de medição de temperatura que são constituídos por dois condutores metálicos e distintos, puros ou homogêneos. Em uma de suas extremidades

Leia mais