Estudo da Constelação 16-QAM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo da Constelação 16-QAM"

Transcrição

1 Estudo da Constelação 6-QAM Luciano Leonel Mendes Aluno do INATEL Santa Rita do Sapucaí - MG Prof. Geraldo Gil Ramundo Gomes Professor do INATEL Santa Rita do Sapucaí - MG Resumo O tutorial aqui apresentado tem como objetivo principal demonstrar as técnicas utilizadas para a formação de uma constelação 6-QAM, além de apresentar um estudo sobre as influências do ruído branco aditivo de natureza gaussiana nesta constelação []. Também demonstra-se o princípio de funcionamento dos códigos corretores cíclicos []. Para melhor estudarmos os temas citados, foram desenvolvidas uma série de programas com fins didáticos que são de grande ajuda tanto na observação quanto na conclusão de diversos fenômenos simulados por esses programas. Todas as ferramentas computacionais apresentadas neste tutorial foram desenvolvidas sobre o MATLAB 5.3, que é um programa matemático muito eficiente e que traz uma apresentação gráfica muito amigável para o usuário, tornando essas ferramentas ainda mais didáticas.. Introdução Atualmente a comunidade global tem uma grande necessidade de se comunicar e com isso o volume de informação que trafega nos canais de comunicações crescem a cada dia. Com o advento da telefonia móvel celular, com o crescimento e popularização dos computadores portáteis e com o aparecimento da televisão digital de alta definição (HDTV), há uma grande necessidade de se transmitir informações a uma elevada taxa de bits por um meio limitado e extremamente concorrido, que é o ar. Isso nos obriga a desenvolver métodos de modulação eficazes para que possamos aproveitar ao máximo esse recurso natural limitado, que é o espectro de freqüências. A busca por novos métodos de modulação nos leva cada vez mais próximo do limite teórico de eficiência de largura de faixa imposto por Shannon [] na década de 4 e uma das modulações de maior eficiência é a modulação QAM ( Quadrature Amplitude Modulation Modulação em Amplitude e Quadratura) e por isso este tipo de modulação vem sendo cada vez mais explorado. A modulação QAM é mais complexa que a PSK [] ( Phase Shifting Keying ) e ASK [] ( Amplitude Shifting Keying ), mas a eficácia do QAM se torna muito superior a medida em que o número de símbolos da constelação aumenta. A complexidade do sistema QAM tem sido contornada com o uso de DSP s ( Digital Signal Processors ) [3], que estão cada vez menores, mais rápidos e mais baratos, diminuindo assim o custo do modulador e demodulador QAM. Este tutorial irá demonstrar os princípios da formação da constelação 6-QAM, através dos aplicativos desenvolvidos para fins didáticos.. Modulação QAM A modulação QAM combina a modulação PSK, onde a informação digital é transmitida através da variação de fase da portadora analógica e da modulação ASK, onde a informação digital é transmitida através da variação de amplitude da portadora analógica. Desta forma, na modulação QAM, tanto a fase como a amplitude da portadora variam de acordo com a informação digital a ser transmitida.

2 Para se obter uma modulação eficiente, é importante distribuir os pontos da constelação de uma maneira adequada. As constelações mais utilizadas são as constelações retangulares [], pois este tipo de constelação apresenta uma boa relação entre energia média de símbolo e a complexidade de formação da constelação. É importante citar que há estudos e propostas de constelações que possuem geometrias não retangulares que otimizam a energia média de símbolo [], porém a complexidade destas constelações não justificam os ganhos obtidos com relação as constelações retangulares. Genericamente, a lei de formação dos símbolos de uma constelação QAM quadrada é dada por: si ( t) Ai ( t) *cos[ ϖ ot φi ( t)] () i,,3... M t T onde M é o número total de símbolos da constelação e T é o tempo de duração de cada símbolo. Também podemos representar a constelação QAM utilizando um plano cartesiano baseado em dois sinais ortogonais. Normalmente, as bases deste plano ortogonal são cos(ωt) e sen(ωt) [], onde ω é a velocidade angular da portadora analógica. Assim, podemos representar a constelação QAM retangular conforme a figura. A sen(ωt) A -A -A -A A A cos(ωt) Figura Exemplo de uma constelação QAM retangular Agora podemos utilizar o plano descrito acima para representar qualquer símbolo no domínio temporal, de forma que passamos a ter a lei de formação da constelação QAM retangular descrita abaixo: s ( t) A *cos( ϖ t) A * sin( ϖt) () i i,,3,..., Ax j,,3,..., Ay i max max j -A t T onde Ax max é a maior amplitude permitida no eixo X e Ay max é a maior amplitude permitida no eixo y.

3 Para o caso do símbolo demarcado na figura, teremos: s( t) cos( ϖt) sin( ϖt) ; para t T. (3) Esta representação cartesiana facilita muito a visualização da constelação QAM e também simplifica sua formação. A largura de faixa mínima [] utilizada por um sistema QAM pode ser expressa por: R BW min (4) log ( M ) onde R é a taxa de transmissão de bits e M é o número de símbolos da constelação QAM. Podemos expressar a eficiência de largura de faixa [] para um sistema QAM por: R β log ( M ) (5) BW min 3. A Constelação 6-QAM Em um sistema 6-QAM cada símbolo da constelação é formado a partir de 4 bits de informação []. Assumindo que a distância entre dois símbolos adjacentes seja, a constelação fica: 3 sen(ωt) -3-3 cos(ωt) - -3 Figura Constelação 6-QAM Uma vez atribuida a posição dos pontos na constelação, devemos mapear estes símboos, de modo que a combinação de 4 bits represente um e somente um símbolo. O código mais utilizado neste tipo de mapeamento é o código Gray [], pois neste código apenas um bit muda entre os símbolos adjacentes. Isto minimiza a probabilidade de erros do sistema. O programa qam_clean_gui.m foi criado para demostrar este tipo de mapeamento. A figura 3 mostra o resultado de uma simulação onde a seqüência de bits ( ) foi transmitida e o símbolo s ( t) 3* cos( ϖt) 3* sin( ϖ ) foi gerado. t

4 Figura 3 Símbolo gerado a partir do program qam_clean_gui.m O objetivo deste programa é fazer com que o usuário entre com as 6 combinações possíveis e observe a posição de cada símbolo, anotando quais foram as seqüências de bits utilizadas na formação de cada símbolo. A constelação 6_QAM já mapeada fica conforme mostrado na figura 4. sen(ωt) cos(ωt) - -3 Figura 4 Constelação 6-QAM mapeada com código Gray. Conforme já mencionado, com a utilização do código Gray na formação da constelação QAM, há a mudança de apenas um bit entre símbolos adjacentes. Podemos observar também que os dois bits mais significativos definem a amplitude no eixo y (sen(ωt)), enquanto que os bits menos significativos definem a amplitude no eixo x (cos(ωt)). Com isso podemos afirmar que a modulação 6-QAM é formada por dois sinais 4-ASK ortogonais []. 4. Influência do AWGN na constelação 6-QAM. Uma vez determinado como se obtem os símbolos de uma constelação 6-QAM, é necessário estudar os efeitos que o ruído branco aditivo de natureza gaussiana causa a esta constelação. O programa qam_gui foi desenvolvido com o objetivo de demostrar a influência do AWGN [] na constelação QAM de uma maneira clara e simples. A figura 5 mostra o resultado de uma simulação onde o símbolo formado pelos bits ( ) foi transmitido mil vezes consecutivas com uma relação Eb/No de 6dB.

5 Figura 5 Influência do Ruído Branco na Constelação 6-QAM Observando a constelação 6 QAM apresentada na figura 4, podemos concluir que as coordenadas para o símbolo formado pelos bits ( ) são X e Y. Na figura 5 vemos uma nuvem de pontos em torno dessas coordenadas, que são os símbolos transmitidos em um meio perturbado pelo ruído branco. Analisando a figura podemos observar que os pontos estão distribuídos em torno de uma média, que é a coordenada do símbolo formado pelos bits ( ). Uma vez que o ruído possui uma distribuição gaussiana [], a função densidade de probabilidade que descreve a probabilidade de ocorrência de um evento pode ser descrita por: ( ) x µ p x exp (6) π σ σ onde p(x) é a função que demonstra como a probabilidade do ruído assumir valores x está distribuída em torno da média. µ é a média. σ é o desvio padrão. O valor de σ está relacionado com a potência do ruído presente no canal, de forma que aumentando o valor de σ, a probabilidade do ruído assumir amplitudes maiores aumenta e assim a potência do ruído é maior. No caso da simulação apresentada, o valor de σ é fornecido indiretamente através do campo Eb/No. A relação Eb/No denota a relação entre a energia de bit pela densidade espectral de ruído. Se a relação Eb/No for conhecida e adotarmos a energia de bit (Eb) como sendo constante, podemos determinar a densidade espectral de potência (No). Sabemos que σ No /, portanto podemos determinar o valor de σ e utilizá-lo para determinar como o ruído irá influenciar os símbolos transmitidos. O símbolo recebido será a soma vetorial do símbolo transmitido com o ruído de média nula e σno/. Observe que o valor absoluto do ruído é aleatório e é por isso que ao transmitirmos N vezes, os símbolos recebidos formam uma nuvem em torno do símbolo originalmente transmitido. Quanto maior a relação Eb/No, menor é o valor de σ e portanto a probabilidade do ruído assumir grandes amplitudes diminui de forma que a nuvem de pontos se concentre mais em torno do símbolo transmitido. A figura abaixo demonstra o resultado de uma simulação com Eb/No5db.

6 Figura 6 Influência do Ruído Branco na Constelação 6-QAM Uma vez determinado qual é a influência do ruído em um símbolo da constelação é necessário analisarmos se esse ruído introduzido causa erro de símbolo na recepção. Voltando a observar a figura 4, vemos que todos os símbolos estão igualmente espaçados entre si de uma distância igual a. Com isso as coordenadas que os símbolos podem assumir em ambos os eixos são: -3, -, e 3. Isso implica que os limiares de decisão [], que são as linhas que separam dois símbolos adjacentes, assumam as coordenadas, e para ambos os eixos. Por exemplo, se o símbolo em questão for o símbolo de coordenadas X, Y, os limiares de decisão serão: Eixo X: Esquerda e Direita Eixo Y: Inferior e Superior Esses limiares definem uma área e se a coordenada do símbolo recebido estiver dentro dessa área, o mesmo será interpretado como sendo o símbolo formado pelos bits ( ). Ainda observando a figura 4, podemos verificar que nem todos os símbolos possuem a mesma probabilidade de erro, pois o número de vizinhos que os símbolos possuem variam de acordo com a sua posição no constelação. Segundo a figura 4 fica claro que os quatro símbolos internos (observe também a figura 7 abaixo) possuem uma maior probabilidade de erro do que os símbolos externos da constelação. Figura 7 Símbolos com maior probabilidade de erro.

7 5. Códigos Corretores de Erro. Agora que já compreendemos qual é a influência do ruído branco de distribuição gaussiana em uma constelação 6-QAM, e como esta influência pode gerar erros na recepção, iremos estudar uma medida preventiva que nos permita detectar e/ou corrigir um possível erro. A medida utilizada na apresentação deste trabalho é chamada de códigos corretores de erro cíclicos []. Os códigos cíclicos são códigos de blocos que podem ser conseguidos a partir de uma máquina de estado, mas respeitam todas as leis de formação de um código de blocos. O princípio da codificação de canal é adicionar bits de paridade (redundância) a informação afim de permitir definir através da análise desta paridade se a informação recebida está certa ou não e em alguns casos, informar aonde ocorreu o erro. Ao adicionarmos os bits de paridade estamos aumentando o número de bits que deve trafegar pelo canal. Isso irá provocar um aumento na taxa de sinalização ou um aumento na banda ocupada, assumindo que a taxa de bits de informação foi mantida. Obviamente isso consiste em uma desvantagem que devemos pagar para proporcionar uma maior confiabilidade na transmissão da informação. Em um código de bloco onde a informação é segmentada em k bits de informação e são adicionados (n-k) bits de paridade de tal forma que o bloco resultante possui n bits é denominado de Código (n, k) []. A partir dessa explanação podemos definir alguns parâmetros utilizados para caracterizar um código de bloco. O primeiro deles é redundância do código dada por: ( n k) redundância (7) k Outro parâmetro importante é a taxa de código, dada pela seguinte relação: k taxa (8) n Neste estudo, iremos apresentar o Código C(7,4), ou seja, um código que a partir de 4 bits de informação gera um vetor válido de 7 bits. Assim temos 3 bits de paridade para cada bloco de 4 bits de informação. Observe que com 4 bits de informação é possível obtermos 6 combinações diferentes, mas o espaço vetorial disponível possui 7 8 combinações, pois transmitimos blocos com 7 bits (4 de informação e 3 de paridade). Assim, de 8 combinações possíveis somente 6 serão utilizadas. As combinações não utilizadas são denominadas de vetores códigos não válidos, enquanto que as 6 combinações possíveis são denominadas de vetores códigos válidos []. O conjunto de vetores válidos deve ser um subconjunto do espaço vetorial, ou seja, o vetor todo nulo deve ser um vetor código válido e a soma (módulo dois) de quaisquer dois vetores códigos válidos deve gerar um vetor código válido. Portanto, a idéia da codificação é a partir de um bloco de k bits deve-se gerar um bloco de n bits que seja um vetor código válido. Esse vetor é transmitido e pode ou não ser alterado no canal devido ao ruído presente no mesmo. Ao decodificador cabe verificar se o vetor recebido é ou não um vetor código válido. Se for um vetor código válido, então o decodificador retira os bits de paridade e entrega os bits de informação na saída. Se o vetor recebido não for um vetor código válido o decodificador aproxima o vetor recebido para o vetor código válido mais próximo e então retira a paridade e entrega os bits informação na saída. Vale a pena frisar que o decodificador sempre retira a informação de um vetor código válido.

8 Ao escolhermos um código de bloco, devemos ter dois pontos chaves em vista. O primeiro é escolher um código que possua vetores códigos mais distantes possíveis, pois assim o código irá apresentar uma menor probabilidade de ocorrer um erro não detectável e aumentará a capacidade de correção do código []. O segundo é fazer com que o número de vetores válidos seja próximo do número total de vetores possíveis. Assim a redundância é menor e gastase menos banda na transmissão da informação. Há duas maneiras de implementar um código de bloco. A primeira é definindo os vetores códigos e armazená-los em um tabela que é consultada a cada bloco de k bits de informação. O grande problema dessa técnica é que para extensos blocos de bits de informação o número de vetores códigos válidos se torna muito extenso, inviabilizando o armazenamento destes vetores em uma memória. Imagine um código C(9,97). Teríamos que armazenar 97 vetores em uma memória, o que é extremamente inviável. A outra maneira de realizarmos a codificação é lançando mão de uma Matriz Geradora []. Neste conceito, utilizamos um conjunto de k vetores códigos linearmente independentes para formar uma matriz de k linhas e n colunas. Esses vetores formam o conjunto base do código, de modo que qualquer vetor código pode ser gerado a partir da combinação linear dos vetores que compõe esta base. No caso em estudo, temos um código C(7,4), de forma que sua matriz geradora possui o seguinte formato: a a a3 a4 a5 a6 a7 a a a3 a4 a5 a6 a7 G (9) a 3 a3 a33 a34 a35 a36 a37 a4 a4 a43 a44 a45 a46 a47 Os vetores códigos válidos são obtidos multiplicando os bits de informação pela Matriz Geradora, da seguinte forma: U U [ m m m m ] G 3 4 () m G () A Matriz Geradora define complemente o código corretor, de forma que o codificador precisa armazenar somente os k vetores códigos válidos que formam a base do espaço vetorial válido. É comum encontrarmos as matrizes geradoras em sua forma sistemática [], ou seja, em uma forma em os bits de informação estão explícitos no vetor código válido. Essas matrizes possuem o seguinte aspecto: [ P ] G : () I k P é a matriz paridade com k linhas e (n-k) colunas e I k é a matriz identidade de dimensão k. O decodificador utiliza a matriz H, obtida a partir da Matriz Geradora (G), para decodificar o vetor recebido. A matriz H é ortogonal a matriz G, de forma que: H T G (3)

9 Para que o requisito acima seja cumprindo é necessário que a matriz H tenha a seguinte disposição. T [ I n P ] H : (4) k H T I n P k (5) O decodificador realiza o produto entre o vetor recebido e a matriz H T obtendo como resultado um vetor de dimensão (n-k) que é chamado de síndrome []. Caso a síndrome seja um vetor todo nulo significa que o vetor recebido é um vetor código válido. Caso a síndrome não seja um vetor nulo, isso significa que o vetor recebido não é um vetor código válido e portanto deve ser corrigido. Para cada síndrome possível (existem (n-k) síndromes possíveis) existe associado a ela um vetor erro padrão que somado ao vetor recebido irá gerar um vetor código válido. Nenhum código é perfeito, ou seja, nem sempre o código é capaz de corrigir ou detectar um erro introduzido pelo canal. Para podermos quantificar a capacidade de correção e detecção de um código devemos antes definir distância mínima de um código (dmin) []. A distância mínima de um código de blocos é a menor quantidade de bits que devem ser mudados afim de obtermos um outro vetor código válido. Uma vez conhecido o dmin do código, podemos determinar sua capacidade de correção como sendo: d min t bits (5) Já a capacidade de detecção é dada por: cd d min (6) Como já podíamos esperar, a capacidade de correção de um código é menor do que sua capacidade de detecção. Assim, um código pode operar como corretor de erro em condições em que a média do número de bits errados por bloco de n bits seja menor do que sua capacidade de correção. Se por algum motivo, a média do número de bits errados aumenta e passa a ser maior do que a capacidade de correção do código, o mesmo código ainda pode ser utilizado para a detecção de erro. Os códigos cíclicos formam uma subclasse dos códigos de bloco que podem ser implementado por registradores de deslocamento. A principal caraterística de um código cíclico é que se temos um vetor código válido U pertencente ao subespaço vetorial do código cíclico, então todos os demais códigos podem ser obtidos pelo deslocamento sucessivo de U. O vetor U pode ser descrito como: U µ µ µ L µ (7) ( ) n Assim podemos expressar qualquer vetor código como sendo: ( µ µ µ ) U µ L µ (8) ( i) n i n i n n i

10 Para uma representação algébrica, podemos considerar os elementos do vetor U como sendo coeficientes de um polinômio U(x), conforme demonstrado abaixo: ) ( n n X X X x U µ µ µ µ L (9) A presença ou ausência de um termo do polinômio indica que o índice que multiplica esse termo é ou respectivamente. Da mesma forma, podemos representar o vetor mensagem como um polinômio: ) ( k m k X X m m X m x m L () O polinômio U(x) pode ser chamado de polinômio gerador [] uma vez que todos os vetores códigos válidos podem ser obtidos através dele utilizando registradores de deslocamento. A obtenção da síndrome também é realizada através de registradores de deslocamento cujo os braços de realimentação seguem o polinômio gerador do código. O programa apresentado a seguir utiliza essa técnica para codificar a seqüência de bits fornecida pelo o usuário. Fazendo um estudo específico para o caso apresentado, temos um código cíclico C(7,4) formado pelo seguinte polinômio gerador: 3 ) ( X X x g () Assim podemos determinar um vetor código válido dado pelo polinômio gerador descrito acima: ( ) U () Utilizando a propriedade dos códigos cíclicos podemos definir a matriz geradora G. G (3) Sabemos que os vetores códigos que compõe a matriz geradora são componentes de um subespaço vetorial e portanto a soma desses vetores irá gerar outro componente desse mesmo subespaço vetorial. Podemos utilizar essa afirmação para obtermos a matriz geradora na forma sistemática apresentada a seguir: G (4) Uma vez conhecida a matriz geradora podemos determinar a matriz decodificadora H, da seguinte forma:

11 T [ I n P ] H : (5) k H (6) Uma vez conhecidas, a matriz geradora e a matriz decodificadora podem ser usadas para codificação e decodificação de uma mensagem, mas é mais prático realizarmos essa tarefa utilizando máquinas de estado, uma vez que estamos utilizando um código cíclico. Para a codificação, utilizamos o circuito a seguir: Chave R R R m(x) a b Chave Saída U(x) Figura 7 Codificador C(7,4) Inicialmente, a chave se encontra fechada e a chave na posição a. Nesta condição, a medida em que o vetor m(x) é carregado na máquina de estado, o mesmo é entregue na saída do codificador. Assim que todos os bits que compõe o vetor m(x) são carregados na máquina de estado, a paridade já está calculada e armazenada nos registros R, R e R. Basta agora descarregar o valor de cada registro na saída. Para isso abrimos a chave (para que o valor da paridade não se altere mais) e passamos a chave para a posição b. Uma vez que todos os bits de paridade foram descarregados, a máquina de estado volta para o estado inicial e está pronta para receber mais um bloco de k bits para a codificação. Para a decodificação, utilizamos a máquina de estado a seguir: Chave R R R U(x) Chave S(x) Síndrome Figura 8 Decodificador C(7,4)

12 O funcionamento do decodificar é muito semelhante ao funcionamento do codificador. A princípio, a chave é fechada e a chave é aberta. Carregamos a máquina de estado com os n bits que compõe o vetor código U(x). Depois que todos os n bits são carregados, o conteúdo dos registradores corresponde a síndrome do vetor U(x), que deve ser descarregada na saída. Para isso abrimos a chave e fechamos a chave. Depois que os (n-k) bits da síndrome são descarregados, a máquina de estado está pronta para receber o próximo vetor código. A seguir apresentamos alguns resultados obtidos pelo programa code74_gui.m, gerado para simular esse tipo de codificador. Figura 9 Resultado da Simulação Nesta simulação, os bits a serem transmitidos são ( ). O codificador entregou o vetor código: U(x) ( ) (7) vetor: Esse vetor foi transmitido por um canal AWGN, e o vetor na entrada do receptor é o Un(x) ( ) (8) O limiar de decisão neste caso é.5, ou seja, o receptor entende como sendo todo e qualquer valor maior ou igual a.5 e entende como sendo todo e qualquer valor menor do que.5. Assim o vetor Urx(x) é igual a U(x). A síndrome gerada pelo decodificador a partir desse vetor é S ( ), o que indica que o vetor recebido é um vetor código válido. O receptor então considera o vetor recebido como sendo o vetor transmitido e o entrega em sua saída. Note que nesse caso, o erro padrão somado ao vetor recebido para gerar o vetor corrigido é o vetor todo nulo, uma vez que o vetor recebido é um vetor código válido. No próximo exemplo apresentamos o resultado de uma simulação onde ocorre um erro na transmissão.

13 Figura Resultado da Simulação Neste caso observamos que quando ocorre um erro na transmissão a síndrome não é mais m vetor todo nulo, o que significa que o vetor recebido não é um vetor código válido. Associado a essa síndrome existe um vetor erro padrão que aproxima o vetor recebido para o vetor código válido mais próximo. Como houve erro de apenas um bit, o vetor código mais próximo é o próprio vetor transmitido. Então o decodificador soma o erro padrão ao vetor recebido e entrega o vetor corrigido na sua saída. Agora iremos demonstrar o que ocorre quando dois erros são introduzido pelo canal em um vetor código transmitido. Figura Resultado da Simulação Agora, o vetor recebido também não é um vetor código válido, mas o vetor código válido mais próximo deste vetor recebido não é o vetor transmitido. Perceba que a síndrome é diferente de zero e o erro padrão ao ser somado ao vetor recebido gera um vetor código válido mas que não foi o vetor código transmitido. Assim o codificador ao tentar corrigir o erro introduzido no canal, aumentou o número de bits errados. Observando o código em questão podemos determinar que o dmin deste código é 3 e sua capacidade de correção e detecção de erro podem ser obtidas, como já demonstrado anteriormente: min 3 t d bit (9) min 3 cc d bits (3)

14 Isso significa que este código é capaz de corrigir todo e qualquer erro de bit e é capaz de detectar todo e qualquer erro de bits. Erros de 3 ou mais bits pode ou não vir a ser detectado. A opção Code74B nos permite perceber melhor a atuação desse código quando erros ocorrem na transmissão. Observe a figura abaixo: Figura Erros corrigidos e erros detectados. O gráfico acima mostra o número de bits errados em cada símbolo (foram transmitidos símbolos) antes da atuação do código e após a atuação do código. Observe que todos os símbolos que apresentavam um erro de bit foram detectados e corrigidos e passaram a não mais apresentar erros. Todos os símbolos que apresentavam erros de dois bits foram detectados, mas ao serem corrigidos passaram a apresentar três erros de bit. Desta forma, o decodificador nunca entregará na recepção vetores que apresentem um ou dois erros de bit, uma vez que o vetor entregue pelo decodificador é um vetor código válido e o número mínimo de bits diferentes entre dois vetores códigos válidos é 3 (dmin3). 6. Conclusões A interatividade que os programas aqui demonstrados apresentam faz com que essas ferramentas sejam e grande ajuda na formação do aluno, de forma que o mesmo possa interpretar e fixar melhor os resultados obtidos pelo estudo teórico e simulados aqui por estes programas. Todo o desenvolvimento dessas ferramentas visa a fácil compreensão de como os fenômenos ocorrem e quais as causas e variáveis que influenciam esse fenômeno de modo com que os alunos possam concluir quais são as leis que regem os princípios básicos de um sistema de comunicação digital que utiliza modulação 6 QAM e códigos cíclicos para correção e/ou detecção de erros. 7. Referências Bibliográficas [] Simon Haykin, Communication System 3 rd edition, Prentice Hall. [] Bernad Sklar, Digital Communications Fundamentals and Applications, John Wiley and Sons INC. [3] Sophocles J. Orfanidis, Introduction to Signal Processing, Prentice Hall.

Codificação de Canal

Codificação de Canal Laboratório de Processamento de Sinais Laboratório de Sistemas Embarcados Universidade Federal do Pará 26 de janeiro de 2012 Sumário 1 Introdução a 2 Códigos de Blocos Lineares 3 Códigos Cíclicos Introdução

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 03 de Maio de 2012 Sumário 1 2 Modulação offset QPSK

Leia mais

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro 1 Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro Capitulo 1: Para começarmos a falar sobre TV Digital devemos conhecer os tipos de modulação digital que existem e entender, ao menos,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Transmissão de Dados 1.

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV Santa Rita do Sapucaí -MG Ilhéus - BA Ilhéus - BA Pça Linear,100 37540-000 - Santa Rita do Sapucaí-MG Brasil - (5535) 3473-3473 (5535) 3473-3474

Leia mais

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda 1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda Pulsos quadrados não são práticos. São difíceis de serem gerados e requerem grande largura de banda. Além disso, em razão da largura de banda limitada do

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

1 Modulação digital Noções básicas

1 Modulação digital Noções básicas 1 Modulação digital Noções básicas A modulação envolve operações sobre uma ou mais das três características de uma portadora (amplitude, fase, frequência). Há três técnicas básicas de modulação para transformar

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

CDI 20705 Comunicação Digital

CDI 20705 Comunicação Digital CDI Comunicação Digital DeModulação em Banda Base Digital Communications Fundamentals and Applications Bernard Sklar ª edição Prentice Hall Marcio Doniak www.sj.ifsc.edu.br/~mdoniak mdoniak@ifsc.edu.br

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros Eytan Modiano Códigos Cíclicos Um código cíclico é um código de bloco linear onde c é uma palavra-chave, e também

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

EE210 Sistemas de Comunicação II 2ª Avaliação (PV2) 22/04/2015 15h30min Profs. Dayan A. Guimarães e Rausley A. A. de Souza. Aluno(a): Matrícula.

EE210 Sistemas de Comunicação II 2ª Avaliação (PV2) 22/04/2015 15h30min Profs. Dayan A. Guimarães e Rausley A. A. de Souza. Aluno(a): Matrícula. EE1 Sistemas de Comunicação II ª Avaliação (PV) /4/15 15h3min Profs. Dayan A. Guimarães e Rausley A. A. de Souza Nota : Nota P: Aluno(a): Matrícula. Prova sem consulta, com duração de 1h5min. A interpretação

Leia mais

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015)

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Teoria das Comunicações Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Aluno: Matrícula: Instruções A prova consiste de três questões discursivas A prova pode ser feita a lápis ou caneta Não é permitida consulta a notas

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375 Redes de computadores N Laboratório 01 Luiza Eitelvein 181375 Exercícios 1) a) Teorema de Shannon : MCs = B log₂(1+s/n) 40 db = 10 log(s/n) 4 = log(s/n) S/N = 10⁴ MCs = 3100 log₂(1+10000) = 3100 ( (log

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Representação de grandeza com sinal O bit mais significativo representa o sinal: 0 (indica um número

Leia mais

Errata. Livro: Transmissão Digital - Princípios e Aplicações Edição:1ª Código: 4391 Autores: Dayan Adionel Guimarães & Rausley Adriano Amaral de Souza

Errata. Livro: Transmissão Digital - Princípios e Aplicações Edição:1ª Código: 4391 Autores: Dayan Adionel Guimarães & Rausley Adriano Amaral de Souza Errata Livro: Transmissão Digital - Princípios e Aplicações Edição:1ª Código: 4391 Autores: Dayan Adionel Guimarães & Rausley Adriano Amaral de Souza Página 3 Primeiro parágrafo Excluir o seguinte texto

Leia mais

Modulação QAM. QAM na transmissão de sinais digitais

Modulação QAM. QAM na transmissão de sinais digitais QAM na transmissão de sinais digitais QAM é uma técnica atualmente utilizada tanto na modulação de sinais analógicos quanto de sinais digitais QAM quantizada é utilizada na transmissão de sinais digitais

Leia mais

Capítulo 2. Elementos de um Sistema de Telecomunicações Digital

Capítulo 2. Elementos de um Sistema de Telecomunicações Digital Capítulo 2 Elementos de um Sistema de Telecomunicações Digital Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários.

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Aula 04 Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Prof. Otávio Gomes otavio.gomes@ifmg.edu.br sites.google.com/a/ifmg.edu.br/otavio-gomes/ 1 Bytes A maioria dos microcomputadores

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

III-2 Cyclic Redundancy Check

III-2 Cyclic Redundancy Check III-2 Cyclic Redundancy Check 29 Dezembro de 2008 ISEL-DEETC- 1 Sumário 1. Códigos cíclicos 2. Polinómio gerador. CRC 1. Cálculo dos bits de paridade 2. Verificação dos bits de paridade 4. Divisão de polinómios

Leia mais

Ex 4.3 O anel é construído pelos polinômios S 1 1 S 2. x S 3. x 1 S 4. x 2 S 5. x 2 1 S 6. x 2 x S 7. x 2 x 1 S 8. x 3 S 9

Ex 4.3 O anel é construído pelos polinômios S 1 1 S 2. x S 3. x 1 S 4. x 2 S 5. x 2 1 S 6. x 2 x S 7. x 2 x 1 S 8. x 3 S 9 Ex. 4.1 As palavras código são c 0 = [0 0 0 0 0 0 0], c 1 = [0 0 0 1 1 0 1], c 2 = [0 0 1 1 0 1 0], c 3 = [0 0 1 0 1 1 1], c 4 = [0 1 1 0 1 0 0], c 5 = [0 1 1 1 0 0 1], c 6 = [0 1 0 1 1 1 0], c 7 = [0

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Sinal no domínio do tempo Redes de Computadores 2 1 Sinal sinusoidal no tempo S(t) = A sin (2πft

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais.

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. Introdução à Transmissão Digital Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. lntrodução à transmissão digital Diferença entre Comunicações Digitais e Analógicas Comunicações

Leia mais

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Amostragem e PCM Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução O processo

Leia mais

Transmissão Digital e Analógica

Transmissão Digital e Analógica Transmissão Digital e Analógica Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores I Introdução... 2 Transmissão Digital... 2 Codificação de Linha... 2 Codificação de Blocos... 4 Transmissão Digital

Leia mais

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI TELEFONIA CELULAR Tecnologia celular digital - sistema TDMA TDMA= Time Division Multiple Acess Multiplexação digital As informações de vários usuários são transmitidas em um canal comum em um determinado

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I 1 Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 013/I 1 Sejam u = ( 4 3) v = ( 5) e w = (a b) Encontre a e b tais

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

JOÃO PAULO TRIERVEILER MARTINS TURBO DECODIFICADORES DE BLOCO DE BAIXA POTÊNCIA PARA COMUNICAÇÃO DIGITAL SEM FIO

JOÃO PAULO TRIERVEILER MARTINS TURBO DECODIFICADORES DE BLOCO DE BAIXA POTÊNCIA PARA COMUNICAÇÃO DIGITAL SEM FIO JOÃO PAULO TRIERVEILER MARTINS TURBO DECODIFICADORES DE BLOCO DE BAIXA POTÊNCIA PARA COMUNICAÇÃO DIGITAL SEM FIO Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Laboratório de Telecomunicações - Aula Prática 4 Sub-turma: 3 Nomes dos alunos: Tarefa 17 Ruído em um Link Digital Objetivo:

Leia mais

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO 4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO Este bloco de ensaios visa a avaliar as características dos sistemas de TV Digital ATSC, DVB-T e ISDB-T para recepção dos sinais. 4.1 Limiar da relação portadora

Leia mais

Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais

Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais 1 Introdução Vimos no Capítulo II que uma desejada função lógica pode ser implementada mediante a combinação de portas lógicas. Esta combinação de portas

Leia mais

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador.

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador. 5 Resultados A dificuldade em modelar analiticamente o comportamento de sistemas celulares hierarquizados faz com que grande parte dos estudos de desempenho destes sistemas seja baseada em simulações.

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Processamento digital de imagens. introdução

Processamento digital de imagens. introdução Processamento digital de imagens introdução Imagem digital Imagem digital pode ser descrita como uma matriz bidimensional de números inteiros que corresponde a medidas discretas da energia eletromagnética

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

ATIVIDADES EXTRA CLASSE

ATIVIDADES EXTRA CLASSE ATIVIDADES EXTRA CLASSE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA- UESB 1) Em que consiste o processamento de Sinais? 2) Em processamento digital de sinas, o que significa codificação da informação? 3)

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES II Trabalho nº 5 Modulações Digitais Não Binárias

TELECOMUNICAÇÕES II Trabalho nº 5 Modulações Digitais Não Binárias TELECOMUNICAÇÕES II Trabalho nº 5 Modulações Digitais Não Binárias Trabalho realizado por : Igor Terroso Fernando Pinto Oscar Patrício da Turma 4EEC08 Índice: Objectivo ----------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE MÁRCIO PORTES DE ALBUQUERQUE OUTUBRO 2007-1 - SUMÁRIO RESUMO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PARTE I: O QUE É UM AMPLIFICADOR

Leia mais

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Estabilidade Carlos Alexandre Mello 1 Introdução Já vimos que existem três requisitos fundamentais para projetar um sistema de controle: Resposta Transiente Estabilidade Erros de Estado Estacionário Estabilidade

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 O pode ser definido como todo e qualquer tipo de interfência externa que exercida sobre um

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: ICO Aula N : 09 Tema: Unidade Central de

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

Camada de Ligação de Dados

Camada de Ligação de Dados Camada de Ligação de Dados Serviços Detecção e correcção de erros Protocolos de Acesso Múltiplo Endereçamento em LANs Hubs e Pontes de interligação Tecnologias da camada de ligação de dados Ethernet Anel

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação

Introdução aos Sistemas de Comunicação Introdução aos Sistemas de Comunicação Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicação) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Codificação e modulação

Codificação e modulação TRABALHO DE REDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROF.:MARCO ANTÔNIO C. CÂMARA COMPONENTES: ALUNO: Orlando dos Reis Júnior Hugo Vinagre João Ricardo Codificação e modulação

Leia mais

20.1 - Seja o código de Hamming Binário C com m = 4. Pede-se:

20.1 - Seja o código de Hamming Binário C com m = 4. Pede-se: IE 56 A - Códigos de Bloco, espectro de peso. - Seja o código de Hamming Binário C com m = 4. Pede-se: a) Matriz H b) dmin e todas palavras-código com peso igual à dmin. c) Liste a coluna dos líderes de

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos 2.4 Código BCD (Binary-coded decimal) Quando um número decimal é representado pelo seu número binário equivalente, dizemos que é uma

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides A avaliação da incerteza do tipo B Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides in Metrology, 2008a), em condições ideais, todas as incertezas em laboratório seriam

Leia mais

MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA

MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA 1 MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA MATEMÁTICA DISCRETA Profa. Marcia Mahon Grupo de Pesquisas em Comunicações - CODEC Departamento de Eletrônica e Sistemas - UFPE Outubro 2003 2 CONTEÚDO 1 - Introdução

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2)

Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2) Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2) Márcio Antônio Mathias Augusto Carlos Pavão IMT Instituto Mauá de Tecnologia. Introdução Dando prosseguimento à série Modulações digitais, discutiremos neste

Leia mais

Bem, produto interno serve para determinar ângulos e distâncias entre vetores e é representado por produto interno de v com w).

Bem, produto interno serve para determinar ângulos e distâncias entre vetores e é representado por produto interno de v com w). Produto Interno INTRODUÇÃO Galera, vamos aprender agora as definições e as aplicações de Produto Interno. Essa matéria não é difícil, mas para ter segurança nela é necessário que o aluno tenha certa bagagem

Leia mais

Aula 8 Circuitos Integrados

Aula 8 Circuitos Integrados INTRODUÇÃO À ENGENHRI DE COMPUTÇÃO PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI ula Circuitos Integrados Introdução Portas Lógicas em Circuitos Integrados Implementação de Funções

Leia mais

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Eletrônica Digital Sistemas de Numeração e Códigos 1. Conversões de Binário para Decimal 2. Conversões de Decimal para Binário 3. Sistema de Numeração Hexadecimal 4. Código

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

RESUMO 2 - FÍSICA III

RESUMO 2 - FÍSICA III RESUMO 2 - FÍSICA III CAMPO ELÉTRICO Assim como a Terra tem um campo gravitacional, uma carga Q também tem um campo que pode influenciar as cargas de prova q nele colocadas. E usando esta analogia, podemos

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO PARA APRENDIZAGEM DA TÉCNICA DE CODIFICAÇÃO REED SOLOMON. Samir Shehady 1 ; Arnaldo Megrich 2

DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO PARA APRENDIZAGEM DA TÉCNICA DE CODIFICAÇÃO REED SOLOMON. Samir Shehady 1 ; Arnaldo Megrich 2 DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO PARA APRENDIZAGEM DA TÉCNICA DE CODIFICAÇÃO REED SOLOMON Samir Shehady 1 ; Arnaldo Megrich 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

Telecomunicações e Teleprocessamento

Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações Telecomunicações podem ser definidas como comunicações por meios eletrônicos, normalmente a grandes distâncias. Como veículos de transmissão podem

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Códigos de Detecção e Correcção de Erros

Códigos de Detecção e Correcção de Erros Códigos de Detecção e Correcção de Erros Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Manuela Rodrigues M1379 Detecção e Correcção de Erros Características dos Erros Possíveis Abordagens Códigos de Detecção

Leia mais