PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. /jcarlos Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica GRIMA - Grupo de Integração de Manufatura GRUCON Caixa Postal 476, CEP Florianópolis, SC, Brasil

2 O planejamento do processo é a ponte que liga o projeto à manufatura. Portanto, esta atividade é fundamental em empresas que querem manter-se competitivas.

3 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO O QUÊ? Projeto de Produtos COMO? QUANDO? Programação da Produção

4 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO Produção em pequenos lotes flexibilidade de sistemas de manufatura Flexibilidade: equipamentos tomada de decisões de projeto planejamento do processo agendamento programação da produção ( scheduling ) manuseio gerenciamento

5 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO Volume de produção em países industrializados

6 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO Taxa de Produção X Variedade

7 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO Produção em massa não é mais efetiva como costumava ser. Como a manufatura tinha se tornado tão lucrativa, mais e mais fabricantes entraram neste mercado. N o de fabricantes competição N o opções para os consumidores mais fácil encontrar um produto num preço razoável O mercado passou a ser voltado para o consumidor, em vez de ser voltado para o fabricante. Quanto mais o consumidor encontra maiores opções de produtos, o desejo de ter mais opções torna-se mais forte. Variedade de produtos ; Ciclo-de-vida do produto

8 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO Os fabricantes não perceberam esta situação até a metade dos anos 70. Eles se depararam com uma situação em que a ferramenta efetiva (i.e. produção em massa) tornou-se ineficiente. Eles tiveram que procurar uma solução para o seguinte problema: produção de quantidade variedade de produtos alteração no projeto das peças estoque-em-processo volume de produção para cada produto

9 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO CIM integração de todos os aspectos da manufatura Automação flexível de todas as atividades de manufatura Coodenação e otimização de todo o sistema de manufatura. Palavra chave do CIM "integração" Componentes como CAD, CAM, FMS, CAPP, Computer-Aided Assembly (CAA), Computer-Aided Testing (CAT), Computer-Aided Inspection (CAI), MRP, Management Information Systems (MIS), etc., devem ser integrados. CAPP desempenha um papel extremamente importante.

10 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO Comunicação entre o CAD e o CAM é fundamental no CIM, o que pode até certo ponto determinar o sucesso do CIM CAPP pode ser considerado a ponte entre o CAD e o CAM. O CAPP determina como o projeto será feito num sistema de manufatura. Sem um bom CAPP, torna-se impossível transformar a informação de projeto em manufatura.

11 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO CAD (computação gráfica); CAM (programação de máquinas de comando numérico) sucesso! A importância do CAPP não havia sido percebida pela indústria de manufatura em geral até a década passada. POR QUÊ? tomada de muitas decisões tecnológicas muitos problemas técnicos e organizacionais não são determinísticos algumas decisões podem ser tomadas apenas através de métodos experimentais. N o de sistemas CAPP desenvolvidos ; poucos industriais "Sistemas comerciais CAD/CAM integrados" sistemas CAD/NC ou CAD/APT

12 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO

13 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO

14 Histórico de CAD, CAM, hardware e sistemas de manufatura

15 CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PLAN. DO PROCESSO Novos trabalhos em CAPP O desenvolvimento do CAPP satisfará as necessidades de implementações de CIM, e também os desafios cada vez maiores da indústria de manufatura. Desenvolvimento de um sistema CAPP: compreensão completa dos princípios e metodologias de planejamento do processo. Alguns pesquisadores importância do código de computador; não prestam atenção aos princípios e metodologias o sucesso impossível A discussão nesse curso focaliza-se nas teorias, princípios e métodos de planejamento do processo, para proporcionar a importante base tecnológica para o CAPP.

16 PROCESSOS DE FABRICAÇÃO E PLAN. DO PROCESSO Os processos: alteram a forma, dimensões e propriedades das matériasprimas ou produtos semi-acabados, ou então efetuam a montagem das peças nos produtos finais. fundição, forjamento, soldagem, puncionamento, estampagem, usinagem, tratamentos térmicos, tratamentos químicos etc. Usinagem: torneamento, fresamento, furação, retificação, brochamento, geração de engrenagens, etc., dependendo da forma desejada, dimensões, precisão e qualidade superficial da peça

17 PROCESSOS DE FABRICAÇÃO E PLAN. DO PROCESSO Projeto de um novo produto Planejamento dos processos para a fabricação dos seus componentes (tarefa preparatória para a manufatura) Documento resultante plano de processo serve de base para as regras referentes às operações de produção. Qualidade dos planos de processo influencia: grau de complexidade do trabalho preparatório para a manufatura; duração do estágio preparatório; qualidade das peças e produtos fabricados; grau de complexidade do escalonamento da produção seqüência de operações e nos custos de produção.

18 DOCUMENTAÇÃO GENERAL ELECTRIC CORPORATION Material No. da Operação Nome da Operação PLANO DE PROCESSOS Matéria- Prima Equipamento No. do Produto No. da Peça Nome da Peça Número de Peças por Unidade Disp. de Ferramenta Fixação Instr. de Medição Página Quantidade Tempos Padrões de Obs. Exemplo de um plano de processo Processista Aprovaçã o Data Data No. Alteração da Aprovação Data No. da alteração Data da alteração

19 DOCUMENTAÇÃO GENERAL ELECTRIC CORPORATION No. da Operação Nome da Operação PLANO DE PROCESSOS No. do Produto No. da Peça Noma da Peça Material Dureza Equipamento Disp. de Fixação Página de Tempos Padrões (DESENHO DE FABRICAÇÃO DA PEÇA) No. da Sequência Operação Elementar Ferramenta Instr. de Medição Rotação N (rpm) Avanço f (mm/rev) Prof. a p (mm) Obs. Exemplo de um plano de processo detalhando as operações elementares Processista Aprovação No. da Alteração Data Aprovação Data No. da alteração Data Data da alteração

20 PROCESSOS DE FABRICAÇÃO E PLAN. DO PROCESSO 1 peça n o de planos de processo > 1 Qualidade de um plano de processo avaliada sob os pontos de vista tecnológico e econômico. Plano de processo é bom quando: proporciona a qualidade desejada das peças fabricadas; reduz o custo de produção. No planejamento do processo, deve-se efetuar: uma análise pormenorizada da estrutura da peça, especificações do material, volume de produção e condições de fabricação

21 PROCESSOS DE FABRICAÇÃO E PLAN. DO PROCESSO Decisões que são tomadas no planejamento do processo: Seleção da matéria-prima e seu método de fabricação Seleção dos processos de usinagem das superfícies das peças Determinação da seqüência de operações Determinação da fixação da peça para cada operação Seleção do equipamento e ferramentas para as operações de usinagem Determinação das dimensões e tolerâncias operacionais para as operações de usinagem Seleção das condições de usinagem e determinação dos tempos padrões para cada operação

22 Algumas das atividades no planejamento do processo (no contexto de usinagem)

23 Um exemplo de plano (ou folha) de processo

24 Uma peça exemplo, para a qual será mostrado um plano de processo para a sua fabricação

25 Plano de processo para a fabricação da peça na figura anterior

26

27 Plano de processo para a fabricação da peça na figura anterior

28 Boxy

29 AP203e2 AP238 4-axis / 2 setups AP203 AP203

30 Diferentes estratégias de entrada da ferramenta no material

31 Diferentes estratégias de aproximação da ferramenta em relação à peça

32 Diferentes estratégias de fresamento (vistas superiores)

33 3-Axis / 6 setups Machining Setup 1 at Scania Machining Setup 1 at KTH

34 4-Axis / 2 setups Setup 1 Setup 2

35

36

37

38 Exemplo de peça com superfície generalizada ( sculptured )

39 Exemplos de peças complexas

40 Exemplos de peças complexas

41 Exemplos de peças complexas

42 Exemplo de trajetória da ferramenta para a usinagem de uma peça com superfície generalizada

43

44 COMPOSIÇÃO DOS PROCESSOS DE USINAGEM Processo de usinagem n o de operações através das quais as matérias-prima são transformadas em peças acabadas. Componentes básicos de processos de usinagem operações. Uma operação = porção completa de um processo (p.ex. furação, retificação) para usinar uma peça (ou várias peças simultaneamente) numa única fixação. Uma operação utilização do mesmo equipamento e mesma peça, isto é, pela continuidade. Exemplo: se um lote de peças é usinado primeiramente num torno paralelo, e então numa fresadora, obviamente dois operadores estarão envolvidos.

45 COMPOSIÇÃO DOS PROCESSOS DE USINAGEM A figura ilustra a usinagem do furo central e do rebaixo numa flange. Conceitos de "operação" e "operação elementar"

46 COMPOSIÇÃO DOS PROCESSOS DE USINAGEM Se o lote de peças é usinado na seguinte seqüência: furação mandrilamento do furo mandrilamento do rebaixo, com três ferramentas diferentes na mesma máquina (p.ex. num torno), esta é uma única operação. Se estes furos são executados num torno e então mandrilados num outro torno, a usinagem das peças consistirá de duas operações. Operação todas as atividades diretamente relacionadas à usinagem, bem como as ações auxiliares e de manuseio.

47 COMPOSIÇÃO DOS PROCESSOS DE USINAGEM Uma operação elementar é efetuada sem alterar a ferramenta (ou grupo de ferramentas usadas simultaneamente), a superfície usinada da peça, a velocidade e o avanço. Se um destes é alterado, tem-se uma outra operação elementar. Exemplo: a operação ilustrada na figura três operações elementares: 1- fazer furo; 2-mandrilar furo; 3-mandrilar rebaixo. Se o mandrilamento fosse subdividido em desbaste e acabamento (diferentes velocidades e avanços), o mandrilamento fino quatro operações elementares.

48 COMPOSIÇÃO DOS PROCESSOS DE USINAGEM Maior eficiência e produtividade combinação de operações várias ferramentas para usinar diferentes superfícies da peça. Camada profunda de material operação elementar pode ser subdividida em vários passes. Mandrilamento do rebaixo na figura anterior poderá ser feito em vários passes. Porém, 1 só operação elementar (usinagem do rebaixo), pois não há alteração na ferramenta, na superfície sendo usinada, na velocidade ou no avanço.

49 COMPOSIÇÃO DOS PROCESSOS DE USINAGEM Operações elementares complexas

50 COMPOSIÇÃO DOS PROCESSOS DE USINAGEM Fresamento de duas superfícies planas (a) em duas fixações (b) numa única fixação

51

52

53 EXIGÊNCIAS PARA O PLAN. DO PROCESSO PP afeta diretamente: a qualidade do produto, a eficiência da produção e os custos. Um bom plano de processo deve satisfazer as seguintes exigências: proporcionar que todas as exigências de qualidade da peça contidas no desenho sejam atingidas. resultar numa elevada eficiência de produção para que os produtos sejam entregues no prazo estipulado. resultar em baixos custos de produção. proporcionar uma melhoria nas condições de trabalho, e promover o desenvolvimento da tecnologia de manufatura.

54 EXIGÊNCIAS PARA O PLAN. DO PROCESSO Um dos maiores problemas no PP: como atingir a precisão especificada no projeto? Deve proporcionar que todas as exigências de qualidade sejam atingidas, sem depender da habilidade do operador. Outros problemas tecnológicos e econômicos: É apropriado adotar matérias-prima de precisão (fundidos ou forjados)? Vale a pena utilizar novos métodos de usinagem, máquinas ou ferramentas?

55 EXIGÊNCIAS PARA O PLAN. DO PROCESSO Várias alternativas de planos de processos, ou algumas de suas operações, são avaliadas e comparadas para que o melhor plano seja selecionado. Melhor alternativa? Máquinas mais avançadas? Mais elevada eficiência de fabricação? Avaliação das alternativas pontos de vista tecnológico e econômico. Na maioria dos casos, o custo total é a base da decisão. Mas é importante que as alternativas satisfaçam as exigências de qualidade e produção imediata.

56 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O PLAN. DO PROCESSO Compreensão do Desenho e Especificações da Peça Processista deve entender claramente tudo que estiver especificado no desenho da peça, inclusive todas as vistas da peça, cotas, tolerâncias, acabamentos e outras especificações técnicas. Informações incompletas, incorretas ou indefinidas poderão resultar em decisões tecnologicamente ruins, e consequentemente em planos de processo ruins.

57 A partir da tolerância pode-se selecionar um processo de fabricação para uma dada superfície.

58 A partir da rugosidade superficial pode-se selecionar um processo de fabricação para uma dada superfície.

59 A partir da rugosidade superficial pode-se selecionar um processo de fabricação para uma dada superfície.

60 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O PLAN. DO PROCESSO Compreensão do Dimensionamento da Peça: Posições relativas entre superfícies podem ser dimensionadas de 3 maneiras diferentes: Três meios diferentes de dimensionamento: (a) em relação a uma superfície; (b) seqüencial; (c) combinado

61 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O PLAN. DO PROCESSO Desenho da Matéria-Prima: Matéria-prima selecionada de acordo com o desenho da peça, levando em consideração as exigências de propriedades mecânicas e o custo da peça determina os sobre-materiais de todas as superfícies da peça que devem ser removidos, e os métodos de fixação da peça nos estágios iniciais do processo de usinagem. Tipos de matérias-prima: fundidos, forjados, peças soldadas, laminados, etc. (ver figura). Tem-se procurado aproximar a forma e o tamanho da matériaprima o mais possível da peça quantidade de usinagem.

62 Exemplos de matérias-prima

63 Exemplos de matérias-prima, e a sua fabricação e inspeção

64 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O PLAN. DO PROCESSO Volume de Produção e Data de Entrega Tipos de produção uma única peça, em lote e em massa. Custo usinagem ponto de equilíbrio fundição + usinagem Cm N* GRIMA, Dep. Eng. Mecânica, N UFSC

65 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O PLAN. DO PROCESSO Um centro de torneamento CNC

66 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O PLAN. DO PROCESSO Tendência atual no layout da fábrica incorporar flexibilidade ao sistema de manufatura, para atender a variedade e mudanças freqüentes nos produtos a serem fabricados FMS (pequenos e médios lotes) Layout Celular (TG) X Layout Funcional (Departamental)

67 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O PLAN. DO PROCESSO Um sistema FMS na Vought Aircraft, EUA

68 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O PLAN. DO PROCESSO Equipamento de Produção O PP pode ser efetuado sob duas condições diferentes: 1. para uma nova planta ou oficina 2. para uma planta já existente Caso 1 selecionar as máquinas mais razoáveis, de acordo com as necessidades Caso 2 as máquinas devem ser selecionadas do equipamento existente disponível na planta ou oficina, a menos que se planeje a compra de algum novo equipamento. Algumas vezes a modernização de algumas máquinas é necessária, visando melhorar as suas funções e aumentar a sua produtividade.

69 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O PLAN. DO PROCESSO Outras Informações sobre a Manufatura: ferramentas dispositivos de fixação

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

Tecnologia de Comando Numérico 164399

Tecnologia de Comando Numérico 164399 164399 Aula 2 Introdução à Automação da Manufatura Mecatrônica; Automação; Níveis de Automação; Tipos de Automação; Justificativas para automatizar; Justificativas para não automatizar; Prof. Edson Paulo

Leia mais

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto A U A UL LA Ciclo de um produto Um problema Você já percebeu, ao andar pelos corredores de um supermercado, a infinidade de produtos industrializados? Desde alimentos a produtos de limpeza e eletrodomésticos,

Leia mais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx na Manufatura Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx Conteúdo: Conceito de tecnologia CAx Evolução das tecnologias CAx Sistemas CAD/CAE/CAPP/CAM/CAI

Leia mais

PRECISÃO E ERROS DE USINAGEM

PRECISÃO E ERROS DE USINAGEM Qualidade de um produto Parâmetros geométricos (dimensão, forma, acabamento superficial, etc.), Parâmetros físicos (condutividade elétrica, térmica e magnética, etc.), Parâmetros químicos (resistência

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Usinagem de Produção. Edgecam é o único sistema CAM que você precisa.

Usinagem de Produção. Edgecam é o único sistema CAM que você precisa. Usinagem de Produção Edgecam é o único sistema CAM que você precisa. Manufatura auxiliada por computador Apesar dos avanços da tecnologia de manufatura, a programação manual de uma moderna máquina de usinagem

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O 3 Planejamento de Procesos de Fabricação O Planejamento do processo é a ligação entre a engenharia do produto e a manufatura. Diz respeito à seleção dos processos

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

Tubos Laminados e Trefilados Brunidos Peças. Catálogo de Produtos. Tubos e Aços em Peças

Tubos Laminados e Trefilados Brunidos Peças. Catálogo de Produtos. Tubos e Aços em Peças Tubos Laminados e Trefilados Brunidos Peças Catálogo de Produtos Tubos e Aços em Peças 2 www.mercantetubos.com.br SUMÁRIO Introdução Introdução... 4 Peças... 6 Processos... 6 Aplicações... 8 Modelo de

Leia mais

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura O conceito de CIM e a integração de processos Prof. Breno Barros Telles do Carmo Evolução da Manufatura Integração.A evolução da manufatura segundo reportado em Russell e Taylor III (1995) se deu em quatro

Leia mais

Aula 1 Contextualização

Aula 1 Contextualização Automação da Produção Aula 1 Contextualização Prof. Alysson N. Diógenes Início da Automação Revolução industrial duas fases Século XVIII James Watt aperfeiçoa a máquina a vapor, patenteando seu invento

Leia mais

Automação de Processos Industriais*

Automação de Processos Industriais* Automação de Processos Industriais* Automação Rígida e Automação Flexível *Moraes, C.C.; Catrucci, P.L. Engenharia de Automação Industrial. Ed. LTC, Rio de Janeiro RJ, 2001. Black, J.T. O Projeto da Fábrica

Leia mais

Ferramentaria & Matrizaria

Ferramentaria & Matrizaria A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA CAD / CAM PARA MELHORIA DE PROCESSO Ferramentaria & Matrizaria NX 7.5 Month 06/11/ 2012 HISTÓRIA DA SIFCO A SIFCO iniciou suas operações em Jundiaí SP no ano de 1958, como resultado

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CICLO PROFISSIONAL 9º BIMESTRE PESQUISA OPERACIONAL I 80 horas Modelagem de Problemas; Noções de otimização; Introdução a Programação Linear;

Leia mais

Usinagem. Processos de Fabricação. Filipi Vianna. Porto Alegre, 2013. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia

Usinagem. Processos de Fabricação. Filipi Vianna. Porto Alegre, 2013. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Usinagem Processos de Fabricação Filipi Vianna Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Porto Alegre, 2013 Processos de Fabricação Dentre os processos tradicionais

Leia mais

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Introdução aos estudos da Administração da Produção 1 Introdução aos estudos da Administração da Produção UNIDADE I Evolução Histórica Objeto de estudo: ambiente, contexto

Leia mais

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia 1. Apresentar os esquemas de medição das dimensões a, b e c indicadas na figura 1 (desenhar as testeiras, orelhas e pé do paquímetro

Leia mais

Caderno de Encargos de Ferramental

Caderno de Encargos de Ferramental Caderno de Encargos de Ferramental TEV-MM-TLL 09.2009 Página 1 de 11 Índice 1. Objetivo 3 2. Procedimento 3 3. Escopo 3 4. Condições 4 5. Custos 4 6. Protótipo da ferramenta 4 7. Construção da ferramenta

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Ensino

Leia mais

Missão do Grupo Direcionar esforços para promoção da saúde, qualidade de vida e bem-estar, disponibilizando ao mercado um portfólio abrangente de soluções, produtos e serviços, desenvolvidos, fabricados

Leia mais

Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem,

Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem, Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem, centros de torneamento e eletro-erosão a fio. Por que GibbsCAM?

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DE PROCESSOS ASSISTIDO POR COMPUTADOR CAPP (COMPUTER AIDED PROCESS

Leia mais

A EMPRESA. 02 rev. A USINAGEM MECÂNICA. Vista geral do galpão principal. Ferramentaria e afiação próprias. Linha de tornos CNC

A EMPRESA. 02 rev. A USINAGEM MECÂNICA. Vista geral do galpão principal. Ferramentaria e afiação próprias. Linha de tornos CNC A EMPRESA Linha de tornos CNC Linha de centros de usinagem Controle final e Expedição Linha de segundas operações Ambiente de trabalho agradável Vista geral do galpão principal Ferramentaria e afiação

Leia mais

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) 18º Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) Autor(es) MARCO

Leia mais

Ementas Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Bases Tecnológicas: Carga Horária: Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade:

Ementas Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Bases Tecnológicas: Carga Horária: Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Ementas Disciplina: Metodologia da Pesquisa Cientifica Ementa: Conhecimento, Ciência, Pesquisa e tipos de pesquisa, Métodos e técnicas para a elaboração e apresentação de trabalho científico. Competência:

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

Layouts de Sistemas de Manufatura

Layouts de Sistemas de Manufatura Layouts de Sistemas de Manufatura 5 tipos de layout de sistemas de manufatura podem ser identificados: Job shop (layout funcional ou por processo); Flow shop (layout por produto); Fixo ou posicional; Processos

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

Cimatron Ferramentarias Usinagem

Cimatron Ferramentarias Usinagem Metalcam Há mais de 20 anos era fundada a empresa original do Grupo CMC de empresas de novas tecnologias. A vocação inovadora sempre esteve presente por meio de pesquisa e ambiente de desenvolvimento de

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q Comprimento Total Haste Corpo Extremidade cônica neste comprimento Largura do Campo Largura das Costas Ângulo da Ponta Aresta Principal de Corte Diâmetro

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005

DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005 OCUPAÇÃO 0 5 DESCRITIVO TÉCNICO MECÂNICO - CAD DESENHO Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina,

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse torno só dá furo! Na aula sobre furação, você aprendeu que os materiais são furados com o uso de furadeiras e brocas. Isso é produtivo e se aplica a peças planas. Quando é preciso furar peças cilíndricas,

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

Rua Benedito Freire da Paz, 197 Boa Esperança Santa Luzia/MG. Telefone: 3641-4518 www.senai-mg.org.br

Rua Benedito Freire da Paz, 197 Boa Esperança Santa Luzia/MG. Telefone: 3641-4518 www.senai-mg.org.br Segurança na Operação de Empilhadeira Operam empilhadeiras e as demais atividades relativas ao manuseio e transporte de cargas observando os requisitos da norma regulamentadora 11 e as das demais normas

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos

CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos 4.1 Arranjo físico GESTÃO DA PRODUÇÃO É a maneira segundo a qual se encontram dispostos fisicamente

Leia mais

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR Prof. Isaac N. L. Silva Professor do Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica - PUCRS CNC O que são Tipos e Aplicações Fabricantes O que são Controle Numérico

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS 2009 GRUPO SAINT-GOBAIN Tradição, Qualidade, Inovação e Liderança Fundada em 1665 na França, a Saint-Gobain começou como empresa inovadora em fabricação de

Leia mais

Para programação automatizada e fabricação eficiente. estratégias cam

Para programação automatizada e fabricação eficiente. estratégias cam Para programação automatizada e fabricação eficiente estratégias cam O hypermill reduz os tempos de programação e usinagem Um software CAM completo: Uma gama ampla de estratégias de usinagem e de funcionalidades

Leia mais

Automação de Medição: Mesa Posicionadora

Automação de Medição: Mesa Posicionadora UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA EMC 5301 INTRODUÇÃO AO PROJETO E MANUFATURA ASSISTIDOS POR COMP. TURMA 730 Automação de Medição: Mesa Posicionadora César Augusto

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Alta confiabilidade em cortes e canais mais profundos

Alta confiabilidade em cortes e canais mais profundos Alta confiabilidade em cortes e canais mais profundos As necessidades do usuário final......para operações de cortes e canais mais profundos foram reconhecidas nos primeiros estágios de desenvolvimento

Leia mais

RÁPIDO medição do desempenho da máquina. EXATO detecção e relatório de erros em centros de rotação

RÁPIDO medição do desempenho da máquina. EXATO detecção e relatório de erros em centros de rotação AxiSet Check-Up AxiSet Check-Up RÁPIDO medição do desempenho da máquina EXATO detecção e relatório de erros em centros de rotação OTIMIZADO preparação da máquina e aumento da capabilidade AUTOMATIZADO

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Treinamento de Utilização da Produção Repetitiva

Treinamento de Utilização da Produção Repetitiva Treinamento de Utilização da Produção Repetitiva Glossário Introdução 03 Conceitos 05 PP.002.000 - Dados Mestre 07 PP.002.010 - MRP 1 09 PP.002.010 - MRP 2 10 PP.002.010 - MRP 4 11 PP.002.010 - Esquematização

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING Fatores de mercado... 3 Aplicações especializadas existentes... 4 Uma nova geração de software que proporciona flexibilidade... 4 Operações

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS

DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS Almir Lima de Carvalho Lucinéia Corrêa dos Santos de Carvalho Marco Antônio Fonseca de Sá Gerson Alves

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

II Competências, Habilidades e Bases Tecnológicas do Componente Curricular Componente Curricular: Processo de Fabricação III Módulo: III

II Competências, Habilidades e Bases Tecnológicas do Componente Curricular Componente Curricular: Processo de Fabricação III Módulo: III Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle de Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon

Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon Introdução A Ergon Sistemas de Visão Industrial, parceira das empresas Industrial Vision Systems e Neurocheck, juntas formam importantes fornecedores

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Layouts de Sistemas de Manufatura. Layouts de Sistemas de Manufatura Prof. João C. E. Ferreira - UFSC

Layouts de Sistemas de Manufatura. Layouts de Sistemas de Manufatura Prof. João C. E. Ferreira - UFSC Layouts de Sistemas de Manufatura 5 tipos de layout de sistemas de manufatura podem ser identificados: Job shop (layout funcional ou por processo); Flow shop (layout por produto); Fixo ou posicional; Processos

Leia mais

Tubos especiais e componentes prontos para a instalação

Tubos especiais e componentes prontos para a instalação TUBOS ESPECIAIS E COMPONENTES PRONTOS PARA A INSTALAÇÃO 1 Tubos especiais e componentes prontos para a instalação Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

Ementas. Carga Horária: 48h

Ementas. Carga Horária: 48h Ementas Disciplina: Técnicas de Comunicação Oral e Escrita Ementa: Técnicas para Elaboração de Documentos; Metodologias para apresentação de trabalhos; Técnicas de comunicação e público; Linguagem. Competência:

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Representante Exclusivo no Brasil

Representante Exclusivo no Brasil Representante Exclusivo no Brasil Integridade local...diversidade global. Profissionais fortes produzindo peças fundidas por centrifugação ainda mais fortes para impulsionar o sucesso de fabricantes originais

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5 A Seco Tools tem a reputação de ser um dos líderes mundiais na fabricação e fornecimento de ferramentas de corte de metal duro e equipamentos correlatos. No entanto, a Seco apresenta uma força maior como

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

Perfeitamente integrados para um processo contínuo. cad integration

Perfeitamente integrados para um processo contínuo. cad integration Perfeitamente integrados para um processo contínuo cad integration hypermill no Autodesk Inventor A integração do hypermill no CAD Autodesk Inventor é uma solução confiável que permite você implementar

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico de Técnico

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 21º Encontro - 07/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - LAYOUTS DE EMPRESAS INDIVIDUAIS 02 ABERTURA

Leia mais

Analise de uma célula de usinagem: estudo de caso na melhoria de produtividade do item sapata.

Analise de uma célula de usinagem: estudo de caso na melhoria de produtividade do item sapata. Analise de uma célula de usinagem: estudo de caso na melhoria de produtividade do item sapata. Fernando Sidinei Hernandes (FAHOR) fh001118@fahor.com.br Catia Raquel Felden Bartz (FAHOR)catia@fahor.com.br

Leia mais

PLANTAS PARA FABRICAÇÃO DE TUBOS HELICOIDAIS. Soluções sob medida com benefícios mensuráveis para o cliente

PLANTAS PARA FABRICAÇÃO DE TUBOS HELICOIDAIS. Soluções sob medida com benefícios mensuráveis para o cliente PLANTAS PARA FABRICAÇÃO DE TUBOS HELICOIDAIS Soluções sob medida com benefícios mensuráveis para o cliente SMS GROUP Líder na fabricação de equipamentos e máquinas Sob o amparo da SMS Holding GmbH, o SMS

Leia mais

Parâmetros e métodos de usinagem e sua relação com os custos do processo e o acabamento final do produto

Parâmetros e métodos de usinagem e sua relação com os custos do processo e o acabamento final do produto Parâmetros e métodos de usinagem e sua relação com os custos do processo e o acabamento final do produto Osiel Wrublak (Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR) osielw@yahoo.com.br Luiz Alberto

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES INDUSTRIAIS. A EMPRESA Para a SAFE, a tecnologia é somente um dos elementos de qualquer solução industrial. Suporte e serviços técnicos de alto nível são ingredientes

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

MÓDULO 1 TECNOLOGIAS APLICADAS E COMANDO NUMÉRICO COMPUTADORIZADO TECNOLOGIA CNC LIÇÃO 1 HISTÓRICO E EVOLUÇÃO DAS MÁQUINAS CNC.

MÓDULO 1 TECNOLOGIAS APLICADAS E COMANDO NUMÉRICO COMPUTADORIZADO TECNOLOGIA CNC LIÇÃO 1 HISTÓRICO E EVOLUÇÃO DAS MÁQUINAS CNC. MÓDULO 1 TECNOLOGIAS APLICADAS E COMANDO NUMÉRICO COMPUTADORIZADO DESAFIO 2 TECNOLOGIA CNC LIÇÃO 1 HISTÓRICO E EVOLUÇÃO DAS MÁQUINAS CNC. LIÇÃO 2 VANTAGENS E DECISÕES NA IMPLANTAÇÃO AÇÃO DA A TECNOLOGIA

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. Desenvolvimento de um Dispositivo Mecânico para Rebarbar Peças de Grande Porte Fundidas em Aço Marcelo de Brito Steil marcelobs@sc.senai.br Iveraldo de Aguiar iveraldodeaguiar@hotmail.com Resumo: Este

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte

Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte DESAFIOS DA INDÚSTRIA Eng. Jardel Lemos do Prado jardel.prado@adeptmec.com Eng. Rafael B. Mundim mundim@ita.br SUMÁRIO Histórico 1900-2000 Definição do Gerenciamento

Leia mais

S E B A S T I Ã O A L M E I D A S O U Z A

S E B A S T I Ã O A L M E I D A S O U Z A S E B A S T I Ã O A L M E I D A S O U Z A DADOS PESSOAIS NOME: Sebastião Almeida Souza NATURALIDADE: Coronel Fabriciano MG. DATA DE NASCIMENTO: 12 de Novembro de 1962 SEXO: Masculino NACIONALIDADE: Brasileiro

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais