Formas de corrosão 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formas de corrosão 1"

Transcrição

1 Formas de corrosão 1 Os processos de corrosão são considerados reações químicas heterogêneas ou reações na superfície de separação entre o metal e o meio corrosivo. O processo de corrosão é uma reação de oxi-redução onde o metal é oxidado a partir da superfície. Tipos de corrosão Uniforme a corrosão se processa em toda a extensão da superfície, ocorrendo perda uniforme da espessura. Também chamada de corrosão generalizada. Corrosão Uniforme em Tubo Enterrado Corrosão Generalizada em Rotor de Bomba Submersa 1 Texto e fotos parcialmente baseado no Livro Corrosão de Vicente Gentil, 3 edição, LTC.

2 Por placas a corrosão se localiza em regiões da superfície metálica e não em toda a sua extensão, formando placas com escavações.

3 Alveolar a corrosão se processa na superfície metálica produzindo sulcos ou escavações semelhantes a alvéolos, apresentando fundo arredondado e profundidade geralmente menor que o diâmetro. Corrosão Alveolar Generalizada em Tubo Corrosão Alveolar Generalizada

4 Puntiforme ou por pites a corrosão se processa em pontos ou pequenas áreas localizadas na superfície metálica produzindo pites, que são cavidades que apresentam o fundo em forma angulosa e profundidade geralmente maior do que o seu diâmetro. Neste tipo de corrosão é aconselhável considerar: - o número de pites por unidade de área; - o diâmetro médio dos pites; - a profundidade média dos pites. Corrosão Localizada e Generalizada em Duto de Petróleo Enterrado

5 Corrosão Localizada em Feixe de Permutador de Calor Corrosão por Pit em Aço Inox Intergranular a corrosão se processa entre os grãos da rede cristalina do material metálico, o qual perde suas propriedades mecânicas e pode fraturar quando solicitado por esforços mecânicos, tendo-se então a corrosão sob tensão fraturante (Stress Corrosion Cracking). Corrosão Sob Tensão

6 Sensitização em Aço Inox Figura: Micrografia (MEV) do aço UNS S31254, sensitizado 800 oc / 10 min atacado em HClO4 3 mol/l + HCl 1 mol/l a diferentes valores de potencial (E), (a) E= -200 mv / ECS, (b) E= -50 mv / ECS4.

7 Figura: Micrografia (MEV) do aço UNS S31254 atacado a 50 mv / ECS, 120 minutos em HClO4 3 mol/l + HCl 1 M. a aço recozido; b aço sensitizado a 800 oc por 10 minutos4.

8

9 Filiforme a corrosão se processa sob a forma de finos filamentos, mas não profundos, que se propagam em diferentes direções. Ocorre geralmente em superfícies metálicas revestidas com tintas ou com metais. Geralmente quando a umidade relativa do ar > 85% e em revestimentos permeáveis de oxigênio e água ou apresentando falhas. Esfoliação a corrosão se processa de forma paralela à superfície metálica. Ocorre em chapas ou componentes extrudados que tiveram seus grãos alongados e achatados, criando condições para que inclusões ou segregações, presentes no material sejam transformadas, devido ao trabalho mecânico, em plaquetas alongadas. São mais observadas em ligas de alumino.

10

11 Corrosão seletiva Corrosão grafítica a corrosão se processa no ferro fundido cinzento em temperatura ambiente. O ferro é convertido em produtos de corrosão, restando a grafite intacta. Dezincificação é a corrosão que ocorre em ligas de cobre-zinco (latões), observando o aparecimento de coloração avermelhada. Corrosão Seletiva

12 Empolamento pelo hidrogênio o hidrogênio atômico penetra o material metálico e, como tem pequeno volume atômico, difunde-se rapidamente e em regiões de descontinuidades, como inclusões e vazios, ele se transforma em hidrogênio molecular, (H 2 ), exercendo pressão e originando a formação de bolhas, daí nome de empolamento. Fissuramento pelo Hidrogênio

13 Em torno do cordão de solda forma de corrosão que se observa em torno de cordão de solda. Ocorre em aços inoxidáveis não estabilizados ou com teores de carbono maiores que 0,03% e a corrosão se processa intergranularmente. Sensitização de Solda em Tubo de Aço Inox

14 Corrosões mais prejudiciais são as corrosões localizadas: - alveolar; - puntiforme; - intergranular; pois destroem um equipamento em pouco tempo. Fatores envolvidos no ataque localizado: - relação entre áreas catódicas e anódicas; - aeração diferencial; - variação de ph. Entre as heterogeneidades que podem originar ataques localizados: - material metálico: Composição; Presença de impurezas; Tratamentos térmicos ou mecânicos; Condições da superfície (pinturas, etc) - meio corrosivo: Composição química; Diferença de concentração; Aeração; Temperatura; Velocidade; ph; teor de oxigênio; sólidos suspensos; condições de imersão (parcial ou total).

15 Mecanismos básicos de corrosão No estudo dos processos corrosivos devem ser considerados as variáveis dependentes de: - material metálico: composição química, presença de impurezas, processo de obtenção, tratamentos térmicos e mecânicos, estado da superfície, forma, união dos materiais (solda, rebite, etc), contato com outros metais. - meio corrosivo: composição química, concentração, impurezas, ph, temperatura, teor de oxigênio, pressão, sólidos suspensos. - condições operacionais: solicitações mecânicas, movimento relativo entre material metálico e maio, condições de imersão do meio (total ou parcial), meios de proteção contra a corrosão, operação contínua ou intermitente. A escolha apressada pode levar a resultados desastrosos: - os aços inoxidáveis não sofrem corrosão; - o ácido sulfúrico concentrado é mais corrosivo que o ácido diluído; - água com ph = 10 não é corrosiva. O aço inoxidavel AISI 304 sofre corrosão em presença de cloreto e meio ácido. O ácido sulfurico concentrado pode ser armazenado em tanques de aço carbono, o que não pode ser feito com ácido diluído (o ácido sulfúrico concentrado ataca o aço, formando sulfato ferroso, que fica aderido nas paredes do tanque e como este sal é insolúvel em ácido sulfúrico concentrado, protege o aço contra novos ataques; já no ácido diluído, ocorre uma pequena dissolução do sal, mantendo a corrosão. Água com ph = 10 (alcalina, básica) não é corrosiva para aço carbono, na temperatura ambiente, mas corroe alumínio, zinco, estanho e chumbo.

16 Na ausência de água: AISI 304 Titanio Cloro seco Não corroe Reage rapidamente de forma exotérmica Oxigênio Reage rapidamente formado película protetora de óxido de cromo, Cr 2 O 3 Pode sofrer oxidação sob a forma de violenta reação exotérmica Na presença de água cloro Oxigênio É atacado pelo ácido clorídrico Cl 2 + H 2 O HCl + HOCl Fica passivado (óxido de cromo) Fica passivado O titanio fica passivo na presença de pequena quantidades de vapor d água Na produção de soda caustica: A partir de solução de salmoura (NaCl 30%) são produzidos: - cloro (quando seco pode ser armazenado em cilindros de aço carbono); - soda caustica (NaOH, armazenada em tanque de aços carbono); - hidrogênio. Para o estudo do processo corrosivo devemos: - verificar a compatibilidade entre o meio corrosivo e o material; - verificar condições operacionais; - verificar relatórios de inspeção; - estabelecer o mecanismo responsável pelo processo corrosivo; - proceder avaliação econômica; - indicar medidas de proteção. De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos para os processos corrosivos: - o mecanismo eletroquímico (envolvem transferência de carga ou elétrons): o corrosão em água ou soluções aquosas; o corrosão atmosférica; o corrosão no solo; o corrosão em sais fundidos.

17 - o mecanismo químico (não há geração de carga elétrica): o corrosão de material metálico em temperaturas elevadas; ataques de metais, como níquel por monóxido de carbono: Ni(s) + 4 CO (g) Ni(CO) 4(l) ( 50 o C, 1 atm) ataques de metais, como ferro, alumínio e cobre por cloro em elevadas temperaturas: M + n/2 Cl 2 MCln o corrosão em solventes orgânicos isentos de água; magnésio reagindo com halogenatos de alquila, RX para obtenção dos reagentes de Grignard Mg + RX RMgX Mg + C 2 H 5 Br C 2 H 5 MgBr o corrosão de materiais não metálicos. Ataque da borracha por ozônio; Deterioração do concreto por sulfato. Mecanismo eletroquímico Na corrosão eletroquímica, os elétrons são cedidos em determinada região e recebidos em outra, aparecendo uma pilha de corrosão. Este processo é composto de: - processo anódico passagem dos íons para a solução (oxidação do metal M); M M n+ + ne - deslocamento dos elétrons e íons observa-se a transferência dos elétrons das regiões anódicas para as regiões catódicas e uma difusão dos íons na solução. - Processo catódico recepção dos elétrons, na área catódica, pelos íons ou moléculas existentes na solução. o Redução do íon H+ (meio ácido ou meio neutro. De onde vem o íon H+ no meio ácido e no meio neutro?) nh + + ne H 2 (não aerado) o Redução do oxigênio n/4 O 2 + n/2 H 2 O + ne noh - (meio neutro ou básico) n/4 O 2 + nh + + ne n/2 H 2 O (meio ácido) Observe que no processo catódico ocorre um aumento do ph.

18 o No caso de ácidos oxidantes, como o ácido nítrico, pode ocorrer: NO H + + e NO 2 + H 2 O NO H + + 3e NO + 2H 2 O NO H + + 8e NH 3 + 3H 2 O Conclui-se que a corrosão eletroquímica será tanto mais intensa quanto menor o valor de ph e maior a concentração de oxigênio no meio corrosivo. O oxigênio não funciona somente como estimulador de corrosão, podendo agir como protetor (formação de Cr 2 O 3, Al 2 O 3 e TiO 2 e pode formar uma película de oxigênio adsorvido sobre o material, tornando-o passivo. A presença de halogenetos pode influenciar muito a corrosão. Natureza química dos produtos de corrosão Os produtos de corrosão serão formados pelos íons resultantes das reações anódicas e catódicas. Reações anódicas: Fe Fe e Zn Zn e Al Al e Produtos de corrosão: Fe OH - Fe(OH) 2 Zn OH - Zn(OH) 2 Al OH - Al(OH) 3 Estes produtos ocorrem em meio neutros ou básicos. Em meios ácidos formam produtos solúveis. Considerando ferro imerso em solução aquosa de cloreto de sódio: - no anodo: Fe Fe e - área catódica: H 2 O + 1/2O 2 + 2e 2OH - Os íons Fe 2+, migram em direção ao catodo e os íons OH - migram em direção ao anodo formando Fe(OH) 2, hidróxido de ferro II.

19 O Fe(OH) 2 sofre transformações de acordo com o oxigênio presente: - meio deficiente em oxigênio, formação de magnetita, Fe 3 O 4 3Fe(OH) 2 Fe 3 O 4 (verde, hidratada e preta, anidra) + 2H 2 O + H 2 - meio aerado, tem-se a oxidação a hidroxido de ferro III 2Fe(OH) 2 + H 2 O + ½ O 2 Fe(OH) 3 (alaranjado) Isto explica a coloração que observamos: produtos de corrosão pretos na parte inferior (em contato direto com o metal) e alaranjado na parte superior. Heterogeneidades responsáveis por corrosão eletroquímica a) Material metálico - Contornos de grão; - Orientação dos grãos; - Tratamentos térmicos, soldas. A corrosão em torno da solda em aços sensitizados ou sensibilizados são devido a precipitação de carbetos de cromo (Cr 23 C 6 ). Para evitar esse tipo de corrosão reduz-se o teor de carbono a níveis abaixo de 0,03% (AISI 304L, AISI 316L, etc) ou adiciona-se titânio, nióbio ou tântalo (aços estabilizados) Mas aços estabilizados podem sofrer corrosão por faca. O mecanismo da corrosão por faca se baseia na solubilidade, em alta temperatura, dos carbetos de titânio ou nióbio, em aços inoxidáveis, e quando se tem resfriamento rápido, como no caso de soldagem de chapas finas, esses carbetos não tem tempo para precipitar. Para evitar a corrosão por faca, aquece-se o material a temperaturas em torno de 1065 o C para solubilizar o carbeto de cromo e formação dos carbetos de titânio e nióbio.

20 b) Meio corrosivo - concentração diferencial - aeração diferencial Aeração diferencial - área anódica: Fe Fe e - - área catódica: H 2 O + 2e - + ½ O 2 2OH -

21 A ferrugem, Fe 2 O 3.H 2 O, vai se formar numa região intermediária entre a área catódica e a anódica. Fe OH - Fe(OH) 2 2 Fe(OH) 2 + ½ O 2 + H 2 O 2Fe(OH) 3 (ou Fe 2 O 3.H 2 O) Este tipo de corrosão pode ocorrer em frestas, em pites e alvéolos. As áreas anódicas são localizadas e as áreas catódicas são a maior parte da chapa onde o oxigênio tem livre acesso. As frestas devem ser grandes o suficiente para permitir a entrada da solução e pequenas o suficiente para a sua estagnação. Elas possuem dimensões em torno de décimos de milímetros. Mecanismo autocatalítico - oxidação uniforme em toda a superfície exposta; - o oxigênio é consumido dentro da fresta ou pite; - no interior da fresta (pouco oxigênio) ocorre somente a oxidação que gera íon M n+ (positivos) gerando um excesso de cargas positivas que são balanceados pela migração de íon cloreto (Cl - ) e hidroxila (OH - ) - no interior da fresta: MCl n + nh 2 O M(OH) n + HCl HCl H + + Cl - - A concentração de cloreto é 3 a 10 vezes maior e o ph= 2 a 3 no interior da fresta. Condições que dificultam a passivação. Os metais passivados como o alumínio e os aços inoxidáveis são bastante susceptiveis a corrosão por frestas. Casos de corrosão por aeração diferencial - corrosão em linha d água

22 - corrosão em tubulações parcialmente enterradas

23 - Corrosão filiforme É um caso particular de corrosão por aeração diferencial. Ocorre em metais (aço e alumínio) protegidos por revestimentos como vernizes, lacas, tintas, ou mesmo revestimentos metálicos, quando expostos à atmosfera muito úmida. Não destrói os metais, mas afeta a aparência de sua superfície. É comum em latas que acondicionam alimentos e bebidas. Aparece como finos filamentos sob o revestimento, que se for transparente, deixarão ver sua cor de ferrugem (em aço). É interessante a interação entre esses filamentos que se iniciam em arestas (ponto fragilizados de revestimentos) e se alastram em linha reta até encontrar um outro filamento, a partir de onde aparentam refletir. O aspecto é o deixado pelo bicho geográfico quando ataca o pé de banhistas em praias poluídas. Os mecanismos dos filamentos parece ser o da aeração diferencial.

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

Prof André Montillo www.montillo.com.br

Prof André Montillo www.montillo.com.br Prof André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a deterioração de um material, geralmente metálico, por ação eletroquímica ou química do meio ambiente, associada ou não a esforços mecânicos. Isto

Leia mais

Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão. Prevenção a Corrosão.

Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão. Prevenção a Corrosão. Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão Prevenção a Corrosão. o Definição Corrosão é definida como um ataque destrutivo e não intencional de um metal; esse ataque é eletroquímico e, normalmente,

Leia mais

Tópicos Especiais de Corrosão

Tópicos Especiais de Corrosão Tópicos Especiais de 1 1.1 Fundamentos sobre e Oxidação 1.1.1 Introdução Todos os metais e ligas estão sujeitos à corrosão. Não há nenhum material que possa ser empregado em todas as aplicações. O ouro,

Leia mais

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Departamento de Química Inorgânica Instituto de Química UFRJ Profa. Eliane D Elia Linhas de Pesquisa: Corrosão Dissolução metálica Inibidores de Corrosão

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1 Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1 CORROSÃO METÁLICA: É a deterioração e a perda de material devido a ação química ou eletroquímica do meio ambiente,

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

3 FORMAS DE CORROSÃO 3.1. CLASSIFICAÇÃO DA CORROSÃO. 3.1.1. Mecanismos. 3.1.2. Morfologia

3 FORMAS DE CORROSÃO 3.1. CLASSIFICAÇÃO DA CORROSÃO. 3.1.1. Mecanismos. 3.1.2. Morfologia 44 3 FORMAS DE CORROSÃO Neste capítulo serão apresentadas as classificações utilizadas para corrosão em dutos considerando o mecanismo, morfologia, fenomenologia, dimensionamento e gerenciamento. 3.1.

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

FUNDAMENTOS DA CORROSÃO

FUNDAMENTOS DA CORROSÃO FUNDAMENTOS DA CORROSÃO Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Os metais raramente são encontrados no estado puro. Eles quase sempre são encontrados em combinação com um ou mais elementos não-metálicos

Leia mais

ELETROQUÍMICA (Parte II)

ELETROQUÍMICA (Parte II) ELETROQUÍMICA (Parte II) I ELETRÓLISE A eletrólise é um processo de oxirredução não espontâneo, em que a passagem da corrente elétrica em uma solução eletrolítica (solução com íons), produz reações químicas.

Leia mais

CORROSÃO DOS MATERIAIS METÁLICOS

CORROSÃO DOS MATERIAIS METÁLICOS Capítulo 8 CORROSÃO DOS MATERIAIS METÁLICOS 8.1 Conceitos gerais A corrosão pode ser definida como a dissolução eletroquímica de metais em íons, liberando elétrons, que ocorre quando metais dessemelhantes

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO - DEFINIÇÃO Ferrugem Deterioração Oxidação Perda de material ASTM G15: Reação química ou eletroquímica entre um material (geralmente metálico)

Leia mais

CORROSÃO Análise de Falhas UFPR Prof. Scheid

CORROSÃO Análise de Falhas UFPR Prof. Scheid Análise de Falhas UFPR Prof. Scheid Energia Definições a corrosão é o processo inverso da metalurgia extrativa, em que o metal retorna ao seu estado original, ou seja, ao minério do qual foi extraído.

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais

Capitulo 2 - Aspectos Termodinâmicos e Cinéticos de Corrosão

Capitulo 2 - Aspectos Termodinâmicos e Cinéticos de Corrosão Capitulo 2 - Aspectos Termodinâmicos e Cinéticos de Corrosão 2.1- Termodinâmica das reações químicas Termodinâmica é a ciência que estuda transformações de energia Avaliando se a reação é ou não espontânea.

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA EDUARDO AMÉLIO DE FARIAS ARRUDA / 02021001201

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA EDUARDO AMÉLIO DE FARIAS ARRUDA / 02021001201 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA EDUARDO AMÉLIO DE FARIAS ARRUDA / 02021001201 ESTUDO COMPARATIVO DO PROCESSO CORROSIVO DO AÇO PATINÁVEL E DO AÇO

Leia mais

Técnicas de Monitoramento e Controle de Processos Corrosivos

Técnicas de Monitoramento e Controle de Processos Corrosivos Técnicas de Monitoramento e Controle de Processos Corrosivos ALVARO AUGUSTO MAGALHÃES Graduado em Eng. Química Mestrado e Doutorado em Eng. de Materiais e Corrosão Engenheiro de Petróleo da Gerência de

Leia mais

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 A corrosão é a deterioração de metais e ligas por ação química do meio ambiente. Sendo este meio a água do mar ou o solo, metais e ligas que nele

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

Prêmio AEA 2015 Projetos de Meio Ambiente. Eliminação do Processo de Fosfatização

Prêmio AEA 2015 Projetos de Meio Ambiente. Eliminação do Processo de Fosfatização Prêmio AEA 2015 Projetos de Meio Ambiente Eliminação do Processo de Fosfatização Ana Carolina Catoira, Adalberto Luksaitis, Maurilio Pereira, Emerson Molina e Pedro Feitosa ZF do Brasil Resumo Uma nova

Leia mais

GGD INOX MARTENSÍTICO

GGD INOX MARTENSÍTICO AÇOS INOXIDÁVEIS GGD INOX MARTENSÍTICO Generalidades Podem ser beneficiados para altas durezas e ampla faixa de resistência mecânica. São magnéticos e possuem boa usinabilidade. Resistência à corrosão:

Leia mais

Reações Químicas Reações Químicas DG O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças químicas, onde ocorre a conversão de uma substância, ou mais, em outras substâncias. A + B REAGENTES C +

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

X -2(3) X -2 x (4) X - 6 = -1 X 8 = -1 X = 5 X = 7

X -2(3) X -2 x (4) X - 6 = -1 X 8 = -1 X = 5 X = 7 2001 1. - Uma camada escura é formada sobre objetos de prata exposta a uma atmosfera poluída contendo compostos de enxofre. Esta camada pode ser removida quimicamente envolvendo os objetos em questão com

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

a) Qual a configuração eletrônica do cátion do alumínio isoeletrônico ao gás nobre neônio?

a) Qual a configuração eletrônica do cátion do alumínio isoeletrônico ao gás nobre neônio? Questão 1: O Brasil é o campeão mundial da reciclagem de alumínio, colaborando com a preservação do meio ambiente. Por outro lado, a obtenção industrial do alumínio sempre foi um processo caro, consumindo

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS METÁLICAS: UMA BREVE DISCUSSÃO ACERCA DA PREVENÇÃO EM TORRES DE TELECOMUNICAÇÕES

CORROSÃO EM ESTRUTURAS METÁLICAS: UMA BREVE DISCUSSÃO ACERCA DA PREVENÇÃO EM TORRES DE TELECOMUNICAÇÕES CORROSÃO EM ESTRUTURAS METÁLICAS: UMA BREVE DISCUSSÃO ACERCA DA PREVENÇÃO EM TORRES DE TELECOMUNICAÇÕES AMARAL, Cristiano Torres 1 ; CORREIA, Martineli Priscila 2 e PEREIRA, Paulo Tibúrcio 3 1,2,3 Centro

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Pilha de moedas. Introdução. Materiais Necessários

Pilha de moedas. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A pilha eletroquímica é um sistema constituído por anodo (eletrodo de oxidação), catodo (eletrodo de redução), eletrólito (condutor iônico) e condutor metálico (condutor de corrente

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Galvanizadas (incluindo Aresta de Corte)

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Galvanizadas (incluindo Aresta de Corte) - Um programa do International Zinc Association 3. Corrosão Mecanismos, Prevenção e Teste GalvInfoNote Corrosão Eletrolítica/Galvânica em Chapas Galvanizadas (incluindo Aresta de Corte) 3.6 Corrosão/Proteção

Leia mais

Figura 1 Representação esquemática da produção de metal e a conseqüente corrosão

Figura 1 Representação esquemática da produção de metal e a conseqüente corrosão Corrosão Prof. Isaias Masiero Introdução Os metais normalmente são encontrados na forma oxidada na natureza. Muito raramente encontram-se metais na forma pura. Para se obter metais é necessário fornecer

Leia mais

1. OBJETIVOS DO CURSO SOBRE TINTAS EM PÓ... 5 2. IMPORTÂNCIA DA PINTURA... 5 3. HISTÓRICO DA TINTA EM PÓ... 6 1. OBTENÇÃO DO AÇO... 7 2. CORROSÃO...

1. OBJETIVOS DO CURSO SOBRE TINTAS EM PÓ... 5 2. IMPORTÂNCIA DA PINTURA... 5 3. HISTÓRICO DA TINTA EM PÓ... 6 1. OBTENÇÃO DO AÇO... 7 2. CORROSÃO... PREFÁCIO Os revestimentos de superfície por pintura vêm sendo utilizados há milhares de anos, com um aumento gradual de seu consumo. Apenas a partir do final do século 19 iniciou-se efetivamente uma indústria

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciência e Tecnologia Laboratório de Ciências Químicas Química Geral I Experimento 3 Tendências Periódicas 1 - OBJETIVOS Relacionar a reatividade química

Leia mais

Lista de exercícios de Química Correção da Revisão para a 2ª Avaliação de Química: Pilhas

Lista de exercícios de Química Correção da Revisão para a 2ª Avaliação de Química: Pilhas Nome: Bimestre: 3º Ano / série: 2ª série Ensino: Médio Componente Curricular: Química Professor: Ricardo Honda Data: / / 2011 1. Considere o esquema a seguir e responda: Lista de exercícios de Química

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

Usinagem química e usinagem eletroquímica

Usinagem química e usinagem eletroquímica A U A UL LA Usinagem química e usinagem eletroquímica Nesta aula você vai estudar dois métodos não convencionais de usinagem, que têm em comum entre si apenas o fato de aproveitarem a capacidade que certos

Leia mais

Prof. Jair Alberto. Funções Inorgânicas. Prof. Busato. Química

Prof. Jair Alberto. Funções Inorgânicas. Prof. Busato. Química Prof. Jair Alberto Funções Inorgânicas Funções químicas Função química corresponde a um conjunto de substâncias que apresentam propriedades químicas semelhantes. As substâncias inorgânicas podem ser classificadas

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUESTÃO 01 Um estudante listou os seguintes processos como exemplos de fenômenos que envolvem reações químicas: I adição de álcool à gasolina. II fermentação da massa

Leia mais

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e-

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e- 1 Proteção catódica A proteção catódica é um dos métodos mais empregados para a proteção de grandes estruturas quer seja enterradas ou submersas (parcial ou totalmente). Assim, tubulações e tanques de

Leia mais

Em maior ou menor extensão, a maioria dos materiais

Em maior ou menor extensão, a maioria dos materiais Experimentação no Ensino de Química http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20150010 Experimento sobre a Influência do ph na Corrosão do Ferro Daltamir Justino Maia, Nádia Segre, Andreza Costa Scatigno e Mercia

Leia mais

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle Curso Técnico Integrado em Química Físico-química III VÍDEO AULA Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle 1 Professor: Me. Sebastião Junior T. Vasconcelos

Leia mais

Linha Telecom m Teleco

Linha Telecom m Teleco Linha Telecom Telecom Linha Telecom Esteiras para telecomunicações... 93 Sistema para condução e distribuição do cabeamento, constituído de barra chata de aço carbono, muito utilizado como solução no cabeamento

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo.

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. QUÍMICA As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

A resposta correta deve ser a letra B.

A resposta correta deve ser a letra B. ITA - 1999 1- (ITA-99) Assinale a opção CORRETA em relação à comparação das temperaturas de ebulição dos seguintes pares de substâncias: a) Éter dimetílico > etanol; Propanona > ácido etanóico; Naftaleno

Leia mais

REPRODUÇÃO DA EXPERIÊNCIA DA GOTA SALINA

REPRODUÇÃO DA EXPERIÊNCIA DA GOTA SALINA Projeto de iniciação didática REPRODUÇÃO DA EXPERIÊNCIA DA GOTA SALINA Relatório final Bolsista: EVELIN BARBOSA e-mail:barbosa_evelin@hotmail.com Orientadora: Prof. Maristhela Passoni de Araújo Marin Departamento

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é:

01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: 01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: a) Halogênios b) Calcogênios c) Metais Alcalinos Terrosos d) Metais Alcalinos e) Gases Nobres 02) (UFF-RJ)

Leia mais

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr.

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr. Prof. Carlos Falcão Jr. 2Al(OH) 3 Al 2 O 3 + 3H 2 O(vapor) 1200ºC INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS 1.1) Ustulação Processo metalúrgico conduzido a altas temperaturas, mas não ocorrendo fusão parcial

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Corrosão e Protecção

Corrosão e Protecção Corrosão e Protecção Capítulo 1.2 Fundamentos Docente: João Salvador Fernandes Lab. de Tecnologia lectroquímica Pavilhão de Minas, 2º Andar xt. 1964 Princípios de lectroquímica Quando se imerge uma placa

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Energia para realizar reações químicas: eletrólise do iodeto de potássio aquoso Existem reações químicas não espontâneas, mas que são realizadas com rapidez

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

FUNÇÕES INORGÂNICAS. Ácido, Base, Sal e Óxido. Paulo Migoto

FUNÇÕES INORGÂNICAS. Ácido, Base, Sal e Óxido. Paulo Migoto FUNÇÕES INORGÂNICAS Ácido, Base, Sal e Óxido Paulo Migoto Caderno II Frente II ÁCIDOS E BASES (HIDRÓXIDOS) Aulas 10 a 12 Paulo Migoto Funções químicas Função química corresponde a um conjunto de substâncias

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO CORROSÃO EM TUBOS DE ALUMÍNIO DE RADIADORES PARA USO AUTOMOTIVO

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO CORROSÃO EM TUBOS DE ALUMÍNIO DE RADIADORES PARA USO AUTOMOTIVO CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO CORROSÃO EM TUBOS DE ALUMÍNIO DE RADIADORES PARA USO AUTOMOTIVO CURITIBA 2007 ANDRÉ DOS REIS MARQUES GUILHERME VAN DER LAARS RIBEIRO MATHEUS S. L. DE ARAÚJO CORROSÃO EM TUBOS

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado Sistema Duplex Vantagens e Aplicações Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado METALURGIA Corrosão Tendência que os materiais têm de retornar ao seu estado

Leia mais

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DA MATÉRIA CONCEITOS BÁSICOS MATÉRIA: tudo o que tem massa e ocupa lugar no espaço. CORPO/OBJETO: porção limitada da matéria. MASSA: quantidade matéria,

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA UFJF CNCURS VESTIBULAR 2011-2 GABARIT DA PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA Questão 1 Sabe-se que compostos constituídos por elementos do mesmo grupo na tabela periódica possuem algumas propriedades químicas semelhantes.

Leia mais

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático).

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). 61 b A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação descrita

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

Resolução Comentada - Química

Resolução Comentada - Química Resolução Comentada - Química UFTM 2013 1 Fase Vestibular UFTM 2013 1 Resolução Prova de Química Tipo 1 Questão 76 A soja é considerada um dos alimentos mais completos em termos de propriedades nutricionais,

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A.

CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A. CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A. 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia de Materiais 22 CONBRASCORR

Leia mais

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D Questão 61 A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação

Leia mais

FUNÇÕES INORGÂNICAS. Ácido, Base, Sal e Óxido. Professora: Wellington Dias

FUNÇÕES INORGÂNICAS. Ácido, Base, Sal e Óxido. Professora: Wellington Dias FUNÇÕES INORGÂNICAS Ácido, Base, Sal e Óxido Professora: Wellington Dias Funções químicas Função química corresponde a um conjunto de substâncias que apresentam propriedades químicas semelhantes. As substâncias

Leia mais

Final 8 de Maio de 2010

Final 8 de Maio de 2010 Final 8 de Maio de 2010 Prova Teórica Nome:.... Escola:....... Pergunta Total Átomo, elemento e núcleo Contar os átomos Massa, moles e concentrações Equações Químicas Classificação teórica Classificação

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

http://www.rumoaoita.com / - Material escrito por: Marlos Cunha (ITA T-12) Métodos de Balanceamento

http://www.rumoaoita.com / - Material escrito por: Marlos Cunha (ITA T-12) Métodos de Balanceamento Métodos de Balanceamento Conteúdo Introdução... 1 Método das tentativas... 1 Método algébrico... 1 Método do íon-elétron... 2 Método da oxi-redução... 3 Auto oxi-redução... 3 Balanceamento dependendo do

Leia mais

SurTec 875 Cromo Duro de Alta Eficiência

SurTec 875 Cromo Duro de Alta Eficiência SurTec 875 Cromo Duro de Alta Eficiência 1- DESCRIÇÃO Alta eficiência de corrente, larga faixa de deposição; Catalisador livre de fluoretos, não ataca o metal base; Depósitos brilhantes, duros e microfissurados

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL 316 EM MEIO DE ÁGUA DE REFRIGERAÇÃO

ESTUDO DA CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL 316 EM MEIO DE ÁGUA DE REFRIGERAÇÃO ESTUDO DA CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL 316 EM MEIO DE ÁGUA DE REFRIGERAÇÃO Roberto Suman Rio de Janeiro 2010 Roberto Suman Aluno do Curso de Tecnologia em Processo Metalúrgico Matrícula 0623800041 ESTUDO

Leia mais

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final)

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final) Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final) 01. (Uftm) Em soluções aquosas de acetato de sódio, o íon acetato sofre hidrólise: 3 l 3 CH COO (aq) + H O( ) CH COOH (aq) + OH

Leia mais

EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015. MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/

EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015. MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/ EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015 MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/ 01. Observe na tabela a distribuição percentual dos principais elementos químicos cujos átomos, combinados,

Leia mais

Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação

Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação É fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer. Aristóteles 24/Novembro/2014 1 Produtos e Aplicações Cabos de

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

Química Geral 3º ANO

Química Geral 3º ANO Química Geral 3º ANO Teoria de Arrhenius Teoria Ácido-Base Teoria de Arrhenius Teoria Ácido-Base Ácido são substâncias que, dissolvidas em água, se ionizam liberando, na forma de cátions, exclusivamente

Leia mais

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Os metais alcalinos, ao reagirem com água, produzem soluções dos respectivos hidróxidos e gás hidrogênio. Esta tabela apresenta

Leia mais

Aula 3: Química do Solo

Aula 3: Química do Solo DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 3: Química do Solo Prof a. Lilian Silva 2012 Solo: O solo pode ser conceituado como um manto superficial formado por rocha desagregada e, eventualmente, cinzas

Leia mais

Dissociação e Ionização. Dissociação iônica

Dissociação e Ionização. Dissociação iônica 2ª Fase - Funções da química inorgânica Investigando caminhos As substâncias sejam da Química Orgânica ou Inorgânica são divididas em grupos denominados funções químicas. As substâncias que pertencem a

Leia mais