Seguro Riscos Políticos e Soluções para Melhora de Crédito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seguro Riscos Políticos e Soluções para Melhora de Crédito"

Transcrição

1 Seguro Riscos Políticos e Soluções para Melhora de Crédito

2 1. MIGA e o Grupo Banco Mundial 2. Soluções para Reforço de Credito Estudo de Caso : Usina Hidrelétrica de Cambambe, Angola 3. Riscos Políticos nos Mercados emergentes Estudo de Caso : Azito Energie S.A., Costa Do Marfim 1

3 World Bank Group IBRD International Bank for Reconstruction and Development IDA International Development Association Est Est IFC International Finance Corporation Est Est MIGA Multilateral Investment Guarantee Agency Papel: Promoção à reformas institutionais, legais, e regulamentarias Promoção à reformas institutionais, legais, e regulamentarias Promoção ao Desenvolvimento do setor privado Promoção à investimentos estrangeiros Clientes: Produtos: Governos de países membros com renda per capita entre $1,025 e $6,055 - Assistência técnica - Empréstimos - Assessoramento a política Governos dos países mais pobres com renda per capita menos $1,025 - Assistência técnica - Empréstimos sem juros - Assessoramento a política - Doação Companhias privadas em países membros - Equity/Quasi-Equity - Empréstimos de longo prazo - Serviços de consultoria Investidores estrangeiros em países membros Reforço de crédito e seguro de risco político para instituições financeiros (empréstimos) e investidores (acionistas e empréstimos acionistas) Objetivos comuns: redução da pobreza extrema e promoção compartilhada da prosperidade 2

4 Linha de produtos de MIGA Cobertura para Transferencia e Convertibilidade Seguro Riscos Políticos Cobertura para Quebra de Contratos Cobertura para Expropriação Cobertura para Guerra e Distúrbios Civis Soluções para Melhora de Crédito Não pagamento de obrigações financeiras do governo Não pagamento de obrigações financeiras do províncias/municípios Não pagamento de obrigações financeiras de empresas estatais 3

5 1. MIGA e o Grupo Banco Mundial 2. Soluções para Reforço de Credito Estudo de Caso : Usina Hidrelétrica de Cambambe, Angola 3. Riscos Políticos nos Mercados emergentes Estudo de Caso : Azito Energie S.A., Costa Do Marfim 4

6 Soluções para Melhora de Crédito Redução de custos de capital para tomadores de emprestímos pelo governo e províncias/municípios Longo prazo para para tomadores de empréstimos pelo estado e províncias/municípios Redução de custos de capital e accesso a empréstimos de longo prazo para empresas estatais Não pagamento de obrigações financeiras do governo Não pagamento de obrigações financeiras do governo Não pagamento de obrigações financeiras de empresas estatais 5

7 Critérios para produtos de não pagamento de obrigações financeiras da MIGA Não pagamento de obrigações financeiras do governo Não pagamento de obrigações financeiras de empresas estatais Classificação de crédito satisfatória do país/projecto baseada em análise da MIGA e em dados duma agência de classificação de crédito A obrigação financeira de pagamento é incondicional e não está sujeita a defesas Deve apoiar um investimento inerente a um projecto ou carteira com benefícios de desenvolvimento comensuráveis A SOE deve ser solvente A SOE deve estar sob supervisão e controlo do governo A SOE deve exercer uma função pública A obrigação financeira de pagamento é incondicional e não está sujeita a defesas Deve apoiar um investimento inerente a um projecto ou carteira com benefícios de desenvolvimento comensuráveis 6

8 Não pagamento de obrigações financeiras do governo Planta hidroelétrica Cambambe, Angola HSBC Socgen BHF HSBC Agente coordinador Projeto: Expansão da hidroelétrica em Angola ENE MINEA Loan Ministry of Finance Cobertura: Não pagamento de obrigações financeiras do governo para empréstimo tomado pelo Ministério da Fazenda de um consórcio de bancos liderados pelo HSBC Operações Acionista Contrato Financiamento Valor: US$512m Incluindo montante principal e juros Cambambe Hydropower dam Odebrecht (EPC) Prazo: 13 anos Construção Devedor Segurado 7

9 1. MIGA e o Grupo Banco Mundial 2. Soluções para Reforço de Credito Estudo de Caso : Usina Hidrelétrica de Cambambe, Angola 3. Riscos Políticos nos Mercados emergentes Estudo de Caso : Azito Energie S.A., Costa Do Marfim 8

10 Riscos Típicos Enfrentados por Investidores e Soluções através de Seguro para Riscos Políticos Inabilidade para converter ou transferir dividendos ou pagamento de empréstimos devido a restrições cambiais Cobertura para Transferencia e Convertibilidade Falha do governo em honrar obrigações contratuais (concessões, contratos de compra de eletricidade, etc.) Cobertura para Quebra de Contratos Nacionalização pelo governo ou outras ações que impossibilitam as operações do projeto através de medidas discriminatórias Cobertura para Expropriação Destruição ou interrupção dos negócios devido a violência política Cobertura para Guerra e Distúrbios Civis 9

11 Seguro Político Cobertura para Quebra de Contrato Azito Energie S.A., Costa Do Marfim Empréstimo do Investidor Globeleq, IPS Proparco, BIO, DEG, FMO, EAIF, BOAD, BICICI Empréstimos Financeiros Acordo direto Projeto: conversão da planta térmica Azito para ciclo combinado Hyundai Engineering & Construction Co. (EPC Contractor) Azito O&M-affiliated to Globeleq (Operator) Alstom Power Systems SA (Major Maintenance) Azito Energie S.A. Concessão Compagnie Ivoirienne de l Electricité (Electricity Off-taker) Instrução irrevogável para compra e pagamento Government of Côte d Ivoire Contrato de compras de gas Cobertura para empréstimos do investidor Globeleq 20 anos de contrato de compra de energia com a CIE Valor: US$116.1m Devedor Segurado Afren, CNR, Foxtrot, Rialto (Gas Producers) 10

12 miga.org miga-twitter miga-linkedin I N S U R I N G I N V E S T M E N T S E N S U R I N G O P P O R T U N I T I E S 11

Programa de Pequenos Investimentos

Programa de Pequenos Investimentos Programa de Pequenos Investimentos MIGA: Levando aos clientes uma solidez singular A missão da Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA) é promover o investimento estrangeiro direto nos

Leia mais

segurando investimentos assegurando oportunidades

segurando investimentos assegurando oportunidades segurando investimentos assegurando oportunidades MISSÃO DA MIGA Promover o investimento estrangeiro direto nos países em desenvolvimento para apoiar o crescimento econômico, reduzir a pobreza e melhorar

Leia mais

* Quase todos os países são membros MIGA. A lista dos países membros da MIGA pode ser consultada no website www.miga.org.

* Quase todos os países são membros MIGA. A lista dos países membros da MIGA pode ser consultada no website www.miga.org. MIGA: A Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA) é um membro do Grupo do Banco Mundial. Seu propósito é promover o investimento estrangeiro direto (IED) nos países em desenvolvimento, proporcionando

Leia mais

Instrumentos Econômicos e Financeiros para GIRH. Financiando água e saneamento por meio de títulos, COTs e reformas

Instrumentos Econômicos e Financeiros para GIRH. Financiando água e saneamento por meio de títulos, COTs e reformas Instrumentos Econômicos e Financeiros para GIRH Financiando água e saneamento por meio de títulos, COTs e reformas Metas e objetivos da sessão Analisar a disponibilidade de um mercado de capitais em nível

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: FINANCIAMENTO

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: FINANCIAMENTO RELATÓRIO DE CONJUNTURA: FINANCIAMENTO Março de 2008 Nivalde J. de Castro Felipe Botelho Tavares PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES ECONÔMICAS FINANCEIRAS DO SETOR ELÉTRICO Índice 1 FINANCIAMENTO DE EMPRESAS

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS LMOP Treinamento de Operação de Aterros Ribeirao Preto, 17 de Setembro de 2010 Custos de Projeto que podem se beneficiar

Leia mais

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO BENEFICIÁRIOS: entidades que em virtude de obrigação legal ou contratual sejam beneficiárias de uma obrigação de caucionar ou de afiançar, em que seja devido, designadamente,

Leia mais

Oportunidade de Negócios e Desafios por meio da Cooperação Internacional

Oportunidade de Negócios e Desafios por meio da Cooperação Internacional Oportunidade de Negócios e Desafios por meio da Cooperação Internacional Chiaki Kobayashi Kobayashi.Chiaki@jica.go.jp Agência de Cooperação Internacional do Japão(JICA) 1 O que é a Agência de Cooperação

Leia mais

Sociedade Lusa de Negócios

Sociedade Lusa de Negócios Sociedade Lusa de Negócios Estrutura do Grupo: Estrutura Acionária: A SLN, holding do grupo, detém 100% do Grupo BPN. Os acionistas diretos e indiretos da SLN, os quais totalizam 500, não possuem participação

Leia mais

IFC: Valorizando o Investimento Privado em Países Emergentes

IFC: Valorizando o Investimento Privado em Países Emergentes IFC: Valorizando o Investimento Privado em Países Emergentes Por: Katia Daude Goncalves Senior Country Officer and Acting Country Manager for Angola Luanda, 26 de Maio 2014 IFC é Membro do Grupo Banco

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

(Environmental and Social Assessments and Audits / Due Diligences)

(Environmental and Social Assessments and Audits / Due Diligences) (Environmental and Social Assessments and Audits / Due Diligences) Agências Multilaterais Fundos de governos de países desenvolvidos para financiar projetos públicos e privados visando ao desenvolvimento

Leia mais

internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos

internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos Novembro de 2013 Índice Seguro de Créditos à Exportação de Médio e Longo Prazo com a Garantia do Estado 03 Seguro de Créditos Financeiros

Leia mais

INSTRUMENTOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS PARA GIRH. Aplicação de instrumentos financeiros

INSTRUMENTOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS PARA GIRH. Aplicação de instrumentos financeiros INSTRUMENTOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS PARA GIRH Aplicação de instrumentos financeiros Metas e objetivos da sessão Examinar em maior detalhe o que foi apresentado no Capítulo 5 em relação às principais

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

www.bpnbrasil.com.br O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S Abril/2011

www.bpnbrasil.com.br O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S Abril/2011 www.bpnbrasil.com.br O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S Abril/2011 1 Perfil & Produtos Banco Múltiplo com foco em empresas de médio e grande porte, com atuação nas principais cidades do país. Produtos

Leia mais

Sistema mono-bancário chinês e início da reforma 1

Sistema mono-bancário chinês e início da reforma 1 Sistema mono-bancário chinês e início da reforma 1 CONSELHO DE ESTADO Acumula funções comerciais e de banco central, até 1983. BANCO POPULAR DA CHINA (People s Bank of China - PBC) 1949 1949 MINISTÉRIO

Leia mais

Catalizando investimentos privados. O papel do Banco Mundial na redução do risco

Catalizando investimentos privados. O papel do Banco Mundial na redução do risco Catalizando investimentos privados O papel do Banco Mundial na redução do risco Depois de 11 de setembro, aumentou ainda mais no mercado a aversão ao risco Onze de setembro, a crise na Argentina, a bancarrota

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

www.bpnbrasil.com.br O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S Janeiro/2011

www.bpnbrasil.com.br O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S Janeiro/2011 www.bpnbrasil.com.br O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S Janeiro/2011 1 Perfil & Produtos Banco Múltiplo com foco em empresas de médio e grande porte, com atuação nas principais cidades do país. Produtos

Leia mais

X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana. Março/2014

X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana. Março/2014 X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana Março/2014 Características dos investimentos no setor Montante elevado de recursos Longo prazo de implantação Modicidade

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

Financiamento da infraestrutura nacional de transportes

Financiamento da infraestrutura nacional de transportes Financiamento da infraestrutura nacional de transportes Outubro de 2015 Estruturas tradicionais de Project Finance com recursos do BNDES Tradicionalmente, os recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas O que é o BID Organismo multilateral de desenvolvimento que tem como propósito financiar projetos viáveis de desenvolvimento econômico, social e

Leia mais

Prof. Virginia Parente 1/20. Encontro Nacional de Operadores e Investidores em PCHs (VIEX) São Paulo - Abril 2009

Prof. Virginia Parente 1/20. Encontro Nacional de Operadores e Investidores em PCHs (VIEX) São Paulo - Abril 2009 Análise macro-econômica e a influência da crise financeira mundial nos setores envolvidos com a construção e comercialização de energia de PCHs Prof a. Virginia Parente vparente@iee.usp.br www.energia.usp.br

Leia mais

Notas de orientação 15 sobre provisão de infraestrutura e operações de troca Requisito 4.1(d)

Notas de orientação 15 sobre provisão de infraestrutura e operações de troca Requisito 4.1(d) Estas notas foram publicadas pela Secretaria Internacional da EITI para oferecer orientação para os países implementadores sobre como satisfazer os requisitos do Padrão da EITI. Aconselhamos os leitores

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014 ANGOLA DESTAQUES LEGISLATIVOS BANCÁRIO E FINANCEIRO DESPACHO PRESIDENCIAL N.º 189/14 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Sumário: Autoriza a celebração dos Acordos de Financiamento entre a TAAG Linhas Aéreas de Angola,

Leia mais

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. 3ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. 3ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. 3ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear Otavio Mielnik Coordenador de Projetos São Paulo - 7 outubro 2015 INAC International Nuclear Atlantic Conference SUMÁRIO Modelos de Negócio em Programas

Leia mais

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais;

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Podem ser titulares de contas em moeda estrangeira no País na forma da legislação e regulamentação em vigor, observadas as disposições deste título: a) agências de turismo

Leia mais

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III*

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fundos de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fotomeramenteilustrativa. Trata-se dapch Buritido GrupoAtiaiaEnergiaS.A., que não faz parte do produto

Leia mais

JLT Specialty Limited faz parte do grupo de empresas da Jardine Lloyd Thompson Group plc, que é um grupo internacinal de Especialistas de Risco e

JLT Specialty Limited faz parte do grupo de empresas da Jardine Lloyd Thompson Group plc, que é um grupo internacinal de Especialistas de Risco e JLT Specialty Limited faz parte do grupo de empresas da Jardine Lloyd Thompson Group plc, que é um grupo internacinal de Especialistas de Risco e Consultores de Benefícios do Empregado.. Cotada no Índice

Leia mais

ÁGUAS GUARIROBA S.A. EXERCÍCIO DE 2014

ÁGUAS GUARIROBA S.A. EXERCÍCIO DE 2014 ÁGUAS GUARIROBA S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente

Leia mais

EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética. Alvaro Silveira

EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética. Alvaro Silveira EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética Alvaro Silveira Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão da Organização das Nações Unidas (ONU)

Leia mais

Project Finance João Tiago Silveira II Curso Pós-Graduado em Corporate Finance Centro de Investigação de Direito Privado 17 de dezembro 2015

Project Finance João Tiago Silveira II Curso Pós-Graduado em Corporate Finance Centro de Investigação de Direito Privado 17 de dezembro 2015 Project Finance João Tiago Silveira II Curso Pós-Graduado em Corporate Finance Centro de Investigação de Direito Privado 17 de dezembro 2015 Sumário 1. Noção de project finance 2. Distinção de Parceria

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Social Europeu são uma forma eficiente e sustentável de investir no crescimento

Leia mais

La Brazilian Traction en la industrialització del Brasil

La Brazilian Traction en la industrialització del Brasil Les hidroelèctriques i la transformació del Paisatge Universitat de Lleida La Brazilian Traction en la industrialització del Brasil Alexandre Macchione Saes Departamento de Economia Universidade de São

Leia mais

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA 85º Encontro Nacional da Indústria da Construção Rogério de Paula Tavares Diretor Executivo de Infraestrutura e Saneamento Fortaleza/CE,

Leia mais

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m.

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. b r Fundado em 1997, FreitasLeite possui grande experiência

Leia mais

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE AGENTES DA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DAS COMUNIDADES ONDE ATUAM Principais

Leia mais

SEMINÁRIO Exportar para o México

SEMINÁRIO Exportar para o México SEMINÁRIO Exportar para o México Gonçalo Gaspar Diretor Direção Internacional de Negócio da CGD Porto, 26 de Setembro de 2012 1 Índice México: relacionamento comercial com Portugal Grupo CGD: Presença

Leia mais

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA > O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS > CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização da sua Empresa, exigem conhecimento

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013.

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013. O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs Campinas, 30 de Outubro de 2013. Evolução dos Desembolsos Hidrelétricas Térmicas Nuclear Energias Alternativas Distribuidoras Transmissoras Ferrovias Rodovias Portos,

Leia mais

Cooperação Financeira Alemã: Financiamento de Energias Renováveis

Cooperação Financeira Alemã: Financiamento de Energias Renováveis Cooperação Financeira Alemã: Financiamento de Energias Renováveis Jens Wirth Seminário Energia + Limpa Florianópolis 13/05/2014 Bank aus Verantwortung Quem é o KfW? Banco de fomento da República Federal

Leia mais

Uma Visão Prática dos Fatos: Case Itaú BBA. Outubro 2014

Uma Visão Prática dos Fatos: Case Itaú BBA. Outubro 2014 Uma Visão Prática dos Fatos: Case Itaú BBA Outubro 2014 1 Itaú BBA Risco Socioambiental Outubro 2014 Sistema de Gestão Socioambiental Por quê???? The Banker 2 Itaú BBA Risco Socioambiental Outubro 2014

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

IFD. Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal

IFD. Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento no apoio ao Financiamento das Empresas Portuguesas Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO José

Leia mais

Alternativas de Financiamento às empresas: O Caso do BNI. Tomás Matola Administrador Executivo

Alternativas de Financiamento às empresas: O Caso do BNI. Tomás Matola Administrador Executivo Alternativas de Financiamento às empresas: O Caso do BNI Tomás Matola Administrador Executivo Perfil da Apresentação O BNI, Visão, Missão, Valores, Objectivos e Capital Fontes de Financiamento do BNI BNI

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Mobilização do investimento. infra-estrutura

Mobilização do investimento. infra-estrutura Mobilização do investimento público e privado em infra-estrutura 1 O que é necessário para gerar projetos de infra-estrutura? 2 As PPPs requerem: 3 Vontade e estabilidade política sustentada ao longo do

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão Financeira Aula 2 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Segmentos do Mercado Financeiro Mercado monetário Mercado de crédito Mercado de capitais Mercado de câmbio Mercado Monetário

Leia mais

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh Desempenho da Economia Em 2005, o PIB do Brasil teve crescimento de 2,6 %, segundo estimativas do Banco Central. A taxa de desemprego registrou leve recuo, cedendo de 10,2 % em janeiro/05 para 9,6 % em

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional Capítulo Sistema Financeiro Nacional Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Distinguir

Leia mais

FINICIA. Como funciona?

FINICIA. Como funciona? FINICIA O FINICIA consiste no financiamento bancário em regime bonificado para a criação de novas microempresas e para expansão de atividades de empresas já constituídas na fase inicial do seu ciclo de

Leia mais

A regulamentação da Parceria Público Privada (PPP) em 2004, permitindo maior flexibilidade no compartilhamento de riscos entre o setor público e

A regulamentação da Parceria Público Privada (PPP) em 2004, permitindo maior flexibilidade no compartilhamento de riscos entre o setor público e 6 Conclusão Apesar dos pilares que permeiam o Project Finance terem sua origem nas relações mercantis, há centenas de anos atrás, a história moderna de aplicação do modelo começa somente na década de 70

Leia mais

Infraestrutura. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados.

Infraestrutura. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Infraestrutura Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Nossos serviços Mattos Filho é o one-stop-shop em questões regulatórias e transacionais para investidores,

Leia mais

O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S

O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S www.bpnbrasil.com.br Brasil Banco Múltiplo S.A. O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S Junho/2012 1 Perfil & Produtos Data da aquisição: 12/2002 Banco Múltiplo com foco em empresas de médio e grande porte,

Leia mais

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo histórico de sucesso no mercado de capitais brasileiro

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

11 a 21 de outubro de 2006. Paulo Marraccini paulo.marraccini@allianz.com.br

11 a 21 de outubro de 2006. Paulo Marraccini paulo.marraccini@allianz.com.br Missão FENASEG Índia e China 11 a 21 de outubro de 2006 Paulo Marraccini paulo.marraccini@allianz.com.br Dados Gerais Brasil China India Fonte Area (1.000 m2) 8.514 9.573 3.166 B População (milhões) 184

Leia mais

Aspectos Legais sobre Investimentos no Brasil

Aspectos Legais sobre Investimentos no Brasil Aspectos Legais sobre Investimentos no Brasil Carlos Alberto Rossi Cenário Atual: Eliminação da discriminação entre de empresa brasileira com capital nacional e empresa estrangeira, pela Emenda Constitucional

Leia mais

Ranking ANBIMA de Financiamento de Projetos

Ranking ANBIMA de Financiamento de Projetos Ranking ANBIMA de Financiamento de Projetos Abril/2015 Modalidades de Ranking de Financiamento de Projetos 1. Modalidades de Ranking: 1.1. Assessor Financeiro de Leilão 1.2. Modalidades aplicáveis a Financiamentos

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

O Banco Europeu de Investimento de relance

O Banco Europeu de Investimento de relance O Banco Europeu de Investimento de relance Como banco da UE, o BEI proporciona financiamento e conhecimentos especializados a projetos de investimento sólidos e sustentáveis, na União Europeia e no resto

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas 3 de Abril de 2013 São Paulo CESCE Presença Internacional A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 CONTROLE DE CÂMBIO Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 Por Que o Brasil Controla o Câmbio? Moeda forte é um item escasso no Brasil. Tanto o Governo Brasileiro como as empresas

Leia mais

ATIVAS DATA CENTER S.A. EXERCÍCIO DE 2013

ATIVAS DATA CENTER S.A. EXERCÍCIO DE 2013 ATIVAS DATA CENTER S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente

Leia mais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Paulo Berger SIMULADO ATIVOS FINANCEIROS E ATIVOS REAIS. Ativo real, é algo que satisfaz uma necessidade ou desejo, sendo em geral fruto de trabalho

Leia mais

Relatório Anual SEGURANDO INVESTIMENTOS GARANTINDO OPORTUNIDADES. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos

Relatório Anual SEGURANDO INVESTIMENTOS GARANTINDO OPORTUNIDADES. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Relatório Anual SEGURANDO INVESTIMENTOS GARANTINDO OPORTUNIDADES 20 15 Agência Multilateral de Garantia de Investimentos MISSÃO DA MIGA Promover o investimento estrangeiro direto nos países em desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICAS DE SALVAGUARDA DO BANCO MUNDIAL PROPOSTA DE REVISÃO E ATUALIZAÇÃO DOCUMENTO DE ENFOQUE. 10 de outubro de 2012

POLÍTICAS DE SALVAGUARDA DO BANCO MUNDIAL PROPOSTA DE REVISÃO E ATUALIZAÇÃO DOCUMENTO DE ENFOQUE. 10 de outubro de 2012 POLÍTICAS DE SALVAGUARDA DO BANCO MUNDIAL PROPOSTA DE REVISÃO E ATUALIZAÇÃO DOCUMENTO DE ENFOQUE 10 de outubro de 2012 Este documento é uma tradução das Políticas de Salvaguarda do Banco Mundial Proposta

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Benjamin Petit para a AFD. Agence Française de Développement

Benjamin Petit para a AFD. Agence Française de Développement R E S U L T A D O S Benjamin Petit para a AFD Agence Française de Développement Frente aos desafios comuns a todos, promovendo novos modelos de desenvolvimento Em um mundo sempre mais interdependente,

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

FINANCIAMENTO À HABITAÇÃO

FINANCIAMENTO À HABITAÇÃO FINANCIAMENTO À HABITAÇÃO WORKSHOP FINANCIAMENTO ÀS INFRA-ESTRUTURAS, À AGRICULTURA E À AGRO-INDÚSTRIA APRESENTADO POR: EDSON VAZ PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA DO FUNDO DE FOMENTO HABITACIONAL INSTRUMENTOS

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE MINAS GERAIS - GASMIG 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO

COMPANHIA DE GÁS DE MINAS GERAIS - GASMIG 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO COMPANHIA DE GÁS DE MINAS GERAIS - GASMIG 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais)

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais) Fórum Nacional Eólico Carta dos Ventos Financiamento de Projetos José Maria Vilar Superintendente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) Natal, 19.06.2009 Nordeste do Brasil: Infraestrutura 12 portos marítimos

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

GRUPO BANCO MUNDIAL. Page 2

GRUPO BANCO MUNDIAL. Page 2 Esta nota informativa tem como objectivo divulgar às empresas portuguesas a actividade do Grupo Banco Mundial (BM), promovendo o conhecimento dos projectos financeiros do BM e facilitar a presença de empresas

Leia mais

Financiamento em Project Finance Fabio Kono

Financiamento em Project Finance Fabio Kono Financiamento em Project Finance Fabio Kono Agenda 1. A Lakeshore Partners 2. Project Finance em Conceito 3. Perguntas & Respostas Agenda 1. A Lakeshore Partners 2. Project Finance em Conceito 3. Perguntas

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Ato normativo do Ministério da Fazenda estabelecerá a metodologia de implementação da ação. Localizador (es) 0051 - No Estado de Mato Grosso

Ato normativo do Ministério da Fazenda estabelecerá a metodologia de implementação da ação. Localizador (es) 0051 - No Estado de Mato Grosso Programa 0902 - Operações Especiais: Financiamentos com Retorno 0029 - Financiamento aos Setores Produtivos da Região Centro-Oeste Número de Ações 21 UO: 74914 - Recursos sob Supervisão do Fundo Constitucional

Leia mais

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7 O BNDES Indicadores do BNDES R$ bilhões Ativos Totais Carteira de Financiamentos Patrimônio Líquido Lucro Líquido Impostos e Taxas 2008 277,3 220,5 25,3 5,3 2,0 Jun/2009 309,0 230,3 24,7 0,7 0,9 Evolução

Leia mais

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos:

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos: CIRCULAR N 2.971 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Regulamenta as Resoluções nº 2.644, de 1999, nº 2.694 e nº 2.695, ambas de 2000, e divulga o Regulamento sobre Contas

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

Investimento no exterior: MORTGAGE

Investimento no exterior: MORTGAGE Investimento no exterior: MORTGAGE 01. Overview Crise do Subprime 2 01. Overview Crise Subprime Entendendo a Crise do Subprime Baixas taxas de juros levaram ao aquecimento do mercado imobiliários nos EUA

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Área de Mercado de Capitais BNDES Desenvolvendo a Governança Corporativa Eduardo Rath Fingerl Diretor 02/06/2006 www.bndes.gov.br 1 de 23 Atuação

Leia mais

M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO. Abril 2011

M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO. Abril 2011 M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO Abril 2011 1 M&A PRINCIPAIS ETAPAS DE OPERAÇÃO DE M&A Etapa 1 Acordos Preliminares Elaboração, revisão e negociação

Leia mais

IFD. Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal. O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento

IFD. Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal. O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO José Fernando Figueiredo Presidente Executivo Lisboa,

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Somos um escritório jurídico que reúne especialistas nos mais diversos ramos do direito empresarial. Priorizamos a ética nas relações com os clientes e nos dedicamos muito ao

Leia mais

- CENTRAIS DISTRITAIS DE UTILIDADES - FRIO DISTRIBUÍDO

- CENTRAIS DISTRITAIS DE UTILIDADES - FRIO DISTRIBUÍDO Geração Distribuída - CENTRAIS DISTRITAIS DE UTILIDADES - FRIO DISTRIBUÍDO A QUESTÃO LEGAL: - Estrutura regulatória para um novo serviço. - Modelagem financeira, societária e de implementação. - EPC. -

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org. Agosto 2015

Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org. Agosto 2015 Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org Agosto 2015 Desde 1959 A principal fonte de financiamento para o desenvolvimento da América Latina e Caribe 26 Países Conta com 26

Leia mais