Diretoria de Relações Industriais - DIREL Unidade de Apoio às Câmaras Especializadas - CES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretoria de Relações Industriais - DIREL Unidade de Apoio às Câmaras Especializadas - CES"

Transcrição

1 Diretoria de Relações Industriais - DIREL Unidade de Apoio às Câmaras Especializadas - CES RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DAS CÂMARAS ESPECIALIZADAS DA FIESC Período de 25/10 a 29/11 de 2013 Câmara de Desenvolvimento da Indústria da Construção Presidente: Carlos Júlio Haacke Júnior Secretária: Cristine Fritsche Kretzer Telefone: (48) Estiveram presentes 22 participantes: Carlos Júlio Haacke Júnior - Presidente da CDIC/FIESC; Cristine Fritsche Kretzer, Eng. Civil da CDIC-FIESC; Maria Antônia Amboni - Jurídico-FIESC; Paulo R. D. Mundt FIESC/COGER; Carlos Henrique R. Fonseca- FIESC; Sidnei M. Rodrigues-FIESC; Maicon Lacerda SENAI/SC; Ademir José Pereira Sinduscon Brusque; Amauri Buzzi-Sinduscon Blumenau; Barbara Paludo-Diretora CBIC; Carlos Humberto M. Silva - Sinduscon Balneário Camboriú; Elias Rogério Lunardi-Sinduscon São Miguel d Oeste; Hélio César Bairros- Sinduscon Florianópolis; Jair Paulo Savi-Sinduscon Criciúma; Jorge Luiz Strehl-Sinduscon Blumenau; Jorge Sá Sinduscon Joinville; Luiz C. Kamera- Sinduscon Brusque; Marco Antonio Corsini-Sinduscon Joinville; Roberto Reis Sinduscon Jaraguá do Sul; Ludmila N. Custódio Sinduscon Florianópolis; José A. de Andrade Paiva de Andrade Adv.; Gilmar Gil de Oliveira Ceranium; Karina Pavei-Ceranium. Abertura: Sr. Carlos Haacke, Presidente da CDIC, agradeceu a presença de todos e deu início a reunião falando do ENIC- Encontro Nacional da Indústria da Construção realizado em 02, 03 e 04 de outubro. Comentou sobre a importância de se organizar para o próximo ENIC que acontecerá em Goiânia/GO em 21, 22 e 23 de maio, procurando assistir apenas uma palestra grande e prestigiar as menores para conseguir debater os assuntos. O Sr. Jorge Sá, Sinduscon Joinville, incentivou a todos a participar do próximo encontro, observando que a menor participação no ENIC no Ceará foi de Santa Catarina. Sugeriu que pelo menos quinze empresários se inscrevam no próximo encontro. Os representantes de Santa Catarina no ENIC foram: de Balneário Camboriú, Carlos Haacke, de Blumenau, Amauri e Secretária, de São Miguel d Oeste, Paulo Link, de Joinville, Marco Corsini e Jorge Sá, Luiz Carlos Presente e Renata, de São Miguel do Oeste, Astor e Vitório, de Itapema, João Formento e de Chapecó, Marcelo Fabiano Costella. Sr. Amauri comentou que o ENIC possuía painéis com bastante conteúdo e não tinha tempo para as discussões e debates. Segundo ele, deveria ser um momento para falar. Sugere que os conteúdos sejam condensados em poucos painéis e que haja mais objetividade na condução dos trabalhos permitindo o debate. O Sr. Jorge Sá responde que a pauta é montada através das comissões que ocorrem durante o ano, onde se coloca o assunto e se abre as discussões. Dentro do ENIC fica difícil abrir um debate. Comentou sobre a situação da construção na Espanha, onde haviam 2 milhões de trabalhadores e passou para apenas 60mil e agora estão com foco no Brasil. Sr. Marco Antonio Corsini, relatou sua participação no 85 ENIC em Fortaleza. Os relatórios completos das Câmaras encontram-se disponível na internet no endereço: 1

2 1) - Dia 03/10 - Barreiras Reguladoras e burocráticas na Competitividade da Construção Civil Brasileira. Luiz Vieira, da Booz&Co, fez um panorama das principais barreiras e burocracias enfrentadas no setor. Tempo excessivo na análise e aprovação de projetos; questões ambientais, registro de imóveis, concessionárias. Estamos perdendo competitividade pelo excesso de burocracia. Falta visão dos Políticos de não saber quanto custa o atraso nos processos. O pior custo é a não realização do Projeto. Falta governança e estratégia política no Brasil. Insegurança Jurídica- Falta de clareza da legislação, instabilidade da mesma, fragilidade da aprovação, aumento da informalidade, impactos nos resultados do empreendimento, aumento do risco, menor atratividade nos investimentos. Estes gargalos afetam diretamente o setor, tornando o imóvel mais caro, e quem paga a conta é o consumidor. Paulo Afonso - CNI, estratégias de mobilização, integração CNI e CBIC, organizadas, para buscar as soluções. Ter coragem de enfrentar a política. 2) - DIA 03/10 - Comissão CPRT - Relações do trabalho e Qualificação como vetor a produtividade sustentável. Segundo Sr. Adauto Duarte vários países tem seus modelos de relação de Trabalho, e funcionam muito bem. Nos EUA o acordo é feito com o sindicato ele vale para todo o país. No Brasil o Modelo é um formato de Pirâmide Invertida. Normas Legais, Interpretações, Conflitantes, Auditores Fiscais MTE, Juízes, Negociação Coletiva, redução do espaço de negociação. A relação de trabalho não pode ser decidida por Juízes, Advogados, Ministério Público, etc. Modelo de trabalho ideal é a relação de trabalho se moldando a atividade. Terceirização é uma forma da empresa se manter competitiva no mercado. As Vantagens da Terceirização: Especialidade, melhor técnica e tecnologia (qualidade), eficiência, incremento de produtividade e maior e melhor competitividade. PL 4.330/2004 Ponto Positivo: Possibilidade de terceirizar atividade meio e fim. Pontos de Atenção: > Representação sindical dos empregados da empresa contatada; > Necessidade de comprovação de qualificação técnica; > Necessidade de comprovação de capacidade econômica (compatível com execução dos serviços terceirizados); > Responsabilidade subsidiária, com regras, condicionadas a fiscalização a comprovação do cumprimento das obrigações trabalhistas. 3)- DIA 04/10 - Fontes de Recursos, (SBPE, FGTS, e Mercado de capitais). Em relação ao PIB o estoque de Financiamento atingiu 7,7 %, patamar ainda baixo em relação a outros Países; De 2006 a 2013 o preço dos imóveis teve um crescimento de 230 %. De 2006 a 2013 o rendimento nominal das pessoas teve um crescimento de 80 %. Até agosto/2013 Crédito Imobiliário supera o crédito pessoal = R$ 315 bilhões O perfil do cliente prevalece aquisição de imóveis para moradia; Bancos conservadores no limite concessão de crédito. LTV médio 65 % Maximo 80% Comprometimento da renda = 30 % Preferência tabela SAC. Financiamento em 2012 FGTS e SBPE = R$ 121 Bilhões Financiamento até 08/2013 FGTS e SBPE = R$ 142 Bilhões O crédito imobiliário tem a menor inadimplência dos produtos bancários, Jorge Sá comentou que a NR 18 está sendo revisada. A sugestão dos empresários que estavam no ENIC é que se trabalhe com as normas técnicas, adequando a NR 18. Outra sugestão é realizar treinamento unificado com todos os fiscais no Brasil para que se tenha uma linguagem única no país. Os relatórios completos das Câmaras encontram-se disponível na internet no endereço: 2

3 Sr. Carlos Haacke informou que existe no CNJ Conselho Nacional de Justiça a intenção de criar uma norma única para todos os Cartórios do Brasil. Sr. Marco Corsini falou sobre a ferramenta online E-social criada pelo governo, que irá entrar em vigor em abril de 2014 (para empresas com lucro real), com o objetivo de aferir com precisão e rapidez a escrituração da folha de pagamento das obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais de qualquer vínculo diante de qualquer contrato realizado no Brasil. Empresa de lucro presumido e pequena empresa entrarão em vigor a partir de setembro de Sr. Carlos Humberto, de Balneário Camboriú, sugeriu que alguém da FIESC pudesse acompanhar todas estas questões e representasse a Câmara e Santa Catarina nestes eventos nacionais como exemplo do Paraná que tem o Eng. Ivanor que é funcionário do Sindicato. Solicitou apoio da Federação para proteger o setor da construção civil que é tão necessitado com relação ao poder municipal, estadual e federal. Sr. Hélio Bairros, de Florianópolis, comenta sobre a permuta com torna que aguarda resposta para levar para o STJ Supremo Tribunal de Justiça. Falou com o vice-presidente da CBIC que também prometeu tomar providências. Corsini colocou que a empresa que for reincidente nas causas trabalhistas irá gerar ação crime. Sr. Hélio comenta que a situação do construtor é difícil realmente frente às questões trabalhistas e ao poder público. O Sr. José A. de Andrade advogado do Sinduscon Florianópolis está presente para esclarecer dúvidas sobre o tema: permuta com torna. Segundo Sr. Carlos Haacke, na última Câmara da Indústria Imobiliária foi tratado do assunto, permuta com torna, considera que a solução é continuar brigando, discutindo o assunto até resolver. Jorge Strehl observou que não podemos mudar a fiscalização e a lei, mas precisamos nos atualizar e estar prontos para receber a fiscalização. Apresentou depoimento: um empresário foi fiscalizado pelo Ministério do Trabalho e teve suas máquinas todas paradas por não estar adaptada a legislação brasileira. Não podemos esquecer que somos governados por um governo solicialista e que tem uma política de emprego. Não está muito preocupado com a produtividade e sim com a taxa de emprego. Criam várias barreiras para a terceirização. Somos um setor muito exposto e que sofre fiscalização do governo. PDIC 2022 Programa de Desenvolvimento Industrial Catarinense apresentado por Carlos Henrique R. Fonseca O objetivo do programa é que a indústria continue sendo protagonista do desenvolvimento de Santa Catarina e para isto precisa se planejar e criar um planejamento da economia industrial catarinense para os próximos 10 anos. Foi criada uma Estrutura dividida em 03 fases: 1- Setores Portadores de Futuro: analisar dentro dos setores industriais catarinenses quais aqueles que tem vantagens comparativas e condições competitivas à nível nacional e internacionalmente. O Setor da construção civil apareceu em todas as 6 meso regiões do estado. Foram escolhidos 16 setores prioritários. 2- Rotas Estratégicas Setoriais: prevê a construção de uma visão de curto, médio e longo prazo para todos os 16 setores que foram escolhidos. Construindo com todos os setores, lideranças, governo, academia, entidades de classe, indústria este planejamento através da realização de painéis. Em Maio de 2014 teremos o painel da construção civil. Com este painel são realizados estudos aprofundados da situação atual do setor, da economia atual, das tendências tecnológicas atuais e futuras do setor. A partir daí os painelistas definem para onde querem ir, quais as barreiras a enfrentar, quais as soluções e definir esta rota estratégica de futuro. Em seguida o objetivo é monitorar a implantação desta rota. Um dos sub-produtos deste trabalho será uma agenda única para o setor. Dentro das câmaras serão monitoradas estas agendas. 3- Masterplan: consolidação de todas as informações que foram identificadas nas rotas estratégicas, desdobrando estas ações em projetos, porque as necessidades são destintas Os relatórios completos das Câmaras encontram-se disponível na internet no endereço: 3

4 em cada região do Estado. A partir daí estaremos construindo o Masterplan, um grande documento onde vai mostrar quais os gargalos para melhoria da competitividade destes setores no Estado de Santa Catarina. Todas as informações estão no site da FIESC/PDIC. Passou o vídeo sobre o PDIC A Dra. Maria Antônia lembrou que a reunião do dia 22 de outubro com o Dr. Sérgio Junckes e a corregedora Somariva foi adiada sem nova data, pois a corregedora e sua equipe estarão estudando o encaminhamento da câmara para apresentar soluções na próxima reunião. Assim que for marcada a reunião, irá comunicar a Câmara. Custo Unitário Básico CUB no contexto da lei /2013 que trata da desoneração da folha de pagamento, apresentado por Ludmilla Nascimento Custódio. No dia 19/07/2013 foi publicada em edição extra na DOU, a Lei n /2013 convertendo a MP 601 e demais MPs que tratam do assunto, resgatando os dispositivos que trazem o enquadramento da desoneração da folha de pagamentos. Como se aplica: Empresas com CNAE incluído na desoneração e responsáveis pela CEI da obra, seguem o quadro: Empresas que não são responsáveis pela CEI da obra, a aplicação da desoneração se dá da seguinte forma: a) obrigatório, no período compreendido entre 01/04/2013 a 31/05/2013 e a partir de 01/11/2013 e, b) facultativo, para o período compreendido entre 01/06/2013 a 31/10/2013. Empresas que não são responsáveis por CEI de obras não há proporcionalidade de receitas. Nesta hipótese, deverá ser aplicada a regra da maior receita. Se a maior receita for representativa de CNAE enquadrado na desoneração, a empresa deverá recolher a contribuição de 2% para todas as suas atividades. Porque enquadrar o CUB /m² na Lei /2014 A norma que definiu o CUB/m², indica que os Encargos Sociais são de competência dos Estados e podem modificar-se devido a alterações legais e mudança nos benefícios estabelecidos pelas convenções coletivas. O CUB/m², por jurisprudência e por prática usual passou a ser um indicador setorial que reflete a movimentação dos preços básicos da construção civil. Assim, as alterações no item ENCARGOS SOCIAIS, devido a mudanças legais, se faz necessário. Quais são as mudanças Como a lei estabelece que podem existir dois grupos de empresas: as desoneradas e as que permanecem na regra antiga, o cálculo do CUB/m² segue da seguinte maneira: a)cub/2006: A série já existente continua ser calculada da mesma maneira, com encargos totais de 167,13%; b)cub/desonerado: Uma nova série será iniciada a partir de 1/dez/2013, com encargos de 136,79%. Efeitos práticos Inicio de uma nova série; Valores em reais diferentes; Evolução percentual igual ou muito próxima. Ressaltamos que o CUB/m² é aparado por lei. Demais indicadores da construção civil, além de utilizarem metodologia de cálculo diferenciada não são estabelecidos por lei, ou regidos pelo sistema de Normas Brasileiro. Assim, as alterações do CUB/m² são justificáveis legalmente, o que não acontece com outros indicadores, que podem vir a sofrer alterações a qualquer momento. Diante desse fato, pedimos reflexão no estabelecimento de alternativas como a mudança do índice de correção monetária. Lembramos que o CUB/m² é utilizado como uma forma de facilitar o acompanhamento das oscilações do mercado, além de ser o índice usual na prática da correção monetária. Os relatórios completos das Câmaras encontram-se disponível na internet no endereço: 4

5 Apesar disso são permitidas as partes contratantes que, no momento da assinatura do contrato, estipulem quais índices serão adotados, se é o inflacionário ou o CUB/m². Encerramento: Sr. Carlos Haacke propõe que na próxima reunião tenha uma palestra sobre o assunto CUB e desoneração. Lembrou a todos da realização do Fórum CBIC Sul no dia 29 de novembro, mesma data da próxima reunião da CDIC. Agradeceu a presença de todos e encerrou a reunião. Os relatórios completos das Câmaras encontram-se disponível na internet no endereço: 5

Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina Diretoria de Relações Industriais e Institucionais - DRI Unidade de Apoio às Câmaras Especializadas - CES RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DAS CÂMARAS ESPECIALIZADAS DA Mês de Janeiro de 2013 Câmara de Desenvolvimento

Leia mais

Informações estratégicas a seu alcance.

Informações estratégicas a seu alcance. Informações estratégicas a seu alcance. SINDUSCON-ES SEGMENTO NO ES PESQUISAS HISTÓRICO: CENSO E IVV SOLUÇÃO: IMOBI BENEFÍCIOS ENTIDADES EXPANSÃO AGENDA O SINDUSCON-ES em números: Fundação: 1934 (80 anos)

Leia mais

Câmara para Assuntos de Transporte e Logística

Câmara para Assuntos de Transporte e Logística Diretoria de Desenvolvimento Institucional e Industrial - DIRIN Unidade de Apoio às Câmaras Especializadas - CES RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DAS CÂMARAS ESPECIALIZADAS DA FIESC Período de 30/01 a 27/02 de

Leia mais

MERCADO IMOBILIÁRIO PARA ONDE CAMINHA A DEMANDA?

MERCADO IMOBILIÁRIO PARA ONDE CAMINHA A DEMANDA? MERCADO IMOBILIÁRIO PARA ONDE CAMINHA A DEMANDA? CII Comissão da Indústria Imobiliária José da Silva Aguiar Superintendente Técnico da ABECIP Data: 23/maio/2014 Pauta 1) Financiamento Imobiliário SBPE

Leia mais

Coletiva de Imprensa. 1º Trimestre 2012

Coletiva de Imprensa. 1º Trimestre 2012 Coletiva de Imprensa 1º Trimestre 2012 25 de abril de 2012 ABECIP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POUPANÇA Agenda 1 - Ambiente Macroeconômico 2 - Financiamento Imobiliário

Leia mais

ConstruBusiness - Rumo a 2022

ConstruBusiness - Rumo a 2022 ConstruBusiness - Rumo a 2022 EXPRESS ANO 1/12 Nº44 DEZ/12 CONSTRUBUSINESS 2012 10º CONGRESSO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO Em sua 10ª edição, o Construbusiness elaborou o programa Compete Brasil, com soluções

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

REPASSE IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

REPASSE IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO Prezado Cliente, Com o objetivo de concretizar o negócio, os bancos oferecem condições especiais de financiamento para pessoas física, quando Imóvel Residencial e Comercial e com regras distintas para

Leia mais

Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP

Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP Fortaleza CE, Brasil 4 de outubro de 2013 Pauta Descolamento recente: Renda X Preço dos Imóveis Uma Breve História o Pré estabilização o Pós estabilização Crédito

Leia mais

Manifesto da Micro e Pequena Empresa e do Empreendedor Individual de Santa Catarina

Manifesto da Micro e Pequena Empresa e do Empreendedor Individual de Santa Catarina Lages, 30 de outubro de 2011 Ilmo. Senhor, A FAMPESC Federação da Micro e Pequena Empresa e do Empreendedor Individual do Estado de Santa Catarina, entidade que compreende as AMPE s - Associações de Micro

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Relatório de Atividades 2006

Relatório de Atividades 2006 Relatório de Atividades 2006 AGE FEBRAC Participação do Srs. Dilmo e Ricardo na reunião do dia 09/02 em Brasília; Participação do Sr. Ricardo na reunião do dia 29/03 em Brasília; Participação do Sr. Ricardo

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

A LAVRATURA DOS CONTRATOS PARTICULARES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO POR ESCRITURA PÚBLICA: POSSÍVEIS CONVÊNIOS COM BANCOS SEGURANÇA JURÍDICA E FÉ PÚBLICA

A LAVRATURA DOS CONTRATOS PARTICULARES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO POR ESCRITURA PÚBLICA: POSSÍVEIS CONVÊNIOS COM BANCOS SEGURANÇA JURÍDICA E FÉ PÚBLICA A LAVRATURA DOS CONTRATOS PARTICULARES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO POR ESCRITURA PÚBLICA: POSSÍVEIS CONVÊNIOS COM BANCOS SEGURANÇA JURÍDICA E FÉ PÚBLICA Rodrigo Reis Cyrino Tabelião do Cartório do 2º Ofício

Leia mais

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Data: 18/04/2013 Horário: 14 às 17h30 Local: Sede do Sistema FIESC Objetivo do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC: Incrementar e Promover

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO por RODOLFO MACHADO MOURA 1 em 30 de janeiro de 2014 Consulta o Presidente do SINDICATO DAS EMPRESAS DE RÁDIO E TELEVISÃO DO PARANÁ SERT PR, o SR.

Leia mais

A locomotiva de concreto

A locomotiva de concreto A locomotiva de concreto 16 KPMG Business Magazine Construção civil supera período de estagnação, mas ainda há gargalos que podem comprometer o ritmo de investimentos A construção civil no Brasil não para

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

Manual de Regularização 2013

Manual de Regularização 2013 Manual de Regularização 2013 1. Apresentação Empresas Juniores são organizações sem fins lucrativos, formadas e geridas por alunos de graduação. Desenvolvem estudos e projetos sob a orientação de professores

Leia mais

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 Sciesp Clipping 17.06 A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 DESTAK FGTS amplia teto da renda para imóvel com juro menor Famílias

Leia mais

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013 Matérias na Câmara PEC 185/2012 Acrescenta parágrafos ao art. 37 da Constituição Federal para estabelecer data certa para a revisão geral anual da remuneração dos servidores públicos e dá outras providências.

Leia mais

Em DiA Associado atualizado com as notícias do setor

Em DiA Associado atualizado com as notícias do setor 22 de Junho de 2015 Em DiA Associado atualizado com as notícias do setor Nesta Edição 02 Destaque Câmara de Alimentos elege vice-presidente A FORÇA DA INDÚSTRIA DA CARNE MINEIRA Informe Tributário Legislação

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

MAIO É FINALIZADO COM PREÇOS ESTÁVEIS, AINDA EVITANDO QUEDAS SAZONAIS

MAIO É FINALIZADO COM PREÇOS ESTÁVEIS, AINDA EVITANDO QUEDAS SAZONAIS Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 398 Ano IX 29/maio/2014 MAIO É FINALIZADO COM PREÇOS ESTÁVEIS, AINDA EVITANDO QUEDAS SAZONAIS No mercado físico de etanol a última semana de maio foi encerrada

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL. O déficit habitacional brasileiro é da ordem de 7 milhões de unidades. A demanda por crescimento demográfico do número de famílias é da ordem de 700 MIL unidades

Leia mais

O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis.

O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis. O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis. Renan Cesco de Campos VIII Fórum de Relações Trabalhistas

Leia mais

Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos. Histórico e Momento Atual

Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos. Histórico e Momento Atual Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos Histórico e Momento Atual A NR 12 teve sua redação substancialmente alterada pela Portaria MTE nº 197/2010 e encontra-se em

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Gisele Helena MARTINEZ 1 - RGM 73616 Renato Francisco Saldanha SILVA 2 Thiago Lopes da SILVA 3

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Gisele Helena MARTINEZ 1 - RGM 73616 Renato Francisco Saldanha SILVA 2 Thiago Lopes da SILVA 3 CERTIFICAÇÃO DIGITAL Gisele Helena MARTINEZ 1 - RGM 73616 Renato Francisco Saldanha SILVA 2 Thiago Lopes da SILVA 3 Resumo A informação é considerada o maior valor de uma empresa ou de uma pessoa. A velocidade

Leia mais

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector O brasileiro é um povo sem memória, que esquece seus feitos e seus heróis...

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Apresentação Criado há mais de dez anos a partir da vontade de prestar assessoria jurídica dinâmica, o Alves Oliveira é alicerçado no trabalho honesto e transparente. Com fundador experiente e com conhecimento

Leia mais

Pesquisa de Resultado de vendas do Dia das Crianças

Pesquisa de Resultado de vendas do Dia das Crianças Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Pesquisa de Resultado de vendas do Dia das Crianças Panorama do movimento na economia da cidade de Lages durante o Dia das Crianças de 2010. DPLAN - Núcleo

Leia mais

Resultados 2T10. Villa Flora Segmento Econômico

Resultados 2T10. Villa Flora Segmento Econômico Resultados 2T10 Villa Flora Segmento Econômico 1 Resultados 2T10 Aviso Importante Nós fazemos declarações sobre eventos futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base

Leia mais

Chance de recalcular aposentadoria cria passivo de R$ 49 bi

Chance de recalcular aposentadoria cria passivo de R$ 49 bi 22 de Agosto de 2012 Chance de recalcular aposentadoria cria passivo de R$ 49 bi Legislação & Tributos Página E1 Previdência Intenção é acabar com o fator previdenciário e com a aposentadoria por tempo

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015/1 APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CANDIDATOS FORMALMENTE ENCAMINHADOS POR INDÚSTRIAS CONTRIBUINTES DO SENAI/SC

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015/1 APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CANDIDATOS FORMALMENTE ENCAMINHADOS POR INDÚSTRIAS CONTRIBUINTES DO SENAI/SC EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015/1 APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CANDIDATOS FORMALMENTE ENCAMINHADOS POR INDÚSTRIAS CONTRIBUINTES DO SENAI/SC 1. Apresentação O SENAI/SC torna pública a abertura do período para

Leia mais

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS NOS OUÇAM! Regimentalmente o Conselho de Arquitetura e

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Cartilha. Nova Lei de Estágios. Inovações e Adequações

Cartilha. Nova Lei de Estágios. Inovações e Adequações Cartilha Nova Lei de Estágios Inovações e Adequações 2008 IEL/SC Núcleo Regional Proibida a reprodução total ou parcial desta obra sem a permissão expressa do IEL/SC. Sistema Federação das Indústrias do

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Martelene Carvalhaes

TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Martelene Carvalhaes TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL Martelene Carvalhaes GESTÃO DE RISCOS O mercado de empreendimentos imobiliários é onde as empresas operam com maior nível de riscos devido às particularidades

Leia mais

PROPOSTA DE COVÊNIO JUNTO À ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE EMPRESAS DE TECNOLOGIA - ACATE -

PROPOSTA DE COVÊNIO JUNTO À ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE EMPRESAS DE TECNOLOGIA - ACATE - PROPOSTA DE COVÊNIO JUNTO À ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE EMPRESAS DE TECNOLOGIA - ACATE - Florianópolis, 27 de Agosto de 2014 Descrição do negócio: Empresa: Desterro Soluções Empresariais EIRELI EPP, CNPJ

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FIMT

MANUAL DO USUÁRIO FIMT FÁCIL IMÓVEL MT MANUAL DO USUÁRIO FIMT GESTOR IMOBILIÁRIO SANDRO RAMIRO 05/06/2015 Manual completo de funcionalidade do Sistema FIMT. Versão 2.0 INTRODUÇÃO PÁGINA INICIAL 03 ANUNCIANTE 04 LANÇAMENTO 05

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

Empresas de Minas diminuem investimento

Empresas de Minas diminuem investimento Ano 5 Nº 1 JANEIRO 2015 Empresas de Minas diminuem investimento No ano de 2014 mais da metade das empresas mineiras realizaram investimentos, no entanto, desde o início da pesquisa em 2010, o percentual

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras

Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras CI1306 Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras Raoni Pereira, Hérica Righi, Marina Loures, Tiara Bicalho, Janayna Bhering, Bárbara Xavier - Núcleo de Inovação A Introdução inovação configura-se

Leia mais

De que PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

De que PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO De que Novos dispositivos na legislação tributária ampliam opções às construtoras e incorporadoras e exigem a revisão de rotinas e procedimentos contábeis pelas empresas Por Maria

Leia mais

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Bernard Appy LCA Consultores TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Roteiro EFEITOS DO MODELO DE TRIBUTAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL A estrutura tributária

Leia mais

PIS E COFINS A POLÊMICA SOBRE O REGIME TRIBUTÁRIO DAS AGÊNCIAS DE FOMENTO

PIS E COFINS A POLÊMICA SOBRE O REGIME TRIBUTÁRIO DAS AGÊNCIAS DE FOMENTO PIS E COFINS A POLÊMICA SOBRE O REGIME TRIBUTÁRIO DAS AGÊNCIAS DE FOMENTO CARGA TRIBUTÁRIA As Agências de Fomento e Carga Tributária: As Agências de Fomento surgiram com base no programa de redução da

Leia mais

Manual Prático do Usuário

Manual Prático do Usuário Página 12 Saiba mais Em quanto tempo seu cliente recebe o produto Como é emitida a Nota fiscal e recolhido os impostos Pergunte ao Suporte Todos os pedidos serão enviados em até 24 horas úteis, após a

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO RENDA GARANTIDA

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO RENDA GARANTIDA REGULAMENTO DA PROMOÇÃO RENDA GARANTIDA HAF SPE017 HA JARDIM BOTÂNICO LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, nº. 1280, Mossunguê, nesta Capital,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira APRESENTAÇÃO O potencial hidrelétrico brasileiro, que atualmente é a prioridade do governo federal, começa a se esgotar dentro de aproximadamente 20 anos. Diante dessa perspectiva, a energia nuclear passou

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

esocial Informações e Orientações Atualizadas

esocial Informações e Orientações Atualizadas esocial Informações e Orientações Atualizadas Conceito e Objetivos do esocial O esocial é uma ação conjunta destes órgãos e entidades do governo federal: Caixa Econômica Federal Instituto Nacional do Seguro

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993. Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015. José Aguiar Superintendente Abecip

Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015. José Aguiar Superintendente Abecip Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015 José Aguiar Superintendente Abecip São Paulo, 29 de Outubro de 2014 AGENDA: Overview Pilares do crescimento Crédito imobiliário: situação atual E o funding?

Leia mais

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização; 3 FORMAÇÃO DO CUSTO O custo dos imóveis vendidos compreenderá obrigatoriamente: I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

Leia mais

CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII

CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ 11.160.521/0001-22 Administradora: Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A. CNPJ: 61.809.182/0001-30 I. Objeto do Fundo

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indicadores CNI INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Momento difícil da indústria se reflete nos investimentos Intenção de investimento para 2015 é a menor da pesquisa Em 2014, 71,8% das empresas investiram 7,9

Leia mais

Tutorial Novo Sistema de Intimações da OAB SP

Tutorial Novo Sistema de Intimações da OAB SP Tutorial Novo Sistema de Intimações da OAB SP O sistema de intimações da OAB SP está de cara nova. Mais rápido, eficiente, organizado e cobrindo maior número de diários oficiais, o serviço foi projetado

Leia mais

Pensamento sustentável economize água

Pensamento sustentável economize água Pensamento sustentável economize água 2013 Olá pessoal, tudo bem? Lembra de mim? Sou o SID, o mascote do SindsegSC! Este ano é a 2º edição da Campanha Higiene Pessoal, promovida pelo Sindicato das Seguradoras,

Leia mais

Terceirização - Mitos e Realidades

Terceirização - Mitos e Realidades Terceirização - Mitos e Realidades Está em pauta no Supremo Tribunal Federal a repercussão geral sobre a delimitação das hipóteses de terceirização diante do que se compreende por atividade-fim de uma

Leia mais

a) Buscar informações no site da Caixa Econômica Federal, http://www.caixa.gov.br/, ou

a) Buscar informações no site da Caixa Econômica Federal, http://www.caixa.gov.br/, ou CASA PRÓPRIA DO SERVIDOR O Governo do Estado do Goiás, em convênio com a Caixa Econômica Federal, disponibiliza aos seus servidores civis e militares, ativos e inativos, bem como aos pensionistas, linhas

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

GUIA CONFIGURAÇÃO DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA

GUIA CONFIGURAÇÃO DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA GUIA CONFIGURAÇÃO DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ÍNDICE ITEM Página 1. Objetivo... 3 2. Configuração das Taxas... 3 3. Configuração do Configurador INI:... 6 4. Configuração das Alíquotas Não optante pelo

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 266, DE 2007 (Apensos: PLs n os 453/2007, 701/2007, 6.519/2009 e 3.729/2012) Altera a Lei nº 9.985, de 2000, que regulamenta o

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO EM SOCIEDADES DE PROPÓSITO ESPECÍFICO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA VENDA DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS

Leia mais

Abrangência da terceirização

Abrangência da terceirização Reportagem especial explica os pontos polêmicos do projeto da terceirização A proposta que regulamenta a terceirização no Brasil e derrubou a reunião da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Leia mais

Incorporação Imobiliária

Incorporação Imobiliária Incorporação Imobiliária Lei nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964 Incorporação Imobiliária Incorporação imobiliária é a atividade exercida pela pessoa física ou jurídica, empresário ou não que se compromete

Leia mais

Boletim Eletrônico do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Norte do Paraná - Edição nº 26 - quarta-feira, 14 de maio de 2014.

Boletim Eletrônico do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Norte do Paraná - Edição nº 26 - quarta-feira, 14 de maio de 2014. Boletim Jurídico Boletim Eletrônico do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Norte do Paraná - Edição nº 26 - quarta-feira, 14 de maio de 2014. PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO

Leia mais

Rotas Estratégicas Setoriais para a Indústria Catarinense 2022. Metal-mecânico & Metalurgia

Rotas Estratégicas Setoriais para a Indústria Catarinense 2022. Metal-mecânico & Metalurgia Rotas Estratégicas Setoriais para a Indústria Catarinense 2022 Metal-mecânico & Metalurgia Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESC Glauco José Côrte Presidente Mario Cezar de Aguiar

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

QUADRO DE RESPOSTAS PESQUISA DE OPINIÃO - UO. Aprovado por: Paulo Roberto de Souza

QUADRO DE RESPOSTAS PESQUISA DE OPINIÃO - UO. Aprovado por: Paulo Roberto de Souza Elaborado por: 1/6 /Sugestões e Reclamações Iete e Paulo bastante prestativos, educados e simpáticos. Atendimento qualificado, gentil e prestativo, em especial do serventuário Paulo de Oliveira. Excelente

Leia mais

1º Seminário de Melhores Práticas

1º Seminário de Melhores Práticas 1º Seminário de Melhores Práticas Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC Painel 2 - Liderança Empresarial Desenvolvimento Associativo Relacionamento com Sindicatos Henry Quaresma

Leia mais

ATA DE SESSÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO PLENO DA SUBSEÇÃO DE JOINVILLE DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SANTA CATARINA REALIZADA EM 05/07/2011

ATA DE SESSÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO PLENO DA SUBSEÇÃO DE JOINVILLE DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SANTA CATARINA REALIZADA EM 05/07/2011 ATA DE SESSÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO PLENO DA SUBSEÇÃO DE JOINVILLE DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SANTA CATARINA REALIZADA EM 05/07/2011 1. DATA E HORA 05/07/2011 às 19:00 horas. 2. LOCAL Auditório

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Nordeste FEVEREIRO 2015

Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste do Brasil Visão Geral Banco Múltiplo com 62 anos de atuação para o desenvolvimento da região Nordeste, norte de MG e do ES. Ativos Totais R$ 71,0 bilhões

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

Bolha Imobiliaria ou Novo Patamar de Preços? Claudio Bernardes

Bolha Imobiliaria ou Novo Patamar de Preços? Claudio Bernardes Bolha Imobiliaria ou Novo Patamar de Preços? Claudio Bernardes BOLHA IMOBILIÁRIA Aumento de preços dirigidos NÃO por fundamentos econômicos, mas por mera expectativa de aumento futuro de preços INDÍCIOS

Leia mais

Julho/2010. Diretoria de Empréstimos e Financiamentos

Julho/2010. Diretoria de Empréstimos e Financiamentos Crédito Imobiliário Julho/2010 Agenda 1. Números do Mercado e BB 2. Aquisição PF - SFH 3. Financiamento à Produção PJ 4. Programa Minha Casa, Minha Vida - PMCMV 5. Atuação Estratégica Mercado Atacado 2

Leia mais

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA.

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. INTRODUÇÃO Recentemente o Governo Federal, por seu Ministro do Trabalho e Emprego, Ricardo Berzoini, um mineiro de Juiz de Fora

Leia mais

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS 1 Lei Complementar nº 147/2014 SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS Redução drástica dos impostos e burocracia com inclusão no CNPJ 3 APRESENTAÇÃO Simples é uma lei viva, ela

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE ASSUNTOS GERAIS

ACOMPANHAMENTO DE ASSUNTOS GERAIS ACOMPANHAMENTO DE ASSUNTOS GERAIS Cassius Marcellus Zomignani Reunião GRTS dia 28.04.2011 PORTARIA MTE nº 1.510/2009 - Instrução Normativa MTE nº 85/2010 (DOU de 27.07.2010) - disciplina a fiscalização

Leia mais

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Brasília, 24 de novembro de 2011 Política Nacional de Habitação

Leia mais

Encontro Nacional ABC e FNSHDU Diretoria de Crédito Imobiliário

Encontro Nacional ABC e FNSHDU Diretoria de Crédito Imobiliário Encontro Nacional ABC e FNSHDU Diretoria de Crédito Imobiliário As perspectivas do mercado Relevância do CI no desenvolvimento do país Mercado - RS bilhões * PIB - R$ bilhões (***) Crédito Imobiliário

Leia mais

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Bernard Appy maio de 2015 Sistema tributário brasileiro Características desejáveis Características desejáveis de um sistema tributário

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

Kinea Renda Imobiliária

Kinea Renda Imobiliária Introdução O é um fundo que busca aplicar recursos em empreendimentos corporativos e centros de distribuição de excelente padrão construtivo, de forma diversificada e preferencialmente prontos. Uma oportunidade

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

Aeconômica que nosso país

Aeconômica que nosso país 2 Informativo Sescon - Ano V - n 9 - Setembro 2015 A palavra do Presidente Caro leitor, instabilidade política e Aeconômica que nosso país atravessa neste ano, tem c a u s a d o p r e o c u p a ç õ e s,

Leia mais