SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE TURISMO CORAÇÃO EUCARÍSTICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE TURISMO CORAÇÃO EUCARÍSTICO"

Transcrição

1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE TURISMO CORAÇÃO EUCARÍSTICO 1. Perfil d Curs O Curs de Turism da Pntifícia Universidade Católica de Minas Gerais apresentu um nv Prjet Pedagógic cnsiderand cenári nacinal, as ptencialidades d setr, as tendências e realidades das atividades d Turism cnsantes às demandas reginais, nacinal e internacinal. Tem cm bjetiv principal prtunizar a inserçã ds futurs graduads em Turism n mercad prfissinal e garantir, simultaneamente, uma frmaçã indissciável entre ensin, a pesquisa e extensã e uma frmaçã humanista acrdadas cm a missã da Pntifícia Universidade Católica de Minas Gerais. É imprtante ressaltar que este prjet almeju acmpanhar as tendências nacinais e internacinais, as plíticas públicas definidas pel Ministéri d Turism, cnsiderand as prjeções para cenári turístic n Brasil em , s níveis de investiments ptenciais destinads as diverss segments, rams e atividades d setr turístic. Percebe-se entã que s nvs prfissinais de turism devem atuar ns próxims ans em um cenári de cresciment da atividade turística n país e de cnslidaçã d turism cm imprtante setr da ecnmia brasileira. Observa-se que históric da Graduaçã em Turism n Brasil apresentu certa falta de definiçã cnceitual e plítica clara sbre s diferentes níveis educacinais (técnic, tecnlógic e superir) e perfis prfissinais requerids pela atividade turística e pelas suas necessidades frmativas, que vem send agravad pela interlcuçã insuficiente entre Instituições de Ensin Superir (IES), Órgãs Públics e Órgãs Privads. Na atualidade, grande desafi d Curs de Turism cnsiste em fertar uma frmaçã multidisciplinar que se traduza em uma graduaçã capaz de permitir uma frmaçã multidisciplinar que cnsidere as implicações ambientais, sciais e culturais às lcalidades receptras, de um lad, a atendiment às demandas d mercad pr utr, levand-se em cnsideraçã a prduçã de cnheciments técnics e científics específics que embasam as referidas ações. É nesse sentid, cm a cnsciência da respnsabilidade Institucinal cm desenvlviment da sciedade brasileira, seguind as tendências bservadas a realidade, as perspectivas da atividade turística e evluçã ds curss de turism n Brasil, que PP d Curs de Turism da Pntifícia Universidade Católica de Minas Gerais, buscu refletir através da atual grade curricular e prpôs s ajustes descrits a seguir: - definiçã d perfil d curs tend cm marc referencial planejament turístic em sintnia cm a pesquisa e a investigaçã aplicada acadêmica e a extensã universitária, visand à abertura de nvas áreas d Turism mantida cm referencia à qualidade d curs, sua identidade e perspectivas para a Pós Graduaçã; - definiçã das linhas de pesquisa aplicada e de extensã representand mais d que desdbrament e especificaçã d Turism cm Ciência Scial Aplicada, mas, sbretud bjetiva a cnduçã, aprfundament e cnstruçã de um perfil d curs de Turism da PUCMINAS enfatizand s seguintes eixs nrteadres apresentads a seguir: a - TURISMO, SOCIEDADE E CULTURA; b - TURISMO E MEIO AMBIENTE; c - TURISMO, ECONOMIA E GESTÃO; d - TURISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS. É imprtante destacar ainda que a esclha das áreas e subáreas se justifica pel fat de que as tendências referentes a desenvlviment ds negócis reginais d turism têm exigid um ampl estud ds impacts ecnômics, rganizacinais e espaciais n mment em que a Plítica Nacinal de Turism tem privilegiad s aspects da reginalizaçã e das lcalidades. Prtant, acredita-se que através dessas subáreas, seja pssível envlver dcentes e discentes em diversas atividades de frmaçã e ações acadêmicas em temas relacinads a desenvlviment reginal, nacinal e em âmbit internacinal, a papel das instituições públicas e privadas d mercad de trabalh e a inserçã d turism. 2. Atividades Cmplementares As Atividades Cmplementares de Graduaçã referem-se às atividades, desenvlvidas pel alun e visam a cmplementaçã de sua frmaçã acadêmica. Sã atividades extracurriculares das quais s aluns d Curs de Turism venham a participar cm instrument de articulaçã entre a teria e a prática, além de pssibilitar mair flexibilizaçã curricular, na medida em que permite a cada alun, definir, cnfrme seus interesses, uma parte de sua frmaçã. É imprtante esclarecer que elas pdem ser realizadas a partir da data da primeira matrícula d alun n curs. Os aluns sã livres para esclher suas atividades cmplementares de graduaçã, bservand-se limite de hras para tdas as atividades específicas. A Crdenaçã das Atividades Cmplementares de graduaçã será exercida pr um prfessr que atuará na prpsiçã, implantaçã, mnitrament e avaliaçã das mesmas. Cabe ainda a esse prfessr apiar e rientar s aluns em suas esclhas das Atividades Cmplementares, sempre que necessári. A rientaçã nã se limitará a últim períd, quand s aluns deverã apresentar a cmprvaçã das 60 hras de atividades realizadas. O crdenadr das atividades cmplementares deverá também realizar uma pré-avaliaçã ds dcuments apresentads para cmprvaçã.

2 Ressalta-se que prfessr respnsável pela crdenaçã das atividades cmplementares terá hras semanais para desempenh desta funçã. A avaliaçã final sbre a equivalência das atividades cmplementares será realizada pel Clegiad de Crdenaçã Didática d Curs de Turism, uvid crdenadr das atividades cmplementares de graduaçã. Nã serã cnsideradas Atividades Cmplementares, para fim aqui previst as seguintes atividades: mngrafia; atividades prfissinais regulares e remuneradas; atividades que tenham sid realizadas em hrári nrmal de aulas nas quais alun esteja matriculad; as atividades realizadas antes d períd em que alun esteja efetivamente matriculad n curs de Turism. Cnsidera-se cm ACG: (a) participaçã em prjets de pesquisa, cm fment u vluntária, rientada pr prfessr d curs, desenvlvids em prgramas da PUC MINAS; b) publicações de artigs, em periódics científics u anais de cngresss, sbre temas de interesse da área; c) periódics científics u anais de cngresss, sbre temas de interesse da área; d) Atividades Práticas em funções cmpatíveis a exercíci da prfissã de Turismólg estágis nã-brigatóris; e) Participaçã em cngresss, cnferências, simpósis, semináris, mini-curss da área u áreas afins à Turism; f) Traduçã de texts da área para fins didátics u de publicaçã, desde que rientada pr prfessr d curs; g) Curss de extensã relacinads a Turism e participaçã em ficinas de turism fertadas pel curs de Turism; h) Trabalhs vluntáris realizads de acrd cm as diretrizes e planejament das atividades de extensã universitária d curs de Turism; i) Curss regulares de língua estrangeira, realizads em instituições habilitadas ficialmente u ferecids cm ficinas lingüísticas, n própri curs u na Universidade; j) Atividades de api as prfessres d curs em atividades relacinadas à frmaçã acadêmica e participaçã em grups de estud; k) Visitas técnicas e trabalhs de camp participaçã vluntária; l) Participaçã em atividades de nivelament.

3 3. Representaçã Gráfica de um perfil de frmaçã Organizaçã Curricular O quadr a seguir apresenta a nva matriz curricular d Curs de Turism da Pntifícia Universidade Católica de Minas Gerais. MATRIZ CURRICULAR PERIODIZADA Curs: TURISMO Mdalidade: (x) bacharelad ( ) licenciatura Lcal de funcinament: CORAÇÃO EUCARÍSTICO Prtcl E-mec: Tip: Renvaçã de Recnheciment 1º PERÍODO Intrduçã a Estud d Turism 64 Oficina d Pensar 64 Fundaments Gegráfics d Turism 64 História das Civilizações 64 Semináris de Integraçã 32 Oficina de Turism I - Gastrnmia 32 Infrmática Aplicada a Turism 64 SUB TOTAL DO PERÍODO 384 2º PERÍODO Fundaments d Turism 64 Estatística Labratóri 1 64 Ecnmia I 64 Filsfia I 64 Civilizações e Cultura d Brasil 64 Oficina de Turism II Agenciament - Labratóri 2 64 SUB TOTAL DO PERÍODO 384 3º PERÍODO Gegrafia Reginal d Brasil 64 Filsfia II 64 Fundaments da Administraçã 64 Metdlgia Quantitativa n Turism Labratóri 3 64 Metdlgia Qualitativa n Turism Labratóri 4 64 Prjet de Pesquisa em Turism 32 Oficinas de Turism III Htelaria 64 SUB TOTAL DO PERÍODO 416

4 4º PERÍODO Planejament Turístic 64 Transprte e Terminais Turístics 64 Ecnmia II Macrecnmia e Turism 64 Gestã de Empreendiments Turístics 64 Cultura Religisa I 64 Pesquisa de Camp em Turism 32 Oficinas de Turism IV Events 64 SUB TOTAL DO PERÍODO 416 5º PERÍODO Plíticas Públicas em Turism 64 Sistemas de Infrmações Turísticas Labratóri 5 64 Cmunicaçã e Turism 64 Direit Aplicad a Turism 64 Scilgia d Lazer e d Turism 64 Prjet de Intervençã em Turism 32 Antrplgia Cultural 64 SUB TOTAL DO PERÍODO 416 6º PERÍODO Planejament Urban Aplicad a Turism 64 Turism, Arte e Patrimôni 64 Mei Ambiente e Turism 64 Cultura Religisa II 32 Marketing Turístic 64 Oficinas de Turism V Lazer e entreteniment 64 Trabalh de Cnclusã de Curs TCC I 52 SUB TOTAL DO PERÍODO 404 7º PERÍODO Frmataçã de Prduts e Rteirs Turístics 64 Prjets e Negócis Turístics 69 Gestã Ambiental Aplicada a Turism 70 Planejament Interpretativ 70 Optativa I 32 Optativa II 32 Atividades Cmplementares 72 Trabalh de Cnclusã de Curs TCC II 52 SUB TOTAL DO PERÍODO 461 HORAS/AULA TOTAL DO CURSO: TOTAL DO CURSO (60 MINUTOS): OBSERVAÇÃO: Dentre as disciplinas ptativas fertadas está a disciplina LIBRAS - Intrduçã as Cnheciments Básics da Língua Brasileira de Sinais cm 68 hras. O alun que ptar pr cursar a disciplina LIBRAS - Intrduçã as Cnheciments Básics da Língua Brasileira de Sinais cm 68 hras, fica dispensad de cursar a disciplina Optativa I: Tópics em Turism I cm 32 hras e a disciplina Optativa II: Tópics em Turism II cm 32 hras.

5 4. Perfil d Egress O Curs de Turism deverá frmar um prfissinal apt a atuar em um mercad cmpetitiv e em cnstante transfrmaçã, cujas pões pssuem um impact prfund na vida scial, ecnômica e n mei ambiente das sciedades nde sã desenvlvidas. Além diss, pr suas próprias características, a atividade prfissinal d Bacharel em Turism exige uma frmaçã, a mesm temp generalista n sentid tant de cnheciments específics cm de uma ampla visã de mund e cnheciments de áreas afins e particularizadas especialmente cm cnheciments prfissinais de interesse d turism e desenvlviment reginal. É imprtante elucidar que perfil d egress fi perfilad a partir d eix estruturadr Planejament e Desenvlviment Reginal - entendid cm uma linha de rientaçã unificada d nv Prjet Pedagógic d Curs, nã se caracterizu enquant uma ênfase d curs, mas perpassa a frmaçã acadêmica básica e especifica a ser recebida pel egress, cnsideradas as nvas tendências de mercad, as plíticas públicas e a direçã acadêmica d ensin em Turism em âmbit nacinal. Almejand gerar riquezas ecnômicas, prmver a cnservaçã e valrizaçã ds patrimônis naturais e culturais e a qualidade de vida das ppulações receptras e d própri turista. Espera-se também que egress d Curs de Turism, a partir da definiçã d curs e da rganizaçã curricular, esteja apt a desenvlviment de atividades de pesquisa, de extensã e de ACG s e atividades cmplementares vinculadas às áreas temáticas prpstas, tenha cndições de participar de grups de rientaçã, da elabraçã de prjets de pesquisa e de extensã universitária e de desenvlver atividades que cmplementem a frmaçã universitária, inclusive, cursand disciplinas cm caráter de tópics multidisciplinares, fertadas pel Curs de Turism u em áreas afins na Universidade. Dentr d eix estruturadr da frmaçã sã prpstas as seguintes áreas temáticas: Área 1: Espaç, Sciedade e Cultura; Área 2: Trabalh, Renda, Tecnlgia e Gestã. Permeand as duas áreas temáticas, a frmaçã d egress d curs de Turism está ancrada n desenvlviment de cmpetências básicas ns aspects antrplógics e scilógics d Turism, valrizand-se Hmem enquant indivídu e assegurand a prmçã ds princípis humanistas, em cnsnância cm a cmpetência e vcaçã da PUC Minas. Cm a implantaçã destas linhas temáticas almeja - se, pr um lad, valrizar a geraçã de saberes plurais referentes a trat cm a memória e a cultura. Tem ainda pr finalidade a difusã de nvas abrdagens teóric-metdlógicas na relaçã cm dcumentações escritas e audivisuais: transmissã e história ral, trabalhs cm imagens (ftgrafia, víde, cinema, icngrafia várias). Nesta perspectiva, espera-se d prfissinal d turism uma ampla cmpreensã das sciedades cntemprâneas nas suas nvas frmas de rganizaçã e aprpriaçã d temp e d espaç n mund glbalizad e também das peculiaridades da sciedade e da cultura brasileiras na elabraçã de estratégias de planejament turístic. A expectativa é que egress d curs reflita sbre as interfaces d turism cm a sciedade, n sentid de cntemplar a pesquisa-açã, n atendiment das várias frmas de lazer e cultura nas cidades e n camp. Ressalte-se ainda a elabraçã de atendiment a lazer e a extensã junt às cmunidades scialmente excluídas. Acredita-se que esse trabalh pderia ser uma frma de respstas as prpósits d desenvlviment reginal. Pr utr, permitir que egress pssa se envlver em estuds, pesquisas e extensã afeits à temática d trabalh, renda, tecnlgia e gestã d setr turístic, privilegiand a análise ds elements rganizacinais das empresas, práticas gerenciais, suas ações de marketing, bem cm as estratégias de negócis e estuds de cenáris ecnômics, d mercad reginal e nacinal e da gestã turística que pssam estimular e elevar desempenh d setr e ds empreendiments turístics. Destacand ainda a integraçã e as relações institucinais cm as rganizações públicas e privadas n entrn reginal e nacinal, desenvlvend açã cnjunta, slidária e humanista cnfrme a missã da PUC Minas. Essa área temática bjetiva ainda que egress tenha cnheciment da estrutura de mercad e de negócis turístics, destacand as influências macrecnômicas e micrecnômicas, cnsideradas a abrangência tant lcal quant reginal, nacinal e glbal. Além diss, curs permite que egress participe de semináris, visitas técnicas e de atividades cmplementares cm prpósit de cntribuir cm a frmaçã em temas relacinads a setr e às atividades d turism. Enfim, perfil d egress que se deseja garantir a graduand n final d curs está relacinad a: - Integraçã de valres de respnsabilidade scial, justiça e ética prfissinal; - Frmaçã humanística e visã glbal que habilite a cmpreender mei scial em seus aspects, plític, ecnômic e cultural nde está inserid e a tmar decisões em um mund diversificad e interdependente; - Frmaçã técnica e científica para atuar n planejament e desenvlviment e na gestã de empresas turísticas, além de desenvlver atividades especificas da prática prfissinal em cnsnância cm as demandas mundiais, nacinais e reginais; - Cmpetência para empreender, analisand criticamente as rganizações em seus aspects de gestã; - Cmpetência para analisar a plítica de frmaçã de empreendedres n Brasil; - Cmpetência para cmpreensã da necessidade d cntínu aperfeiçament prfissinal e desenvlviment da autcnfiança; Capacidade para a resluçã de prblemas macr e micr pertinentes à prestaçã de serviçs turístics; Capacidade para planejar, rganizar, implantar e gerir prgramas de desenvlviment turístic de destinações e empreendiments turístics e de atuaçã ns diverss setres d mercad turístic e demais áreas cncernentes à prfissã; Cmpetência para implantar resluções alternativas e invadras, bem cm capacidade crítica, reflexiva e criativas; Interesse e estímul para desenvlviment na área de dcência e pesquisa.

6 5. Frma de acess as curss O ingress ns curss da Universidade é realizad mediante prcess seletiv, realizad pel sistema de prvas u pela média btida n Exame nacinal d Ensin Médi (ENEM), u pr aprveitament de estuds. Pr prcess seletiv entende-se a admissã as curss de graduaçã e seqüenciais, abert a candidats que hajam cncluíd ensin médi u equivalente, ns terms d dispst na legislaçã aplicável, n Estatut da Universidade e n Regiment Geral, e cnfrme as nrmas e critéris regulamentads pel Cnselh de Ensin, Pesquisa e Extensã. Pr aprveitament de estuds entende-se a admissã pr mei de: transferência de alun de utra instituiçã de ensin superir: A Universidade pderá aceitar transferência de alun prcedente de curss idêntics u afins as seus, mantids pr instituições nacinais de ensin devidamente autrizadas u recnhecidas ns terms da legislaçã vigente, u pr instituições idôneas de países estrangeirs; ingress de prtadres de diplma de curs superir que desejam bter nv títul: Pderá ser aceita a matrícula de prtadres de diplma de curs superir devidamente registrad para btençã de nv títul; cmplementaçã de estud, para btençã de nva habilitaçã, em um mesm curs de graduaçã: O diplmad que desejar a btençã de nva habilitaçã u ênfase n mesm curs em que se graduu, pderá requerer matrícula para cmplementaçã de estuds, verificada a existência e a ferta de vagas, definidas pel Clegiad de Crdenaçã Didática d Curs; ingress de aluns estrangeirs, mediante cnvêni cultural d Brasil cm utrs países e demais cnvênis acas assinads pela PUC Minas; ingress de ex-aluns que abandnaram curs u cancelaram sua matrícula, ns terms d Regiment Geral; repçã: Pderá requerer repçã alun que esteja regularmente matriculad na Universidade n semestre letiv em que slicitar a repçã, e que pretenda transferir-se para curs da mesma área daquele em que se acha matriculad; transferência interna: Pderá requerer transferência interna alun que esteja regularmente matriculad na Universidade n semestre em que slicitar a transferência e que pretenda transferir-se para curs de área diversa d seu. O detalhament das frmas de ingress e critéris específics para a admissã na Universidade integra as Nrmas Acadêmicas d Ensin de Graduaçã e ds curss Seqüenciais da PUC Minas, dcument aprvad pela Resluçã nº 15/1989, de 22 de janeir de 1989, e alterad pela Resluçã nº. 23/2004, de 13 de dezembr de 2004, e pela Resluçã nº. 12/2005, de 02 de dezembr de 2005 em reuniões d Cnselh de Ensin, Pesquisa e Extensã. As vagas para prcess seletiv em ferta para cada curs, turn, habilitaçã e lcal sã estabelecidas em edital, publicad pela Secretaria Geral da Universidade e nrmatizadas pela Pró-Reitria de Graduaçã e pela Cmissã Permanente d Vestibular, após levantament feit pel órgã respnsável pel registr acadêmic e Secretarias de Unidades. A efetivaçã da matrícula é feita de acrd cm a definiçã de currícul estabelecida pel Clegiad de Crdenaçã Didática d Curs, respeitada a dispnibilidade de vagas nas disciplinas, após a matrícula ds aluns regulares. 6. Sistema de avaliaçã d prjet pedagógic d curs As atividades de acmpanhament e avaliaçã deste prjet pedagógic permitem validar s bjetivs, s métds e as ações de ensin, pesquisa e extensã que estruturam, abrind um hriznte para seu aperfeiçament cntínu. Pdem-se dividir estas ações em dis principais eixs, s instruments interns e externs de avaliaçã. Os instruments interns sã aqueles realizads pel própri curs e pela PUC Minas, u seja, pr avaliadres interns. Sã eles PROPAV, as reuniões de planejament e avaliaçã cm crp dcente, as reuniões cm crp discente, a pesquisa de egresss, as avaliações intermultidisciplinares e a pesquisa de perfil mercadlógic junt a trade turístic. Os instruments externs sã aqueles realizads pr um avaliadr extern, em especial pel INEP/MEC. Sã eles a avaliaçã institucinal, a avaliaçã de curs e Exame Nacinal d Ensin Superir ENADE. O curs de Turism é avaliad, peridicamente, pela instituiçã, através d PROPAV. Seus resultads sã, num primeir mment, repassads as prfessres, aluns e funcináris para cnheciment e avaliaçã. Em seguida, discute-se cnjuntamente, através de reuniões, estes resultads, identificand-se prblemas e prtunidades e, entã, discutind-se ações de aperfeiçament, de frma cletiva.

7 As reuniões cm crp dcente crrem n iníci e n encerrament d semestre, em especial na semana de planejament, quand se avaliam s resultads btids n semestre e se planejam as ações futuras. Estas reuniões pdem também crrer durante semestre, quand clegiad de curs perceber ser aprpriad. As reuniões cm crp discente sã realizadas, mês a mês, n chamad Fórum de Representantes Discentes. Cada turma elege uma representaçã discente que participa de reuniã cm a crdenaçã, quand curs cnhece as expectativas d alun, identificand-se pnts psitivs e negativs. Além diss, representante discente pde encntrar-se diretamente cm a crdenaçã, trazend demandas e impressões. A representaçã discente n clegiad de curs é também um mecanism imprtante para trazer a visã d alun para a identificaçã, avaliaçã e definiçã de ações de aperfeiçament d curs de Turism. O representante discente n clegiad capta as percepções ds seus pares através de reuniões deste cm s representantes e também diretamente nas salas de aula. Outr mecanism imprtante neste prcess é a realizaçã de reuniões da crdenaçã d curs de Turism cm Diretóri Acadêmic de Turism, assim cm cm s representantes da Empresa Júnir de Turism, quand estes também cntribuem para acmpanhament e a avaliaçã ds resultads, sugerind sluções. O curs de Turism pssui um cadastr de aluns egresss as quais encaminha pesquisa de egresss que visa, principalmente, perceber a cmpreensã d alun sbre a graduaçã e sua inserçã n mercad de trabalh, visand prmver intercâmbi de prtunidades entre curs e mund deste egress. Além de ampliar a pssibilidade de ajustes n curs, através da manutençã da relaçã cm egress d curs de turism, estabelecend um prcess dinâmic entre a graduaçã em turism e as tendências de mercad e d setr turístic. Cmplementarmente, egresss frmam hje Grup de Turismólgs que participam também ds destins d curs, prmvend atividades entre si e cm s atuais aluns, e trazend à crdenaçã suas impressões e sugestões. Dentr d cntext de avaliaçã interna, clegiad de curs indicará também um grup de prfessres para cnceber instruments de avaliaçã intermultidisciplinares que pderã crrer anualmente u semestralmente, avaliand-se nível de aprendizagem d alun. Este mesm grup ficará respnsável pr elabrar, peridicamente, pesquisas mercadlógicas junt a trade turístic, bjetivand identificar sua impressã sbre curs, assim cm captar sua percepçã d perfil prfissinal esperad pel mercad. N âmbit extern, curs de Turism cnta cm as avaliações d INEP/MEC, através da Avaliaçã de Curs, realizada em 2005, d ENADE, realizad em 2006, e da Avaliaçã Institucinal, a ser realizada em Estas avaliações cntribuirã para a cnstruçã de séries históricas de dads e infrmações, essenciais para prcess cntínu de aperfeiçament d curs. Estes resultads sã repassads à cmunidade d curs de Turism e, psterirmente, sã discutids, definind-se ações de aperfeiçament. Cm exempl deste prcediment, cita-se encaminhament as prfessres da prva d ENADE/2006 e a slicitaçã de avaliaçã da pertinência da elabraçã das questões, da adequaçã ds temas tratads e, principalmente, da prximidade d que é ensinad n curs daquil que fi slicitad na avaliaçã. Estas impressões fram avaliadas e discutidas, cnclusivamente, pel clegiad e pr um grup de prfessres. Outrs instruments de avaliaçã externa pderã vir a cntribuir para acmpanhament e avaliaçã d curs de Turism, após decisã d clegiad de curs u também pr rientaçã institucinal. 7. Sistema de avaliaçã d prcess de ensin e aprendizagem A Resluçã N. 13, de 24 de nvembr de 2006, d Cnselh Nacinal de Educaçã, que institui as Diretrizes Curriculares Nacinais d Curs de Graduaçã em Turism, cita, cm cnteúd estruturante d prjet pedagógic ds curss de Turism, n seu Art. 2º., 1º., incis VI, as frmas de avaliaçã d ensin e da aprendizagem. A mesma Resluçã, n seu Art. 2º., mencina ainda sistema de avaliaçã cm parte integrante d prjet pedagógic. A principal diretriz da avaliaçã n curs de Turism é a aplicaçã da avaliaçã prcessual, acmpanhand e adequand as avaliações cnfrme desempenh d grup de aluns a lng de semestre letiv, dentr ds parâmetrs indicads nas nrmas acadêmicas da PUC Minas. Segund as nrmas acadêmicas em vigr na PUC Minas, n seu item 9, a avaliaçã d desempenh acadêmic fica assim estabelecid: 9. DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR 9.1. A avaliaçã d desempenh esclar será feita pr disciplina, abrangend s aspects de assiduidade e aprveitament, ambs eliminatóris pr si mesms.

8 9.2. Entender-se-á pr assiduidade a freqüência às atividades crrespndentes a cada disciplina, ficand nele reprvad alun que nã btiver, n mínim, a freqüência de 75% da carga hrária executada da disciplina Entender-se-á pr aprveitament desempenh d alun nas atividades desenvlvidas em cada disciplina A avaliaçã d desempenh esclar ns curss de graduaçã terá pr base sistema de ntas em valres numérics, numa escala de 0 (zer) a 100 (cem) pnts aprveitament esclar será representad pr uma Nta de Aprveitament (NA), resultante das smas das ntas btidas pel alun nas atividades de avaliaçã esclares Pr atividade de avaliaçã esclar entende-se a realizaçã de prvas, testes, pesquisas, práticas de labratóri e utras cngêneres O númer de atividades de avaliaçã esclares a serem realizadas em cada disciplina e seus valres, expresss em númers, e perfazend um ttal de 100 (cem) pnts, será estabelecid pel prfessr da disciplina, em cnfrmidade cm prjet pedagógic d curs, e aprvad pel Clegiad de Crdenaçã Didática d Curs O alun que alcançar 60 (sessenta) pnts nas atividades de avaliaçã esclares e freqüência de pel mens 75% da carga hrária executada da disciplina estará aprvad A reavaliaçã ds aluns cm baix rendiment será definida pel prfessr, em seu plan de ensin, em cnsnância cm prjet pedagógic, mediante aprvaçã d Clegiad de Crdenaçã Didática d Curs Os pedids de revisã de avaliaçã escrita u recntagem de pnts deverã ser apresentads à Secretaria d Curs a que pertence alun, até 02 (dis) dias após a divulgaçã da nta Quand huver err material n lançament de ntas u freqüência, alun pderá requerer a retificaçã na Secretaria d Curs O requeriment de retificaçã será encaminhad a prfessr para exame Se pedid tiver prcedência, prfessr deverá, pessalmente, retificar a nta e/u freqüência, cnfrme prcediments definids pel órgã de registrs acadêmics N cas de desatendiment d pedid, requerente pderá recrrer da decisã para Clegiad de Crdenaçã Didática d Curs, n praz de 48 (quarenta e it) hras (PUC Minas, 2006). O Clegiad de Crdenaçã Didátic-Pedagógica d Curs de Turism estabelece, cmplementarmente às nrmas acadêmicas da PUC Minas e cnsiderand s preceits de avaliaçã prcessual, as seguintes diretrizes para a avaliaçã d prcess de ensin n curs de Turism: A avaliaçã da aprendizagem deverá ser feita, cnfrme estabelecem as nrmas acadêmicas em vigr na PUC Minas, perfazend um ttal de 100 (cem) pnts, assim distribuíds, durante períd letiv: 70 (setenta) pnts na frma de prvas e/u trabalhs esclares, cnfrme dispuser prfessr respnsável pela disciplina, sempre em cnsnância cm prjet pedagógic d curs de Turism; e 30 (trinta) pnts na frma de uma avaliaçã final, abrangend cnteúd temátic a ser definid pel prfessr respnsável pela disciplina. Estabelece-se uma re-avaliaçã de desempenh acadêmic d discente, de caráter substitutiv, valend 30 (trinta) pnts, abrangend cnteúd temátic e em data a serem definids pel prfessr respnsável pela disciplina, pdend a re-avaliaçã crrer em qualquer mment d semestre letiv. Estabelece-se ainda a brigatriedade da distribuiçã de, n mínim, 40 (quarenta) pnts d ttal de 100 (cem) pnts definids acima, até a metade d semestre letiv, cm a devida divulgaçã ds resultads destas avaliações dentr deste períd definid. 8. Atividades de Cnclusã de Curs O prjet pedagógic d Curs de Turism da PUC Minas inclui as disciplinas de Trabalh de Cnclusã de Curs TCC I e II, respectivamente, fertadas ns 6. e 7. períds que têm cm bjetiv iniciar alun na prática da pesquisa e da extensã em turism. Os trabalhs desenvlvids nestas disciplinas pssuem um caráter mais teóric u prátic, cnfigurand-se, respectivamente em mngrafias u prjets de intervençã em turism.

9 Finalizand seus estuds de TCC, s aluns deverã submeter seus trabalhs de cnclusã d curs para uma banca frmada pel prfessr rientadr e um u dis prfessres da própria instituiçã u extern a ela, de preferência send um deles representante da instituiçã e utr d trade turístic bjet de estud d grup de aluns, se fr cas. Esta defesa deverá ser cntabilizada cm requisit parcial para a aprvaçã na disciplina de TCC II. Para a disciplina de TCC I, nã será necessári cnstituiçã de banca examinadra. Os trabalhs de cnclusã d curs estã prevists na Resluçã Nº 13, de 24 de nvembr de 2006, da Câmara de Educaçã Superir d Cnselh Nacinal de Educaçã. 9. Estági Curricular O estági será fertad em duas mdalidades: um de natureza brigatória, estági supervisinad que integra a grade curricular, e utr estági nã-brigatóri, pcinal, inserid na estrutura d Observatóri de Turism e Hspitalidade. Este esfrç representa um cmpnente d prcess de aprendizagem, articuladr entre teria e prática e um el entre a Universidade e as rganizações d mund d trabalh. O Estági Curricular Supervisinad, cnfrme determinaçã da Resluçã Nº 13, de 24 de nvembr de 2006, da Câmara de Educaçã Superir d Cnselh Nacinal de Educaçã, está incluíd na Organizaçã Curricular da prpsta cntida neste dcument, através das disciplinas: Semináris de Integraçã (Estági I), Prjet de Pesquisa em Turism, Pesquisa de Camp em Turism e Prjet de Intervençã em Turism. A idéia é que a cnstruçã d cnheciment realizada nestas disciplinas pssa se articular e desembcar ns Trabalhs de Cnclusã d Curs TCC I e II. Para a crdenaçã d estági curricular supervisinad e das atividades relacinadas às disciplinas que cmpõem, citadas acima, será indicad, pel clegiad de curs de Turism, um prfessr crdenadr. Adicinalmente, clegiad de curs de Turism pderá também indicar um u mais prfessres para planejament, desenvlviment e a avaliaçã das atividades d estági supervisinad.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular ANO ANO Missã d Curs É missã d Curs de Arquitetura e Urbanism da UFC frmar prfissinais capacitads a pesquisar, cnceber e cnstruir, cm visã crítica da realidade sci-ecnômica e cnheciment aprfundad d cntext

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2007 De 8 de novembro de 2007 Reedita as Normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação, revogando a

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2007 De 8 de novembro de 2007 Reedita as Normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação, revogando a RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N 01/2007 De 8 de nvembr de 2007 Reedita as Nrmas para Recnheciment de Títuls de Pós-Graduaçã, revgand a Resluçã Cmplementar n 02/93, de 25 de junh de 1993. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema Plan de Desenvlviment Ecnômic Reginal e Lcal ds Municípis d Pntal d Paranapanema 1ª Etapa Diagnóstic Ecnômic e Definiçã de Cenáris Apresentaçã as municípis 20/08/2014 Cnvêni: Elabraçã: Plan de Desenvlviment

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O Prgrama Ciência sem Frnteiras, lançad n dia 26 de julh de 2011, é um prgrama d Gvern Federal que busca prmver a cnslidaçã, a expansã e a internacinalizaçã

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP

REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP I - AJUDA DE CUSTO A ALUNOS DE DOUTORADO DA CAP, PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS INTERNACIONAIS FORA DO PAÍS Eligibilidade Aluns de dutrad da CAP que preencham,

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 010/ DE 11 DE JUNHO DE VESTIBULAR /02 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505, Telefne:

Leia mais

Centro de Referência: Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Centro de Referência: Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centr de Referência: Universidade Federal d Ri Grande d Nrte Edital para Seleçã de Preceptres de internat, estágis e residência em saúde. EDITAL 01/2015 A Universidade Federal d Ri Grande d Nrte, pr mei

Leia mais

PÓS-DOUTORADO EM PSICOLOGIA

PÓS-DOUTORADO EM PSICOLOGIA PÓS-DOUTORADO EM PSICOLOGIA INSCRIÇÕES: 2015 UNIVERSIDADE COMPROMETIDA COM A QUALIDADE: UK - Universidad Argentina Jhn F. Kennedy Prestígi, Experiência e Alt Nível Acadêmic. Validade Nacinal Autrizada

Leia mais

EDITAL Nº 01/NIC/ 2014

EDITAL Nº 01/NIC/ 2014 Núcle de Intercâmbi e Cperaçã Institucinal EDITAL Nº 01/NIC/ 2014 Seleçã de acadêmics para Intercâmbi n primeir semestre de 2015 d Prgrama de Blsas Iber-Americanas Santander Universidades 2014 A Universidade

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 027/ DE 19 DE NOVEMBRO DE VESTIBULAR 16/01 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana de Parnaíba Cmpnente Curricular: Cntabilidade Cmercial Eix Tecnlógic: Gestã e Negócis Módul: II C.

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS AUXILIAR DE SECRETARIA Organizar e manter atualizad serviç de escrituraçã esclar. Redigir fícis, expsições de mtivs, atas, declarações, certidões de cntagem

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO)

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) O relatóri de Estági Supervisinad (ESO) deverá ser elabrad pel alun matriculad n 10º semestre, em cmum acrd cm seu rientadr,

Leia mais

RELATÓRIO E VOTO FUNDAMENTADA

RELATÓRIO E VOTO FUNDAMENTADA Órgã Plenári Prcess nº 104.061/2.013 Assunt Recadastrament da Instituiçã de Ensin e d Curs de Engenharia de Cntrle e Autmaçã Interessad IFG Institut Federal de Ciência e Tecnlgia de Giás - Giânia-G Lcal

Leia mais

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º).

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º). VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteraçã n crngrama (Art. 6º e Art. 12º). APRESENTAÇÃO Idealizad e instituíd pela Assciaçã Nacinal de Entidades Prmtras de Empreendiments Invadres (Anprtec), em parceria

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL PARA O SEGUNDO PERÍODO LETIVO DE 2014. 1. PREÂMBULO 1.1. O Crdenadr d Prgrama de

Leia mais

LETRAMENTOS ACADÊMICOS

LETRAMENTOS ACADÊMICOS 110. CONEX Apresentaçã Oral Resum Expandid ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das pções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM As Práticas Educativas serã realizadas em hráris pré-determinads n períd diurn para aluns regularmente

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 7/2015 DE 27 DE ABRIL DE 2015 VESTIBULAR 2015/02 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE Referência: CPA-077-2008 Versã: 1.0 Status: Ativ Data: 09/julh/2008 Natureza: Abert Númer de páginas: 13 Origem: GCMIG e GEOPI Revisad pr: GCMIG Aprvad pr: GCMIG Títul: Prpsta de critéris e prcediments

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seçã 1. Pág. 20 Cmpnente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Códig: ENF-219 Pré-requisit: Nenhum

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

o outros não configurados nos três casos específicos.

o outros não configurados nos três casos específicos. Bem vind a UFMS! O bjetiv desse guia* é apresentar de frma sucinta s principais terms que estã diretamente relacinads à sua vida universitária para que vcê tenha mair cnsciência de seus direits e ds benefícis

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 005/2014 DE 07 DE ABRIL DE 2014 PROCESSO SELETIVO O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP.: 64.073-505,

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA TERAPIA MANUAL DESPORTIVA 14, 15 e 16 de Nvembr de 2014 - LISBOA Resum A Terapia Manual é indiscutivelmente uma área incntrnável na intervençã d fisiterapeuta. N entant, este é um cnceit lat, cm diversas

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 410, DE 2 DE AGOSTO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 410, DE 2 DE AGOSTO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 410, DE 2 DE AGOSTO DE 2012 Regulamenta s curss especializads brigatóris destinads a prfissinais em transprte de passageirs (mttaxista) e em entrega de mercadrias (mtfretista) que exerçam

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais