Módulo III Noções de Economia e Finanças

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo III Noções de Economia e Finanças"

Transcrição

1 Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 Módulo III Copyright BMI Brazilian Management Institute 1

2 Índice 10% a 15% da prova Indicadores econômicos PIB Índices de Inflação: IPCA / IGPM Taxa de Câmbio Taxa Selic meta Taxa Selic over Taxa DI TR - Taxa Referencial COPOM: finalidade e atribuições Avalie seu Conhecimento em Economia Taxa de juros nominal e Taxa de juros real Capitalização simples versus capitalização composta Taxa de juros equivalente e taxa de juros proporcional Índice de referência (benchmark): conceito e finalidade Marcação a Mercado como valor presente de uma carteira: precificação e volatilidade impacto de prazos e taxas 2.6 Prazo médio ponderado de uma carteira e os riscos associados Volatilidade: conceito Mercado Primário e Mercado Secundário: conceito, finalidade e relevância para o investidor 2.9 Avalie Seu Conhecimento em Finanças Resumo Copyright BMI Brazilian Management Institute 2

3 Aplicabilidade dos conceitos no dia-a-dia Você é responsável por prestar aconselhamento aos clientes que buscam orientação em relação às decisões de investimento. Para prestar essa orientação de forma profissional e competente é necessário que você detenha, dentre outros, conhecimento básico de Economia e Finanças. Noções de Economia vai ajudar você a entender melhor quais são as relações de causa e efeito que certas políticas provocam sobre as principais variáveis econômicas: taxa de juros, taxa de câmbio e índice de ações. O desempenho dos produtos de investimentos que você comercializa recebe o impacto positivo ou negativo dessas variáveis econômicas e, o entendimento dessas relações, permitirá que você consiga orientar seu cliente de forma adequada e profissional. Vai conhecer os principais indicadores financeiros do mercado comumente utilizados pelos meios de comunicação e cujo entendimento contribuirá para fortalecer seu discurso de vendas de produtos de investimento. Os Fundamentos de Finanças vão auxiliar você a entender como são mensurados os preços e as taxas dos produtos de investimento. Copyright BMI Brazilian Management Institute 3

4 1. Noções de Economia 1.1 Indicadores Econômicos Definição: são um conjunto de dados estatísticos, passíveis de mudanças e oscilações, capazes de dar uma idéia do estado de uma economia em determinado período ou data. Em geral, fornecem dados sobre produção, comercialização e investimentos em um país. Dentre os Indicadores Econômicos mais relevantes estão os referentes ao nível de emprego, índice de preços, distribuição de renda e crescimento da economia. Vamos conhecer um dos indicadores mais famosos da economia: o PIB! PIB - Produto Interno Bruto É o conjunto da produção final de bens e serviços realizada em território nacional, independente da nacionalidade dos agentes econômicos, num determinado período de tempo, normalmente, 1 ano. Algumas regras para cálculo do PIB: O valor dos bens intermediários não é computado no cálculo do PIB, visto que está incluído dentro do valor dos bens finais. Com o objetivo de computar o valor dos bens e serviços finais, soma-se somente o valor adicionado ou agregado em cada etapa de produção a preços de mercado. Tome por exemplo a fabricação de um carro: em relação à montadora de veículos será considerado apenas o que ela adicionou para sua fabricação, caso contrário o aço e os pneus, por exemplo, seriam considerados duas vezes para efeito de PIB. O PIB: Produção total de bens e serviços de um país durante o ano, em território nacional, independente da nacionalidade dos agentes econômicos; Considera o valor agregado na etapa de produção do bem. Sob a ótica das despesas, os componentes do PIB são: C é o consumo privado I é o total de investimentos realizados G representa gastos governamentais X é o volume de exportações M é o volume de importações PIB = C + I + G + X - M Copyright BMI Brazilian Management Institute 4

5 Consumo: refere-se a todos os bens e serviços comprados pelas famílias e divide-se em três subcategorias: bens não-duráveis, bens duráveis e serviços. Investimento: consiste nos bens adquiridos para uso futuro. Essa categoria divide-se em duas subcategorias: investimento fixo das empresas (formação bruta de capital fixo) e variação de estoques. Despesa do Governo: são os bens ou serviços adquiridos pelos governo federal, estadual ou municipal. Exemplos: estradas, hospitais, escolas, etc. Exportações: refere-se ao volume de produtos, bens e serviços vendidos ao exterior. Importações: refere-se ao volume de produtos, bens e serviços comprados do exterior. Componentes do PIB: Consumo + Investimento + Gastos do Governo + Exportações Importações Índices de Preços (medem a inflação) A inflação é a taxa média de variação dos preços de bens e serviços, em um período de tempo, em uma determinada economia (ou em determinado país). Os índices de preços mostram o comportamento da variação dos preços de uma cesta de bens e de serviços. O preço de referida cesta varia ao longo do tempo e demonstra que, em determinados momentos, o nosso poder de compra aumenta e que em outros momentos o nosso poder de compra diminui ou permanece inalterado. Dois índices serão explicados a seguir: IPCA que é um índice que mede a inflação na ponta do consumidor (varejo), IGP-M que é um índice geral de preços, composto da variação tanto de preços no atacado como na ponta do consumidor (ou varejo). IPCA Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo O IPCA é calculado pelo IBGE e reflete a variação dos produtos e serviços consumidos pelas famílias com rendas de 1 a 40 salários mínimos. O período de coleta do IPCA estende-se do dia 01 a 30 do mês de referência. Periodicidade mensal. O IPCA é um índice utilizado pelo Banco Central do Brasil, mais precisamente seu colegiado de diretores, conhecido como COPOM - Comitê de Política Monetária, para o acompanhamento dos objetivos estabelecidos no sistema de metas de inflação, adotado a partir de julho de 1999, para o balizamento da política monetária. Meta de Inflação: O Conselho Monetário Nacional estabelece a meta de inflação. O Banco Central cumpre a meta. O IPCA mede a inflação para verificar o cumprimento da meta. Copyright BMI Brazilian Management Institute 5

6 IGP-M Índice Geral de Preços de Mercado O IGP-M é o índice de inflação calculado mensalmente pela FGV - Fundação Getulio Vargas e é composto pela média ponderada de 3 outros índices, a saber: Composição do IGP-M Peso % IPA Índice de Preços por Atacado 60% IPC Índice de Preços ao Consumidor 30% INCC Índice Nacional de Custos da Construção 10% Período de coleta: de 21 a 20 de cada mês. Divulgação: final do mês de referência Taxa de Câmbio A taxa de câmbio índica a equivalência de uma moeda em relação a outra. Como cada país tem sua própria moeda, é necessário estabelecer o valor da moeda de um país em relação à moeda do outro. A política cambial atual no Brasil é de taxa de câmbio livre sendo sua cotação determinada pelo mercado em função de oferta e demanda da moeda estrangeira. Cotação do dólar norte-americano, por exemplo: R$2,10. Significa que são necessários R$2,10 para comprar 1 dólar. Se a taxa de câmbio sobe para R$2,20, significa que são necessários mais Reais para comprar o mesmo dólar = Real desvalorizou. Se a taxa de câmbio cai para R$2,00, significa que são necessários menos Reais para comprar o mesmo dólar = Real valorizou. PTAX É a informação oficial sobre a cotação das moedas estrangeiras no Brasil, fornecida pelo Banco Central do Brasil. É definida pela média das negociações no decorrer do dia, para liquidação em dois dias úteis. Real valorizado Real desvalorizado Preciso de menos Reais para comprar US$1 Está barato comprar dólares Preciso de mais Reais para comprar US$1 Está caro comprar dólares Favorece importação Favorece exportação Copyright BMI Brazilian Management Institute 6

7 1.1.4 Taxa Selic Meta Divulgada pelo COPOM - Comitê de Política Monetária, é expressa na forma anual para 252 dias úteis e representa o nível de taxa de juros que o governo considera adequada para atingir a meta de inflação definida pelo Conselho Monetário Nacional Taxa Selic Over Calculada e divulgada diariamente pela Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia), representa a taxa média das operações de financiamento por um dia, lastreadas em títulos públicos federais na forma de operações compromissadas. Expressa na forma anual, base de 252 dias úteis, é a taxa efetivamente praticada no mercado interfinanceiro Taxa DI CETIP A taxa média das operações realizadas no mercado interfinanceiro pelo prazo de 1 dia, com lastro em CDI Certificado de Depósito Interfinanceiro. A taxa é expressa ao ano, base de 252 dias úteis e é calculada e divulgada diariamente pela CETIP, câmara de custódia e liquidação onde são registradas e liquidadas as operações. Taxa das operações do mercado interfinanceiro relativas a operações de 1 dia (operações compromissadas): Taxa Selic lastro em títulos públicos federais Taxa DI lastro em CDI Operações Compromissadas São operações de venda de títulos com compromisso de recompra assumido pelo vendedor, concomitante com compromisso de revenda assumido pelo comprador, para liquidação no dia útil seguinte TR Taxa Referencial É calculada diariamente pelo Banco Central do Brasil com base na TBF Taxa Básica Financeira, que é a média da taxa de captação dos depósitos a prazo de 30 instituições financeiras selecionadas. Para cada TBF obtida será calculada a correspondente TR, pela aplicação de um redutor, definido pelo Banco Central. É o índice que remunera os depósitos da Poupança. Copyright BMI Brazilian Management Institute 7

8 1.2. COPOM Comitê de Política Monetária O COPOM foi instituído com o objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa de juros básica da economia. Os objetivos do COPOM são: Implementar a política monetária Definir a meta da taxa SELIC e seu eventual viés Analisar o Relatório de Inflação A taxa de juros fixada na reunião do COPOM é a meta para a taxa SELIC a qual vigora por todo o período entre as reuniões ordinárias do Comitê. O COPOM também pode definir o viés, que é a prerrogativa dada ao Presidente do Banco Central para alterar a meta da taxa SELIC a qualquer momento entre as reuniões ordinárias, no sentido (alta ou baixa) indicado pelo viés. COPOM Implementa política monetária Define a taxa Selic meta Copyright BMI Brazilian Management Institute 8

9 EXERCÍCIO 1 Verdadeiro ou Falso? Indique se a afirmativa é Verdadeira ou Falsa. AFIRMATIVA V F 1. PIB é o total da produção de bens e serviços de um país, produzidos em território nacional, em determinado período. 2. O IGP-M é o índice de preço adotado pelo governo para monitorar o cumprimento da meta de inflação. 3. O IPCA é a média ponderada de 3 índices sendo 60% do IPA, 30% do IPC e 10% do INCC. 4. A taxa Selic meta é definida pelo COPOM como sendo a taxa adequada para cumprir a meta de inflação. 5. A taxa Selic over é a taxa média das operações realizadas no mercado interfinanceiro pelo prazo de 1 dia com lastro em títulos públicos federais. 6. A taxa DI é a taxa média das operações realizadas no mercado interfinanceiro pelo prazo de 1 dia com lastro em título privado CDI. 7. O COPOM é responsável por estabelecer a meta da Taxa Selic visando cumprir a meta de inflação determinada pelo Conselho Monetário Nacional. 8. A TR Taxa Referencial é definida com base na inflação medida pelo IPCA e remunera os depósitos em Poupança. 9. A taxa de câmbio indica quantas unidades da moeda local são necessárias para comprar ou vender uma unidade da moeda estrangeira. 10. As taxas Selic e DI são expressas em taxa anual, calculadas com base em 252 dias úteis. Gabarito: (1) Verdadeiro;( 2) Falso; (3) Falso; (4) Verdadeiro; (5) Verdadeiro;(6) Verdadeiro; (7) Verdadeiro; (8) Falso; (9) Verdadeiro; (10) Verdadeiro. Copyright BMI Brazilian Management Institute 9

10 1.3 Avalie seu Conhecimento em Economia 1. A taxa Selic - over expressa a a) meta da taxa de juros básica da economia. b) média ponderada das operações interfinanceiras, por um dia, lastreadas em títulos públicos federais. c) média ponderada das operações interfinanceiras, lastreadas em CDI. d) meta de inflação estabelecida para o ano. 2. A Taxa Referencial - TR é calculada com base nas operações de a) nota promissória. b) letra de câmbio. c) debêntures. d) CDB. 3. A Taxa DI é a) divulgada diariamente pela SELIC. b) calculada com base em 360 dias corridos. c) base de cálculo para a TR -Taxa Referencial. d) calculada com base nas operações do mercado interfinanceiro, de um dia, com lastro em CDI. 4. O Conselho Monetário Nacional define a meta de inflação para cada ano, e o índice utilizado para mensuração da meta é o a) IGP-M. b) IPC. c) IPCA. d) INCC. 5. O COPOM tem como objetivo definir a a) meta da taxa Selic. b) meta de inflação. c) taxa referencial. d) taxa DI. Não deixe de fazer os simulados pela Internet. Você vai encontrar centenas de questões para testar seu conhecimento e se preparar para a prova! Gabarito: (1) B; (2) D; (3) D; (4) C; (5) A. Copyright BMI Brazilian Management Institute 10

11 2. Noções de Finanças 2.1 Taxa de Juros Nominal e Taxa de Juros Real Taxa Nominal É a taxa que encontramos nas operações correntes, ou seja, a taxa visível aos participantes de uma transação, por exemplo, de um CDB cotado a 13% ao ano. A inflação está inserida nessa cotação e não reflete, portanto, o ganho real do investidor no investimento. Taxa Real É a taxa nominal descontada a inflação do período. Ela será positiva quando a taxa nominal for maior do que a inflação no mesmo período e será negativa quando a taxa nominal for menor do que a inflação no mesmo período. Acompanhe o exemplo: Seu cliente investe em CDB pelo prazo de 1 ano e recebe taxa nominal de 13% ao ano. Vamos considerar 3 hipóteses de inflação e indicar qual foi a taxa de juros real da operação em cada cenário: Hipótese de Inflação Taxa Real de Juros 5% no período Positiva de 8% ao ano (13% - 5%) 15% no período Negativa de 2% ao ano (13% - 15%) 13% no período Zero (13% - 13%) Nota do professor: Fizemos uma simplificação do cálculo mediante uma simples operação de subtração para facilitar o entendimento do conceito. 2.2 Capitalização Simples versus Capitalização Composta No regime de capitalização simples a taxa de juros incide apenas sobre o capital inicial. Exemplo: Uma aplicação de R$100 feita por 3 meses a uma taxa de 2% ao mês. Qual o rendimento acumulado no final de 3 meses? Mês Capital $100,00 $100,00 $100,00 Juro $2,00 $2,00 $2,00 Montante $102,00 $104,00 $106,00 A expressão matemática é a seguinte: 2 Montante = 100 x 1 x3 100 x (1 0,06) 106, Copyright BMI Brazilian Management Institute 11

12 No regime de capitalização composta a taxa incide sobre o capital inicial acrescido do juro do período anterior, ou seja, o juro de cada período é gerado pela aplicação da taxa sobre a soma do capital anterior e seus respectivos juros. A mesma aplicação de R$100 feita por 3 meses a uma taxa de 2% ao mês, no sistema de capitalização composta ficaria assim: Mês Capital $100,00 $102,00 $104,04 Juro $2,00 $2,04 $2,08 Montante $102,00 $104,04 $106,12 A expressão matemática para encontrar o montante é a seguinte: 3 2 Montante = 100 x x 1, , A expressão matemática para encontrar a taxa do período é a seguinte: Taxa período = x 100 6,12% Taxa de Juros Equivalente e Taxa de Juros Proporcional Muitas vezes a taxa de juros é expressa ao ano, mas a transação é por um prazo menor e temos de achar a taxa correspondente ao período da operação. Duas taxas são PROPORCIONAIS quando, considerados o mesmo prazo e o mesmo capital, produzem o mesmo montante, no regime de capitalização SIMPLES de juros. Exemplo: Dado o mesmo prazo de 12 meses, as taxas de 12% ao ano e 1% ao mês são proporcionais porque produzem o mesmo montante no vencimento. Confira! $100 x 1,12 = $112,00 $100 x (1+ 0,01 x 12) = $112,00 Copyright BMI Brazilian Management Institute 12

13 Duas taxas são EQUIVALENTES quando, considerados o mesmo prazo e o mesmo capital, produzem o mesmo montante, no regime de capitalização COMPOSTA de juros. Exemplo: Dado o mesmo prazo de 12 meses, as taxas de 12% ao ano e 0,95% ao mês são equivalentes porque produzem o mesmo montante no vencimento. Confira! $100 x 1,12 = $112,00 $100 x (1,0095) 12 = $112,00 Capitalização Simples as taxas são proporcionais. Capitalização Composta as taxas são equivalentes. Cuidado! Nem sempre a taxa de juros composta produz maior montante... Quando o prazo da transação (6 meses) é menor que a unidade de tempo em que a taxa de juros está expressa (12% ao ano), a taxa proporcional (juro simples) produzirá maior montante do que a taxa equivalente (juro composto). 2.4 Índice de Referência aplicado a produtos de investimento Também conhecido como benchmark, o índice de referência é um parâmetro para análise de retorno de investimentos. Quando o investidor escolhe determinado investimento ele tem uma certa expectativa de rentabilidade. O benchmark permitirá que ele observe se essa rentabilidade está sendo alcançada ou não. Os índices de referência (ou benchmark) variam de acordo com o tipo de investimento feito, ou ainda, de acordo com o objetivo do investimento. O benchmark mais utilizado pelo mercado é a taxa de juros básica da economia: taxa DI ou taxa Selic. Quando o objetivo de investimento está associado a obter um retorno acima da inflação, o benchmark mais adequado será o IPCA ou o IGP-M. Um investimento em ações, por sua vez, deverá adotar um benchmark relativo ao mercado acionário: o Ibovespa ou o IBrX, por exemplo. Benchmark Parâmetro utilizado para avaliar o desempenho de um investimento ao longo do tempo. Os benchmarks mais utilizados pelo mercado são: Fundos DI, Renda Fixa e Multimercado: taxa DI e taxa Selic. Fundos Renda Fixa com composição de índices de preços: IPCA e IGP-M. Fundo Cambial: Variação cambial (Ptax). Fundo de Ações: Ibovespa e IBrX índices formados pelas ações mais negociadas no mercado. Copyright BMI Brazilian Management Institute 13

14 EXERCÍCIO 2 Indique o benchmark adequado para cada um dos investidores. Taxa DI Ibovespa ou IPCA ou Taxa Câmbio ou Taxa Selic IBrX IGPM PTAX 1 Fundos de Ações ou carteira de ações. 2 Fundo Referenciado DI, Fundo Renda Fixa e Fundo Multimercado 3 Fundos Renda Fixa com posições em índices de preços 4 Fundo Cambial Gabarito: (1) Ibovespa ou IBX; (2) Taxa DI ou Selic; (3) IPCA ou IGPM; (4) taxa de câmbio ou Ptax. Copyright BMI Brazilian Management Institute 14

15 A Renda Fixa não é fixa! Ficou curioso? Como assim, a renda fixa não é fixa?... Para entender melhor esse assunto vamos conversar sobre o conceito da Marcação a Mercado que provoca oscilação no valor da cota dos fundos de investimento, mesmo naqueles chamados de renda fixa. 2.5 Marcação a Mercado A Marcação a Mercado tem um objetivo: saber quanto vale um título ou valor mobiliário. A resposta é uma só: ele vale o valor que o mercado estiver disposto a pagar. Quanto vale a sua casa? E o seu carro? E os dólares que você comprou o ano passado? E as ações da Petrobras ou Vale do Rio Doce que você comprou com o dinheiro do Fundo de Garantia? A resposta parece natural nesses casos: vale o que o mercado estiver disposto a pagar por eles. E para descobrir quanto vale um CDB de taxa prefixada, um título público de taxa prefixada ou a cota de um Fundo de Renda Fixa, a regra não se aplica? A resposta é: com certeza! O curioso é que não aceitamos isso com naturalidade. Acho que o nome renda fixa ajuda a explicar a razão dessa estranheza. Porque quando um investidor compra um CDB de taxa prefixada, por exemplo, ele acredita que a TAXA DE JUROS é fixa. Engano! Na verdade, o que é fixado no momento da contratação da operação é: (1) a data de vencimento e (2) o valor de resgate do CDB. Se quisermos saber quanto vale esse CDB antes do vencimento, vamos perguntar quanto o mercado está disposto a pagar por ele. Para isso, o mercado calcula o valor presente do fluxo de pagamentos desse título para saber quanto ele vale hoje. O procedimento de Marcação a Mercado, feito diariamente pelos administradores dos Fundos de Investimento, tem exatamente esse objetivo: calcular o valor da cota de cada fundo com base no valor de mercado dos ativos que compõem a carteira do fundo. Por que esse procedimento é necessário? Para que o valor da cota seja exatamente o que tiver de ser nem mais, nem menos. Caso contrário, alguns cotistas podem ser prejudicados e outros favorecidos. Marcação a Mercado valor presente do fluxo de pagamentos dos títulos que compõem a carteira de um fundo de investimento tem como objetivo evitar a transferência de riqueza entre os cotistas dos fundos! Copyright BMI Brazilian Management Institute 15

16 Agora que você já sabe o que é a Marcação a Mercado e por que ela é feita, vamos entender quais são os fatores que provocam oscilação no preço dos títulos prefixados: a) Variação na taxa de juros b) Prazo médio dos títulos da carteira Observe o fluxo de pagamento de uma operação de CDB contratado pelo prazo de 12 meses, taxa de 15% ao ano. Valor de resgate R$ 1.150,00 Valor de emissão R$ 1.000,00 Vencimento 12 meses O que o investidor contrata, na verdade, é um VALOR FUTURO de R$1.150,00, pagável na data de vencimento da operação. Se ele quiser revender o CDB no mercado ANTES do vencimento, equivale a ele pedir para o mercado descontar o recebível que ele tem, não é verdade? Pois é exatamente isso que o mercado faz. Pega o valor de resgate do título, o prazo que falta até o dia do vencimento, e desconta pela taxa de juros ATUAL de mercado. Como você sabe, em qualquer operação de desconto, quanto maior a taxa, menor será o valor presente. A relação entre a taxa de juros e o preço é inversamente proporcional Taxa sobe Preço cai Taxa cai Preço sobe Copyright BMI Brazilian Management Institute 16

17 Vamos voltar ao fluxo da operação de CDB pré, manter o vencimento constante e ver o que acontece com o preço do título se a taxa de juros subir para 20%. descontar o VF pela taxa de 20% Valor de resgate R$ 1.150,00 Preço mercado R$958,33 Vencimento 12 meses Perceba que o valor de mercado caiu e, se tiver que ser vendido no mercado hoje, o investidor receberá um valor menor do que investiu. Perda de R$$41,67. HP12C FV = 1150 n = 1 i = 20 PV =? Valor Presente Valor Futuro n i Se, entretanto, a taxa de juros cair para 10%, haverá um ganho de $45,45 porque, nesse caso, a taxa utilizada para descontar o valor futuro será menor. descontar o VF pela taxa de 10% Valor de resgate R$ 1.150,00 Preço mercado R$1.045,45 Vencimento 12 meses Copyright BMI Brazilian Management Institute 17

18 2.6 Prazo médio ponderado de uma carteira e os riscos associados O prazo de um título ou de uma carteira também afeta seu valor de mercado? Com certeza! A taxa de desconto será aplicada pelo prazo restante até o dia do vencimento. Isso significa que quanto maior o prazo, maior será o impacto da variação da taxa de juros no valor de mercado. Prazo maior Risco maior Uma das formas de reduzir a exposição ao risco da oscilação da taxa de juros sobre uma carteira de renda fixa é ENCURTAR o prazo médio da carteira. É isso que os gestores dos fundos de curto prazo fazem. A boa notícia é que o risco será menor. A má notícia é que: a) A rentabilidade será menor, e b) O imposto de renda será maior... O prazo médio da carteira também impacta a definição do preço de um título ou carteira: Quanto maior o prazo, maior será o lucro ou a perda. E o inverso é verdade. Quanto menor o prazo, menor será o lucro ou a perda. O prazo, maior ou menor, define a volatilidade do investimento frente à oscilação da taxa de juros A prova da ANBIMA (antiga ANBID) pode apresentar a expressão precificar, que significa formar o preço, definir o preço. Vamos voltar ao fluxo da operação de CDB pré, considerar a elevação da taxa de juros para 20% e ver o que acontece com o preço de dois títulos de prazos diferentes: 1 de 1 ano e outro de 2 anos. descontar o VF pela taxa de 20% Valor de resgate R$ 1.150,00 Preço mercado R$958,33 Vencimento 12 meses Perceba que o valor de mercado caiu e, se tiver que ser vendido no mercado hoje, o investidor receberá um valor menor do que investiu. Perda de R$41,67. Copyright BMI Brazilian Management Institute 18

19 Suponha agora que o investidor tivesse comprado o CDB com vencimento para 2 anos com remuneração de 15% ao ano. Nesse caso, o valor de resgate do título seria R$1.322,50. Observe o que acontece com o preço do título frente à mesma elevação da taxa de juros para 20% ao ano. descontar o VF pela taxa de 20% Valor de resgate R$ 1.322,50 Preço mercado R$918,40 Vencimento 24 meses Perceba que o valor de mercado caiu muito mais e, se tiver que ser vendido no mercado hoje, o investidor receberá apenas R$918,40 representando uma perda de R$81, Volatilidade Volatilidade é uma medida de risco e é utilizada, normalmente, para expressar o risco de mercado (variação nos preços) dos ativos financeiros. Todos os preços oscilam uns mais, outros menos. E a volatilidade ajuda a identificar os mais voláteis, portanto, os mais arriscados. É um bom indicador do nível de oscilação histórica de um determinado produto ou mercado. Quanto maior a volatilidade, maior o risco do investimento e consequentemente maior a rentabilidade esperada. Vamos ver exemplos com números, da rentabilidade de 3 fundos de investimento distintos. Fundo de Investimento Março Abril Maio Junho Branco + 1,20% + 1,25% + 1,19% + 1,15% Preto + 1,20% + 1,50% + 2,00% + 1,15% Vermelho - 0,50% + 1,00% + 1,50% + 1,15% Copyright BMI Brazilian Management Institute 19

20 Vamos calcular a diferença entre a maior e a menor rentabilidade de cada Fundo de Investimento: Fundo de Investimento Faixa de rentabilidade Diferença entre a maior e menor rentabilidade maior menor Banco 1,25% 1,15% 0,10% Preto 2,00% 1,15% 0,85% Vermelho 1,50% -0,50% 2,00% A prova ANBIMA pode perguntar, por exemplo: 1) Qual é o fundo menos volátil? 2) Qual é o fundo mais volátil? 3) Ordene os fundos pelo critério de volatilidade, do mais volátil para o menos volátil. Respostas: (1) Fundo Branco; (2) Fundo Vermelho; (3) Fundo Vermelho, Fundo Preto, Fundo Branco. Volatilidade uma medida de risco de flutuação de preços. 2.8 Mercado Primário e Mercado Secundário Para captar recursos financeiros no mercado as empresas e o governo emitem títulos que pagam juros aos investidores dispostos a investir. A oferta desses títulos no mercado pode se dar de duas formas: Mercado primário: As empresas ou o governo emitem títulos e valores mobiliários para captar novos recursos diretamente de investidores. Mercado secundário: é composto por títulos e valores mobiliários previamente adquiridos no mercado primário, ocorrendo apenas a troca de titularidade, isto é, a compra e venda. Não envolve mais o emissor e nem a entrada de novos recursos de capital para quem o emitiu. Seu objetivo é gerar negócios, isto é, dar liquidez aos títulos. A liquidez é um dos atributos que o investidor procura em determinados investimentos, sendo assim, é importante saber se existe um mercado secundário desenvolvido para esse investimento especificamente. Copyright BMI Brazilian Management Institute 20

21 Quando se trata do mercado de ações o conceito também se aplica pois as ações da empresa podem ser ofertadas aos investidores em geral mediante dois tipos de distribuição: Distribuição primária: corresponde à distribuição de novas ações, sendo os recursos captados destinados a aumento de capital da companhia emissora. Distribuição secundária: corresponde à distribuição de ações já emitidas e os recursos captados se destinam aos acionistas vendedores. Mercado Primário ou Distribuição Primária Gera captação de novos recursos para o emissor Mercado Secundário ou Distribuição Secundária NÃO gera captação de recursos para o emissor Um investidor vende o título ou valor mobiliário para outro investidor. Oferece liquidez ao investidor que deseja vender/resgatar seu investimento Copyright BMI Brazilian Management Institute 21

22 EXERCÍCIO 2 Verdadeiro ou Falso Assinale se a afirmativa é Verdadeira ou Falsa. AFIRMATIVA V F 1. A taxa real de juros de um investimento pode ser definida como a taxa obtida descontada a inflação. 2. A taxa proporcional refere-se a juro simples e a taxa equivalente a juro composto. 3. Marcar a mercado um título significa precificar esse título pelo valor de mercado. 4. No regime de capitalização simples o juro incide sobre o capital corrigido pelo juro do período anterior. 5. Frente a uma elevação na taxa de juros, cai o preço de um título de taxa prefixada. 6. A volatilidade indica o nível de oscilação de preços de um título ou carteira. Quanto maior a volatilidade, maior o risco de mercado. 7. O prazo médio de uma carteira afeta a precificação de seus ativos frente a mudança na taxa de juros. 8. Mercado primário significa que o título está sendo vendido no mercado pela primeira vez e o emissor do título está captando recursos. 9. No mercado secundário, um investidor vende o título para outro investidor e o emissor do título não capta recursos. É importante para a liquidez de mercado. 10. Frente a uma queda na taxa de juros 2 títulos com taxa prefixada de prazos distintos um de 6 meses e outro de 12 meses de vencimento terão lucros semelhantes. Gabarito: (1) Verdadeiro; (2) Verdadeiro; (3) Verdadeiro; (4) Falso; (5) Verdadeiro; (6) Verdadeiro; (7) Verdadeiro; (8) Verdadeiro; (9) Verdadeiro; (10) Falso. Copyright BMI Brazilian Management Institute 22

23 2.9 Avalie seu Conhecimento em Finanças 1. Referencial ou parâmetro para análise de retorno de investimentos: a) benchmark. b) juro futuro. c) juro nominal. d) taxa líquida. 2. Em relação à marcação a mercado de um título de taxa prefixada é correto afirmar que quando a taxa de juros a) sobe, o valor do título também sobe. b) sobe, o valor do título cai. c) cai, o valor do título permanece inalterado. d) cai, o valor do título também cai. 3. A carteira de Renda Fixa X tem prazo médio de 180 dias e a carteira Y 360 dias. A sensibilidade à oscilação das taxas de juros de mercado será a) menor na carteira X. b) maior na carteira X. c) menor na carteira Y. d) idêntica nas duas carteiras. 4. A taxa de juros negociada entre investidor e emissor nas transações de renda fixa é a) real. b) proporcional. c) nominal. d) líquida. 5. O Banco A cotou uma operação de CDB pelo prazo de 1 ano a 12% ao ano. O Banco B cotou a mesma operação a 6% ao semestre. Ambos operam sob o regime de juros simples. Com relação às cotações citadas, você conclui que a) 12% ao ano é a melhor para o investidor. b) 6% ao semestre é a melhor para o banco. c) são taxas proporcionais. d) são taxas equivalentes. Gabarito: (1) A; (2) B; (3) A; (4) C; (5) C. Não deixe de fazer os simulados pela Internet. Você vai encontrar centenas de questões para testar seu conhecimento e se preparar para a prova! Copyright BMI Brazilian Management Institute 23

24 3. Resumo No módulo de Economia você aprendeu que: O PIB mede o desempenho do crescimento da economia de um país e reflete a produção de bens e serviços produzidos em território nacional num dado período de tempo. O pilar central da economia brasileira é o sistema de meta de inflação, determinada pelo Conselho Monetário Nacional, cumprida pelo COPOM e medida pelo IPCA. O IGPM, índice de preços muito utilizado pelo mercado, é composto por 3 outros índices: 60% do IPA, 30% do IPC e 10% do INCC. O COPOM determina a meta da taxa Selic, taxa básica de juros da economia. A taxa Selic é a taxa média das operações de financiamento por um dia, realizadas entre instituições financeiras, lastreadas em títulos públicos federais. É calculada e divulgada diariamente pelo sistema SELIC. A taxa DI é a taxa média das operações de financiamento por um dia, realizadas entre instituições financeiras, mediante emissão de CDI. É calculada e divulgada diariamente pelo sistema CETIP. A TR é calculada a partir da TBF (média dos depósitos a prazo dos 30 maiores bancos de mercado), descontado um redutor definido pelo Banco Central, responsável por calcular e divulgar essa taxa diariamente. A PTAX é a cotação oficial das moedas estrangeiras no Brasil. É definida pela média das negociações no decorrer do dia, para liquidação em dois dias úteis. No módulo de Finanças você aprendeu que: A taxa de juros praticada pelo mercado é uma taxa nominal de juros pois embute a inflação. A taxa real de juros indica quanto o investidor recebe de rendimento descontada a inflação. Será positiva se o rendimento for superior à inflação e será negativa se o rendimento for abaixo da inflação. O mercado utiliza comumente o regime de capitalização composta de juros no qual a taxa incide sobre o capital inicial acrescido dos juros do período anterior. No regime de capitalização simples a taxa de juros incide apenas sobre o capital inicial. O procedimento de marcação a mercado permite conhecer o valor atual de mercado dos ativos financeiros que compõem uma carteira de investimento. O preço dos ativos de renda fixa é apurado em função da taxa de juros e do prazo médio dos títulos. Quanto maior o prazo médio de uma carteira de ativos, maior será o risco frente a oscilações na taxa de juros de mercado. A volatilidade é uma medida de risco que indica a intensidade da oscilação de preços de um ativo ou carteira de ativos. Quanto maior a volatilidade, maior será a incerteza e maior tende a ser a rentabilidade de um investimento. A colocação de um título no mercado primário gera captação de recursos para o emissor. O mercado secundário oferece liquidez ao mercado a medida que um investidor vende o título para outro investidor. Nesse caso, o emissor não gera captação de recursos. Copyright BMI Brazilian Management Institute 24

25 Anotações Copyright BMI Brazilian Management Institute 25

26 Anotações Copyright BMI Brazilian Management Institute 26

27 Anotações Copyright BMI Brazilian Management Institute 27

28 :. Av. São Gualter, 1734, Alto de Pinheiros São Paulo SP Brasil :. twitter.com/bmibrasil youtube.com/bmibrasil linkedin.com/in/bmibrasil :. Copyright BMI Brazilian Management Institute 28

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E 3. Noções de Economia e Finanças pg 26 5 a 7 questões 3.1 Conceitos Básicos de Economia 3.2 Conceitos Básicos de

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2

Conhecimentos Bancários. Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2 Conhecimentos Bancários Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2 Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Alguns conceitos importantes: 1. PIB PRODUTO INTERNO BRUTO; 2. Índices de Inflação; 3. Títulos

Leia mais

Certificação Profissional ANBID

Certificação Profissional ANBID Certificação Profissional ANBID Série CPA-10 Módulo III Noções de Economia e Finanças 1 Í N D I C E 10% a 15% da prova 1. 1.1 Indicadores econômicos 1.1.1 PIB 1.1.2 Índices de Inflação: IPCA 1.1.2 Índices

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 8 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo IV ) Revisão da tentativa 3 Iniciado

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Selic (LFT) O Tesouro Selic (LFT) é um título pós fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa básica

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS?

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS? QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER! Como se calcula a taxa de juros Over?! Como se calcula a taxa de juros CDI?! Como a taxa de juros CDI e Over se comparam? Francisco Cavalcante(francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

CPA - 10 CURSO PREPARATÓRIO.

CPA - 10 CURSO PREPARATÓRIO. CPA - 10 CURSO PREPARATÓRIO. Autor: Marcus Vinicius Silva. CEA CPA-20 SUSEP Plena Todos os direitos reservados e protegidos pela lei nº 9.610 de 19/02/1998. Nenhuma parte dessa apostila, sem autorização

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros Matemática Financeira Aula 03 Taxa Real de Juros Inflação É o fenômeno conhecido como o aumento persistente dos preços de bens e serviços Fatores: Escassez de produtos, déficit orçamentário, emissão descontrolada

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 Prof. Ms. Wagner Ismanhoto Economista M.B.A. em Engenharia Econômica Universidade São Judas São Paulo-SP Mestrado em Economia Rural UNESP Botucatu-SP

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

Fundos de Investimentos

Fundos de Investimentos Fundos de Investimentos 1 O que e um fundo de investimentos? Um fundo de investimentos concentra em uma unica entidade juridica, varios investidores com o mesmo objetivo e que compartilham a mesma estrategia

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC CAMBIAL DOLAR 02.294.024/0001-26 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC CAMBIAL DOLAR 02.294.024/0001-26 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO CAMBIAL LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito.

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor da cota de um fundo de investimento É calculado

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10)

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) PROGRAMA DETALHADO Programa da Certificação Detalhado Profissional da Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) ANBID Série 10 Controle: D.04.08.07 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão:

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

André Proite. Novembro de 2012

André Proite. Novembro de 2012 Tesouro Direto André Proite Rio de Janeiro, Novembro de 2012 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO Um título público consiste, de maneira simplificada, um empréstimo ao governo federal, ou seja, o governo fica com uma dívida com o comprador

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário (LCI) é um título de renda fixa emitido

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Pedro de Albuquerque Seidenthal TAXA DE JUROS FUTURA: SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS São Paulo 2012 Pedro de Albuquerque

Leia mais

Módulo IV Princípios de Investimento

Módulo IV Princípios de Investimento Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 Módulo IV Copyright 2011-2012 BMI Brazilian Management Institute 1 Índice 10% a 20% da prova 1. Principais Fatores de Análise de Investimento 4 1.1 Rentabilidade

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veículo: Estadão Data: 26.11.13 Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veja qual produto é mais adequado ao seu bolso: até R$ 10 mil, de R$ 10 mil a R$ 100 mil e acima

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Prefixado (LTN)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Prefixado (LTN) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Prefixado (LTN) O Tesouro Prefixado (LTN) é um título prefixado, o que significa que sua rentabilidade é definida no momento

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI SOLIDARIEDADE 04.520.220/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI SOLIDARIEDADE 04.520.220/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FICFI REFERENCIADO DI LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA CONTEÚDO CURSO PREPARATÓRIO PARA A REALIZAÇÃO DE PROVA DE CERTIFICAÇÃO PARA RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO DOS RECURSOS DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS (CPA-20, CPA-10 e ANCOR) 1. PRINCÍPIOS

Leia mais

Preparatório para Certificação da ANBID CPA 10

Preparatório para Certificação da ANBID CPA 10 Preparatório para Certificação da ANBID CPA 10 Programa 2011 PROGRAMA: 1) Sistema Financeiro Nacional Funções Básicas: Função dos intermediários financeiros e definição de intermediação financeira. Estrutura

Leia mais

Nosso presente é cuidar do seu futuro

Nosso presente é cuidar do seu futuro Nosso presente é cuidar do seu futuro Quem quer ser um milionário? Investimento Mensal - R$ 1.000,00 R$ 1.200.000,00 Evolução Patrimonial R$ 1.000.000,00 R$ 800.000,00 R$ 600.000,00 R$ 400.000,00 R$ 200.000,00

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS CNPJ: 03.919.927/0001-18

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS CNPJ: 03.919.927/0001-18 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Economia e Mercado Financeiro

Economia e Mercado Financeiro Economia e Mercado Financeiro O que é fluxo cambial? O fluxo cambial é a soma das operações da balança comercial, das operações financeiras e das operações com instituições financeiras no exterior. Segundo

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ: 00.827.

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ: 00.827. Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo Informações referentes a setembro de 2015. Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SUMITOMO MITSUI PLATINUM PLUS FIC DE FI REF DI

Leia mais

Decisão de Investimento: Risco. Retorno

Decisão de Investimento: Risco. Retorno Decisão de Investimento: Risco versus Retorno Um conceito simples Dinheiro Tempo = RETORNO 1 Rentabilidade absoluta versus Rentabilidade Relativa (benchmark) O que há de errado? Meu gestor é bom! Ganhou

Leia mais

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Fabiana de Jesus Peixoto fabi.contato@hotmail.com FATEC-BP Priscila Gandolfi Dell Orti priscilagandolfi@hotmail.com

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto LFT A LFT é um título pós-fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa de juros básica da economia. Sua remuneração

Leia mais

Noções de Economia e Finanças. Módulo 3. Versão 4/Março, 2005

Noções de Economia e Finanças. Módulo 3. Versão 4/Março, 2005 Versão 4/Março, 2005 Módulo 3 Noções de Economia e Finanças Programa Auto-Instrutivo Preparatório ao Exame de Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Auto-Instrutivo Preparatório ao Exame de

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado A meta para a taxa Selic foi mantida durante o primeiro trimestre de 21 em 8,75% a.a. Em resposta a pressões inflacionárias

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA.

2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA. Brasília, 10 de Janeiro de 2013 NOTA À IMPRENSA 2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA. Por: (*) Rafhael Carvalho Marinho O índice de preços imobiliários verifica a existência de

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. Página 1 de 7 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FIC DE FIS EM AÇÕES BRB AÇÕES 500 31.937.303/0001-69 Informações referentes a 11/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

1. Objetivo e Descrição do fundo

1. Objetivo e Descrição do fundo FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO SEMESTRAL 1º. SEM. 2012 1. Objetivo e Descrição do fundo

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10. Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10. Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão 0 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID SÉRIE 10-3º

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Aula 02 Juros Simples, Descontos Simples e Juros Compostos Prof.Dr. Edmilson J.T. Manganote Juros Simples Fórmula do Juros Simples e Montante S P 1 i n Taxas Equivalentes i i 1 2

Leia mais

Sou a instituição financeira auxiliar que opera no recinto da Bolsa. Posso organizar, administrar e vender Fundos de Investimento.

Sou a instituição financeira auxiliar que opera no recinto da Bolsa. Posso organizar, administrar e vender Fundos de Investimento. Exercícios SFN: 1 Com base nas características indicadas descubra quem é o personagem oculto: Banco de palavras: Conselho Monetário Nacional, Banco Central, Comissão de Valores Mobiliários, Banco Múltiplo,

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Page 1 of 8 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são de exclusiva responsabilidade

Leia mais

1. Objetivo e Descrição do fundo

1. Objetivo e Descrição do fundo FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO SEMESTRAL 1º. SEM. 2013 1. Objetivo e Descrição do fundo

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Julho de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA.

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

MÓDULO 1 SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (PROPORÇÃO DE 5% A 10%) MÓDULO 1. SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (PROPORÇÃO: DE 5% A 10%)

MÓDULO 1 SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (PROPORÇÃO DE 5% A 10%) MÓDULO 1. SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (PROPORÇÃO: DE 5% A 10%) MÓDULO 1 SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (PROPORÇÃO DE 5% A 10%) MÓDULO 1. SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (PROPORÇÃO: DE 5% A 10%) 1. Responsável pela fiscalização dos Fundos de Investimento: a) Anbima b) CVM

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FIC FI CURTO PRAZO OVER 00.809.773/0001-13 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FIC FI CURTO PRAZO OVER 00.809.773/0001-13 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CURTO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

DESTAQUES DO DIA. Sua opção de Renda Fixa na Bolsa. Belo Horizonte, 05 de Janeiro de 2011 INFLAÇÃO

DESTAQUES DO DIA. Sua opção de Renda Fixa na Bolsa. Belo Horizonte, 05 de Janeiro de 2011 INFLAÇÃO Belo Horizonte, 05 de Janeiro de 2011 DESTAQUES DO DIA INFLAÇÃO A inflação de janeiro, medida pelo IPC- Fipe fechou com alta de 0,54%, acumulando 6,4% em 2010. Outros índices de inflação, o IGP- DI e o

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC MULT LP MASTER TRADING 13.902.141/0001-41 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC MULT LP MASTER TRADING 13.902.141/0001-41 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FICFI MULTIMERCADO LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

Renda fixa e Tesouro Direto

Renda fixa e Tesouro Direto Renda fixa e Tesouro Direto Classificação de investimentos Collor CDB Renda fixa Caderneta de poupança Fundos DI Imóveis Renda variável Ações Liquidez Liquidez Liquidez Segurança Segurança Segurança Rentabilidade

Leia mais

Perfis de Investimento. GEBSA Prev

Perfis de Investimento. GEBSA Prev Perfis de Investimento GEBSA Prev 2 GEBSA-PREV INTRODUÇÃO Esta cartilha reúne as principais informações relacionadas aos Perfis de Investimento da GEBSA PREV e vai lhe ajudar a identificar alguns aspectos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS MASTER IBRX FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS MASTER IBRX FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS MASTER IBRX FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto LTN Letra do Tesouro Nacional A LTN é um título prefixado, o que significa que sua rentabilidade é definida no momento da compra.

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento DI Institucional Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20)

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

2) Responsável por estabelecer medidas de prevenção ou correção de desequilíbrios econômicos: a) CMN b) Bacen c) CVM d) Anbima

2) Responsável por estabelecer medidas de prevenção ou correção de desequilíbrios econômicos: a) CMN b) Bacen c) CVM d) Anbima Caderno de Exercícios CPA-10 Módulo I 1) Responsável pela fiscalização dos Fundos de Investimento: a) Anbima b) CVM c) CMN d) Bacen 2) Responsável por estabelecer medidas de prevenção ou correção de desequilíbrios

Leia mais

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82%

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82% Rentabilidade da Renda Fixa em 2015 Desde o mês de junho deste ano as carteiras de investimentos financeiros que compõem os perfis de investimentos da São Bernardo têm sofrido forte flutuação de rentabilidade,não

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais