A. Síntese dos Indicadores Financeiros A. Summary of financial indicators

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A. Síntese dos Indicadores Financeiros A. Summary of financial indicators"

Transcrição

1

2

3

4

5 5 A. Síntese dos Indicadores Financeiros A. Summary of financial indicators Balanço Patrimonial e Extra-Patrimonial Balance Sheet and Off-Balance Sheet Activo Líquido Net Assets Créditos s/clientes(líquidos) Loans and Advances to Customers (Net) Crédito Vencido Outstanding Credit Crédito e Juros Vencidos Overdue Credit and Interest Imparidade Impairment Garantias e Avales Prestados Guarantees and Sureties Créditos Documentários Abertos Documentary Credit Créditos Total Total Credit Depósitos Deposits Recursos de OIF Other financial institutions resources Balanço Patrimonial e Extra-Patrimonial Balance Sheet and Off-Balance Sheet Passivos Subordinados Subordinated Liabilities Capitais Próprios Shareholders Equity Actividade Activity Margem Financeira Net Interest Income Margem Complementar Non-Interest Income Produto Bancário Líquido Net Operating Income Custos de Estrutura Structural Costs Cash Flow Cash Flow Resultado antes de impostos (RAI) Income Before Tax Imposto Diferido Activo (IDA) Deferred Tax Assets Resultados Líquidos do Exercício Net Income for Period Variação Change Abs. Total % ,199,523, % ,548, % ,9,72 3.% ,14, % (86,366,24) (52,,) -34,366, % ,296, % ,571, % ,823, % ,35, % ,451,93, % 999,76, ,271,44 435,339.% ,993,8 9.9% 182,986,622 16,492,125 22,494, % 5,998,273 28,219,487-22,221, % 188,984, ,711, ,283.1% 463,9, ,231,19 18,669, % -185,771, ,743,95-6,28, % -39,281,83-284,983,27-24,298, % -38,925,189 83,546,47-122,471, % -348,26,992-21,436,62-146,77, % Continua na Página Seguinte Continued on Next Page 1. Principais Indicadores 1. Key Indicators 5

6 6 Continuação da Página Anterior Continued From Previous Page Acções Shares Nº de Acções No. Shares Funcionamento Operating Número de Empregados No. Employees Número Balcões No. branches Número de Clientes No. customers Produtividade / Eficiência Productivity / Efficiency Cost to Income Ratio Cost-to-income Número de clientes por empregado No. Customers per Employee Activo Líquido / Número de empregados Net Assets / No. Employees Custos de Estrutura / Activo Líquido Structural Costs / Net Assets Rentabilidade Profitability Lucro Líquido por Acção (EPS) Earnings per Share Taxa de Transformação 1 (Crédito/Depósitos) Loans-to-deposits Rate 1 (Credit/Deposits) Taxa de Transformação 2 (Crédito/(Depósitos+Recursos OIF+Passivo Subordinado)) Loans-to-deposits rate 2 (credit / (deposits + other financial institutions resources + subordinated liabilities) Rendibilidade dos Capitais Próprios Médios (ROAE) Return on Equity Rendibilidade do activo médio (ROAA) Return on Assets Gestão de Fundos Fund management Depósito Total / Activo Total Deposits / Assets Total Crédito / Total Depósitos (Incluí Crédito por assinatura) Total Credit / Total Deposits (including contingent liabilities) Concentração Depósitos = 2 > Depositantes / Total de Depósitos Deposits Concentration = 2 > Depositors / Total Deposits Qualidade dos Activos Asset Quality Crédito Vencido / Crédito Total Overdue Credit / Total Credit Crédito Vencido / Activo Total Overdue Credit / Total Assets Imparidade / Total Crédito Impairment / Total Credit Variação Change Abs. Total % 2,, 1,522, 478, 31.4% % % 5,523 3,228 2, % 245.5% 235.9% 9.5% 4.% % 119,87,926 82,851,266 36,956, % 6.1% 8.1% -2.1% -25.7% % 165.3% 184.% -18.7% -1.1% 5.1% 55.% -4.9% -8.9% -39.9% -21.8% -18.1% 83.% -5.3% -4.6% -.7% 14.1% 26.2% 24.8% 1.5% 5.9% 174.6% 199.3% -24.7% -12.4% 44.2% 32.4% 11.8% 36.5% 9.1% 6.2% 2.8% 45.6% 4.% 2.9% 1.1% 39.2% 2.5% 2.%.5% 23.9% 1. Principais Indicadores 1. Key Indicators 6

7 7 B. Análise Gráfica dos Principais Indicadores B. Graphical analysis of key indicators Activo Líquido Net assets Capitais Próprios Shareholders equity Resultado Líquido Net income , 914, , -5, 6 88, -1, Milhares Thousand Milhares Thousand 86, 84, 82, 8, 832,273 Milhares Thousand -15, -2, -25, -3, -21, , -35, ,27 4 Recursos Totais Total Resources Créditos Total Líquido Total Credit (net) Milhares Thousand , ,271 Milhares Thousand Depósitos Clientes Customer deposits Recursos de OIF Other financial institutions deposits Empréstimo Obrigacionista Bond loan 1. Principais Indicadores 1. Key Indicators 7

8

9 9 Mensagem Conjunta do Presidente do Conselho de Administração e do Presidente da Comissão Executiva Joint message from the chairman of the board of directors and chairman of the executive committee O BAICV completou no final de 211 três anos desde a sua constituição em Novembro de 28. A entrada em Cabo Verde respondeu a um imperativo do BAI Angola SA estender a sua presença em África, desta vez à praça financeira de Cabo Verde, regulamentada através de normas contabilísticas e prudenciais seguindo as normas internacionais embora num mercado de escala reduzida e retorno lento. A assembleia-geral estatutária de finais de Maio de 211, marcou o final do mandato do conselho de administração empossado desde a constituição do banco em finais de 28, tendo entrado em funções um novo conselho de administração e a sua respectiva comissão executiva. A 31 de Dezembro de 211 o BAICV atingiu um balanço patrimonial medido pelo seu activo líquido da ordem de 7.667,7 milhões de ECV, registando um acréscimo de 4,2% em relação ao período homólogo de 21. As carteiras de depósitos de clientes e de crédito líquido a clientes cresceram no período 48,5%e 33,4%, respectivamente, atingindo os valores de 2.1,9 milhões de ECV e 3.325,1 milhões de ECV, respectivamente. Os recursos alheios atingiram no período em análise o patamar de milhões de ECV, cifrando-se o seu crescimento na ordem de 66,6%. Em termos de indicadores de desempenho temos a registar o rácio de eficiência de 245,5%, ligeiramente acima da marca anterior de 235,9%, por força do peso da componente custos; o rácio de transformação situou-se em 165,3%, melhorando a marca anterior de 184%. Segundo os indicadores de qualidade dos activos do banco, foram registados rácios de incumprimento do crédito de 9,1% contra 6,2% em 21 e de imparidade do crédito de 2,5%, contra 2,% em 21. Por último, a solvabilidade ficou em 11,2%, acima do mínimo regulamentar de 1%. BAICV, formed in November 28, celebrated its third birthday in 211. Its presence in Cape Verde responded to BAI Angola SA s need to expand its presence in Africa and in this case the Cape Verde market which is regulated by accounting and prudential regulations in conformity with international standards, notwithstanding the fact that it is a small market with a slow return on investment. The statutory shareholder s meeting, at the end of May 211, witnessed the end of the term of office of the board of directors, appointed when the bank was formed at the end of 28, which was replaced by a new board of directors and respective executive committee. At 31 December 211, BAICV s net worth, measured by its net assets of around 7,667.7 million escudos, was up 4.2% over 21. The customer deposits and net loans and advances to customers portfolios were up 48.5% and 33.4%, in the period, to 2,1.9 million escudos and 3,325.1 million escudos, respectively. Other resources for the period under analysis, totalled 3,629 million escudos, recording growth of around 66.6%. In terms of performance indicators, reference should be made to the efficiency ratio of 245.5%, which was slightly up over the previous record of 235.9%, on account of the costs component; the loans-to-deposits ratio was 165.3%, in comparison to the previous record of 184%. According to the quality indicators on the bank s assets, loan default rates of 9.1% were recorded in comparison to 6.2% in 21, with credit impairment of 2.5%, against 2.% in 21. Lastly, the solvency ratio was 11.2%, against a regulatory minimum of 1%. 2. Mensagem Conjunta do Presidente do Conselho de Administração e do Presidente da Comissão Executiva 2. Joint Message from the Chairman of the Board of Directors and Chairman of the Executive Committee 9

10 1 A evolução dos indicadores do BAICV em 211 acabou por ser afectada pelo ambiente de subdesempenho dos indicadores económicos e macroeconómicos do país que se reflectiram na contenção da liquidez da economia, na redução dos depósitos e no agravamento do serviço da dívida dos empréstimos nos balanços dos bancos. Apesar dessa conjuntura, e embora o BAICV tenha mantido constante a sua rede de 5 balcões, dos quais 3 na cidade da Praia, 1 no Mindelo, e 1 no Sal-Espargos, registou um crescimento do número de clientes atingindo o patamar de em 211 acima de em 21, e do número de contas as quais atingiram contas em 211 contra 3.78 contas em 21. Esta trajectória de crescimento da actividade comercial alicerçada pela correcção dos desequilíbrios financeiros por via da contenção e racionalização dos gastos de funcionamento, nomeadamente das principais rubricas de fornecimentos e serviços de terceiros, começou a ser sentida ao longo dos 3º e 4º trimestres de 211. O ano de 212 foi iniciado num ambiente de forte estímulo ao desenvolvimento do negócio bancário, de reforço dos processos operacionais e boas práticas, cujos objectivos e metas estão alinhados com o plano estratégico e o orçamento The evolution of BAICV s indicators, in 211, was affected by the environment of the underperformance of the country s economic and macroeconomic indicators, reflected in the containment of liquidity in the economy, reduction of deposits and increase in debt servicing levels on loans in banks balance sheets. Notwithstanding this environment and although BAICV continued to operate five branch offices, 3 of which in Praia, 1 in Mindelo and 1 in Sal-Espargos, its number of customers, in 211, grew to a total of 5,523 against 3,228 in 21 with 5,733 accounts, in 211, against 3,78 in 21. This growth path in terms of its commercial activity, supported by adjustments to financial imbalances based on containing and rationalising operating costs, notably the main external supplies and services account headings, made itself felt over the course of the 3rd and 4th quarters of began in an environment of a strong boost to the development of the banking business, reinforcement of operational processes and good practice, whose objectives and goals are in line with the strategic plan and budget for Lastly, we wish to make reference to and express our gratitude for the collaboration of the supervisors, our workers, customers and shareholders and express BAICV s board of directors strong commitment to contribute towards enhancing the status of Cape Verde. Por último, queremos agradecer a colaboração das entidades de supervisão, do colectivo de colaboradores, dos clientes e accionistas e expressar o forte compromisso da administração do BAICV de contribuir para o engrandecimento de Cabo Verde. 2. Mensagem Conjunta do Presidente do Conselho de Administração e do Presidente da Comissão Executiva 2. Joint Message from the Chairman of the Board of Directors and Chairman of the Executive Committee 1

11

12 12 A. Órgãos Sociais A. Statutory Bodies Mesa Assembleia Geral Shareholders Meeting Silvino Manuel da Luz Presidente da Mesa da Assembleia Geral Chairman of Shareholders Meeting Alexandre Augusto Borges Morgado Secretário Secretary Conselho de Administração Board of Directors Luís Filipe Rodrigues Lélis Presidente do Conselho de Administração Chairman of Board of Directors Adalberto Leite Pereira Sena Administrador (até Maio de 211) Board Member (until May 211) David Ricardo Teixeira Palege Jasse 1 Administrador (até Maio de 211) Board Member (until May 211) Serafina Marisa Borges de Azevedo Araújo Administradora (até Maio de 211) Board Member (until May 211) 1. Administrador não Executivo a partir de Junho de Non-executive director from June 211 Carlos Augusto Bessa Victor Chaves Administrador (a partir de Junho de 211) Board Member (from June 211) Jorge Manuel da Silva e Almeida Administrador (a partir de Junho de 211) Board Member (from June 211) Carla Monteiro do Rosário Administradora (a partir de Janeiro de 211) Board Member (from January 211) 3. Principais Referências 3. Key References 12

13 13 Comissão Executiva Executive Committee David Ricardo Teixeira Palege Jasse Presidente (até Maio de 211) Chairman (until May 211) Serafina Marisa Borges de Azevedo Araújo Administradora Executiva (até Maio de 211) Executive Board Member (until May 211) Carlos Augusto Bessa Victor Chaves Presidente (a partir de Junho de 211) Chairman (from June 211) Jorge Manuel da Silva e Almeida Administrador Executivo (a partir de Junho de 211) Executive Board Member (from June 211) Carla Monteiro do Rosário Administradora Executiva (a partir de Janeiro de 211) Executive Board Member (from January 211) Conselho Fiscal Fiscal board Luis Manuel Neves Fiscal Único (até Maio de 211) Sole auditor (until May 211) Vogal (a partir de Junho de 211) Board Member (from June 211) António Avelino Ramos Oliveira Presidente do Conselho Fiscal (a partir de Junho de 211) Chairman of Fiscal Board (from June 211) Margarida de Carvalho Vogal (a partir de Junho de 211) Board Member (from June 211) Amadeu de Oliveira Vogal Suplente (a partir de Junho de 211) Deputy Board Member (from June 211) Elsa Maria Gaspar Fernandes Vogal Suplente (a partir de Junho de 211) Deputy Board Member (from June 211) Auditor Externo External Auditor PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. 3. Principais Referências 3. Key References 13

14 14 B. Direcção e Rede Comercial B. Management and Branch Office Network Direcção Management Direcção Financeira e Contabilidade DFC Financial and Accounts division DFC Direcção de Organização e Sistemas de Informação DOS Organisation and Information Systems Division DOS Direcção de Operações DOP Operational Division DOP Direcção Comercial DCM Commercial Division DCM Direcção Administrativa DAD Administrative Division DAD Gabinete de Auditoria Interna GAI Internal Audit Office GAI Gabinete de Marketing e Comunicação GMC Office of Marketing and Communication GMC Gabinete Planeamento, Controlo e Risco GPR Planning, Control and Risk Office GPR Gabinete Jurídico GJU Legal affairs office GJU REDE COMERCIAL Branch Office Network Agência da Praia (Sede) Praia Branch (Bank Headquarters) Agência do Plateau Ilha de Santiago Cidade da Praia Plateau Branch Island of Santiago Praia Agência da Achada Santo António Ilha de Santiago Cidade da Praia Achada Santo António Branch Island of Santiago Praia Agência do Espargos Ilha do Sal Espargos Branch Island of Sal Agência do Mindelo Ilha de S. Vicente Mindelo Branch Island of S. Vicente José Oliveira David Almada Manuel Cardoso Margarida Mascarenhas Ricardo Maximiano Margarida Mascarenhas Olga Barbosa Bernardino Fernandes Hulda Amado Amilton Fernandes Eneida Teixeira Izanete Luz Director Director Director Director Director Director Directora Director Director Director Directora Director Directora Director Gerente Manager Gerente Manager Gerente Manager Gerente Manager Gerente Manager 3. Principais Referências 3. Key References 14

15 15 C. Accionistas C. Shareholders Em 31 de Dezembro de 211, o BAI Cabo Verde, S.A. tinha a seguinte distribuição do seu Capital Social: The following table provides information on BAI Cabo Verde, S.A. s share capital at 31 December 211: Accionista Shareholder Parte no capital Equity Investment Participação Amount Nº Acções No. shares BAI SA 71.% 1,42,, 1,42, SNLCV 19.% 38,, 38, SOGEI SA (1) 9.9% 198,, 198, Carla Spencer Lima (2).1% 2,, 2, TOTAL 1.% 2,,, 2,, (1) e (2) Com 47,8 milhões de escudos por realizar (1) and (2) 47.8 million escudos outstanding 3. Principais Referências 3. Key References 15

16 16 D. Marcos de Actividade D. Milestones 1º Semestre de st Half 211 1/2/211 Novo Site institucional // Lançamento do Serviço Mobile Banking New website // Launch of mobile banking servicev 11/2/211 Lançamento do produto Conta BAI Ordenado Launch of BAI wages / Salary Account 12/3/211 1º Encontro de Quadros do BAICV First meeting of senior BAICV staff 27/5/211 Participação na 1ª edição de Feira de automóveis ExpoAuto, em Santiago. Presence at the 1st edition of the ExpoAuto automobile exhibition, in Santiago. 3/6/211 Lançamento oficial do BAI Directo Official launch of BAI Directo 2º Semestre de nd Half /7/211 Lançamento da campanha institucional no aeroporto. Launch of institutional campaign at airport. 26/8/211 Lançamento da campanha institucional Launch of institutional campaign 18/9/211 Lançamento do Serviço de Débito Direto BAI Launch of BAI s direct debit service 7/1/211 Participação na 3ª edição da Feira de Habitação e Construção, na Ilha de Santiago. Presence at the 3rd edition of the Housing and Construction fair in Ilha de Santiago. 27/1/211 Atribuição do Premio SAPO 211 para a melhor campanha institucional. Award of SAPO 211 prize for the best institutional campaign. 16/11/211 Participação na 15ª edição da Feira de Internacional de Cabo Verde, no Mindelo. Presence at the 15th edition of the Cape Verde International Fair, in Mindelo. 3. Principais Referências 3. Key References 16

17

18 18 BAI Cabo Verde no Sistema Financeiro BAI Cabo Verde in the financial system 2. Fonte: Banco de Cabo Verde Agregados Bancários 2. Source: Bank of Cape Verde banking aggregates Em 211, o BAICV registou um crescimento significativo da sua actividade, colocando à disposição dos clientes um conjunto de soluções e opções de pagamento eficientes. Comparada ao ano de 21, em 211 o Crédito Total e os Depósitos representam 3,6% e 1,65% do total do Sistema Financeiro (dados provisórios de Dez211 2 ) contra 2,56% e 1,19% em 21, respectivamente. BAICV posted a significant level of growth in its activity, in 211, providing its customers with a series of efficient payment solutions and options. In 211, total credit and deposits accounted for 3.6% and 1.65% of the financial system total (provisional data for December ) against 2.56% and 1.19% in 21, respectively. Evolução Indicadores Bai (Valores e Quota) Bai Indicators (Amounts And Market Shares) % Milhares Million % 2.56% % 3.6% % 4.% 3.% Activo Liquido Net Assets Depósitos Deposits Quota Activo Market Share (Assets) Quota Depositos Market Share (Deposits) % % 1.65% 1.% Crédito Liquido Credit (Net) Quota Credito Market Share (Credit) BAI Cabo Verde no Sistema Financeiro 4. BAI Cabo Verde in the Financial System 18

19 19 Em 211, verificou-se uma evolução considerável na carteira de crédito paralelamente a um ligeiro aumento nos depósitos de clientes, que acrescido dos Recursos de Outras Instituições Financeiras e do Empréstimo Obrigacionista, o BAICV apresenta uma taxa de transformação de 5,1% (contra 55,% em 21), enquanto a do mercado (de acordo com dados provisórios de Dez 211) foi de 89,3%. Considerando somente os Depósitos de Clientes, a taxa de transformação em 211 seria de 165,3%, contra os 184% de witnessed a considerable evolution of the credit portfolio accompanied by a slight increase in customer deposits which, together with other financial institutions resources and its bond loan gave BAICV a loans-to-deposit rate of 5.1% (against 55.% in 21). The market rate (according to provisional data for December 211) was 89.3%. Considering only customer deposits, the deposits-to-loans rate in 211 would be 165.3%, against 184% in 21. Taxa Transformação Loans-to-Deposits Rate 2.% 18.% 184.% 16.% 14.% 165.3% Taxa de Transformação 1 (Crédito/Depósitos) Loans-to-Deposits Rate 1 (Credit/Deposits) 12.% 1.% 8.% 85.5% 89.3% Taxa de Transformação 2 (Crédito / (Depósitos + Recursos OIF + Passivo Subordinado)) Loans-to-Deposits Rate 2 (Credit / (Deposits + Other Financial Institutions Resources + Subordinated Liabilities) 6.% 4.% 2.% 55.% 5.1% Taxa Transformação do Mercado Loans-to-Deposits (Market Rate).% BAI Cabo Verde no Sistema Financeiro 4. BAI Cabo Verde in the Financial System 19

20

21 21 Enquadramento Macroeconómico e Financeiro Macroeconomic and Financial Environment A economia mundial apresentou uma fraca performance no ano de 211, fruto da acentuada contracção da economia dos países da zona Euro, associada à ténue recuperação da actividade económica do Japão como também dos E.U.A. A crise da dívida soberana da Zona Euro, associado às políticas de austeridade adoptadas por vários países mundiais, despoletou uma deterioração do enquadramento macroeconómico que se alastrou globalmente. Neste contexto, as autoridades monetárias como o Banco Central Europeu (B.C.E), adoptaram medidas de apoio ao crescimento económico, reduzindo assim a sua taxa de referência para 1% no mês de Dezembro de 211. Nos E.U.A, o Federal Reserve, manteve inalterada a sua taxa no intervalo %-,25%, como forma de combater o fraco desempenho da actividade económica Norte-americana. The weakness of world economic performance, in 211, derived from the sharp economic contraction in eurozone countries, associated with a poor level of recovery of economic activity in both Japan and the US. The sovereign debt crisis in the eurozone, associated with the austerity policies adopted by several countries worldwide, triggered a globally spreading deterioration of the macroeconomic environment. In such a context, monetary authorities such as the European Central Bank (ECB) adopted economic growth support measures, reducing their key lending reference rates to 1% in December 211. The US Federal Reserve kept its rates unchanged in the %-.25%, bracket as a means of combating poor levels of economic activity in the US. A. Contexto Internacional A. International O ritmo de crescimento da economia global permaneceu moderado até meados do mês de Maio,verificando-se uma ligeira melhoria no indicador do desempenho global JP Morgan All Industry Output Index, que cresceu,8%, após dois meses sucessivos de decréscimos. Esta melhoria foi determinada essencialmente pela expansão do sector dos serviços, compensando deste modo a tendência decrescente do sector industrial. Os indicadores apontaram um abrandamento da actividade económica nos E.U.A, na Zona Euro, Reino Unido e na Índia, enquanto a actividade económica no Japão permaneceu em contracção, embora a taxa de declínio tenha estabilizado nos meses de Março e Abril. The rate of growth of the global economy remained moderate up to the middle of May, with a slight improvement of.8% in the JP Morgan All Industry Output Index following two successive months of decline. This improvement essentially derived from the services sector, offsetting the downwards trend in the industrial sector. The indicators point to a slowdown of economic activity in the US, eurozone, United Kingdom and India. Economic activity in Japan remained in contraction, although the rate of decline stabilised in March and April. 5. Enquadramento Macroeconómico e Financeiro 5. Macroeconomic and Financial Environment 21

22 22 3. Compilação do JPMorgan All Industry Index 3. JPMorganAll Industry Index compilation Os meses de Julho e Setembro foram extremamente decepcionantes devido à evolução negativa dos principais índices accionistas. Na Europa, os índices DAX, CAC4 e IBEX registaram quedas trimestrais de 25,4%, 25,1% e 17,5%, respectivamente. Nos EUA, os índices Dow Jones, Nasdaq e S&P5 caíram 12,1%, 12,9% e 14,3%, respectivamente. Na China e no Brasil, os índices Bovespa e Shanghai Composite assinalaram quedas de 16,2% e 14,6%. Os inquéritos à performance do sector industrial e de serviço 3 indicaram uma ligeira melhoria no ritmo de crescimento da actividade económica global em Novembro, não obstante os resultados alarmantes do mês de Outubro. Esses indicadores apontaram que o sector industrial permaneceu com grandes fragilidades, enquanto o sector da produção de bens permaneceu praticamente estagnado desde o mês de Julho. O desempenho do JPMorgan All Industry Index até ao mês de Novembro sugere que o crescimento das economias avançadas situou-se em torno de 1% no último trimestre do ano, enquanto as economias emergentes e em desenvolvimento registaram taxas de crescimento inferiores a 6%, correspondendo ao ritmo de crescimento mais fraco desde meados de 23. O enfraquecimento da actividade económica nos E.U.A nos meses de Março a Abril resultou da desaceleração do ritmo de crescimento da produção industrial, que de acordo com os dados do Federal Reserve, a produção industrial diminuiu em termos homólogos,3 pontos percentuais em Abril e 1,3 pontos percentuais em Maio. De acordo com a instituição, o desempenho menos favorável do sector industrial derivou de problemas ligados aos canais de produção, designadamente, problemas de abastecimento de matérias-primas para as indústrias automóveis, elevados custos de produção e condições meteorológicas severas. A economia dos E.U.A apresentou ainda uma taxa de desemprego preo- July and September were extremely disappointing owing to the negative evolution of the main share indices. In Europe, the DAX, CAC4 and IBEX indices posted quarterly losses of 25.4%, 25.1% and 17.5%, respectively. In the US, the Dow Jones, Nasdaq and S&P5 were down 12.1%, 12.9% and 14.3%, respectively. In China and Brazil, the Bovespa and Shanghai indices were down 16.2% and 14.6%. Industrial and services sectors3 performance surveys indicated a slight improvement in the rate of growth of global economic activity, in November, notwithstanding October s alarming results. These indicators suggested that the industrial sector remains very weak, with the goods manufacturing sector having remained practically stagnant since July. The JPMorgan All Industry Index up to November suggests that the growth of the advanced economies in the last quarter of the year was around 1%. The emerging and developing economies posted growth rates of less than 6%, the weakest since mid 23. Weakening economic activity in the US, in March and April, resulted from a deceleration of the rate of growth of industrial output which declined.3 percentage points in April and 1.3 percentage points in May, according to Federal Reserve data. According to the same sources, the less favourable performance of the industrial sector derived from problems associated with production channels, namely over the supply of raw materials for vehicle manufacturing industries, high production costs and very bad weather. The US economy also had a very worrying unemployment rate of more than 9%, associated with a high level of uncertainty over the fiscal situation, leading Standard&Poor s to downgrade its sovereign rating from AAA to AA+. 5. Enquadramento Macroeconómico e Financeiro 5. Macroeconomic and Financial Environment 22

23 23 4. JPMorgan All Industry Index 4. JPMorgan All Industry Index cupante, superior a 9%, associado a uma elevada incerteza em torno da situação orçamental, o que levou a uma desclassificação do rating soberano por parte da Standar&Poor s, de AAA para AA+. O terceiro trimestre de 211 ficou marcado ainda por um agravamento da crise da dívida da Zona Euro, especificamente com o aumento dos receios de incumprimento por parte da Grécia. O contágio subsequente às economias como Espanha e a Itália, ligada a uma maior dificuldade de acesso das instituições financeiras europeias ao mercado monetário interbancário e às emissões de dívida de médio e longo prazo, agravaram exponencialmente os receios de uma acentuada crise mundial. As estatísticas 4 apontam que em Novembro a Zona Euro entrou em recessão, fazendo com que o produto diminuísse,5% no 4º trimestre, com a contracção da Itália, Espanha e França respectivamente de 1%,,6% e,5%, em consequência da transmissão à economia real da severa crise financeira. Relativamente às economias emergentes e em desenvolvimento, especificamente a economia Chinesa, o indicador All Sector Index do mês de Novembro caiu drasticamente, devido à diminuição da produção industrial e à fraca expansão do sector dos serviços. Porém, economias como o Brasil, Rússia ou até a Índia, apresentaram alguns sinais de recuperação face ao desempenho menos favorável do 3º trimestre. Este enfraquecimento da economia dos mercados emergentes traduz não só a diminuição da procura por parte dos países desenvolvidos, como também os sinais de contágio da crise financeira na Zona Euro, além do impacto das medidas restritivas visando a redução das pressões inflacionistas. De acordo com o índice de preços Monthly Food Price Índex, as pressões inflacionistas nos mercados das matérias-primas decresceram em termos mensais em Maio. O índice reduziu cerca de 2,4%, de- Third quarter 211 was also marked by the worsening debt crisis in the eurozone and specifically greater fears over default by Greece. The subsequent contagion to economies such as Spain and Italy, associated with European financial institutions greater access difficulties to the interbank money market and medium and long term debt issues, exponentially worsened the fears of a major world crisis. Statistics4 indicate that the eurozone went into recession in November, with a.5% decline in GDP in the 4th quarter and contraction of 1%,.6% and.5% in Italy, Spain and France, respectively as a consequence of the transmission of the severe financial crisis to the real economy. As regards the emerging and developing economies, specifically China, the All Sector Index for November was drastically down owing to the decline in industrial output and weak expansion of the services sector. However economies such as Brazil, Russia and even India showed signs of recovery in comparison to the less favourable 3rd quarter performance. This situation of weakening emerging market economies translates not only a downturn in demand from developed countries but also signs of the contagion of the financial crisis in the eurozone, in addition to the impact of the restrictive measures designed to reduce inflationary pressures. According to the Monthly Food Price Index, inflationary pressures in the commodities markets were down in monthly terms in May. The index was down by around 2.4%, following a fall of around 6% in April. This fact is closely linked with the falls of around 35% in sugar and 3.6% in cereal prices, which offset the increases of more than 2.2% in meat prices and more than 2.4% in the case of dairy products. 5. Enquadramento Macroeconómico e Financeiro 5. Macroeconomic and Financial Environment 23

Relatório & Contas 2011. Cabo Verde

Relatório & Contas 2011. Cabo Verde Relatório & Contas 2011 Cabo Verde 1. Principais Indicadores... 4 A. Síntese dos Indicadores Financeiros... 4 B. Análise Gráfica dos Principais Indicadores... 6 2. Mensagem Conjunta do Presidente do Conselho

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico 106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico B.7.1.1 Taxas de juro sobre novas operações de empréstimos (1) concedidos por instituições financeiras monetárias a residentes na área do euro (a) Interest rates

Leia mais

1. THE ANGOLAN ECONOMY

1. THE ANGOLAN ECONOMY BPC IN BRIEF ÍNDICE 1. THE ANGOLAN ECONOMY 2. EVOLUTION OF THE BANK SECTOR 3. SHAREHOLDERS 4. BPC MARKET RANKING 5. FINANCIAL INDICATORES 6. PROJECTS FINANCE 7. GERMAN CORRESPONDENTS 1. THE ANGOLAN ECONOMY

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel:

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 10-02-2015 Prepared

Leia mais

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010)

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010) Parte 1 Part 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) Communications Market in National Economy (2006/2010) Parte 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) / Part 1

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014 TEXTO Brazil Leads Decline Among World's Biggest Companies THE losses OF São Paulo's stock market AND THE decline OF Brazil's real made Brazilian companies THE biggest losers among THE world's major companies,

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 A SAP continua a demonstrar um forte crescimento das suas margens, aumentando a previsão, para o ano de 2009, referente à sua margem operacional Non-GAAP

Leia mais

SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos

SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos A SAP aumenta a um ritmo de 14% as receitas de software e de serviços relacionados com software em 2008 e apresenta um crescimento nas receitas totais de

Leia mais

Relatório & Contas 2012. Cabo Verde

Relatório & Contas 2012. Cabo Verde Relatório & Contas 2012 Cabo Verde 1. Principais Indicadores... 4 A. Síntese dos Indicadores Financeiros... 4 B. Análise Gráfica dos Principais Indicadores... 6 2. Mensagem Conjunta do Presidente do Conselho

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %)

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %) Brasil e Coréia: Qualquer similaridade é mera coincidência? a Faz algum tempo que argumentamos sobre as lições importantes que a Coréia oferece ao Brasil. O país possui grau de investimento há muitos anos,

Leia mais

RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA

RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA (ao abrigo do n.º 3 do art.º 18º da Lei Orgânica) Banco de Cabo Verde / Maio 2012 Banco de Cabo Verde Maio de 2012 BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos

Leia mais

GERDAU. 1 o Trim. 2001

GERDAU. 1 o Trim. 2001 GERDAU Informações Relevantes 2 o Trimestre de Senhores Acionistas: O ano de iniciou-se movido pelo bom desempenho econômico brasileiro do ano anterior: forte crescimento industrial, inflação sob controle,

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA

RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA (ao abrigo do n.º 3 do art.º 18º da Lei Orgânica) Banco de Cabo Verde Novembro de 2011 Banco de Cabo Verde / Novembro 2011 BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

05. Demonstrações Financeiras Financial Statements

05. Demonstrações Financeiras Financial Statements 05. Demonstrações Financeiras Financial Statements Demonstrações Financeiras Financial Statements 068 Balanços em 31 de Dezembro de 2008 e 2007 Balance at 31 December 2008 and 2007 Activo Assets 2008 2007

Leia mais

Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico diminuiu na União Europeia (-1.2 pontos) e na Área Euro (-1.5 pontos).

Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico diminuiu na União Europeia (-1.2 pontos) e na Área Euro (-1.5 pontos). Ago-04 Ago-05 Ago-06 Ago-07 Ago-08 Ago-09 Ago-10 Ago-11 Ago-12 Ago-13 Ago-14 Análise de Conjuntura Setembro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico

Leia mais

05. Demonstrações Financeiras Financial Statements

05. Demonstrações Financeiras Financial Statements 05. Demonstrações Financeiras Financial Statements Demonstrações Financeiras Financial Statements 060 Balanços em 31 de Dezembro de 2007 e 2006 Balance at 31 December 2007 and 2006 Activo Assets 2007 2006

Leia mais

Senhores Acionistas: FATURAMENTO CRESCE 47% E SUPERA A MARCA DOS R$ 4 BILHÕES

Senhores Acionistas: FATURAMENTO CRESCE 47% E SUPERA A MARCA DOS R$ 4 BILHÕES Senhores Acionistas: Após sofrer o impacto causado pela desvalorização da moeda brasileira no início de 1999, a economia do País, de um modo geral, mostrou resultados bastante positivos no encerramento

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank. Depósitos com pré-aviso até 3 meses. equiparados até 2 anos (1)

Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank. Depósitos com pré-aviso até 3 meses. equiparados até 2 anos (1) B.0.1 AGREGADOS MONETÁRIOS DA ÁREA DO EURO (a) EURO AREA MONETARY AGGREGATES (a) Saldos em fim de mês End-of-month figures Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank M3 Circulação monetária

Leia mais

COSEC. Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio

COSEC. Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio COSEC 8 de Agosto de 2011 Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Mitos e Mistérios do Mercado

Leia mais

Relatório Contas. Annual Report. Cabo Verde Cape Verde

Relatório Contas. Annual Report. Cabo Verde Cape Verde Relatório Contas Annual Report Cabo Verde Cape Verde Investimos em si. We Invest In you. & Relatório Contas Annual Report 10. 1. 2. Mensagem Conjunta do Presidente do Conselho de Administração e do Presidente

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008 1.6 Faturamento 1966/008 Revenue 1966/008 1966 1967 1968 1969 1970 1971 197 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 198 AUTOVEÍCULOS VEHICLES 7.991 8.11 9.971 11.796 13.031 15.9 17.793 0.78 3.947 6.851 6.64

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica.

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica. dossiers Economic Outlook Conjuntura International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros Last Update Última Actualização 15-07-2015 Prepared by PE

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Conference Call 2Q13 and 1H13 Results

Conference Call 2Q13 and 1H13 Results Conference Call 2Q13 and 1H13 Results 2 Performance in the Negócios Internacionais Negócios domestic Nacionais and USA,Europa e international markets Exportações Márcio Utsch Net Revenue 3 Net revenue

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA

RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA (ao abrigo do nº 3 do art.º 18.º da Lei Orgânica do BCV) Novembro de 2013 Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DE POLÍTICA MONETÁRIA (ao abrigo do n.º 3 do art.º 18º da Lei Orgânica)

Leia mais

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico da Guarda R E L AT Ó R I O D E AT I V I D A D E P R O F I S S I O N A L N A J. V A R G A S - G A B I N E T E T É C N I C O D E G E S T Ã O E

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Gestão de Crédito e Riscos

Gestão de Crédito e Riscos www.pwc.com Gestão de Crédito e Riscos Desafios e soluções no contexto actual Associação Portuguesa de Tintas - Seminário 2012 Agenda Introdução e enquadramento Optimização do fundo de maneio Gestão de

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Textos de política e situação económica

Textos de política e situação económica A ECONOMIA PORTUGUESA EM 1999 1. INTRODUÇÃO As previsões do Banco de Portugal apresentadas neste Boletim Económico apontam para uma desaceleração do Produto Interno Bruto (PIB) em 1999, que deverá crescer

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES RECURSOS HUMANOS HUMAN RESOURCES . RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELECÇÃO. HUMAN RESOURCES RECRUITMENT AND SELECTION O recrutamento e a situação contratual, no ano em análise, e face ao anterior, caracterizaram-se

Leia mais

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO 4Q08 Results Conference Call Friday: March 13, 2008 Time: 12:00 p.m (Brazil) 11:00 a.m (US EDT) Phone: +1 (888) 700.0802 (USA) +1 (786) 924.6977 (other countries)

Leia mais

Portugal entre dois fogos: desafios internos e obstáculos externos Rafael Doménech

Portugal entre dois fogos: desafios internos e obstáculos externos Rafael Doménech Portugal entre dois fogos: desafios internos e obstáculos externos Rafael Doménech Lisboa, Dezembro 15-16, 2014 Mensagens principais Crescimento global vai acelerar em 2015 apesar da correção em baixa

Leia mais

Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa

Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa Demasiado tarde para ser perdoada? Uma análise sintética sobre o impacto de uma renegociação da dívida pública Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa Lusíada. Economia & Empresa. Lisboa, n.º 16/2013

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 - Estabilidade e Supervisão do Sistema Financeiro 1. Estabilidade do Sistema Financeiro O Banco de Cabo Verde tem, de entre as suas

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD

Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD 1 16 de Março de 2015 Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD O Euro transaccionou a 1,0696 USD, o nível mais baixo dos últimos 12 anos, e só em 2015 acumula uma depreciação de cerca de 12.

Leia mais

Banco Central de S. Tomé e Príncipe

Banco Central de S. Tomé e Príncipe Banco Central de S. Tomé e Príncipe CONJUNTURA MACROECONÓMICA IIIº Trimestre 2015 Disponível em: www.bcstp.st/publicações 1 ÍNDICE 1. RESUMO EXECUTIVO... 5 2. CONJUNTURA ECONÓMICA INTERNACIONAL... 6 2.1

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

Fundo Petrolífero de Timor-Leste

Fundo Petrolífero de Timor-Leste VOLUME 11 NÚMERO XXX Fundo Petrolífero de Timor-Leste Relatório Trimestral 30 de Setembro de 2015 Neste relatório 1. Introdução 1 Sumário Executivo 2 Mandato de Investimento 2 Tendências do mercado 4 Gestão

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado;

Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado; 31-mar-2014 Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado; Dólar se deprecia 2,7% na semana, influenciado por entrada de fluxo positivo; Ibovespa sobe 5,0% na semana, se aproximando

Leia mais

Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda;

Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda; 05-mai-2014 Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda; Ibovespa avançou 3,1% na semana, influenciado

Leia mais

II.2.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.2.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Cabo Verde Capítulo II II.2.1. Síntese Como pequena economia aberta numa envolvente cada vez mais globalizada e competitiva, Cabo Verde é muito condicionado pela conjuntura externa, tendo também em conta

Leia mais

Administração de Capital de Giro e Planejamento a Curto Prazo. Chapter Outline

Administração de Capital de Giro e Planejamento a Curto Prazo. Chapter Outline 26-0 Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Curso de Finanças Corporativas Prof. Edson Pamplona (www.iem.efei.br/edson) CAPÍTULO 27 Administração de Capital de Giro

Leia mais

O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária

O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária André Marques Março de 2015 I. Histórico II. Características Principais III. Relatórios IV. Uso no Processo de Política Monetária

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal

Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal Internet online access to the Banco de Portugal Statistical Interactive Database O BPstat Estatísticas online

Leia mais

Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD

Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD 1 9 de Fevereiro de 2015 Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD Os preços de referência do crude (WTI e Brent) estão a transaccionar acima dos 50 USD, o que poderá representar um momento de

Leia mais

SÃO PAULO 916.321.967-00 CLÓVIS AUGUSTO MANFIO 063.986.528-35

SÃO PAULO 916.321.967-00 CLÓVIS AUGUSTO MANFIO 063.986.528-35 Corporate Legal Name ALARM-TEK ELETRONICA LTDA Trade Name ALARMTEK Address Calçada das Anêmonas, nº. 42 District Centro Comercial - Alphaville Zip Code 6453-5 Telephones 11 4191-7256 Corporate Tax Registration

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

2009-2010 SALARY GUIDE. Brazil

2009-2010 SALARY GUIDE. Brazil 2009-2010 SALARY GUIDE Brazil Conteúdo Introdução...1 Finance and Accounting...2 Engineering...3 Sales & Marketing...4 Technology...5 Banking...6 Banking (Continued)...7 Insurance...8 About Robert Half...9

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015 Sumário executivo No decurso do primeiro semestre de 2015, a Administração do BNI prosseguiu de forma consistente a missão, visão e objectivos do Banco orientados no objectivo central de contribuir para

Leia mais

Rating soberano do Brasil

Rating soberano do Brasil Rating soberano do Brasil Regina Nunes Presidente Standard & Poor s no Brasil Outubro 2014 Permission to reprint or distribute any content from this presentation requires the prior written approval of

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) (aplicável às entidades sujeitas à disciplina normativa contabilística das IAS / IFRS) BANCO BPI, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 Fundo Especial de Investimento Fechado RELATÓRIO & CONTAS 1º Semestre 2008 ÍNDICE AMBIENTE MACRO ECONÓMICO E MERCADOS FINANCEIROS 2 A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE FIM EM PORTUGAL

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Capa 2011 Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Evolução da actividade, aspectos mais relevantes e resultados obtidos pelo Banif - Grupo Financeiro no 1.º Trimestre de 2011 Os resultados líquidos

Leia mais

Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal

Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal Internet online access to the Banco de Portugal Statistical Interactive Database O BPstat Estatísticas online

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011 Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas Comitê de Comércio Exterior Brasília Julho de 2011 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE BENS E SERVIÇOS* US$ Bilhões BRAZILIAN FOREIGN TRADE IN GOODS

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

JOSE GABRIEL REGO. Resumo. Especializações. Experiência. Assistant Card Manager at Grupo Banco Popular jgrego@netcabo.pt

JOSE GABRIEL REGO. Resumo. Especializações. Experiência. Assistant Card Manager at Grupo Banco Popular jgrego@netcabo.pt JOSE GABRIEL REGO jgrego@netcabo.pt Resumo My main objective is to develop my career in order to deepen the experience I accumulated over the years based in the development of practical and theoretical

Leia mais

Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos

Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos 1 10 de Março de 2015 Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos As taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro (BT) angolano, títulos de dívida de curto prazo (inferior a

Leia mais

ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS EM 2010

ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS EM 2010 ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS EM 1 ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL Depois de uma das maiores recessões da história recente, 1 foi um ano de recuperação económica. Segundo a estimativa da Comissão Europeia,

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais