VIII-004 GESTÃO EMPRESARIAL DE COOPERATIVISMO DE CRÉDITO EM EMPRESA DE SANEAMENTO CASO DA CECRES EM SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIII-004 GESTÃO EMPRESARIAL DE COOPERATIVISMO DE CRÉDITO EM EMPRESA DE SANEAMENTO CASO DA CECRES EM SÃO PAULO"

Transcrição

1 VIII-004 GESTÃO EMPRESARIAL DE COOPERATIVISMO DE CRÉDITO EM EMPRESA DE SANEAMENTO CASO DA CECRES EM SÃO PAULO Lázaro Miguel Rodrigues (1) Administrador de Empresas, formado pela Faculdade de Administração de Votuporanga SP, Gerente do Departamento Administrativo e Financeiro da Unidade de Negócio Alto Paranapanema da Sabesp em Itapetininga e atual Presidente da CECRES. Luiz Eduardo de Paiva (2) Administrador de Empresas, formado pela Universidade Anhembi Morumbi de São Paulo SP, Ex-Gerente do Departamento de Produção da Diretoria de Produção da Sabesp, Ex-Vice Presidente da CECRESP SP e atual Superintendente da CECRES. Endereço (1) : Av. Padre Antonio Brunetti, nº 1234 Vila Rio Branco Itapetininga SP Cep: Brasil (15) Fax: (15) r RESUMO Em um mundo capitalista como o que hoje vivemos, as linhas de créditos, financiamentos e quaisquer outras movimentações que envolvam custos na captação do dinheiro, invariavelmente encontramos enormes dificuldades e sobressaltos, indistintamente em qual nível sócio-econômico que a pessoa se encontra. Facilitar este envolvimento com o ambiente econômico-financeiro e contribuir para que as pessoas tenham linhas de créditos mais facilitadas a um custo menor, é sem dúvida o que todos esperam e almejam. A CECRES contanto com aproximadamente cooperados e possibilidades de crescimento, uma vez que o Estatuto assim permite, sem dúvida alguma, em se tratando do segmento Cooperativismo de Crédito é uma referência nacional. PALAVRAS-CHAVE: Intercooperação, Gestão democrática e livre, Participação econômica dos membros, Educação, Formação e informação, Interesse pela comunidade. INTRODUÇÃO Voltando no tempo, vamos encontrar em 1610, com a fundação das primeiras reduções jesuíticas no Brasil, o início da construção de um estado cooperativo em bases integrais. Por mais de 150 anos, esse modelo deu exemplo de sociedade solidária, fundamentada no trabalho coletivo, onde o bem-estar do indivíduo e da família se sobrepunha ao interesse econômico da produção. A ação dos padres jesuítas se baseou na persuasão, movida pelo amor cristão e no princípio do auxílio mútuo (mutirão), prática encontrada entre os indígenas brasileiros e em quase todos os povos primitivos, desde os primeiros tempos da humanidade. Em 21 de dezembro de 1844 no bairro de Rochdale, em Manchester ( Inglaterra), 27 tecelões e uma tecelã fundaram a "Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale" com o resultado da economia mensal de uma libra de cada participante durante um ano. Tendo o homem como principal finalidade - e não o lucro, os tecelões de Rochdale buscavam naquele momento uma alternativa econômica para atuarem no mercado, frente ao capitalismo ganancioso que os submetiam a preços abusivos, exploração da jornada de trabalho de mulheres e crianças (que trabalhavam até às 16h) e do desemprego crescente advindo da Revolução Industrial. Naquele momento a constituição de uma pequena cooperativa de consumo no então chamado "Beco do Sapo" (Toad Lane) estaria mudando os padrões econômicos da época e dando origem ao movimento cooperativista. Tal iniciativa foi motivo de deboche por parte dos comerciantes, mas logo no primeiro ano de funcionamento o capital da sociedade aumentou para 180 libras e mais tarde o "Armazém de Rochdale" já contava com cooperantes. O sucesso dessa iniciativa passou a ser um exemplo para outros grupos. O cooperativismo evoluiu e conquistou um espaço próprio, definido por uma nova forma de pensar o homem, o trabalho e o desenvolvimento social. Por sua forma igualitária e social o cooperativismo é aceito por todos os governos e reconhecido como fórmula democrática para a solução de problemas sócio-econômicos. Porém, é em 1847 que situamos o início do movimento cooperativista no Brasil. Foi quando o médico francês Jean Maurice Faivre, adepto das idéias reformadoras de Charles Fourier, fundou, com um grupo de europeus, nos sertões do Paraná, a colônia Tereza Cristina, organizada em bases cooperativas. Essa organização, apesar ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

2 de sua breve existência, contribuiu na memória coletiva como elemento formador do florescente cooperativismo brasileiro. Contudo, para aprofundar-nos no desenvolvimento histórico do cooperativismo no Brasil, é necessário fazê-lo por ramos, ou seja, tipos de cooperativas, já que cada um teve a sua própria história, com dificuldades e sucessos distintos, dependendo, quase sempre, das facilidades ou obstáculos oferecidos pelo Governo. Neste trabalho mostraremos o caso da Cecres, uma Cooperativa de Crédito Mútuo com 20 anos de existência considerada modelo para o incentivo da criação de novas Cooperativas. COOPERATIVISMO DE CRÉDITO Os Bancos Populares começaram a surgir no país a partir de 1919, trazidas por influência da Igreja Católica. Como registro principal deste modelo de Cooperativa, temos a fundação da Cooperativa Luzzatti, na cidade de Franca, interior do Estado de São Paulo. Este modelo de Cooperativa teve tanta receptividade, que o movimento expandiu-se rapidamente, chegando a ser criadas cerca de Cooperativas nos vinte anos seguintes. No final dos anos 50 são trazidas para o Brasil as idéias de Desjardins, novamente por influência da Igreja Católica e pelas mãos de Maria Tereza Rosália Teixeira Mendes, assistente social e funcionária do Ministério da Agricultura, encarregada do registro de Cooperativas. Em 1958, como parte deste projeto, foi constituída no Palácio São Joaquim, na cidade do Rio de Janeiro, a primeira Cooperativa de Crédito Mútuo do Brasil, a Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da Conferência dos Bispos do Brasil. No mesmo período, outras Cooperativas são criadas, sendo no dia 03/08/1960, com um número de 04 Cooperativas, criada a Federação Leste Meridional das Cooperativas de Economia e Crédito Mútuo - Feleme, o primeiro órgão de representação do Cooperativismo de Crédito Mútuo do País, com área de ação nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais e posteriormente Paraná. A história do Cooperativismo em São Paulo, começa a ser contada no dia 14 de julho de 1961, na cidade de Santo André, com a constituição da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados da Rhodia Química - CREDIRHODIA, no dia 08 de junho de 1962, constituída a Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados da RHODIACETA, também na cidade de Santo André. CECRES, SEMPRE A MELHOR OPÇÃO A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados e Servidores da Sabesp e em Empresas de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo CECRES, foi constituída em 12 de junho de É uma instituição financeira, sociedade de pessoas, de natureza civil, sem fins lucrativos e não sujeita a falência. Rege-se pelo disposto nas Leis nºs , de , e 4.595, de , nos atos normativos baixados pelo Conselho Monetário Nacional, pelo Banco Central do Brasil e pelo estatuto. A Cooperativa tem por objeto social o desenvolvimento de programas de poupança, de uso adequado do crédito e de prestação de serviços, praticando todas as operações ativas, passivas e acessórias próprias de Cooperativas de Crédito; proporcionar, através da mutualidade, assistência financeira aos associados em suas atividades específicas, buscando apoiar e aprimorar a produção, a produtividade e a qualidade de vida, bem assim a comercialização e industrialização dos bens produzidos; a formação educacional de seus associados, no sentido de fomentar o Cooperativismo. Uma empresa que surgiu há 20 anos, com pouco mais de 30 cooperados, com o objetivo de atender às necessidades dos funcionários da Sabesp, oferecendo linhas de crédito com juros mais acessíveis e uma série de benefícios. As primeiras instalações da Cecres foram na Associação Sabesp, depois no primeiro andar do prédio da Sabesp na rua Padre João Manoel, com 50m2. Em seguida, a Cooperativa passou a ocupar o sétimo andar do ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2

3 mesmo prédio, mas com uma área de 100m2. Em 1999, a Cecres mudou para um prédio comercial na Rua Augusta, com cerca de 180m2. Em outubro de 2001 foi inaugurada a tão esperada sede própria da Cecres, o 3º andar do Edifício Investimento, no centro de São Paulo. E em 2002, inauguramos mais um andar, o 15º. Atualmente possui cinco PACs (Posto Avançado Cecres) localizados nas cidades de Franca, Botucatu, Itapetininga, Presidente Prudente e Lins. EMPRESA E QUADRO SOCIAL Atualmente a Cecres Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados e Servidores da Sabesp e em Empresas de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo desempenha um trabalho muito importante e competente, levando seus produtos e serviços a todos os seus associados para realizar sonhos e construir futuros. Hoje a Sabesp possui cerca de (Dezessete Mil) funcionários, sendo que destes, quase são cooperados da Cecres. Após a abertura de seu estatuto em 2002, a Cecres busca novos cooperados através das demais empresas de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo, tais como Cetesb, Saned, Sanasa entre outras. A Cooperativa está em expansão contínua para atender todos os cooperados sempre com a mesma agilidade e eficácia. NECESSIDADES DO ASSOCIADO: PRODUTOS E SERVIÇOS O objetivo da Cecres vai além da concessão de crédito a juros baixos e sem burocracia, também faz parte de sua filosofia a orientação sobre qual a melhor forma de aplicar o dinheiro, despertar o hábito de poupar e melhorar a qualidade de vida de seus associados, familiares e amigos. Por isso, a Cecres disponibiliza inúmeras vantagens e benefícios para todos os cooperados. Há dez anos com a mesma taxa de juros: 1,75% ao mês, sem indexadores; Limite de Crédito de até 6 vezes o capital acumulado; Pagamento em até 36 meses; Assessoria Jurídica; Capitalização com rendimento superior à poupança e a algumas aplicações financeiras; Parcerias Estudantis com Universidades, Faculdades, Colégios, Cursos etc.; Promoções de Eletrodomésticos e Eletroeletrônicos; Kit Bebê; Auxílio Doença; Auxílio Funeral; Palestras de Educação Orçamentária; Cursos Artesanais. LINHAS DE CRÉDITO Empréstimo pessoal; Refinanciamento; Empréstimo Promocional; Antecipação do Imposto de Renda; Rapidinho. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 3

4 GRÁFICOS Figura 1: Evolução da Carteira de Empréstimo Cecres 2003/ , , , , , , ,00 0,00 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Empréstimo , , , , , , , , , , , ,03 Empréstimo , , , , , , , , , , , ,73 Figura 2: Evolução do Resultado Cecres , , , , , , , , , ,00 0, Resultado (R$) , , , , ,79 ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 4

5 Figura 3: Capitalização Cecres X Rentabilidade dos Fundos de Aplicação 14,00% 13,08% 12,00% 10,00% 8,00% 6,00% 4,00% 2,00% 0,00% Poupança BB DI Básico BB DI Especial BB DI Preferencial CECRES Série1 8,09% 8,73% 11,28% 11,53% 13,08% Figura 4: Comparativo de Taxa de Juros de Crédito Pessoal para Pessoa Física 20,00% 19,40% 18,00% 16,00% 14,00% 12,00% 11,59% 10,00% 9,64% 8,00% 6,00% 4,00% 5,20% 4,12% 3,68% 1,75% 2,00% 0,00% Crefisa Fininvest Finasa Unibanco Banespa Nossa Caixa CECRES Fonte: Banco Central do Brasil - Abril/2005 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 A ISO (International Standards Organization) Organização Mundial para Normalização, com sede em Genebra na Suíça, criou a certificação ISO, como a referência mais sólida de identificação das empresas que priorizam a satisfação de seus clientes através da qualidade de seus produtos e serviços. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 5

6 Certificada desde 2001 no Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2000, promovido pela SGS System Certification, a Cecres garante a qualidade e a excelência na Prestação de Serviços de Gerenciamento e Concessão de Crédito; além de comprovar o empenho de sua administração que utiliza uma estrutura especialmente desenvolvida para a busca contínua da satisfação de seus cooperados, cujo resultado não seria possível sem o empenho e dedicação de cada um de seus funcionários. Figura 5: Logo de Credenciamento Figura 6: Marca de Certificação CONCLUSÕES Ao analisarmos o desempenho e os resultados expressivos da CECRES ao longo de sua existência, a conclusão que se obtém, é sem dúvida alguma, a mais satisfatória. O capital evolutivo verificado nos últimos anos, o aumento significativo do n de cooperados, a gama de produtos hoje oferecidos, os resultados (sobras) obtidos de maneira crescente, a baixa inadimplência atualmente verificada, fazem da CECRES uma cooperativa de crédito referencial. Hoje, podemos dizer com muito orgulho e muito trabalho, que a Cecres é sem dúvida uma das mais completas Cooperativas de Crédito do Estado de São Paulo, no que diz respeito a qualidade e seriedade em sua prestação de serviços, bem como dos cooperados que colaboram conosco, porque desde seu início, sempre teve em mente a preocupação com o bem-estar de todos. Por isso, solidariedade, trabalho e dedicação são alguns pontos que fazem da Cecres uma instituição sólida, apoiada nos princípios cooperativistas e sempre a melhor opção! REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 6

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

Cooperativismo > História História do Cooperativismo

Cooperativismo > História História do Cooperativismo Cooperativismo > História História do Cooperativismo A origem do que hoje chamamos cooperativa tem data marcada: 21 de dezembro de 1844. Nesse dia, 27 tecelões e uma tecelã do bairro de Rochdale, em Manchester,

Leia mais

Índice. Boas vindas...03. Missão COOPERFEMSA...04. O que é uma Cooperativa de Crédito Mútuo?...05. O que é a COOPERFEMSA?...06

Índice. Boas vindas...03. Missão COOPERFEMSA...04. O que é uma Cooperativa de Crédito Mútuo?...05. O que é a COOPERFEMSA?...06 Guia do Cooperado Índice Boas vindas...03 Missão COOPERFEMSA...04 O que é uma Cooperativa de Crédito Mútuo?...05 O que é a COOPERFEMSA?...06 Quais as vantagens para se associar?...07 De quem é a COOPERFEMSA?...08

Leia mais

Curso Iniciação ao Cooperativismo

Curso Iniciação ao Cooperativismo Seja bem Vindo! Curso Iniciação ao Cooperativismo CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 20hs Conteúdo Programático: 01. Introdução 02. As sociedades cooperativas 03. As Cooperativas 04. Competividade 05.

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

Título de Capitalização

Título de Capitalização Título de Capitalização O QUE VOCÊ PRECISA SABER Agosto de 2015 Livreto.indd 1 31/08/2015 15:08:39 Livreto.indd 2 31/08/2015 15:08:39 Sumário Título de Capitalização 4 Um pouco de história 5 A Capitalização

Leia mais

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA Por: Vera Cristiane Costa Prezoto Introdução Diante do atual cenário de competitividade, as organizações buscam instrumentos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC

PLANO DE AÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2012/2013 Apresentação A Diretoria Executiva da Associação dos Funcionários da Cooperativa Castrolanda AFCC objetiva apresentar

Leia mais

HISTÓRICO DO MOVIMENTO COOPERATIVISTA BRASILEIRO E SUA LEGISLAÇÃO: UM ENFOQUE SOBRE O COOPERATIVISMO AGROPECUÁRIO

HISTÓRICO DO MOVIMENTO COOPERATIVISTA BRASILEIRO E SUA LEGISLAÇÃO: UM ENFOQUE SOBRE O COOPERATIVISMO AGROPECUÁRIO HISTÓRICO DO MOVIMENTO COOPERATIVISTA BRASILEIRO E SUA LEGISLAÇÃO: UM ENFOQUE SOBRE O COOPERATIVISMO AGROPECUÁRIO Autor: Jackson Eduardo Gonçalves (*) Endereço para correspondência: Rua Juca Escrivão,

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA

PARECER DE AUDITORIA PARECER DE AUDITORIA Aos Diretores da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS CORRETORES DE SEGUROS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA LTDA CREDICORSEGS 1. Examinamos o balanço patrimonial da

Leia mais

Manual do Cooperado COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS COLABORADORES DO GRUPO SAINT-GOBAIN A MELHOR SOLUÇÃO PARA OS SEUS PROBLEMAS

Manual do Cooperado COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS COLABORADORES DO GRUPO SAINT-GOBAIN A MELHOR SOLUÇÃO PARA OS SEUS PROBLEMAS C re d i C o o p e r a t i v a de Ec o n om i a e C rédi t o Mút u o d o s C o l a b o r a d o re s d o G r u p o S a i n t- G o b a i n Ave n id a S a n t a M a r i n a, 443 Ág u a Br a n c a - São Pau

Leia mais

Olá, pessoal! Sou o João Catavento e também um associado do Sicredi. Antes de iniciar a leitura deste material, eu quero que você abra o presente que está anexado na página ao lado: um DVD que tem um conteúdo

Leia mais

Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação e da ajuda mútua entre associados.

Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação e da ajuda mútua entre associados. COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DE CERÂMICA CoopASPACER Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO...

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... Manual do Cooperado Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... 3 5 COOPERHIDRO... 3 6 RECONHECIMENTO PARA FUNCIONAMENTO...

Leia mais

Marlhice Hafemann Jani Floriano Universidade da região de Joinville Univille marlhice@yahoo.com.br jani.floriano@univille.

Marlhice Hafemann Jani Floriano Universidade da região de Joinville Univille marlhice@yahoo.com.br jani.floriano@univille. PARTICIPAÇÃO EM OPERAÇÕES FINANCEIRAS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB CREDISC DE JOINVILLE EM RELAÇÃO À SICOOB CREDISC EM TODO ESTADO DE SANTA CATARINA 2007 a 2010 Marlhice Hafemann Jani Floriano Universidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS 1. BREVE HISTÓRICO O cooperativismo objetiva difundir os ideais em que se baseia, para atingir o pleno desenvolvimento financeiro, econômico e social de todas

Leia mais

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário 1- Opções de associação de empresas a cooperativas de crédito As pessoas

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br Parabéns! Agora você faz parte de uma cooperativa Sicoob e conta com todos os produtos e serviços de um banco,

Leia mais

PESQUISA ESTADUAL Avaliação dos impactos da educação financeira nos clientes de instituições financeiras 2014

PESQUISA ESTADUAL Avaliação dos impactos da educação financeira nos clientes de instituições financeiras 2014 CECRES Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo PESQUISA ESTADUAL Avaliação dos impactos da educação financeira nos clientes de instituições financeiras 2014 RELATÓRIO SINTÉTICO Departamento de Projetos

Leia mais

FINANÇAS E COOPERATIVISMO

FINANÇAS E COOPERATIVISMO O CARREGA NA ESSÊNCIA OS VALORES DA HUMANIDADE Cooperativismo é a união voluntária de pessoas com o objetivo de atender necessidades e aspirações comuns, de natureza econômica, social, cultural ou outras.

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO INTRODUÇÃO OBJETIVO PRINCIPAL. Oferecer microcrédito para população de baixa renda, atendendo pessoas que não tem perspectivas e nenhum crédito nas instituições financeiras tradicionais. Acreditamos que,

Leia mais

O cooperativismo de crédito e você

O cooperativismo de crédito e você O cooperativismo de crédito e você A Cooperativa de Crédito é uma instituição financeira sem fins lucrativos de propriedade dos associados, controlada de forma democrática por seus membros, e tem o propósito

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da Segurança Pública de São Paulo

Leia mais

PESQUISA ESTADUAL Avaliação dos impactos da educação financeira nos clientes de instituições financeiras 2014

PESQUISA ESTADUAL Avaliação dos impactos da educação financeira nos clientes de instituições financeiras 2014 CECRES Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo PESQUISA ESTADUAL Avaliação dos impactos da educação financeira nos clientes de instituições financeiras 2014 RELATÓRIO ANALÍTICO Departamento de Projetos

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

COOPERATIVISMO DE CRÉDITO

COOPERATIVISMO DE CRÉDITO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO Reflexões a partir da experiência do Sistema Cre$ol *Arni Deonildo Hall 1. Retrospectiva histórica origem do cooperativismo O cooperativismo, como conhecemos hoje, tem suas raízes

Leia mais

As estratégias da atividade de relações públicas nas cooperativas de crédito

As estratégias da atividade de relações públicas nas cooperativas de crédito As estratégias da atividade de relações públicas nas cooperativas de crédito Taís Corrêa * Resumo: Este artigo aborda o surgimento do movimento cooperativista com ênfase às cooperativas de crédito, relacionando

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Capitalizar é preciso!

Capitalizar é preciso! ME T A L C R E D Agosto/2009 C R E D Informativo Interno da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Metalúrgicos da Grande São Paulo Ano 1 Nº 2 Capitalizar é preciso! A capitalização é um processo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO 20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE NACIONAL RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Brasília / 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

INCLUSÃO PRODUTIVA. 3 - O governo estadual desenvolve ações, programas ou projetos de inclusão produtiva para a geração de trabalho e renda?

INCLUSÃO PRODUTIVA. 3 - O governo estadual desenvolve ações, programas ou projetos de inclusão produtiva para a geração de trabalho e renda? 1 - Existe algum tipo de estudo setorial e/ou diagnóstico socioeconômico do estado que tenha sido realizado no período entre 2010 e 2014? 1 Sim 1.1 - Ano do diagnóstico: Não (passe para 2 o quesito 3)

Leia mais

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini GESTÃO AMBIENTAL EM SUBESTAÇÕES AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL COM VISTAS A PRESERVAR A IMAGEM DA CIA E GARANTIR A SUSTENTABILIDADE DE SEUS NEGÓCIOS José Mario Dionizio

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

Título: A Influência do Cooperativismo de Crédito na Região Sul Fluminense: Um Estudo de Caso da Cooperativa de Crédito de Mendes

Título: A Influência do Cooperativismo de Crédito na Região Sul Fluminense: Um Estudo de Caso da Cooperativa de Crédito de Mendes Título: A Influência do Cooperativismo de Crédito na Região Sul Fluminense: Um Estudo de Caso da Cooperativa de Crédito de Mendes Autor: NAMI, M. R. P.; VENTURA, L. da S.; MIRANDA, T. N. Fonte: para citar

Leia mais

IMPORTÃNCIA DA ATUAÇÃO DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL NA CIDADE DE GARÇA E REGIÃO PARA ATENDER O SEGUIMENTO AGROPECUÁRIO.

IMPORTÃNCIA DA ATUAÇÃO DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL NA CIDADE DE GARÇA E REGIÃO PARA ATENDER O SEGUIMENTO AGROPECUÁRIO. IMPORTÃNCIA DA ATUAÇÃO DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL NA CIDADE DE GARÇA E REGIÃO PARA ATENDER O SEGUIMENTO AGROPECUÁRIO. GASPARELLO, Cibele Ferreira. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e

Leia mais

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Projeto Básico da Contratação de Serviços: Constitui objeto do presente Projeto Básico a contratação de empresa especializada em serviços de comunicação

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Sul

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Sul em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Sul O desempenho e os resultados alcançados pelo Sicoob Sul em comprovam as vantagens do trabalho coletivo em cooperativa. Mesmo num ano de muitas incertezas

Leia mais

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados SICOOB CREDIROCHAS Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Credirochas conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado

Leia mais

G.C.P - GUIA DE CREDENCIAMENTO PROFISSIONAL

G.C.P - GUIA DE CREDENCIAMENTO PROFISSIONAL G.C.P - GUIA DE CREDENCIAMENTO PROFISSIONAL I - Adquira o Kit de Trabalho e Tenha sua Franquia Individual em sua Cidade. II Conheça nosso Marketing de Rede. Fácil de fazer, fácil de divulgar. III Na última

Leia mais

SUPERENDIVIDAMENTO. Saiba planejar seus gastos e evite dívidas.

SUPERENDIVIDAMENTO. Saiba planejar seus gastos e evite dívidas. SUPERENDIVIDAMENTO Saiba planejar seus gastos e evite dívidas. Nos últimos anos, houve um crescimento significativo de endividados no Brasil. A expansão da oferta de crédito e a falta de controle do orçamento

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS EMPREGADOS DA ALCATEL-LUCENT BRASIL SICOOB COOPER ALCATEL-LUCENT. Relatório. anual

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS EMPREGADOS DA ALCATEL-LUCENT BRASIL SICOOB COOPER ALCATEL-LUCENT. Relatório. anual Relatório anual 2014 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS EMPREGADOS DA ALCATEL-LUCENT BRASIL SICOOB COOPER ALCATEL-LUCENT Relatório 2014 anual SUMÁRIO 07 0 8 10 11 12 15 Mensagem do Presidente

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros!

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! Consórcio Imobiliário na prática Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! 1 Sobre a empresa A A+ Consórcios iniciou suas atividades com o objetivo de gerir

Leia mais

PASSOS E JACUÍ GANHAM NOVAS AGÊNCIAS

PASSOS E JACUÍ GANHAM NOVAS AGÊNCIAS ANO I ED. 07 AGOSTO 2015 Impresso Especial 9912317902/2013/DR/MG SICOOB Nossocrédito CORREIOS Impresso Especial 9912317902/2013/DR/MG SICOOB Nossocrédito CORREIOS DEVOLUÇÃO GARANTIDA CORREIOS D C de cara

Leia mais

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte O desempenho e os resultados alcançados pelo Sicoob Norte em comprovam as vantagens do trabalho coletivo em cooperativa. Mesmo num ano de muitas

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br História da Caixa Professor Carlos Arthur 1. A Caixa Econômica Federal (CAIXA), criada em 1861, está regulada pelo Decreto-Lei n.º 759/1969, como empresa pública vinculada ao Ministério da Fazenda. A instituição

Leia mais

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares 1. Introdução Por Larissa Yuri Ushizima Quem pode abrir uma conta bancária? Como pessoas de baixa renda podem ter acesso

Leia mais

Um ano de excelentes resultados

Um ano de excelentes resultados Um ano de excelentes resultados Mais uma vez, o Sicoob Engecred tem excelentes resultados para os seus cooperados. Em 2012 a Cooperativa superou todas as expectativas e confirmou a sua trajetória de sucesso.

Leia mais

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI Manual Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI O melhor da vida é feito em parceria O Plano de Benefícios Previdenciários da SICOOB PREVI é uma importante ferramenta de planejamento financeiro

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

PREVENIR É A MELHOR ESTRATÉGIA!

PREVENIR É A MELHOR ESTRATÉGIA! APRESENTAÇÃO PREVENIR É A MELHOR ESTRATÉGIA! O desconhecimento do universo de leis vigentes no País e a falta de orientação técnica são as principais causas de problemas que atingem os empresários, impedindo

Leia mais

cogem news ASSEMBLEIA GERAL 2015 Demonstrativo para Imposto de Renda INDICOU, CONCORREU! Associado, Participe da Assembleia Geral da sua Cooperativa.

cogem news ASSEMBLEIA GERAL 2015 Demonstrativo para Imposto de Renda INDICOU, CONCORREU! Associado, Participe da Assembleia Geral da sua Cooperativa. cogem news Desde 1974, estimulando a poupança e ajudando a realizar sonhos! Março de 2015 ASSEMBLEIA GERAL 2015 Associado, Participe da Assembleia Geral da sua Cooperativa. Esse é o momento para análise

Leia mais

EDUCAÇÃO: FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA COOPERATIVA PARANÁ COOPERATIVO

EDUCAÇÃO: FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA COOPERATIVA PARANÁ COOPERATIVO EDUCAÇÃO: FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA COOPERATIVA PARANÁ COOPERATIVO EDUCAÇÃO COOPERATIVISTA Preparar pessoas para a prática responsável do COOPERATIVISMO EDUCAÇÃO COOPERATIVISTA A base de sucesso

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

Escritório em São Paulo NovAmerica Office Park. 2 Caldas & Ferreira - Advogados

Escritório em São Paulo NovAmerica Office Park. 2 Caldas & Ferreira - Advogados Nas páginas seguintes, você conhecerá um pouco de nossa história, dos valores éticos e profissionais que acreditamos e dos serviços jurídicos prestados pela nossa equipe, no qual desde a fundação procuramos

Leia mais

CONHEÇA NOSSA ESTRUTURA

CONHEÇA NOSSA ESTRUTURA CONHEÇA NOSSA ESTRUTURA COOPERSERV A nossa cooperativa A COOPERSERV é a cooperativa dos Funcionários Públicos Municipais. Um dos objetivos da instituição é despertar no associado o hábito de poupar. Ela

Leia mais

Cartilha do Crédito Consignado

Cartilha do Crédito Consignado Cartilha do Crédito Consignado Guia Prático para o Aposentado e Pensionista do INSS apoio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS Caro aposentado ou pensionista Esta cartilha foi elaborada para o seu bem-estar.

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE COOPERATIVISTA: APLICABILIDADE DOS PRINCÍPIOS COOPERATIVISTAS NAS COOPERATIVAS ATUAIS

CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE COOPERATIVISTA: APLICABILIDADE DOS PRINCÍPIOS COOPERATIVISTAS NAS COOPERATIVAS ATUAIS FACULDADE NOVOS HORIZONTES CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE COOPERATIVISTA: APLICABILIDADE DOS PRINCÍPIOS COOPERATIVISTAS NAS COOPERATIVAS ATUAIS Adriano Aparecido Rodrigues Muniz Aracele Prote de Oliveira Gilceu

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Remígio Todeschini 1 1.Introdução O presente texto pretende ser uma contribuição inicial da relação de cooperação entre a Educação

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

SESCOOP/SP SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCESSO SELETIVO FORMAÇÃO CADASTRO RESERVA - EDITAL Nº 02/2011

SESCOOP/SP SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCESSO SELETIVO FORMAÇÃO CADASTRO RESERVA - EDITAL Nº 02/2011 IMPORTANTE: Chegar com antecedência de 30 minutos ao seu horário, pois não será permitida entrada com atraso, independente do motivo. Apresentar documento oficial original (RG, Carteira Habilitação, Carteira

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTA 01- Contexto Operacional: SIMPROEL Sindicato Municipal dos Profissionais em Educação de Lages - SC Fundado em 17/12/1997,

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

Boas Vindas! Boa Leitura!

Boas Vindas! Boa Leitura! porta aberta Edição 2º Semestre 2015 Informativo Distribuição Gratuita Boas Vindas! O dia 01 de Julho de 2015 torna-se uma data histórica para a Cecres, quando ela passa a fazer parte de um sistema cooperativo

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

Vale do São Francisco

Vale do São Francisco Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2015 e 2014 Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Vale do São Francisco Ltda. C.N.P.J 04.237.413/0001-45 Vale do São

Leia mais

NOVOS ASSOCIADOS DO MÊS DE ABRIL

NOVOS ASSOCIADOS DO MÊS DE ABRIL Maio de 2009 NOVOS ASSOCIADOS DO MÊS DE ABRIL GRUPO FITTA CÂMBIO E TURISMO Segmento: Câmbio e Turismo Desde 1999, o Grupo Fitta oferece os mais completos produtos de câmbio no Brasil: cartões bandeira

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E AS COOPERATIVAS DE CATADORES

Leia mais

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues Fundação Habitacional do Exército José Ricardo GODINHO Rodrigues MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS A 18 de Fundação novembro 1980 POUPEX Habitacional Lei nº. 6.855 Instituição Criada pela pública FHE

Leia mais

17/03/2014 TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA

17/03/2014 TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA Pode ocorrer quando há descentralização de recursos para realização de ações que são de competência do poder público e integrem seu programa de governo. (continuação) Os repasses são de recursos correntes

Leia mais

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei: Projeto de Lei- 978 de 13 novembro de 2007, Política Municipal de Fomento à Economia Popular Solidária e a criação do conselho municipal de fomento á economia solidária de Pedro II, com a sigla ( CMPES

Leia mais

Gestão Financeira: Planejamento, Mercado e Investimentos

Gestão Financeira: Planejamento, Mercado e Investimentos Gestão Financeira: Planejamento, Mercado e Investimentos Finanças Podemos definir finanças como a arte e a ciência de administrar fundos (recursos). Praticamente todos os indivíduos e organizações obtém

Leia mais

PROJETO EXPORTAR BRASIL

PROJETO EXPORTAR BRASIL CNPJ: 10692.348/0001-40 PROJETO EXPORTAR BRASIL Apresentação da GS Educacional A GS Educacional faz parte de um grupo que trabalha há vários anos com cursos e serviços na área de comércio exterior e vem

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais