O CRÉDITO, SUA ANÁLISE E A VISÃO MACRO E MICROECONÔMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CRÉDITO, SUA ANÁLISE E A VISÃO MACRO E MICROECONÔMICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PROJETO A VEZ DO MESTRE CAMPUS TIJUCA O CRÉDITO, SUA ANÁLISE E A VISÃO MACRO E MICROECONÔMICA

2 Agradecimentos Uma vez que este texto corresponde ao resulta de anos de estudo acadêmica e profissional, devo agradecer aos meus amigos e familiares com os quais freqüentemente me auxiliaram na pesquisa deste material. Recebi a cooperação da Sr.ª Olga, minha tia, que me deu conforto e descanso nos dias desta pós-graduação, a Sr.ª Nerli, minha mãe, que me proporcionou tranqüilidade e dedicação como mãe, para que eu tivesse tempo suficiente para me dedicar ao estudo deste curso e pesquisa desta monografia. E ao Sr. Caio, meu namorado, que me auxiliou nas dúvidas que surgiram neste estudo. O desenvolvimento desta monografia foi um processo agradável e meticuloso. Em cada estágio recebi orientação extremamente valiosa por parte do professor Celso Sanchez, nosso professor de Metodologia. Finalmente, gostaria de expressar meu sincero agradecimento pelo auxílio e estímulo destas pessoas que me auxiliaram no desenvolvimento desta monografia.

3 Sumário Introdução...5 Capítulo 1 O Crédito História do Sistema Monetário do Brasil Moedas do Brasil Criação das Casas da Moeda Do Império à República Tipos de Crédito Crédito Pessoal Antecipação de Restituição do I.R Crédito Direto ao Consumidor Cheque Cheque Especial Conta Garantida Desconto de Cheques (Factoring) Cartões de Crédito Leasing Tipos de Leasing Crédito Imobiliário Crédito ao Governo Crédito à Produção Crédito Rural Títulos de Crédito Rural...40 Capítulo 2 - Análise de Crédito Ficha Cadastral Proposta de Crédito Caráter Fontes de Informação Pontualidade Restrições...50

4 2.4 Capacidade Checagens...54 Capítulo 3 - O Risco e a Inadimplência O Risco Inadimplência Teoria do Consumidor Racionamento de Crédito...62 Conclusão...71 Bibliografia...73 Webgrafia...73

5 Introdução O assunto deste trabalho está voltado para ao sistema de crédito, o perfil dos consumidores e a movimentação do mercado, conforme a necessidade do Mercado. Eu sou graduada em Economia desde 2000, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, atualmente estou fazendo pósgraduação em Finanças e Gestão Corporativa, na Universidade Cândido Mendes, com a finalidade de especializar-me. Trabalho em uma instituição bancária, analisando o crédito conforme o perfil do cliente, do produto comprado e sua finalidade. Como se pode ver, estou escrevendo sobre esse assunto por trabalhar com isso e ter grande interesse em ampliar meu conhecimento, e também visando a

6 possibilidade de algum aproveitamento na empresa. Pretendo abranger esse assunto, no primeiro capítulo vou apresentar o que é crédito e os alguns tipos de crédito; no segundo, os procedimentos de uma análise de crédito; no terceiro, o comportamento e capacidade dos consumidores, maximizando suas escolhas e a reação do mercado financeiro e como isso influência na demanda de crédito.

7 Capítulo 1 O Crédito O crédito está presente em nosso dia-a-dia, quando compramos qualquer mercadoria que não seja paga à vista, existe neste ato uma operação de crédito. É uma transação comercial em que um comprador recebe imediatamente um bem ou serviço adquirido, mas só fará o pagamento depois de algum tempo determinado. Essa transação pode também envolver apenas dinheiro. O crédito inclui duas noções fundamentais: confiança, expressa na promessa de pagamento, e tempo entre a aquisição e a liquidação da dívida. Neste trabalho vamos verificar como começou a necessidade de moeda e do crédito, alguns tipos de crédito mais comuns, como também a análise, o risco e as causas da inadimplência, o perfil dos indivíduos/consumidores e a ação do mercado no aquecimento e/ou desaquecimento da economia História do Sistema Monetário do Brasil

8 Moedas do Brasil No início da colonização, pouco se falava em dinheiro, o reduzido comércio interno era feito na base de trocas (escambo 1 ) e por isso era mínima a circulação de moedas. A unidade monetária usada era o real português, mas a primeira moeda brasileira de fato foi o açúcar, que em 1614 passou a valer como dinheiro, por ordem do governador Constantino Menelau. O valor da arroba (15 kg) de açúcar branco foi fixado em réis, o do mascavo em 640 réis, e o das outras espécies em 320 réis. Só os funcionários da administração portuguesa é que recebiam salários em moeda sonante. O dinheiro vinha de Portugal, mas sua origem na 1 O contrato de troca ou escambo mercantil opera ao mesmo tempo duas verdadeiras vendas, servindo as coisas trocadas de preço e compensação recíproca. Tudo o que pode ser vendido pode ser trocado".

9 verdade era da Espanha, muito mais rica em reservas metálicas devido à maior abundância de ouro e prata em seu império colonial. Durante a dominação de Portugal pela Espanha, de 1580 a 1640, a moeda utilizada na Colônia Brasileira era o real hispanoamericano, cunhado em Potosi (Bolívia). Havia moedas de 8, 4, 2, 1 e meio reales, que correspondiam respectivamente a 160, 80, 40 e 20 réis. Em 1624, a Holanda ocupou o nordeste brasileiro, sob seu domínio foi realizada a primeira cunhagem de moedas em território nacional. Quadradas, pequenas, feitas em ouro e prata, surgiram em Pernambuco, em Serviam principalmente para pagar os soldados holandeses aqui estabelecidos. Expulsos os holandeses, em 1654, e já restaurado o reino de Portugal voltou a valer na

10 Colônia sua política monetária. A partir de 1669, moedas de prata portuguesas passaram a circular no Brasil, carimbadas com um sinete real, nos valores de 80, 160, 320 e 640 réis. A confusão de vários tipos de moedas, com diversas origens e valores instáveis, persistia, mas não tinha grande importância, pois no período colonial, comerciava-se pouco: o mercado interno era muito pequeno. A maioria da população era composta de escravos e colonos livres: os escravos não podiam comprar nem vender, por sua própria condição social, enquanto que os colonos recebiam seus pagamentos em mercadoria Criação das Casas da Moeda

11 Moedas propriamente brasileiras só vieram a surgir no final do século XVII. Salvador era então a principal cidade da Colônia, sua capital e o mais importante centro de negócios. Por isso foi lá que, em 1694, os portugueses instalaram a primeira Casa da Moeda do Brasil. As moedas eram cunhadas em ouro e prata. As de ouro valiam 1, 2 e 4 mil réis. As de prata observavam uma progressão aritmética de valores mais original: 20, 40, 80, 160, 320 e 640 réis. O povo logo Ihes deu o nome de patacões, que tinha um certo sentido depreciativo, pois ninguém acreditava muito no valor das moedas cunhadas no Brasil. De 1695 a 1702, foram postas em circulação peças de cobre (10 e 20 réis), cunhadas na Casa do Porto e destinadas a Angola, mas aqui introduzidas por determinação régia.

12 Logo deixou de ser vantagem para a Coroa manter a Casa da Moeda em Salvador. Com a descoberta de jazidas de ouro pelos bandeirantes e a intensa exploração das Minas Gerais, a fabricação do dinheiro foi transferida para o Rio de Janeiro, em 1698, aí se cunhando ouro e prata nos valores já mencionados. Em 1700, a Casa da Moeda mudou para Pernambuco, voltando porém ao Rio dois anos depois. Em 1714, havia duas casas da Moeda: no Rio e novamente na Bahia. Em 1724, criou-se a terceira, em Vila Rica, que foi extinta dez anos mais tarde. A falta de troco era tanta que o Maranhão chegou até a ter sua própria moeda, fabricada em Portugal. Era feita em ouro e prata, nos valores usuais, e em cobre, valendo 5, 10 e 20 réis. O uso do dinheiro se restringia à faixa litorânea, onde se situavam quase todas as

13 cidades e se realizavam as grandes transações. Nos distritos mineiros, que só produziam ouro e importavam tudo o que consumiam, o próprio ouro, cuidadosamente pesado, funcionava como moeda para o comércio. A economia de troca continuava prevalecendo em todo o interior brasileiro. Já as regiões agrícolas apresentavam um sistema econômico peculiar. As fazendas, com suas legiões de escravos, eram praticamente auto-suficientes, produzindo quase tudo que necessitavam. Nelas, o dinheiro mesmo tinha pouca importância. A riqueza era avaliada com base na propriedade imobiliária e o gado era visto como um meio de intercâmbio tão bom como qualquer outro. Até a vinda da Corte Portuguesa para o Brasil, em 1808, o valor total das moedas que aqui circulavam não ultrapassava a irrisória cifra de contos (ou 10 milhões de réis). O

14 sistema monetário, irracional, complicava-se cada vez mais: chegaram a circular, ao mesmo tempo, seis diferentes relações legais de moedas intercambiáveis. Além disso, ouro em barra e em pó passava livremente de mão em mão, e moedas estrangeiras, algumas falsas, eram encontradas com a maior facilidade Do Império à República Ao transferir-se para o Rio de Janeiro, a Corte acelerou consideravelmente o processo econômico. Crescendo a produção e o comércio, tornou-se imprescindível colocar mais dinheiro em circulação. Fundou-se então o Banco do Brasil, que iniciou a emissão de papel-

15 moeda 2, cujo valor era garantido pelo seu lastro, ou seja, por reservas correspondentes em ouro. Entretanto, quando D. João VI retornou a Portugal, levou não só a Corte mas também o tesouro nacional. Golpe grave: as reservas bancárias da Colônia reduziram-se a 20 contos de réis. No dia 28 de julho de 1821, todos os pagamentos foram suspensos. Passou-se a emitir papel-moeda sem lastro metálico suficiente, ocasionando a progressiva desvalorização do dinheiro. Assim, quando D. Pedro I se tornou imperador do Brasil em 1822, encontrou os cofres vazios e uma enorme dívida pública. A independência brasileira começava praticamente sem fundos. Sob D. Pedro II, a situação 2 Papel-moeda emitido corresponde ao total de moeda legalmente existente na economia, cuja emissão foi autorizada pelo BC ou pelo Governo.

16 melhorou um pouco, devido ao aumento da produção industrial, ao café, e à construção de ferrovias e estradas, que permitiam um escoamento mais eficiente das riquezas. A desvalorização, porém, já era um mal crônico e as crises financeiras se sucediam. Só em em plena República - é que o dinheiro brasileiro registrou sua primeira alta no mercado internacional. De lá para cá, muita coisa mudou na economia brasileira, inclusive a moeda, que trocou várias vezes de nome: ao réis sucedeu, em 1942, o cruzeiro (e as subdivisões em centavos), que em 1967 se transformou em cruzeiro novo, valendo mil vezes o antigo. Três anos depois, voltou a ser apenas cruzeiro, que 1986 passou a chamar-se cruzado, que em 1989 passou a chamar-se cruzado novo, que em 1990 voltou a chamar-se cruzeiro, que em 1993 passou a chamar-se

17 cruzeiro real, que por sua vez passou a chamarse em 1994 real.

18 1.2 - Tipos de Crédito Chamamos de produtos algumas operações de crédito realizadas por bancos, financeiras, administradoras de cartão de crédito, empresas de leasing, empresas de factoring e etc. Cada produto aqui apresentado tem suas características próprias, seja para cumprir determinação da legislação e/ou por necessidade de mercado Crédito Pessoal O crédito pessoal é uma linha de crédito oferecida por bancos e financeiras, independentemente do destino que for dado ao dinheiro. Portanto, é uma linha diferente do CDC (Crédito Direto ao Consumidor), que está vinculado à compra de bens específicos.

19 Para pedir este empréstimo, o interessado preenche um cadastro. E é a partir dele que a instituição financeira vai avaliar o nível de risco do cliente, para saber as possibilidades do cliente pagar corretamente ou ficar inadimplente. Muitos bancos/financeiras, com base no histórico do cliente, já têm linhas de empréstimo pessoal aprovadas previamente e informam o cliente através de correspondência sobre o crédito disponível. Se estiver interessado, o cliente usa a linha. A maioria das operações de crédito pessoal são realizadas com juros prefixados, o que resulta em prestações fixas, embora também existam operações com juros pós-fixados. O crédito desta linha, teoricamente, depende de uma avaliação de risco cuidadosa. Por isso os juros costumam ser menores do que

20 os praticados no cheque especial, no cartão de crédito e no CDC. O tomador também pode oferecer alguma garantia real ao banco, como imóvel ou carro, com o objetivo de reduzir o juro. Quanto menor o risco, menor deve ser esta taxa Antecipação de Restituição do I.R. É um tipo de crédito pessoal sem comprovação de utilização. Linha de crédito que visa antecipar os valores a serem recebidos da Receita Federal, referente a restituição de valores do imposto de renda recolhidos. O público alvo são clientes dos bancos que optam junto a Receita Federal a receber sua restituição do Imposto de Renda através de conta corrente na instituição. Após a estabilização da moeda e a queda nos índices de inflação, as instituições

21 financeiras procuraram desenvolver produtos voltados para as operações ativas. Sem ter mais os altos ganhos nas operações passivas (captação de recursos), as instituições procuram gerar receitas com empréstimos e financiamento. Este produto é recente começou a ser comercializado mais ou menos 1998, inicialmente, por poucas instituições, hoje em dia, quase todas as grandes instituições oferecem este produto. Como o público alvo deste produto é composto por correntistas da instituição, a inadimplência tende a ser baixa. Além disto sabemos exatamente qual será o valor que o cliente irá receber, o que faz com que possamos adequar o valor que será liberado. Para realizar a operação a maioria das instituições exigem a apresentação do Recibo de Entrega da Declaração do Imposto de

22 Renda, onde consta qual será o banco que irá receber o crédito da restituição, além do valor dela. A maioria das instituições que oferecem o produto, limitam o prazo de quitação ao último do calendário da Receita Federal para a liberação dos lotes de restituição. Deve haver uma cláusula no contrato que indique o prazo máximo para a quitação da operação, pois a instituição corre o risco do cliente cair na malha fina e pode ser que a restituição dele demore muito para ser liberada, sendo assim o cliente terá que usar de outros recursos para quitar sua dívida. Os encargos, o valor principal, o IOF e a TAC são cobrados na quitação do contrato. As instituições, em sua maioria liberam até 80% do valor da restituição. Elas

23 também limitam o valor mínimo a ser financiado, em média R$ 100, Crédito Direto ao Consumidor É o financiamento destinado à aquisição de bens (qualquer produto de consumo e até viagens). Esta modalidade de crédito está presente em nosso dia-a-dia, quando compramos um bem durável e pagamos à prazo, na verdade estamos levando o bem e assumindo um financiamento com uma financeira ou banco. A instituição financeira paga à vista à loja e financia nossa compra. Nos casos de financiamentos de veículos (automóveis, motos, caminhões, motos, barcos, máquinas) o bem financiado fica como garantia do pagamento. Nesta situação dizemos que o bem está em alienação fiduciária.

24 O comprador passa usufruir imediatamente de um bem que será pago com sua renda pessoal. Em muitos casos, o próprio vendedor financia o cliente, mas, em escala cada vez maior, financeiras especializadas pagam ao vendedor e compram a dívida e também o risco de não-pagamento. O lucro da financeira é formado pelos juros cobrados do comprador. As financeiras, devido a necessidade de emitir uma parecer rápido sobre a solicitação do cliente, utilizam métodos informatizados de avaliação das propostas. Métodos estes baseados em dados estatísticos de perfil de um bom pagador. Através destes sistemas informatizados a financeira consegue em um tempo relativamente curto sabese se o cliente será ou não, um bom pagador. Além disto as empresas realizam checagens com as fontes informadas nas propostas, fontes como: referências pessoais, local de trabalho, referência bancária, experiência de crédito em outra empresa e etc.

25 As empresas/órgãos de informação, também são fontes de consulta, eles servem para verificar se o cliente está com dívidas no mercado ou não Cheque Apesar do cheque ser uma ordem de pagamento à vista, a grande utilização deste no mercado como meio de pagamento à prazo, faz com que para efeito de estudo, ele seja colocado como um produto de crédito. Não é novidade alguma que a necessidade da venda de mercadorias e serviços, faz com que o empresário ou micro-

26 empresário seja cada vez mais ágil. Ele necessita vender rapidamente e de preferência não colocando obstáculos para seus clientes. O cheque se mostrou como o instrumento ideal para suas vendas à prazo (o famoso cheque pré-datado ). O cheque pré-datado, a rigor, não é uma operação de crédito. O consumidor parcela uma compra, dando como garantia os cheques pré-datados, mais porque tem maior facilidade nesta operação do que com o preenchimento de uma ficha cadastral completa para financiar a compra à prazo. É por esta facilidade que o cheque-pré é uma das modalidades preferidas no parcelamento das compras. De fato, é uma relação de confiança entre o consumidor e o varejista. Mas não está previsto na Lei este tipo de instrumento. Para todos os efeitos, o cheque é sempre um pagamento à vista. Tanto que se o varejista

27 apresentar o cheque antes da data de vencimento, o documento é descontado normalmente. E se não houver fundos, o cheque é devolvido e o consumidor vai ter todos os problemas como qualquer outro emissor de cheque sem fundo. No entanto todos devem tomar seus cuidados ao receberem um pagamento em cheque, seja ela pré-datado ou à vista Cheque Especial É um contrato assinado entre o cliente e uma instituição financeira, com o qual o cliente tem disponibilizado em sua conta corrente um limite de crédito, que permite saques e movimentações à débito, além do seu saldo disponível. Destina-se a cobertura de eventuais saldos devedores. O público alvo é pessoa físicas e jurídicas. Alguns bancos oferecem um período de graça para a utilização do limite de

28 crédito sem a cobrança de juros. Este período varia de 10 até 13 dias. Se o cliente cobrir o saldo devedor durante este período ele não paga juros, paga somente o IOF. A utilização é de forma automática, ou seja basta a emissão de um cheque, uma retirada com cartão magnético, um débito automático de qualquer conta ou qualquer outro meio permitido pelo banco, de movimentação da conta. Para a instituição financeira é um excelente instrumento mercadológico. Como toda a operação de crédito tem riscos e nesta operação específica existe mais um risco, o banco tem que destinar uma grande quantidade de recursos para atender as retiradas dos clientes. As retiradas podem ser automáticas, por isto fica difícil para o banco prever o valor correto, este produto afeta sensivelmente as

29 reservas bancárias. É um produto crédito que por suas características possui uma das taxas de juros mais caras Conta Garantida É um contrato de abertura de crédito na modalidade rotativo, que é concedido pelos bancos aos seus clientes, após análise de crédito. Ao cliente, pessoa física ou jurídica é destinado um limite na instituição financeira, este limite pode ser utilizado de forma automática através das diversas maneiras que atualmente existem de movimentar um conta corrente (cheque, cartão magnético, transferência via micro, via telefone etc.) Sendo assim, quando não houver mais saldo positivo em conta corrente do cliente, a instituição financeira passar a liberar recursos ao cliente de

30 maneira automática, até o limite pré estabelecido. O cliente paga encargos e IOF sobre os recursos utilizados e pelo tempo que ele utilizou. Algumas instituições trabalham com cheques pré-datados como garantia da operação, o cliente entrega os cheques ao banco e este vai realizando os depósitos de acordo com a data de apresentação negociada entre os clientes da empresa. Sendo assim os depósitos dos cheques vão abatendo o saldo devedor da conta garantida e o tomador só paga juros sobre o limite utilizado Desconto de Cheques (Factoring) A instituição financeira adianta recursos ao cliente e recebe como garantia cheques pré-datados. Possibilita ao cliente

31 receber adiantado o resultado de suas vendas à prazo. O público alvo são pessoas jurídicas que vendem seus produtos aos clientes, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas, utilizando na modalidade de crédito o cheque pré-datado. Esta operação é muito praticada pelas empresas de factoring, sendo uma das suas principais operações. Deve-se tomar alguns cuidados nesta operação, pois apesar de ser uma operação com grande possibilidade de oferecer uma boa rentabilidade alguns cuidados devem ser tomados. Cada empresa ou instituição encara o risco de uma maneira, algumas em busca de maior retorno aceitam correr maiores riscos. Cada administrador deve conhecer bem o seu negócio e optar por ser mais ou menos conservador em relação ao crédito. Estas dicas são somente um parâmetro que é utilizado por algumas empresas/instituições no mercado.

32 Não aceitar cheques de fora da praça de onde está ocorrendo a operação (devendo levar em consideração as áreas urbanas com influência em outros municípios. Exemplos: Rio de Janeiro em relação a Niterói. São Paulo em relação as cidades do ABCD.). Não aceitar cheques de pessoas jurídicas (esta medida depende do público alvo que a empresa/instituição atende). Aceitar somente cheques chamados especiais. Consultar os cheques, por amostragem, junto a empresas de informação comercial para verificar a incidência de restrições Somente aceitar cheques de contas aberta há mais de 1 ano. Evitar concentração de valores em poucos clientes. Como já foi dito anteriormente, os cuidados que devem ser tomados dependem do risco que cada empresa ou instituição está disposta a correr. Outro fator de impacto poder ser a dificuldade de realizar determinadas medidas. Para se verificar se o cliente tem mais de um ano de conta ou se o cheque é especial é necessário que os cheques sejam manuseados um por um. O que demanda tempo e mão-de-obra.

33 Medidas mais conservadoras também podem causar um grande impacto comercial junto aos clientes. Para que este produto tenha um melhor aproveitamento tanto em relação a sua rentabilidade quanto ao grau de exposição ao risco é indispensável que a operação seja mais automatizada possível. Existem empresas de informática que comercializam sistemas que oferecem amplas possibilidades de administração de sua carteira de cheques. Os sistemas possibilitam verificar quase tudo. Eles podem lhe dizer qual é banco e/ou qual é a agência bancária que teve maior número de cheques apresentados. Você pode verificar a inadimplência por estes critérios também. Os sistemas podem calcular pelo número de cheques apresentados, qual seria a amostragem ideal para consultar as empresas de informação comercial Cartões de Crédito São também uma forma de crédito direto ao consumidor. É um cartão de plástico emitido por uma administradora de cartões que tem como finalidade servir como meio de pagamento.

34 O cartão de crédito apresenta muitas vantagens para todos os envolvidos na operação, seja o emissor do cartão, o usuário ou o estabelecimento credenciado que aceita o cartão como meio de pagamento. As vantagens do cartão para o usuário - permite que o usuário tenha um limite de crédito pré estabelecido e automático para seu uso de acordo com suas necessidades. O cliente passa por uma única análise de crédito ao aderir ao sistema de cartão de crédito. O cliente pode optar pelo pagamento rotativo ou pelo parcelado de suas comprar ou ainda optar por quitar o valor total de suas despesas. E para o estabelecimento - que se credencia junto a uma administradora de cartões de crédito tem como principal vantagem (em relação ao crédito) a transferência das rotinas de concessão de crédito para a administradora, pois o único risco que ele fica exposto ao receber um pagamento em cartão é se este constar na lista de impedidos e o responsável pela transação não realizar a consulta, mas mesmo assim com a informatização dos

35 processos de consulta cada vez mais ampliados, este risco diminui muito. O cartão de crédito pode ser emitido para ser utilizado unicamente no Brasil ou para ter uso Internacional. O cartão pode ser emitido para pessoas físicas ou pessoas jurídicas. Existem cartões que não estipulam limite de crédito, mas aprovam as despesas através do perfil econômico, recursos pessoais, padrão de gastos e histórico de pagamento Leasing Também chamado de arrendamento mercantil. Consiste basicamente na cessão para a utilização, mediante um contrato, de um bem por uma empresa

36 (arrendador) a um terceiro (arrendatário) durante um determinado prazo Tipos de Leasing Leasing Financeiro Finame Leasing Leasing Operacional Leasing para Pessoas Físicas Crédito Imobiliário Constitui o financiamento de casa e apartamentos. Envolve pouco risco, pois em geral o imóvel é garantia do empréstimo, sob forma de hipoteca.

37 Crédito ao Governo Baseia-se na expectativa de que os impostos futuros sejam capazes de cobrir o valor do empréstimo e seus juros. Em geral, o governo obtém crédito por meio da emissão de títulos de dívida pública negociáveis (como as ORTNs). Já o financiamento de obras de infraestrutura, como estradas e usinas é conseguido junto a órgãos internacionais (como o BIRD) e a consócios de bancos de grande porte Crédito à Produção Baseia-se na suposição de que será pago por si mesmo, isto é, o investimento gerará meios necessários para o pagamento da dívida, seus encargos e ainda sobrará algo para

38 o lucro. Os créditos à produção podem ser a curto prazo (crédito comercial) ou longo prazo (crédito de investimento). O crédito comercial, para pagamento em 30 a 129 dias, serve, na maioria dos casos, para a formação do capital de giro da empresa. O crédito de investimento, a longo prazo, com vencimentos previstos para alguns anos, tem o papel de desenvolver determinadas áreas, inclusive proporcionando recursos para a pesquisa tecnológica Crédito Rural O crédito rural disponibiliza recursos financeiros para a aplicação exclusiva em atividades agrícolas e pecuárias. É feito a

39 médio prazo (vencimento em um ano ou mais) e empregado na compra de insumos e implementos. O governo tem criado carteiras agrícolas, tanto nos bancos particulares como nos estatais, a juros subsidiados, com a intenção de desenvolver o setor. São várias as modalidades de crédito rural: Comercialização agrícola - recursos para o beneficiamento e a estocagem dos produtos, tendo que estes produtos devem ser negociados em um prazo determinado após a liberação dos recursos. Comercialização de produtos oriundos da atividade pecuária - funciona exatamente como a modalidade de comercialização agrícola.

40 Investimento agrícola e pecuário - são recursos destinados aos investimentos fixos e semi-fixos para estas atividades. Custeio agrícola e pecuário - são recursos que procuram atender o ciclo operacional destas atividades Títulos de Crédito Rural Cédula Rural Pignoratícia Cédula Rural Hipotecária Cédula Rural Pignoratícia e Hipotecária Nota de Crédito Rural Nota Promissória Rural Duplicata Rural

41 Capítulo 2 - Análise de Crédito A análise de crédito consiste em atribuir valores à um conjunto de fatores que permitam a emissão de um parecer sobre determinada operação de crédito. Para cada fator individual emitimos um valor subjetivo (positivo ou negativo) para este. Se o conjunto de fatores apresentar valores positivos em maior número que os negativos, a tendência é que o parecer seja favorável a concessão do crédito. O processo de concessão de crédito para pessoas físicas ou jurídicas é muito parecido, todos tem um fluxo bem semelhante. A pessoa física tem sua fonte de renda e suas despesas que podem ser de curto ou longo prazo. Ela tem que tentar fazer com que sua

42 receita seja suficiente para honrar suas despesas. Muitas vezes a falta de controle, o surgimento de despesas imprevistas ou outros fatores, fazem com que exista a necessidade de se buscar um suprimento de dinheiro extra para preencher esta lacuna aberta em seu orçamento. Nesta situação é que surge o profissional de crédito com a missão de analisar se este proponente merece que a empresa/instituição conceda à ele os recursos que necessita. São diversos os fatores, e, estes, nos possibilitam ter uma idéia do provável comportamento do cliente. Estaremos analisando o seu passado e tentaremos prever seu comportamento futuro. Tentando assim só conceder crédito aos que demonstrem maiores e melhores chances de honrar seus compromissos.

43 Outro fator de vital importância são as garantias. Apesar de não devermos realizar qualquer operação de crédito baseada somente nas garantias, estas são um fator fundamental na análise do crédito, pois elas podem nos dar a certeza de no caso de um sinistro, nosso capital investido terá um retorno mais rápido. A análise de crédito conta com a informática como instrumento de precioso auxílio. É possível, com uma grande base de dados estatísticos, saber o perfil de um provável bom pagador. Não podemos esquecer das informações que são obtidas pela checagem e pela análise dos documentos apresentados pelo tomador que deseja realizar uma operação de crédito.

44 Todos estes fatores permitem que a análise de crédito seja possível com maior segurança. Como veremos nos tópicos a seguir Ficha Cadastral A ficha cadastral é o ponto de partida para uma análise de crédito, nela devem estar contidas as informações que irão permitir a emissão de um parecer sobre uma operação de crédito. Todas as informações pedidas na ficha cadastral devem ter uma utilidade, ou seja, se a informação não vai servir para auxiliar a emissão do parecer, não deve ser posta na ficha cadastral. Na ficha cadastral poderá ou não estar incluída uma proposta de crédito. A proposta de crédito, mesmo tendo campos em

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais * Informações de janeiro/2002 * Sumário Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB Benefícios do Novo SPB O que é Porque mudar O que muda O que muda com o novo SPB Transferências só com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Copyright Pereira, F. I. Prof.

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Um EMPRÉSTIMO é um contrato entre o cliente e a instituição financeira pelo qual ele recebe uma quantia que deverá ser devolvida ao banco em prazo determinado, acrescida dos

Leia mais

O melhor crédito para você

O melhor crédito para você 1016324-4 - abr/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

Como comprar o seu imóvel. Um jeito único de vender.

Como comprar o seu imóvel. Um jeito único de vender. Como comprar o seu imóvel Um jeito único de vender. NOSSA MISSÃO A Impacto Engenharia investe constantemente em um relacionamento mais estreito com seus clientes e assim oferece um jeito único de servir,

Leia mais

Cartilha do ORÇAMENTO DOMÉSTICO. seja um

Cartilha do ORÇAMENTO DOMÉSTICO. seja um Cartilha do ORÇAMENTO DOMÉSTICO seja um A Boa Vista Serviços é uma empresa genuinamente brasileira, atualizada e inovadora, constituída para a operação do SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior*

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* Publicado em 2 de março de 2007 PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* 1. Sabemos que o Banco Central exige que os bancos mantenham um nível mínimo

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar.

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Guia do uso consciente do crédito O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Afinal, o que é crédito? O crédito é o meio que permite a compra de mercadorias, serviços

Leia mais

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Comunicação Carlos Alberto

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 5: Serviços Bancários

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 5: Serviços Bancários Educação Financeira Crédito Consignado Módulo 5: Serviços Bancários Objetivo Conscientizar nossos clientes sobre os serviços bancários e as funções de cada funcionário O conteúdo deste material é baseado

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não:

1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não: 1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não: (A) CDC; (B) CDCi; (C) CDI; (D) crédito pessoal; (E)

Leia mais

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo).

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo). Módulo 2 O Patrimônio Conceito. Estão compreendidas no campo de atuação do contabilista as atividades de estudo, controle, exposição e análise do patrimônio, de maneira a poder informar a situação patrimonial

Leia mais

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros!

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! Consórcio Imobiliário na prática Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! 1 Sobre a empresa A A+ Consórcios iniciou suas atividades com o objetivo de gerir

Leia mais

INTRODUÇÃO A ECONOMIA AULA 01 : CONCEITOS BÁSICOS TÓPICO 01: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados em nossas aulas, como vídeos

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER

CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER Entenda o que é e como funciona o Cadastro Positivo, antes de optar por aderir ou não. Quanto mais informado, melhor e mais consciente poderá ser a sua opção. Algumas

Leia mais

Mensagem do Administrador

Mensagem do Administrador Educação Financeira Índice 1. Mensagem do administrador... 01 2. O Cartão de crédito... 02 3. Conhecendo sua fatura... 03 4. Até quanto gastar com seu cartão... 07 5. Educação financeira... 08 6. Dicas

Leia mais

REPASSE IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

REPASSE IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO Prezado Cliente, Com o objetivo de concretizar o negócio, os bancos oferecem condições especiais de financiamento para pessoas física, quando Imóvel Residencial e Comercial e com regras distintas para

Leia mais

Linhas de Crédito. Capital de Giro

Linhas de Crédito. Capital de Giro Linhas de Crédito Capital de Giro Apresentação FIESP Jul/2015 Operações mais utilizadas NOME CONTA GARANTIDA CAIXA CH.EMPRESA CAIXA CREDITO ESPECIAL EMPRESA - PRE/PRICE - GARANTIA FGO GIROCAIXA RECURSOS

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II AULA 08 Produtos e Serviços Financeiros II Operações Ativas As operações ativas são aquelas em que o banco, além dos investimentos destinados à formação do seu ativo permanente e disponibilidades, atua

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

O Feirão DA SUA CASA.

O Feirão DA SUA CASA. O Feirão DA SUA CASA. Tudo o que você queria saber sobre o financiamento da CAIXA para comprar, construir ou reformar sua casa. E tudo sobre o Programa Minha Casa Minha Vida para quem ganha até R$ 4.900,00.

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio Viabiliza o financiamento da cadeia do agronegócio com recursos privados O produto

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

*O pagamento acontece diretamente para o vendedor, PJ ou PF, após toda análise crédito e do bem.

*O pagamento acontece diretamente para o vendedor, PJ ou PF, após toda análise crédito e do bem. 1- Posso comprar dois automóveis com uma única carta de crédito? Sim. Podem ser alienados dois veículos em uma única cota de consórcios, porém são duas despesas para alienação dos bens. *O pagamento acontece

Leia mais

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 Melhoria do marco regulatório para o crédito Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 1 Objetivo das medidas: melhorar a produtividade e a competitividade da economia Liberação de compulsório e redução

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS Convênio Banco do Brasil e Liquigás 2 Senhores Revendedores e Transportadores, O convênio firmado com o Banco do Brasil propiciar aos Revendedores

Leia mais

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br Parabéns! Agora você faz parte de uma cooperativa Sicoob e conta com todos os produtos e serviços de um banco,

Leia mais

VIVA SEM DÍVIDAS. Campanha para proteção e orientação aos consumidores endividados O QUE PARECE SER A SOLUÇÃO, PODE SE TRANSFORMAR NUMA PRISÃO.

VIVA SEM DÍVIDAS. Campanha para proteção e orientação aos consumidores endividados O QUE PARECE SER A SOLUÇÃO, PODE SE TRANSFORMAR NUMA PRISÃO. VIVA SEM DÍVIDAS Campanha para proteção e orientação aos consumidores endividados O QUE PARECE SER A SOLUÇÃO, PODE SE TRANSFORMAR NUMA PRISÃO. Aprenda a cuidar do seu dinheiro já! É muito fácil obter crédito,

Leia mais

Perguntas Freqüentes

Perguntas Freqüentes Perguntas Freqüentes Dúvidas: 4003-8777 Conhecendo o Crédito Universitário PRAVALER 1. O que é o crédito universitário PRAVALER? O PRAVALER é um crédito universitário que permite você pagar seus estudos,

Leia mais

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT Produtos e Serviços Convênio Banco do Brasil S.A. e FENACAT 2 Prezadas Associadas, As informações aqui tratadas orientam sobre como obter os benefícios e utilizar os produtos e serviços descritos nesta

Leia mais

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO A Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração (ANEFAC) realizou durante o mês de outubro de a 15ª edição da Pesquisa de Utilização do 13º salário.

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO UO DOS FUNCIONARIOS DO SISTEMA FIERGS- CRESUL Travessa Francisco de Leonardo Truda, 40 sala 143 14 andar Porto Alegre-RS CEP 90010-050 Fone (0**51) 3224-3280 Fax:

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO 2013 GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO CARTÕES DE CRÉDITO Definição Cartão de crédito é modalidade de pagamento à vista, objeto de um contrato de adesão entre o consumidor e uma administradora de cartões,

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

Guia Rápido do Cliente

Guia Rápido do Cliente Guia Rápido do Cliente Seja bem-vindo! Está chegando a hora de viver a vida em Alphaville. Para nós, é um grande prazer recebê-lo e poder compartilhar esse momento de realização com você. Nesse Guia Rápido,

Leia mais

Curso: Assistente Administrativo Financeiro.

Curso: Assistente Administrativo Financeiro. Assistente Administrativo Financeiro Introdução A administração financeira está intimamente ligada à Economia e Contabilidade, utilizando informações contábeis e conceitos econômicos, correspondendo a

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

FUNDAMENTOS DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

FUNDAMENTOS DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil FUNDAMENTOS DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Planejamento financeiro é um processo Existe disponibilidade de recursos para isto? racional de administrar sua renda, seus investimentos, De onde virão os recursos para o crescimento

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Informações básicas sobre crédito

Informações básicas sobre crédito Coleção Educação Financeira Informações básicas sobre crédito O crédito é um instrumento poderoso para viabilizar sonhos e projetos, sejam eles pessoais ou empresariais. É útil também nas horas de aperto,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * *

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Escola Profissional de Agentes de Serviço e Apoio Social Curso de Animador Social/Assistente Familiar Área Científica - ECONOMIA * * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Módulo 4: MOEDA E MERCADO FINANCEIRO

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil Já imaginou como seria a vida sem usar o dinheiro? Estranho, não? Pois há muitos e muitos séculos atrás ele não existia, mas, como

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES CAMPUS DE ERECHIM ANDERSON FERNANDO BAGATINI SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES CAMPUS DE ERECHIM ANDERSON FERNANDO BAGATINI SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES CAMPUS DE ERECHIM ANDERSON FERNANDO BAGATINI SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS ERECHIM 2010 ANDERSON FERNANDO BAGATINI SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM.

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. Por norma do Conselho Monetário Nacional (CMN), foram padronizados os Serviços Prioritários e os serviços isentos para Pessoa

Leia mais

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? *

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Com a queda da taxa básica de juros, a economia brasileira observa uma aceleração do crédito como nunca antes vista. Os juros em baixa

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Palavras que você precisa conhecer

Palavras que você precisa conhecer Guia do Comprador NOVOLAR, um nome cada vez mais forte no mercado de construção civil. A NOVOLAR vem consolidando uma reputação de alta qualidade, graças aos seus diferenciais nas execuções das obras e

Leia mais

Aula 1 Conteúdo Programático

Aula 1 Conteúdo Programático Planejamento Financeiro Aula Conteúdo Programático Profa. Claudia Abramczuk Aula : controles financeiros básicos Aula 2: principais demonstrativos financeiros Aula 3: ferramentas utilizadas para tomada

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento (Versão 05/2014) Estas são as Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento, solicitado por você e contratado por meio de digitação de senha ou ligação

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em setembro/2013, sendo esta a quinta elevação no ano. Esta elevação

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0454 54 IDENTIFICAÇÃO: Título : CONCESSÃO DE CRÉDITO A CLIENTES Atributo : PONTUALIDADE NO RECEBIMENTO Processo : ANÁLISE DE CRÉDITO O QUE É: Trata-se de documento cujo objetivo

Leia mais

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE:

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: Partes - BANCO MERCANTIL DO BRASIL S.A., com sede na Rua Rio de Janeiro, nº 654, Centro,

Leia mais

CRÉDITO - CONSIGNADO

CRÉDITO - CONSIGNADO infi Instituto FEBRABAN de Educação FORMAÇÃO DE CORRESPONDENTES MÓDULO IIIb CRÉDITO - CONSIGNADO SUMÁRIO Caracterização de Empréstimos... 3 Juros sobre Empréstimos... 4 Conceito de Empréstimo... 4 Tipos

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 44 4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 4.1 Cheque O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser

Leia mais

Fique tranqüilo e. pague menos. Dicas para você saber como usar sua conta corrente e economizar no dia-a-dia.

Fique tranqüilo e. pague menos. Dicas para você saber como usar sua conta corrente e economizar no dia-a-dia. Fique tranqüilo e pague menos Dicas para você saber como usar sua conta corrente e economizar no dia-a-dia. Controle seu orçamento Evite gastar mais do que você possui na conta corrente, incluindo seu

Leia mais

Cartão Consignado. Aposentados e Pensionistas do INSS

Cartão Consignado. Aposentados e Pensionistas do INSS Cartão Consignado Aposentados e Pensionistas do INSS Cartão Consignado INSS Regras Vigentes INSS Regras Vigentes Cartão exclusivo para compras (o saque é proibido). Temos que aguardar a manifestação do

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO 03/2009 ENTRE O COMAER/ CFIAe & CAIXA (CEF) INSTRUÇÕES AOS BENEFICIÁRIOS DA CFIAe GENERALIDADES A Caixa de Financiamento Imobiliário da Aeronáutica (CFIAe) vem acompanhando as taxas

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Curso: Adm Geral. Decisões de Investimento e Financiamento III. Financiamentos. Financiamentos de Curto Prazo. Prof.: Marcelo dos Santos

Curso: Adm Geral. Decisões de Investimento e Financiamento III. Financiamentos. Financiamentos de Curto Prazo. Prof.: Marcelo dos Santos Curso: Adm Geral Prof.: Marcelo dos Santos Decisões de Investimento e Financiamento III Financiamentos Fontes de financiamento de curto prazo. Fontes de financiamento a médio e a longo prazo. Arrendamento

Leia mais

PME & E PEQUENAS, MÉDIAS EMPRESAS E ENTIDADES

PME & E PEQUENAS, MÉDIAS EMPRESAS E ENTIDADES O QUE É CRÉDITO? A palavra crédito vem do latim CREDERE, que significa "acreditar" ou "confiar"; ou seja, quando você concede crédito para o seu cliente é porque confia que ele vai quitar o compromisso

Leia mais

Renda Fixa. Letra de Crédito do Agronegócio

Renda Fixa. Letra de Crédito do Agronegócio Renda Fixa Letra de Crédito do Agronegócio Letra de Crédito do Agronegócio Diversifique sua carteira de investimentos e obtenha mais rentabilidade O produto Letra de Crédito do Agronegócio () é um título

Leia mais

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

INADIMPLÊNCIA: E AGORA?

INADIMPLÊNCIA: E AGORA? INADIMPLÊNCIA: INADIMLÊNCIA E AGORA? Inadimplência: E agora? Quantas vezes você já se fez essa pergunta? Já conseguiu resolver este problema? Nesta cartilha iremos orientar, com base na legislação e no

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais